Você está na página 1de 9

08/03/2019 Presbiterianismo na Igreja do Antigo Testamento | George Gillespie - puramente presbiteriano

Puramente presbiteriana

Perspectivas Puramente Presbiterianas

Desenvolvido por WordPress.com .


Presbiterianismo na Igreja
do Antigo Testamento |
George Gillespie

Uma afirmação do governo da Igreja da


Escócia (1641)

Segunda parte, capítulo 7

Em terceiro lugar, discutimos o exemplo da igreja judaica; pois,


como em sua comunidade, havia uma subordinação dos
tribunais civis, cada cidade tendo seu próprio tribunal, que
consistia em sete magistrados, se acreditarmos em Josefo; a
tradição talmúdica faz com que dois tribunais tenham estado em
cada cidade, o menor do triumvirat e o maior de vinte e três
juízes. Além destes, eles tinham o seu supremo consistório, o
séssil civil, que governava toda a nação e tinha autoridade sobre
os tribunais inferiores. Assim também houve uma subordinação
dos tribunais eclesiásticos entre eles; eles tinham um consistório
em todas as sinagogas, pois suas sinagogas eram designadas não
https://purelypresbyterian.com/2015/09/11/presbyterianism-in-the-old-testament-church-george-gillespie/ 1/9
08/03/2019 Presbiterianismo na Igreja do Antigo Testamento | George Gillespie - puramente presbiteriano

apenas para orar e louvar a Deus, e para a leitura e exposição


das Escrituras, mas também para a correção pública de ofensas,
Atos 26.11. Eles tinham, além disso, um supremo tribunal
eclesiástico, ao qual toda a nação e todos os consistórios
sinagóticos estavam sujeitos. Este tribunal, tendo decaído, foi
restaurado por Josafá, 2 Cron. 19.8, e tinha o nome de
sanhedrim comum a ele com o supremo tribunal civil. Desta
corte procedeu a reforma daquela igreja nacional, Neem. 8.13,
“No segundo dia ajuntaram-se os chefes dos pais de todo o
povo, os sacerdotes e os levitas, a Esdras, o escrivão, para
entenderem as palavras da lei. E eles acharam escrito na lei ”,
& c. Se havia ainda outro tribunal eclesiástico no meio, entre a
sinagoga e o sanhedrim, chamado presbuterion, um presbitério,
Lucas 22,66; At 22.5 e, possivelmente, fora das sinagogas
particulares dentro das cidades, deixo que os homens instruídos
julguem; Seja como for, é claro pelas Escrituras que havia pelo
menos uma dupla corte eclesiástica entre os judeus, a sinagoga e
o sinédrio, tendo a última autoridade acima da primeira.

Sutlivius [De Presbyt. p. 25.] nega a ambos, e assim nos faria


crer que a igreja judaica não tinha nenhum tribunal eclesiástico.
Quanto às sinagogas, diz ele, trataram de coisas civis e
infligiram punições civis e uma excomunhão civil. Que eles
infligiram punição civil, ele provou de Matt. 10,23; Lucas 21,
onde Cristo prediz que seus discípulos devem ser espancados
nas sinagogas. Que a excomunhão deles era civil, ele provou,
por essa razão, que Cristo e seus discípulos, quando foram
expulsos das sinagogas, tinham, não obstante, uma entrada livre
no templo e acesso aos sacrifícios. Resposta . Isso é um erro
grosseiro; (1.) O tribunal civil estava no portão da cidade, não
na sinagoga. (2) Aquele que presidiu na sinagoga foi chamado
“o chefe da sinagogaAtos 18,8,17; os outros que estavam
sentados ali foram chamados de “os principais da sinagoga”, At
13.15. Aqueles que se sentaram no tribunal civil não tinham tais
nomes, mas foram chamados de juízes. (3) Nosso Salvador
distinguiu as cortes sinagogas das cortes civis de julgamento nas
cidades, chamando os concílios, as outras sinagogas, Mt. 10,17.
(4) O espancamento e açoitamento nas sinagogas foi um erro e
abuso dos últimos tempos, o poder corretivo desses consistórios
sendo propriamente espirituais e terminando em excomunhão,
João 16.2; É um. 66.5, cuja liberdade de censura espiritual dos
romanos permitiu aos judeus, juntamente com a liberdade de
sua religião, depois de terem tirado a sua jurisdição civil. (5.) A
excomunhão civil é uma palavra desconhecida, e sua razão para
isso não é menos desconhecida; pois onde ele leu que Cristo ou
algum de seus discípulos foi excomungado das sinagogas, e
ainda tinha livre acesso ao templo, eu não posso entender, se
não estiver no evangelho de Nicodemos. Li, Lucas 4: 28,29, que
Cristo foi, em grande tumulto, expulso da cidade de Nazaré;
mas espero que nenhum homem chame a excomunhão. O
homem cego, João 9.34, foi de fato excomungado da sinagoga,
mas em nenhum lugar lemos que ele foi depois encontrado no

