Você está na página 1de 10

EO VAMOS MANIPULAR!

Quase toda a gente sabe que os resultados das sondagens podem ser aqueles que os sondadores ou sondadoras
pretendem. Basta formular a pergunta adequada e propor as respostas dirigidas segundo convier.

1. Imagine uma tese que, como jornalista, quer defender num meio de comunicação. Só depois de escrevê-la,
apoie-a com uma sondagem feita a todos e todas as colegas da turma. Logo a seguir explique na sala de aulas
o resultado, redigindo uma crónica jornalística sobre a mesma. Importante: a tese deve ser prévia ao
inquéerito. A seguir, apenas um bom exemplo de como num inquérito umas perguntas que dirigem as pessoas
para uma resposta afirmativa através de palavras como união se converte, no título da notícia, em anexação.

Espanhóis querem anexar Portugal

2006-10-18
Segundo uma sondagem ontem conhecida, quase metade dos espanhóis (45,7 %) gostariam de
unir Portugal a Espanha.
A revista espanhola Tiempo pediu esta investigação que refere, também, que segundo os
espanhóis, o novo país deveria chamar-se Espanha e ter como capital Madrid e deveria manter o
regime monárquico já existente no país.
Esta pesquisa revela que o apoio à união de Espanha a Portugal é, especialmente, elevada entre
os mais jovens (dos 18 aos 24 anos) e, entre os apoiantes a esta fusão, 43,4 % é da opinião
que o novo Estado deveria chamar-se Espanha, contra 39.4 % que defende Ibéria como sendo o
melhor nome para o novo país. É de referir, ainda, que somente 3.3 % gostaria de ter Lisboa
como capital, contra 80 % que preferiram Madrid.
Este inquérito surge após o semanário português "Sol" ter revelado que 28 % da população
portuguesa será a favor da união do país a Espanha.
O sentimento de proximidade com Portugal é mais intenso nas regiões que fazem fronteira com
o nosso país e, inclusive, em alguns casos, nestas zonas, os espanhóis sentem-se mais ligados a
Portugal do que ao seu país.

2. O assunto da sondagem há-de ser da actualidade, relacionado com o mundo do ambiente, da alimentação,
do trabalho ou da política e sociedade.

3. Para elaborar a sondagem deverá dirigir a resposta às 5 perguntas do inquérito com 3 opções possíveis, das
quais o seu ou a sua colega deverá escolher e justificar uma. Daí, tire conclusões sobre a opinião geral da
sociedade acerca dos temas propostos numa composição.

4. Possíveis temáticas:

LIBERTAÇÃO DOS PRESOS DA ETA


IDADE DA REFORMA: 70 ANOS
FUSO-HORÁRIO GALEGO: UMA HORA MENOS
INDEPENDÊNCIA DA CATALUNHA

5. Finalmente, pode confrontar a opinião maioritária da turma com a da sociedade que você conhece e a sua
própria, dirigindo um pequeno debate sobre o assunto. Poderá utilizar verbos no pretérito perfeito composto
do conjuntivo e no mais-que-perfeito composto do conjuntivo. “Se a pergunta tivesse sido esta, talvez a
resposta teria sido outra”, “Talvez se tenham tirado conclusões precipitadas quanto ao assunto”.
6.Outras palavras interessantes para explicar a sua postura: ora, ora isso, ora bem, por um lado... por outro;
em primeiro lugar, ... em segundo lugar; e ainda; por outro lado; aliás; antes pelo contrário; por este
motivo; por exemplo; consequentemente...

 Nível: B2 ou B1
 Atividade linguística: EO e EE
 Tema: media e relações sociais
 Objetivos: conversar em português sobre diferentes temáticas de atualidade e saber redigir
uma notícia.
 Descrição: Os diferentes grupos formados na turma deverão realizar um inquérito aos
colegas para ratificar a sua própria opinião sobre qualquer assunto de atualidade. Para isso, deverão
manipular as perguntas de um inquérito de tal forma que obtenham a resposta por eles desejada. A
seguir, farão uma notícia com as conclusões.
 Recursos e materiais: ficha da/o professor/a, ligação à Internet.

