Você está na página 1de 139

Manual de

Educação e Inovação
Tecnologica
Curso de licenciatrura em Ensino Básico e
Curso de licenciatrura em Administração e Gestão da Educação

Universidade Pedagógica
Departamento de Ciências de Educação e Psicologia
Curso de licenciatrura em Ensino Básico e i

Direitos de autor (copyright)


Este módulo não pode ser reproduzido para fins comerciais. Caso haja necessidade de reprodução,
deverá ser mantida a referência à Universidade Pedagógica e aos seus Autores.

Universidade Pedagógica
Rua Comandante Augusto Cardoso, nº 135
Telefone: 21-320860/2
Telefone: 21 – 306720
Fax: +258 21-322113
ii

Agradecimentos

À COMMONWEALTH of LEARNING (COL) pela disponibilização do Template usado na


produção dos Módulos.

Ao Magnífico Reitor, Directores de Faculdade e Chefes de Departamento pelo apoio prestado


em todo o processo.
Curso de licenciatrura em Ensino Básico e iii

Ficha Técnica

Autor:Elidio Joaquim Guilundo

Revisor científico: Aurélio Armando Pires Ribeiro

Revisor da engenharia de Educação à Distância: Augusta Guilima

Revisor do Desenho Instrucional: Cristina Loforte

Maquetizador e Editor: Aurélio Armando Pires Ribeiro


iv Índice

Índice
Visão geral 1
Bem-vindo ao módulo de Educação e Inovação Tecnologica .......................................... 1
Objectivos do módulo ....................................................................................................... 3
Quem deve estudar este módulo ....................................................................................... 4
Como está estruturado este módulo .................................................................................. 4
Ícones de actividade .......................................................................................................... 5
Acerca dos ícones .......................................................................................... 5
Habilidades de estudo ....................................................................................................... 6
Exercicios.......................................................................................................................... 7
Avaliação .......................................................................................................................... 7
Tempo de estudo e outras actividades .............................................................................. 7

Unidade n° 01 9
Introdução à Educação e Inovação Tecnológica............................................................... 9
Introdução ................................................................................................................ 9
Conceitos de Tecnologia e Novas Tecnologias .............................................................. 10
Introdução .............................................................................................................. 10
Feedback ......................................................................................................................... 12
Sumário ........................................................................................................................... 13
Exercicios........................................................................................................................ 13
FeedBack ........................................................................................................................ 14
Bibliografia Recomendada........................................................................... 14

Lição no 02 15
Conceitos relacionados com a Tecnologia...................................................................... 15
Introdução .............................................................................................................. 15
Feedback ......................................................................................................................... 17
Sumário ........................................................................................................................... 21
Exercicios........................................................................................................................ 22
FeedBack ........................................................................................................................ 23
Bibliografia Recomendada........................................................................... 23

Lição no 03 24
Tecnologia e Inovação educacional. ............................................................................... 24
Introdução .............................................................................................................. 24
Feedback ......................................................................................................................... 27
Sumário ........................................................................................................................... 28
Exercicios........................................................................................................................ 29
Feedback ...................................................................................................... 30
Bibliografia Recomendada........................................................................... 30
Curso de licenciatrura em Ensino Básico e v

Lição no 04 31
Tecnologia e Educação: Possíveis relações. ................................................................... 31
Introdução .............................................................................................................. 31
Sumário ........................................................................................................................... 33
Exercicios........................................................................................................................ 34
Bibliografia Recomendada........................................................................... 34

Unidade n° 02 35
As TICs nas Escolas ....................................................................................................... 35
Introdução .............................................................................................................. 35

Lição no 01 36
Mudanças necessárias na escola para a incorporação das TIC como recursos de ensino.36
Introdução .............................................................................................................. 36
Sumário ........................................................................................................................... 40
Exercícios........................................................................................................................ 41
Bibliografia Recomendada........................................................................... 41
Computador na Escola: é suficiente para inovar a educação? ....................................... 42
Introdução .............................................................................................................. 42
Feedback ......................................................................................................................... 45
Sumário ........................................................................................................................... 45
Exercicios........................................................................................................................ 46
Feedback ......................................................................................................................... 46
Bibliografia Recomendada........................................................................... 47

Unidade n° 03 48
Ambientes Virtuais de Aprendizagem ............................................................................ 48
Introdução .............................................................................................................. 48

Lição no 01 49
Conceitos e propósitos dos AVA’s ................................................................................. 49
Introdução .............................................................................................................. 49
Sumário ........................................................................................................................... 56
Exercicios........................................................................................................................ 57
Feedback ......................................................................................................................... 57
Bibliografia Recomendada ............................................................................................. 57

Lição no 02 59
Sistema de Gestão de Aprendizagem (LMS) e suas Particularidades ........................... 59
Introdução .............................................................................................................. 59
vi Índice

Sumario ........................................................................................................................... 63
Exercícios........................................................................................................................ 65
Bibliografia Recomendada ............................................................................................. 66

Lição no 03 67
Conteúdos didácticos digitais ......................................................................................... 67
Introdução .............................................................................................................. 67
Feedback ......................................................................................................................... 70
Sumário ........................................................................................................................... 72
Exercícios........................................................................................................................ 73
Feedback ......................................................................................................................... 73
Bibliografia Recomendada ............................................................................................. 74

Unidade n° 04 76
Internet e seus recursos para Educação........................................................................... 76
Introdução .............................................................................................................. 76

Lição no 01 78
Introdução à Internet ....................................................................................................... 78
Introdução .............................................................................................................. 78
Feedback ......................................................................................................................... 80
Sumário ........................................................................................................................... 82
Exercícios........................................................................................................................ 83
Feedback ......................................................................................................................... 84
Bibliografia Recomendada ............................................................................................. 84

Lição no 02 85
Ferramentas básicas para o uso da internet ..................................................................... 85
Introdução .............................................................................................................. 85
Sumário ........................................................................................................................... 89
Exercícios........................................................................................................................ 89
Feedback ......................................................................................................................... 89

Lição no 03 91
Técnicas de pesquisa na Internet .................................................................................... 91
Introdução .............................................................................................................. 91
Sumário ........................................................................................................................... 95
Exercícios........................................................................................................................ 95
Feedback ......................................................................................................................... 96

Lição no 04 97
Recursos da Web 2.0 para educação. .............................................................................. 97
Introdução .............................................................................................................. 97
Curso de licenciatrura em Ensino Básico e vii

Sumário ......................................................................................................................... 101


Exercícios...................................................................................................................... 102
Feedback ....................................................................................................................... 102
Bibliografia Recomendada ........................................................................................... 103

Lição no 05 104
Recursos de armazenamento da Web 2.0 ........................................................... 104
Introdução ............................................................................................................ 104
5. Recursos de armazenamento da Web 2.0 ....................................................... 105
Sumário ......................................................................................................................... 112
Exercícios...................................................................................................................... 113
Feedback ....................................................................................................................... 113
Bibliografia Recomendada ........................................................................................... 114

Lição no 06 115

A Google e as sua ferramentas 115


Introdução ............................................................................................................ 115
Sumário ......................................................................................................................... 122
Exercícios...................................................................................................................... 122
Feedback ....................................................................................................................... 123
Bibliografia Recomendada ........................................................................................... 123
Bibliografia Final ..................................................................................... 125
Curso de licenciatrura em Ensino Básico e 1

Visão geral
Bem-vindo ao módulo de
Educação e Inovação Tecnologica
Caro estudante, seja bem vindo ao Módulo de “Educação e Inovação
Tecnológica”

As tecnologias fazem parte da vida do Homem à séculos, elas o


acompanham em todas as suas épocas de desenvolvimento ou
evolução. Auxiliam-no no seu progresso ou o retrocedem,
consciente ou não, as tecnologias são a mola facilitadora das
actividades do Homem. Em todos os ramos de actividades humana,
as tecnologias sempre estiveram ao lado do Homem. Na agricultura
hoje, por exemplo, fala-se de tecnologias agrícolas, que permitem
melhor qualidade de produtos e aumento da produtividade em
tempo recorde.

Em nosso contexto Educativo, as tecnologias de informação e


comunicação apresentam-se, (em especial no século XXI) como
elemento inovador dos processos de ensino e aprendizagem, tanto
como aparelho técnico ou instrumentos tecnológico, assim como
uma ideia, um pensamento transformador da realidade. As novas
tecnologias (também denominadas de tecnologias de inteligências,
as que se encontram consubstanciadas na WWW ou na Web)
apresentam-se como uma proposta irrevogável de aprendizagem,
requerendo uma atenção especial do lado do professor, da Direcção
da escola, bem como de todos os outros intervenientes da situação
educativa. Sem darmo-nos conta, as novas tecnologias, para além
de apresentarem-se como novas “didácticas”, desafiam as já
existentes a repensarem ou reformularem a sua técnica ou formas
de ensino. Neste sentido, um novo posicionamento é exigido à
todos os fazedores da educação.
2 Curso de licenciatrura em Ensino Básico e

Dos modelos passivos, de escuta, memorização e repetição, as


novas tecnológicas impelem-nos à modelos colaborativos, activos,
construtivistas e críticos, onde o aluno tem valor e lugar central na
aprendizagem.

Neste módulo, encontram-se diversas reflexões sobre como e com


que tecnologias devemos (ou podemos) lidar por forma a facilitar a
aprendizagem critica do aluno. Mais do que um produto terminado,
este módulo pretende-se uma reflexão profunda e conjunta sobre a
questão educativa actual, influenciada pelas TIC’s. Conforme
refere Libanêo (2002: 116):

[…] A virtualidade, como sabemos, é o mundo da imagem, da


representação técnica do real. Do ponto de vista pedagógico, a
questão é saber qual é o papel das imagens na formação intelectual,
no desenvolvimento do pensamento, como ajudam na conquista do
conhecimento, como pode contribuir para a formação de sujeitos
pensantes. Que benefícios e que riscos as novas tecnologias da
comunicação e informação podem trazer para os processos
formativos?

Dito isto, não restam dúvidas de que o nosso posicionamento neste


texto, nesta disciplina, será de promover uma análise reflexiva dos
aspectos tecnológicos e seu contributo na educação ou por outra,
procuramos reflectir sobre como os telefones, computadores,
televisão, internet e seus programas, em suma, os mídias podem
oferecer oportunidade de aprendizagem, de desenvolvimento de um
pensamento consciente e critico no aluno. Assim, esperamos que
este manual traga aos estudantes, professores e outros interessados,
as mais necessárias contribuições na área das tecnologias e
inovação educativa.

O fio condutor deste modulo, está assentado na necessidade de


formação de sujeitos reflexivos, autónomos e capazes de aprender
Curso de licenciatrura em Ensino Básico e 3

ao longo da vida, sujeitos capazes de usar os conhecimentos


científicos para resolver os seus problemas locais.

O presente módulo está dividido em 4 unidades


temáticasTematicas, onde cada unidade comporta até seis lições.
As lições apresentam uma introdução explicativa do teor em
debate; o tempo que você precisa para estudá-las; os objectivos
básicos e as palavras-chave da matéria a abordar. No fim de cada
lição encontrará um sumário, que é a síntese da matéria abordada,
assim como algumas actividades de autoavaliação que você precisa
resolver e no fim. Os comentários ou Feedback dos Exercicios,
Actividade de Auto-avaliação servem para verificar a qualidade da
sua aprendizagem e certificar-se de que conseguiu resolver
correctamente as questões propostas. Cada lição apresenta uma
bibliografia que lhe recomendamos a buscar, como forma de
aprofundar os conhecimentos discutidos em cada lição.

Importa, pois, salientar que o estudo deste módulo vai permitir-lhe


a aquisição de competências reflexivas sobre Tecnologias de
informação e comunicação e habilidades práticas para a aplicação
consciente e responsável das TIC no processo de ensino e
aprendizagem.

Objectivos do módulo
Ao terminar o estudo deste módulo, você será capaz de:

 Dominar de modo geral, os principais termos do vocabulário das


tecnologias de educação;
 Explicar e interpretar as relações entre a tecnologia e a educação;
Objectivos  Realizar pesquisas baseadas na Web 2.0;
 Aplicar as técnicas de pesquisa na Internet para a investigação;
 Utilizar os aplicativos ou ferramentas da Web 2.0 na educação;
4 Curso de licenciatrura em Ensino Básico e

Quem deve estudar este módulo


Este módulo deve ser estudado por todos os graduados da 12a
classe ou equivalente, inscritos nos cursos de Licenciatura em
Ensino Básico eLicenciatura em Administração e Gestão
Escolar(AGE), a distância, oferecidos pela Universidade
Pedagógica de Moçambique e todos aqueles que possam encontrar
nele, subsídios para sua formação.

Como está estruturado este


módulo
Todos os módulos dos cursos produzidos pela Universidade Pedagógica
encontram-se estruturados da seguinte maneira:

Páginas introdutórias
Um índice completo.
Uma visão geral detalhada do módulo, resumindo os aspectos-chaves
que você precisa conhecer para completar o estudo. Recomendamos
vivamente que leia esta secção com atenção antes de começar o seu
estudo.

Conteúdo do módulo

Unidade Lição Conteúdo

1 Conceito de tecnologia e novas tecnologias


Unidade I:
2 Conceitos relacionados com Tecnologia
Introducao à
educação e
3 Tecnologia e Inovação Educacional
Inovacao
Tecnologica
4 Tecnologia e Educação: Possiveis relações

1 Mudanças necessárias na escola para a


incorporação das TIC’s como recursos de
Unidade II: As
Ensino
TIC’s na Escola
2 Computador na Escola: é suficiente para
inovar a educação?

Unidade III: 1 Conceitos e propósitos dos AVA’s


Ambientes
virtuais de 2 Sistemas de gestão de aprendizagem (LMS)
Curso de licenciatrura em Ensino Básico e 5

aprendizagem e suas potencialidades

3 Conteúdos didácticos digitais

1 Introducao à Internet

2 Tecnicas de pesquisa na Internet

3 Recursos da Web 2.0 para Educação


Unidade IV:
Internet e seus
4 Recursos da Web 2.0 para Educação
recursos para
educação
5 Recursos de armazenamento da Web 2.0

6 A Google e as suas ferramentas

Outros recursos
Para quem esteja interessado em aprender mais, apresentamos uma lista
de recursos adicionais para você explorar. Estes recursos podem incluir
livros, artigos ou sites na internet.

Tarefas de avaliação e/ou Auto-avaliação


As tarefas de avaliação para este módulo encontram-seno final de cada
lição e de cada unidade.

Comentários e sugestões
Esta é a sua oportunidade para nos dar sugestões e fazer comentários
sobre a estrutura e o conteúdo do curso / módulo. Os seus comentários
serão úteis para nos ajudar a avaliar e melhorar este módulo.

Ícones de actividade
Ao longo deste manual irá encontrar uma série de ícones nas margens das
folhas. Estes ícones servem para identificar diferentes partes do processo
de aprendizagem. Podem indicar uma parcela específica de texto, uma
nova actividade ou tarefa, uma mudança de actividade, etc.

Acerca dos ícones


Neste módulo encontrará ícones que identificam os objectivos, as
actividades, dicas, sumários e actividades de auto-avaliação.
Pode ver o conjunto completo de ícones deste manual já a seguir, cada
um com uma descrição do seu significado e da forma como nós
interpretámos esse significado para representar as várias actividades ao
longo deste curso / módulo.
6 Curso de licenciatrura em Ensino Básico e

Comprometimento/ Resistência, “Qualidade do “Aprender através


perseverança perseverança trabalho” da experiência”

(excelência/
autenticidade)
Actividade Auto-avaliação Avaliação / Exemplo /
Teste Estudo de caso

Paz/harmonia Unidade/relações Vigilância / “Eu mudo ou


humanas preocupação transformo a minha
vida”
Debate Actividade de
grupo Tome Nota! Objectivos

“[Ajuda-me] deixa- “Nó da sabedoria” Apoio /


me ajudar-te” Quanto encorajamento
tempo?

Leitura Terminologia Dica

Habilidades de estudo
Caro estudante!

Como forma de tirar maior proveito deste módulo, convidamos-lhe a


fazer uma leitura profunda e cuidada de outros recursos, sobre cada
matéria deste módulo. Recomendamos ainda, que registe e discuta suas
dúvidas com seu tutor ou colegas, antes que delas se esqueça.

Apresentamos no final de cada lição, referências auxiliares para


aprofundar as matérias em discussão, apelando sempre, que se faça uma
sistematização das lições correntes antes de prosseguir para outras.
Curso de licenciatrura em Ensino Básico e 7

Exercicios
Conforme sabemos, a avaliação é um processo de aprendizagem e
reaprendizagem, de ajustamento e reajustamento. Neste modulo, irá
encontrar actividades de aprendizagem (questões) em cada final de
Auto-avaliação lição, para a sua autoavaliação. Como forma de instigar o espírito
de pesquisa, neste módulo, algumas perguntas não apresentam
respostas imediatas, cabendo ao estudante, a sua investigação e
solução com ajuda de seus tutores. Trabalhos de pesquisa serão
adoptados durante o processo, e como a própria disciplina exige, o
estudante devera ser capaz de manipular os diversos motores de
busca ou pesquisa na internet (não só), por forma a satisfazer os
requisitos exigidos, evitando como regra, o plágio académico. Em
suma, a leitura integral do módulo e outras referências indicadas, é
uma estratégia recomendada para o sucesso na aprendizagem desta
disciplina.

Avaliação
Pela natureza dos conteúdos aqui discutidos, a avaliação neste módulo
será mista, isto é, constituída por trabalhos escritos (em grupo ou
individuais) e testes escritos, orais e práticos (sem ultrapassarem o
numero de dois). Aprovações e reprovações vão obedecer ao regulamento
de avaliação vigente na Universidade Pedagógica, em especial para os
cursos de EAD. Nos trabalhos escritos a serem fornecidos exigir-se-à o
cumprimento dos prazos estabelecidos, como forma de flexibilizar o
processo de avaliação no seu sentido de reajustamento.

Tempo de estudo e outras actividades


Este módulo deverá ser estudado num semestre do calendário lectivo.
Você deverá dispender 80 horas de estudo para este módulo.
Você também deve estudar, em média, uma hora por dia consoante a sua
Quanto tempo? disponibilidade para completar as 5 horas semanais recomendadas pelo
plano de estudos.
8 Curso de licenciatrura em Ensino Básico e
Curso de licenciatrura em Ensino Básico e 9

Unidade n° 01
Introdução à Educação e Inovação
Tecnológica
Introdução
Bem-vindo a esta unidade didáctica. Nela apresentamos os conceitos
básicos relacionados com a disciplina, com especial destaque para
Tecnologia, Tecnologia educacional, literacia informática e TIC, Relação
da Tecnologia com a Educação. A tecnologia enquanto a totalidade da
invenção humana influencia todos os campos de actividade humana, em
especial a educação. Desta maneira, para que as pessoas possam usar os
resultados da tecnologia na educação, precisam aprender (literacia
informática) a aplicar tais princípios para alcançar de melhor forma os
objectivos da sua acção (inovação). Para entendermos melhor a interligação
, vejamos os objectivos abaixo.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Definir o conceito tecnologia;


 Relacionar o conceito tecnologia com a educação;
 Diferenciar o conceito tecnologia do conceito informática;
Objectivos da  Interpretar o conceito inovação no campo educativo.
unidade

Tecnologia, Técnica, Educação, Inovação, literacia informática.


Tecnologias de informação e comunicação.

Terminologia
10 Lição no 01

Lição no 01
Conceitos de Tecnologia e Novas
Tecnologias

Introdução
Nesta lição discutimos o conceito tecnologia, e o das novas tecnologias, ou seja,
procuramos definir o conceito de tecnologia e o de novas tecnologias. Trazemos
os elementos principais que diferenciam os dois conceitos, assim, como os
âmbitos da sua utilização.

Nesta unidade você deverá dedicar 6 horas de estudos

Quanto tempo?

No final desta lição, você será capaz de:

 Definir o conceito Tecnologia e novas tecnologias


 Compreender a utilização de novas tecnologias, na actualidade .

Objectivos da lição

Tecnologia, NovasTecnologias

Terminologia
Lição no 01 11

Tecnologia: o que é?
Segundo Blanco& Silva (1993) citados por Alves (2009: 18) o termo
tecnologia vem do grego technê (arte, ofício) e logos (estudo) e referia-se à
fixação dos termos técnicos, designando os utensílios, as máquinas, suas
partes e as operações dos ofícios.

A tecnologia não deve ser vista apenas como artefacto, maquina ou


instrumento técnico, ela engloba processos, conhecimentos pelos quais se
produz uma ferramenta ou um serviço tecnológico. Alias, actualmente, já se
pode falar de tecnologias de inteligência1, as que tem uma base imaterial,
ou seja, não existem como máquinas mas como linguagem, e, é neste
âmbito que se situam as chamadas novas tecnologias de informação e
comunicação (NTIC’s). Estas tecnologias encontram sua maior expressão
na Wold Wide Web (WWW) ou Internet e na conjugação destas
tecnologias com a telemática2. Actualmente, a informação aparece numa
linguagem multimidia, ou seja, uma informação que contempla som,
imagem, movimento, etc. Nesta categoria pode-se considerar a televisão,
Internet, redes digitais ou virtuais de aprendizagem ou socialização, etc.

Conforme explica Kenski (2007: 25), ao se falar de novas tecnologias, na


actualidade, estamos nos referindo, principalmente, aos processos e
produtos relacionados com os conhecimentos provenientes da electrónica,
da microelectrónica e das telecomunicações. Essas tecnologias
caracterizam-se por serem evolutivas, ou seja, estão em permanente
transformação. Caracterizam-se também por terem uma base imaterial, ou
seja, não são tecnologias materializadas em máquinas e equipamentos. Seu
principal espaço de acção é virtual e sua principal matéria-prima é a
informação.

1
Kenski (2007: 27)
2
Telemáticaé o conjunto de tecnologias da informação e da comunicação resultante da
junção entre os recursos das telecomunicações (telefonia, satélite, cabo, fibras ópticas etc.) e
da informática (computadores, periféricos, softwares e sistemas de redes), que possibilitou o
processamento, a compressão, o armazenamento e a comunicação de grandes quantidades
de dados (nos formatos texto, imagem e som), em curto prazo de tempo, entre usuários
localizados em qualquer ponto do Planeta.
12 Lição no 01

Na verdade, tecnologia é um conhecimento resultante da solução de um


problema ou vários e aplicável a situações similares. A tecnologia é tão
antiga quanto a humanidade, e pela complexidade dos problemas humanos,
ela não é una, por isso, podemos referir que não existe tecnologia mas
tecnologias. Como refere Alves (2009: 18), a tecnologia pode ser
considerada como a aplicação de conhecimentos científicos na resolução de
problemas. Tecnologia passa a ser sinónimo de ciência aplicada na
resolução de problemas da vida humana, sem distinção.

Podemos encontrar como exemplos de Tecnologias, o sapato, o ferro de


engomar, o livro, o papel, o rádio, a maquina calculadora, enfim, tudo
aquilo que o Homem precisou inventar para suprir suas necessidades.
Quanto às Novas tecnologias de Informação e comunicação, podemos citar
o computador, a internet e todos os serviços nelas baseadas. Para
compreender melhor a diferença entre TIC e NTIC’s leia-se o artigo
abaixo3.

1. Agora olhe pormenorizadamente ao seu redor (seja em casa, na escola


onde trabalha ou no seu centro de recursos) e encontre exemplos do
que seja tecnologias e novas tecnologias.
Actividade

Feedback
1. Se você, na sua análise encontrou exemplos como machados, pratos, carteiras,
aparelhos de música, etc, então encontrou as tecnologias, e se na sua reflexão
obteve exemplos como serviços de telecomunicação, a internet, serviços bancários
como m-pesa, m-kesh, ponto24, etc, então encontrou as novas tecnologias. Caso

3
http://www.josecrispim.pt/artigos/conceitos/conc_art/01_tic_ntic.html
Lição no 01 13

não tenha encontrado nem os primeiros, nem os segundos, convém voltar a ler de
novo a matéria referente a estes dois aspectos.

