Você está na página 1de 11

http://odontologika.uol.com.br/acupuntura.

htm
Acupuntura
Acupuntura na odontologia. Conhecida e desenvolvida pelos chineses em tempos remotos, tornou-se hoje uma opção a mais de
terapia, em que o profissional, além de adquirir novos conhecimentos, encontra um campo aberto a novas pesquisas na área de Saúde.
A acupuntura tem se destacado devido ao grande número de trabalhos científicos publicados recentemente, que muito têm contribuído para a
sua compreensão. Um grande número de profissionais já aderiram à prática, em razão da sua eficácia. Nos Estados Unidos, por exemplo, a cada ano são
realizados de 9 a 12 milhões de tratamentos por meio da Acupuntura, segundo estimativa da FDA (Food and Drug Administration). Por Acupuntura
entende-se o conjunto de conhecimentos teórico-empíricos que visa à terapia e à cura das doenças através de aplicação de agulhas e de moxas, além de
outras técnicas. Visando estimular a sua prática, a própria OMS, através de seu diretor geral, em 1990, na França, oficializou amplo apoio à Acupuntura. No
Brasil, desde 1995, o Conselho Federal de Medicina reconheceu a acupuntura como uma especialidade.
Origem e Desenvolvimento
Acredita-se que a Acupuntura já era conhecida e praticada na Idade da Pedra. Achados arqueológicos em várias partes da China confirmam
essa hipótese; junto a outros instrumentos de cura, foram encontradas agulha de pedra, que eram diferentes das de costura. A sua prática desenvolveu-se
como um segredo de família, transmitida somente aos membros pertencentes ao clã, até a época do legendário Imperador Amarelo, tendo sido escrito em
vinte e quatro volumes o Nei-Ching, o primeiro livro que tratou detalhadamente da Acupuntura. À partir de então, a técnica foi aperfeiçoada, e as agulhas,
inicialmente de pedra, hoje são fabricadas com ligas de prata, ouro e aço inoxidável. No ocidente, as primeiras referências à Acupuntura chegaram através
dos missionários jesuítas, sendo que os seus relatos, apesar de serem interessantes, eram vagos. Somente em 1928, pela publicação do relato de Soulié
de Morant, de forma completa e acurada, pôde-se dispor de um tratado que, pelo seu conteúdo, serve de referência até os dias de hoje.
Princípios Gerais da Prática da Acupuntura:
Aplicação de agulhas A Acupuntura consiste, conforme indica a origem da palavra (acus: agulha; punctura: punctura), na inserção, na
profundidade de alguns milímetros, de agulhas finas, em pontos da pele especificamente determinados, em diferentes direções, dependendo da localização
do ponto e do objetivo a ser alcançado, sendo deixadas por um determinado período de tempo e depois removidas.
Os meridianos São linhas onde existem pontos distribuídos (pontos de acupuntura), que são associados a órgãos internos, e que se prolongam
pelas partes principais do corpo e terminam nas pontas dos dedos das mãos ou dos pés. Na verdade, trata-se de um sistema de canais imateriais, no
conceito dos chineses. De uma maneira bem simplista, pode-se dizer que a prática da Acupuntura, prevenindo ou curando certas doenças, consiste na
aplicação de agulhas em pontos (pontos de acupuntura) localizados nos meridianos, visando a tonificação ou sedação dos mesmos.
Para que serve a acupuntura no tratamento odontológico? É mais utilizada na analgesia dentária ou como complemento da anestesia. Há
indicações eficazes, porém menos difundidas, como auxiliar na mobilidade dentária, correção ortodôntica e doença periodontal, bruxismo, ansiedade da
cadeira do dentista e outros narrados pela literatura internacional. A acupuntura é útil também para analgesia pós-procedimentos odontológicos, fato
comprovado cientificamente por estudos internacionais, à partir de resultado do "NIH Acupuncture Consensus Conference".
A acupuntura substitui os tratamentos tradicionais? Não. O seu papel é auxiliar, complementar ou otimizar o tratamento. Ela não tem
nenhuma pretensão de substituir nada.

AplicAções nA odontologiA:
No pré-atendimento
Pode ser de grande valia a indicação da acupuntura para o paciente ansioso, estressado e com fobia ao tratamento odontológico, assim como
para pacientes hipertensos e portadores de doenças sistêmicas, possibilitando um atendimento menos traumático. Nos casos de cirurgia, esse
condicionamento prévio pode resultar numa melhor condição de hemostasia e num pós-peratório mais tranqüilo.
Durante o atendimento odontológico
A analgesia tem sido descrita como uma aplicação das mais utilizadas, tanto em procedimentos de Dentística, Endodontia, Periodontia e em
Cirurgia, sendo um procedimento menos traumático que a anestesia convencional.
Como tratamento de suporte
A Acupuntura pode ser coadjuvante no tratamento da disfunção da ATM (articulação têmporo-mandibular), do trismo, bruxismo, além de outras
sintomatologias mastigatórias miofasciais. É de grande valia a efetividade no controle da dor nesses casos.
No pós-operatório
O controle da dor no período pós-cirúrgico possibilita ao paciente um certo grau de conforto, além de um menor consumo de medicamentos.
Pacientes que passaram por radioterapia na região de cabeça e pescoço também podem se beneficiar com o uso da Acupuntura. Como pode ser
observado, existem várias indicações odontológicas para o uso da Acupuntura, que vão sendo aos poucos incorporadas à prática clínica, de acordo com a
sua comprovação científica.

