Você está na página 1de 16

Modelo de taxa de entrega de

sedimentos

Resumo
O objetivo do modelo de entrega de sedimentos do InVEST é mapear a geração e a entrega de
sedimentos por via terrestre para o fluxo. Em um contexto de mudança global, essas informações podem
ser usadas para estudar o serviço de retenção de sedimentos em uma bacia hidrográfica. Isto é de
particular interesse para a gestão de reservatórios e para a qualidade da água, ambos os quais podem
ser economicamente valorizados.
As principais diferenças entre o modelo InVEST SDR e o modelo de retenção InVEST Sediment
encontradas no InVEST v3.0.1 e anteriores são:

 O roteamento do sedimento de uma célula para o fluxo foi modificado para remover a
sensibilidade à resolução da grade e facilitar a seleção do coeficiente de retenção
específico do LULC;
 A calibração (opcional) é baseada em um parâmetro não físico que preserva a distribuição
espacial de sumidouros e fontes de sedimentos, facilitando a interpretação de resultados
espacialmente explícitos;
 A maior flexibilidade na estrutura do modelo permite que os usuários avançados
representem processos mais complexos, como a erosão da brotação ou a retenção de
fluxos (o trabalho está em andamento para facilitar a representação desses processos para
usuários do InVEST)

Introdução
Erosão e retenção de sedimentos por via terrestre são processos naturais que governam a concentração
de sedimentos em riachos. A dinâmica de sedimentos na escala de captação é determinada
principalmente pelo clima (em particular a intensidade da chuva), propriedades do solo, topografia e
vegetação; e fatores antropogênicos, tais como atividades agrícolas ou construção e operação de
barragens. As principais fontes de sedimentos incluem erosão terrestre (partículas de solo destacadas e
transportadas pela chuva e escoamento superficial), voçorocas (canais que concentram o fluxo), erosão
de margens e erosão de massa (ou deslizamentos de terra; ver Merrit 2003 para uma revisão). Os
sumidouros incluem deposição em declive, de várzea ou de cheia e retenção de reservatórios, conforme
resumido na Figura 1. A conversão do uso da terra e as mudanças nas práticas de manejo da terra
podem modificar drasticamente a quantidade de sedimentos que escorrem de uma bacia. A magnitude
desse efeito é principalmente governada por: i) as principais fontes de sedimentos (a mudança no uso da
terra terá um efeito menor nas áreas de captação onde os sedimentos não são provenientes
principalmente do escoamento superficial); e ii) a distribuição espacial de fontes de sedimentos e
sumidouros (por exemplo, a mudança no uso da terra terá um efeito menor se as fontes de sedimentos
forem protegidas por vegetação).

Aumentos na produção de sedimentos são observados em muitos lugares do mundo, afetando


drasticamente a qualidade da água e a gestão do reservatório (UNESCO 2009). O serviço de retenção de
sedimentos proporcionado por paisagens naturais é de grande interesse para os gestores de água. A
compreensão de onde os sedimentos são produzidos e entregues permite que eles projetem estratégias
aprimoradas para reduzir as cargas de sedimentos. Mudanças na carga de sedimentos podem ter
impactos na irrigação a jusante, tratamento de água, recreação e desempenho do reservatório.

As saídas do modelo de sedimentos incluem a carga de sedimentos fornecida ao fluxo em uma escala de
tempo anual, bem como a quantidade de sedimentos erodidos na bacia e retidos por vegetação e
características topográficas. O modelo fornece duas opções para a avaliação do serviço de retenção de
sedimentos, embora abordagens de avaliação apropriadas sejam altamente dependentes da aplicação e
contexto específicos, e podem precisar ser implementadas independentemente do InVEST.
Figura 1: Orçamento geral de sedimentos de captação. O tamanho relativo das setas muda dependendo do
ambiente. O modelo InVEST concentra-se nos processos por terra.

O modelo

Modelo Biofísico
Entrega de sedimentos

O módulo de entrega de sedimentos é um modelo espacialmente explícito que trabalha na resolução


espacial da varredura DEM de entrada. Para cada célula, o modelo primeiro calcula a quantidade de
sedimentos erodidos, depois a razão de entrega de sedimentos (SDR), que é a proporção de perda de
solo que realmente atinge a saída da captação. Essa abordagem foi proposta por Borselli et al. (2008) e
tem recebido crescente interesse nos últimos anos (Cavalli et al., 2013; López-vicente et al., 2013;
Sougnez et al., 2011). Veja Vantagens e limitações para mais discussões.

Perda anual do solo

A quantidade de perda de solo anual em pixels \ (i \) , \ (usle_i \) \ ((ton. Ha ^ {- 1} ano ^ {- 1}) \) , é dada
pela equação universal de perda de solo revisada ( RUSLE1):

(1)\ [usl_i = R_i \ cdot K_i \ cdot LS_i \ cdot C_i \ cdot P_i, \]
Onde

 \ (R_i \) é a erosividade da chuva ( \ (MJ \ cdot mm (ha \ cdot hr) ^ {- 1}) \) ,


 \ (K_i \) é a erodibilidade do solo ( \ (ton \ cdot ha \ cdot hr (MJ \ cdot \ \ cdot mm) ^ {- 1} \) ),
 \ (LS_i \) é o fator de gradiente de comprimento de declive
 \ (C_i \) é o fator de gerenciamento de culturas
 e \ (P_i \) é o fator de prática de suporte (Renard et al., 1997). (cf. também em (Bhattarai e
Dutta, 2006)).
e o fator \ (LS_i \) é dado pelo método desenvolvido por Desmet e Govers (1996) para a superfície
bidimensional:

(2)\ [LS_i = S_i \ frac {(A_ {i-in} + D ^ 2) ^ {m + 1} -A_ {i-in} ^ {m + 1}}


{D ^ {m + 2 } \ cdot x_i ^ m \ cdot (22.13) ^ m} \]
Onde

 \ (S_i \) o fator de inclinação para célula de grade calculado como função de radianos de
inclinação \ (\ theta \)

 \ (S = 10.8 \ cdot \ sin (\ theta) +0.03 \) onde \ (\ theta <9 \% \)


 \ (S = 16.8 \ cdot \ sin (\ theta) -0.50 \) , onde \ (\ theta \ geq 9 \% \)

 \ (A_ {i-in} \) a área de contribuição ( \ (m ^ 2 \) ) na entrada de uma célula de grade que é


calculada a partir do método de direção de fluxo d-infinito
 \ (D \) a dimensão linear da célula da grade ( \ (m \) )
 \ (x_i = | sen \ alpha_i | + | \ cos \ alpha_i | \) onde \ (\ alpha_i \) é a direção do aspecto da
célula da grade \ (i \)
 \ (m \) é o fator exponencial do comprimento de RUSLE.

