Você está na página 1de 19

19/07/2018 www.infobibos.

com/artigos/2006_3/micronutrientes/

REAÇÕES E INTERAÇÕES DE MICRONUTRIENTES NO SOLO*


por Otávio António de Camargo

1. INTRODUÇÃO

O conhecimento da ocorrência, reação e movimento no solo é de muita importância para


se analisar o comportamento dos micronutrientes no sistema solo-planta. A ocorrência está
muito ligada ao material de origem, ao intemperismo e à ação dos fatores formadores do solo
que não será tratado aqui. As reações têm muito a ver com a solubilidade dos minerais que os
contêm e com a existência de material orgânico e inorgânico, cujos radicais e superfícies
propiciam o meio adequado para o controle da disponibilidade e movimentação desses
elementos na solução do solo. A maneira dinâmica como esses fatores interagem está
representada na Figura 1, adaptada de LINDSAY (1972). Na figura, a reação 1 mostra a
absorção do nutriente pela planta da solução do solo e, a 2, uma pequena liberação inversa que
pode ocorrer. Os íons da solução do solo são tamponados por aqueles adsorvidos nas
superfícies coloidais ou retidos nos lugares de troca iônica (reações 3 e 4). Por outro lado, se a
solução do solo torna-se supersaturada com relação a determinado mineral, ele se precipita até
que seja atingido um equilíbrio (reação 5). De maneira semelhante, se a solução torna-se
insaturada com relação a qualquer mineral presente no solo, ele pode dissolver-se até um
ponto de equilíbrio (reação 6). As reações 7 e 8 representam a matéria orgânica e os
microorganismos como fatores que também afetam as relações de equilíbrio no solo. A
absorção de nutrientes por microorganismos e sua morte, e a decomposição da matéria
orgânica podem alterar a quantidade dos elementos na solução do solo.

Em vista de sua importância agronômica, serão tecidas nesse artigo considerações sobre
o comportamento no solo dos micronutrientes boro, cobre, ferro, manganês, molibdênio e
zinco.

Figura 1. Representação do equilíbrio dinâmico dos micronutrientes


no solo (adaptada de LINDSAY, 1972).

2. PRINCÍPIOS GERAIS SOBRE O COMPORTAMENTO DOS MICRONUTRIENTES NO


SOLO

http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 1/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

2.1. Aspectos gerais

Os mecanismos principais que controlam os níveis dos micronutrientes na solução do


solo são a adsorção e a precipitação. A adsorção pode ser reversível, parcialmente reversível ou
irreversível, e ocorre na superfície coloidal segundo diversos mecanismos envolvendo ou não
troca iônica. A precipitação depende da quantidade do mineral em equilíbrio na solução do solo.
Os mecanismos que interagem em ambos os processos são diferentes; entretanto, é muito
difícil distingui-los experimentalmente. LINDSAY (1979) considera que a adsorção e a atividade
de microorganismos são fatores importantes no controle do nível de micronutrientes na solução
do solo, mas afirma que a fase mineral é o agente controlador fundamental da quantidade dos
elementos na solução.

2 2. Adsorção

A adsorção dos micronutrientes é um processo de união deles com as superfícies


coloidais do solo suficientemente forte para ser considerado importante no controle da sua
quantidade e movimentação na solução do solo e, conseqüentemente, na sua disponibilidade
para as plantas.

A adsorção ocorre em resposta a: concentração do íon em solução; concentração de


elementos competidores pelos locais de adsorção; concentração de íon hidrogênio e formação e
destruição de quelatos orgânicos e complexos inorgânicos. Na fração mineral, os constituintes
importantes na adsorção são os minerais de argila e os óxidos cristalinos ou amorfos de ferro,
alumínio e manganês. Os minerais de argila têm cargas negativas provenientes de substituição
isomórfica e que atraem cátions. Por outro lado, apresentam oxigênio ou hidroxilas, ligadas a
silício ou alumínio, que estão nas arestas onde pode haver complexação de OH- ou dissociação
de H+, criando cargas negativas onde cátions podem ser adsorvidos e ânions sofrem repulsão.
Da mesma maneira, pode haver adsorção hidrogeniônica ou dissociação de hidroxila formando
carga positiva onde podem ser adsorvidos ânions por simples atração eletrostática. Essas
últimas cargas negativas e positivas descritas são dependentes do pH da solução e, assim, de
maneira geral, quando o pH aumenta, aumentam as cargas negativas e diminuem as positivas,
então a adsorção de cátions aumenta e a de ânions diminui. Para os óxidos existe um
mecanismo similar a este último, sendo a criação de cargas positivas ou negativas na superfície
também dependente do pH.

Existe outro tipo de mecanismo pelo qual os cátions ou os ânions podem ser adsorvidos
nos óxidos de ferro, alumínio e manganês que não por uma simples atração eletrostática. Neste
processo, uma forma hidrolisada do cátion parece ter a preferência da superfície adsorvente e
QUIRK & POSNER (1975) sugeriram que tal adsorção implica a formação de uma estrutura
anelar que pode ser considerada como uma extensão da superfície do óxido. Para o ânion
molibdato, o íon oxigênio da superfície do óxido pode ser deslocado por ele, constituindo
também uma extensão dessa superfície (BOHN et alli, 1979).

A fração orgânica do solo também exibe propriedades de adsorção. Ela tem uma
afinidade muito grande pelos cátions e normalmente se correlaciona com a quantidade desses
no solo (HODGSON, 1963). A matéria orgânica oferece sítios para a troca de cátions, mas sua
grande afinidade com os metais é devida a ligantes ou grupos que formam quelatos ou
complexos com esses metais. Os principais grupos funcionais que tomam parte nas reações são
os carboxílicos, fenólicos, alcoólicos, enólicos e alguns tipos de carbonila (C=O) (STEVENSON &
ARDAKANI, 1972). HODGSON (1963) e RANDHAWA & BROADBENT (1965) sugeriram que os
ácidos húmico e fúlvico têm papel importante na adsorção do zinco e do cobre. Tanto
RANDHAWA & BROADBENT (1965) para o ácido húmico, como SCHNITZER & SKINNER (1966)
para o ácido fúlvico, mostraram que a adsorção de zinco variava com o pH e que, então, este
fato refletia uma competição com o H+.

2 3. Formas químicas dos elementos no solo

Os micronutrientes podem se encontrar no solo tanto complexados com a parte orgânica


como na forma inorgânica. Estas formas estão distribuídas tanto na fase sólida como na
líquida. A concentração dos elementos na fase líquida é determinada pela solubilidade da forma
menos solúvel presente no sistema. Essa solubilidade varia de 10-6 a 10-9 M para os
micronutrientes.

http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 2/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

A fração orgânica do solo é muito complexa e compõe-se de uma grande variedade de


compostos solúveis e insolúveis que são capazes de reagir com os micronutrientes. Os radicais
carboxílicos, fenólicos e outros são ligantes importantes para a complexação dos elementos. A
estrutura exata dos complexos formados não é bem conhecida, mas modelos têm sido
propostos, como estes a seguir:

ou

Diversos constituintes orgânicos do solo, como aminoácidos, ácidos mono, di e


tricarboxílicos, polifenóis, podem reagir com os diversos elementos, entretanto, devido à maior
porcentagem dos ácidos fúlvicos e húmicos na matéria orgânica do solo, a contribuição deles
na complexação dos elementos é maior. STEVENSON & ARDAKANI (1972) afirmam que
combinações de metal e matéria orgânica insolúveis são aquelas associadas ao ácido húmico e
que as com o ácido fúlvico ou os ácidos orgânicos dão origem a complexos mais solúveis em
água.

As formas inorgânicas dos elementos no solo têm sido identificadas ou através da


utilização da energia livre de formação dos minerais (LINDSAY, 1979), ou através do produto
de solubilidade (LINEVSAY, 1972; STREET et alii, 1977). Ambos os procedimentos utilizam
princípios básicos de equilíbrio químico para predizer as concentrações dos elementos em
determinadas condições, e nos casos onde as concentrações medidas do elemento se
apresentarem como aquelas preditas, presume-se que aquela forma usada nos cálculos é a que
esteja presente ou dominante no sistema. Um obstáculo sério a esse método é a falta de dados
termodinâmicos adequados para os cálculos, o que é comum para muitos dos minerais
presentes no solo. Portanto, a não inclusão deles em determinadas situações pode levar a
conclusões pouco confiáveis sobre quais compostos no solo estão controlando a concentração
dos elementos em solução. Este problema levou alguns pesquisadores (TARDY & GARRELS,
1977; MATTIGOD & SPOSITO, 1978) a formularem métodos empíricos para a estimativa da
energia livre de formação destes minerais, podendo, assim, incluir as espécies mais relevantes
do sistema em estudo.