Sumário
Podemos concluir, portanto, que tecnologia é o conhecimento pelo qual se produz
o artefacto (sendo este mesmo uma tecnologia), ou seja, o computador, por
exemplo, é um artefacto tecnológico, mas, mais do que isso, o conhecimento e os
processos pelos quais passa para produção daquele artefacto constituem, ainda,
uma tecnologia. Por outro lado, as chamadas Novas Tecnologias caracterizam-se
por serem imateriais, constituindo deste modo construções não palpáveis, com
sede na Internet e que por sua vez, vêem influenciando de maneira acentuada a
estrutura psicológica do sujeito. As Novas Tecnologias, mais do que apresentarem
uma nova cultura, impõem-na sobre todos os indivíduos e de certa forma
constituem-se como novo mediador das relações sociais e modos de ser e aprender
das pessoas.

Exercicios
Com ajuda da lição que acabou de ler e outras fontes que abaixo
apresentamos, resolva as seguintes questões:
1. Defina tecnologia;
Auto-avaliação
2. Diferencia tecnologia das novas tecnologias de informação e
comunicação;
3. Dê exemplo de tecnologias e das referidas NTIC’s;
4. Reflicta sobre a importância da tecnologia na vida do Homem.
14 Lição no 01

FeedBack
1. Poderá encontrar vários conceitos de Tecnologia, mas deverá entender que ela
é resultado da acção humana, não é natural, é artificial.

2. Para responder esta pergunta, tenha como base os conhecimentos da primeira


pergunta e, veja que, o que diferencia a Tecnologia das NTIC’s é, basicamente a
sua essência, a primeira tem uma essência física ao passo que as NTIC’s tem
uma existência nao material, fundamentam-se em linguagem (informática ou
binária).

3. Os exemplos para as Tecnologias que for a encontrar deverão ser materiais,


artefactos, ao passo que as NTIC’s terão uma base imaterial. Veja se seus
exemplos se enquadram nessa lógica!

Para responder a esta pergunta, pense sobre como seria o mundo, a vida do
Homem sem as tecnologias, sem os meios de comunicação, sem os objectos ou
artefactos que usa no dia-a-dia.

Bibliografia Recomendada
ALVES, Taíses Araújo da Silva. Tecnologias de informação e comunicação (TIC)
na escolas: da idealização à realidade, Lisboa, 2009.[online] Disponível na
Internet via WWW. URL:

http://recil.grupolusofona.pt/xmlui/bitstream/handle/10437/1156/Taises%20Arauj
o%20-%20versao%20final%20da%20dissertacao.pdf?sequence=1.Consultado no
dia 04/06/2015

KENSKI, Vani M. Educação e Tecnologias - O Novo Ritmo Da Informação, 2a


ed., São Paulo: Papirus, 2007.

http://www.josecrispim.pt/artigos/conceitos/conc_art/01_tic_ntic.html.
Consultado no dia 04/06/2015
Lição no 01 15

Lição no 02
Conceitos relacionados com a
Tecnologia

Introdução
Nesta lição abordamos conceitos como a tecnologia educacional, apontando para
as relações entre tecnologia e educação, literacia informática, tecnologias de
informação e comunicação. Procuramos na medida do possível esclarecer as
diferenças existentes entre a informática e as TIC.

Você deve dispender cerca de 6 horas para estudar esta lição.

Quanto tempo?

Ao completar esta lição, você será capaz de:


 Distinguir outros conceitos ligados a tecnologia;
 Distinguir informática das TIC;

Objectivos da lição

Tecnologia Educacional, Tecnologia de informação e comunicação,


literacia informática, educação.

Terminologia
16 Lição no 01

Informática ou Literacia informática?


Como sabemos a informática é comummente definida como a ciência que
estuda o tratamento automático e racional da informação. Portanto,
pressupõe o uso de computadores ou dispositivos electrónicos no tratamento
da informação (Velloso, 2004).

O termo, segundo Lancharro et al (1991), foi criado na França em 1962 e


provém da contracção das palavras Information + automatique
(Informação+automática). Assim a informática pode ser definida como
conjunto de métodos e técnicas de processamento automático de
informações. Como disciplina, ela procura dotar o estudante de capacidades
e habilidades para a utilização de ferramentas que processam, armazenam e
divulgam a informação – os ditos dispositivos informáticos ( exemplo:
computador, de mesa ou de mão, telefone, projectores, entre outros
dispositivos).

Por seu lado, o termo Literacia Informática pode ser definido como “o
conjunto de conhecimentos, competências e atitudes em relação aos
computadores que levam alguém a lidar com confiança com a tecnologia
computacional na sua vida diária” (Miranda, 2007: 43).

Esta definição incluiu três termos que convém elucidar: primeiro,


conhecimentos e competências sobre a tecnologia computacional; segundo
atitudes positivas face a esta tecnologia; e terceiro ter confiança para usar os
computadores sem grande ansiedade. Por isso, o objectivo da literacia
informática é apoiar os professores e os estudantes a iniciar ou melhorar as
suas competências e conhecimentos nesta área, desenvolver atitudes
positivas face ao computador e à Internet e diminuir a ansiedade face ao seu
uso e aprendizagem. Propõe-se ainda, apoiar os estudantes, a analisar
criticamente a evolução das tecnologias e seus campos de aplicação, (Idem).

Como pudemos perceber, a informática define-se como processamento


automático de informação através de mecanismos ou dispositivos próprios,
enquanto que a literacia informática será a disciplina que vai oferecer ao
estudante, as habilidades e conhecimentos para lidar sem obstáculos ou
Lição no 01 17

agonia com tais dispositivo, e no nosso contexto moçambicano, podemos


considerar a disciplina de informática como aquela que pretende este
objectivo.

1. Pense como seria possível nos dias de hoje viver sem a informática:
como analisa a vida sem computador, sem a internet e sem o celular?

Actividade 2. Como olha para a disciplina de informática no ensino secundário em


Mocambique? Estará ela a permitir a aquisição das habilidades básicas
a que nos referimos anteriormente? Argumente.

Feedback
1. Aqui você deve imaginar de que maneira os serviços informáticos lhe
sao úteis nos dias de hoje, a exemplo dos serviços bancários, telefónicos,
de pagamento electrónico de água, electrecidade, internet, etc. Pense
como seria a sua vida sem esses serviços informáticos.

2. Neste espaço você deve fazer uma analise critica da situação (condições
materiais e humanas) da leccionacao da disciplina de informática no
ensino secundário, tendo em conta a sua finalidade que é levar os alunos
ao domínio das ferramentas que processam, armazenam e divulgam a
informação automaticamente.

Educação tecnológica
Este é um conceito mais amplo do que a literacia informática, pois, implica
“saber usar” a tecnologia e ainda analisar a sua evolução e repercussão na
sociedade. Uma verdadeira educação tecnológica só o é quando se ensina
aos estudantes a história das diferentes tecnologias (iluminuras, alfabeto,
prensa tipográfica… computadores e Internet) e dos seus criadores, dos seus
efeitos económicos, sociais e psicológicos e ainda de como elas refizeram o
mundo e continuam a refazê-lo. Igualmente será necessário mostrar como as
tecnologias “criam novos mundos, para o bem e para o mal”(Ibid, 43).
18 Lição no 01

Tecnologia Educacional.
Conforme refere Candau (s/a: 61), a tecnologia educacional desperta as mais
opostas reacções no plano intelectual e emocional. Para uns representa a
grande solução para os complexos problemas educacionais, como por
exemplo, a questão da quantidade versus qualidade em educação. Para
outros, é percebida como uma verdadeira ameaça à natureza mais intima da
acção pedagógica, ou seja, à dimensão de interacção interpessoal e de
afirmação do homem como sujeito da sua vida pessoal e participante activo
na construção da sociedade. De algum modo, esperança e medo são
sentimentos associados quando se fala de tecnologia educacional.

Como forma de clarificar melhor o conceito, pode-se dizer que o conceito de


tecnologia educacional define-se como o conjunto de procedimentos
(técnicas) que visam "facilitar" os processos de ensino e aprendizagem com
a utilização de meios (instrumentais, simbólicos ou organizadores) e suas
consequentes transformações culturais.

O termo não se limita aos recursos técnicos usados no ensino mas a todos os
processos de concepção, desenvolvimento e avaliação da aprendizagem.
Esta definição tem em conta o que é considerado o domínio da Tecnologia
Educativa que engloba três subdomínios que vão influenciar o aluno e a sua
aprendizagem. São eles: 1) as funções de gestão educacional, 2) as funções
de desenvolvimento educacional, e 3) os recursos de aprendizagem,
(Miranda, 2007).

O termo Tecnologia Educacional está enraizado numa tradição anglo-


saxónica que valoriza a instrução e é influenciada pela teorização produzida
no âmbito da psicologia da aprendizagem, nomeadamente pelas teorias
comportamentalistas e cognitivistas e mais recentemente pelas teorias
construtivistas. Afirmar que a tecnologia educacional está inserida no
âmbito da educação implica em que a tecnologia não poderá encarar a
educação como simples matéria a sofrer um tratamento tecnológico mas,
pelo contrário, é a tecnologia que deverá sofrer um tratamento educacional
que informará toda sua realidade. Por outras palavras, os fins da educação
deverão ser os norteadores da tecnologia educacional.
Lição no 01 19

Tecnologias Aplicadas à Educação


Para Miranda (2007) o termo Tecnologias Aplicadas à Educação pode ser
considerado sinónimo de Tecnologias Educativas, pois trata-se de aplicações
da tecnologia, qualquer que ela seja, aos processos educativos, assim como a
aplicação da tecnologia à gestão financeira e administrativa e ao processo
instrutivo propriamente dito (PEA).

As pessoas que trabalham no domínio da Tecnologia Educativa não se


interessam só pelos recursos e avanços técnicos mas também, e sobretudo,
pelos processos que determinam e melhoram a aprendizagem. O uso
educativo do computador e da Internet pode ser considerado, um
subdomínio da Tecnologia Educativa.

Tecnologia Educacional: tecnologia na educação ou tecnologia da


educação.
A tecnologia na educação orienta-se para os problemas de equipamento, de
mensagens e da sua incorporação sem contesta-las. A tecnologia da
educação consiste na aplicação sistemática do conhecimento cientifico à
facilitação do processo de aprendizagem, visando aumentar seu rendimento.

Entre nós, predomina a tecnologia na educação. Sua superação supõe


esforços sistemáticos de desenfatizar a tendência a transformar os Meios em
verdadeiros Fins. Ou seja, é preciso colocar a tecnologia a serviço dos
autênticos fins da educação e da solução dos problemas mais relevantes em
termos sociais, Henri Dieuzeide apud Candau (s/a: 64) ).

Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC)


O termo Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC)refere-se à
conjugação da tecnologia computacional ou informática com a tecnologia
das telecomunicações e tem na Internet e mais particularmente na Worl
Wide Web (WWW) a sua mais forte expressão. Quando estas tecnologias
são usadas para fins educativos, nomeadamente para apoiar e melhorar a
20 Lição no 01

aprendizagem dos alunos e desenvolver ambientes de aprendizagem,


podemos considerar as TIC como um subdomínio da Tecnologia Educativa
(Miranda, 2007).

Para você distinguir melhor os conceitos até aqui apresentados, veja se


você encontra diferenças entre a informática, a tecnologia educacional,
educação tecnológica e tecnologia aplicada à educação. Procure
compreender de que forma estes conceitos se aplicam na vida real.

Outros conceitos de Tecnologia Educacional.


a) Conceito centrado no meio
Esta concepção é a mais difundida do ponto de vista prático. Segundo a
comissão sobre Tecnologia Educacional do “committee on education and
labor” (USA), define como “o meio nascido da revolução da comunicação
que pode ser usado para fins institucionais junto ao professor, o livro-texto,
o quadro negro, etc. Este conceito corresponde ao que Saettler chamou
“the physical science concept” que focaliza os vários meios como ajudas
para o ensino e tende a se preocupar com os efeitos dos equipamentos e das
técnicas mais do que com as diferenças individuais ou a selecção do
conteúdo instrucional.

Assim, dentro desta perspectiva, a tecnologia educacional pode ser


encarada como aplicação sistemática em educação de princípios científicos
oriundos da teoria da comunicação, psicologia experimental da percepção,
cibernética, etc. O conjunto de materiais e equipamentos mecânicos ou
electromecânicos empregados para fins de ensino (projectores,
gravadores, transparências, laboratórios de línguas, etc); ensino em massa
(uso de meios de comunicação de massa em educação); um sistema homem
–maquina.

Em suma, como você pode perceber, para esta perspectiva, é a mediação


tecnológica que configura basicamente a tecnologia educacional. Por isso
está centrado no Meio.

b) Conceito centrado no Processo.


Como você poderá perceber, nesta perspectiva, a tecnologia educacional é
uma forma sistemática de planificar, implementar e avaliar o processo total
Lição no 01 21

de aprendizagem e de instrução em termos de objectivos específicos


baseados nas pesquisas sobre aprendizagem humana e comunicação. O
aspecto mais importante nesta perspectiva diz respeito a aplicação do
conhecimento cientifico como base conceptual e metodológico para a
planificação, desenvolvimento e avaliação do processo de ensino e
aprendizagem.

Conforme você pode notar, os defensores desta ideia, focalizam


principalmente o processo e assinalam como características básicas da
tecnologia educacional a aplicação de conhecimentos científicos à
educação.

c) Conceito centrado na estratégia de inovação.


Como veremos aqui, o termo inovação relaciona-se com ideias de mudança
e novidade. Uma primeira distinção é preciso fazer: toda inovação supõe
um processo de mudança mas nem todo processo de mudança é inovador.A
inovação pressupõe um processo deliberado, intencional e planificado e não
algo que ocorre espontaneamente. Uma inovação deve durar, alcançar uma
elevada taxa de utilização e adoptar uma forma parecida a que se propunha
quando foi projectada.

Em relação ao conceito de Tecnologia educacional como estratégias de


inovação, você precisa assinalar que nenhuma inovação é fim em sim
mesma. O porquê e para quê de qualquer inovação devem nortear a
estratégia. Caso contrário transformaríamos o processo em Fim.

Sumário
Nesta lição referimo-nos do conceito informática como sendo a ciência do
tratamento automática da informação. Ela engloba dispositivos técnicos e
serviços (computador, telefone, maquina calculadora, software, etc.) que
fazem o tratamento automático da informação. Por seu turno, a disciplina
22 Lição no 01

que vai dotar o individuo de conhecimentos e competências sobre a


tecnologia computacional e habilidades de lidar com esta tecnologia sem
ansiedade, medo, ou qualquer outro sentimento constrangedor podemos
denominar de literacia informática. Em suma, a utilização desses
dispositivos no campo de educação, para auxiliar o processo de
aprendizagem, desde a concepção, desenvolvimento e avaliação pode-se
chamar de tecnologia educacional ou educativa. Neste âmbito, encontram-
se, portanto, as TIC como a expressão directa das tecnologias educacionais.

Exercicios
Após ter lido a lição apresentada, resolva as seguintes questões:

1. Diferencia informática de literacia informática.


Auto-avaliação
2. Comente a seguinte afirmação: “A tecnologia educacional
desperta as mais opostas reacções no plano intelectual e
emocional. De algum modo, esperança e medo são sentimentos
associados quando se fala de tecnologia educacional”.

3. Explique a diferença entre tecnologia na educação e tecnologia


da educação;

4. Reflicta sobre a importância das TIC no campo da Educação.


Lição no 01 23

FeedBack
1.Note que por mais diversificados sejam os conceitos de informática, ela é sempre um
procedimento automático de tratamento da informação, com base em algumas ferramentas
tecnológicas, diferindo-se da literacia informáticacomo aquele campo que propõe a
capacitação, instrução de indivíduos para o uso de tais ferramentas.

2. Neste aspecto, veja se conseguiu trazer as opiniões, sentimentos, atitudes, por um lado,
daqueles que acreditam que a tecnologia educacional resolve os problemas da educaçãoe por
outro lado, daqueles que a olham como um elemento que prejudicam o fenome educativo.

3. Veja se conseguiu demonstrar que a tecnologia na educaçãoé mera presençade ferramentas


ou conhecimentos científicos sem uma devida reflexãoou questionamento, contrariamente à
tecnologia da educação.

4. Nesta pergunta pense em como seria dificel para os dias de hoje, o calculo de notas de
alunos sem o Excell, a gestão administrativa e académica sem o SIGE, a lecionacão sem
quadros, giz, projector, etc.

Bibliografia Recomendada
CANDAU, Vera Maria Ferrão. tecnologia educacional: concepções e desafios.
Fundação Carlos Chaga, S/d. [online] Disponível na Internet via WWW.URL:
http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/cp/arquivos/386.pdf. Consultado no dia
15/01/2015.

MIRANDA, Guilhermina Lobato. Limites e possibilidades das TIC na educação,


Sísifo, Revista de Ciências da Educação, Nr.03, 2007.[online] Disponível via Internet
via WWW.URL: portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000012617.pdf,
Consultado no dia 15/01/2015.

RANGEL Mary. O sentido educacional da tecnologia revisto na discussão dos 70 aos


90: retrospectiva de conceitos e princípios de analise. [Online] Disponível na internet
via WWW.URL:
periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/download/6428/5203. Consultado
no dia 15/01/2015
24 Lição no 01

Lição no 03
Tecnologia e Inovação educacional.

Introdução
As TIC modificam as formas de ser, de agir e de aprender dos sujeitos. As
rápidas e sucessivas informações trazidas pelas TIC requerem novos
posicionamento dos sujeitos, o que implica novos desafios para os
estabelecimentos de ensino. Desta forma, nesta lição você poderá deparar-
se com o conceito inovação e o seu significado no campo educativo. Por
outras palavras, você poderá entender porque quando se fala de tecnologia
no campo educativo, nos vem à mente a ideia de inovação e vice-versa.

Você deve dispender cerca de 120 minutos para estudar esta


lição.
Quanto tempo?

Ao completar esta lição, você será capaz de:


 Definir o conceito inovação;
 Relacionar a tecnologia com a inovação;
 Analisar a aplicabilidade do conceito inovação no campo da
Objectivos da lição
educação em Moçambique;
 Reflectir sobre os desafios que se colocam para a
implementação da inovação baseada nas TIC em Mocambique;

Inovação, tecnologia, educação.


Lição no 01 25

Terminologia

Tecnologia e Inovação educacional.


O termo inovação foi importado para educação do mundo da produção e da
administração. Nas décadas de 1950/60, os teóricos da inovação concebiam-
na como um processo em etapas previsíveis, desde a gestação até à
implementação e generalização, Messina, (2001) apud Teixeira(s/d: 1).
Assim, o conceito de inovação relacionado à educação surgiu impregnado
da concepção de que os avanços da Ciência e da Tecnologia determinariam
o desenvolvimento económico, social e cultural.

Segundo Saviani (1995) citado por Teixeira (idem) a inovação educacional


significa "colocar a experiência educacional ao serviço de novas
finalidades", isto é, para se inovar é preciso partir do questionamento das
finalidades da experiência educacional, ou seja, a inovação consiste em sair
de forma critica e elaborada do estagio actual para outro que satisfaça com
eficiência os fins da nossa organização. Em consequência, podemos
compreender que toda inovação educacional, implícita ou explicitamente,
questiona a finalidade da acção educativa que se está desenvolvendo e busca
novos meios que se adeqúem às novas finalidades da educação.

Independentemente da forma como o processo de inovação é realizado,


introduzir uma inovação educativa implica uma mudança planificada com
propósito de dotar de capacidade a organização, instituição ou sistema, para
satisfazer aos objectivos que motivam a própria inovação. Assim, inovação
educacional pode ser entendida como a busca de respostas aos desafios
presentes na dinâmica dos processos escolares, a partir da análise e
reflexão que se faz do contexto sociocultural e efectivas contribuições que
tais inovações podem oferecer para enfrentar estes desafio (idem).
26 Lição no 01

Cardoso (2003) citado por Teixeira (op.cit., p.5-6) refere-se as palavras


novidade, mudança, processo e melhoria como atributos essenciais para a
definição de inovação. Desta forma, o conceito de inovação compreende
necessariamente a introdução de uma novidade num sistema educativo que
promova uma real mudança resultante do esforço deliberado e
conscientemente assumido, fruto de uma acção persistente e integrada num
processo dinâmico que objective uma melhoria pedagógica, (idem).

Pode-se considerar inovação educacional como a tentativa de criação de


respostas novas aos desafios oriundos das necessidades de adequar os
sistemas educativos à sociedade da informação e do conhecimento (TIC), a
partir da análise e reflexão envolvidas no processo, nas esferas
administrativas e pedagógicas, dos diferentes níveis e modalidades de
ensino. Diferentes possibilidades podem ser adoptadas quando pretende-se
inovar em educação, desde: inovação no pedagógico como ferramenta de
apoio em material didáctico, elemento motivador; ampliação da visão do
mundo por meio do acesso à informação e da participação em redes; apoio á
administração da escola, e; acesso e manejo dos instrumentos tecnológicos
contemporâneos por todos, professores e alunos, Teixeira (s/d: 4-7).

De todas as definições aqui trazidas, podemos compreender que a invocação


no campo educativo tem que ver com mudanças na mediação pedagógica
através e, sobretudo, na inserção de novos materiais, recursos, actividades e,
até mesmo, novas técnicas no âmbito de acção/prática pedagógica, com vista
alcançar novos objectivos ou resultados. Podemos apresentar como
exemplos da inovação educacional, em Moçambique, a introdução no
currículo local no ensino, a introdução de passagens semi-automáticas no
ensino primário, a introdução e utilização do quadro-branco no lugar da
lousa; a utilização em algumas escolas de carteiras individuais no lugar das
colectivas, bem como a utilização de dispositivos informáticos e internet
nas aulas, etc.
Lição no 01 27

1. Na tentativa de testar sua compreensão sobre o conceito da


inovação ,veja se consegue relacionar o mesmo com as mudanças
que ocorrem no seu local de trabalho ou por outra, será que as
Actividade
mudanças que ocorrem no seu local de trabalho são
verdadeiramente uma inovação? Argumente.

Feedback
1. Tendo em conta o conceito de inovação que se difere com a simples
mudança, veja se o seu local de trabalho há mudanças ou inovações e
argumente. Para entender melhor a diferenca entre mudança e inovação
volte a ler o tema referente a esta matéria.

Relação entre Inovação Educacional e as TIC.


Ora vejamos, neste ponto, a pergunta que não se cala é: existe alguma
relação entre a tecnologia e a inovação? Será a inovação sinónimo de
tecnologia ou a sua incorporação?

“O aparecimento histórico da chamada Sociedade da Informação e do


Conhecimento motiva mudanças no mundo do trabalho e da educação, que,
respectivamente, vivem o constante desafio do gerenciamento do
conhecimento associado às tecnologias digitais, moldando uma cultura do
“aprender a aprender”, Teixeira (op.cit., p.2).

Podemos assim dizer que, o surgimento das tecnologias de informação e


comunicação, vieram dar outro ímpeto, uma outra dinâmica aos mecanismos
de aquisição e gestão de informação e impõem uma nova postura de todas
organizações, em especial a educação.

Como podes perceber, antes, a matéria de ensino era privilégio do professor,


os métodos punitivos, seu maior “trunfo” para manter a ordem e atenção do
aluno. Com o surgimento e massificação das TIC (em especial do
computador e da internet), o papel do professor muda, pelo menos se tem
demonstrado, os conteúdos de ensino estão em aberto para todos, e a partir
28 Lição no 01

de já, os métodos e organização do ensino também exigem mudança. As


TIC impõem, desta forma, uma nova roupagem pedagógica, uma nova
cultura. Já não se trata de ensinar o aluno a aprender, mas aprender a
aprender ou seja, o papel do professor é a mediação cognitiva do aluno4.

Com estas palavras, podemos agora compreender porque as inovações, em


especial no campo educativo, estão intimamente ligadas as tecnologias. As
tecnologias, entendidas não apenas como maquinas, utensílios, mas também
como ideias, pensamento, como processos mentais para produção de um
serviço ou artefacto, são sempre a base e mecanismo de inovação. Ou seja,
como já referiu-se anteriormente, a inovação surge da novidade, da
incorporação de novas ideias ou técnicas para alcançar, quer seja os mesmos
objectivos ou impulsionar os antigos. O aspecto evolutivo das tecnologias
implica um processo contínuo de inovação.