https://purelypresbyterian.com/2015/09/11/presbyterianism-in-the-old-testament-church-george-gillespie/ 2/9
08/03/2019 Presbiterianismo na Igreja do Antigo Testamento | George Gillespie - puramente presbiteriano

templo; lemos sobre a caminhada de Cristo no pórtico de


Salomão, João 10.23, mas que o cego estava com ele, isso nunca
pode ser provado, e se pudesse, não deveria importar permissão
ou licença para excomungar pessoas para entrar no templo, mas
que alguns foram ousados para tomar essa liberdade. (6) A
expulsão da sinagoga não pode ser chamada de excomunhão
civil, porque a comunhão e comunhão dos judeus na sinagoga
não era civil mas sagrada; eles se reuniram para a adoração de
Deus e não para assuntos civis. (7) Se por excomunhão civil ele
quer dizer banimento, ou expulsão da cidade (pois não concebo
que outra coisa essa palavra estranha pode importar), então
como ele supõe que eles ainda tinham livre acesso ao templo,
que eram assim? excomungado, por isso importa que eles ainda
estivessem na cidade.

Nós agora evidenciamos uma corte eclesiástica inferior entre os


judeus. Venha nós ao lado do supremo tribunal . Que havia um
alto sanedrim eclesiástico, distinto do sanedrim civil, é
observado por Pelargus, em Deut. 17. e Sopingius, ad Bonam
Fidem Sibrandi, p. 261, e segs., Ao lado de muitos outros
citados anteriormente, parte 1, capítulo 11. E foi assim que
provamos de três lugares do Antigo Testamento, para passar por
outros lugares, dos quais certas coleções podem ter o mesmo
propósito.

Primeiro, encontramos Deut. 17, uma distinção de dois


magistrados supremos, a serem colocados no lugar que o Senhor
escolheria para colocar ali o seu nome - um dos sacerdotes e
levitas, o outro dos juízes; e para estes dois tribunais supremos o
Senhor designou todos os assuntos que eram muito difíceis para
os juízes inferiores nas cidades da terra, para serem trazidos e
determinados por sua autoridade, e a sentença dos sacerdotes ou
dos juízes para ser obedecida por ambos. as partes e pelos juízes
inferiores, sob pena de morte, versos 8-12. Para este Sutlivius
[De Presbyt. p. 16.] responde que há apenas um sinédrio
naquele lugar, que era civil, como aparece ao julgar as causas do
sangue, e ao recebimento de apelações dos juízes civis
mencionados no capítulo anterior. Quanto ao juiz de que é
falado, versos 9, 12, ele diz:Resposta (1.) O disjuntor ou
distingue os juízes do sacerdote, verso 12, como Júnios e
Ainsworth anotam corretamente sobre aquele lugar - “ O homem
que fará presunçosamente, e não dará ouvidos ao sacerdote
(que significa ministro lá diante do Senhor teu Deus) ou ao
juizAqui está uma distinção entre a corte dos sacerdotes e a
corte dos juízes, que Lirio também reconhece. (2) O caldee lê
juízes no plural. Pelo juiz, diz Ainsworth, entende-se o sumo
conselho ou senado de juízes, assim como os que são chamados
de sacerdotes, versículo 9, são chamados de sacerdote, versículo
12 e 1 Cron. 4.42, muitos capitães estão no hebraico chamado
cabeça. (3.) O sumo sacerdote não pode ser entendido como o
juiz de que se fala, tanto porque houve muitos juízes, como foi
dito, e porque não encontramos nas Escrituras que algum dia o

https://purelypresbyterian.com/2015/09/11/presbyterianism-in-the-old-testament-church-george-gillespie/ 3/9
08/03/2019 Presbiterianismo na Igreja do Antigo Testamento | George Gillespie - puramente presbiteriano

sumo sacerdote foi chamado pelo nome do juiz. . (4)