Cursos EFA – Planificação da Unidade B, LEITURA, de LC


Curso de Educação e Formação de Adultos (EFA) B3
Área de de competência: Linguagem e Comunicação
Carga horária: 50 horas
2016-2017

Unidade de Competência B – LEITURA


Interpretar textos de caráter informativo-reflexivo,
argumentativo e literário.

1. Critérios de evidência:
 Relacionar os elementos construtores de sentido num texto.
 Seguir o encadeamento das ideias de um texto e antecipar essa sequência.
 Fazer juízos sobre as informações de um texto: analisar afirmações
contraditórias e a fundamentação de argumentos.
 Interpretar os referentes espaciais e temporais num texto.
 Identificar as marcas textuais específicas dos discursos direto e indireto.
 Interpretar linguagem metafórica.
 Obter e justificar conclusões.
2. Conteúdos
 Informação implícita / explícita num texto;
 As categorias da narrativa: narrador, personagens, ação, tempo e espaço;
 Os elementos constitutivos de uma notícia (lead, corpo do texto);
 O texto poético (poema, letra de canção): estrofe e verso.
 Elementos paratextuais de um texto, livro, filme, música;
 Intencionalidade comunicativa;
 Facto vs. opinião;
 O debate de ideias.
3. Atividades / estratégias
 Treino da leitura inferencial;
 Leitura ou audição de textos literários (narrativas breves), canções (letras,
hinos) e vídeos, com diversos objetivos (cf. critérios de evidência);
 Leitura de notícias, críticas de filmes e outros documentos: distinguir
factos/opiniões; argumentar.
 Exercícios de uso do dicionário: procura de palavras, ordenação alfabética de
palavras;
 Debate de ideias a partir da leitura, audição ou visionamento de produtos
culturais;
 Celebração da Semana Cultural: exploração de ideias, redação de frases,
divulgação do criado.
 Preparação (pesquisa e seleção de ideias, textos e imagens) e realização do
Tema de Vida.
4. Recursos
 Fichas de trabalho;
 Apresentações PowerPoint;
 Quadro; dossiê do formando;
 Material de escrita;
 Computador e colunas;
 Vídeo-projetor;
 CD, DVD, outros registos multimédia.
5. Avaliação
 Observação direta dos seguintes parâmetros: assiduidade e pontualidade;
participação, empenho, interesse, capacidade de adaptação a novas tarefas,
mobilização de competências para novos contextos, relacionamento interpessoal,
trabalho em equipa;
 Avaliação formativa;
 Dossiê do formando;
 Atitudes e capacidades demonstradas durante a preparação, realização e
apresentação das atividades dinamizadas no âmbito do Tema de Vida, da Semana
Cultural (aniversário da escola do EPL) e datas celebrativas (Natal e Páscoa).

Nível B2
Unidade de Competência Critérios de Evidência Sugestões de Actividades
A Interpretar e produzir enunciados orais adequados a diferentes contextos

. Reforçar os enunciados orais com linguagens não verbais ajustadas à mensagem (gestos, sons, ...). . Adequar
o tom, o ritmo, o léxico e as estruturas morfo-sintácticas a diferentes situações de comunicação. . Planear
pequenas intervenções, de acordo com um tema e uma intencionalidade (expor, argumentar, descrever). .
Utilizar as funções expressiva, fática, apelativa e informativa de forma coerente com a situação discursiva. .
Participar em discussões colectivas, emitindo opiniões, concordando ou discordando fundamentadamente.
- Complementação de enunciados apresentados com restrições: frase/palavra obrigatória; frase/palavra
proibida. - Apresentação: descrição física e psicológica. - Descrição de uma pessoa, imagem ou objecto. -
Descrição de paisagens, situações e personagens. - Participação em discussões. - Emissão de opiniões sobre
entrevistas, exposições, discussões e debates orais, previamente gravados (vídeo ou áudio). - Apresentação
das sensações causadas pela audição de uma música ou pelo visionamento de um filme. - Simulação de
situações formais e informais de conversação (entrevista de emprego, discussão numa assembleia, conversa/
diferendo entre amigos, ...). - Apreciação do próprio discurso, após gravação e audição do mesmo. -
Complementação de enunciados apresentados com restrições: frase/palavra obrigatória; frase/palavra
proibida. - Exposição sobre tema de interesse pessoal e/ou social, com planeamento prévio da apresentação. -
Debate informal sobre dilemas sociais, para justificação de pontos de vista.