Sumário
Nesta lição aprendemos que a inovação educacional significa colocar a
experiência educacional ao serviço de novas finalidades, ou seja, que para se
inovar, é preciso partir do questionamento das finalidades da experiência
educacional. A inovação consiste em sair de forma critica e elaborada do
estagio actual para outro que satisfaça com eficiência os fins da nossa
organização.

Por outras palavras, podemos salientar que a inovação é um acto ou acção


conscientemente deliberada, com o conhecimento de todos os autores, para
que promova uma mudança no sistema. Novidade, mudança, processo e
melhoria são as palavras principais que não podem ser suprimidas no
conceito inovação. Qualquer inovação é uma novidade, uma mudança na
forma de fazer as coisas, constituindo-se num processo consciente que
pretende uma melhoria do sistema ou organização.

4
O ensino deve estar centrado no modo de aquisição dos conteúdos, não nas informações
em si, mas nos caminhos que se devem obedecer para chegar ao saber. Diríamos ainda, que
o papel da didáctica do professor é mediar a relação cognitiva do aluno com a matéria, ou
seja, mediação didáctica da mediação cognitiva, in Libaneo ( CP, 2014)
Lição no 01 29

O surgimento e massificação das tecnologias de informação e comunicação


em todos os campos de actividade humana, tem vindo a associar a inovação
com as tecnologias, na medida em que as empresas e organizações, em
especial a escola, têm estado a enfrentar desafios enormes na gestão e
manuseamento da incessante e caducante informação. Por outras, as TIC
impõem novas dinâmicas e paradigmas pedagógicos, em especial na
aquisição e domínio das tecnologias de informação e comunicação. Nos
nossos tempos, as TIC mostram-se um elemento inerente as inovações, na
tentativa de adequar as organizações aos objectivos fundamentais do
milénio.

Exercicios
Após a leitura efectuada, resolva as seguintes questões:

1.Que desafios se colocam para a implementação efectiva da inovação


Auto-Avaliação educacional baseada nas TIC’s ?

2.Existe espaço no contexto educacional Moçambicano actual para a


inserção das Tecnologias educacionais com vista a inovação dos processos
de ensino na Escola ? justifique.

3. Tendo em conta o conceito de inovação educacional, apresente algumas


inovações que podem ser propostas para o sistema de educação actual;
justifique a sua escolha.

4. “A simples presença de computadores na sala de aulas não significa,


por isso mesmo, uma mudança pedagógica, se ao mesmo tempo, não são
introduzidas ideias e ferramentas pedagógicas adequadas” Sanches &
Hernandez (2006:86). Comente a frase!
30 Lição no 01

Feedback
1.A sua resposta deve trazer os aspectos principais necessários para a efectivacão
da inovação com base em TIC na escola. Ou seja, que condições básicas são
necessárias para uma inovação baseada em TIC na escola?

2. Nesta pergunta deverá fazer uma reflexão critica sobre o contexto


Mocambicano, no qual deverás justificar a sua posição, trazendo os fundamentos
que sustentarão sua opção.

3. Trata-se de pensar sobre algumas inovações que podem ser introduzidas no


campo de ensino, da gestão escolar, em suma, em todas as vertentes da escola.

4. Deverá demonstrar até que ponto a simples presença do computador não


garante a mudança na maneira de actuacão dos professores, alunos e gestores da
escola.

Bibliografia Recomendada
MESSINA, Graciela. Mudança e inovação educacional –notas para reflexão.
Novembro de 2001. [online] disponível na internet via
WWW.URL:publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/download/592/590,
consultado no dia 23/06/2015

OLIVEIRA, Isolina & COURELA, Conceição. Mudança e inovação em educação


–compromisso dos professores, 2013. [online] disponível na internet via
WWW.URL:

revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/download/3404/2719, consultado no dia


16/05/15

SANCHO, Juana Maria et al: Tecnologias para transformar a educação, Artmed


Editora, Porto Alegre, 2006.

TEIXEIRA, Cláudia Maria Francisca. Inovar é preciso: concepções de inovação


em educação. [online] disponível na internet via WWW.URL:
http://portal.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/14_02_2011_13.47.21.977d2f60a
39aa3508f154136c6b7f6d9.pdf, consultado no dia 16/05/15
Lição no 01 31

Lição no 04
Tecnologia e Educação: Possíveis
relações.

Introdução
Nesta lição você será levado a reflectir sobre as possíveis relações
existentes entre a tecnologia e a educação. Com ajuda de alguns autores,
mostraremos como a tecnologia está intimamente ligada à educação e como
esta, pode ser transmitida, de geração para geração através da tecnologia.

Você deve dispender cerca de 120 minutos para estudar esta


lição.
Quanto tempo?

Ao completar esta lição, você será capaz de:


 Interpretar as relações existentes entre a tecnologia e a
educação;
 Dar exemplos ilustrativos da relação entre a tecnologia e a
Objectivos da lição
educação.

Tecnologia, Educação

Terminologia
32 Lição no 01

Tecnologia e Educação: Possíveis relações.


A tecnologia e a educação são indissociáveis. Ora, a educação diz respeito
ao processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral da
criança e do ser humano em geral, visando à sua melhor integração
individual e social.

Para que ocorra essa integração, é preciso que conhecimentos, valores,


hábitos, atitudes e comportamentos do grupo sejam ensinados e aprendidos,
ou seja, que se utilize a educação para ensinar as tecnologias que estão na
base da identidade e da acção do grupo e que se faça uso delas para ensinar
as bases dessa educação, (Kenski, 2007: 44). Por outras palavras, todo o
acervo cultural de um povo pode ser entendido como uma tecnologia de
vida e por assim ser, este acervo precisa ser transmitido ou ensinado às
novas gerações. Este processo dá-se através da educação.

A educação enquanto ensino, torna-se assim, numa técnica de transmissão


da tecnologia para as gerações seguintes. Enquanto isso, a tecnologia
também pode ser auxiliar-chave nessa educação, através de seus
dispositivos e serviços, e programas informáticos ou seus conteúdos
digitais (vídeos, áudios, etc).

A relação tecnologia e educação pode ser vista, também sob o ângulo da


socialização da inovação. Para ser assumida e utilizada pela maioria das
pessoas, além do seu criador, a nova descoberta precisa ser ensinada e
aprendida.5

Ex: A utilização do computador na Escola pressupõe um processo de


instrução e ensino para que os seus utilizadores tirem proveito dessa
tecnologia. Por outro lado, para que não traga efeitos psicológicos
negativos (como ansiedade, medo, etc.) essa tecnologia deve estar
incorporada nos esquemas mentais do utilizador,ou por outra, como refere
Kenski (op.cit.,43-44), não basta adquirir a maquina, é preciso aprender a

5
KENSKI, Vani Moreira (2007). Educação e Tecnologias – O novo ritmo da informação.
2ªed., São Paulo: Papirus Editora. Pag. 44.
Lição no 01 33

utiliza-la, a descobrir as melhores maneiras de obter da maquina auxilio nas


necessidades de seu usuário. É preciso buscar informações, realizar cursos,
pedir ajuda aos mais experiente, enfim, utilizar os mais diferentes meios
para aprender a se relacionar com a inovação e ir além [...]

Sumário
A educação e a tecnologia podem, assim, serem chamadas de duas faces da
mesma moeda, na medida em que onde há educação, há transmissão de um
acervo cultural de um povo – tecnologia, e esta pode ou auxilia bastante na
transmissão da educação. Qualquer aparelho tecnológico novo, precisa ser
aprendido para o seu efectivo uso sem transtorno, desta forma a tecnologia
enquanto uma inovação, precisa da educação para se tornar efectiva no
campo psíquico dos indivíduos até tornar-se num elemento usual.

Por exemplo, em Moçambique, para a utilização da tecnologia do m-pesa


ou m-cash, (serviços oferecidos pelas operadoras moveis), é preciso que as
pessoas precisam ser capacitadas, ensinadas até que estes serviços se
tornem actividades rotineirase de uso familiar;

A maioria das tecnologias é utilizada como auxiliar no processo


educativo. Não são nem objecto, nem a sua substância, nem a sua
finalidade. Elas estão presentes em todos os momentos do processo
pedagógico, desde o planejamento das disciplinas, a elaboraçãoda
proposta curricular ate à certificação dos alunos que concluíram um
curso. A presença de uma determinada tecnologia pode induzir
profundas mudançasna maneira de organizar o ensino. Um exemplo
disso é o ensino de um idioma baseado exclusivamente nos livros
didacticos e na pronuncia da professora, em aulas expositivas. Ele
será bem diferente do mesmo ensino realizado com apoio docente,
mas com a possibilidade de dialogo, conversas, trocas comunicativas
entre os alunos, o uso de vídeo, fitas cassete, laboratórios interativos,
por exemplo. In Kenski (2007: 44)
34 Lição no 01

Exercicios
Após a leitura efectuada, resolva as seguintes questões:
1. Em breves palavras diga qual é a relação existente entre a tecnologia e
Auto-Avaliação a educação;
2. Com base em exemplos claros, demonstre a relação entre a tecnologia
e a educação.

1.Deverá demonstrar até que ponto a tecnologia é produto da educação e


está faz-se melhor com o uso da tecnologia. Ou seja, deverá demonstrar
que estes dois aspectos mantêm entre si relações muito íntimase quase
inseparáveis, podendo dizer-se mesmo que, os dois aspectos sao duas faces
da mesma moeda.

2. Encontre exemplos exclarecedores que domonstram a relaçãodescritica


acima. Nestes exemplos, deverá verificar se um não dispensa o outro.

Bibliografia Recomendada
KENSKI, Vani Moreira. Educação e Tecnologias – O novo ritmo da informação.
2ªed., São Paulo: Papirus Editora, 2007.
Lição no 01 35

Unidade n° 02
As TICs nas Escolas
Introdução
A tecnologia e a educação sao tão antigas quanto o Homem, contudo, neste
módulo, e em especial nesta, quando falamos de tecnologias referimo-nos às
actuais tecnologas de informação e comunicação, com especial enfoque para a
internet e seus serviços. Ora a educação antes do surgimentos destas tecnologias
era meramente uma transmissão de conhecimentos e sua reproduçãofiel. Com o
surgimento das tecnologias referenciadas, os papéisdo professor e do aluno
mudam, demandando novas abordagens, pois, a realidade actual demanda pessoas
que saibam gerir suas vidas, flexíveis às novas formas de vida cada vez mais em
mutação. Desta maneira a educação também ganha novos desafios, assim nesta
unidade você vai deparar-se com uma reflexão sobre, que mudanças podem ser
incorporadas no contexto escolar por forma a facilitar a implementação do ensino
com base nas novas tecnologias de informação e comunicação. O objectivo
principal desta unidade é buscar uma base fundamentada sobre a qual, qualquer
inovação educacional inspirada sobre as TIC possa estar consubstanciada.

Ao completar esta unidade, você será capaz de:

 Discutir os desafios da incorporação das TIC como recurso de ensino;


 Analisar as condições infra-estruturais e pedagógicas necessárias á
utilização das TIC no ensino;
Objectivos da  Propor novas formas de utilização das TIC na educação.
unidade

TIC’s, Recursos de ensino, Escola.

Terminologia
36 Lição no 01

Lição no 01
Mudanças necessárias na escola para
a incorporação das TIC como recursos
de ensino.

Introdução
Nesta lição você vai encontrar subsídios para a incorporação das TIC na
educação na visão de Sancho & Hernandez, autores que fazem o estudo das
TIC há bastante tempo. Como seu contributo nestas matérias, os autores
apresentam o que chamaram sete axiomas para transformar as TIC em
recursos de ensino. É sobre estes axiomas que a presente lição vai
discursar-se.

Você deve dispender cerca de 120 minutos para estudar esta lição.

Quanto tempo?

No final desta lição, você deve ser capaz de:


 Identificar os principais axiomas que podem transformar as TIC
em potenciais recursos de ensino;
Objectivos da lição
 Interpretar os axiomas de acordo com a realidade
Moçambicana;
 Propor outros axiomas consoante a realidade circundante.
37

TIC, Axiomas, Recursos de Ensino.

Terminologia

Os sete axiomas para transformar as TIC em recursos potenciais de ensino.

Sancho & Hernandez (2006: 26 ss) no seu livro tecnologias para


transformar a educação, apresentam entre outros aspectos, o que chamam
sete axiomas para converter as TIC em motor de inovação pedagógica.
conforme estes autores, para que o uso das TIC signifique uma melhoria da
educação é preciso:

Primeiro:Que a escola tenha uma infra-estrutura tecnológica


adequada,o que pressupõe que todas as aulas tenham uma conexão de alta
velocidade com a rede de banda larga (WAN) por meio da rede local
(LAN). Isto implica importante investimento económico acrescido às
escolas no sentido de terem condições físicas (salas de aula condignas, com
carteiras flexíveis, equipamentos tecnológicos actuais, etc.) e laboratoriais
adequados para o ensino na sociedade de informação.

Segundo:Utilização dos novos meios nos processos de ensino e


aprendizagem, neste aspecto, referem os autores que há uma necessidade
urgente de se integrar, nas escolas, os novos meios para todos os alunos em
todos os aspectos do currículo. Ou seja, que nas escolas o computador seja
considerado um recurso de uso quotidiano, de busca, criação e pesquisa em
qualquer ramo de conhecimento.

Terceiro: Enfoque construtivista da gestão.A este nível, os autores


consideram que a utilização de novos meios na escola deve ser resultado
não de uma imposição administrativa, mas de um sistema de ajudas que
responda às iniciativas dos professores, segundo o enfoque construtivista da
gestão. Este posicionamento é mesmo da estrutura basilar dos modelos de
38

ensino das TIC que pressupõe métodos colaborativos, participativos e


construtivos, onde o ensino não é mais uma imposição e unidireccional.
Desta maneira, a gestão escolar deverá apoiar-se nestes subsídios, desde a
concepção do currículo, a tomada de decisões, o papel dos diferentes
membros da comunidade escolar, os sistemas de comunicação externa e
interna, entre outros aspectos.

Quarto:investimento na capacidade do aluno de adquirir sua própria


educação. Este axioma propõe que as escolas devem planificar a utilização
dos recursos tecnológicos como um investimento na capacidade do aluno
em adquirir sua própria educação. Por outras palavras, as escolas devem
deixar de concentrar-se nos resultados dos exames para incidir sobre a
qualidade de aprendizagem que o aluno conseguiu por si. Significa ainda,
sair da lógica de repetição do que o aluno conseguiu reter da aula do
professor para aquilo que ele é capaz de buscar e aprender por si próprio:
autonomia do aluno na busca do conhecimento.

Achamos que este é um aspecto muito importante para qualquer sistema de


ensino que pretenda formar pessoas competentes, conscientes e capazes de
lidar com as dinâmicas actuais da sociedade. Para tal, os currículos devem
estar devidamente projectados para este propósito.

Quinto: Impossibilidade de prever os resultados da aprendizagem.

Os educadores devem abandonar a premissa de que podem prever o que


terá aprendido um bom estudante como resultado de uma experiência
educativa, a chamada educação bancária de Paulo Freire, isto é, repetir nos
exames e testes, o que foi “despejado” pelo professor sobre os estudantes.

Tornar as tecnologias educativas efectivamente aplicáveis ao ensino


pressupõe desalojar-se um pouco da ideia de fidelidade do aluno quanto ao
conhecimento transmitido pelo professor, na medida em que o
consideramos (o aluno) capaz (cfr. axioma anterior) de buscar seu próprio
conhecimento. Desta maneira, não faz sentido que possamos prever tudo
que ele tenha aprendido sem a nossa intervenção. A escola e os currículos
pós-críticos devem ter em conta este aspecto.

Sexto: Ampliação do conceito de interacção docente


39

As salas de aula devem tornar-se lugares em que estudantes e professores


se comunicam de forma interactiva entre si, e com especialistas e
companheiros da localidade, da cultura e do globo.

A interacção deve superar ao que se verifica corriqueiramente, ou seja,


centrada nas perguntas dos professores para se assegurar de que os
estudantes podem responder o que eles esperam, mas sim nas questões dos
alunos para entender melhor algo explicado pelo docente e pelo livro e,
indo além disso, para as questões que os mesmo alunos e docentes trazem
para as salas de aula e que são provenientes da sociedade em que ambos
vivem. É preciso sair do modelo pedagógico predominante baseado no
professor e no livro-texto para ambientes diversificados de aprendizagem,
um ambiente centrado no aluno e na sua capacidade de aprender.

Sétimo: Questionar o senso pedagógico comum.

É imprescindível uma profunda revisão e o questionamento das convicções


pedagógicas relativas ao que é e não é “uma idade apropriada” para
aprender, quem pode realizar escolhas pedagógicas válidas e como deve
funcionar o controlo do processo educacional. Torna-se fundamental aqui,
revisitar as visões de Piaget, Vigotsky e outros pedagogos que abordaram a
questão da infância, adolescência e desenvolvimento humano segundo as
faixas etárias. Este axioma propõe uma análise critica e contínua das
teorias, concepções e convicções do processo de aprendizagem e dos
modos de fazer a educação, pois, isto é decisivo na hora de realizar as
escolhas pedagógicas válidas, ou seja, no desenho dos currículos.

Em suma, estes são alguns pressupostos que devem merecer a devida


cautela principalmente para os gestores e desenhadores do currículo, caso
se pretenda utilizar os recursos tecnológicos para a melhoria dos processos
de ensino e aprendizagem.
40

Sumário
Conforme pudemos perceber, para tornar as TIC m recurso
verdadeiramente de auxilio ao ensino e aprendizagem é preciso que a
escola modifique algumas das suas posturas. Em primeiro lugar é preciso
investir bastante na infra-estrutura, melhorando sobretudo as salas de aulas,
apetrecha-las de carteiras moveis e aparelhos informáticos; segundo utilizar
o computador como um meio de busca e pesquisa para todos os alunos e
em todas as disciplinas curriculares. Mais importante ainda, está o desafio
de investir no aluno para a capacidade de adquirir por si o conhecimento,
saindo da lógica de repetição do que o aluno conseguiu reter da aula do
professor para aquilo que ele é capaz de buscar e aprender por si próprio.
Desta maneira, os professores não poderão prever os resultados da
aprendizagem do aluno, pois, este é tido como capaz de pesquisar e estudar
por si. É necessário ainda, ampliar o conceito de interacção docente, o que
significa que deve-se englobar os aspectos sociais e da comunidade trazidos
pelos alunos e professores na sala de aula. O ensino não deve centrar-se nos
livros e perguntas dos professores aos alunos apenas, deve abranger outros
estratos sociais. Para isso, será necessário questionar os sensos pedagógicos
comuns, ou seja, o que se concebe como “normal” ou boa forma de
aprender e ensinar na escola. É preciso questionar frequentemente o nosso
fazer pedagógico e seus impactos sociais, a melhor idade para se aprender e
as formas de aprendizagem.
41

Exercícios
Depois de ter lido o texto, responda as perguntas a seguir:

1. Identifique os axiomas retratados pelo texto;


Auto-Avaliação 2. Reflicta sobre como os axiomas podem tornar as TIC em
recursos de ensino, especialmente em Moçambique;
3. Proponha outras mudanças necessárias para incorporar as TIC
como recursos relevantes de ensino.

FEEDBACK
1.Na sua resposta veja se conseguiu trazer todos os axiomas atrás
discutidos e a sua principal mensagem. Caso nao volte a reler o
conteúdo ou peça ajuda ao colega ou seu tutor, afim de solucionar
a dificuldade
2. Encontrados os aximas atrás descritos, veja se consegue
reflectir sobre como eles podem auxiliar o ensino com ajuda das
TIC; caso não tenha compreendido bem os axiomas volte a
questão anterior
3. Nesta pergunta, o/a estudante deverá propor outras mudanças
que devem ser feitas na escola para permitir que o uso das TIC
seja efectivo no processo de ensino e aprendizagem na gestão da
escola.

Bibliografia Recomendada
SANCHO, Juana Maria et al: Tecnologias para transformar a educação,
Artmed Editora, Porto Alegre, 2006.
42 Lição no 02

Lição no 02
Computador na Escola: é suficiente
para inovar a educação?

Introdução
Nesta lição, você será levado a reflectir sobre o papel do computador na
escola, ou melhor, sobre como deve-se lidar com o computador a ponto
deste tornar-se um recurso proveitoso de aprendizagem e inovador do
ensino. Nesta lição propomos-te ainda, a discutir a ideia fantasiosa
segundo a qual a simples presença do computador na escola pode mudar
ou melhorar os resultados de aprendizagem

Você deve dispender cerca de 120 minutos para estudar esta lição.

Quanto tempo?

No final desta lição, você será capaz de:

 Discutir a importância e o lugar do computador no ensino;


 Problematizar a ideia segundo a qual a simples
incorporação do computador na escola pode melhorar os
Objectivos da lição
resultados da educação.
 Propor formas de uso do computador na escola e na
aprendizagem.

Computador, escola e inovação de educação.


Lição no 02 43

Terminologia

Computador na Escola: é suficiente para inovar a educação?


As tecnologias e as mídias ganham espaços no contexto da escola. Hoje, já
é realidade para muitas unidades escolares a existência de biblioteca, sala
multimídia, rádio, câmera digital, filmadora, computador, tablet, lousa
digital etc., (Maria, Prado & Tornaghi, 2013: 33). Para que estas
tecnologias, em especial o computador (como sendo uma das tecnologias
mais presentes no contexto educativo) é preciso certas mudanças na forma
de encarar o ensino. A sua simples presença ou incorporação nas práticas
docentes não garante qualquer inovação, pelo contrário, pode sustentar as
velhas formas de fazer a educação.

Como afirma Miranda:

[...] tem-se associado o conceito de tecnologia ao de inovação e


estes dois termos ao de melhoria nos processos de ensino e de
aprendizagem. Considera-se que a introdução de novos meios
tecnológicos no ensino irá produzir efeitos positivos na
aprendizagem, porque se pensa que os novos meios irão
modificar o modo como os professores estão habituados a
ensinar e os alunos a aprender. Considera-se também que novos
programas, métodos e currículos são a senha que garante uma
melhor aprendizagem. Como mostram as pesquisas estas
alegações nem sempre são verdadeiras (2007: 42).

Desta forma, podemos referir como diz Damasco (2009), que o aspecto
revolucionário das TIC não está intrínseco a si, mas ao modo como com
elas lidamos, à maneira como manipulamos e damos sentido. Ora vejamos,
ter computador na escola não é saber usá-lo e se não se sabe utilizá-lo, não
pode transformar ou inovar a nossa maneira de ensinar ou de aprender.
Neste contexto, para a incorporação efectiva das TIC (o computador em
especial) nos processos educativos, a escola deve abandonar
definitivamente as práticas tradicionais do ensino sob o risco das novas
tecnologias, ao invés de inovar o ensino, legitimarem as velhas formas de o
fazer.
44 Lição no 02

Como afirma Lima (2006) e Pretto (2004) apud Alves (2009: 31) a Escola
do Futuro deve inculcar a arte de aprender ao longo de toda vida, estimular
e desenvolver a motivação pela aprendizagem, atribuindo aos alunos um
papel activo no processo de aprendizagem.

Mais além, Lima (2006) afirma que a nova função que a escola deve
desempenhar pode ser cumprida se existirem programas mais flexíveis,
competências interdisciplinares e ensino individualizado, reforço da
capacidade de ensino, graças a uma melhoria na formação inicial e contínua
dos professores e à utilização mais adaptada das novas tecnologias e dos
meios. A educação, através das TIC deve facultar a todos a possibilidade de
dispor, recolher, seleccionar, ordenar, gerir e utilizar a informação.

Em suma, são várias as mudanças que devem ser empreendidas no contexto


educacional, para tornar o computador e outras tecnologias, motores de
inovação pedagógica, a começar pelas concepções do ensino, pressupondo
o abandono das velhas formas de ensinar e de aprender para abraçar as
novas dinâmicas impostas pelas tecnologias educativas. Para tal, a escola
deve estar ciente dos desafios que a si se colocam, desde a formação e
capacitação contínua dos professores e alunos para a utilização dos
dispositivos tecnológicos e compreensão dos riscos e benefícios das novas
tecnologias. É imperioso ainda, que se entenda o carácter interdisciplinar
das TIC, encará-las não como uma ilha ou disciplina a parte. A nível
curricular é urgente a clarificação, não apenas dos papeis do pessoal que
deve responsabilizar-se pela manutenção e actualização dos equipamentos
tecnológicos nas escolas, mas também das directrizes orientadoras (pelo
menos iniciais) para o tratamento dos temas em diversas disciplinas usando
as TIC.

