Você está na página 1de 4

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

2ª TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS

Num. Processo : 0027457-04.2014.8.05.0001


Classe : RECURSO INOMINADO
Recorrente(s) : BRADESCO CONSÓRCIO S/A
Recorrido(s) : TERCIO MATOS OLIVEIRA

Origem : 6ª VSJE DO CONSUMIDOR (IMBUÍ VESPERTINO)


Relatora Juíza : MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE

EMENTA

RECURSO INOMINADO. EXECUÇÃO. ALEGAÇÃO DE


EXCESSO. PENHORA EFETUADA COM BASE NOS
CÁLCULOS APRESENTADOS PELA CONTADORIA DO
JUÍZO. IMPUGNAÇÃO GENÉRICA DOS CÁLCULOS.
INEXISTÊNCIA DE VÍCIOS NOS CÁLCULOS
APRESENTADOS. OBSERVÂNCIA DO QUANTO DISPOSTO
NO COMANDO SENTENCIAL E NO ACÓRDÃO
PROLATADOS. SENTENÇA MANTIDA.

ACÓRDÃO

Acordam os Senhores Juízes da 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais


Cíveis e Criminais do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, MARIA AUXILIADORA
SOBRAL LEITE - Relatora, CÉLIA MARIA CARDOZO DOS REIS QUEIROZ -
Presidente, LEÔNIDES BISPO DOS SANTOS SILVA, em proferir a seguinte decisão:
RECURSO CONHECIDO E IMPROVIDO. UNÂNIME, de acordo com a ata do julgamento.
Custas e honorários advocatícios pelo recorrente, que fixo em 20% sobre o valor da
condenação.

Salvador, Sala das Sessões, 24 de Setembro de 2015.

BELA. MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE


Juíza Relatora
CÉLIA MARIA CARDOZO DOS REIS QUEIROZ
Juíza Presidente
PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA
2ª TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS

Num. Processo : 0027457-04.2014.8.05.0001


Classe : RECURSO INOMINADO
Recorrente(s) : BRADESCO CONSÓRCIO S/A
Recorrido(s) : TERCIO MATOS OLIVEIRA

Origem : 6ª VSJE DO CONSUMIDOR (IMBUÍ VESPERTINO)


Relatora Juíza : MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE

EMENTA

RECURSO INOMINADO. EXECUÇÃO. ALEGAÇÃO DE


EXCESSO. PENHORA EFETUADA COM BASE NOS
CÁLCULOS APRESENTADOS PELA CONTADORIA DO
JUÍZO. IMPUGNAÇÃO GENÉRICA DOS CÁLCULOS.
INEXISTÊNCIA DE VÍCIOS NOS CÁLCULOS
APRESENTADOS. OBSERVÂNCIA DO QUANTO DISPOSTO
NO COMANDO SENTENCIAL E NO ACÓRDÃO
PROLATADOS. SENTENÇA MANTIDA.

RELATÓRIO

Trata-se de recurso inominado interposto pela parte ré na ação de origem,


BANCO BRADESCO ADMINISTRADORA DE CONSORCIO LTDA, contra sentença que
julgou improcedentes embargos à execução, nestes termos: “Desse modo, tendo o cálculo
impugnado através dos presentes embargos sido efetuado por servidor do próprio Juizado, que o
confeccionou de acordo com o comando constante do título executivo judicial e a legislação vigente, a
improcedência dos embargos opostos se impõe. Assim, ante o exposto e tudo mais que dos autos consta,
julgo improcedentes os embargos opostos por BRADESCO CONSÓRCIO S/A contra TERCIO MATOS
OLIVEIRA.”

O recorrente busca a reforma da sentença, aduzindo, em síntese, que :


“Contudo os cálculos da contadoria encontram-se equivocado, pois a sentença e o acórdão confirmou que
restituição seria com correção a partir do pagamento ocorrido em 23/12/2010 autorizada a dedução da
taxa administrativa, não tratando dos juros. Porém, os cálculos realizados aplicaram a taxa de juros da
citação (02/04/14).”

Apresentadas contrarrazões, vieram-me os autos conclusos.

Presentes as condições de admissibilidade do recurso, conheço-o,


apresentando voto com a fundamentação aqui expressa, que submeto aos demais
membros desta Egrégia Turma.

VOTO

A sentença proferida não merece reparos.


O exame dos autos evidencia que o ilustre a quo examinou com acuidade a demanda
posta à sua apreciação, sendo que o decisum não merece reforma a meu sentir, e deve
ser mantida, servindo de acórdão a súmula do julgamento, nos termos do art. 46 da Lei
9099\95 in verbis:
“O julgamento em segunda instância constará apenas da ata, com
a indicação suficiente do processo, fundamentação sucinta e
parte dispositiva. Se a sentença for confirmada pelos próprios
fundamentos, a súmula do julgamento servirá de acórdão.”

Trata o presente recurso de irresignação do banco demandado quanto aos


cálculos apresentados pela contadoria do juízo, após o trânsito em julgado da presente
ação, em que reconhecido o direito da parte autora de receber o valor pago
correspondente a parcelas de consórcio do qual desistira.
Como salientado pelo magistrado sentenciante, inexistem equívocos nos
cálculos apresentados no evento 79, tendo sido observados os critérios de atualização e
correção monetária, e juros de mora, conforme definidos no comando sentencial e no
acórdão de julgamento do recurso inominado, sendo portanto legítima a penhora
efetuada, lastreada que está em título executivo idôneo, inexistente, ainda, nos cálculos
que foram apresentados pela contadoria do juízo os vícios apontados pelo ora recorrente.
Ademais, o recorrente formula impugnação ao cálculo de modo genérico,
sem indicar os pontos de equívoco eventualmente existentes nos cálculos apresentados,
limitando-se a aduzir a divergência destes com aqueles que ele mesmo apresenta.
Inexistente qualquer razão de direito para que se anule os cálculos
apresentados, mister que a sentença objurgada seja mantida, confirmando-se a
legitimidade da penhora efetuada.
Ante o exposto, voto no sentido de CONHECER E NEGAR PROVIMENTO
AO RECURSO, mantendo hígidos todos os termos da sentença hostilizada. Custas e
honorários advocatícios pelo recorrente, estes em 20% do valor da condenação, nos
termos do art. 55 da Lei 9.099/95.
Salvador, 21 de Junho de 2016.
Bela. MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE
JUÍZA DE DIREITO – Relatora

De fato, tendo em vista que as rés não foram intimadas para cumprimento
da obrigação de fazer, decidiu acertadamente o juízo sentenciante por anular a execução
da multa por descumprimento de obrigação de fazer, não havendo, destarte, o que
reformar na referida decisão.
Ante o relatado, CONHEÇO DO RECURSO e NEGO PROVIMENTO ao
recurso para manter, na íntegra, a sentença objurgada pelos seus próprios fundamentos.
Sem condenação em custas e honorários advocatícios ante o deferimento da gratuidade
da justiça no evento 20 do PROJUDI.

Salvador, 26 de fevereiro de 2015.

BELA. MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE


Juíza Relatora