Você está na página 1de 93

ECONOMIA APLICADA

Prof: Mac Gregory


Sobre mim

• Minha formação
– Administrador
– Pós-graduado em GP
– Pós-graduação em Psicologia e Orientação
profissional
• Minha experiência profissional
– Trabalho como professor há 3 anos.
– Experiência em RH de aproximadamente 10 anos
– Faço Orientação Profissional
DINÂMICA

• Nome:
• Formação:
• Trabalho:
• Curiosidade:
• Porque do curso:
• Metas:
• Valores:
“APRENDER É IGUAL A
MUDAR, ENTENDER É
APENAS CONHECER. A
DIFERENÇA ENTRE OS DOIS
É O QUE DIFERENCIA OS
QUE FAZEM DOS QUE
APENAS PENSAM EM
FAZER”
NÃO TENHA MEDO
DE ERRAR!!!
PERGUNTAS???
INTRODUÇÃO À ECONOMIA
EMENTA

1. Princípios da economia
2. Funcionamento dos mercados: demanda, oferta,
preços e equilíbrio
3. Determinantes da demanda e da oferta de
produtos agropecuários
4. Elasticidades e suas aplicações
5. Teoria do consumidor
6. Estruturas de mercado: concorrência perfeita,
concorrência imperfeita, oligopólio e monopólio.
7. Mercados de commodities
8. Noções de teoria dos jogos
INTRODUÇÃO À ECONOMIA

• Economia é uma ciência onde sempre


estaremos em contato com ela.
• Nos temos tudo o tempo todo?

• Com está o emprego?

• Como está a nossa água?

• Como esta os nossos alimentos?


• “Ciência social que estuda como o
indivíduo e a sociedade decidem utilizar
recursos produtivos escassos, na
produção de bens e serviços, de modo
a distribuí-los entre as várias pessoas e
grupos da sociedade, com a finalidade
de satisfazer as necessidades
humanas”.
INTRODUÇÃO À ECONOMIA

Troca Compensatória
Cerca de 6,1 bilhões
Os 10 princípios da Economia
Os 10 princípios da Economia
1. Pessoas Enfrentam
Tradeoffs
• –Estudo vs. Lazer
• –Alimentação vs. Vestuário
• –Lazer vs. Trabalho
• –Armamento vs. Manteiga
• EFICIENCIA E EQUIDADE
2. O custo de alguma coisa é o
que você desiste para obtê-la

• Custo de oportunidade é o que se abre


mão para obter alguma coisa
– Custo explicito
– Custo Implícito

• EX: Por que executivos não lavam seus


carros, não dirigem seus próprios carros
em viagens de negócios, etc
3. Pessoas racionais pensam
em contribuições e custos na
margem.
• Pessoa faz o máximo para alcançar seus
objetivos
• Mudanças marginais = pequenos ajustes
no planos de ação buscando seu
beneficio marginal maior que o custo
marginal
4. Pessoas respondem a
incentivos
• Só estuda para prova se valer ponto
• Se o preço da gasolina aumenta, a
pessoas preferem andar de transporte
coletivo, possuírem carros menores,
etc.
• Muitos carros no centro, congestionam
as cidades →prefeituras criam taxas de
estacionamento, impostos, para
incentivarem as pessoas a andarem de
transporte coletivo
5. O comércio pode melhorar
a situação de todos
• Pessoas ganham da sua habilidade
de comercializar um com o outro.
• Competição resulta em ganhos com
comercialização
• O comércio permite com que as
pessoas se especializem naquilo
que fazem melhor
6. Os mercados são, em geral,
uma boa forma de organizar a
atividade econômica
• Numa economia de mercado, as famílias
descentralizada decidem o que comprar e
para quem trabalhar.
– Preço é o fator de decisão e o sinalizador da
economia
– As Firmas decidem quem contratam e o que
produzem.
• Economias centralizadas
7. Os governos podem à às
vezes melhorar os resultados
do mercado.
• Quando o mercado falha o governo pode
intervir a fim de promover eficiência e
equidade
• Falha de mercado acontece quando o
mercado, por si mesmo, fracassa em
alocar recursos de forma eficiente.
• Preços podem não estar refletindo os
reais anseios da sociedade
8. O padrão de vida de um país
depende de sua capacidade de
produzir bens e serviços
• O Padrão de vida pode ser medido de várias
formas:
–Comparando as rendas pessoais.
–Comparando o valor total de mercado da
produção da nação

• Se o pais tem alta produtividade maior sua


renda .
9. Os preços sobem quando o
governo emite moeda demais.