Outro problema associado com a utilização de princípios básicos para predizer a


concentração dos nutrientes é a definição precisa da forma química do elemento na solução. Os
elementos na solução existem como radical ou metal iônicos ou podem formar íons complexos
ou moléculas com os constituintes orgânicos e inorgânicos do sistema. Alguns exemplos desses
complexos estão na Tabela 1.

Tabela 1. Alguns complexos inorgânicos de cátions divalentes que podem se formar na


solução do solo.
Ligante
SO4 2- OH PO43-
(Complexos)1
MHSO4+ M(OH)+ MH2PO4+
MSO40 M(OH)20 M(H2PO4)20
M(OH)3- MHPO40
http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 3/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/
1 M representa um cátion divalente (Zn2+, Fe2+, Cu2+).

O fenômeno da quelação dos metais no solo é muito importante porque ele aumenta a
solubilidade desses metais, aumentando, conseqüentemente, a sua mobilidade tanto por
difusão como por fluxo de massa. Existem vários fatores que contribuem para a estabilidade
dos quelatos no solo (LEHMAN, 1963). O número de anéis formados por uma molécula do
agente quelante com o íon metálico, o tamanho dos anéis e a natureza dos átomos doadores
de elétrons são fatores de estabilidade de fundamental importância. Outros fatores ligados
diretamente com o ambiente onde ocorre a reação são importantes na estabilidade dos
quelatos. Entre eles destaca-se o pH do meio. Uma vez que o agente quelante é uma base de
Lewis, ele reagirá com um ácido de Lewis, formando uma ligação covalente coordenada
inclusive com o íon hidrogênio. O íon hidrogênio é capaz de competir com o íon metálico pelo
mesmo lugar do quelante nos casos em que a constante de equilíbrio é muito baixa.

Modelos para computador têm sido descritos para simular o equilíbrio químico das
diversas formas em solução com os vários elementos. Um modelo bem completo foi descrito
por SPOSITO & MATTIGOD (1980), o qual simula os seguintes tipos de reações que
provavelmente ocorram no solo: equilíbrio ácido-base, formação de complexos com ligantes
orgânicos e inorgânicos, reações de dissolução-precipitação, reações redox e reações de
adsorção e troca iônica.

2.4. Fatores que influenciam na retenção dos micronutrientes no solo

Os micronutrientes aplicados ao solo são retidos pelos diversos componentes orgânicos


e inorgânicos através de adsorção iônica ou molecular ou por precipitação em formas pouco
solúveis. A capacidade do solo de reter o micronutriente depende das suas propriedades
químicas, físicas e biológicas, assim como da forma química com que o nutriente foi aplicado.
Embora os mecanismos de retenção não sejam totalmente conhecidos, certas generalizações
sobre a influência de determinados fatores na retenção podem ser feitas. Dentre os fatores que
influem na retenção dos micronutrientes podem ser citados: textura, pH, umidade, teor de
matéria orgânica, teor de óxidos de ferro, de alumínio e de manganês, espécie e concentração
dos constituintes na solução do solo e sua velocidade de percolação.

FULLER et alii (1976) e KORTE et alii (1976) estudaram, entre outros elementos, a
retenção do cobre e do zinco em solos com ampla variação do teor de argila e constataram
uma alta correlação positiva entre os dois parâmetros. Notaram também correlação com os
óxidos de ferro.

Normalmente, a solubilidade e, conseqüentemente, a movimentação dos


micronutrientes catiônicos (cobre, ferro, manganês e zinco), aumenta com a diminuição do pH
do solo. De maneira inversa, a mobilidade do ânion MoO2-4 aumenta com o aumento do pH.
Um trabalho feito por CAMARGO et alii (1982) mostrou que, de maneira geral, os teores de
cobre, ferro, manganês e zinco solúveis em DTPA de solos do Estado de São Paulo diminuíram
com o aumento do pH quando se adicionou calcário.

A umidade também influi na capacidade de retenção por afetar as reações redox.


BINGHAM et alii (1976) e BINGHAM (1985) mostraram que sob condições redutoras a
solubilidade do cádmio, do cobre e do zinco diminue e a do feno e do manganês aumenta.
CAMARGO et alii (1982) encontraram uma diminuição dos teores de cobre, ferro, manganês e
zinco extraídos com DTPA quando amostras de diversos solos foram incubadas com água à
capacidade de campo por sessenta dias.

Os elementos competem entre si e com outros compostos orgânicos e inorgânicos por


lugares de adsorção ou por ligantes complexantes disponíveis. Assim, a retenção dos nutrientes
não é afetada apenas pela sua concentração na solução, mas também pela concentração de
todos os outros constituintes do sistema (DONER, 1978; MATTIGOD et alii, 1979).

2.5. Movimento

A mobilidade do micronutriente no solo pode variar muito. Alguns deles, como o cobre e
o zinco, são fortemente retidos na fase sólida do solo, enquanto alguns não são adsorvidos ou,
às vezes, são mesmo excluídos pelas cargas negativas dos sólidos, como é o caso do íon

http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 4/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

cloreto. Quando um íon move-se em direção à raiz de uma planta ou para baixo no perfil do
solo em direção ao aqüífero, basicamente dois mecanismos agem no seu movimento: a difusão
e o fluxo de massa (BARBER, 1962).

2.5.1. Difusão

A difusão, que significa espalhamento, é causada pela agitação térmica ao acaso das
partículas no seio da solução do solo. Assim, por causa desse movimento, qualquer
irregularidade de concentração num líquido em repouso tende a desaparecer. A força motriz da
difusão é a diferença de concentração de soluto existente entre dois pontos na massa do
líquido. Assim, a taxa de difusão varia diretamente com essa diferença de concentração e
inversamente com a distância que separa os pontos em questão. Esse fenômeno pode ser
descrito pela primeira lei de Fick:

J = -Do∂C/∂x (1)

onde:

J = fluxo de íons ou a quantidade de íons difundida pela unidade de tempo (g.cm-2.h-1);


Do = coeficiente de difusão (cm2.h-1);
C = concentração do soluto na solução do solo (g.cm-3);
x = distância percorrida pelo íon no solo (cm).

O sinal negativo é necessário para que a difusão seja realizada da concentração mais
alta para a mais baixa, sendo que o gradiente ∂C/∂x (corrigido apenas para a direção x) é
negativo. Deve ser observado também que Do é um coeficiente e não uma constante, uma vez
que varia com a temperatura e com a própria concentração.

Conforme os íons e moléculas difundam-se na solução em um meio poroso, diversos


parâmetros físicos, químicos, mineralógicos e geométricos devem ser levados em consideração.
Ao invés de Do, para solo deve ser usado Dρ, que é o coeficiente de difusão de compostos no
solo levando em consideração aqueles parâmetros (OLSEN & KEMPER, 1968). Então:

Dρ = Do(L/Le)2 Aaγ (2)

Onde:
L = distância macroscópica linear entre dois pontos no solo (cm);
Le = distância real entre dois pontos que a partícula caminha (cm);
A = área seccional do cilindro imaginário que liga os dois pontos (cm2);
a = coeficiente que leva em consideração a mobilidade relativa da água;
γ = fator responsável pela adsorção negativa.

Então, inserindo-se Dρ na equação (1) tem-se:

J = θDρ ∂C/∂x (3)

onde:
θ = teor de água por volume de solo.

2.5.2. Fluxo de massa

O fluxo de massa, também conhecido como convecção, é o mecanismo de movimento


das partículas em solução que também envolve o movimento da fase líquida do solo. Em
diversas situações esse mecanismo é muito importante para o movimento dos micronutrientes
no solo. Por exemplo, quando a água da chuva ou de irrigação move-se para baixo no perfil do
solo carrega solutos com ela. Por outro lado, a evaporação e a transpiração causam movimento
da água e com isso o movimento de íons para a superfície do solo ou das raízes. No caso da
convecção, o fluxo de nutrientes não adsorvidos dependerá do fluxo da solução e da sua
concentração:

http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 5/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

J = q.C (4)

onde:

q = fluxo da solução do solo (cm.h-1);

C = concentração da solução (g.cm-3).

Se não for considerada mistura no contato entre uma solução e a água do solo
(concentração muito baixa), nesta região, cada uma manterá sua concentração conforme a
fase fluida se move ou para baixo ou em direção à raiz, e assim a solução levaria os íons a uma
distância QD/θ, onde QD representaria a quantidade de água movendo-se e θ o teor de água
no solo.