Será necessário ainda, ao nível da escola ou dos currículos refazer os


horários, em especial na disciplina de informática, pois, como temos
constatado, o tempo reservado a esta disciplina não garante muita
aprendizagem ao aluno, aliado ao número elevado de efectivo por turma.
Para tal, é pertinente revisitar os axiomas anteriormente discutidos.
Lição no 02 45

1. Para você compreender o que aqui se está discutir, pense como seria
utilizar um electrodomestico novo em casa (por exemplo) sem
primeiro compreender os procedimentos da sua utilização ou
Actividade
aplicabilidade?

2. Agora imagine que o electrodomestico é um fogão a gás ou electrico,


como seria utilizar este aparelho sem a mudança de atitudes perante a
tal equipamento?

Feedback
1. esta pergunta procure ver se há necessidade de um esclarecimento
para utizacao de qualquer electrodomestico e justifique a sua
resposta.

2. Imagine que comprou um fogão a gás ou elétrico, vai conseguir


utilizá-lo sem mudar de comportamento ou sem uma aprendizagem
para tal?

Sumário
Na linha das reformas que devem caracterizar a escola actual para tornar as
TIC em verdadeiros recursos de ensino, está a forma como lidamos ou
concebemos as TIC e em especial o computador na escola. Nesta lição
procuramos questionar e problematizar a ideia segundo a qual, a simples
presença do computador na escola é suficiente para mudar a forma como os
professores estão habituados a ensinar e os alunos a aprender. Para que as
TIC e especial o computador sirva como este propósito, será necessário,
olhar para as condições de trabalho dos professores, desde o salário, a
dimensão das turmas, os horários, bem como a capacidade do aluno de
lidar com estes novos dispositivos. E urgente abandonar as práticas
pedagógicas tradicionais, onde o ensino é transmissão de ideias acabadas e
indiscutíveis e aprendizagem, a escuta e memorização, sob o risco de as
TIC legitimarem estas práticas tradicionais. A escola actual deve ser aquela
46 Lição no 02

que ensina o aluno a aprender a aprender ao longo da vida. Com base nas
TIC, a escola deve facultar a todos a possibilidade de dispor, recolher,
seleccionar, ordenar, gerir e utilizar a informação por toda a vida. Deve-se,
no entanto, abandonar a concepção de que a simples presença das TIC na
escola modifica o modo como estamos habituados a lidar com a educação,
pois, as tecnologias em si, não melhoram ou pioram algo, tudo depende da
forma como lidamos com elas.

Exercicios
Após a leitura efectuada da lição anterior, responda as perguntas a
seguir:
Auto-Avaliação  Explique porque a simples presença do computador na escola
não garante nenhuma reforma das práticas pedagógicas dos
professores?
 Que mudanças são necessárias para tornar o computador e
outras tecnologias verdadeiros recursos proveitosos de ensino
e aprendizagem?
 Que tipo de aluno a escola actual deve estar preocupada em
formar, tendo em conta as novas dinâmicas sociais e da
sociedade de informação?

Feedback
1.Procure perceber se a presençado computador é suficiente para a
mudança da maneira de actuacao dos professores e dos alunos.

2. O que é necessário para que o computador e outras tecnologias sirvam


como recursos proveitosos na escola, em especial no PEA.

3.Sabendo que a realidade social actualé marcada pela mutabilidade, pelo


uso intensivo e constante das TIC, reflita sobre que aluno a escola deve
formar. Veja se conseguiu mostrar que o aluno reprodutor fiel de
conhecimentos do professor, submisso e alienado deve ser substituído por
um aluno ativo, interativo e interventivo, flexível e competente no uso das
TIC.
Lição no 02 47

Bibliografia Recomendada
MARIA, E. B. de Almeida; PRADO, Elisabette Brisola Brito &
TORNAGHI, Alberto José da Costa. Introdução à educação digital: guia
do cursista. 1a ed., Brasilia: Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.
[online] disponível na internet via WWW.URL:

LIMA, J. (2006). As Novas Tecnologias no Ensino[online]. Disponível na


Internet via
WWW.URL:http://www.airpower.au.af.mil/apjinternational/apj-
p/2006/2tri06/lima.html, consultado em 30/07/2015.

PINAR,Willliam F..O que é a teoria do currículo – colecção currículo,


politicas e práticas, Portugal: Porto editora, 2007.

ALVES, Taíses Araújo da Silva. Tecnologias de informação e


comunicação (TIC) na escolas: da idealização à realidade - estudos de
casos múltiplos avaliativos realizado em escolas publicas no ensino médio
do interior Paraibano Brasileiro, Universidade Lusófona de Humanidades
e Tecnologias: Instituto de Ciências da Educação, Lisboa, 2009.[online]
Disponível na Internet via WWW. URL:

http://recil.grupolusofona.pt/xmlui/bitstream/handle/10437/1156/Taises%2
0Araujo%20%20versao%20final%20da%20dissertacao.pdf?sequence=1,
consultado no dia 28/07/15.

MIRANDA, Guilhermina Lobato (2007). Limites e possibilidades das TIC


na educação, Sísifo. Revista de Ciências da Educação, no 3pp.
41‑50,[online]. Disponível na Internet via WWW.URL:
portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000012617.pdf,
consultado no dia 23/07/15.
48 Lição no 02

Unidade n° 03
Ambientes Virtuais de Aprendizagem
Introdução
Nesta unidade você encontrará a discussão sobre, alguns conceitos básicos
de ambientes virtuais de aprendizagem (AVA), assim como alguns
exemplos destes ambientes, que tem vindo a auxiliar na gestão de
aprendizagem, em especial na modalidade do ensino a distância. vai
encontrar também, a reflexão sobre os sistemas de gestão de aprendizagem,
bem como as noções básicas dos conteúdos didácticos digitais e as
plataformas de sua apresentação.

Ao completar esta unidade, você deve ser capaz de:

 Discutir a amplitude conceptual dos AVA’s


 Analisar o contributo dos ambientes virtuais no ensino em nossos dias
 Reflectir sobre a importância dos Sistema de gestão de aprendizagem
Objectivos da (SGA)
unidade  Conhecer os conteúdos didácticos digitais
 Distinguir os formatos de apresentação dos conteúdos digitais.

Ambientes virtuais, sistemas de gestão de aprendizagem, conteúdos


didácticos digitais, educação.

Terminologia
Lição no 02 49

Lição no 01
Conceitos e propósitos dos AVA’s

Introdução
Nos dias correntes, o processo de ensino e aprendizagem transcende o
contexto da sala de aula. Ele ocorre em outros ambientes, onde se
estabelecem relações similares às da sala convencional. Estes ambientes
não físicos, recebem o nome de Ambientes Virtuais de Aprendizagem
(AVA’s)

Nesta lição você encontrará a discussão sobre os conceitos básicos dos


ambientes virtuais de aprendizagem, bem como os exemplos de alguns
desses ambientes que podem ser utilizados no ensino e aprendizagem em
sistemas semi-presenciais.

Você deve dispender cerca de 180 minutos para estudar esta lição.

Quanto tempo?

No final desta lição, o você deve ser capaz de:

 Conhecer os conceitos básicos dos ambientes virtuais de


Objectivos da lição aprendizagem;
 Compreender a utilidade e aplicabilidade dos ambientes virtuais
de aprendizagem;
 Conhecer as características e tipos de ambientes virtuais de
aprendizagem
50 Lição no 02

Ambientes virtuais de aprendizagem, conceitos e particularidades

Terminologia

1.Conceitos e propósitos dos Ambientes Virtuais de Aprendizagem(AVA)

Conforme salienta Santos (2003: 2), por ambientes podemos entender tudo
aquilo que envolve pessoas, natureza ou coisas, objectos técnicos. Já o
virtual vem do latim medieval virtualis, derivado por sua vez de virtus,
força, potência. No senso-comum muitas pessoas utilizam a expressão
virtual para designar alguma coisa que não existe como, por exemplo,
amigo virtual, comunidade virtual de amigos desconhecidos no facebook,
whatsapp, etc.

Na verdade, Virtual é o que existe em potência e não em acto. Citando o


exemplo da árvore e da semente, Lévy explica que toda semente é
potencialmente uma árvore, ou seja, não existe em acto, mas existe em
potência. Tal como a galinha e o ovo, este (o ovo) é uma galinha em
potencia, por isso, nada garante que ela venha ser uma galinha – tudo
depende das circunstâncias. Assim, o virtual não é irreal, é uma realidade
em devir, algo que pode vir a ser ou não, algo que existe fora do nosso
alcance, mas que em determinadas circunstancias pode vir a materializar-
se. Ou por outra, virtual é algo que existe fora do nosso ambiente natural,
tradicional, mas encontra-se no ciberespaço, na internet ou Web, por
exemplo, a biblioteca virtual, sala de aula virtual, professor virtual, etc.

Podemos entender, desta maneira, que os ambientes virtuais de


aprendizagem representam ambientes utilizados para facilitar ou promover
a aprendizagem. Podem ser acessíveis pela Internet (online), mas também
podem ser acessíveis offline, em DVD-rom ou o CD-rom, que são
instalados no computador do usuário.

Na verdade, os ambientes virtuais de aprendizagem, podem ser


considerados, todas as interfaces digitais em que há interacção de pessoas
Lição no 02 51

na produção do conhecimento, através do ciberespaço.

Leite et al (2010) definem AVA como sendo programas de computador


desenvolvidos para oferecer um ambiente de aprendizagem que possibilite
a realização de actividade de ensino-aprendizagem online. São exemplos
destes softwares, TelEduc, Moodle, Solar, Sócrates, entre outros.

Os ambientes virtuais de aprendizagem utilizam como ferramentas: emails,


fóruns, conferências, chats, arquivos de texto, de som, de imagem, de
vídeos, wikis, blogs, etc., que facilitam o processo de ensino– aprendizagem
à distãncia.

Valentini e Soares (2005), citados por Belmonti e Grossi (2010: 4)


entendem como AVA, um espaço social, constituído de inteirações
cognitivo-sociais sobre, ou em torno de um objecto de conhecimento, no
qual as pessoas interagem mediadas pela linguagem da hipermídia visando
o processo de ensino e aprendizagem. Assim, o AVA é um lugar de
interacção, colaboração e produção de conhecimentos e de aprendizagem,
baseado na internet ou em alguns dispositivos informáticos de
armazenamento como discos, flash, etc.

1.1.Como são desenvolvidos?


Segundo Haguenauer, Mussi & Filho (2009: 3) os Ambientes Virtuais de
Aprendizagem podem ser desenvolvidos, por exemplo (mas não
exclusivamente), por meio de Sistemas de Gestão da Aprendizagem (SGA),
que a seguir veremos. No entanto, os AVA (online ou offline) podem
também ser desenvolvidos a partir de diferentes softwares e ferramentas,
como o Flash, o HTML, o VRML, o Director, 3DMax e 3Dquest, entre
outros e, muitas vezes, por meio do uso combinado de várias ferramentas.

Para Araújo & Marquesi (2009) citado por Haguenauer, Mussi & Filho
(2010: 3) os parâmetros de qualidade das actividades de um AVA são
classificados em três dimensões: tecnológica, pedagógica e comunicativa.
A dimensão tecnológica quantifica o uso das ferramentas do AVA com
dados que identificam seu grau de utilização. A dimensão pedagógica
52 Lição no 02

reflecte a qualidade dos elementos postados no AVA como documentos,


avisos e actividades, com o objectivo de obter informações sobre quais são
os tipos desses elementos e sua relevância na aprendizagem. A dimensão
comunicativa permite verificar a adequação da linguagem utilizada nos
avisos e nos enunciados das actividades, observando a clareza e a
preocupação com a interacção.

1.2.Como se caracterizam? Ou de que se devem caracterizar os AVA’s?


Conforme Leite et al (2010: 66) os AVA devem possuir características
pedagógicas e informáticas que possibilitam a realização de um processo de
ensino e aprendizagem de qualidade.

Do ponto de vista pedagógico, refere-se à sua adequação ao tipo de aluno


que vai interagir com o ambiente, ao conteúdoque será trabalhado
pedagogicamente e ao professor/tutor que irá ser responsável pelo processo
pedagógico.

Sob o ponto de vista informático, o ambiente deve ser de fácil utilização


pelo professor e aluno, dinâmico ao apresentar o conteúdo multimédia
(texto, imagem, som e movimento), além de ser possívelde actualização em
função da avaliação dos professores e alunos que interagem com ele,
(idem).
Lição no 02 53

Os AVA caracterizam-se ainda como sendo um processo de comunicação


em rede entre seres humanos, a partir de interfaces digitais, na qual todo e
qualquer signo pode ser produzido e socializado no e pelo ciberespaço. A
partir desse conceito, sites, blogs, fóruns, assim como, ambientes
interactivos 3D e comunidades virtuais, são considerados AVA’s, desde
que sejam utilizados no campo educativo. Haguenauer, Mussi & Filho
(2009: 4) apresentam algumas características de qualidade dos AVA, tais
como: (a) navegação intuitiva, (b) clareza e consistência de signos
utilizados no projecto gráfico; (c) projecto gráfico harmonioso e agradável;
(d) conteúdo adequado ao público alvo, (e) linguagem directa e simples; (f)
possibilidade de autoria; (g) dialogicidade; (g) interactividade (com o
conteúdo, com a equipe de ensino e com outros internautas) etc.

Veja algumas imagens de um AVA de um projecto Museu Virtual.

Fonte: Haguenauer, Mussi & Filho (2009: 5)

Dillenbourg (2000), citado por Belmonti e Grossi (2010: 4), nos AVA’s,
deve haver interacções educacionais; as informações ou o espaço social,
devem ser explicitamente representadas, quer por textos ou por imagens
3D; deve existir a participação dos alunos que se tornam co-construtores do
ambiente; e o ambiente deve integrar múltiplas tecnologias e abordagens
pedagógicas.
54 Lição no 02

2.Tipos de AVA’s
Os ambientes virtuais de aprendizagem encontram-se divididos em três
tipos: instrutivos, ou instrucional, interativo e cooperativo. O ambiente
instrucional é centrado no conteúdo, que também pode ser impresso, e no
suporte tutorial feito por monitores que, geralmente, não são os autores. A
interacção é mínima e a participação online do estudante é praticamente
individual.

No ambienteinteractivo a participação é essencial. Os materiais são


desenvolvidos no decorrer do curso a partir das opiniões e reflexões dos
participantes. O desenvolvimento das actividades pode ser organizado de
acordo com temas de interesse e profissionais externos podem ser
convidados para conferências. Já o ambiente cooperativo é caracterizado
pelo objectivo de trabalho colaborativo e participação online, há muita
interacção entre os participantes, construção de pesquisas, descobertas de
novos desafios e soluções, Okada citado por Haguenauer, Mussi & Filho
(op.cit., p. 4)

2.1.Ambiente virtual de aprendizagem: Caso de WIKISPACE


Segundo Santos (2008: 8) a palavra Wiki significa um sistema que permite
criar e editar conjuntamente conteúdos por várias pessoas geograficamente
distantes. Trata-se, então, de um espaço onde você pode criar páginas sobre
qualquer tema, com arquivos e imagens. Pode juntar, editar e apagar
conteúdos criados por outros autores. O Wiki possibilita o desafio do que
pode ser a comunicação on-line. É possível editar ilimitadamente qualquer
documento, dispensando baixá-lo no computador. As tarefas são realizadas
on-line e ficam armazenadas na rede. Menos utilizado que o blog, o espaço
Wiki permite também a colaboração e a autonomia dos autores, construindo
rede de relações. Rede porque o Wikispace permite introduzir link para
blogs, fotoblogs, sites etc.

Existem muitos outros ambientes virtuais como a Aulanet, WebCT, Web


Course in Box (WCB), Lotus® LearningSpace, TopClass, entre outros.
Para aprofundar sobre estes ambientes, leia-se o artigo: Tecnologias para a
Lição no 02 55

EAD –Via Internet, de Mário Sérgio da Silva Brito, disponível na internet


via: www.lynn.pro.br/pdf/educatec/brito.pdf.

Outro artigo importante nesta matéria encontra-se na internet via:


http://refletindoeregistrando.blogspot.com/2011/06/utilizacao-de-
ambientes-virtuais-de.html, da autora Wilmara Cruz Messa.
56 Lição no 02

Sumário
Conforme pudemos perceber, os ambientes virtuais de aprendizagem são
espaços virtualmente construídos através de interfaces digitais, onde os
seres humanos e objectos técnicos interagem potencialmente na construção
de conhecimentos e da aprendizagem. Por outras palavras, podemos referir
que o AVA é um lugar de interacção, colaboração e produção de
conhecimentos e de aprendizagem, baseado na internet/ciberespaço. Os
ambientes virtuais de aprendizagem são avaliados de acordo com sua
qualidade que deve estar baseada nos parâmetros comunicativo,
tecnológico e pedagógico.

Em termos de suas características, os AVA’s, devem ter navegação


intuitiva; clareza e consistência de signos utilizados no projecto gráfico;
projecto gráfico harmonioso e agradável; conteúdo adequado ao público
alvo; linguagem directa e simples; possibilidade de autoria; dialogicidade e
interactividade.

Em suma, os AVA’s consistem em mídias que utilizam o ciberespaço para


veicular conteúdos e permitir interacção entre os atores do processo
educativo (PEREIRA, 2007) Dessa forma, a qualidade do processo
educativo depende do envolvimento do aprendiz, da proposta pedagógica,
dos materiais veiculados, da estrutura e qualidade de professores, tutores,
monitores e equipe técnica, assim como das ferramentas e recursos
tecnológicos utilizados no ambiente. Os AVA’s provêem recursos para
dispor grande parte dos materiais didácticos nos mais diferentes formatos,
podendo ser elaborados na forma escrita, hipertextual, oral ou áudio-visual.
Lição no 02 57

Exercicios
Após ter lido o texto, aprofunde seus conhecimentos resolvendo
as questões que se seguem:
Auto-Avaliação  Dê conceito de ambiente virtual de aprendizagem
 Apresente as características dos AVA’s e discuta sobre os
principais tipos.
 Apresente alguns tipos de ambientes virtuais de aprendizagem.

Feedback
1. Na sua resposta veja se conseguiu aliar o seu conceito a plataformas
online ou virtuais de aprendizagem, uma plataforma nao presencial,
onde pessoas e ferramentas interagem para construir o conhecimento.

2. Nesta pergunta veja se consegue analisar os AVA’s do ponto de vista


pedagógico, informático, comunicacional e harmonia, etc.

Na sua resposta veja se encontrou os trêstipos de AVA’s acima


mencionados e as suas principais características.

Bibliografia Recomendada
BELMONTI, Vanessa & GROSSI, Márcia Gorett Ribeiro. Ambientes
virtuais de aprendizagem: um panorama da produção nacional, Belo
Horizonte, Maio de 2010. [online] Disponível na Internet via WWW.URL:
http://www.abed.org.br/congresso2010/cd/2942010181132.pdf.
Consultado no dia 30/01/2015.

HAGUENAUER, Cristina, MUSSI, Marcus Vinicius & FILHO,


Francisco Cordeiro. Comunicação e interacção em ambientes virtuais de
58 Lição no 02

aprendizagem, Maio de 2010. [online] disponível na internet via


WWW.URL:

http://www.abed.org.br/congresso2010/cd/252010213152.pdf. Consultado
no dia 30/01/2015.

HAGUENAUER, Cristina, MUSSI, Marcus Vinicius & FILHO,


Francisco Cordeiro. Ambientes virtuais de aprendizagem: definições e
o
singularidades, revista educaonline, volume 3 – n 2, Laboratório de
Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação –
LATEC/UFRJ, Maio/Agosto de 2009. [online] Disponível na internet via
WWW.URL:
http://www.latec.ufrj.br/revistas/index.php?journal=educaonline&page=art
icle&op=view&path%5B%5D=112&path%5B%5D=298, consultado no
dia 30/01/2015.

LEITE et al. Tecnologia educacional: descubra suas possibilidades na sala


de aula, 5a ed., Petrópolis: editora vozes, 2010

MOZZER, Luciene Domenici. Blogs e Wikis: construindo novos espaços


para a aprendizagem, Módulo de Acolhimento UAB/UFJF, 2008. [online]
Disponível na internet via WWW.URL: http://www.cead.ufjf.br/?p=4397,
consultado no dia 30/01/2015.

SANTOS, Núbia Schaper. Ambiente virtual como aliado na


aprendizagem, Módulo de Acolhimento UAB/UFJF, 2008. [online]
Disponível na internet via WWW.URL: http://www.cead.ufjf.br/?p=4397,
consultado no dia 30/01/2015.

SANTOS, Edméa Oliveira. Ambientes virtuais de aprendizagem: por


autorias livre, plurais e gratuitas. In: Revista FAEBA, v.12, no.18.2003
(no prelo). [Online] Disponível na internet via WWW.URL:
http://www.comunidadesvirtuais.pro.br/hipertexto/home/ava.pdf.
Consultado no dia 30/01/2015.
Lição no 02 59

Lição no 02
Sistema de Gestão de Aprendizagem
(LMS) e suas Particularidades

Introdução
Na lição anterior pudeste aprofundar sobre os AVA’s, como sendo espaços
online de aprendizagem. Contudo existem espaços dedicados e concebidos
na internet para levar avante um determinado curso ou formação, onde
existe a figura do professor, do aluno, gestor, etc. Este tipo de ambiente,
mais do simplesmente um AVA, passa a designar-se de sistema de gestão
de aprendizagem ou LMS.

Conforme poderá constatar, nesta lição trazemos uma discussão em torno


dos sistemas de gestão de aprendizagem, do inglês learning Management
system (LMS), trazendo os aspectos (especificidades) que os diferenciam
dos AVA’s, anteriormente discutidos.

Você deve dispender cerca de 120 minutos para estudar esta lição.

Quanto tempo?

No final desta lição, você deve ser capaz de:

 Apresentar os diferentes conceitos dos SGA’s e seus exemplos;


Objectivos da lição  Caracterizar os sistemas de gestão de aprendizagem;
 Compreender a aplicabilidade dos SGA’s
 Diferenciar os SGA’s dos AVA’s.
60 Lição no 02

Sistema de Gestão, Aprendizagem


Terminologia

1.Sistema de Gestão de Aprendizagem (LMS): Particularidades

Um LMS (sistema de gestão de aprendizagem) é um sistema de gestão que


possui um conjunto de funcionalidades para promover aprendizado. Essas
funcionalidades relacionam-se com distribuição, acompanhamento,
monitoramento e administração de conteúdo de aprendizagem e com o
progresso e interacções dos aprendizes, entre outros. O termo LMS pode
ser aplicado a sistemas simples de gerenciamento de cursos ou a
complexos ambientes distribuídos. Um LMS tem como um dos objectivos,
simplificar a administração dos programas de treinamento e ensino em
uma organização. O sistema auxilia na planificação dos processos de
aprendizagem e ainda permite que os participantes colaborem entre si
através da troca de informações e conhecimentos, Goni & Rivera (s/a: 4).

Conforme Rosemberg citado por Goni & Rivera (idem), as principais


funcionalidades de sistemas do tipo LMS, são:

 Criar e administrar cursos;


 Oferecer ferramentas de comunicação tais como lista de discussão, chats e
mensagens instantâneas;
 Administrar grades curriculares;
 Tecer tarefas, avaliações e exercícios;
 Monitorar o acesso do usuário;
 Administrar matrículas de aprendizes;
 Gerar relatórios e informações sobre o desempenho dos aprendizes, etc.

Como exemplos podemos destacar: o Moodle, Quantum,

Enquanto nos AVA’s (ambientes virtuais de aprendizagem), as


Lição no 02 61

características associadas ao conteúdo, como linguagem, interactividade,


navegação, arquitectura da informação e design gráfico influem mais na
percepção do usuário, nos SGA, por sua vez, a atenção está mais voltada
para a selecção e configuração das ferramentas a serem utilizadas em um
determinado curso ou disciplina. Uma vez realizadas as configurações,
seleccionadas as estratégias de comunicação e de aprendizagem,
informadas e declaradas essas estratégias aos participantes, preenchidas as
ferramentas com conteúdos pré-definidos e activado o “curso”, pode-se
afirmar que o conjunto forma um AVA, Haguenauer (2009) citado por
Haguenauer, Mussi & Filho (2009).

