Você está na página 1de 6

25/03/2019 Teorias da personalidade: uma introdução

Teorias da personalidade : uma introdução

Dr. C. George Boeree

A psicologia da personalidade , também conhecida como personologia, é o estudo da pessoa, isto


é, de todo o indivíduo humano. A maioria das pessoas, quando pensam em personalidade, estão
realmente pensando em diferenças de personalidade - tipos e traços e coisas do tipo. Esta é
certamente uma parte importante da psicologia da personalidade, uma vez que uma das
características das pessoas é que elas podem diferir bastante uma da outra. Mas a parte principal
da psicologia da personalidade aborda a questão mais ampla de "o que é ser uma pessoa".

Psicólogos da personalidade vêem seu campo de estudo como estando no topo (é claro) de uma
pirâmide de outros campos da psicologia, cada um mais detalhado e preciso do que os acima. Na
prática, isso significa que os psicólogos da personalidade devem levar em consideração a biologia
(especialmente neurologia), evolução e genética, sensação e percepção, motivação e emoção,
aprendizado e memória, psicologia do desenvolvimento, psicopatologia, psicoterapia e qualquer
outra coisa que possa estar entre as rachaduras.

Como isso é uma tarefa e tanto, a psicologia da personalidade também pode ser vista como o
campo menos científico (e mais filosófico) da psicologia. É por esta razão que a maioria dos cursos
de personalidade em faculdades ainda ensinam o campo em termos de teorias. Temos dezenas e
dezenas de teorias, cada uma enfatizando diferentes aspectos da personalidade, usando diferentes
métodos, às vezes concordando com outras teorias, às vezes discordando.

Como todos os psicólogos - e todos os cientistas - os psicólogos da personalidade anseiam por uma
teoria unificada , com a qual todos podemos concordar, uma que esteja firmemente enraizada em
sólidas evidências científicas. Infelizmente, isso é mais fácil dizer então feito. As pessoas são muito
difíceis de estudar. Nós estamos olhando para um organismo enormemente complicado (um com
"mente", o que quer que seja), embutido não apenas em um ambiente físico, mas em um social
composto de mais desses organismos enormemente complicados. Muito está acontecendo para
simplificarmos a situação sem torná-la totalmente sem sentido!

Precisamos dar uma olhada nos vários métodos de pesquisa disponíveis para nós, como
psicólogos da personalidade, para entender onde estamos.

Existem duas grandes categorias de métodos de pesquisa: quantitativos e qualitativos.. Métodos


quantitativos envolvem medições e métodos qualitativos não. A medição é muito importante para
a ciência porque os cientistas querem ir além do puramente subjetivo e do mais objetivo. Se minha
webspace.ship.edu/cgboer/personalityintroduction.html 1/6
25/03/2019 Teorias da personalidade: uma introdução

querida esposa e eu estamos olhando para um homem e eu digo "ele é baixo", ela pode dizer "não,
ele não é - ele é bem alto!" Estamos presos a duas opiniões subjetivas. Se tiramos uma fita métrica,
podemos, juntos, medir o homem para descobrir que ele é, na verdade, 5 pés e 8 polegadas. Desde
que eu sou 6 pés 2, eu poderia pensar nele como curto. Minha esposa tem 5 pés 2, e ela pode vê-lo
como alto. Mas não haverá discussão sobre o que a fita métrica diz!

(Na verdade, não haverá nenhuma discussão em nenhum caso, já que minha esposa está
claramente correta.)

Um pedaço de cor pode parecer azul para mim e verde para você. Uma música pode parecer rápida
para mim e lenta para você. Uma pessoa pode parecer tímida para mim e para você. Mas, se
medirmos o comprimento de onda da cor, ou o ritmo da música, ou encontrarmos uma maneira de
dar um número à timidez-extroversão, podemos concordar. Nós nos tornamos "objetivos". Criar
testes de personalidade para medir os traços de personalidade é uma atividade comum dos
psicólogos da personalidade.

