Você está na página 1de 11

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/321295355

USINABILIDADE DA LIGA Ti-6Al-4V EM OPERAÇÃO DE ACABAMENTO NO


TORNEAMENTO COM ALTA VELOCIDADE DE CORTE COM DIFERENTES
MÉTODOS DE LUBRI-REFRIGERAÇÃO

Conference Paper · November 2017

CITATIONS READS

0 149

4 authors, including:

Francisco Vieira dos Santos


University of São Paulo
6 PUBLICATIONS   0 CITATIONS   

SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Production and Characterization of Bioactive Fibers from PVA / 45S5 by Electrospinning Technique View project

All content following this page was uploaded by Francisco Vieira dos Santos on 25 November 2017.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


8º Congresso Brasileiro de Engenharia de Fabricação
18 a 22 de maio de 2015, Salvador, Bahia, Brasil
Copyright © 2015 ABCM

USINABILIDADE DA LIGA Ti-6Al-4V EM OPERAÇÃO DE ACABAMENTO


NO TORNEAMENTO COM ALTA VELOCIDADE DE CORTE COM
DIFERENTES MÉTODOS DE LUBRI-REFRIGERAÇÃO
Odilon Soares da Silva, odilon.silv@terra.com.br
Leonardo Roberto da Silva, lrsilva@deii.cefetmg.br
Francisco Vieira dos Santos, franvds5@gmail.com
Matheus Barbosa de M. Alvim, matheusb007@yahoo.com.br

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG - Campus I - Departamento de Engenharia de
Materiais. Avenida Amazonas, 5253. Nova Suíça. Belo Horizonte, MG, Brasil.

Resumo: O titânio e suas ligas possuem baixa densidade aliada a uma alta resistência mecânica, mesmo em altas
temperaturas. Com isso, se apresentam como ótimas soluções e recebem grande importância nas indústrias química,
naval, aeroespacial, nuclear, bélica e biomédica. A influência que a usinabilidade exerce sobre a produtividade e o
custo final de produção serve como parâmetro para reforçar a necessidade da preocupação não só com
desenvolvimento de materiais com propriedades mecânicas, físicas e químicas superiores, mas também com o
comportamento desses materiais quando submetidos a algum tipo de processo de manufatura. A usinagem de ligas de
titânio sempre foi classificada como de difícil usinabilidade. Este trabalho visa o estudo da usinabilidade da liga Ti-
6Al-4V no torneamento com alta velocidade de corte com diferentes métodos de lubri-refrigeração (com jorro, sistema
de Mínima Quantidade de Lubrificante - MQL e a seco) utilizando ferramenta de metal duro. A avaliação da
usinabilidade nas diversas condições de lubri-refrigeração e da ferramenta utilizada consistiu na análise dos
parâmetros: desgaste, vida e rugosidade. Os resultados possibilitaram avaliar o comportamento dos diferentes
métodos de lubri-refrigeração no desempenho dos parâmetros citados. Em geral, os resultados mostraram que o tipo
de lubri-refrigeração influencia o comportamento da usinabilidade da liga Ti-6Al-4V. O aumento da velocidade de
corte reduz drasticamente a vida da ferramenta. Por outro lado, com relação a rugosidade não se obteve um
comportamento padrão.

Palavras-chave: Usinagem com alta velocidade, Métodos de lubri-refrigeração, Usinabilidade, Liga Ti-6Al-4V,
desgaste.