• Inflação é um aumento no nível geral de


preços da economia.
• Imprimir papel não é a solução.
10. A sociedade enfrenta um
tradeoff de curto prazo entre
inflação e desemprego
QUANDO FALAMOS EM ESCASSEZ

• Obrigados a fazer escolhas:


– O QUE E QUANTO, COMO e PARA QUEM
produzir:
Troca Compensatória

CADEIRAS BANCOS

TEMPO TEMPO
GASTO(HORAS) PRODUTO GASTO(HORAS) PRODUTO

0 0 4 20

1 4 3 18

2 7 2 14

3 9 1 8

4 10 0 0
Custo de Oportunidade

R$ 500.000,00
Custo de Oportunidade

R$ 40.000,00
Custo de Oportunidade

QUANTO?
ECONOMIA E SUA
INTERDISCIPLINARIDADE

• Antigamente a economia seguia a


filosofia e ética (Preço justo)
• Conhecimento histórico auxilia na
economia
• Conhecimento geográfico, físico,
Matemático e de direito
Como um economista pensa?
Pensando como Economista

• – Pense em termos de alternativas.


• – Avalie o custo individual e escolhas
sociais.
• – Examine e entenda como certos
eventos e questões estão
relacionados
Trabalho de Hipotese

• Os economistas fazem hipóteses para


facilitar o entendimento do mundo
• A arte do pensamento científico está
em decidir quais hipóteses devem ser
assumidas
• Economistas usam diferentes
hipóteses para responder diferentes
questões
Modelos Econômicos

• Dois modelos básicos:


– O Diagrama do Fluxo Circular
– A Fronteira de Possibilidades de Produção
O diagrama do fluxo circular

• O diagrama do fluxo circular é um


modelo visual da economia que mostra
como o dinheiro circulam pelos
mercados entre as famílias e as
empresas
Fronteira de Possibilidades
de Produção

• A fronteira de possibilidades de produção é


um gráfico que mostra as combinações de
produto que a economia tem possibilidade
de produzir dados os fatores de produção e
a tecnologia de produção disponíveis
Fronteira de Possibilidades
de Produção

• Conceitos ilustrados na fronteira de


possibilidades de produção
– Eficiência
– Tradeoffs
– Custo de oportunidade
– Crescimento econômico
INTRODUÇÃO À ECONOMIA

• ECONOMIA ELA É DIVIDADE EM:


– MICROECONOMIA: consumidores privados,
empresas comerciais, trabalhadores, grandes
proprietários de terras, produtores de bens ou
serviços particulares etc.

– MACROECONOMIA: Estuda os fenômenos


econômicos a taxa de juros, o nível da poupança
e dos investimentos, a balança de pagamentos e
o nível de desemprego.
Exercícios

1) Por que os problemas econômicos fundamentais (o que,


como e para quem produzir) originam-se da escassez de
recursos produtivos escassos
2) O que mostra a curva de custo de oportunidade de produção
ou curva de transformação?
3) Desenvolva uma curva de custo de oportunidade com 2
variáveis do seu dia a dia.
4) Explique como você entende o ditado que os economistas
falam: “não existe almoço grátis “
5) Explique como uma confecção responde as seguintes
questões: o que e quanto produzir? Como produzir? Para
quem produzir?
Demanda
• Demanda (ou procura) é a quantidade
de determinado bem ou serviço que os
consumidores desejam adquirir, num
dado período, dada sua renda, seus
gastos e o preço de mercado.
Teoria do Valor
Teoria do Valor

Mais Valia
DEMANDA
A TEORIA DO VALOR-UTILIDADE
 Pressupõe que o valor de um BEM se forma por sua
DEMANDA, isto é, pela SATISFAÇÃO que o BEM representa
para o consumidor.

TEORIA DO VALOR-TRABALHO

 Considera que o valor de um BEM se forma do lado da


OFERTA, por meio dos custos do trabalho incorporados ao
BEM.
DEMANDA

 A UTILIDADE representa o grau de satisfação que


os consumidores atribuem aos bens e serviços que podem
ser adquiridos no mercado;

 A UTILIDADE é a qualidade que os bens econômicos


possuem de satisfazer as necessidades humanas;

POR SER BASEADA EM ASPECTOS PSICOLÓGICOS OU


PREFERÊNCIAS, A UTILIDADE DIFERE DE
CONSUMIDOR PARA CONSUMIDOR.
Teoria do consumidor
(Demanda)

• A teoria do consumidor baseia-se na hipótese do indivíduo


ter um comportamento racional, tendo por objetivo a
maximização da utilidade que lhe advêm do consumo de
bens e serviços

