Você está na página 1de 5

Fichamento: Theatres of virtue: Collaboration, consensus, and the social life of corporate

social responsibility

Dinah Rajak

Argumenta que as dimensões performativas e ritualísticas da prática de RSC servem não apenas
para celebrar as corporações como agentes de melhoria social, mas também para estabelecer as
regras de participação neste domínio da governança global. O compromisso com a RSC tornou-
se shibbolítico, uma declaração de propósito comum e cidadania global com a qual as corporações
conquistam um lugar (a cabeça da) mesa do planejamento do desenvolvimento internacional. Ao
contrário dos críticos tradicionais da RSC, que vêem tais rituais apenas como tentativas de
marca corporativa, esses teatros de virtude desempenham uma função muito mais vital no
exercício do poder corporativo, pois servem para fabricar uma forma de consenso que
marginaliza visões ou críticas alternativas. através dos mecanismos discursivos de
colaboração.

Na última década, as corporações transnacionais se tornaram atores cada vez mais importantes na
paisagem internacional desenvolvimento, sob a bandeira da responsabilidade social corporativa
(CSR) - um movimento que promete aproveitar o alcance global e recursos das corporações a
serviço do desenvolvimento local e melhoria social. Este movimento projeta corporações não
apenas como atores morais auto-disciplinadores, mas como líderes em uma nova ortodoxia de
desenvolvimento liderado por negócios que promete capacitação “O mercado”. A primazia do
mercado como panacéia para a pobreza foi proclamada por líderes de corporações
transnacionais e instituições multilaterais de desenvolvimento

Fazer negócios com a pobreza – forma de unificar atores dispares (pobres precisam dos negócios
para terem futuro e as empresas precisarão dos pobres pois esses são o futuro

Mas essa preocupação com a dimensão global da RSC - seja como um instrumento de melhoria
social em todo o mundo ou como uma ferramenta de governamentalidade global - resultou em uma
análise da RSE desincorporada de sua prática social. Ficamos perguntando: como é essa nova
ortodoxia do capitalismo corporativo compassivo forjada? E que atores e interesses trabalham
(direta ou indiretamente) para sustentar, reforçar e ampliar seu poder? ( how is this new orthodoxy
of compassionate corporate capitalism forged? And what actors and interests work (directly or
indirectly) toward sustaining, reinforcing, and extending its power?)

Como Bloch (1992) argumenta, o ritual pode servir para restringir a contestação enquanto convida
os participantes a compartilhar e, assim, validar uma visão de mundo particular. Colocando de outra
forma, eles compelem o consenso enquanto mistificam a dinâmica do poder no trabalho

Fala de rituais de moralidade corporativa

Busca observar os espaços oficiais do que chama de “elite “global” arena of corporate citizenship”

Tais encontros se desenrolam como teatros de virtudes altamente ritualísticos, nos quais prêmios
para o melhor cidadão corporativo são apresentados e histórias inspiradoras de responsabilidade
social são contadas

Local da etnografia londres- “como a capital da RSC” - evento em 2005 “The New Role of
Business in Development. (luta contra a pobreza já que o objetivo é gerar riqueza)
A exortação à “parceria” não é, obviamente, novidade na indústria de desenvolvimento.
Tampouco é o poder do paradigma da parceria afirmar a igualdade e o consenso onde, de fato, a
desigualdade e a diferença reinam, como demonstraram os antropólogos do desenvolvimento. No
caso da RSC, no entanto, o conceito de parceria demonstrou um apelo ainda mais amplo e um
maior poder discursivo, em sua capacidade de unir partidos em um empreendimento
aparentemente compartilhado, proclamando um empreendimento colaborativo para um objetivo
coletivo de desenvolvimento sustentável e elevando “o mercado global ”como o mecanismo
fundamental através do qual isso pode ser alcançado.

Ponto de partida é reconhecimento da falência do Estado em gerar desenvolvimento

De acordo com essa equação, o mercado representa o sistema social como um todo. As questões
relativas à distribuição desigual da riqueza desaparecem, pois a pobreza é reformulada dentro dessa
estrutura despolitizada como simplesmente devido à falta de oportunidades de mercado.
Como a declaração de David Cameron citada acima exemplifica, as empresas agora são encorajadas
a se envolverem de todo coração com as necessidades e objetivos de desenvolvimento dos países e
comunidades nas quais operam, ajudando a construir sociedades afluentes estáveis com o objetivo
de estabelecer as condições para mais investimentos.