1. INTRODUÇÃO

As ligas de titânio apresentam elevadas temperaturas de fusão, alta dureza a quente, excelentes propriedades
mecânicas, alta resistência à corrosão, ótima razão resistência-peso e biocompatibilidade, características que fazem
delas materiais ideais para aplicações na indústria aeroespacial, automotiva, petroquímica e biomédica (Rahman et al.,
2006).
Estes materiais apresentam, entretanto, baixíssima condutividade térmica, de modo que, quando usinados, são
geradas altíssimas temperaturas na região de corte (Venugopal et al., 2007). Enquanto as elevadas temperaturas da
região de corte podem ser atenuadas com a ajuda dos mais diversos tipos de fluidos de corte (Sandvik Coromant, 2004),
e o desgaste por difusão pode ser minimizado a partir da utilização de novos materiais para ferramentas (Wang et al.,
2005).
Como calculado por meio do método de diferenças finitas, a temperatura máxima entre a formação do cavaco e da
ferramenta, atinge 1400 ºC quando a liga Ti-6Al-4V é usinada a uma velocidade de corte de 120 m/min (Tlusty, 1999).
Outra característica peculiar é a elevada afinidade química com todos os materiais comumente utilizados para
ferramentas de usinagem que, associada ao intenso calor gerado na usinagem, estimula o desgaste por difusão (Wang e
Zhang, 1988). Como se não bastasse, as ligas de titânio apresentam ainda baixíssimo módulo de elasticidade (Ezugwu
et al., 2005) que, aliado à instabilidade termoplástica decorrente da baixa condutividade térmica (Trent e Wright, 2000),
gera variações na espessura do cavaco, flutuações na força de usinagem e, portanto, altos níveis de vibração (Rahman et
al., 2003).
Com a evolução dos processos de usinagem, tem-se aumentado bastante a utilização da usinagem denominada
High-Speed Machining (HSM), principalmente devido às grandes vantagens atribuídas ao processo, como por exemplo,
economia de tempo, menores esforços de corte, melhor dissipação de calor, menor distorção da peça, melhor precisão,
menores níveis de vibração mecânica, maior facilidade na remoção e armazenamento de cavacos e melhor acabamento
superficial, visando sempre o crescimento da produtividade (Chevrier et al., 2003).
A tecnologia de usinagem de alta velocidade também oferece muitas vantagens sobre usinagem convencional,
como maior taxa de remoção de material, maior precisão de usinagem e melhor acabamento superficial, etc. (Schulz e
Moriwaki, 1992).
8º Congresso Brasileiro de Engenharia de Fabricação
18 a 22 de maio de 2015, Salvador, Bahia, Brasil
Copyright © 2015 ABCM

Entretanto, uma das dificuldades encontradas na usinabilidade das ligas de titânio é o material da qual a ferramenta
de corte é constituída. Logo, ferramentas de material cerâmicos, não são comumente usadas, pois na usinagem das ligas
de titânio, este material apresenta baixa performance devido a altas taxas de desgaste por causa de sua alta reatividade
química com este tipo de liga (Ezugwu et al., 2003). Por estas razões, a usinagem de titânio requer ferramentas com
características de alta dureza, resistência ao desgaste, dureza e resistência a quente e alto coeficiente de condutividade
térmica (Rahman et al., 2003; Narutaki e Murakoshi, 1983).
O fato de que a temperatura de corte alta atua perto da borda de corte durante a usinagem de alta velocidade de ligas
de titânio é o principal motivo para o desgaste rápido ferramenta.
Este trabalho visa, portanto, estudar possibilidade de atingir alta velocidade de corte no torneamento em operação
de acabamento da liga Ti-6Al-4V com o objetivo de aumentar a produtividade e manter os padrões de qualidade
requeridos. Para a obtenção desses requisitos, foram analisados os parâmetros de corte (velocidade de corte, avanço e
condições de lubri-refrigeração), em relação ao desempenho da vida da ferramenta e da rugosidade.

2. MATERIAIS E MÉTODOS

O material utilizado para realização dos ensaios foi a liga de titânio Ti-6Al-4V na forma de barra cilíndrica
adquirida da empresa Sandinox Comercio, Importação e Exportação Ltda nas dimensões: Diâmetro 25,4 e comprimento
de 3000 mm, com tratamento térmico de recozimento. Tabela (1) apresenta as principais propriedades mecânicas e
composição química da liga de titânio Ti-6Al-4V.

Tabela 1. Principais propriedades e composição química da liga de titânio Ti-6Al-4V.

Composição química em peso (%)


C V Al Ti O Fe H N
0,03 4,18 6,12 Saldo 0,12 0,16 0,0019 0,01
Propriedades Mecânicas
Alongamento: 17% Modulo de Elasticidade: 110 GPa
Escoamento: 876 MPa Condutividade Térmica: 6,6 W/m ºK
Resistência a Tração: 925 MPa Temperatura de Fusão: 1670 ºC
Redução de área: 49 % Coeficiente de Expansão Térmica: 8,4x 10-6 / ºC

Os corpos de prova foram serrados e faceados com comprimento de 90 mm e usinados conforme sequência
representada na Figura (1). O comprimento usinado durante os testes foi de 40 mm, sendo que para cada teste foi
usinado uma réplica para comprovação dos resultados.