• Perante várias possibilidades de consumo , o consumidor


racional optará pela combinação de bens que lhe
proporcionar maior satisfação, tendo em conta o seu
rendimento disponível e o preço dos bens
CURVA DA INDIFERENÇA
CURVA DA INDIFERENÇA

• E o gráfico de uma função que mostra as


combinações de bens em que o
consumidor é indiferente entre qualquer
uma delas. Ou seja, ele não tem
preferência entre uma combinação ou
outra, já que cada uma providência o
mesmo nível de utilidade, vulgo satisfação.
A decisão do consumidor

• Apresenta-se a restrição orçamental


que condiciona a escolha de consumo e
nos mostra quais as combinações que
estão acessíveis ao consumidor

• Escolhe o que lhe proporciona maiores


níveis de satisfação
Restrições Orçamentárias

• O comportamento do consumidor não


é determinado, apenas, por suas
preferências.

• As restrições orçamentárias também


limitam a capacidade do indivíduo de
consumir, tendo em vista os preços
que ele deve pagar por diversas
mercadorias e serviços.
Restrições Orçamentárias
Cesta de Alimento(A) Vestuário(V) Despesa Total
mercado PA = ($1) PV = ($2) PAA + PVV = I

A 0 40 $80

B 20 30 $80

D 40 20 $80

E 60 10 $80

G 80 0 $80
Restrições Orçamentárias
Vestuário
PV = $2 PA = $1 I = $80
(unidades
por semana)
A Linha do Orçamento: A + 2V = $80
(I/PV) = 40

B
30
10
D
20
20
E
10
G Alimento
0 20 40 60 80 = (I/PA) (unidades por semana)
Restrições Orçamentárias

• Efeitos das Modificações na Renda e


nos Preços
– Modificações na Renda
• Uma redução da renda causa o
deslocamento paralelo da linha do orçamento
para a esquerda (mantidos os preços
constantes).
Restrições Orçamentárias
Vestuário
(unidades Um aumento da renda
por semana) desloca a linha do
80 orçamento
para a direita

60
Uma redução da renda
desloca a linha do
40 orçamento
para a esquerda

20 L3
(I = L1 L2
$40) (I = $80) (I = $160)
Alimento
0 40 80 120 160 (unidades por semana)
Restrições Orçamentárias

• Efeitos das Modificações na Renda e


nos Preços
– Modificações nos Preços
• Se o preço de uma mercadoria aumenta, a
linha do orçamento sofre uma rotação para a
esquerda em torno do intercepto da outra
mercadoria.
Restrições Orçamentárias
Vestuário
(unidades Um aumento no preço do
por semana) alimento para $2,00 modifica
a inclinação da linha do
orçamento e causa sua
rotação para a esquerda.

Uma redução no preço do


40 alimento para $0,50 muda
a inclinação da linha do
orçamento e causa sua
rotação para a direita.
L3 L1 L2
(PA = 1) (PA = 1/2)
(PA = 2) Alimento
40 80 120 160 (unidades por semana
DETERMINANTES DA DEMANDA
 Preço de mercado;
 Renda do indivíduo;
 Preço de produtos similares;
 Gosto;
 Expectativa;
 Número de consumidores.
 Localização
 Hábitos, costumes.
Esquema de Demanda

Preço Quantidade
$ 0.50 10
$ 1.00 8
$ 1.50 6
$ 2.00 4
$ 2.50 2
$ 3.00 0
Curva da Demanda por
Sorvete

Preço
Preço Quantidade
$3.00
Demanda
0.50 10
2.50 1.00 8
1.50 6
2.00 2.00 4
2.50 2
1.50 3.00 0

1.00

0.50

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Quantidade
Determinantes da Demanda

Preço de Mercado: P

Existe uma relação


inversa entre preço e
quantidade demandada

(Lei da Demanda)

Q
Mudança na Quantidade Demandada

Preço

$2.00

7 Quantidade
Mudança na Quantidade Demandada

Preço

$2.00

$1.00

7 13 Quantidade
Determinantes da Demanda

• Renda: aumento
de renda aumenta
a demanda por um
bem “normal”

Q
MUDANÇA NA DEMANDA
(efeito renda)

Preço

$2.00

Quantidade
7 10
DETERMINANTES DA
DEMANDA

P
Bens Inferiores

• Renda: aumento de
renda diminui a
demanda por um
bem “inferior”

Q
DETERMINANTES DA DEMANDA

BENS INFERIORES

A demanda varia em
sentido inverso às
variações da renda.

