Você está na página 1de 13

Alexandre Couto da Fonseca

Carlos Roberto da Silva Rodrigues

Carlos Vinícius Dias dos Reis

Samuel Silva de Oliveira

Equação de Bernoulli

Cabo Frio, 2017.


Alexandre Couto da Fonseca – Matrícula: 201401046797

Carlos Roberto da Silva Rodrigues – Matrícula: 201408070723

Carlos Vinícius Dias dos Reis – Matrícula: 201509087842

Samuel Silva de Oliveira – Matrícula: 201512811599

Equação de Bernoulli

Relatório técnico apresentado como requisito


parcial para obtenção de aprovação na disciplina
Hidráulica, no Curso de Engenharia Civil, na
Universidade Universidade Estácio de Sá.

Prof. Dr.: Marcelo Silva.

Cabo Frio, 2017.


RESUMO

Este trabalho apresenta a metodologia e os procedimentos realizados em laboratório


para a obtenção dos dados necessários para calcular-se a velocidade de escoamento de um
fluido. O objetivo deste é demonstrar como os experimentos foram realizados e a através dos
devidos cálculos, comparar os valores obtidos através da equação da continuidade (teóricos)
com os valores colhidos do equipamento (práticos) aplicados na equação de Bernoulli.
Sumário
1 Introdução: ........................................................................................................................................... 1
2 Desenvolvimento: ................................................................................................................................ 3
2.1 Objetivo:............................................................................................................................................ 3
2.2 Metodologia: ..................................................................................................................................... 4
2.3 Procedimentos Experimentais: .......................................................................................................... 4
2.4 Resultados: ........................................................................................................................................ 5
3 Conclusão: ............................................................................................................................................ 8
Referências bibliográficas: ...................................................................................................................... 9
1 Introdução:
A mecânica dos fluidos é o ramo da mecânica que estuda o comportamento físico dos
fluidos e suas propriedades. Os aspectos da mecânica dos fluidos são de fundamental
importância para a solução de vários problemas encontrados habitualmente na engenharia,
sendo suas principais aplicações destinadas ao estudo de escoamentos de líquidos e gases.

A vazão é a principal característica de um escoamento, uma vez que seu valor é


utilizado no dimensionamento de obras de Engenharia. A observação do escoamento permite
entender melhor o comportamento de um canal ou rio. No dia a dia, encontra-se o estudo
relacionado a vazão na elaboração de projetos de Engenharia para sistemas de água e esgotos,
geração de energia elétrica, irrigação e drenagem, além de sua aplicação nas indústrias em
máquinas e equipamentos, mostrando a importância do desenvolvimento de estudos neste
setor.

A equação da continuidade é uma das equações mais utilizadas na mecânica dos


fluidos. Essa equação é uma consequência da aplicação da conservação da massa no caso do
escoamento de um fluido incompressível e mostra a conservação da massa de líquido
transportado ao longo de todo o escoamento por uma tubulação.

Considerando três pedaços de tubos com diâmetros diversos e áreas de seção


transversal S1, S2 e S3 conectados, e com água escoando através deles no sentido de A para
B, com velocidades de intensidades V1, V2 e V3, respectivamente.

V1S1 = V2S2 = V3S3

1
Sendo o líquido incompressível (mesma densidade em todos os pontos), o intervalo de
tempo em que um volume qualquer atravessa “S1” é o mesmo em “S2” e “S3”. Por
conseguinte a vazão nos três pontos (S1,S2 e S3) será a mesma. Desta dedução, temos a
fórmula: Q = v x S, ou Q = v x A, denominada equação da continuidade. Esta equação firma
que a velocidade com que o líquido escoa no interior do tubo é inversamente proporcional à
área de seção transversal (S) do mesmo, ou seja, diminuindo a área, a velocidade (v) com que
o líquido flui aumenta na mesma proporção.

A equação da continuidade permite postular e permear novas ideias e conceitos


relacionados ao estudo do escoamento de um fluido. Ao escoar por um duto com uma seção
transversal variável são observadas mudanças na velocidade de escoamento, de forma que a
vazão volumétrica permanece constante, respeitando o princípio de conservação de massa.
Sendo assim, pode-se notar, via Leis de Newton, que se a velocidade muda é porque existem
diferenças de pressão ao longo do cano, sendo a força resultante composta pela força
gravitacional e pela força associada a diferença de pressão.

