Você está na página 1de 128

SUMÁRIO DO VOLUME

CIÊNCIAS
TERRA E UNIVERSO 5
1. Estudo dos movimentos 5
1.1 Na natureza, nenhum corpo é totalmente imóvel 5
1.2 Movimentando-se a uma velocidade constante 6
1.3 A influência da aceleração nos movimentos 10
2. A Física regendo as leis do Universo 16
2.1 As leis de Newton revolucionaram a Física 18
2.2 Máquinas simples: as aplicações das leis de Newton 23
2.3 Kepler e as órbitas dos planetas 29

TECNOLOGIA E SOCIEDADE 33
3. A energia não é o começo de tudo, mas já é um início 33
3.1 O que é energia? 34
3.2 As principais fontes de energia 34
3.3 Principais matrizes energéticas do Brasil 34
3.4 Fontes alternativas de energia 42
3.5 A energia se transforma 45
3.6 Consumo de energia 48
3.7 Energia e meio ambiente 51
4. Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções 56
4.1 Eletrostática: a eletricidade estática 56
4.2 Eletrodinâmica: a movimentação dos elétrons 58
4.3 Como se forma um campo eletromagnético? 60
4.4 Eletroímã: o magnetismo a partir de uma corrente elétrica 63
5. Átomo: um constituinte da matéria 70
5.1 A distribuição dos elétrons em níveis de energia 71
5.2 A distribuição dos elétrons em subníveis de energia 73
5.3 Classificação e propriedades dos elementos químicos 76
6. Ligações químicas: a união entre os átomos 83
6.1 Por que se formam ligações entre os átomos? 83
6.2 Ligação iônica: a atração entre cargas elétricas opostas 84
6.3 Ligação covalente: os elétrons são compartilhados 88
6.4 Ligação metálica: a união entre dois metais 90
7. Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta 95
7.1 Funções inorgânicas I – Os ácidos geram o sabor azedo dos alimentos 96
7.2 Funções inorgânicas II – As bases geram o sabor adstringente dos alimentos. 99
7.3 É ácido, básico ou neutro? 101
7.4 Reações químicas 103
7.5 Funções inorgânicas III – Nem todo sal é salgado 105
7.6 Funções inorgânicas IV – Óxidos: formando ácidos e bases 108
7.7 As funções orgânicas compondo a química dos seres vivos 110
7.8 Os seres vivos são formados por substâncias orgânicas 116
7.9 Substâncias orgânicas que atuam na conservação dos alimentos 121
Ciências 3
SUMÁRIO COMPLETO
VOLUME 1

UNIDADE: Terra e Universo


1. Estudo dos movimentos
2. A Física regendo as leis do Universo

UNIDADE: Tecnologia e Sociedade


3. A energia não é o começo de tudo, mas já é um início
4. Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções
5. Átomo: um constituinte da matéria
6. Ligações químicas: a união entre os átomos
7. Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

VOLUME 2

UNIDADE: Vida e Ambiente


8. A evolução dos seres vivos e a biodiversidade
9. A evolução dos ambientes
10. Algumas atividades humanas causam a destruição do nosso planeta

UNIDADE: Ser Humano e Saúde


11. Divisões celulares: o desenvolvimento dos seres vivos e a continuidade da vida
12. O ser humano e a reprodução
13. Consequência do sexo desprotegido

VOLUME 3

14. Os genes e nossos antepassados


15. Anomalias hereditárias: alterações transmitidas através do material genético
16. Biotecnologia: a genética nos dias atuais
17. Radioatividade: heroína ou vilã?
4 Ciências
Ciências 5
Estudo dos movimentos

TERRA E UNIVERSO
1. ESTUDO DOS MOVIMENTOS

Você, com certeza, já assistiu, e ainda assiste, a desenhos animados. Como é possível dar vida a um
personagem? Se você observar uma tira de desenho animado, vai perceber que ela consiste em uma
sequência de fotos, que nela não há movimento, nem animação.

Acervo CNEC.
A sobreposição de várias sequências nos transmite a impressão de movimento.

A sensação de movimento acontece quando um determinado número de desenhos sequenciais é projetado


por segundo. Isso é possível porque o olho humano só consegue captar até cerca de 12 imagens por segundo.
Mais do que isso, o cérebro interpreta como uma imagem contínua, provocando a ilusão de movimento.
A partir de agora, você irá conhecer um pouco sobre a Mecânica, área da Ciência que estuda os movimentos.

Saiba mais

O mesmo princípio de produção de desenhos animados


é utilizado na produção de filmes de cinema. Daí a origem do
nome cinema, do grego kinema, que significa movimento.

Disponível em: <http://bellarmine.lmu.edu>. Acesso em: 30 Nov. 2014.

1.1 Na natureza, nenhum corpo é totalmente imóvel

Imagine que você está no banco do passageiro de um automóvel. Quando esse automóvel começa a se
deslocar, você, que está no interior do veículo, está em repouso ou em movimento? Reúna-se com um colega
de classe e discutam suas ideias.
Agora, considere a seguinte situação: você está no interior de um automóvel parado. Você se encontra
em movimento ou em repouso? Novamente, discuta com seu colega. Apresentem suas conclusões para o
restante da turma.

Ao estudarmos movimentos, devemos levar em conta o referencial, que é um determinado corpo em


relação ao qual analisamos o estado de movimento ou repouso de um móvel.
6 Ciências
Estudo dos movimentos

Saiba mais

Em Física, quando falamos de um corpo, podemos


classificá-lo em ponto material ou corpo extenso.
O ponto material é aquele cujas dimensões não
interferem no estudo do movimento que está sendo
realizado. O corpo extenso, ao contrário, interfere

Acervo CNEC
no estudo do movimento. Um carro numa estrada, por
exemplo, é considerado ponto material; porém esse
mesmo carro sendo manobrado em uma garagem deve
ser considerado corpo extenso.
Móvel é todo corpo que se movimenta, seja ele um
Um mesmo corpo pode estar em repouso ou em
ponto material ou um corpo extenso. movimento, dependendo do referencial adotado.

Qualquer corpo pode servir de referencial. Assim, se


Acervo CNEC

tomarmos o automóvel como referencial, você estará em


repouso em relação a ele, mas se tomarmos uma árvore na
rua, você estará em movimento em relação a ela.
Portanto lembre-se: quando a posição de um corpo
muda em relação ao referencial, num determinado intervalo
de tempo, esse corpo encontra-se em movimento; caso
contrário, está em repouso.
Nesse exato momento, você deve estar pensando: então,
se eu permanecer no interior de um automóvel parado, nós
dois (o automóvel e eu) estaremos em repouso? A resposta a essa
pergunta é não, se considerarmos a superfície da Terra, na qual o
automóvel está parado: a Terra gira em torno do Sol; portanto o
Mesmo quando estamos parados na Terra, automóvel também gira em torno do Sol. Isso comprova que não
realizamos algum tipo de movimento. há movimento ou repouso absolutos.

1.2 Movimentando-se a uma velocidade constante

O s movimentos realizados por nós na Terra podem ser bastante diferentes uns dos outros. Isso pode
ser comprovado em situações cotidianas, como, por exemplo, ir à escola. Se você acordar mais cedo, poderá
caminhar mais lentamente. Se, ao contrário, acordar atrasado, precisará correr para chegar a tempo. Dependendo
do tempo que temos disponível para realizarmos um trajeto, nossa velocidade tem que ser maior ou menor.
Os movimentos retilíneos são classificados em Busca
movimento uniforme e movimento uniformemente
variado. O diferencial entre um movimento e outro Retilíneo: que se desenvolve em linha reta
provém do valor da velocidade durante o trajeto. Se a
velocidade é constante, o movimento é dito uniforme; se
a velocidade varia, o movimento é uniformemente variado.
Para entender como ocorre o movimento uniforme, imagine uma pessoa fazendo uma caminhada
na praia. Andando normalmente, ela percorre distâncias iguais, em tempos iguais, ou seja, a velocidade
com que os movimentos ocorrem sempre é a mesma. Portanto o movimento uniforme tem velocidade
constante e aceleração nula (ou seja, igual a zero).
Como podemos determinar a velocidade de um corpo?
Primeiramente, é necessário entender o que é espaço, deslocamento e intervalo de tempo. O espaço
é a posição que o móvel ocupa em um determinado momento (instante), representada pela letra S.
Ciências 7
Estudo dos movimentos

O deslocamento é a variação da posição do móvel em relação ao referencial adotado. O deslocamento


é representado por ∆S e corresponde à diferença entre as posições final (S) e inicial (S0):

∆S = S – S0

Acervo CNEC.
km 75
km

Imagine um automóvel saindo do quilômetro 20 (S0). Ao chegar ao quilômetro 75 (S), o deslocamento do automóvel será de
55 km (ΔS).

Saiba mais
Δ é a letra grega delta, que é muito utilizada nas Ciências Exatas (como Matemática e Física) para indicar
uma diferença no valor de determinada variável. Assim, ΔS corresponde à variação do espaço, que pode ser
lida como delta-s.

O intervalo de tempo é o tempo gasto para se deslocar do espaço inicial até o espaço final e é
representado por ∆t.

Δt = t – t0

Agora, imagine que você estava viajando de automóvel e, no quilômetro 20 da estrada, acionou um
cronômetro. Após 3 horas de viagem, percebeu que estava no quilômetro 260. Do início do tempo até o final,
o carro em que você viajava percorreu 240 quilômetros (S – S0 = 260 – 20 = 240 km). Isso quer dizer que, em
três horas, você percorreu uma distância de 240 quilômetros. Logo, em uma hora, percorreu 80 quilômetros.
Observe que a velocidade média de um corpo, então, é definida pela distância percorrida por um móvel
dividida pelo intervalo de tempo gasto para fazer um determinado trajeto. Ela pode ser representada pela equação:
∆S
Vm =
∆t
onde:
• Vm = velocidade média do móvel durante o deslocamento;
• ΔS = espaço percorrido pelo móvel;
• Δt = intervalo de tempo gasto.
Como você pode ver, a velocidade depende das unidades de espaço e de tempo e, portanto, é representada
por km/h, m/s, km/s, cm/s, entre outras. No Sistema Internacional de Unidades (SI), a unidade padrão é o m/s.

x 3,6

Você se lembra...
Transformação de unidades
m/s km/h
Em algumas situações, você encontrará a velocidade em m/s; em outras, em
km/h. Nesses casos, é preciso fazer a conversão, de acordo com cada situação.
Para converter de m/s para km/h, basta multiplicar por 3,6. Para realizar a conversão
contrária, divide-se por 3,6. ÷ 3,6
8 Ciências
Estudo dos movimentos

Saiba mais
No quadro a seguir, encontramos algumas curiosidades sobre a velocidade de alguns animais, objetos e
ações praticadas por nós.

Acervo CNEC.
falcão satélite artificial
(100 m/s) (7 500 m/s) movimento
corredor orbital da
corrente olímpico Terra
do golfo (10 m/s) (30 000 m/s)
(1 m/s) guepardo som
(30 m/s) (340 m/s)
bicho-preguiça
(0,07 m/s) avião
lesma caminhada tubarão
(0,006 m/s) (2 m/s) (15 m/s) (200 m/s)

0,01 0,1 1 10 100 1 000 10 000 100 000


m/s m/s m/s m/s m/s m/s m/s m/s

O movimento uniforme pode ser representado graficamente de duas maneiras: em um gráfico que
representa a variação do espaço em função do tempo, ou em um gráfico com a variação da velocidade,
também em função do tempo.
O gráfico da velocidade em função do tempo é um gráfico simples, pois a velocidade é sempre
constante. Esse gráfico é importante, pois a área delimitada sob ele informa o deslocamento do móvel.
V(m/s) V(m/s)

v Área = ∆S

0 t(s) 0 t1 t2 t(s)

No movimento uniforme, o gráfico da velocidade A área delimitada sob o gráfico da velocidade


sempre será uma linha reta, paralela ao eixo do determina o espaço percorrido (ΔS) pelo
tempo. móvel.

O gráfico do espaço em função do tempo sempre será uma reta S


definida pela equação:
s

S = S0 + V.t

Essa equação é chamada de função horária da posição, na


qual temos: s0

• S = posição do móvel no instante t;


• S0 = posição inicial, corresponde ao t = 0;
t
• V = velocidade; 0 t
• t = instante em que se pretende determinar a posição do móvel. No movimento uniforme, o gráfico do espaço
em função do tempo é uma reta inclinada.
Ciências 9
Estudo dos movimentos

c) a variação do espaço entre os intervalos de


3 s e 7 s.
Exercícios de sala
1 Um carro sai do ponto A e vai até o ponto B com
uma velocidade média de 70 km/h. Sabendo
que a distância entre os pontos A e B é de
560 km, qual será o tempo gasto pelo móvel
d) a função horária do movimento.
para percorrer esse trajeto?

4 Observe o gráfico a seguir e responda às questões:

80

Velocidade em km/h
70
60
2 A distância entre Curitiba e Florianópolis é de, 50
aproximadamente, 306 km. Um avião passou 40
por Florianópolis às 15h e chegou a Curitiba às 30
15h51min. Qual foi a velocidade média desse 20
avião, em m/s? 10

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Tempo em horas

a) Qual é a velocidade depois de 2 horas?

b) Qual é a velocidade depois de 5 horas?


3 Os espaços de um móvel variam de acordo
com a seguinte tabela:
S (m) -4 -3 0 5 12 21 32 45
t (s) 0 1 2 3 4 5 6 7

Determine:
a) o espaço inicial;
c) O que aconteceu com a velocidade no
decorrer do tempo?
_____________________________________
_____________________________________
_____________________________________
b) o espaço do móvel nos instantes t = 1 s e d) Que tipo de movimento é esse?
t = 6 s.
_____________________________________
_____________________________________
_____________________________________
10 Ciências
Estudo dos movimentos

5 A posição de um móvel numa trajetória retilínea é descrita pela equação S = -21 + 3t. Utilizando as
unidades do SI, determine:
a) a posição inicial do móvel;

b) a velocidade média;

c) a posição em t = 4 s;

d) o instante em que posição do móvel é S = 12 m;

e) o instante em que o móvel passa pela origem dos espaços.

A simulação mostra dois caminhões que partem de pontos distintos, com velocidades diferentes
e no mesmo sentido. Utilizando equações, o aluno deverá calcular a distância entre eles uma hora
após eles terem partido dos seus pontos iniciais.
http://www.noas.com.br/ensino-medio/fisica/mecanica/cinematica/caminhoes/

O aluno deve escolher a velocidade de um dos carros e calcular o ponto de encontro dos dois
http://www.noas.com.br/ensino-medio/fisica/mecanica/cinematica/carros/

A videoaula define o movimento retilíneo uniforme e cita exemplos. Define a equação horária
da posição e descreve as características do gráfico da posição em função do tempo para esse
movimento, utilizando situações fictícias.
https://www.youtube.com/watch?v=aI9qYENJH5g

1.3 A influência da aceleração nos movimentos

Imagine uma pessoa caminhando em uma praia. No primeiro minuto, ela percorreu 10 metros; no segundo
minuto, 20 metros; no terceiro minuto, 30 metros, e assim por diante. O que você pode concluir a respeito da
distância percorrida e da velocidade dessa pessoa?
Discuta suas ideias com seus colegas.

No movimento uniformemente variado, a velocidade sofre uma variação constante de acordo com
o tempo. Tomando ainda como exemplo a pessoa fazendo caminhada na praia, observe que a distância
aumenta de forma uniforme, enquanto que o tempo utilizado a cada medição se mantém o mesmo, ou
seja, a cada minuto a pessoa se desloca 10 metros a mais que no minuto anterior.
A variação de velocidade sofrida num intervalo de tempo é chamada de aceleração média e pode ser
calculada através da fórmula:
∆V
am =
∆t
Ciências 11
Estudo dos movimentos

onde:
• am = aceleração média do móvel durante o deslocamento;
• ∆V = variação da velocidade desse móvel;
• ∆t = intervalo de tempo gasto.
Considere um automóvel que se desloca como indica a figura a seguir:

Acervo CNEC.
V = 5 m/s V = 20 m/s V = 35 m/s

1s 1s
Observe que, no primeiro segundo, a velocidade aumentou em 15 m/s:

∆V = V – V0 = 20 – 5 = 15 m/s

A mesma coisa aconteceu no intervalo seguinte:

∆V = V – V0 = 35 – 20 = 15 m/s

Sendo assim, podemos concluir que, no movimento uniformemente variado, a variação da


velocidade é sempre a mesma, e a aceleração é sempre constante e diferente de zero.
A aceleração depende das unidades de velocidade e de tempo e é representada, no Sistema Internacional
de Unidades, por m/s2.
A principal equação do movimento uniformemente variado é:

V = V0 + a.t

onde:
• V = velocidade do móvel no instante t;
• V0 = velocidade inicial do móvel, corresponde ao instante t = 0;
• a = aceleração do móvel.
Atenção!
Quando um objeto cai de uma determinada altura (por exemplo, do alto de um edifício), ele sofre influência
da aceleração da gravidade, que vale 9,8 m/s2. Nesses casos, desprezamos a resistência do ar sobre esse objeto.
Quando o movimento ocorre no mesmo sentido da orientação da trajetória, dizemos que esse
movimento é progressivo. Se, ao contrário, o movimento é oposto ao sentido da trajetória, trata-se de um
movimento retrógrado.

Movimento Progressivo Movimento Retrógrado

MOVIMENTO MOVIMENTO

TRAJETÓRIA TRAJETÓRIA

No movimento uniformemente variado, se a velocidade aumenta, temos o movimento acelerado;


por outro lado, se a velocidade diminui (ou seja, se o móvel “freia”), temos o movimento retardado.
12 Ciências
Estudo dos movimentos

Saiba mais

Acervo CNEC.
Os músculos e o esqueleto permitem os
movimentos
Músculo
Nosso corpo é capaz de realizar flexor
Músculo
vários movimentos diferentes. Esses extensor
movimentos, sejam eles de grande Músculos flexores e extensores
trabalham antagonicamente
magnitude ou pequenos e delicados, para movimentar a articulação
Tendões ligam
não aconteceriam sem a presença o músculo
dos músculos e dos ossos no nosso Fêmur ao osso
Patela
corpo.
Os movimentos voluntários (que
Cartilagem
dependem da nossa vontade, como, Ligamentos ligam
por exemplo, caminhar) são produzidos um osso a outro
pelos músculos esqueléticos, ou seja,
por aqueles músculos que estão ligados
ao esqueleto humano. Essa união dos Tíbia

músculos e dos ossos ocorre graças aos


ligamentos e tendões.
Os locais onde os ossos se encontram
são as articulações (popularmente
conhecidas como juntas), nas quais
existe a cartilagem, que funciona como
uma “almofada”, permitindo que os ossos
deslizem uns sobre os outros, sem desgaste Tendões e ligamentos, unindo os músculos aos ossos, compõem
ou prejuízo durante os movimentos. Além disso, as articulações humanas.
entre duas articulações há o líquido sinovial, que
lubrifica a articulação e facilita o movimento dos ossos.
Os músculos têm capacidade de se contrair e relaxar. Quando se contraem, os músculos “puxam” os ossos
aos quais estão ligados. Como os músculos não têm a capacidade de “empurrar” os ossos, os movimentos
do corpo humano só ocorrem com a realização do trabalho de pares de músculos. Cada um desses pares é
formado por um músculo chamado de flexor e outro chamado de extensor. O flexor puxa os ossos e flexiona
a articulação, enquanto o extensor puxa os ossos para fazê-los voltar à posição inicial, estendendo essa
articulação.
Acervo CNEC.

Os movimentos do corpo humano só são possíveis graças ao trabalho em conjunto da musculatura esquelética.
Ciências 13
Estudo dos movimentos

Exercícios de sala

6 Um avião passa por determinado ponto com velocidade de 160 km/h. Sabendo que ele percorre uma
trajetória retilínea e que possui aceleração constante de 960 km/h2, quantos minutos esse avião gasta
para atingir a velocidade de 640 km/h?

7 Um ponto material tem sua velocidade variando de acordo com a função horária V = 30 – 10.t, onde v é
em m/s e t, em s.
a) Qual é a velocidade inicial?

b) Qual é a aceleração?

c) Qual a velocidade para t = 6 s?

d) Qual o instante em que v = -20 m/s?

8 Observe a tabela a seguir, que traz dados da velocidade de um móvel em função do tempo:

t (s) 0 1 2 3 4 5 6 7
V (m/s) 3 5 7 9 11 13 15 17

a) Qual é a velocidade inicial do móvel?

b) Calcule a aceleração média do móvel no intervalo de 1 s a 5 s.

c) O movimento desse móvel é acelerado ou retardado?


___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
14 Ciências
Estudo dos movimentos

9 A velocidade de um móvel em movimento varia d) O que é maior (em módulo): a aceleração ou


segundo a função horária V = 5 + 10.t (unidades a desaceleração?
do SI). Determine:
a) a velocidade inicial do móvel;

e) Qual é a distância entre as duas estações?


b) a aceleração do móvel;

c) a velocidade do móvel no instante t = 3 s;

A videoaula ensina o que é aceleração,


movimento retilíneo uniformemente
variado, qual é a função horária da
10 (Olimpíada Paulista de Física) O gráfico velocidade e a função horária da posição
ilustra a forma como a velocidade do trem de para esse tipo de movimento.
um metrô varia ao longo do trajeto entre duas h t t p s : / / w w w. y o u t u b e . c o m /
estações: watch?v=vGR0dbqc464
Velocidade (m/s)

20 Exercícios propostos

11 (Olimpíada Brasileira de Física) Viajando


entre duas cidades, usualmente um veículo
tempo (s) gasta 2 horas e meia para ir de uma a outra
0 10 210 240 mantendo uma velocidade média de 90 km/h.
Num dia de tráfego mais intenso, esse percurso
O trem acelera quando parte e desacelera demorou 3 horas. Neste caso, a velocidade
antes de parar na próxima estação. média do veículo, em km/h, foi igual a:
a) Quanto tempo o trem gasta no trajeto? a) 70.
b) 68.
c) 75.
d) 80.
e) 85.

12 (Olimpíada Paulista de Física) O professor


b) Qual a velocidade máxima atingida pelo Rômulo e seus alunos fazem uma excursão e
trem no trajeto? viajam pela Via Anhanguera, de Jundiaí (km 60)
até Ribeirão Preto (km 330). O ônibus parte às 10
horas, passa por Limeira (km 150) às 11h30min e
prossegue viagem até o objetivo final.
a) Qual é a distância percorrida pelo ônibus até
Limeira?
c) Qual a distância percorrida pelo trem durante b) Qual é o tempo que o ônibus gasta para o
o intervalo de tempo em que ele se move com trecho Jundiaí-Limeira?
movimento uniforme? c) Qual é a velocidade média no trecho Jundiaí-
Limeira?
d) Se o ônibus mantiver a mesma velocidade
média e não parar durante o trajeto, a que horas
ele chegará a Ribeirão Preto?
e) Para que o ônibus chegue a Ribeirão Preto
às 13h, qual deve ser sua velocidade média?
Ciências 15
Estudo dos movimentos

13 (Olimpíada Paulista de Física) João precisa

Disponível em: <http://naturescrusaders.files.


wordpress.com>. Acesso em: 29 nov. 2014.
chegar a São Carlos às 14 horas. Ele sabe
que os ônibus viajam a uma velocidade média
de 80 km/h e que a distância de São Paulo a
São Carlos é de aproximadamente 320 km.
Qual será o único horário de partida dos ônibus
de São Paulo que permitirá a João chegar
pontualmente a São Carlos?
a) 09h00min
b) 09h30min
c) 10h00min
d) 10h30min
e) 11h00min Gazela
A chita larga a uma velocidade constante de
14 O espaço de um móvel varia com o tempo
10 m/s, enquanto que a gazela parte do repouso
obedecendo à função horária S = 30 + 10.t.
Determine: com uma aceleração de 2 m/s2. Baseado nisso,
a) o espaço inicial; responda:
b) a velocidade do móvel. a) Qual o tipo de movimento que cada animal
apresenta?
15 A equação horária da posição de um móvel é S = 15 b) Após quantos segundos os dois animais
+ 5.t. Considerando que a distância é medida em apresentarão a mesma velocidade?
centímetros e o tempo em segundos, determine:
c) Quando esses animais apresentarem a
a) a posição inicial e a velocidade desse móvel;
mesma velocidade, qual estará na frente?
b) a posição desse móvel em t = 3 s;
c) o instante em que a posição é S = 45 cm;
d) o instante em que a posição é S = 165 cm. 19 Um carro, movendo-se em trajetória retilínea
com velocidade de 34 m/s, passa por um
16 Um veículo se desloca com velocidade de 20 observador. Após 5,5 s, o observador ouve o
m/s. A partir do instante t = 0, o motorista aciona som do impacto do carro contra um obstáculo.
os freios, e a aceleração passa a ser de -5 m/s2. Sabendo que a velocidade de propagação
a) Determine a função horária da velocidade do som no ar é de 340 m/s, determine a
do carro a partir de t = 0. que distância do observador encontra-se o
b) Em que instante o carro atinge o repouso? obstáculo.
c) Represente graficamente a velocidade em
função do tempo.
20 A origem da palavra cinema vem do grego
kinema, e significa movimento. Na Física, a
17 Um objeto cai do alto de um edifício e atinge o
Mecânica é a parte responsável pelo estudo dos
solo com velocidade de 68,6 m/s. Calcule o tempo
movimentos dos corpos. Entre suas divisões,
gasto na queda, desprezando a resistência do ar.
existe a cinemática e a dinâmica.
a) Qual é a diferença entre essas duas
divisões?
b) Avalie cada situação a seguir e identifique
Exercícios de aprofundamento como assunto mais ligado à cinemática ou à
dinâmica.
I) Um ônibus percorre a distância entre as
18 Uma chita e uma gazela vão disputar uma
cidades do Rio de Janeiro e São Paulo à
corrida, partindo da mesma posição.
velocidade constante de 90 km/h.
Disponível em: <www.webwallpapers.net>.
Acesso em: 29 nov. 2014.

II) Em determinado trecho do trajeto entre as


cidades de Juquitiba e Registro, ambas no
Estado de São Paulo, um automóvel teve que
reduzir sua velocidade por causa das curvas da
estrada.
III) A estátua era tão pesada que teve que ser
erguida com um guindaste.
IV) O chute do atacante foi tão forte que o
goleiro não teve tempo de defender.

Chita
16 Ciências
A Física regendo as leis do Universo

2. A FÍSICA REGENDO AS LEIS DO UNIVERSO


O que acontece a um objeto quando aplicamos uma força sobre ele? E se duas ou mais pessoas aplicarem
força sobre ele, o que pode ocorrer?
No nosso dia a dia, a todo momento vivenciamos situações nas quais algum tipo de força é aplicada.
Nesse exato momento, por exemplo, um tipo de força muito importante para a nossa vida na Terra está
sendo aplicada em você: a força gravitacional.
Como é algo muito comum em nosso dia a dia, o conceito de força não nos é estranho, embora
possamos não conhecer sua definição precisa.
Entendemos por força toda causa ou efeito que produz ou causa uma variação de velocidade, uma
deformação ou uma mudança na trajetória de um corpo.

Acervo CNEC
Saiba mais
Existem duas classes de forças: forças de contato (quando dois ou mais
corpos entram em contato) e forças de campo (quando dois ou mais corpos
exercem influência sobre outros que estão a certa distância).

Força de campo
Força de contato

Uma força deve possuir intensidade (valor medido), direção (horizontal, vertical, diagonal) e sentido
(esquerda, direita, para baixo, para cima).

Observe esta figura:


Acervo CNEC

→ →
F1 F2

Considerando que as crianças puxam a corda com a mesma força, determine o sentido em que se
deslocará o barquinho.
Ciências 17
A Física regendo as leis do Universo

É importante entender que mais de uma força pode ser aplicada a um mesmo corpo e que é preciso,
nesse caso, saber determinar qual é a força resultante de um sistema de forças.
Quando existe mais de uma força agindo sobre um objeto, o resultado final proporcionado depende
da ação conjunta de todas elas. O resultado da ação de todas as forças agindo ao mesmo tempo pode ser
representado pela ação de uma força imaginária. A essa força única, que causaria o mesmo efeito que todas
as forças aplicadas ao corpo em conjunto, chamamos de força resultante (FR).

Como calcular a força resultante de um sistema de forças

Existem algumas regrinhas muito simples para calcular a resultante de duas forças. Observe:
a) Forças de mesmo sentido e de mesma direção: as forças devem ser somadas.
b) Forças de mesma direção e sentidos opostos: a força resultante é fruto da subtração das forças aplicadas.
c) Forças de direção e sentidos diferentes: obviamente, esse é um caso um pouquinho mais complexo
do que as situações anteriores. Para entendê-lo, volte à figura do barco. A força resultante é intermediária
entre as forças exercidas pelos meninos. Podemos calcular essa força da seguinte maneira:

R2 = (F1)2 + (F2)2
onde:
• R = força resultante
• F1 = força exercida pelo menino sobre o barco
• F2 = força exercida pela menina sobre o barco

Além da definição de força, você também precisa conhecer um pouco sobre as leis de Isaac Newton,
muito importantes para a Física Clássica.

Exercícios de sala

1 Em cada caso, encontre a intensidade da força resultante e faça um esquema indicando seu sentido e a
direção.

20 000 N 100 000 N

10 N
60 N
20 N

15 N 10 N

20 N
80 N

15 N 40 N
5N 60 N
18 Ciências
A Física regendo as leis do Universo

2.1 As leis de Newton revolucionaram a Física

Isaac Newton (1642 – 1727) nasceu em Woolsthorpe, Inglaterra, na época do Natal. Durante sua vida,
trabalhou como cientista, físico, químico e matemático e elaborou várias leis da Física, dentre elas as Leis
da Dinâmica e a Gravitação Universal.

Newton era filho de fazendeiros, porém não chegara a conhecer seu pai, que havia falecido dois meses
antes de seu nascimento. Foi criado pelos avós maternos, pois sua mãe, após casar-se novamente, mudou-
se para uma cidade vizinha.
Na escola, era considerado desatento e preguiçoso.

Disponível em: <http://upload.wikimedia.org>. Acesso em: 29 nov. 2014.


Mesmo assim, conseguiu ingressar no Trinity College,
em Cambridge. Quando Newton estava no quarto ano
da Universidade, um surto de peste bubônica atingiu
Londres e ele voltou à casa de seus avós, permanecendo
lá por dois anos, que foram os anos mais produtivos de
sua vida, durante os quais realizou inúmeras descobertas
em matemática e física.
Em 1667, ao voltar para Londres, começou a lecionar
na Universidade em que se formara. Pouco depois,
em parceria com E. Halley, realizou trabalhos sobre a
órbita do cometa (que, por sinal, leva o nome de seu
pesquisador). Em 1686, publica a primeira edição do
Principia, considerado um dos livros mais importantes
do meio científico. Nessa obra, Newton demonstrou as
três leis da Física (Lei da Inércia, Lei Fundamental da
Dinâmica e Lei da Ação e Reação), as quais explicavam
vários comportamentos relativos ao movimento dos
corpos. Associando essas leis à lei da Gravitação
Universal, demonstrou as leis de Kepler sobre a trajetória
dos planetas. Isaac Newton. Em seu epitáfio, podemos ler: “Nature
Newton, que sempre afirmava: “se vi mais longe foi and nature’s law lay hid in night. God said, Let Newton
be!; and all was light.”(A natureza e suas leis jazem
por estar de pé sobre ombros de gigantes”, morreu aos ocultas na noite. Deus disse: “Que Newton exista!”; e
84 anos e recebeu o mesmo tratamento dispensado aos tudo se fez luz).
heróis: foi sepultado ao lado de reis, rainhas e outros
heróis ingleses na Abadia de Westminster, em Londres.

A Primeira Lei de Newton, também conhecida como Princípio da Inércia, pode ser enunciada da
seguinte forma:

“Um corpo tende a permanecer em seu estado inicial, seja esse estado repouso ou movimento
retilíneo uniforme.”

Em outras palavras, se um corpo está em repouso, ele continuará em repouso, a menos que alguma
força atue sobre ele. Se um corpo se encontra em movimento, ele também permanecerá em movimento
retilíneo uniforme, a não ser que sobre ele passe a atuar alguma força.
Essa tendência do corpo de conservar o seu estado inicial é chamada de inércia e é resultado da
resistência do corpo a alterações em seu estado (repouso ou movimento).
Ciências 19
A Física regendo as leis do Universo

Para que você compreenda melhor o Princípio da Inércia, considere a seguinte situação:

Acervo CNEC
Acervo CNEC
Na freada brusca do ônibus, os passageiros desprevenidos continuam a se movimentar com a mesma
velocidade com que o ônibus estava andando antes dessa freada. Isso é explicado pela Primeira Lei de
Newton.

Saiba mais

CINTOS DE SEGURANÇA E AIRBAGS

Nos dias atuais, a indústria de automóveis tem demonstrado grande preocupação com a segurança dos
ocupantes de um automóvel. Sendo assim, os carros fabricados atualmente apresentam diversos dispositivos
que garantem a segurança dos ocupantes do automóvel, como o cinto e o airbag. Tais dispositivos baseiam-se
no princípio da inércia.
Imagine um carro sofrendo uma colisão frontal. De acordo com o princípio da inércia, se os ocupantes
do veículo não estiverem usando o cinto de segurança, eles tendem a continuar em movimento e podem se
chocar contra o para-brisa do carro ou até mesmo podem ser arremessados para fora do veículo. Portanto a
finalidade do cinto de segurança é aplicar uma força contrária ao corpo dos passageiros, diminuindo, assim,
a sua velocidade.
Os airbags são bolsas que, em caso de colisão, se inflam em questão de segundos, amortecendo um
possível choque do passageiro contra o veículo.
20 Ciências
A Física regendo as leis do Universo

A Segunda Lei de Newton, ou Princípio Fundamental da Dinâmica, pode ser enunciada da


seguinte forma:

“A atuação de uma força resultante em um corpo produz nele uma aceleração.”

