Você está na página 1de 40

ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA NEUROGÊNICA EM CÃES.

Acupuncture in the treatment of neurogenic urinary incontinence in dogs.

RESUMO Com o presente trabalho, descreve-se o caso de dois cães da raça dachshund apresentando incontinência urinária secundária à discopatia intervertebral, que tiveram a acupuntura como terapia primária. As sessões eram realizadas em intervalos semanais e foram precedidas de exame clínico geral e anamnese para descrição das evoluções ocorridas durante a semana. Os pontos mais utilizados para estes pacientes foram B60/B23, Baihui, B28, VC3, B34, E36, e B40. Um dos cães tratados apresentou controle total da micção após duas sessões de acupuntura. Já o segundo animal, apresentou controle pleno da micção após a quinta sessão. Sendo assim, nos pacientes que apresentam lesões na coluna vertebral, a acupuntura pode representar uma alternativa terapêutica valiosa no tratamento da incontinência urinária. PALAVRAS-CHAVE: cão, incontinência urinária, acupuntura. INTRODUÇÃO A continência urinária é mantida, sob o controle do sistema neurológico, pelo músculo detrusor, que circunda a bexiga, por músculos que circundam o esfíncter uretral e músculos do abdômen inferior e do assoalho pélvico. A micção ocorre quando fibras parassimpáticas originadas da coluna sacral, entre S1 e S3, determinam a contração do músculo detrusor, enquanto os nervos simpáticos originados entre T11 e L2 relaxam o esfíncter uretral (CHERNIACK, 2006). Qualquer lesão neurológica que afete esse reflexo pode causar uma desordem de micção. A incontinência urinária é mais provável de ocorrer em casos de lesão do neurônio motor inferior, originados entre os segmentos S1 e S3, como mal-formações congênitas, fraturas sacrais, trauma pélvico ou doenças lombo-sacrais (FORREST, 2005). Visto que nenhuma terapia medicamentosa é completamente eficaz, tratamentos alternativos podem, potencialmente, ser utilizados como métodos primários ou adjuvantes na redução da incontinência urinária. Acredita-se que a acupuntura pode ativar um novo crescimento de axônios destruídos na medula espinhal, além de sanar inflamações localizadas e seus sinais, como edema, vasodilatação ou constrição e liberação exacerbada de substancias vaso-ativas pró-inflamatórias, promovendo melhor perfusão sanguínea nas regiões alteradas e conseqüente recuperação medular (SCOGNAMILLO-SZABÓ & BECHARA, 2001).

MATERIAL E MÉTODOS Foram atendidos no setor de clínica médica da Unidade Hospitalar para Animais de Companhia da PUCPR, no período de outubro de 2005 a agosto 2006, dois pacientes, ambos da raça Dachshund, que apresentavam incontinência urinária e foram encaminhados para o tratamento com acupuntura. A incontinência urinária apresentada pelos animais foi conseqüência de afecções da coluna vertebral na região lombar. O primeiro cão atendido passou por apenas duas sessões. Esse paciente deambulava com ataxia grau 1, pois já havia sido submetido a um procedimento cirúrgico de hemilaminectomia e não apresentava dermatites amoniacais. O segundo paciente passou por dez sessões, sendo as cinco primeiras objetivando o controle da micção. Esse apresentava paralisia de membros posteriores, dermatite severa na região inguinal e infecção urinária bacteriana. As sessões eram mantidas com intervalos semanais e foram precedidas de exames clínicos gerais e anamnese para descrição das evoluções ocorridas durante a semana. Os pontos mais utilizados para estes pacientes foram B60/B23, Baihui, B28, VC3, B34, E36,e B40. O uso de agulhas apropriadas para o estimulo dos pontos de acupuntura com duração de vinte minutos tem o princípio não apenas da cura deste paciente, mas também conseguir o equilíbrio fisiológico/ metabólico das energias.

RESULTADOS E DISCUSSÃO Os dois cães submetidos a este tratamento apresentaram leve controle da micção, relatado pelos responsáveis, após a primeira sessão, sempre ocorrendo melhores resultados nas consultas posteriores. O primeiro apresentou controle total do esvaziamento da bexiga na segunda semana de tratamento. O segundo paciente, apresentou na quinta semana de terapia o controle pleno da micção e foi submetido a cinco posteriores sessões visando a prevenção de recidiva. Estes resultados demonstram a rápida obtenção de benefícios, fato contrastante com a literatura de referência, que prega um maior número de sessões e tempo para a evolução clínica (MACIOCIA, 1996). O tratamento clínico com a utilização de fármacos adrenérgicos é comumente instituído para estimular a contração do esfíncter uretral interno. Isto aumenta a capacidade vesical e o conseqüente controle urinário temporário e apresenta resultados positivos, porém sua aplicabilidade é massiva e desconfortável para o animal, tornando este método trabalhoso e dispendioso para o proprietário, que muitas vezes abandona os cuidados e opta pela eutanásia. A opção de intervenção cirúrgica como a uretroplastia, não é recomendada, pois a possível ocorrência de aderências e deiscência de sutura é de risco alto. A obtenção de sucesso na aplicação da acupuntura na terapêutica da incontinência urinária, em ambos os casos estudados apresentou-se extremamente semelhante com a literatura especifica, por conseguinte os efeitos finais foram considerados satisfatórios (SCOGNAMILLO-SZABÓ & BECHARA, 2001).

CONCLUSÃO Com a praticidade, baixo custo, aplicações menos invasivas e a necessidade semanal ou até mesmo esporádica das sessões, a acupuntura apresenta respostas favoráveis aos pacientes em curto espaço de tempo, isto a torna altamente recomendável no combate à incontinência urinária e é uma solução plausível para a normalização das atividades mictórias. A metodologia empregada e a instituição do tratamento apresentaram respostas satisfatórias, pois a rápida involução da sintomatologia permitiu a alta clínica dos animais demonstrando a eficácia do uso da acupuntura no processo curativo de animais de companhia.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CHERNIACK, E. P. Biofeedback and other therapies for the treatment of urinary incontinence in the elderly. Alternative Medicine Review, v. 11, p. 224-231, 2006. FORREST, S. D. Urinary incontinence. In: ETTINGER, S. J.; FELDMAN, E. C. Textbook of veterinary internal medicine. 6. ed. St. Louis: W.B. Saunders, 2005. p. 109-111.

2

MACIOCIA, G. Os fundamentos da Medicina Chinesa. 1. ed. São Paulo: Roca, 1996. 1000 p. SCOGNAMILLO-SZABÓ, M. V. R.; BECHARA, G. H. Acupuntura: Bases Científicas e Aplicações. Ciência Rural, v.31, p. 1091-1099, 2001 INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO PATRÍCIA SOUZA MARTINS Monografia apresentada à Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, campus de Botucatu, como parte integrante do Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária Orientadores: Prof. Dr. Stélio Pacca Loureiro Luna. Prof. Jean G. F. Joaquim Botucatu – SP 2003

VFG – Velocidade de Filtração Glomerular SHEN – Rim PI – Baço/Pâncreas GAN – Fígado XIN – Coração FEI – Pulmão WEI – Estômago DACHANG – Intestino Grosso XIAOCHANG – Intestino Delgado YUANG QI – Qi Original GU QI – Q i dos Alimentos

INTRODUÇÃO

A insuficiência renal crônica (IRC) é a forma mais comum de afecção renal em cães e gatos. IRC é definida como

insuficiência renal primária que persistiu por período prolongado, geralmente de meses até anos. Independentemente da causa, IRC é caracterizada por lesões estruturais renais irreversíveis e redução da massa renal. Após a correção de afecções primárias reversíveis e/ou dos componentes pré ou pós – renais da disfunção renal, não se deve esperar novas melhoras em pacientes com IRC, porque na maioria das vezes já ocorreram alterações compensatórias e adaptativas com a finalidade de manter a função renal (POLZIN et al, 1997). Geralmente a função renal tende se manter estável por semanas a meses, mas é caracterizada por um declínio progressivo e irreversível após um período de meses a anos, independentemente da persistência da lesão renal inicial. A causa primária da IRC pode estar ausente e não ser identificada na ocasião do diagnóstico (RUBIN, 1997). Embora ocorra em gatos e cães de todas as idades, a IRC é comumente considerada uma doença que acomete animais mais velhos, e a incidência aumenta com a idade. Em um levantamento de IRC em cães, a idade média do diagnóstico foi 7,0 e 6,5 anos, sendo que em gatos a idade média foi 7,4 anos (RUBIN, 1997).

A insuficiência renal crônica pode ter origem congênita, familiar ou adquirida. Com freqüência pode se

suspeitar de causas congênitas e familiares de IRC com base na raça e histórico familiar, idade de aparecimento da afecção, ou achados radiográficos e ultra- sonográficos. Qualquer processo patológico que lesione os glomérulos, túbulos, interstício e/ou vascularização renal pode resultar em insuficiência renal adquirida, sendo que em muitos pacientes com IRC adquirida, a causa primária responsável pela lesão renal permanece indeterminada (RUBIN, 1997). Apesar do prognóstico reservado a longo prazo, pacientes com IRC freqüentemente sobrevivem por muitos anos, com qualidade de vida. Embora não exista tratamento capaz de corrigir as lesões renais irreversíveis existentes, as conseqüências clínicas e bioquímicas do funcionamento renal reduzido podem ser minimizadas pelo tratamento sintomático e auxiliar (POLZIN et al, 1997). Na Medicina Tradicional Chinesa a Insuficiência Renal Crônica pode ser compreendida como um padrão de

Deficiência do Rim (Shen): Deficiência tanto do Yin como do Yang, bem como do Qi e da Essência (Jing) do Rim (ZHUFAN & JIAZHEN, 1997). Uma vez que o Rim (Shen) é a base de todo Yin e Yang que estão presentes em todos os demais Órgãos e Vísceras - Zang Fu (ROSS, 1994), em um quadro de IRC temos um comprometimento do funcionamento de todo o Zang Fu associada a Deficiência do Rim (ZHUFAN & JIAZHEN, 1997). O tratamento da IRC na Medicina Tradicional Chinesa pode ser visto como uma forma de minimizar a deteriorização autoperpetuante do funcionamento renal, bem como de fornecer maior qualidade de vida ao paciente.

DESENVOLVIMENTO Insuficiência Renal Crônica na Medicina Ocidental História e Sinais Clínicos

A história clínica da IRC varia dependendo da natureza, severidade, duração e progressão do quadro, presença de

doenças coexistentes mas não relatadas, idade e espécie do paciente. Geralmente trata-se de um paciente idoso, com uma longa história de sinais insidiosos, alguns deles podendo ser vagos e inespecíficos, como depressão, fadiga, anorexia e perda progressiva de peso (RUBIN, 1997).

A poliúria e polidipsia são os primeiros sinais clínicos de IRC em cães, observados pelo proprietário, o que ocorre com

menos freqüência nos gatos, devido aos hábitos livres dos felinos e sua grande capacidade de concentração da urina, presente mesmo nos estágios finais da insuficiência renal. A desidratação e emaciação são achados comuns. O paciente geralmente apresenta condição corporal ruim, com fraqueza e atrofia muscular, palidez das mucosas e aspecto descuidado da pelagem, com perda do brilho normal (RUBIN, 1997). As complicações intestinais se encontram entre os sinais clínicos mais comuns e importantes da uremia. A anorexia e perda de peso são achados inespecíficos comuns, que pode preceder outros sinais de uremia nos cães e gatos. A anorexia pode se manifestar inicialmente como um apetite mais seletivo, com preferência por alimentos mais palatáveis,

3

podendo a hiporexia progredir para a recusa de qualquer tipo de alimento. A perda de peso decorre de ingestão calórica inadequada, dos efeitos catabólicos da uremia, e da má absorção intestinal secundária à gastrenterite urêmica (RUBIN, 1997).

O vômito é achado freqüente em casos de uremia. Resulta dos efeitos de toxinas urêmicas sobre a zona de disparo

dos quimiorreceptores do centro bulbar do vômito, e da gastrenterite urêmica. Embora seja freqüentemente uma manifestação precoce da insuficiência renal aguda, o vômito pode não ocorrer até os estágios mais avançados da IRC,

particularmente quando os sinais sistêmicos foram minimizados por tratamento sintomático e auxiliar apropriadamente formulado.

A gravidade dos episódios de vômito correlaciona-se variavelmente com a magnitude da azotemia. Visto que a gastrite

urêmica pode ser ulcerativa, pode ocorrer hematêmese. Os gatos urêmicos parecem vomitar menos freqüentemente que os cães urêmicos (POLZIN et al, 1997). Nos casos de IRC grave pode ocorrer estomatite urêmica, caracterizada por ulcerações orais (mucosa lingual

e bucal) alteração da coloração da superfície dorsal da língua (para acastanhada), necrose e esfacelamento da parte

cranial da língua, e hálito urinífero. As mucosas podem também tornarem-se secas (POLZIN et al, 1997). Diarréia, freqüentemente hemorrágica, ocorre nos casos de uremia severa devido enterocolite urêmica. Pode ocorrer constipação, o que é

comum nos gatos (RUBIN, 1997).

A hipertensão arterial é uma das complicações da IRC mais relatada em cães e gatos, ocorrendo em 60 a 69% dos

gatos e 50 a 93% dos cães. A patogenia da hipertensão associada a IRC não esta bem elucidada, tendo geralmente uma clínica silenciosa nesses animais, exceto nos pacientes que manifestam complicações oculares. A IRC deve ser sempre considerada em cães e gatos com cegueira e hifema que se manifestam de forma aguda (RUBIN, 1997). Os sinais clínicos da disfunção do sistema nervoso em cães e gatos urêmicos podem ser: apatia, sonolência, letargia, tremores, desequilíbrio na ambulação, mioclonia, convulsões, estupor e coma. No início da uremia corre declínio progressivo na prontidão e percepção. Inicialmente o paciente parece estar deprimido, fatigado e apático. Em alguns casos pode ocorrer estupor agudo, coma ou convulsões. Nos casos de IRC avançada os sinais clínicos de disfunção neurológica podem ser ocasionais, variando de um dia para o outro (POLZIN et al, 1997). Muitos dos sinais neurológicos da IRC parecem ser decorrentes dos efeitos de toxinas urêmicas, ou do hiperparatireiodismo. Tremores, mioclonia, e tetania podem surgir em decorrência de hipocalcemia. A hipertensão arterial também pode levar ao aparecimento de sinais neurológicos. Ocasionalmente, é observada polimiopatia hipocalêmica em associação com a IRC, principalmente em gatos: podem apresentar ventroflexão cervical e ambulação difícil. Pode ocorrer também astenia muscular flácida generalizada e leves distúrbios do ritmo cardíaco (POLZIN et al, 1997).

Achados Laboratoriais Cães e gatos com IRC geralmente apresentam acidose metabólica, com redução dos valores de pH sanguíneo

venoso e das concentrações de bicarbonato, que resulta da capacidade limitada dos rins insuficientes em excretar íons hidrogênio, e em regenerar o bicarbonato (POLZIN et al, 1997).

A azotemia: elevação sérica da uréia e outros compostos nitrogenados, e da creatinina. A hiperfosfatemia e anemia

não regenerativa estão geralmente presentes. Ocorre também uma redução na capacidade de concentração da urina, sendo que a densidade urinária específica geralmente se encontra isostenúrica (1,007-1,015), embora alguns gatos com IRC possam apresentar densidade urinária acima de 1,025. Outras alterações incluem hipocalemia, hipercolesterolemia, hipercalcemia ou hipocalcemia, hiperamilasemia e proteinúria (RUBIN, 1997).

A avaliação radiográfica abdominal pode revelar tamanho renal reduzido, com contorno irregular do órgão,

mineralização renal e osteomalácia. O exame ultrassonográfico demonstra aumento da ecogenicidade e redução do tamanho renal. Radioisótopos revelam redução da massa e da função renal.

A falência renal deve ser considerada em cães e gatos geriatras que apresentam histórico e achados clínicos vagos. O

paciente deve ser cuidadosamente avaliado quanto a presença de outras doenças intercorrentes, como diabetes mellitus, doenças hepáticas, cardiopatias, neoplasias e hipertireoidismo (RUBIN, 1997).