Entretanto, existe sempre uma mistura de soluto na zona de contato de ambas as soluções e a
essa situação dá-se o nome de dispersão.

2.5.3. Dispersão

Num meio poroso, a mistura de soluto no contato das duas soluções causada pelo
movimento do solvente é chamada de dispersão hidrodinâmica. Atribui-se a três mecanismos
principais as causas da dispersão. O primeiro é devido ao fluxo do líquido ser maior no centro
do poro que na sua periferia, por causa da maior resistência à fricção junto as paredes da fase
sólida. O segundo é uma conseqüência do primeiro, ou seja, o fluxo é maior nos poros maiores.
Finalmente, como o fluxo no solo ocorre ao longo de linhas tortuosas, caminhos de diferentes
extensões devem ser percorridos pelo íon, o que dará diferentes fluxos por unidade de
comprimento do solo.

A difusão também ocorre na zona de contato entre as duas soluções, causando mistura
de soluto, mas como não é possível separar a dispersão hidrodinâmica da difusão, elas são
consideradas aditivas. Nestas condições, um termo que leva em consideração o fluxo de massa
deve ser adicionado à equação (3)

J = -θD ∂C/∂x + q.C (5)

onde:

D = coeficiente combinando difusão e dispersão hidrodinâmica (cm2.h-1).

Em condições transitórias, uma equação pode ser deduzida através do uso da primeira
lei de Fick e da equação da continuidade. Esta última estabelece que a mudança na quantidade
de um certo composto em solução, em função do tempo, deve ser igual à diferença entre o
fluxo de entrada e de saída do composto no elemento de volume através do plano de contato
entre as soluções, ou:

∂(θC)/∂t = - ∂/∂x (J) (6)

onde:
t = tempo.

Substituindo J na equação (6) pela equação (5), tem-se:

∂(θC)/∂t = ∂/∂x(θD . ∂C/∂x - q.C) (7)

Supondo-se θ e D constantes e dividindo ambos os membros por θ a equação (7) fica:

∂C/∂x = D∂2C/∂x2 - v ∂C/∂x (8)

onde:

http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 6/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

v = q/θ = velocidade média da água no poro (cm.h-1).

Assume-se aqui normalmente que D é independente de v, mas realmente ele depende


dos valores que v possa assumir. Este modelo, chamado modelo convecção-dispersão
unidimensional, é usado para um soluto não destruído que move-se através de um meio poroso
de comprimento 1, no qual o fluxo da água é estável (NIELSEN & BIGGAR, 1962). A técnica
usada para estes estudos é a do deslocamento miscível (NIELSEN & BIGGAR, 1961).

Os diferentes íons e moléculas no solo tomam parte em diversos outros processos além
da absorção pela planta. Processos como mineralização e imobilização, adsorção e dessorção,
dissolução e precipitação, fertilização e a própria absorção também determinam a distribuição
dos componentes com o espaço e o tempo e, assim, afetam o balanço das quantidades que
entram e saem do elemento de volume considerado. Um termo responsável por esses
processos deve então ser adicionado à equação (8), que fica:

∂C/∂t = D ∂2C/∂x2 - v ∂C/∂x - ρ/θ∂S/∂t

onde S representa um dos processos e ρ a densidade global do solo (g.cm-3).

Como conclusão geral, em termos mais práticos, pode-se afirmar que a absorção de
nutrientes pelas raízes depende do movimento dos íons às suas superfícies tanto por fluxo de
massa como por difusão. Quando a contribuição por fluxo de massa para o transporte de íons é
significativa, ela depende da adsorção do íon pelo solo, sendo maior para os íons que são
menos adsorvidos.

2.5.4. Fatores que afeiam o transporte de íons

Serão tecidas aqui algumas considerações sobre os fatores que afetam o transporte dos
íons às raízes ou por lixiviação, na tentativa de, descritivamente, explicar considerações feitas
nos itens anteriores.

O primeiro fator a ser tratado é a absorção de água ou de nutrientes pelas raízes. À


medida que a água é transpirada pelas folhas das plantas, forma-se um gradiente de potencial
ao longo dela, tendo como resultado um abaixamento do potencial na zona radicular.
Dependendo das condições de umedecimento do solo, esse abaixamento pode ser suficiente
para provocar um fluxo da solução de um determinado ponto do solo para a zona radicular.
Esse movimento da solução leva consigo os nutrientes para a superfície da raiz. Dependendo da
taxa de absorção dos nutrientes pela planta, mesmo que não haja fluxo de massa, pode ser
criado um gradiente de concentração entre a zona radicular, que seria esgotada pela absorção,
e um ponto fora dela, que teria uma concentração maior. Quando o fluxo de massa intenso e a
absorção lenta de um determinado íon interagem, pode haver acúmulo do íon na superfície da
raiz, havendo assim a criação de um gradiente de concentração contrário ao anterior,
provocando um movimento por difusão do íon da zona radicular para um determinado ponto no
solo.

A reação do íon com o solo é outro fator de acentuada importância, comandando seu
movimento. Se um íon, por causa de seu tamanho ou de sua carga, é fortemente ligado à
superfície sólida dos colóides do solo, a proporção de seu movimento comparado com o fluxo
da água é largamente determinada pelo coeficiente de adsorção. O coeficiente de difusão do
Cu2+, do Mn2+ e do Zn2+ em argila diminui em até dez vezes com o aumento da capacidade de
troca da argila (ELLIS et alii, 1970a). A precipitação de compostos insolúveis também altera a
concentração dos íons no solo e, muitas vezes, mantém essa concentração a níveis mais baixos
do que aqueles que poderiam ser preditos pela adsorção.

A dessorção é o mecanismo pelo qual o íon na superfície do solo passa para a solução,
aumentando assim sua concentração nela. Assim, quando existe absorção pelas raízes das
plantas diminuindo a concentração na solução do solo, este mecanismo deve agir para, o mais
rapidamente possível, reabastecer a solução. Mecanismo semelhante acontece com a
dissolução de compostos do íon, no solo. Logo que a concentração do íon cai aquém do produto
de solubilidade de um composto relativamente insolúvel do íon, mais dele virá para a solução.

Agentes quelantes podem influenciar o transporte de íons pelo menos por três maneiras
diferentes (WILKINSON, 1972): formando um quelato maior que o íon, prejudicando a difusão;
diminuindo a habilidade do íon em reagir com a superfície sólida do solo, permitindo que uma
http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 7/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

maior concentração fique em solução; e aumentando sua concentração em solução por alterar
a solubilidade de compostos pouco solúveis.

O pH do solo, alterando todas essas reações, é um fator que deve sempre ser levado em
consideração no movimento de íons.

A umidade também é fator decisivo no transporte de íons, pois é a água que


proporciona o principal meio para este transporte. Assim, a área seccional dos poros é
aumentada com o teor de água. A tortuosidade ((L/Le)2) é diminuída com o aumento da
umidade e KLUTE & LETEY (1958) assinalam que a taxa de difusão diminui até 6 vezes quando
a tensão da água é de 1 atm e até 25 vezes quando a água é retida a 15 atm.

3. QUÍMICA DOS MICRONUTRIENTES NO SOLO

Os solos diferem bastante quanto à quantidade de micronutrientes que eles contêm.


Cada solo possui propriedades que interferem diferentemente no comportamento de cada
elemento. Por isso, é interessante que se teçam considerações sobre cada elemento em
separado para que se possa colocar em destaque aspectos fundamentais e principais da
interação solo-nutriente.

3.1. Boro

3.1.1. Reação no solo

O boro, abaixo de pH 7,0, é encontrado no solo principalmente como B(OH)3 e apenas


acima desse valor de pH é que a espécie B(OH)4- começa a aparecer. Pouco se sabe sobre as
espécies minerais que controlam sua solubilidade, mas, como referência, os níveis de boro no
solo correspondem à reação:

Solo-B B(OH)30 log k0 = -5,8

A maioria dos trabalhos na literatura refere-se ao boro como adsorvido nas superfícies
das partículas coloidais do solo. Os hidróxidos de ferro e de alumínio adsorvem grandes
quantidades de boro (McPHAIL et alii, 1972), tendo uma adsorção máxima entre pH 7,0 a 9,0.
É também adsorvido por diversos minerais de argila, os quais apresentam diferentes
capacidades de adsorvê-lo (KEREN & MEZUMAN, 1981). Tudo indica que nestes minerais ele é
adsorvido preferentemente nas arestas do cristal do que na superfície planar. Tanto nestas
arestas como na superfície dos óxidos existem íons que não estão totalmente coordenados com
o oxigênio da estrutura do mineral, onde H+ e OH- podem ser adsorvidos reversivelmente,
determinando um potencial de superfície (PARKS, 1968) e uma carga variável, que seria
neutralizada por íons de carga oposta presentes na solução. KEREN & O'CONNOR (1982)
acreditam que esse mecanismo é insuficiente para explicar a adsorção do boro e que ele deve
ser adsorvido por um mecanismo de adsorção específica, envolvendo troca de ligantes, onde o
composto de boro desloca uma OH- da superfície e forma ligações covalentes com o cátion da
estrutura, como mostrado no exemplo em seguida:

Nestas condições, a adsorção ocorre qualquer que seja a carga da superfície.