Considerando que ele objetou que as causas do sangue, e outras
causas civis foram julgadas neste sinédrio, nós respondemos:
Havia duas coisas diferentes naquelas causas civis, o jus e o
factum. O jus foi julgado no tribunal dos sacerdotes, porque,
como Bilson [De Gub. Eccl. Boné. 2, p. 43.] ensina, a lei civil
dos judeus era a lei judicial de Deus, Mal. 2.7, e deveria ser
procurado na boca do padre. Mas o fato de ser meramente civil
foi julgado pelo tribunal civil. Sutlivius objecteth que muitos
inconvenientes devem seguir esta distinção: (1.) são feitos juízes
ignorantes da lei. (2) Que dois tribunais de julgamento são
nomeados em uma sentença. (3.) Que um juiz (o padre) pode
dar uma sentença que ele não pode executar. (4) Que os juízes
civis fazem, em vão, perguntas sobre o fato que antes era certo
pela lei, nom exus jus oritur. (5) Que os juízes civis são imagens
mudas que devem pronunciar-se de acordo com a sentença dos
outros. Para o 1º dizemos: que nossa distinção não importa que
os juízes fossem ignorantes da lei, mas que não lhes coube
julgar o significado da lei, quando a mesma foi controvertida
entre os juízes civis inferiores: isso pertencia à corte dos
sacerdotes. 2d. Não é absurdo expor uma sentença disjuntiva de
dois tribunais diversos. 3d. Aquele que responde meramente de
jure, não tem nada a ver com execução de pessoas mais do que a
teoria tem a ver com prática, ou abstrai com concretos. 4º O fato
nunca pode ser certo pela sentença, de jure. Não é a provação,
mas a suposição do fato, quando a exposição do sentido da lei é
fundamentada. 5 ª. A cognição do fato, não da lei, pertence a um
inquérito na Escócia: são judicis facti, non juris, mas não
imagens mudas, suponho. 6º. Ele seguiu os intérpretes-papistas
ao fazer do juiz o sumo sacerdote, pois assim o expõem pela
causa do papa; todavia, eles mesmos reconhecem a distinção de
jus e factum. Veja Cornelius à Lapide, em Deut. 17. 7. Se o erro
não tivesse cegado os olhos daquele homem com quem lidei,
acho que ele estava adormecido quando essas coisas caíram de
sua caneta.

Mas, para prosseguir, como esses dois sanhedrim foram


instituídos na lei de Moisés, assim eles foram após a decadência
ou desânimo, restaurados por Josafá, 2 Cron. 19,8. Sutlivius
[Ubi Supra, p. 20.] responde, que temos aqui apenas um
Sinédrio que julga tanto os assuntos do Senhor quanto os
assuntos do rei, e que não era um tribunal eclesiástico, porque
julgava causas de sangue, e outras causas civis em que a
apelação era feita dos juízes. das cidades. Pelas questões do
Senhor, diz ele, significam causas criminais e civis, que
deveriam ser julgadas de acordo com a lei do Senhor; e pelas
questões do rei, seu patrimônio e assuntos domésticos.
Responda(1) O texto distingue duas cortes, uma que se
intrometeu nas questões do Senhor, cujo presidente era Amariah
o sumo sacerdote; outro que se intrometia nas questões do rei,
cujo presidente era Zebadiah. Isso é tão claro, que Bonfrerius, o
jesuíta, em Deut. 17 ainda que faça com que os sacerdotes sejam

https://purelypresbyterian.com/2015/09/11/presbyterianism-in-the-old-testament-church-george-gillespie/ 4/9
08/03/2019 Presbiterianismo na Igreja do Antigo Testamento | George Gillespie - puramente presbiteriano