Se você tomar duas formas diferentes de medição - como uma fita métrica e uma balança - e
medirmos a altura e o peso de algumas centenas de nossos amigos mais próximos e queridos,
podemos examinar se as duas medidas se relacionam de alguma forma. Isso é chamado de
correlação. E, como você poderia esperar, as alturas e pesos das pessoas tendem a se
correlacionar: quanto mais alto você é, geralmente mais pesado você é. Claro, haverá algumas
pessoas altas, mas bastante leves e algumas que são baixas, mas muito pesadas, e muita variação
no meio, mas de fato haverá uma correlação modesta, mas significativa.

Você pode ser capaz de fazer a mesma coisa com algo que envolve personalidade. Por exemplo,
você pode querer ver se as pessoas que são tímidas também são mais inteligentes do que as
pessoas que são extrovertidas. Portanto, desenvolva uma maneira de medir a timidez e a maneira
de medir a inteligência (um teste de QI!) E meça alguns milhares de pessoas. Compare as medidas
e veja se elas se correlacionam. No caso deste exemplo, você provavelmente encontrará pouca
correlação, apesar de nossos estereótipos. Correlação é uma técnica popular na psicologia,
incluindo personalidade.

Com que correlação você não pode ajudá-lo a descobrir o que causa o quê? A altura de alguma
forma causa peso? Ou é o contrário? Será que ser tímido faz com que você seja mais inteligente ou
seja mais inteligente porque você é tímido? Você não pode dizer. Poderia ser de um jeito ou de
outro, ou na verdade poderia haver alguma outra variável que é a causa de ambos.

É aí que entra a experimentação . As experiências são o "padrão ouro" da ciência, e todos nós,
psicólogos da personalidade, desejamos ter mais facilidade em fazê-las. No experimento
prototípico, nós na verdade manipulamos uma das variáveis (a independente) e então medimos
uma segunda variável (a dependente).

Assim, por exemplo, você pode medir o grau de rotação do botão de volume do seu rádio e, em

webspace.ship.edu/cgboer/personalityintroduction.html 2/6
25/03/2019 Teorias da personalidade: uma introdução

seguida, medir o volume real da música que sai dos alto-falantes. O que você acharia, obviamente,
é que quanto mais você gira o botão, mais alto fica o volume. Eles se correlacionam, mas desta vez,
porque o botão foi realmente manipulado (literalmente, neste caso) e o volume medido depois,
você sabe que a rotação do botão é, de alguma forma, uma causa do volume.

Levando essa ideia para o mundo da personalidade, poderíamos mostrar às pessoas filmes
assustadores que foram classificados como assustadores. Então, poderíamos medir sua ansiedade
(com um instrumento que mede quão suado nossas mãos ficam, por exemplo, ou com um teste
simples, no qual pedimos que avaliem como estão assustadas). Então podemos ver se eles se
correlacionam. E, claro, eles iriam até certo ponto. Além disso, sabemos agora que quanto mais
assustador o filme, mais assustados ficamos. Um avanço na ciência psicológica!

Há várias coisas que dificultam a medição, a correlação e os experimentos para os psicólogos da


personalidade. Primeiro, nem sempre é fácil medir os tipos de coisas de que estamos interessados
de alguma forma significativa. Até mesmo os exemplos de timidez, tranquilidade, inteligência e
ansiedade são, na melhor das hipóteses, duvidosos. Até que ponto as pessoas reconhecem sua
própria ansiedade? Quão bem o teste do suor se relaciona com a ansiedade? Um teste de papel e
lápis pode realmente dizer se você é inteligente ou tímido?

Quando chegamos a algumas das ideias mais importantes da personalidade - ideias como
consciência, raiva, amor, motivações, neurose - o problema parece, no presente, intransponível.

Outra dificuldade é o problema do controle. Em experimentos, especialmente, você precisa


controlar todas as variáveis irrelevantes para ver se a variável independente realmente afeta a
variável dependente. Mas existem milhões de variáveis que nos impactam a cada momento. Até
toda a nossa história como pessoa está aí, influenciando o resultado. Nenhum laboratório estéril
jamais controlará esses!