The State in the process - Index, which opened with David Cameron’s promising a Conservative
rule which offered a “lighter regulatory touch” to companies that demonstrate social responsibility;
a bid, in his words, “to reclaim corporate responsibility for the political centre-right.” Meanwhile
the UK government-funded “Beyond CSR?” event held at the National Liberal Club kicked off with
a debate between Labour MP and former head of the UK Department for International Development
(DFID) Clare Short and Conservative MP and former cabinet minister John Redwood (22 May
2006). But what had been billed as a political debate turned quickly into vocal affirmations of
mutual agreement, exemplifying the apparent ability of CSR to replace political partisanship with a
competition for who can proclaim collective responsibility the loudest.

[ O Estato no processo- Index, que abriu com David Cameron prometendo uma regra conservadora
que oferecia um “toque de regulamentação mais leve” às empresas que demonstram
responsabilidade social; uma oferta, em suas palavras, "para recuperar a responsabilidade
corporativa pelo centro político direito". Enquanto isso, o evento financiado pelo governo britânico
"Além da Responsabilidade Social Corporativa" realizado no National Liberal Club começou com
um debate entre MP trabalhista e ex-chefe de o Ministro do Reino Unido para o Desenvolvimento
Internacional (DFID) Clare Short e o membro conservador MP e ex-ministro de gabinete John
Redwood (22 de maio de 2006). Mas o que foi anunciado como um debate político transformou-se
rapidamente em afirmações veementes de acordo mútuo, exemplificando a aparente capacidade da
RSE de substituir o partidarismo político por uma competição por quem pode proclamar a
responsabilidade coletiva mais alto.

Prêmios

The appearance of consensus between participants, and the allegiance to the shared goals of
development through business, is produced by the exclusion of groups with alternative visions,
conflicting agendas, or simply smaller budgets.

Do combate a colaboração
Parcerias com empresas: Mas o movimento de RSE tem sido tão completamente adotado pelas
grandes multinacionais que tem efetuado uma mudança contínua de chamadas para “não prejudicar”
a uma expressão de empresas como agentes ativos de melhoria global, trazendo em sua esteira a
aproximação e até mesmo um casamento sincero. entre ONGs e grandes empresas; uma mudança
vista por muitos como enraizada em uma desilusão generalizada com o fracasso dos governos em
regular o comportamento corporativo, como resultado do qual as ONGs viram uma possibilidade
maior de mudança, como Doane coloca (2005: 24), “parceria com o inimigo Assim, um número
crescente de ONGs, como a Oxfam e o Fundo Mundial para a Natureza (WWF), começaram a
formar parcerias ou assessorar empresas em modelos de melhores práticas para responsabilidade
corporativa.

One might have expected themining industry to be the whipping boy of the summit,” an executive
of a mining multinational told me, “but instead, we actually got a special plug for addressing these
issues.”

The answer lies, in part, in the persuasive power of the very concept of collective responsibility.
Phrases such as “common good,” “shared values,” and “societal consensus” are constantly
repeated by advocates from both business and civil society at CSR events and in the multitude of
reports produced on the subject.

The alliance between business and civil society—from the one side resources and
competitiveness, from the other proximity to and knowledge of “the people”—is put forward as
a more favorable option than responsibility imposed through “the dead hand of state regulation.”

Criação de uma consciência coletiva sobre “interesses comuns”: during interviews, corporate
executives commonly stressed that, both as individuals and as part of a corporate body, they shared
the same values—and vision of sustainable development— as the rest of society; values which were
reflected in the company’s business principles. Exemplo do grande número de funcionários
membros da anistia.

Assim, um movimento que começou com o objetivo de expor a irresponsabilidade social


corporativa mudou para focar a má administração de recursos e receitas pelos governos do Sul,
em detrimento de seu povo, sobre o qual esta coalizão de elite estende sua tutela coletiva – Ehtical
Corporation - Evento – Fala do presidente da Anglo: we cannot stand aloof from major governance
and social issues in the countries where we operate.