A matéria orgânica também adsorve boro e o mecanismo pode ser parecido com o
delineado anteriormente para minerais onde existe deslocamento de OH-.

http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 8/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

Diversas propriedades do solo influenciam a adsorção do boro: pH, quantidade de óxidos


de ferro e de alumínio, teor de argila, superfície específica e quantidade de matéria orgânica.
CATANI et alii (1971), estudando a adsorção de boro por um Latossolo Vermelho-Escuro orto e
um Podzólico Vermelho-Amarelo, mostraram que a quantidade do elemento adsorvida
aumentava com o pH. ELRASHIDI & O'CONNOR (1982) determinaram que a matéria orgânica,
a capacidade de troca de cátions e a quantidade de Fe2O3 foram capazes de predizer 90% da
variância nos valores do boro adsorvido.

3.1.2. Movimento no solo

Para o composto H3BO3 o valor de difusão para o boro na água é de 10,1 x 10-6 cm2.s-1
(ELLIS et alii, 1983) e no solo SULAIMAN & KAY (1972) encontraram uma média de 2,5 x 10-6
cm2.s-1.

Qual mecanismo predomina no transporte do boro ainda não está bem estabelecido na
literatura, sendo que OLIVER & B ARBER (1966) relatam o fluxo de massa como importante e
SULAIMAN & KAY (1972) e SCOTT et alii (1975) enfatizam a importância da difusão. O trabalho
de SULAIMAN & KAY (1972) é muito importante, uma vez que esses autores encontraram que
num solo onde foi adicionada uma pequena quantidade de boro, a quantidade do elemento que
difundiu para um local de absorção foi menor que quando tratado só com água. Esse fato é
muito importante, pois se a quantidade de boro adicionada a um solo não for suficiente para
aumentar sua concentração em solução e sua disponibilidade à planta, ela será nociva, pois
poderá diminuir o boro que difunde para o sistema radicular, prejudicando sua absorção.

Como o boro é mais fortemente adsorvido que os íons cloreto ou nitrato, por exemplo,
pode-se dizer que sua lixiviação não é tão intensa quanto a desses íons, mas bem maior que a
de fósforo. O boro nativo, entretanto, encontra-se em compostos que o liberam muito
vagarosamente para a solução, assim, neste caso, a lixiviação também não deve ser intensa.

3.2. Cobre

3.2.1. Reações no solo

Abaixo de pH 8 as formas Cu2+, Cu2(OH)22+ e CuOH+ são as mais comuns na solução


do solo, sendo que a primeira é encontrada em maior proporção abaixo de pH 7,3 (LINDSAY,
1972). Complexos também são encontrados em pequenas quantidades, principalmente CuCl+ e
CuSO40. A reação:

Cu2+ + solo-H Solo-Cu + 2h+

permitiu que NORVELL & LINDSAY (1969) medissem uma constante de equilíbrio e chegassem
numa equação:

log Cu2+ = 2,8 - 2pH

que representa uma importante relação que dá aproximadamente a concentração de Cu2+


mantida em solução no solo a diferentes valores de pH.

O cobre aparece no solo na forma complexada e os complexos orgânicos formados são


relativamente mais abundantes que os inorgânicos. A associação do Cu2+ com o material
orgânico é supostamente maior em solos ricos em matéria orgânica. A argila e a matéria
orgânica são os componentes principais envolvidos na retenção do cobre no solo. Não é fácil
discriminar o efeito de cada um, pois a matéria orgânica se acha intimamente ligada com a
argila, formando um complexo argila-metal-matéria orgânica.

Além de outras evidências, a retenção seletiva de Cu2+ por ácidos húmicos e fúlvicos,
em presença de resina trocadora de cátions, é uma das mais importantes, realçando a reação
entre o elemento e a parte húmica do solo. Esses ácidos formam complexos solúveis e
insolúveis no solo, mas no caso do Zn , os complexos formados com o ácido fúlvico, por ele
apresentar maior acidez e menor peso molecular, são mais solúveis. O cobre forma complexos
estáveis com esses ácidos, principalmente por causa de seu alto teor em grupos funcionais com
oxigênio, como os carboxílicos e fenólicos (STEVENSON & ARDAKANI, 1972). Segundo
http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 9/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

STEVENSON & FITCH (1981), o ácido húmico liga-se mais fortemente que o fúlvico com o íon
cobre e tem implicação importante nos mecanismos pelos quais o cobre é mantido em forma
solúvel no solo. Em concentrações baixas de cobre na solução ele será imobilizado pelos ácidos
húmicos. Entretanto, conforme os lugares de ligação forte vão sendo saturados, uma
quantidade maior de cobre será solubilizada pelos ácidos fúlvicos ou compostos bioquímicos
mais simples.

A tendência do cobre em formar complexo com os ácidos húmicos depende do pH. Na


Figura 2, adaptada de WANG & STUMM (1987), este fato é mostrado e é interessante notar
que a amplitude da ação complexante se estende por várias unidades de pH, ou seja, o ácido
húmico proporciona um tamponamento do íon metálico.

O cobre é também adsorvido por óxidos de ferro, alumínio e manganês, como acontece
com o zinco. Um ponto a ser destacado aqui também é a dependência da adsorção ao pH do
meio. Aumentando o pH aumenta, a adsorção de cobre pêlos óxidos.

Em solo, esta variação da adsorção com o pH merece alguns comentários. CAMARGO et


alii (1982) encontraram, para a maioria dos solos do Estado de São Paulo estudados, uma
correlação negativa entre pH e Cu2+ solúvel em DTPA, sugerindo diminuição da disponibilidade
do elemento com aumento do pH. Entretanto, esse fato não deve ser generalizado (JARVIS,
1981). Primeiro, porque em solo os óxidos muitas vezes apresentam carga negativa a pH em
que o óxido puro apresentaria carga positiva. Isto acontece provavelmente por causa de
adsorção de matéria orgânica a eles, e cm superfícies negativas parece que a adsorção é
menos sensível a variações do pH. Segundo, em solos que sofreram calagem a mineralização
da matéria orgânica é estimulada, liberando cobre para a solução. Por isso, é muito importante
saber-se a maneira com que o cobre está ligado ao solo para se poder predizer com maior
clareza a relação entre pH e disponibilidade do elemento.

Figura 2. Dependência ao pH da ligação metálica (Cu2+) pelo


ácido húmico (adapatada de WANG & STUMM, 1987).

Parece que, como no caso do zinco, a presença de certos ânions, como fosfato, pode
causar uma forte retenção do elemento, tornando-o menos solúvel.

3.2.2. Movimento no solo

PHILLIPS & ELLIS (1970) determinaram o coeficiente de difusão do cobre na água,


tendo encontrado um valor de 10,9 x 10-6 cm2.s-1. No solo, ELLIS et alii (1970a) encontraram
valores variando de 1-55 x 10-7 cm2.s-1. Esses valores, conforme será visto depois, são bem
maiores do que os do zinco. Assim, uma questão deve ser levantada aqui: se, normalmente, a
concentração do Cu2+ é menor que a do Zn2+ em solução, porque a deficiência de cobre não é
tão frequentemente encontrada como a de zinco? HODGSON et alii (1966) mostraram que os
complexos orgânicos solúveis de cobre em solos ácidos de Nova Iorque são muito mais
abundantes que os complexos de zinco. Aparentemente, esta complexação aumenta a

http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 10/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

concentração do cobre total em solução, aumentando conseqüentemente seu transporte até as


raízes das plantas.

A convecção é responsável por 95% do transporte do cobre até o local de absorção (OLIVER &
BARBER, 1966). Apesar desse mecanismo ser efetivo para movimentação a pequenas
distâncias, ele não parece sê-lo para grandes distâncias, quando o cobre move-se por
lixiviação, ou seja, por intenso fluxo de massa. Entretanto, como ele se acha complexado a
radicais orgânicos, pode ocorrer lixiviação, principalmente em solos arenosos.