Para evitar a superestimação do fator LS em paisagens heterogêneas, comprimentos de declive longos


são limitados a um valor de 333m (Desmet e Govers, 1996; Renard et al., 1997)

O valor de \ (m \) , o expoente de comprimento do fator LS, é baseado no USLE clássico, como discutido
em (Oliveira et al., 2013):

 \ (m = 0.2 \) para inclinação <= 1%:


 \ (m = 0.3 \) para 1% <inclinação <= 3,5%
 \ (m = 0,4 \) para 3,5% <inclinação <= 5%
 \ (m = 0.5 \) para 5% <inclinação <= 9%
 \ (m = \ beta / (1 + \ beta) \) onde \ (\ beta = \ sin \ theta / 0.0986 / (3 \ sin \ theta ^ {0.8} +
0.56) \) para inclinação> = 9%

Taxa de entrega de sedimentos

Etapa 1 Baseado no trabalho de Borselli et al. (2008), o modelo primeiro calcula o índice de
conectividade:

(3)\ [IC = \ log_ {10} \ left (\ frac {D_ {up}} {D_ {dn}} \ right) \]
Figura 2. Abordagem conceitual utilizada no modelo. A relação de entrega de sedimentos (SDR) para
cada pixel é uma função da área de subida e trajetória de descida (Equações 3, 4, 5).
\ (D_ {up} \) é o componente de inclinação definido como:

(4)\ [D_ {up} = \ bar {C} \ bar {S} \ sqrt {A} \]


onde \ (\ bar {C} \) é o fator \ (C \) médio da área de contribuição de subida, \ (S \) é o gradiente médio da
subida da área de contribuição de subida ( \ (m / m \) ) e \ (A \) é a área de contribuição de subida ( \ (m ^
2 \) ). A área de contribuição de subida é delineada a partir do algoritmo de fluxo D-infinito (Tarboton,
1997).
O componente de declive \ (D_ {dn} \) é dado por:

(5)\ [D_ {dn} = \ sum_i \ frac {d_i} {C_i S_i} \]


onde \ (d_i \) é o comprimento do caminho do fluxo ao longo da célula i de acordo com a direção mais
acentuada do declive (m) (veja a Figura 2), \ (C_i \) e \ (S_i \) são \ (C \)) fator e o gradiente de inclinação
da célula i, respectivamente. Novamente, o caminho de fluxo de declive é determinado a partir do
algoritmo de fluxo D-infinito (Tarboton, 1997).

Para evitar valores infinitos para \ (IC \) , os valores de inclinação \ (S \) são forçados a um mínimo de
0,005 \ (m / m \) se eles forem menores que esse limite, e um limite superior de 1 m / m para limitar o viés
devido a valores muito altos de IC em declives íngremes. (Cavalli et al., 2013).
Passo 2 A razão SDR para um pixel i é então derivada do IC de índice de condutividade seguinte (Vigiak
et al., 2012):

(6)\ [SDR_i = \ frac {SDR_ {max}} {1+ \ exp \ esquerda (\ frac {IC_0-
IC_i} {k} \ right)} \]
onde \ (SDR_ {max} \) é o SDR máximo teórico, definido como um valor médio de 0,8 (Vigiak et al., 2012),
e \ (IC_0 \) e \ (k \) são parâmetros de calibração que definem a forma da relação SDR-IC (função
crescente). O efeito de \ (IC_0 \) e \ (k \) no SDR é ilustrado abaixo:
Figura 3. Relação entre o IC do índice de conectividade e o SDR. O valor máximo de SDR é definido
como \ (SDR_ {max} = 0.8 \) . O efeito da calibração é ilustrado pela configuração de \ (k_b = 1 \) e \ (k_b
= 2 \) (linha sólida e tracejada, respectivamente) e \ (IC_0 = 0.5 \) e \ (IC_0 = 2 \) ( linhas tracejadas pretas
e cinzas, respectivamente).

Carga de sedimentos

A carga de sedimentos de um determinado pixel i, \ (E_i \) ( \ (ton. Ha ^ {- 1} ano ^ {- 1} \) ) é dada por:

(7)\ [E_i = usle_i \ cdot SDR_i \]


A carga total de sedimentos de captação \ (E \) ( \ (ton. Ha ^ {- 1} ano ^ {- 1} \) ) é dada por:

(8)\ [E = \ sum_i E_i \]


E é o valor usado para fins de calibração / validação, em combinação com outras fontes de sedimentos,
se os dados estiverem disponíveis.

Camada de Drenagem Opcional

Em algumas situações, o índice de conectividade definido pela topografia não representa os caminhos de
fluxo reais, que podem ser influenciados pela conectividade artificial. Por exemplo, é provável que
sedimentos em áreas urbanas ou próximas a estradas sejam transportados para o riacho com pouca
retenção. A rasterização de drenagem (opcional) identifica os pixels que estão artificialmente conectados
ao fluxo, independentemente de sua posição geográfica (por exemplo, sua distância até a rede de
fluxo). Os pixels da camada de drenagem são tratados de forma semelhante aos pixels da rede de
fluxo; em outras palavras, o caminho de fluxo a jusante irá parar nos pixels da camada de drenagem (e a
carga de sedimentos correspondente será adicionada à exportação total de sedimentos).

Limitações ao modelo biofísico

 Entre as principais limitações do modelo está sua dependência do USLE (Renard et al.,
1997). Essa equação é amplamente usada, mas tem um escopo limitado, representando
apenas processos de erosão entre entrelinhas e entrelinhas. Outras fontes de sedimentos
incluem erosão de barrancos, erosão de margens e erosão de massa. Uma boa descrição
dos processos de erosão do barranco e ribeirinha é fornecida por Wilkinson et al. 2014,
com possíveis abordagens de modelagem. A erosão em massa não está representada no
modelo, mas pode ser uma fonte significativa em algumas áreas (REF. Índia) ou sob certas
mudanças no uso da terra: http://water.epa.gov/scitech/datait/tools/warsss/box08.cfm
 Um corolário é que as descrições do impacto sobre os serviços ecossistêmicos (e qualquer
avaliação subsequente) devem levar em conta a proporção relativa da fonte de sedimentos
do modelo em comparação com o orçamento total de sedimentos (consulte a seção sobre
Serviços de retenção de sedimentos em desenvolvimento)
 Além disso, como uma equação empírica desenvolvida nos Estados Unidos, o USLE
demonstrou desempenho limitado em outras áreas - mesmo quando se concentra na
erosão de folhas e rochedos (REF). Com base no conhecimento local, os usuários podem
modificar a equação de perda de solo implementada no modelando alterando as entradas
de R, K, C, P para refletir achados de estudos locais (Sougnez et al., 2011).
 O modelo é muito sensível aos parâmetros k e IC0, que não são fisicamente baseados. A
literatura emergente sobre a abordagem de modelagem utilizada no modelo InVEST
(Cavalli et al., 2013; López-vicente et al., 2013; Sougnez et al., 2011; Vigiak et al., 2012)
fornece orientação para definir esses parâmetros, mas os usuários devem estar cientes
dessa limitação ao interpretar os valores absolutos do modelo.
 Dada a simplicidade do modelo e o baixo número de parâmetros, as saídas são muito
sensíveis à maioria dos parâmetros de entrada. Erros nos parâmetros empíricos das
equações USLE terão, portanto, um grande efeito nas previsões. Análises de sensibilidade
são recomendadas para investigar como os intervalos de confiança nos parâmetros de
entrada afetam as conclusões do estudo.