Mesmo se você pudesse controlar muitas das variáveis - a versão psicológica de um laboratório
estéril - você poderia generalizaralém dessa situação? As pessoas agem de maneira diferente em
um laboratório do que em casa. Eles agem de forma diferente quando estão sendo observados do
que quando o fazem em particular. As experiências são na verdade situações sociais e são
diferentes de outras situações sociais. O realismo pode ser a resposta, mas como se consegue o
realismo ao mesmo tempo em que se mantém o controle?

Então há o problema das amostras . Se um químico trabalha com uma certa rocha, ele pode estar
bastante confiante de que outras amostras da mesma rocha responderão de forma semelhante a
qualquer substância química aplicada. Até mesmo um biólogo observando um rato pode se sentir
bastante à vontade que esse rato seja semelhante à maioria dos ratos (embora isso tenha sido
debatido!). Isso certamente não é verdade para as pessoas.

Em psicologia, muitas vezes usamos calouros de faculdade como sujeitos para nossa pesquisa. Eles
são convenientes - facilmente disponíveis, fáceis de persuadir a participar (com promessas de

webspace.ship.edu/cgboer/personalityintroduction.html 3/6
25/03/2019 Teorias da personalidade: uma introdução

"pontos"), passivos, dóceis ... Mas, quaisquer que sejam os resultados obtidos com os calouros da
faculdade, você pode generalizá-los para as pessoas nas fábricas? para as pessoas do outro lado do
mundo? para as pessoas 100 anos atrás ou 100 anos no futuro? Você pode até generalizar para
idosos universitários? Esse problema também transcende os problemas dos métodos quantitativos
para os métodos qualitativos.

E quanto qualitativa métodos, então? Os métodos qualitativos envolvem basicamente a


observação cuidadosa das pessoas, seguida de uma descrição cuidadosa, seguida de uma análise
cuidadosa. O problema dos métodos qualitativos é claro: como podemos ter certeza de que o
pesquisador está realmente sendo cuidadoso? Ou, de fato, que o pesquisador é mesmo honesto?
Apenas replicando os estudos.

Existem tantos métodos qualitativos quanto métodos quantitativos. Em alguns, o pesquisador


realmente faz uma introspecção - examina suas próprias experiências - para obter evidências. Isso
parece fraco, mas na verdade é, em última análise, a única maneira de um pesquisador acessar
diretamente os tipos de coisas que acontecem na privacidade de sua própria mente! Este método é
comum entre os psicólogos existenciais.

Outros pesquisadores observam as pessoas "em estado selvagem", mais ou menos como os
etologistas, observam pássaros, chimpanzés ou leões e descrevem seu comportamento. O bom é
que é certamente mais fácil replicar as observações do que as introspecções. Os antropólogos
tipicamente contam com esse método, assim como muitos sociólogos.

Um dos métodos qualitativos mais comuns na personalidade é a entrevista . Fazemos perguntas,


às vezes pré-arranjadas, às vezes no assento de nossas calças, de uma variedade de pessoas que
tiveram uma certa experiência (como ser abduzido por um OVNI) ou cair em uma determinada
categoria (como ser diagnosticada como tendo esquizofrenia). ). O estudo de casoé uma versão
disso que se concentra em obter uma compreensão bastante completa de um único indivíduo e é a
base para uma grande parte da teoria da personalidade.

Em última análise, a ciência é apenas observação cuidadosa e pensamento cuidadoso. Então, nós,
psicólogos da personalidade, fazemos o melhor que podemos com nossos métodos de pesquisa.
Isso nos leva a considerar o negócio do pensamento cuidadoso, no entanto, e há alguns detalhes a
serem considerados também.

Primeiro, devemos estar sempre de guarda contra o etnocentrismo . O etnocentrismo é (para


nossos propósitos) a tendência que todos nós temos de ver as coisas da perspectiva de nossa
própria cultura. Nascemos em nossa cultura e a maioria de nós nunca a deixa verdadeiramente.
Aprendemos isso tão jovem e tão completamente que se torna "segunda natureza".

