Você está na página 1de 94

Índice

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DA MÁQUINA______________________7


Características Elétricas______________________________________________________7

Características Pneumáticas__________________________________________________7

CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS_________________________________8
Dimensionamento da máquina MM-450_________________________________________8
Tabela dos Dosadores compatíveis com a MM-450_________________________8
Dimensionamento da máquina MM-1000________________________________________9
Tabela dos Dosadores compatíveis com a MM-1000________________________9
Dimensionamento da máquina MM-5000_______________________________________10
Tabela dos Dosadores compatíveis com a MM-5000_______________________10
Dimensionamento da máquina MM-6000_______________________________________11
Tabela dos Dosadores compatíveis com a MM-6000_______________________11

ESPECIFICAÇÕES EM RELAÇÃO AO FILME PLÁSTICO_____________12


Comprimento do Pacote____________________________________________________12

Largura da Bobina Plástica__________________________________________________12

Características da Solda em relação ao filme plástico_____________________________13


Configurações possíveis de solda:______________________________________13
Tipos de Plástico conforme sua possível configuração de solda_______________14
Tipo de transpasse vertical____________________________________________14

ESPECIFICAÇÕES EM RELAÇÃO AOS TIPOS DE SOLDA____________15


Termo Soldagem__________________________________________________________15
Tipos de controle:___________________________________________________15
Termo soldagem com Fita de Níquel Cromo_____________________________________16
Corrente__________________________________________________________16
Termo soldagem com Barra Quente___________________________________________16
Controle por Pulso__________________________________________________16

RECEBIMENTO DA MÁQUINA___________________________________17

-1-
Transporte_______________________________________________________________17

Desembalagem___________________________________________________________17

INSTALAÇÃO DA MÁQUINA____________________________________18
Local da Instalação________________________________________________________18
Nivelamento_______________________________________________________18
Ligações Elétricas_________________________________________________________19

Ligação do Ar Comprimido__________________________________________________20

Abastecimento de produto na máquina________________________________________21

PARTES IMPORTANTES DA MÁQUINA___________________________22

DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO________________________________23
Descrição do Processo______________________________________________________23

Mordaça e Solda Horizontal__________________________________________________24


Cuidados com o silicone e teflon_______________________________________26
Mecanismo Sobe e Desce___________________________________________________27

Desbobinador De Filme Plástico______________________________________________29

Braço da Solda Vertical_____________________________________________________30

Conjunto Formador________________________________________________________31

DOSADOR DR – SERVO DOSADOR______________________________32


Aplicação_________________________________________________________32
Dosador DR – Vista 1________________________________________________32
Dosador DR – Vista 2________________________________________________33

DOSADOR FP – SERVO DOSADOR______________________________34


Detalhes_________________________________________________________________35
Parte Frontal dos dosadores___________________________________________35
Detalhe 2 – Sistema de elevação do conjunto dosador_____________________35
Detalhe 2 – Sistema de elevação do conjunto dosador_______________________36
Partes importantes do Dosador_______________________________________________37

Funcionamento___________________________________________________________38
Operação do Dosador DR_____________________________________________39
-2-
Operação do Dosador FP_____________________________________________39
Muitos fatores influenciam no bom funcionamento do dosador de rosca:______________39

Manutenção______________________________________________________________40
Limpeza do Funil___________________________________________________40
Características Elétricas Dosador DR___________________________________________42
Motores___________________________________________________________42
Sensor____________________________________________________________42
Características Mecânicas Dosador DR_________________________________________42
Redutor___________________________________________________________42
Características Elétricas Dosador FP___________________________________________42
Motores___________________________________________________________43
Sensor____________________________________________________________43
Características Mecânicas Dosador FP_________________________________________43
Redutores:_________________________________________________________43
Mancal eixos múltiplos:______________________________________________43

SISTEMA ELÉTRICO___________________________________________44
Diagrama de Blocos do Esquema Elétrico________________________________44

SISTEMA PNEUMÁTICO________________________________________46
Mangueiras______________________________________________________________47

Recomendações Básicas para Manutenção de Acionamentos Pneumáticos_____________48

PROCESSO DE FUNCIONAMENTO DA MÁQUINA__________________49


Ângulos e Tempos_________________________________________________________50
Descrição Máquina MM______________________________________________50
Ângulo + Ângulo__________________________________________________________51

Ângulo + Tempo__________________________________________________________52

PAINEL FRONTAL DA MÁQUINA – DESCRIÇÃO DOS COMANDOS____53


IHM____________________________________________________________________54

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL (CLP)___________________55


Descrição Do Teclado (Operação)_____________________________________________55

-3-
Teclas de Operação da Máquina________________________________________55
Operações Básicas_________________________________________________________56
Edição de Parâmetros________________________________________________56
Como identificar uma tecla do frontal:_________________________________________59
Ângulos___________________________________________________________61
Tempos___________________________________________________________63
Senha de Parâmetros_________________________________________________64
Alarmes___________________________________________________________65
Estatísticas________________________________________________________66
Dosador___________________________________________________________67
Controle de Alinhador Manual_________________________________________67
Opcionais_________________________________________________________68
Temperaturas______________________________________________________69
Temperaturas______________________________________________________70
MultiSpeed________________________________________________________70
Gaveta de Arquivos________________________________________________________71
Tabela das gavetas de arquivo – Para uso do operador______________________72
Manutenção Interna_________________________________________________74

COMO ACESSAR:_____________________________________________74
Armazenar uma gaveta_______________________________________________74
Recuperar uma gaveta_______________________________________________74

AJUSTES E REGULAGENS_____________________________________75
Ajuste do Passo de Tracionamento____________________________________________75

Passagem Do Filme Plástico_________________________________________________75

Tipos de Passagem do filme plástico conforme o modelo da maquina________________76


MM-450-1000_____________________________________________________76
MM-5000-6000____________________________________________________77
Ajuste do comprimento do pacote plástico______________________________________78

Ajuste da sensibilidade da fotocélula__________________________________________79

Sincronismo do comprimento mecânico com a fotocélula__________________________80

CICLOS DA MÁQUINA_________________________________________81
Ciclo Semi-automático______________________________________________________81

Ciclo Automático__________________________________________________________81

-4-
OPERAÇÃO DA MÁQUINA______________________________________82
Colocação do material de embalagem_________________________________________82

Colocando a Máquina em funcionamento_______________________________________82

REGULAGENS DA MÁQUINA___________________________________83
Regulagem das temperaturas das soldas_______________________________________83

Regulagem do resfriamento das soldas________________________________________83

Regulagem geral da pressão do ar comprimido__________________________________83

Ajuste de peso____________________________________________________________84

DISPOSITIVOS OPCIONAIS DA MÁQUINA_________________________85


Datador - Hot Stamping____________________________________________________85

Ajuste do Datador_________________________________________________________86

Controle de Depósito_______________________________________________________86

Eliminador de estática______________________________________________________87

MANUTENÇÃO_______________________________________________89
Pontos de lubrificação da máquina____________________________________________89

ROTINAS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA________________________90

ANORMALIDADES____________________________________________91

MEDIDAS DE SEGURANÇA_____________________________________92
Medidas de segurança na operação da Máquina_________________________________92

Limpeza e Conservação_____________________________________________________93

Esquema Pneumático___________________________________________94

Responsável: Manoela Deretti


Descrição: Manual MM-450/1000/5000/6000 com CLP Atos Plus
Atualizado em: abril/2005
Programas de CLP neste manual: MMFDM.sup

-5-
Prezado amigo e cliente

Parabéns, Você adquiriu uma máquina de empacotamento automática


INDUMAK, sinônimo de QUALIDADE há mais de 40 anos.

A tecnologia de ponta utilizada na fabricação das máquinas INDUMAK


faz com que ela ofereça alta precisão, sem deixar de lado a praticidade de
operação.
A automação do processo de empacotamento, aplicada às máquinas
INDUMAK, isola o produto do contato manual.

Este manual foi cuidadosamente preparado, objetivando orientar ao


operador para que possibilite o aproveitamento de todos os recursos do
equipamento.
Neste manual será apresentada as características técnicas, instalação,
conservação e manutenção de seu mais novo equipamento INDUMAK.
Com ele o operador poderá se familiarizar melhor com nosso
equipamento, onde também encontrará dados sobre a programação da
máquina.
Aqui você encontrará instruções detalhadas sobre a operação da
máquina, permitindo ao operador aproveitar ao máximo os recursos
oferecidos por nosso equipamento.

Devido ao constante desenvolvimento industrial e tecnológico, a


INDUMAK se reserva do direito de modificar esquemáticos e especificações
de suas máquinas sem prévio aviso.

Nosso departamento de assistência técnica está a sua disposição a toda


e qualquer necessidade que vir a ocorrer, através do telefone 0800-47-0550
(ligação gratuita) e também pelo telefone (0xx47) 371 0555 ou então pelo
contato com nossos técnicos regionais localizados por todo o Brasil.

Atenciosamente

INDUMAK - Industria de Máquinas Kreis LTDA


A Diretoria

-6-
Características Técnicas da Máquina

Características Elétricas

Estas características são relacionadas especificamente à máquina s/


dosador.

Tensão da rede: 220 ou 380v (outras sob pedido)


+10% - 15% trifásico com neutro e terra
Consumo regime permanente/h: MM-1000 - 2,3 kWh
MM-5000 – 2,5 kWh

Temperatura operação: max 55º C


mín 10º C
Falta momentânea de energia permissível: máx 50ms
Umidade permissível: 0 a 95% (sem condensação)
Imunidade a ruídos externos: conforme normas NEMA standard ICS 2-230
Freqüência de trabalho: 60hz
50hz (sob pedido)

Características Pneumáticas

Tipo compressor: compressor de pistão ou compressor de parafuso, 40pcm


por máquina instalada.
Pressão de trabalho: min 6 bar
máx 7 bar
Consumo Pneumático: MM-450 - 994 L/min
MM-1000 – 808 L/min
MM-5000 – 679 L/min
Condensação permissível: 0 A 95% (Sem Condensação)
Tubulação: canalização de ferro com ½” por máquina instalada
Temperatura de trabalho: 10º a 60º c

-7-
Características Mecânicas

Dimensionamento da máquina MM-450

(Valores em milímetros)

Tabela dos Dosadores compatíveis com a MM-450

Modelo Dosador Altura (mm) Observação:


CG/RM-1000 950
FP-1000 1000 Para saber a altura
DR-1000 (Reg. Dos. Mínimo) 1260
total da máquina, some
CG-1000 especifico feijão 995
CGS-1000 calha vibratória 1430 1700 com a altura do
CA-1000 calha vibratória 1500 dosador.
CA-1000 c/ mexedor no funil 1100
CA-1000 normal 950
CG-1000 especial açúcar/arroz 770
DOSADOR DE GAVETA 1000 800
SL-1000 (sal úmido) 960
SL-1000 (sal seco) 1010
Calha Linear (3 estágios) S/ Plataforma 1230

-8-
Dimensionamento da máquina MM-1000

Valores em milímetros

Tabela dos Dosadores compatíveis com a MM-1000

Modelo Dosador Altura (mm) Observação:


CG/RM-1000 950
CG/RM-5000 970 Para saber a altura
FP-1000 1000
total da máquina, some
DR-1000 (Reg. Dos. Mínimo) 1260
CG-1000 especifico feijão 995 1890 com a altura do
CGS-1000 calha vibratória 1430 dosador.
CA-1000 calha vibratória 1500
CA-1000 c/ mexedor no funil 1100
CA-1000 normal 950
CG-1000 especial açúcar/arroz 770
DOSADOR DE GAVETA 1000 800
SL-1000 (sal úmido) 960
SL-1000 (sal seco) 1010
Calha Linear (3 estágios) S/ Plataforma 1230

-9-
Dimensionamento da máquina MM-5000



  

 
Valores em milímetros

Tabela dos Dosadores compatíveis com a MM-5000

Modelo Dosador Altura (mm)


FP-5000 1500
DR-1000 (reg. Dos. Mínimo) 1260
CA-5000 970
CALHA LINEAR (3 Estágios) S/ Plataforma 1230
DOSADOR DE GAVETA 5000 970

Observação:
Para saber a altura total da máquina, some 2330 com a altura do dosador.