IRC e a Medicina Tradicional Chinesa (MTC)

A observação da natureza, bem como as filosofias do I Ching, do Taoísmo e do Confucionismo, associados

ainda com as práticas do Zen Budismo, levaram ao que hoje conhecemos como Medicina Tradicional Chinesa (MTC). Montado o sistema filosófico, a MTC evoluiu ao longo do tempo como qualquer outra ciência, excluindo-se disso as crenças e lendas primitivas que deram um conceito espiritual a essa terapia científica. Como parte dessa evolução criaram-se ainda diversas teorias sobre o funcionamento dessa “filosofia médica” de modo a torna-la aplicável na

prática clínica e isto culminou com as Teorias Yin e Yang, das Substâncias Fundamentais, dos Cinco Elementos, dos Zang-Fu

e por fim a própria aplicação dos pontos de acupuntura, com localização e funções específicas. Na concepção da

Medicina Tradicional Chinesa (MTC), a acupuntura (AP) se baseia na teoria da polaridade universal do Yin e Yang que

considera que qualquer manifestação do universo, inclusive o funcionamento dos organismos é o produto da interação das duas forças opostas, Yin e Yang, que são, porém, interdependentes e complementares. O estado de saúde ou de equilíbrio

é, portanto, o resultado desta interação. A doença se manifesta quando na ocorrência do desequilíbrio e a acupuntura visa

restabelecer a homeostasia ou o equilíbrio harmonioso do organismo ao atuar equilibrando essas forças. Dentro da Medicina Ocidental tais elementos podem ser representados pelo Sistema Nervoso Autônomo Simpático (SNAS) e Parassimpático.

O Rim (Shen) na Medicina Tradicional Chinesa

Genericamente, a descrição anatômica do Rim (Shen) na MTC corresponde à do rim na Medicina Moderna Ocidental, entretanto as funções atribuídas ao Rim (Shen) na Medicina Tradicional Chinesa vão além da conhecida função de

secreção da urina (ZHUFAN & JIAZHEN, 1997).

4

O Rim (Shen) é frequentemente referido como a “Raiz da Vida” ou “Raiz do Qi Pré- Celestial”, uma vez que

armazena a Essência (Jing) que é parcialmente derivada dos pais, estabelecida na concepção (MACIOCIA, 1996). Como todo sistema Zang Fu, o Rim apresenta um aspecto Yin e outro Yang. Todavia estes dois aspectos adquirem um significado diferente para o Rim (Shen), porque ele contém o fundamento do Yin e Yang para todos os outros sistemas, sendo chamados de “Yin e Yang Primários”. O Yin do Rim pode ser considerado como base para todo o Yin contido

no organismo e em especial aquele pertencente ao Fígado (Gan), Coração (Xin) e Pulmão (Fei), sendo o Yang do Rim a base para todo o Yang do organismo, em particular do Baço (Pi), Pulmão (Fei), e Coração (Xin) (MACIOCIA, 1996).

O Yin do Rim (Shen) é o fundamento essencial para o nascimento, crescimento e reprodução, enquanto o

Yang do Rim é a força motriz de todos os processos fisiológicos. O Yin do Rim é fundamento material para o Yang do Rim, e o Yang do Rim é a manifestação exterior do Yin do Rim. Na saúde, esses dois pólos formam um todo. Na patologia, ocorre a separação do Yin e do Yang do Rim (Shen). O Yin e o Yang do Rim (Shen) apresentam, portanto, a mesma raiz, e dependem um

do outro para existir (MACIOCIA, 1996). Pelo fato de serem fundamentalmente um todo, a deficiência de um necessariamente implica na deficiência do outro. O Yin e o Yang poderiam ser comparados a uma lâmpada a óleo, onde o óleo representa o Yin e a chama o Yang do Rim. Se o óleo decresce, a chama também decresce e vice-versa. Portanto, em se tratando de desarmonia do Rim (Shen), é necesssário tonificar tanto o Yin como o Yang para prevenir a exaustão de um deles (MACIOCIA, 1996).

A Essência (Jing) do Rim apresenta uma interação com a Essência (Jing) Pós Celestial, que origina-se dos

alimentos a partir da função do Estômago (Wei) e do Baço (Pi), e é reabastecida por ela. A Essência (Jing) do Rim compartilha, portanto, de ambas as Essências, Pré e Pós Celestial. Há uma estreita interação entre os vários aspectos da energia do Rim, ou seja, a Essência (Jing) do Rim (Shen), Yin , Yang e Qi do Rim (Shen) (MACIOCIA, 1996).

O Qi Original (Yuan Qi) está intimamente relacionado à Essência (Jing). Na verdade, o Qi Original é a Essência (Jing)

na forma de Qi, ao invés de fluido, uma forma dinâmica e rarefeita da Essência, apresentando sua origem no Rim (Shen). Costuma-se dizer que o Qi Original inclui o “Yin Original” (Yuan Yin) e o “Yang Original” (Yuan Yang), isto significa que o Qi

Original é o fundamento de todas as energias Yin e Yang do organismo (MACIOCIA, 1996). Portanto, o Qi Original (Yuan Qi) pode ser visto como uma força motriz dinâmica que desperta e movimenta a atividade funcional de todos os sistemas. O Qi Original circula por todo o organismo nos Meridianos (MACIOCIA, 1996).

O

Portão da Vitalidade (Ming Men)

O

Portão da Vitalidade ou Ming Men (Fogo Ministerial) localiza-se entre os dois rins, abaixo da cicatriz

umbilical, na região dorsal lombar, e sua importância consiste no fornecimento de calor para todas as atividades funcionais do organismo.

As principais funções do Portão da Vitalidade são:

ƒ Raiz do Qi Original (Yuan Qi).

Tanto o Portão da Vitalidade como o Qi Original estão relacionados ao Rim (Shen), e são interdependentes. O Qi Original é uma forma de Essência (Jing) dinamicamente ativa, que apresenta muitas funções, entre as quais auxiliar na elaboração do Sangue (Xue). O Qi Original (Yuan Qi) depende do calor para o seu desempenho, o que é fornecido pelo Portão da Vitalidade. Se o Fogo do Portão da Vitalidade for deficiente, o Qi Original sofrerá e conduzirá a uma Deficiência Generalizada de Qi e Xue.

ƒ

Fonte do Fogo para todos os Sistemas Internos.

Se

o Portão da Vitalidade declinar, a atividade funcional de todos os sistemas será afetada, resultando em cansaço,

depressão mental, falta de vitalidade, negatividade e sensação de frio.

ƒ

Aquece o Aquecedor Inferior e a Bexiga (PangGuang).

O

aquecedor Inferior transforma e excreta os fluidos corpóreos (Jin Ye) com o auxílio da Bexiga. O calor do Portão

da Vitalidade é essencial para transformar os Fluidos Corpóreos (JinYe) no Aquecedor Inferior. Se ele estiver debilitado, o

Aquecedor Inferior e a Bexiga não possuirão o calor necessário para transformar os Fluidos Corpóreos. Este se acumulará originando Umidade ou Edema.

ƒ

Aquece o Estômago (Wei) e o Baço (Pi) para auxiliar a Digestão.

O

Calor é essencial para o Baço (Pi) poder exercer suas funções de transportar, separar e transformar, que requerem

calor fornecido pelo Portão da Vitalidade. Se o Fogo do Portão da Vitalidade estiver deficiente, o Baço não poderá transformar e o

Estômago não poderá digerir os alimentos, provocando diarréia, cansaço, sensação de frio e membros frios.

ƒ Harmonizar a função sexual e aquecer a Essência (Jing) e o Útero.

Desempenho sexual, fertilidade, puberdade dependem do Fogo do Portão da Vitalidade.

ƒ Auxiliar a função do Rim (Shen) de recepcionar o Qi.

A função de receber o Qi depende do Yang do Rim (Shen) que requer o Fogo do Portão da Vitalidade para o seu

desempenho. Para o Yang do Rim funcionar normalmente, deve haver uma comunicação entre o Qi Torácico e o Qi Original do aquecedor Inferior, o qual depende do calor do Portão da Vitalidade para exercer sua atividade. Se o Fogo do Portão da vitalidade

for deficiente, a habilidade do Rim (Shen) para receber o Qi será afetada, causando dispnéia, asma, plenitude torácica e membros frios.

5

ƒ

Auxiliar a função do Coração (Xin) de abrigar a mente.

O

Portão da Vitalidade auxilia a comunicação do Rim com o Coração, para fornecer a este o Calor necessário para

exercer suas atividades (MACIOCIA, 1996). Medicina Ocidental x Medicina Tradicional Chinesa

De um modo geral, as várias manifestações clínicas da IRC podem ser vistas como um quadro de Deficiência de Qi,

Yin e Yang, bem como da Essência (Jing) do Rim (Shen), conforme será explicado a seguir. O Yang tem as funções de aquecer,

movimentar e de ativar todos os processos do corpo, além de proteger e manter-se unido às substâncias do corpo. A deficiência de Yang do Rim resulta na insuficiência de aquecimento, promovendo a sensação de frio no corpo, fraqueza dos movimentos, contribui para a lassitude e para a manifestação do pulso profundo, fraco e retardado. A tez pálida (mucosas pálidas) e a língua mole e fraca resultam da deficiência de circulação de Qi e de Sangue (Xue) para a face e para a língua (ROSS, 1994).

A necrose de ponta de língua é uma ocorrência observada em pacientes urêmicos com IRC, o que pode ser

explicado com base nessa Deficiência de circulação de Qi e Sangue (Xue). Além disso, o Coração (Xin) é essencial para o suprimento adequado de sangue para todos os tecidos do organismo. Quando sua função esta obstruída, ou seja, o Sangue (Xue) do Coração (Xin) é Deficiente, a circulação do Sangue (Xue) torna-se escassa. Uma vez que o Yuan Qi é a força motriz para a produção do Xue, a Deficiência do Rim compromete sua produção e circulação (MACIOCIA, 1996).

A Deficiência de Yang dos Rins (Shen) pode se manifestar como dor e fraqueza na região lombar e dos membros

posteriores (ZHUFAN & JIAZHEN, 1997). Muitos pacientes com Insuficiência Renal Aguda (IRA) chegam às clínicas com

arqueamento do dorso e sensibilidade na região lombar, sendo medicados para lombalgia com antiinflamatórios não esteróides, agravando ainda mais o quadro de IRA e isquemia renal.

A deficiência de Yang dos Rins (Shen) pode ou não envolver a Deficiência da Energia Ancestral (Jing). Se estiver,

haverá concomitantemente sintomas desta Deficiência, principalmente no que se refere ao seu aspecto Yang. Como conseqüência deste fato, haverá sensação de frio na região lombar e nos joelhos e, também, distúrbios de reprodução e às vezes auditivos, ósseos/dentários (ROSS, 1994). Com base nisso, não é rara a ocorrência de tártaro em pacientes idosos e renais. Sendo os dentes um excedente dos ossos e esses controlados pelo Rim, pode ser considerado uma Deficiência da Essência (Jing) do Rim. Os Rins (Shen) conservam a força de vontade e se os Rins (Shen), principalmente a parte Yang, estiverem enfraquecidos, tal fato pode levar à debilidade das atividades e à apatia (ROSS, 1994).

A deficiência do Yang dos rins pode resultar na incapacidade de conter urina, promovendo a Poliúria ou

até mesmo incontinência urinária (ROSS, 1994). No metabolismo dos fluidos, após os alimentos penetrarem no Estômago (Wei), o processo de transferência do Qi do Baço/Pâncreas (Pi) absorve a Essência dos fluidos, separando o puro do impuro e, a seguir o Baço (Pi) transporta a porção limpa do Qi do fluido em ascendência para o Pulmão (Fei), enquanto os fluidos e sólidos impuros passam em

descendência com o Qi do Estômago (Wei) para dentro do Intestino Delgado (Xiao Chang) (CLAVEY, 2000). Uma vez no Pulmão (Fei), os fluidos limpos ascendentes a partir do Baço (Pi) são enviados ao Rim (Shen) e mais fluidos limpos refinados circulam ao redor do organismo através da ação combinada do Triplo Aquecedor (San Jiao), Pulmão (Fei) e do Qi do Meridiano, para nutrir e umidecer os tecidos da superfície, pêlos e tecidos similares (CLAVEY, 2000).

A porção turva proveniente da transformação do Qi do Pulmão (Fei) é carregada em descendência através do

Triplo Aquecedor (San Jiao) pela ação dispersora e descendente do Pulmão, para a Bexiga (Pang Guang). Os fluidos

impuros e sólidos carregados em descendência com o Qi do Estômago penetram no Estômago (Wei), onde sofrem uma transformação inicial do Qi, e o fluido do Qi obtido a partir desta extração novamente passa dentro do San Jiao para ser distribuído (CLAVEY, 2000).

O remanescente sólido, quase que completamente utilizado, passa em descendência para o Intestino Grosso (Da

Chang) para uma extração final dos fluidos, enquanto que os fluidos impuros reprovados pelo Intestino Delgado (Xiao Chang) passam para a Bexiga (Pang Guang) através do San Jiao para sofrer uma última transformação do Qi. Isto ocorre em

virtude da ação vaporizante do Qi Original do Rim (Yuan Qi).

A ação vaporizante separa os fluidos reutilizáveis dos impuros, e esse Qi do fluido é carregado para o Pulmão

(Fei) através do San Jiao e do Meridiano do Rim (Shen) para iniciar o ciclo mais uma vez. Os fluidos remanescentes são expulsos

na forma de urina (CLAVEY, 2000). Com base no metabolismo dos fluidos a Poliúria pode ser explicada pela inabilidade do Qi Original (Yuan Qi) em promover a transformação do Qi dos fluidos da Bexiga (Pang Guang). Os fluidos provenientes do Qi reutilizável e que não foram recuperados acumulam-se na Bexiga e os Rins (Shen) debilitados, que comandam os orifícios inferiores, são incapazes de manter a consolidação e dessa forma a urina se torna profusa (CLAVEY, 2000).

Se houver uma Deficiência concomitante do Yang do Rim (Shen Yang) com o Yang do Baço/ Pâncreas (Pi), pode

ocorrer falência das funções de transformação e transporte do Líquido Orgânico (Jin Ye) provocando oligúria e edema (CLAVEY, 2000), sinais clínicos geralmente observados na IRA, que pode ou não evoluir para IRC. A Deficiência de Yang do Baço/Pâncreas pode provocar, também, a perda de apetite e aparecimento de fezes soltas. Esta situação pode levar, também, a uma Deficiência do Qi e do Sangue (Xue) que resultam na má nutrição dos músculos e, conseqüentemente à lassitude e à debilidade do corpo, a presença de pulso fraco e língua pálida (CLAVEY, 2000).

A Deficiência de Qi do Rim (Shen) pode levar à Deficiência do Qi do Baço/Pâncreas, cujos sintomas são

basicamente de Deficiência de Energia (Qi), de Sangue (Xue), de Desarmonia de Líquidos e de fraqueza do sistema digestivo (ROSS, 1994).

A polidipsia e a observação clínica de que os pacientes com IRC em crise respondem positivamente à

fluidoterapia intravenosa demonstram uma Deficiência de Yin. Toda condição patológica do Rim (Shen) se manifesta necessariamente como uma Deficiência do Yin ou do Yang do Rim (Shen). Todavia, o Yin e o Yang do Rim apresentam a mesma raiz e são duas representações da mesma entidade. Segue-se que, nas condições patológicas, uma Deficiência de Yin do Rim (Shen) também implicará necessariamente num nível menor, numa Deficiência do Yang do Rim (Shen) e

6

vice-versa (MACIOCIA, 1996).

Os achados laboratoriais comumente encontrados em cães e gatos com Insuficiência Renal Crônica também

podem ser interpretados pela MTC. A azotemia, isto é, aumento da concentração sérica de uréia, compostos nitrogenados e creatinina, é diagnosticada como Deficiência do Qi do Rim (Shen) ou falta de acesso às reservas do Rim (Shen) (Anais do IX Congresso Médico Brasileiro de Medicina Chinesa – Acupuntura da AMBA, Programa da Abravet, nov. 2003).

A proteinúria é proveniente da perda da Essência dos Rins (Shen). Os Rins armazenam a Essência (Jing); se forem

deficientes, a essência pode escapar. Na Medicina Chinesa, a filtração de proteína na urina é vista como sinal dessa perda. Isto é devido ao afundamento do Qi do Rim (Shen) e do Baço/Pâncreas (Pi) (MACIOCIA, 1996).

O quadro clínico de afundamento do Qi do Rim (Shen Qi) apresenta sintomas relacionados com a

falta de função Yang no Líquido Orgânico (Jin Ye) associada com os sintomas básicos de Deficiência de Yang dos Rins (Shen Yang), tais como, a espermatorréia e a incontinência urinária, levando ao quadro de poliúria, polaciúria com incontinência,

enurese, jato urinário fino ou gotejamento pós miccional (ROSS, 1994). Uma anemia hipoproliferativa é característica de cães e gatos com IRC moderada a avançada. Os sinais clínicos de anemia são palidez das mucosas, fadiga, apatia, letargia, astenia, e anorexia. A anemia em pacientes com IRC

é

multifatorial,

e

pode

ser

exacerbada

por enfermidade concomitante (POLZIN, et al, 1997).