Diferenças entre o modelo SDR do InVEST v3.1 e a abordagem original


desenvolvida por Borselli et al.(2008)

O modelo InVEST SDR baseia-se no conceito de conectividade hidrológica, conforme parametrizado por
Borselli et al. (2012). Essa abordagem foi selecionada, pois requer um número mínimo de parâmetros,
usa dados disponíveis globalmente e é espacialmente explícita. Em um estudo comparativo, Vigiak et
al. (2012) sugeriram que a abordagem fornece: “grande melhoria na previsão de rendimentos específicos
de sedimentos, (ii) facilidade de implementação, (iii) independência de escala; e (iv) uma formulação
capaz de explicar variáveis e topologia da paisagem, de acordo com os conceitos de conectividade
sedimentológica ”. A abordagem também foi usada para prever o efeito da mudança do uso da terra
(Jamshidi et al., 2013). Os seguintes pontos resumem as diferenças entre o InVEST e o modelo de
Borselli:

 O fator de ponderação é implementado diretamente como o fator USLE C (outros


pesquisadores usaram uma formulação diferente, por exemplo, índice de rugosidade
baseado em DEM de alta resolução (Cavalli et al., 2013))
 O parâmetro \ (SDR_ {max} \) usado por Borselli et al. é definido como 0.8 por padrão para
reduzir o número de parâmetros.Vigiak et al. (2012) propõem definir SDR max como a
fração de partículas de solo superficial mais fina que a areia grossa (<1 mm).

Avaliando os serviços de retenção de sedimentos


Serviços de retenção de sedimentos

A tradução dos impactos biofísicos da entrega de sedimentos alterados para as métricas de bem-estar
humano depende muito do contexto de decisão.A erosão do solo, o sedimento em suspensão e o
sedimento depositado podem ter impactos negativos e positivos em vários usuários em uma bacia
hidrográfica (Keeler et al, 2012). Estes incluem, mas não estão limitados a:

 Redução da fertilidade do solo para redução da capacidade de retenção de água e


nutrientes
 Aumento nos custos de tratamento para abastecimento de água potável
 Clareza reduzida do lago diminuindo o valor da recreação
 Aumento no total de sólidos suspensos com impacto na saúde e distribuição de populações
aquáticas
 Aumento na sedimentação do reservatório diminuindo o desempenho do reservatório ou
aumentando os custos de controle de sedimentos
 Aumento na sedimentação do porto exigindo dragagem para preservar a função portuária

Índice de retenção de sedimentos

Um índice de retenção de sedimentos é calculado pelo modelo da seguinte forma:


(9)\ [R_i \ cdot K_i \ cdot LS_i (1-C_i P_i) × SDR_i \]
que representa a perda de solo evitada pelo atual uso da terra em relação ao solo nu, ponderada pelo
fator SDR. Este índice subestima a retenção, uma vez que não leva em conta a retenção do sedimento a
montante que flui através do pixel fornecido. Portanto, este índice não deve ser interpretado
quantitativamente. Também notamos que, em algumas situações, os valores do índice podem ser contra-
intuitivos: por exemplo, os pixels urbanos podem ter um índice mais alto do que os pixels da floresta se
estiverem altamente conectados ao fluxo. Em outros termos, o SDR (segundo fator) pode ser alto para
esses pixels, compensando um menor serviço de perda de solo evitado (o primeiro fator): isso sugere que
o ambiente urbano já está fornecendo um serviço de perda de solo reduzida em comparação a um área
de solo nu.