3 3. Ferro

3.3.1. Reação no solo

O ferro aparece em solução como as espécies Fe2+ , Fe3+ e seus produtos de hidrólise,
FeOH2+ e Fe(OH)2+, sendo que acima de pH 8,0 a forma Fe(OH)4- é a mais abundante. O ferro
dos silicatos do solo, durante o intemperismo, é oxidado a óxidos livres. Dos óxidos, o mais
frequentemente encontrado é a goctita (SEGALEN, 1964), em todas as regiões do mundo,
seguida cm condições aeróbicas pela hematita, considerada por SCHWERTMANN (1959) um
produto tipicamente tropical. A presença desses óxidos no solo reveste-se de grande
importância, pois são eles que praticamente governam a solubilidade do elemento, junto com
outros fatores, como complexação, hidrólise e condições de oxi-redução.

Como no caso do manganês, as reações redox são muito importantes nas relações de
solubilidade das diversas espécies de ferro. A atividade eletrônica no solo controla a relação
Fe3+/Fe2+ na solução, de acordo com a equação:

Fe3+ + e- Fe2+ log k0 = 13,04

para a qual fica:

log Fe2+/Fe3+ = 13,04 - pe

quando pe = 13,04, a relação Fe2+/Fe3+ fica igual à unidade. A modificação de uma unidade no
pe causa uma alteração de dez vezes na relação.

Para o solo, uma reação do tipo:

Fe(OH)3(solo) + 3H+ + e- Fe2+ + H2O log k0 = 15,74

foi descrita por LINDSAY(1979), obtendo daí a relação:

log Fe2+ = 15,74 - (pe + pH) - 2pH

que descreve a atividade em solução da espécie de maior dominância nas condições redox e de
pH encontradas no solo, que é o Fe2+.

Este íon Fe2+ forma complexo com a matéria orgânica, com constante de estabilidade
maior do que a do Mn2+ e menor que a do Zn2+ e a do Cu2+ (IRVING & WILLIAMS, 1948).

Aqui também a habilidade de complexar das substâncias húmicas está ligada à presença
dos grupos carboxílico, fenólico e carbonilo. Nos estudos envolvendo complexação de Fe3+ com
a matéria orgânica do solo, os resultados são complicados devido a reações de redução.

Esta ligação com a matéria orgânica é muito importante, uma vez que possibilita
movimentação de ferro através do solo, inclusive em direção à raiz, e evita sua precipitação ao
pH em que normalmente ela aconteceria. Entretanto, existem muito poucas evidencias de que
a complexação do ferro pela matéria orgânica do solo seja muito difundida (GOODMAN, 1985).

A interação do Fe2+ com minerais de argila se dá, ou ocupando lugares de troca ou,
como no caso da caulinita, se adsorvendo na superfície do tetraedro de sílica. O estudo desta
interação é muito difícil, por causa da precipitação de óxidos de ferro na superfície do mineral.
http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 11/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

Esta interação é muito importante para a Pedologia, mas, para o objetivo do presente artigo,
ela é de menor importância.

Em solos bem aerados, a sua química é controlada principalmente pelo pH e pelas


condições redox do meio. Se os solos são bem aerados, aumentando-se o pH a níveis perto de
6,0 - 7,0, a quantidade de Fe2+ solúvel pode diminuir sensivelmente quando em comparação
com solos mais ácidos. Condições de redução momentâneas, em determinadas situações,
podem elevar a concentração do Fe2+ na solução a ponto de constituir nível tóxico à planta.

3.3.2. Movimento no solo

O coeficiente do Fe2+ na água é de 3,9 x 10-6 cm2.s-1 e do Fe3+ é de 5,7 x 10-6 cm2.s-
1 (ELLIS et alii, 1983). Já no solo, ELLIS et alii (1970b) encontraram, para Fe2+, valores

variando de 7-10 x 10-7 cm2.s-1 e, para o Fe3+ de 1,6-4,3 x 10-7 cm2.s-1.

O mecanismo pelo qual o ferro atinge a superfície radicular, segundo OLIVER & BARBER
(1966), varia com as condições experimentais, mostrando que quando a transpiração era baixa
a difusão sempre dominou o transporte.

As condições de lixiviação para o ferro são muito semelhantes às que serão descritas
para o manganês, não se entrando em detalhes aqui por não ser de interesse imediato.

3.4. Manganês

3.4.1. Reação no solo

O manganês ocorre em solução em diversas espécies, mas nas condições redox


encontradas em solos bem drenados, a espécie Mn2+ é a mais abundante, sendo as espécies
resultantes de hidrólise do manganês, Mn(OH)+ e Mn(OH)20, de menor importância. O Mn2+
pode formar complexos com os íons cloreto, sulfato, carbonato, formando espécies como
MnCl+, MnCO30 e MnSO40, que em certas circunstâncias podem assumir alguma importância
em solução.

As reações redox são de fundamental importância no que diz respeito ao


comportamento do manganês no solo (LEEPER, 1947; CHENG & OUELLETTE, 1971). A relação
teórica de solubilidade dos minerais no solo influenciado pela oxi-redução é mostrada na
Figura 3, adaptada de LINDSAY (1978), obtida através das reações:

β-MnO2 + 4H+ + 2c- Mn2+ + 2H2O log k0 = 41,89


Mn2 - 2 H2O γ - MnOOH + 3H+ + e- log k0 = 41,89
_______________________________________________________________
β-MnO2 + H+ + c- γ - MnOOH 16,62

onde:
β-MnO2 = pirolusita
MnOOH = manganita

resultando:

pe + pH= 16,62

A pe + pH mais altos que 16,62 a pirolusita é o mineral mais estável. Abaixo deste valor
a pirolusita fica instável com relação a MnOOH (manganita), que então passa a controlar a
solubilidade do Mn2+. Em ambientes mais redutores a haussmannita, Mn3O4, torna-se a fase
mais estável. A presença de CO2 também controla a solubilidade do Mn2+. Para as mesmas
condições de pe + pH, um aumento na concentração de CO2 no ar em equilíbrio com a solução
pode diminuir a linha de solubilidade do MnCO3, como mostrado na Figura 3.

http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 12/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

A adsorção de Mn2+ por matéria orgânica parece ser importante e foi demonstrada pela
primeira vez por HEINTZE & MANN (1947), quando observaram que a extração do manganês
era aumentada pelo uso de sais de cobre, zinco ou cobalto. Mais recentemente, usando
métodos espectrofotométrico e polarográfico, GEERING et alii (1969) determinaram que 93%
do manganês em solução estava em forma complexada pela matéria orgânica.

Figura 3. Solubilidade teórica de minerais de manganês no solo em


função das condições redox (pe + pH) para um solo a pH 7,0
(adapatado de LINDSAY, 1978).

De maneira muito menos intensa que o cobre, contudo, o manganês parece associar-se,
em certas condições, com ligantes orgânicos e que podem influir na absorção do elemento
pelas raízes das plantas. GODO & REISENAUER (1980), por exemplo, encontraram que apesar
da solubilidade do Mn2+ ter aumentado com a diminuição do pH, a absorção pela raiz diminuiu,
sugerindo que os exsudatos orgânicos dela formam complexos com o Mn2+ em condições de
campo.

Reações de adsorção entre o Mn2+ e minerais de argila ou por óxidos de ferro, de


alumínio ou de manganês, parecem ter um papel de menor importância no controle do
manganês na solução do solo. Para REDDY & PERKINS (1976), a fixação do manganês por ilita
e montmorilonita foi maior que para a caulinita e, para todas, ela foi função do pH e da
quantidade de manganês adicionada. Eles sugerem mecanismos como precipitação, oxidação a
valências maiores, aprisionamento físico ou forte adsorção nos lugares de troca.

SHUMAN (1977) estudou quatro solos de diferentes mineralogias usando isoterma de


adsorção de Langmuir e constatou que a capacidade de adsorção era maior para os solos com
textura mais fina e maior teor de matéria orgânica, para um mesmo pH.

3.4.2. Movimento no solo

http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 13/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

O coeficiente de difusão do manganês na água é 10,4 x 10-6 cm2.s-1, portanto muito


próximo daquele medido para o cobre (PHILLIPS & ELLIS, 1970). No solo, ELLIS et alii (1970a)
encontraram valores variando de 2 a 60 x 10-7, enquanto HALSTEAD et alii (1968) encontraram
valores em torno de 1,25 x 10-7

O mecanismo que governa o movimento do manganês até a raiz depende de


propriedades do solo (OLIVER & BARBER, 1966; HALSTEAD et alii, 1968). Quando a
concentração do manganês na solução do solo é baixa (extrato de saturação com manganês
0,4 (µmolar), a difusão é o mecanismo preponderante; se a concentração é maior que 14
(µmolar, o fluxo de massa é mais importante.