Os sinais clínicos da anemia indicam um quadro de Deficiência de Sangue (Xue) (ZHUFAN & JIAZHEN, 1997).

O Sangue (Xue) pode ser deficiente quando não for suficientemente produzido, o que é na maior parte das vezes,

causado pela Deficiência do Qi do Baço/Pâncreas (Pi) (MACIOCIA, 1996).

O Sangue (Xue) deriva, na maior parte, do Qi dos Alimentos (Gu Qi) produzido pelo Baço/Pâncreas (Pi), que

envia o Qi dos Alimentos em ascendência para o Pulmão (Fei) e através da ação impulsora do Qi do Pulmão (Fei), este é enviado para o Coração (Xin), onde é transformado em Sangue (Xue). De acordo com a MTC, há duas características importantes na manutenção do Sangue (Xue). Uma delas consiste no fato de que a transformação do Qi dos Alimentos (Gu Qi) em Sangue (Xue) é auxiliada pelo Qi Original (Yuan Qi). O outro se baseia no fato de que o Rim (Shen) armazena a Essência (Jing) que produz a Medula e esta por sua vez gera a Medula Óssea, a qual por sua vez contribui para gerar o Sangue (Xue) (ROSS, 1994).

A partir disto fica evidente que o Rim (Shen) desempenha um papel importante na formação do Sangue

(Xue), uma vez que estoca a Essência (Jing), sendo ainda a Fonte do Qi Original (Yuan Qi). Podemos assim dizer que o Sangue (Xue) é gerado pela interação do Qi Pós Celestial do Estômago (Wei) e do Baço/Pâncreas – fontes do Qi dos Alimentos

(Gu Qi) e o Qi Pré Celestial (armazenado no Rim) (MACIOCIA, 1996). Assim, em um quadro de Deficiência do Rim teremos Deficiência de Sangue (Xue) diretamente relacionado ao Rim como também, relacionado ao Baço/Pâncreas, uma vez que o Yang do Baço/Pâncreas tem origem no Yang do Rim

(Yang Primário) e as Deficiências de Qi e Yang do Baço/Pâncreas podem resultar em função debilitada de Transformação e Transporte que promovem uma insuficiência de Qi e Sangue (Xue) (ROSS, 1994).

O aspecto descuidado da pelagem e a perda do brilho normal geralmente observado em pacientes com IRC também

podem ser considerados sinais clínicos de Deficiência de Sangue (Xue). Os pêlos são governados pelos Rins (Shen) e

vários fatores se combinam para assegurar uma pelagem saudável. Dentre esses fatores, dois são mais importantes, constituídos pela reserva suficiente de Energia Ancestral (Jing) e de Sangue (Xue). Quando estes estão deficientes podem se manifestar com os cabelos de cor opaca, secos ou esbranquiçados e perda de cabelo precoce (ROSS, 1994). Com relação às complicações gastrointestinais presentes nos casos de IRC podemos fazer as seguintes considerações: Os três principais Zang Fu envolvidos em distúrbios digestivos são Baço/Pâncreas (Pi), Estômago (Wei) e o Fígado (Gan) e secundariamente, a Vesícula Biliar (Dan), o Intestino Delgado (Xiao Chang) e o Intestino Grosso (Da Chang), sendo que a patologia dos dois últimos é tratada com pontos situados nos canais do Baço/Pâncreas (Pi) e do Estômago (Wei) (ROSS, 1994).

Os Rins (Shen) e o Estômago (Wei) podem ter padrões tanto de Deficiência de Yin como de Yang. O Fígado (Gan)

tende a Yin Deficiente, enquanto o Baço/Pâncreas tende a ter Yang Deficiente (ROSS, 1994). Neste contexto o Rim (Shen),como

já foi dito, deve ser considerado a fonte do Yin e do Yang de todos os Órgãos e Vísceras (Zang Fu) e num quadro de IRC onde

ocorre Deficiência do Qi do Rim, do Yang e do Yin, o Baço/Pâncreas (Pi), predominantemente, apresentará Deficiência de Yang e

o Fígado Deficiência de Yin decorrente da Deficiência Primária de Rim, levando as interações representadas no diagrama abaixo:

Além disso, segundo Clavey (2000), a Madeira é soberana ao Fogo, mas a soberania do Fogo é fortalecida pelo Fogo Ministerial (Ming Men) que reside entre os dois Rins, e somente após o Fogo é capaz de produzir a Terra. Então, sem esse Fogo Ministerial a Terra é incapaz de ser produzida. Esse Fogo é comparado a um combustível em chamas sob o fogão, que consiste numa analogia particularmente hábil: com o fogo queimando sob o fogão, o alimento naturalmente será cozido e o mesmo ocorre com o Ming Men (residente no Shen) e o Estômago (Wei)no organismo. Assim, considerando o Estômago (Wei) e o Baço/Pâncreas (Pi) como o caldeirão sobre o fogão, sendo o primeiro o local onde ocorre a digestão e o segundo responsável pela transformação e transporte do Qi dos Alimentos, se o fogo sob a panela (Ming Men) for insuficiente para cozinhar o alimento, teremos uma Digestão deficiente, bem como o acúmulo de umidade.

A diarréia observada nos casos de IRC pode ser uma Deficiência do Yang tanto do Baço/Pâncreas (Pi) como

do Rim (Shen). A diarréia com muco nas fezes é indicativo de umidade nos Intestinos (Xiao Chang e Da Chang). Se ocorre enterorragia, como nos casos de enterocolite urêmica, três fatores fundamentais podem ser responsáveis: 1) O Qi

Deficiente do Pi é incapaz de manter o sangue nols vasos; 2) casos muito crônicos de Deficiência de Yang podem gerar Deficiência de Yin com Calor-Vazio. O Calor-Vazio empurra o sangue para fora dos vasos; 3) A estase de Sangue (Xue) nos vasos pode também causar sangramento (MACIOCIA, 1996).

A halitose (hálito urinífero) em pacientes com uremia é definido como um padrão de Umidade–Calor. A

hipertensão arterial encontra-se entre as complicações mais comuns da IRC em cães e gatos. Cães com afecção glomerular parecem ter propensão particular à hipertensão (POLZIN et al, 1997). A hipertensão pode ser proveniente da Deficiência de Yang

7

ou de Yin do Rim (Shen). Se o Yang do Rim for deficiente, o Yin (água) se acumula, o Yang não se move, os vasos sanguíneos não conseguem relaxar, o sangue não flui devidamente, gerando hipertensão. Se o Yin do Rim for Deficiente, irá falhar ao nutrir o Yin do Fígado, gerando hiperatividade do Yang do Fígado. A ascensão do Yang e do Vento do Fígado gera elevação da pressão sanguínea (MACIOCIA, 1996). Os sinais clínicos observados em pacientes terminais de IRC, sendo que em alguns casos pode ocorrer de forma aguda estupor, coma ou convulsões, geralmente em decorrência da uremia, são compatíveis com um quadro de Colapso de Yin ou de Yang. O Colapso de Yin ou de Yang é um agravamento do quadro de Deficiência sendo um estado grave, emergencial e demonstra separação completa do Yin e do Yang: o Yang sobe para o Jiao Superior, enquanto que o Yin desce para o Jiao Inferior. O Colapso de Yin pode surgir de uma perda excessiva de Jin Ye, sendo que na IRC temos um comprometimento de todo metabolismo dos fluidos. O Colapso de Yin ou de Yang podem, rapidamente, transformar-se um no outro (ROSS, 1994).

Prognóstico e Tratamento na Medicina Ocidental:

Segundo a Medicina Ocidental a perda da função renal é irreversível em pacientes com IRC; a recuperação refere-se a

progresso nas deficiências e excessos bioquímicos, e a melhora dos sinais clínicos, e não na recuperação do funcionamento renal (POLZIN et al, 1997). Os efeitos clínicos e laboratoriais da IRC resultam na deterioração das funções renais de excreção, regulação, e biossíntese. A função renal de excreção permite a eliminação dos produtos do catabolismo, toxinas e medicamentos.

A função de regulação refere-se ao papel que os rins desempenham na manutenção do equilíbrio dos líquidos e eletrólitos. A

função de biossíntese dos rins são a formação dos vários hormônios reguladores com importantes funções locais e sistêmicas (POLZIN et al, 1997).

O

tratamento clínico conservador da IRC consiste do tratamento auxiliar e sintomático, planejado para a correção de

deficiências

e

excessos

no equilíbrio dos

líquidos,

eletrólitos, equilíbrio

ácido-básico,

endócrino, e nutricional,

objetivando minimizar as

Na Medicina alopática não se deve esperar que este tratamento interrompa, reverta ou elimine as lesões renais responsáveis pela IRC. Portanto, o tratamento clínico conservador será mais benéfico quando combinado à terapia específica direcionada para a limitação da deterioração progressiva do funcionamento renal que pode resultar dos eventos adaptativos e compensatórios que ocorrem na IRC (POLZIN et al, 1997).

conseqüências clínicas e fisiopatológicas da redução do funcionamento renal (POLZIN et al, 1997).

A terapia específica para a moléstia renal consiste de tratamentos projetados para retardar ou interromper o

desenvolvimento das lesões renais primárias, ao influenciar os processos etiopatogênicos responsáveis pelas lesões renais. Embora a determinação do processo deflagrador da moléstia em cães e gatos com IRC seja freqüentemente difícil ou impossível, não deve ser subestimado o valor da formulação de terapia específica, com base em um diagnóstico etiológico e patológico. Visto serem irreversíveis as lesões renais responsáveis pela IRC, elas não podem ser completamente revertidas ou

eliminadas pelo tratamento específico. Apesar disto, a progressão das lesões renais, e assim, a insuficiência, podem ser retardadas ou interrompidas por terapia planejada com o objetivo de eliminar as afecções renais ativas. Além disso, devem ser procurados e corrigidos os distúrbios não renais que possam agravar ou precipitar uma crise urêmica (causas pré e pós renais) (POLZIN et al, 1997).

O tratamento clínico conservador está destinado aos pacientes com IRC compensada, não se

destinando

aos

pacientes incapazes de comer e aceitar medicamentos por via oral, em decorrência de uremia grave. Os sinais clínicos

e complicações da uremia devem ser tratados, como no caso de Insuficiência Renal Aguda (IRA), com fluidoterapia e outras

medidas visando corrigir a uremia, equilíbrio ácido básico e eletrólitos, reverter a oligúria, etc (POLZIN et al, 1997). As metas de tratamento clínico conservador para pacientes com Insuficiência Renal Primária Crônica consiste em melhorar os sinais da uremia, minimizar os distúrbios, associados a excessos ou perdas de eletrólitos, vitaminas e minerais, manter a nutrição adequada mediante o fornecimento das necessidades diárias de proteína, calorias e minerais, e modificar a

progressão da insuficiência renal. Visto que a IRC é progressiva e dinâmica, a avaliação clínica e laboratorial seriada do paciente

e a modificação da terapia em resposta às alterações ocorrentes no estado do paciente fazem parte integral do tratamento clínico conservador (POLZIN et al, 1997). Um aspecto fundamental e controverso entre os autores no tratamento da IRC está relacionado à ingestão de proteínas na dieta. O manejo nutricional de cães e gatos com IRC é baseado na premissa de que a restrição de proteína na dieta reduz a produção de compostos nitrogenados derivados do metabolismo preoteico, melhorando assim, os sinais clínicos da uremia. Embora a uréia e outros catabólitos protéicos não foram definitivamente comprovados como sendo toxinas urêmicas, a retenção de catabólitos protéicos parecem contribuir para os sinais de uremia (ADAMS et al, 1993). Ratos foram amplamente utilizados para o estudo da progressão da falência renal, sendo que nessa espécie a alta ingestão de proteína em pacientes com IRC levou à hiperfiltração glomerular e à esclerose glomerular progressiva, azotemia e proteinúria, hipótese que foi extrapolada para outras espécies, inclusive cães e gatos (BOVEÉ, 1991). Estudos realizados em cães e gatos com redução da massa renal, simulando um quadro de IRC, revelaram que a dieta com alto teor de proteína aumenta a função renal , levando ao aumento de Velocidade de Filtração Glomerular (VFG) e aumento do fluxo sanguíneo renal (BOVEÉ, 1991; FINCO et al, 1998). Considerando que a VFG está diretamente relacionada à massa renal funcional (DIBARTOLA, 1997), a dieta com alto teor protéico mostrou efeito benéfico em cães e gatos com IRC. Este fato tem sido referido como uma reserva renal ou habilidade de vasodilatação renal, sendo um indicador do prognóstico da severidade da função reduzida, não tendo relação com o fenômeno conhecido como hiperfiltração, que pode ser patológico para os néfrons remanescentes em roedores (BOVEÉ, 1991). Dessa forma, as anormalidades renais funcionais e estruturais relacionadas à alta ingestão protéica em ratos com diminuição da função renal, não foram observadas em cães e gatos nos referidos estudos (BOVEÉ, 1991; FINCO et al,

1998).

Não foram observados efeitos significativos da alta ingestão protéica na incidência de lesões glomerulares e

8

intesticiais, nem efeito protetor da redução da ingestão protéica. Além disso, cães e gatos com massa renal reduzida não apresentaram proteinúria e azotemia quando alimentados com dietas com alto teor protéico, ao contrário dos ratos em estudos anteriores (BOVEÉ, 1991; FINCO et al, 1998). A restrição protéica em pacientes com IRC é ainda mais questionável em gatos, uma vez que os felinos são na natureza carnívoros estritos e se alimentam basicamente de proteína (roedores, ovos, pássaros) para suprir seus requerimentos nuricionais únicos e específicos. Sua dieta no ambiente selvagem contém quantidades mínimas de carboidrato, estando, portanto, metabolicamente adaptados ao uso de proteína e gordura como fonte de energia (ZORAN, 2002). Baseado nestes trabalhos, a proteína na dieta de pacientes com IRC é uma forma de regular o fluxo sanguíneo renal e aumentar a perfusão renal, preconizando-se para cães e gatos com IRC uma dieta protéica, com restrição de carboidratos (Steven Marsden, comnicação pessoal).

Tratamento da IRC na MTC

O tratamento da IRC visando a raiz do problema deve ser baseado no padrão de Deficiência da Essência

(Jing), do Qi, do Yin e do Yang do Rim (Shen). Síndrome da Deficiência do Yin do Rim (Shen): Princípio de tratamento: nutrir o

Yin do Rim (Shen). Fórmula de escolha: Liu Wei Di Huang Wan (Pílula de Seis ingredientes contendo Rehmania). (ZHUFAN & JIAZHEN, 1997)

Fórmula Liu Wei Di HuangWan

INGREDIENTES

NOME

NOME CHINÊS

SABOR

FUNÇÃO

NA

AÇÃO

COMUM

FÓRMULA

REHMANNIA

SHU DI HUANG

DOCE

IMPERADOR

Nutre

Yin

do Rim

CORNUS

SHAN ZHU YU

ÁCIDO, MORNO

MINISTRO

Nutre

Yin

do fígado e Xue

DIOSCORREA

SHAN YAO

DOCE

MINISTRO

Tonifica o Baço

ALISMA

ZE XIE

DOCE, FRIO

ASSISTENTE

Drena Umidade do Aq. Inferior

MOUNTAN

MU DAN PI

AMARGO

ASSISTENTE

Move e esfria o Sangue

PORIA

FU LING

BRANDO

ASSISTENTE

Suporta o Baço, drena a umidade

Observação: Segundo Steven Marsden (Comunicação Pessoal) a Rehmania Glutinosa proporciona aumento do fluxo sanguíneo renal, melhorando a perfusão renal. Além disso, a hipertensão arterial seria conseqüência da ativação do ciclo Renina – Angiotensina - Aldosterona, numa tentativa desesperadora de manter o fluxo sanguíneo renal, de forma que o uso dessa erva teria efeito benéfico também sobre o quadro de hipertensão. A Fórmula Rehmannia Oito, que é a associação da Li Wei Di Huang Wan com Cinnamon Bark e Aconite, duas ervas que aquecem o Yang do Rim (Shen) é uma das fórmulas mais indicadas nos casos de IRC.