Considerando:
• FR = força resultante que atua sobre um corpo
• m = massa desse corpo
• a = aceleração do corpo
podemos enunciar matematicamente a Segunda Lei de Newton:

FR = m.a

No Sistema Internacional, a unidade padrão de aceleração é m/s2, e a massa do corpo é dada em kg.
Portanto a unidade de força é kg.m/s2. Como foi Isaac Newton o primeiro a apresentar um conceito
formal de força, a unidade de força do SI foi batizada de Newton, representada pela letra N.
Considere a seguinte situação:

Acervo CNEC

Imagine que o homem e o menino estejam empregando a mesma força para empurrar, respectivamente,
o carro e a bicicleta. Obviamente, a bicicleta irá obter maior aceleração, pois a sua massa é menor do que
a do carro.
Por outro lado, se o carro e a bicicleta tiverem a mesma aceleração, isso significa que a força empregada
pelo homem e superior à força empregada pelo menino.
De acordo com a Segunda Lei de Newton, a força empregada e a massa do corpo são os fatores
determinantes da aceleração.

Você se lembra...

O quilograma (kg) é a unidade de massa, e não de peso. A massa é uma unidade base, enquanto que o
peso é uma unidade derivada, resultante da atuação da força gravitacional sobre a massa de um corpo.
Ciências 21
A Física regendo as leis do Universo

A terceira lei de Newton ou lei da ação e reação é resultado da força que um corpo exerce sobre
outro: toda força aplicada em um corpo faz surgir uma outra força, contrária à primeira, porém de mesma
intensidade. Newton foi o primeiro a perceber que a ação e reação acontecem. Assim, ele enumerou três
características importantes sobre as forças que interagem entre dois corpos:
1) Uma força nunca aparece sozinha; para cada ação existe uma reação;
2) As forças, embora ocorram aos pares, sempre atuam em corpos diferentes. Isso explica por que
conseguimos mover um objeto, independentemente da reação que ele está exercendo sobre nós. Além disso,
se essas forças atuassem sobre um mesmo corpo, elas se anulariam e esse corpo nunca iria movimentar-se;
3) As forças diferem entre si por possuírem sentidos opostos.

Em nosso dia a dia, acontecem inúmeros exemplos que ilustram a terceira lei de Newton. Quem nunca
brincou de cabo de guerra ou de patins?
Reúna-se em grupos e tentem aplicar a terceira lei de Newton a essas duas brincadeiras. Depois,
comparem as suas ideias com as dos outros grupos formados na classe.

No cabo de guerra, cada equipe puxa a corda para o seu lado, exercendo uma força de tração sobre
essa corda, que reage nas mãos de cada membro da equipe. Na patinação, a pessoa pode se apoiar em uma
parede para ganhar impulso. Quando o patinador “empurra” a parede com as mãos, também sofre a ação
de uma força aplicada pela parede em direção oposta.

Acervo CNEC

Em brincadeiras como o cabo de guerra e a patinação, podemos perceber claramente as forças de ação e reação sobre os
corpos.

Além do cabo de guerra e da patinação,


Acervo CNEC

N
ainda encontramos a terceira lei de Newton
ao empurrarmos um carro, ao chutarmos uma
bola ou ao colocarmos um objeto sobre uma
mesa. Neste último caso, o objeto exerce uma
P=N
força sobre a mesa (chamada de força normal,
que em um plano horizontal, é igual à força
peso), que responde com uma força contrária,
também chamada de força normal. A força peso, exercida pelo livro sobre a mesa plano
horizontal, e a força normal, contrária à força peso.
22 Ciências
A Física regendo as leis do Universo

Saiba mais

Chamamos de força peso (P) a força de campo gravitacional que a Terra exerce sobre qualquer objeto
colocado próximo à sua superfície. Ela tem direção vertical e sentido para baixo.
Em uma situação de queda livre, a única força atuante em um corpo é a própria força peso. Portanto
esse corpo adquire aceleração vertical para baixo. Nesse caso, dizemos que o corpo adquiriu aceleração da
gravidade (g). Podemos obter a intensidade da força peso utilizando a seguinte fórmula:

P = m.g

Para facilitar os cálculos, é comum adotar o valor de g = 10 m/s2. Assim, um corpo de massa m = 2 kg teria
peso P = 20 N.
Não podemos nos esquecer de que a aceleração da gravidade é uma característica que varia de astro
para astro. Portanto o peso de um corpo depende do local, mas sua massa não. Na Lua, cuja aceleração da
gravidade é de 1,6 m/s2, o mesmo corpo de massa m = 2 kg teria peso P = 3,2 N.

Permite, por meio da montagem de um carrinho de rolimã, conhecer alguns conceitos de física
relacionados às Leis dos Movimentos ou Leis de Newton.
http://www.noas.com.br/ensino-medio/fisica/mecanica/dinamica/leis-de-newton/

A videoaula explica conceitos básicos, como força e massa, para, posteriormente, definir as leis
de Newton.
https://www.youtube.com/watch?v=ZtwPh3yGkO0

O site sugere um aplicativo para telefones celulares. Trata-se de um jogo que explora os
conceitos físicos de massa e força. O aluno deve escolher um dos personagens e disputar, com ele,
um jogo em que discos são lançados no gelo. O objetivo é deixar os discos mais próximos do alvo
e, se possível, tirar os dos adversários.
https://itunes.apple.com/br/app/leis-de-newton/id858525210?mt=8

Exercícios de sala

2 Um ônibus estava em movimento retilíneo e uniforme. Um passageiro que estava em pé lendo seu jornal
levou um tombo quando o ônibus fez uma curva. Explique por quê.

___________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________

3 O que é mais difícil de fazer parar: uma bola de pingue-pongue ou uma bola de futebol, ambas com a
mesma velocidade? Por quê?

___________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________
Ciências 23
A Física regendo as leis do Universo

4 Um corpo de massa de 3 kg parte do repouso e depois de 2,5s atinge 36 km/h. Calcule a aceleração do
corpo em m/s2 e a intensidade da força nele aplicada.
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

5 A figura mostra um automóvel em movimento em uma estrada retilínea. Estão representadas as forças
que atuam sobre esse automóvel.

Acervo CNEC
Força devida à Força devida ao
resistência do ar motor

A massa do carro é de 750 kg, e a força de resistência do ar é de 1 500 N.


Qual é a força motora necessária para que o carro tenha movimento acelerado, com aceleração de 2
m/s2?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

2.2 Máquinas simples: as aplicações das leis de Newton

Algumas atividades que realizamos no nosso dia a dia são tão simples que quase nunca paramos para
pensar sobre elas. Você já se perguntou como seria abrir uma lata de conservas sem o abridor de latas? Ou
como você faria para fincar um prego na madeira sem um martelo, usando somente as mãos?
Imagine-se em um mundo onde não exista nenhum tipo de ferramenta especializada para as tarefas
citadas anteriormente. Como você faria para executá-las?

Sob esse ponto de vista, conseguimos ter a noção de como a nossa vida é facilitada por alguns
instrumentos. A eles damos o nome de máquinas simples.
Os principais tipos de máquinas simples são as alavancas, a roldana e o plano inclinado.

Alavancas

Se lhe pedissem que deslocasse um bloco de concreto de 200 kg,


Acervo CNEC

você certamente não conseguiria.

Sem a existência das máquinas


simples, não seria possível movermos
corpos de grande massa.
200
kg
24 Ciências
A Física regendo as leis do Universo

Mas se você utilizar uma barra de ferro, por exemplo, e tiver um ponto de apoio, esse trabalho torna-se
possível. A esse tipo de dispositivo chamamos de alavanca.
Veja, na figura a seguir, os elementos de uma alavanca:

Acervo CNEC
P

O
R

As alavancas facilitam o trabalho. Mover corpos de grandes massas fica mais fácil.

A força que se aplica numa máquina simples é chamada de força potente e é representada por P. A
força que a máquina aplica é a força resistente, representada por R; essa força se opõe ao movimento. Em
geral, a força potente é menor que a força resistente.

Ponto de apoio (O)

Braço da força Braço da força


potente (BP) resistente (BR)

Força Força
potente resistente
(P) (R)

onde:

• P: força potente
• R: força resistente
• O: ponto de apoio
• BP: braço da força potente (vai do ponto de aplicação da força potente até o ponto de apoio)
• BR: braço da força resistente (vai do ponto de aplicação da força resistente até o ponto de apoio)
Ciências 25
A Física regendo as leis do Universo

Alavancas interfixas

Práxis São aquelas em que o ponto de apoio está


localizado entre as forças potentes e resistentes.
Funcionamento de uma máquina simples São exemplos de alavancas interfixas:

Acervo CNEC
Objetivo Martelo

• Verificar como as alavancas facilitam um trabalho.

Material
Gangorra

• Livro Alicate
• Régua
Pé de cabra
Balança de pratos
Procedimento
Alavancas inter-resistentes
1) Coloque o livro sobre a mesa, perto da borda, e
introduza a régua sob ele, de tal forma que metade São aquelas em que a força resistente está
dela fique além da borda. entre o ponto de apoio e a força potente. Observe
2) Tente levantar o livro, pressionando para baixo alguns exemplos:
a extremidade livre da régua. Espremedor de alho
3) Empurre a régua, deixando apenas 1/3 de Carrinho de mão

seu comprimento além da borda da mesa; tente

Acervo CNEC
levantar o livro novamente.

Resultados e conclusões

1) Em qual situação o esforço para erguer o livro


foi maior? Abridor de latas
Abridor de garrafas
2) Qual foi a função da régua nesse experimento?
3) Que conclusão se pode tirar das observações? Alavancas interpotentes

São aquelas em que a força potente está entre


o ponto de apoio e a força resistente. A seguir, você
Uma alavanca está em equilíbrio quando
tem alguns exemplos de alavancas interpotentes:
as forças e o ponto de apoio estão todos em um
mesmo plano. Quando isso acontece, o produto Pegador de macarrão
Pinça
da força potente pelo braço da força potente é
Acervo CNEC

igual ao produto da força resistente pelo braço da


força resistente. Assim, temos: Vassoura

Vara de pescar
P . BP = R . B R

As alavancas são classificadas em três tipos:


interfixas, inter-resistentes e interpotentes.
Cortador de unhas
26 Ciências
A Física regendo as leis do Universo

Saiba mais

As alavancas do corpo humano

Os músculos e as articulações do corpo humano formam alavancas que nos permitem levantar objetos,
mastigar etc.
Quando puxamos a cabeça para trás, usamos os músculos da nuca (força potente), ao passo que a articulação
da cabeça com a coluna vertebral funciona como ponto de apoio. Trata-se, portanto, de uma alavanca interfixa.
O maxilar é uma alavanca interpotente. A força resistente atua nos dentes, enquanto a força potente é
exercida por músculos que atuam entre a articulação e a força resistente.
O pé é uma alavanca inter-resistente. Os músculos da perna exercem a força potente, enquanto a força
resistente é exercida pelos ossos (tíbia e fíbula), pelos quais atua o peso do corpo. O apoio encontra-se
localizado na ponta do pé.

Trabalhando com Pesquisa

Pesquise, em livros ou na Internet, outros exemplos de alavancas no corpo humano e classifique-as em


interfixas, interpotentes ou inter-resistentes, explicando o porquê dessa classificação.

Roldanas ou polias
As roldanas são discos dotados de sulcos, que podem girar ao redor de um eixo, presas a um suporte.
No sulco, passa uma corda ou um cabo de aço.
As roldanas podem ser fixas ou móveis. As roldanas fixas, presas a algum tipo de suporte, são bastante
utilizadas em edifícios em construção para erguer pesos. Essas roldanas permitem que os trabalhadores das
construções façam força em uma direção e sentido de forma mais comada e mais prática. É importante
que o atrito entre a roldana e a corda seja pequeno, para facilitar ainda mais o trabalho.
As roldanas móveis diminuem em várias vezes o valor da força necessária. Esse tipo de roldana fica
presa a ganchos, deslizando, assim, junto com o peso a ser transportado.
Acervo CNEC

450 N
450 N
450 N

As roldanas, sejam elas fixas ou móveis, facilitam o trabalho.

Equação das roldanas

Para equilibrar uma carga em uma roldana fixa, a força potente deve ter a mesma intensidade da força
resistente. Então, temos:

FP = FR
Ciências 27
A Física regendo as leis do Universo

Plano inclinado

Acervo CNEC
Trata-se de uma superfície inclinada, ou seja,
uma rampa, que forma um ângulo menor que 90°
com a horizontal.
FP Para entender como o plano inclinado pode
facilitar nossas vidas em algumas situações, observe
FR atentamente o seguinte exemplo: imagine que você
e seus pais estão de mudança para outra cidade, e
os carregadores precisam colocar o refrigerador de
sua casa na carroceria do caminhão. Eles podem
empurrar o refrigerador ao longo de uma rampa
No caso de o sistema possuir apenas uma de madeira apoiada na carroceria, de modo que
roldana móvel, a força potente é reduzida à metade: essa rampa fique inclinada.
F

Acervo CNEC
FP = 2R
Acervo CNEC

FP
Num plano inclinado, quanto menor for o
ângulo, maior será a distância a percorrer e menor
FR
será o esforço a ser empregado. Ao contrário,
quanto maior for o ângulo, menor será a distância
e maior será o esforço empregado.

Acervo CNEC
Se associarmos cada vez mais polias móveis, a
força potente ficará cada vez menor:
F
FP = 2Rn

onde n é o número de roldanas móveis. 10º 30º


Acervo CNEC

FP

45º
FR

Quanto maior o ângulo de inclinação da rampa, maior será o


esforço realizado.
28 Ciências
A Física regendo as leis do Universo

Você deve estar se perguntando: como um plano inclinado pode ser um tipo de máquina simples e
facilitar a minha vida?
Observe os exemplos a seguir e veja como o plano inclinado faz parte de sua rotina:

Acervo CNEC
Parafuso Cadeira giratoria Macaco escada

Nesse aplicativo, o aluno pode alterar o peso, o número de polias e a carga útil do sistema
nos campos indicados e observar que o valor calculado da Força de Tração corresponde ao valor
da Força Resistente dividida pelo número de polias.
http://www.noas.com.br/ensino-medio/fisica/mecanica/dinamica/sistema-de-polias/
A videoaula explica, através de exemplos históricos, o funcionamento das alavancas.
https://www.youtube.com/watch?v=mZbsH3ueaEo

Exercícios de sala
6 Classifique as alavancas a seguir em interfixas, inter-resistentes ou interpotentes.
Tesoura, quebra-nozes, pegador de macarrão, vara de pescar, carrinho de mão, martelo, pé humano,
braço humano.
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

7 Uma pedra de peso 90 N é colocada na ponta de uma alavanca, a 40 cm do ponto de apoio. Na outra
extremidade da alavanca, a 1 m do ponto de apoio, encontra-se sua mão. Calcule a força que você
precisa fazer para elevar a pedra e colocar o sistema em equilíbrio.

8 Determine a força (F) que um homem deve exercer no fio para manter parado o bloco R
com peso de 120 N. Considere os fios e as polias ideais, não havendo atrito.

R
Ciências 29
A Física regendo as leis do Universo

2.3 Kepler e as órbitas dos planetas

Disponível em: <http://www.jpl.nasa.gov>. Acesso em: 05 dez. 2014.


Observando o céu, temos a impressão de que o Sol e a Lua se
movimentam ao redor da Terra. Assim, as pessoas aceitaram, por
muitos séculos, a Teoria Geocêntrica, acreditando que a Terra
era o centro do universo. Nesse contexto, estudiosos dos corpos
celestes começaram a se questionar se realmente nós (a Terra)
estávamos no centro do universo. Com isso, surgiu a Teoria
Heliocêntrica.
Só havia uma maneira de saber qual das duas teorias era
a correta: comparar as previsões feitas pelos dois modelos
com a real posição dos astros no céu. Como os instrumentos
de observação existentes na época não eram muito precisos, a
polêmica envolvendo os dois modelos continuava.
Nesse contexto, o astrônomo alemão Johannes Kepler teve
Johannes Kepler. Seus estudos
um papel fundamental. Seus trabalhos concentram-se em três consideravam que o Sol permanece fixo no
Universo e que os planetas é que giram ao
leis que foram batizadas com o seu nome: as leis de Kepler. seu redor em órbitas elípticas.

1a) Lei de Kepler (Lei das Órbitas)

Os planetas descrevem órbitas elípticas ao redor do Sol. Essas órbitas podem ter maior ou menor
excentricidade. Além disso, a distância entre os planetas e o Sol é variável ao longo do tempo.

Acervo CNEC

Periélio Afélio
Sol

1a) Lei de Kepler (Lei das Áreas)


Quando um planeta passa por um ponto mais próximo do Sol (periélio), sua velocidade é maior do
que quando ele passa por um ponto mais afastado (afélio). Em outras palavras, quanto mais perto do
Sol, maior é a velocidade do corpo. Por isso se, num determinado intervalo de tempo, um planeta estiver
próximo do afélio, ele percorrerá distâncias menores em relação ao mesmo intervalo de tempo de quando
ele estiver próximo do periélio. Com isso, Kepler notou uma igualdade nas áreas correspondentes aos
deslocamentos do planeta, provando assim que, em mesmos intervalos de tempos, a área formada entre o
Sol e as posições iniciais e finais de um planeta não se alteram.
∆t1
Acervo CNEC

A1
∆t2
A2
Periélio Afélio
A1 = A2
Sol ∆t1 = ∆t2
30 Ciências
A Física regendo as leis do Universo

3a Lei de Kepler (Lei dos Períodos)

Quanto mais distante do Sol está o planeta, maior o período de translação. Observe, na tabela a
seguir, o período médio de translação dos planetas do Sistema Solar.

Planeta Duração do movimento de translação (em dias ou anos terrestres)


Mercúrio 87,97 dias
Vênus 224,7 dias
Terra 365 dias e 6 horas
Marte 686,98 dias
Júpiter 11 anos e 315 dias
Saturno 29,5 anos
Urano 84 anos e 4 dias
Netuno 164,8 anos

As leis de Kepler nos fornecem uma descrição cinemática do sistema planetário. Do ponto de vista
dinâmico, que tipo de força o Sol exerce sobre os planetas, obrigando-os a se moverem de acordo com as
leis que Kepler enunciara? A resposta foi dada por Newton.
Newton analisou o movimento da Lua e concluiu que o mesmo tipo de força que faz os corpos caírem
sobre a Terra era exercido pela Terra sobre a Lua, mantendo-a em órbita. A essas forças, Newton chamou
de forças gravitacionais. Concluiu, também, que é a força gravitacional que mantém os planetas em
órbita.
Assim, a Lei da Gravitação Universal proposta por Isaac Newton enuncia que
“Qualquer par de objetos no Universo atrai-se mutuamente. Essa atração mútua é chamada de
atração gravitacional, e é tanto maior quanto maiores forem as massas dos corpos e quanto menor
for a distância entre eles.”
Ainda de acordo com Newton, a força peso, que nos “prende” à superfície terrestre, tem a mesma
origem da força que mantém a Lua em órbita ao redor da Terra e da força que mantém os planetas em
órbita ao redor do Sol.

A videoaula apresenta, de forma simples e rápida, as leis de Kepler.


https://www.youtube.com/watch?v=BdG2hksB134

Você se lembra...
A LUA E SUA INFLUÊNCIA SOBRE AS MARÉS

Assim como a Terra exerce influência gravitacional sobre a Lua, nosso satélite natural exerce influência
sobre a Terra. Essa atração da Lua sobre a Terra é a causa do fenômeno das marés.
As marés são movimentos periódicos das águas de mares e oceanos, provocados pela força gravitacional
da Lua sobre a Terra.
Dizemos que a maré está baixa quando as águas atingem uma altura mínima. Isso ocorre nas fases de
quarto minguante e quarto crescente da Lua. Quando a altura das águas atinge seu ponto máximo, dizemos
que a maré está alta. As marés altas ocorrem durante as fases de Lua cheia ou nova.
Ciências 31
A Física regendo as leis do Universo

10 Interprete a charge, de acordo com seus


conhecimentos sobre peso, massa e força
gravitacional.
Saiba mais

Assim como a Terra, a Lua também tem seu


campo gravitacional. Enquanto na Terra esse
campo tem intensidade média de 9,8 N/kg, na Lua
essa força é de apenas 1,6 N/kg. Isso significa que
um bebê recém-nascido de 3 kg tem, na Terra, uma
força peso de 29,4 N. Se fôssemos carregar esse
mesmo bebê na Lua, teríamos a mesma sensação
Disponível em: <http://www.cbpf.br>. Acesso em: 02 Dez. 2014.
de estarmos segurando um bebê de 489 gramas
na Terra, já que ele tem força peso de apenas 4,8 _____________________________________
N. Por outro lado, se fosse possível carregarmos _____________________________________
esse bebê na superfície do Sol, a sensação seria a ____________________________________
mesma que carregar um bebê de aproximadamente
_____________________________________
84 kg na Terra.
_____________________________________
Acervo CNEC.

Saiba mais
A Casa Maluca, localizada na área externa do Centro
de Divulgação Científica e Cultural da Universidade
de São Paulo (CDCC-USP), é parte de uma série de
experimentos interativos do Jardim da Percepção.
Trata-se de uma casa com piso e paredes inclinados 15°
em relação ao referencial externo. Nela, os visitantes
podem verificar alterações em algumas situações do
Lua
Terra
Sol
cotidiano, como, por exemplo, levantar-se de uma
Lembre-se de que a massa não varia de acordo cadeira sem utilizar as mãos como apoio ou a inclinação
com o local, mas a força peso sim. Dessa de um filete d’água. Com isso, os alunos passam a ter
forma, temos a impressão de que é mais difícil uma visão melhor do que é a força gravitacional e sua
carregar o bebê na superfície do Sol e muito
mais fácil segurá-lo em solo lunar.
dependência em relação ao referencial adotado.

Exercícios propostos
Exercícios de sala
11 Um automóvel de 500 kg teve sua velocidade
9 Como vemos nos filmes, um astronauta parece modificada de 36 km/h para 108 km/h em 40 s.
Determine:
ser mais leve na Lua do que na Terra. Nesses
a) a aceleração do automóvel;
filmes, percebemos que, com um simples
b) a intensidade da força que foi aplicada nesse
impulso, o astronauta pode caminhar muito
automóvel.
mais facilmente. O que acontece com a massa
e o peso de um astronauta ao pisar a Lua? 12 Levando em consideração o conceito de inércia,
Por que ele parece se locomover com maior indique a alternativa correta:
facilidade em solo lunar? a) Um ponto material tende a manter sua
aceleração por inércia.
_____________________________________
b) Uma partícula pode ter movimento circular e
_____________________________________ uniforme, por inércia.
c) O único estado cinemático que pode ser
____________________________________ mantido por inércia é o repouso.
_____________________________________ d) Não pode existir movimento uniforme sem a
presença de uma força.
_____________________________________ e) A velocidade vetorial de um corpo tende a se
_____________________________________ manter por inércia; a força é usada para alterar
a velocidade, e não para mantê-la.
32 Ciências
A Física regendo as leis do Universo

13 A terceira Lei de Newton diz que a toda ação Para que o adulto e a criança fiquem em
corresponde uma reação de forças iguais, equilíbrio e possam brincar, qual deverá ser a
porém de sentido contrário. Se um corpo distância X? Explique seu raciocínio.
encontra-se em queda livre, podemos dizer que
ele está sujeito apenas: 17 Leia esta tirinha:
a) à força de atração da Terra.
b) à força de atração e reação da Terra, em que
a resultante seria a própria gravidade.
c) à força de atração da Terra, porque a força
de reação seria desprezível.
d) à força de reação, que, nesse caso, é
proveniente da ação da força da Terra.
e) às forças de ação e reação, que, atuando
simultaneamente sobre esse corpo, se anulam.
14 Qual é, em Newtons, a intensidade da força de
atração gravitacional entre um corpo de massa De acordo com essa tirinha e com seus
igual a 5 kg e a Terra, em um local onde o conhecimentos, assinale a alternativa correta.
módulo da aceleração gravitacional é 9,8? a) Num plano inclinado, quanto maior for o
a) 5,0 c) 49 e) 98 ângulo de inclinação, menor será o esforço
b) 9,8 d) 50 realizado.
b) Quanto maior for o ângulo de inclinação
15 Um burro de carga leu a obra mais famosa
de Isaac Newton, Princípios matemáticos da de um plano inclinado, maior será a força
filosofia natural. Após concluir a leitura, escreveu empregada.
uma tese intitulada: “Enfim, a liberdade”, na qual c) o uso de rodinhas para movimentar o
analisava as consequências das leis de Newton refrigerador pelo plano inclinado não facilita o
em sua vida. Sob o ponto de vista do burro: trabalho realizado pelo personagem.
d) No plano inclinado, quanto menor for o
Acervo CNEC

ângulo de inclinação, menor será o esforço


realizado pelo personagem.

18 Um guindaste composto de três roldanas móveis


acopladas ergue um cano metálico de 480 N de
peso. Qual deverá ser a força empregada pelo
guindaste para equilibrar essa carga?

“Se eu aplicar uma determinada força em


Exercícios de aprofundamento
uma carroça com o objetivo de fazê-la andar,
a carroça vai aplicar em mim uma força de 19 Um foguete de massa de 200 kg é impulsionado
reação, de mesma intensidade, porém de para cima com uma força de 3 500 N.
sentido contrário. Assim, essas duas forças irão a) Qual é a aceleração adquirida por esse
se anular, e a carroça não irá se mover. Por isso foguete? (Despreze a resistência do ar).
é impossível um burro mover uma carroça.” b) Ao atingir a posição horizontal, esse foguete
Escreva um parágrafo argumentativo ao
também tem força de impulsão de 3 500 N.
burro, mostrando-lhe por que sua tese não tem
Qual será a sua aceleração agora?
fundamento.

16 Considere a gangorra a seguir: 20 De acordo com a Lei da Gravitação Universal,


uma bola de tênis é atraída pela Terra, que, por
Acervo CNEC

sua vez, atrai a bola.


a) Compare essas duas forças de atração
quanto à intensidade, à direção, ao sentido e
15 kg
ao corpo em que atuam.
b) Por que a bola, quando é solta, acelera em
125 cm
direção à Terra, mas a Terra não acelera em
direção à bola?
x
Ciências 33
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

TECNOLOGIA E SOSIEDADE
3. A ENERGIA NÃO É O COMEÇO DE TUDO, MAS JÁ É UM INÍCIO

Minhas ideias, nossas ideias

A natureza, como um todo, possui uma reserva que não pode, de qualquer modo, aumentar ou diminuir, e
é precisamente tão eterna e inalterável quanto a quantidade de matéria.
Helmholtz, Hermann Von (1821–1894)

A que princípio da Física o autor se refere com esse texto? Pesquise em livros ou na Internet. Em seguida,
discuta suas ideias com seus colegas de classe.

A grande explosão ocorreu há cerca de 15 bilhões de anos, espalhando matéria, luz e energia para
todos os lados. Com o Big Bang começa a expansão do Universo. Até então, nenhuma outra energia havia
sido criada, e acreditamos que nunca será. Hoje, toda a energia necessária para nossas vidas e para o nosso
mundo é proveniente do Sol, que funciona como se fosse uma imensa bateria.
O uso constante da energia por um organismo é uma de suas maiores estratégias para que este possa
permanecer vivo, construir e regular o funcionamento do seu corpo. Sem dúvida, a energia move o
mundo. Por que precisamos colocar combustível em nossos carros? Por que precisamos de alimentos? Por
que temos que carregar a bateria dos nossos celulares?

Disponível em: <http://media2.s-nbcnews.com>. Acesso em: 18 dez. 2014.


A luz, o som, o calor e o movimento são manifestações de energia. Sem ela, não seria possível a vida, o planeta seria sombrio,
frio e sem nenhuma forma de vida.

Não se pode criar ou destruir a energia, mas pode-se transformar uma forma de energia em outra.
Para tudo o que se faz, necessita-se de energia, que nunca se esgota, mas está em constante mudança.
34 Ciências
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

3.1 O que é energia?

Q uando falamos de energia, estamos englobando uma vasta imensidão de conceitos. Em geral, o conceito
e o uso da palavra energia referem-se à capacidade que um corpo tem de realizar trabalho. Assim também
como pode ser utilizado para designar as reações de uma determinada condição de trabalho, como o calor,
o movimento ou a luz equivalente ao trabalho realizado por uma máquina ou um organismo vivo, que
também utilizam outras formas de energia para realizarem o trabalho.
Qualquer coisa que esteja trabalhando, ou seja, movimentando um outro objeto, aquecendo-o, ou até
mesmo fazendo com que ele seja atravessado por uma corrente elétrica, está consumindo energia. Uma
máquina ou um ser vivo que esteja pronto para trabalhar, portanto, possui energia.

3.2 As principais fontes de energia

As civilizações humanas dependem cada vez mais de um elevado consumo energético para sua subsistência.
Para isso, foram desenvolvidos ao longo da história diversos processos de produção, de transporte e de
armazenamento de energia. As fontes de energia podem ser classificadas em convencionais ou alternativas.
Dizemos que a energia convencional é caracterizada pelo baixo custo, grande impacto ambiental e
tecnologia difundida. Já a energia alternativa é aquela originada como solução para diminuir o impacto
ambiental. Com essas fontes de energia, surgem, também, duas distinções: as fontes de energia renováveis
e as fontes de energia não renováveis.
Uma fonte de energia renovável é aquela extraída de fontes naturais e que é capaz de se regenerar,
sendo, assim, praticamente inesgotável. Fazem parte desse tipo de energia a energia solar, a eólica, a hídrica,
dentre outras. As fontes de energia não renováveis são aquelas em que a energia se encontra na natureza
em quantidades limitadas, ou seja, ela se extingue com seu constante uso. Fazem parte desse grupo o
petróleo, o carvão, o gás mineral e os elementos químicos radioativos, dos quais se obtém a energia nuclear.

3.3 Principais matrizes energéticas do Brasil

Especialistas detalham como é formada a matriz energética brasileira e o potencial


das fontes de energia limpa, sustentáveis para ajudarem no desenvolvimento do país.

https://www.youtube.com/watch?v=8ZYJ7ZYuVTo

De acordo com o Ministério de Minas e Energia, as matrizes energéticas brasileiras são utilizadas nas
seguintes proporções:

Brasil – Consumo de energia segundo a fonte


Hidráulica 38,1%
Petróleo 32,9%
Gás natural 4,1%
Carvão mineral 6,3%
Lenha 7,6%
Álcool e bagaço de cana 9,2%
Outras fontes 1,8%
Total 100%
Ministério de Minas e Energia. Balanço Energético Nacional, 2000.
Ciências 35
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Energia hidráulica

Devido ao predomínio do relevo planáltico e à grande disponibilidade de recursos hídricos, com rios
extensos e volumosos, as hidrelétricas são as principais responsáveis pela geração de energia. Nosso país
apresenta um dos maiores potenciais hidráulicos do planeta, superado apenas pela Rússia e pelo Canadá.
Apesar disso, a Bacia Amazônica apresenta o maior potencial hidráulico: é a maior bacia hidrográfica do
mundo.

Disponível em: <http://travelhdwallpapers.com>. Acesso em: 18 dez. 2014.


Itaipu é a usina hidrelétrica localizada entre o Brasil e o Paraguai, no leito do rio Paraná. É uma das
maiores obras já construídas pelo homem, com extensão de 7,7 km.

Nas usinas hidrelétricas, a eletricidade tem como fonte principal a energia proveniente da queda d’água
represada a uma certa altura. A energia potencial que a água tem na parte alta da represa é transformada
em energia cinética, que faz com que as pás da turbina girem, acionando o eixo do gerador, produzindo
energia elétrica.

represa → água em movimento → turbinas → geradora


Energia Energia Energia Energia
potencial cinética cinética elétrica

Ao chegar a nossas casas, a energia elétrica pode ser transformada em diversas outras formas de
energia: no aquecimento da água do chuveiro, no sobe e desce do elevador, na energia luminosa e sonora
do televisor, em energia cinética para o funcionamento do liquidificador, na batedeira de massas, dentre
outras.

Vídeo oficial do Governo Federal mostrando a construção e o funcionamento


de uma usina hidrelétrica.

https://www.youtube.com/watch?v=9lX-71NXnwA
36 Ciências
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Energia térmica

Nas usinas termoelétricas, a energia


elétrica é obtida pela queima de combustíveis,
como a lenha, o carvão mineral, o gás
natural, óleo, derivados do petróleo e,
atualmente, também, do bagaço de cana. O
segredo é aquecer as caldeiras de água com
a queima do combustível. Assim, a água se
transforma em vapor, que é conduzido por
uma tubulação e aciona as turbinas.
Alguns cuidados devem ser tomados, tais
como: os gases provenientes da queima dos
combustíveis devem ser filtrados, evitando a
poluição da atmosfera local; a água aquecida
precisa ser resfriada ao ser devolvida para os
rios, porque várias espécies aquáticas não
resistem a altas temperaturas. Disponível em: <http:// v2.lscache6.c.bigcache.googleapis.com>.
No Brasil, este é o segundo tipo de fonte Acesso em: 14 nov. 2010.

de energia elétrica que está sendo utilizado e, Usina termoelétrica em funcionamento na África

com a crise de água e com a escassez de chuvas, é o que mais tende a se expandir.

Energia nuclear

Minhas ideias, nossas ideias


Utilização da energia nuclear no Brasil

Seu professor deverá dividir a sala em dois grupos: um deve ser a favor do uso da energia nuclear no
Brasil, e o outro deverá ser contrário.
Para isso, pesquisem em livros, jornais, revistas e na Internet, para apresentarem argumentos que
sustentem tais opiniões.

Esse tipo de energia é obtido a partir da fissão do núcleo do átomo de urânio, liberando uma grande
quantidade de energia, que é convertida em eletricidade.
Acervo CNEC

NÊUTRON

+ENERGIA
NÊUTRON

NÊUTRON

Esquema simplificado da fissão nuclear


Ciências 37
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

As usinas nucleares são muito questionadas, pois, apesar de

Acervo CNEC
Vapor para as turbinas
não liberarem poluentes, podem desencadear vazamentos graves, Gerador de
espalhando uma nuvem de partículas radioativas por uma grande vapor
área. Os ventos podem levar essa nuvem por centenas de quilômetros Trocador
de calor
e ela pode cair na forma de uma chuva radioativa, contaminando as
cadeias alimentares.
Mesmo que não houvesse acidentes, os resíduos radioativos são Controle
Alta
perigosos, pois emitem radioatividade por décadas. Até hoje, não pressão
foi encontrada uma solução plausível para o descarte desse lixo.
Além disso, um dos grandes problemas é a geração do lixo
nuclear por parte dessas usinas. Os resíduos radioativos são Vindo da
extremamente perigosos caso ocorra contato com seres humanos, turbina
fontes de água, terra, ar, dentre outros. O reator nuclear chega ao
Cerne
fim de sua vida útil em torno de 40 ou 60 anos, porém não pode ser
simplesmente abandonado.

