Você está na página 1de 44

LEI N. 13.

467/2017
Prof. Dra. Carla Teresa Martins Romar
APLICAÇÃO DA NORMA NO TEMPO

 Contratos já encerrados antes do início da vigência da nova


norma – aplica-se integralmente a lei antiga
 Contratos celebrados após o início da vigência da nova
norma – aplica-se integralmente a lei nova
 Contratos celebrados antes do início da vigência da nova
norma e ainda em curso – análise deve ser cuidadosa para
evitar riscos
ANÁLISE:

Contratos celebrados antes do início da


vigência da nova norma e ainda em curso
Quatro posicionamentos:
1. Aplica-se a nova regulamentação aos contratos
em curso
2. Regras do contrato são fixadas quando da sua
celebração – lei nova não pode atingir ato jurídico
perfeito e direitos adquiridos – nova
regulamentação só se aplica aos contratos novos
3. Tempo rege o ato – tudo o que não estiver
pactuado rege-se pela lei nova – o que já foi
pactuado, continua regido pela lei anterior
4. Sucessividade
Posições prevalecentes:
- para boa parte dos juízes: 2ª teoria – fundamento:
inalterabilidade das regras contratuais, salvo para
favorecer o trabalhador
- posição defensável: 3ª teoria + 4ª teoria –
fundamento: sucessividade do contrato de trabalho
+ respeito às condições mais benéficas
Contratos de trabalho vigentes
No âmbito das relações de emprego, são vedadas
alterações unilaterais e lesivas do contrato de trabalho
– art. 468, CLT.
Essa regra não foi modificada – assim, de acordo com o
princípio protetor que rege as relações trabalhistas,
deverá prevalecer a condição mais benéfica ao
trabalhador.
Exemplos:

Prêmios / gratificações ajustadas – natureza
salarial sempre reconhecida

Horas in itinere – integração na jornada de
trabalho pelo empregador
Acordos coletivos / convenções coletivas vigentes

 suas previsões têm validade e devem ser


cumpridas até o término de vigência do
instrumento normativo
 após o término de vigência, podem ser aplicadas
modificações trazidas pela reforma
Exemplos:

Integração das horas in itinere
na jornada de trabalho

Banco de horas

Jornada 12x36
Previsões legais

 Sucessividade do contrato de trabalho


 Situações futuras – regidas pela lei vigente
quando da sua ocorrência
 Norma mais favorável???
Exemplos:
ü
Fracionamento de férias
ü
Compensação de jornada de trabalho:
- no mesmo mês
- período máximo de seis meses
- período máximo de um ano
QUESTÃO IMPORTANTE PARA ANÁLISE:

Previsões de Súmulas e Orientações
Jurisprudenciais
ü
NÃO são lei
ü
a elas não se aplicam as regras do direito
intertemporal
ü
Regra: Súmulas e OJs contrárias à nova Lei não
podem mais ser aplicadas para contratos vigentes e
para os novos contratos celebrados
ALTERAÇÕES TRAZIDAS PELA LEI N. 13.467/2017
art. 58-A, CLT
REGIME DE TEMPO PARCIAL
3 modificações


Duração da jornada semanal

Possibilidade de horas extras e compensação

Férias
Jornada + Horas Extras + Compensação


Jornada de até 30 horas semanais – sem
possibilidade de horas extras

Jornada de até 26 horas semanais – até no máximo
6 horas extras por semana

Jornada inferior a 26 horas semanais – até no
máximo 6 horas extras por semana (§ 4º)

Horas extras = remuneradas com acréscimo de 50%
sobre o salário-hora normal (§ 3º)

Possibilidade de compensação de jornada –
diretamente entre empregado e empregador, até a
semana imediatamente posterior à sua execução –
quitação na folha do mês seguinte caso não tenham
sido compensadas (§ 5º)
Férias


Possibilidade de abono de férias – conversão de 1/3
do período em abono pecuniário (§ 6º)

Duração das férias = duração para todos os
trabalhadores / art. 130, CLT – revogado art. 130-A,
CLT (§ 7º)

Duração = regra geral 30 dias corridos / faltas
injustificadas durante o período aquisitivo
O QUE NÃO MUDOU???


Salário = proporcional à jornada, em relação aos
empregados que cumprem, nas mesmas funções,
tempo integral (§ 1º)

OJ SDI-1 358, TST = inclusive em relação ao piso
salarial ou ao salário mínimo
O QUE NÃO MUDOU???