Avaliação Quantitativa

Retenção de sedimentos no nível das sub-bacias De um ponto de vista de avaliação, uma métrica
importante é a diferença na retenção ou no rendimento entre os cenários. Para avaliação quantitativa do
serviço de retenção, o modelo usa como referência um cenário hipotético em que toda a terra é
desmatada para solo descoberto: o valor do serviço de retenção é então baseado na diferença entre a
exportação de sedimentos dessa bacia e a de o cenário de interesse. Essa saída é denominada
“sed_retention” na tabela de resumo de bacias hidrográficas.
Fontes adicionais e sumidouros de sedimentos Como observado nas limitações do modelo, a omissão
de algumas fontes e sumidouros de sedimentos (erosão de barrancos, erosão de margens de rios e
erosão de massa) deve ser considerada nas análises de avaliação. Em alguns sistemas, essas outras
fontes de sedimentos podem dominar e grandes mudanças na erosão terrestre podem não fazer
diferença nas concentrações totais de sedimentos nos riachos. Em outras palavras, se o rendimento do
sedimento de dois cenários diferir em 50%, e a parte da erosão do tipo rill / inter-rill no orçamento do
sedimento em 60%, a mudança real avaliada para a sedimentação evitada do reservatório é de 30%.
Uma complicação ao calcular o orçamento total de sedimentos é que as mudanças no clima ou no uso da
terra resultam em mudanças no pico de fluxo durante os eventos de chuva, e são, portanto, susceptíveis
de afetar a magnitude da erosão de barrancos e margens. Embora a magnitude da mudança em outras
fontes de sedimentos seja altamente contextual, é provável que esteja na mesma direção que a mudança
na erosão terrestre: um transporte terrestre de sedimentos mais altos é de fato associado a fluxos mais
altos, que provavelmente aumentam a erosão de barrancos e margens. Portanto, ao comparar entre
cenários, a mudança absoluta pode servir como um limite inferior no impacto total de um clima particular
ou mudança no uso da terra.
O Apêndice 2 resume as opções para representar as fontes e os coletores adicionais no modelo.
Estruturas de substituição e custo evitado, versus disposição para pagar abordagens Com muitos
impactos de serviços ecossistêmicos e impactos de sedimentos em particular, a avaliação é relativamente
simples se um custo de mitigação evitado ou um método de custo de reposição for considerado
apropriado. Nessa situação, supõe-se que os beneficiários incorrerão em um custo que é uma função da
métrica biofísica (por exemplo, o sedimento suspenso aumenta os custos do tratamento). No entanto, é
importante reconhecer que as abordagens de custo evitado ou custo de substituição assumem que as
ações de mitigação valem a pena para o ator que as executa. Por exemplo, se um operador de
reservatório considera que os custos associados à dragagem de sedimentos depositados não valem os
benefícios de recuperar a capacidade de armazenamento perdida, não é apropriado avaliar todos os
sedimentos depositados ao custo unitário da dragagem. Da mesma forma, um aumento nos sedimentos
suspensos para o fornecimento de água potável pode ser atendido aumentando as entradas de
tratamento ou mudando para uma tecnologia alternativa de tratamento.Evitar esses custos extras poderia
então ser considerado como benefícios econômicos. No entanto, em alguns contextos, os usuários
privados de água podem decidir que o aumento no teor de sedimentos é aceitável, em vez de incorrer em
despesas adicionais de tratamento. Eles são economicamente piores, mas por não pagar por tratamento
adicional, a abordagem de custo de substituição se torna um limite superior em sua perda
econômica. Sua perda econômica também não é mais capturada por sua mudança nos gastos
financeiros, o que complica ainda mais a análise.
Observe, entretanto, que essa abordagem de limitação pode ser inteiramente apropriada para avaliação
inicial da importância de diferentes fluxos de benefícios, ou seja, se a abordagem mais cara não tiver
impacto significativo, não há necessidade de refinar a análise para utilizar abordagens mais detalhadas,
como disposição a pagar (para consumidores) ou impactos na receita líquida (para produtores). No
entanto, se o impacto for grande e não houver uma boa razão para acreditar que os atores relevantes irão
empreender as atividades de mitigação, uma estrutura de disposição a pagar é o caminho apropriado a
seguir. Para uma introdução às técnicas disponíveis,
consulte http://ecosystemvaluation.org/dollar_based.htm .
Considerações sobre o tempo Geralmente, a análise econômica e financeira utilizará algum tipo de
desconto que reconheça o valor do dinheiro, os benefícios e o uso dos recursos no tempo. Benefícios e
custos que se acumulam no futuro “contam para menos” do que benefícios e custos que nascem
próximos ao presente. É importante que qualquer análise econômica ou financeira esteja ciente do fato de
que o modelo SDR representa apenas impactos anuais médios em condições de estado
estacionário. Isso tem duas implicações para a avaliação. Primeiro, os usuários devem reconhecer que os
impactos que estão sendo avaliados podem levar algum tempo para acontecer: não é o caso que os
benefícios totais do estado estacionário começariam a se acumular imediatamente, mesmo que muitos
dos custos pudessem ser. Segundo, a média anual significa que as funções de custo ou benefício
exibindo não-linearidades em escalas de tempo menores devem (se possível) ser transformadas, ou a
saída InVEST deve ser emparelhada com outra análise estatística para representar uma variabilidade
intra ou interanual importante.

Dados Necessários
Esta seção descreve os dados específicos usados pelo modelo. Consulte o Apêndice para obter
informações detalhadas sobre fontes de dados e pré-processamento. Observe que todas as entradas GIS
devem estar na mesma projeção e em unidades de medidor linear para resultados precisos.
1. Modelo digital de elevação (DEM) (obrigatório). Um conjunto de dados rasterizado GIS
com um valor de elevação para cada célula. Certifique-se de que o DEM seja corrigido
preenchendo os sumidouros e, se possível, compare os mapas dos fluxos de saída com os
mapas hidrográficos da área. Para garantir o encaminhamento de fluxo adequado, o DEM
deve se estender além das bacias hidrográficas de interesse, em vez de ser preso à borda
da bacia hidrográfica.
2. Índice de erosividade de chuva (R) (obrigatório). R é um conjunto de dados de varredura
SIG, com um valor de índice de erosividade para cada célula. Essa variável depende da
intensidade e duração da chuva na área de interesse. Quanto maior a intensidade e
duração da tempestade, maior o potencial de erosão. O índice de erosividade é
amplamente utilizado, mas, em caso de ausência, existem métodos e equações para
ajudar a gerar uma grade usando dados climáticos. As unidades nos valores de índice
são \ (MJ \ cdot mm \ cdot (ha \ cdot h \ cdot ano) ^ {- 1} \) .
3. Erodibilidade do solo (K) (requerido). K é um conjunto de dados de varredura SIG, com
um valor de erodibilidade do solo para cada célula. A erodibilidade do solo, K, é uma
medida da suscetibilidade das partículas do solo ao descolamento e transporte pela chuva
e pelo escoamento. As unidades nos valores de índice são \ (ton \ cdot ha \ cdot h \ cdot
(ha \ cdot MJ \ cdot mm) ^ {- 1} \)
4. Uso do solo / cobertura do solo (LULC) (requerido). LULC é um conjunto de dados de
varredura GIS, com um código LULC inteiro para cada célula.
5. Bacias hidrográficas (obrigatório). Um shapefile de polígonos. Esta é uma camada de
bacias hidrográficas, de tal forma que cada bacia hidrográfica contribui para um ponto de
interesse onde a qualidade da água será analisada. Formato: um campo inteiro chamado
'ws_id' é obrigatório, com um valor inteiro exclusivo para cada bacia hidrográfica
6. Mesa biofísica (requerida). Uma tabela .csv contendo informações do modelo
correspondentes a cada uma das classes de uso da terra. Cada linha é uma classe de uso
/ cobertura do solo e as colunas devem ser nomeadas e definidas da seguinte maneira:
1. lucode (código de uso da terra): O inteiro único para cada classe LULC (por exemplo, 1
para floresta, 3 para prados, etc.) deve corresponder à entrada raster LULC.
2. usle_c : fator de gerenciamento de cobertura para o USLE, um valor de ponto flutuante
entre 0 e 1.
3. usle_p : Fator de prática de suporte para o USLE, um valor de ponto flutuante entre 0 e
1.
7. Acúmulo de fluxo de limite (requerido). O número de células ascendentes que devem fluir
para uma célula antes de ser considerado parte de um fluxo, que é usado para classificar
fluxos no DEM. Esse limiar afeta diretamente a expressão da conectividade hidrológica e a
exportação de sedimentos: quando um caminho de fluxo atinge o córrego, a deposição de
sedimentos é interrompida e o sedimento exportado é assumido para alcançar a saída da
captação.
8. \ (k_b \) e \ (IC_0 \) : dois parâmetros de calibração que determinam a forma da relação
entre a conectividade hidrológica (o grau de conexão dos fragmentos de terra ao fluxo) e a
taxa de distribuição de sedimentos (porcentagem de perda de solo que realmente atinge o
fluxo, cf. Figura 3). Os valores padrão são \ (k_b = 2 \) e \ (IC_0 = 0.5 \) .
9. \ (\ mathbf {SDR_ {max}} \) : o SDR máximo que um pixel pode alcançar, que é uma função
da textura do solo. Mais especificamente, é definido como a fração de partículas de solo
superficial mais fina que a areia grossa (1000 μm; Vigiak et al. 2012). Este parâmetro pode
ser usado para calibração em estudos avançados. Seu valor padrão é 0,8.
10. Camada de drenagem (opcional) Uma rasterização com 0s e 1s, em que 1s
correspondem a pixels artificialmente conectados ao fluxo (por estradas, tubulações de
águas pluviais, etc.). O roteamento de fluxo será interrompido nesses pixels "conectados
artificialmente" antes de atingir a rede de fluxo.