- 10 -
Dimensionamento da máquina MM-6000

Valores em milímetros

Tabela dos Dosadores compatíveis com a MM-6000

Modelo Dosador Altura (mm)


FP-5000 1500
DR-1000 (reg. Dos. Mínimo) 1260
CA-5000 970
DOSADOR DE GAVETA 5000 970

Observação:
Para saber a altura total da máquina, some 2620 com a altura do dosador.

- 11 -
Especificações em relação ao filme plástico

Comprimento do Pacote

Máquina MM-450 MM-1000 MM-5000 MM-6000


Mínimo 80mm 100mm 150mm 220mm
Máximo 280mm 330mm 430mm 500mm

Largura da Bobina Plástica

Máquina MM-450 MM-1000 MM-5000 MM-6000


Mínimo 140mm 140mm 240mm 310mm
Máximo 430mm 430mm 580mm 720mm

Observação
Outras dimensões de pacotes, favor entrar em contato com nosso
setor de engenharia para aquisição da planta de dimensionamento da
bobina.
As medidas de dimensionamento da bobina mudarão conforme a
densidade do produto.

Observação
A produção nominal de pacotes depende do material da embalagem a ser
confeccionado, do dosador, do tipo de produto, da sua densidade e do peso
que será embalado.

- 12 -
Características da Solda em relação ao filme plástico

Nossas máquinas podem ser equipadas com solda de níquel cromo ou


barra quente, isto proporcional ao plástico.

Configurações possíveis de solda:

Barra solda vertical

 Níquel cromo ou barra quente lisa

Metal solda horizontal

 Níquel cromo traseiro


 Níquel cromo traseiro e dianteiro para pacotes de fundo chato
 Níquel cromo triplo traseiro com segurança de quebra de resistência
 Barra quente sentido vertical
 Barra quente sentido horizontal
 Barra quente sentido 45º
 Barra quente lisa

- 13 -
Tipos de Plástico conforme sua possível configuração de solda

SOLDAS
TIPOS DE FILME BARRA BARRA BARRA BARRA NIQUEL
QUENTE QUENTE QUENTE QUENTE CROMO
EXTR.45 EXTR.VERT. EXTR.HOR. LISA
PE X
PP X X X X
PP+PE X X X
PP+PP X X
BOPP+PP X X
BOPP+ALUM.+PE X X
BOPP+ALUM.+PP X X
POLIÉSTER+PE X X X

Tipo de transpasse vertical

TRANSPASSES
TIPOS DE FILME FACE A FACE SOBREPOSTO
PE X X
PP X X
PP+PE X
PP+PP X
BOPP+PP X
BOPP+ALUM.+PE X
BOPP+ALUM.+PP X
POLIÉSTER+PE X

SIGLAS:
PE – POLIETILENO
PP – POLIPROPILENO
BOPP – POLIPROPILENO
BIORIENTADO
ALUM - ALUMINIZADO

- 14 -
Especificações em relação aos tipos de solda

Termo Soldagem

Termo soldagem é a maneira de se unir duas camadas de filmes


através da fundição dos dois lados do plástico, a quente.

Três fatores são fundamentais para uma boa soldagem:

 Pressão – pressão uniforme em todo o ponto de soldagem;


 Tempo de solda – tempo ideal para fundir as duas camadas;
 Tempo de resfriamento – tempo necessário para resfriar as películas
plásticas após a união das duas partes.

Observação
Quanto maior a velocidade do equipamento, menor é o tempo de
soldagem, conseqüentemente temos que aumentar a potencia da caloria.

No uso de PEBDL ou PEDB (polietileno de baixa densidade linear), o


tempo de resfriamento é essencial, pois os pesos empacotados são
superiores a 500g. As barras de soldagem são configuradas conforme tipo de
embalagem plástica a ser processada no equipamento.

Tipos de controle:

 Controle por pulso – quando a barra for aquecida com resistência


tubular.
 Controle por corrente – quando a barra for de fita níquel cromo.

- 15 -
Termo soldagem com Fita de Níquel Cromo

Corrente

O controle das barras de soldas por corrente é efetuado por um


potenciômetro no painel da máquina, sobre uma escala de 0 a 100. Este
potenciômetro controla a entrada de energia no primário do transformador,
T1 para solda horizontal ou T2 para solda vertical, na faixa de 0 a 220 Vca.
O secundário do transformador reduz a tensão 0 a 12 Vca e aumenta a
corrente, aplicando-a às resistências no metal móvel.

Termo soldagem com Barra Quente

Controle por Pulso

O controle das soldas por pulso é usado quando as barras de solda


forem aquecidas por resistências tubulares (barra quente).
O controle da temperatura é feito através de um sensor (termo-
elemento), conectado a um ponto da barra, informando ao controle qual a
temperatura naquele instante na barra de solda. Com isto, o controle liga e
desliga a chave de alimentação das resistências.

Observação
É importante ligar a máquina 20 minutos antes do começo da
produção, para que o controle possa estabilizar a temperatura das barras de
solda.

- 16 -
Recebimento da Máquina

Transporte

O transporte de nosso equipamento depende de condições locais. É


importante salientar o cuidado com o equipamento no local da entrega. Este
equipamento está embalado em uma caixa para evitar quaisquer danos.

Observação
Utilizar cabos e cintas previamente dimensionados.
Não assumimos garantia por danos provocados por armazenamento
inadequado.

Após a entrega do equipamento, o Cliente deverá informar a


INDUMAK sobre quaisquer danos ocorridos pelo transporte inadequado, e
verificar o fornecimento com base no pedido. Qualquer dúvida entre em
contato com nosso departamento de vendas ou assistência Técnica.
Volumes que acompanham a máquina:
 Esteira transportadora
 Caixa com material sobressalente

Desembalagem

Posicione a máquina no local, retire a madeira de proteção da caixa,


com ganchos ou cintas dimensionados. Erga a máquina, retirando os quatro
parafusos de fixação no estrado. Retire o estrado, coloque os pés de apoio
que estão na caixa de material sobressalente que acompanha a máquina.
Posta no lugar adequado, a máquina deve ser limpa, utilizando
produtos neutros, para não atacar a pintura da máquina. Observar também o
manuseio com os acessórios, e não extraviar a caixa com material
sobressalente.

Observação
 Caso a máquina seja transportada lateralmente, suspenda a máquina e
retire a proteção.
 A caixa com o material sobressalente, somente poderá ser aberta por
técnico autorizado e responsável pela instalação da máquina.

- 17 -
Instalação da Máquina

Local da Instalação

Não há necessidade de um piso especial, é importante, sim, um bom


nivelamento do mesmo. Quando a instalação for em níveis superiores,
observar a resistência da estrutura conforme o peso do equipamento.
Evitar mistura de produtos; pontos que gerem muito pó nas
proximidades do equipamento.
O local da instalação deve ser o mais aberto possível, para melhor
manusear o equipamento. O local deve ser bem iluminado, para facilitar
possíveis manutenções, deve estar também livre de poeira e produtos
corrosivos.

Nivelamento

Utilizar um nível de água profissional, sob a plataforma superior no


sentido longitudinal e transversal. Para ajustar possíveis irregularidades,
regule os pés de apoio, soltando uma contra-porca.

Observação:

O nivelamento é necessário para corrigir eventual deformação da


estrutura da máquina, causada pelo desalinhamento do piso.

- 18 -
Ligações Elétricas

É exigida para instalação da máquina uma rede elétrica trifásica, e


para 380V um neutro para o circuito de comando.
No painel central, instalar um disjuntor trifásico, para maior segurança.
O final da linha deverá ter uma tomada 3p+1 com seu devido pino.

Observação!
As máquinas são enviadas sem pinagem de conexão elétrica,
obedecendo assim às normas do cliente.
Os cabos de alimentação que alimentarão a tomada da máquina,
deverão ter espessura mínima de:

 2,5 mm – Máquina com Dosador de Caneca


 4,0 mm – Máquina com Dosador DR ou FP

É exigido um ponto de terra real, com resistência máxima de 5 e um


cabo flexível de no mínimo 4 mm na cor verde e amarela. Este deve ser
ligado a um parafuso que se encontra na parte traseira da máquina conforme
mostra a foto abaixo:

Ligação do Fio Terra

Entrada de Energia

- 19 -
Ligação do Ar Comprimido

A importância da qualidade do ar comprimido é primordial para o bom


funcionamento do equipamento. O ar comprimido deve ser puro, livre de
água, óleo, e outras impurezas provenientes da linha pneumática. O
compressor que alimentará a máquina deverá estar dentro das normas do
consumo de ar da máquina.

O compressor poderá ser com cabeçote de pistão, regime contínuo,


alta pressão e admissão de 40 PCM por máquina instalada.

Poderá também ser usado um compressor de parafuso com pulmão e


admissão calculada para consumo de 850 l/min.

A tubulação de ar deverá ter, no final da linha, um registro de


segurança, para possíveis paradas de manutenção. A canalização deve ser de
ferro galvanizado, com inclinação e no mínimo ½” por máquina instalada.

Observação
Nunca utilize engate rápido para alimentar a máquina.
Quando efetuar reparos no sistema pneumático da máquina, feche o
registro principal e despressurize a máquina para evitar acidentes.

Entrada de ar

Engate rápido para o bico


de ar da máquina

- 20 -
Abastecimento de produto na máquina

Outro fator importante para o bom funcionamento da máquina é a


alimentação de produto no dosador. A má alimentação ocasionará variações
na dosagem. Atualmente, com as novas leis do INMETRO, é cada vez mais
importante o acompanhamento do operador no controle do peso, devendo
este apanhar uma amostragem aleatória e revisá-la periodicamente. (dúvidas
quanto às leis do INMETRO, entrar em contato com nosso departamento de
vendas).

Cada tipo de dosador terá sua alimentação própria, para seu eficaz
funcionamento. Entre em contato com nosso departamento de engenharia,
este lhe indicará o sistema de abastecimento mais adequado para cada tipo
de produto e dosador.

- 21 -
Partes Importantes da máquina

A
B

C E

Obs.: O Desenho condiz com a máquina porem não com o dosador.


(desenho meramente ilustrativo)

A. Funil de deposito: ponto chave para não haver variação de peso.


B. Dosador: onde é controlado o peso do produto que será embalado.
C. Bobina plástica: Será ela a embalagem do produto.
D. Tubo formador: transforma a lamina de plástico em tubo.
E. Mordaça: onde é feitas a solda superior e inferior do pacote e
conseqüentemente o corte.
F. Esteira de saída: Mecanismo responsável pelo transporte do pacote
pronto.

