Você está na página 1de 5

COMANDO NÚMERICO COMPUTADORIZADO

Definição - O que são Insertos


Pastilhas de formas variadas, confeccionadas em materiais
diversos. Desta forma, tem-se o suporte porta-ferramentas,
fabricado em aço baixa-liga, sobre o qual é fixado o inserto
por meio de grampos ou parafusos. Para o caso de
ferramentas de CBN ou diamante, normalmente este
material estána forma de uma plaqueta de espessura em
torno de 0,5 a 0,8 mm, brasados sobre uma base de metal
duro ou de aço de média liga, montando-se, assim, o
inserto. Para o caso de brocas, elas podem ser
integralmente fabricadas no próprio material (aço rápido,
metal duro ou cerâmica), ou na forma de pontas indexadas,
que são aparafusadas na extremidade de uma barra de aço
de média liga. Essa solução de fabricação de insertos
permite que o suporte porta-ferramentas possa ser
aproveitado por um período extenso, necessitando apenas
de algumas investigações periódicas quanto ao
paralelismo (ferramentas em barra) e balanceamento
(principalmente nas ferramentas rotativas utilizadas no
fresamento e no mandrilamento).

FÓRMULAS USINAGEM
DEFINIÇÃO DO INSERTO EM RELAÇÃO AO MATERIAL

Normas ISO Aplicáveis a insertos de Metal Duro e Porta-Ferramentas

A ISO (Internacional Organization For Standardization), entidade internacional de


normatização, que agrupa dirversos países, recomendou a agrupamento do metal
duro em três grandes grupos:
Grupo P = Constituído de metais duros de elevado teor de TiC e TaC, é empregado na
usinagem de metais e ligas ferrosas que apresenta cavacos longos e dúcteis (aços em
geral) , onde é necessário um melhor desempenho quanto ao desgaste.

Grupo M – Possui características intermediárias e é empregado nas usinagem de


metais e ligas ferrosas que apresentam cavacos tanto longos quanto curtos (aço
inoxidável);

Grupo K – Primeiro tipo de metal duro a ser desenvolvido compreendendo os tipos ou


classes empregados nas usinagem de metais e ligas ferrosas que apresentam
cavacos curtos ou de ruptura (ferros fundidos e latões) e materiais não metálicos. Além
do agrupamento, segue-se um índice numérico que estabelece o posicionamento do
inserto quanto as características de dureza, resistência ao desgaste e tenacidade. O
código de identificação é formado por 8 campos, sendo os sete primeiros mais
comumente utilizados. A descrição de cada um destes campos pode ser observada
abaixo:

1: Indica a forma do inserto e o ângulo inscrito entre arestas;

C- cilíndrica R - retangular K-quadrada

2: Indica o ângulo de folga da pastilha;

N – nulo 5 - 5°, 10 -10° etc...

3: Indica a faixa de tolerância dimensional na espessura e no diâmetro inscrito da


pastilha;

A – precisa M - média D – desbaste

4: Indica o tipo de inserto ou a geometria de quebra-cavaco;

N – sem quebra cavaco G – quebra cavaco S – quebra cavaco com aresta especial

5: Indica o comprimento da aresta principal de corte em mm;


04 – 0,4 06 - 0,6 etc...

6: Indica a espessura do inserto em mm;

7. Indica o raio de ponta do inserto mm;

8. Indica a condição da aresta de corte; ou seja; o ângulo de saída se é zero (Z)


negativo (N) ou positivo (P);

Tabela 1 – inserta classe P

EXERCICIO:

Acompanhe os desenhos abaixo:

A partir deste e interpretando a tabela 1, e aplicando os cálculos de acordo com


a VC adequada, componha os caracteres que formam as pastilhas necessárias
para executar a peça acima; lembre-se de apresentar os cálculos. O diâmetro
do material bruto é de 25,4mm composto por aço 1020; se faz necessário o “f”
e “vf”.

O diâmetro do material bruto é de 35 mm composto por aço fundido; se faz


necessário o “f” e “vf”.