Executando o modelo
Para iniciar o modelo de Sedimentos, navegue até o menu Iniciar do Windows -> Todos os Programas ->
InVEST 3.5.0.post502 + h7855734e4db6 -> Entrega e retenção de sedimentos. A interface não requer um
desktop GIS, embora os resultados precisem ser explorados com qualquer ferramenta GIS, incluindo
ArcGIS, QGIS e outros.

Interpretando Resultados
A seguir, uma breve descrição de cada uma das saídas do modelo de retenção de sedimentos. Os
resultados finais são encontrados nas pastas de saída dentro do espaço de trabalho definido pelo usuário
especificado para este modelo.

 pasta [workspace] :

 Log de Parâmetros : Cada vez que o modelo é executado, um arquivo de texto (.txt)
aparecerá na pasta Output. O arquivo listará os valores de parâmetro para essa
execução e será nomeado de acordo com o serviço, a data e a hora e o sufixo.

 rkls_ [runsuffix] .tif (toneladas / pixel): Perda total de solo potencial por pixel na
cobertura original da terra sem os fatores C ou P aplicados a partir da equação RKLS,
equivalente à perda de solo para solo nu.

 sed_export_ [runsuffix] .tif (tons / pixel): A quantidade total de sedimentos exportados


de cada pixel que chega ao fluxo.

 stream_ [runsuffix] .tif (máscara de pixel): a máscara de nível de pixel da rede de fluxo
calculada, útil para interpretar a saída do nível de pixel e verificar a rede de fluxo
computada pelo modelo.

 stream_and_drainage_ [runsuffix] .tif (máscara de pixel): Se uma camada de


drenagem for fornecida, essa varredura será a união dessa camada com a camada
de fluxo calculada.

 usle_ [runsuffix] .tif (toneladas / pixel): Perda potencial total do solo por pixel na
cobertura do solo original calculada a partir da equação USLE.

 sed_retention_ [runsuffix] .tif (toneladas / pixel): Mapa de retenção de sedimentos


com referência a uma bacia hidrográfica.

 sed_retention_index_ [runsuffix] .tif (toneladas / pixel): Índice de retenção de


sedimentos, usado para identificar áreas que contribuem mais para a retenção com
referência a uma bacia hidrográfica. Este NÃO é o sedimento retido em cada pixel
(veja a seção no índice em “Avaliação dos Serviços de Retenção de Sedimentos”
acima).

 watershed_results_sdr_ [runsuffix] .shp : Tabela contendo valores biofísicos para


cada bacia hidrográfica, com os seguintes campos:
 sed_export (toneladas / bacia hidrográfica): Quantidade total de
sedimentos exportados para o córrego por bacia hidrográfica. Isso
deve ser comparado a qualquer carregamento de sedimentos
observado na saída da bacia hidrográfica. O conhecimento do regime
hidrológico na bacia e a contribuição do rendimento da lavoura no
rendimento total de sedimentos ajudam a ajustar e calibrar este
modelo.
 usle_tot (toneladas / bacia hidrográfica): Quantidade total de perda
potencial de solo em cada bacia hidrográfica calculada pela equação
USLE.
 sed_retention (toneladas / bacia hidrográfica): Diferença na
quantidade de sedimentos fornecidos pela bacia hidrográfica atual e
uma bacia hipotética onde todos os tipos de uso da terra foram
desmatados para solo descoberto.
 pasta [workspace] \ intermediate_outputs :

 declive, thresholded_slope, flow_direction, flow_accumulation, stream: roteadores


hidrológicos baseados no DEM usado para o roteamento de fluxo (saídas do
RouteDEM, consulte o capítulo correspondente no Guia do Usuário)
 ls_ [runsuffix] -> fator LS para USLE ( (2) )
 w_bar_ [runsuffix] -> fator de ponderação médio (fator C) para a área de contribuição de
subida
 s_bar_ [runsuffix] -> fator médio de inclinação para a área de contribuição de subida
 d_up_ [runsuffix] (e bare_soil) -> fator inclinado do índice de conectividade (Eq. (4) )
 w_ [runsuffix] -> denominador do fator de declínio (Eq. (5) )
 d_dn_ [runsuffix] (e bare_soil) -> fator de declínio do índice de conectividade (Eq. (5) )
 ic_ [runsuffix] (e bare_soil) -> índice de conectividade ( (3) )
 sdr_factor_ [runsuffix] (e bare_soil) -> relação de entrega de sedimentos (SDR; Eq. (6) )

Comparação com as observações


O rendimento de sedimentos (sed_export) previsto pelo modelo pode ser comparado com as observações
disponíveis. Estes podem assumir a forma de acumulação de sedimentos em um reservatório ou série
temporal de Sólidos Suspensos Totais (TSS) ou turbidez. No primeiro caso, as unidades são as mesmas
do modelo InVEST (toneladas por ano). Para séries temporais, os dados de concentração precisam ser
convertidos em cargas anuais (o LOADEST e o FLUX32 são dois softwares que facilitam essa
conversão). Um banco de dados global de rendimentos de sedimentos para grandes rios pode ser
encontrado no site da FAO: http://www.fao.org/nr/water/aquastat/sediment/index.stm Alternativamente,
para grandes bacias hidrográficas, os modelos globais de sedimentos podem ser usados estimar o
rendimento dos sedimentos. Uma revisão de tais modelos foi realizada por de Vente et al.(2013).

Observe ao comparar com os resultados medidos que o modelo SDR Uma coisa importante a ser
lembrada ao comparar as predições às observações é que o modelo representa apenas a erosão
entrelaçada. Como indicado na Introdução, outras três fontes de sedimentos podem contribuir para o
orçamento dos sedimentos: erosão de barrancos, erosão de margens de rios e erosão de massa. A
importância relativa desses processos em um determinado cenário precisa ser determinada para garantir
a interpretação adequada do modelo.