Referência: odontologika.

http://www.petfriends.com.br/veterinario/mundo_veterinario_acupuntura.htm
Acupuntura Veterinária
A acupuntura é uma técnica de tratamento da Medicina Tradicional Chinesa que consiste
em introduzir finas agulhas de aço inoxidável na pele (0,25 mm) com a finalidade de estimular pontos específicos
relacionados a cada órgão do corpo. E cada órgão possui um trajeto de energia que percorre o corpo, chamado
de meridianos. Com a estimulação dos pontos, a energia que está bloqueada nos meridianos se espalha,
tratando a queixa da dor e reequilibrando o funcionamento do corpo como um todo. Dentro da concepção
chinesa, a doença é uma manifestação de desequilíbrio, e a acupuntura seria uma forma de readquirir a harmonia
perdida. Esta prática antiga existe há quatro mil anos e vem sendo utilizada em animais com bastante sucesso e
aceitação. A duração do tratamento varia de acordo com a doença apresentada e com a receptividade do animal.
A médica veterinária Cecília Maria R. T. Groke explica que a intenção de curar o animal colabora para o êxito do
tratamento e para o aumento da qualidade de vida do bichinho. Pelas suas mãos já passaram mais de mil
animais entre cães, gatos, coelhos, sagüis e cabritos.
O Bono, este Cocker Spaniel de 5 anos está na sua 5ª sessão de acupuntura para tratar a sua coluna.
Ela ainda adverte sobre alguns cuidados que os donos precisam ter para preservar a saúde do seu animal: *
cuidar da alimentação para que ele não se torne obeso; * não praticar exercícios físicos de alto
impacto, como saltar e correr em solo irregular. Dependendo do quadro do paciente as sessões
de acupuntura podem ser associadas a medicamentos fitoterápicos, homeopáticos ou alopáticos,
obtendo ótimos resultados e diminuindo a incidência de cirurgias. Além dos casos de dor, várias
doenças como artrite, gastrite, artrose, diabetes, insuficiência renal, insônia, estresse, entre
outras podem ser tratadas pela acupuntura com eficiência. Traumas, seqüelas de cinomose e
recuperação pós-operatória também são tratáveis pela técnica milenar.
Biba, a Dachshund abaixo está na fase de manutenção. Ela foi curada de um problema que tinha
na vértebra.
Dra. Cecília Maria R. T. Groke Médica Veterinária
tRAtAMento dAs doRes oRo-FAciAis coM
AcUpUntURA
Anais do 15° Conclave Odontológico Internacional de Campinas
ISSN 1678-1899- n.104 - Mar/Abr - 2003
DARWIN CALDEIRA RIBEIRO
Professor da Escola de Aperfeiçoamento Profissional da Associação dos Cirurgiões Dentistas de Campinas.
As dores deste tipo sempre foram causa de preocupações da nossa profissão. Além do tratamento direto do caso, usamos
sempre de artifícios variados, como infra vermelho, bochechos, aplicações locais de medicamentos, bem como infiltrações de
produtos alopaticos como corticóides, além de usarmos medicamentos por via oral ou injetáveis. Isto muitas vezes não trazia bons
resultados, porque o paciente não era sensível a esses tratamentos, podendo ainda apresentar quadros alérgicos, porque sua energia
estava desequilibrada, o que podemos comprovar com a Acupuntura que é uma ciência oriental em que ACUS – agulha, por
intermedio da PUNTURA – picada consegue equilibrar a energia e tratar o paciente. A mesma equilibra um sistema de forças ou
energias chamadas Inn e Yang; no seu desequilíbrio trazem a doença. Temos os chamados pontos de Acupuntura, que são
pontos com energia própria e características diversas como sejam: Tonificação, em que o ponto “aumenta” a energia desequilibrada
de um órgão com falta de energia. Sedação, onde o ponto confere uma “diminuição” do excesso de energia de um órgão,
equilibrando-o. Há também pontos chamados de “alarme” da patologia do órgão. Unindo os pontos de Acupuntura vamos obter
Linhas Energéticas ou Meridianos de Acupuntura que carregam a energia para tratamento das Dores Oro-Faciais. Assim, temos
que alguns meridianos são mais usados na nossa profissão. São: Intestino Grosso, Intestino Delgado, Estômago, Vesícula Biliar, Vaso
Governador e Vaso Concepção. Nos casos de Nevralgias de Trigêmio, usamos principalmente os pontos do meridiano do Intestino
Grosso que vai do dedo indicador até a face, colocando agulhas ou raio laser nos pontos 1, 2, 3, 4, desse meridiano, podendo usar-los
também para gengivites, dores dentárias simples, pulpites e Analgesia por Acupuntura.
Fig1. Meridiano do Intestino Grosso – GI, Estômago – E (Fonte: l´anesthésie par l´acupuncture – j.e.h. niboyet)
Fig2. Meridiano do Int. Delgado – IG, Intestino Grosso - GI (Fonte: l´anesthésie par l´acupuncture – j.e.h. niboyet)
Quando fazemos uso deste procedimento não usamos medicamentos, mas tão somente a técnica dos meridianos, evitando
assim possibilidades de alergias ou choques Anafiláticos, porque alguns pacientes ás vezes nem sabem se são ou não alérgicos. O
meridiano do Intestino Delgado cuida muito das dores das mãos dos Dentistas (Ler, Dort) e das Periodontopatias, pontos 1, 2, 3.
Citamos aqui o caso da paciente G. R., 20 anos, que tratava já há 18 meses uma paralisia facial com vitamina B
injetável, corticóides, fisioterapia manual e com aparelhos elétricos, sem nenhum resultado. Procurou-nos e foi curada totalmente em
02 meses. O meridiano da Vesícula Biliar está diretamente ligado pelo seu ponto numero 41 a todo tipo de periodontite. O meridiano
do Estômago que tem muitos pontos localizados na face, cuida principalmente da energia (ponto 36), do Trismo, Paralisias
Faciais.
O Vaso Governador pelo seu ponto numero 26 trata de muitas desordens Oro-Faciais, e é principalmente útil nas
Analgesias da Boca. O Vaso Concepção por seu ponto numero 24 que fica na região do mento cuida de Lipotimias Físicas e
Psíquicas.
Fazendo parte ainda dessa matéria, temos a considerar a Auriculoterapia , que tem pontos com resultados muito
rápidos no tratamento da Dores Oro-Faciais. Assim o ponto chamado Shen-men (porta da felicidade) trata desde dores de
dentes, gengivites, desequilíbrios energéticos, neurastenia, dores nas mãos dos Dentistas (Ler, Dort), praticamente todas as