Frio
Bomba
Esquema do reator de uma usina nuclear

Clássico controverso e impressionante que marcou os anos 80, o filme The Day After
(O Dia Seguinte) relata o que teria acontecido ao mundo se Estados Unidos e União
Soviética tivessem desencadeado uma guerra nuclear.

https://www.youtube.com/watch?v=8zLxgYzwEeo

O Programa Nuclear Brasileiro, criado pela Ditadura Militar, pretendia implementar a energia nuclear no
Brasil a partir da compra de tecnologias no mercado externo. Para isso, criou-se, em 1974, a Nuclebrás, com
o monopólio neste setor, sobretudo nas pesquisas nucleares e minerais, como as jazidas de urânio.

LOCALIZAÇÃO DAS JAZIDAS DE URÂNIO

Surucucus

Itatiaia
Espinharas
Campos Belos (NUCLAM)
Lagoa Real
Amorinópolis
Poços de
Caldas Quadilátero
Ferrífero

Figueira Acervo Sistema


de Ensino
38 Ciências
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

O primeiro conjunto nuclear ganhou o nome de Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto, conhecido pelo
nome de usinas Angra I, II e III. Angra I foi adquirida nos Estados Unidos e inaugurada em 1982. Em 1975,
o governo brasileiro firmou com a Alemanha o Acordo de Cooperação Nuclear, prevendo a construção de
Angra II e Angra III. Porém, por falta de verbas, apenas uma parte de Angra II foi adquirida. Essa usina só
foi terminada no governo de Fernando Henrique Cardoso e inaugurada em 2000. Já Angra III está sendo
construída devido à crise energética que enfrentamos atualmente.
A Nuclebrás foi extinta em 1988, durante o governo Sarney. Em 1999, o presidente Fernando Henrique
Cardoso colocou fim ao Programa Nuclear Brasileiro.

Disponível em: <http://noticias.portalvox.com>. Acesso em: 18 dez. 2014.


Complexo nuclear de Angra dos Reis

Devido ao grande potencial hídrico do Brasil, a utilização da energia nuclear gera muitas polêmicas
entre os cientistas brasileiros. Confira as vantagens e as desvantagens do uso desse tipo de energia:

Vantagens Desvantagens
Independe dos fatores meteorológicos Risco de acidentes
Apresenta baixos índices de poluição Elevado custo de instalação
Há uma grande mobilidade geográfica para instalação Destino do lixo atômico
Faz avançar a tecnologia de ponta O quilowatt tem custo mais elevado

Combustíveis fósseis

O carvão mineral, o gás natural e o petróleo são os combustíveis fósseis mais utilizados para o
funcionamento de máquinas industriais, para geração de energia e para o funcionamento de veículos
de transporte. São considerados recursos não renováveis porque levam milhares de anos para que sejam
formados na natureza. As bactérias decompõem restos de matéria orgânica que ficaram presos entre as
rochas e foram, pouco a pouco, submetidos a pressões e temperaturas altas, provenientes do núcleo da
Terra. O petróleo e o gás natural são formados, geralmente, no fundo do mar, e o carvão é originado de
restos de plantas soterradas.
Ainda que os combustíveis fósseis continuem sendo gerados a partir da decomposição de matéria
orgânica, as reservas não são suficientes para atender a enorme demanda mundial.
Ciências 39
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Além da escassez desses combustíveis, sua queima para gerar energia é responsável pela emissão de
enormes quantidades de gases que estão diretamente relacionados ao efeito estufa, causador do aquecimento
global, e também à formação de chuvas ácidas.
O petróleo é encontrado nos espaços das rochas sedimentares que, ao apresentarem permeabilidade,
permitem sua vazão e, consequentemente, a formação de reservatórios que podem ser explorados pelo
homem. No entanto uma bacia petrolífera leva milhares de anos para se formar, daí a caracterização do
petróleo como combustível fóssil não renovável.
O petróleo é formado sob pressão, o que
permite que ele jorre pelo poço. Ele é extraído
a partir de companhias petrolíferas, as quais
escavam os poços espalhados ao redor do globo
terrestre. Posteriormente, ele será conduzido por
tubos denominados oleodutos ou mesmo por
navios até o continente.
O petróleo é armazenado em grandes
tanques antes de ser distribuído pelo mundo.
Existem vários produtos derivados do petróleo:
fertilizantes, roupas, pasta dental, garrafas e
canetas de plástico, dentre vários outros. Nas
refinarias, o petróleo bruto é separado em
gasolina, óleo diesel, dentre outros, através de
Disponível em: <http://revistaecoturismo.com.br>. Acesso em:
seu aquecimento. 14 abr. 2010.
Plataforma de prospecção de petróleo.

Saiba mais
O PRÉ-SAL
O pré-sal é uma área de reservas petrolíferas encontrada sob uma profunda camada de rocha salina, que
forma uma das várias camadas rochosas do subsolo marinho.
O termo “pré” de pré-sal refere-se à temporalidade geológica, e não à profundidade, ou seja, refere-se à escala
de tempo: ele se encontra em uma camada estratigráfica que é mais antiga do que a camada de rochas salinas.
As reservas do pré-sal encontradas no litoral do Brasil são as mais profundas de todo o mundo e estão
dentro da área marítima considerada zona econômica exclusiva do Brasil. O petróleo dessas reservas tem
qualidade de média a alta e estende-se entre o litoral do Espírito Santo e Santa Catarina.
Disponível em: <http://media.ft.com>. Acesso em: 06 nov. 2010.

Metros
0
água
BRASIL 1 000

Vitória
2 000
Espírito Rocha
Rio de Janeiro
Santo 3 000
Campos
São Paulo
4 000
Campos
SAL
5 000
Santos
ÓLEO DO PRÉ-SAL 6 000
Tupi
7 000
OCEANO
área pré-sal ATLÂNTICO 8 000
500 km
9 000
40 Ciências
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

O carvão mineral utilizado como combustível compõe-se, assim como os demais combustíveis
fósseis, de restos fossilizados de uma imensa floresta que existiu há milhões de anos, resultado de um
processo muito lento de decomposição.

restos de vegetais → turfa → carvão fóssil → carvão betuminoso → carvão negro


Baixa qualidade Alta qualidade
360 milhões de anos atrás 90 milhões de anos atrás dias de hoje

É utilizado para gerar 62% da eletricidade do mundo e, também, para produzir plásticos, fertilizantes
e para auxiliar no derretimento do minério de ferro para a fabricação do aço. O carvão é o combustível
fóssil mais abundante do planeta, porém sua mineração causa grave impacto ambiental no ar, na água e
na terra, além de sua queima ser responsável por mais de um terço das emissões de CO2 no mundo.
A principal área de ocorrência do carvão no Brasil é a região Sul. A maior produção ocorre em Santa
Catarina, no Vale do Tubarão, litoral sul.
O gás natural é a matriz energética que mais Produção de gás natural no Brasil
se expande no país, usado em fogões industriais
e residenciais, motores a explosão e altos-fornos. (mil m³/dia) (1999)
As reservas brasileiras concentram-se no litoral,
sobretudo no mar. A maior produção ocorre no SE - 2,372
ES - 838
Rio de Janeiro. 7%
3%
SP - 1,531
As duas grandes vantagens do gás natural AL - 2,055
5%
estão no fato de ele ser mais barato do que o 6% CE - 338
RN - 2,8761
petróleo e bem menos poluente. 9% 1%
O gás natural também é resultado da BA - 5,097
decomposição de material fóssil orgânico e AM - 2,011 16%
encontra-se acumulado em rochas porosas 6% PR - 215
sedimentares no subsolo da crosta terrestre. É 1%
considerado como fonte de energia limpa por RJ - 15,146
estar em estado gasoso e por apresentar baixas 46%
quantidades de dióxido de carbono, compostos
Petrobras
de enxofre e nitrogênio.
Apesar de o gás natural tornar-se uma matriz energética ecologicamente correta – embora não seja
renovável – ele leva milhares de anos para ser formado na natureza.
O transporte do gás natural do lugar onde se encontram suas reservas ao local de consumo é feito por
meio de tubulações enterradas e protegidas com placas de concreto denominadas gasodutos.

Disponível em: <http://www.brasil247.com>. Acesso em: 17 nov. 2014.


Gasodutos para transporte do gás natural
Ciências 41
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

O gás natural é menos denso que o ar, uma vez que é constituído basicamente de gás metano, que
é uma substância composta formada por átomos de carbono e hidrogênio. Trata-se de um gás incolor e
inodoro, por isso, antes de ser canalizado, ele é misturado a um produto químico que lhe confere um forte
cheiro de ovo podre, facilitando a identificação de um possível vazamento. O gás armazenado nos tanques
é distribuído através de canalizações até nossas residências, fábricas e centrais elétricas, onde servem de
combustível para a produção de energia elétrica.

Saiba mais
DIFERENÇA ENTRE GÁS NATURAL E GLP
O gás natural é o gás liberado através da decomposição da matéria orgânica fossilizada. Já o GLP (gás
liquefeito do petróleo) é o gás originado da destilação fracionada do petróleo, utilizado para movimentar
máquinas de médio e de grande porte.
Quanto ao gás natural, qualquer tipo de vazamento não é tão grave, pois este se dispersa rapidamente
na atmosfera, uma vez que é mais leve que o ar. Em relação ao petróleo, os vazamentos geram degradação
ambiental, comprometendo fauna, flora, rios e litorais.

Exercícios de sala

1 Para a construção de hidrelétricas economicamente viáveis, o rio deve possuir uma queda d’água
expressiva ou uma grande vazão. Sobre isso responda:
a) Qual a relação existente entre o tamanho da queda d’água e a produção de energia em uma hidrelétrica?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
b) Que tipo de energia está presente na água? Ela irá se transformar em qual outro tipo de energia?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
c) A energia elétrica, quando chega a nossas casas, é transformada em diversos tipos de energia.
Dê exemplos de aparelhos que consomem energia elétrica em sua casa e em que tipo de energia a
eletricidade é transformada.
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

2 Nas usinas hidrelétricas, a água faz girar turbinas que produzem energia elétrica. A construção de grandes
represas, porém, costuma gerar problemas sociais e ecológicos. Produza um pequeno texto relatando as
desvantagens da construção de usinas hidrelétricas.
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
42 Ciências
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

3 As usinas nucleares podem significar risco à comunidade e ao meio ambiente. Por quê?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

4 Leia a seguinte frase, extraída do site da Petrobras: “O mais limpo dos combustíveis fósseis, o gás
natural, possui características que favorecem uma maior durabilidade aos equipamentos que o utilizam
e os impactos ambientais”.
a) Quais são os demais combustíveis fósseis utilizados como fonte de energia?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
b) Por que o gás natural é considerado o mais limpo dentre os combustíveis fósseis?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
c) Por que estes combustíveis são considerados não renováveis?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
d) Quais os principais prejuízos que esses combustíveis causam ao meio ambiente?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

3.4 Fontes alternativas de energia

Documentário sobre fontes de energia renováveis.

https://www.youtube.com/watch?v=DgOB85gd1l8

Energia geotérmica

É a energia produzida de rochas derretidas (magma) que aquecem a água no subsolo. As usinas
elétricas aproveitam essa energia para produzir água quente e vapor. O vapor aciona as turbinas, que
geram quase 3 000 000 joules de energia elétrica por segundo, e a água quente percorre tubulações até
chegar às casas.
Ciências 43
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Energia das marés

É obtida de modo semelhante ao da energia das hidrelétricas. Constrói-se uma barragem, formando
um reservatório junto ao mar. Quando a maré sobe, o reservatório se enche e a água passa através da
turbina, gerando energia elétrica. Quando a maré está baixa, o reservatório é esvaziado, e a água que sai
dele novamente passa pelas turbinas, em sentido contrário, produzindo energia elétrica.

O movimento das As ondas retornam e


ondas pressiona o ar sugam o ar fazendo
que move a turbina a turbina se movimentar
no sentido contrário

Acervo CNEC

No Brasil, temos grande amplitude de marés, mas a topografia do litoral inviabiliza a construção de
reservatórios.

Energia eólica

Os moinhos de vento são velhos conhecidos nossos e usam a energia dos ventos (eólica) não para gerar
eletricidade, mas para realizar trabalho, como bombear água e moer grãos.
A energia eólica é produzida pela transformação da energia cinética dos ventos em energia elétrica. A
instalação de turbinas eólicas (conjunto de duas ou três pás) é interessante em locais em que a velocidade
média anual dos ventos seja superior a 3,6 m/s.
O Brasil produz e exporta equipamentos para usinas eólicas, mas elas ainda são pouco usadas.
Destacam-se as Usinas do Camelinho (MG), de Mucuripe e da Prainha (CE) e a de Fernando de Noronha
(PE).

Alemanha, Portugal, Dinamarca, Espanha e Irlanda


são exemplos de países que utilizam um número
significativo de pás geradoras de energia eólica.
Imagem disponível em: <http://st.gdefon.com>.
Acesso em: 19 dez. 2014.’
44 Ciências
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Energia fotovoltaica (solar)

É fornecida de painéis que contém células fotovoltaicas ou solares que, sob a incidência do Sol, geram
energia elétrica. A energia gerada pelos painéis é armazenada em bancos de bateria, para que seja utilizada
em períodos de baixa radiação e durante a noite.

Disponível em: <www.bosasomedia.com>. Acesso em: 16 jun. 2010.


Os painéis fotovoltaicos são uma forma eficiente de aproveitamento da energia solar e da redução da
emissão de gases poluentes.

O uso de painéis fotovoltaicos para conversão de energia solar em elétrica é viável para pequenas
instalações, em regiões remotas ou de difícil acesso. É muito utilizada para a alimentação de dispositivos
eletrônicos existentes em foguetes, satélites e em astronaves.
Estados Unidos, Japão e Alemanha têm programas de incentivo à utilização da energia solar em
centros urbanos. No Brasil, a Cidade Universitária da Universidade de São Paulo (USP) possui um prédio
que utiliza esse tipo de fonte de energia.

Energia da biomassa

Os biocombustíveis utilizam plantas ou mesmo animais para a produção de energia, produzindo


pouca poluição, pois emitem menos dióxido de carbono do que os combustíveis fósseis, além de serem
fontes renováveis, já que podem ser facilmente repostos na natureza.
O Brasil produz um biocombustível extraído da cana-de-açúcar desde quando houve uma grande
escassez de petróleo: o etanol.

Disponível em: <http://media.escola.britannica.com.br>. Acesso em: 17 dez. 2014.


Colheita de cana para produção de etanol
Ciências 45
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

O biodiesel é um óleo feito a partir de mamona e substitui o óleo diesel nas máquinas pesadas, como
tratores, colheitadeiras, plantadeiras, dentre outras. O biodiesel é biodegradável, gera mais energia do que
o diesel, gera menos poluição e emite menos dióxido de carbono.

Disponível em: <http://www.brasil.gov.br>. Acesso em: 17 dez. 2014.


Da mamona produz-se biodiesel, tão eficiente quanto os derivados do petróleo.

O hidrogênio poderá substituir o petróleo?

Com o provável esgotamento do petróleo, como abastecer nossos veículos e indústrias? Os pesquisadores
dizem que o combustível do futuro é o gás hidrogênio. Isso é vantajoso, pois pode ser produzido a partir da
água, provoca baixo impacto ambiental e é mais seguro que a gasolina e o gás natural. Sendo assim, seria
um bom substituto para o petróleo. Em contrapartida, o uso do hidrogênio tem uma baixa autonomia de
rodagem para os veículos atuais e, se houver vazamentos excessivos do gás, este pode esgotar o ozônio na
atmosfera.

Vídeo sobre o primeiro automóvel movido a hidrogênio, feito em série pela


empresa Honda.

https://www.youtube.com/watch?v=tYBUcwBrzj4&list=PLA5AF2D1A1D4DD0
03&index=5

3.5 A energia se transforma

A energia pode se apresentar de diversas formas. Qualquer forma de energia existente ou está sendo
utilizada ou está armazenada de forma tal que possa ser utilizada futuramente. A essa energia armazenada
damos o nome de energia potencial, porque poderá ser usada posteriormente.
Sabemos que um objeto em movimento possui energia porque ele é capaz de executar algumas
tarefas, como derrubar uma parede, no caso de equipamentos de demolição, ou movimentar uma roda ou
turbina, no caso da água nas rodas d’água e nas usinas hidrelétricas. Essa energia associada ao movimento
é chamada de energia cinética.
46 Ciências
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Saiba mais
Imagine uma pedra atingindo o para-brisa de um carro. No momento do choque, a pedra transfere energia
para ele e, dependendo do tamanho e da velocidade da pedra, os estragos no para-brisa do carro são diferentes.
Se a velocidade de colisão é baixa, os danos causados são menores, o que mostra que a energia cinética
depende da velocidade. Se consideramos uma pedra menor, há menos danos, o que significa que a massa
também influi na energia cinética do objeto.
Quando aumentamos a velocidade ou a massa do objeto, a energia cinética do objeto também aumenta.

Uma nuvem carregada possui energia potencial elétrica. Essa energia pode ser transferida da nuvem
para o solo na forma de raio. As nuvens carregadas chocam-se e os trovões ecoam no céu. As partículas
presentes na nuvem chocam-se e liberam, na forma de raio, a energia elétrica gerada e armazenada na
nuvem. Um raio libera grande quantidade de energia nas formas elétrica e luminosa.

Disponível em: <http://xiblog.files.wordpress.com>. Acesso em: 17 dez. 2014.


Um raio é uma descarga elétrica que se produz pelo contato entre nuvens de chuva ou
entre uma destas nuvens e o solo.

Práxis
Será que a energia potencial gravitacional de um objeto depende apenas de sua posição?
Você vai precisar de:
• Uma caixa de fósforos
• Uma caixa de sapatos vazia
• Um tijolo
Procedimento:
1) Deixe cair, de uma certa altura, a caixa de sapatos vazia sobre a caixa de fósforos.
2) Coloque o tijolo dentro da caixa de sapatos e deixe cair, da mesma altura, sobre a caixa de fósforos.
Resultados e discussão:
1) O que aconteceu com a caixa de fósforos em cada situação? Por que isso aconteceu, se, em ambos os
casos, a altura era a mesma?
Ciências 47
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Quando um objeto está em repouso a uma Energia potencial

Acervo CNEC
determinada altura do solo, ele não possui Energia potencial
energia cinética, mas pode possuir outra forma
de energia: a energia potencial gravitacional.
Se o objeto deixar o repouso e cair, essa energia
potencial vai se transformando em energia
cinética durante a queda. Nesse caso, a energia
potencial do objeto existe graças à atração
gravitacional entre ele e a Terra. Portanto a
energia potencial gravitacional depende tanto da
altura quanto da massa do objeto. Energia cinética

A energia potencial gravitacional depende da altura


em que o objeto se encontra em relação ao solo.

Situação semelhante ocorre quando um objeto comprime uma mola. Ao ser solto, ele entra em
movimento, adquirindo energia cinética, proveniente da energia potencial da mola, que é chamada de
energia potencial elástica.

Acervo CNEC

Estática

Comprimida

Esticada
Quando comprimida ou esticada, a mola possui energia potencial elástica.

Não devemos nos esquecer de que estamos constantemente exercendo trabalho, pois andamos,
corremos, pulamos, assistimos à TV, utilizamos o computador. Todas essas atividades necessitam de gastos
energéticos para serem cumpridas. Sendo assim, só existe uma forma de adquirirmos essa energia: através
da alimentação.
Pensemos no prato clássico do brasileiro: arroz, feijão, carne, salada de alface e tomate. O arroz é
um cereal rico em carboidratos e, portanto, fornece energia. O feijão e o tomate fornecem proteínas,
vitaminas e sais minerais. A carne um dia já foi um boi, que, como qualquer outro bovino, se alimentou
de gramíneas, retirando energia direto dela e armazenando dentro de si. Agora você está se alimentando
da carne desse boi e de toda a energia nela armazenada. A energia contida nos alimentos é chamada de
energia potencial química.
48 Ciências
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Depois de ingerir os alimentos e, consequentemente, a energia neles contida, o organismo transforma


essa energia em movimento (funcionamento dos órgãos, contrações musculares, dentre outras atividades
metabólicas).
Em todas as situações, a quantidade total de energia deve ser preservada, de modo que a energia
cinética que um corpo adquire seja, no máximo, igual à energia potencial que ele possuía anteriormente.
Assim, podemos dizer que a energia não pode ser criada, nem destruída, apenas transformada.

Exercícios de sala

5 Analise a figura a seguir e, com relação às energias potencial e cinética, responda ao que se pede:

Acervo CNEC
A C

a) Comparando as situações A e B, em qual delas a criança apresentará maior energia potencial?


___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

b) Se duas crianças, uma pesando 40 Kg e outra pesando 45 Kg, usarem o mesmo brinquedo, qual delas
terá maior energia potencial na situação A? Justifique.
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

c) Quando a criança sai da situação A e vai até a situação B, o que acontece com sua energia potencial
e sua energia cinética com relação aos seus valores?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

d) O que acontece com a energia cinética e potencial quando a criança se desloca da situação B para a
situação C?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

3.6 Consumo de energia

Você se lembra...
Define-se potência como a quantidade de energia concedida por uma fonte em determinado tempo. No
SI, a unidade utilizada para a potência é o watt (símbolo: W), que equivale a J/s.
Ciências 49
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

A energia elétrica pode ser transformada em luz e calor nas lâmpadas, em calor no chuveiro, em música
no aparelho de som, em movimento na máquina de lavar e assim por diante. Toda essa energia tem um custo,
e essa é uma das razões para não a desperdiçarmos.
Faça uma pesquisa sobre os diferentes usos da energia elétrica em uma residência. Você pode fazer,
em seu caderno, a seguinte tabela, relacionando todos os eletrodomésticos da sua casa e preenchendo, em
seguida, as demais colunas.

Transforma energia Período em que fica


Eletrodoméstico Potência (em Watt)
elétrica em... ligado (horas/dia)

Você sabe qual dos eletrodomésticos consome mais energia? Para responder a essa questão, vamos
analisar uma conta de luz.

Disponível em: <www.cemig.com.br>. (Adaptado) Acesso em: 20 dez. 2014.


50 Ciências
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

O campo destacado em verde mostra o consumo do mês atual, que é medido em kwh (quilowatt-
hora). Agora, para saber o custo dessa energia, basta multiplicar o consumo pelo valor da tarifa cobrada a
cada kwh (destacado em vermelho).
Para saber quanta energia elétrica um aparelho consome, basta multiplicar a sua potência pelo tempo
em que ele fica ligado em casa. Assim, qual lâmpada consome mais energia: uma de 40 W ou uma de 100 W?
Se respondermos a essa pergunta sem pensar, provavelmente diremos, erroneamente, que a lâmpada de
100 W gasta mais. A potência é apenas uma característica de um eletrodoméstico; sozinha, não pode
determinar a quantidade de energia consumida.
Se a pergunta fosse: qual das duas lâmpadas consome mais energia quando acesa por 5 horas?,
poderíamos dizer que a lâmpada de 100 W consome mais. E se a lâmpada de 40 W ficar acesa durante
10 horas e a de 100 W durante 4 horas? Nesse caso, as duas têm o mesmo consumo, que é de 400 Wh.
Assim, pode-se concluir que o consumo de energia de um eletrodoméstico depende da sua potência e do
seu tempo de uso.
Energia consumida = potência (W) x tempo (h)

Aplicativo Casa Virtual, de Furnas, permite simular consumo de energia e diz o


valor de sua conta de luz.
https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.hdntecnologia.casavirtual

Exercícios de sala
6 Observe a tabela a seguir e anote os dados que faltam.

Consumo médio mensal dos principais aparelhos


Número estimado
Potência média Tempo médio de Consumo médio
Aparelho de dias de uso
(em w) uso por dia mensal (em kw/h)
por mês
Aparelho de som 20 30 2,4
Ar-condicionado 3500 4h 420
Aspirador de pó 1000 30 20 min 10
Cafeteira elétrica 30 1h 30
Chuveiro elétrico 3500 30 40 min
Ferro elétrico 1000 1h 12
Freezer 400 30 120
Forno elétrico 1500 30 1h 45
Forno micro-ondas 3500 30 20 min
Geladeira 200 30 60
Lâmpada 100 30 5h 15
Lavadora de louças 30 40 min 30
Lavadora de roupas 1500 12 30 min 9
Secadora de roupas 3500 12 1h
Torneira elétrica 3500 30 52,2
Torradeira 30 10 min 4
TV colorida 30 5h 13,5
Ventilador 100 30 8h 24
Ciências 51
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

7 Uma garota gasta meia hora para tomar banho em um chuveiro cuja potência é de 3 kWh.
a) Qual é a energia que ela consome mensalmente, tomando dois banhos por dia?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

b) Considerando que o valor do kWh seja de R$ 0,34, qual será o seu gasto mensal de energia com
banhos?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

8 A potência de um televisor é de 250 W.


a) Que tipo de transformação de energia ocorre nesse aparelho?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

b) Sabendo-se que esse televisor fica ligado duas horas por dia, qual é seu consumo mensal de energia
elétrica?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

c) Considerando que o valor de 1 kWh seja R$ 0,22, qual é o custo mensal de energia com o televisor?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

3.7 Energia e meio ambiente

Documentário da série “Construindo o Futuro”, realizado pelo Discovery Channel.


Esta edição mostra o desafio de físicos, engenheiros e pesquisadores para encontrar novas
fontes de energia.

https://www.youtube.com/watch?v=7aBETpwNEF4
52 Ciências
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Riscos e benefícios envolvem o uso de fontes de energia renováveis ou não renováveis. Um grave
problema relacionado ao uso dos combustíveis fósseis como fonte energética é que a queima deles libera
CO2 na atmosfera e, portanto, pode ocasionar o aquecimento global e promover mudanças climáticas.
Essas emissões de dióxido de carbono podem aumentar o efeito estufa natural existente no planeta Terra
e provocar o aquecimento da camada de ar mais próxima da crosta terrestre. Atualmente, a queima do
petróleo, sobretudo na forma de gasolina e óleo diesel utilizados para abastecer a frota de carros de passeio,
utilitários e transporte, é responsável por cerca de 40% das emissões de CO2.
A poluição do mar com o derramamento de petróleo impossibilita a penetração da luz, impedindo
as algas de realizarem a fotossíntese e deixando de retirar CO2 da atmosfera. As aves podem morrer de
frio por perderem uma película de proteção que é afetada pelo óleo negro. Elas podem, também, ingerir
o petróleo quando tentam retirá-lo de suas penas.
O cultivo da cana-de-açúcar e a produção de álcool, por exemplo, diminuem a importação de
petróleo. Entretanto a monocultura da cana-de-açúcar pode trazer sérias consequências ambientais, como
o esgotamento do solo e a diminuição de áreas cultiváveis para outros alimentos.
As grandes hidrelétricas, mesmo sendo fontes de energia renováveis, exigem o alagamento de grandes
áreas e o deslocamento de pessoas ou até mesmo de cidades. Isso compromete o equilíbrio ecológico de
toda uma região.
No mundo inteiro, há um intenso debate em torno da construção de usinas nucleares. Essas usinas,
que, a princípio, parecem necessárias em alguns países, em outros são muito caras e perigosas. A exploração
de qualquer fonte de energia implica custos financeiros, sociais e ambientais bastante altos. Qualquer
decisão a ser tomada na escolha da matriz energética a ser utilizada afeta todos os cidadãos.
O Brasil, como qualquer país, deve avaliar e respeitar as características de cada matriz energética e
evitar fórmulas que podem colocar em risco o meio ambiente e trazer custos financeiros muito elevados
para toda a sociedade.

Exercícios de sala

9 As emissões globais de dióxido de carbono (CO2), derivadas da queima de combustíveis fósseis,


atingiram, em 2006, o recorde de 8,38 bilhões de toneladas, um número 20% maior do que o registrado
em 2000. As emissões aumentaram, anualmente, 3,1% no período, mais do que o dobro da taxa de
crescimento dos anos 90. As informações são de um relatório do Earth Policy Institute, ONG americana
que monitora as emissões de carbono em todo o mundo. Quais são as consequências do excesso da
queima de combustíveis fósseis?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

Exercícios propostos

10 Leia estas frases e, a seguir, resolva os itens a, b e c.


Os combustíveis fósseis, como o petróleo, o gás natural e o carvão mineral, originaram-se de um
processo que ocorreu há cerca de 600 milhões de anos.
São exemplos de fontes alternativas de energia a dos ventos, o álcool e a energia solar. Uma das
principais características dessas fontes é que elas são renováveis, ou seja, não se esgotam.
Ciências 53
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

A exploração de fontes de energia, renováveis ou não, requer um planejamento cuidadoso, que leve
em conta fatores regional, social, ambiental e econômico.
a) Por que existe a possibilidade de o petróleo se esgotar?
b) Qual a diferença entre fontes renováveis e não renováveis de energia? Dê exemplos.
c) Cite um dos problemas relacionados à exploração do álcool como fonte alternativa de energia.

11 (ENEM-Adapt.) Muitas usinas hidroelétricas estão situadas em barragens. As características de algumas


das grandes represas e usinas brasileiras estão apresentadas neste quadro.

Área alagada Potência Sistema


Usina
(km2) (MW) hidrográfico
Tucuruí 2 430 4 240 Rio Tocantins
Sobradinho 4 214 1 050 Rio São Francisco
Itaipu 1 350 12 600 Rio Paraná
Ilha Solteira 1 077 3 230 Rio Paraná
Furnas 1 450 1 312 Rio Grande

A razão entre a área da região alagada por uma represa e a potência produzida pela usina nela
instalada é uma das formas de estimar a relação entre o dano e o benefício trazidos por um projeto
hidroelétrico. A partir dos dados apresentados no quadro, qual foi o projeto que mais onerou o ambiente
em termos de área alagada por potência? Explique.

12 Leia este texto:

QUANTO TEMPO DURARÃO OS SUPRIMENTOS DE PETRÓLEO NO MUNDO?

O mundo ainda não está sofrendo com a escassez do petróleo, porém, como todos os recursos
não renováveis, espera-se que os suprimentos petrolíferos diminuam. Em dado momento, os preços
aumentarão à medida que os consumidores começarem a competir pelas reduzidas reservas petrolíferas
mundiais.
São desvantagens do uso do petróleo como combustível, exceto:
a) sua queima polui o ar, liberando gases altamente tóxicos à vida.
b) sua queima produz CO2, gás responsável pelo efeito estufa terrestre.
c) ajuda a promover mudança climática em decorrência do aquecimento global.
d) apresenta um alto rendimento de energia, quando utilizado como combustível.
e) preços baixos incentivam o desperdício e desestimulam a busca de novas alternativas.

13 Leia a frase a seguir.

A energia não pode ser criada, nem destruída, apenas transformada.

Entre as várias formas de energia que usamos em nosso cotidiano, acontecem transformações
nos processos físicos que as envolvem. Associe uma tabela à outra e assinale a alternativa que indica
corretamente as associações feitas entre elas.

Dispositivo mecânico ou gerador


1( ) Pilha de rádio
2( ) Gerador de usina hidrelétrica
3( ) Chuveiro elétrico
4( ) Alto-falante
5( ) Máquina a vapor
54 Ciências
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Transformação de tipo de energia


a Elétrica em Mecânica
b Elétrica em Térmica
c Térmica em Mecânica
d Química em Elétrica
e Mecânica em Elétrica

a) 1-d, 2-e, 3-b, 4-a, 5-c. c) 1-b, 2-e, 3-d, 4-a, 5-c. e) 1-b, 2-a, 3-d, 4-e, 5-c.
b) 1-d, 2-a, 3-b, 4-e, 5-c. d) 1-d, 2-b, 3-c, 4-a, 5-e

14 Em 2001, pouco antes de acontecer o racionamento de energia elétrica (época em que aconteceu o
apagão de energia), um jornal de circulação nacional apresentou esta manchete:

Águas de março definem se falta energia elétrica este ano

A energia sempre foi importante para o desenvolvimento da humanidade, mas hoje ela é praticamente
indispensável. A produção de energia elétrica no Brasil está relacionada à utilização das águas dos rios.
Então, a manchete do jornal justifica-se, porque:
a) é grande o número de chuveiros existentes nas casas brasileiras.
b) as usinas nucleares brasileiras são suficientes na geração de cargas elétricas.
c) a geração de energia nas hidrelétricas exige um grande fluxo de água nas barragens dos rios.
d) na nossa região, em março, iniciam as primeiras chuvas, e o reservatório de águas, estando baixo,
vai gerar mais energia elétrica.
e) a geração de energia elétrica depende do nível das águas em um reservatório: quanto menor o nível
de água, maior será a quantidade de energia potencial.
15 Analise as figuras a seguir e diga quais são energias renováveis, quais são não renováveis e o nome de
cada uma delas.

Agora, responda:
a) A respeito da segunda figura, que tipo de energia ela transforma para gerar energia elétrica?
b) Quais os aspectos positivos e negativos da fonte de energia representada na terceira figura?
c) O Sol é capaz de fornecer energia calorífica para o painel solar através de que tipo de transporte?
d) De que forma a energia elétrica é produzida nas usinas hidrelétricas?
e) Quais dos exemplos acima representam fontes de energia limpa? Explique por que elas são
classificadas dessa forma.
16 A tabela a seguir indica uma estimativa das variações na energia potencial e na energia cinética durante
a queda de um vaso de uma sacada de um prédio.

Altura em metros Energia potencial (kJ) Energia Cinética (kJ)

4,80 2,4 0
4,00 2,0 0,4
3,20 1,6 0,8
2,40 1,2 1,2
1,60 0,8 1,6
0,80 0,4 2,0
0 0 2,4
Ciências 55
A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Com base nessa tabela, é correto dizer:


a) A energia cinética do vaso é maior quando ele está na parte mais alta de uma sacada.
b) A energia potencial diminui, e a energia cinética aumenta durante a queda do vaso.
c) A energia cinética do vaso diminui durante a queda.
d) A energia potencial do vaso aumenta durante a queda.
e) Não podemos avaliar a energia potencial e a cinética em uma queda de um vaso de uma sacada de
um prédio.