Ex. Se o consumidor ficar


mais rico, diminirá o
consumo de carne de
segunda.
DETERMINANTES DA DEMANDA

• Bens de Consumo Saciado

Quando a demanda do bem


não é influenciada pela
renda dos consumidores.
Ex. arroz, farinha, sal.
Demanda

• Preços dos bens substitutos:

R$ 2,80
– Entre peixe e frango, o aumento do R$ 10,0
preço do frango faz o consumo do
peixe aumentar.

R$ 9,90 R$ 7,90
• Preços dos bens
complementares ( juntos): R$ 2,59
+
– Entre peixe e arroz, o aumento do
preço do arroz faz o consumo do R$ 2,65
peixe diminuir.

+ R$ 10,0
LEI DA OFERTA

P
• É a quantidade de produtos que
vendedores desejam e podem
produzir para vender a diversos
níveis de preço.

Q
Determinantes da Oferta

• Preço de mercado;

 Preço dos insumos;

 Tecnologia;
 Expectativa;
 Número de produtores.
EQUILÍBRIO DE
MERCADO
O Equilíbrio de Mercado
Preço do
Bem de um Bem ou Serviço
O Equilíbrio de Mercado (Oferta e Demanda)
O preço em uma economia de Oferta
mercado é determinado tanto Equilíbrio
pela oferta como pela demanda. 80
60
O equilíbrio se encontra onde as 40
curvas de oferta e de demanda se Demanda
cruzam. Ao preço de equilíbrio, a 20
quantidade oferecida é igual a
quantidade demandada
(quantidade de equilíbrio).
0 5 10 15 20
Quantidade do Bem.
80
3 passos para analisar
mudanças de equilíbrio.

• 1) Analisar se o acontecimento desloca a


curva de oferta ou demanda
• 2) Analisar em qual direção se desloca
• 3) Usar o diagrama de oferta e demanda
para verificar como o deslocamento altera
o preço e a quantidade.
Deslocamento da Curva VS
Movimento ao longo dela.

• Quantidade ofertada: Ocorre


oscilação ao longo da curva de Oferta.

• Quantidade demandada: Ocorre


oscilação ao longo da curva de
demanda.
EXEMPLOS
Sorvete.
EQUILÍBRIO DE MERCADO

QUANTIDADE SITUAÇÃO
PREÇO DEMANDA OFERTADA DE MERCADO
1,00 11.000 1.000 Excesso demanda
(escassez de oferta)
Excesso demanda
3,00 9.000 3.000 (escassez de oferta)
6.000 Equilíbrio entre
5,00 6.000 oferta e demanda
Excesso oferta
8,00 4.000 8.000 (escassez demanda)
Excesso oferta
10,00 2.000 10.000 (escassez demanda)
O Equilíbrio de Mercado
O Excesso de Oferta

Situação em que a quantidade


Preço do Excesso de
oferecida (Ex.: 15 unidades) Bem Oferta
é maior que a quantidade O
demandada (Ex.: 5 unidades). 80
60
40
D
20
0 5 10 15 20
Quantidade do Bem.
85
O Equilíbrio de Mercado
O Excesso de Oferta

Situação em que a quantidade Preço do Excesso de


Bem Demanda
oferecida (Ex.: 5 unidades)
O
é maior que a quantidade
demandada (Ex.: 15 unidades). 80
60
40
D
20
0 5 10 15 20
Quantidade do Bem.
86
Elasticidades

Elasticidade-preço da demanda : Variação percentual


na quantidade demandada, dada a variação percentual
no preço do bem

Elasticidade-preço da oferta : Variação percentual


na quantidade ofertada, dada uma variação percentual
no preço do bem.
A Elasticidade Preço da
Demanda
(a) Demanda Perfeitamente Inelástica
Elasticidade igual a 0

1. Um
aumento no
preço...

2. ... deixa inalterada a quantidade demandada


A Elasticidade Preço da
Demanda
(e) Demanda Perfeitamente Elástica
Elasticidade Infinita

1. A qualquer preço acima


de $4, a quantidade
demandada é 0.

2. A exatamente $4, os
consumidores comprarão
qualquer quantidade.

3. ... a um preço inferior a $4, a quantidade demandada é infinita


Receita Total e Elasticidade
da Demanda

Quando a demanda é inelástica o preço e a receita


movem-se na mesma direção;
Quando a demanda é elástica o preço e a receita
movem-se em direções opostas;
Quando a demanda é unitária a receita total
permanece constante quando o preço varia.
Receita Total e Elasticidade
da Demanda

VARIAÇÃO > 1 => Bem de oferta elástica.

VARIAÇÃO = 1 => elasticidade-preço de oferta


unitária.

VARIAÇÃO < 1 => Bem de oferta inelástica.


Benefícios