Figura 1. Sequência para usinagem dos corpos de prova.

O equipamento utilizando foi o torno Romi CNC Centur 30D com placa e contra ponto pneumático, torre elétrica
de 8 posições, potência de 10 KW e comando Siemens 802. Com objetivo de manter a rigidez do sistema, os corpos de
prova foram usinados somente até atingirem o diâmetro de 15 mm. A rotação do torno foi limitada a 3800 RPM, pouco
abaixo do limite máximo permitido que é de 4000 RPM. Trabalhou-se com velocidade de corte constante através da
programação da função G96 observando até qual diâmetro poderíamos usinar sem ultrapassar a rotação máxima que foi
limitada a máquina.
Foi realizado réplica dos ensaios para obtenção de uma melhor confiabilidade na elaboração dos gráficos através da
média aritmética dos resultados dos testes.
As ferramentas de corte e suporte intercambiável foram adquiridas do fornecedor Sandvik Coromant, seguindo as
especificações recomendadas: Suporte externo SVJBR 2525M11-B1, inserto de metal duro sem cobertura VBMT
110304-KF H13A.
As velocidades de corte selecionadas foram de 60, 120, 180 e 240 m/min, avanços de corte de f = 0,05 e 0,10
mm/rotação e profundidade de usinagem ap = 0,25 mm.
As condições de lubri-refrigeração foram: jorro; a seco e com mínima quantidade de lubrificante (MQL). Para o
método com fluido de corte por jorro foi utilizado o fluido sintético Castrol Syntilo 9902 solúvel em água na
8º Congresso Brasileiro de Engenharia de Fabricação
18 a 22 de maio de 2015, Salvador, Bahia, Brasil
Copyright © 2015 ABCM

concentração de 7% em volume com a vazão de aproximadamente 25 L/min indicado para usinagem de materiais
ferrosos, ligas de níquel e titânio. Para a medição da concentração do fluido de corte foi utilizado um refratômetro
portátil ATAGO série MASTER–α, Brix 0.0 a 33,0%. Para a aplicação da técnica de mínima quantidade de lubrificante
(MQL) foi utilizado um equipamento aplicador Accu-Lube fornecido pela ITW-Chemical Products Ltda., utilizando o
lubrificante LB 1000 fornecido pelo fabricante do equipamento, sendo que a vazão do ar foi regulada para 18 m³/h a
uma pressão de 5 kgf/cm². A vazão do lubrificante foi regulada para 30 mL/h.
O critério adotado para fim de vida da ferramenta foi através do desgaste de flanco máximo VBBmáx = 0,6 mm
conforme recomendação da Norma ISO 3685 (1993) ou tempo de corte de 30 minutos. Para medição de desgaste da
ferramenta foi utilizado microscópio ferramenteiro com aumento de 30X e resolução de 0,01 mm.
A rugosidade foi medida utilizando rugosimetro Mitutoyo SJ 301 calibrado conforme norma JIS B061-1994. O
rugosímetro foi ajustado para um cut-off (comprimento de amostragem) de 0,8 mm. Foram medidas as rugosidades em
Ra, Rt e Rq em quatro posições 0º, 90º, 180º, 270º em seguida feito uma média aritmética dos valores encontrados. Com
os valores obtidos, foram confeccionados gráficos de desgaste de flanco “VBBmax” (mm) e rugosidades X Comprimento
de corte espiral Lc (m) para velocidades de corte 60, 120,180 e 240 m/min e avanços de 0,05 e 0,10 mm/rotação.

3. RESULTADOS E DISCUSSÕES

As características das ligas de titânio (elevadas temperaturas de fusão, alta dureza a quente, excelentes propriedades
mecânicas e alta resistência à corrosão), ocasionaram intenso desgaste na ferramenta proporcionando um tempo de vida
reduzido, principalmente com velocidades de corte maiores nos diferentes métodos de lubri-refrigeração.