This should not, we are told, be seen as a usurpation of state powers, but a virtuous act of stepping
into the breach left by government’s abdication or corruption: “It may not be our responsibility, but
it becomes our problem” (Anglo American 2005: 13).

Supostamente o bom exemplo das empresas elevaria o padrão de investimento e de boa governança
dos governos.

The message from the business sector is blunt. We want to do business with you, but in various
ways you make it very difficult. Let us help you do away with those difficulties” (Phaswana 2006:
62).

Em vez disso, o que isso sugere é que, à medida que as corporações são elevadas como
instrumentos de melhoria social, em vez de exploração, a oposição a essa ortodoxia e a outras
alternativas torna-se ainda mais marginalizada do processo de desenvolvimento de políticas e poder.
Visões convincentes de parcerias globais a serviço do desenvolvimento local provaram ser uma
ferramenta particularmente poderosa para recrutar apoio de atores não-corporativos, enquanto
marginalizam os dissidentes das arenas nas quais essas alianças cosmopolitas são forjadas

Diferenças entre grandes ongs (apoio) e pequenas (críticas) – essas útlimas, assim como sindicatos,
são colocadas como conflituosas ou puramente oportunistas

Um fluxograma com as empresas e o governo no topo, a mídia no meio e as “comunidades” na


parte inferior ilustravam o fluxo de conhecimento ético. A apresentação foi seguida de vários
comentários do público em apoio a essa forma de “educação ética” por meio de publicidade e
consumo. Nenhuma questão crítica ou comentários foram feitos. Como participante da conferência,
perguntei de forma hesitante se empresas como BP, Coca-Cola e Chevron Texaco - todas
recentemente acusadas de má conduta ambiental e social - estavam bem posicionadas para oferecer
“educação ética”. foi curto, embora talvez não seja surpreendente: “Essas empresas estão realmente
tentando fazer algo, ao contrário das ONGs imprudentes que destroem a marca e a reputação com
acusações infundadas.”

Claramente, o que aparece como um processo de colaboração mútua depende da capacidade de tais
fóruns para impor consenso através do silenciamento de dissidentes. Aqueles que desafiam a
ortodoxia de objetivos coletivos correm o risco de serem rotulados como mais interessados em
“atirar pedras” do que em “progredir”.

RSE como Blindagem : A demanda por soluções “ganha-ganha” ativas tende, portanto, a extinguir
o debate e a crítica como cínicos, ideológicos ou apenas um desperdício de tempo precioso

This has the effect of further reinforcing the parameters for discussion and acceptable action,
narrowing the space for critique. Where opposition is voiced, the criticism tends to challenge the
sincerity of a claim to corporate responsibility, but not its ideological underpinnings. Anglo
American and Survival International, for example, can be seen to draw on a shared register of
references and terms in the struggle over responsibility, even if they are on opposite sides of an
issue.
Thus the power of CSR lies not simply in its capacity to sideline critical voices, but to colonize the
language and, in some sense the identities of critics, drawing even vocal campaigners against
corporate irresponsibility into its project. Henrietta Moore (2004: 82) notes that: “The very same
language, concepts, and images that are used by activists to try and preserve the ozone layer and
prevent environmental catastrophe are employed by multinational corporations to promote images
of global responsibility.

[Isso tem o efeito de reforçar ainda mais os parâmetros de discussão e ação aceitável, estreitando
o espaço para a crítica. Onde a oposição é expressa, a crítica tende a desafiar a sinceridade de
uma reivindicação de responsabilidade corporativa, mas não seus alicerces ideológicos. A Anglo
American e a Survival International, por exemplo, podem ser vistas em um registro compartilhado
de referências e termos na luta pela responsabilidade, mesmo que estejam em lados opostos de uma
questão.
Assim, o poder da RSE não reside simplesmente em sua capacidade de marginalizar vozes críticas,
mas de colonizar a linguagem e, em certo sentido, as identidades dos críticos, atraindo até mesmo
defensores vocais contra a irresponsabilidade corporativa em seu projeto. Henrietta Moore (2004:
82) observa que: “A mesma linguagem, conceitos e imagens usados pelos ativistas para tentar
preservar a camada de ozônio e evitar a catástrofe ambiental são empregados por corporações
multinacionais para promover imagens de responsabilidade global.]
Para isso, as ONGs devem competir para serem vistas como a personificação da virtude
ecológica, do desenvolvimento sustentável ou dos direitos humanos, mantendo um alto perfil
através da participação em conferências internacionais e domínios corporativos, juntamente
com publicações como manuais práticos ou documentos de posicionamento. Mas a relação
entre os mercados de capitais e o mercado do humanitarismo não é simplesmente uma questão
dualista de conversão