Pontos de Acupuntura (AP):

R3 (Taixi) – ponto Fonte do Rim, fortalece Yin dos Rins;

B23 (Shenshu) – Fortalece os Rins, e pode dispersar o Calor do Aquecedor Superior; VC4 (Guanyuan) – fortalece principalmente o Yang do Rim, podendo também fortalecer o Yin do Rim; R6(Zhoahai) – fortalece o Yin, elimina o Calor; BP6 (Sanyinjiao) – fortalece o Yin dos Rins e do Fígado; R1 (Yongquan) e R2 (Rangu) – ajudam no apaziguamento do Fogo e acalma o espírito e a hiperatividade de Yang do Fígado e do corpo; Outros pontos que podem ser associados a esses, dependendo da desarmonia individual, por exemplo, no tratamento da hipertensão arterial, do tipo Deficiência de Yin – Hiperatividade de Yang, são os seguintes:

VB20 (Fengchi) – acalma o Yang Hiperativo;

IG11 (Quchi), E36 (Zusanli) – situados nos Canais Yang; drenam o Excesso de Calor nos Canais Yang;

F3 (Taichong) – acalma o Yang Hiperativo do Fígado e o Vento.

Síndrome da Deficiência de Yang do Shen ou Síndrome da Hipofunção do Shen: Princípio de tratamento: Aquecer e tonificar Yang da Shen Fórmula de escolha: Shen Qi Wan (tonifica o Qi do Rim) (ZHUFAN & JIAZHEN, 1997). A fórmula Shen Qi Wan possui ingredientes com sabor doce, ácido, amargo e levemente ácido, possui a função de Tonificar o Qi do Rim, sendo indicada para falência Renal Crônica, pois possui a Rehmannia como um de seus constituintes, que pode aumentar o fluxo sanguíneo renal.

Pontos de Acupuntura (AP):

R3 (Taixi) e B23 (Shenshu) – fortalecem os Rins e se for utilizado moxa, fortalecem o Yang dos Rins;

VC4 (Guanyuan) e VG4 (Ming Men) – fortalecem principalmente o Yang dos Rins; VC6 (Qihai) – fortalece a circulação do Qi (ROSS, 1994).

Deficiência da Essência (Jing) do Shen:

Princípio de tratamento: fortalecer a Essência do Rim (Shen), usando método de tonificação.

9

Pontos de AP:

R3 (Taixi), B23 (Shenshu), VC4 (Guanyuan) – Fortalecem o Rim; E36 (Zusanli) – Fortalece restabelecendo a Essência adquirida; VG4 (Ming Men) – fortalece o Portão da Vitalidade (ROSS, 1994).

Outra forma

de tonificar a

Essência

Pré

Celestial é beneficiar a Essência Pós Celestial, proveniente

do

Qi

dos

Alimentos, advindo disto a importância da dieta, conforme descrito previamente.

Padrões Secundários à Deficiência de Rim (Shen)

Deficiência de Qi do Baço/Pâncreas (Pi) Princípio de tratamento: tonificar o Qi do Baço/Pâncreas. Pontos de AP:

VC12 (Zhongwan) – fortalece e harmoniza o Qi do Pi e do Wei, elimina umidade; E36 (Zusanli) –fortalece a função do Pi e do Wei, a formação e circulação do Qi e de Sangue (Xue), fortalecendo a debilidade digestiva e fraqueza geral do corpo; B20 (Pishu) – promove a função de transformação e transporte do Pi e elimina umidade; B21 (Weishu) – harmoniza o Qi do Wei, aquece o Jiao Médio; BP6 (Sanyinjiao) – regula, fortalece e tonifica o Pi (especialmente o Qi e Yang), regula o Qi do Wei; BP3 (Taibai) – ponto Fonte do Pi (ROSS, 1994).

Deficiência do Yang do Baço/Pâncreas (Pi) Princípio de tratamento: fortalecer e aquecer o Yang do Pi através de métodos de tonificação e moxa. Os pontos de AP são iguais ao tratamento de Deficiência de Qi do Pi, porém, dando-se mais ênfase à moxa. Na Deficiência de Yang do Pi associado à Deficiência de Yang do Rim, devem ser utilizados os pontos B23 (Shenshu), VG4 (MingMen), VC4 (Guanyuan) (ROSS, 1994). O ponto BP9 (Yinlinquan), resolve a umidade no aquecedor inferior, o VC9 (Shuifen), E28 (Shuidao) e B22 (Sanjiaoshu), estimulam o Pi na sua função de transformação e transporte de Jin Ye e a resolver o edema. Com relação aos sinais clínicos digestivos observados em pacientes com IRC, principalmente vômito, anorexia, emagrecimento progressivo, uma forma eficiente de tratamento seria a tonificação mútua do Pi e do Shen: tonificação do Baço/Pâncreas a partir da tonificação do Fogo Ministerial (Ming Men) que reside no Rim (CLAVEY, 2000). Uma erva utilizada nestes casos é BaWeiWan, para tonificar o Rim (Shen), que possui entre seus ingredientes o Rou Gui (Cinnamom Cassiae, Cortex) e o Fu Zi (Aconitum Carmichaeli Praeparata, Radix) para tonificar o Ming Men (CLAVEY, 2000). Nos casos de diarréia por Deficiência de Yang do Baço/Pâncreas e do Rim, o princípio de tratamento consiste na Tonificação do Qi e Yang do Baço/Pâncreas e do Rim, o que já foi descrito previamente. Nos casos de enterocolite urêmica, de acordo com os fatores causais anteriormente descritos, o princípio de tratamento é tonificar o Qi do Pi, nutrir o Yin, refrescar o Sangue (Xue) e eliminar a estase de Sangue (MACIOCIA, 1996).

Deficiência de Sangue (Xue):

.

Síndrome de Deficiência de Yang do Shen e do Pi;

.

Síndrome de Deficiência de Yin do Gan e de Yin do Shen;

.

Síndrome de Deficiência do Yin do Shen e do Yang do Shen.

Princípio de tratamento: tonificação do Sangue (Xue). Pontos de AP:

B17 (Geshu) - ponto de influência do Sangue; B18 (Ganshu) – ponto de associação do Fígado; B23 (Shenshu) – ponto de associação do Rim; VB39 (Xuanzhong) – ponto de influência da medula.

Tonificação do Baço/Pâncreas (Pi) para produzir Xue Pontos de AP:

BP6 (Sanyinjiao) – ponto de intersecção dos meridianos do Fígado, Rim e Baço; VC4 (Guanyuan) – tonifica o Qi do Shen e o Yuan Qi; VC6 (Qihai) – controla o Mar do Qi Pós Celestial, grande concentração de energia Yin, por isso é denominado “Mar da

Energia”;

E36 (Zusanli) – ponto geral de tonificação e homeostasia; VC12 (ZhongWan) – ponto que harmoniza, fortalece e tonifica o Qi do Baço, harmoniza o Qi do Wei e o Aquecedor Médio, harmoniza Qi e Xue; BP3 (Taibai) – ponto Fonte do Baço/Pâncreas;

10

BP10 (Xuehai) – chama-se “Mar de Sangue”, ponto importante para tratar todas as manifestações de Xue (YAMAMURA, 2001).

Cora F í g B
Cora
F í g
B

Fómulas de escolha:

Síndrome de Deficiência do Yang do Pi e do Shen: You Gui Wan (Pílula para reforçar o Yang do Shen) e Bu Zhong Yi Qi Tang (decocto para reforçar o Jiao Médio e reabastecer o Qi). You Gui Wan aquece o yang e tonifica o Shen. Nesta

fórmula Radix Rehmania Preparata, Fructus Corni, Fructus Lycii, Radix Angélica Sinensis reabastecem e nutrem o Yin do Gan e o Yin do Shen; Radix Aconiti Praeparata e Cortex Cinamomi aquecem e reabastecem o Yang do Shen; e Cortex Eucommiae, Semen Cuscutae e Colla Cervi fortalecem o Shen e nutrem o Jing. Síndrome de Deficiência do Yin do Gan e do Yin do Shen:

Zuo Gui Wan (Pílula para reabastecer o yin do Shen) e Si Wu Tang (decocto de Quatro Ingredientes). Nestas fórmulas, Fructus Lycii, Radix Rehmania Praeparata, Frutus Corni e

Colla Plastri Testudinis nutrem o Yin do Gan e o Yin do Shen,;Radix Angélica Sinensis e Radix Paeoniae Alba nutrem o Xue do Gan; Poria Cocos, Rhizoma Dioscorae e Radix Glycyrrhizae Praeparata nutrem o Yin o Yin do Gan e o Yin do Shen pela estimulação das funções do Pi; e Radix Ginseng e Radix Astragali reabastecem o Qi e promovem a produção do Yin.

Síndrome de Deficiência do Yin do Shen e do Yang do Shen: Zuo Gui Wan (Pílula para reabastecer o Yin do Shen) e You Gui Wan (pílula para reforçar o Yang do Shen) com algumas modificações. Para tratar os casos que apresentam estase de Xue, adiciona-se Radix Salviae Miltiorrhizae, Radix Paeoniae Rubra, Caulis Spatholobi e herba Leonuri. Para tratar os casos que apresentam diversos sangramentos, adiciona-se Herba Agrimoniae, Radix Rubiae, Colla Corii Asini, Herba seu Radix Cirsii e Herba Cephalanoploris (ZHUFAN & JIAZHEN, 1997). IRC na Teoria dos Cinco Elementos Ciclo Sheng Ciclo de Geração

Rim
Rim

P u l

Figura 2 - Sequência da geração do Sistema

Nesta seqüência cada Elemento gera o outro a sua direita, num sentido horário, sendo ao mesmo tempo gerado. Assim, o Fogo produz Terra, Terra produz Metal, Metal produz Água, Água produz Madeira, e Madeira produz Fogo. Neste ciclo são usados os termos Mãe e Filho, considerando-se que um elemento promove o próximo, este representa a Mãe, e aquele que ele promove é seu Filho.

Coraçã

o

Ciclo Ko – Ciclo de Controle ou Destruição

Figura 3 - Sequência do Controle e do Excesso de Trabalho do Sistema

Fígad

B a ç

Tudo na natureza que é criado pode ser destruído, um modo desta manter o equilíbrio. Dessa forma a Madeira, com suas raízes, controla a Terra, a Terra

o

o

controla a Água represando o fluxo de Água ou absorvendo-a no solo. A Água apaga o Fogo, o Fogo derrete o Metal. O Metal corta a Madeira. Outros ciclos representam rompimento dos ciclos normais. Na teoria dos Cinco Elementos existem pontos específicos em cada Meridiano que correspondem a cada uma das cinco Fases, e há pontos que representam cada um dos cinco Elementos em cada Meridiano.

Rim

(Shen

Pulmã

Estes são chamados pontos de

o

comando e são clinicamente usados no

Ciclo Sheng, de acordo com a Teoria “Mãe-Filho”. Esta lei estabelece que em uma condição de deficiência deve-se tonificar a Mãe e em uma condição de excesso

deve-se sedar o Filho. Assim, a Azotemia e Doença Renal Crônica é considerada uma Deficiência do Rim, e portanto, do Elemento Água e é tratada através da tonificação do Ponto Mãe (Metal) no Meridiano do Rim (Rim 7). Com relação ao Ciclo Ko (de Controle) o Baço/Pâncreas (Pi) do Elemento Terra controla a Água do Rim (Shen), o que consiste na influência mútua do

11

relacionamento entre esses dois sistemas. Somente quando o Baço/Pâncreas da Terra for vigoroso é que será capaz de reter a Água do Rim e prevenir qualquer atividade anormal sobre a parte da Água do Rim. Quando a função do Baço/Pâncreas da Terra estiver debilitada, podem ocorrer: a transformação do Baço/Pâncreas sofrerá e permitirá a formação de Umidade, por outro lado, a Água do Rim perderá a retenção do Baço/Pâncreas e iniciará um movimento de maneira desordenada por todo o organismo. Nesse caso o tratamento consiste na tonificação mútua do Baço (Pi) e do Rim (Shen). Os antigos tinham duas frases:

“a Tonificação do Baço (Pi) não é tão boa quanto a tonificação do Rim (Shen)” e a “Tonificação do Rim (Shen) não é tão boa quando a tonificação do Baço (Pi)”. Baço (Pi) é Terra: se a Terra estiver deficiente, não pode contrariar a Água e a Água poderá fluir sem controle, ascendendo e causando sintomas de Qi caótico. É importante observar que água corrente é originalmente a água do Rim (Shen) que não está mais estocada e portanto, é Água patológica que prejudica o Baço (Pi), e não a Essência Verdadeira em ascendência. Por essa razão, ervas são utilizadas para nutrir o Baço (Pi) e estabilizar a Prefeitura Central e prevenir futuras precipitações ascendentes. Além disso, a Terra produz o Metal e o Metal é Mãe da Água, de maneira que o Rim será tonificado nessa abordagem. Por isso ditado “Tonificação do Rim (Shen) não é tão boa quanto a tonificação do Baço”. No entanto, a tonificação do Rim (Shen) é a tonificação do fogo dentro do Rim e não da água. Os livros dizem: Madeira é soberana ao Fogo, mas a soberania do Fogo é fortalecida pelo Fogo Ministerial e somente o Fogo (posteriormente) é capaz de produzir Terra. Dessa forma, sem esse Fogo Ministerial (Ming Men), a Terra é incapaz de ser produzida (CLAVEY, 2000). A tonificação do Fogo Ministerial (Ming Men) é feita através do emprego de Ervas Chinesas.

CONCLUSÃO Na Medicina Ocidental a determinação do processo deflagrador da moléstia em cães e gatos com IRC é

freqüentemente difícil ou impossível. Entretanto, na Medicina Tradicional Chinesa (MTC) a IRC pode ser vista como um padrão de comprometimento de vários Sistemas internos dentro do Zang Fu, porém, com causa primária na Deficiência do Qi, do Yin e do Yang do Rim (Shen), estando comprometida a Essência (Jing) Pré-Celestial, que reside no Rim (Shen).

A Essência (Jing) Pré-Celestial é herdada dos pais na concepção, é a origem do corpo, a base do Qi pós-natal,

anterior à divisão em Yin e Yang. Raramente pode ser influenciada na vida adulta, sendo considerada fixa em quantidade e qualidade, insubstituível, podendo apenas ser conservada.

A Essência (Jing) Pós-Celestial é refinada e extraída dos alimentos e dos fluidos. Pelo fato do Estômago (Wei) e do

Baço (Pi) serem os responsáveis pela digestão dos alimentos e pelas funções de transformar e transportar as Essências alimentares, além de resultar na produção do Qi, a Essência (Jing) Pós-Celestial está intimamente relacionada ao Estômago (Wei) e ao Baço (Pi). A Essência (Jing) do Rim apresenta uma interação com a Essência (Jing) Pós-Celestial, e é reabastecida por ela. A Essência (Jing) do Rim compartilha, portanto, de ambas as Essências, Pré e Pós Celestial. Considerando que a Essência (Jing) Pré-Celestial é inata e não pode ser alterada, apenas conservada e reabastecida pela Essência (Jing) Pós-Celestial, o fortalecimento da Essência (Jing) Pós-Celestial através da manipulação da dieta, seria uma maneira viável de evitar a incidência, bem como a progressão de várias doenças, entre elas a IRC nos animais de companhia. Portanto, tendo como Pivô a Escola do Estômago/Baço-Pâncreas, em que a doença seria causada pela fraca digestão e eliminação, tendo como resultado uma má absorção do Qi do ar, dos alimentos e da água, são necessários novos estudos para fornecer aos cães e gatos uma dieta que realmente alimente a Essência (Jing) Pós-Celestial. Dessa forma, talvez se possa concluir que a IRC, bem como muitas outras patologias altamente incidentes nos animais domésticos, possam ter como causa primária a alimentação inadequada, que compromete a Essência (Jing) Pós-Celestial e conseqüentemente, não reabastece o Jing Pré-Celestial, Raiz da Vida.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Anais do IX Congresso Médico Brasileiro de Medicina Chinesa – Acupuntura da AMBA, Programa da Abravet,

nov. 2003.

ADAMS, L. G. et al. Effects of dietary proteind calorie restriction in clinically normal cats and in cats with surgically induced chronic renal failure. Am. J. Vet. Res., v.54, n.10, p.1653-1662, oct. 1993. BOVEÉ, K. C. Influence of dietary protein on renal function in dogs. J. Nutr., v.121: S128- S139, 1991. CLAVEY, S. Fisiologia e Patologia dos Fluidos na Medicina Tradicional Chinesa. 1ed.São Paulo: Roca, 2000.

322p.