17 Observe esta ilustração e, em seguida, assinale a alternativa correta.

Disponível em; <www.skatecuriosidade.com>. (Adaptado)


Acesso 16 jan. 2015
MEGARRAMPA – Skate

a) A esfera A tem menor energia potencial que a esfera B.


b) A energia potencial depende da posição que o corpo ocupa em relação ao solo.
c) Ao rolar, a esfera B adquirirá maior energia cinética que a esfera A.
d) A energia cinética que as esferas adquirem independe da posição que elas ocupam em relação ao
solo.
e) A energia cinética da esfera A diminui durante a sua queda.

18 Para fazer um suco no liquidificador, levamos aproximadamente 1 minuto. Se a potência desse


equipamento é de 300 W:
a) Quanta energia elétrica é consumida em kWh?
b) Quanto custa mensalmente fazer um suco desses por dia? Para responder a essa questão, consulte
o valor da tarifa da energia elétrica de sua cidade.

Exercícios de aprofundamento

19 Uma pessoa dispõe de uma lâmpada de 100 W e outra de 60 W e precisa instalar uma na cozinha e outra
no banheiro. Pensando apenas em economizar energia elétrica, em qual dos ambientes ela deve instalar
a lâmpada de maior potência? Justifique sua resposta.

20 A geladeira é um dos alimentos que mais consome energia elétrica, já que permanece ligada por
muito tempo e tem potência elevada. Muitos fabricantes recomendam, no manual de instruções desse
eletrodoméstico, que não se armazenem alimentos quentes. Explique o porquê dessa recomendação.
56 Ciências
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

4. ELETRICIDADE E MAGNETISMO: UTILIDADES E PRECAUÇÕES

Você já pensou o que seria da sua vida sem eletricidade? Muito do que você conhece certamente não
existiria: começando pela lâmpada elétrica até as tecnologias atuais – computador, videogame, MP3 player,
chuveiro elétrico, geladeira e tantos outros. Com certeza, sua vida seria mais “chata”.
Pensando nisso, elabore um texto sobre como seria um dia de sua vida sem eletricidade, desde o momento
em que você acorda até a hora de dormir.
Entreviste, também, seus avós ou outras pessoas mais idosas para saber como era fazer as coisas do dia
a dia na época de sua mocidade, sem eletricidade, ou com poucos aparelhos elétricos.
Leia seus textos para os seus colegas de classe e comparem as experiências de cada pessoa.

O que é eletricidade? Para compreendê-la, devemos entender, primeiramente, outros conceitos.


Inicialmente, você deve se lembrar da estrutura do átomo: prótons e nêutrons se dispõem no núcleo,
enquanto os elétrons giram ao redor desse núcleo, na chamada eletrosfera. Os prótons têm carga positiva;
os nêutrons não possuem carga; e os elétrons possuem carga negativa.

Você se lembra...
Apesar de todos os átomos apresentarem a mesma organização – prótons, elétrons e nêutrons – é a
quantidade dessas partículas (principalmente dos prótons) que os torna diferentes. Além disso, os átomos são
capazes de ganhar ou perder elétrons e, consequentemente, se combinarem, formando diferentes moléculas.

4.1 Eletrostática: a eletricidade estática

O estudo das cargas elétricas em repouso, ou seja, sem movimento, é chamado de eletrostática.
Nesse contexto, podemos estudar o comportamento das cargas em repouso, depois de agrupadas,
movimentadas de um lugar para outro. Chamamos esse processo de eletrização dos corpos.

Práxis
Reúnam-se em duplas ou trios para realizar a atividade proposta.

Vocês vão precisar de


• Uma folha de papel
• Uma caneta de plástico
• Um pedaço de flanela
Procedimentos
1) Cortem a folha de papel em pedacinhos bem pequenos.
2) Esfreguem a caneta de plástico na flanela. Se não tiverem a flanela, esfreguem a caneta nos cabelos.
3) Aproximem a caneta dos pedaços de papel.

Resultados e discussão
1) O que acontece ao se aproximar a caneta dos pedacinhos de papel? Como vocês explicam isso?
2) Quando passamos em frente a um daqueles televisores mais antigos, os pelos são atraídos por ele.
Relacione esse fato ao experimento que vocês acabaram de realizar.
Ciências 57
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

De modo geral, as substâncias possuem a mesma quantidade de prótons e de elétrons e, por isso, dizemos
que elas são neutras. Caso elas recebam elétrons, ficarão com excesso dessas partículas e, consequentemente,
carregadas negativamente. Ao contrário, caso elas percam elétrons, ficarão com falta destes e, por isso, carregadas
positivamente.

Atenção!

Não é correto dizer que um corpo neutro não possui cargas. Todo corpo possui cargas, visto que
ele é formado por átomos e estes, por sua vez, possuiem cargas positivas e negativas, as quais podem se
neutralizar caso estejam em igual quantidade.

Não se esqueça de que cargas iguais se repelem, enquanto que cargas diferentes se atraem.
Para compreender a perda e o ganho de elétrons, imagine um bastão de vidro e um pano de seda.
Cada um deles possui a mesma quantidade de prótons e de elétrons e, portanto, podemos dizer que são
dois corpos neutros. Ao se atritar o bastão de vidro com o pano de seda, devido à transferência de energia
vinda da fricção, um corpo receberá mais elétrons que o outro e, por isso, um ficará com excesso de
elétrons (negativo) e o outro ficará com falta de elétrons (positivo).
Após isso, se deixarmos o pano suspenso por um barbante, perceberemos que, ao aproximar o bastão
de vidro do pano de seda, ambos irão se atrair, pois corpos de cargas diferentes se atraem. Contudo, caso
se aproxime outro pano de seda, que também havia sido atritado com um bastão de vidro, ambos irão se
repelir, pois cargas iguais se repelem. O mesmo ocorrerá se aproximarmos dois bastões de vidro.

A B C

Acervo CNEC
Ocorre atração entre o pano de seda e o vidro (A), devido à presença de cargas elétricas opostas, mas ocorre
repulsão entre dois bastões de vidro (B) e entre dois panos (C), devido à presença de cargas elétricas iguais.

Ao ler isso, você deve estar se perguntando: o que isso tem a ver com eletricidade? A eletricidade é
caracterizada por ser um fenômeno físico originado pela presença de cargas elétricas, sejam elas estáticas
ou em movimento, e pela interação que existe entre elas.
A própria presença das cargas elétricas vem associada a um campo elétrico e, por isso, permite a
interação entre elas. Quem nunca aproximou seu braço da tela de uma televisão de tubo e viu que os
pelos de seu braço se levantaram? Isso é uma demonstração da existência de campo elétrico. Por outro
lado, quando existe o movimento dessas cargas, ainda que seja apenas de uma vibração, surge um campo
magnético, cuja natureza é diferente daquela do campo elétrico.
De modo geral, nos metais – bons condutores elétricos –, os elétrons possuem um movimento
desordenado, ou seja, em todas as direções. Quando todos esses elétrons caminham em uma mesma direção,
de maneira ordenada, dizemos que se forma uma corrente elétrica nesse metal, a qual é responsável pelo
funcionamento dos aparelhos elétricos.
Todo processo de eletrização de um corpo ocorre pelo deslocamento dos elétrons dos seus átomos.
Podemos eletrizar um corpo através do atrito ou do contato.
Eletrização por atrito

Esse foi o modo como você eletrizou a caneta para atrair os pedacinhos de papel. Ao atritar a caneta
na flanela (ou no cabelo), você moveu os elétrons dos átomos que compõem a flanela (ou o cabelo) para
a caneta, que ficou carregada negativamente.
58 Ciências
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

Eletrização por contato


Basta que um corpo eletrizado toque em outro neutro, por exemplo, e parte de sua carga elétrica passa
para ele.

Saiba mais
Alguns materiais possuem maior facilidade de movimentar seus elétrons por causa da forma como seus
átomos se organizam: os elétrons ficam passeando livremente de um átomo para outro, formando um mar de
elétrons ou uma nuvem eletrônica.
Esse mar de elétrons é característico dos metais e, por isso, eles são ótimos condutores de eletricidade.
Metais como o cobre e o estanho, portanto, são utilizados na fabricação de componentes de equipamentos
elétricos.

Exercícios de sala

1 Pesquise a diferença entre raio, relâmpago e trovão.


___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

4.2 Eletrodinâmica: a movimentação dos elétrons

Minhas ideias, nossas ideias

Nas cidades grandes, é visível a grande quantidade de fios e cabos de eletricidade acima de nossas
cabeças, nos postes. Responda:
a) Qual é a finalidade de todos esse fios?
b) Você já levou um choque elétrico? Se já, descreva o que sentiu.

Em um material condutor, como uma barra de metal, alguns elétrons dos seus átomos transitam de
forma desordenada, formando um mar de elétrons livres. Quando esses elétrons são colocados em um
movimento ordenado, ou seja, todos em um mesmo sentido, estabelecemos uma corrente elétrica. Esse
movimento ordenado das cargas é estudado por uma área da Física chamada de eletrodinâmica.
Existem dois tipos de corrente elétrica:
• A contínua, em que os elétrons se movimentam num único sentido, como ocorre nas baterias e nas pilhas.
• A alternada, em que os elétrons se movimentam em vaivém, alternando periodicamente o sentido do
movimento, como ocorre em nossas casas, que são abastecidas pelas grandes usinas geradoras de eletricidade.
Ciências 59
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

Ao circular por um material condutor, a corrente elétrica produz alguns efeitos, como, o aquecimento do
condutor, que pode ser útil ou não. Em um chuveiro, o que se deseja é esquentar a água e, por isso, se constrói o
equipamento de modo que o aquecimento do condutor, produzido pela corrente elétrica, seja aproveitado para
esse fim. Nas linhas de transmissão de energia elétrica, também ocorre o aquecimento dos fios, mas, nesse caso,
é um efeito indesejável, pois significa perda de energia. Então, para que essas linhas de transmissão tenham o
menor aquecimento possível, elas são devidamente planejadas antes de serem construídas.

Produza eletricidade com uma barra magnética. Descubra a física por detrás do
fenômeno, explorando ímãs, e a forma como você pode usá-los para acender uma lâmpada.

http://www.noas.com.br/ensino-medio/fisica/eletricidade/eletromagnetismo/gerador/

Quando recebemos energia elétrica em nossas casas, nós a utilizamos em aparelhos que a transformam
em diversos tipos de energia:

1 4

FONTES:
1) Disponível em: <http://recodetech.files.wordpress.com>. Acesso em: 13 dez. 2014.
2) Disponível em: <http://www.inr.se>. Acesso em: 13 dez. 2014.
3) Disponível em: <http://www.hd.ca>. Acesso em: 13 dez. 2014.
4) Disponível em: <http://www.kitchenaid.com>. Acesso em: 13 dez. 2014.
5) Disponível em: <http://minikyl.se>. Acesso em: 13 dez. 2014.
60 Ciências
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

Cuidados com a eletricidade


Quando uma corrente elétrica passa pelo nosso corpo,

Acervo CNEC
sentimos o que chamamos de choque elétrico. Esse tipo de
acidente com eletricidade pode causar diversos efeitos
na vítima, como danos aos tecidos nervosos, alterações
nas frequências cardíaca e respiratória e no sangue,
queimaduras e até a morte. Choques matam!
Para evitar um acidente mais grave envolvendo a
eletricidade, alguns cuidados podem e devem ser tomados:
• No banheiro, os aparelhos elétricos tornam-se ainda mais perigosos
devido à proximidade com a água. Por isso, nessa situação devem ser
utilizados apenas rádios, secadores e barbeadores a pilha.
• Crianças não devem mexer em aparelhos ligados ou mesmo tocar
nos fios. Além disso, em casas onde existem bebês que engatinham,
todas as tomadas devem ter protetores.
• Se for fazer qualquer conserto na rede elétrica de sua casa, desligue o disjuntor
ou a chave geral. Além disso, é importante se lembrar de nunca consertar um aparelho
elétrico com as mãos ou o corpo molhados.
• Não mexa em eletricidade pisando em chão úmido, e muito menos descalço. Com água, o risco de choque é
muito maior. Sempre desligue e retire o plugue da tomada quando for limpar os aparelhos eletrodomésticos.
• Não use aparelhos com fios desencapados ou danificados. Para evitar choques, coloque fita isolante nos
fios desencapados ou nas emendas, que aumentam a sua conta de energia elétrica e podem até mesmo
provocar um incêndio.
• Se algum eletrodoméstico dá choque sempre que você encosta nas partes metálicas, alguma coisa está
errada. Chame urgentemente um eletricista para consertar e, até lá, não utilize esse aparelho.
• Nunca ponha objetos metálicos, como garfos e facas, dentro de aparelhos elétricos ligados em tomadas.

Exercícios de sala
2
A TRANSFORMAÇÃO DA ENERGIA NOS APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS
Que formas de energia conseguimos obter a partir da energia elétrica? Em retângulos de papel,
escreva o nome dos eletrodomésticos que você possui em sua casa.
Separe os retângulos em grupos, de acordo com algum critério (por exemplo, local de uso, custo
mensal ou utilidade).
Depois disso, reagrupe os eletrodomésticos de acordo com sua finalidade: produção de calor, luz,
som, movimento etc.
Agora, responda: quais dos aparelhos eletrodomésticos da sua lista têm como finalidade produzir:
a) calor?
__________________________________________________________________________________
b) som?
__________________________________________________________________________________
c) movimento?
__________________________________________________________________________________
d) luz?
__________________________________________________________________________________

4.3 Como se forma um campo eletromagnético?

Agora que já vimos o que é eletricidade, é importante, também, sabermos quais são suas aplicações. Todo
corpo eletrizado é capaz de criar um campo elétrico no espaço ao seu redor. Esse campo elétrico é formado,
portanto, devido à presença de carga elétrica e corresponde à região em que seus efeitos são percebidos.
Ciências 61
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

A ocorrência de uma corrente elétrica também é capaz de criar, além do campo elétrico, um campo
magnético, pois o movimento orientado ou a distribuição uniforme dos elétrons forma ao seu redor uma
região na qual é possível perceber os seus efeitos. Nessa região têm-se, portanto, o campo magnético e o
campo elétrico, constituindo o campo eletromagnético.
O campo elétrico criado por uma carga positiva é chamado de campo de repulsão ou de afastamento,
enquanto que aquele criado por uma carga negativa é chamado de campo de atração ou de aproximação.

Acervo CNEC
A B

Campo elétrico de repulsão criado por uma carga positiva (A) e campo
elétrico de atração criado por uma carga negativa (B)

A magnetita, mineral encontrado na natureza, é o principal constituinte dos ímãs devido a uma
característica única: é capaz de organizar as cargas em seu interior de maneira uniforme. Assim, os campos
das cargas se alinham formando um campo magnético ao redor do material e, por isso, dizemos que um
ímã possui dois polos: norte e sul. Em um material não magnético, as cargas não se organizam e, portanto,
não surge campo magnético. Já nos materiais magnéticos, como a magnetita, as cargas se alinham, criando
um campo magnético.

_ _
+_ _ + _ +

Acervo CNEC
Acervo CNEC

_ _ _ _
+ + _+ + _ + _ + _+ _ Linhas que

_ _
indicam a
+ _ + _ + _+ _
_
direção do

+ + + +
campo

+ + +
Em um material não magnético, as cargas não se
magnético

Em um material magnético, as cargas se organizam em


organizam em seu interior e, por isso, não surge um seu interior e, por isso, surge um campo magnético.
campo magnético.

Disponível em: <http://c2h2.ifa.hawaii.edu>. Acesso em:


O campo magnético que se forma devido à 12 dez. 2014.
passagem de uma corrente elétrica é semelhante
àquele formado ao redor de um ímã, o qual pode
ser determinado experimentalmente colocando
limalha de ferro (pó de ferro) na presença de
um ímã. A limalha se distribui ao redor do ímã,
delimitando a região do campo magnético. O
campo magnético, portanto, corresponde a
linhas de força imaginárias que saem do polo
norte em direção ao polo sul do ímã.

Ao colocar limalha de ferro em contato com um ímã, ela se


dispõe ao redor do ímã, formando o campo magnético.

Já se perguntou por que a bússola aponta para o Ártico? Explore as interações entre uma
bússola e uma barra de ímã, e depois adicione a Terra e encontre a resposta surpreendente! Varie
a força do ímã e veja como as coisas mudam tanto dentro como fora.
http://www.noas.com.br/ensino-medio/fisica/eletricidade/eletromagnetismo/ima-e-bussola/
62 Ciências
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

Minhas ideias, nossas ideias

Discuta com seus colegas de classe o motivo por que a limalha de ferro se posiciona de modo que as
linhas do campo magnético saem de uma ponta e se encontram na outra.

Você se lembra...

Os ímãs são corpos que têm a capacidade de atrair o ferro e outros metais, devido a uma força, que é
denominada força magnética. Cada ímã tem dois polos, chamados de norte e sul. Polos de nomes iguais se
repelem e polos de nomes diferentes se atraem. Além disso, não é possível separar os polos de um ímã, ou
seja, se um ímã for quebrado em duas ou mais partes, todas as partes terão um polo norte e um polo sul.

Saiba mais

Existem vários estudos na atualidade que buscam demonstrar a influência dos campos magnéticos sobre
os seres vivos – ciência conhecida como magnetobiologia –, bem como estudos que demonstram que os
seres vivos também são capazes de criar campos magnéticos – ciência chamada de biomagnetismo.
Na magnetobiologia, pode-se destacar a orientação de alguns animais a partir do magnetismo, como
ocorre com aves em voos migratórios e tartarugas que retornam ao local em que nasceram para desovar.
Além disso, existem pesquisas, ainda controversas, que buscam demonstrar que a exposição às ondas
eletromagnéticas (como as geradas pelos celulares e pelas redes de eletricidade) podem gerar problemas
à saúde dos seres humanos. No entanto é importante lembrarmos que esse assunto é controverso e, por
isso, muitas pesquisas ainda precisam ser realizadas para comprovar ou negar se efetivamente essas ondas
geram prejuízos aos seres humanos.
O biomagnetismo, por sua vez, é responsável pela medição dos campos magnéticos gerados pelos seres
vivos em alguns órgãos. Apesar de esses campos serem muito fracos, eles podem ser detectados utilizando-
se equipamentos sofisticados com a finalidade de obter informações que possam auxiliar na compreensão
dos sistemas biológicos, no diagnóstico de doenças e na criação de novos tratamentos.
Os campos magnéticos biológicos originam-se de correntes elétricas que percorrem determinados tipos de
células, como as células nervosas (lembre-se de que o próprio impulso nervoso é uma corrente elétrica) ou
em materiais magnéticos acumulados em alguns órgãos (como fígado e pulmão). A medida desses campos
permite localizar exatamente a região e a intensidade da corrente ou a concentração desses materiais.
Atualmente, as pesquisas relacionadas ao biomagnetismo têm permitido a criação de mecanismos não
invasivos para a área médica, tanto para pesquisa quanto para tratamentos. Por exemplo, o neuromagnetismo,
que estuda os campos magnéticos cerebrais, permite pesquisa sobre o funcionamento do cérebro e o
entendimento de várias patologias.

Exercícios de sala

3 Classifique as afirmativas a seguir em corretas ou incorretas. Em seguida, dê a soma das corretas como
resposta.
01) Um corpo com carga positiva tem excesso de elétrons; com carga negativa, falta de elétrons.
02) A corrente elétrica corresponde ao movimento organizado dos elétrons.
04) Corpos com cargas iguais se atraem; com cargas diferentes se repelem.
08) Os polos de um ímã são chamados de positivo e negativo.
16) A passagem de uma corrente elétrica em um corpo cria um campo eletromagnético ao seu redor.
32) O campo magnético formado pelo ímã é diferente daquele formado pela passagem de corrente
elétrica.
Soma: ____
Ciências 63
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

4.4 Eletroímã: o magnetismo a partir de uma corrente elétrica

A corrente elétrica se torna muito mais útil

Disponível em: <http://www.sil.si.edu>. Acesso em: 12 dez. 2014.


quando é utilizada para magnetizar um fio ou uma
barra de ferro. Assim, quando há passagem de
uma corrente elétrica em um pedaço de ferro, este
se comporta como um ímã, e quando a corrente é
interrompida, o ferro deixa de se comportar como
tal. Dessa maneira, o pedaço de ferro transforma-
se em um eletroímã.
O campo magnético formado por uma corrente
elétrica foi descoberto pelo dinamarquês Hans
Christian Oersted, quando fazia demonstrações
sobre corrente elétrica para uma sala de aula. Ele
percebeu que a agulha de uma bússola que estava
próxima ao experimento se movia na presença
da corrente elétrica. Essa descoberta foi o ponto
inicial para a unificação do magnetismo com a
Hans Christian Oersted
eletricidade, formando o eletromagnetismo.

A
B

Acervo CNEC
Efeito da corrente elétrica sobre a bússola, descoberto por Oersted. A) Sem corrente elétrica. B) Com corrente elétrica, há um
desvio na agulha da bússola.

Você se lembra...
Disponível em: <http://dic.academic.ru>.
Acesso em: 12 dez. 2014.

A bússola é um instrumento de orientação e de navegação


que possui uma agulha magnetizada. Essa agulha orienta-se de
acordo com o campo magnético terrestre, apontando para o norte
geográfico ao se alinhar com a direção deste campo.

Explore as interações entre uma bússola e uma


barra de ímã. Descubra como você pode usar uma
bateria e fios para fazer um ímã.
http://www.noas.com.br/ensino-medio/fisica/
eletricidade/eletromagnetismo/imas-e-eletroimas/
Bússola: instrumento cujo funcionamento se
baseia no magnetismo.
64 Ciências
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

Práxis

Construindo um eletroímã e verificando o


campo eletromagnético

Objetivo
Construir um eletroímã e verificar a sua
influência sobre uma bússola
Acervo CNEC
Você vai precisar de Quando os fios são desligados, cessa a corrente elétrica e o
magnetismo no prego.
• um prego bem grande
• 3 m de fio de cobre envernizado (bem fino) Os eletroímãs se formam porque cada átomo
• pilha presente no metal (no caso da experiência anterior,
• clipes (ou qualquer outro metal) no prego) se comporta como um pequeno ímã,
• durex ou fita crepe ou seja, possui um polo norte e um polo sul. No
entanto eles normalmente estão desordenados
• bússola
e apontando para todas as direções. Com isso,
os campos magnéticos formados cancelam suas
Procedimento ações. Quando há passagem da corrente elétrica,
1) Enrole o fio sobre o prego, de modo a formar esses átomos – os pequenos ímãs – se alinham,
uma bobina. transformando esse pequeno metal em um ímã.
2) Deixe uma ponta de fio livre no início e no Nos eletroímãs, o magnetismo é temporário,
final. Cada ponta deverá ser unida em um dos pois quando cessa a corrente elétrica, o metal deixa
polos da pilha, permitindo a passagem de corrente de se comportar como um ímã. Esse processo de
elétrica no fio. produção de ímãs utilizando-se corrente elétrica é
3) Utilize o durex para facilitar esse contato. Se chamado imantação por corrente elétrica. Além
necessário, coloque duas pilhas unidas. disso, podem-se produzir ímãs temporários através
4) Tente pegar alguns clipes com o prego e veja o da imantação por atrito e da imantação por contato.
que acontece. Na imantação por atrito, esfrega-se um pedaço
5) Na sequência, solte um dos fios da pilha e veja de ferro ou de aço com um ímã (natural ou artificial),
o resultado. sempre no mesmo sentido Esse processo é muito
utilizado para imantar chaves de fenda, pregos e
6) Ligue novamente o fio nos dois polos da pilha e
agulhas. Com o tempo, esse magnetismo reduz.
coloque perto de uma bússola.
Na imantação por contato, obtém-se um
7) Verifique o que acontece quando se desliga um ímã temporário quando se coloca um pedaço de
dos polos. metal em contato com um ímã. Enquanto houver
contato entre esses corpos, o pedaço de metal
funcionará como um ímã. Se separado, o metal
perde sua capacidade magnética.

Acervo CNEC
Quando os fios estão ligados nos polos da pilha, há passagem Acervo CNEC
de corrente elétrica e o prego torna-se magnetizado, sendo Imantação por contato: os clipes e os alfinetes comportam-
capaz de atrair metais. se como ímãs em contato com um ímã.
Ciências 65
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

É importante lembrar que os ímãs naturais, formados por magnetita (óxido de ferro, Fe3O4), são
permanentes, ou seja, seu magnetismo não cessa com o tempo.
Os eletroímãs, os ímãs produzidos a partir de uma corrente elétrica, estão presentes no nosso dia a dia
muito mais do que imaginamos: telefones, detectores de metais, guindastes eletromagnéticos e motores
elétricos, amplamente utilizados em ventiladores, liquidificadores, geladeiras, cartões magnéticos e até
automóveis.

Disponível em: <http://pradigmshift.files.wordpress.com>.


Acesso em: 12 dez. 2014.

Disponível em: <http://www.paukr.de>. Acesso em: 12 dez. 2014.


Telefone: dos antigos aos atuais, todos utilizam Os guindastes eletromagnéticos são utilizados em
eletroímãs. ferros-velhos e na movimentação de contêineres nos
portos para movimentar objetos metálicos pesados.

Funcionamento de uma campainha

A campainha presente em nossas casas é um exemplo da aplicação dos eletroímãs. Nela existe um
eletroímã em forma de U que atrai uma lâmina de ferro na qual se prende uma pequena haste metálica.
Quando o botão da campainha é apertado, a corrente elétrica passa através dos fios e magnetiza o eletroímã.
Este, por sua vez, atrai a lâmina de ferro e, consequentemente, a haste metálica bate na campainha,
vibrando-a enquanto o botão da campainha estiver apertado. Quando o botão é solto, o eletroímã perde
sua capacidade magnética e, com isso, a lâmina de ferro afasta-se.
Disponível em: <http://de.academic.ru>.
Acesso em: 12 dez. 2014.

O funcionamento da campainha depende do eletroímã: a corrente elétrica


magnetiza o eletroímã, que atrai o ferro, fazendo a haste metálica tocar o
sino.
66 Ciências
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

Funcionamento de um motor elétrico

O motor elétrico, utilizado em vários equipamentos do nosso dia a dia, como máquina de lavar
roupas, geladeira, furadeira e liquidificador, funciona baseado na eletricidade e no magnetismo, devido
aos fenômenos elétricos e magnéticos. Ele é composto, basicamente, de dois eletroímãs: um fixo e um
móvel. O eletroímã fixo tem formato de

Acervo CNEC
U e, assim como acontece com uma barra
de ferro, quando ligado a uma corrente Eletroímã fixo
elétrica, uma extremidade comporta-se
como polo norte de um ímã, e a outra

A
LH
extremidade, como polo sul. O eletroímã

PI
móvel, chamado de rotor, está ligado ao
eixo do motor. Esse rotor só funciona Eletroímã
como eletroímã quando está em contato móvel
com os condutores: nessa situação, os (rotor)
polos norte e sul do eletroímã fixo atraem
os polos do rotor, gerando um movimento
de sua rotação. Assim, o rotor faz uma Esquema de um motor elétrico.

volta completa e reinicia o processo.

Funcionamento dos trens maglev

Agora você vai conhecer uma tecnologia baseada nesse conhecimento e que promete revolucionar o
século XXI: os trens maglev (do inglês, magnetic levitation transport), também conhecidos como trem de
levitação magnética, os quais utilizam os princípios dos ímãs em substituição às rodas de aço dos trens
convencionais.
Os trens maglev funcionam graças à presença de eletroímãs no trem e nos trilhos, que provocam uma
levitação eletromagnética graças à repulsão. Diferente do que algumas pessoas acreditam, eles não possuem
rodas, todo o movimento baseia-se exclusivamente no efeito eletromagnético: o campo magnético levita
o trem a cerca de 1 centímetro do solo, e o controle das forças de atração e de repulsão provoca o seu o
deslocamento e a parada do trem. Acervo CNEC

Trem

Trilho

Eletroímã
de levitação Eletroímã
de orientação
Estrutura de um trem maglev.
Ciências 67
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

Saiba mais
Apesar de parecer uma maravilha,
atualmente o único trem maglev que
funciona comercialmente está na China: a
linha, denominada Shanghai Transrapid,
foi fabricada pela companhia alemã
Transrapid International e inaugurada em
2004. A linha liga o aeroporto de Xangai ao
centro financeiro e comercial da cidade e
possui apenas 30 km de extensão, que são
percorridos em pouco mais de sete minutos.
Disponível em: <http://upload.wikimedia.org>. Acesso em: 12 dez. 2014.
O trem atinge a velocidade de 350 km/h em
dois minutos, e sua velocidade máxima é de Shanghai Transrapid: o único trem maglev que funciona comercialmente.
Na imagem, é possível observar a ausência de rodas e o trilho
431 km/h. diferenciado.

O fato de os trens maglev movimentarem-se alguns centímetros acima do solo, levitando, gera as
principais vantagens do seu uso, pois reduz o atrito com os trilhos e, consequentemente, permite o
movimento a uma velocidade maior e com um consumo de energia reduzido. Além disso, a ausência de
peças móveis (como rodas) e a diminuição do atrito, que reduz o desgaste das peças, fazem com que o
custo de manutenção seja menor do que o dos trens convencionais.
Existem, ainda, outras vantagens: esse tipo de trem pode subir rampas de até 10% de inclinação,
o que não acontece com os trens convencionais, além de realizar curvas mais fechadas e emitir menor
quantidade de ruídos.
No entanto, diferentemente das tecnologias anteriormente descritas, os trens maglev ainda não são
comercialmente viáveis devido ao seu alto custo, sua principal desvantagem. Outra desvantagem que está
atrasando o uso comercial desse tipo de locomoção é o fato de esses trens não utilizarem os mesmos trilhos
dos trens convencionais (o que também encarece o seu preço). Como os famosos trens-bala podem utilizar
as ferrovias já existentes, eles ainda são mais utilizados atualmente.
Pode-se considerar, ainda, o fato de que, apesar de serem considerados muito seguros, acidentes podem se
tornar fatais, pois esses trens atingem elevadas velocidades. Por isso é importante que sejam tomadas as devidas
precauções relacionadas a essa tecnologia.

Trabalhando com Pesquisa

Pesquise em livros ou na Internet outras aplicações dos eletroímãs na atualidade.

Exercícios de sala
4 A imagem a seguir representa um fio fino enrolado sobre uma haste de ferro e ligado aos polos de uma
pilha. Analise-a atentamente.
Acervo CNEC

_
+
68 Ciências
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

Agora, responda:

a) Por que a haste de ferro passa a ser capaz


de atrair pequenos objetos metálicos, como Exercícios propostos
clipes, alfinetes e pregos?
_____________________________________ 6 Observe a imagem a seguir:

Acervo CNEC
_____________________________________
_____________________________________
____________________________________
_____________________________________
_____________________________________

b) O que acontecerá se uma bússola for


aproximada desse conjunto? A

_____________________________________
_____________________________________ Explique o que acontecerá se o fio for
_____________________________________ cortado no ponto A.

____________________________________ 7 O homem começou a dominar o magnetismo


há pouco mais de 150 anos, graças à invenção
_____________________________________
do motor elétrico, que auxiliou na impulsão da
_____________________________________ evolução tecnológica. Ainda que as pessoas não
_____________________________________ saibam, o magnetismo – mais precisamente, o
eletromagnetismo – está presente no nosso dia
_____________________________________ a dia: é ele que faz o carro andar ou permite a
_____________________________________ imagem na televisão.
Sobre o assunto, julgue as afirmativas a seguir.
5 Um mecânico deseja imantar uma chave de I) O motor elétrico utiliza eletroímãs em seu
fenda. Sobre o assunto, faça o que se pede. funcionamento.
a) Dê o nome e descreva a técnica mais II) Um eletroímã é um ímã temporário que se
adequada para imantar essa chave de fenda. forma graças à corrente elétrica.
_____________________________________ III) A passagem da corrente elétrica por um
corpo cria um campo magnético.
_____________________________________
Agora assinale a alternativa correta.
_____________________________________ a) As afirmativas I e II são verdadeiras.
____________________________________ b) As afirmativas I e III são verdadeiras.
c) As afirmativas II e III são verdadeiras.
_____________________________________
d) Todas as afirmativas são verdadeiras.
_____________________________________ e) Todas as afirmativas são falsas.
_____________________________________
8 Algumas pessoas afirmam que conhecer a
b) Explique a importância de magnetizar a China é fazer uma viagem ao passado e, ao
chave de fenda. mesmo tempo, ao futuro. Conhecer a Muralha
_____________________________________ da China, por exemplo, é fazer uma viagem de
mais de 2 000 anos, enquanto que passear no
_____________________________________ único trem maglev em operação comercial no
_____________________________________ mundo pode ser considerada uma viagem ao
futuro.
____________________________________
Sobre os trens maglev, faça o que se pede.
_____________________________________ a) Cite o que provoca o seu movimento.
_____________________________________ b) Cite duas vantagens da sua utilização.
c) Explique um motivo que possa justificar
_____________________________________ o fato de existir apenas uma linha comercial
desse tipo de trem.
Ciências 69
Eletricidade e magnetismo: utilidades e precauções

9 Resolva a cruzadinha a seguir para descobrir a palavra-chave.


1) O ímã formado através da imantação por contato é um ímã _______________________.
2) A bússola aponta para o polo ____________________________ geográfico.
3) A imantação por _____________________________ consiste em esfregar um pedaço de ferro ou aço
sobre um imã.
4) Ocorre _________________________ entre dois polos iguais de um ímã.
5) Um _____________________________ é formado quando uma corrente elétrica passa por um metal.
6) A _____________________________ é o ímã natural.
7) Quando há um movimento _____________________________ de elétrons, forma-se uma corrente
elétrica.