Como a solubilidade do manganês é largamente controlada pelas condições de pH e


redox, estes fatores são importantes na determinação da quantidade de manganês em solução
e, conseqüentemente, na sua lixiviação. Assim, o manganês não deve ser suscetível a lixiviação
em solo com pH alto e bem drenado. Entretanto, intensa lixiviação ao longo do tempo pode
ocorrer se o pH c baixo e as condições são anacróbicas.

3.5. Molibdênio

3.5.1. Reação no solo

O molibdênio se apresenta na solução do solo normalmente como o ânion molibdato,


MoO42-, e em menor quantidade como HMoO4. A sua presença como ânion faz dele uma
exceção entre os elementos metálicos e suas reações são muito semelhantes às do íon fosfato
em meio ácido. A pH muito alto ele pode se combinar com o Ca2+, dando CaMoO4, que é muito
solúvel, ao contrário do fosfato de cálcio, que é muito pouco solúvel.

O mineral que controla a solubilidade do molibdênio não é exatamente conhecido


(LINDSAY, 1979). Entretanto, LINDSAY (1972), estimando a solubilidade do MoO42- a partir da
reação:

MoO42- + solo solo - Mo + 2OH-

encontrou a relação:

[MoO42-] = 10-20,5/[H+]2

mostrando que a concentração do molibdato aumenta cem vezes para cada unidade de
aumento do pH.

As reações de adsorção do molibdênio com a parte mineral do solo são de extrema


importância, controlando sua disponibilidade na solução. Ele é retido fortemente pelos óxidos
de ferro e de alumínio, por mecanismo de troca de ligantes ou penetração aniônica, como já
referido para o boro, só que aqui a energia de ligação é bem maior. Suas reações com os
minerais de argila ocorrem, principalmente, em arestas quebradas, onde grupos Al-OH ou Fe-
OH encontram-se expostos.

As reações e a associação do molibdênio com a matéria orgânica ainda não são


perfeitamente compreendidas. DAVIES (1956) relata teores baixos de molibdênio em solos
orgânicos, enquanto AUBERT & PINTA (1977) afirmam que esse elemento está intimamente
ligado à matéria orgânica do solo. SINHA (1971) sugere que alguns ânions polivalentes, como o
fosfato, podem estar conectados à carga negativa de moléculas orgânicas através de pontes
formadas com ferro e alumínio. Se as reações do MoO42- são parecidas com a do fósforo, é
muito provável que este tipo de ligação também ocorra para esse ânion.

BARROW (1970) determinou isotermas de adsorção para o molibdato em solos e


mostrou que sua adsorção era muito semelhante à do fosfato e sulfato. Assim, as mesmas
propriedades que influenciam a adsorção destes íons devem afetar a do molibdato, ou seja: pH,
teores de óxidos de ferro e de alumínio e teores de argila. CATANI et alii (1970) & SIQUEIRA&
VELLOSO (1978), estudando solos do Brasil, verificaram que a adsorção do molibdato decrescia
com o aumento do pH, e estes últimos constataram que as maiores adsorções se deram a pH
próximo de 4, que é justamente o valor da segunda constante de dissociação do ácido
http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 14/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

molíbdico. KARIMIAN & COX (1978) estudaram propriedades químicas do solo que
influenciaram a adsorção do molibdênio e encontraram correlação negativa entre pH em água e
em KCl N, fósforo disponível e molibdênio extraído com resina, e correlação positiva com
matéria orgânica, Fe-amorfo e Fe-livre.

3.5.2. Movimento no solo

O coeficiente de difusão do molibdênio na água deve estar em torno de 10-6 cm2.s-1 e


no solo varia muito com o fator capacidade, desde 0,46 a 8,4 x 10-7 cm2.s-1 (LAVY & BARBER,
1964). Segundo LAVY & BARBER (1964), quando a concentração de molibdênio é maior que 4
ppb, a convecção passa a ser o mecanismo mais importante de transferência do íon do solo
para a superfície radicular. Segundo ELLIS et alii (1983), existe pouca informação sobre
lixiviação de molibdênio. Parece que para solos ácidos, como aqueles predominantes em nosso
meio, o molibdênio é fortemente adsorvido à superfície da fase sólida, o que deve restringir
sensivelmente sua mobilidade.

3.6. Zinco

3.6.1. Reação no solo

O zinco se apresenta na solução do solo, na faixa de pH normalmente encontrada, como


Zn2+ ou em menor quantidade como Zn(OH)+ ou Zn(OH)20. O mineral que controla a atividade
do Zn2+ em solução não é conhecido. NORVELL & LINDSAY (1969), através da reação:

Zn2+ + solo-H Solo - Zn + 2H+

determinaram uma constante de equilíbrio log k0 = 5,8, o que dá:

log Zn2+ = 5,8 - 2pH

que representa uma relação muito útil sobre a solubilidade do zinco em solos. Ela prevê que a
atividade do zinco na solução do solo diminui cem vezes para cada unidade de aumento do pH.

O zinco não se encontra apenas nos minerais do solo, mas também retido por adsorção
nas superfícies ou nos lugares de troca. A matéria orgânica, os óxidos de ferro, alumínio e
manganês e os minerais de argila influem na retenção do zinco no solo. STEVENSON &
ARDAKANI (1972) reviram as reações de micronutrientes com a matéria orgânica e concluíram
que combinações insolúveis aconteciam principalmente com a fração do ácido húmico,
enquanto complexos solúveis estavam associados com ácido fúlvico, ácidos orgânicos e
aminoácidos. RANDHAWA & BROADBENT (1965) estudaram a adsorção de zinco pêlos ácidos
húmicos e mostraram que a fração menos estável, que era responsável pela maior adsorção,
era aquela associada aos radicais fenólicos e aos carboxílicos fracos. A fração mais estável era a
ligada a radicais carboxílicos fortes e representava menos de 1% do zinco total retido.

GADDE & LAITINEN (1974) mostraram que os óxidos de ferro e manganês adsorvem
uma quantidade considerável de zinco e que esta adsorção é específica, levando KALBASI et alii
(1978) a proporem o seguinte mecanismo para a adsorção do Zn2+ na superfície da goetita:

Através desta reação pode-se mostrar a dependência do pH na adsorção do zinco. Se o


pH diminui, o equilíbrio da reação tende para a esquerda, ou seja, diminuindo a adsorção de
zinco. ROESCH (1979), estudando solos do Rio Grande do Sul, concluiu que o alumínio extraível
com oxalato de amônio 0,2 M foi o constituinte mais importante na adsorção química do zinco.
http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 15/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/

Outro fator muito importante na adsorção do zinco em superfícies de óxidos é a


presença do íon fosfato no meio. STANTON & BURGER (1967,1970) observaram que a presença
de fosfato aumentou a adsorção de zinco por óxidos de ferro e alumínio amorfos. A adsorção
do íon fosfato negativamente carregado na superfície da goetita aumenta a adsorção do zinco
positivamente carregado da solução, levando BOLLAND et alii (1977) a sugerirem a formação
de um complexo na superfície do seguinte tipo:

3.6.2. Movimento no solo

O coeficiente de difusão do zinco em água é 8,8 x 10-6 cm2.s-1 (ELGAWHARY et


alii, 1970) e no solo varia na faixa de 10-9 a 10-12 cm2.s-1 (WARNCKE & BARBER, 1972).

OLIVER & BARBER (1966) concluíram que a difusão é o principal mecanismo responsável
pelo transporte do zinco para a superfície da raiz. HALSTEAD et alii (1968) e WILKINSON
(1972) confirmaram este fato, mostrando que a transpiração e, conseqüentemente, o fluxo de
massa não influenciaram a quantidade de zinco translocada para a raiz.

O zinco também não se movimenta muito por lixiviação e mesmo em solos com pH 5,0,
onde foi colocado lodo de esgoto em doses de 28 e 49 kg/ha de zinco, SIDDLE & KARDOS
(1977) não encontraram zinco abaixo de 7,5 cm.

4. RESUMO

No presente artigo são tecidas considerações sobre aspectos gerais do comportamento


dos micronutrientes boro, cobre, ferro, manganês, molibdênio e zinco no solo, como adsorção
no complexo coloidal, formas químicas em que se apresentam, os fatores que influenciam sua
retenção e movimento. Em seguida é apresentada, de maneira resumida, a reação e o
movimento de cada um desses elementos no solo.