DIBARTOLA, S. P. Abordagem Clínica e Avaliação Laboratorial da Afecção Renal. In: ETTINGER, S. J., FELDMAN, E. C. Tratado de Medicina Interna Veterinária, 1ed. v.2. São Paulo: Editora Manole, 1997. 2355-2373 p. FINCO, D. R. et al. Protein and calorie effects on progression fo induced chronic rebal failure in cats. Am. J. Vet. Res., v.59, n.5, p. 575-582, may, 1998. GRAUER, G.F., LANE, I. F. Insuficiência Renal Aguda. In: ETTINGER, S. J., FELDMAN, E. C. Tratado de Medicina Interna Veterinária, 1ed. vol. 2. São Paulo: Editora Manole, 1997. 2374-2393 p. MACIOCIA, G. A Prática da Medicina Chinesa. 1ed. São Paulo: Roca, 1996. 932p. MACIOCIA, G. Os Fundamentos da Medicina Chinesa. 1ed. São Paulo: Roca, 1996. 658p. POLZIN, D. J et al. Insuficiência Renal Crônica. In: In: ETTINGER, S. J., FELDMAN, E. C. Tratado de Medicina Interna Veterinária, 1ed. V. 2. São Paulo: Editora Manole, 1997. 2394-2431 p. ROSS, J. Zang Fu: Sistemas de Órgãos e Vísceras da Medicina Tradicional Chinesa. 1ed. São Paulo: Roca, 1994. 267p. RUBIN, S.I. Chronic renal failure and its management and nephrolithiasis. In: Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice. v. 27, n. 6, p. 1331-1354, nov. 1997. WANG, B. Princípios de Medicina Interna o Imperador Amarelo. São Paulo: Ícone Editora, 2001. 829p. YAMAMURA, Y. Acupuntura Tradicional: A Arte de Inserir. 2ed. São Paulo: Roca, 2001. 919p.

12

ZHUFAN, X., JIAZHEN, L. Medicina Interna Tradicional Chinesa. 1 ed. São Paulo: Roca, 1997. 237p. ZORAN, D. L. The carnivore connection to nutrition in cats. J.A.V.M.A., v.221, n.11, p. 1550-1567, dec. 2002.

UROLOGIA

Disfunções sexuais masculinas

A MTC atribui este distúrbio a um distúrbio do coração ou do baço, e a uma

perda da energia do rim em conseqüência do medo e da preocupação, ou do excesso de

relações sexuais.

São também conseqüência do uso abusivo de analgésicos e sedativos, do

tabagismo e do alcoolismo.

Os sintomas principais são impotência, ejaculação precoce e espermatorréia. A

impotência é a incapacidade de manter uma ereção suficiente para o coito. A ejaculação

precoce não permite conservar a penetração por tempo suficiente para uma resposta da

parceira e a espermatorréia é a emissão espontânea e freqüente de sêmen, ocorrendo

geralmente durante o sono e em casos graves pode ocorrer uma perda com o paciente

acordado. Geralmente o paciente fica decaído e melancólico, neurastênico pela

disfunção, e o quadro degenera num verdadeiro círculo vicioso.

Pontos principais:

Qugu - VC2 Zhongji - VC3 Guanyuan - VC4 Sanyinjiao - BP6

Pontos secundários:

Qihai - VC6 Shenshu - B23 Mingmen - VG4 Xinshu - B15 Ganshu - B18 Zusanli - E36 N Shenmen - C7 Taixi - R3

u

e

i

g

a

n

C

S

6

13

Aspectos psicopatológicos

Tipo Tae Yang

É onde reside a paranóia e se agrupam os crimes de natureza sexual, as

violências, estupros, isso dentro da modalidade Yang, a modalidade Yin caracterizando-se pela inibição total. Existe um tipo misto, com explosões brutais seguidas de períodos de calma.

Dentro do tipo Tae Yang também se situa a homossexualidade, porque o Tae Yang, o norte, representa o fim do período e o início do próximo, a transição, a incerteza, o Yang no Yin profundo.

Tipo Jue Yin

É a neurose de angústia

Tipo Shao Yang

É a irritabilidade, a agressividade, o gostar de fazer mal aos outros, mas sem ferir

fisicamente. É o provocador, o que busca o conflito.

Tipo Shao Yin

É a melancolia aguda, a tendência ao suicídio, a psicose maníaca depressiva, o

ofegante em delírio, a ninfomania e a histeria, a qual também pode ocorrer no tipo Shao

Yang.

Tipo Tae Yin

Sua característica é o oral. Aí se encontram a esquizofrenia paranóica, a neurose de obsessão, a falta de sexualidade e a astenia sexual. Encontra-se aí o domínio por uma mulher que domine. Aí está situada a adoração pelo seio, lembrança do estágio oral.

Tipo Yang Ming

Depressão crônica, morosidade, astenia sexual. A sexualidade é reforçada ou substituída pela alimentação. Os indivíduos se entregam ao ato sexual e até o começam, mas depois param, choram, ou se entregam a uma crise de tristeza, de depressão.

O fogo de Ming Men é capaz de provocar “uma necessidade constante da

atividade sexual podendo levar a erotomania”.

O esquema acima foi compilado por um conjunto de psiquiatras franceses que se apoiaram em comportamentos extremistas ou excessivos dentro da zona patológica.

14

Fitoterápicos:

Hai Ma Bu Shen Wan/ Jin Kui Shen Qi Ran Kang Wei Ling Nan Bao Ran/ Placenta Hominis

Enurese

Trata-se da micção durante a noite, um problema considerado fisiológico durante

os 2 ou 3 primeiros anos de vida. No entanto, pode se prolongar até os 10 anos.

Corresponde a atraso no amadurecimento neuromuscular das vias urinárias baixas. É

vista com maior freqüência em meninos, varia de ocorrência esporádica até mais de uma

vez por noite. Ocorre também em pacientes muito idosos por um relaxamento da

musculatura pélvica ou do esfíncter uretral, ou por problemas neurológicos.

Pode ocorrer por causas orgânicas como infecções ou estenose da uretra distal

nas meninas, válvulas de uretra posterior em meninos, bexiga neurogênica. Outras

possibilidades são: fimose, estenose do meato urinário, meatite, uretrite, cistite, diabete

juvenil, oxiuríase, epilepsia e espinha bífida.

A MTC diz que a enurese está ligada a uma insuficiência do Qi do rim,

afundamento do Qi do baço, irregularidade do Qi dos pulmões, e descontrole da bexiga.

Acompanhando uma enurese prolongada, o paciente pode apresentar palidez e

opacidade no rosto, cansaço, comportamento retraído, alterações no ritmo da defecação

e geralmente pulso débil.

Pontos principais:

Guanyuan - VC4 Zhongji - VC3 Shenshu - B23 (Orifício dos rins) Sanyinjiao - BP6

Pontos secundários:

Qihai - VC6 (Mar de Qi) Qugu - VC2 Pangguangshu - B28 (Orifício da bexiga) Sanjiaoshu - B22 Hegu - IG4 Yinlingquan - B9 Weizhong - B40 Baihui - VG20 (Cem reuniões)

15

Aplica-se de preferência o método da tonificação, pois “a deficiência se

compensa com a tonificação”.

As agulhas ficam retidas por 10-20 minutos, uma sessão a cada dois dias. Seis

sessões formam uma série. A acupuntura pode vir seguida de moxabustão, porque “o

frio se neutraliza com o calor”.

Como ocorre principalmente em crianças e estas geralmente têm medo de

agulhas, pode-se fazer apenas a moxabustão.

Pode-se tratar também com magnetoterapia nos pontos indicados.

O tratamento tem como princípio tonificar o Yang do rim, consolidar a energia

original (Yuan Qi), nutrir o baço, ativar a energia do pulmão, a fim de fortalecer a

bexiga.

Antes da puntura em Guanyuan e Zhongji, deve-se esvaziar a bexiga.

Se o paciente tiver menos de 10 anos de idade e espinha bífida, a cura é difícil.

Entretanto, por volta dos 15 anos, quando seu organismo já estiver mais desenvolvido,

geralmente a acupuntura e a moxabustão podem curá-lo em poucas sessões.

Os pacientes com enurese devem evitar atividade excessiva, cansaço, a ingestão

excessiva de líquidos à noite, devem controlar seus horários de sono, etc.

Como a enurese tem alta possibilidade de recidiva, depois de curado, o paciente

ainda deve receber mais 3-5 sessões adicionais.

Fitoterápicos:

Enurese:

Ren Shen Hu Tao Tang Liu Wei Di Huang Ran Enurese infantil:

Jin Kui Shen Qi Ran Enurese por umidade- calor:

Long Dan Xie Gan Ran Enurese por deficiência do Qi do Pulmão e do Baço:

Bu Zhong Yi Qi Ran

Esterilidade masculina

A azoospermia ou insuficiência de esperma tem a etiologia do baço como possibilidade.

O enfraquecimento do fogo de Ming Men e a plenitude do rim Yang podem levar a

determinadas formas de impotência e de esterilidade.

16

Infertilidade é a incapacidade de fertilizar o óvulo. Esterilidade é a não produção de espermatozóides.

Clinicamente há duas divisões importantes: ausência verdadeira de espermatozóides (por afecções próprias dos testículos, o que ocasiona a ausência, diminuição, morte e anomalias dos espermatozóides) e a falsa ausência de espermatozóides. As causas podem ser fisiológicas ou patológicas. Quanto às causas patológicas, os testículos são normais, porém os espermatozóides são bloqueados ou destruídos no transporte.

Uma das grandes causas é o diabetes insípido que representa um esgotamento do Qi do rim e constitui um dos principais fatores da impotência e da esterilidade.

O rim Yang está em primeiro plano, não só quanto à impotência, mas também em relação à esterilidade, consecutivas a uma enfermidade crônica, degenerativa, notadamente devido à insuficiência renal crônica e doenças medulares (o rim nutre a medula). Existem também as contribuições de causas neurológicas e de doenças degenerativas.

As drogas hipotensivas, os bloqueadores e os benzodiazepínicos podem ter também um efeito secundário sobre a ereção e inibição da libido.

1º. Método: acupuntura

Pontos principais:

Guanyuan - VC4

Mingmen - VG4

Shenshu - B23

Sanyinjiao - BP6

Pontos secundários:

Qugu - VC2

Zhongji - VC3

Qihai - VC6

Dahe - R12

Zhishi - B52

Zusanli - E36

Taixi - R3

Huiyin - VC1

Pratica-se de preferência a tonificação.

VC1 – com agulha longa, sendo este o principal ponto para a formação de espermatozóides segundo o Dr. Bernard Auteroche. Entretanto, este é um ponto muito dolorido e deve-se avisar ao paciente, para que tenha certeza se quer ou não o tratamento. Segundo o falecido Dr. Auteroche, já depois da terceira sessão, é possível uma contagem de espermatozóides, se bem que ainda baixa.

17

Para o ponto Guanyuan (VC4), procura-se fazer com que a agulha produza a sensação de calor que deve alcançar a glande, bem como um calor moderado nos testículos. As agulhas devem ser retidas por 10-30 minutos, sendo uma série constituída de 10 sessões diárias, e entre uma série e a próxima, dá-se um intervalo de 3-5 dias.

2º. Método: moxabustão

Grupo 1: moxas em Guanyuan, Qihai e acupuntura em Sanyinjiao

Grupo 2: moxas em Mingmen, Shenshu e acupuntura em Taixi

A moxabustão (com 5 cones grossos de moxa sobre fatias de gengibre fresco, sessões

diárias) associada à acupuntura oferece bons resultados, se bem que eles não sejam imediatos, pois também concorrem fatores psicológicos ao mau desempenho sexual do paciente.

O Lei Jing Tu Yi “Suplemento Ilustrado do Cânone das Classificações” (1624 d.C. –

Dinastia Ming), de Zhang Jiebin, classifica o ponto Guanyuan como sendo o local de

armazenamento do sêmen.

Sanyinjiao (BP6) por ser o ponto da confluência dos meridianos Taiyin, Shaoyin e Jueyin (daí o nome do ponto: junção dos três Yin), nutre a energia renal e regula a energia nos três meridianos citados.

Ming men (VG4) é o local que armazena o fogo verdadeiro da porta da vida, e a tonificação através da acupuntura e da moxabustão aplicada a Ming men dinamizam o Yang do rim e fomentam a produção seminal.

A acupuntura e a moxabustão aplicadas a Shenshu (B23) revigoram a energia renal,

preenchem o rim com energia e sangue facilitando assim a produção de espermatozóides.

O álcool e o fumo, dependendo da propensão do indivíduo, podem agravar o excesso de

Yang (diabetes, arteriopatia) e do calor no corpo, ou o excesso Yin e de umidade (neuropatia periférica dos Tai Yin, diabete insípido, nefrite crônica, enfermidades neurológicas).

Em 90% dos casos, não foi encontrada uma causa orgânica, mas sim psíquica (neurose, psicose).

18

O Homem

Exclusivamente no ato

Por ter um sinal energético contrário ao da mulher, o homem se comporta diferente e é menos expressivo, tendo praticamente só movimento, enquanto que a mulher é “posta em movimento”. O homem não tem propriamente o “antes”, o “durante” e o “depois”, mas o “durante” imediato e permanente. O homem pode passar de um estímulo ao outro, dentro do seu próprio erotismo, sendo isso uma característica normal, isto é, se comporta sexualmente mais ou menos de acordo com a necessidade da parceira, e tendo mais de uma, passa pelas cinco características num mesmo dia.

Tipo Tae Yang

É indiferente, antes de tudo satisfaz a si próprio. Existe um egoísmo e para ele não é necessário um tipo feminino preciso. Ele busca o movimento. Pode se mostrar violento.

Tipo Shao Yang

Gosta de variar, do movimento. Com freqüência interrompe o ato e o recomeça. É o “que caça”.

Tipo Jue Yin

Ansioso diante do ato sexual, é hiper nervoso. Está sujeito à uma ejaculação precoce, o que aumenta sua ansiedade. É o tipo que gosta de ser ajudado e incitado. Pode haver uma passagem do Jue Yin ao Shao Yang.

Tipo Shao Yin

Fantasia, dramatiza e cria um ambiente psicológico todo próprio. Coloca muito do “espírito” no ato sexual. Pode haver uma ejaculação precoce, pois é o tipo de homem que enquanto aguarda o encontro já está mentalmente dentro do ambiente sensual, por isso, quando a mulher está pronta, ele já está terminando.

Tipo Tae Yin

Sua característica é a timidez, o pudor, os possíveis bloqueios de toda natureza. O que mas domina é a lembrança materna, donde decorre uma sexualidade mais oral, de contato, de pele, de limpeza, com predileção pelos seios.

Tipo Yang Ming

19

Sua característica é a sensibilidade aos odores e ao toque. Busca mulheres cheias e

opulentas. Sua sexualidade está ligada à comida, às boas carnes, ao prazer de viver. Sua

sensibilidade aos perfumes tem duas modalidades:

o perfume é um sinal erógeno poderoso: procuram mulheres perfumadas.

o perfume é um fator de bloqueio

Os sinais erógenos

No homem são mais globais e menos refinados que nas mulheres

Tipo Tae Yang

Indiferente, seus sinais são uma “pulsação pura”. Suas necessidades são cíclicas.

Tipo Shao Yang

Gosta de variar e de estar cercado de mulheres. É freqüente o gosto pela dança. A

necessidade sexual também pode aparecer após um esforço físico. O trabalho físico

muscular continua com o trabalho sexual.

Tipo Shao Yin

Seu sinal essencial e necessário pode ser a leitura, os filmes e as situações eróticas mais

ou menos refinadas, cortejar e ser cortejado, e até mesmo a pornografia.

Tipo Tae Yin

Os sinais essenciais são os seios, o ventre, a evocação do maternal e principalmente do

oral.

Tipo Yang Ming

O que desempenha um papel importante é a comida e o álcool. Sinais essenciais

freqüentes: boca, quadril, nádegas, sinais que evocam a lei retroativa do Jue Yin sobre o

Yang Ming. O odor também é fundamental, ou no sentido da excitação, ou da completa

inibição do ato.

Fitoterápicos:

Hai Ma Bu Shen Wan Jin Kui Shen Qi Ran Nan Bao Ran Placenta Hominis Ylang Ylang (Por inibir as suprarenais e acabar com a ansiedade, embora seja um anafrodisíaco)

20

Kang Wei Ling

IMPOTÊNCIA

TRATAMENTO DE IMPOTÊNCIA POR ERVAS CHINESAS E ACUPUNTURA

ZHU YANZHONG 1º. Departamento de Cirurgia do Hospital Dongzhimen, da Universidade de MTC de Beijing

NI LING Faculdade de Acupuntura e Ortopedia de Beijing

A impotência se refere à síndrome do paciente masculino que falhou em uma vida sexual normal por mais de 3 meses devido a inabilidade do pênis ter ereção ou uma ereção suave embora ele tenha desejo sexual.