B Interpretar textos de carácter informativo e reflexivo

. Apropriar-se das terminologias específicas dos documentos funcionais. . Distinguir as ideias principais e
acessórias de um texto. . Identificar as marcas textuais específicas dos discursos narrativo e descritivo. .
Identificar a mensagem principal de um texto global ou de um excerto e os elementos que para ela concorrem.
. Esquematizar/Organizar a ordem lógica das ideias num texto. . Utilizar estratégias diversificadas de
extracção de informação específica de um texto. . Reconstruir o significado global do texto. . Resumir a
informação lida. . Estabelecer relações de sentido entre suportes diversos (imagem, som, ...) e o texto.
. Identificação das palavras/expressões utilizadas para referir os elementos fundamentais num documento
formal. . Comparação do vocabulário específico em diferentes documentos funcionais. . Selecção e ordenação
de palavras/frases-chave de um texto. . Análise de excertos narrativos, com redução às ideias essenciais, e de
excertos descritivos, com levantamento da adjectivação. . Divisão de textos, com atribuição eventual de um
título a cada parte. . Reordenação sequencial de um texto. . Preenchimento de texto lacunar relativo a um
texto lido. . Representação esquemática da lógica dos textos. . Selecção de frases (aforismos) ou provérbios
que representem uma personagem/uma situação/a mensagem do texto. . Formulação de questionários relativos
a um texto lido. . Selecção de epígrafes para textos. . Atribuição de outros títulos a textos. . Resumo do texto
ou partes dele na sua informação essencial. . Selecção de imagens e músicas que melhor se identifiquem com
a mensagem de um texto, com justificação.

Unidades de Competência

Critérios de Evidência
. Reforçar os enunciados orais com linguagens não verbais ajustadas à
mensagem (gestos, sons,...).
LC 2A
. Adequar o tom, o léxico e as estruturas morfo-sintácticas a diferentes
Interpretar e produzir situações de comunicação.
enunciados orais adequados a
diferentes contextos . Planear pequenas intervenções, de acordo com um tema e uma
intencionalidade (expor, argumentar, descrever).

. Utilizar as funções : expressiva, fática, apelativa e informativa de forma


coerente com a situação discursiva.

. Participar em discussões colectivas, emitindo opiniões, concordando ou


discordando fundamentadamente.

. Apropriar-se das terminologias específicas dos documentos


funcionais.

. Distinguir as ideias principais e acessórias de um texto.

. Identificar as marcas textuais específicas dos discursos narrativo e


descritivo.
LC 2B
. Identificar a mensagem principal de um texto global ou de um
Interpretar textos de carácter excerto e
informativo e reflexivo os elementos que para ela concorrem.

. Esquematizar/Organizar a ordem lógica das ideias num texto.

. Utilizar estratégias diversificadas de extracção de informação


específica
de um texto.

. Reconstruir o significado global do texto.

. Resumir a informação lida.

. Estabelecer relações de sentido entre suportes diversos (imagem,


som,
...) e o texto.

Descrever uma imagem - AMOR de Mário Eloy


Mário Eloy (1900-1951), "Amor" (1935).

Ficha de Trabalho de LInguagem e Comunicação

Ficha de Trabalho

Leia atentamente o texto e todas as perguntas:

Os dois irmãos sabiam que há muito tempo a casa estava abandonada. E olhavam-na, de longe, com encanto.
- Maria! Se lá estivesse um tesouro…?
- Um tesouro…?! Tu disseste um tesouro, Joaquim?
- Ouvi dizer que naquela casa havia um tesouro escondido…
Maria olhou para o irmão com os olhos a brilhar. A brilhar muito. Os olhos de Maria eram muito lindos,
porque estavam cheios de sonho.
O que é um tesouro? Muito ouro? Muita prata? Brilhantes? Safiras cor de mar? Esmeraldas verdes como uma
árvore jovem sobre a água? Talvez estrelas, até. Estrelas que pudessem caber nas nossas mãos sem nos
queimarmos. Pérolas brancas de leite para um lindo colar… E Maria pediram ao irmão:
- Vamos lá ver, se há o tesouro, vamos?
- Nós?
- Então… Não queres?!
- Se quero!
- Mas não haverá mal? A nossa mãe… «…e o nosso pai…» – pensou Maria. Mas os olhos de Maria poisavam
nos olhos de Joaquim. E os olhos de Joaquim tão lindos também! – nos de Maria. E um sonho no meio deles –
o tesouro!
Maria e Joaquim não acreditam em bruxas nem em fadas. Nem em dragões. Mas acreditam em tesouros!
E deram a mão um ao outro. E saíram, devagarinho, em silêncio, até à velha casa. Esta ficava no meio de um
bosque, abandonada. Ambos estavam receosos. Não é vergonha ter medo. O medo é tão natural como a
coragem. Vergonha é não vencer o medo, quando o devemos vencer.