Em sua essência os SGA são constituídos de banco de dados, ferramentas


de gestão (de actividades académicas ou didácticas), ferramentas de
publicação de conteúdo e ferramentas de comunicação. As ferramentas de
gestão são voltadas para o suporte aos trabalhos de coordenação de cursos
ou disciplinas ou mesmo para o suporte ao trabalho do professor no
gerenciamento de sua turma. São exemplos dessas actividades: criar,
activar e desactivar turmas, inscrever alunos, relacionar professores com
suas turmas e atribuir status aos alunos, como por exemplo, aprovado,
reprovado, suspenso etc.

Em geral, esses sistemas permitem a definição de perfis diferenciados,


como administrador, coordenador, professor, tutor etc., com diferentes
níveis de acesso aos conteúdos e às funções da plataforma, por meio da
atribuição de login e senha, (Idem). O nosso sistema de gestão da UP
(SIGEUP) é uma plataforma criada com base nos SGA, tanto quanto o
Moodle. Para aprofundar este assunto, leia-se o artigo disponível na
internet, via: (tecnologiasnaeducacao.pro.br/revista/a1n1/rel13.pdf.)

O artigo retrata um exemplo de sistema de gestão de aprendizagem –


Quantum. com este sistema, é possível administrar cursos com total
flexibilidade e rapidez. De qualquer computador ligado à rede, docentes,
coordenadores e gestores podem ter acesso a notas, relatórios, histórico
dos alunos, actualizarem conteúdos, divulgar novas actividades, e muitos
outros recursos, Lima, Haguenauer & De Lima (s/d: 1).
62 Lição no 02

Moodle.
O Moodle é um LMS (SGA) destinado tanto quanto os outros, à
administração e gestãode cursos online (ou seja na Web). Esta é uma das
LMS mais usadas mundialmente. O Moodle é um acrónomodo ingles
Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (ambiente modular de
aprendizagem dinâmica orientada a objetos).
É um aplicativo desenvolvido para ajudar os educadores a criar cursos on-line, ou
suporte on-line a cursos a distância ou presenciais, de alta qualidade e com muitos
tipos de recursos disponíveis6. A sua principal filosofia educacional é o
construtivismo, ou seja, a ideia segundoa qual, o conhecimento resulta da

construção,interação e interatividade entre o professor e o aluno7.

A Universidade Pedagógica utiliza esta plataforma para gerenciar os cursos a


distãncia. Não é nosso objetivo nesta lição descrever todo o funcionamento do
Moodle, mas é importante salientar que com o Moodle pode-se compartilhar
materiais de estudo, manter discussões ao vivo, aplicar testes e avaliações,
pesquisas de opinião, coletar e revisar tarefas e notas.
De entre as principais ferramentas ou recursos da plataforma destacam-se: agenda,
bate-papo (chat), fórum, glossário, pesquisa de opinião, questionários, tarefas,
wikis, diários, etc. Para compreender mais sobre estas ferramentas pode-se
consultar o documento indicado no site dasnotas de roda-pé8.

É mister salientar que para ter acesso ao Moodle, o estudante deverá ser inscrito
no curso e nas disciplinasque frequentará. Ele terá um nome (usuário) e uma senha
com a qual poderá, sempre que necessário, aceder à plataforma. Da mesma forma,
os professores também são inscritos com as respectivas disciplinas por um
gestor/administrador do curso. Para aceder a esta plataforma na Universidade
Pedagogica, poderá usar o seguinte endereço: http://www.cead.up.ac.mz/,
conforme mostra a figura abaixo:

Após clicar
na

6
http://www.ead.edumed.org.br/file.php/1/PlataformaMoodle.pdf
7
http://www.abed.org.br/congresso2011/cd/150.pdf
8
http://www.abed.org.br/congresso2011/cd/150.pdf
Lição no 02 63

plataforma de cursos da Distância, uma outra janela aparecerá, onde vai ser
solicitado o nome do usuário e a senha, conforme dissemos atrás.

Enfim, é importante exclarecer desde já, a diferença principal entre os AVA’s e os


LMS. Na integra, estes dois ambientes tem o mesmo propósito, a construção da
aprendizagem. Existem, pois, autores que não encontram diferencas entre eles,
contudo, podemos referir que os LMS diferenciam-se dos AVA’s devido ao seu
carácter de gerenciamento, administraçãode cursos aos seus participantes, ao
passo que os AVA’s nao tem esse proprosito, apesar de haver construção da
aprendizagem. Nos LMS, o aluno tem um professor, tem actividades por realizar,
avaliações por responder e feedbacks por fornecer e no final uma classificação. Já
nos AVA’s, essa organizaçãonao existe. Pode-se comparar o AVA com a
educação informal ou não formal (aquela que o individuo aquire no seu
quotidiano, sem nenhumcontrolo sistemático) e o LMS à educação Formal (aquela
que é sistematicamente organizada por instituições competentes).

Em todo caso, podemos dizer que o LMS é em si, um AVA, pois, é um ambiente
de aprendizagem virtual, mas o contrário não se adequa.

Sumario
Esta lição aprendemos que os SGA’s tem sua base na gestão administrativa
dos ambientes de gestão de aprendizagem dos alunos, ou seja, estes
sistemas estão mais virados á administração de aprendizagens dos alunos
de um curso ou vários, através de atribuição de papeis diferentes a cada
64 Lição no 02

usuário. Assim, podemos encontrar, dentro de um SGA, o administrador,


docentes, coordenadores e gestores, alunos, etc. Ao contrario dos AVA’s
que estão mais virados à disponibilização de um ambiente ou uma rede
recheada de conteúdos de aprendizagem, os SGA fundam-se mais na
gestão dessas aprendizagem, na apresentação dos relatórios ou resultados
das aprendizagem e todo o processo educativo dos alunos. De algum modo,
estes dois sistemas se confundem pois, tem o mesmo propósito – a
aprendizagem, contudo, um é mais organizado em termos de gestãode
aprendizagem dos alunos e culmina com a certificação (LMS) e é
basicamente utilizado por escolas e universidades com propósitos
formativos; o outro é mais informal, sem muitas intenções de certificação,
por esta razão, com poucas ferramentas de gerenciamente das
aprendizagem.

Referimos pois, que o LMS é em partida um AVA, mas este não pode ser o
primeiro.
Lição no 02 65

Exercícios
Depois da leitura do texto que acabamos de apresentar, reflicta
sobre:
 O conceito de sistema de gestão de aprendizagem
Auto-Avaliação
 O que diferencia os SGA dos AVA;
 Exemplos de SGA conhecidos.

Feedback

1. Veja se na sua definição de SGA ou LMS trouxe palavras-


chave como: Ambiente, Construção, Gerenciamento,
administração, cursos, online ou virtual etc;

2. Veja se com base no texto apresentado acima, consegue


encontrar as diferenças básicas entre os AVA e os LMS,
sabendo que um engloba o outro e os dois tem o mesmo foco.

3. Encontre exemplos no texto dos SGA e para aprofundar mais


pode consultar na internet outros tipos de LMS existentes no
mundo e os mais usados.
66 Lição no 02

Bibliografia Recomendada
GONI, Jorge L. &RIVERA, Luís A. Um LMS – paradigmático para a
customacao de sistemas de gerenciamento de aprendizagem usando
objectos de aprendizado, s/d. [online] disponível via internet via
WWW.URL:

http://teyetrevista.info.unlp.edu.ar/files/No1/02_Um_LMS_Paradigmatico.
pdf. Consultado no dia 30/01/2015

HAGUENAUER, Cristina, MUSSI, Marcus Vinicius & FILHO, Francisco


Cordeiro. Ambientes virtuais de aprendizagem: definições e singularidades,
o
revista educaonline, volume 3 – n 2, Laboratório de Pesquisa em
Tecnologias da Informação e da Comunicação – LATEC/UFRJ,
Maio/Agosto de 2009. [online] Disponível na internet via WWW.URL:
http://www.latec.ufrj.br/revistas/index.php?journal=educaonline&page=arti
cle&op=view&path%5B%5D=112&path%5B%5D=298, consultado no dia
30/01/2015.

LIMA, Luciana Guimarães Rodrigues, HAGUENAUER, Cristina


Jasbinschek & DE LIMA, Alvaro José Rodrigues. Utilização dos recursos
de um sistema de gerenciamento de aprendizagem no portal espaço, s/d.
[online] Disponível na Internet via WWW.URL:
tecnologiasnaeducacao.pro.br/revista/a1n1/rel13.pdf

http://www.ead.edumed.org.br/file.php/1/PlataformaMoodle.pdf, acesso:
11/09/16
http://www.abed.org.br/congresso2011/cd/150.pdf, acesso: 11/09/16
Lição no 02 67

Lição no 03
Conteúdos didácticos digitais
Introdução
Nas liçoes anteriores pudeste aprender sobre os ambientes virtuais assim
como os sistemas de gesato de aprendizagem. O que diferencia estas
plataformas de aprendizagem com a sala de aula é a sua virtualidade, ou
seja, enquanto na sala de aula a interacao professor é física (offline), nos
AVA’s a interação é virtual (online). Nesta perspectiva a matéria de
discussão nestas duas plataformas, apesar de semelhante, ela apresenta
denominações diferentes e formatos também diferentes.

Nesta perspectiva você vai aprender nesta lição sobre os conteúdos


didácticos digitais, como sendo a denominação dos matérias ou conteúdos
abordados nos AVA’s. Você encontrará como sempre alguns conceitos
preliminares, pois, como se sabe, nada é absoluto, em especial os conceitos.
De seguida, vai poder discutir seus diversos formatos e critérios de
qualidade.

Você deve dispender cerca de 120minutos para estudar esta lição.

Quanto tempo?

No final desta lição, você deve ser capaz de:

 Elaborar conceitos dos conteúdos didácticos digitais


Objectivos da lição  Conhecer os diversos formatos de apresentação dos conteúdos
digitais
 Analisar os critérios de qualidade dos conteúdos didácticos
digitais patentes na Web ou ciberespaço.
68 Lição no 02

Conteúdo didáctico digital, usabilidade e acessibilidade

Terminologia

1.Conteúdos didácticos digitais


Torres & Mazzoni (2004: 152), explicam que um conteúdo é uma forma
semiologicamenteinterpretável, desenvolvida em determinado formato,
adquirindo significado consoante os antecedentes socioculturais dos
usuários que o acessam. Por outras palavras, o conteúdo torna-se
importante e relevante devido ao valor de uso que ele representa para o seu
destinatário.

Um conteúdo digital é assim caracterizado por estar as suas informações


codificadas em um sistema informático chamado código binário (0;1) e
serem processadas através de sistemas informáticos digitais.

Podemos entender por conteúdos digitais, a informação apresentada na


forma digitalizada, organizada para transmitir conhecimentos em níveis de
profundidade específicos, sobre determinado tema. Os conteúdos digitais
produzidos com propósitos educativos ou formativos, tendem a ser
aperfeiçoados em um processo dinâmico relacionado às necessidades dos
seus usuários, (Ibid: 154).

1.1.Critérios de qualidade dos conteúdos didácticos digitais


Na projecção dos conteúdos digitais a serem usados com objectivos de
aprendizagem, deve-se observar dois critérios de qualidade para os
mesmos: usabilidade e acessibilidade.

A usabilidade de um produto pode ser mensurada, formalmente, e


compreendida, intuitivamente, como sendo o grau de facilidade de uso
desse produto para um usuário que ainda não esteja familiarizado com o
mesmo.
Lição no 02 69

A ISO (international standard organization) define a usabilidade em


função da eficiência, eficácia e satisfação com a qual os usuários podem
alcançar seus objectivos em ambientes específicos, quando utilizam
determinado produto ou serviço.

Quanto à acessibilidade de um produto, consiste em considerar a


diversidade de seus possíveis usuários e as peculiaridades da interacção
dessas pessoas com o conteúdo, o que pode se manifestar tanto nas
preferências do usuário (exemplo: o que prefere ler a ouvir), quanto nas
restrições à qualidade do equipamento utilizado (exemplo: um usuário cuja
impressora só trabalha com preto e branco), ou, até mesmo na existência de
necessidades educativas especiais que não podem ser ignoradas pelos
desenvolvedores do produto (exemplo: entre os usuários pode haver alguns
que não ouçam os sons, consequentemente, mensagens sonoras são
inadequadas para eles), Torres & Mazzoni (2004: 152).

Discutir a usabilidade e a acessibilidade de conteúdos digitais corresponde


a aplicar os princípios do Design for all, o desenho para todos, ao conteúdo
digital em análise, pois, todas as pessoas (independentemente da tecnologia
que utilizem e do fato de ter, ou não, limitações oriundas de deficiência)
são beneficiadas pela aplicação desses princípios, (Ibid: 53).

1.Para você compreender melhor estes dois critérios procure verificar se o


telefone/tablet ou computador que usa apresenta características de
usabilidade e acessibilidade , ou seja, imagine que você é mudo/a
Actividade
conseguiria utilizá-lo da mesma forma como consegue agora?

2. Caso a resposta seja sim, apresente as características que permitiriam tal


uso; caso a resposta seja não, justifique apresentando os elemntos que lhe
faltam para que tal uso seja possível.
70 Lição no 02

Feedback
1. Para você certificar-se da presença destas características no seu aparelho,
veja se consegue utiliza-lo com certa facilidade mesmo com as
dificuldades que possam caracterizar-te.

2. Nesta pergunta voce deve identificar os aspectos que lhe permitem


afirmar ou não que o seu aparelho apresenta os critérios atrás discutidos:
acessibilidade e usabilidade. Por exemplo, se eu tenho um telefone que
abre todos os formatos de documentos e vídeos; para além visualizar um
documento em imagem pode transforma-lo em som, para os que nao
podem ler, etc. Ai eu posso dizer que meu telefone foi desenhado para
todos ou respeitou os princípios de design for all, caso não, o meu
telefone não foi desenhado para todos.

1.2.Apresentação dos conteúdos didácticos digitais: Texto, hipertexto,


hipermídia e multimídia.
Os conteúdos digitais podem estar em vários formatos, desde vídeo,
imagem, som, texto (convencional), etc. A conjugação destes mídias numa
só pode tomar os nomes de hipertexto, hipermídia ou multimídia.

Segundo Bizelli, Fiscarelli & De Oliveira (s/d: 1), entende-se por


hipermídia a intersecção entre hipertexto e multimídia, onde multimídia são
os diversos meios utilizados na representação de uma informação (texto,
vídeo, áudio, animação) e hipertexto é um sistema onde a informação em
geral aparece na forma de texto, organizada não-sequencialmente, mas por
meio de ligações entre palavras-chave.

Através desses recursos computacionais é possível apresentar o conteúdo,


necessário para a aprendizagem, de uma maneira dinâmica por meio de
textos explicativos, imagens, áudio, vídeos e animações.

Segundo Haguenauer, Mussi & Filho (2009: 11) a diferença básica entre
hipertexto e texto tradicional, reside na existência de links que permitem
uma nova forma de leitura do texto: a navegação não linear pelo conteúdo.
Ou seja, no formato hipertexto, o conteúdo apresenta links pelos quais se
pode navegar e compreender melhor outros assuntos relacionados ao tema
Lição no 02 71

em debate. Veja a figura abaixo: as palavras em azul, representam os links


pelos quais se pode navegar para enriquecer o conteúdo do texto ou algo
relacionado.

Fonte: capturado no wikipedia (03/02/15)

De algum modo, o hipertexto vem quebrar a linearidade dos textos


tradicionais, pois, diferentemente do livro convencional, o hipertexto não
tem uma única forma de ser lido. Ele apresenta múltiplas entradas e formas
de prosseguir. Conforme Maria, Prado & Tornaghi (2013: 28)

A evolução das TIC, por sua vez, apressa ainda mais uma mudança no
contexto escolar. Na cibercultura, os interlocutores de um processo de
comunicação podem ou não estar conectados simultaneamente, o que
estabelece uma relação diferente com os conceitos de contexto, espaço e
tempo. A linearidade cede lugar aos segmentos de uma enorme rede que
liberta o leitor para percorrer caminhos não previsíveis em seu processo de
leitura, pois, o texto pode estar repleto de hipertextos.

Em suma, como se refere Ramal citado por Maria, Prado & Tornaghi
(idem), o hipertexto é algo que está numa posição superior à do texto, que
vai além do texto. Dentro do hipertexto, existem vários links (ou mesmo
vários textos), que permitem tecer o caminho para outras janelas,
72 Lição no 02

conectando algumas expressões com novos textos, fazendo com que estes
se distanciem da linearidade da página e se pareçam mais com uma rede.
Quanto ao termo Hipermídia, por sua vez, é mais utilizado quando se quer
reforçar o fato de que diversas mídias estariam sendo utilizadas, como:
som, imagem estática (fotografias e desenhos), imagem em movimento
(animação e vídeo), além de gráficos, simulações etc. Neste caso, o termo
Hipermídia estaria indicando a utilização mais equilibrada das diferentes
mídias, sem que houvesse uma influência maior do texto alfabético
tradicional, Haguenauer, Mussi & Filho (op.cit., p. 11)
Podemos destacar que um documento que contém informações em mais de
um meio (mídia), como textos, imagens, sons, entre outros, é chamado de
documento multimídia. De salientar que, neste caso, os termos Hipermídia
e Multimídia9, embora com origensdiferentes, se aproximam em
significado.

Sumário
Nesta lição falamos dos conteúdos didácticos digitais como sendo a
informação apresentada na forma digitalizada, organizada para transmitir
conhecimentos em níveis de profundidade específicos, sobre determinado
tema, em especial de cunho educacional. Neste contexto, podemos
apresentar o texto digital, a imagem, o vídeo, ou a sua conjugação, como
sendo conteúdos didácticos digitais. Os conteúdos didácticos digitais
devem obedecer basicamente a dois critérios de qualidade, a usabilidade,
que refere-se ao grau de dificuldade que um conteúdo pode apresentar para
um usuário ainda não familiarizado e acessibilidade, que consiste em
considerar a diversidade de seus possíveis usuários e as peculiaridades da

9
Multimídia: etimologicamente “mídia” vem da palavra media, termo latino incorporado à
língua inglesa, cujo significado é meio/canal. No contexto actual, todo suporte de difusão da
informação que constitui um meio intermediário de expressão capaz de transmitir
mensagens; o conjunto dos meios de comunicação social de massas.
Abrangem esses meios o rádio, o cinema, a televisão, a imprensa, os satélites de
comunicações, os meios electrónicos e telemáticos de comunicação etc.] (HOUSAISS,
2009) citado por Maria, Prado & Tornaghi (2013: 68).
Lição no 02 73

interacção dessas pessoas com o conteúdo. Por outras palavras, os


conteúdos didácticos digitais devem respeitar ao principio design for all
que significa desenhado para todos, ou seja todo o conteúdo digital deve
estar criado para ser “consumido”por todos, independentemente das suas
limitações psicofísicas.
Os conteúdos didácticos digitais (também denominados de midias) podem
estar representados em vários formatos, desde os textos tradicionais ou
convencionais, vídeo, imagem, som, etc., ou na conjugação destes todos em
um apenas. Assim, os conteúdos digitais podem tomar o formato de
hipertexto, hipermidia ou multimídia e texto (simples ou convencional).
De forma geral, a separação destes formatos é uma questão didáctica, pois,
existem muitas semelhanças entre eles, em especial no ciberespaço.

Exercícios
Depois da lição apresentada e com auxilio a outros meios de
consulta, reflicta sobre as questões que lhe apresentamos abaixo:
Auto-Avaliação 1. Conceito de conteúdo didáctico digital
2. Critérios de sua qualidade
3. Principais diferenças entre texto, hipertexto e
hipermidia/multimidia
4. Classifique o presente modulo quanto à sua apresentação.

Feedback
1. Parta do principio de que quando estamos a falar de conteúdo didactico
digital, nos estamos referindo aos conteúdosdidacticos usados pelo
professor e o aluno na construção do conhecimento. O que diferencia
74 Lição no 02

estes com os digitais, é a sua forma de apresentação, ou seu formato.


Encontre no texto essa diferença.

2. Veja se encontra no texto as características que definem a sua


qualidade, a usabilidade e acessibilidade.

3. Para diferenciar o texto do hipertexto, saiba que este último é o


conjunto de textos em formas de Links; multimídiaseria o conjunto
formado de texto, vídeo, imagens, animações, (mais de um midia) para
formar um mesmo conteúdo. A junção de multimídiae hipertexto daria
o hipermédia.

4. Veja quantos midias perfazem ou caraterizam este módulo e justifica a


sua resposta.

Bibliografia Recomendada
BIZELLI, Maria H. S. S.; FISCARELLI, Sílvio Henrique & DE
OLIVEIRA, Luís António Andrade. Conteúdos digitais para ensino de
calculo: aceitação, demandas e expectativas dos alunos. SÃO PAULO,
Brasil, s/d. [online] disponível na internet via WWW.URL:
www.calculo.iq.unesp.br/PDF/conteudodigi-calculo.pdf. Consultado no
dia 02/02/15.

HAGUENAUER, Cristina, MUSSI, Marcus Vinicius & FILHO, Francisco


Cordeiro. Ambientes virtuais de aprendizagem: definições e singularidades,
o
revista educaonline, volume 3 – n 2, Laboratório de Pesquisa em
Tecnologias da Informação e da Comunicação – LATEC/UFRJ,
Maio/Agosto de 2009. [online] Disponível na internet via WWW.URL:
http://www.latec.ufrj.br/revistas/index.php?journal=educaonline&page=arti
cle&op=view&path%5B%5D=112&path%5B%5D=298, consultado no dia
30/01/2015.

MARIA, Elizabeth Bianconcini, PRADO, Elisabette Brisola Brito


&TORNAGHI. Introdução a educação digital: guia do cursista, 1a ed.,
Lição no 02 75

Brasília, 2013. [online] Disponível na internet via WWW.URL:


www.ruv.com.br/guia_do_cursista.pdf, consultado no dia 03/02/15

TORRES, Elisabeth Fátima &MAZZONI, Alberto Angel. Conteúdos


digitais multimídia: foco na usabilidade e acessibilidade, Brasília,
Maio/Agosto de 2004. [online] Disponível na Internet via
WWW.URL:http://www.brapci.ufpr.br/download.php?dd0=9029,
consultado no dia 31/01/2015.
76 Lição no 02

Unidade n° 04
Internet e seus recursos para
Educação

Introdução
A sociedade actual é caracterizada pelas profundas transformações em
quase todos os campos de actividade humana. Tais transformações sao
movidas pelas grandes evoluções que caracterizam a área das tecnologias,
especialmente as tecnologias de inteligências – Internet. Não restam
dúvidas que este factor é um dos mecanismos de mudanças socioculturais
nos nossos tempo. Desta forma, mesmo influencia directamente os
processos de ensino e aprendizagem. Assim você vai aprender nesta
unidade sobre a internet (Word Wide Web) e os seus recursos para o
campo da educação. Dito isto de outra maneira, é objectivo principal desta
unidade introduzir você à alguns conceitos básicos sobre a Internet, seus
usos (técnicas de pesquisa na internet; recursos da Web 2.0 para a
educação, etc.) bem como fazer breves observações dos desafios impostos
pela internet na educação, com especial destaque para a EAD.

Desta maneira, no final desta unidade você deve ser capaz de:
 Discutir o conceito Internet e seus recursos
 Utilizar a internet para pesquisa na educação
 Aplicar os diversos recursos da Web 2.0 na resolução de seus
Objectivos da problemas educacionais e sociais.
unidade  Reflectir sobre os desafios impostos pela internet na educação
(com destaque para o EAD).
Lição no 02 77

Internet, Recursos, Educação, Desafios

Terminologia
78 Lição no 02

Lição no 01
Introdução à Internet
Introdução
O surgimento e expansão da Internet modificou profundamente as actividades
humans. A educação é uma das áreas que vem sofrendo as influências do advento
da Internet. Neste sentindo você vai poder, nesta lição, discutir e clarificar os
principais conceitos, bem como identificar os seus principais serviços, para além
de questionar a viabilidade do seu uso na educação.

Em suma você vai abordar nesta lição os principais conceitos de internet, o seu
surgimento ou suas origens e os seus principais serviços, com destaque para
aqueles aplicáveis no processo de ensino e aprendizagem.