A T R I T E W V Q G U T D B Q R B T Q W N G L Q B D Q D W
W T B W M W G O X W E A Z S Y I Q F X G O E E G R P T F T
Y R Y E D P B E L C M D T U M V R E J O F R Z F L Q N T E
V W T Q F B N T F P O Y T M Z W R W Y N O R T E R U U P M
J O K J Q F F R E P U L S A O L R L J G X V G O K K S C P
S N Y W Q D L H Y J D G M G M M C E G X W N K S Y A S O O
I U B Z P Y G F U Y L B Z N G C T N U P P G E Z F L X C R
O T Z C L K O X G B E O Z E F R B Q W Q K L R S G W Y M A
M E E N Y I E T B V N M U T E T V T J J T Y R B R P Y W R
U N R N Q C G T R W F P N I P Z L U J C K F J L X G C B I
R X U O G O W H B A R R P T L F Z S T F C P M U D M B O O
M N I H I J S A S V Z K G A L R U E Z Q I Q A R H Y U P Z
T M W P V Ã S L U P E R W S I E H R E Y O K E F N F O T B
B O G B T O R D E N A D O J C W C E P R R A G B U G B M P
I P Q P B O J G E F Q A K F A H U Y M X D P C L J P H N M
P L M D S B J P Y I S G V H K R N W A O L O H F U X A X F
E D Y T D L B G G E E L E T R O I M A M A Y M X Y U E I P

Exercícios de aprofundamento

10 Provavelmente você já deve ter ouvido algumas pessoas afirmarem que um cartão magnético (como
cartão de crédito) não pode ser colocado próximo a um ímã, pois a informação presente na tarja magnética
se apaga. Essa afirmação é verdadeira ou falsa? Justifique sua resposta.
70 Ciências
Átomo: um constituinte da matéria

5. ÁTOMO: UM CONSTITUINTE DA MATÉRIA

Você se lembra...
Para o inglês John Dalton, toda matéria é formada por partículas indivisíveis: o átomo, que se assemelha
a uma bola de bilhar.
A partir dos seus estudos, o inglês Joseph John Thomson concluiu que a matéria possui cargas negativas,
as quais denominou elétrons, e propôs, no início do século XX, um novo modelo para o átomo, que, segundo
ele, era maciço e esférico, formado por uma massa de cargas positivas com os elétrons dispersos: foi o
modelo do “pudim de passas”.
Poucos anos depois, o neozelandês Ernest Rutherford propôs um novo modelo para o átomo, o qual
foi chamado de modelo atômico de Rutherford. Segundo esse pesquisador, o átomo era formado por uma
região muito pequena, chamada de núcleo, composta por partículas com cargas positivas e neutras (prótons
e nêutrons, respectivamente) e por uma região chamada de eletrosfera, em que circulam partículas com
cargas negativas (elétrons). De acordo com esse modelo, o átomo é comparado ao Sistema Solar: o Sol
representa o núcleo (prótons e nêutrons); os planetas, os elétrons e as órbitas dos planetas, a eletrosfera.

Após a proposta do modelo atômico de Rutherford, os cientistas questionaram por que os elétrons
não eram atraídos para o núcleo (a essa época, já era
conhecido que cargas opostas se atraem). Para sanar esses
questionamentos, o dinamarquês Niels Böhr propôs
alguns postulados e adaptou o modelo de Rutherford,
formando o chamado modelo de Rutherfor-Böhr. Os seus
postulados são:
1) Os elétrons se movimentam ao redor do núcleo,
perfazendo órbitas circulares, as quais são chamadas de
camadas ou níveis, sendo que cada camada possui um
determinado valor de energia, que é constante.
2) Quando o elétron se move em uma única camada,
ele não emite nem absorve energia.
Niels Böhr.
3) Um elétron pode mudar de nível de energia. Disponível em: <www.denstoredanske.dk/@api/
Quando o elétron absorve energia externa (calor, energia dekifiles/2923/=21231807.jpg>. Acesso em: 10 dez. 2014.
elétrica, luz, entre outros), ele passa para um nível de
maior energia, tornando-se “excitado”. Quando o elétron libera energia, ele retorna ao seu nível inicial de
energia, chamado estado estacionário.
A partir do modelo atômico de Rutherford-Böhr, surgiram novas dúvidas e, consequentemente, novas
pesquisas foram realizadas para tentar solucioná-las.
A partir dessas pesquisas, foram descobertos os níveis de energia e os subníveis de energia dos átomos.

O aplicativo possibilita ao usuário acompanhar a evolução dos modelos atômicos, ter acesso à
descrição da teoria e dos elementos do átomo, bem como visualizar as representações subatômicas de
Dalton até o modelo atual.
http://www.noas.com.br/ensino-fundamental-2/ciencias/a-evolucao-do-modelo-atomico/
Explica a evolução dos modelos atômicos para que o aluno possa visualizar as diferenças entre os
diversos modelos propostos pelos cientistas.
http://www.noas.com.br/ensino-medio/quimica/quimica-geral/atomistica/jogo-a-evolucao-atomica/
Produção audiovisual concebida pela PUC Rio em parceria com o Ministério da Educação, o
Ministério da Ciência e Tecnologia e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação.
https://www.youtube.com/watch?v=58xkET9F7MY
Ciências 71
Átomo: um constituinte da matéria

5.1 A distribuição dos elétrons em níveis de energia

C omo convenção, utiliza-se a letra n para se referir aos níveis de energia de um átomo. Um átomo possui
apenas 7 níveis de energia, os quais são designados pelos números de 1 a 7 ou pelas letras K, L, M, N, O,
P e Q, nomeadas de dentro para fora do átomo, ou seja, do núcleo para a periferia. Conforme aumentam
os números ou as letras (na sequência alfabética), amplia-se, também, a energia que o elétron possui e a
sua distância em relação ao núcleo.
Além disso, cada nível de energia possui uma quantidade máxima de elétrons. Na camada K, são
encontrados no máximo 2 elétrons; na L, 8 elétrons; na M, 18 elétrons; na N, 32 elétrons; na O, 32
elétrons, na P, 18 elétrons, e na Q, 2 elétrons.
Esses dados encontram-se agrupados no esquema a seguir:

número
níveis de
máximo de
energia
elétrons
n=1 K 2

Aumento da energia e

relação ao núcleo.
da distância em
n=2 L 8
n=3 M 18
n=4 N 32
n=5 O 32
n=6 P 18
n=7 Q 8
Acervo CNEC

Agora que você já conhece os níveis de energia e quantos elétrons podem estar presentes em cada um
deles, é importante aprender como é realizada a distribuição de elétrons nesses níveis. Para isso existem
algumas regras:
1) Os elétrons devem ser distribuídos de acordo com a sequência energética dos níveis, ou seja, K, L, M
e assim sucessivamente.
2) Nenhum nível pode ter mais elétrons do que o número máximo determinado. Assim que um nível é
preenchido, deve-se partir para o próximo.
3) Nenhum átomo possui mais de 8 elétrons na última camada. Caso isso ocorra durante a distribuição,
deve-se colocar o número máximo de elétrons da camada anterior e passar o excedente para o próximo
nível.
Para simplificar, observe o exemplo a seguir e veja como é fácil realizar essa distribuição eletrônica.
O Potássio possui número atômico 19 e, consequentemente, possui 19 elétrons. A sua distribuição
eletrônica inicial é:

K L M
2 8 9

Como não podem estar presentes mais de 8 elétrons na última camada, deve-se deixar apenas 8
elétrons na camada M (o número de elétrons da camada anterior). O excedente dos elétrons, ou seja, 1
elétron, é transferido para a próxima camada, que se tornará a última:

K L M N
2 8 8 1

Veja outro exemplo, agora para a distribuição eletrônica referente ao Iodo, cujo número atômico é
53. A sua distribuição eletrônica inicial:
72 Ciências
Átomo: um constituinte da matéria

K L M N
2 8 18 25

Como o último nível não pode apresentar mais de 8 elétrons, deve-se utilizar, nessa camada, ou 8 ou
18 (o máximo que a camada e a situação permitirem). Nesse caso, colocam-se 18 elétrons na camada N e
passam-se os 7 elétrons excedentes para a próxima camada. Assim, a distribuição eletrônica será:

K L M N O
2 8 18 18 7

Essa distribuição eletrônica também pode ser representada da seguinte forma:


K = 2; L = 8; M = 18; N = 18; O = 7.

É importante, ainda, que você saiba que a última camada e, consequentemente, a mais afastada do
núcleo e com maior quantidade de energia, é chamada de camada ou nível de valência. Por exemplo, no
caso do iodo, a camada de valência é a O, que possui 7 elétrons.
Você deve ter observado que, em virtude dessa distribuição eletrônica, nem todos os átomos possuem
as 7 camadas energéticas. Além disso, nos átomos que possuem 3 ou mais camadas, a penúltima camada
geralmente apresenta 8 ou 18 elétrons.

Atenção!
Essa distribuição eletrônica não é válida para todos os elementos químicos. Apenas para os chamados
elementos representativos, que correspondem a cerca de 40% dos elementos químicos conhecidos, a
distribuição eletrônica pode ser realizada seguindo as regrinhas que você aprendeu.

Exercícios de sala

1 A seguir são fornecidos alguns átomos e seus respectivos números atômicos. Realize a distribuição
eletrônica de cada um deles em níveis de energia.
a) Nitrogênio, cujo número atômico é 7.

b) Sódio, cujo número atômico é 11.

c) Estanho, cujo número atômico é 50.

d) Césio, cujo número atômico é 55.

e) Rádio, cujo número atômico é 88.


Ciências 73
Átomo: um constituinte da matéria

5.2 A distribuição dos elétrons em subníveis de energia

C omo você já sabe, a ciência não é estática e, por isso, através de novos estudos, os pesquisadores
descobriram que os níveis de energia são divididos em subníveis de energia.
Atualmente, são conhecidos quatro subníveis de energia, representados pelas letras s, p, d, f,
respectivamente. Em cada subnível são encontradas quantidades diferentes de elétrons: o nível s possui,
no máximo, 2 elétrons; o nível p, 6; o nível d, 10; e o nível f, 14. Esses dados estão resumidos na tabela a
seguir:

Subnível Número máximo de elétrons


s 2
p 6
d 10
f 14

Para representar cada subnível, deve-se utilizar o valor de n, ou seja, do nível energético (de 1 a 7),
seguido pela letra que indica o subnível (s, p, d, f ). Por exemplo, 1s representa o subnível s do primeiro
nível energético (n = 1); 4f representa o subnível f do quarto nível energético (n = 4).
Agora que você já conhece os níveis e os subníveis de energia, e as respectivas quantidades de elétrons
em cada um deles, é possível determinar quantos subníveis cada nível possui.

Nível (n) Número máximo de elétrons Subníveis conhecidos


1 (K) 2 1s
2 (L) 6 2s, 2p
3 (M) 18 3s, 3p, 3d
4 (N) 32 4s, 4p, 4d, 4f
5 (O) 32 5s, 5p, 5d, 5f
6 (P) 18 6s, 6p, 6d
7 (Q) 8 7s, 7p

Além disso, ao investigar a ordem crescente de energia dos elétrons, os pesquisadores descobriram
que, às vezes, um subnível possui mais energia do que outro referente a um nível inferior. Por isso,
para determinar a ordem correta do crescimento de energia nos subníveis, o cientista norte-americano
Linus Pauling elaborou um esquema, denominado diagrama de Linus Pauling, em que o cada subnível
também apresenta o nível ao qual ele pertence.

1s2
2s2 2p6
3s2 3p6 3d10
4s2 4p6 4d10 4f14
5s2 5p6 5d10 5f14
6s2 6p6 6d10
7s2 7p6

Diagrama de Linus Pauling.


Acervo CNEC
74 Ciências
Átomo: um constituinte da matéria

Linus Pauling, cientista responsável pela distribuição eletrônica em subníveis de energia.


Disponivel em: <http://osulibrary.oregonstate.edu>. Acesso em: 10 dez. 2014.

Nesta videoaula, você aprenderá a distribuir os elétrons de acordo com o modelo proposto
por Linus Pauling.
https://www.youtube.com/watch?v=DSxUVRoCaaY

eDistribution é um aplicativo que faz a distribuição eletrônica de Linus Pauling em iPhones/


iPods touch. Além disso, ele traz informações adicionais sobre o elemento, como o seu grupo,
a sua família na tabela periódica etc.
https://itunes.apple.com/br/app/edistribution/id372535608?mt=8

Para construir esse diagrama, coloque, inicialmente, todos os subníveis de energia


conhecidos para cada nível (utilize uma linha para cada nível). Na sequência, faça linhas
diagonais ao diagrama e paralelas entre si. O sentido das linhas indica a ordem de crescimento
da energia. Você pode, ainda, representar o número máximo de elétrons para cada nível,
colocando o número de elétrons (2, 6, 10 ou 14) sobrescrito em relação à letra (s, p, d ou f ),
da seguinte forma: s2, p6, d10, f14.
Portanto, a partir do diagrama de Linus Pauling, descobre-se que a ordem crescente de
energia é:

1s2, 2s2, 2p6, 3s2, 3p6, 4s2, 3d10, 4p6, 5s2, 4d10, 5p6, 6s2, 4f14, 5d10, 6p6, 7s2, 5f14, 6d10, 7p6

Atenção!
Lembre-se de que você não precisa decorar essa sequência: basta aprender a construir o diagrama e,
assim, você consegue determiná-la.
Ciências 75
Átomo: um constituinte da matéria

Para realizar a distribuição dos elétrons nos subníveis energéticos, basta preenchê-los na sequência
de energia, até completar o número de elétrons desejado. Veja, agora, alguns exemplos da distribuição
dos elétrons (também chamada de configuração eletrônica) de determinados elementos químicos em
subníveis de energia.

– Flúor (Z = 9): 1s2, 2s2, 2p5


– Níquel (Z = 28): 1s2, 2s2, 2p6, 3s2, 3p6, 4s2, 3d8
– Mercúrio (Z = 80): 1s2, 2s2, 2p6, 3s2, 3p6, 4s2, 3d10, 4p6, 5s2, 4d10, 5p6, 6s2, 4f14, 5d10

Perceba que, a partir dessa distribuição eletrônica nos subníveis, é possível determinar a distribuição
eletrônica nos níveis energéticos. Para isso agrupe os elétrons da camada 1 (ou K), os da camada 2 (ou L)
e, assim, sucessivamente. Veja só:

• Flúor (Z = 9) → 1s2 2s2 2p5


K=2 L=7

• Níquel (Z = 28) → 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d8



K=2 L=8 M = 16 N=2

No primeiro caso, a distribuição em níveis segue as regrinhas que você estudou anteriormente, pois
o flúor é um elemento representativo. No entanto, para o níquel, a distribuição nos níveis não segue às
regras, pois ele é um elemento de transição – e não representativo.
Dessa forma, utilizando os subníveis de energia, é possível realizar a distribuição eletrônica em níveis
de energia tanto dos elementos representativos quanto dos demais elementos, chamados elementos
de transição. Lembre-se de que, no caso dos elementos representativos, você pode utilizar somente a
distribuição em níveis.

Saiba mais
A distribuição eletrônica dos íons é semelhante. No entanto o átomo ganha ou perde elétrons sempre da
última camada eletrônica, e não do subnível mais energético.
Por exemplo, o íon Fe2+ possui 2 elétrons a menos. Para fazer a sua distribuição eletrônica, inicia-se realizando
a distribuição do átomo eletricamente neutro (Z = 26):

Fe: 1s2, 2s2, 2p6, 3s2, 3p6, 4s2, 3d6 ou K = 2, L = 8, M = 14, N = 2

Na sequência, retiram-se os 2 elétrons do nível mais energético: nesse caso, nível 4 ou N, de modo que a
distribuição fique da seguinte forma:

Fe+2: 1s2, 2s2, 2p6, 3s2, 3p6, 3d6 ou K = 2, L = 8, M = 14

Exercícios de sala

2 Realize a distribuição eletrônica destes átomos em subníveis e, na sequência, em níveis de energia.


a) Enxofre (Z = 16).
76 Ciências
Átomo: um constituinte da matéria

b) Titânio (Z = 22).

c) Zinco (Z = 30).

d) Estanho (Z = 50).

e) Chumbo (Z = 82).

3 A distribuição eletrônica em subníveis de energia de certo átomo é: 1s2, 2s2, 2p6, 3s2, 3p6, 4s2, 3d10, 4p6,
5s2, 4d10, 5p6, 6s2, 4f14, 5d10, 6p4. A partir desses dados, determine:

a) a distribuição eletrônica em níveis de energia.

b) o número de elétrons.

c) o número atômico.

5.3 Classificação e propriedades dos elementos químicos

Você se lembra...
O número atômico, representado pela letra Z, indica a quantidade de prótons existentes no núcleo de
um átomo. Esse número é representado na parte inferior esquerda do símbolo atômico, como se observa a
seguir:

6C 79AU
Na tabela periódica atual, os elementos estão dispostos em ordem crescente de número atômico, formando
os períodos nas linhas horizontais e as colunas nas linhas verticais.
1 Com massas atômicas referidas ao isótopo 12 do Carbono 18
1 1 2 2
12
( C = 12,000)
He
HÊLIO

HIDROGÊNIO
1.007 94(7) 2 13 14 15 16 17 4,002 602(2)
3 2 4 2 5 2 6 2 7 2 8 2 9 2 10 2
1 2 3 4 5 6 7 8

BORO

LÍTIO
FLÚOR
NEÔNIO

OXIGÊNIO

CARBONO

BERÍLIO
Li Be B C N O F Ne

NITROGÊNIO
6.941(2) 9.012 182(3) 10.811(7) 12,0107(8) 14.0067(2) 15.9994(3) 18.998 4032(5) 20.1797(6)
11 2 12 2 ELEMENTOS DE TRANSIÇÃO 13 2 14 2 15 2 16 2 17 2 18 2
8 8 8 8 8 8 8 8
1 2 3 4 5 6 7 8

SILÍCIO
CLORO

SÓDIO
ARGÔNIO

ALUMÍNIO
ENXOFRE

FÓSFORO
Na Mg AI Si P S CI Ar

MAGNÉSIO
22.989 770(2) 24.305(6) 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 26.981 538(2) 28.0855(3) 30,973 761(2) 32.065(5) 35.453(2) 39.948(1)
19 2 20 2 21 2 22 2 23 2 24 2 25 2 26 2 27 2 28 2 29 2 30 2 31 2 32 2 33 2 34 2 35 2 36 2
8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8
8 8 9 10 11 13 13 14 15 16 18 18 18 18 18
1
18 18 18
1 2 2 2 2 1 2 2 2 2 2 3 4 5 6 7 8

GÁLIO

ZINCO
BROMO

CÁLCIO
SELÊNIO

ARSÊNIO

FERRO
COBRE
K Ca

NÍQUEL
GERMÂNIO

TITÂNIO
CRIPTÔNIO

CROMIO
Ga Ge As Se Br Kr

POTÁSSIO
Ni Cu Zn

VANÁDIO
Sc Ti V Cr Mn Fe Co

COBALTO

ESCÂNDIO
MANGANÊS
39.0983(1) 40.078(4) 44.955 910(8) 47.867(1) 50.9415(1) 51.9961(6) 54.938 049(9) 55.845(2) 58.933 200(9) 58.6934(2) 63.546(3) 65.409(4) 69.723(1) 72,64(1) 74.921 60(2) 78.96(3) 79.904(1) 83.798(2)
37 2 38 2 39 40 2 41 2 42 2 43 2 44 2 45 2 46 2 47 2 48 2 49 2 50 2 51 2 52 2 53 2 54 2
2
8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8
8
18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18
18 18 18
8 8 9 10 12 13 13 15 16 18 18 18 18 18 18 18 18 18
IÔDO

ÍNDIO
2

ÍTRIO
1 1 1 2 5

CÁDMIO
2 2 1 6

RÓDIO
1 4

PRATA
TELÚRIO

NIÓBIO
2 3
XENÔNIO

2
ESTANHO

PALÁDIO
8
Pd Ag Cd

RUTÊNIO
ANTIMÔNIO

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh

RUBÍDIO
In Sn Sb Te I Xe

ZIRCÔNIO
TECNÉCIO
Rb Sr

ESTRÔNCIO
MOLIBDÊNIO
85.4678(3) 87.62(1) 88.905 85(2) 91.224(2) 92.906(2) 95.94(2) 98 101.07(2) 102.905 50(2) 106.42(1) 107.8682(2) 112.411(8) 114.818(3) 118.710(7) 121.760(1) 127.60(3) 126.904 47(3) 131.293(6)
2 2 71 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2
55 56 8
72 2 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86
8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8
18 8
18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18
18 18 18
18 32 32 32 32 32 32 32 32 32 32 32 32 32 32
32 32
TÁLIO
8 8

CÉSIO
BÁRIO
18

IRÍDIO
OURO
18

RÊNIO
17 18 18 18 18

ÓSMIO
15
ASTATO

9 11 12 13 14 18
CHUMBO

HÂFNIO
BISMUTO
POLÔNIO

10
RADÔNIO

LUTÉCIO
Cs Ba Lu

PLATINA
Hf Ta W Re Os Ir Pt Au Hg TI Pb Bi Po At 18
Rn

TANTÁLIO
1 2 2

MERCÚRIO
2 2 2 2 2 2 2 1 1 3 4 5 6 8

TUNGSTÊNIO
7
132.905 45(2) 137.327(7) 174,967(1) 178.49(2) 180.9479(1) 183.84(1) 186.207(1) 190.23(3) 192.217(3) 195.078(2) 196.966 55(2) 200.59(2) 204.3833(2) 207.2(1) 208.980 38(2) [209] [210] [222]
87 2 88 2 103 2 104 105 2 106 2 107 2 108 2 109 2 110 2 111 2 114 116
8 8 2 112 2
8 8 8 8 8 8 8 8 8 8
18 18 18 18 18 18 18 18 18 18
32 32 18 18
32 32 32 32 32 32 32 32 32 32
18 18

RÁDIO
32 32 32 32 32 32 32 32 32

HÁSSIO

FRÂNCIO
Fr Ra

DÚBNIO
32

BÓHRIO
Fl Lv
FLEROVIUM
LIVERMORIUM

AMETAIS
8 8
Lr Rf Db Sg Bh Hs Mt Ds Rg Cn METAIS

LAURÊNCIO
9 15 16 17

MEITNÉRIO
11 12 13 14

SEABÓRGIO
1 2 10 18

ROENTGENIUM
2 2 2 2

RUTHERFÓRDIO
DARMSTADTIUM
2 2 2 2 2
[233] [226] [262] [261] [262] [266] [264] [277] [268] [271] [272] [273] 2

NÚMERO ATÔMICO 57 2 58 2 59 2 60 2 61 2 62 2 63 2 64 2 65 2 66 2 67 2 68 2 69 2 70 2
8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8
18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18
18 20 21 22 23 24 25 25 27 28 29 30 31 32
9 8 8 8 8 8 8 9 8 8 8 8 8 8
ÉRBIO

CÉRIO
TÉRBIO
HÓLMIO
ITÉRBIO

TÚLIO

La Ce Nd Pm Sm Eu Gd Tb Dy Ho Er Tm Yb

SAMÁRIO
EURÓPIO

LANTÂNIO
NEODÍMIO
Pr 2 2 2 2 2 2 2 2 2

PROMÉCIO
2 2 2 2 2
GADOLÍNIO
DISPRÓSIO

PRASEODÍMIO
Átomo: um constituinte da matéria
Ciências

138,9055(2) 140,116(1) 140,907 65(2) 144,24(3) [145] 150,36(3) 151,964(1) 157,325(3) 158,925 34(2) 162,500(1) 164,930 32(2) 167,259(3) 168,934 21(2) 173,04(3)
Símbolo 89 2 90 2 91 2 92 2 93 2 94 2 95 2 96 2 97 2 98 2 99 2 100 2 101 2 102 2
8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8
18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18 18
32 32 32 32 32 32 32 32 32 32 32 32 32 32
18 18 20 21 22 24 24 25 27 28 29 30 30 31

TÓRIO
CÚRIO

NOME DO ELEMENTO
URÂNIO
FÉRMIO

ACTÍNIO
NOBÉLIO

Massa atômica
Ac Th Pa U Np Pu Am Cm Bk Cf Es Fm Md No
AMÉRICO

PLUTÔNIO

NEPTÚNIO
EINSTÊNIO

9 10 9 9 9 8 9 9 8 8 8 8 9 8
BERQUÉLIO
CALIFÓRNIO
MENDELÉVIO

PROTACTÍNIO
() - Número de Massa

ELÉTRONS NAS CAMADAS


2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2
do isótopo mais estável [227] 232,038(1) 231,035 88(2) 238,028 91(3) [237] [244] [243] [247] [247] [251] [252] [257] [258] [259]

Notas:
- Pesos atômicos padrões da IUPAC 2001 (significa massa atômica relativa) são listados com dúvidas na última figura em parênteses [R.D. Loss, Pure.Chem.75,1107-1122 (2003)]
Esses valores correspondem ao melhor conhecimento atual dos elementos em fontes terrestres naturais. Para elementos que não têm nuclídeos estáveis ou de longa vida, o número de massa do nuclídeo com a meia vida
mais longa confirmada está listado entre colchetes.
- Elementos com números atômicos 112, 113, 114, 115 e 116 foram apresentados, mas não estão totalmente autenticados.
77
78 Ciências
Átomo: um constituinte da matéria

A tabela periódica atual é composta por 18 colunas (famílias) e por 7 períodos (linhas). De acordo
com a IUPAC (sigla em inglês de União Internacional de Química Pura e Aplicada, entidade dedicada à
aplicação da química, reconhecida na padronização de nomenclatura dos compostos químicos), as colunas
são numeradas de 1 a 18. Algumas dessas colunas recebem nomes especiais, outras são conhecidas pelo
nome do primeiro elemento.
No DE
ELEMENTOS ELÉTRONS CURIOSIDADE
COLUNA NOME
QUÍMICOS DA CAMADA SOBRE A COLUNA
DE VALÊNCIA
Do latim alcali, que significa “cinza
das plantas” nas quais encontramos,
Li, Na, K, Rb, principalmente, sódio e potássio.
1 Metais alcalinos 1
Cs, Fr Em algumas regiões, utilizam-se
as cinzas da queima dessas plantas
para fazer sabão.

Metais Be, Mg, Ca, Sr, São chamados de terrosos devido ao


2 2
alcalino-terrosos Ba, Ra fato de serem encontrados na terra.
B, Al, Ga, In,
13 Grupo do boro 3
Tl
Grupo do C, Si, Ge, Sn,
14 4
carbono Pb
Grupo do
15 N, P, As, Sb, Bi 5
nitrogênio
Do grego khalkós, que significa
“formadores de cobre”, ou seja,
O, S, Se, Te,
16 Calcogênios 6 a maioria dos elementos dessa
Po
coluna estão associados ao cobre,
formando minérios.
Expressão grega que significa
17 Halogênios F, Cl, Br, I, At 7
“formadores de sais”.
Nome empregado devido ao fato
He, Ne, Ar, Kr,
18 Gases nobres 8 de serem pouquíssimo reativos com
Xn, Rn
outros elementos.

Os períodos são numerados de 1 a 7, e o número de cada período corresponde ao número de níveis


energéticos ocupados por elétrons e ao número da camada de valência. Observe:

No DE No DE CAMADAS No DA
PERÍODO NOME ELEMENTOS OCUPADAS POR CAMADA DE
QUÍMICOS ELÉTRONS VALÊNCIA
1 Muito curto 2 1 1
2 Curto 8 2 2
3 Curto 8 3 3
4 Longo 18 4 4
5 Longo 18 5 5
6 Muito longo 32 6 6
7 Incompleto Z = 87 em diante 7 7
Ciências 79
Átomo: um constituinte da matéria

De acordo com esses dados, podemos classificar os elementos químicos. Observe os seguintes
exemplos:

K=2 3o Período
11Na L=8 3 camadas
M=1 3a camada de valência

K=2 3o Período
17Cl L=8 3 camadas
M=7 3a camada de valência

Na tabela periódica, os elementos encontram-se, nos períodos e nas colunas, agrupados de acordo
com as suas semelhanças. Temos, portanto, quatro classificações distintas: o hidrogênio, os metais, os
ametais e os gases nobres.
O hidrogênio é um caso especial na classificação dos elementos: apresenta características comuns às
colunas 1 e 17. Por isso, devemos nos lembrar de que, embora ele, na tabela, esteja colocado acima dos
elementos da coluna 1, não faz parte de nenhum desses grupos.
Os metais, correspondentes a aproximadamente 2/3 dos elementos químicos da tabela, apresentam
características distintas: são excelentes condutores de eletricidade e de calor, apresentam brilho e cor
característicos, são maleáveis (podem ser transformados em lâminas) e dotados de ductibilidade (podem
ser transformados em fios).

Saiba mais

Disponível em: <http://www.malanijewelers.com>


Acesso em: 10 dez. 2014.
Alguns metais formam compostos químicos com muita
facilidade. Isso acontece porque eles têm uma maior facilidade
em perder elétrons. Alguns metais perdem elétrons com tanta
facilidade que não são encontrados sozinhos na natureza, mas
sim formando compostos, como é o caso do sódio e do potássio.
Já o ouro, a prata e a platina, os metais nobres, são pouco
reativos, por isso, são encontrados livres na natureza.
Disponível em: <www.moores.co.uk/
uploads>. Acesso em: 10 dez. 2014.

Disponível em: <www2.bonn.de>. Acesso


em: 10 dez. 2014.

Um bom exemplo do brilho característico dos


metais são os espelhos. Eles são formados por Por serem extremamente brilhantes, os metais como o
uma fina camada de prata na superfície de vidros ouro e a prata são amplamente utilizados na fabricação
lisos e transparentes. de joias e de objetos de decoração.
80 Ciências
Átomo: um constituinte da matéria

Os ametais são de aparência opaca, geralmente maus condutores de eletricidade e de calor. O silício,
por exemplo, é empregado na montagem de diversos circuitos eletrônicos.

Disponível em: <www.mikrocontroller.net>.


Acesso em: 10 dez. 2014.
Circuito eletrônico. Na sua composição, encontramos silício.

Os gases nobres, diferentemente dos demais elementos químicos, são inertes, ou seja, praticamente
não se combinam com outros elementos. São amplamente utilizados em luminosos de propagandas e em
lâmpadas fluorescentes.

Disponível em: <http://ah8892.bplaced.net/


Astronomie%20Website>. Acesso em: 10
dez. 2014.
Disponível em: <www.imotion.com.br>.
Acesso em: 10 dez. 2014.

Os gases nobres são utilizados em vários


tipos de iluminação, como neste luminoso de
gás neônio; já o Sol tem o gás hélio em sua
composição.

Além das classificações anteriores, os elementos da tabela periódica também são classificados em
elementos representativos e elementos de transição.
Os elementos representativos são os pertencentes às colunas 1, 2 e de 13 a 18. São elementos típicos,
que representam bem as suas propriedades.
Os elementos de transição possuem propriedades intermediárias entre os elementos representativos.
Existem, ainda, os elementos de transição interna, pertencentes aos 6o e 7o períodos: são os lantanídeos
e os actinídeos. Esses elementos raramente são encontrados em minerais na natureza.

Atenção!
Não se esqueça de que os elementos representativos são os únicos nos quais a distribuição eletrônica
utilizando apenas os níveis energéticos pode ser realizada. Nos outros elementos, é preciso fazer a
distribuição eletrônica nos subníveis.

Atualmente, são conhecidos 111 elementos químicos, dos quais 21 são artificiais (produzidos em
laboratório) e 90 são naturais (encontrados na natureza). Os elementos artificiais são classificados em
cisurânicos (possuem número atômico inferior a 92 – número atômico do elemento urânio) e em
transurânicos (possuem número atômico superior a 92).
Ciências 81
Átomo: um constituinte da matéria

Videoaula sobre a classificação periódica dos elementos químicos.


https://www.youtube.com/watch?v=VGr2b_fyKFI

O aplicativo leva à reflexão sobre o desenvolvimento tecnológico e a composição


química de novos produtos que surgem, diariamente, no mercado.
http://www.noas.com.br/ensino-medio/quimica/quimica-geral/tabela-periodica/
quimica-e-tecnologia/

Exercícios de sala

4 (Olimpíada Brasileira de Química Júnior) Uma equipe internacional de pesquisadores reunida em um


Centro de Pesquisa na Alemanha conseguiu sintetizar e provar a existência de 13 átomos de um novo
elemento químico (Z = 114). Publicada em 2010, a experiência consistiu em bombardear uma superfície
recoberta de plutônio por íons de cálcio, acelerados com a ajuda de um acelerador de partículas. Dois
núcleos atômicos de cálcio (Z = 20) e de plutônio (Z = 94) foram fundidos (fusão nuclear) para formar um
núcleo do novo elemento. Dois isótopos foram revelados durante a pesquisa, com números de massa
288 e 289.
Adaptado de http://www.lqes.iqm.unicamp.br/canal_cientifico/

Sobre esse novo elemento químico, é incorreto afirmar que:


a) é considerado um elemento transurânico.
b) ele apresenta átomos de massa 288 e 289.
c) é o primeiro elemento químico produzido pelo homem.
d) o seu número atômico resulta da soma dos números atômicos do cálcio e do plutônio.

5 (Olimpíada Brasileira de Química Júnior – Adaptada) O cádmio (Cd) apresenta número atômico igual
a 48, o zinco (Zn), no mesmo grupo, mas no período anterior, tem número atômico 30. Sabendo disso,
analise estas afirmativas e use (V) para o que for verdadeiro e (F) para o que for falso.
( ) Ambos têm mesma quantidade de nêutrons em seus núcleos.
( ) Eles têm propriedades semelhantes porque o número de prótons é igual nos dois elementos.
( ) O Cd possui a mesma configuração eletrônica que o Zn.
( ) Os dois elementos são ametais.

6 A seguir, você tem, na primeira coluna, a relação da classificação dos elementos químicos da tabela
periódica e, na segunda coluna, algumas de suas principais características. Relacione corretamente as
duas colunas:
1) Metais
2) Gases nobres
3) Ametais
4) Elementos representativos
5) Elementos de transição

( ) São inertes, ou seja, não se combinam com outros elementos. São muito utilizados em anúncios
luminosos.
( ) São elementos típicos, pertencentes às colunas 1, 2 e de 13 a 18.
( ) Correspondem a aproximadamente 2/3 dos elementos químicos da tabela, e são excelentes
condutores de eletricidade e de calor.
( ) Apresentam propriedades intermediárias, e entre eles estão os lantanídeos e os actinídeos.
( ) Possuem aparência opaca e são péssimos condutores de calor e de eletricidade.

A sequência correta é:
a) 4 – 5 – 1 – 2 – 3. d) 4 – 5 – 2 – 1 – 3.
b) 2 – 4 – 1 – 5 – 3. e) 2 – 4 – 1 – 3 – 5.
c) 5 – 4 – 1 – 3 – 2.
82 Ciências
Átomo: um constituinte da matéria

Exercícios propostos

7 Utilizando apenas as regras para a distribuição eletrônica em níveis de energia, realize a distribuição para
os átomos cujos números atômicos estão a seguir.
a) Magnésio (Z = 12).
b) Arsênio (Z = 33).
c) Xenônio (Z = 54).
d) Tálio (Z = 81).

