Você está na página 1de 9

Equilíbrio ácido-base - Indicadores

1. Resumo

Os experimentos têm como objetivo estudar o equilíbrio ácido-base


de indicadores, mostrando a expressão de suas constantes de equilíbrio e
discutindo o porquê que cada indicador possui uma faixa especifica de
mudança de coloração.

2. Introdução

a. Teoria de Bronsted-Lowry

O conceito de Bronsted-Lowry baseia-se no fato de que as


reações ácido-base envolvem transferência de íons H+ de uma
substância para outra. Em Geral, a posição de equilíbrio situa-se na
direção do ácido e base mais fracos.Quanto mais fortes, ácido e
base reagem para produzir as correspondentes base e ácido
conjugados, respectivamente. (Brady e Humiston)

Figura 1

O HCl é um ácido, porque está doando um protón à moléculas


de água e H2O é uma base. As espécies HCl (ácido) e Cl -(base)
formam um par conjugado ácido-base.

b. Teoria de Lewis

Para uma substância ser um bom receptor de próton (uma


base Bronsted-Lowry), deve ter um par de elétrons não
compartilhado. Lewis foi o primeiro a observar esse aspecto nas
reações ácido-base. O ácído de Lewis é um receptor de par de

1
Engenharia em Energia – UERGS
Equilíbrio ácido-base - Indicadores

elétrons, e uma base de Lewis é um doador de par de elétrons.


(Brown).

Figura 2

O íon hidróxido é uma base de Lewis, porque fornece o par de


elétrons que se torna compartilhado com o hidrogênio. O íon
hidrogênio, por outro lado, é um ácido de Lewis, porque aceita um
compartilhamento do par de elétrons, quando a ligação O-H é
formada.

Figura 3

Nesse caso, o NH3 funciona como base e o BF3 como ácido.


Compostos contendo elementos com camadas de valência
incompletas, como BF3, tende a ser ácidos de Lewis, enquanto
compostos ou íons que tenham pares de elétrons não
compartilhados podem comportar-se como base de Lewis. Quando a
reação ácido-base ocorre, é formada uma ligação covalente
coordenada. (Brady e Humiston)

2
Engenharia em Energia – UERGS
Equilíbrio ácido-base - Indicadores

c. Forças Relativas

Quanto mais facilmente uma base aceita um próton, menos


facilmente sua base conjugada aceita. Analogamente, quanto mais
facilmente uma base aceita um próton, menos facilmente seu ácido
conjugado o doa. (Brown)

Figura 4 – Escala de pH

As forças dos ácidos e bases de Lewis podem ser


comparadas. Quando a ligação está formada, a densidade eletrônica
na base é atraída para o átomo do ácido pobre em elétrons.

Em todas as reações ácido-base, a posição de equilíbrio


favorece a transferência de próton do ácido mais forte para a base
mais forte.

d. A troca de prótons entre as moléculas de água

Uma das mais importantes propriedades química da água é a


habilidade que ela possui de se comportar como ácido ou base, por
exemplo, uma molécula de água recebe um próton de uma molécula
de ácido para formar um íon H3O+, neste caso, a molécula é uma
base. Entretanto uma molécula de água pode doar um próton para
uma base e tornar-se um íon OH-, deste modo é um ácido. O
processo no qual há esse tipo de transferência de prótons entre as
moléculas chama-se de autoprotólise. (Atkins)

3
Engenharia em Energia – UERGS
Equilíbrio ácido-base - Indicadores

Como a autoprotólise é um processo em equilíbrio podemos


escrever a seguinte expressão:

Kw = [ H3O+][ OH-] = 1,0 x 10-14 (a 25ºC)

Como Kw é uma constante de equilíbrio, o produto das


concentrações do íons H3O+ e OH- é sempre igual a Kw. Podemos
aumentar a concentração de íons H3O+ pela adição de ácido, e
nesse caso a concentração de íons OH- deve decrescer para
preservar o valor de Kw. Alternativamente podemos aumentar a
concentração de OH- pela adição de base, mas então a
concentração de íons H3O+ deve diminuir. (Atkins)

Como foi feita a constante de equilíbrio de autoprotólise, a


partir dela podemos fazer a constante de equilíbrio dos ácidos que
pode ser escrita da seguinte maneira:

Ka =

O índice a em Ka significa que ele é uma constante de


equilíbrio para a ionização de um ácido, logo K a é chamada de
constante de dissociação ácida.