Mark Moody-Stuart, proferindo a Palestra Tacitus, descreveu as ONGs como “empresas” que
“fornecem serviços aos seus doadores e apoiantes ”(2006: 31). Assim como a linguagem da
parceria obscurece o funcionamento do clientelismo, também a representação de ONGs como
empresas competindo em um mercado para clientes corporativos nega as relações de poder e
dependência (e frequentemente deferência) que são geradas por essas alianças de caridade
corporativa no serviço. de CSR. Tanto o paradigma da parceria quanto o modelo de mercado
de responsabilidade competitiva tentam reivindicar a RSE como um rompimento radical do
legado da filantropia corporativa, o primeiro evocando um ideal de colaboração por causa comum, o
segundo apelando para o discurso economicista de “interesse esclarecido”. Ambos tentam
reformular o doador e o destinatário como parceiros, ou como cliente e fornecedor. No entanto,
como está implícito na derrapagem de Moody-Stuart na terminologia do “doador”, a
dinâmica de benfeitor e beneficiário prevalece, afirmando a hierarquia entre doador e
receptor: “Sem negócios, não há ajuda ao desenvolvimento e nenhum dinheiro gerado para
doar para ONGs. As ONGs não prosperaram no comunismo ”(ibid .: 30). A implicação é que,
para receber o financiamento corporativo necessário - “doações”, como Moody-Stuart coloca -, as
ONGs devem se esforçar para endossar a centralidade dos negócios. Em troca, essa “aliança”
fornece às corporações capital simbólico, dotando sua influência com uma autoridade moral
que é projetada e renovada através das práticas performativas da RSC. Tais rituais de virtude
corporativa obscurecem as relações de poder e mantêm a ilusão de independência mútua que
sustenta o mito da parceria.

O processo de cooptação, alcançado tanto pelo discurso moral persuasivo de parceria quanto
pelo poder coercivo de dar e reter financiamentos onde o doador julgar adequado, facilita a
aceitação mais ampla da abordagem de desenvolvimento orientada pelos negócios que a RSE
defende. Outras alternativas que antes poderiam ter sido o domínio das ONGs desaparecem do
quadro, assim como o fato de que, em muitas situações, as demandas de justiça social e ambiental
exigem que o movimento de desenvolvimento desafie ao invés de endossar os interesses
corporativos, abrindo caminho para desenvolvimento a ser redefinido de acordo com os interesses
das elites corporativas e seus investidores (Blowfield 2005).

Ao mesmo tempo, a paisagem da RSE parece ser formada por arenas transparentes de
competição, diversidade e pluralismo político em que os executivos corporativos “confessam”
erros ou má conduta do passado e explicam os regimes de melhores práticas que eles
desenvolveram desde então em parceria. com as ONGs. De fato, a aparente inclusão de tais
arenas, nas quais um etos colaborativo e confessional parece reinar, serve para criar um senso de
responsabilidade compartilhada no trabalho. Argumentei que as dimensões performativas e
ritualísticas da prática de RSC servem não apenas para celebrar as corporações como agentes de
melhoria social, mas também para estabelecer as regras de participação neste domínio da
governança global. O compromisso com a RSC tornou-se shibbolítico, uma declaração de propósito
comum e cidadania global com a qual as corporações conquistam um lugar (a cabeça da) mesa do
planejamento do desenvolvimento internacional. Ao contrário dos críticos tradicionais da RSC, que
vêem tais rituais apenas como tentativas de marca corporativa, esses teatros de virtude
desempenham uma função muito mais vital no exercício do poder corporativo, pois servem para
fabricar uma forma de consenso que marginaliza visões ou críticas alternativas. através dos
mecanismos discursivos de colaboração.