Apêndice 1: Fontes de Dados


Esta seção é uma compilação de possíveis fontes de dados e sugestões sobre como localizar, compilar e
formatar dados. Isto não é uma lista exaustiva. Embora nos esforcemos para atualizar essa seção
regularmente com novas fontes e métodos de dados, os usuários são incentivados a buscar dados locais
de boa qualidade para melhorar a qualidade dos insumos do modelo.
Modelo Digital de Elevação (DEM)
Os dados do DEM estão disponíveis para qualquer área do mundo, embora em resoluções variadas.
Os dados globais brutos do DEM estão disponíveis em:

 o World Wildlife Fund - http://worldwildlife.org/pages/hydrosheds


 NASA: http://asterweb.jpl.nasa.gov/gdem-wist.asp (resolução de 30m); e acesso fácil aos
dados SRTM: http://dwtkns.com/srtm/
 USGS: http://eros.usgs.gov/elevation-products e http://hydrosheds.cr.usgs.gov/

Alternativamente, pode ser adquirido de forma relativamente barata em sites como o MapMart
(www.mapmart.com).
A resolução do DEM pode ser um parâmetro muito importante, dependendo dos objetivos do projeto. Por
exemplo, se os tomadores de decisão precisarem de informações sobre os impactos das estradas nos
serviços ecossistêmicos, então uma resolução precisa é necessária. Os aspectos hidrológicos do DEM
usado no modelo devem estar corretos. Como o modelo requer que todos os pixels tenham uma direção
de fluxo (de acordo com o algoritmo de fluxo D-infinito (Tarboton, 1997)), o DEM pode precisar ser
preenchido para remover coletores. Múltiplas passagens da ferramenta ArcGis Fill ou do algoritmo Qgis
Wang & Liu Fill (biblioteca SAGA) mostraram bons resultados.

Índice de Erosividade de Precipitação (R)


R deve ser obtido a partir de valores publicados, pois o cálculo é muito tedioso. Para cálculo, R é igual à
média anual dos valores EI, onde E é a energia cinética da chuva (em \ (MJ \ cdot ha ^ {- 1} \) ) e I30 é a
intensidade máxima da chuva em 30 minutos (em mm .hr-1). Uma revisão das relações entre a
precipitação e o índice de erosividade em todo o mundo é fornecida por Renard e Freimund (1994).
Orientações gerais para calcular o índice R podem ser encontradas no boletim da FAO Soils 70 (Roose,
1996): http://www.fao.org/docrep/t1765e/t1765e0e.htm
Nos Estados Unidos, os mapas nacionais do índice de erosividade podem ser encontrados nos sites do
Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) e da Agência de Proteção Ambiental (EPA). O
USDA publicou um manual sobre perdas ( http://www.epa.gov/npdes/pubs/ruslech2.pdf ) que contém um
mapa em papel do índice de erosividade para cada região. O uso desses mapas requer a criação de uma
nova classe de recurso de linha no GIS e a conversão para rasterização. Por favor, note que a conversão
de unidades também é necessária: a multiplicação de 17.02 é necessária para converter das unidades
habituais dos EUA para MJ.mm. (ha.h.yr) -1, conforme detalhado no Apêndice A do manual USDA
RUSLE (Renard e cols. , 1997).
A EPA criou um mapa digital que está disponível em https://archive.epa.gov/esd/archive-nerl-
esd1/web/html/wemap_mm_sl_rusle_r_qt.html . O mapa está em um formato shapefile que precisa ser
convertido em raster, junto com um ajuste nas unidades.

Erodibilidade do solo (K)


A textura é o principal fator que afeta o K, mas o perfil do solo, a matéria orgânica e a permeabilidade
também contribuem. Varia de 70/100 para o solo mais frágil e 1/100 para o solo mais estável (em
unidades habituais dos EUA). A erodibilidade é tipicamente medida em parcelas de referência nuas, 22,2
m de comprimento em declives de 9%, cultivadas na direção da encosta e não tendo recebido matéria
orgânica por três anos.

A FAO fornece dados globais sobre o solo em seu banco de dados mundial harmonizado de
solos: http://www.iiasa.ac.at/Research/LUC/External-World-soil-database/HTML/ .

Dados do solo para muitas partes do mundo também estão disponíveis no Programa SOTER (Soil and
Terrain Database) ( http://www.isric.org/projects/soil-and-terrain-database-soter-programme ). Ou em te

Nos Estados Unidos, dados sobre o solo livre estão disponíveis no NRCS do Departamento de Agricultura
dos EUA sob a forma de dois conjuntos de dados:
SSURGO http://www.nrcs.usda.gov/wps/portal/nrcs/detail/soils/survey/?cid=nrcs142p2_053627 e
STATSGO http://water.usgs.gov/GIS/metadata/usgswrd/XML/ussoils.xml.Quando os dados do SSURGO
disponíveis devem ser usados, pois é muito mais detalhado do que o STATSGO. Onde lacunas ocorrem
nos dados SSURGO, STATSGO pode ser usado para preencher os espaços em branco. O Soil Data
Viewer ( http://www.nrcs.usda.gov/wps/portal/nrcs/detailfull/soils/home/?cid=nrcs142p2_053620 ) ajuda no
pré-processamento e no download dos dados.

Por favor, note que a conversão de unidades pode ser necessária: multiplicação por 0.1317 é necessária
para converter de unidades habituais dos EUA para \ (ton \ cdot ha \ cdot hr \ cdot (ha \ cdot MJ \ cdot
mm) ^ {- 1} \) , como detalhado no Apêndice A do manual USDA RUSLE (Renard et al., 1997).
Alternativamente, a seguinte equação pode ser usada para calcular K (Renard et al., 1997):

(10)\ [K = \ frac {2.1 \ cdot 10 ^ {- 4} (12-a) M ^ {1.14} +3.25 (b-2) +2.5


(c-3)} {759} \]
Em que K = fator de erodibilidade do solo ( \ (t \ cdot ha \ cdot hr \ cdot (MJ \ cdot mm \ cdot ha) ^ {- 1} \) ;
M = (lodo (%) + areia muito fina (%) ) (100-argila (%)) a = matéria orgânica (%) b = código estrutural: (1)
muito estruturado ou particulado, (2) razoavelmente estruturado, (3) pouco estruturado e (4) sólido c =
código de permeabilidade do perfil : (1) rápido, (2) moderado a rápido, (3) moderado, (4) moderado a
lento, (5) lento e (6) muito lento.