Matilde Rosa Araújo, O sol e o Menino dos pés frios

1. Complete:

A autora do texto é ____________________________.

O nome da obra a que pertence este texto é ____________________________.


2. Qual é o nome das crianças referidas no texto?
________________________________________________________________________________________
______.

3. O menino e a menina eram:


• primos. • irmãos. • vizinhos.

4. Estas crianças acreditam em bruxas e fadas?


________________________________________________________________________________________
______.

5. Segundo o texto, em que acreditam?


________________________________________________________________________________________
______.

6. A casa que as encantava estava abandonada à muito ou pouco tempo?

________________________________________________________________________________________
______.

7. O que pensavam as crianças que poderia haver naquela casa?


________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
_____________.

8. As duas crianças depressa compreenderam que tinham o mesmo sonho. Qual era?

________________________________________________________________________________________
______.

9. Onde se situava a casa?

________________________________________________________________________________________
______.

10. Na sua opinião, porque é que as crianças deram as mãos?


________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
____________________.

11. Transcreva do texto cinco palavras ou expressões que indicam o que poderá ser o tesouro.
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
____________________.

12. Invente um título para o texto que acabou de ler.

O que é a Linguagem e Comunicação


LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO

Ø Linguagem - É qualquer e todo sistema de signos que serve de meio de comunicação de ideias ou
sentimentos através de signos convencionais, sonoros, gráficos, gestuais etc., podendo ser percebida pelos
diversos órgãos dos sentidos, o que leva a distinguirem-se várias espécies de linguagem: visual, auditiva,
táctil, etc., ou, ainda, outras mais complexas, constituídas, ao mesmo tempo, de elementos diversos. Os
elementos constitutivos da linguagem são, pois, gestos, sinais, sons, símbolos ou palavras, usados para
representar conceitos de comunicação, ideias, significados e pensamentos. Embora os animais também se
comuniquem, a linguagem propriamente dita pertence apenas ao homem.

Ø Comunicação - A comunicação humana é um processo que envolve a troca de informações, e utiliza os


sistemas simbólicos como suporte para este fim. Estão envolvidos neste processo uma infinidade de maneiras
de se comunicar: duas pessoas numa conversa face-a-face, ou através de gestos com as mãos, mensagens
enviadas utilizando a rede global de telecomunicações, a fala, a escrita que permitem interagir com as outras
pessoas e efectuar algum tipo de troca informacional.

Quatro processos de aprendizagem:

1 – Oralidade (emitir opiniões, argumentar, contra-argumentar, participação em debates, descrições físicas e


psicológicas, simulações de entrevistas, etc.)
2 – Interpretar textos de carácter informativo e reflexivo (distinguir ideias principais das acessórias de um
texto, leituras de artigos de jornal interessantes, identificar as marcas textuais específicas do discurso
narrativo e descritivo…)
3 – Produção de textos - criatividade (estruturar o discurso escrito de uma forma coerente e lógica, situar o
enunciado no tempo e espaço…)
4 – Produzir e interpretar linguagem não verbal (associar os símbolos a serviços específicos, analisar essas
linguagens à luz dos códigos sócio-culturais…)

ficha de trabalho - Interpretar texto

Interpretar um Texto

Leia o seguinte texto com atenção.