juízes, reconhece ainda duas cortes distintas, 2 Cron. 19. (2) As


palavras, verso 8, devem ser entendidas respectivamente, como
Didoclavius [Alt. Barragem. p. 24.] observou, o que nós
explicamos assim, “ Além disso, em Jerusalém estabeleceu
Josafat dos levitas e dos sacerdotes, e dos chefes dos pais de
Israel, para o julgamento do Senhor (isto é, por causas
eclesiástica), e (repete dos levitas, dos sacerdotes e dos chefes
dos pais de Israel) por controvérsias”(Sobre questões civis, diz
Piscator.) De modo que alguns deles foram designados para
julgar um, e alguns deles para julgar o outro, o que prova que
nem os tribunais eram um, ou que os mesmos homens
sentavam-se em ambos, mas apenas que alguns dos sacerdotes e
alguns dos pais de Israel estavam em ambos. (3) Os assuntos do
Senhor, Lavater e Piscator, são coisas eclesiásticas; as coisas do
rei são coisas civis; e esta exposição compreendia todas as
coisas que se enquadravam no poder desses tribunais. Mas o
encanto de Sutlivius não o faz, pois havia muitas coisas a serem
julgadas que não eram assuntos domésticos do rei, nem ainda
causam criminalidade ou civil - como questões sobre votos,
questões sobre o significado da lei e julgamento entre o santo e
o profano, entre o que era limpo e o que era imundo. Estes, e
tais como causas eclesiásticas, ele deixa para trás, e eles são de
fato deixados fora do poder do Sinédrio Civil e reservados para
o outro, pois em tais controvérsias os sacerdotes deveriam
julgar, Ezek. 44,23,24. Por fim, não se deve pensar que o alto
sinédrio devesse ser perturbado pelos assuntos internos do rei,
muito menos que isso devesse ser a metade de sua comissão.

Agora, como temos a instituição destes dois tribunais supremos,


Deut. 17, e a restituição de ambos, 2 Chron. 19, então temos um
exemplo de ambos, Jer. 26; pois, primeiro, Jeremias foi
condenado, como digno de morte, porque havia falado contra o
templo e o lugar santo, versos 8,11; e aqui diz Oecolampadius
naquele lugar: Ele era um tipo de Cristo, contra quem foi
pronunciado, no conselho dos principais sacerdotes e anciãos, "
Ele é culpado de morte ", Matt. 26,66. Assim, este tribunal
eclesiástico concluiu contra Jeremias: “ Ele é digno de morte ”;
todavia, o contrário foi concluído no Sinédrio Civil, versículos
10,16: “ Este homem (dizem eles) não é digno de morrer, pois
ele falou para nós em nome do Senhor nosso Deus"- tanto
quanto dizer, vocês, sacerdotes, deram sentença de jurecontra
Jeremias, mas nós achamos que ele não é culpado do fato de que
ele é acusado, pois ele falou apenas a verdade que o Senhor lhe
enviou para falar; portanto, como você o declarou digno de
morte, supondo o fato, agora declaramos que ele não é digno de
morte, porque o achamos inocente do fato. Sutlivius [Ubi supra,
p. 28.] nega que os sacerdotes eram juízes juris, e os príncipes
juízes facti; somente os príncipes, contra a vontade dos
sacerdotes, libertaram a Jeremias, a quem eles haviam destinado
a morte. Mas, digamos eu, ele deve negar que Jeremias foi
julgado em dois tribunais diferentes ou não; se ele negar, o texto
está contra ele, pois ele foi julgado na corte dos príncipes, está

https://purelypresbyterian.com/2015/09/11/presbyterianism-in-the-old-testament-church-george-gillespie/ 5/9
08/03/2019 Presbiterianismo na Igreja do Antigo Testamento | George Gillespie - puramente presbiteriano

claro no verso 10,16; e que ele foi julgado na corte dos


sacerdotes, é claro também nos versos 8,9. Onde encontramos
os sacerdotes reunidos, nem raciocinamos com Jeremias (pois
eles não tinham tal propósito a ponto de dar-lhe licença para
falar por si mesmo), nem ainda para acusá-lo, pelo que fazem
diante dos príncipes, versículo 11; portanto, era para dar
sentença por sua parte contra ele, o que eles fizeram. Mas se ele
admitir que essa sentença foi dada em dois tribunais, eu ficaria
feliz em saber que diferença poderia ser feita entre a sentença e
a outra, exceto aquela diferença de jure e de facto,
especialmente a mesma, servindo tão bem ao texto como foi
dito. .