8 Determine o número atômico e a distribuição eletrônica em níveis destes átomos, cujos subníveis de
maior energia estão representados.
a) 5p1.
b) 2p6.
c) 3d6.
d) 5d4.

9 O elemento químico cujo número atômico é Z = 25 é encontrado em pedras coletadas no fundo do mar.
a) Consulte a tabela periódica e escreva, em seu caderno, o nome e o símbolo desse elemento.
b) Realize a distribuição eletrônica em subníveis e em níveis desse elemento químico.
c) Quais são os outros elementos da família desse elemento químico?

10 Erupções vulcânicas liberam na atmosfera alguns elementos radioativos no estado gasoso, como o
elemento de número atômico 86.
a) Qual é o nome e o símbolo desse elemento?
b) Realize a distribuição eletrônica em subníveis e em níveis desse elemento químico.
c) A que grupo da tabela periódica ele pertence?
d) Quais as principais características dos elementos químicos desse grupo?
Ciências 83
Ligações químicas: a união entre os átomos

6. LIGAÇÕES QUÍMICAS: A UNIÃO ENTRE OS ÁTOMOS

A fórmula química da água é H2O; do cloreto de sódio é NaCl. O que significam essas representações?
Reúna-se em grupos para responder a essa questão. Depois, compare suas conclusões com as de seus
colegas de classe.

Além da fórmula química da água e do cloreto de sódio, você certamente conhece outras que tem
visto desde o 6o ano. Você sabe, por exemplo, que o gás carbônico tem fórmula CO2 e que o gás oxigênio
é representado por O2.
Seria possível escrever a fórmula de qualquer substância sabendo apenas quais átomos a formam? Sim,
isso é possível, e veremos de que forma ao longo deste capítulo.

6.1 Por que se formam ligações entre os átomos?

Apesar de serem conhecidos mais de 110 elementos químicos, esse número é muito pequeno perto da
infinidade de substâncias que existem no Universo. Isso ocorre devido à imensa capacidade de combinação
entre os átomos desses 110 elementos.
Acontece que os átomos da maioria dos elementos químicos não existem de forma isolada. O
nitrogênio é um bom exemplo. Não encontramos na natureza um único átomo desse elemento químico
isolado, mas encontramos a substância N2, o que significa que dois átomos de nitrogênio estão ligados
entre si, formando a molécula de gás nitrogênio.
Já os átomos dos gases nobres podem aparecer isolados. Mas por que isso ocorre?
Quando você estudou a estrutura do átomo, aprendeu que os elétrons giram ao redor do núcleo em
níveis de energia. Aprendeu, também, que nenhum átomo pode ter mais que 8 elétrons na última camada.
Mas... como esses átomos se unem para formar as várias substâncias que encontramos na natureza?
Agora, você vai aprender como ocorrem as ligações entre os átomos, e que os elétrons da última camada é
que são os responsáveis pelas ligações que ocorrem entre eles.
A união entre dois átomos é chamada de ligação química, e, para que essa ligação ocorra, é necessário
observar se realmente existe força de atração entre esses átomos e se os átomos tendem a doar ou a receber
elétrons.
As ligações químicas ocorrem para aumentar a estabilidade entre os átomos, ou seja, o principal
objetivo dessas ligações é fazer com que todos os átomos tenham 8 elétrons em sua camada de valência.

Observe entre os átomos a variação de acordo com a ligação feita. Note que os
gases nobres, quando unidos, apresentam-se energeticamente mais instáveis que os
demais átomos.
http://www.noas.com.br/ensino-medio/quimica/quimica-geral/ligacoes-quimicas/
interacoes-atomicas/

Videoaula sobre os principais tipos de ligações químicas. Recapitulação da


distribuição eletrônica em níveis e subníveis de energia.
https://www.youtube.com/watch?v=J5aXXmMylgY
84 Ciências
Ligações químicas: a união entre os átomos

6.2 Ligação iônica: a atração entre cargas elétricas opostas

Alguns átomos possuem elétrons “sobrando” em sua camada mais externa. Então, para que ele atinja a
sua estabilidade, é necessário que ele abra mão desses elétrons excedentes. Em outros átomos, ao contrário,
faltam elétrons, e eles precisam “ganhar” elétrons para se tornarem estáveis.
A ligação iônica ocorre exatamente entre esses dois tipos de elétrons: um com tendência a doar
elétrons e outro com tendência a receber os elétrons doados.
Para que você entenda como ocorre uma ligação iônica, tomemos como exemplo uma substância muito
utilizada na culinária e que você conhece bem: o sal de cozinha, que tem como principal componente o
cloreto de sódio (NaCl).
Observe a distribuição eletrônica em níveis de energia do sódio e do cloro:

K=2 K=2
11Na L=8 17Cl L=8
M=1 M=7

Note que o sódio tem 1 elétron na sua camada de valência; portanto, apresenta-se instável e precisa
doar esse elétron para se estabilizar. O cloro, por sua vez, tem 7 elétrons na sua camada de valência e
também é instável, necessitando receber 1 elétron para atingir a estabilidade.
O sódio, ao doar o seu elétron, ficará com carga positiva +1 e formará o cátion Na+. O cloro, ao
receber 1 elétron, ficará com carga negativa -1, formando o ânion Cl-.

Você se lembra...

Íon é todo átomo eletricamente carregado. Se o átomo perde elétrons, fica com prótons a mais, torna-se
positivo e passa a ser chamado de cátion; se ele ganha elétrons, torna-se negativo e é chamado de ânion.
As ligações iônicas são formadas pela atração entre íons de cargas opostas. No exemplo anterior, os
íons sódio e cloreto têm cargas opostas, então, atraem-se mutuamente e se unem:

O sódio “doa” 1 elétron para o cloro...


-
- - - -
- - - -

- - - - - - - - - -

- - - - -
- - -
-
Sódio (Na) Cloro (Cl)

-
- - - -
- - - -
+ -
- - - - - - - - - -

- - - - -
- - -
-
...os dois átomos ficam eletricamente
carregados e se atraem. Ambos os átomos
apresentam 8 elétrons na camada de valência
e se estabilizam.
Acervo CNEC
Ciências 85
Ligações químicas: a união entre os átomos

A fórmula utilizada para representar as ligações entre os átomos é a fórmula de Lewis, ou fórmula
eletrônica, na qual são demonstrados os elétrons da camada de valência e suas ligações com os átomos:
1–
Na Cl Na1+ Cl

Para a formação de alguns compostos, é necessária a presença de mais de um dos átomos. Um exemplo
disso é o fluoreto de cálcio, muito utilizado pelos dentistas. Esse composto apresenta fórmula CaF2.

K=2 Camada de valência com 7


20Ca L=8 Camada de valência com 2 K=2
elétrons que serão doados. 9F L=7
elétrons. Precisa receber 1
M=8 elétron para se tornar estável.
N=2

Nesse caso, foram necessários dois elétrons de flúor para estabilizar um elétron de cálcio. O cálcio tem
dois elétrons na sua camada de valência, e a tendência é que ele doe esses dois elétrons ao outro elemento,
formando o íon cálcio, de carga +2. Observe:

F 1–
Ca Ca2+ F
F 2

Elementos com até 3 elétrons na camada de valência tendem a doar esses elétrons; já os elementos que
possuem de 4 a 8 elétrons na sua camada de valência apresentam tendência a receber elétrons doados.
A maioria dos metais tem de 1 a 3 elétrons na sua camada de valência. Os ametais apresentam de 4 a 7
elétrons na sua camada de valência. Portanto a ligação iônica ocorre sempre entre um metal e um ametal.
Acompanhe, na tabela a seguir, o comportamento dos elementos representativos:

***Coluna No de elétrons de valência Fórmula de Lewis Tendência Carga do íon


*1 1 **A Doar elétrons +1

2 2 A Doar elétrons +2

3 3 A Doar elétrons +3

4 4 A Receber elétrons –4

5 5 A Receber elétrons –3

6 6 A Receber elétrons –2

7 7 A Receber elétrons –1

* O hidrogênio constitui uma exceção na coluna 1, pois ele apresenta tendência a receber 1 elétron,
adquirindo carga negativa -1.
** Os elementos foram representados, de forma geral, pela letra A.
*** Os gases nobres, apesar de também serem elementos representativos, não foram incluídos essa tabela
por já serem estáveis.
86 Ciências
Ligações químicas: a união entre os átomos

Para escrever a fórmula de um composto iônico, basta utilizar esta regrinha muito prática:

A+x B–y → Ay Bx
Exemplo:
K=2
L=8 K=2
20
Ca M=8 9
F L = 7 → ganha 1 elétron, formando
N = 2 → perde 2 elétrons, formando o ânion F–
o cátion Ca+2

Ca+2 F– → CaF2

Saiba mais

No nosso cotidiano, estamos rodeados de substâncias formadas através de ligações iônicas. Você, com
certeza, já teve contato com:

Disponível em: <www.kariesvorbeugung.de>. Acesso em: 10 dez.


2014.
• Cloreto de sódio (NaCl): o famoso sal de cozinha, no qual também
encontramos o elemento iodo, exigido por lei, para evitar o bócio.

• Sulfato de cálcio (CaSO4): é um dos constituintes do giz escolar e do gesso.


Disponível em: <http://meds.queensu.ca>.Acesso em:
10 dez. 2014.
Ciências 87
Ligações químicas: a união entre os átomos

• Bicarbonato de sódio (NaHCO3): utilizado como antiácido estomacal, como fermento para pães e bolos na
composição de extintores de incêndio.

Disponível em: <http://robinwoodchurch.files.wordpress.com>. Acesso em: 10 dez. 2014.

• Fluoreto de sódio (NaF): fortalece os dentes, prevenindo as cáries.

Disponível em: <http://mediaroots.org/uploads/images/teeth.jpg>. Acesso em: 10 dez. 2014.

Exercícios de sala

1 Um átomo A se liga a um elemento B de número atômico Z = 12 através de ligação iônica. O elemento A


é metal ou ametal? Justifique.
88 Ciências
Ligações químicas: a união entre os átomos

2 Qual é a fórmula resultante da união de um elemento da coluna 2 e outro da coluna 17? Considere o
elemento da coluna 2 como sendo A e o da coluna 17, B.

3 Considerando os elementos cloro e magnésio,


a) Faça a distribuição eletrônica nos níveis de energia para os dois elementos.
b) Indique o tipo de ligação que pode ocorrer entre eles, representando, também, a fórmula de Lewis.

4 A cal viva é muito utilizada na construção civil e na agricultura para correção da acidez do solo. Ela é
representada pela fórmula CaO.
a) Em que coluna e em que período estão localizados os elementos que a compõem?
b) Qual é a ligação química existente na cal viva?

6.3 Ligação covalente: os elétrons são compartilhados

Faça a distribuição eletrônica do elemento químico oxigênio. Indique o número de elétrons de valência e
diga como esse átomo pode adquirir estabilidade.

Você aprendeu anteriormente que, na ligação iônica, ocorre a união de um átomo que precisa doar
elétrons com um átomo que precisa receber elétrons. Mas seria possível a união de dois átomos que
precisem receber elétrons?
A resposta a essa pergunta é sim. Na ligação covalente, os átomos se unem por compartilhamento
de elétrons, formando moléculas. Aqui, não ocorre a doação de elétrons de um átomo para outro, já que
ambos necessitam ganhar elétrons para se estabilizar; assim sendo, nenhum dos átomos se transforma em
íons.
Normalmente, a ligação covalente constitui-se da união de dois ametais, ou do hidrogênio com algum
ametal.
Observe, a seguir, que os novos pares eletrônicos formados são resultado da união de um elétron de
cada átomo. Portanto esse par eletrônico pertence, ao mesmo tempo, aos dois átomos.
Ciências 89
Ligações químicas: a união entre os átomos

Tomemos como exemplo o gás nitrogênio, molécula formada por dois átomos desse elemento:

Camada de valência com 5 elétrons.


K=2
7N Precisa de mais 3 elétrons para se
L=5
tornar estável.

Como os dois átomos de nitrogênio necessitam receber 3 elétrons para se estabilizar, haverá a
aproximação dos elétrons desses átomos, que passarão a pertencer, simultaneamente, aos dois átomos.
Assim como na ligação iônica, na ligação covalente também utilizamos a fórmula de Lewis para
representar os elétrons:
N N
Além disso, é possível representar as ligações entre os átomos. Essa representação é a fórmula de
Couper, ou estrutural. Nela, cada par eletrônico compartilhado é representado por um traço:

3 pares de elétrons compartilhados


N N
3 ligações = 3 traços

Quando dois átomos se unem por uma ligação covalente, tem-se uma simples ligação. Se eles estão
unidos por duas ligações covalentes, falamos em dupla ligação, e, se forem três ligações covalentes, falamos
em tripla ligação.

Saiba mais

Disponível em: <http://blog.alfiegoodrich.com>.


Acesso em: 10 dez. 2014.
As substâncias formadas através de ligações covalentes são chamadas
de substâncias moleculares, e podem ser encontradas nos estados sólido,
líquido e gasoso. Veja alguns exemplos de substâncias moleculares do nosso
dia a dia:
Disponível em: <http://blogs.nailsmag.
com>. Acesso em: 10 dez. 2014.

O dióxido de carbono que


enche esse balão é um exemplo
de substância molecular no
estado gasoso.
A água que bebemos é um exemplo de
substância molecular no estado líquido.
Disponível em: <http://charlottesville.
classicpartyrentals.com>. Acesso em: 10
dez. 2014.

O açúcar que utilizamos para adoçar o café


é um exemplo de substância molecular no
estado sólido.
90 Ciências
Ligações químicas: a união entre os átomos

Exercícios de sala

5 As substâncias metano (CH4), gás cloro (Cl2), água (H2O) e cloreto de cálcio (CaCl2) formam-se graças
à união de seus átomos através de ligações
a) covalentes, covalentes, covalentes e iônicas.
b) covalentes, iônicas, covalentes e iônicas.
c) metálicas, iônicas, iônicas e metálicas.
d) covalentes, covalentes, iônicas e iônicas.
e) covalentes, covalentes, iônicas e metálicas.

6 A fórmula N Ξ N indica que os átomos de nitrogênio estão compartilhando três


a) prótons.
b) elétrons.
c) pares de prótons.
d) pares de nêutrons.
e) pares de elétrons.
 
7 Considere os elementos químicos carbono, sódio, cálcio e hidrogênio. Indique quais desses os elementos
podem formar ligações covalentes com o cloro e, seguida, escreva a fórmula eletrônica de um dos
compostos covalentes formados.

6.4 Ligação metálica: a união entre dois metais

Disponível em: <http://2.bp.blogspot.com>. Acesso em: 11 dez.


2014.
A presença do metal na vida dos homens não é um fato recente.
Lembre-se de que alguns períodos na nossa história são caracterizados
de acordo com o uso dos metais, como, por exemplo, a Idade do
Ferro ou a Idade do Bronze.
Ouro, prata e cobre, por exemplo, já eram utilizados no ano
5000 a.C. Já o ferro começou a ser utilizado por volta de 1300 a.C.
e, no primeiro milênio antes de Cristo, foi amplamente empregado
na fabricação de armas, fato que modificou totalmente o curso da
história.
Se você observar ao seu redor, verá que vários dos objetos que
o cercam possuem algum tipo de metal na sua composição. Alguns
aparelhos modernos, como os MP4, ou até mesmo o controle do
aparelho de televisão, funcionam com o uso de pilhas
ou de baterias, que são fabricadas a partir de metais. Na Idade Média, as armaduras eram
produzidas com metais.

Atualmente, temos uma infinidade de


equipamentos que nos proporcionam
conforto e comodidade, a maioria deles com
funcionamento a pilhas, as quais possuem
algum tipo de metal em sua composição.

Disponível em: <www.cambridgeaudio.com>.


Acesso em: 11 dez. 2014.
Ciências 91
Ligações químicas: a união entre os átomos

Infelizmente, a ampla utilização dos metais tem provocado grandes impactos ambientais, como a
destruição de ambientes inteiros para a sua extração, a emissão demasiada de poluentes por metalúrgicas
e a contaminação de rios por metais pesados.

Como os átomos se unem para formar as substâncias metálicas?


Os elétrons, negativos, são atraídos pelo núcleo do átomo, positivo. Tal atração é responsável pelo fato
de os elétrons não abandonarem o átomo.
Imagine, agora, uma barra de ouro. Nela, existe um aglomerado de átomos, no qual cada átomo está
rodeado por muitos outros. A estrutura permanece unida porque o núcleo de cada átomo exerce atração
não apenas sobre os elétrons de sua eletrosfera, mas também sobre todos os outros elétrons dos átomos
vizinhos. Por outro lado, os elétrons de um átomo não se encontram totalmente presos apenas ao núcleo
desse átomo, ou seja, eles também podem circular por toda a barra de ouro. Esse fenômeno chama-se mar
de elétrons, ou nuvem eletrônica.

- - - - -
Disponível em: <http://businesstm.com/investment-
traders>.Acesso em: 11 dez. 2014.

+ - + - + - + - + -
- - - - -
- -
- -
+ + + + +
- - - -
- - -
- - -
+ + + - + +
- - - -
-

Acervo CNEC
- -
+ - + - + + - + -
- - - - - - -
-

As barras de ouro são formadas por um aglomerado Enquanto o núcleo dos átomos se mantém fixo, os elétrons
de átomos do elemento ouro, unidos por ligação circulam livremente pela barra de ouro, formando a nuvem
metálica. eletrônica.

Saiba mais

Ligas metálicas
São resultado da mistura de dois ou mais elementos. Há vários exemplos de ligas metálicas em nosso
cotidiano:
• Ouro 18 quilates: liga de ouro e cobre muito utilizada pelos joalheiros. É composta por aproximadamente
75% de ouro 24 quilates (ouro puro) e 25% de prata, cobre ou bronze. Essa liga surgiu porque o ouro 24
quilates é muito maleável e, por isso, não serve para a confecção de joias.
• Muito apreciado por seu brilho intenso, o ouro branco tem frequentemente muito utilizado na fabricação de
joias. Ele é composto por 75% de ouro 24 quilates, 15% de prata e 10% de paládio. Mas não pense que o ouro
branco apresenta brilho naturalmente: os joalheiros fazem o banho de ródio para que ele adquira aspecto
brilhante.
• Latão: liga de cobre e zinco. É utilizada na fabricação de torneiras, armas, tachos e bacias.
• Bronze: Formada por cobre e estanho, essa liga e comumente utilizada na fabricação de sinos, instrumentos
musicais, estátuas, medalhas e monumentos.
• Amálgama: muito utilizada em obturações dentárias, é composta por mercúrio, prata e estanho.
• Aço: Composta de ferro e de uma pequena quantidade de carbono, essa é a liga metálica mais utilizada pela
nossa população. O aço pode ser encontrado automóveis, navios, ferramentas, trilhos de trem, elevadores,
entre outros.
• Há, ainda, o aço inoxidável, formado por ferro e cromo, níquel ou molibdênio, e é bastante empregado em
utensílios domésticos.
92 Ciências
Ligações químicas: a união entre os átomos

As ligas metálicas utilizadas nos implantes ósseos e dentários melhoram a vida de


milhões de pessoas no mundo todo. Ciência Sem Limites conversou com o Prof. Dr. Luis
Augusto Rocha, a fim de desvendar o processo de criação das ligas metálicas.

https://www.youtube.com/watch?v=KAKKTLh9MPI

Exercícios de sala

8 Analise estas afirmativas e use (V) para o que for verdadeiro e (F) para o que for falso.
I) Um pedaço de metal sólido é composto por vários átomos.
II) Num retículo cristalino metálico, os átomos podem estar unidos por ligações iônicas ou covalentes.
III) Metais são bons condutores de eletricidade, mas são péssimos condutores de calor.
IV) O ferro é um metal com alta resistência à tração, razão pela qual é utilizado em cabos de elevadores
e em construções civis.

9 É um exemplo de liga metálica:


a) Ouro 18 quilates.
b) Ouro 24 quilates.
c) Diamante.
d) Grafite.
e) Enxofre.

10 Com relação aos metais, analise estas afirmativas e use (V) para que for verdadeira e (F) para o que for
falso:
I) Entre as propriedades que caracterizam os metais estão a condutibilidade térmica, a condutibilidade
elétrica, a maleabilidade e o brilho.
II) Os metais são bons condutores de eletricidade devido às ligações metálicas, nas quais os elétrons
estão livres, podendo mover-se entre os núcleos.
III) As ligas metálicas apresentam fortes ligações covalentes.

A sequência correta é:
a) F – F – V.
b) V – V – F.
c) F – V – F.
d) V – F – F.
e) V – V – V.

Exercícios propostos

11 (Olimpíada Brasileira de Química Júnior – Adaptada) A cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de
2008, em Pequim, foi um espetáculo maravilhoso, que deixou o mundo todo encantado. A fim de garantir
que nada atrapalhasse o andamento do evento, nem mesmo a chuva, os responsáveis pela festa deram
uma “mãozinha” para a natureza, forçando a ocorrência de precipitação logo antes de o espetáculo
começar. Para isso lançaram em direção ao céu bombas contendo iodeto de prata (AgI), substância
muito utilizada para concentrar umidade e provocar a ocorrência de chuva.
Ciências 93
Ligações químicas: a união entre os átomos

A afirmativa correta sobre o iodeto de prata é:


a) Na formação dessa substância, o átomo de iodo cede elétrons para o átomo de prata.
b) O átomo de prata forma ligação covalente com o átomo de iodo.
c) O AgI é um composto iônico; por isso, prata e iodo compartilham elétrons.
d) Prata e iodo são dois íons que formam entre si ligações metálicas.

12 (Olimpíada Brasileira de Química Júnior) O elemento químico “Ψ” pertence à família dos metais
alcalinos terrosos, enquanto o elemento “Θ” pertence à família dos halogênios, na tabela periódica. O
composto resultante da reação entre as formas elementares de “Ψ” e “Θ” é:
a) um composto iônico do tipo Ψ2Θ ;
b) um composto iônico do tipo ΨΘ2 ;
c) um composto molecular do tipo ΨΘ2 ;
d) um composto molecular do tipo ΨΘ.

13 Considere estas substâncias:

• Ouro 18 quilates • Água • Brometo de cálcio

• Gás nitrogênio • Amônia • Gás oxigênio

• Cloreto de sódio • Ferro • Latão

• Cobre • Cloreto de hidrogênio • Titânio

• Dióxido de carbono • Óxido de magnésio • Amálgama

a) Identifique o tipo de ligação química existente em cada uma delas.


b) Quais dessas substâncias são excelentes condutoras de eletricidade e de calor? Justifique sua
resposta.

14 Átomos do elemento X, da família 3A, combinam-se com Y, da família 5A. Sobre esses átomos temos
que:
I) O elemento X possui 3 elétrons na sua camada de valência.
II) O elemento Y possui 5 elétrons na sua camada de valência.
III) O composto formado possui fórmula X5Y3.
IV) O elemento X forma o íon X 3+.
V) O elemento Y forma o ânion Y3 –.

É correto o que se afirma em:


a) I, II e III apenas.
b) I, II, III e IV apenas.
c) II, III e IV apenas.
d) I, II, IV e V apenas.
e) I, II, III, IV e V.

15 A fórmula entre cátion X3+ e o ânion Y–1 é:


a) XY.
b) XY3.
c) X7Y.
d) X3Y7.
e) X7Y3.

16 Considere dois elementos químicos, A e B, com números atômicos iguais a 20 e 35, respectivamente.
a) Escreva a configuração eletrônica desses elementos. A que grupo da tabela periódica pertence cada
um?
b) Qual é a fórmula do composto formado por eles? Que tipo de ligação existirá entre A e B nesse
composto?
94 Ciências
Ligações químicas: a união entre os átomos

17 Considere estas substâncias: gás etano (C2H6), bromo líquido (Br2) e cloreto de magnésio (MgCl2).
a) Qual é o tipo de ligação estabelecida entre os átomos que compõem cada uma delas?
b) Dentre as substâncias citadas, represente as fórmulas eletrônica e estrutural apenas da(s) que
forma(m) compostos moleculares.

18 Ao combinarmos átomos em condições isoladas, 13Al, 19K, 53l, 16S, 1H e 8O, faça as fórmulas eletrônicas
(Lewis ou Couper) e a fórmula molecular de dois compostos iônicos e dois compostos covalentes.

19 Considerando-se os elementos químicos cálcio e enxofre, pede-se: (Números atômicos: S = 16; Ca = 20).
a) a distribuição eletrônica em níveis de energia para esses dois elementos;
b) a fórmula do composto obtido pela reação direta entre cálcio e enxofre, baseando-se no número de
elétrons do último nível para cada elemento;
c) o tipo de ligação química existente entre os dois elementos desse composto. justifique sua resposta.

Exercícios de aprofundamento

20 Por que a comida feita na panela de ferro fica pronta mais rapidamente do que a comida feita nas panelas
de barro? E por que os alimentos mantidos em panelas de ferro esfriam mais rápido?
Ciências 95
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

7. FUNÇÕES QUÍMICAS: DIFERENCIANDO AS PRINCIPAIS SUBSTÂNCIAS


QUÍMICAS À NOSSA VOLTA

No Universo, há uma grande variedade de substâncias químicas, que podem ser naturais, ou seja,
encontradas comumente no meio ambiente e no corpo dos seres vivos, e artificiais, ou seja, produzidas
em laboratório.
Tais substâncias são classificadas de acordo com características e comportamentos químicos comuns.
Baseado nisso, as substâncias estão divididas em dois grandes grupos: as funções inorgânicas e as funções
orgânicas.
As funções inorgânicas são aquelas que não possuem cadeias carbônicas em sua composição. São
divididas em quatro grupos: ácidos, bases, sais e óxidos. Já as funções orgânicas possuem cadeias
carbônicas em sua constituição. Dentre elas, podemos citar os hidrocarbonetos, os álcoois, os aldeídos,
os ácidos carboxílicos, as cetonas, os ésteres, os éteres, as aminas e as amidas.

Acervo CNEC
Substâncias Químicas

Inorgânicas Orgânicas

Ácidos Funções Funções


Hidrocarbonetos
oxigenadas nitrogenadas

Bases Álcool Amina

Sais Aldeído Amida

Óxidos Ácido
carboxílico

Éster

Eter

Cetona

Elenco das principais funções químicas

A situação destaca a curiosidade de uma menina que procura entender para


que serve o fermento do bolo. O usuário deve aprender sobre um dos tipos de
reações químicas. E, depois, testar seus conhecimentos em um exercício.
http://www.noas.com.br/ensino-medio/quimica/quimica-geral/reacoes-
inorganicas/a-magica-do-crescimento/

Vídeoaula sobre o estudo das funções inorgânicas que compreendem os


ácidos, bases, sais e óxidos.
https://www.youtube.com/watch?v=efU88fN_FCs
96 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

7.1 Funções inorgânicas I – Os ácidos geram o sabor azedo dos alimentos

Q uando se fala em ácido, geralmente se pensa numa substância extremamente perigosa, capaz de derreter
tudo. Na verdade, uma substância é ácida quando apresenta sabor azedo (isso, claro, quando se trata de
um alimento. Não coloque qualquer ácido na sua boca, pois isso pode ser perigoso).

Disponível em: <http://userdisk.webry.biglobe.


ne.jp> . Acesso em: 05 dez. 2014.

Disponível em: <http://image.blog.livedoor.jp>.


Acesso em: 05 dez. 2014.
Dísponível em: <http://img2.blogs.yahoo.co.jp>.
Acesso em: 05 dez. 2014.

Algumas substâncias, apesar de possuírem ácidos, como é o caso da laranja e do vinagre, não fazem nenhum mal. Outras,
como o ácido de bateria de automóvel, são corrosivas e tóxicas.

A acidez é uma propriedade das soluções aquosas em geral e afeta, portanto, toda a vida na Terra.
Uma outra característica dos ácidos é a capacidade de conduzir corrente elétrica quando diluídos em água.
Nesse caso, a condutibilidade elétrica é resultado da formação de íons, ou seja, de ionização, através da
quebra das ligações covalentes que constituem os ácidos.

Saiba mais
Disponível em: <www.su.se>.
Acesso em: 05 dez. 2014.

Na Antiguidade, já se procuravam explicações para o comportamento


químico dos ácidos. Antoine Laurent Lavoisier afirmava, em 1789, que “o
oxigênio é o princípio acidificante”, ou seja, ele acreditava que todo ácido
deveria ter oxigênio. Na mesma época, entretanto,foram descritos ácidos que
não continham oxigênio, como o ácido cianídrico, o ácido sulfídrico e o ácido
clorídrico.
Svante August Arrhenius (1859-1927), químico, físico e matemático sueco,
propôs, em 1887, uma teoria para explicar o comportamento dos ácidos.
Segundo o conceito de Arrhenius, ácidos são substâncias que, em solução
aquosa, sofrem ionização e formam exclusivamente cátions H+.
Svante August Arrhenius
Ciências 97
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

O nome de um ácido é dado de acordo com Ácido sulfúrico (H2SO4)


o nome do ânion formado durante o processo de Utilizado na produção de fertilizantes, em
ionização. Sendo assim, temos: soluções de baterias de automóveis, em indústrias
de papel e no refino de açúcar.
Terminação
Terminação do
correspondente para o Ácido fluorídrico (HF)
nome do ânion
nome do ácido Tem a propriedade de corroer o vidro e o
-eto -ídrico cristal, sendo, então, utilizado para fazer gravações.
-ato -ico Deve ser armazenado em sacos plásticos.
-ito -oso
Ácido nítrico (HNO3)
Para dar nome a um ácido, portanto, você Utilizado na fabricação de explosivos, como
deverá obedecer à seguinte regrinha: o TNT e a dinamite, e na fabricação de um
fertilizante chamado salitre.
Ácido + nome do ânion + terminação
correspondente Ácido carbônico (H2CO3)
Ácido presente em refrigerantes e em águas
Veja os exemplos a seguir: gaseificadas.
• H2S → ácido sulfídrico (sua ionização produz
o íon sulfeto – S-2. Para dar o nome do ácido,

Disponível em: <www.eatlikenoone.com>.


Acesso em: 05 dez. 2014.
trocou-se apenas a terminação -eto pela terminação
-ídrico).
• H2SO4 → ácido sulfúrico (sua ionização
produz o íon sulfato – SO4-2. Para dar o nome
do ácido, trocou-se apenas a terminação -ato pela
terminação -ico).
• HNO2 → ácido nitroso (sua ionização produz
o íon nitrito – NO2-. Para dar o nome do ácido,
trocou-se apenas a terminação -ito pela terminação
-oso).

Alguns ácidos são muito comuns no nosso


dia a dia, seja por sua utilização, seja por sua
importância comercial. Veja, a seguir, os principais Ácido cianídrico (HCN)
ácidos do nosso cotidiano. Utilizado na fabricação de acrílico. Altamente
letal, foi o gás utilizado pelos nazistas em câmaras
Ácido clorídrico (HCl) de morte durante a Segunda Guerra Mundial.
É comercializado com o nome de ácido
muriático e é bastante utilizado para limpeza Ácido fosfórico (H3PO4)
e remoção de manchas de umidade de pisos, É empregado na fabricação de fertilizantes e
paredes, azulejos, entre outros. como conservante em refrigerantes de cola.
Disponível em <http://www.zevia.com>.>
Acesso em: 07 dez. 2014.
. (Adaptado). Acesso em: 05 dez. 2014.
Disponível em: <http://upload.wikimedia.org>
98 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Existem, ainda, outros ácidos muito importantes em nosso cotidiano. As frutas cítricas, como a
laranja e o limão, apresentam o ácido cítrico e o ácido ascórbico (vitamina C). O vinagre, tempero
muito apreciado em saladas, pode apresentar até 4% de ácido acético em sua constituição.
Quando nos submetemos a exercícios físicos intensos por tempo prolongado, ocorre a “quebra” da
molécula de glicose na ausência de oxigênio, levando à produção e ao acúmulo de ácido láctico nas células
musculares. Esse processo é chamado de fadiga muscular, a famosa cãibra.

Exercícios de sala
1 Escreva a fórmula dos ácidos a seguir. Se necessário, pesquise em livros ou na Internet.

a) Ácido clorídrico

b) Ácido bromídrico

c) Ácido sulfúrico

d) Ácido nitroso

e) Ácido nítrico

f) Ácido fluorídrico

g) Ácido iodídrico

h) Ácido cianídrico
Ciências 99
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

7.2 Funções inorgânicas II – As bases geram o sabor adstringente dos


alimentos.

Dizemos que uma substância é básica ou alcalina quando apresenta

Disponível em: <http://lh6.ggpht.com>.


Acesso em: 05 dez. 2014.
sabor adstringente, como a banana verde, que “aperta a boca”.

Busca
Uma substância é adstringente quando tem o poder de
comprimir, apertar, ou até mesmo diminuir as secreções.

Assim como os ácidos, as bases conduzem corrente elétrica quando


colocadas em água, pois são formadas por um cátion associado ao
ânion OH-. Portanto, em solução aquosa, as bases sofrem dissociação
iônica, ou seja, os seus íons se separam.

Saiba mais
Segundo o conceito de Arrhenius, as bases são substâncias que, em solução aquosa, sofrem dissociação
iônica e liberam exclusivamente o ânion hidroxila (OH-).

As bases são formadas por um cátion e pelo ânion hidroxila. Logo, para nomear uma base, devemos
proceder da seguinte maneira:

Hidróxido de + nome do cátion que está ligado à hidroxila


Por exemplo:
• O cátion sódio (Na+) forma a base NaOH, cujo nome é hidróxido de sódio.
• O cátion Ca+2 forma a base Ca(OH)2, cujo nome é hidróxido de cálcio.

Observe estas figuras:


Disponível em: <http://www.henkel.de>.
Acesso em: 07 dez. 2014.

Disponível em: <http://us.123rf.com>.


Acesso em: 07 dez. 2014.

Alguns produtos de limpeza, como detergentes, e produtos de higiene pessoal, como o creme dental, são constituídos
por bases.