Quando a permeabilidade e a estrutura do perfil não estão disponíveis, a erodibilidade do solo pode ser
estimada com base na textura do solo e no teor de matéria orgânica, com base no trabalho de
Wischmeier, Johnson e Cross (relatado em Roose, 1996). O informativo OMAFRA resume esses valores
na tabela a seguir ( http://www.omafra.gov.on.ca/english/engineer/facts/12-051.htm ):

Average OMC OMC <2% OMC> 2%

Argila 0,22 0,24 0,21

Barro de argila 0,3 0,33 0,28

Barro arenoso grosso 0,07 0,07 0,07

Areia fina 0,08 0,09 0,06

Barro arenoso fino 0,18 0,22 0,17

Barro pesado 0,17 0,19 0,15

Loam 0,3 0,34 0,26

Areia fina 0,11 0,15 0,09

Areia argilosa 0,04 0,05 0,04

Loamy areia muito fina 0,39 0,44 0,25

Areia 0,02 0,03 0,01

Barro de argila arenosa 0,2 0,2 0,2

Arenoso 0,13 0,14 0,12

Limo de silte 0,38 0,41 0,37

Argila siltada 0,26 0,27 0,26

Barro de argila 0,32 0,35 0,3

Areia muito fina 0,43 0,46 0,37

Arenito arenoso muito fino 0,35 0,41 0,33


Valores de erodibilidade do solo (K) nas unidades tradicionais dos EUA com base na ficha informativa do
OMAFRA. As classes texturais do solo podem ser derivadas das diretrizes da FAO para descrição do solo
(FAO, 2006, Figura 4).

Um caso particular é o valor de K para corpos de água, para o qual os mapas de solo podem não indicar
qualquer tipo de solo. Um valor de 0 pode ser substituído, assumindo que nenhuma perda de solo ocorre
em corpos de água.

Uso da Terra / Cobertura do Solo


Um componente chave para todos os modelos de água é uma rede de varredura de cobertura terrestre /
espacialmente contínua. Ou seja, dentro de uma bacia hidrográfica, todas as categorias de uso da terra /
cobertura da terra devem ser definidas. Lacunas nos dados criarão erros. Lacunas de dados
desconhecidos devem ser aproximadas. Os dados globais de uso da terra estão disponíveis em:

 o Global Land Cover Facility da Universidade de


Maryland: http://glcf.umd.edu/data/landcover/ (dados disponíveis em resoluções de 1, 8 e
1km).
 NASA: https://lpdaac.usgs.gov/products/modis_products_table/mcd12q1 (dados de
cobertura global de vários anos do MODIS fornecidos em várias classificações)
 a Agência Espacial Europeia: http://due.esrin.esa.int/globcover/ (mapas de terreno para
2005 e 2009)

Os dados para os EUA de 1992 e 2001 são fornecidos pela EPA em seu produto National Land Cover
Data: http://www.epa.gov/mrlc/ .

A categorização mais simples de LULCs na paisagem envolve delineamento apenas por cobertura da
terra (por exemplo, terra de cultivo, floresta de coníferas temperada, pradaria). Várias classificações
globais e regionais de cobertura da terra estão disponíveis (por exemplo, Anderson et al. 1976), e muitas
vezes a classificação detalhada da cobertura da terra foi feita para a paisagem de interesse.

Uma classificação LULC um pouco mais sofisticada envolve a quebra de tipos LULC relevantes em tipos
mais significativos. Por exemplo, as classes de terras agrícolas poderiam ser divididas em diferentes tipos
de culturas ou a floresta poderia ser dividida em espécies específicas. A categorização dos tipos de uso
da terra depende do modelo e da quantidade de dados disponíveis para cada um dos tipos de terreno. Os
usuários só devem dividir um tipo de uso da terra se ele fornecer mais precisão na modelagem. Por
exemplo, para o modelo de sedimentos, o usuário só deve dividir as 'culturas' em diferentes tipos de
culturas se tiver informações sobre a diferença nas características do solo entre os valores de manejo da
cultura.

Coeficientes P e C
O fator de prática de suporte, P, é responsável pelos efeitos da lavoura de contorno, cultivo de tiras ou
terraços em relação à plantação em linha reta para cima e para baixo da encosta. O fator de
gerenciamento de cobertura, C, representa a cultura e o gerenciamento especificados em relação ao
pousio contínuo lavrado. Várias referências sobre a estimativa desses fatores podem ser encontradas on-
line:

 USDA: manual do RUSLE (Renard et al., 1997)


 OMAFRA: Folha Informativa do
USLE http://www.omafra.gov.on.ca/english/engineer/facts/12-051.pdf
 Organização das Nações Unidas para Alimentação e
Agricultura http://www.fao.org/docrep/T1765E/t1765e0c.htm

Bacias Hidrográficas / Sub-bacias


As bacias hidrográficas devem corresponder a reservatórios ou outros pontos de interesse. Isso garante
que as cargas de sedimentos previstas pelo modelo possam ser comparadas aos dados observados
nesses pontos. Se existirem mapas de bacias hidrográficas conhecidos, eles devem ser usados. Caso
contrário, bacias hidrográficas e sub-bacias podem ser geradas no ArcMap ou no QGIS com base no
modelo de elevação digital (consulte a seção sobre DEM para uso das ferramentas de preenchimento
para corrigir os caminhos de fluxo).
Locais exatos de estruturas específicas, tais como reservatórios, devem ser obtidos da entidade
administradora ou podem ser obtidos na web em locais como o Inventário Nacional de Barragens
( http://geo.usace.army.mil/pgis/f? p = 397: 1: 0 ). As coleções globais de localizações e informações
sobre barragens incluem o Banco de Dados do Reservatório e Barragem Global (GRanD)
( http://www.gwsp.org/products/grand-database.html ) e o banco de dados da barragem do Relatório
Mundial de Desenvolvimento da Água II ( http: // wwdrii.sr.unh.edu/download.html .)

Parâmetros de calibração \ (IC_0 \) e \ (k_b \)


\ (IC_0 \) e \ (k_b \) são parâmetros de calibração que definem a relação entre o índice de conectividade e
a relação de entrega de sedimentos (SDR).Vigiak et al. (2012) sugerem que \ (IC_0 \) é independente da
paisagem e que o modelo é mais sensível a \ (k_b \) . Avanços na ciência da modelagem de sedimentos
devem refinar nossa compreensão da conectividade hidrológica e ajudar a melhorar essa
orientação. Enquanto isso, seguindo outros autores (Jamshidi et al., 2013), recomendamos a
configuração desses parâmetros para seus valores padrão ( \ (IC_0 \) = 0.5 e \ (k_b \) = 2), e usando \
(k_b \) somente para calibração (Vigiak et al., 2012).