A partir disso, iremos obter uma equação, chamada equação de Bernoulli, que
relaciona a pressão e a velocidade de um fluido ideal, incompressível, que escoa em regime
laminar sob efeito da gravidade ao longo de um tubo de corrente. A equação de Bernoulli,
assim como a equação da continuidade, não está baseada em novos princípios físicos. Assim
como a equação da continuidade expressa a conservação de massa do fluido, ou seja, o fato
básico de que massa não pode ser criada nem destruída, a equação de Bernoulli expressa a
conservação da energia do fluido, respeitando o modelo de fluido que estamos utilizando.
Essa equação é bastante importante na descrição de fluidos em movimento e foi obtida pela
primeira vez em 1738 por Daniel Bernoulli.

2
2 Desenvolvimento:
Em hidráulica ou em mecânica dos fluidos, define-se vazão como a relação entre o
volume e o tempo. A vazão pode ser obtida a partir do escoamento de um fluido através de
determinada seção transversal de um conduto livre (canal, rio ou tubulação aberta) ou de um
conduto forçado (tubulação). Isto significa que a vazão representa a rapidez com a qual um
volume escoa.

A unidade de medida adotada pelo Sistema Internacional de Unidades (SI) para a


vazão volumétrica é m³/s, embora os valores para esta vazão muitas vezes sejam mensurados
em m³/h, l/h ou o l/s.

A forma mais simples para se calcular a vazão volumétrica é tomando o volume


escoado (V) durante o tempo apurado (t). A vazão é geralmente representada na literatura pela
letra “Q”, ou ainda “Qv” quando se especifica “vazão volumétrica”.

Outra forma de se calcular os valores da vazão em determinado ponto é através da


relação da velocidade com a qual o fluido escoa pelo duto e a área da seção transversal desta
tubulação. Sendo “v” a velocidade de escoamento do fluido e “A” a área da seção transversal
da tubulação, tem-se:

Qv = v x A

A equação da continuidade afirma que durante o escoamento de um líquido incompressível a


vazão volumétrica permanece constante, enquanto a velocidade deste escoamento se altera de
acordo com a seção transversal do duto. Conhecendo a área dos dutos, pode-se obter a velocidade
de escoamento pela fórmula da vazão, fazendo:

Qv = v x A → v =

2.1 Objetivo:
Utilizar o conhecimento teórico para obter através dos cálculos o valor da velocidade
de escoamento de um fluido. Experimentalmente, obter novos valores para esta velocidade e
comparar os resultados encontrados.

3
2.2 Metodologia:
Para a coleta dos dados, foram realizados experimentos no laboratório de Hidráulica
da Universidade Estácio de Sá – Campus Cabo Frio.

Para calcular a velocidade de escoamento necessita-se de um fluido. No experimento


em questão, foi utilizado água (adotado como incompressível).

Para determinar a velocidade experimentalmente, foi utilizado um painel hidráulico,


modelo EQ 879C. Este equipamento oferece a opção de regulagem para variadas vazões. No
procedimento realizado, foi adotada a vazão de 0,2 L/ min. Na realização do experimento, o
painel hidráulico possibilita a leitura de valores de pressão em mm/H2O que serão aplicados
nos cálculos para que ao fim do experimento, possa ser apurada a velocidade do fluido.

2.3 Procedimentos Experimentais:

2.3.1Materiais utilizados:

 Painel Hidráulico EQ 879C.

4
2.3.2Procedimentos realizados:

a) Calcular as velocidades V1, V2 e V3, usando a equação da continuidade.


 Converteram-se as unidades encontradas no problema proposto para as unidades
convencionadas pelo Sistema Internacional (SI);
 Utilizando os valores obtidos das conversões realizadas, calculou-se a velocidade “V1”.
 Com a equação da continuidade (V1 x A1 = V2 x A2 = V3 x A3), encontrou-se os valores de
V2 e V3.

b) Calcular as velocidades V1,V2 e V3 usando a equação de Bernoulli:


 Acionar o Painel Hidráulico EQ 879C;
 Colher do equipamento os valores de pressão aferidos;
 Converter as unidades para o Sistema Internacional (SI);
 Aplicar os valores encontrados à equação de Bernoulli;
 Comparar os resultados encontrados com os valores obtidos no procedimento teórico.