- 22 -
Descrição do Equipamento

Descrição do Processo

A bobina plástica é colocada no eixo do rolo da bobina (1),


desenrolada pelo tracionamento do filme, feito pela mesa frontal (sobe desce
(2)), este libera o freio do eixo da bobina (3), liberando a bobina.
A bobina passa através do datador (4), este imprime a data de
validade e fabricação. Logo em seguida passa pelo controle fotoelétrico (5)
que determina o tamanho do pacote, através de marcas impressas no filme
plástico. O controle do ponto de corte do pacote é feito através de um rolo
móvel (6), regulado por uma manopla no frontal da máquina (7).
A película plástica entra no conjunto formador (8), onde é dado o
formato do pacote. A solda lateral do pacote é feita pelo braço da solda
vertical (9), servindo também para segurar o pacote no momento que a
mordaça o libera e sobe para iniciar o contra ciclo.
A solda da boca e do fundo do pacote é feita pela mordaça em
conjunto com o metal da solda horizontal (10) e o esfriamento da solda.
Depois de completado o ciclo (pacote), a mordaça libera o pacote sobre uma
esteira transportadora (11).

- 23 -
Mordaça e Solda Horizontal

6 5

9
3
11

12
2
10

1
7

8 4

13 15 14
1- Metal Dianteiro
2- Metal Traseiro
3- Mordente Traseiro
4- Mordente Dianteiro
5- Porca extensão do cilindro
6- Cilindro da Solda Horizontal
7- Bucha da travessa
8- Travessa Dianteira
9- Travessa Traseira
10- Eixo da Mordaça
11- Terminal de Rótula
12- Haste
13- Mancal do Braço
14- Braço Rotacionador
15- Suporte p/ tração

- 24 -
O acionamento do cilindro pneumático que atua a mordaça, como
todos os outros acionamentos, é feito pelo CLP, onde se programa o ângulo
inicial e o ângulo final que será ligada uma válvula eletro-pneumático.
Através do movimento de um carretel o sentido da passagem do ar
muda, sendo este agora injetado na parte traseira do cilindro, resultando no
avanço da haste do cilindro e, conseqüentemente, ao fechamento da
mordaça através do sistema de correntes.
Com o plástico preso entre as mordaças esticado e firme, é o
momento de executar a solda e o corte do pacote. Esta operação é realizada
pelo metal móvel controlado pelo CLP através de uma válvula eletro-
pneumática. No CLP programa-se o ângulo (início), o tempo de acionamento
e também a temperatura (potência) da solda. Observe que a selagem da
boca e do fundo (do próximo pacote) é feita simultaneamente ao corte.
Ao recuar o metal móvel, aciona-se o resfriamento horizontal através
do ângulo programado no CLP, ficando acionado por um determinado tempo.
O objetivo é fazer com que a solda resfrie rapidamente, evitando que se
enrugue ou abra.
Quando o CLP desliga a válvula eletro-pneumática da mordaça, o
carretel da mesma retorna, fazendo o ar passar pelo sentido original, ou seja,
o ar é injetado na frente do cilindro, provocando a abertura da mordaça.
A barra de solda horizontal com resistência de níquel-cromo é constituída por
um metal móvel e um metal de apoio. No metal móvel temos duas
cabeceiras, onde se prende a resistência. Uma cabeceira é fixa e isolada do
corpo do metal, a outra extremidade é móvel, para compensar a dilatação da
resistência (aquecimento), pela ação de uma mola, fazendo com que a
mesma permaneça sempre esticada.
A resistência superior fecha o fundo do pacote, e a resistência inferior
fecha a boca do pacote.
Para um bom funcionamento do sistema de solda com resistência de
níquel-cromo, é necessário verificar estes itens:

 Trocar a película de teflon, sempre que mostrarem indícios de


queimado.
 Antes de colocar nova película, limpe bem a área onde será aplicado o
novo adesivo.
 Trocar a fita de resistência sempre que apresentar deformações
(amassada).
 Verificar o teflon grosso 6mm, quando estiver queimado providencie a
troca.
 A cada 100 horas de trabalho, verifique o estado do silicone, troque-o
se estiver ressecado e quebradiço.

- 25 -
Cuidados com o silicone e teflon

Mordaça

Metal de
solda

Resistência chata
de níquel cromo

Película de teflon 35
x 0,13mm com
adesivo

Silicone 3,5 x 5,3mm

Teflon grosso 6mm

 Trocar a película de teflon, existente sobre as soldas, quando as


mesmas mostrarem indícios de queimado;
 Antes de colar a nova película, limpar bem a área onde será aplicado o
novo adesivo;
 Verificar a resistência níquel-cromo se for preciso substitui-la;
 Verificar se o teflon que se encontra entre a resistência e o silicone está
queimado, se estiver, substitua também;
 A cada 100 horas de serviço, verificar se o silicone que se encontra em
baixo da resistência está ressecado, se for necessário, substitui-lo.

Observação:
Para verificar se o silicone está em perfeitas condições retire-o do friso
do metal e verifique se não está ressecado dobrando-o.

Aviso:
Máquinas que possuem solda frisada (estriada), verificar somente a
limpeza do metal.

- 26 -
Mecanismo Sobe e Desce

Fuso
regulador
Redutor

Maniquete

Polia

Correia

Motor

Bucha do mecanismo

Através de um motor elétrico de 2 cv, quatro pólos, o redutor gira, com


redução de 1:30, onde se faz o movimento do conjunto mecânico chamado
maniquete.

- 27 -
No maniquete, temos um fuso regulador que movimenta o braço preso
a uma travessa principal. Conforme a porca do fuso, temos um curso maior
ou menor do quadro de solda. O volante responsável por esta regulagem
está localizado na parte inferior do painel elétrico.

Observação
As buchas do mecanismo devem ser lubrificadas diariamente, através
de graxeiras localizadas sobre as mesmas. Limpe o excesso de graxa.

A produção da máquina é controlada através de uma polia no motor e


redutor, ou se desejar, pode ser instalado um inversor de freqüência
(opcional) ligado ao motor principal.

- 28 -
Desbobinador De Filme Plástico

A função deste dispositivo é liberar a quantidade certa de filme


conforme a produção da máquina. O controle da demanda de plástico é
realizado pelo rolo bamba, que destrava o freio do rolo conforme o
tracionamento da mordaça.

1- Rolos Bamba
2- Correia do freio do eixo da bobina
3- Eixo da bobina

- 29 -
Braço da Solda Vertical

O braço da solda vertical é o responsável pelo fechamento longitudinal


do tubo formado pelo filme plástico. O movimento do braço é eletro-
pneumático, o CLP é o responsável pelo acionamento de um solenóide que
atua sobre a válvula da solda vertical. É necessário parametrizar no CLP o
ângulo em que a solenóide será acionada, e também quanto tempo o braço
permanecerá atuado.
A barra de solda vertical é a responsável pela selagem do pacote. A
barra possui uma resistência de níquel-cromo, alimentada por um
transformador de baixa tensão e alta corrente. Este transformador é
acionado pelo circuito ARGV220V, que será controlado pelo potenciômetro no
frontal do painel, aquecendo as resistências somente quando for ligada a
máquina. Sobre a resistência é usada uma película de teflon, para evitar que
o plástico cole na mesma. Em baixo da resistência existe uma camada de
silicone e uma lâmina de teflon grosso para proteger o silicone do calor da
resistência.
No tubo formador é colado um tapete de borracha com 1,5mm de
espessura e 20mm de largura, servindo de apoio e também para moldar a
solda.

Observação:
O curso do cilindro que atua a barra da solda vertical é de 35mm,
sendo necessário ajustar o braço da solda vertical sempre que houver troca
do conjunto formador. A cabeceira fixa deve estar eletricamente isolada do
corpo da barra de solda.

- 30 -
Conjunto Formador

1- Chapéu (Colarinho)
2- Travessa do Chapéu
3- Tapete de Borracha
4- Cano
5- Suporte do Conjunto Formador
6- Parafuso de Fixação (Cano no Suporte)
7- Manopla de Fixação (Conjunto na Máquina)

O conjunto formador é responsável pela transformação da lâmina de


plástico em um tubo. No transpasse do plástico (emenda do tubo) a solda
vertical poderá ser feita de duas formas:

 Sobreposição: é a forma mais simples, onde a face interna do


filme será soldada à face externa.

 Face-a-face: transpasse que possibilita à solda vertical fundir a


face interna das extremidades do tubo.

Para se executar o transpasse face-a-face é necessário uma pequena


alteração no chapéu formador (colarinho), além de verificar as características
do filme utilizado.
O chapéu formador (colarinho) e o cano são fixos no suporte do
conjunto por meio de porcas e o conjunto todo é fixado com duas manoplas
na parte superior da máquina. O tamanho do conjunto formador é
proporcional ao tamanho da embalagem a ser confeccionada.
Outro detalhe importante na definição do chapéu formador (colarinho)
a ser utilizado é com relação ao tipo de filme da construção da embalagem.
Para plásticos pe, pp, bopp e compatíveis usa-se o chapéu formador
corrugado e com transpasse face-a-face.

- 31 -
Dosador DR – Servo Dosador

Aplicação

Dosador específico para dosagem de produtos em pós, como, farinha


de trigo, polvilho, leite em pó, condimentos, etc.
Dosador DR – Vista 1
1

- 32 -
Dosador DR – Vista 2

10

1. Servo Motor: Responsável pelo giro da rosca dosadora.


2. Funil entrada do Produto: Entrada do produto a ser dosado.
3. Suspiro: Responsável pela entrada e saída do ar decorrente ao fluxo interno
de produto no funil.
4. Trava Funil do Deposito: Dispositivo com manopla que prende o funil ao
disco superior.
5. Entrada p/controle de nível: Compartimento para acoplar o dispositivo de
leitura de nível do produto.
6. Redutor: Reduz mecanicamente a velocidade do motor.
7. Motor: Responsável pelo movimento do sistema de Mexedor de produto.
8. Entrada Sensor Indutivo: Entrado do sensor de leitura de nível mínimo
dentro do funil.
9. Base externa de sustentação do conjunto: Base de sustentação de todo
conjunto Dosador.
10. Base do Dosador: Plataforma do Conjunto Dosador.

- 33 -
Dosador FP – Servo Dosador

Dosador específico para produtos em pós, como, farinha de trigo,


polvilho, leite em pó, condimentos.
Seu Funcionamento:

O produto é colocado na entrada do alimentador (1), este através de uma


rosca (2) movimenta o produto até o depósito intermediário (3).
O controle do nível neste depósito é feito por um sensor fotoelétrico na
tampa superior (4), este conectado ao CLP que lê o nível e se encarrega de
ligar quando necessário, o motor do alimentador (5). Caso falte produto por
um determinado tempo programado no CLP, a máquina pára
automaticamente.
O produto que está no depósito intermediário (3) e no funil da rosca
dosadora (6), é movimentado no seu interior por um conjunto de pás (7) que
não deixam o produto compactar. Estas pás são movidas por um moto-
redutor (8) controlado pelo CLP. A dosagem é realizada pela rosca dosadora
(9) com passo e diâmetro específico para cada peso.
A rosca dosadora (9) é ligada a um servo motor inteligente (10).
Através de um mancal com duplo eixo (11) e, um conjunto de correias
e polias dentadas (12). A dosagem é controlada pelo CLP (13), que
comanda o servo conversor (14), este por sua vez, liga e desliga o
motor, monitorando passo a passo todas as funções do servo motor.