Mudança de regime para empregados com contrato
em curso = requisitos para validade (§ 2º):
- opção do empregado manifestada expressamente
- na forma prevista em instrumento decorrente de
negociação coletiva
FÉRIAS
2 modificações
fracionamento – art. 134, § 1º, CLT
- em até 3 períodos
- necessidade de concordância do empregado
- 1 período não pode ser inferior a 14 dias corridos e
os demais não podem ser inferiores a 5 dias corridos
-Revogação do § 2º, CLT – pode fracionar férias dos
empregados:
ü
maiores de 50 anos
ü
menores de 18 anos (???)
início – art. 134, § 3º, CLT:
- vedado = até 2 dias antes de feriado
ou do dia do descanso semanal
TRABALHO INTERMITENTE

 art. 443, caput e § 3º, CLT


 art. 452-A a 452-H, CLT
 **MP 808, de 14.11.2017
Contrato para prestação de trabalho intermitente:
 Prestação de serviços (art. 443, § 3º, CLT):
- com subordinação
- sem continuidade
- alternância de períodos de prestação de serviços e de
inatividade
- períodos de prestação de serviços fixados em: horas,
dias ou meses
- para qualquer atividade
Contrato de trabalho – classificação:

 Quanto à forma: tácito ou expresso (verbal ou por


escrito)
 Quanto à duração: por prazo indeterminado ou

por prazo indeterminado


ATENÇÃO:
 Para prestação de trabalho intermitente – não é

classificação
Contrato para prestação de trabalho intermitente:


Necessariamente celebrado por escrito e registrado
na CTPS
 Contrato por prazo determinado ou
indeterminado??
- art. 452-D, CLT estabelece prazo de 1 ano, mas não
com finalidade de fixar duração do contrato – apenas
para rescisão em caso de não ter havido convocação
para o trabalho durante o período
Contrato deve conter:
 Identificação, assinatura e domicílio ou sede das partes
 Valor da hora ou do dia de trabalho – não pode ser
inferior ao valor horário ou diário do salário mínimo e
não pode ser inferior ao pago aos demais empregados
que exerçam a mesma função (§ 12, art. 452-A, CLT)

Valor do trabalho noturno superior à do diurno
(adicional), se for o caso
 Local e prazo de pagamento da remuneração
Contrato pode conter (art. 452-B, CLT):
 Locais de prestação de serviços
 Turnos para os quais o empregado será convocado
para prestar serviços
 Formas e instrumentos de convocação e de resposta
para a prestação de serviços
 Formato de reparação recíproca no caso de
cancelamento do serviço agendado (convocação-
aceitação)
Convocação e aceitação:
 Convocação = por qualquer meio eficaz, informando
qual será a jornada, com pelo menos 3 dias de
antecedência
 Aceitação = 24 horas para responder ao chamado,
presumida, no silêncio, a recusa

 Parte que descumprir sem justo motivo = não tem


penalidade (revogado o § 4º, art. 452-A, CLT)
Períodos de inatividade = períodos em que não haja
convocação/prestação de serviço:


Não são considerados tempo à disposição do
empregador

Não são remunerados (se pagar = descaracteriza o
contrato intermitente)

Empregado pode prestar serviços de qualquer natureza a
outros contratantes, de qualquer atividade econômica,
podendo ou não ser por contrato intermitente
Pagamento / remuneração:
 Na data acordada ** – pagamento imediato:
- remuneração
- férias proporcionais + 1/3
- 13º salário proporcional
- DSR
- adicionais legais
** se período de convocação exceder 1 mês = pagamento
das parcelas não poderá ser estipulado por período superior
a 1 mês, contado do 1º dia da prestação dos serviços (§ 11,
art. 452-A, CLT)

 Empregador deve efetuar o recolhimento das


contribuições previdenciárias (dele e do empregado) e o
depósito do FGTS – base = valores pagos no período
mensal – comprovantes devem ser fornecidos ao
empregado (art. 452-H, CLT)
Rescisão:
 Se durante um ano, contado da data da celebração do
contrato, da última convocação ou do último dia da
prestação de serviços, o que for mais recente, não houver
qualquer convocação – contrato rescindido de pleno
direito (art. 452-D, CLT)
Verbas rescisórias (art. 452-E, CLT):
 Pela metade:
- aviso prévio (necessariamente indenizado – 452-F, § 2º)
- indenização do FGTS (20%)

Integralidade das demais verbas


Movimentação da conta vinculada do FGTS – limitada a
80%

Não ingresso no Seguro Desemprego
Verbas rescisórias – cálculo – art. 452-F, CLT:
 Com base na média dos valores recebidos pelo
empregado no curso do contrato de trabalho intermitente

 Cálculo da média – deve levar em conta apenas os meses


durante os quais o empregado tenha recebido parcelas
remuneratórias no intervalo dos últimos 12 meses ou o
período de vigência do contrato, se este for inferior.
“Quarentena”:
 Até 31/12/2020 – empregado contratado por prazo
indeterminado – não poderá prestar serviços para o
mesmo empregador por meio de contrato intermitente
pelo prazo de 18 meses, contado da data de sua demissão
(art. 452-G, CLT)
OBRIGADA !!!
Prof. Dra. Carla Teresa Martins Romar