As bases estão presentes nesses produtos, que são usados com frequência no nosso
dia a dia. Veja, a seguir, algumas bases comuns em nosso cotidiano.
100 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Hidróxido de sódio (NaOH)

Disponível em: <http://image38.webshots.com>.


Acesso em: 07 dez. 2014.
Comercializado com o nome de soda cáustica, é
utilizado na fabricação de sabão, de detergentes e de
produtos para desentupir pias.

Hidróxido de cálcio (Ca(OH)2)


É utilizado em construções, na preparação de
argamassa.

Hidróxido de magnésio (Mg(OH)2)


Comumente utilizado em produtos
O hidróxido de sódio é matéria-prima para a fabricação
farmacêuticos, como os antiácidos e os laxantes. de sabão em barra.

Hidróxido de amônio (NH4OH)


Amplamente utilizado na fabricação de fertilizantes, de explosivos, em produtos que facilitam a
remoção de crostas de gordura e na revelação de fotografias.

Hidróxido de alumínio (Al(OH)3)


Usando como antiácido estomacal.

Exercícios de sala
2 Escreva a fórmula de cada base:
a) Hidróxido de sódio

b) Hidróxido de potássio

c) Hidróxido de cálcio

d) Hidróxido de magnésio

e) Hidróxido de alumínio

f) Hidróxido de ferro II
Ciências 101
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

7.3 É ácido, básico ou neutro?

Práxis

Utilizando repolho roxo como indicador ácido-base


Material necessário
• 1 copo de água
• Folhas de repolho roxo cortadas em pedaços pequenos
• Copos de vidro
• Suco de limão
• Vinagre incolor
• Um produto de limpeza incolor à base de amoníaco
• Detergente incolor
• Água de cal
• Leite
• Sabão de coco dissolvido em água

Procedimento
Atenção! Não realize esta atividade prática sem a supervisão de um adulto.
1) Primeiramente, aqueça a água.
2) Em seguida, adicione os pedaços de repolho roxo à agua quente e coe a mistura. A solução obtida é
chamada de extrato de repolho roxo.
3) Adicione algumas gotas dessa solução a cada um dos produtos e anote, na tabela a seguir, as alterações
de cor observadas.

Resultados e discussão

1 Escreva, no quadro a seguir, o comportamento do repolho roxo após o contato com cada produto.

Coloração
Produto testado
Inicial Após a adição do extrato de repolho roxo
Suco de limão
Vinagre
Produto à base de amoníaco
Detergente
Água de cal
Leite
Sabão de coco com água

2 O que se pode dizer sobre o extrato de repolho roxo quando colocado em contato com substâncias
ácidas ou básicas?

Qualitativamente, podemos realizar testes visuais que nos indicam se uma substância é ácida ou
básica. Para isso, existem os indicadores ácido-base que nos fornecem, através de alterações de cor, o
caráter ácido ou básico de determinada substância. Para medir essa acidez ou alcalinidade, foi desenvolvida
uma unidade de medida chamada de pH, cujos valores variam de zero a 14. Assim, substâncias com pH
inferior a 7 são consideradas ácidas e, acima de 7, básicas.
102 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Ácido Neutro Básico

pH 0
de
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14
ric
o ico gr
e
at
e fé liv
a
an
o ia nt
e co
lfú
tr na m Ca Sa
s e ía l
ás Vi to um né rg on rcia
su teria g
de
h ag te m e
o
id b a co ue m De A m
Su co ng de co
Ác Su Sa e
L eit

Quando utilizamos um dos indicadores ácido-base, a mudança ou não de cor indicará o pH da


solução. Observe, a seguir, quais são os indicadores mais utilizados atualmente:

Indicador Cor do indicador Cor em meio ácido Cor em meio básico


Fenolftaleína Incolor Incolor Rosa
Azul de bromotimol Azul Vermelho Azul
Papel de tornassol Azul Vermelho Azul
Alaranjado de metila Amarelo Vermelho Amarelo
Indicador universal Amarelo esverdeado De vermelho a alaranjado De azul a verde

A partir de um pequeno incidente em sua cozinha, um garoto procura descobrir como ele
pode identificar substâncias ácidas ou básicas.
http://www.labvirtq.fe.usp.br/simulacoes/quimica/sim_qui_indicadores.htm
O aplicativo esclarece a necessidade da neutralização da acidez do estômago pela ingestão
de um antiácido e descreve esse processo, demonstrando a interação dos íons na formação da
água e como utilizar esses conhecimentos em outras situações- -problema.
http://www.labvirtq.fe.usp.br/applet.asp?time=14:45:54&lom=10721

Exercícios de sala
3 Considerando as faixas ou medidas de acidez destas soluções aquosas, classifique-as como ácidas,
neutras ou alcalinas:
a) Suco gástrico, cujo pH está entre 1,0 e 3,0_______________________________________________
b) Suco de limão, cujo pH está entre 2,2 e 2,4______________________________________________
c) Água destilada, cujo pH é 7,0_________________________________________________________
d) Coca-cola, cujo pH é 2,3_____________________________________________________________
e) Vinagre, cujo pH é 4,5_______________________________________________________________
f) Leite de magnésia, cujo pH é 10,5______________________________________________________
g) Amoníaco, cujo pH está entre 10,5 e 12_________________________________________________
h) Soda cáustica, cujo pH é 13__________________________________________________________

4 O azul de bromotimol é um indicador ácido-base que adquire as seguintes cores, em função do pH ao


qual é exposto:
pH Coloração
Até 6,0 Amarela
Entre 6,1
Verde
7,0
Acima de 7,1 Azul
Ciências 103
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Considere as soluções da questão anterior e responda. Se adicionarmos algumas gotas desse


indicador a cada uma delas, qual será a coloração observada em cada caso?
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

7.4 Reações químicas

Q uando um prego fica exposto à chuva, o que acontece com ele? Se deixamos a forma de gelo fora do
congelador, o que ocorre? Quando dissolvemos um comprimido efervescente de vitamina C na água, o
que podemos observar?
Como você pode ver, diariamente presenciamos vários tipos de transformações da matéria. O prego
fica enferrujado, o gelo se transforma em água líquida, o comprimido libera gás ao ser dissolvido.
As várias reações que ocorrem ao nosso redor podem ser classificadas como reações físicas ou reações
químicas. Das reações citadas acima, apenas a transformação do gelo em água líquida é física, ou seja, não
há alteração da composição química da substância (é a mesma água, apenas mudou de estado físico). Nas
outras, a composição química da matéria sofre alterações.
Em nosso organismo, também há uma série de reações químicas, como, por exemplo, as reações do
processo de respiração celular ou aquelas que ocorrem na digestão de alimentos. A seguir, você entenderá
como ocorrem as seguintes reações químicas: combustão, respiração, fotossíntese, formação da
ferrugem e as reações de neutralização.
Antes disso, conheça os elementos de uma equação química. Considere a seguinte reação:

H2SO4 + 2NaOH → Na2SO4 + 2H2O

Os compostos que se encontram à esquerda da seta são os reagentes, os que se encontram à direita
são os produtos. A seta nos indica qual é o sentido da reação química.
H2SO4 + 2NaOH → Na2SO4 + 2H2O

Reagentes Produtos

Você se lembra...
Nos seus trabalhos sobre a conservação das massas, Lavoisier afirmava que: ‘‘na natureza, nada se cria,
nada se perde, tudo se transforma’’. Em termos químicos, isso significa que, em um ambiente fechado, a
massa total antes de uma reação química é igual à massa total após essa reação, conforme se observa a
seguir:
hidrogênio + carbono → metano
1g 3g 4g

Massa = 1 g + 3 g = 4 g → Massa = 4 g

Combustão
Você, com certeza, já viu, em noticiários na TV, notícias sobre a preocupação mundial com a escassez
de combustíveis derivados do petróleo. Para fornecer a energia necessária a fim de que carros e muitas
máquinas se movimentem, é preciso realizar a combustão dessas substâncias.
Combustão é a queima de combustíveis fósseis na presença de oxigênio, processo que libera gás carbônico,
vapor de água e energia – que se converte em energia térmica, ou seja, produz calor. Observe a reação:

Combustíveis fósseis + O2 → CO2 + H2O


104 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Saiba mais
Os combustíveis fósseis são compostos formados apenas por átomos de carbono e hidrogênio. Por isso
são também chamados de hidrocarbonetos, uma das funções orgânicas que estudaremos em breve.

Respiração
O ser humano é dotado de sistemas complexos, que necessitam de grandes quantidades de energia
para construir o próprio corpo e manter o seu funcionamento adequado. Sendo assim, eles precisam
obter energia do meio ambiente, já que não possuem a capacidade de produzi-la. Obtemos nossa energia,
portanto, através da alimentação.
A principal fonte de energia para as nossas células é a glicose (C6H12O6). Essa substância altamente
energética entra nas células e, na presença do oxigênio que inspiramos no processo de respiração, é
“quebrada” em pedacinhos menores, liberando, então, a energia de que necessitamos. Como resultado
dessa quebra, são gerados, também, dióxido de carbono e água. Observe a equação geral da respiração:

C6H12O6 + O2 → CO2 + H2O + energia

Fotossíntese
Diferentemente dos animais, os vegetais têm capacidade de captar a energia do sol e transformá-la em
energia química, num processo chamado de fotossíntese.
Na presença de gás carbônico e de água, os vegetais formam substâncias ricas em energia, como a
glicose, e, ao mesmo tempo, liberam oxigênio para a atmosfera. Observe, a seguir, a equação geral da
fotossíntese:

CO2 + H2O + energia → C6H12O6 + O2

A partir da glicose produzida pelas plantas, os seres vivos conseguem formar outras moléculas mais
complexas, degradá-las e obter a energia de que as células necessitam.

Formação de ferrugem
A ferrugem nada mais é do que uma reação do ferro com o oxigênio presente no ar ou na água (é,
portanto, uma reação de oxidação). A equação geral da formação da ferrugem é:
Disponível em: <http://www.fotocent.de>.
Acesso em: 08 dez. 2014.

2Fe + O2 + 2H2O → 2Fe(OH)2

Com a presença da ferrugem, o material se degrada


com muito mais facilidade. Para evitá-la, é necessário
impedir que objetos de ferro entrem em contato com o
oxigênio. Veja como inibir esse contato:
• Passar óleo ou qualquer outra substância lubrificante na
superfície do ferro;
• Unir o ferro com algum metal de sacrifício.
A ferrugem torna os objetos de ferro mais
vulneráveis.

Busca
Metal de sacrifício é aquele que se oxida mais facilmente do que o ferro. Em geral,
utiliza-se o zinco, que irá se deteriorar primeiro e manter o ferro intacto.
Ciências 105
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Reações de neutralização
Muitas vezes, as indústrias utilizam reagentes como soda cáustica e cal, gerando resíduos extremamente
básicos (com pH acima de 10). Nesses casos, antes de serem descartados, passam por um processo de
correção de pH. Assim, é possivel conferir proteção e segurança ao meio ambiente.
Ao misturarmos um ácido e uma base, ocorre uma reação química de neutralização. Como a reação
entre eles produz um sal e água, o meio fica neutro; daí o nome da reação.
Observe, a seguir, alguns exemplos de reações de neutralização:
• HCl + NaOH  NaCl + H2O
A reação entre o hidróxido de sódio e o ácido clorídrico produz o cloreto de sódio (sal), formado pelo
ânion Cl-, resultante da ionização do ácido, e pelo cátion Na+, resultante da dissociação da base.

• H2SO4 + NaOH  Na2SO4 + H2O


A reação entre o hidróxido de sódio e o ácido sulfúrico produz o sulfato de sódio (sal), formado pelo
ânion SO4-2, resultante da ionização do ácido, e pelo cátion Na+, resultante da dissociação da base.

• HCN + KOH  KCN + H2O


A reação entre o hidróxido de potássio e o ácido cianídrico produz o cianeto de potássio (sal), formado
pelo ânion CN-, resultante da ionização do ácido, e pelo cátion K+, resultante da dissociação da base.

Esta história, explica por que, ao misturarmos o vinagre com o bicarbonato de sódio, há
o desprendimento de um gás e o aparecimento de “bolhas de espuma”.
http://www.labvirtq.fe.usp.br/applet.asp?time=14:45:54&lom=10847
Alguns amigos resolvem nadar em um rio, mas descobrem que a água está imprópria
para o banho e decidem investigar o porquê.
http://www.labvirtq.fe.usp.br/applet.asp?time=14:45:54&lom=10812

7.5 Funções inorgânicas III – Nem todo sal é salgado

Grande parte das pessoas, quando ouvem a palavra sal, logo se lembra do sal de cozinha. Estretanto,
se você conversar com um químico, ele irá perguntar a qual sal você está se referindo. Para eles, o sal de
cozinha (cloreto de sódio – NaCl) é apenas mais um entre tantos sais existentes na natureza.
Os sais são resultado de uma reação de neutralização entre um ácido e uma base; como produto, além
do sal, obtém-se água.

ácido + base → sal + água

Para que você entenda perfeitamente como funciona uma reação de neutralização, observe os seguintes
exemplos:
A reação entre o ácido clorídrico (HCl) e o hidróxido de sódio (NaOH) gera o cloreto de sódio
(NaCl). O NaCl é um sal formado por um cátion – o Na+, proveniente do NaOH – e por um ânion – o
Cl-, vindo do HCl.

HCl + NaOH → NaCl + H2O

O sulfato de sódio, Na2SO4, é obtido pela reação entre o hidróxido de sódio e o ácido sulfúrico
(H2SO4). Esse sal é formado pela união do cátion Na+ (vindo da base) com o ânion SO4-2 (vindo do
ácido).
106 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

H2SO4 + 2NaOH → Na2SO4 + 2H2O

Atualmente, existem centenas de sais conhecidos. Alguns estão disponíveis na natureza; outros podem
até mesmo ser produzidos em laboratório. Observe, a seguir, alguns dos sais mais utilizados pelo homem
no dia a dia.

Cloreto de sódio (NaCl)


Obtido pela evaporação da água do mar, o cloreto de sódio é um dos componetes do sal de cozinha.
Além disso, nesse sal, há iodeto de sódio e de potássio, cuja adição é obrigatória por lei, pois a falta de iodo
pode levar ao aparecimento de bócio.
O cloreto de sódio também é utilizado para a conservação de carnes, de pescados e de peles e, na
medicina, é usado na fabricação do soro fisiológico. Também é componente do soro caseiro e a principal
matéria-prima na fabricação da soda cáustica.

Fluoreto de sódio (NaF)


Usado para a prevenção de cáries dentárias.

Nitrato de sódio (NaNO3)


Utilizado na fabricação de adubo, também é conhecido como salitre do chile.

Carbonato de sódio (Na2CO3)


Conhecido por barrilha ou soda, é comumente utilizado no tratamento de água de piscinas, na
fabricação de sabão, de remédios e de corantes, mas sua principal aplicação é na fabricação de vidros.

Acesso em: 08 dez. 2014.


Disponível em: <http://www.gillinghampools.co.uk>.

As piscinas podem receber tratamento com carbonato de sódio.

Bicarbonato de sódio (NaHCO3)


Aplicado medicinalmente como antiácido estomacal (neutraliza o excesso de suco gástrico no
estômago). Observe:

NaHCO3 + HCl → NaCl + H2O + CO2

O CO2 liberado é o responsável pela eructação (“arroto”).


Uma outra aplicação do bicarbonato de sódio é na fabricação de pães e de bolos. Esse sal também
entra na composição de extintores de incêndio de espuma. Para isso, ocorre a seguinte reação:

H2SO4 + NAHCO3 sólido → forma-se uma espuma com liberação de CO2


Ciências 107
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Esse tipo de extintor não pode ser utilizado para apagar fogo de instalações elétricas, pois a espuma
conduz corrente elétrica.
O bicarbonato de sódio também é usado como componente dos talcos desodorantes, pois reage com
os ácidos liberados durante a transpiração, neutralizando-os.

Carbonato de cálcio (CaCo3)


Constituinte do calcário e do mármore, e utilizado para a fabricação de pias, estátuas pisos e escadarias
e vidros.
O carbonato de cálcio é insolúvel em água pura, mas dissolve-se bem em água com dióxido de
carbono da atmosfera.

CaCo3 + água + CO2 → Ca+2 + 2HCO3-

Essa é a principal reação responsável pela formação de cavernas de calcário, nas quais encontramos as
estalactites e as estalagmides. Essas formações ocorrem quando, no interior das cavernas, o gás carbônico
se desprende e provoca a precipitação do carbonato de cálcio:

Ca+2 + HCO3- → CaCo3 (precipitado) + água + CO2

O carbonato de cálcio também é utilizado na vinicultura, para diminuir a acidez do vinho, e em


cremes dentais, como abrasivo.

Disponível em: <http://www.basteldichblue.


com>. Acesso em: 08 dez. 2014.
Sulfato de cálcio
Na forma hidratada (CaSO4 . 2H2O), é conhecido
como gipsita, utilizado como gesso na medicina e na
construção civil. Na forma de sal anidro, ou seja, sem
água, é usado na fabricação do giz escolar.

Sulfato de magnésio
Comercializado com o nome de “sal amargo”, seu
efeito laxativo propicia sua aplicação na medicina.
Giz escolar, cuja matéria prima é o sulfato de cálcio
anidro.

Exercícios de sala
5 Dê as fórmulas dos sais a seguir. Para isso, consulte esta tabela:

Íon Nome
MnO4-1 Permanganato
NO3-1 Nitrato
ClO-1 Hipoclorito
SO4-2 Sulfato
CO3-2 Carbonato
Cr2O7-2 Dicromato
108 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

a) Permanganato de potássio

b) Iodeto de sódio

c) Cloreto de zinco

d) Nitrato de alumínio

e) Hipoclorito de sódio

f) Sulfato de cobre II

g) Carbonato de ferro II

h) Dicromato de potássio

7.6 Funções inorgânicas IV – Óxidos: formando ácidos e bases

G ás carbônico, dióxido de nitrogênio e de enxofre e água, elementos comumente encontrados na


natureza, são alguns exemplos de óxidos — substâncias binárias —, ou seja, formadas apenas por dois
tipos de elementos. Os óxidos são os elementos mais abundantes na natureza devido à grande quantidade
de oxigênio presente na crosta terrestre.
Ao trabalharmos com óxidos, é importante conhecer sua nomenclatura, que obedece às regras a
seguir:

1) Quando a ligação ocorre entre um dos elementos representativos das famílias 1 e 2 e o oxigênio, ou
entre o alumínio e o oxigênio, temos:
Óxido de + nome do elemento
Exemplos:
NaO → óxido de sódio
CaO → óxido de cálcio
Al2O3 → óxido de alumínio

2) Quando a ligação ocorre entre não metais e o oxigênio, temos:

Mono Di
Di Tri
Tri Tetra
Tetra + óxido de + Pent nome do não metal
Pent
...
...
Ciências 109
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Exemplos:
CO2 → dióxido de carbono
SO2 → dióxido de enxofre
N2O5  pentóxido de dinitrogênio

Os principais óxidos do cotidiano são encontrados na natureza, fazem parte das rochas, que servem
de matéria-prima para uma infinidade de substâncias de uso industrial. São eles:

Hematita
Principal fonte de ferro — encontrado em rochas ígneas e metamórficas. Nosso país possui grandes
reservas desse minério, localizadas no Quadrilátero Ferrífero (MG) e na Serra dos Carajás (PA).

Cassiterita
Principal fonte de estanho — no Brasil, os maiores produtores são Minas Gerais, Amapá, Goiás e
Rondônia. Devido à sua grande resistência à corrosão, é bastante utilizado na indústria automotiva e na
fabricação de latas para acondicionar alimentos.

Bauxita
Principal fonte de óxido de alumínio — encontrado em Ouro Preto (MG) e no Maranhão. É
amplamente utilizada na produção de cimento e de produtos refratários.

Magnetita
Esse minério é formado por óxidos de ferro e encontrado no Quadrilátero Ferrífero (MG). É a pedra-
ímã com maior poder magnético da Terra. Por causa dessa propriedade, já foi amplamente empregada na
fabricação de bússolas. Há magnetita também em meteoritos.

Saiba mais
O nome magnetita tem origem grega. A região da Magnésia, na Grécia, era rica nesse minério. Magnésia
significa “lugar das pedras mágicas”, pois essas pedras, magicamente, se atraíam.

Além dos óxidos encontrados na natureza, podemos citar, ainda:


Cal viva ou cal virgem
É utilizada na agricultura para combater a acidez do solo e também pode ser usada quando ocorrem
vazamentos em acidentes rodoviários ou em indústrias, para neutralizar a acidez do ácido sulfúrico. Essa
reação de neutralização é representada por:
CaO + H2SO4 → CaSO4 + H2O
Óxido de Ácido Sulfato Água
cálcio sulfúrico de cálcio
Dióxido de carbono ou gás carbônico
Quando tomamos água mineral com gás ou algum tipo de refrigerante, ingerimos gás carbônico, que
reage com a água e produz o ácido carbônico. Veja:

CO2 + H2O ← → H2CO3


Dióxido de Água Ácido
carbono carbônico
É por isso que, ao deixarmos uma garrafa de refrigerante aberta, ele fica aguado, ou “choco”, pois
ocorre a saída de grande parte do gás carbônico para o ambiente.
No estado sólido, o dióxido de carbono é conhecido como gelo seco, sendo utilizado em refrigeração
e como artifício cênico para shows e filmes.
110 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Atenção! O excesso de gás carbônico eliminado (principalmente através da queima de combustíveis


fósseis e de incêndios na vegetação) vai para a atmosfera e contribui para o aumento da temperatura do
nosso planeta — aquecimento global. Os gases dióxido de enxofre (SO2), monóxido de carbono (CO),
óxidos de nitrogênio (NOx) e ozônio (O3) são todos considerados poluentes atmosféricos.

Exercícios de sala
6 Dê os nomes dos óxidos a seguir:
a) Li2O_____________________________________________________________________________
b) Na2O____________________________________________________________________________
c) CO______________________________________________________________________________
d) BeO_____________________________________________________________________________
e) MgO____________________________________________________________________________
f) CaO_____________________________________________________________________________
g) Al2O3_______________________________________________________________________________________________
h) Cl2O5______________________________________________________________________________________________
i) NO______________________________________________________________________________
j) CO2_________________________________________________________________________________________________

7.7 As funções orgânicas compondo a química dos seres vivos

Reconhecimento das funções orgânicas a partir do grupo funcional.


https://www.youtube.com/watch?v=Xya9GaaSZa0

Funções orgânicas são grupos de substâncias separadas de acordo com suas semelhanças. Conhecer
essas substâncias é fundamental para o entendimento de quase tudo o que nos cerca, já que, desde a nossa
alimentação até os remédios que utilizamos, encontramos itens formados por compostos orgânicos.
As principais funções orgânicas são:
Hidrocarbonetos
São compostos formados apenas por hidrogênio e carbono. A maioria dos hidrocarbonetos conhecidos
é derivada do petróleo.
O petróleo origina-se a partir do soterramento de restos orgânicos de animais, depositados no
fundo de mares, os quais sofreram transformações químicas ao longo de milhares de anos. Portanto ele é
considerado um combustível fóssil.
Do fraçionamento do petróleo, obtemos produtos como a gasolina, o gás natural, a parafina, o
querosene, o óleo diesel, vários tipos de solventes e combustível de aviação. Infelizmente, devido ao uso
exagerado desse recurso natural não renovável, a emissão de gases que intensificam o efeito estufa tem
aumentado, promovendo o aquecimento global.

Três garotos estão passeando na praia quando percebem manchas escuras na areia
sobre a água do mar. O que será que causou essas manchas? De onde vem este material?
Como ele é formado? Para que ele serve? Veja aqui algumas respostas para estas questões!
http://www.labvirtq.fe.usp.br/simulacoes/quimica/sim_qui_petroleoemaltomar.htm

Álcoois
São compostos nos quais encontramos uma hidroxila (OH) ligada a um átomo de carbono. Nesse
grupo, identificamos o etanol ou álcool etílico, utilizado como combustível e como ingrediente de bebidas
alcoólicas.
Ciências 111
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

O álcool etílico pode ser obtido tanto artificialmente,

Disponível em: <http://mattkaiser12.files.wordpress.


com>. Acesso em: 07 dez. 2014.
em laboratório, quanto a partir da atuação de alguns
micro-organismos (como os fungos) sobre frutas, grãos ou
cana-de-açúcar. Trata-se de uma substância encontrada
tanto em bebidas alcoólicas, como o vinho, a cerveja e a
aguardente, quanto na indústria cosmética, como em alguns
cremes e perfumes.
A ingestão de bebidas alcoólicas é responsável por até
50% dos acidentes nas rodovias do Brasil. Por causa disso,
foi criada uma lei (Lei 11.705/08), que altera o Código
de Trânsito Brasileiro, proibindo o uso de qualquer
quantidade de bebida alcoólica pelos motoristas. Assim,
quem for pego no teste do bafômetro com qualquer Álcool e direção: uma combinação que nunca dá
certo!
quantidade de álcool por litro de sangue poderá ser preso,
pagar multa e até mesmo perder o direito de dirigir.

A ideia da simulação é informar sobre o álcool combustível e suas vantagens.


http://www.labvirtq.fe.usp.br/applet.asp?time=14:45:54&lom=10778

O aluno comenta com seu professor o problema vivido em casa com seu
pai, que está tornando-se um alcoólatra. Na escola, percebendo que o garoto está
muito triste, o professor vai conversar com ele.
http://www.labvirtq.fe.usp.br/applet.asp?time=14:45:54&lom=10817

Observe, no quadro a seguir, os efeitos de diferentes concentrações de álcool no organismo de uma


pessoa:
Concentração de álcool
Estágio Sintomas
no sangue (g/L)
0,1 a 0,5 Sobriedade Nenhum sintoma aparente.
Aumento da autoconfiança. Diminuição da atenção, do
0,3 a 1,2 Euforia
julgamento e do controle.
Sonolência, perda de memória recente, perda de
coordenação dos movimentos do corpo, visão
0,9 a 2,5 Excitação
embaralhada. Instabilidade das emoções, menor
inibição e perda do julgamento crítico.
Vertigens, desequilíbrio, dificuldade em pronun-
1,8 a 3,0 Confusão ciar certas palavras, sonolência, perda da noção de
espaço e de tempo e distúrbios da sensação.
Apatia e inércia geral. Vômitos, incontinência urinária
2,7 a 4,0 Estupor
e fezes.
Inconsciência, ausência de resposta a estímulos, diminu-
3,5 a 5,0 Coma
ição do ritmo cardíaco, da respiração e da temperatura.
Acima de 5,0 Morte Parada respiratória.

No Brasil, o etanol também é bastante utilizado como combustível de automóveis. Com a


conscientização do homem de que os combustíveis fósseis são recursos não renováveis, atualmente tem-se
priorizado o investimento na produção de álcool etílico e, ao mesmo tempo, o desenvolvimento de novos
biocombustíveis. Nesse contexto, o Brasil sai à frente dos outros países, pois as montadoras brasileiras
de automóveis lançaram os carros com motor flex, ou bicombustível, que podem utilizar tanto gasolina
quanto álcool.
112 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Aldeídos
O

São compostos nos quais encontramos a função C . O principal exemplo de aldeído é o etanal
H
ou aldeído acético, mais conhecido como formol, composto líquido com várias aplicações: preservativo,
antisséptico e desinfetante.

Saiba mais

lojaodaweb.com>. Acesso em: 07 dez. 2014.


Disponivel em: <http://cursodeescovaprogressiva.
A escova progressiva é uma técnica desenvolvida
para alisar os cabelos e diminuir o volume dos fios. Os
resultados de uma escova progressiva podem durar
de 2 a 6 meses, dependendo do tipo de cabelo da
pessoa.
Essa técnica gera muita polêmica, pois um dos
componentes da escova é o formol, que garante o efeito
liso dos cabelos. O formol é uma substância tóxica e que
pode causar reações na pele, nas mucosas, e até mesmo
destruir os fios de cabelo. Apesar de existirem produtos
adequados, muitos profissionais utilizam quantidades de
formol acima do que é permitido pela ANVISA (Agência Apesar de conferir um aspecto mais bonito e
saudável aos cabelos, as pessoas devem ficar
Nacional de Vigilância Sanitária), a fim de potencializar
atentas à composição dos produtos utilizados nos
os efeitos da escova progressiva. salões de beleza. O excesso de formol pode ser
prejudicial.

Ácidos carboxílicos
O
Apresentam a função C . Os principais representantes desse grupo são:
OH
• Ácido etanoico: também conhecido como ácido acético, é o principal constituinte do vinagre, utilizado
como tempero de saladas.
• Ácido metanoico: é um líquido que, se injetado no corpo humano, provoca irritação na pele, a mesma
de quando levamos uma picada de formigas. Também é conhecido como ácido fórmico, devido ao fato de
ser obtido a partir da maceração de formigas.

Saiba mais
O vinagre, tempero bastante apreciado em saladas, é
Disponível em: <http://1.bp.blogspot.com>.
Acesso em: 07 dez. 2014

obtido a partir de vinho que sofre a atuação de um grupo


especial de bactérias chamadas acetobactérias.
As primeiras referências ao uso do vinagre datam
de mais ou menos 8 mil anos atrás. Na época, além de
ser utilizado como condimento, também era utilizado
como medicamento, devido às suas propriedades
de desinfecção: durante as epidemias de cólera, era
recomendado que as pessoas lavassem as mãos com
vinagre antes e depois de visitar um doente, e que
também as frutas e as verduras fossem ser lavadas
antes do consumo. Estudos posteriores confirmaram a Sem dúvida, saladas como esta se tornam muito
letalidade do vinagre para as bactérias causadoras do mais deliciosas com a presença do vinagre.
cólera.
Ciências 113
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Uma dona de casa queixa-se à sua filha em relação à qualidade do vinagre que
comprou. A menina prontamente leva uma amostra do vinagre para a escola a fim de que
seu professor de química a oriente sobre como verificar a acidez do produto.
http://www.labvirtq.fe.usp.br/applet.asp?time=14:45:54&lom=10857

Cetonas

Disponível em: <http://media.farmadelivery.com.br>.


Acesso em: 02 fev. 2011.
O
São compostos orgânicos caracterizados pela presença da função C C C
. Nessa função, o carbono ligado ao oxigênio precisa, obrigatoriamente, estar entre
outros dois carbonos.
O principal exemplo de cetona é a propanona, conhecida como acetona, utilizada
como removedor de esmaltes e de algumas tintas e vernizes.

Acetona, um dos mais conhecidos


removedores de esmaltes.

Éteres
São compostos caracterizados pela presença de um oxigênio situado entre dois átomos de carbono
(C – O – C). O éter mais conhecido é o éter etílico, utilizado como solvente e anestésico geral.
A comercialização de éter é rigorosamente fiscalizada, pois esse composto é utilizado para o preparo
de cocaína.

Saiba mais
No final do século XIX, o éter foi amplamente utilizado como anestésico local, permitindo a realização de
cirurgias sem dores. No entanto ele foi substituído, pois o seu uso pode provocar lesões no fígado, afetar a
pressão arterial e irritar o trato respiratório, além do risco de provocar incêndios.
Disponível em: <http://farm5.static.flickr.com>.
Acesso em: 09 dez. 2014

Primeira anestesia com éter (1894). Pintura a óleo de Robert


C. Hinckley, retratando o uso do éter como anestésico pela
primeira vez.
114 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Ésteres
O
C
Compostos identificados pela presença da função , em que R é um radical, geralmente
formado por átomos de carbono. O R
Os ésteres são substâncias comuns na natureza. São encontrados, por exemplo, nos óleos e nas
gorduras, nas essências de frutas, de madeiras e de flores e nas ceras produzidas pelas carnaúbas e pelas
abelhas. No cotidiano, os ésteres são utilizados para a fabricação de sabões.

Aminas
São compostos que possuem um átomo de nitrogênio ligado a um átomo de carbono (R – C – NH2,
sendo que R é uma cadeia carbônica). Encontramos aminas em alguns alimentos, como a carne vermelha
e carne branca, e no fumo do tabaco.

Saiba mais
O cheiro da morte
Você sabia que o forte odor que sentimos exalar dos peixes mortos e das outras carnes podres deve-se à
presença de aminas chamadas putrescina e cadaverina?

Amidas
O

Nesses compostos, encontramos a função C .

NH2
As amidas são amplamente utilizadas em laboratórios, na formulação de alguns medicamentos. Nos
mamíferos, a ureia, que é um exemplo de amida, é encontrada como produto final do metabolismo de
proteínas, sendo eliminada na urina.

Saiba mais
O náilon é formado pela união de várias amidas; portanto ele é uma poliamida. Podemos encontrá-lo em
patins, relógios, barracas de acampamentos, tapetes e calçados em geral.

Exercícios de sala

7 Na manteiga rançosa, encontra-se esta substância:

H 3C CH2 CH2 C

OH
Qual função química podemos identificar nesse composto?
a) Ácido carboxílico.
b) Cetona.
Ciências 115
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

c) Amina. d)
d) Álcool. CH3
e) Éter.
H 3C O C CH3
8 Para a fabricação de um xampu, utilizam-se as
seguintes substâncias: detergente, espessante, CH3
essência, corantes, microbicidas em geral, água
e ácido cítrico para corrigir o pH do produto. A
seguir, encontra-se a fórmula do ácido cítrico:

e)
O OH
O O
H 3C CH C
C CH2 C CH2 C
OH
CH3
HO C OH
HO O

Identifique as funções que constituem essa f)


substância.
H 3C CH2 O CH2 CH2

g)
9 Identifique as funções orgânicas destes H 3C (CH 2)3 CH 3
compostos:

a)
H H H H
h)
H 3C C C C C CH3 O CH CH2
CH2 H H H H 3C CH2 C

CH3 O

b) i)
O H 3C CH CH2 NH2
H 3C CH2 C
CH3
H

j)
c) O
H 3C C CH2 CH3 H3C C

O NH CH3
116 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

7.8 Os seres vivos são formados por substâncias orgânicas

Para que nosso corpo trabalhe perfeitamente, é essencial que obtenhamos energia. Essa energia é
conseguida através da alimentação. Graças a ela, ao longo da vida, nós crescemos, desenvolvemo-nos e,
quando ficamos doentes, conseguimos recuperar a saúde através da ação do nosso sistema imunológico.
Durante uma refeição completa e balanceada, ingerimos, além da água presente nos alimentos,
nutrientes como carboidratos, lipídios, proteínas e vitaminas, também conhecidos como substâncias
orgânicas, por serem formados por cadeias de átomos de carbono.
A partir do momento em que entram no nosso organismo, esses nutrientes sofrem uma série de
transformações para serem utilizados no crescimento, no desenvolvimento, na produção de novas células
e como fonte de energia para o funcionamento perfeito de cada parte do nosso corpo. Essas transfomações
são chamadas de metabolismo.
As principais substâncias orgânicas presentes nos alimentos são os carboidratos, os lipídios, as
proteínas e as vitaminas.