- 34 -
14 13
12 11 11 14

Detalhes
Parte Frontal dos dosadores

16 17

13

11
12

13
14

15

11. Funil do Deposito


12. Mexedor
13. Rosca Dosadora
14. Porca de aperto do Tubo de despejo
15. Tubo guia da Rosca
16. Bucha de acoplamento da Rosca
17. Parafuso aperto da Bucha

- 35 -
Detalhe 2 – Sistema de elevação do conjunto dosador

18. Parafuso aperto do eixo


19. Alavanca para levantar o conjunto
dosador
20. Base interna de sustentação do
conjunto
21. Parafuso de vazão para abaixar o
conjunto dosador

18

20

19

21

- 36 -
Partes importantes do Dosador

11. Funil do Deposito: Responsável pelo preparo do produto antes


de ser dosado.
12. Mexedor: Dispositivo responsável por descompactar o produto.
13. Rosca Dosadora: Dispositivo responsável por deslocar o produto
por dentro do tubo.
14. Porca de aperto do Tubo de despejo: Dispositivo que prende
o tubo de despejo ao funil.
15. Tubo guia da Rosca: Dispositivo responsável pela acomodação
da rosca e despejo do produto.
16. Bucha de acoplamento da Rosca: Dispositivo responsável pelo
acoplamento mecânico do eixo da rosca com o servo-motor.
17. Parafuso aperto da bucha: Parafuso que prende a bucha de
acoplamento ao eixo do servo-motor.
18. Parafuso aperto do eixo: Este parafuso prende o eixo de
sustentação do dosador ao suporte do conjunto.
19. Alavanca para levantar o conj. dosador: Dispositivo que
encaixa no macaco hidráulico usado para levantar todo o conjunto a fim
de ajustar a altura conforme o tamanho do cano e da rosca.
20. Base interna de sustentação do conjunto: Eixo de
sustentação do conjunto dosador. Este eixo também permite você
rotacionar todo o conjunto dosador.
21. Parafuso de vazão para baixar o conj. dosador: Soltando
este parafuso, o cilindro do macaco hidráulico recua, ou seja, abaixa o
conjunto dosador.

- 37 -
Funcionamento

O produto que abastece o dosador é colocado através da entrada do


alimentador (2). Se necessário, o dosador tem como opcional um sensor por
microruptor (5) que se encontra na lateral da entrada do alimentador. Este
sensor serve para controlar um sistema de abastecimento de produto que se
tenha no local.
O dosador também possui internamente um sensor de pêndulo (8)
para controlar o nível de produto dentro do funil (11). O operador tem a
opção de escolher qual dos dois sistemas usar: Microruptor ou sensor de
nível. Cada sistema depende de características intrínsecas ao produto que
está sendo empacotado.
Conectado ao CLP, este sensor lê o nível mínimo de produto e se
encarrega de ligar, quando necessário, o sistema de abastecimento de
produto (dispositivo independente da máquina).
Caso falte produto por um determinado numero de ciclos pré-
programado (ver tela “Nível do Deposito” no campo “Alarme”), a máquina irá
parar automaticamente e será mostrado na IHM o seguinte alarme:

O produto que se encontra no funil do deposito (11) é movimentado


no seu interior por um conjunto de pás, chamado de mexedor (12), cuja
função é não deixar o produto compactar impedindo que haja variação de
peso devido à compactação do produto. Estas pás são movidas por um motor
(7) acoplado a um redutor (6).
A dosagem é realizada através do giro da rosca dosadora (13) que tem
o passo e o diâmetro específico para cada peso e tipo de produto.
A rosca dosadora (13) é ligada ao servo motor (1), que através de um
mancal com duplo eixo, pode movimentar a rosca dosadora (13)
independente do motor (7), que movimenta o mexedor (12). A dosagem do
produto é feita através do processo de “empurrar” o produto para dentro do
pacote. Este processo é feito devido ao número de voltas que a rosca
dosadora (13) realiza, o qual é controlado pelo CLP através de comunicação
serial com o servo conversor que se encontra dentro do painel elétrico. Este
por sua vez, liga e desliga o servo motor, monitorando passo a passo todas
as suas funções.

- 38 -
Operação do Dosador DR

Pontos Importantes

Fatores que influenciam no bom funcionamento do dosador de rosca:

 Uma alimentação constante, granulometria e umidade controladas;


 Observar o fator compactação quando a alimentação for por elevadores
de rosca;
 Compactação no funil de depósito intermediário.

Durante a produção é necessário verificar o peso do produto utilizando


uma balança apropriada.

Observação!
Conforme norma do INMETRO (portaria n 074 de 25 de maio de 1995),
é permitida uma tolerância máximo de  1% na variação do peso do produto.
Para que haja uma uniformidade no peso, é necessário que o produto
também seja uniforme.

Operação do Dosador FP

Pontos Importantes

Muitos fatores influenciam no bom funcionamento do dosador


de rosca:
 Uma alimentação constante, granulometria e umidade controladas;
 Observar o fator compactação quando a alimentação for por elevadores de
rosca;
 Compactação no funil de depósito intermediário (produto não desce).

Comando de Ajuste de Peso

Para ajustar e sincronizar o dosador com a máquina, utilizamos o controlador


(CLP). Temos uma tecla que programa voltas, rampas e velocidades, e outra,
que programa ângulo de entrada do dosador, tempo, opcionais.

- 39 -
Manutenção

Limpeza do Funil

Para fazer a correta limpeza das partes internas do funil, se faz


necessário primeiramente retirar a rosca dosadora.

a) Para retirar a rosca siga corretamente as etapas abaixo:

1) Solte o parafuso de fixação (17) da bucha de acoplamento (16);

2) Gire a bucha (16) até que o canal da chaveta coincida com o canal do
eixo do servo-motor. Veja detalhe da figura abaixo;

Detalhe:
Alinhe o canal (chaveta) da bucha (16) com o canal
do eixo.

3) Alinhado os canais, puxe a rosca para baixo, tomando cuidado para não
deixa-la cair!

Dica!
Com a rosca desacoplada do eixo do servo-motor,
apóie a rosca sobre a mordaça.

4) Com uma chave especial que acompanha a máquina, solte a porca de


aperto do tubo (14) para soltar o tubo de despejo (15);

5) Retire todo o conjunto (tubo + rosca + conjunto formador) da


máquina;

- 40 -
b) Para retirar o funil de deposito do dosador, siga as etapas abaixo:

1) Solte as 4 manoplas das travas do funil (4);

2) Com o funil de deposito (11) totalmente solto, puxe-o para frente


fazendo o movimento de rotação para desviar do mexedor (12);

3) Pronto! Com o funil desacoplado do resto do dosador, você tem acesso


a todas as partes internas do dosador para fazer a remoção e limpeza
do mesmo.

- 41 -
Características Elétricas Dosador DR

As características a seguir referem-se especificamente ao dosador e


seus acessórios.
Motores

Motor do mexedor - 220V/380V Trifásico


4 pólos, 1.05 kW, 60 Hz

Servo motor – SW7 – 71 – 13 –20


13 N.m

Servo conversor - SCA04 24/48


50-60Hz
2,85 kW
Sensor

Indutivo NPN
Tensão alimentação - 24 Vcc
Consumo - 20 mA
Temperatura de operação - Max. 55ºC
Min. 10ºC

Características Mecânicas Dosador DR

Redutor

Mexedor – Geremia GSA63 Red. 1:30 G104E


Acoplamento com flange C80B5

Características Elétricas Dosador FP

As características a seguir referem-se especificamente ao dosador de


rosca e seus acessórios.

- 42 -
Motores

Neste dosador temos três motores:


 Motor rosca alimentadora - 220V/380V Trifásico
4 pólos 0,37Kw 60Hz In.

 Motor mexedor - 220V/380V Trifásico


4 pólos 0,37Kw 60Hz In.

 Servo motor - SWA – 56 8,0 – 20 8Nm 1,32Kw


2000rpm 200Vca/65 A
- Resolver 7Vcc 10Khz 1:0,5
- Servo conversor SCA – 04
220-240V 3% 8 A
50-60Hz
Sensor

 Tipo – Fotoelétrico
 Tensão alimentação – 10 A 30Vcc
 Consumo – 20mA
 Temperatura de operação – máx. 55ºC
min. 10ºC
 Isolação – IP63

Características Mecânicas Dosador FP

Redutores:
 Mexedor – Cestari mod. MK 40 red. 1:40
Acoplamento com flange
 Alimentador – Geremias mod. GS 51 red. 1:15
Acoplamento com flange

Mancal eixos múltiplos:


 Rolamentos de alta rotação para eixo da rosca
 Rolamentos para eixo do mexedor

Roscas:
 Específica para cada produto, toda em aço ínox, usinada

- 43 -
Sistema Elétrico

Temos vários componentes que formam o sistema elétrico. O mais


importante deles é o CLP (controlador lógico programável), responsável por
todo o sincronismo da máquina, leitura de sinais dos sensores e acionamento
dos dispositivos da máquina.
A partir de um painel de controle na parte frontal da máquina (IHM –
interface homem-máquina), é possível alterar sincronismos e opcionais da
máquina. As saídas do CLP controlam contatores (motores), bobinas de
válvulas e chaves estáticas (impulso das soldas).

Diagrama de Blocos do Esquema Elétrico

CH EST – CHAVE / ESTATÍSTICAS (ARGV)

Observação
Evite alimentar a sua máquina em tomadas que estejam ligadas a
circuitos de grandes motores ou aplicações que promovam bruscas quedas
de tensão e desequilíbrio na rede elétrica. Ligue o fio terra à máquina.

- 44 -
1

6
2
7

3 8

10

2
3 1- CLP
4
7 2- Régua de Bornes
3- Disjuntor de entrada
4 4- Disjuntores (mecanismo sobe e desce, esteira, mexedor)
5- Inversor mecanismo sobe e desce (opcional)
6- Fonte 24Vcc
7- RGV’s (Reles de estado sólido), (controle de pulso das soldas)
8- Fusíveis de Proteção
9- Transformadores das Soldas
10- Servo Conversor do motor da rosca dosadora

- 45 -
Sistema Pneumático

O ar passa primeiramente pelo filtro de tela, para retirar impurezas


maiores como cavacos e limalha de ferro. Após o filtro o ar encontra o
regulador de pressão, que mantém o limite de pressão para o qual o sistema
foi projetado.

Neste regulador derivam-se dois circuitos:

Circuito do manômetro: o ar segue para um manômetro, que indicará no


painel da máquina a pressão atual do circuito, que deve ser ajustada entre 6
e 7bar.

Circuito de comando: está é a saída principal do regulador. O ar segue para


um filtro coalescente (filtra óleo, água, impurezas pequenas) onde se divide
novamente, indo para a válvula do resfriamento da solda horizontal, que é
controlado por uma válvula eletro-pneumático, e para o bloco das válvulas
principais. O ar segue até os atuadores conforme comando elétrico (CLP). O
ar que retorna dos atuadores é liberado pelo escape rápido.