Freud, por exemplo, nasceu em 1856 na Morávia (parte do que hoje é a República Tcheca). Sua
cultura - central européia, alemã, era vitoriana, judia ... - era bem diferente da nossa (seja ela qual
for). Uma coisa que sua cultura ensinou foi que sexo era uma coisa muito ruim, uma coisa animal,

webspace.ship.edu/cgboer/personalityintroduction.html 4/6
25/03/2019 Teorias da personalidade: uma introdução

uma coisa pecaminosa. A masturbação foi pensada para levar à criminalidade, retardamento e
doença mental. As mulheres que eram capazes de orgasmos eram consideradas ninfomaníacas,
improváveis de serem boas esposas e mães, e possivelmente destinadas à prostituição.

Freud deve ser respeitado na medida em que foi capaz de superar suas atitudes culturais sobre
sexo e sugerir que a sexualidade - mesmo a sexualidade feminina - era um aspecto natural (embora
animalístico) do ser humano, e que reprimir a sexualidade poderia levar a distúrbios psicológicos
debilitantes . Por outro lado, ele não via a possibilidade de uma nova cultura ocidental - a nossa -
em que a sexualidade não era apenas aceita como normal, mas como algo em que todos
deveríamos estar ativamente envolvidos em todas as oportunidades.

Uma segunda coisa a ser protegida é o egocentrismo. Mais uma vez, para os nossos propósitos,
estamos falando sobre a tendência de ver nossas experiências, nossas vidas, como sendo o padrão
para todas as pessoas. Freud estava muito perto de sua mãe. Ela tinha 20 anos quando o teve,
enquanto seu pai tinha 40 anos. Ela ficou em casa para criá-lo, enquanto seu pai estava
trabalhando nos 16 dias normais da época. O pequeno Freud era um gênio infantil que podia falar
sobre assuntos adultos quando tinha cinco anos. Ele era, como sua mãe disse uma vez, seu
"dourado Siggy".

Essas circunstâncias são incomuns, mesmo para o seu tempo e lugar. No entanto, como ele
desenvolveu sua teoria, ele tomou como certo que a conexão mãe-filho estava no centro da
psicologia para todos! Isso, claro, foi um erro: egocentrismo.

Por último, precisamos estar em guarda contra o dogmatismo. Um dogma é um conjunto de idéias
que a pessoa que detém essas idéias não permitirá ser criticada. Você tem evidências contra
minhas crenças? Eu não quero ouvi-los. Você percebe algumas falhas lógicas em meus
argumentos? Eles são irrelevantes. Os dogmas são comuns nos mundos da religião e da política,
mas eles não têm absolutamente nenhum lugar na ciência! A ciência deve estar sempre aberta a
novas evidências e críticas. A ciência não é "verdade"; é apenas um movimento nessa direção geral.
Quando alguém diz que tem "verdade", a ciência chega a um impasse.

Bem, infelizmente, Freud era culpado de dogmatismo. Ele ficou tão ligado às suas idéias que se
recusou a aceitar discordância de seus "discípulos". (Observe o termo religioso aqui!) Alguns, como
Jung e Adler, acabariam por desenvolver suas próprias teorias. Se ao menos Freud não fosse
dogmático, se ao menos ele estivesse aberto a novas idéias e novas evidências e permitisse que sua
teoria evoluísse abertamente, poderíamos todos ser "freudianos" hoje - e "freudiano" significaria
algo bem diferente e muito maior.

Chega disso batendo no mato. Vamos começar. Onde devemos começar? No começo, claro. E esse
seria o grande mestre em si, Sigmund Freud.

webspace.ship.edu/cgboer/personalityintroduction.html 5/6
25/03/2019 Teorias da personalidade: uma introdução

© Copyright 2007, C. George Boeree

webspace.ship.edu/cgboer/personalityintroduction.html 6/6