3.1. Desgaste da ferramenta

Os gráficos a serem apresentados são referentes aos ensaios realizados considerando um comportamento do
desgaste de flanco máximo da ferramenta em relação ao comprimento de corte e da velocidade de corte. As Figuras (2)
e (3) apresentam o desgaste de flanco máximo da ferramenta em relação ao comprimento de corte na condição de lubri-
refrigeração por jorro.

Figura 2. Desgaste da ferramenta (VBBmáx) em função do comprimento de corte na condição de jorro utilizando
avanço de 0,10 mm/rot.
8º Congresso Brasileiro de Engenharia de Fabricação
18 a 22 de maio de 2015, Salvador, Bahia, Brasil
Copyright © 2015 ABCM

Figura 3. Desgaste da ferramenta (VBBmax) em função do comprimento de corte na condição de jorro utilizando
avanço de 0,05 mm/rot.

Observa-se nas Fig.(2) e (3), que nas velocidades de corte de 60 m/min e 120 m/min., as ferramentas de corte não
atingiram os desgastes de flanco máximo “VBBmáx” de 0,6 mm e o critério de fim de vida foi o tempo de usinagem de
aproximadamente 30 minutos. Na Fig. (2), nas velocidades de corte de 180 e 240 m/min., as ferramentas atingiram os
desgastes de flanco máximo e os comprimentos de corte atingiram 893 metros e 63 metros respectivamente. Na Fig. (3)
com as velocidades de corte de 180 e 240 m/min., as ferramentas também atingiram os desgastes de flanco máximo e os
comprimentos de corte alcançados foram 475 metros e 181 metros respectivamente. Nata-se também na Fig. (2) na
velocidade de corte de 120 m/min o desgaste de flanco é maior que em relação a velocidade de corte de 180 m/min até
atingirem o comprimento usinado de 692 metros.
As Figuras (4) e (5) apresentam o desgaste de flanco máximo da ferramenta em relação ao comprimento de corte
nas condições de lubri-refrigeração pelo sistema de MQL e a seco.

Figura 4. Desgaste da ferramenta (VBBmax) em função do comprimento de corte na condição de MQL utilizando
avanço de 0,10 mm/rot.
8º Congresso Brasileiro de Engenharia de Fabricação
18 a 22 de maio de 2015, Salvador, Bahia, Brasil
Copyright © 2015 ABCM

Figura 5. Desgaste da ferramenta (VBBmax) em função do comprimento de corte na condição a seco utilizando
avanço de 0,10 mm/rot.

Percebe-se que na condição de utilização de fluido de corte através de jorro o desempenho é melhor que utilizando
o sistema MQL e este por sua vez tem melhor desempenho que a seco. Na Fig. (4) utilizando o sistema MQL, na
velocidade de corte de 240 m/min obtemos melhores resultados que com refrigeração por jorro e a seco, tendo se em
vista os comprimentos de corte usinados. Isto nos sugere que a utilização deste sistema é uma boa alternativa na
usinagem com alta velocidade de corte.
Na condição de utilização do sistema MQL obteve um desempenho bem superior em relação à condição a seco
principalmente a partir da velocidade de corte de 180 m/min onde tivemos mais de 100 % de rendimento. Trabalhando a
seco, Fig. (5) com velocidade de corte de 240 m/min, obtemos o desempenho de somente duas passadas e comprimento
de corte de 63 m enquanto utilizando o sistema MQL, Fig. (4) obtemos comprimento usinado de 236 metros.
O melhor desempenho, entretanto é observado quando se utiliza velocidade de 60m/min e o sistema MQL onde
apresentou menor desgaste ao fim de 30 minutos de usinagem. Cabe ressaltar, que a velocidade de corte indicada pelo
fabricante para o torneamento de ligas de titânio com avanço de 0,10 mm/rot é de 60 m/min.
Observa-se em todas as condições de lubri-refrigeração uma redução drástica da vida da ferramenta com o aumento
da velocidade de corte, resultando em um comprimento usinado consideravelmente baixo. Provavelmente, isto é
resultado das elevadas temperaturas na região de corte, que acentuam a reatividade entre os materiais da ferramenta e o
Titânio. O aumento do avanço teve pouca influência na vida da ferramenta.