5. SUMMARY

General considerations are reported on the behavior of micronutrients boron, copper,


iron, manganese, molybdenum, and zinc in the soil related to adsorption on the colloidal
complex, chemical forms, factors affecting their retention and movement. In addition, the
reaction and movement of each element in the soil is summarized.

6. LITERATURA CITADA

AUBERT, H. & PINTA, M. Trace elements in soils. In: Developments in soil science. New York, Elsevier, 1977. v. 7. 395p.

BARBER, S.A. A diffusion and mass-flow concept of nutrient availability. Soil Science, Baltimore, 93:39-49, 1962.

BARROW, N.J. Comparison of the adsorption of molybdate, sulfate and phosphate by soils. Soil Science, Baltimore,
109:282-8, 1970.

BINGHAM, F.T. Metal toxicity to agricultural crops. In: SIGEL, H., ed. Metal ions in biological systems. New York, Marcel
Dekker, 1985. v. 20. p. 119-56.

BINGHAM, F.T.; MITCHELL, G.A.; PAGE, A.L. Cadmium availability rice in sludge amended soils under "flood" and "nonflood"
culture. Journal of Environmental Quality, Madison, 50:715-8, 1976.

BOHN,H.; McNEAL,B.; O'CONNOR,G. Soil chemistry. New York, John Wiley & Sons, 1979. 329p.

BOLLAND, M.D.A.; POSNER, A.M.; QUIRK, J.P. Zinc adsorption by goethite in the absence and presence of phosphate.
Australian Journal of Soil Research, East Melbourne, 15:279-86, 1977.

CAMARGO, O.A.; VALADARES, J.M.A.S.; DECHEN, A.R. Efeitos do pH e da incubação na extração do manganês, zinco, cobre
e ferro do solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Campinas, 6:83-8,1982.

CATANI, R.A.; ALCARDE, J.C.; FURLANI, P.R. A adsorção de molibdênio pelo solo. Anais da Escola Superior de
Agricultura "Luiz de Queiroz", Piracicaba, 27:223-37,1970.

http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 16/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/
CATANI, R.A.; ALCARDE, J.C.; KROLL, F.M. A adsorção de boro pelo solo. Anais da Escola Superior de Agricultura "Luiz
de Queiroz", Piracicaba, 28:189-99,1971.

CHENG, B.T. & OUELLETTE, G.J. Manganese availability in soil. Soil and Fertilizers, Farnham Royal, 34:589-95,1971.

DAVIES, E.B. Factors affecting molybdenum availability in soils. Soil Science, Baltimore, 81:209-16,1956.

DONER, H.E. Chloride as a factor in mobilities of Ni(II), Cu(II), and Cd(II) in soil. Soil Science Society of America
Journal, Madison, 42:882-5, 1978.

ELGAWHARY, S.M.; LINDSAY, W.L.; KEMPER, W.D. Effect of EDTA on the self-diffusion of zinc in aqueous solution and in soil.
Soil Science Society of America Proceedings, Madison, 34:66- 70,1970.

ELLIS, B.G.; KNEZEK, B.D.; JACOBS, L.W. The movement of micronutrients in soils. In: NELSON, D.W., ed. Chemical
mobility and reactivity in soil system. Madison, Soil Science Society of America, 1983. p.109-22.

ELLIS, J.H.; BARNHISEL, RJ.; PHILLIPS, R.E. The diffusion of copper, manganese, and zinc as affected by concentration, clay
mineralogy, and associated anions. Soil Science Society of America Proceedings, Madison, 34:866-70, 1970a.

ELLIS, J.H.; PHILLIPS, R.E.; BARNHISEL, RJ. Diffusion of iron in montmorillonite as determined by X-ray emission. Soil
Science Society of America Proceedings, Madison, 34:591-5, 1970b.

ELRASHIDI, M.A. & O'CONNOR, G.A. Boron sorption and desorption in soils. Soil Science Society of America Journal,
Madison, 46:27-31, 1982.

FULLER, W.H.; KORTE, N.E.; NIEBLA, E.E.; ALESII, B. A. Contribution of soil to the migration of certain common and trace
elements. Soil Science, Baltimorc, 122:223-35, 1976.

GADDE, R.R. & LAITINEN, H.A. Studies of heavy metal adsorption by hydrous iron and manganese oxides. Analytical
Chemistry, Washington, 46:2022-6, 1974.

GEERING, H.R.; HODGSON, J.F.; SDANO, C. Micronutrient cation complexes in soil solution. IV. The chemical state of
manganese in soil solution. Soil Science Society of America Proceedings, Madison, 33:81-5,1969.

GODO, G.H. & REISENAUER, H.M. Plant effects on soil manganese availability. Soil Science Society of America Journal,
Madison, 44:993-5, 1980.

GOODMAN, B.A. The characterization of iron complexes with soil organic matter. In: STUCKI, J.W.; GOODMAN, A.;
SCHWERTMANN, U., ed. Iron in soils and clay minerals. Bad Windsheim, NATO Advanced Study Institute, 1985. p.842-
51.

HALSTEAD, E.H.; BARBER, S. A.; WARNCKE, D.D.; BOLE, J.B. Supply of Ca, Sr, Mn and Zn to plant roots growing in soil.
Soil Science Society of America Proceedings, Madison, 32:69-72,1968.

HEINTZE, S.G. & MANN, P.J.G. Soluble complexes of manganic manganese. Journal of Agricultural Science, Cambridge,
37:23-6, 1947.

HODGSON, J.F. Chemistry of the micronutrient elements in soils. Advances in Agronomy, New York, 15:119-59,1963.

HODGSON, J.F; LINDSAY, W.L.; TRIERWEILER, J.F. Micronutrient cation complexing in soil solution. II. Complexing of zinc
and copper in displacing solution from calcareous soils. Soil Science Society of America Proceedings, Madison, 30:723-
6, 1966.

IRVING, H. & WILLIAMS, R.J.P. Order of stability of metal complexes. Nature, Washington, 162:746-7, 1948.

JARVIS, S.C. Copper concentrations in plants and their relationship to soil properties. In: LONERAGAN, J.F.; ROBSON, A.D.;
GRAHAM,R.D.,cd. Copper in soils and plants. Sydney, Academic Press, 1981. p.265-85.

KALBASI, M.; RACZ, G.J.; LOEWEN-RUDGERS, L.A. Mechanism of zinc adsorption by iron and aluminum oxides. Soil
Science, Baltimore, 125:146-50, 1978.

KARIMIAN, N. & COX, FR. Adsorption and extractability of molybdenum in relation to some chemical properties of soil. Soil
Science Society of America Journal, Madison, 42:757-61, 1978.

KEREN, N.R. & MEZUMAN, U. Boron adsorption by clay minerals using a phenomenological equation. Clays and Clay
Minerals, Lawrence, 29:198-204, 1981.

KEREN, R. & O'CONNOR, G.A. Effect of exchangeable ions and ionic strength on boron adsorption by montmorillonite and
illite. Clays and Clay Minerals, Lawrence, 30:341-6,1982.

KLUTE, A. & LETEY, J. The dependence of ionic diffusion on the moisture content of non adsorbing porous media. Soil
Science Society of America Proceedings, Madison, 22:213-5,1958.

KORTE, N.E.; SKOPP, J.; FULLER, W.H.; NIEBLA, E.E.; ALESII, B.A. Trace element movement in soils: influence of soil
physical and chemical properties. Soil Science, Baltimore, 122:350-9,1976.

LAVY, T.L. & BARBER, S.A. Movement of molybdenum in the soil and its effect on availability to the plant. Soil Science
Society of America Proceedings, Madison, 28:93-7,1964.

http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 17/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/
LEEPER, G.W. Forms and reactions of manganese in soil. Soil Science, Baltimore, 63:79-94,1947.

LEHMAN, D.S. Some principles of chelation chemistry. Soil Science Society of America Proceedings, Madison, 27:167-
70,1963.

LINDSAY, W.L. Chemical equilibria in soils. New York, John Wiley & Sons, 1979. 449p.

LINDSAY, W.L. Chemical reactions affecting the availability of micronutrients in soils. In: ANDREW, C.S. & KAMPRATH, E.J.,
ed. Mineral nutrition of legumes in tropical and subtropical soils. Melbourne, CSIRO, 1978. p.153-67.

LINDSAY, W.L. Inorganic phase equilibria of micronutrients in soils. In: MORTVEDT, JJ.; GIORDANO, P.M.; LINDSAY, W.L., ed.
Micronutrients in agriculture. Madison, Soil Science Society of America, 1972. p.41-78.