patologias da região da Face e Boca, como também ajuda a promover a analgesia para cirurgias dentarias. Outros pontos tem funções
parecidas, como o SNV (Sistema Neuro-Vegetativo) que trata também de desequilíbrios mastigatórios e “tiques nervosos”. Existem
pontos como o Zero que serve para Relaxamento e para Trismo. Temos outros como os relacionados à coluna Cervical, Dorsal e
Lombar que influem diretamente na mecânica da Articulação
Temporo Mandibular.
O ponto do Rim vem tratar as patologias ligadas à mobilidade dentaria, porque cuida dos ossos em geral; serve para
tratamento de osteoporose com reflexos nas estruturas ósseas dos maxilares incluindo a parte funcional da articulação
temporo mandibular onde vai aumentar a sua memória relativa a um anterior estado de equilíbrio. O ponto do Fígado trata os
problemas musculares em geral, tanto da própria articulação, seus músculos interessados, bem como dos músculos e tendões do
braço do Dentista com tendinites. Sua ação na metabolização de proteínas faz com que aumente a imunidade da gengiva às
infecções. Juntamente com o ponto do Pâncreas vai atuar no tratamento de diabetes tipo I e II tanto no seu aspecto patológico próprio
como nas suas derivações patológicas quando provoca uma diminuição na micro circulação periférica do dente conferindo-lhe
um progressivo aumento de mobilidade. Não podemos nos esquecer de pontos como o da subcortex que serve para um equilíbrio
hormonal bem como o de glândulas de secreção interna que atuam isolada ou conjuntamente no tratamento de periodontopatias
com sua origem ligada a esses elementos de energia. Temos a considerar na aurícula ainda, pontos para tratamento para
qualquer dor facial, cefaléias, enxaquecas representados por: Córtex occipital, occipital, frontal, seios maxilares e shen-men. Quando
vamos tratar de mau hálito, pesquisamos a origem: se ela se encontra nos dentes, gengiva, secura da saliva, sinusite,
amigdalite, vias digestivas, vamos ter fórmulas prontas para cada tipo de causa. Assim lembrando dos pontos dos meridianos e
associando com os pontos da aurícula, vamos ter excelentes resultados. Como exemplo, citamos:
Hiperestesia dentinaria tratamos com os pontos 1, 2, 3, 4, do Intestino Grosso e shen-men; se o paciente é agressivo,
acrescentamos o ponto 8 do meridiano do Fígado, se é nervoso, o 36 do Estômago, se é ansioso, o Vaso Concepção 12 e se
apresentar uma salivação exagerada o 41 do Estômago Como citação, resta-nos lembrar dos pontos das cicatrizes tóxicas
situados na aurícula , que representam uma perturbação da Articulação Temporo Mandibular, bem como uma dor ocular e
cefaléias, provocados por raízes de dentes abandonadas sem tratamento há pelo menos 03 anos, quando então conseguimos um
bom resultado eliminando essas infecções com pontos de acupuntura como o 36 do Estômago e das referidas cicatrizes.
Material usado para a técnica da Acupuntura;
Usamos agulhas normalmente na medida 0,25X30mm, de aço, para tratamentos sistêmicos e pequenas agulhas de 1,8mm,
para tratamentos auriculares. Para tratamento e analgesia podemos usar a técnica manual ou eletrônica, inclusive com laser.
Vantagens da Analgesia por Acupuntura em Odontologia:
- Pode ser usada em casos de pacientes com alergias ou que já tiveram choque anafilático.
- Não traz problemas para os cardiopatas.
- Não necessita entubação e conseguimos a diminuição das secreções brônquicas,
- Controla tanto a falta de saliva quanto o excesso da mesma.
- Ao mesmo tempo que produz anestesia, faz já o tratamento das patologias quais sejam ronco, apnéia, dispnéia, baixa
imunidade, com as consequentes gengivites, amigdalites, herpes simples ou zoster, micoses labiais, do angulo da boca.
- Não tem ação nocivas sobre as funções musculares.
- Não causa qualquer modificação importante sobre a pressão arterial estável, mas controla-a quando
desequilibrada, o que se pode conseguir imediatamente em casos de urgência aplicando uma agulha auricular atrás da orelha do
paciente.
- A hemostasia é melhor quando se usa este método.
- Quando se faz o pré operatório com a técnica citada, conseguimos uma cicatrização muito mais eficiente.
- O paciente se mantém consciente durante a intervenção, o que não acontece quando se usa anestesia geral.
- A analgesia permanece durante mais tempo após a intervenção, sendo que podemos controlar a dor por mais de 24 horas
colocando agulhas auriculares nos pontos prescritos.
- Quando se usa Acupuntura pode se associar a esse tratamento a Homeopatia e os Florais.
Como complementação temos a considerar alguns fatores:
1- A acupuntura não pretende substituir a odontologia e a medicina tradicional. Ela vem complementar.
2- Vem a mesma aproveitar o reflexo víscero cutâneo, ou seja, a relação entre os órgãos internos e a pele,
pelos seus pontos de acupuntura.
3- Muitos profissionais, dentistas e médicos, queriam ignorar a acupuntura, mas agora não é mais possível.
4- Tínhamos sempre que recorrer a bibliografias chinesas, francesas, japonesas e isto vinha sendo uma barreira para o
ocidente, mas agora não, porque já temos algumas obras em português.
5- Porque acupuntura em Odontologia? Por que é a hora da dentista assumir o seu papel na história da cultura oriental.
6- Quem faz acupuntura? Todos nós, dentistas médicos, veterinários. As escolas de bom nível vem formando ótimos
profissionais.
7- O profissional que tem uma visão holística é o novo dentista, que tem o que contar para seus clientes, e tratá-los com a
mais “nova” e eficiente técnica.
8- O enfermo na odontologia e medicina vem de uma desanimada procura de novas soluções.
9- Tanto no consultório como na cirurgia hospitalar, o dentista vai atuar melhor (pré operatório e pós operatório).
10- Que resultados se pode esperar? Os melhores e mais modernos, por que com a acupuntura vamos tratar de
intolerâncias a medicamentos, alimentos e tratamentos tradicionais.
11- O tao- o su wen diz que é o universo, o princípio, o todo e se pode chegar a ele por uma respiração dirigida.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DO CAPÍTULO:


1 - COUDET, G. J. – Acupuntura Practica En Odonto-Estomatologia – Editora Panamericana – Buenos Aires – 1978
–239 Páginas.
2 - MORANT, G. S. – Précis de la vrai acuponcture chinoise. Paris: Mercure de France, 1934 – 900 Páginas.
3 - NIBOYET, J. E. H. – L’anesthésie Par L’acupuncture - Editora Maisonneuve – France – 1973 – 433 Páginas.
4 - NOGIER, R. – Introdução pratica à auriculomedicina: a fotopercepção cutânea. Editora Andrei – São Paulo - 1995 –
150 Páginas.
5 - NOGIER, R. – Prática fácil de auriculoterapia e auriculomedicina. Editora Ícone – São Paulo - 1997 – 124 Páginas.
6 - RIBEIRO, D.C. Acupuntura Odontológica Uma Técnica Contra a Dor. Editora Ícone – São Paulo, 2002 – 101
Páginas.
7 - SUSSMAN, D. J. – Acupuntura – teoria y practica. Editorial Médica Panamericana, 1978 – 407 Páginas. Fonte das
Ilustrações:
NIBOYET, J. E. H. – L’anesthésie Par L’acupuncture - Editora Maisonneuve – France – 1973 – 433 Páginas.
Fig3. Meridiano do Estômago (Fonte: l´anesthésie par l´acupuncture – j.e.h. niboyet)
Fig4. Meridiano da Vesícula Biliar - VB (Fonte: l´anesthésie par l´acupuncture – j.e.h. niboyet)
Fig5. Vaso Concepção – VC (1), Vaso Governador – VG (2) (Fonte: l´anesthésie par l´acupuncture – j.e.h. niboyet)
Acupuntura en el Tratamiento del Dolor Relacionado con Trastorno de la ATM
Estudio controlado de la utilización de Acupuntura (estimulación neural periférica) en el tratamiento del dolor relacionado
con trastorno de la articulación temporomandibular.
Universidade federal de Santa Catarina
Centro de Ciências da Saúde
Departamento de Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo-facial
*PEREIRA, KS ; **GIL,JN; ***CARNEIRO, NM; ****DOMENECH,SC
* Dentista Especialista em Acupuntura Mestranda em Ciências do Movimento Humano – Universidade do Estado de Santa
Catarina – pereirakarime@hotmail.com
** Professor Titular da Disciplina de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilo Facial – Universidade Federal de Santa Catarina -
g i l @ c c s . u f s c . b r
*** Medico especialista em Acupuntura – Diretor do Centro Avançado em Acupuntura Medica –
h t t p : / / a c u p u n t u r a c o n t e m p o r a n e a . b l o g s p o t . c o m /
**** Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano – d2scd@udesc.br