2.4 Resultados:
a) Calcular as velocidades V1, V2 e V3, usando a equação da continuidade.

Q = 0,2 L/min → Q = 3,33 X 10-6 m3/s


D1 = 12 mm → D1 = 12 X 10-3 m
D2 = 8 mm → D2 = 8 X 10-3 m
D3 = 4 mm → D3 = 4 X 10-3 m

5
V1 x A1 = V2 x A2 = V3 x A3 → Q=vxA
Calculando v1, tem-se:
v1=

V1 = → v1 = 0,029 m/s

v1=

V1 = → v1 = 0,029 m/s

Calculando v2, tem-se:

V1 x D12 = V2 x D22, logo:

0,029 x (12 x 10-3)2 = V2 x (0,8 x 10-3)2


v2 = 0,066 m/s

Para v3, calcula-se :

V1 x D12 = V2 x D22 = V3 x D32, logo:

0,029 x (12 x 10-3)2 = 0,066 x (0,8 x 10-3)2 = V3 x (0,4 x 10-3)2


v3 = 0,26 m/s

b) Calcular as velocidades V1,V2 e V3 usando a equação de Bernoulli:

Equação de Bernoulli: .

Como no experimento temos a mesma cota em todo ele, podemos descartar da fórmula
a variável “z” que diz respeito ao desnível entre dois pontos. Assim tem-se:

Aplicando a fórmula ao experimento realizado, faz-se:

6
No equipamento, leu-se os seguintes valores para pressão:

P1 = 95 mm H2O → 931 Pa

P2 = 135 mm H2O → 1323 Pa

P3 = 80 mm H2O → 784 Pa

P4 = 115 mm H2O → 1127 Pa

Utilizando a fórmula, calcula-se:

(v2)2 = 0,04 x 19,6 → v2 = √0,04 x 19,6

v2 = 0,885 m/s

Para saber o valor de v3 a operação é a mesma, apenas alternando os valores:

(v3)2 = 0,075 x 19,6 → v3 = √0,075 x 19,6

v3 = 1,21 m/s

Agora, com os valores mensurados, pode-se realizar a comparação entre os valores


encontrados para v2 e v3 nos dois procedimentos.

Equação da continuidade → v2 = 0,066 m/s v3 = 0,26 m/s

Equação de Bernoulli → v2 = 0,885 m/s v3 = 1,21 m/s

Diferença entre os valores obtidos através da prática e os teóricos:

v2 → 0,885 – 0,066 = 0,819 m/s

v3 → 1,21 – 0,26 = 0,95 m/s

7
3 Conclusão:
A determinação da velocidade com a qual um fluido escoa, oferece como resultado
parâmetros que são utilizados em diversos setores industriais e de execução de projetos de
engenharia. Estes valores são importantes no momento de tomar uma decisão e podem causar
problemas se calculados de maneira equivocada.

O experimento determinou a velocidade de um fluido sob duas metodologias, e


ofereceu artifícios e condições para que se faça este calculo em outros lugares, aplicando-os
em outras situações e problemas.

Foi encontrada uma diferença considerável entre os valores obtidos nos


procedimentos. Isso se deve principalmente ao fato de a equação da continuidade não levar
em conta a pressão que está inserida no sistema. Dessa forma, a equação da continuidade,
apesar de oferecer subsídios teóricos e deduções para diversas situações, não se mostra
confiável se confrontada com os valores práticos, obtidos experimentalmente.

8
Referências bibliográficas:
http://www.if.ufrj.br/~bertu/fis2/hidrodinamica/hidrodin.html; Acesso em 12 de março de 2017.

http://www.if.ufrgs.br/cref/werlang/aula3.htm; Acesso em 12 de março de 2017.

https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1982912/mod_resource/content/2/Auladocap15MecFluid
os2%C2%AA%20parte%20Equa%C3%A7%C3%B5a%20de%20Bernoulli.pdf; Acesso em 12 de março
de 2017.