Você está na página 1de 14

25/03/2009

‰ Descoberta dos raios-x

9 Físico alemão Wilhem Conrad Roentgen


INTRODUÇAO
A (1845-1923)

RADIOLOGIA
9 Primeiras radiografias em animais

(1896)
Profª Drª Naida Cristina Borges

9 Nobel da Física em 1901

‰ Importância dos raios-x


‰ Importância dos raios-X

9 Outras aplicações
9 Confirmar ou diferenciar doenças clínicas
8 Esterilização de alimentos
9 Determinar a extensão da lesão
8 Exploração de jazidas minerais

9 Detectar tumores e metástases


8 Identificação de obras de arte

9 Tratamento clínico x cirúrgico


8 Aeroportos

9 Auxílio para diagnósticos obscuros 8 Localização de defeitos em estruturas de concreto,

tubulações, peças fundidas e soldas


9 Acompanhamento da resolução da doença

1
25/03/2009

‰ O que são os Raios-X?


‰O que são os Raios-X?

9 São ondas de natureza elétrica e magnética = 9 Radiação eletromagnética

eletromagnét icas

Rádio Microondas Infravermelho Luz visível Luz ultra-violeta Raios-x Raios-γ

104 1 10-2 10-5 10-6 10-8 10-10


102 10-12

Comprimento de onda em centímetros

‰ Como e onde são produzidos os Raios-X?


‰ Radiação Ionizante

9 Radiação EM com alta freqüência e baixo Ânodo


(+)
Cátodo
(-)

comprimento de onda

9 Causa danos a moléculas e às células

9 Raios - X, gama e cósmico

9 Proteção radiológica

2
25/03/2009

‰ Raios-X e a f ormação da imagem


‰ Funcionamento do aparelho de raios-X

9 kV (30-100kVp) aplicada controla

8 a velocidade e- (↑ )
9 Raios Ö passam pelo objeto
8 comprimento da onda (↓ )
Ö interagem com o filme Ö
8 poder de penetração do raio (↑ )

9 Aquecimento do filamento controla

Imagem
8 o número e- Radiográfica
8 ↑ aquecimento → ↑ número e- = milamperage m (mA)

‰ Interação Radiação x Matéria


‰ Interação Radiação x Matéria
9 Efeito Compton
8 Fóton → choca com o e- da camada mais externa do 9 Radiação dispersa
átomo → e- ejetado → fóton libera energia 8 Fóton → interage com o objeto→ muda de
9 Efeito fotoelétrico direção sem alterar sua energia inicial (5%)
8 Fóton → atinge e- camada mais interna → e- deslocado

é substituído por outro → libera RADIAÇÃO

3
25/03/2009

Imagem radiográfica
‰ Densidade Radiográf ica

9 determinada pela incorporação dos cristais de prata

9 com a quantidade de RX que atinge o filme

(determinada em maior grau pelo mAs)

8 branco - não houve interação com RX

8 preto - interação total (deposição de prata metálica)

Princíp ios d o Radiodiagnóstico

‰ Raios-X e absorção pelos tecidos A bsorção pelos tecidos

Densidade
Substâncias Nº Atômico
(g/cm3)
Água 7,4 1,00
Músculo 7,5 1,00
Gordura 5,9 0,91
Ar 7,6 0,0013
Osso 35,0 1,9
Iodo (I) 53,0 3,50
Bário (Ba) 56,0 4,93

4
25/03/2009

Fatores que interferem com a imagem


‰ Geometria da Imagem

Efeito A nódico Radiações dispersas


9 Afeta o contraste e a nitidez da imagem

8Feixe de radiação

ƒ raios com longitude diferentes

ƒ portanto ≠ poder penetração

5
25/03/2009

‰ Reduzindo as Radiações Dispersas Distância foco filme (DFF)


9 uso de colimador ou cone
8À medida que a DFF aumenta, a densidade diminui

9 placa de Pb após o filme e...

9 grades difusoras de Potter-Bucky LEI DA PROPORÇÃO INVERSA

‰Preparação do paciente
‰ Ampliação e Distorção

9 Resulta da distância entre objeto e filme


2 Pêlo molhado ou com debris
radiográfico

2 Coleiras ou materiais de metal

9 Jej um Ö abdômen

9 Contenção química

6
25/03/2009

R egistro da Imagem Chassis

‰ Registro da Imagem
‰ Écran ou Ecrã
9 A imagem torna-se visível de duas maneiras
9 Fluorescentes (radioscopia)
8 Imagem temporária - radioscopia

8 Imagem permanente - radiografia → exames curtos - emitem

luz verde

9 Reforçadores (radiografia) →

encurtam o tempo de

exposição (15 x menos) -

emitem luz azul

7
25/03/2009

‰ Filme radiográfico
9 Constituição: emulsão (sais Ag) + base
P rocesso de Revelaçao
celulose
9 Mede 0,001 a 0,08 polegadas
9 Tipos: para exposição direta e para ecrã
reforçador
Camada de gelatina

Emulsão
Adesivo

Base de celulose

9 Ação
Revelador

8 completa o que iniciou-se na exposição película 9 Ação


ƒ os sais de prata expostos reagem com o revelador
8 completa o que iniciou-se na exposição película
e são transformados em prata metálica (negra)
ƒ os sais de prata expostos reagem com o revelador
9 Substância alcalina:
e são transformados em prata metálica (negra)
8 agente revelador (metanol, hidroquinon a)
9 Substância alcalina:
8 agente acelerador (carbonato Ca)
8 agente revelador (metanol, hidroquinon a)
8 agente adstringente (brometo potássio)
8 agente acelerador (carbonato Ca)

8 agente adstringente (brometo potássio)

8
25/03/2009

Fixador 9 Revelação Processo de Revelação

8 termo geral que compreende


9 Ação
ƒ Revelação
8 retirar os íons prata não sensibilizados
ƒ Enxágüe
8 endurecer a gelatina
ƒ Fixação
9 Substância ácida:
ƒ Lavagem
8 agente clareador (hipossulfito de Na) ƒ Secagem
8 agente preservador (sulfito de Na)
9 Tipos
8 agente endurecedor (alúmen de Cr)
8 Manual

8 Automática

Revelação Automática
Filme/ Chassi

9
25/03/2009

Revelação Automática
Revelação Manual

Revelação Manual Revelação Manual

10
25/03/2009

Visibilizando a Radiografia ‰ Visibilizando a imagem

9 Qualidade e quantidade de iluminação

9 Distância: pequena (40-45cm) e longa (120-180c m)

‰ Visibilizando a Radiografia 9 Convenções quanto a projeção

8 VD ou DV: cabeça para o topo e LE para a direita


9 Convenções quant o a projeção
observador

8 Lateral: cabeça à E, dorso para cima

11
25/03/2009

Posicionando o animal !!!

‰ Nomenclatura Radiológica

9 Posições radiográficas

8 referência o feixe de raios-x

incidente → emergente

Posições Radiográficas em Pequenos Animais

Cabeça DV
Nomenclatura Radiográfica

12
25/03/2009

Posições Radiográficas em Pequenos Animais Posições Radiográficas em Pequenos Animais

Coluna Vertebral VD
Coluna Vertebral LL

Membros torácicos ou pélvicos Nomenclatura Radiológica

CrCa ou CaCr

ML ou LM

Quais as denominaçoes para


cabeça e extremidades?

13
25/03/2009

naida@vet.ufg.br

14