- 46 -
Evite alterar as regulagens das controladoras de vazão das válvulas
pneumáticas, pois as mesmas já saem reguladas de fábrica. A manutenção
em cilindros e válvulas deve ser feita por pessoa com conhecimento no
assunto. Procure um lugar (bancada) limpo e com claridade suficiente para
evitar perda de peças ou montagem errada. Sempre desligue a chave geral e
a alimentação de ar comprimido quando for efetuar qualquer reparo, limpeza
e mesmo no final do expediente.
Ao efetuar a lubrificação de partes móveis do equipamento, limpe o
excesso de graxa. Isso é muito importante para conservar a higiene no
processo de empacotamento.

foto – detalhe válvulas do sistema pneumático


Mangueiras

No circuito pneumático onde se requer grande vazão e a


mangueira sofre tensão mecânica, são utilizadas mangueiras de
borracha 3/8 “.

No circuito de acionamento que possuem grande vazão,


são utilizados tubos de poliamida de 10mm x 1,5mm.

Onde o movimento é constante com baixa vazão, são


utilizados tubos de poliamida de 8mm x 1,25mm.

Onde o movimento é constante com baixa vazão, são


utilizados tubos de poliamida de 6mm x 1mm.

- 47 -
Recomendações Básicas para Manutenção de Acionamentos
Pneumáticos

Toda a manutenção deve ser feita em local apropriado. Uma sala


limpa, com boa iluminação, utilizando ferramentas adequadas, que facilitem o
processo de montagem e desmontagem, evitando a perda de componentes
pequenos;
Os componentes em manutenção deverão ser analisados, em especial
as vedações. Em caso de estarem com riscos profundos, ressecadas ou
deformadas devem ser substituídas;
O kit de reparos deve ser trocado por completo. Não troque apenas a
guarnição defeituosa, pois isso ocasionará desgastes não uniformes,
aumentando os intervalos entre manutenção.
Mesmo não havendo irregularidade, todos os componentes deverão
ser lavados antes da montagem. Procedimentos para a limpeza são os
seguintes:

 Partes metálicas: utilize querosene


 Partes plásticas ou de borracha: utilize água com sabão neutro;

Para a montagem siga corretamente o desenho correspondente.


Engraxe as guarnições e tome cuidado para não espanar as roscas;
Antes de instalar a peça reparada, realize o teste de bancada, para
verificar se foi obtido sucesso na manutenção, evitando mão-de-obra
desnecessária;
No caso do copo dos filtros, jamais use álcool ou solventes para a sua
limpeza:

Observação
Vale lembrar que para o bom funcionamento do sistema pneumático, o ar
comprimido deverá estar isento de água, umidade ou qualquer parte sólida em
suspensão.

- 48 -
Processo de funcionamento da máquina

A máquina tem seu sincronismo baseado em um encoder mecânico


unidirecional, formado por 2 sensores indutivos 8mm, fazendo a leitura de
uma roda de 44 dentes + um ponto 0. O CLP transforma os 44 pulsos em
360º, onde será feita a programação das funções da máquina.

Sensor 44 pulsos

Sensor ponto zero

- 49 -
Ângulos e Tempos

Descrição Máquina MM

Colocando-se a roda dentada num plano para o acionamento da


mordaça, teremos:

Todos os acionamentos eletro-pneumáticos e eletromecânicos


dependem desse sinal, mordaça, solda horizontal, solda vertical, etc.

- 50 -
Ângulo + Ângulo

Esta condição se dá quando temos um ângulo de entrada e um ângulo


de saída da função. O sincronismo é todo realizado sobre os ângulos, sendo
diretamente proporcional à velocidade da máquina. Liga através do ângulo e
desliga através do ângulo.

Observação
Em acionamentos pneumáticos, observar o atraso de acionamento
devido ao acúmulo de força para movimentar o pistão.

Observar válvulas estranguladoras de fluxo (vazão de ar) muito


fechadas. Quanto maior o cilindro, maior seu tempo de acionamento.
Ex.: Acionamento da mordaça liga 80º até 360º

- 51 -
Ângulo + Tempo

Nesta forma de controle de sincronismo, temos um ângulo de entrada


do acionamento, e um tempo par definido para o mesmo, não alterando com
a mudança de produção da máquina.

Ex.: O acionamento da solda horizontal (faca) liga no ângulo 130º e desliga


após 0,25s.

Observação
Conforme a variação de produção da máquina, poderemos ter tempos
menores ou maiores.

- 52 -
Painel Frontal da Máquina – Descrição dos Comandos

IHM

Botoeira
Início/Término

Chave de
Emergência
Chave Geral

- 53 -
IHM

- 54 -
Controlador Lógico Programável (CLP)
Descrição Do Teclado (Operação)
Teclas de Operação da Máquina

INDICA LIGADO FUNÇÃO

OBS.: Para Acessar Outras Funções Utilize As Teclas Page-Up ou Page-Down.


Teclas
Movimento manual necessita estar habilitado para acessar a rotina de manutenção. Pressione, veja no
display a função a ser acionada. Toque na tecla I/O para acionar, e dê mais um toque na mesma para
desacionar. Obs.: O tracionamento do plástico e o acionamento da mordaça são feitos direto no teclado
opcional.

Movimento semi-automático. Ligue as teclas da Solda Horizontal, Esteira, Mordaça Automática, Solda
Vertical, Fotocélula e habilite esta tecla. Pressione I/O – partida. A máquina fará um ciclo apenas, sem
dosagem.

Movimento automático, estando habilitada, os movimentos da mordaça, Solda Vertical, Solda Horizontal,
Esteira, Dosador, Fotocélula serão ligados, pressione I/O, a máquina irá trabalhar obedecendo os ciclos
de pré-aquecimento programados nas telas de tempo, começando a produzir sacos prontos.

Tecla Liga/Desliga para partida e parada da máquina. Com um toque, a máquina liga, outro toque a
máquina desliga. Usado também para acionar funções na rotina movimento manual e ligar os
movimentos semi-automático e automático.

Movimento manual do tracionamento das correias. Habilite a função manual, depois pressione a tecla de
tracionamento. Segure.

Movimento manual dos mordentes. Com a função manual habilitada, dê um toque para acionar o
movimento e outro para desligar o acionamento.

Habilita leitura do cabeçote Fotoelétrico. Posicione o cabeçote leitor na linha do plástico, regule sua
sensibilidade, conforme a transparência da marca e do plástico. Verificar se o comprimento de
tracionamento da embalagem é maior que o fotoelétrico, habilite a tecla da fotocélula e regule o ponto de
corte através de um volante na frente da máquina.
Liga temperatura da Solda Vertical. Com esta tecla habilitada, libera o acionamento pneumático e a
temperatura. O controle de temperatura é feito na seguinte ordem: Solda Horizontal, Solda Vertical,
Datador.

Liga temperatura da Solda Horizontal. Libera o acionamento pneumático da faca e soldas e aciona o
controle de temperatura.

Habilita movimento da esteira transportadora de pacotes. Controle automático da esteira transportadora,


habilitando a tecla com um toque a esteira liga, desligando após x tempo se o equipamento estiver
parado. Estando a função esteira habilitada, liga automaticamente quando o equipamento parte, e pára
automaticamente após x tempo, após parada da máquina. O tempo de retardo é regulado nas telas de
tempos.

Habilita sistema de dosagem. Liga e desliga o dosador, que entra conforme o seu ângulo. Este é
regulado na tela de ângulos.

Habilita mordaça em ciclo automático a morder o pacote. Habilitando esta tecla, a mordaça em ciclo
automático liga, conforme os ângulos de início e fim programados na rotina de ângulos .

- 55 -
Operações Básicas

Edição de Parâmetros

Durante um processo de trabalho, poderá ser necessário um reajuste


em alguns parâmetros de sincronismo da máquina. Para acessar estes
parâmetros, o operador necessitará de um conhecimento prévio de cada
ponto de ajuste.

Procedimentos básicos para edição de parâmetros

1) Antes de acessar algum parâmetro, é necessário liberar a senha de


segurança se ela estiver ativa. Ver senha de parâmetros.
2) Certifique-se que o parâmetro que se quer editar está sendo mostrado
no display da IHM.
3) Pressione a tecla edit.
4) Visualize se o campo (parâmetro) a ser alterado está piscando na tela,
se a tela conter mais de um campo de edição, pressione a tecla edit
até chegar ao campo desejado.
5) Digite o novo valor do parâmetro, utilizando o teclado numérico.
6) Pressione a tecla enter.

Observação
Toda e qualquer alteração, poderá ser efetuada com a máquina em
movimento. Caso tenha digitado o valor do parâmetro errado, antes de
confirmar, pressione esc, o parâmetro volta ao seu valor anterior.
Pressionando-se enter, a resposta no sincronismo da máquina é imediata.

- 56 -
A – telas de uma edição

Neste tipo de tela, aparecerá apenas um parâmetro.

Exemplo: passos para acessar a tela de ângulos da solda horizontal (faca)


Pressione a tecla de ângulos;

1. Pressione a tecla page-up (sobe) até o display mostrar a tela


correspondente (abaixo);
2. Pressione a tecla edit;
3. Digite o novo valor;
4. Pressione a tecla enter para confirmar.

B – telas de duas edições

Nestas telas, aparecerão dois campos de parâmetros.


Exemplo: passos para acessar a tela de ângulos da mordaça
1. Pressione a tecla de ângulos;
2. Pressione a tecla page-up (sobe), até encontrar a tela
correspondente (abaixo);
3. Pressione a tecla edit, o parâmetro da esquerda começará a piscar;
4. Digite o novo valor para a mordaça fechar (ligar);
5. Pressione novamente a tecla edit, para acessar o parâmetro da
direita, que começará a piscar;
6. Digite o novo valor para a mordaça abrir (desligar);
7. Pressione a tecla enter para confirmar os novos valores.

Obs.:
1. Caso necessite alterar somente o parâmetro inicial, siga os
passos acima até o de n.º 4, depois pressione enter.
2. Caso necessite alterar o segundo parâmetro, pressione duas
vezes a tecla edit, depois siga do passo n.º 6.

Caso digite um valor errado, pressione a tecla esc.

- 57 -
C – tela de uma edição e uma visão

Neste tipo de tela, temos dois campos, um campo para presetar


(digitar) o novo valor, e outro campo para visualizar o valor de trabalho
(efetivo).
exemplo: passos para acessar ciclos de pré-aquecimento
1. Pressione a tecla de tempos;
2. Como esta tela é a primeira do conjunto de telas, não é
necessário usar page-up;
3. Pressionar a tecla edit, o parâmetro do direito (Pr) começará a
piscar;
4. Digite o novo valor;
5. Pressionar a tecla enter para confirmar.

Obs.:
1. A sigla Prg (preset) ou valor programado.
2. A sigla Eft (efetivo) ou valor para monitorar o processo.
3. O valor efetivo é mostrado somente com a máquina em
movimento.

- 58 -
Como identificar uma tecla do frontal:

O teclado na condição normal tem por prioridade a condição de acesso


às funções, como ângulos, tempos, opcionais. Mas quando for editado algum
parâmetro, o clp interpreta a tecla como numérica – 1,2,3,4,5...0.
Pressionando-se a tecla look no frontal, o led look logo acima acenderá,
e o clp interpretará as teclas com a 2ª função na cor vermelha, ou
alfanumérica.

Numérico

Tecla de
ângulos 2ª Função (vermelho)
Alfanumérico
Ângulo

- 59 -
Mapa dos Conjuntos de Telas (Fluxograma)

Para auxiliar o operador nas dúvidas referentes à programação dos


conjuntos de tela, analisaremos separadamente cada conjunto, todos
partindo da tela principal.