Você deve dispender cerca de 180 minutos para estudar esta lição.

Quanto tempo?

No final desta lição, o estudante deverá ser capaz de:

 Discutir as principais denominações de Internet e o historial do seu


Objectivos da lição surgimento;
 Identificar os principais serviços da internet e sua utilidade para
educação;
 Questionar o uso dos serviços da Internet na educação

Internet, Serviços, Educação


Terminologia
Lição no 02 79

1.1.Noções e breve histórico de Internet

A internet pode ser definida como sendo a rede mundial de comunicação


por computadores, permitindo aos seus usuários ou utilizadores a troca de
mensagens e acesso a grandes quantidades de informação, (AA.VV,2008:
962). A internet é de origem americana.

Castells (2007) entende que a Internet vista como rede global de redes de
computadores, actualmente, encontra a sua forma mais executável e de fácil
utilização na World Wide Web.

Nestes conceitos já apresentados podemos nos ater a três termos principais:


rede mundial, comunicação e computadores. Nestes termos podemos
acrescentar a partilha como sinónimo de comunicação, e onde há
comunicação há troca de informação. Assim, podemos concluir que a
Internet é todo o conjunto de computadores que formam uma rede mundial
de troca de informações de variadas tipologias.

A internet tem origens na ARPANET, uma rede de computadores


estabelecidas pela ARPA (Advenced Research Projects Agency) em
Setembro de 1969 nos EUA. A ARPANET era um projecto virado a reunir
investigações do mundo universitário, com o fim de alcançar uma
superioridade tecnológica militar sobre a União soviética, (Cfr. Castells,
2007: 26ss). A ARPANET foi criada por cientistas e engenheiros,
pertencentes a institutos de pesquisas de universidades como Califórnia,
Oxford e Harvard, usando alguns protocolos de comunicação denominados
TCP/IP (transmission control protocol e Inter-net-work protocol), em 1978.
Podemos mesmo dizer que a internet (enquanto evolução da ARPANET e
outras tecnologias de comunicação) surgiu num contexto militar e em
1990 libertara-se desse domínio para o público10.

Segundo Castells(op.cit., 31) o que tornou possível à Internet a sua


abrangência mundial foi a worl Wide Web, uma aplicação para partilhar

10
Para mais aprofundamento do percurso histórico da Internet, visite CASTELLS, Manuel.
A galáxia Internet: reflexões sobre internet, negócios e sociedade, 2a ed., Lisboa:
Fundação Calouste Gulbenkian, 2007
80 Lição no 02

informação, ou seja, ligar entre si diversas fontes de informação através de


um sistema interactivo de computação, desenvolvida em 1990 por um
programador inglês, Tim Berners-Lee. Na verdade a World Wide Web é um
navegador/editor (browser/editor), um sistema de hipertexto, uma interface
gráfica que permite tirar e introduzir informação de e em qualquer
computador ligado através da Internet (URL).

Cá entre nós, podemos dizer que a WWW é uma plataforma, um navegador


que permite aos usuários acessar as informações da Internet (sobre este
assunto, discutimos adiante).

Em suma, pode-se concluir que apesar da Internet estar já na mente dos


informáticos desde os anos 60, de em 1969 se ter estabelecido uma rede de
comunicação entre computadores e, desde final dos anos 70 se terem
formado várias comunidades interactivas de cientistas e hackers, para as
pessoas, as empresas e para a sociedade em geral, a internet nasceu em
1995, (Ibid., 33).

1. Agora você pode pensar, já teve contacto com a internet?

2. Quando foi a primeira vez que acedeu à internet? Ela mudou algo na
Actividade sua vida? Justifique-se

Feedback
1. A resposta é muito simples, pense e procure recordar-se de algum
dia ter acedido à internet. Caso tenha acedido diga sim, caso
contrário, diga não.

2. Caso tenha já acedido à internet, diga quando foi isso e o que


realmente mudou na sua vida. Por outras, diga se isso teve algo
impacto na sua vida ou não, justificando a sua resposta.
Lição no 02 81

1.2. Principais Serviços da Internet

Ainternet enquanto um campo de troca de informações, dados ou arquivos,


apresenta variados serviços para quase todos os dominós de actividades
humanas. Podemos mesmo dizer que, a internet (cultura virtual) apresenta
os mesmos serviços da cultura off-line, ou seja, aquela em que vivemos no
contexto real.

Para Vaz (2006: 4s) os serviços disponíveis na internet podem ser


agrupados nas seguintes categorias:

a) Correio electrónico ou email (electronic mail): constitui um dos


serviços mais utilizados na internet para a transmissão e recepção de
mensagens. É um serviço praticamente rápido, independentemente
da sua localização, vai te permitir enviar informação de todo tipo
(texto, imagem, vídeo e som). Na educação a distância este é tido
como uma ferramenta de comunicação (assincrónica) bastante útil
para você trocar impressões com seus colegas e seus tutores,
contudo, requer que vocês todos tenham (cada um) um email (ou
correio electrónico) e um dispositivo que vos leve à internet. Este
pode ser um telemóvel, um tablet ou ipad com suporte para 3G ou
um computador.
b) Chats ou dialogo na internet: existem diversas possibilidades de
conversação através da internet. A forma mais comum consiste no
recurso a chat onde você (utilizador) se encontra, virtualmente,
com outros utilizadores para conversar em tempo real. Actualmente
existem várias aplicações como o MSN Messenger, Whatsapp,
facebook, Twitter entre outros. É ainda possível conversar na
internet através de videoconferência (normalmente para reuniões
online ou em tempo real) ou através de Newsgroups (fóruns de
discussão) que permitem trocar ideias sobre variados temas.
c) Pesquisa de informações:realiza-se através de sites (páginas)
específicos chamados motores de busca ou de pesquisa, onde são
colocadas palavras-chave que permitem buscar de forma filtrada,
vários temas relacionados com as palavras introduzidas.
82 Lição no 02

d) Compras online: o e-commerce (comercio electrónico) o utilizador


tem a possibilidade de aceder a um enorme hipermercado e adquirir
uma imensidade de produtos diversificados. Ebay, amazon, yahoo,
são alguns exemplos de mercados online, só para citar.
e) Jogos e musica on-line: a internet disponibiliza recurso variados
de entretimento, a começar pelos jogos. Para os amantes deste
entretimento podem encontrar variados tipos de jogos e sempre ter
companhia mesmo que os seus amigos não estejam por perto. Na
internet é possível você ouvir determinada musica (através de
download), vídeo ou escutar uma estacão de rádio especifica.
f) Transferência de ficheiros: constitui uma das actividade mais
realizada pelos internautas. Há na internet, uma variedade de
ficheiros que podem ser transferidos para o computador (download).
Quando o processo é inverso, ou seja, quando transferimos ficheiros
do computador para a internet, o processo chama-se upload. Dentre
vários ficheiros passíveis de transferência podemos contar com
antivírus, jogos, musica, textos, videoclipes, sons, protectores de
ecrã, aplicações de vários usos. Estas aplicações podem ser
completamente gratuitos (freeware) ou demonstrações, com
limitações de algumas funcionalidade ou aplicações de tempo
limitado (programas de shareware).
Em suma, os serviços que você até aqui pôde conhecer, podem ser úteis
para a educação, em especial a EaD. O importante é que voce e o seu tutor
conheçam estes serviços e os coloquem ao serviço dos vossos propósitos.
No século XXI, não se pode falar de uma educação alheia aos serviços da
internet, até porque a educação é também um dos serviços da internet.

Sumário
Nesta lição vimos que a Internet pode ser definida como um conjunto de
computadores interligados em todo o mundo, estabelecendo troca de informações
e oferecendo serviços. A internet está actualmente embasada na Worl Wide Web
Lição no 02 83

(WWW). A principal característica da Internet é a comunicação e a partilha de


recursos e informações entre os computadores ligados. A Internet tem suas origens
na ARPANET (1969), um projecto Americano virado a reunir investigações
do mundo universitário, com o fim de alcançar uma superioridade
tecnológica militar sobre a União soviética, e em 1990, após várias
transformações passa a ser de uso público. Podemos referir ainda que a
Internet só se torna de uso público devido a criação da WWW (1990), pelo
Tim Berners-Lee, uma espécie de navegador/editor que permite a
congregar e transmitir informaçõesatravés de uma interface gráfica.
Contudo, o uso efectivo da Internet, inicia em 1995.

A Internet congrega infinitos serviços, como os correios electrónicos


(email), chats, trasnferencia de ficheiros, compras online, lazer, jogos,
música, pesquisa de informações, só para citar alguns.

Exercícios
Após a leitura do texto apresentado acima, veja se ocompreendeu refletindo sobre
as questõesque a seguir apresentamos para si:

1. Dê o conceito de Internet;
Auto-avaliação
2. Explique o contexto do surgimento da internet e o principal factor de
expansão e uso popular;

3. Mencione alguns serviçosda Internet;

4. Discuta a importância do correio electrónico, chats e transferência de


ficheiros no campo da Educação.
84 Lição no 02

Feedback
1. Na sua resposta veja se conseguiu aliar o conceito de
Internet a estes termos: ligações, comunicação, troca
de informação, recurso e serviços;

2. Veja se conseguiu trazer o contexto do surgimento da


Internet, (local, ano, âmbitoe finalidade inicial do
programa que deu origem a ele) e os seus principais
mentores. Veja ainda se conseguiu identificar o
aspecto crucial para o desenvolvimento da internet tal
como hoje a conhecemos, e o mentor desse aspecto;

3. Nesta pergunta é suficiente trazer alguns serviçosda


internet que constam do texto ou do seu conhecimento;

4. Encontrados os serviços da Internet, explique a sua


utilidade na educação. Por exemplo, o email, o chat, e
a transferência de ficheiros, qual pode ser a sua
utilidade na educação?

Bibliografia Recomendada

AA.VV. Dicionário da língua portuguesa – dicionários editora, Portugal: porto


editora, 2008.

VAZ, Isabel. Utilizar a Internet: depressa e rápido, 12a ed., Porto: FCA - editora
informática, Maio de 2006.

CASTELLS, Manuel. A galáxia Internet: reflexões sobre internet, negócios e


sociedade, 2a ed., Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.
Lição no 02 85

Lição no 02
Ferramentas básicas para o uso da
internet
Introdução
Conforme referimos na lição anterior a internet interfere em quase todos os
aspectos ou actividades da vida humana. Neste sentido a Educação não fica
de fora, mas para você poder tirar proveito dos recursos e informações
disponíveis na internet precisa saber como ela funciona, ou pelo menos que
ferramentas precisa dominar para lograr sucessos. Nesta vertente, você será
introduzido, nesta lição, ao uso da internet, ou seja, será dotado de
ferramentas essenciais para a busca de informações na internet sem muitos
constrangimentos. Para tal, traz-se nesta lição as duas ferramentas básicas
da internet: o motor de pesquisa ou de busca e o navegador (browser).

Você deve dispender cerca de 120 minutos para estudar esta lição.

Quanto tempo?

No final desta lição, você deve ser capaz de:

 Explicar o percurso histórico do surgimento e evolução do


Objectivos da lição navegador (browser)
 Diferenciar os conceitos navegador e motor de pesquisa
(busca);
 Identificar os principais motores de busca de informação na
Internet;
 Aplicar as duas ferramentas numa pesquisa da internet ;
86 Lição no 02

Internet, pesquisa, browser, motor de pesquisa

Terminologia

2. Navegador (browser) vs Motor de pesquisa (busca)


2.1. Navegador (browser)
A historia da internet, o uso dela tal como fazemos hoje, é sem dúvidas um
sucesso da invenção do browser , ou simplesmente, o navegador. Foi Tim
Berners-Lee (como já vimos na lição anterior), um programador inglês,
quem inventou em 1990, uma aplicação para partilhar informação, a
World Wide Web (WWW). Na verdade este é um sistema de hipertexto que
permite tirar e introduzir, para além de visualizar informações de qualquer
computador ligado através da Internet (HTTP, HTML ou URL). A primeira
versão modificada de Navegador criado foi a ERWISE (1992), seguindo a
MOSAIC (esta tinha uma capacidade gráfica bem avançada) todos com fins
comerciais. A Netscape Navigator viria a substituir a MOSAIC em 1994,
mas lançado gratuitamente em 1995 para fins educativos e com um custo
de 39 dólares para empresas. A Microsoft, com êxito da Netscape
Navigator, incorporou no seu sistema operativo (SO) Windows 95, seu
próprio browser, a Internet Explorer que até hoje é usado em todos
sistemas Windows, (Castells, op.cit., 32s).

Hoje, com a expansão e desenvolvimento de sistemas informáticos, muitas


empresas, programadores independentes, desenvolvem seus próprios
navegadores e, de certa forma, de fácil utilização para o utilizadores.
Desses navegadores (browsers) temos a seguintes lista (dos mais usados):
Googlechrome, Mozilla Firefox, Safari, Opera mini, etc.

Em suma a função essencial de um navegador é permitir a visualização de


informações disponíveis na internet, contudo, nos dias de hoje, não basta
que os navegadores disponibilizem informações, é necessário que
disponibilizem mecanismos de segurança na navegação, estabilidade,
interactividade bem como velocidade na exibição de conteúdos. Estes
Lição no 02 87

serão, em alguns casos, os critérios de escolha de um navegador pelo


utilizador.

Como refere Vaz (2006: 12), os navegadores, possibilitam, assim, utilizar,


na sua globalidade, todos os recursos da Internet, da consulta de sites ao
envio de e-mails, da transferência de ficheiros (downloads) à comunicação
em tempo real.

2.2. Motor de pesquisa (busca)


Segundo Vaz (op.cit., 28) os motores (seach engine) de pesquisa
representam os sites que possuem uma vasta base de dados, que
éactualizada periodicamente, contendo ainda, uma vasta lista de endereços.
Em norma, os responsáveis por cada site (webmasters) enviam para os
motores de pesquisa, o endereço do site e um breve resumo do mesmo.

A formas de pesquisa são basicamente idênticas em todos os motores de


busca. Estes possuem uma área para digitação das palavras-chave e um
botão para iniciar a pesquisa, contudo, cada motor de pesquisa pode
apresentar suas próprias especificidades ou funcionalidades, vide a imagem
abaixo:

Fonte:https://www.google.co.mz/?gws_rd=cr,ssl&ei=LempV5mQGsuMsg
H7pqCQBA, acesso 09/09/16
88 Lição no 02

Cendón (2001: 41), salienta que todos os motores actuais utilizam o método
de robô (aranha), sendo formado por quatro componentes: um robô, que
localiza e busca documentos na Web; um indexador, que extrai a
informação dos documentos e constrói a base de dados; o motor de busca
propriamente dito; a interface, que é utilizada pelos usuários11.

Em suma, e em síntese, podemos dizer que, os motores de pesquisa são


pequenos programas que possibilitam o acesso à conteúdos disponíveis na
internet, com base nos comandos do utilizador, geralmente, usando
palavras-chave. Podíamos mesmo, comparar um motor de pesquisa (busca)
à uma aranha ou à um polvo, que com seus tentáculos, consegue atrair para
si, tudo o que pretende. Assim, o motor de busca ajuda-nos a trazer, a partir
das termos introduzidos no mesmo, os endereços (links) que abordam o
assunto pretendido. Sem eles (seach engines ou moteres de busca), seria
difícil ou quase impossível acessar conteúdos na Internet ou, por outra, o
usuário, seria obrigado a conhecer os endereços onde a informação
estivesse alojada, para dela dispor-se.

Nossa pretensão aqui não é descrever os vários tipos de motores, mas


apresentamos uma lista de alguns motores de busca que o estudante pode
fazer uso: Google, Ask.com, Yahoo, MSN, AOL, altavista, Sapo,
WebCrawler, Dogpile, Netscape, Snap, Alexa, alltheweb, entre outros, vide
a imagemabaixo:

11
CENDÓN, Beatriz Valadares. Ferramentas de busca na Web, Brasília,
Janeiro/Abril de 2001
Lição no 02 89

Fonte:http://br.ccm.net/faq/11977-como-funciona-um-motor-de-busca,
acesso: 09/09/16

Sumário
Nesta lição você aprendeu sobre os mecanismos básicos para aceder a
Internet: navegador (browser) e o motor de busca (search engine).
Referimos que o navegador permite a visualização de informações
disponíveis na internet, além de fornecer segurança e interatividade com o
conteúdo da página. Por sua vez, o motor de busca compara-se a um polvo
que com seus tentáculos atrai tudo que seja do seu interesse. Assim, o
motor de busca, conforme o próprio nome diz, é dotado de ferramentas que
facilitam a busca de informações que você procura.

Exercícios
1. Explique o percurso histórico do surgimento e evolução do navegador
(browser)

2. Diferencie o motor de busca (seach engine) com o navegador (browser);

3. Identifique pelo menos 5 navegadores do seu conhecimento

4. Identifique o navegador do seu aparelho (seja ele telefone, computador,


Auto-Avaliacão
tablet ou Ipad) e descreva como ele funciona (suas características básicas).

Feedback
1. Analise se a sua resposta relacionou o surgimento da navegador com o
advento da internet, se conseguiu trazer seu principal mentor e as
principais versões até chegar às actuais.

2. Na sua resposta, veja se conseguiu relacionar o Motor de busca à aquela


ferramentaque permite ao usuário pesquisar e encontrar a informaçãoque
precisa, e o browser ou navegador à aquela plataforma que disponibiliza,
congrega e serve de interface entre o internauta e os sites de informação.
90 Lição no 02

3. Veja se conseguiu identificar alguns navegadores actuis de uso comum,


como googlechrome, firefox, opera mini, etc.

4. Procure no seu telefone, tablet ou computador, algum tipo de navegador e


caracterize o seu funcionamento, por exemplo, de que é constituído, o que
ele requer para navegar na internet, a facilidade de seu uso ou não e a
eficácia dos seus resultados.
Lição no 02 91

Lição no 03
Técnicas de pesquisa na Internet
Introdução

Referimos na lição anterior que a internet funciona com base em algumas


ferramentas. Você aprendeu que há dois mecanismos básicos sem os quais
não é possível aceder a internet: o navegador e o motor de busca. Mas
devido a diversidade de temáticas ou assuntos que constam da internet, é
necessário que você seja dotado de outros recursos ou tecnicas para poder
ter acesso a informação que precisa sem muitos esforços. Desta maneira,
você vai aprender nesta lição sobre as tecnicas de pesquisa na internet e a
sua aplicação.

Você deve dispender cerca de 120 minutos para estudar esta lição.

Quanto tempo?

No final desta lição, você deve ser capaz de:

 Identificar os principais tipos de pesquisa e as técnicas


Objectivos da lição referentes
 Explicar a aplicação de qualquer técnica de pesquisa aprendida;
 Aplicar as tecnicas aprendidas na investigação

Internet, técnicas de pesquisa

Terminologia
92 Lição no 02

3. Principais Técnicas de Pesquisa na Web


A Internet é hoje um campo com tantas hiperligações, constituindo um
sistema de informações variadas ou de tipologias diversas. Isto, desafia a si
ao conhecimento de técnicas básicas para o alcance de seus objectivos na
Web (Internet). Neste ponto da nossa reflexão, propusemo-nos a trazer
essas técnicas para que, com base nelas, você possa com facilidade, chegar
aos seus intentos enquanto internauta.

Em pesquisa na internet podemos ter dois tipos básicos:

a) Pesquisa simples: aquela que dispensas técnicas avançadas de


pesquisa, ou seja, usa como base, palavras-chave do conteúdo
pretendido. Nesta pesquisa, é necessário que o utilizador/internauta seja
preciso no que procura, transformando, deste modo, a ideia do que
pretende em palavras-chave. Assim, basta que se introduza a palavra
(ou palavras) no motor de pesquisa e de seguida apertar o botão Enter
ou clicar no botão pesquisar. A seguir teremos uma vasta lista de
resultados, pelos quais podemos percorrer e acessar, dependendo da
pertinência dos conteúdos abordados.
b) Pesquisa avançada: conforme o próprio nome refere, esta pesquisa
requer o estabelecimento de algumas condições a prior. Vaz (op.cit.,
31ss) avança que a pesquisa avançada permite definir condições que
possibilitam filtrar e tornar mais fiável e objectiva a informação obtida,
evitando, deste modo, perdas de tempo em consultas de sites que podem
não conter informação procurada.

Quando trabalhamos no Google, por exemplo, podemos perceber que este


motor traz consigo uma ligação Pesquisa Avançada, na qual podemos
clicar, após a introdução da palavra (ou palavras-chave) e definirmos as
condições (na janela a seguir) que podem ser: a língua, formato de ficheiro,
data de publicação do ficheiro, pais de origem (ou domínio), etc. É
possível, ainda, determinar as condições através da ligação Preferências,
que permitirá ao Google gravar as suas preferências para pesquisas
posteriores.
Lição no 02 93

A seguir apresentamos outras técnicas passíveis de serem usadas em


qualquer motor de busca. Pode-se agrupar as técnicas em:

a) Pesquisa avançada com uso de operadores boleanos (AND, NOT,


OR, e ASPAS) e expressões matemáticas (adição, subtracção e
asterisco). Os operadores beleanos têm sido substituídos pelas
expressões matemáticas, pois, em última instância, os resultados do seu
uso não se diferem tanto dos das expressões matemáticas. Por esta
razão, focaremos mais atenção à estas últimas.
 Quando se insere uma palavra no motor de busca, sucedida de
outras, precedidas do sinal “+” sem espaçamento, o motor de busca
trará resultados com todas as palavras introduzidas, pois, o sinal é
adição. O contrário (subtracção) seria a omissão das palavras
precedidas pelo sinal.

Ex: Se o pesquisador estiver a procura de informações sobre a pesquisa,


especialmente pesquisa cientifica: Pesquisa +cientifica, os resultados a ter
serão paginas contendo as duas palavras, omitindo todas aquela que
contenham a palavra pesquisa sem cientifica. Se pelo contrário, estiver a
procura de informações relacionadas com a pesquisa, mas que não
contenham a palavra cientifica (pesquisa –cientifica), os resultados a obter
serão páginas contendo a palavra pesquisa, omitindo todas aquelas que
contém as duas palavras em simultâneo.

 Quando no inicio de uma palavra se insere o operador * (cien*) sem


espaçamento, o motor de busca trará paginas contendo palavras
iniciando com a expressão introduzida, funcionando assim, como
um condensador de família de palavras;

Ex: Se o pesquisador estiver a procura de informações relacionadas com a


ciência, pode inserir no motor de busca a expressão cien* e os resultados
serão páginas contendo palavras iniciadas por cien, como: ciência,
cientifica, cientificidade, etc.

 O operador entre aspas (“ ”) usa-se quando o pesquisador estiver a


procura de palavras especificas como “Pérola do Índico”. Os
94 Lição no 02

resultados obtidos serão páginas contendo as palavras em destaque


pérola do indico, excluindo aquelas que contenham a palavra pérola
ou Índico, separadamente.
b) Pesquisa avançada com uso de terminações como ( gov, ac, co, org,
edu, etc).

O uso de terminações serve para determinar que os nossos resultados


estejam alojados ou construídos por entidades do governo (gov) ou centros
de pesquisas comerciais (co); educacionais (edu), académicos (ac) ou
outras organizações (org). Desta maneira, se o pesquisador estiver a
procura de informações relacionadas com pesquisas cientificas em paginas
governamentais, o mais indicado é introduzir no motor de busca o seguinte:
pesquisa cientifica site:gov. Os resultados obtidos estarão alojados em
endereços cuja terminação é gov. O mesmo pode ser aplicado para as
restante terminações.

c) Pesquisa avançada por tipo de ficheiros ou filetype ( doc, pdf, xls,


ppt, jpg, gif, etc.).

Esta pesquisa pode ainda ser designada por pesquisa avançada por tipo
de extensão.

Esta técnica de pesquisa permite ao pesquisador obter informações ou


resultados em um determinado ficheiro, excluindo aqueles que não estejam
no formato pretendido, ou seja:

 Se o pesquisador pretende informações sobre as Finanças públicas


em Moçambique, pode escolher, dos tipos de ficheiro (ou extensão),
aquele que mais se adequa à sua pesquisa.