Introducción
Preservar la vida es un fuerte instinto y el dolor tiene función primordial en este proceso. De etiología multifactorial, la
disfunción temporomandibular puede estar relacionada al bruxismo del sueño. Ambos generalmente presentan contracturas de grupos
musculares. La mandíbula ocupa un lugar especial respecto a las necesidades básicas del organismo y la aplicación de acupuntura en
odontología representa un medio importante para el manejo de los disturbios relacionados con la articulación temporomandibular.
Objetivos
Evaluar la eficacia de la acupuntura, demostrando los beneficios de su uso en pacientes con dolor y disfunción de la
articulación temporomandibular.
Metodologia
El estudio se desarrolló en la Universidad Federal de Santa Catalina en el año 2006. Se seleccionaron 20 individuos entre
20 y 60 años; sexo femenino; sin alteración morfológica articular y con sintomatología dolorosa en los músculos de la masticación en
un período superior a 90 días. Se controlaron once de las pacientes durante 30 días después de la primera consulta para una
valoración del dolor en una escala numérica del 0 al 10. Divididos en ocho para el grupo experimental y tres para el grupo de
observación; los individuos respondieron un cuestionario, en un total de cinco consultas. Se establecieron puntos de “estimulación
neural periférica”, las agujas (0,20 x 30,0) mm permanecieron en los puntos seleccionados durante 20 minutos con electroestimulación
percutánea. El aparato (SIKURO® DS 100) emitió disparos de entre 5 y 20 Hz de frecuencia, con duración de cuatro segundos activos
e cuatro segundos inactivos cada uno. Para las comparaciones entre dolor inicial y final en los grupos se emplearon el teste t para
datos dependientes y el teste de Wilcoxon. En las comparaciones entre grupo experimental y grupo de observación, se utilizó el teste
de Mann-Whitney. Para todos los testes estadísticos, se empleó un nivel de significancia de 5 %.
Resultados
Independientemente de la reducción de la intensidad inicial del dolor y del consumo voluntario de analgésicos; todas las
participantes del grupo experimental relataron mejoras inmediatas después de la aplicación de la acupuntura refiriendo una relajación
significativa y somnolencia. Del total de los veinte individuos, en relación al bruxismo del sueño, quince presentaron facetas de
desgaste en esmalte y solo tres habían usado placas mio-relajantes y hecho algún tipo de fisioterapia manual. Los testes estadísticos
mostraron que ocurrió una disminución significativa en el dolor en el grupo que utilizó acupuntura. No se encontraron diferencias
significativas en el dolor, para el grupo de observación. En las comparaciones del dolor final (después de las cinco aplicaciones de la
acupuntura) entre el grupo experimental y el grupo del observación se encontró una disminución significativa del dolor en el grupo
experimental.
Conclusión
El dolor y la disfunción temporomandibular, como desorden clínica de elevada prevalencia, es una patología en que debe
considerarse la indicación para la práctica de acupuntura contemporánea; que fundamentada en los conocimientos actuales de
neurofisiología, se evidencia como un importante recurso terapéutico en Odontología.
Anexo 1
Sitios de estimulación neural periférica – localización topográfica.
DTM 1. En la depresión que se forma posteriormente el cóndilo de la mandíbula, entre este y el trago de la oreja, con la
boca abierta. Dirección oblicua inferior y posterior, en dirección al nervio facial (VB2).
DTM 2. En la depresión que aparece bajo el arco zigomático cuando la boca está abierta en posición de reposo, y que es
delimitada por debajo por el borde de la escotadura sigmoidea. Dirección perpendicular u oblicua dirigida para atrás (E7).
DTM 3. Sobre el ramo ascendente de la mandíbula, arriba del ángulo mandibular, en una concavidad. Hay en la región
ramos del nervio grande auricular, facial y trigémino. Dirección perpendicular u oblicua en dirección al ángulo mandibular (E6).
DTM 4. En una concavidad sobre el músculo temporal, detrás de la sutura coronal y debajo de la línea temporal inferior.
Sobre el ramo del nervio trigémino. Dirección oblicua paralela a la piel, para atrás (VB5).
DTM 5. En la mano, en una depresión situada en la borda radial del segundo metacarpiano, la mitad de la distancia por
entre las epífisis del hueso. En la región se encuentran fibras nerviosas del nervio mediano, radial y ulnar. Dirección perpendicular al
plano de la piel. (IG4)
DTM 6. En una concavidad situada en la cara ventral del puño, en el límite proximal de la aponeurosis del carpo, por entre
los tendones flexores, en la línea mediana. Sobre el nervio mediano. (Pc6).
Anexo 2
Valores de dolor encontrado para el grupo experimental (1) y para el grupo de observación (2); antes y después del
tratamiento con acupuntura. (http://nortonmoritzcarneiro.googlepages.com/Acupuntura_dor_ATM_2007anexo2.doc)

Referencias Bibliográficas
ATTANÁSIO, R. Nocturnal bruxism and its clinical management. Dental clinics of North America, 1991. v.35(1) p.245-252.
BEAR, M.F. et al. Neurociências – Desvendando o Sistema Nervoso. Porto Alegre: Artmed, 2002. p.855.
CARNEIRO, N.M. Fundamentos da Acupuntura Médica. Florianópolis: Sistemas, 2001.
DAMÁSIO, A.R. Em busca de Espinosa: prazer e dor na ciência dos sentimentos. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
p.360.
LENT, R. et al. Cem bilhões de neurônios: Conceitos fundamentais de neurociência. São Paulo : Atheneu, 2004. p.698
OKESON, J.P. Dor Orofacial: Guia De Avaliação Diagnóstico e Tratamento. São Paulo: Quintessence, 1998.
SIQUEIRA, J.T.T.; TEIXEIRA, M.J. Dor Orofacial, diagnóstico, Terapêutica e Qualidade de Vida. Curitiba: Maio, 2001.
Postado por Norton Moritz Carneiro
Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2008