ETIOLOGIA E PATOLOGIA

Através da combinação das doutrinas da MTC, médicos através dos anos, com os mais modernos desenvolvimentos da andriatria Chinesa, estudiosos da andriatria da MTC elucidaram a etiologia e patologia da impotência a partir de vários aspectos descritos abaixo:

1. Estagnação do Qi do fígado: Depressão emocional e sentimental ou estagnação do Qi do fígado e disfunção do fígado, promovendo fluidez livre do Qi devido a danos do fígado por raiva depressiva, contribuindo, assim, para a má nutrição do pênis, levando-o a não conseguir a ereção;

2. Umidade e calor no fígado e na vesícula biliar: Umidade e calor podem resultar de excesso de alimentação, de alimentos gordurosos e doces. Em adição, umidade e calor externos podem também invadir o corpo e estagnar no Jiao intermediário, o que pode aquecer o fígado e a vesícula biliar e danificar os tendões, fazendo com que o pênis fique flácido, consequentemente a impotência.

3. Declínio do Fogo do Portão da Vida: atividade sexual incontida dá lugar à perda e deficiência do Yin do Rim, fato que afeta o Yang; ou até leva à fraqueza do corpo com deficiência de Yang podem também causar o declínio do Fogo vindo do Portão da Vida, essência e energia vital insuficientes, e sexualidade masculina fraca, gradualmente levam à impotência;

4. Danos ao Rim causados por medo: A impotência também pode ser resultado de repentino susto ou medo durante a relação sexual, o que pode causar uma baixa do nível do Qi; ou do medo de falhar na primeira relação sexual, ou do medo da gravidez devida a atividade sexual antes do casamento, etc.;

5. Estagnação do Qi e do sangue: Enfermidades prolongadas freqüentemente leva à estagnação; ou dano pudendo externo ou operação podem levar à estagnação do Qi e sangue e obstrução dos canais e colaterais, levando à flacidez do pênis;

6. Deficiência do Coração e Baço: A deficiência do Qi do Coração e exaustão do sangue do Coração é resultado de danos do Coração devido a excesso de pensamento e ansiedade; ou deficiência de Qi e sangue devido a dano do Qi vital após séria e prolongada enfermidade, podem produzir um corpo fraco com flacidez do pênis e sexualidade masculina pobre. MEDICAÇÃO

21

Os princípios abaixo podem ser seguidos em tratamento de impotência pela MTC, tonificação de i.e. para deficiência; purgação do excesso; limpeza do calor para todos com excesso; aquecimento para todos sem Fogo. Na base de experiências da MTC, os médicos através dos anos, combinaram com os mais avançados desenvolvimentos da andriatria Chinesa, e o tratamento, pela MTC, da impotência será exposto nos três aspectos abaixo:

1.

Tratamento baseado na Análise completa de sintomas e sinais:

1.1

Estagnação do Qi do fígado: Pacientes deste tipo freqüentemente se apresentam com os sintomas e sinais como pesar e preocupação, depressão mental devido à família desarmonia, sensação de desconforto no peito e hipocôndrio, hipossexualidade, irritabilidade e mal humor, suscetível a suspiros, língua vermelha/rosada com revestimento branco, e pulso escorregadio. O tratamento é feito aliviando o fígado deprimido. A prescrição modificada de Dayu Tang (decocção para aliviar pressão) é usada. Ingredientes: Chaihu (Radix Bupleri) 10g, Shengma (Rhizoma Cimifugae) 6g, Xiangfu (Rhizoma Cyperi) 10g, Juye (Folium Citri) 10g, Cijili (Fructus Tribuli) 10g, Sangpi (Cortex Mori) 10g, e Chuanxiong (Rhizoma Ligustici Chuanxiong) 6g. Efeito mais forte de regulagem do Qi e alívio da depressão pode ser obtido pela subtração de Sangpi (Cortex Mori) e adição de Sini San (Pó para tratamento de membros frios) para a prescrição acima. Dois Wu Gong (Scolopendra) podem ser adicionados (transformados em pó para fazer infusões) para prevenir a flacidez e remoção da obstrução do Qi, Shayuanzi (Semen Astragali Complanati) 10g, Tusizi (Semen Cuscutae) 10g, e Gouqizi (Fructus Lycii) 10g pode ser adicionada para fortalecer o Yang genuíno. Quando o Qi do Fígado está deprimido é aliviado e o Yang genuíno fortalecido, a flacidez do pênis é atacada para haver a cura.

1.2

Umidade e Calor no Fígado e vesícula Biliar: A principal manifestação clínica é a inabilidade do pênis em ter ereção ou suave ereção, Corrimento úmido com cheiro desagradável e distensão, vexação e sabor amargo na boca, fraqueza dos membros, urina amarela e escassa, língua vermelha com revestimento pegajoso amarelo, e pulso rápido e escorregadio. O tratamento é feito para purgar o Fígado e normalizar a função da Vesícula Biliar e limpar o calor e eliminar umidade. A prescrição modificada Longdan Xiegan Tang (decocção de Gentiana para purgar o Fogo do Fígado) é usada. Para sensação de desconforto no abdômen baixo e dor nos testículos, adicione Chuanlianzi (Fructus Toosendan) e Qingpi (Pericarpium Citri Reticulatae Viride); Para extrair a urina branca e túrbida e Bixie (Rhizoma Dioscorae Septemlobae) e Fuling (Poria); para urina freqüente e urgente, adicione Jinqiancao (Herba Lysimachiae) e Shiwei (Folium Pyrrosiae)

1.3

Insuficiência do Rim-Yang: A impotência deste tipo é normalmente caracterizada pela hipossexualidade, incapacidade do pênis ter ereção ou ereção peniana leve. Os sintomas

a

seguir acompanham este problema: Frio no baixo abdômen e glândulas penianas, dores

e

fraqueza da parte baixa das costas e das juntas do joelho, aversão ao frio, desatenção,

urinação noturna freqüente, língua pálida com cobertura branca, e pulso profundo, forçado e oscilante. O tratamento deve ser administrado para aquecer e tonificar o rim e

reforçar o Yang. A fórmula modificada de Zanyu Dan (Pílulas de Promoção de Fertilidade) é usada. Ingredientes: Shudi (Radix Rehmanniae Preparata) 12g, Gouqi (Fructus Lycii) 12g, Shanyurou (Fructus Corni) 10g, Danggui (Radix Angelicae Sinensis) 10g, Roucongrong (Herba Cistanchis) 15g, Bajitian (Radix Morindae Officinalis) 12g, Lujiaojiao (Colla Cornus Cervi) 10g, Xianmao (Rhizoma Curculiginis) 12g, Xianlingpi (Herba Epimedii) 15g, Shechuangzi (Fructus Cnidii) 15g, e Rougui (Cortex Cinnamomi) 9g. Usualmente a prescrição acima é adicionada com Ziheche (Placenta Hominis), Wu

22

Gong (Scolopendra), e Tuzisi (Semen Cuscutae). Para severa insuficiência de Yang, Fuzi (Radix Aconiti Praeparata) pode ser adicionada. A prescrição reflete o tratamento principal de fortalecimento do Yang através da tonificação Yin e o restabelecimento da essência usando animais com abundância de carne e sangue e insetos.

1.4 Estagnação do Qi e sangue: Estes pacientes freqüentemente têm arteriosclerose e diabetes, ou um histórico de lesão pudenda externa ou operação da cavidade pélvica, acompanhada por vários sintomas como inabilidade de ereção ou ereção peniana suave, possível desinteresse pelo sexo em alguns casos, língua insensível peculiar com equimoses, pulsação profunda, hesitante e resistente. O tratamento deve ser ministrado para promover o fluxo de Qi e a circulação sangüínea e para remover obstrução nos canais e revigorar o Yang. A fórmula modificada de Siwu Tang (Decocção dos Quatro Ingredientes) é selecionada, freqüentemente adicionada com Wangbuliuxing (Semen Vaccariae), Lulutong (Fructus Liquidambaris), Sharanjia (Squama Manitis) e Wu Gong (Scolopendra) para resolver a massa e o inchaço da prostatomegalia com temperamento difícil ou com massa dura e para aqueles com dor severa, Wulingzhi (Faeces Trogopterum), Puhuang (Pollen Typhae), Moyao (Myrrha), e Yaunhu (Rhizoma Corydalis) podem ser adicionados. Em prática clínica, existe um número de tipos de impotência equivalente aos tipos de estagnação de fleugma. Alguns terapeutas da MTC tentar curar as impotências intratáveis através do uso de Huoluo Dan (Bolus principal para ativar o fluxo de energia nos Canais e Colaterais), com justas referências.

1.5 Deficiência de Coração e Baço: Suas principais manifestações clínicas são inabilidade em ter ereção ou ter e ereção peniana suave, pouco apetite, lassitude, aspecto inerte e vagaroso, insônia, amnésia, palpitação e peito distendido, fezes soltas e aguadas, língua pálida com cobertura esbranquiçada, pulsação oscilante, forçada. O tratamento é prescrito para restabelecer o Qi, para revigorar o Baço e nutrir o Coração e tonificar o sangue. A fórmula modificada Guipi Tang (Decocção para revigorar o Baço e nutrir o Coração) é selecionada. Ingredientes: Huangqi (Radix Astragali) 15g, Dangshen (Radix Codonopsis) 12g, Baizhu (Rhizoma Atractylodis Macrocephalae) 12g, Fushen (Poria cum Ligno Hospite) 15g, Suansaoren (Semen Ziziphi Spinosae) 10g, Longyanrou (Arillus Longan) 12g, Danggui (Radix Angelicae Sinensis) 12g, Yuanzhi (Radix Polygalae) 9g, Suoyang (Herba Cynomorii) 10g, Roucongrong (Herba Cistanchis) 15g, e Gouqizi (Fructus Lycii) 12g. É aconselhável adicionar Xianlingpi (Herba Epimedi). Para aqueles pacientes dominados pela fraqueza do Baço e do Estômago ou acompanhado com sensação de aproximação e distensão da região do períneo e ânus, respiração curta e lassitude, podem ser adicionados os ingredientes Shengma (Rhizoma Cimifugae) e Chaihu (Radix Bupleuri).

1.6 Prejuízo do Rim por medo ou pavor: É mais provável que este tipo de paciente freqüentemente tenha histórico de ter sido amedrontado, de Ter sofrido algum tipo de pressão que levou ao medo ou pavor. Estes pacientes, também freqüentemente, apresentam sintomas como inabilidade de ter ereção ou possui uma ereção insuficiente do pênis, timidez ou hipersensibilidade, palpitação e susceptibilidade ao pavor, insônia com sono irrequieto e com distúrbios de sonhos. Também pode haver ereção espontânea do pênis, mas a ereção é suave durante uma relação sexual. Os pacientes podem apresentar língua pálida com uma cobertura fina e apresenta também pulsação profunda e resistente. O tratamento é dado para tranqüilizar a mente e tonificar o Rim para restaurar a habilidade do pênis ter ereção. A fórmula modificada Xuan Zhi Tang (Decocção para remover a obstrução do Qi) é usada. Ingredientes: Fuling (Poria) 10g, Baizhu (Rhizoma Atractylodis Macrocephalae) 10g, Renshen (Radix Ginseng) 10g, Shanyao (Rhizoma Dioscoreae) 10g, Bajitian (Radix Morindae Officinalis) 10g, Zaoren (Semen Ziziphi

23

Spinosae) 10g, Yuanzhi (Radix Polygalae) 10g, Changpu (Rhizoma Acori Tatarinowii) 10g, Chaihu (Radix Bupleuri) 12g, Danggui (Radix Angelicae Sinensis) 10g, e Gancao (Radix Glycyrrhizae) 6g. Tusizi (Semen Cuscutae), Xiangfu (Rhizoma Cyperi), Gouqizi (Fructus Lycii), Baishao (Radix Paeoniae Alba) podem ser adicionadas à prescrição acima. Para uma condição inquieta do paciente devido ao medo ou pavor deverá ser adicionado o seguinte ingrediente à prescrição acima: Longgu (Os Draconis), Muli (Concha Ostreae).

O método de diagnose e tratamento baseado em uma análise completa dos sintomas e sinais é um dos métodos terapêuticos tradicionais usados no tratamento da impotência, o qual, de diferentes aspectos, é classificado em vários tipos, cada um com suas características únicas.

Por exemplo: Zhou dividiu 114 casos de impotência em três tipos:

1. O tipo de depressão do Fígado e deficiência do Rim: defendeu-se que alguns fatores

psíquicos são relacionados com este tipo de impotência a qual poderia ser, então, tratada para aliviar o Fígado deprimido, e para reforçar o Rim e restaurar o Yang. A prescrição de Huichunling Yihaofang (Ressuscitação nº.1) foi usada, consistindo de Chaihu (Radix Bupleuri) 10g, Yujin (Radix Curcumae) 10g, Gouqizi (Fructus Lycii) 15g, Tusizi (Semen Cuscutae) 15g, Roucongrong (Herba Cistanches) 15g, Shechuangzi (Fructus Cnidii) 15g,

e Yinyanghuo (Herba Epimedii) 20g. A prescrição modificada acima foi adotada em 64

casos, com o resultado obtido de 45 casos sendo curados, em 17 casos houve melhora do paciente e em 2 casos o tratamento não foi efetivo.

2. O tipo de deficiência do Rim com estase sangüínea: Estes tipos de impotências foram considerados como sendo de origem orgânica. O tratamento foi ministrado para tonificar

o Rim e fortalecer o Yang e para ativar a circulação sangüínea pela remoção da êxtase do sangue. A prescrição de Huichunling Erhaofang (Ressuscitação n.º 2) foi usada, consistindo de Shudi (Radix Rehmanniae Praeparata) 10g, Gouqizi (Fructus Lycii) 15g, Roucongrong (Herba Cistanchis) 15g, Danggui (Radix Angelicae Sinensis) 15g, Chuanniuxi (Radix Cyanthulae) 15g, Yinyanghuo (Herba Epimedii) 20g, e Wu Gong (Scolopendra) 1.5g. A prescrição modificada acima foi adotada em 19 casos, com o resultado de 9 casos que foram curados, 6 casos obtiveram uma melhora significativa e em 4 casos a aplicação desta medicação não foi efetiva

3. O tipo de depósito de calor no Fígado e no Rim: O tratamento foi ministrado para

remover, limpar o calor e todo o material tóxico e para promover a diurese e resolver a turbidez. A prescrição de Huichunling Sanhaofang (Ressuscitação nº.3) foi usada. Ingredientes: Baihuasheshecao (Herba Hedyotis Diffusae) 30g, Pugongying (Herba Taraxaci) 20g, Baijiangcao (Herba Patriniae) 15g, Huzhang (Rhizoma Polygoni Cuspidati) 15g, Bianxu (Herba Polygoni Avicularis) 15g, Huangbai (Cortex Phellodendri) 10g, Cheqianzi (Semen Plantaginis) 10g, Sheng Gancao (Radix Glycyrrhizae crua) 10g. A prescrição modificada acima foi adotada em 31 pacientes, com

o resultado de 23 casos curados, 6 casos com melhora significativa e em apenas 2 casos as prescrições foram não efetivas. Lin dividiu 30 casos de impotência em tipos:

a) O tipo de deficiência do Yin do Rim, tratado com o método de nutrir o Yin e tonificar o Rim através da prescrição de sua autoria de Peibu Shenyin Tang (Decocção para tonificar o Yin do Rim) cujos ingredientes são Shanyurou (Fructus Corni) 10g, Shashen (Radix Adenophorae ou Radix Glehniae) 10g, Maidong (Radix Ophiopogonis) 10g, Congrong (Herba Cistanchis) 10g, Guiban (Plastrum testudinis) 10g, Shengdi (Radix Rehmanniae) 15g, Gouqizi (Fructus Lycii) 15g, e Duzhong (Cortex Eucommiae) 18g.

24

b) O tipo de insuficiência de Yang do Rim tratada com o método de aquecimento e tonificação do Yang do Rim através de sua prescrição Peibu Shenyang Tang (Decocção para Tonificar o Yang do Rim) cujos ingredientes são Shanyurou (Fructus Corni) 10g, Shanyao (Rhizoma Dioscoreae) 10g, Lujiaojiao (Colla Cornus Cervi) 10g, Duzhong (Cortex Eucommiae) 10g, Yinyanghuo (Herba Epimedii) 10g, Gouqizi (Fructus Lycii) 15g, Rougui (Cortex Cinnamomi) 3g, e Fuzi (Radix Aconiti Praeparata) 9g.

O resultado mostrou que 16 casos foram curados, 11 casos obtiveram uma

melhoria significativa e em 3 casos o tratamento não foi efetivo. Hu tratou 15

casos de maneira diferenciada em dois tipos:

a) O tipo de calor úmido no interior tratado com o método de limpar o calor e promover a diurese pela prescrição modificada de Sanren Tang (Decocção dos três tipos de sementes);

b) O tipo de estagnação de friagem úmida no baço tratada com o método de expelir o frio patogênico e umidade pelo uso da prescrição modificada de Huopo Xialing Tang (Decocção de Agastachis, Magnólia, Pinellia e Poria).