Para a expressão de constante de equilíbrio das bases temos:

Kb =

A constante de equilíbrio de ionização de uma base é


representada por Kb, cuja constante é chamada de constante de
dissociação básica.

4
Engenharia em Energia – UERGS
Equilíbrio ácido-base - Indicadores

e. Indicadores

Um grande número de substâncias, denominadas indicadores


de neutralização, ou indicadores ácido-base, mudam de cor
conforme a concentração de íon hidrogênio na solução. A principal
característica destes indicadores é a de mudança de uma cor
predominantemente “ácida” para uma cor predominantemente
“alcalina” não ocorrer súbita e abruptamente, mas realizar-se num
pequeno intervalo de pH, que é o intervalo de mudança de cor do
indicador.(Vogel)

A teoria simples de Ostwald, sobre a mudança de cor dos


indicadores, foi revista e acredita-se, nos dias de hoje, que as
modificações de cor se devem a modificações estruturais, que
incluem a formação de forma quinônicas e de ressonância; estas
mudanças podem ser ilustradas pela fenolftaleína, cujas alterações
são características de todos os indicadores de ftaleína. (Vogel)

O equilíbrio entre a forma ácida InA e a forma básica InB pode-


se exprimir-se por: InA H+ + lnB .

O pH dependerá da força iônica da solução. O equilíbrio da


mudança de cor, numa certa força iônica poderá ser expresso da
seguinte forma:

pH = pK’In+log

3. Procedimento Experimental

Verificaram-se os componentes da bancada de práticas, os quais


serão usados:

• Estante para tubos de ensaio;


• Tubos de ensaio;

5
Engenharia em Energia – UERGS
Equilíbrio ácido-base - Indicadores

• Pipetas graduadas de 10 mL;


• Frasco lavador;
• Papel indicador pH;
• Papel indicador Tornassol (azul e rosa);
• 2 mL Solução de ácido clorídrico;
• 2 mL Solução de hidróxido de potássio;
• 2 mL Vinagre;
• 2 mL Solução de tiossulfato de sódio;
• Becker de 400 mL;
• Bastão de vidro;
• Pinça;
• Vidro de relógio;
• Indicadores em conta-gotas (Alaranjado de metila, Vermelho de
metila, Azul de bromotimol, Fenolftaleína e Timolftaleina)

a. Parte 1

Iniciou-se o experimento selecionando e identificando quatro tubos


de ensaio, os quais foram adicionados, com o auxílio da pipeta, 2,0 mL
das respectivas soluções: ácido clorídrico, hidróxido de potássio, vinagre e
tiossulfato de sódio. A seguir introduziu-se um bastão de vidro na solução,
o qual colocou-se a extremidade do mesmo em contato com o pedaço de
papel indicador tornassol rosa e azul, o qual a partir da coloração obtida
pode determinar se a solução é ácida ou básica. Após a primeira
determinação de acidez ou basicidade, utilizou-se o frasco lavador com
água deionizada para retirar os resíduos da solução e posteriormente
repetiu-se o procedimento com as outras soluções.
Posteriormente, com o auxilio da pinça, foi mergulhado o papel
indicador de pH em cada tubo de ensaio e obteve-se uma coloração no
papel, no qual comparou-se com a tabela de cores padrão e determinou-
se o pH de cada solução.

b. Parte 2

6
Engenharia em Energia – UERGS
Equilíbrio ácido-base - Indicadores

Adicionaram-se três gotas de alaranjado de metila em cada um dos


quatro tubos e anotou-se o resultado. Logo, as soluções em que foi
colocado o alaranjado de metila foram descartadas e os tubos de ensaio
devidamente lavados. Novamente pipetou-se 2,0 mL de cada solução nos
tubos de ensaio e repetido o procedimento com outro indicador (vermelho
de metila, azul de bromotimol, fenolftaleína e timolftaleína).