AcUpUntURA nA AnAlgesiA dentÁRiA


1-IG 4 bilateral, com estimulação manual, (Niboyet; Lee; do New York University Medical Center) manipulação durante 20
minutos.
2-Pressão e massagem pré e intraoperatória de E6 e E7 (China).
3-IG3 atravessando para IG4 bilateralmente + apex do tragus manipulação durante 1-2 minutos, deixar as agulhas por 1 a
5 minutos, então manipular por 1-2 minutos antes de iniciar a extração dentária. As agulhas permanecem durante a cirurgia. Quando
completar a cirurgia, retirar primeiro a agulha auricular, após passar mais 2 minutos, então retirar as agulhas das mãos (China).
4-IG3 para IG4; pontos auriculares: anestesia dentária e dor de dente ipsolateral. A agulha do ponto dor de dente deve ser
dirigida no sentido de dente a ser trabalhado. O período de indução pode ser em torno de 7 a 10 minutos (Wexu).
5-Aquapuntura dos pontos de anestesia dentária com 0,3 a 1m1 de soro fisiológico e aguardar 10 minutos (China).
6-IG3 para IG4 contralateral + incisivos superiores VG26 para IG20 caninos superiores VG26 para IG20 + ID18 pré-molares
superiores E7, ID18 incisivos inferiores VC24, E6 caninos inferiores VC24 para E5, E6 pré-molares inferiores VC24, E6 molares
inferiores VC24, E6, E7 (China)
7-Brandwein & Corcos, 1975

maxila IG4 VG26, IG20 Apex (tragus)


1234 bilateral ID18 para E3 Face
5678 E36, E42 E7, ID18 ShenMen
ipsolateral
Mandíbula IG4 VC24 Apex (tragus)
1234 bilateral Forame menton. Face
5678 E36, E44 E6 ShenMen
ipsolateral forame menton.
Pontos Auxiliares: P7 ou C3
8-Brandwein & Corcos, 1976 Pontos distantes: IG4, E36 para todos os dentes R7, E42 para maxilares E44 para
mandibulares
Pontos locais: Arcada Superior – Incisivos IG19, IG20 caninos IG20, pré-molares IG20, ID18 molares E7, ID18 ; Arcada
Inferior - Incisivos VC24, forame mentoniano
caninos forame mentoniano
pré-molares E6, forame mentoniano
molares E5, E6

Acupuntura na odontologia
Lin Hui Ching e José Tadeu T. de Siqueira

As dores crânio-faciais são altamente prevalentes na população em geral e motivo freqüente


de procura assistencial à saúde. A face é composta predominantemente pelo aparelho mastigatório
e as doenças dos órgãos dentários, dos maxilares, dos músculos da mastigação e das articulações
temporomandibulares (ATM) são causas freqüentes de dor facial e de cefaléias secundárias.

As dores odontológicas compõem predominantemente o grupo de síndromes


álgicas amplamente reconhecido com a denominação de Dor Orofacial. Sob o aspecto clínico este
grupo engloba dores provenientes dos dentes, boca e dos maxilares; sendo que estas dores
têm diferentes origens teciduais e, a exemplo de outras áreas do organismo humano, elas podem ser
de origem somática, neuropática e de anormalidades na área da saúde mental. Além disso, a
face destaca-se pela presença de estruturas típicas como os dentes e seus anexos, pela complexidade
anatômica em geral desse pequeno segmento do corpo, incluindo os diferentes aspectos da
inervação trigeminal, pela presença da mandíbula como osso móvel e com duas articulações
separadas e interdependentes e pela importância psicológica e social.

Para que os tratamentos em uso atual alcancem o sucesso deles esperado é indispensável o
diagnóstico correto e o estabelecimento do objetivo de cada tratamento. Quando há causas, como
na maioria das dores dentárias, é necessário eliminá-las através de tratamentos operatórios
há muito em uso, embora, nestes casos várias medidas podem ser utilizadas para o controle da dor.
Em outras situações, a exemplo das dores músculo- esqueléticas da face, amplamente conhecidas
como Disfunções Temporomandibulares (DTM), as terapêuticas visam aliviar a dor e melhorar
a função mandibular.

Portanto, para estabelecer a importância da acupuntura na dor orofacial deve-se conhecer uma
classificação que permita diferenciar as diversas dores do segmento, para que possamos
determinar qual o papel dessa técnica milenar em nossa abordagem terapêutica.

1) CONDIÇÕES ONDE A ACUPUNTURA PODE SER EFICAZ

1.1. Disfunção Temporomandibular (DTM)

As Disfunções temporomandibulares, comumente conhecidas como Disfunção da articulação


temporomandibular (ATM), são anormalidades e dor proveniente do sistema mastigatório. Na
verdade, o nome DTM é genérico e se refere a vários subgrupos de dores músculo-esqueléticas
relacionadas à atividade mandibular e, portanto, engloba as condições dolorosas
crônicas decorrentes dos músculos mastigatórios, das articulações temporomandibulares e das
estruturas associadas.

Assim, basicamente, as Disfunções Temporomandibulares podem ser de origem:

-muscular
-articular
-mista
SINAIS E SINTOMAS QUE SUGEREM DTM DE ORIGEM MUSCULAR
a) dor
- normalmente em pressão ou cansaço, embora existam outras manifestações
como pontadas, latejamento, queimação e espasmo.