O resultado mostrou que, basicamente, todos os casos foram curados. He

dividiu a impotência em cinco tipos de tratamentos diferenciais:

a) O tipo de declínio do fogo proveniente do portão da vida, tratado com o método de reforçar o Rim e dar suporte ao Yang através da combinação modificada de Yougui Wan (Bolus para reforçar o Yang do Rim) e Zanyu Dan (Pílulas para promover fertilidade);

b) O tipo de hiperatividade do fogo devido a deficiência de Yin tratada pelo método de nutrir o Yin para resolver o problema do fogo patogênico pela combinação modificada de Zhibai Dihuang Wan (Bolus para reabastecer a essência vital);

c) O tipo de dano do Rim pelo pavor e medo tratado pelo método de tonificar o Rim para aliviar o esforço pela combinação modificada de Wuzi Yanzong Wang e Xiao Yao San (Pó para alívio);

d) O tipo de falha do Rim em promover o livre fluxo do Qi tratado com o método de suavizar o Fígado e ativar o Yang pela combinação modificada de Chaihu Shugan Tang (Decocção de Bupleurum para suavizar o Fígado);

e) O tipo de fluxo para baixo de calor úmido do Qi tratado com o método limpar o calor e promover a diurese pela combinação modificada de Longdan Xiegan Tang (Decocção de Gentiana para purgar o fogo do Fígado).

120 casos de impotência receberam o tratamento acima descrito, com a obtenção de bons resultados em todos os casos.

Prescrições dadas na base de diferenciação da doença:

O uso da prescrição fixa no tratamento de impotência é uma orientação básica na popularização do tratamento da MTC e tem sido adotada por muitos

25

terapeutas da MTC, que têm oferecido algumas prescrições empíricas, variando apenas nas formas, ainda produzindo resultados que inspiram confiança.

Por exemplo, Li oferece uma prescrição de sua própria autoria de Sanbao Zhenxiong Dan (Pílulas de fortalecimento das três essências do sexo masculino), que contém Shechuangzi (Fructus Cnidii) 16g, Wu Gong (Scolopendra) 16g, Danggui (Radix Angelicae Sinensis) 14g, Dilong (Pheretima) 14g, Fuling (Poria) 13g, Yiyiren (Semen Coicis) 15g, Bajitian (Radix Morindae Officinalis) 15g, Yinyanghuo (Herba Epimedii) 30g, Gouqizi (Fructus Lycii) 30g, Longdancao (Radix Gentianae) 10g, Tusizi (Semen Cuscutae) 25g, Suoyang (Herba Cynomorii) 25g, Lurong (Cornu Cervi Pantotrichum) 25g, Roucongrong (herba cistanchis) 20g, Huangqi (Radix Astragali) 60g, Rougui (Cortex Cinnamomi) 3g, Renshen (Radix Ginseng) 22g.

Todas as drogas acima citadas são misturadas e transformadas em pó para a elaboração das pílulas, para que o paciente faça a ingestão de 15g acompanhadas de vinho de arroz amarelo, duas vezes ao dia, uma pela manhã e outra à noite, durante 12 dias constituindo assim um curso terapêutico completo. Qiao ofereceu sua prescrição de Xingyang Dan (Pílulas de fortalecimento do Yang): Huangqi (Radix Astragali) 30g, Danggui (Radix Angelicae Sinensis) 15g, Shanyao (Rhizoma Dioscoreae) 15g, Fuling (Poria) 15g, Jiucaizi (Semen Allii Tuberosi) 15g, Xianlingpi (Herba Epimedii) 15g, Baijitian (Radix Morindae Officinalis) 15g, Huangbai (Cortex Phellodendri) 15g, Baishao (Radix Paeoniae Alba) 20g, Lujiaojiao (Colla Cornus Cervi) 10g, Taipan Fen (Pó de Placenta Hominis) 10g, 5 Wu Gong (Scolopendra), 1 Haigou Shen (Peni et Testes Callorhini) Jing Liuhuang (Enxofre refinado) 3g, Zhi Maqianzi (Preparado de Semen Strychni) 1g, ingredientes estes que são assados e transformados em pó para o feitio das cápsulas, de maneira que sejam conseguidas de 7 a 10 cápsulas a cada receita. Deve ser ingerido duas vezes ao dia, uma pela manhã e outra à noite, durante 15 dias constituindo um curso terapêutico completo.

Jiang indicou sua prescrição de Zhuangyang Qiwei Wan (Pílulas para fortalecer o Yang e tratar impotência), cujos ingredientes são os seguintes:

Dangshen (Radix Codonopsis) 30g, Baizhu (Rhizoma Atractylodis Macrocephalae) 30g, Gouqizi (Fructus Lycii) 30g, Dongchongcao (Cordyceps) 30g, Shudi (Radix Rehmanniae Praeparata) 30g, Yangqishi (Actinolitum) 30g, Jiuzi (Semen Allii Tuberosi) 30g, Zhi Biejia (Preparado de Carapax Trionycis) 30g, Sheng Guiban (Plastrum Testudinis Cru) 30g, Duzhing (Cortex Eucommiae) 9g, Zhi Suoyang (Preparado de Herba Cynomorii) 9g, Xianlingpi (Herba Epimedii) 9g, Danggui (Radix Angelicae Sinensis) 9g, Xuduan (Radix Dipsaci) 9g, Congrong (Herba Cistanchis) 9g, Poguzi (Fructus Psoraleae) 9g, Heche (Placenta Hominis) 9g, Zhi Gancao (Preparado de Radix Glycyrrhizae) 9g, Tusizi (Semen Cuscutae) 15g, as quais foram misturadas e transformadas em pó antes de preparar os Bolus de Mel para serem ingeridos de 3 a 6 g de cada vez, três vezes ao dia, durante um mês para que se forme o curso terapêutico.

Xiong indicou sua prescrição de Dilong Tang (Decocção de Pheretima) para tratar o tipo de impotência de deficiência do Yang do Rim, cujos ingredientes são os seguintes: Gan Dilong (Pheretima seca) 10g, Shanyurou (Fructus Corni) 10g, Tusizi (Semen Cuscutae) 10g, Tuanmendong (Radix Asparagi) 10g, Gouqizi (Fructus Lycii) 10g, Guibanjiao (Colla Plastri Testudinis) 10g, Shudi (Radix Rehmanniae Praeparata) 10g, Sheng Muli (Concha Ostreae Crua) 10g, Danpi (Cortex Moutan) 6g, Shanyao (Rhizoma Dioscoreae) 10g. Li indicou sua prescrição de Zhuangyang Yishen Jiu (Vinho para o fortalecimento

26

do Yang e tonificação do Rim), cujos ingredientes são os seguintes: Gejie (Gecko), Hongshen (Radix Ginseng Rubra), Wuweizi (Fructus Schisandrae), Xianlingpi (herba Epimedii), Gouqizi (Fructus Lycii); estes ingredientes são infusos em álcool. 137 casos foram tratados pela administração oral deste infuso de álcool, com 54 casos mostrando efeitos consideráveis.

Nan indicou sua prescrição de Yanling Changchun Dan (Pílulas de prolongamento da vida), cujos ingredientes são os seguintes: Lurong (Cornus Cervi Pantotrichum), Haima (Hippocampus), Gejie (Gecko), Guiban (Plastrum Testudinis), Shengshaishen (Ginseng seco ao sol), Xianglingpi (Herba Epimedii), Sheshuangzi (Fructus Cnidii), etc., ingredientes estes que foram transformados em cápsulas. 165 casos foram tratados com as cápsulas, 4 a 6 cápsulas por vez, três vezes ao dia. O tratamento mantido por mais de um mês curou 40 casos.

Tratamento pela Acupuntura

1. Para tratamento do fogo do portão da vida, o princípio do tratamento é aquecer e recuperar o Qi do Rim. Prescrição: Guanyuan (Ren 4), Mingmen (VG4), Shenshu (B23), Taixi (R3), Sanyinjiao (BP6). A inserção da agulha deve ser perpendicular ao adotado em Guanyuan (Ran 4) e Mingmen (VG4) e o método de reforço por torção é seguido após a chegada do Qi, com a resposta da inserção da agulha que provém de Guanyuan (VC4) radiando para o pudendum anterior, e este que provém de Mingmen (VG4) para as regiões caudais e perineais. A moxabustão é adicionada a ambos os pontos. A inserção perpendicular da agulha é também adotada em Shenshu (B23) e Taixi (R3) com o método de reforço por torção. Sanyinjiao (BP6) é aplicada com o mesmo método. As agulhas são mantidas em todos os pontos por um período que varia de 30 a 50 minutos.

2. Para prejuízo e esforço do Coração e Baço, o princípio de tratamento é revigorar o Coração e o Baço. Prescrição: Zhongji (VC3), Mingmen (VG4), Pishu (B20), Zusanli (E36), Shenmen (C7) e Sanyinjiao (BP6). A inserção perpendicular da agulha é adotada em Zhongji (VC3) e Mingmen (VG4), seguido pelo método da torção e o método do levantamento e furo, com resposta da aplicação de Zhongji (VC3) radiando para o pudendum anterior. Pishu (B20) e Zusanli (E36) são aplicadas pelo método do reforço pela torção e pelo método de levantamento e furo. As agulhas são mantidas em aplicação durante 30 minutos.

3. Para prejuízo pelo excesso das sete emoções: O princípio do tratamento é acalmar o fígado, tonificar o Rim e tranqüilizar a mente. Prescrição: Zhongji (VC3), Zhishi (B52), Ganshu (B18), Taichong (F3), Yanglingquan (VB34), Xinshu (B15) e Shenmen (C7). A inserção perpendicular da agulha é adotada em Zhongji (VC3), Zhishi (B52) com o método do reforço por torção após a liberação de Qi, e a resposta da aplicação que provém da radiação de Zhongji (VC3) para o pudendum anterior. Da mesma forma, o método com levantamento e furo e de manipulação da torção são adotados no Ganshu (B18), Taichong (F3), e Yanglingquan (VB34), e o método de reforço por torção em Xinshu (B15) e Shenmen (C7). As agulhas são mantidas em aplicação por período de 20 à 30 minutos.

4. Para fluxo em declínio de calor úmido: O princípio do tratamento é limpar o calor e promover diurese. Prescrição: Zhongji (VC3), Shenshu (B23), Zusanli (E36), Sanyinjiao (BP6), Pangguangshu (B28), e Fenglong (E40). O método de reforço por torção é adotado em Zhongji (VC3) e Shenshu (B23) com resposta à aplicação através da radiação de Zhongji (VC3) para o pudendum anterior; da mesma

27

maneira, o com o método de levantamento e furo e o método de manipulação da torção em Zusanli (E36), Sanyinjiao (BP6), Pangguangshu (B28) e Fenglong (E40). As agulhas devem ser mantidas em aplicação por um período de 30 minutos.

A acupuntura é, no momento, um método bastante utilizado no tratamento de impotência. Baseando na experiência clínica, muitos terapeutas da MTC e pesquisadores experientes têm utilizado em conjunto com os métodos, muitos tipos de prescrições terapêuticas efetivas.

Yu tratou 52 casos de impotência psicológica através da regulagem da mente, obtendo ótimos resultados. Ele defendia que assim que a mente estivesse calma, os cinco Zang e seis Fu órgãos estariam com uma tendência de bom funcionamento, e a impotência teria sido curada quando o Qi e o sangue estiverem vigorosos e exuberantes, e a essência vital abundante. Método de tratamento: os pontos Shenting (VG24) e Baihui (VG20) foram selecionados e aplicados com uma profundidade cun de 0.5–1.0 com a utilização dos métodos de levantamento e furo e de torção; a extremidade da agulha foi direcionada para frente no ponto Baihui (VG20) e no ponto Shenting (VG24) foi direcionada para trás.

A estimulação foi proferida até que ainda aparecesse algum sinal de sensação de dor, paralisação e distensão no local das aplicações. As agulhas foram mantidas em aplicação durante 30 minutos, com três episódios de regulação do Qi, um a cada intervalo de 10 minutos. O Tratamento foi ministrado durante todos os dias subsequentes, durante 10 vezes perfazendo o curso, com um intervalo para descanso de 7 dias entre as aplicações.

O resultado mostrou que 38 casos foram curados, 5 casos tiveram melhora

significativa, 8 casos obtiveram melhora discreta e em apenas 1 caso o

tratamento não foi efetivo.

Yi tratou 120 casos com uma taxa de cura bastante alta, por volta de 90%.

Método de tratamento - Pontos principais: Yangwei Xue (Pontos de impotência). Existem três maneiras de localizar os pontos de impotência:

1. 2.5 cun acima de Shenshu (B23) e 1cun lateralmente ao canal VG;

2. Na depressão entre Yaoshu (VG2) e Changqiang (VG1);

3. Divida a linha que conecta Shenque (VC8) e Qugu (VC2) em 3 porções iguais. No ponto do 1/3 mais elevado e o ponto no 1/3 menos elevado são os dois pontos da impotência, e os outros dois pontos da impotência estão localizados em ambos os lados do cun lateral ao ponto localizado no 1/3 mais elevado.

As três seleções de pontos citadas acima foram usadas alternadamente.

Pontos adjuntos:

Xinshu (B15), Shenmen (C7), Neiguan (CS6), Sanyinjiao (BP6), Zhingwan (VC12), e Zusanli (E36) para aqueles com deficiência tanto de Coração como de Baço (ou ambas) e àqueles com o Rim prejudicado pelo pavor e medo;

Shenshu (B23), Baihui (VG20), Zhongwan (VC12), e Sanyinjiao (BP6) para aqueles com insuficiência do Fígado e do Rim;

28

Yanglingquan (VB34), Ligou (F5), Ganshu (B18), Danshu (B19), e Taichong (F3) para aqueles com fluxo em declínio do calor úmido.

Os pontos adjuntos foram usados alternadamente, 2 – 3 pontos por vez. Para aqueles com declínio do fogo devido a insuficiência de Yang, a moxabustão foi adicionada ao tratamento.

Zhu obteve bons resultados em seu tratamento com acupuntura de 34 casos de impotência. Método de tratamento: Pontos principais: Shenshu (B23), Ciliao (B32), Guanyuan (VC4), ou Zhongji (VC3), Guilai (E29), Sanyinjiao (BP6), Yanglingquan (VB34).

Os pontos adjuntos foram adicionados de acordo com a diferenciação dos vários tipos.

Para o tipo de deficiência de Rim, Yingu (R10), Taixi (R3) foram adicionados;

Para o tipo de deficiência de Coração e Rim, Zusanli (E36) e Shenmen (C7) foram adicionados;

Para o tipo de prejuízo do Rim por pavor e medo, Shenmen (C7) e Sishencong (Extra 6) foi adicionado;

Para o tipo de fluxo em declínio do calor úmido, foram adicionados Yinlingqian (BP9) e Neiting (E44).

Hao tratou 46 pacientes russos de impotência através da acupuntura com o uso combinado do medidor de efeito de ação terapêutica. Resultados de boa qualidade foram obtidos, com 28 casos curados, somando 13% do total. Pontos selecionados:

Sanyinjiao (BP6), Zusanli (E36), Mingmen (VG4), Shenshu (B23), Zhonglushu (B29), e Baihuanshu (B30);

Para casos de tuberculose, Zhongji (VC3), Qihai (VC6), Guanyuan (VC4) foram adicionados;

Para casos neurastênicos, Neiguan (P6), Shenmen (C7), e Taichong (F3) foram adicionados.

Técnicas de aplicação das agulhas: inserção perpendicular da agulha para 1–1.5 cun de profundidade foi adotada nos pontos Sanyinjiao (BP6) e Zusanli (E36). Após 20 minutos de aplicação o aparato de medição do efeito terapêutico foi adotado na área de Mingmen (VG4) e Shenshu (B23), e a área de Zhongji (VC3), Guanyuan (VC4) e Qihai (VC6), 30 minutos para cada área. O tratamento foi ministrado uma vez ao dia, durante 15 dias, constituindo um curso terapêutico.