A tela principal é formada por quatro telas:

ASSISTENCIA TÉCNICA
FONE:0800-47-0550

VERSÃO DO SOFTWARE
MESA MOVEL

MÁQ. MOD. MM-1000


Nº SÉRIE

INDUMAK
MM - ROSCA

(ver próximas páginas)

- 60 -
Ângulos
Pressionando esta tecla o operador acessa o conjunto de
telas referentes ao sincronismo da máquina.

Liga e desliga o acionamento pneumático da


mordaça.
Saída: 193

Atua a solda horizontal pneumática, o retorno


será por Tempo (ver tela Tempo Solda
Horizontal). Saída: 191

Aciona o Resfriamento horizontal, o


desacionamento será por tempo (ver tela
Tempo Resfriamento Horizontal). Saída: 194

Atua a solda vertical pneumática, o retorno


será por Tempo (ver tela Tempo Solda
Vertical). Saída: 192

Atua o carimbador pneumático, o retorno será


por tempo (ver Tempo Carimbador) Saídas:
195 e 185

Liga o dosador (Saída: 196), executando o


numero de voltas programadas. Entrada: 105

Liga acionamento pneumático do moldador de


pacotes, ângulo INI, antes da entrada da
mordaça, ângulo Fim, sai depois que a
mordaça entrou. Saída: 1A3

Atua o mexedor, liga com ângulo e desliga por


ângulo.

Atua a tampa do cano para retenção de


produto, acionamento pneumático, retorno por
tempo. Saída: 1A1

- 61 -
Saída opcional, atua depois do pré-
aquecimento, liga com ângulo, desaciona com
ângulo final. (Saída: 1A5)

Saída opcional, atua inclusive durante o pre-


aquecimento, liga com ângulo e desliga por
tempo. Saída: 1A6

Saída opcional, atua depois do pré-


aquecimento, liga com ângulo, desaciona com
o ângulo final. Saída: 1A7

Esta tela informa o ângulo em que a mesa ira


parar após o desligamento do ciclo.

Visualização do ângulo de entrada da marca


da Foto Célula e abre uma janela de
segurança, se o sinal da foto célula atuar fora
da janela, a máquina pára automaticamente.

- 62 -
Tempos

Pressionando esta tecla o operador acessa o conjunto de


telas referentes aos temporizadores da máquina.

Número de ciclos que a máquina, depois de ligado o


motor do mecanismo, apenas aciona o cilindro da Solda
Vertical, aquecendo as resistências.

Esta tela configura o funcionamento do picotador de


pacotes, um opcional que pode ser habilitado nas
CORTAR CADA [X] PCTS funções da saída S7. O parâmetro X define quantos
Ang[230] Tempo[1.23] pacotes serão feitos apenas com o picote, sem cortar. O
ângulo determina o início do acionamento e Tempo
determina a duração do acionamento.

Nesta tela determinamos quanto tempo se deseja que a


esteira de saída do pacote permaneça ligada após uma
parada da máquina.

Opcionalmente podemos ligar um sinal para informar a


presença de produto no silo ou depósito. Nesta tela
ajustamos quantos pacotes a máquina irá confeccionar
após ter detectado a ausência de produto, antes de
desligar e apresentar o alarme correspondente.

No PRG (Programado) o operador define quanto tempo


o motor do alimentador irá permanecer ligado após a
detecção do produto no sensor do alimentador
intermediário.
No EFT (Efetivo) o operador visualiza o efetivo do
temporizador.

No PRG (Programado) o operador define quanto tempo


um motor externo irá permanecer ligado após a
detecção do produto no sensor de nível de depósito.
(OPCIONAL)
No EFT (Efetivo) o operador visualiza o efetivo do
temporizador.

Senha de Parâmetros

- 63 -
Os parâmetros de configuração podem ser protegidos com uma senha
de até 8 dígitos. Para ativar a senha pressionamos simultaneamente as teclas
S1, S2 e F ( Tecla 0 ), e editar a senha atual para um número diferente de
99999999.
Quando a função de senha está habilitada, a edição é bloqueada
quando se desliga o equipamento.
Pressione simultaneamente as teclas S1, S2 e F para
editar a senha de edição de parâmetros. Valor igual a
“99999999” faz com que a máquina não exija a senha
para edição de valores.

Quando a função senha está habilitada, esta tela é


exibida quando se tenta editar um parâmetro de
configuração:
Pressionar a tecla de EDIÇÃO
Digitar senha através do teclado numérico
Pressionamos a tecla ENTER

Se a senha foi digitada corretamente, esta tela é


apresentada, informando ao usuário que a edição de
parâmetros está liberada.

Se a senha foi digitada errada, esta tela é apresentada,


informando ao usuário que a edição de parâmetros
continua bloqueada.

Quando o usuário terminar as alterações em


parâmetros, pode pressionar as teclas S1 e S2
simultaneamente. A tela “Digite sua Senha” será
apresentada, o usuário informa a senha e a tela ao lado
é apresentada informando que a edição de parâmetros
foi novamente bloqueada.

Alarmes

- 64 -
Para desativar um alarme que esteja bloqueando a partida da
máquina, ou estiver piscando no painel, pressione a tecla S2 no teclado de
programação. Caso o alarme não pare, verifique se não há algum problema
mecânico.

Relação de telas de alarme

A botoeira da emergência no painel está pressionada ou


está com um fio interrompido.

Este alarme indica que a máquina cumpriu o número de


pacotes pré-programados para o Lote de Produção, para
desativar este recurso, desabilite o opcional LOTE DE
PRODUCAO;

O número de ciclos sem sinal do sensor de depósito foram


cumpridos, indicando que terminou o produto. Para
desativar este recurso desabilite o opcional CONTROLE DE
DEPOSITO.

O sensor de fim de filme estão atuados, verifique as


condiçoes da bobina do filme, pode ter terminado o filme
ou então houve um trancamento da alimentacao de filme.
Este recurso tambem pode ser desabilitado no opcional FIM
DE FILME.

- 65 -
Estatísticas

Pressionando esta tecla o operador acessa o conjunto de


telas referentes as estatísticas da máquina.

Esta tela informa a produção da máquina (PPM - pacotes por


minuto

Esta tela informa o tempo que a maquina levou para completar


um ciclo, ou seja para completar um empacotamento.

Cálculo realizado pelo CLP indicando a produção de 1 hora de


trabalho, sem intervalos, a uma produção a qual foi programado
na tela de pacotes por minuto.

Indica o tempo do uso da máquina, não pode ser zerado, baseia-


se nos acionamentos da mordaça, somente leitura.

Nesta tela, poderemos visualizar o total de pacotes dosados,


podendo ser zerada, para controles diários dos lotes produzidos.
Na tela de “ZERAR CONTADOR PARCIAL” pressionando-se
“Sim” podemos zerar esse dado.

- 66 -
Dosador

Pressionando esta tecla o operador acessa o conjunto de


telas referentes ao dosador da máquina.

Nesta tela se determina a fração de voltas que o eixo da rosca


dosadora ira efetuar. Esta fração corresponde a 2047 pulsos,
sendo que 2048 seria uma volta completa no eixo da rosca.
Aqui se efetua um ajuste fino do peso.

Aqui se determina o numero de voltas inteira no eixo da rosca


dosadora. Aqui se efetua o ajuste gorsso do peso.

Nesta tela se configura qual será a velocidade em rpm que o


eixo da rosca dosadora ira efetuar. O seu valor Maximo será
de 2000 rpm.

Nesta tela se determina o tempo da rampa de aceleração do


eixo da rosca dosadora. O seu valor não pode ser menor que
80.

Nesta tela se determina o tempo da rampa de desaceleração


do eixo da rosca dosadora. O seu valor não pode ser menor
que 80.

Nesta tela se faz o ajuste do ganho. Este ganho ira


estabelecer um ajuste do peso através do incremento ou
decremento pelos botões S1 e S2 na tela de pulsos.
Controle de Alinhador Manual

Pressionando esta tecla o operador acessa o conjunto de


telas referentes ao controle do alinhador da máquina.

Tela de ajuste manual do alinhador de filme plástico,


pressionando-se S1 o filme é tracionado p/ esq. e S2 é
tracionado para a direita.

Tela onde se seleciona o modo de ajuste do alinhador do


filme, podendo ser no modo manual ou automatico. Se o
modo automatico for selecionado o modo manual continuara
ativo para pequenos ajustes.

Nesta tela sera informado o tempo minimo entre os


acionamentos do motor do alinhador, para evitar que o relé
se danifique.

- 67 -
Opcionais
Pressionando esta tecla o operador acessa o conjunto de
telas referentes mecanismos opcionais da máquina.
Habilita o acionamento pneumático do datador Hot Stamping, saída
195 ou saída 185 p/ Ink.. Jet. O controle é realizado por um ângulo
de entrada e o tempo de impressão.

Habilita ou não a saída do CLP responsável pelo aquecimento do


carimbador

Liga o conjunto moldador de pacote para moldar na forma quadrada


o fundo do pacote, localizados junto com as mordaças, controlados
por um ângulo inicial. Saída 1A3.

Aciona uma tampa na saida do cano Formador, para evitar a queda


de produtos atrasados. É controlado por um ângulo inicial e final.
Saída 1A1.

Habilita o funcionamento do sistema de controle do nivel


intermediário.

Saída opcional, liga por ângulo e desliga por angulo. Saída 1A 5.

Saída opcional, liga por ângulo e desliga por tempo programado nas
telas de tempo. Saída 056.

Saída opcional, liga por ângulo e desliga por angulo. Saída 057.

Habilita o funcionamento do sistema de controle do nível de


deposito.

Habilita o sensor ao controle do fim da bobina plástica. Entrada 107.

Esta tela ativa as entradas digitais E132 e E133 para o acoplamento


de um sistema de Check Peso.

Define qual será a condição do mexedor, no modo continuo ele


permanecera ligado e no modo intermitente ele atuara a partir de um
angulo.

- 68 -
Define se utilizará o botão Liga/Desliga como uma
interface para que a Enfardadeira desligue a máquina
empacotadora.

Se o opcional anterior estiver em (Liga) aqui podemos


definir se a enfardadeira poderá ligar a máquina
empacotadora.

Habilita o funcionamento do sistema de controle do nível


de intermediário.

Determina o tipo de sensor de nível que está acoplado ao


sistema.

Temperaturas

Nesta tela o operador contrala a porcentagem da


temperatura e o sincronismo da solda horizontal.
(Impulso – IMP)

Nesta tela o operador contrala a porcentagem da


temperatura e o sincronismo da solda Vertical. (Impulso
– IMP)

Nesta tela o operador contrala a potencia em


porcentagem do aquecimento do carimbador.

Nesta tela o operador contrala a programada da


temperatura e o efetivo da solda horizontal. (PID -
Termopar Tipo J)

Nesta tela o operador contrala a programada da


temperatura e o efetivo da solda vertical. (PID -
Termopar Tipo J)

- 69 -
Temperaturas

S1 + S2 +

Nesta tela o operador contrala a base de tempo da solda


Horizontal.

Nesta tela o operador contrala a base de tempo da solda


Vertical.

Nesta tela o operador contrala ciclos a máquina irá


utilizar para pré-aquecer a solda Horizontal.

Nesta tela o operador hablita o aquecimento


sincronizado das soldas.

Nesta tela o operador seleciona se o controle de


aquecimento da solda horizontal será por impulso(IMP)
ou por PID(Termopar Tipo J).