Dos vestígios desses dois tribunais supremos ainda permanecem


de algum modo distintos, nos dias de Cristo, eu falei antes. E
agora, para prosseguir, nós provamos [Bertram. de Polit. Jud.
Boné. 11, ex. 18. o antecedente deste nosso presente argumento,
concernente a tribunais eclesiásticos distintos entre os judeus, e
a sujeição do inferior ao mais alto, da sinagoga ao sanhedrim.

Mas temos ainda mais o que fazer, pois a conseqüência de


nossos argumentos também é negada, tanto pela facção pré-
clínica quanto por outros [Sutliv. De Pres., Cap. 2.] (a quem
mais lamentamos contradizer), sustentando que as razões
extraídas da igreja judaica fazem com que os prelados sejam
mais gordos que os consistórios [Robinson, just. de Separ, p.
163.]; Seja como for, agora, buscar a forma de governo para a
igreja da igreja dos judeus, foram, dizem eles, para reviver o
Antigo Testamento. Para mim, parece estranho que tanto um
lado quanto o outro, quando quiserem, raciocinem a partir das
formas da igreja judaica, e ainda assim não permitirão que
raciocinemos da mesma maneira. Os primeiros provam a
prelacidade do sumo sacerdócio e o uso legítimo de órgãos na
igreja, como no templo de Salomão. Estes últimos argumentam
que uma congregação tem o direito não apenas de eleger
ministros, mas de ordená-los e impor as mãos sobre eles, porque
o povo de Israel impunha as mãos sobre os levitas. Que a
manutenção dos ministros do evangelho deve ser voluntária,
porque, sob a lei, Deus não teria os sacerdotes e levitas para ter
qualquer parte ou herança na terra de Canaã, mas para ser
sustentado pelas ofertas e altares de o Senhor. Que o poder da
excomunhão está no corpo da igreja, porque o Senhor impôs a
todo o Israel o dever de remover o impuro e de separar o
fermento de suas casas na festa da Páscoa. Está certo, agora,
proibir-nos raciocinar da forma dos judeus? Eu não usarei mais
nenhuma expostulação, mas deixarei o leitor julgar. A verdade é
esta: mesmo como aquilo que é criança, como ele é criança, não
aceita a um homem, mas aquilo que é uma criança, como ele é a
razão animal, também concorda com um homem; então o que
encontramos na igreja judaica, como era judaica, ou na infância,
e sob a pedagogia da lei, não concorda de fato com a igreja
cristã. Mas o que quer que a igreja judaica tivesse, como era

https://purelypresbyterian.com/2015/09/11/presbyterianism-in-the-old-testament-church-george-gillespie/ 6/9
08/03/2019 Presbiterianismo na Igreja do Antigo Testamento | George Gillespie - puramente presbiteriano

uma igreja política, ou uma república eclesiástica (de que tipo


de coisas a diversidade e subordinação das cortes eclesiásticas
era uma), pertencem pela mesma razão à igreja cristã. Digo
ainda, embora a commonwealth e a política civil dos judeus não
sejam em todos os pontos um padrão para nossa política civil,
mas tenho certeza de que não é um erro imitar a política civil
dos judeus em coisas como eles tinham, não para qualquer razão
especial apropriada a eles, mas é comum a todas as
comunidades bem constituídas; e assim podemos argumentar a
partir de sua commonwealth, que é uma boa política ter varios
tribunais civis, e o mais alto receber apelações do inferior, como
estava entre eles. Não deveríamos, pela mesma razão, buscar a
diversidade de tribunais espirituais da república eclesiástica, e o
supremo para receber apelações do inferior, porque assim era a
constituição da igreja judaica, e que sob o respeito e a conta
comuns de uma igreja judaica? igreja política, e não por
qualquer razão especial que não nos diz respeito?