Apêndice 2: Representação de Fontes Adicionais


e Sumidouros de Sedimentos
O modelo InVEST prevê o fornecimento de sedimentos a partir da erosão do fluxo das chapas,
negligenciando outras fontes e sumidouros de sedimentos (por exemplo, erosão de barrancos, margens
de rios, deslizamentos de terra, deposição de correntes, etc.), o que pode afetar a abordagem de
avaliação. A adição desses elementos ao orçamento de sedimentos requer um bom conhecimento da
dinâmica de sedimentos da área e normalmente está além do escopo das avaliações de serviços
ecossistêmicos. Formulações gerais para deposição ou fluxo de formação de vigas são ainda uma área
de pesquisa ativa, com modeladores reconhecendo sistematicamente grandes incertezas na
representação do processo (Hughes e Prosser, 2003; Wilkinson et al., 2014). A consulta da literatura local
para estimar a importância relativa de fontes e sumidouros adicionais é uma abordagem mais prática para
avaliar seu efeito na abordagem de avaliação.

Processo Representação

Erosão de Se a ravina estiver conectada ao córrego, A camada de drenagem opcional pode ser usada para
barranco ela é essencialmente um afluente de representar essa conexão direta do barranco ao
(conectado ao pequeno riacho e sua contribuição pode, fluxo. Para obter a exportação total de sedimentos, a
fluxo) portanto, ser considerada como erosão de contribuição de sarjeta (conhecida de outros estudos)
um banco de cheia. é adicionada à saída do nível das sub-bacias.

Erosão de Se o barranco é desconectado, o solo A perda adicional de solo pode ser adicionada no
barranco erodido é depositado em terra e pode, pós-processamento. Se um mapa de voçorocas e sua
(desconectada do eventualmente, atingir o fluxo juntamente contribuição estimada estiver disponível (por
fluxo) com sedimentos rill-inter-rill. exemplo, Vigiak 2011, Wilkinson 2014), ele pode ser
usado com a camada SDR para calcular a exportação
de sedimentos.

Erosão A erosão das margens é uma função da A perda adicional de solo pode ser adicionada no
Streambank erodibilidade do solo e do esforço de pós-processamento. Se informações locais estiverem
cisalhamento, isto é, as forças hidráulicas disponíveis sobre a magnitude da erosão do banco
aplicadas ao canal. O conhecimento (por exemplo, comprimento unitário do fluxo), os
detalhado da altura do banco e a usuários podem calcular esses valores para cada sub-
resistência do solo ao atrito são bacia com base na camada de fluxo gerada pelo
necessários para informar um modelo modelo e depois adicionar o valor aos valores de
simples baseado no processo desses exportação de sedimentos do InVEST.
processos.
Processo Representação

Deslizamentos Deslizamentos de terra ocorrem em áreas A perda adicional de solo pode ser adicionada no
de terra de alta intensidade de chuva e declives pós-processamento.
instáveis.

Deposição in- Partículas maiores tendem a ser Um método simples baseado no número de Rouse é
stream depositadas no fluxo antes de atingir a proposto por Pelletier (2012), que relaciona a
saída da captação probabilidade de deposição à inclinação do canal e à
velocidade de sedimentação.

Referências
Bhattarai, R., Dutta, D., 2006. Estimativa de Erosão do Solo e Rendimento de Sedimentos Usando SIG na
Escala de Captação. Resfriamento de Água.Manag. 21, 1635-1647.

Borselli, L., Cassi, P., Torri, D., 2008. Prolegômenos para sedimentação e conectividade de fluxo na
paisagem: Um GIS e avaliação numérica de campo.Catena 75, 268-277.

Cavalli, M., Trevisani, S., Comiti, F., Marchi, L., 2013. Avaliação geomorfométrica da conectividade de
sedimentos espaciais em pequenas bacias dos Alpes. Geomorfologia 188, 31-41.

Desmet, PJJ, Govers, G., 1996. Um procedimento GI para calcular automaticamente o fator USLE LS em
unidades de paisagem topograficamente complexas. J. Soi 51, 427-433.

De Vente J, Poesen J, G Verstraeten Govers, Vanmaercke M, Van Rompaey, A., Boix-Fayos C., 2013.
Prevendo a erosão do solo e rendimento de sedimentos a escalas regionais: Onde estamos? Ciência da
Terra Rev. 127 16–29
FAO, 2006. Guidelines for soil description - Quarta edição. Roma, Itália.

Hughes, AO, Prosser, IP, 2003. Mapeamento da erosão de Gully e Riverbank para a Bacia de Murray-
Darling. Canberra, ACT.

Jamshidi, R., Dragovich, D., Webb, AA, 2013. Algoritmos empíricos distribuídos para estimar a
conectividade de sedimentos em escala de captação e rendimento em uma região
subtropical. Hydrol. Processo.

Lopez-vicente, M., Poesen, J., Navas, A., Gaspar, L., 2013. Predição da conectividade de escoamentos e
sedimentos e erosão do solo pela água para diferentes cenários de uso da terra nos Pré-Pirineus
espanhóis. Catena 102, 62-73.

Oliveira, AH, Silva, MA da Silva, MLN, Curi, N., Neto, GK, Freitas, DAF de, 2013. Desenvolvimento de
Modelagem de Fator Topográfico para Aplicação em Modelos de Erosão do Solo, em: Intechopen (Ed.),
Solo Processos e Tendências Atuais na Avaliação da Qualidade. p. 28.
Pelletier, JD, 2012. Um modelo espacialmente distribuído para a relação de descarga e descarga de
sedimentos a longo prazo de bacias de drenagem 117, 1-15.
Renard, K., Foster, G., Weesies, G., McCool, D., Yoder, D., 1997. Prevendo a Erosão do Solo pela Água:
Um Guia para o Planejamento da Conservação com a equação revisada da perda de solo.
Renard, K., Freimund, J., 1994. Usando dados de precipitação mensais para estimar o fator-R no USLE
revisado. J. Hydrol. 157, 287- 306. Roose, 1996. Land farmingry - Componentes e estratégia. Boletim de
solos 70. Roma, Itália.

Sougnez, N., Wesemael, B. Van, Vanacker, V., 2011. Baixas taxas de erosão medidas para bacias
íngremes e pouco vegetadas no sudeste da Espanha. Catena 84, 1-11.

Tarboton, D., 1997. Um novo método para a determinação de direções de fluxo e áreas de upslop em
modelos de elevação digital de grade.Resfriamento de Água. Res. 33, 309-319.
Vigiak, O., Borselli, L., Newham, LTH, McInnes, J., Roberts, AM, 2012. Comparação das métricas da
paisagem conceitual para definir a relação de entrega de sedimentos em escala de
encosta. Geomorfologia 138, 74-88.
Wilkinson, SN, Dougall, C., Kinsey-Henderson, AE, Searle, RD, Ellis, RJ, Bartley, R., 2014.
Desenvolvimento de um modelo de orçamento de sedimentos para avaliar os impactos do uso da terra
em grandes bacias hidrográficas. Sci. Total Environ. 468-469, 1210-24.