MATTIGOD, S.V.; GIBALI, A.; PAGE, A.L. Effect of ionic strength and ion pair formation on the adsorption of nickel by
kaolinite. Clays and Clay Minerals, Lawrence, 27:411-6,1979.

MATTIGOD, S.V. & SPOSITO, G. Improved method for estimating the Standard free energies of formation (ΔGf°, 298,15) of
smectites. Geochimica et Cosmochimica Acta, Elmsford, 42:1.753-62,1978.

McPHAIL, M.; PAGE, A.L.; BINGHAM, F.T. Adsorption interaction of monosilicic and boric acid on hydrous oxides of iron and
aluminum. Soil Science Society of America Proceedings, Madison, 36:510-4, 1972.

NIELSEN, D.R. & BIGGAR, J.W. Miscible displacement: I. Experimental Information. Soil Science Society of America
Proceedings, Madison, 25:1-4, 1961.

NIELSEN, D.R. & BIGGAR, j.W. Miscible diplacement. III. Theoretical considerations. Soil Science Society of America
Proceedings, Madison, 26:216-21,1962.

NORVELL, W.A. & LINDSAY, W.L. Reaction of EDTA complexes of Fe, Zn, Mn, and Cu with soils. Soil Science Society of
America Proceedings, Madison, 33:86-91,1969.

OLIVER, S. & BARBER, S.A. Mechanisms for the movement of Mn, Fe, B, Cu, Zn, Al and Sr from the soil to the surface of
soybean roots. Soil Science Society of America Proceedings, Madison, 30:468-70, 1966.

OLSEN, S.R. & KEMPER, W.K. Movement of nutrients to plant roots. Advances in Agronomy, New York, 20:91-151,1968.

PARKS, G.A. The isoelectric points of solid oxides, solid hydroxides, and aqueous hydroxo complex systems. Chemical
Reviews, Washington, 65:177-98,1968.

PHILLIPS, R.E. & ELLIS, J.H. A rapid method of measurement of diffusion coefficients in aqueous solutions. Soil Science,
Baltimore, 110:421-5,1970.

QUIRK, J.P. & POSNER, A.M. Trace clement adsorption by soil minerals. In: NICHOLAS, DJ. & EGON, A.R., ed. Trace
elements in soil-plant-animal systems. New York, Academic Press, 1975. p.95-107.

RANDHAWA, N.S. & BROADBENT, F.E. Soil organic matter-metal complexes: 5. Reactions of zinc with model compounds and
humic acid. Soil Science, Baltimore, 99:295-300,1965.

REDDY, M.R. & PERKINS, H.F. Fixation of manganese by clay minerals. Soil Science, Baltimore, 121:21-4, 1976.

ROESCH, V. Fatores que afetam a adsorção de zinco cm solos. Porto Alegre, 1979. 91p. [Mestrado - Faculdade de
Agronomia/UFRGS]

SCHNITZER, M. & SKINNER, S.I.M. Organo metallic interactions in soils: 5. Stability constants of Cu++-, Fe++-, and Zn++-
fulvic acid complexes. Soil Science, Baltimore, 102:361-5,1966.

SCHWERTMANN, U. Die Fraktionerte Extraction der freien Eisenoxyde in Böden: ihre mineralogischen Formen und Entste
hungerweisen. Zeitschrift fuer Pflanzenernaehrung und Bodenkund, 84:194-204,1959.

SCOTT, H.D.; BEASLEY, S.D.; THOMPSON, L.F. Effect of lime on boron transport to and uptake by cotton. Soil Science
Society of America Proceedings, Madison, 39:1116-21,1975.

SEGALEN.P. Le fer dans les sols. Paris, ORSTOM, 1964. 150p.

SHUMAN, L.M. Effect of soil properties on manganese interaction isotherms for four soils. Soil Science, Baltimore, 124:77-
81,1977.

SIDDLE, R.C. & KARDOS, L.T. Transport of heavy metals in a sludge-treated forested area. Journal of Environmental
Quality, Madison, 6:431-7,1977.

SINHA, M.K. Organo-metallic phosphates. I. Interaction of phosphorus compounds with humic substances. Plant and Soil,
The Hague, 35:471-81,1971.

SIQUEIRA, C. & VELLOSO, A.C. Adsorção de molibdato em solos sob vegetação de cerrado. Revista Brasileira de Ciência
do Solo, Campinas, 2:24-8, 1978.

SPOSITO, G. & MATTIGOD, S.V. Geochem: a computer program for the calculation of chemical equilibria in soil
solutions and other natural water systems. Riverside, The Kcarney Foundation of Soil Science/University of California,
http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 18/19
19/07/2018 www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/
1980. 92p.

STANTON, D.A. & BURGER, R.T. Availability to plants of zinc sorbed by soil hydrous iron oxides. Geoderma, Amsterdam,
1:13-7,1967.

STANTON, D.A. & BURGER, R.T. Studies on zinc in selected Orange Free State soils. V. Mechanisms for the reactions of zinc
with iron and aluminum oxides. Agrochemophysica, Pretória, 2: 65-76, 1970.

STEVENSON, FJ. & ARDAKANI, M.S. Organic matter reactions involving micronutrients in soils. In: MORTVEDT.J.J.;
GIORDANO, P.M.; LINDSAY, W.L., ed. Micronutrients in agriculture. Madison, Soil Science Society of America, 1972.
p.79-114.

STEVENSON, F.J. & FITCH, A. Reactions with organic matter. In: LONERAGAN, J.F.; ROBSON, A.D.; GRAHAM, R.D., ed.
Copper in soils and plants. Sydney, Academic Press, 1981. p.69-96.

STREET, J.J.; LINDSAY, W.L.; S ABE Y, B.R. Solubility and plant uptake of cadmium in soil amended with cadmium and
sewage sludge. Journal of Environmental Quality, Madison, 6:72-7, 1977.

SULAIMAN, W. & KAY, B.D. Measurement of the diffusion coefficient of boron in soil using a single cell technique. Soil
Science Society of America Proceedings, Madison, 36:746- 52,1972.

TARDY, Y. & GARRELS, R.M. Prediction of Gibbs energies of formation of hydroxides, oxides and aqueous ions. Geochimica
et Cosmochimica Acta, Elmsford, 41:87-92, 1977.

WANG, Z. & STUMM, W. Heavy metal complexation by surfaces and humic acids: brief discourse on assessment by
acidimetric titration. Netherlands Journal of Agricultural Science, Wageningen, 35:231-40, 1987.

WARNCKE, D.D. & BARBER, S.A. Diffusion of zinc in soil: I. The influence of soil moisture. Soil Science Society of
America Proceedings, Madison, 36:39-42, 1972.

WILKINSON, H.F. Movement of micronutrients to plant roots. In: MORTVEDT, J J.; GIORDANO, P.M.; LINDS AY, W.L., ed.
Micronutrients in agriculture. Madison, Soil Science Society of America, 1972. p.139-69.

* Trabalho publicado originalmente nos Anais do Simpósio sobre Micronutrientes na Agricultura, realizado em Jaboticabal em 1991 e publicado pela
Associação Brasileira para a Pesquisa da Potassa e do Fosfato e CNPq. Revisado pelo autor em outubro de 2006.

Otávio Antonio de Camargo, formado em engenharia


agronômica (1967) e mestre em Agricultura (1972) pela Esalq-
USP e PhD pela Universidade da California (1978).
É pesquisador do IAC desde 1969 (atualmente nível VI),
professor colaborador da Esalq-USP desde 1990 e bolsista de
produtividade do CNPq desde 1970. Já foi do Comitê externo de
avaliação de diversos Centros e de programas da Embrapa e do
CNPq. Tem diversos livros, capítulos de livros e boletins
editados e é autor de aproximadamente uma centena de artigos
científicos em revistas nacionais e internacionais. É editor
associado da Revista Brasileira de Ciência do Solo desde 1979,
revisor de diversas revistas nacionais e internacionais e assessor científico da FAPESP e do
CNPq, entre outras agências financeiras, desde 1980.
Contato:Otávio Camargo

Reprodução autorizada desde que citado o autor e a fonte

Dados para citação bibliográfica(ABNT):


CAMARGO de, O. A. Reações e interações de micronutrientes no solo. 2006. Artigo em Hypertexto. Disponível em:
<http://www.infobibos.com/Artigos/2006_3/micronutrientes/Index.htm>. Acesso em: 19/7/2018

Publicado no InfoBibos em 09/10/2006

imprimir Envie para um amigo

Veja Também...

http://www.infobibos.com/artigos/2006_3/micronutrientes/ 19/19