3.2. Rugosidade

As Figuras (6) e (7) apresentam os valores médios de rugosidade (Ra) em relação ao comprimento de corte e da
velocidade de corte na condição de lubri-refrigeração por jorro com os avanços de corte respectivos de 0,1 e 0,05
mm/rot.
8º Congresso Brasileiro de Engenharia de Fabricação
18 a 22 de maio de 2015, Salvador, Bahia, Brasil
Copyright © 2015 ABCM

Figura 6. Rugosidade (Ra) em função do comprimento de corte na condição de jorro utilizando avanço de 0,10
mm/rot.

Figura 7. Rugosidade (Ra) em função do comprimento de corte na condição de jorro utilizando avanço de 0,05
mm/rot.

Na Fig. (6), na velocidade de corte de 120 m/min apresentou rugosidade melhor que na velocidade de corte de 60
m/min até o comprimento de 789 metros. A rugosidade na velocidade de corte de 60 m/min apresentou-se mais estável
em relação às demais velocidades de corte apresentadas. Nas velocidades de corte de 180 e 240 m/min a rugosidade
aumenta rapidamente em relação as velocidades de corte de 60 e 120 m/min. Provavelmente pelo alto nível de desgaste
apresentado. Ainda na Fig. (6) com a velocidade de corte de 180 m/min. a partir do comprimento usinado de 577 mm
houve uma queda da rugosidade até o comprimento usinado de 847 mm. A partir deste ponto a rugosidade sobe
rapidamente até atingir Ra de 3,37 µm e fim de vida útil da ferramenta de corte em relação ao desgaste de flanco.
Já na Fig. (7) com a velocidade de corte de 180 m/min o aumento da rugosidade é progressivo com consequente
comprimento usinado bem menor que apresentado na Fig.(6), porém apresentando melhor rugosidade. Na velocidade de
corte 240 m/min., a rugosidade aumenta rapidamente em relação as demais velocidades de corte com conseqüente
redução no comprimento de corte usinado. Em geral, a rugosidade aumenta com o progresso do desgaste.
A redução do avanço apresenta melhora na rugosidade em todas as velocidades de corte testadas, porém com menor
comprimento de corte usinado devido a maior tempo de contato.
As Figuras (8) e (9) apresentam os valores médios de rugosidade (Ra) em relação ao comprimento de corte nas
condições de MQL e a seco para o avanço de 0,10mm/rot.
8º Congresso Brasileiro de Engenharia de Fabricação
18 a 22 de maio de 2015, Salvador, Bahia, Brasil
Copyright © 2015 ABCM

Figura 8. Rugosidade (Ra) e m função do comprimento de corte na condição de MQL utilizando avanço de 0,10
mm/rot.

Figura 9. Rugosidade (Ra) em função do comprimento de corte na condição a seco utilizando avanço de 0,10
mm/rot.

Observa-se nas Fig.(8) e Fig. (9) que o sistema de lubri-refrigeração MQL apresenta desempenho bem superior em
relação à usinagem a seco. Mesmo na condição da velocidade de corte de 60 m/min onde o fim da vida útil da
ferramenta foi determinado em ambas as condições pelo tempo aproximado de 30 minutos, a rugosidade foi bem
melhor e mais estável no sistema com MQL.
O menor avanço proporcionou valores menores de rugosidade em todas as condições de lubri-refrigeração.
Novamente, a velocidade de corte de 60m/min apresentou melhor desempenho em ambos os avanços. De uma maneira
geral, o aumento da velocidade de corte elevou os valores de rugosidade, devido principalmente pelo aumento do
desgaste provocado.
O método de lubri-refrigeração com fluido de corte por jorro apresenta de uma maneira geral desempenho superior
à condição de MQL e a seco. Ainda assim obtemos bons resultados utilizando o sistema MQL, conforme podem ser
observado na Fig. (8), apontando resultados intermediários as condições a seco e com fluido de corte por jorro.
As Figuras (10) e (11) apresentam os valores médios de rugosidade total (Rt) em relação aos comprimentos de corte
na condição de lubri-refrigeração por jorro.
8º Congresso Brasileiro de Engenharia de Fabricação
18 a 22 de maio de 2015, Salvador, Bahia, Brasil
Copyright © 2015 ABCM

Figura 10. Rugosidade total (Rt) em função do comprimento de corte na condição de jorro utilizando avanço de
0,10 mm/rot.