- difusa em várias regiões da face como: ouvido, pré-auricular, face, fundo dos
olhos, ângulo mandibular, nuca, têmporas. Pode espalhar-se às adjacências,
normalmente é unilateral, eventualmente bilateral e freqüentemente migratória (ora
um lado, ora no outro lado da face);

- nem sempre é desencadeada pelo movimento mandibular;

- dor muscular à palpação é fortemente sugestiva; presença de fibroses,


endurecimento muscular e eventualmente pontos dolorosos.
b) A limitação de abertura bucal não é achado freqüente, exceto em casos agudos ou
períodos de crises.
c) Irregularidades nos movimentos mandibulares.
d) Fatores perpetuantes: bruxismo, sinais de apertamento dentário, próteses irregulares ou mal
adaptadas, respiração bucal, má postura cervical, estressores psicológicos, dores crônicas em outras
partes do corpo.
e) Alterações oclusais (mordida aberta) ou faciais na fase aguda, ou em períodos de crises.
f) Alterações otológicas (zumbidos), eventualmente atribuídas ao bruxismo, ou à musculatura
cervical.
SINAIS E SINTOMAS QUE SUGEREM DTM DE ORIGEM ARTICULAR
Algumas condições de dores articulares agudas podem ser aliviadas pela acupuntura, como a
artralgia traumática. Neste caso, a dor é tipicamente unilateral, localizada e quase sempre
relacionada à função mandibular. Quando aguda, ela pode ser acompanhada por edema na região
pré-auricular, há hiperalgesia desta área e restrição do movimento mandibular. Com o passar do
tempo, a dor aguda pode gerar sensibilização central, atividade muscular secundária e
espalhamento da dor.
Os sinais e sintomas podem ser:
1) Dor: localizada na região pré-auricular, espontânea ou provocada, normalmente desencadeada pelo
movimento mandibular
2) edema na região pré-auricular
3) limitação de abertura bucal
4) Irregularidade nos movimentos mandibulares
5) Travamentos da mandíbula à abertura ou fechamento bucal
6) Alterações oclusais (mordida aberta) ou faciais
7) ruídos articulares: estalidos ou crepitação
8) alterações otológicas (zumbido)
1.2. Diagnóstico diferencial
Estudo epidemiológico, realizado entre 45.711 famílias americanas não-institucionalizadas,
em todas as faixas etárias, sobre a prevalência de dor orofacial indicou que 22% da
população avaliada apresentara, nos últimos 6 meses, uma das seguintes dores: dor de dente,
sensibilidade
na mucosa oral, ardência bucal, dor na ATM e dor facial (LIPTON et al., 1993).
Levantamento
recente sobre as dores mais freqüentes na população brasileira indicou que lombalgia (65,9%), dor
de cabeça tensional (60,2%), dores musculares (50,1 %), enxaqueca (48,6 %), dor de estômago
(43,2 %), dor nas costas (41,2 %) e dor de dente (38,4%) constituíam-se nas principais queixas
(CREMS, 1994). Estes dados confirmam, também entre o brasileiros, que o segmento cefálico é um
dos locais de maior prevalência de dor, inclusive a de origem dentária e do segmento
maxilo- mandibular. Isso se justifica porque a o segmento cefálico é uma região rica em
estruturas anatômicas e sabe-se que sinais e sintomas de dor provenientes de fontes diferentes,
podem se sobrepor (BRUNETTI & LIVEIRA, 1995; THOMÉ, 1993) gerando fenômenos dolorosos como
a dor
referida. Estes fenômenos secundários decorrentes da dor são freqüentes, ampliam a área
dolorosa, dificultam a localização da dor (HARDY et al, 1950; INGLE et al, 1979) e
consequentemente, o diagnóstico correto.
A acupuntura é um ótimo auxílio no estabelecimento do diagnóstico correto, pois ajuda na
eliminação de dores provenientes destes fenômenos secundários, determinando uma terapêutica
adequada para cada caso.
1.3. Diminuição no consumo de medicamentos
Nos casos de indivíduos que são acometidos por dores em região de face, é muito comum o
consumo excessivo de medicamentos como analgésicos e antiinflamatórios, seja pela auto-
medicação, seja pela receita profissional, dentista ou médico. A acupuntura, através do seu
mecanismo de analgesia, colabora para a diminuição do consumo destes medicamentos. É também
um ótimo auxílio no alívio imediato da dor pós-operatória em cirurgias odontológicas como
de terceiros molares inclusos e diminuição do consumo de opióides em relação ao grupo controle (LAO
et. Al, 1995). Isso é especialmente válido principalmente para os idosos ou pacientes que devido à sua
condição de saúde, há necessidade de consumir vários medicamentos como os hipertensos,
diabéticos, pacientes fibromiálgicos e outros.
2) CONDIÇÕES ONDE A ACUPUNTURA PODE NÃO SER EFICAZ
2.1. Odontalgias
Na odontologia clínica, parte significativa das urgências está relacionada à dor de
dente, essencialmente provenientes de doenças da polpa e do periodonto. As pulpites são as
principais causas de dor de dente; suas manifestações clínicas são extremamente variáveis e
dependem do grau de comprometimento da polpa dentária. Estas condições são de natureza diversa,
podendo ser: pulpites, sensibilidade dentinária, periodontites, pericementites, fraturas dentárias,
odontalgia atípica, pericoronarite e alveolite.
A dor pode ser latejante, pontada ou em choque; contínua ou intermitente; pode ser
provocada pela mastigação, por alimentos frios, quentes e doces, ou pode ser espontânea e
quando em fase avançada de pulpite, é contínua, acordando o indivíduo à noite durante o sono.
Algumas condições de dores dentárias são de difícil diagnóstico, como as fraturas dentárias e
a odontalgia atípica. As odontalgias difusas podem gerar dor espalhada em todo o segmento
cefálico, levando a quadros semelhantes a algumas cefaléias primárias como a Cefaléia em Salvas e
a Hemicrania Paroxística.
A acupuntura pode ser um coadjuvante, aliviando a dor aguda e espalhada como no caso da
pericoronarite que devido à dor, gera limitação de abertura bucal e dor em músculos adjacentes. Mas
a terapêutica em dores odontológicas é essencialmente operatória e, no caso das pulpites,
consiste na eliminação parcial ou total da polpa dentária (ALVARES, 1990). Pode exigir uso
concomitante de antiálgico ou antiinflamatório, principalmente no período inicial da cicatrização dos
tecidos periapicais (fase inflamatória) e, quando há infecção periapical, a antibioticoterapia deve ser
considerada, seja profilática ou terapêutica (SPALDING & SIQUEIRA, 1999).
2.2. Anormalidades da articulação temporomandibular
As anormalidades da articulação temporomandibular podem ser:
a) Anormalidades não inflamatórias (degenerativas) como a osteoartrose e deslocamento de disco
articular (desarranjo interno da ATM)
b) Anormalidades inflamatórias como a artrite reumatóide
c) Fraturas
d) Tumores
e) Luxação
f) Anquilose
g) Hiperplasia de côndilo
Os sinais e sintomas que indicam alguma anormalidade da ATM são: alteração dos
movimentos mandibulares, limitação da abertura bucal, dor articular à função mandibular, restrição
de função, ruídos articulares e alterações radiográficas assintomáticas da ATM. Travamentos da
mandíbula com a boca aberta e com a boca fechada. Eventualmente as doenças e anormalidades
da ATM provocam alterações na oclusão dentária e no perfil facial.
A limitação de abertura bucal exige mais investigação. Deve-se inicialmente diferenciar a
limitação de origem articular daquela de origem muscular.
A acupuntura pode aliviar a dor quando estiver presente, mas pouco efeito terá se alterações
articulares estiverem associadas, ou seja, o deslocamento anterior de disco sem redução não pode ser
tratado através da acupuntura porque existe um travamento mecânico da articulação que
impede a abertura de boca. Mas dores musculares quando presentes, a acupuntura pode ser eficaz.
2.3. Dores neuropáticas
Entende-se como dores neuropáticas aquelas iniciadas ou causadas por lesão primária
ou disfunção do sistema nervoso tanto central quanto periférico. A eficácia da acupuntura depende da
integridade deste sistema e, portanto, qualquer alteração compromete o sucesso deste tratamento.
As dores neuropáticas em região de face mais comumente encontradas na odontologia são:
Neuralgia de trigêmeo: caracteriza-se por dor paroxística, ou seja, forte e de curta
duração, como sensação de sucessivas pontadas, facadas, queimação, choques elétricos,
relâmpagos, ou penetração de calor de forte intensidade no território de distribuição de uma ou mais
divisões do nervo trigêmeo. Tem curta duração, instala-se e desaparece subitamente e
reaparece a intervalos variados. Geralmente é profunda, mas pode ser superficial, especialmente
quanto confinada ao lábio superior, supercílios ou regiões próximas à fronte e às pálpebras.
Neuropatia traumática: esta queixa de dor neuropática decorre da lesão do nervo durante
procedimentos cirúrgicos. Nestes casos, as regiões mais susceptíveis na cavidade oral são na
mandíbula e na maxila. Cirurgias de dentes inclusos na mandíbula podem provocar lesão do nervo
alveolar inferior ou no nervo lingual e gerar parestesias. Em algumas situações elas podem evoluir
para quadros de disestesia e de dor neuropática.