4. Resultados e Discussão

Todos os experimentos realizados estavam à temperatura e pressão


ambiente.

Tabela – Resultados obtidos da parte 1.


PAPEL
SOLUÇÕES TORNASSOL DESCRIÇÃO
IND.
RESULTADO
UNIVERSA
Azul Rosa PH
L PH
TUBO
Ácido Clorídrico Rosa Rosa 2,0 ÁCIDO
1
TUBO Hidróxido de
Azul Azul 13,0 BASE
2 Potássio
TUBO
Vinagre Rosa Rosa 2,0 ÁCIDO
3
TUBO Tiossulfato de
Azul Rosa 6,0 NEUTRO
4 Sódio

Tabela – Resultados obtidos da parte 2.


INDICADORES HIDRÓXIDO
ÁCIDO TIOSSULFAT
DE VINAGRE
(conta-gotas) CLORÍDRICO O DE SÓDIO
POTÁSSIO
Alaranjado de Vermelho
Amarelo Vermelho Amarelo
metila alaranjado
Vermelho de Vermelho
Vermelho rosado Amarelo Laranja
metila rosado
Azul de Amarelo Azul Amarelo Amarelo

7
Engenharia em Energia – UERGS
Equilíbrio ácido-base - Indicadores

bromotimol
Fenolftaleína Incolor Rosa Incolor Incolor
Timolftaleína Incolor Azul Incolor Incolor

Figura 5 – Variação de coloração de indicadores de Ph

http://www.telepolis.com/cgi-bin/web/DISTRITODOCVIEW?url=/1489/doc/ph/indicadores.htm

Comprovou-se que o ácido clorídrico e o vinagre são ácidos, pois houve


mudança de coloração quando adicionado as gotas dos indicadores que alteram
a sua cor inicial na presença de ácidos, neste caso os indicadores apropriados
para identificar a acidez destas soluções foi o alaranjado de metila e o vermelho
de metila.

Da mesma maneira também pode-se provar a basicidade do hidróxido de


potássio, por meio do acréscimo do indicador que altera a sua cor inicial na
presença de bases na solução, os indicadores adequados foram o azul de
bromotimol, a fenolftaleína e a timolftaleína.

Por fim, o tiossulfato de sódio pode-se constatar que é neutro, pois não
houve alteração na cor da solução quando adicionado os indicadores utilizados,

8
Engenharia em Energia – UERGS
Equilíbrio ácido-base - Indicadores

exceto no caso do vermelho de metila que tornou-se laranja, isso devido a faixa
de transição do pH que ele se encontra.

5. Conclusões

Portanto, indicadores ácido-base podem assumir colorações distintas em


diferentes faixas de pH, dependendo do seu equilíbrio, sendo assim se um
indicador ácido apresenta uma coloração em determinada solução, sua base
apresentará outra, e isso acontecerá também da forma inversa.

6. Referências

• Vogel, Jeffery, Bassett, Mendham, Denney – Análise química quantitativa, 5ª Edição,


LTC, 1992.

• Theodore L. Brown, H. Eugene Lemay, Jr., Bruce E. Bursten. Química, a Ciência


Central. 9ª edição, Pearson Prendice Hall, 2005.

• Atkins, Peter; Jones, Loretta. Princípios de química: questionando a vida moderna e


o meio ambiente, 3ª edição, 2007.

• Brady, James E. e Humiston, Gerard E. Química Geral – Livros técnicos e


científicos. Segunda edição.

9
Engenharia em Energia – UERGS