Figura 11. Rugosidade total (Rt) em função do comprimento de corte na condição de jorro utilizando avanço de
0,05 mm/rot.

Observa-se nas Fig. (10) e Fig.(11) que a rugosidade total na velocidade de corte de 120 m/min é melhor que na
velocidade de corte de 60 m/min. Nota-se também conforme Fig. (11) na velocidade de corte de 120 m/min produz
excelente Rt não ultrapassando 4 µm. Os valores de rugosidade total são melhores com avanço de 0,05 mm/rot.
Nas velocidades de 180 e 240m/min não apresentaram um comportamento padrão no parâmetro Rt na condição de
avanços de 0,05mm/rot. e 0,10 mm/rot. Os métodos de lubri-refrigeração interferiram de maneira significativa nos
resultados de rugosidades.

4. CONCLUSÕES

À medida que se aumenta a velocidade de corte e o avanço reduzi-se consideravelmente a vida útil da ferramenta,
aumentando a rugosidade e reduzindo também o comprimento usinado.
A velocidade de corte de 60 m/min proporciona em ambos os avanços boa estabilidade no corte, ou seja, menor
dispersão dos valores nos parâmetros avaliados.
O aumento da velocidade de corte proporciona redução drástica na vida da ferramenta de corte, com consequente
redução do comprimento usinado. Entretanto, este aumento não apresenta um comportamento padrão nas rugosidades.
8º Congresso Brasileiro de Engenharia de Fabricação
18 a 22 de maio de 2015, Salvador, Bahia, Brasil
Copyright © 2015 ABCM

A velocidade de corte de 120 m/min na condição de lubri-refrigeração através de jorro apresenta desempenho
satisfatório em ambos os avanços de corte, pois não atingiu o desgaste de flanco máximo, possibilitando uma vida
superior a 30 minutos.
A condição menos favorável foi com velocidade de corte de 240 m/min e avanço de 0,10 mm/rotação a seco. Nesta
condição usinou-se apenas 63 metros de comprimento espiral, atingindo desgaste de flanco máximo de 0,60 mm.
A velocidade de corte contribui muito mais que o avanço para o aumento do desgaste da ferramenta.
Os métodos de lubri-refrigeração interferiram de maneira significativa nos resultados de rugosidade e desgaste. Em
geral, a aplicação de fluido de corte por jorro apresentou um melhor desempenho nas diversas condições de corte.
Existe hoje uma grande preocupação quanto a utilização do óleo solúvel tanto no controle do meio ambiente,
relativos a poluição e descarte, quanto na exposição do operador em relação a danos a sua saúde, que podem provocar
problemas respiratórios e dermatológicos. Portanto o sistema de lubri-refrigeração por MQL constitui uma boa
alternativa em relação aos demais processos.
Os resultados obtidos nesta pesquisa permite determinar em qual condição pode-se trabalhar a fim de atender os
requisitos solicitados e obter o melhor desempenho. Tais requisitos e necessidades estão diretamente ligados à
qualidade, custo e prazo de fabricação.

5. AGRADECIMENTOS

Ao CNPq pelo apoio financeiro de auxílio à pesquisa e pela bolsa de Produtividade em Pesquisa. Este trabalho foi
realizado com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