Patrocinadas
Anúncios

1. Melhor Shampoo para queda de ❯

2. reverso Calculator Mortgage ❯

3. Calculator Restituição do Imposto ❯

4. Empresas de Seguro Automóvel ❯

5. Melhores taxas de seguro de ❯

DENUNCIAR ESTE ANÚNCIO


Patrocinadas

1. Melhor Shampoo para queda de ❯

2. reverso Calculator Mortgage ❯

3. Calculadoras gratuitas de Imposto ❯

4. Candidate-se a Subsídios ❯

5. Empresas de Seguro Automóvel ❯

DENUNCIAR ESTE ANÚNCIO


11 DE SETEMBRO DE 201515 DE DEZEMBRO DE
2016 PAUL J. BARTH GOVERNO DA
IGREJA , JURE DIVINO PRESBITERIANISMO
GEORGE GILLESPIE , JURE DIVINO
PRESBITERIANISMO

https://purelypresbyterian.com/2015/09/11/presbyterianism-in-the-old-testament-church-george-gillespie/ 7/9
08/03/2019 Presbiterianismo na Igreja do Antigo Testamento | George Gillespie - puramente presbiteriano

3 pensamentos sobre “
Presbiterianismo na Igreja do
Antigo Testamento | George
Gillespie ”

1. A diferença entre anciãos e pastores - puramente


presbiteriana
19 de dezembro de 2016 às 08h01 Resposta
[…] requires several elders (Acts 20:17-38; Acts 14:23).
Christian churches have courts similar to those Jewish ones
which had the power of excommunication; and which
consisted of elders ruling as representatives of […]

Paul J. Barth
January 6, 2017 at 1:30 pm Reply
“It is probable that one cause, humanly speaking, why we
find in the Sacred Books less information concerning the
Christian ministry and the constitution of church
governments than we otherwise might have found, is that
these institutions had less of novelty than some would at
first sight suppose, and that many portions of them did not
wholly originate with the apostles. It appears highly
probable—I might say, morally certain—that, wherever a
Jewish synagogue existed, that was brought, the whole, or
the chief part of it, to embrace the gospel, the apostles did
not there so much form a Christian church (or congregation,
ecclesia,), as make an existing congregation Christian, by
introducing the Christian sacraments and worship, and
establishing whatever regulations were requisite for the
newly-adopted faith; leaving the machinery (if I may so
speak) of government unchanged; the rulers of synagogues,
elders and other officers (whether spiritual or ecclesiastical,
or both) being already provided in the existing institutions.
And it is likely that several of the earliest Christian churches
did originate in this way; that is, that they were converted
synagogues, which became Christian churches as soon as
the members, or the main part of the members,
acknowledged Jesus as the Messiah.

“The attempt to effect this conversion of a Jewish


synagogue into a Christian church seems always to have
been made, in the first instance, in every place where there
was an opening for it. Even after the call of the idolatrous
Gentiles, it appears plainly to have been the practice of the
apostles Paul and Barnabas, when they came to any city
where there was a synagogue, to go thither first and deliver
https://purelypresbyterian.com/2015/09/11/presbyterianism-in-the-old-testament-church-george-gillespie/ 8/9
08/03/2019 Presbiterianismo na Igreja do Antigo Testamento | George Gillespie - puramente presbiteriano

their sacred message to the Jews and ‘devout Gentiles’;


according to their own expression (Acts 13:17), ‘to the men
of Israel and those that feared God;’ adding that ‘it was
necessary that the Word of God should first be preached to
them.’ And when they founded a church in any of those
cities in which (and such were, probably, a very large
majority) there was no Jewish synagogue that received the
gospel, it is likely they would still conform, in a great
measure, to the same model.”

Richard Whately, O Reino de Cristo, pp. 75-78.


https://archive.org/details/kingdomofchristd00what_0

2. O argumento de Kline contra o presbiterianismo |


Contraste
10 de março de 2017, às 12h16 Resposta
[…] Geograficamente e funcionava com níveis variados de
autoridade (presbitério, assembléia geral, etc.). Gillespie
disse que “é claro nas Escrituras que havia pelo menos um
tribunal eclesiástico entre os […]

https://purelypresbyterian.com/2015/09/11/presbyterianism-in-the-old-testament-church-george-gillespie/ 9/9