Ex: Pretende-se informações sobre as Finanças públicas em


Moçambique, que estejam no formato pdf, bastará escrever no motor de
busca o seguinte: Finanças Públicas em Moçambique:pdf; os resultados
obtidos serão páginas contendo informações com a extensão pdf
(portable document format).

d) Pesquisa avançada por combinações: consiste na combinação das


técnicas atrás mencionadas para realizar a pesquisa. Assim, é possível
Lição no 02 95

combinar, por exemplo, uma pesquisa por expressões matemáticas com


uma pesquisa por terminações.

Ex: se o estudante estiver a procura de informações sobre Moçambique mas


quer eliminar páginas que falem de politica, pode combinar as seguintes
técnicas: Moçambique –“politica”; os resultados obtidos serão páginas
contendo o termo Moçambique, excluindo todas aquelas que tratam ou
contenham as duas palavras (Moçambique e politica) ou que fazem
reflexões politicas sobre este país.

Adverte-se, no entanto, para não combinar mais de duas ou três técnicas


por forma a evitar instruções contraditórias.

Sumário
Nesta lição você aprendeu sobre as principais tecnicas de pesquisa na internet.
Referimos que devido a infinitude de informações disponíveis na Internet, o você
é chamado a usar algumas técnicas básicas e especificas para conseguir a
informação que procura, em menos tempo e com custos razoáveis, dai a
necessidade das tecnicas de pesquisa. Para seu melhor entendimento dividimos as
pesquisas em dois grandes grupos :pesquisa simples e pesquisa avançada, onde na
pesquisa simples utilizam-se palavras-chave que se introduzem no motor de busca
para trazer a informação pretendida. Já a pesquisa avançada baseia-se no uso
especifico ou combinado de tecnicas como: operadores boleanos,terminações
(gov,co, ac,org, etc.), tipos de ficheiros (pdf, doc, ppt, etc.,) e a combinação de
duas ou mais dessas técnicas.

Exercícios
1. Identifique os tipos de pesquisa que você aprendeu e as suas respectivas
técnicas básicas ;

2. Explique como usar a pesquisa avançada com base nos operadores


boleanos e por tipo de ficheiros;
Auto-Avaliacão
96 Lição no 02

3. Imagenine que um estudante de EAD está à procura de informações sobre


o conceito inovação mas sem a palavra tecnologia, que tipo e técnicas de
pesquisa utilizaria para alcançar os seus objectivos?

Feedback
1. Na sua resposta, veja se conseguiu trazer os dois tipos de pesquisas
abordados e se em cada tipo, trouxe as principais tecnicas usadas para
fazer a pesquisa. Caso não, recomenda-se que volte a ler melhor o
conteúdo referente.

2. Aqui você deve explicar minunciosamente como aplicar a pesquisa


avançada usando alguns operadores boleanos como AND, NOT, e ASPAS
e em seguinda como fazer pesquisa aplicando tipos de ficheiros (ex.pdf,
doc, ppt)

3. Para melhor resposta volte a ler sobre as tecnicas de pesquica avançada e


tente perceber como se faz uma pesquisa cujo algumas palavras não
precisam constar nos resultados.
Lição no 02 97

Lição no 04
Recursos da Web 2.0 para educação.

Introdução
Você aprendeu nas lições anteriores sobre os serviços da internet, como é o
caso do email, os jogos, entre outros. Nesta lição não queremos voltar a
focar os mesmos aspectos, mas não há duvidas de que tais serviços, são
recursos importantes para a educação, desde que sejam, devidamente
utilizados. Nesta lição, você vai aprender sobre outros recursos que a Web
2.0 fornece, que podem ser utilizados tanto para a educação, como para
outros campos de actividade humana.

Pela sua amplitude, não traremos todos eles, até porque não caberiam neste
módulo, mas apresentamos aqueles que neste momento se acham
pertinentes para o conhecimento do estudante. Nesta perspectiva, você vai
encontrar recursos de armazenamento e partilha online e offline, bem como
recursos ou plataformas de pesquisa (Google-academico, youtube, etc.).

Para além desses aspectos atrás mencionados, você vai encontrar


exclarecimentos sobre os conceitos e domínios de Web 2.0 e a Transição da
Internet (Web 1.0) à Web 2.0

Você deve dispender cerca de 180 minutos para estudar esta lição.

Quanto tempo?

No final desta lição, você deve ser capaz de:

 Explicar a diferença entre Web 1.0 e Web 2.0


Objectivos da lição  Utilizar as ferramentas de armazenamento online na
98 Lição no 02

conservação de seus arquivos na internet ;


 Usar o Google-acadêmico e youtube como ferramentas de
pesquisa para a educação;
 Criar formulários/questionários para a recolha de dados de
uma pesquisa científica com uso do Google;

Web 2.0, Recursos, Educação


Terminologia

4.1. De Web 1.0 a Web 2.0?

A Internet pode ser dividida, até então, em dois momentos: o primeiro como
sendo a era Pré-WWW, anterior a 1995;este foi o momento em que “a
comunicação mediada pelo computador era assunto sem importância,
abrangendo apenasalgumas centenas de milhares de usuários devotos; o
segundo momento seria a transição da Web 1.0 para aquela que é atualmente
conhecida como Web 2.0. Atualmente a Internet está interligada a mais de 200
países, permitindo a conexão de inúmeras pessoas em todo o mundo,
permanecendo, desde então, em processo contínuo de crescimento e evolução12.

A Web 2.0 é um termo usado para designar uma segunda geração de


comunidades e serviços, tendo como conceito a Web (internet) e atravésde
aplicativos baseados em redes sociais e tecnologia da informação. Web 2.0 foi
criada em 2004 pela empresa Americana O'Reilly Media13.

Podemos assim, entender que a Web 2.0 seria uma evolução da Web 1.0, cuja
funcionalidades na primeira não eram interactivas ou colaborativas, ou seja, não
era um cidadão comum que podia colocar a informação à disposição na internet,
como hoje acontece com a Web 2.0.

12
https://www.moodlelivre.com.br/noticias/587-breve-historico-sobre-a-internet, acesso:
09/09/16
13
http://www.significados.com.br/web-2-0/
Lição no 02 99

Se formos a observar, por exemplo, a enciclopédia Wikipedia online, apresenta


ferramentas de edição, o que significa que, a sua estrutura deixou de ser rígida,
abrindo possibilidades para que internautas de diversos pontos do mudo,
colaborem para a qualidade da informação que nela constam.

A filosofia da Web 2.0, diferentemente da Web 1.0, é tornar o ambiente on-line


mais dinâmico e fazer com que os usuários (mesmo com poucas experiências)
colaborem para a organização de conteúdo. A primeira geração da internet (Web
1.0) era muito rígida e não era interactiva, apresentava um único sentido
(unidireccional) como se fosse a “pedagogia do oprimido de Paulo Freire”.

4.2. Web 2.0 e Educação

Para a educação, a Web 2.0 trouxe muitos contributos, pois, com a


interactividade possibilitou o desenvolvimento de sites colaborativos onde a
informação pode ser trabalhada por todos.

Com o aparecimento da Web 2.0 muitos sites deixaram de constituir estruturas


rígidas e estáticas e passaram a ser plataformas onde pessoas podem contribuir
com o seu conhecimento para o benefício de outros internautas. Assim, a Web
2.0 potencia e facilita a obtenção de conhecimento, tendo um impacto precioso
na educação. A seguir, você vai encontrar algumas funcionalidades aplicáveis
na educação, resultado da interactividade, abertura e simplicidade da Web 2.0.
(Para mais exclarecimentos sobre esta matéria leia-se o documento disponível
em:http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/13106/1/%202014_art_rnrsant
os.pdf.)

4.2.1 Recursos de Armazenamento de Informação

4.2.1.1. Recursos de armazenamento offline ou Físico

Com o aumento da produção de informação em formato digital, tem sido


questionada cada vez mais a importância de se ter garantida a sua
disponibilização e preservação por longos períodos de tempo. A natureza
dos documentos digitais está permitindo ampla produção e disseminação de
100 Lição no 02

informação no mundo actual. É fato que na era da informação digital se


está dando muita ênfase à geração e/ou aquisição de material digital, em
vez de manter a preservação e o acesso a longo prazo aos acervos
electrónicos existentes, (Arellano, 2004: 15)
Desta forma, a aplicação de estratégias de preservação para documentos
digitais é uma prioridade, pois, sem elas não existiria nenhuma garantia de
acesso, confiabilidade e integridade dos documentos a longo prazo.
Os dispositivos físicos de armazenamento de dados ou informações são
mecanismos de arquivo ou conservação de documentos para o uso
posterior. Os dispositivos físicos, também denominados de hardware de
armazenamento têm estado a evoluir ao longo dos tempos, especialmente
no tamanho e capacidade de armazenamento e velocidade de
processamento.
De entre os dispositivos físicos de armazenamento existentes no mercado
informático podemos destacar: disquete, disco rígido, CD, CD-R, CD-RW,
DVD, disco HD, Cartão de Memoria, flash ou Pen-drive (USB), etc. Veja
algumas imagens abaixo:

Fonte: https://www.google.co.mz/search?q=dispositivos+de+armazenanto.
Não é nosso
objectivo nesta secção, discutir cada dispositivo, contudo, para aprofundar-
se o estudo desta matéria, pode-se consultar o manual de informática
disponível na internet14

14
www.guiadoconcursopublico.com.br/apostilas/18_113.pdf;
https://www.grancursos.com.br/downloads/editora/.../Informatica.pdf.
Lição no 02 101

Vantagens e Desvantagens das Ferramentas de armazenamento


físico de arquivos.
O suporte físico da informação, o papel e a superfície metálica magnetizada
desintegram-se ou podem tornar-se irrecuperáveis. Existem, além disso, os
efeitos da temperatura, humidade, nível de poluição do ar e das ameaças
biológicas; os danos provocados pelo uso indevido e o uso regular, as
catástrofes naturais e a obsolescência tecnológica, (Arellano, 2004). Ou por
outra, os suportes físicos tem o beneficio de fornecer a informação sempre
que for oportuno sem ter que acessar a Internet, são mais usuais para
lugares onde seja difícil aceder à Web, contudo, são mais susceptíveis de
danificar-se, para além do seu custo elevado no mercado.

Sumário
Nesta lição você aprendeu um pouco sobre os primórdios da Internet (Web
1.0) e a sua evolução ou transição para Web 2.0. Notou que dois momentos
podem ser distinguidos quando se fala da web. O primeiro que é aquele
cujo os usuários eram grandes conhecedores da área de informáticae cuja
interatividade com outros internautas com pouca ou nenhuma experiência,
era nula, (pode-se até resumir como sendo o momento antes do surgimento
das redes sociais). O segundo momento é o da Web 2.0, onde a
interatividade, colaboração, construção são palavras-chave. Aqui qualquer
usuário com mínina experiência pode fazer uso da internet e está à sua
disposição diversos serviços e ferramentas, em especial da
educação.Trouxemos como exemplos aqui das tecnologias de
armazenamento (offline) e a seguir traremos as de online e terminaremos
com a Google e suas principais ferramentas.

Os recursos de armazenamento físico ou offline podem ser entendidos


como sendo mecanismos ou dispositivos que guardam ou conservação a
informação digital, podendo também compartilhar com outros usuários. O
termo físico aqui, significa algo concreto, palpável, um hardware. De entre
102 Lição no 02

estes dispositivos de armazenamento físico, podemos destacar: disco HD


(hard disc), USB ou flash, disquetes, disco portátil, cartões de memória,
CD’s e DVD, etc. Estes dispositivos oferecem a vantagem de serem
acessíveis offline, ou seja, não é necessário estar ligado a internet para
poder aceder as informações neles guardada, contudo, são de algum modo,
fáceis de danificação, devido às condições climáticas e de uso.

Exercícios
Feita a leitura da lição anterior, reflicta sobre as questões a seguir:
1. Explique a diferenca entre a Web 1.0 e a Web 2.0
Auto-Avaliação 2. O que são dispositivos de armazenamento offline
3. Dê exemplos de dispositivos de armazenamento físico do seu
conhecimento
4. Discuta as vantagens e desvantagens do uso desses
dispositivos.

Feedback
1. Procure verificar na sua resposta se conseguiu trazer os principais
aspectos que diferenciam estes momentos da evolução da internet:
como era a internet antes da Web 2.0 e como se caracteriza
actualmente.
2. Veja se conseguiu relacionar o conceito de dispositivos de
armazenamento offline com todos os dispositivos informáticos que
armazenam informações fisicamente. Caso não tenha conseguido, repita
a sua leitura sobre esse assunto ou peça aos colegas que o/a ajude.
3. Dê exemplos das tecnologias de armazenamento offline (físico);
4. Mostre as vantagens e as desvantagens de uso dos dispositivos de
armazenamento offine (físico);
Lição no 02 103

Bibliografia Recomendada
ARELLANO, Miguel Angel. Preservação de documentos digitais, Brasília,
Maio/Agosto de 2004. [Online] Disponível na internet via WWW.URL:

www.scielo.br/pdf/ci/v33n2/a02v33n2.pdf, consultado no dia 04/02/2015.

www.guiadoconcursopublico.com.br/apostilas/18_113.pdf; consultado no dia


5/02/15

https://www.grancursos.com.br/downloads/editora/.../Informatica.pdf; consultado
no dia 5/02/15

https://www.moodlelivre.com.br/noticias/587-breve-historico-sobre-a-
internet, acesso: 09/09/16
104 Lição no 02

Lição no 05
Recursos de armazenamento da Web 2.0

Introdução
Na lição anterior você aprendeu sobre os recursos de armazenamento offline ou
físicos e pôde perceber que estes estão aliados a todos os recursos físicos de
armazenamento como USB, disco rígido, CD, DVD, etc. Contudo, a Web 2.0
apresenta alguns recursos de armazenamento que nao se encontram fisicamente
estabelecidos mas são plataformas virtuais, em que você pode armazenar dezenas
e milhares de gigas de informação. Neste contesto, você vai aprender nesta lição
sobre alguns desses recursos que já sao usados por muita gente em todo mundo.

Você deve dispender cerca de 120 minutos para estudar esta lição.

Quanto tempo?

No final desta lição, você deve ser capaz de:

 Defiir o que são recursos de armazenamento online


Objectivos da lição  Identificar alguns recursos ou plataformas de armazenamento
online;
 Utilizar alguns desses recursos no armazenamento de seus
arquivos.

Web 2.0, Recursos, armazenamento

Terminologia
Lição no 02 105

5. Recursos de armazenamento da Web 2.0

Como referimos antes, nesta lição pretendemos fazer conhecer ao


estudante, as ferramentas de armazenamento e partilha de arquivo
oferecidos pela Web bem como divulgar o seu uso. Importa salientar que
estes recursos também são chamados tecnologias de armazenamento online
ou em nuvens.

O armazenamento e partilha de informações ou dados pode ser feito, para


além dos dispositivos físicos ou offline. Com o desenvolvimento das
tecnologias de inteligência, muitos são os pesquisadores que têm envidado
esforços no sentido de diminuir os impactos negativos resultantes do
armazenamento offline.

Com a popularização de pequenos dispositivos móveis, como


smartphones, tablets e notebooks, e com o exponencial crescimento da
quantidade de pessoas que passaram a utilizar computadores, sistemas
compartilhados e outros tantos recursos que a computação moderna nos
proporciona, aumentou também a preocupação dos usuários com itens,
como a segurança e o armazenamento de dados.

Até muito recentemente, era comum que proprietários de dispositivos


móveis perdidos, ficassem mais desesperados pelos dados que haviam
no aparelho porque nunca seriam recuperados, do que com o próprio
aparelho em si. Também é uma constante no actual mundo corporativo
e já virtualizado, que os usuários sejam direccionados a nunca
armazenarem informações no computador local, de forma a evitar
perdas de dados, devido à avarias no equipamento, roubo de
informações, desastres naturais entre outros 15.

15
http://imasters.com.br/infra/cloud/conheca-12-sistemas-de-armazenamento-em-
nuvem-gratuitos/
106 Lição no 02

5.1 Vantagens e desvantagens das tecnologias de


armazenamento online.
As tecnologias de armazenamento de arquivos online oferecem mais vantagens
que desvantagem. Uma das vantagens é o acesso de seus arquivos em qualquer
parte do mundo e com qualquer aparelho, sem ter a necessidade de estar com o
dispositivo físico com o qual fez o upload (carregamento) da informação. A
computação em nuvem, tratando-se de uma tecnologia de armazenamento e
partilha ou troca de arquivos informáticos, pode contribuir para a construção de
arquivo de informações de institucionais ou pessoais. Desta maneira, reduzir-se-ia
o excessivo uso de papel e, consequentemente, a redução da poluição ambiental
por este material. Por outro lado, o uso destas plataformas, pode melhorar a
eficiência organizacional em termos de disposição de arquivos importantes da
instituição, desde as monografias, trabalhos de estudantes, pesquisas, entre outros
documentos. Estas plataformas permitem evitar ainda, a perda de informações,
como em casos de perda de computador, smartphone ou qualquer outro aparelho
de armazenamento de informações, além de permitir a troca ou partilha de dados
entre vários usuários.

A desvantagens destes sistemas está relacionada ao facto de que os seus arquivos,


softwares e outros tipos de dados estão armazenados online, fazendo com que seja
sempre necessário o acesso à internet, ou seja, caso haja algum problema na sua
conexão, o usuário não terá como acessá-los, até que a falha seja resolvida.
Outra desvantagem do armazenamento em nuvem diz respeito à segurança e à
privacidade dos dados guardados no serviço, uma vez que importantes
informações do usuário ficam salvas em servidores online, e como o acesso a eles
é feito, muitas vezes, em computadores públicos, há possibilidade de que logins e
senhas sejam roubados ou vulneráveis a terceiros16.

Actualmente, existe uma infinidade de sistemas de armazenamento em


nuvem que vieram para solucionar estes e muitos outros problemas.
Existem diversas soluções disponíveis no mercado, tanto comerciais
quanto gratuitas. Neste ponto do módulo, apresentamos as soluções
gratuitas, independentemente do sistema operacional utilizado, que
podem ser aproveitados por todos. O papel das TIC na escola, é prover
os alunos, professores e gestores, de conhecimentos sobre estas

16
http://www.mundodastribos.com/armazenamento-em-nuvem-vantagens-e-
desvantagens.html
Lição no 02 107

ferramentas para que possam utilizá-las no seu dia-a-dia. Assim, de


entre várias plataformas de armazenamento online existente destacam-
se:

5.2. Dropbox
O Dropbox, talvez por ter sido um dos primeiros sistemas de
armazenamento em nuvem, possui também recursos como
sincronização automática de diretórios, sincronização com dispositivos
móveis, upload automático de fotos (quando instalado em smartphones
ou tablets, desde que o usuário tenha activado a opção), e
compartilhamento de arquivos através de links directos (vide figura 1).

Fonte: https://www.dropbox.com/home.

A versão gratuita básica do Dropbox garante inicialmente 2GB de espaço para


armazenamento. O usuário poderá ganhar mais espaço de armazenamento
através da indicação de amigos, utilizando um dispositivo que tenha parceria
com o Dropboxou então através de algumas acções solicitadas pelo Dropbox
como responder a um questionário de feedback, postar determinada
mensagem no Twitter, ler um guia de instruções ou outras acções esporádicas.

Depois de lido o texto acima, faça uma experiência de uso deste recurso. Para
tal vá através de qualquer navegador ao endereço oficial da Dropbox:
https://www.dropbox.com, de seguinda, você vai precisar de um email (um
dos serviços da internet conforme aprendeu nas lições anteriores) e uma
palavra-passe ou senha para poder subscrever e começar a utilizar. Caso tenha
dificuldades, peça ao seu tutor ou colega mais experiente sobre a matéria.
108 Lição no 02

5.3. OneDrive (antigo SkyDrive)


O sistema da Microsoft, OneDrive, foi criado em um momento de explosão
dos sistemas de compartilhamento gratuitos. A Microsoft viu vantagem em
trazer a seus usuários com contas Microsoft (quem tem um e-mail do Hotmail
ou Outlook) para dentro de sua infra-estrutura de armazenamento de arquivos,
agregando com isso mais valor à sua nova modalidade de uso de aplicativos
na nuvem (e também para oferecer o Office365 e outros produtos com menor
preço). Assim como todos os sistemas deste artigo, o OneDrive é gratuito e
garante ao novo usuário 15 GB de espaço inicial. Através da indicação de
amigos você poderá ganhar mais 500MB por pessoa até atingir a um limite
máximo de 5GB de espaço bónus gratuito. Veja a figura abaixo.

Fonte: https://onedrive.live.com/

5.4 Google Drive


O Google Drive, por ser de propriedade da gigante de buscas (Google) e por ter
sido, juntamente com o Dropbox, um dos primeiros sistemas de armazenamento
de arquivos na nuvem, possui uma incrível quantidade de usuários. Cada usuário
novo, ganha inicialmente 15GB de espaço que pode ser utilizado inclusive para o
uso com o Google Docs, ou seja, o aplicativo de escritório (documentos de texto,
planilhas etc.) do Google, vide figuras abaixo:
Lição no 02 109

Fonte: capturado na internet via https://www.google.com/drive/

Fonte: capturado na internet via https://www.google.com/drive/

5.5 MinhaTeca
Minhateca.com.br é talvez a ferramenta de armazenamento e patilha de
informação mais conveniente, pois, a sua característica principal é a infinitude do
seu espaço de armazenamento. Ou seja, na minhateca, você não tem que se
preocupar com o espaço, podendo mesmo criar uma biblioteca online de tamanha
amplitude de arquivos até então. Vide figuras abaixo:

Fonte: http://minhateca.com.br/
110 Lição no 02

Fonte: http://minhateca.com.br/
Como se pode verificar na segunda figura, esta plataforma oferece ferramentas
muito interessantes, como a criação e organização de pastas de arquivos,
ferramentas de segurança (pode-se atribuir uma passe para as pastas), ferramentas
de copiar e colar arquivos, entre outras. Outra novidade desta plataforma, é a
possibilidade de partilha de informações entre usuários da minhateca, ou seja,
através da ferramenta de busca, pode pesquisar nomes de usuários ou conteúdos
em áreas de interesse, conforme se ilustra na figura abaixo.

Fonte: http://minhateca.com.br/action/SearchFiles.

5.6 iCloud
O iCloud é o sistema de armazenamento na nuvem da Apple que actua de maneira
bastante sofisticada. O serviço funciona no iPhone, iPad e iPodTouch, Mac, ou
seja, em todos os dispositivos da Apple e é bastante simples de ser configurado.
Vide a figura abaixo.

Fonte: capturado na internet via https://www.icloud.com/.


Fonte: https://www.icloud.com/.
Lição no 02 111

Tanto quanto outras tecnologias de armazenamento de arquivos o icloud apresenta


um servidor online de grande capacidade, possibilitando o armazenamento em
nuvem. Desta feita, o usuário pode minimizar o uso de espaço no seu disco rígido
do seu aparelho. O serviço de nuvem possibilita uma economia de espaço no seu
computador ou dispositivo móvel, e permite que seus arquivos sejam acessados
por meio de qualquer produto Apple conectado à Internet.

O iCloud sincroniza todos os dispositivos Apple com uma espécie de pasta online
gratuita, com 5GB de espaço, que pode receber fotos, arquivos de texto, contactos
e até aplicativos. Ou seja, tudo o que você tem pode ser guardado na nuvem,
gratuitamente. Além disso, caso o usuário queira, pode comprar mais espaço para
armazenar seus arquivos. Dentro do icloud é onde encontramos o icloud Drive,
que é o disco em nuvem, onde podemos arquivar os documentos ou outro género
de arquivos, conforme ilustra a figura a seguir17.

Fonte:

https://www.icloud.com/#iclouddrive

17
(http://www.techtudo.com.br/dicas-e-tutoriais/noticia/2011/06/como-funciona-o-
icloud.html)
112 Lição no 02

Sumário
Nesta lição você aprendeu sobre os recursos de armazenamento online ou
da web 2.0. diferentemente dos recursos físicos ou dispositivos de
armazenamento offline, os primeiros apresentam uma grande vantagem, de
poder conversar informação por um longo período sem perigo da sua
deterioração. Também possibilitam o acesso a informação em qualquer
parte do mundo, dispensando que você tenha em mão o dispositivo que
usou para armazenar os arquivos.