6. REFERÊNCIAS

Chevrier, P., Tidu, A., Bolle, B., Cezard, P., Tinnes, J. P., 2003, “Investigation of surface integrity in high speed end
milling of a low alloyed steel”, International Journal of Machine Tools and Manufacture, v.43, n. 11, Amsterdam,
pp.1135-1142.
Ezugwu, E. O., Da Silva, R. B., Bonney, J., Machado, A. R., 2005, “Evaluation of the performance of CBN tools when
turning Ti-6Al-4V alloy with high pressure coolant supplies”, International Journal of Machine Tools and
Manufacture, v. 45, n. 9, pp. 1009-1014.
Ezugwu, E. O., Wang, Z., Wang M., 1997, “Titanium alloy and their machininability-a review”, J. Mater Process.
Technol, v.68, n. 3, pp.262-274.
Ezugwu et al., Ezugwu, E. O., Bonney, J., and Yamane, Y., 2003, “An overview of the machinability of aeroengine
alloys”, Journal of Materials Processing Technology, 134(2) , pp. 233–253.
Rahman, M., Wang, Z. G., Wong, Y. S., 2006, “A review on high-speed machining of titanium alloys”, JSME
International Journal, v. 49, n. 1, pp. 11-20.
Rahman, M., Wong, Y. S., Zareena, A. R., 2003, “Machinability of titanium alloys”, JSME International Journal, v. 46,
n. 1, pp. 107-115.
Sandvik Coromant., 2004, “Titanium Machining”, Application Guide, Sandviken, 88p.
Schulz H., Moriwaki T., 1992, “High-speed machining, Ann”, CIRP 41 (2), pp. 637–645.
Tlusty J., 1999, “Manufacturing Processes and Equipment”, Prentice Hall.
Trent, E. M., Wright, P.K., 2000, “Metal Cutting”, 4 ed. Boston: Butterworth-Heinemann, 446 p.
Venugopal, K. A., Paul, S., Chattopadhyay, A. B., 2007, “Growth of tool wear in turning of Ti-6Al-4V alloy
undercryogenic cooling, Wear”, v. 262, n. 9-10, pp. 1071-1078.
Wang, M., Zhang, Y., 1988, “Diffusion wear in milling titanium alloys, Materials Science and Technology”, v.4,n. 6,
pp. 548-553.
Wang, Z. G., Rahman, M., Wong, Y. S., 2005, “Tool wear characteristics of binderless CBN tools used in high-speed
milling of titanium alloys”, Wear, v. 258, n. 5-6, pp. 752-758.

7. DIREITOS AUTORAIS

Os autores são os únicos responsáveis pelo conteúdo do material impresso incluído no seu trabalho.
8º Congresso Brasileiro de Engenharia de Fabricação
18 a 22 de maio de 2015, Salvador, Bahia, Brasil
Copyright © 2015 ABCM

MACHINABILITY OF Ti-6Al-4V ALLOY IN FINISH AT HIGH SPEED


TURNING WITH DIFFERENT METHODS COOLING
Odilon Soares da Silva, odilon.silv@terra.com.br
Leonardo Roberto da Silva, lrsilva@deii.cefetmg.br
Francisco Vieira dos Santos, franvds5@gmail.com
Matheus Barbosa de M. Alvim, matheusb007@yahoo.com.br

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG - Campus I - Departamento de Engenharia de
Materiais. Avenida Amazonas, 5253. Nova Suíça. Belo Horizonte, MG, Brasil, CEP: 30.421-169.

Abstract: Titanium and its alloys have low density combined with high mechanical strength even at high temperatures.
Thus, present themselves as optimal solutions and receive great importance in the chemical, shipbuilding, aerospace,
nuclear, war and biomedical . The influence that the machinability has on productivity and the final cost of production
serves as a parameter to reinforce the need of concern not only with the development of materials with mechanical
properties , superior physical and chemical , but also with the behavior of these materials when subjected to some type
of manufacturing process. The machining of titanium alloys has always been classified as difficult to machine. This
work aims to study the machinability of Ti-6Al-4V alloy in high speed turning with different methods of cooling (with
jet, Minimum Quantity Lubricant system - MQL and dry) using carbide tool. Evaluation of machinability in various
conditions of cooling and tool used consisted in the analysis of the parameters: wear, life and roughness. The results
made it possible to evaluate the behavior of the different methods of cooling in the performance of the parameters
mentioned. In General, the results showed that the type of cooling influences the behavior of the Machinability of Ti-
6Al-4V alloy. Increased cutting speed drastically reduces tool life. On the other hand, regarding the roughness was not
obtained a default behavior.

Keywords: High speed machining, methods of cooling, machinability, Ti-6Al-4V alloy; wear.

View publication stats