O Cego e o Mealheiro

Era uma vez um cego que tinha ajuntado no peditório uma boa quantia de moedas. Para que ninguém lhas
roubasse, tinha-as metido dentro de uma panela, que guardava enterrada no quintal, debaixo de uma figueira.
Ele lá sabia o lugar e, quando ajuntava outra boa maquia, desenterrava a panela, contava tudo e tornava a
esconder o seu tesouro. Um vizinho espreitou-o, viu onde é que ele enterrava a panela e foi lá e roubou tudo.
Quando o cego deu pela falta ficou muito calado, mas começou a dar voltas ao miolo, para ver se arranjava
estrangeirinha, para tornar a apanhar o seu dinheiro. Pôs-se a considerar quem seria o ladrão e achou, lá para
si, que era por força um vizinho. Tratou de vir à fala, e disse-lhe:
- Olhe, meu amigo, quero-lhe dizer uma coisa muito em particular, que ninguém nos oiça.
- Então que é senhor vizinho?
- Eu ando doente e isto há viver e morrer; por isso quero-lhe dar parte que tenho algumas moedas enterradas
no quintal, dentro de uma panela, mesmo debaixo da figueira. Já se sabe, como não tenho parentes, há-de
ficar tudo para vossemecê, que sempre tem sido bom vizinho e me tem tratado bem.
Ainda tenho aí num buraco mais umas peças e quero guardar tudo junto, para o que der e vier.
O vizinho ouviu aquilo e agradeceu-lhe muito a sua atenção e, naquela noite, tratou logo de ir enterrar outra
vez a panela de dinheiro debaixo da figueira, para ver se apanhava o resto das peças ao cego. Quando bem
entendeu, o cego foi ao sítio, encontrou a panela e trouxe-a para casa e, então, é que se pôs a fazer uma grande
caramunha ao vizinho, dizendo:
- Roubaram-me tudo! Roubaram-me tudo, senhor vizinho.
E daí em diante guardou o seu dinheiro onde ninguém, por mais pintado, dava com ele.

TEÓFILO BRAGA, Contos Tradicionais do Povo Português (Porto)

Depois de ter lido atentamente o texto anterior, responda de forma clara e completa às seguintes questões:

1- O texto “O cego e o Mealheiro” apresenta-nos um cego preocupado com a segurança do dinheiro que tinha
amealhado.

a) Como é que ele tinha conseguido amealhar aquele dinheiro?

a) Em que local “secreto” o costumava guardar?

b) Tendo sido roubado pelo vizinho, que estratagema utilizou para reaver o seu dinheiro?

c) Depois de ouvir o cego, o que é que fez o vizinho? Porquê?

2- O texto “O cego e o Mealheiro” é uma narrativa portuguesa, onde não faltam termos e expressões
populares.

2.1- Explique, por palavras suas, o sentido das seguintes expressões:

a) - “...começou a dar voltas ao miolo...”

b)- “...para ver se arranjava estrangeirinha...”

c)- “...ninguém, por mais pintado, dava com ele....”.


3- Qual é o provérbio que melhor se adapta a este texto.

4- Faça o resumo do texto.

Como fazer um Resumo?

Características de um bom resumo


*Brevidade - Só contém as ideias principais. Os pormenores não são incluídos.
*Rigor e clareza - Exprime as ideias fundamentais do texto, de uma forma coerente clara e que respeite o
pensamento do autor.
*Linguagem pessoal - Não se copia frases do texto; exprime-se as ideias por palavras nossas.

Processo de execução de um resumo

1 Leia o texto e tente compreendê-lo bem. Identifique as ideias principais, parágrafo a parágrafo.
------pode sublinhá-las, durante a leitura.
------ pode fazer um esquema, no fim da leitura, para organizar o texto e os parágrafos.
2 Comece a escrever o seu resumo, respeitando sempre o conteúdo do texto e o pensamento do autor.
------procure não incluir pormenores desnecessários.
------ substitua ideias repetidas ou semelhantes por uma que as englobe.
------ utilize termos genéricos em vez de listas.
------ utilize uma linguagem pessoal.
3 Leia o seu resumo e avalie-o, corrigindo os aspectos que achar necessários.
------contém as ideias principais ?
------ a ideia do autor está respeitada ?
------ o texto percebe-se bem?
------ não há pormenores nem repetições?
4 Faça outra leitura do seu resumo e aperfeiçoe a linguagem do texto (ortografia, construção de frases, etc.) se
for necessário.