Você aprendeu pelo menos cinco recursos de armazenamento online a destacar:


Dropbox, onedrive, googledrive, minhateca e icloud. Cada recurso tem suas
especificidades, mas em todos os casos, para o uso dessas ferramentas você deve
ter um email ou correio electrónico e uma palavra passe ou senha. O primeiro
passo para o uso de qualquer plataforma abordada é a sua subscrição, que é uma
espécie de inscrição ao serviço. Para a utilização de qualquer um desses recursos
você deve aceder aos seus respectivos endereços que constam da descrição de
cada plataforma.

Para alguns recursos é necessário que você tenha um email da mesma


empresa ou do motor de busca. Exemplo, para usar o googledrive, deve ter
um email da gmail; para utilizar o onedrive, deverá subscrever com base
em um correio electrónico da Hotmail. As outras plataformas de
armazenamento dispensam esta especificidade.

No caso de duvidas na utilização de qualquer um dos recursos de


armazenamento aqui tratados contacte o seu tutor ou um colega mais
experiente.
Lição no 02 113

Exercícios
Feita a leitura da lição anterior, reflicta sobre as questões a seguir:
1. Defina recursos de armazenamento online
Auto-Avaliação 2. Compare os recursos de armazenamento online com os offline,
trazendo suas principais vantagens e desvantagens;
3. Apresente os recursos de armazenamento online que você
pôde aprender;
4. Subscreva-se no GoogleDrive e armazene dois ficheiros à sua
escolha.

Feedback
1. Procure verificar na sua resposta se conseguiu trazer a definição dos
recursos de armazenamento online. A sua resposta deve ter em conta
que esses recursos são virtuais ou seja sao serviços oferecidos na
internet;
2. Aqui você deve trazer os principais aspectos que diferenciam os
recursos físicos dos recursos virtuais, as vantagens e desvantagens de
cada grupo de recursos.
3. Veja se enumerou todos os recuros de armazenamento online que você
aprendeu;
4. Nesta actividade você deve inscrever-se no GoogleDrive através do seu
email do gmail; caso não tenha email, deverá com ajuda do seu tutor,
criar um e siga com as instruções de subscrição.
114 Lição no 02

Bibliografia Recomendada
FLÁVIO R. C. Sousa, LEONARDO O. Moreira &JAVAM C. Machado.
Computação em Nuvem: Conceitos, Tecnologias, Aplicações e Desafios. [online]
disponível na internet via WWW.URL:
http://www.ufpi.br/subsiteFiles/ercemapi/arquivos/files/minicurso/mc7.pdf.
Consultado no dia 06/02/15

CUNHA, Juliana Falci Sousa. Computação em nuvem e considerações contratuais.


[online] disponível na internet via WWW.URL:

http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=e6c46d6ccf72dec9, consultado no
dia 06/02/15.

http://www.mundodastribos.com/armazenamento-em-nuvem-vantagens-e-
desvantagens.html, consultado no dia 06/02/15.
Lição no 02 115

Lição no 06
A Google e as sua ferramentas
Introdução
Você aprendeu até aqui sobre tantos recursos ou ferramentas da internet. Contudo,
existe ainda uma lista de recursos que seria impossível aborda-las neste curto
espaço. Contudo, existe um que nos parece ser de tanta utilidade para o campo
académico. E porque nos preocupamos com a sua vida estudantil, trazemos nesta
lição a Google e as suas ferramentas, que por sinal incluem a googledrive (o
recurso de armazenamento atrás discutido) e várias outras ferramentas de grande
importância para a educação. Desta maneira, você vai encontrar nesta lição
algumas noções básicas sobre a Google, as suas principais ferramentas e
especificamente, você vai poder aprender sobre os formulários e a Google-
academico.

Você deve dispender cerca de 180 minutos para estudar esta lição.

Quanto tempo?

No final desta lição, você deve ser capaz de:

 Explicar o surgimento e as razões de desenvolvimento da


Objectivos da lição Google em detrimento de outros motores de busca;
 Usar o Google-acadêmico como ferramenta de pesquisa
para a educação;
 Criar formulários/questionários para a recolha de dados de
uma pesquisa científica com uso do Google;
116 Lição no 02

Web 2.0, Recursos, Educação


Terminologia

6. A Google e as sua ferramentas


Conforme referimos antes, a Google faz parte dos motores de busca mais
apreciados no mundo inteiro. Talvez pela sua facilidade de uso e pela variedade de
ferramentas que vem proporcionando desde a sua invenção. Importa exclarecer
que a Google foi fundada em Janeiro de 1996 em um projeto de pesquisa de Larry
Page e Sergey Brin, pesquisadores estudantes de doutorado na Universidade
Stanford18. Como empresa registada surge em 1998 (Levy, 2012).

Fonte: Extraida em http://www.criacaoeotimizacaodesites.com/historia-do-


google-surgimento-do-buscador.php

O sucesso da Google nos dias actuais é sem duvida o aumento e aperfeçoamente


de suas ferramentas, de entre asquais podemos destacar: ferramenta de email como
a Gmail, redes sociais, como o Google+; O navegador Google Chrome, o
programa de organização de edição de fotografias Picasa, o Google Tradutor e o
aplicativo de mensagens instantâneas Google
Talk, a ferramenta de armazenamento online-
googledrive, ferramentas de criação de
formulários de pesquisa e sua tabulacão, entre
outros, conforme se pode ver nas figuras abaixo:

18
http://www.criacaoeotimizacaodesites.com/historia-do-google-surgimento-do-
buscador.php
Lição no 02 117

Fonte: Extraídas na página https://www.google.co.mz/intl/pt-PT/about/products/

Nesta lição o nosso intuito não


é descorrer sobre estas
ferramentas todas ( você pode
pesquisar as suas
funcionalidades) mas esclarecer o uso de duas delas: a ferramenta de criação de
formulários para pesquisas e a Google-académico.

6.1.Formulários
Para utilizar esta ferramenta precisa primeiro, aceder a página da Google, através
do site www.google.com. Depois, no canto superior direito, clicar nos Apps da
Google(aplicações) geralmente representados por um conjunto de caixinhas,
conforme ilustra a figura:

Após clicar nas caixinhas, aparecerá uma janela composta por vários aplicativos
(ferramentas) da Google, onde provavelmentea nossa ferramenta de formulários
não apareca. Para encontra-la precisa clicar na palavra Mais que aparece na
mesma janela na margem inferior, e caso nao encontre continue a clicar nas
palavras Ainda mais do Google conforme ilustram as figuras abaixo:
118 Lição no 02

Após clicar no ainda mais do Google,


aparecerà uma outra janela com quase todos aplicativos do Google, e desta feita,
clique na ferramenta Formulários, como mostra a imagem a seguir:

Clicando nos formulários vai aparecer uma janela aonde você poderá iniciar a
elaboração do formulário com ajuda das ferramentas de edição que se encontram
do lado direito da janela, como ilustra a imagem a seguir:

Conforme ilustra a figura acima, você tem o privilégio de configurar o seu


formulárioda maneira como ele pretende, começando pelo titulo do formulário, a
Lição no 02 119

descrição do mesmo, onde vai indicar os objectivos e o âmbitodo formulário. A


seguir você pode inserir o titulo para cada secção (caso o formulário tenha várias
secções)e as perguntas inerentes a casa secção, com ajuda das ferramentas que
aparecem do lado direito da janela.

Na elaboração das perguntas do formulário, você tem ainda, o privilégio de definir


o tipo de resposta (por. Exemplo: escolha múltipla, texto, etc.) e a obrigatoriedade
de se responder a tal pergunta, vide figura abaixo:

O Formulario elaborado no Google pode ser imprenso, assim como pode ser

respondido online ou seja, virtualmente. Para que isso ocorra é necessário que
agregue os correios electrónicos das pessoas convidadas a responder a esse
formulário. Para tal você deverá clicar no botão ENVIAR no canto superior direito
da janela principal do formulário e seguir com as instruções, conforme se pode ver
na imagem abaixo:
120 Lição no 02

Importa salientar que para elaborar um formulário no Google é necessário antes de


mais nada, ter um email da própria empresa, ou seja, da Gmail. Após o envio dos
formulários aos destinatários, estes serão chamados a responder às perguntas do
formulário e no fim, eles enviarão de volta o formulário com as respectivas
respostas ao pesquisador (você nesse caso).

O Google formulário poderá com base em ferramentas próprias trazer para o


leitor, o resumo das respostas dos inqueridos, podendo mesmo mostrar quantas
pessoas responderam a determinada pergunta e a respectiva percentagem, ou seja,
a grande vantagem de usar o formulário da Google, está na facilidade de tabulação
dos dados, o que permite a facilidade da sua análise e interpretação.

6.2. Google-académico

O Google-académico é mais uma ferramenta do Google destinada a


pesquisas na área da educação. A sua maior vantagem reside na
objectividade dos assuntos aqui tratados, ou seja, você quando for a fazer
pesquisas a partir deste recurso deve saber que os resultados que for a obter
estarão muitas vezes ligadas à educação, ou seja, sao artigos, livros
publicados na área da educação, evitando assim a generalidade, como
acontece no Google e outros motores de busca.

Em outras palavras podemos dizer que Google-académico é também um


motor de busca mas especializado em matérias da educação.

6.2.1. Utilização
Para utilizar os serviços do Google-académico você precisa aceder primeiro
ao Google (através do site www.google.com) e na área de pesquisa escrever
a palavra académico (em qualquer língua da sua preferência), ou ir aceder
directamente ao site https://scholar.google.com.br/, conforme ilustram as
imagens a seguir:
Lição no 02 121

Fonte: extraídas de: https://scholar.google.com.br/

É importante salientar que o Google-académico apresenta vantagens acrescidas


em relação a outros motrores de busca. Ora vejamos, no Google-académico você
pode organizar uma biblioteca dos livros ou artigos que lê para uma leitura
posterior, para além disso, você pode verificar a importância de um documento
através do número de vezes que o mesmo foi citado por outros autores, como
ilustra a imagem abaixo:

Fonte: https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-
BR&q=tecnologia+e+inova%C3%A7%C3%A3o&lr=&oq=Tecnologi
122 Lição no 02

Sumário
Nesta lição você aprendeu sobre algumas ferramentas do Google, entre elas o
Formulário, que vai ajuda-lo a realizar questionários ou formulários para qualquer
pesquisa, em especial na área da sua formação. Referimos que há vantagens em
usar formulário pois, respondido virtualmente, ele faz o resumo das respostas
dadas pelos inqueridos (tabulação), o que facilita na análise e interpretação dos
dados posteriormente. Por outro lado, permite que sem sair de casa, você possa
auscultar as opiniões das pessoas sobre a matéria em análise, contudo, requer que
você tenha uma lista de emails das pessoas que vão responder e que sejam
usuários ativos para responder ao seu pedido. Aprendeu também sobre o Google-
académico, como sendo um motor de busca especializado ou reservado
especialmente para matérias da educação. Nele encontram-se artigos, livros e
outros materiais lançados por organismos credíveis. Notou que o Google-
académico tem vantagens acrescidas em relação a outros motores, pelo facto de
você poder organizar as suas leituras para o acesso posterior e ainda poder
verificar a importancia ou relevância de qualquer documento com base em número
de vezes que o mesmo foi citado.

Exercícios
Após a leitura desta lição, responda:
1. Explique o surgimento do Google e as razões do seu maior
desenvolvimento e expansão.
Auto-Avaliação
2. Imagine que você é pesquisador/a na área das TIC, elabore um
formulário sobre a relevância das TIC no processo de ensino e
aprendizagem e envie para 10 colegas seus, em seguida analise as
suas respostas;
3. Pesquise sobre a importancia das TIC na educação no Google-
acadêmico e nos seus resultados, leia apenas artigos ou livros com
mais citações possíveis.
Lição no 02 123

Feedback
1. Nesta pergunta você deve trazer aspectos como o ano da fundação do
Google, seus principais mentores e os serviços que o fazem diferente e
melhor que os outros motores de busca.
2. Você deve, em caso de duvidas, voltar a seguir os passos anteriormente
dados para aceder ao Google-formulários. Após isso deverá elaborar
questões que tem que ver com a relevância das TIC na educação e no fim
enviar a seus colegas (pelo menos 10). Lembre-se que estes devem ter um
email. Em casos de dúvidas, consulte o seu tutor de especialidade ou outro
colega mais experiente. Em outras palavras, se elaborou o formulário sem
encarar dificuldades e o seu colega que o corrigiu o achou bem elaborado,
está de parabéns! Caso não, discuta com seus colegas e seu tutor as razões
para as dificuldades encarradas para poderem saná-las.
3. Você deve aceder ao Google académico e usando as tecnicas de pesquisa
que voce já aprendeu, investigar sobre a importância das TIC na educação.
Nos resultados da pesquisa, você vai identificar por preferências, livros ou
artigos mais citados por outros autores. Para certificar-se de que está
certo/a discuta esse assunto com seu colega ao lado ou peça ajuda ao seu
tutor.

Bibliografia Recomendada
FLÁVIO R. C. Sousa, LEONARDO O. Moreira &JAVAM C. Machado.
Computação em Nuvem: Conceitos, Tecnologias, Aplicações e Desafios. [online]
disponível na internet via WWW.URL:
http://www.ufpi.br/subsiteFiles/ercemapi/arquivos/files/minicurso/mc7.pdf.
Consultado no dia 06/02/15

http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=e6c46d6ccf72dec9, consultado no
dia 06/02/15.

LEVY, Steven. A Google: a biografia, São Paulo: Universos dos Livros,


2012. Disponivel na Internet via WWW.URL:
http://www.inovaconsulting.com.br/arquivos/google-a-biografia.pdf.
Acesso: 10/09/16
124 Lição no 02

Conclusão Geral do Módulo


Chegado ao fim deste módulo, você deve reflectir sobre as habilidades
teórico-práticas que este texto pretendia lhe trazer. Eram objectivos
principais deste módulo socializar-lhe sobre os principais conceitos na área
das tecnologias educativas, ou pelo menos da relação desses dois domínios.
Pretendia ainda doptar-lhe de capacidades interpretativas das relações entre
a tecnologia e a educação, para deste modo, vocé conseguir pensar sobre as
condições necessárias para o uso efectivo e proveitoso das TIC no PEA.
Mais do que essas habilidades teóricas, o módulo pretendia capacitar-lhe de
ferramentas básicas para actuar no campo da investigação utilizando a
internet. Deste modo, discutimos sobre a internet e as suas ferramentas,
analisamos consigo as principais tecnicas de pesquisa na Web, também
trouxemos recursos de armazenamento físico e virtuais (online), assim
como as ferramentas de elaboração de formulários de pesquisa no Google.
Não nos esquecemos de trazer os conhecimentos básicos para efectuar
pesquisas no Google-académico, ferramenta do Google que permite
pesquisas mais direccionadas à áreas científicas. Cientes de que você
poderia enfrentar dificuldades na aprendizagem, criamos em cada lição,
tarefas e feedbacks que vão ajudar-lhe a alcançar seus objectivos. Em caso
do módulo não poder satisfazer as suas dúvidas não exite em contactar o
seu colega mais experiente, assim como seu tutor.

Cientes ainda de que, o módulo pode não ser suficiente para compreensão da
amplitude os aspectos que o mesmo pretendia discutir, deixamos em cada tópico,
referências bibliográficas que você é convidado a aceder para prováveis
aprofundamentos ou exclarecimentos.
Lição no 02 125

Bibliografia Final
1. AA.VV. Dicionário da língua portuguesa – dicionários editora, Portugal:
porto editora, 2008.
2. ALVES, Taíses Araújo da Silva. Tecnologias de informação e comunicação
(TIC) na escolas: da idealização à realidade, Lisboa, 2009.[online]
Disponível na Internet via WWW.
URL:http://recil.grupolusofona.pt/xmlui/bitstream/handle/10437/1156/Taises
%20Araujo%20-
%20versao%20final%20da%20dissertacao.pdf?sequence=1.Consultado no dia
04/06/2015
3. ARELLANO, Miguel Angel. Preservação de documentos digitais, Brasília,
Maio/Agosto de 2004. [Online] Disponível na internet via WWW.URL:
www.scielo.br/pdf/ci/v33n2/a02v33n2.pdf, consultado no dia 04/02/2015.
4. BELMONTI, Vanessa & GROSSI, Márcia Gorett Ribeiro. Ambientes
virtuais de aprendizagem: um panorama da produção nacional, Belo
Horizonte, Maio de 2010. [online] Disponível na Internet via
WWW.URL:
http://www.abed.org.br/congresso2010/cd/2942010181132.pdf.
Consultado no dia 30/01/2015.
5. BIZELLI, Maria H. S. S.; FISCARELLI, Sílvio Henrique & DE
OLIVEIRA, Luís António Andrade. Conteúdos digitais para ensino de
calculo: aceitação, demandas e expectativas dos alunos. SÃO PAULO,
Brasil, s/d. [online] disponível na internet via WWW.URL:
www.calculo.iq.unesp.br/PDF/conteudodigi-calculo.pdf. Consultado
no dia 02/02/15.
6. CANDAU, Vera Maria Ferrão. tecnologia educacional: concepções e
desafios. Fundação Carlos Chaga, S/d. [online] Disponível na Internet
via WWW.URL:
http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/cp/arquivos/386.pdf.
Consultado no dia 15/01/2015.
7. CASTELLS, Manuel. A galáxia Internet: reflexões sobre internet, negócios e
sociedade, 2a ed., Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.
126 Lição no 02
8. CUNHA, Juliana Falci Sousa. Computação em nuvem e considerações
contratuais. [online] disponível na internet via WWW.URL:
http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=e6c46d6ccf72dec9, consultado
no dia 06/02/15.
9. FLÁVIO R. C. Sousa, LEONARDO O. Moreira &JAVAM C. Machado.
Computação em Nuvem: Conceitos, Tecnologias, Aplicações e Desafios.
[online] disponível na internet via WWW.URL:
http://www.ufpi.br/subsiteFiles/ercemapi/arquivos/files/minicurso/mc7.pdf.
Consultado no dia 06/02/15
10. GONI, Jorge L. &RIVERA, Luís A. Um LMS – paradigmático para a
customacao de sistemas de gerenciamento de aprendizagem usando
objectos de aprendizado, s/d. [online] disponível via internet via
WWW.URL:
http://teyetrevista.info.unlp.edu.ar/files/No1/02_Um_LMS_Paradigmati
co.pdf. Consultado no dia 30/01/2015
11. HAGUENAUER, Cristina, MUSSI, Marcus Vinicius & FILHO,
Francisco Cordeiro. Ambientes virtuais de aprendizagem: definições e
singularidades, revista educaonline, volume 3 – n o 2, Laboratório de
Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação –
LATEC/UFRJ, Maio/Agosto de 2009. [online] Disponível na internet
viaWWW.URL:http://www.latec.ufrj.br/revistas/index.php?journal=ed
ucaonline&page=article&op=view&path%5B%5D=112&path%5B%5
D=298, consultado no dia 30/01/2015.
12. KENSKI, Vani M. Educação e Tecnologias - O Novo Ritmo Da Informação,
2a ed., São Paulo: Papirus, 2007.
13. LEITE et al. Tecnologia educacional: descubra suas possibilidades na
sala de aula, 5a ed., Petrópolis: editora vozes, 2010
14. LEVY, Steven. A Google: a biografia, São Paulo: Universos dos
Livros, 2012. Disponivel na Internet via WWW.URL:
http://www.inovaconsulting.com.br/arquivos/google-a-biografia.pdf.
Acesso: 10/09/16
15. LIMA, J. (2006). As Novas Tecnologias no Ensino[online]. Disponível
na Internet via
Lição no 02 127

WWW.URL:http://www.airpower.au.af.mil/apjinternational/apj-
p/2006/2tri06/lima.html, consultado em 30/07/2015.
16. LIMA, Luciana Guimarães Rodrigues, HAGUENAUER, Cristina
Jasbinschek & DE LIMA, Alvaro José Rodrigues. Utilização dos
recursos de um sistema de gerenciamento de aprendizagem no portal
espaço, s/d. [online] Disponível na Internet via WWW.URL:
tecnologiasnaeducacao.pro.br/revista/a1n1/rel13.pdf
17. MARIA, E. B. de Almeida; PRADO, Elisabette Brisola Brito & TORNAGHI,
Alberto José da Costa. Introdução à educação digital: guia do cursista. 1a ed.,
Brasilia: Universidade Federal de Santa Catarina, 2013. [online] disponível na
internet via WWW.URL:
www.guiadoconcursopublico.com.br/apostilas/18_113.pdf; consultado no dia
5/02/15
18. MESSINA, Graciela. Mudança e inovação educacional –notas para
reflexão. Novembro de 2001. [online] disponível na internet via
WWW.URL:publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/download/5
92/590, consultado no dia 23/06/2015
19. MIRANDA, Guilhermina Lobato. Limites e possibilidades das TIC na
educação, Sísifo, Revista de Ciências da Educação, Nr.03,
2007.[online] Disponível via Internet via WWW.URL:
portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000012617.pdf,
Consultado no dia 15/01/2015.
20. MOZZER, Luciene Domenici. Blogs e Wikis: construindo novos
espaços para a aprendizagem, Módulo de Acolhimento UAB/UFJF,
2008. [online] Disponível na internet via WWW.URL:
http://www.cead.ufjf.br/?p=4397, consultado no dia 30/01/2015.
21. OLIVEIRA, Isolina & COURELA, Conceição. Mudança e inovação
em educação –compromisso dos professores, 2013. [online] disponível
na internet via WWW.URL:
22. revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/download/3404/2719, consultado no
dia 16/05/15
23. PINAR,Willliam F..O que é a teoria do currículo – colecção currículo,
politicas e práticas, Portugal: Porto editora, 2007.
128 Lição no 02
24. RANGEL Mary. O sentido educacional da tecnologia revisto na
discussão dos 70 aos 90: retrospectiva de conceitos e princípios de
analise. [Online] Disponível na internet via WWW.URL:
periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/download/6428/5203.
Consultado no dia 15/01/2015
25. SANTOS, Núbia Schaper. Ambiente virtual como aliado na
aprendizagem, Módulo de Acolhimento UAB/UFJF, 2008. [online]
Disponível na internet via WWW.URL:
http://www.cead.ufjf.br/?p=4397, consultado no dia 30/01/2015.
26. SANTOS, Edméa Oliveira. Ambientes virtuais de aprendizagem: por
autorias livre, plurais e gratuitas. In: Revista FAEBA, v.12,
no.18.2003 (no prelo). [Online] Disponível na internet via WWW.URL:
http://www.comunidadesvirtuais.pro.br/hipertexto/home/ava.pdf.
Consultado no dia 30/01/2015.
27. SANCHO, Juana Maria et al: Tecnologias para transformar a
educação, Artmed Editora, Porto Alegre, 2006.
28. TEIXEIRA, Cláudia Maria Francisca. Inovar é preciso: concepções de
inovação em educação. [online] disponível na internet via WWW.URL:
http://portal.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/14_02_2011_13.47.21
.977d2f60a39aa3508f154136c6b7f6d9.pdf, consultado no dia 16/05/15
29. TORRES, Elisabeth Fátima &MAZZONI, Alberto Angel. Conteúdos
digitais multimídia: foco na usabilidade e acessibilidade, Brasília,
Maio/Agosto de 2004. [online] Disponível na Internet via
WWW.URL:http://www.brapci.ufpr.br/download.php?dd0=9029,
consultado no dia 31/01/2015.
30. VAZ, Isabel. Utilizar a Internet: depressa e rápido, 12a ed., Porto: FCA -
editora informática, Maio de 2006.

Sites consultados

 http://www.josecrispim.pt/artigos/conceitos/conc_art/01_tic_ntic.html.
Consultado no dia 04/06/2015

 http://www.ead.edumed.org.br/file.php/1/PlataformaMoodle.pdf,
acesso: 11/09/16
 http://www.abed.org.br/congresso2011/cd/150.pdf, acesso: 11/09/16
Lição no 02 129

 https://www.grancursos.com.br/downloads/editora/.../Informatica.pdf;
consultado no dia 5/02/15

 https://www.moodlelivre.com.br/noticias/587-breve-historico-sobre-a-
internet, acesso: 09/09/16

 http://www.mundodastribos.com/armazenamento-em-nuvem-vantagens-e-
desvantagens.html, consultado no dia 06/02/15.