Nesta tela o operador seleciona se o controle de


aquecimento da solda vertical será por impulso(IMP) ou
por PID(Termopar Tipo J).

Nesta tela o operador define o ajuste do sentido de giro


da rosca, entre FP e DR.
MultiSpeed

Nesta tela podemos selecionar uma das quatro


velocidades pré- programadas no inversor de freqüência
do motor do mecanismo. Este é um item opcional da
maquina.

- 70 -
Gaveta de Arquivos

O CLP Atos disponibiliza uma estrutura de dados capaz de guardar até


50 gavetas ou arquivos de moldes. Em cada uma destas gavetas é possível
guardar toda a programação da máquina.

Estas gavetas são identificadas com números, e a organização das


mesmas pode ser ilustrada com a figura abaixo:

S1 – Armazenar

S2 – Recuperar

1 - Pressione a tecla fazendo com que o led ascenda;

1 – Pressione a tecla S2, aparecerá a tela abaixo;

ARQUIVO DE MOLDES!
S1-ARMAZ. S2-RECUP.

3 – Na tela apresentada no display, escolha a operação conforme a ilustração


acima:

–> Quero gravar os parâmetros atuais em uma gaveta: S1-Armazenar


–> Quero usar parâmetros de uma gaveta já gravada: S2-Recuperar

4 – Digite o número da gaveta que vai ser usada; não precisa pressionar a
tecla de edição; basta digitar o número da gaveta e pressionar o ENTER;

Pronto!!! A gaveta foi gravada/recuperada.

- 71 -
Tabela das gavetas de arquivo – Para uso do operador

gaveta peso produção


data produto observações
nº (g) (ppm)
1 Padrão de fabrica

2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25

- 72 -
gaveta peso produção
data produto observações
nº (g) (ppm)
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50

- 73 -
Manutenção Interna

Acesso aos registros internos do programa, somente leitura, para


auxiliar na manutenção do equipamento. Para visualizar entradas e saídas do
clp via display (tela do clp).
Como acessar:
1. pressione a tecla de manutenção, correspondente ao acesso de
manutenção interna, onde no display aparecerá

AUXÍLIO MANUTENÇÃO

REGISTRO XXX YYY

2. Digite o endereço (hexadecimal) do registro ou estado a ser


visualizado em A (não é necessário editar).
No campo B, será possível visualizar a condição do estado interno
(on,off) ou conteúdo do registro (decimal).

Armazenar uma gaveta


(guardar uma programação)
1. Pressione o botão look, fazendo com que o led shift acenda.
Passos:
2. Pressione
1. o botão
Pressione lookarquivo.
o botão , o led lock irá acender.
2.
3. Pressione o botão
Pressione a tecla s2.
3.
4. Pressione a tecla S1 – armazenar.
Digite o número da gaveta que deseja buscar (ver tabela).
4. Digite o número da gaveta que vai ser armazenada.
5. Pressione a tecla enter.
5. Pressione a tecla enter.
6. Se a gaveta estiver “vazia” o clp informará que a gaveta é inválida.
6. Se a gaveta já tiver sido gravada anteriormente, o clp perguntará se o usuário deseja
7. prosseguir
Pressione
comenter
a operação,
e repita regravando
a operação a partir
gavetado(S1),
passo
ou2.
deseja cancelar a operação (S2).

Recuperar uma gaveta


(buscar uma programação)
Passos:

- 74 -
Ajustes e regulagens

Ajuste do Passo de Tracionamento

Coloque o filme plástico na máquina,


verifique a posição de saída do filme do eixo da
bobina. Trave os cones de fixação do eixo.
Verifique a passagem do filme a seguir. Chegando
ao conjunto formador, corte o plástico em 45
graus para facilitar a passagem do filme no
colarinho. Leve o plástico até a mordaça.

Passagem Do Filme Plástico

É de suma importância à correta passagem do filme plástico por entre


os roletes que lhe servirão de guia. No percurso do filme até o conjunto
formador, são executadas importantes funções:

 Rolo bamba do desbobinador: libera o freio do rolo da bobina na


puxada do plástico.
 Cabeçote fotoelétrico (detector de marca): faz a leitura da marca
impressa para controle do ponto de corte.
 Rolo do controle de corte: atua em conjunto com o cabeçote
fotoelétrico e regula a posição do corte.
 Controle de transpasse: regulagem do transpasse na solda vertical.
 Espaço para carimbador: espaço para instalação de dispositivo
carimbador de data, lote, etc.

- 75 -
Tipos de Passagem do filme plástico conforme o modelo da
maquina

MM-450-1000

1 Kg

2 Kg

DATADOR
FOTO-CÉLULA

Passagem do filme plástico para a maquina MM-450-1000 s/alinhador automático

Maquina com alinhador automático – Opcional

1 Kg

2 Kg

DATADOR
FOTO-CÉLULA
ALINHADORES

Passagem do filme plástico para a maquina MM-450-1000 c/alinhador automático

- 76 -
MM-5000-6000

1Kg e 5 Kg
2 Kg

DATADOR
FOTO-CÉLULA

Passagem do filme plástico para a maquina MM-5000 s/alinhador automático

Maquina com alinhador automático – Opcional

1 kg e 5kg
2 Kg

DATADOR
FOTO-CÉLULA
ALINHADORES

Passagem do filme plástico para a maquina MM-5000 c/alinhador automático

- 77 -
Antes de colocar a máquina em movimento com produto, é necessário
regular o comprimento mecânico do pacote. A base desta regulagem é as
tarjas que se encontram na bobina plástica.

Tarjas impressas no filme

Estas tarjas deveram ser de cor escura para uma prefeita detecção do
cabeçote fotoelétrico.

Ajuste do comprimento do pacote plástico

Com as teclas da fotocélula e dosador desligadas,


acione a máquina. Faça 3 pacotes vazios, e com o último compare
com as tarjas da bobina.

O tamanho do pacote deve ser igual a distancia entre as


tarjas.

Aviso!
O comprimento mecânico do pacote devera ser igual ou maior que a
distancia entre as tarjas. Caso o pacote fique curto, gire o volante do
regulador do maniquete, posicionado na lateral direita da máquina na parte
inferior do painel. Veja figura a seguir:

- 78 -
Volante de
Regulagem

 Girando o volante do maniquete para a direita você reduzirá o passo


mecânico, ou seja, você diminuirá o tamanho do pacote.
 Girando o volante do maniquete para a esquerda você aumentará o
passo mecânico, ou seja, aumentará o tamanho do pacote.

Ajuste da sensibilidade da fotocélula

Para ajustar o controle eletrônico da marca, com o movimento


mecânico, veja a figura abaixo:

Led indicativo de
acionamento

Ajuste da
sensibilidade da
fotocélula

Para ajustar a sensibilidade é necessário que a régua de fórmica que


reflete o facho de luz do cabeçote, esteja a uma distancia de 6 mm das
lentes.

- 79 -
Fora da tarja, gire o potenciômetro totalmente para a direita (+), até
que o led indicativo acenda. A seguir, volte devagar o potenciômetro para a
esquerda (-), até o led apagar.
Movimente o plástico para cima e para baixo simulando uma situação
de trepidação para ver se o led pisca, caso isso ocorra gire o potenciômetro
um pouco para a esquerda (-) até o led parar de piscar. Passe a tarja pelo
cabeçote para ver se o mesmo a detecta.

Sincronismo do comprimento mecânico com a fotocélula

Coloque a máquina em funcionamento e habilite a fotocélula. Verifique


o ponto de corte da embalagem, caso esteja fora, movimente uma manopla
que se localiza na frente da máquina, esta manopla movimentara o rolo
bamba que terá a função de adiantar ou atrasar a marca da fotocélula, caso
este ajuste não seja suficiente, será necessário ajustar o cabeçote
fotoelétrico atrás da máquina mais para cima ou para baixo.

Manopla de regulagem do
ponto da fotocélula

- 80 -
Ciclos da Máquina

A MÁQUINA DEVERÁ SER OPERADA SOMENTE POR UMA


PESSOA DEVIDAMENTE TREINADA E RESPONSÁVEL.

Ciclo Semi-automático

O ciclo semi-automático é uma função utilizada na regulagem e


manutenção da máquina, ele executa um ciclo a cada toque no botão
liga/desl ou botoeira inicio/termino. Sem qualquer ciclo selecionado (led
seleção de ciclo apagado), pressione a tecla seleção de ciclo duas vezes; de
modo que o display informe que a máquina está em modo semi-automático.
O dosador não participa do ciclo semi-automático. Neste modo, no
momento que você habilita o dosador, a máquina executará dosagens em
intervalos pré-programados. Verifique se os acionamentos que você deseja
que participem do ciclo estão habilitados (led aceso): solda horizontal,
solda vertical, foto-célula. Para executar um ciclo semi-automático,
pressione a tecla I/O ou a botoeira inicio/termino, localizada no painel de
comando para a máquina executar um ciclo e desligar automaticamente.

Ciclo Automático

Este é o principal ciclo do funcionamento da máquina.

Pressione a tecla seleção de ciclo uma vez, o display mostrará que a


máquina está em modo automático. Automaticamente o CLP habilitará a
fotocélula, a solda horizontal e a solda vertical, inicialmente o dosador e a
esteira não são habilitados. Verifique se os acionamentos que você deseja
estão habilitados (led aceso).
Para executar o ciclo, pressione a tecla I/O ou a botoeira inicio/termino
localizada no painel de comando da máquina. A máquina executará o número
de ciclos de pré-aquecimento pré-programado e dará inicio ao
empacotamento. Para desligar a máquina basta pressionar novamente a tecla
I/O ou a botoeira inicio/termino e aguardar a selagem do último pacote,
finalizando o ciclo.
Observação
O botão de emergência localizado no painel de comando interrompe
imediatamente qualquer ciclo ou condição da máquina.

- 81 -
Operação da máquina

Colocação do material de embalagem

1. Coloque a bobina no eixo


2. Aperte a bobina entre os dois cones de fixação
3. Encaixe o eixo do suporte nos mancais, centralize o plástico e trave o cone do lado
direito
4. Passe o filme plástico pelos rolos
5. Fixe a correia no rolo do freio
6. Passe a embalagem no colarinho
7. Puxe a embalagem para baixo passando em volta do tubo formador, até atingir as
mordaças, fazendo o transpasse para a solda vertical.
Observação
Uma vez colocada a bobina, as próximas trocas poderão ser feitas
através das emendas. Estas emendas ao termino das bobina deverão ter o
seguinte procedimento:
1. Cortar o filme próximo à marca da foto célula
2. Fazer a emenda da nova bobina coincidir com a marca da foto célula, sobrepondo-
as
3. Emendar o filme com fita adesiva transparente

Aviso!
Talvez seja necessário efetuar uma correção na centralização da
impressão, para isso faça um ajuste através do volante de regulagem da
foto célula.
Colocando a Máquina em funcionamento

1. Verificar a alimentação de ar comprimido da máquina, ela deve estar


aproximadamente em 80 Lbs ou 7 Bar
2. Ligar a chave geral
3. Verifique a temperatura da solda vertical e Horizontal, como visto no tópico de
temperaturas dentro de CLP, através da IHM que se encontra no painel da máquina
4. Pressione a tecla “Seleção de Ciclo”, escolha a opção “Ciclo Automático” e pressione

a tecla . Verifique se dosador e esteira estão habilitados.