Carboidratos
Também conhecidos como glicídios ou açúcares. Podemos

Disponível em: <http://gallery.hd.org>.


Acesso em: 09 dez. 2014.
encontrá-los em produtos de origem vegetal, como a cana-de-açúcar
(na qual está presente a sacarose, ou açúcar comum); a batata e o
arroz (onde encontramos o amido); e em diversos frutos (onde estão
presentes a glicose e a frutose); e em produtos de origem animal,
como o leite (no qual encontramos a lactose).
Muito apreciada por pessoas de todas as
idades, a batata é um alimento rico em
amido, um dos tipos de carboidrato.

Saiba mais
A palavra açúcar faz com que logo pensemos em algo doce. Na verdade, todos os acúçares são mesmo
doces, mas o grau de doçura é diferente de um carboidrato para outro. A sacarose, por exemplo, é seis vezes
mais doce do que a lactose.

Os carboidratos possuem alto valor energético (cada grama de carboidrato equivale a aproximadamente
4 kcal). Isso significa que, ao necessitar de energia para a realização de suas atividades, o primeiro elemento
do qual a célula fará uso são os açúcares, mais especificamente, a glicose. Não é à toa que ela é também
chamada de “combustível da célula”.
Disponível em: <http://www.richard-seaman.com>.
Acesso em: 09 dez. 2014.

Tanto animais quanto plantas têm capacidade


de estocar carboidratos em seu corpo. Nos vegetais,
estes compostos são armazenados principalmente
nas raízes, na forma de amido; no caso dos animais,
os carboidratos são guardados principalmente no
fígado, sob a forma de glicogênio.
Além da função energética, alguns carboidratos
possuem função estrutural, como a celulose, que
dá a forma e a sustentação das células vegetais, e a
quitina, que forma a carapaça de alguns artrópodes.
Para proteger o seu corpo, os insetos têm uma rígida
carapaça formada por quitina.
Ciências 117
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Saiba mais

Diabetes
Trata-se de uma doença caracterizada pelo excesso de açúcar (glicose) no sangue, devido à deficiência
do hormônio insulina. A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que cerca de 6% da população mundial
seja diabética. Só no Brasil, existem aproximadamente 7 milhões de diabéticos.
Existem dois tipos de diabetes:
• Diabetes tipo I
Nesse tipo de diabetes, o pâncreas não consegue produzir insulina, pois as suas células são destruídas
pelo próprio organismo da pessoa. É o tipo mais comum em crianças e em adolescentes, que precisam tomar
injeções diárias de insulina para suprir a falta desse hormônio, além de seguir uma dieta indicada por um
médico.
• Diabetes tipo II
Costuma acometer pessoas adultas e idosas, que começam a apresentar resistência à ação da insulina.
Esse tipo de diabetes pode ser controlado com alimentação adequada e com medicamentos específicos.
Pessoas com altos níveis de glicose no sangue costumam manifestar sintomas como aumento da
frequência urinária, aumento do apetite, sede excessiva, perda de peso e fraqueza.
Se não for controlado, o diabetes pode causar complicações mais graves, como infarto do miocárdio,
derrame cerebral, problemas renais e de visão e lesões de difícil cicatrização, principalmente nos membros
inferiores, que podem ocasionar amputação.
Embora ainda não tenha sido encontrada uma cura definitiva para a doença, existem disponíveis vários
tratamentos que, aliados a uma alimentação adequada e à prática regular de exercícios físicos, podem
melhorar a saúde e a qualidade de vida da pessoa portadora de diabetes.

Reúna-se com dois colegas de classe e, juntos, pesquisem, em livros ou na Internet, a importância das
fibras alimentares em nosso organismo.

Lipídios
Os lipídios, nome genérico dos óleos e das gorduras, funcionam como reserva de energia nos seres
vivos. São obtidos tanto em alimentos de origem animal quanto de origem vegetal.

Trabalhando com Pesquisa


Pesquise na Internet ou em livros de Biologia o que são óleos e gorduras e quais as principais diferenças
entre eles.

Além de fornecerem energia para a célula, os lipídios também servem como isolante térmico, pois
evitam a perda excessiva de calor. Têm, ainda, a função de manter os nossos órgãos no lugar e de protegê-los
contra choques e lesões traumáticas. Os lipídios são também constituintes das membranas celulares e
precursores de alguns hormônios, incluindo os sexuais.
No entanto, ao mesmo tempo que o lipídio é tão importante para a nossa sobrevivência, ele se torna
igualmente perigoso se consumido em excesso. Isso porque as moléculas de gordura podem se acumular
em nossos vasos sanguíneos e contribuir para o surgimento de doenças cardíacas. Por isso, é importante
que mantenhamos uma dieta equilibrada, com controle da quantidade de gorduras ingeridas.
118 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Saiba mais

Colesterol e gordura trans


O colesterol é um dos mais importantes

Disponível em: <http://3.bp.blogspot.com>.


Acesso em: 09 dez. 2014.
esteroides do corpo humano. A partir dele, formam-se
hormônios sexuais, os sais biliares e a vitamina D.
Porém, em altos níveis, o colesterol se acumula
nos vasos sanguíneos e favorece a arterosclerose,
doença caracterizada pelo aumento da espessura
e da rigidez das artérias.
O colesterol que faz parte de nosso corpo tem
duas origens distintas: pode ser produzido nas
células do fígado (o que já nos fornece quase toda
a quantidade de colesterol de que necessitamos
diariamente), ou pode ser obtido através da
alimentação (encontrado em carnes, leite e
derivados, manteiga e gema de ovos). Apesar de a gordura trans acrescentar um sabor especial
O colesterol é transportado no sangue por dois aos alimentos, ela deve ser evitada.
tipos de lipoproteínas:
•HDL (do inglês High Density Lipoprotein): conhecido como “colesterol bom”, tem a capacidade de retirar
o colesterol já depositado em placas e levá-lo de volta ao fígado para ser eliminado.
•LDL (do inglês Low Density Lipoprotein): é o chamado “colesterol ruim”, porque ele se deposita nas
paredes das artérias, formando as placas que obstruem os vasos sanguíneos.
As gorduras trans, as grandes vilãs da atualidade, são encontradas em margarinas, alimentos pré-cozidos,
batatas fritas industrializadas, pipocas, bolachas e chocolates. Elas são muito utilizadas nesses produtos
porque prolongam o seu prazo de validade e tornam os alimentos mais saborosos.
Esse tipo de gordura eleva os níveis de LDL, aumentando as chances de acúmulo de colesterol nos vasos,
o que pode causar sua obstrução. Por essa razão, é importante que você verifique os rótulos dos produtos
que são utilizados em sua casa: opte sempre por alimentos livres de gorduras trans e ricos em fibras, as quais
“carregam” o mau colesterol para fora do corpo.

Proteínas
São moléculas com diversas funções no organismo: algumas participam de estruturas celulares; outras
atuam como hormônios; e ainda há aquelas que participam da defesa e do transporte de substâncias pelo
corpo.
A unidade formadora de uma proteína é chamada de aminoácido. Um aminoácido é um ácido
carboxílico que contém um grupo amino.

H
O

R C C Radical
Radical carboxílico
OH
NH2

Grupo amino
Na natureza, encontramos 20 aminoácidos diferentes. Desses, oito são chamados de aminoácidos
essenciais, porque não conseguimos sintetizá-los em nosso próprio organismo, sendo obtidos através da
alimentação; os outros são conhecidos como aminoácidos naturais, pois podemos produzi-los.
Ciências 119
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Saiba mais
Você sabia que o arroz e o feijão, dupla alimentar tipicamente brasileira, nos fornecem todos os aminoácidos
essenciais?

Disponível em: <http://dejavucook.files.wordpress.com>. Acesso em: 09 dez. 2014.

A ligação que une dois aminoácidos é chamada de ligação peptídica, e, graças a isso, é possível
formar diversos tipos de proteínas, as quais desempenham papéis fundamentais no nosso organismo;
dentre os quais podemos citar:
• Enzimas → proteínas que aumentam a velocidade de uma reação química.
• Proteínas transportadoras → ligam-se a substâncias específicas, transportando-as a diferentes partes do
corpo.
• Proteínas estruturais → dão sustentação e proteção ao organismo.
• Proteínas de defesa → protegem o corpo contra a invasão de micro-organismos.
• Proteínas regulatórias → controlam e regulam as atividades celulares.
Disponível em: <http://3.bp.blogspot.com>.
Acesso em: 09 dez. 2014.

Disponível em: <http://www.umm.edu>.


Acesso em: 09 dez. 2014.

Embora sejam imprescindíveis à saúde, não podemos fazer dos vegetais a nossa única fonte de nutrição, pois
necessitamos de alimentos que nos forneçam proteínas, como carnes, leite e ovos.

Vitaminas
São compostos orgânicos presentes nos alimentos, essenciais para o perfeito funcionamento do nosso
corpo, porém em pequenas quantidades.
As vitaminas podem ser classificadas em dois grupos:
• Hidrossolúveis → são as vitaminas solúveis em água. Por serem facilmente eliminadas do organismo
(através da urina), é necessária a sua ingestão diária. Fazem parte desse grupo as vitaminas do complexo
B e a vitamina C.
120 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

• Lipossolúveis → são as vitaminas solúveis em lipídios. Por essa razão, sua aliminação do organismo
torna-se mais difícil, e seu excesso pode ser prejudicial. São vitaminas lipossolúveis: A, D, E e K.

Saiba mais

O vocábulo vitamina origina-se da palavra latina vita (vida) e do sufixo amina e significa aminas da vida.
Esse termo foi inicialmente utilizado porque se acreditava que todas as vitaminas fossem aminas. Hoje
sabemos que isso não é verdade, mas, apesar disso, o nome se manteve.

Exercícios de sala

10 Os carboidratos estão presentes em vários seres vivos, exercendo função estrutural, como, por exemplo,
na carapaça dos artrópodes e na arquitetura das plantas. Sobre esse assunto, analise as afirmativas a
seguir:
I) O carboidrato que constitui a carapaça dos artrópodes é a quitina.
II) A celulose é o carboidrato presente na parede celular das células vegetais.
III) Tanto a quitina quanto a celulose são carboidratos facilmente digeridos pelo homem.

É correto o que se afirma em:


a) I apenas.
b) II apenas.
c) III apenas.
d) I e II.
e) I, II e III.

11
“A ditadura da magreza é traduzida pelo maciço estímulo da mídia por mais e mais fórmulas para
emagrecer. Este suposto ideal de magreza aplaude não só a beleza aceita e imposta como correta,
mas une-se à receita do sucesso profissional, econômico e afetivo. (...) A insatisfação com o corpo real
não mede esforços para se manifestar: plásticas, fórmulas para emagrecer, moderadores de apetite e
o bizarro surgimento de sites de estímulo à anorexia. Esses últimos macabros reforçadores da doença
orientam pela Internet como comer quase nada ou passar uma semana tomando água.”
CORDÁS, T. Os perigos da anorexia. Revista Isto E Gente, edição no 289.
Assinale a alternativa correta:
a) A dieta ideal deve ser isenta de carboidratos e lipídios, mas rica em proteínas, que são as únicas
responsáveis pelo bom funcionamento do corpo.
b) A dieta ideal é aquela em que se restinge, principalmente, o consumo de proteínas, visto que são elas
as construtoras do nosso corpo.
c) A dieta ideal é aquela na qual quantidades balanceadas de carboidratos, lipídios, proteínas e vitaminas
são associadas à prática de exercícios físicos.
d) Se a dieta de uma pessoa for completamente isenta de gorduras, ela conseguirá atingir o peso ideal
sem prejudicar a sua saúde.
e) Numa dieta, as pessoas devem ingerir muitos carboidratos, mas nenhum lipídio ou proteína, pois o
corpo produz sozinho todos esses compostos.

12 Decifrando o código a seguir, você encontrará uma frase muito importante para a sua saúde. Use este
quadro para auxiliá-lo.

A B C D E F G H I J L
∆ ɀ & # Ξ Ю @ Ϙ ₪ ҈ £
M N O P Q R S T U V X Z
Ж § Θ ψ φ ↨ ϟ æ € ¥ ʭ ɣ
Ciências 121
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

∆ψΞϟ∆↨ #Ξ æΘ↨§∆↨ΞЖ Θϟ ₪ЖΞ§æΘϟ Ж€₪æΘ Ж∆₪ϟ ϟ∆ɀΘ↨ΘϟΘϟ,


∆ @Θ↨#€↨ ∆ æ↨∆§ϟ #ΥΠϟΞ↨ Ξ¥₪æ∆#∆, ψΘ₪ϟ ΣΥ ∆ ∆ Θϟ
§₪¥Ξ₪ϟ #Ξ Ж∆€ &Θ£ΞϟæΞ↨Θ£ ΘЖ §ΘϟϟΘ Θ↨@∆§₪ϟЖΘ.
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________

13 Nesta tabela, encontra-se a composição aproximada de alguns alimentos. Observe-a:

Alimento Carboidratos Lipídios Proteínas


I 7% 4% 27 %
II 2% 87 % 0,5 %
III 77 % 1% 10,5 %

Os alimentos I, II e III podem ser, respectivamente,


a) toucinho, farinha de milho e leite.
b) toucinho, leite e farinha de milho.
c) leite, toucinho e farinha de milho.
d) leite, farinha de milho e toucinho.
e) farinha de milho, toucinho e leite.

7.9 Substâncias orgânicas que atuam na conservação dos alimentos

Práxis
Conservando os alimentos
Você vai precisar de:

• 5 copos descartáveis • Óleo • Água


• Etiquetas • Colher de sopa • Fita adesiva
• Saco plástico • Copo de vidro
• Amido de milho • Vinagre

Procedimento:
Atenção: não realize esta atividade sem a supervisão de um adulto!
1) Numere os copinhos de 1 a 5.
2) Faça um mingau de água e amido de milho (basta levar ao fogo dois copos de água com duas colheres
do amido, mexendo sempre até engrossar).
3) Distribua o mingau de amido de milho nos cinco copinhos e proceda da seguinte forma:
•Copinho no 1: cubra imediatamente com o plástico, tomando o cuidado de vedar bem;
•Copinho no 2: cubra o mingau com uma camada de óleo;
•Copinho no 3: cubra o mingau com uma camada de vinagre;
•Copinho no 4: deixe o copinho aberto à temperatura ambiente;
•Copinho no 5: deixe o copinho aberto, mas coloque-o na geladeira;
4) Observe os copinhos diariamente, durante uma semana.

Resultados e conclusões:
1) Houve alguma alteração no mingau dos copinhos? Em qual(quais) copinho(s) você notou alteração?
2) Em que copinho(s) os fungos apareceram primeiro?
3) Em algum dos copinhos o mingau de amido de milho ficou conservado? A que você atribui esse fato?
5) Com base em todos os dados obtidos, indique as condições favoráveis ao aparecimento dos fungos.
122 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Desde épocas remotas, o homem procura

Fonte: Disponível em: <http://4.bp.blogspot.com>.


Acesso em: 02 fev 2011.
meios de guardar seus alimentos para utilizá-los
futuramente. Devido à sua importância para a
nossa sobrevivência, a conservação dessas é, sem
dúvida, uma das mais antigas técnicas utilizadas
pelos seres humanos. Os homens das cavernas, por
exemplo, secavam a sua comida ao sol.
A principal finalidade da conservação dos
alimentos é, portanto, reduzir ou eliminar
totalmente a quantidade de bactérias causadoras de
doenças que podem estar presentes nos alimentos.
Além disso, graças aos métodos de conservação
dos alimentos, as pessoas podem deliciar, em uma Graças aos processos de conservação de alimentos,
podemos ter, à mesa, uma infinidade de produtos
mesma refeição, iguarias advindas de diferentes advindos de diversas partes do mundo.
partes do mundo. Certamente, você e seus colegas
comem diariamente produtos que sofreram algum tipo de conservação. Graças a isso, podemos ter, em
uma mesma refeição, um bacalhau português, um suco de caju do Nordeste brasileiro e pêssegos em calda
argentinos.

Você se lembra...

Dentre as inúmeras técnicas de conservação, as mais utilizadas são:


• Conservação pelo calor: esterilização e pasteurização
Esterilização é o aquecimento de um alimento a uma determinada temperatura na qual os micro-organismos
não conseguem mais se reproduzir, ou seja, tornam-se estéreis. Quando pasteurizamos um alimento, o
que fazemos é aquecê-lo a uma temperatura suficientemente alta para matar bactérias patogênicas. Leite,
sorvetes e sucos de frutas são exemplos de alimentos pasteurizados.

• Conservação pelo frio: refrigeração e congelamento


São as formas mais utilizadas nas residências para conservar os alimentos. Na refrigeração, eles devem
ser mantidos em temperaturas entre 0 °C e 7 °C. A ideia é diminuir a ação de bactérias que possam estar
presentes nesses alimentos, retardando, assim, o tempo de deterioração. No congelamento, os alimentos
devem estar em temperaturas inferiores a -18 °C. Assim, as bactérias presentes nesses alimentos ficam
completamente inativas.

• Desidratação
Alimentos como leite em pó, frutas secas, charque, temperos, sopas em pó e macarrão instantâneo
sofreram desidratação para se manterem viáveis por mais tempo. Isso ocorre porque, assim como nós, os
micro-organismos também necessitam da água para a sua sobrevivência.

• Salga
Bastante empregada para conservar carnes, a salga provoca a perda de até 30% de água do alimento,
criando um ambiente bastante desfavorável às bactérias. Assim, alimentos salgados podem ser mantidos à
temperatura ambiente, como acontece com o bacalhau.

• Defumação
É um processo utilizado para a conservação de carnes. Consiste em expô-la à fumaça produzida pela
combustão incompleta de madeira, fazendo com que a carne sofra perda de água. Com isso, os micro-
organismos, que necessitam de água, morrem.

• Conservação por embalagens a vácuo


Consiste na retirada de todo o ar existente em contato com o alimento na embalagem. Assim, diminui-se
a praticamente zero a chance de proliferação de micro-organismos.
Ciências 123
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Quais as melhores técnicas de conservação de alimentos? Descubra junto com o


feirante e com a cliente dele se você sabe o que fazer para conservar os alimentos.
http://www.labvirtq.fe.usp.br/simulacoes/quimica/sim_qui_afeira.htm

Ao fazer compras, você provavelmente já leu vários rótulos de alimentos e se deparou com alguns
nomes ou siglas estranhos, os quais você não faz a menor ideia do que significam. Esses nomes e siglas
são os aditivos químicos, substâncias acrescentadas aos alimentos para melhorar seu aspecto, sua
textura e seu aroma, ou, até mesmo, para conservá-los frescos por mais tempo. Nesse grupo, encaixam-
se os conservantes, os estabilizantes, os corantes, os antioxidantes, os espessantes, os emulsificantes, os
flavorizantes, os edulcorantes, os acidulantes e os umectantes.
Cada aditivo químico tem uma função diferenciada. Veja esta tabela:

Aditivo químico Função


Estabilizantes Prolongam a data de validade do produto.
Corantes Intensificam a cor do alimento, a fim de melhorar a sua aparência.
Antioxidantes Evitam que o alimento entre em decomposição.
Espessantes Conferem consistência ao alimento.
Emulsificantes Aumentam a viscosidade do alimento.
Flavorizantes Aumentam o aroma ou o sabor dos alimentos.
Edulcorantes Adoçam os alimentos. São muito utilizados em produtos dietéticos, por não
serem derivados da sacarose.
Acidulantes Intensificam o sabor ácido dos alimentos industrializados.
Umectantes Conservam o alimento úmido e macio.
Conservantes Atuam retardando a decomposição e a putrefação dos alimentos.
Há muito tempo, corantes e aromatizantes são utilizados no preparo de alimentos. Urucum, açafrão
e clorofila são corantes naturais que dão cor aos alimentos. Já o cravo-da-índia, a hortelã e a pimenta
conferem aroma natural a eles. Atualmente, existem vários corantes e aromatizantes artificiais, que
atribuem um melhor aspecto e aroma aos alimentos e são mais baratos do que os naturais.
Para dar uma consistência mais incorpada aos alimentos, pode-se utilizar goma arábica, amido e
pectina. A pectina, extraída de frutas como banana e figo, é base para geleia de quaisquer outras frutas.
Algumas vitaminas, como C e E, também podem ser adicionadas aos alimentos. Embora elas possuam
alto poder antioxidante, os fabricantes, ao acrescentarem essas vitaminas a um produto, devem ressaltar
nas embalagens que o alimento é enriquecido com vitaminas.

Outras substâncias orgânicas que atuam na conservação dos alimentos:


• Açúcar
Transformar frutas em doces é uma boa opção para tê-las, mesmo fora de época, em uma refeição. O
ideal é cozê-las com bastante açúcar, já que este, em grandes quantidades, retarda o desenvolvimento de
micro-organismos.
• Vinagre (ácido acético)
É, geralmente, utilizado para se fazer conservas de verduras como tomates verdes, pepinos, couves-
flores, cebolas e cenouras, já que o ácido acético prejudica o crescimento bacteriano.
• Ácido benzoico
Atua como conservante em sucos concentrados de frutas.

• Ácido fosfórico
É um tipo de acidulante utilizado no preparo de refrigerantes.
124 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Doenças causadas por organismos patogênicos presentes nos alimentos


Alguns micro-organismos também fazem uso dos nossos alimentos para sobreviver. Alguns deles, se
ingeridos, podem provocar infecções ou intoxicações, muitas vezes graves. Além de bactérias, vermes
parasitas também podem ser adquiridos quando ingerimos alimentos contaminados.
Reúna-se com seus colegas de classe e pesquisem, em livros de Biologia, ou na Internet, algumas
enfermidades causadas pela presença de organismos patogênicos nos alimentos.

Exercícios de sala

14 O caça-palavras traz as respostas para as frases a seguir, relacionadas à conservação de alimentos.


Localize-as e responda às frases corretamente.
a) Prolongam a data de validade do produto.
b) Acidulante utilizado no preparo de refrigerantes.
c) Processo no qual aquecemos o alimento a uma temperatura suficientemente elevada para matar
micro-organismos patogênicos.
d) São muito utilizados em produtos dietéticos, por não serem derivados da sacarose.
e) Processo de conservação durante o qual a carne é exposta a fumaça resultante da queima incompleta
da madeira.
f) Com ele, podemos conservar as frutas, transformando-as em doces.
g) Doença causada pela ingestão da toxina produzida pela bactéria que se aloja em latas.
h) Evita que o alimento entre em decomposição.

Q I F M C J O Y B L K W I O O E F S U Q
R E B X A C W C Y O L C V Q L X M O A C
D E W Q N K I H I V C A T T L H D Y I O
V K I Q V E Y F X R Ç S I H G G J K H F
H H V D G O W I L Ú Ó G F K Z M D V I E
T R M R A Ã C S C U P F Z X I C N H T G
D I E R W Ç I A A Y Y S S F S V M N U R
E A O D N A R C M F E W D O W R A G P R
S E T N A Z I L I B A T S E F D X U O L
B H O F L I B R R T J B I M I O N X G C
D U Z X X R A G D J N L O X V O D N Y B
E Y G M O U J Q O Z K Q O T O D T I Q Q
F R B G M E Q A B K B I L A U W P Z C X
U B X T V T T Q K L T L H K X L X V N Á
M M M Z O S I K H N M D Q A O Q I H R X
A Y L G J A G V A O J T B S G Y C S D W
Ç Y S J E P E D U L C O R A N T E S M K
à O P K E F F G S N T K O J F I W N W O
O G M R M L E Z Q T Y Q Y J X S D T C K
U B S H C M Q C Y D P P H C O N R N A J
Ciências 125
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

b) Qual é o nome desse tipo de reação química?


–––––––––––––––––––––––––––––––––––––
Exercícios propostos
17 Um sal é formado a partir de uma reação de
neutralização entre um ácido e uma base.
15 Observe atentamente as substâncias a seguir Baseado nisso, complete as reações química a
e identifique a que função inorgânica pertence seguir:
cada uma delas: a) HCl + NaOH →
a) CO2
b) HNO3 + NaOH →

b) HNO3 c) HF + NaOH →

d) HI + KOH →
c) NaOH
e) HCl + KOH →

d) CaF2 f) HBr + LiOH →

g) H2SO4 + Ba(OH)2 →
e) Al(OH)3
h) Ba(OH)2 + HCl →

f) H2SO4 i) Al(OH)3 + H2SO4 →

j) Ca(OH)2 + H3PO4 →
g) FeO3
18 (Olimpíada Brasileira de Química Jr.) Os
indicadores ácido-base são substâncias que
mudam sua coloração em função do pH do
h) NaCl
meio em que se encontram, e assim, podem
ser utilizados para determinar a natureza ácido-
base de uma solução. Muitas substâncias
i) SO2 extraídas de produtos naturais apresentam este
comportamento. Os papéis de tornassol são
indicadores ácido-base. O papel de tornassol
j) NaNO3 azul muda para vermelho, quando em contato
com solução de um ácido e o papel de tornassol
vermelho muda para azul, quando em contato
com solução de uma base.
Três frascos de 100 mL, rotulados como
16 O leite de magnésia é uma suspensão de
Frasco A, Frasco B e Frasco C, contêm,
hidróxido de magnésio em água e pode ser
água destilada, solução de hidróxido de sódio
usado como antiácido estomacal e até mesmo
e solução de ácido clorídrico. Em cada um
como laxante. No estômago, o leite de magnésia
reage de acordo com a equação: desses frascos foram imersos dois papéis de
tornassol: o primeiro vermelho e o segundo
azul. Os resultados destas experiências são
Mg(OH)2 + HCl MgCl2 + H2O assinalados a seguir:

1 2 3 Papéis Cor do pepel após imersão


Imersos

a) Indique as funções inorgânicas das Frasco A Frasco B Frasco C


substâncias 1, 2 e 3. Papel
Azul Vermelho Vermelho
Vermelho
Papel
Azul Azul Vermelho
Azul
126 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Com base nas informações acima, conclui-se


que O
CH3
a) ( ) O Frasco A contém a solução de NaOH CH2 C
e o Frasco B contém água
b) ( ) O Frasco C contém a solução de HCl e O CH3 CH2 CH CH3
o Frasco B contém água
c) ( ) O Frasco A contém a solução de HCl e o
Qual é a função orgânica presente neste
Frasco B contém a solução de NaOH.
composto?
d) ( ) O Frasco A contém a solução de NaOH
a) Álcool.
e o Frasco C contém a solução de HCl.
b) Ácido carboxílico.
c) Cetona.
19 A procaína é um anestésico local muito utilizado d) Éster.
em pessoas que precisam tomar injeção e) Éter.
de penicilina, pois ela reduz a dor muscular
causada por essa injeção. A procaína tem a
seguinte fórmula estrutural:

Interpretando dados
C 2H 5
H 2N C O C C N infográficos
C 2H 5
O H2 H2 22 O rótulo a seguir traz as informações nutricionais
de um alimento rico em fibras.
Esse composto apresenta, em sua molécula,
as funções: INFORMAÇÃO NUTRICIONAL
a) éster e álcool.
Porção: 15 g (1 unidade)
b) éter e amina.
c) éster e amina. Quantidade por porção % VD
d) cetona e álcool. (*)
e) álcool e amina.
Valor energético 48 kcal 2%
20 Associe a coluna I à coluna II. Carboidratos 7,5 g 3%
COLUNA I Proteínas 0.7 g 1%
Cloreto de sódio
Gorduras totais 1,8 g 3%
Etanol
Propanona Gorduras saturadas 0,8 g 3%
Ácido clorídrico Gorduras trans Não possui (**)
Ácido acético
Fibra alimentar 0,5 g 2%
COLUNA II Sais minerais 32 mg 1%
(A) Um dos componentes do suco gástrico
(B) Sal de cozinha (*): valores diários com base em uma dieta de
(C) Acetona para remover esmaltes 2000 kcal.
(D) Produto orgânico presente no vinagre (**): porcentagem não estabelecida
(E) Álcool combustível
As fibras alimentares encontradas nesse
alimento são formadas principalmente por:
A alternativa que traz a associação correta
a) amido, um carboidrato que facilita o trânsito
é:
intestinal.
a) 1-B; 2-E; 3-C; 4-A; 5-D.
b) glicose, um carboidrato de sabor adocicado
b) 1-B; 2-C; 3-E; 4-A; 5-D.
c) 1-C; 2-E; 3-B; 4-D; 5-A. e de elevado valor calórico.
d) 1-C; 2-B; 3-E; 4-A; 5-D. c) celulose, carboidrato de origem vegetal que
e) 1-B; 2-E; 3-C; 4-D; 5-A. facilita o trânsito intestinal.
d) amido, um lipídio que facilita a formação das
fezes.
21 Uma abelha em perigo libera uma substância
chamada de feromônio, que se dispersa e) celulose, um lipídio de origem animal, que
no ar e alerta as outras abelhas sobre um facilita a absorção de água.
provável perigo. A fórmula do feromônio está
representada a seguir:
Ciências 127
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

Exercícios de aprofundamento

23 O cloreto de sódio (NaCl), quando dissolvido em água, libera íons Na+ e Cl-. Devido à presença desses
íons, a água salgada conduz eletricidade. Baseado nisso, responda: a água destilada é uma boa condutora
de eletricidade? Justifique sua resposta.

24 Após uma noite regada a bebidas alcoólicas, é comum que a pessoa acorde com uma dor de cabeça
insuportável. Você saberia explicar por que isso acontece?

25 Ao fazer uma dieta de emagrecimento, uma pessoa é orientada a restringir o consumo de carboidratos.
Por quê?

Referências bibliográficas

ANDRADE, E. N. C.; HUXLEY, J. Iniciação à ciência. Primeiro volume. Trad. José Reis. 2. ed.
Ministério da Educação e Cultura, 1962. 490 p.

BACHELAND, G. A formação do espírito científico. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BARROS, C.; PAULINO, W. R. Ciências: o meio ambiente. São Paulo: Ática, 2002.

BARROS, C.; PAULINO, W. R. Física e química. 48 ed. São Paulo: Ática, 2002.

BERTOLDI, O. G.; VASCONCELLOS, J. R. Ciência & Sociedade. 4º Ciclo – 8ª Série. São Paulo:
Scipione, 1. Ed., 2000.

BERTOLDI, Odete Gasparello e Vasconcellos. Ciências e Sociedade. 1ª Ed. São Paulo: Scipione, 2000.
7ª Série.

BIZZO, N. Ciências: fácil ou difícil? Coleção Palavra de Professor. São Paulo: Ática, 1998.

BRANCO, S. M. Ecologia da cidade. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2008. 64 p.

CANTO, E. L. Ciências Naturais – aprendendo com o cotidiano. 8ª Série. 1. ed. São Paulo: Moderna,
2001. 272 p.

CASSOT, Attico. A ciência através dos tempos. 2ª Ed. Reformulada. São Paulo: Moderna, 2004.

CHEIDA, L. E. Biologia Integrada. Vol. Único. São Paulo: FTD, 2003 (Coleção Delta).

Ciências: ensino fundamental. Coleção Explorando o Ensino. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria
de Educação Básica, 2010. 212 p.

COSTA, M. L.; SANTOS, M. T. Vivendo ciências. São Paulo: FTD, 1999.

CRUZ, D. Ciências e Educação Ambiental. 2 ed. São Paulo: Ática, 2004.

CRUZ, D. Ciências e Educação Ambiental. Química e Física. 26. ed. São Paulo: Ática, 1999. 263 p.

DE CARO, C. M. et al. Construindo consciências. 7ª Série – Ensino Fundamental. São Paulo: Scipione,
1. ed., 2003.
128 Ciências
Funções químicas: diferenciando as principais substâncias químicas à nossa volta

ENDLER, A. M. F. Vovó conta de que são feitas as coisas. 1. ed. São Paulo: Livraria da Física, 2007.
113 p.

FELTRE, R. Química Geral. V. 1, 4 ed. São Paulo: Moderna, 1994.


FIGUEIREDO, M. T.; CONDEIXA, M. C. G. Ciências: atitude e conhecimento. 8º Ano – Edição
renovada. São Paulo: FTD, 2010.

GOLDSMITH, Mike. Albert Einstein e seu universo inflável. São Paulo: Schwarcz, 2007.

GOWDAK, D.; MARTINS, E. Novo pensar: com atualizações. 8ª série. São Paulo: FTD, 2006.

HORVITZ, L. A. Eureca! Descobertas científicas que revolucionaram o mundo. Trad. Marcia Epstein
Fiker. 1. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil LTDA, 2003. 224 p.

LEITE, M. Meio ambiente e sociedade. 1. ed. São Paulo: Ática, 2005. 48 p.

LOGUÉRCIO, Rochele de Quadros et al. Reinventando a ciência. 1ª Ed. Porto Alegre: Editora da
UFRGS, 2007.

PERUZZO, F.M.; CANTO, E.L. Química 3 – Na abordagem do cotidiano – Química Orgânica. 3. ed.
São Paulo: Moderna, 2003.

SANTANA, O.; FONSEA, A. Ciências Naturais. 7º ano. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

SILVA-JÚNIOR, C.; SASSON, S.; SANCHES, P. S. B. Ciências – Entendendo a natureza: a matéria e a


energia. 8ª série. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 1996. 207 p.

STRATHREN, P. O sonho de Mendeleiev – A verdadeira história da química. 1. ed. Rio de Janeiro:


Jorge Zahar, 2002. 264 p.

TRIVELLATO, J.; TRIVELLATO, S.; MOTOKANE, M.; LISBOA, J. F.; KANTOR, C. Ciências.
Natureza & Cotidiano. 8º ano. São Paulo: FDT, 2008.

TRIVELLATO, J.; TRIVELLATO, S.; MOTOKANE, M.; LISBOA, J. F.; KANTOR, C. Ciências.
Natureza & Cotidiano. 8º ano. São Paulo: FDT, 2008.

USBERCO, J; SALVADOR, E. Química. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 1997. 496 p.