Referências bibliográficas:

1. ALVARES, S. Emergência em Endodontia. In: ALVARES, S. Fundamentos em Endodontia. Rio de Janeiro: Quintessence
Publishing Co., 1990. p.49-61.

2. CREMS - Centro Rhodia de Estudos Médicos Sociais e Limay Bernard Krief. 1º Estudo Master em Dor. 1º SIMBIDOR, São Paulo,
1994.

3. BRUNETTI, RF; OLIVEIRA, W. Diagnóstico diferencial. In: BARROS, JJ; RODE, W. (Eds) Tratamento das disfunções
craniomandibulares. São Paulo: Santos, 1995. p. 101-116.

4. HARDY, JD; WOLFF, HG; GOODELL, H. Experimental evidence on the nature of cutaneous hyperalgesia. J. Clin. Invest. , v.29, p.115-140,
1950.

5. INGLE, JI; GLICK, DH; SCHAFFER, D. Diagnóstico diferencial e tratamento das dores oral e perioral. In: INGLE, BEVERIDGE.
Endodontia . 2ª ed. Trad. José Carlos Borges Teles. Rio de Janeiro: Interamericana Ltda, 1979. p.450-517.

6. LAO, L & WONG, RH. Efficacy of Chinese acupuncture on postoperative oral surgery pain. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral
Radiol Endod. , v.79, p. 423-8, 1995.

7. LIPTON, JA.; SHIP, JÁ; LARACH-ROBINSON, D. Estimated prevalence and distribution of reported orofacial pain in the United
States. J. Am. Dent. Assoc. , v.124, p.115-121, 1993.

8. SPALDING, M.; SIQUEIRA, JTT. Processos infecciosos buco-dentais: avaliação de uma estratégia terapêutica. Rev. Gaúcha
Odont. , v.47, n.2, p.110-114, 1999.

9. THOMÉ, W. Dores referidas nas regiões orofaciais. Monografia apresentada à Comissão de Aprimoramento em Odontologia
Hospitalar. Hospital das Clínicas, FMUSP, 1993.