5. A máquina obedecerá aos ciclos de pré-aquecimento, ligando somente a solda
vertical pelo seu ângulo. Faça aproximadamente 3 pacotes para verificar o seu
comprimento. O comprimento devera ser do tamanho da largura entra duas marcas da
foto célula impressa no plástico.

6. Para parar o ciclo pressione novamente a tecla .

- 82 -
Regulagens da Máquina

Regulagem das temperaturas das soldas

 Para ajustar a solda vertical ou horizontal, utilize a IHM (Explicado


acima no tópico de temperatura de solda) do painel frontal da máquina.

Regulagem do resfriamento das soldas

Logo após a soldagem ocorrer, se faz necessário o resfriamento para


que não haja deformação nas soldas.
A regulagem do resfriamento da solda vertical é feita diretamente em
um registro que se localiza no painel frontal (veja detalhe na foto a seguir),
já para o resfriamento da solda horizontal a regulagem do fluxo é feita
diretamente na válvula, que se localiza no painel lateral direito (abaixo do
painel elétrico).
Para aumentar o fluxo de ar gire a válvula para a esquerda e para
diminuir gire para a direita.

(Foto Meramente Ilustrativa)

Regulagem geral da pressão do ar comprimido

A pressão do ar deve ser mantida entre 6,0 e 7,0 Kgf, ou seja, 80 e


100 Lbf (libras). Esta quantidade de ar é mantida através da leitura do

- 83 -
manômetro instalado no refil do regulador de pressão que se localiza na
parte traseira da máquina, abaixo do painel elétrico.

Regule aqui a pressão de


ar de entrada da máquina.

Manômetro

Ajuste de peso

Durante a produção é necessário verificar o peso do produto utilizando


uma balança apropriada.
O ajuste de peso é feito através do volante de regulagem, para
aumentar o volume das canecas gire-o para a direita e para diminuir gire-o
para a esquerda.
Conforme norma do INMETRO(portaria n 074 de 25 de maio de
1995), é permitida uma tolerância máximo de  1% na variação do peso do
produto.
Para que haja uma uniformidade no peso, é necessário que o produto
também seja uniforme.

- 84 -
Dispositivos Opcionais da Máquina

Datador - Hot Stamping

O carimbador é posicionado no interior da máquina, podendo ser


movimentado transversalmente e longitudinalmente com sua fixação sendo
feita por parafusos.

Através de uma barra quente, contendo dígitos ressaltados, é


movimentado até o plástico, fazendo uma pressão. Entre o plástico e os
dígitos aquecidos, há uma fita especial. Os dígitos aquecem a fita, esta libera
uma camada de tinta sobre o filme. Esta tinta é auto-secante.
O controle de sincronismo pneumático é feito pelo CLP. Para habilitar o
sistema de impressão de data, acesse o conjunto de telas dos opcionais e na
tela do CARIMBADOR escolha a opção “Sim”.

Observação
O controle da temperatura do Datador é feito através de um
potenciômetro no painel da máquina, sobre uma escala de 0-100,
juntamente com um controle de corrente ARGV no painel interno.

- 85 -
Ajuste do Datador

Para ajustar o datador é necessário que o ponto de corte fotoelétrico


já esteja definido (regulado). Verifique o ponto onde vai ser impresso o
carimbo.
Solte os parafusos laterais e movimente o cabeçote de impressão até a
linha onde vai ser impresso. Solte um parafuso de baixo do cabeçote para
ajustá-lo lateralmente.
Verifique se a caloria é suficiente, para transferir a tinta da fita para o
filme. Caso não seja, aumente. Ajuste o batente para que a impressão saia
por igual.

Controle de Depósito

Através de um sensor de nível no silo sobre a máquina, o CLP pode


monitorar a falta de produto.
Caso o tempo de resposta do elevador for muito demorado, a máquina
pára automaticamente, evitando desperdício de embalagem.

Para habilitar o sistema de controle de depósito, acesse o conjunto de


telas de opcionais e vá até a tela “SENSOR DE DEPOSITO” e escolha a opção
“(liga)”.

Em seguida programe o número de ciclos que a máquina poderá


trabalhar após o sensor de nível detectar a falta de produto. Pressione a tecla
“tempos” e vá até a tela “CICLOS SEM DEPOSITO” para configurar o numero
de ciclos desejado.

Observação
Caso o controle de deposito for habilitado e o sensor não estiver
posicionado, a máquina irá desligar-se e mostrará a mensagem de alarme:
“ATENCAO DEPOSITO VAZIO...”

- 86 -
Eliminador de estática

O eliminador de estática é um dispositivo que elimina a eletricidade


estática causada pelo desenrolar do filme plástico da bobina, pelo atrito nos
rolos e também pelo deslizamento do plástico sobre o conjunto formador.

1
4 2

6
7

1. Chave Liga/Desliga
2. Lâmpada piloto
3. Porta Fusível
4. Cabo de alta tensão
5. Barra Eletrostática
6. Terminal de aterramento
7. Entrada de alimentação

- 87 -
1 2

O conjunto é formado basicamente por duas peças:

1. Barras Eletrostáticas
2. Fonte Geradora Eletrostática

O objetivo do eliminador de estática é retirar a estática do plástico


para impedir que o produto que esta sendo embalado se fixe na parede do
plástico, principalmente na região onde ocorre a solda, impedindo o perfeito
contato por toda a superfície onde ocorrerá a fusão do plástico.

- 88 -
Manutenção

Pontos de lubrificação da máquina

Existem vários pontos de lubrificação na máquina que devem ser


lubrificados com graxa. Veja os pontos nos detalhes com circulo das fotos
abaixo:

Obs.: Vista de baixo do quadro de solda

Fotos meramente ilustrativas

Observação
É aconselhável engraxar a máquina diariamente ou a cada 12 horas de
serviço.

- 89 -
Rotinas de Manutenção Preventiva
ROTINAS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA
Versão
PERÍODO DE TROCA (RECOMENDADO) 02
EQUIPAMENTO / PEÇA DIÁRIO SEMANAL 15D 30D 45D 60D 90D 4M 6M 12M 24M 36M 48M 60M
A - PEÇAS DE REPOSIÇÃO E DESGASTE
A.1-Conj. da Solda Vertical:
- Teflon Adesivo
- Teflon 6mm (apoio)
- Silicone
- Resistência
- Mola da cabeceira móvel
A.2-Conj. da Solda Horizontal:
- Teflon Adesivo
- Teflon 6mm (apoio)
- Silicone
- Silicone rígido
- Resistência
- Mola da cabeceira móvel
- Faca de corte
A.3-Conj. da Mordaça:
- Perfil de borracha
A.4-Correia de arraste (p/ máq. mod. MF)
A.5-Correia do Freio
A.6-Correia do Motor do Mecanismo
A.7-Correia de Esteiras
A.8- Resistência Tubular
A.9- Reparo de Cilindros
A.10- Reparo de Válvulas
A.11- Rolo Tracionador (enfradadeira)
A.12- Tubo de PTFE (garfo virador de pacotes)
A.13- Feltro ou nylon (p/ alguns dosad. giratórios)
A.14- Óleo Pneumático (qndo for com lubrificação)
A.15- Fusíveis
A.16- RGV's
A.17- Lâmpadas em Geral
B - PEÇAS ESTRUTURAIS
B.1-Conj. da Mordaça
- Lubrificação
- Bucha
- Eixo
B.2-Conj. do Mecanismo Sobe-desce
- Lubrificação
- Bucha
- Eixo
C - CONJUNTO PNEUMÁTICO
- Filtro coalescente
- Elemento filtrante
- Silenciador
Considera-se o equipamento em condições normais de uso.

- 90 -
Anormalidades

O operador da máquina é o responsável pelo bom funcionamento da


mesma. Durante a produção pode ocorrer situações que o impeçam de
alcançar esse objetivo, por esse motivo o operador deve ter uma atenção
especial para os seguintes itens:

Teflon – Deve-se manter o teflon sempre limpo para evitar uma má


soldagem. O contato da solda com o polietileno e o acumulo de pó no teflon
diminui a vida útil do mesmo.

Cuidado!
Ao fazer a troca do teflon, interrompa o sistema pneumático e feche o
registro de ar comprimido.

Limpeza – A limpeza é um fator essencial para um bom funcionamento da


máquina, por isso o operador deve ter uma atenção especial para essa
norma. A máquina estando parada ou em movimento é comum o acumulo de
produto ou pó nos seguintes lugares:

Parte superior do dosador, Mecanismo abre e fecha, mordaças, teflon


e lamina de corte, Esteira transportadora e Bobina plástica.

A limpeza poderá ser realizada sempre na troca de bobina. Mantenha


as portas da máquina sempre fechadas, cubra ou retire a bobina sempre que
a máquina ficar por longo tempo parada e deixe sempre limpo e engraxado
os eixos e buchas dos mecanismos.

- 91 -
Medidas de Segurança

Cumpra com as condições operacionais contidas neste manual,


seguindo-o atentamente.

 Quando da manutenção no sistema pneumático, feche o registro de


segurança, e despressurize o sistema.
 Interrompa a alimentação elétrica, quando da manutenção na parte
elétrica, principalmente painel. Tenha um cuidado maior nos circuitos
de soldas, onde seus dissipadores têm pontos vivos mesmo com a
máquina em stand-by.
 Quando da manutenção de um componente da máquina, este deve ser
reconectado e testado, antes do retorno da máquina em
funcionamento.
 Tampas, portas, ou dispositivos de segurança devem ser colocados no
lugar depois de uma manutenção.
 Na manutenção e operação da máquina, retire braceletes, jóias,
relógios, acessórios longos e outros utensílios pessoais assim como da
utilização de roupas largas que possam engatar em partes moveis da
máquina podendo assim ocasionar acidentes.
 Os cabelos devem ser curtos ou estarem amarrados, evite usar roupas
largas que pode correr o risco de enroscar em polias e correntes.
Camisas com mangas longas devem ficar abotoadas ou enroladas
acima dos cotovelos.
 Antes de religar a máquina, verifique a presença de outras pessoas
próximas a máquina.

Medidas de segurança na operação da Máquina

 Desligue todos os comandos após desligar a chave geral.


 Desligue sempre a chave geral quando for fazer a limpeza ou qualquer
manutenção.
 Ao iniciar a operação, certifique-se de tudo estar em ordem,
embalagem, produto, ar comprimido, lubrificação.
 Mantenha sempre a proteção da mesa sobre o quadro.

- 92 -
Limpeza e Conservação

 É importante providenciar a remoção do produto que estava sendo


empacotado, sempre no final do expediente de trabalho. Este cuidado
garante a higiene e a conservação do equipamento. Mantenha a pintura
sempre livre de óleo, pó, graxa e resto de produtos.
 Para limpeza da estrutura da máquina, utilize um pano macio com água
ou querosene.
 Ao lavar a máquina tome cuidado com os componentes eletro-
eletrônicos. Não direcione jatos de água para o teclado da IHM e no
painel elétrico.

Observação
Nunca utilize diluentes como tinner, benzina, ou qualquer outro produto
químico, estes poderão danificar a pintura da máquina.

Observação
Verificar periodicamente as conexões pneumáticas para ver se existe
vazamento de ar comprimido, encontrando qualquer eventualidade, entrar
em contato com nossa assistência técnica.

- 93 -
Esquema Pneumático

- 94 -