Zhang tratou 48 casos de impotência com o método de Wuzang Jiaojing, produzindo bons efeitos terapêuticos. Método de tratamento: o princípio do tratamento foi tonificar o Rim e revigorar o Yang; aliviando o fígado e removendo as obstruções vindas dos canais. Pontos principais: Shenshu (B23), Mingmen (VG4), Yingu (R10); Pontos adjuntos: Xingjian (F2), Jimai (F12). Técnica de aplicação das agulhas: O método de Wuzhang Jiaojin foi adotado. Primeiramente, Shenshu (B23) e Yingu (R10) foram aplicados perpendicularmente com profundidade de 1 a 1.5cun e Mingmen (VG4) foi

29

aplicado de maneira oblíqua com acima de 1cun de profundidade, todos com o método de reforço do calor. Então o método de promoção de Qi do “Dragão Verde que Balança o Rabo” foi usado, promovendo uma resposta à aplicação proveniente da região peniana. Quando a manipulação tiver acabado, a agulha será retirada vagarosamente e o buraco deixado pela aplicação deverá ser fechado rapidamente. Mais tarde, o ponto adjunto Xinjian (F2) foi aplicado obliquamente a 0.8cun de profundidade e Jimai (F12) foi aplicado perpendicularmente a 0.8cun de profundidade, ambos com a utilização do método de redução. Depois disto, o mesmo método de promoção de Qi do “Dragão Verde que Balança o rabo” foi usado. Quando a manipulação tiver acabado, a agulha deverá ser rapidamente retirada sem pressão do local da aplicação.

Wang tratou 32 casos pelo método de aplicação profunda de Huiyang (B35) e moxabustão em Guanyuan (VC4), a taxa total efetiva foi de 93.75%. Método de tratamento: Uma agulha de formato filiforme (nº.28) foi aplicada a uma profundidade relativa a 3–5cun no ponto Huiyang (B35). Quando o paciente sentiu-se dolorido, entorpecido uma com uma sensação de distensão no local da aplicação, a agulha foi inserida mais 1 a 2cun, obtendo uma resposta à aplicação com radiação para o pudendum anterior e para as glândulas penianas. Geralmente a agulha foi inserida numa profundidade de 3cun com o método do reforço e foi manipulada em intervalos de 5 minutos durante 15 minutos. Após a retirada da agulha, foi requisitado ao paciente deitar-se de costas e a moxabustão foi aplicada no ponto Guanyuan (VC4) por 20 minutos, com a sensação de calor espalhando-se para o pudendum anterior e a glândula peniana, com 7 tratamentos, perfazendo o curso terapêutico.

Kang utilizou o tratamento com acupuntura em 48 casos de impotência, com 27 casos curados. Pontos selecionados: Huiyin (VC1), Shenshu (B23), Ciliao (B32), Guanyuan (VC4), Qihai (VC6), Baihui (VG20), e Taixi (R3). O método da “agulha de sete estrelas” com pequenas batidas foi adotado no ponto Huiyin (VC1) longitudinalmente à linha de 1–2cm onde apareceu uma vermelhidão sem sangramento. Então a agulha com formato filiforme foi adotada no ponto bilateral Shenshu (B23), Ciliao (B32) e Taixi (R3), com os outros 2–3 pontos adicionados de acordo com os sintomas e sinais. O método do reforço por torção foi adotado em todos os pontos com retenção das agulhas por um período de 15 – 20 minutos. Após a retirada da agulha, a moxabustão foi adotada em Guanyuan (VC4), Qihai (VC6) e Baihui (VG20), a cada 5 minutos. O tratamento foi ministrado todos os dias, 10 vezes, perfazendo assim o curso terapêutico.

Hu tratou 60 casos de impotência com penetração de agulhas, com taxa total efetiva de 91.6%. Método: A penetração da agulha foi adotada desde o ponto Guanyuan (VC4) até o ponto Zhongji (VC3). O paciente deitou-se de costas, porém primeiramente teve sua bexiga esvaziada. A agulha de 75 mm de formato filiforme (n.º 30) foi rapidamente inserida perpendicularmente ao ponto Guanyuan (VC4) e foi manipulada até ser introduzida por baixo da pele e ter penetrado o ponto Zhongji (VC3) com a agulha e a pele formando uma ângulo de 15 º a 20 º. Após a liberação de Qi, o método do reforço foi utilizado, formando uma resposta da aplicação com radiação para a região do períneo, do pênis e das glândulas penianas. A inserção perpendicular da agulha foi adotada em Sanyinjiao (BP6) com o mesmo método. O tratamento foi ministrado uma vez ao dia ou todos os dias, 10 vezes perfazendo o curso terapêutico. Dos 60 casos tratados, 38 casos foram curados.

30

Fu ministrou o tratamento com acupuntura em 91 casos de impotência com ótimos resultados. Pontos principais: Guanyuan (VC4) ou Zhongji (VC3), Ciliao (B32) ou Zhongliao (B33), Sanyinjiao (BP6), e Dadun (F1). Pontos adjuntos:

Shenshu (B23), Taixi (R3), Shenmen (C7), Zusanli (E36), Fenglong (E40), Yinlingquan (BP9). Técnica: Guanyuan (VC4) foi aplicado perpendicularmente com uma profundidade de 1.5 – 2 cun com o método de reforço por torção, o qual foi aumentado rapidamente. A agulha foi retirada após a liberação do Qi por 3–5 minutos. Ciliao (B32) ou Zhongliao (B33) foi aplicado perpendicularmente e houve resposta à aplicação com radiação para a região da raiz do pênis. A eletroterapia foi utilizada em conjunto no ponto Ciliao (B32) e Sanyinjiao (BP6) com 20–25 minutos de estimulação elétrica. A taxa total efetiva foi de 92.3%.

Ren tratou 258 casos de impotência pela aplicação principal de Juyang (Ponto para revigorar o Yang). Método de tratamento: O ponto Juyang foi localizado no meio da linha que conecta os pontos Zhibian (B54) e Huantiao (B30). Uma agulha de aço inoxidável de 5cun foi inserida de maneira oblíqua no ponto Juyang em direção à região contralateral púbica e manipulou até o surgimento do Qi indicado pelo entorpecimento e sensação de distensão da região, ou uma dor na região da raiz do pênis, e a agulha foi mantida por 30 minutos. O tratamento foi ministrado todos os dias, com os pontos adjuntos adicionados de acordo com a diferenciação de sintomas e sinais. O resultados mostrou que 87 casos foram curados, 157 casos tiveram uma melhora e em 14 casos o tratamento não foi efetivo, com uma taxa de efetividade total de 94.5%.

Shan tratou 75 casos de impotência pelo método de inserção profunda de agulhas de Zhonglushu (B29) e Huiyang (B35), o resultado mostrou que 49 casos foram curados, 21 casos obtiveram uma melhora e 5 casos não foram curados, a taxa total foi de 93.33%, Método: Pontos Zhonglushu (B29) e Huiyang (B35) foram selecionados e agulhas de 5 cun nº.28 foram usadas. O ponto Zhonglushu (B29) foi aplicado com a agulha e a pele formando um ângulo de 70º, e Huiyang (B35) foram aplicados com a agulha com direcionamento direto à região púbica. Após a liberação de Qi as agulhas foram mantidas durante 20 minutos. O tratamento foi ministrado todos os dias, 10 vezes, constituindo um tratamento terapêutico.

Incontinência urinária

O paciente é incapaz de controlar a urina, e esta sai gotejando involuntariamente, principalmente por esforço e tosse. Podemos mencionar:

1 - A incontinência urinária verdadeira, que é produzida por lesão do esfíncter uretral ou por anomalia funcional do esfíncter.

2 – Falsa incontinência urinária, que se deve à bexiga estar cheia além do normal

(retenção de urina), provocada por obstrução uretral ou pela hipotonia vesical em conseqüência de alterações neurológicas (AVC, lesão da medula espinal, neuropatia

31

periférica, demência) e que acaba causando extravasamento por excesso de urina retida

na bexiga.

3 – Incontinência por stress: a tensão emocional provoca distonia do esfíncter uretral, a

urina fica retida e escapa da bexiga por algum súbito aumento de pressão abdominal.

Pontos principais:

Zhongji - VC3 Guanyuan - VC4 Sanyinjiao - BP6 Pontos secundários:

Qihai - VC6 Henggu - R11 Zusanli - E36 Yinlingquan - BP9 Shenshu - B23 Changqiang - VG1 Taixi - R3 Zhongfeng - F4 Shangqiu - BP5 Zhibian - B54

32

Deve-se usar a manipulação tonificante de intensidade média.

Agulha-se Zhongji e Guanyuan, procurando fazer com que a sensação acupuntural seja

transmitida ao orifício uretral. A agulha deve ser inserida com suavidade. Procede-se a 1

sessão por dia ou em dias alternados; um série é constituída por 10 sessões, dá-se um

intervalo de 5-7 dias entre as séries.

Para os pacientes que não tinham vontade de urinar ou para os que sentiam urgência

miccional e incontinência, foi aplicada a moxabustão moderada em Zhongji (VC3),

Henggu (R11) e Sanyinjiao (BP6); para os que tinham dificuldade para urinar

(necessitando até de pressão externa sobre a área vesical), aplicou-se eletropuntura em

Changqiang (VG1), Huiyin (VC1), Zhibian (B54) e Sanyinjiao (BP6). Para os pacientes

com enurese noturna, foi aplicada eletropuntura nos pontos paravertebrais “huatuojiaji”

de ambos os lados entre L1 a L3; e para os pacientes incontinentes sem desejo de urinar,

eletropuntura em Changqiang, Huiyin, etc. Todos os pontos citados podem ser usados

de forma alternada ou contínua, conforme a mudança dos sintomas e reações dos

pacientes.

Procede-se a 1 sessão por dia, ficando as agulhas retidas por cerca de 30 minutos. Uma

série é formada de 10 sessões, e um tratamento costuma ter 5-6 séries.

A acupuntura e a moxabustão surtem efeitos considerados bons para incontinência

urinária, mas são adequadas principalmente para os casos funcionais; não são eficazes

para a incontinência derivada da lesão do esfíncter uretral, ou por lesão neurológica,

medular ou periférica. Tanto para os casos de tipo verdadeiro quanto os do tipo falso,

como para o tipo de stress, é preciso que se investigue até onde seja possível sobre as

causas.

Pode também empregar outras técnicas, como a auriculopuntura, a punção com “martelo

flor de ameixeira”, magnetoterapia e laserterapia nos pontos para esta afecção. Para os

pacientes que precisem de um tratamento prolongado, ou que necessitem consolidar o

efeito, pode-se recorrer à implantação de agulhas subcutâneas, ou ensinar-lhes a

moxabustão e a digitopuntura.

Fitoterapia:

Liu Wei Di Huang Ran Ren Zheng Wan/Ran

Mi Jin Ran

33

Litíase renal

Os cálculos podem estar no rim, no ureter ou na bexiga.

A patologia se relaciona a fatores que aumentam a concentração urinária provocando o

depósito de oxalatos ou fosfatos de cálcio. A MTC chama de “Areias” ou “Bosque com

Pequenas Pedras”.

O deslocamento do cálculo provoca cólicas renais fortíssimas, indo da região lombar até

baixo-ventre, indo nas mulheres até a vulva, associados à polaciúria, à disúria, jato

urinário fraco, e hematúria.

Quando os cálculos forem comprovadamente pequenos, a puntura em Chemen (VC5,

Porta das Pedras), pode expulsá-los rapidamente.

1o. Método: acupuntura

Pontos principais:

Pontos Ashi Shenshu - B23 Dachangshu - B25 Pangguangshu - B28 Tianshu - E25 Guilai - E29 Zusanli - E36 Pontos secundários:

Qihai - VC6 Zhongji - VC3 Xuehai - BP10 Weizhong - B40 Yanglingquan - VB34 Sanyinjiao - BP6 Taixi - R3 Xiaochangshu - B27 Ciliao - B32

34

Não havendo cólica, aplica-se a acupuntura com estímulo fraco a médio, primeiro em

tonificação e logo em seguida, com dispersão. Se os cálculos causarem cólicas, aplica-se

a dispersão forte, retendo-se as agulhas de 30-60 minutos, devendo as mesmas ser

manipuladas a cada 10 minutos, fazendo-as vibrar durante 2-3 minutos. As sessões

devem ser diárias e uma série corresponde a 10-15 sessões.

Trataram 90 casos com acupuntura e moxabustão. Foram separados em 3 grupos:

1) Bloqueio de Qi e Estase de Xue – Pontos principais: B23, B28, Ahsi; Pontos

auxiliares: B40, E36 e BP10; para dor irradiando até baixo-ventre: E25, E29 e

Ahsi; manipulação tipo dispersão forte, manter agulhas por 20 a 40min, mais

eletropuntura, mais moxas em B23 e nas áreas com dor.

2) Calor-Umidade – Pontos principais: B23, B25, B28; Pontos auxiliares: B40,

E36, BP9; manipulação neutra com intensidade média, manter agulhas por

20-30min, mais eletropuntura.

3) Deficiência – Pontos principais: B23, B25 e R3; Pontos auxiliares: E36, VC6;

mais ventosa ou moxabustão em B23, B25 e B21; manipulação tonificante ou

neutra, manter agulhas por 10-20min.

Dos 62 casos de cálculo ureteral, 61,3% foram expulsos, 19,35% tiveram cálculos

movimentados, em 19,35% não houve resultado. Dos 25 casos de cálculo renal, 12%

expulsaram, 12% deslocaram para bexiga, 76% sem resposta. Nos 3 casos de cálculo

vesical, todos foram expulsos.

Quando se combina a fitoterapia com a acupuntura e a moxabustão, a expulsão dos

cálculos é muito mais rápida e menos traumática. Estas terapias regularizam o

funcionamento do aquecedor inferior, possibilitando assim que se concretize sua função

de expulsão e de descida. A acupuntura e a moxabustão não impedem que haja

hematúria na expulsão de cálculos, pois na maioria da vezes eles são irregulares,

pontiagudos, e do tamanho de grãos de arroz.

2º. Método: eletropuntura.

Para cálculos renais:

Shenshu - B23 Pangguangshu B 28 Jingmen - VB25 Zhaohai - R6

Para cálculos na porção superior e na porção média do ureter:

Shenshu - B23 Pangguangshu - B25 Guanyuan - VB26

35

Para cálculos na porção inferior do ureter:

Shenshu - B23 Guanyuan - VB26 Shuidao - E28 Sanyinjiao - BP6 Zusanli - E36 Para cálculos vesicais e uretrais:

Guanyuan - VB26 Shuidao - E28 Sanyinjiao - BP6

36

Em caso de disúria, acrescenta-se Jiaoxin (R8). Para a hipogastralgia, acrescenta-se Fujie (BP14). Para o vômito, acrescenta-se Zusanli (E36) e Neiguan (CS6). Em caso de febre, acrescenta-se Dazhui (VG14).

São usadas ondas densas-dispersas ou intermitentes, intensidade média ou forte. As sessões

têm lugar todos os dias ou em dias alternados e duram em média 15-30 minutos; 10 sessões

constituem uma série, com intervalo de 3-5 dias entre as séries.

Esta terapia é muito empregada na China, principalmente para livrar o paciente da cólica

renal e para proporcionar a expulsão dos cálculos.

O pólo negativo do aparelho fica conectado aos pontos renais e o pólo positivo aos pontos

vesicais. Geralmente pede-se aos pacientes para ingerir 1.000ml de água 30min antes do

tratamento, ou que tomem o líquido até atingir a tolerância; é melhor os pacientes ficarem

sentados, caso não seja possível, podem ficar em decúbito lateral.

A maioria dos pacientes relata a sensação de peristaltismo do ureter de cima para baixo,

urinando assim que termina o tratamento, e os sintomas são reduzidos em sua intensidade.

Os trabalhos experimentais mostraram que eletroestimulação com ondas intermitentes

fortes nos pontos Zhaohai (R6) e Sanyinjiao (BP6) unilaterais foram efetivas para aumentar

o peristaltismo ureteral. Também funcionou eletroestimular B23 e B25 durante 3-15min.

Zhaohai bilateral, B23 unilateral, estímulo fraco ou muito forte não foram efetivos.

3º. Método: injeção.

Pontos principais: B23, VC4, VB34

Pontos secundários: E36, BP6, R8, BP14, VC2

Pontos auxiliares: E36 para vômito, R8 para disúria, VC2 para cálculo vesical, BP6 e R8

para hematúria.

Injetar após obter De Qi 1ml de glicose 10% em cada ponto, diariamente ou em dias

alternados, em séries de 30 sessões. 805 casos foram tratados com eficácia de 72,9%.

Em alguns casos de cólica renal muito forte, foi injetada Dolantina diluída nos pontos.

Fitoterápicos:

Te Xiao Pai Shi Wan (Litíase renal e biliar)

37

Gan Luo Xiao Du Ran (Litíase biliar)

Li

Dan Pai Shi Pian (Litíase biliar)

Li

dan Pian (Fórmula semelhante à acima)

Prostatite

É uma enfermidade frequente do sistema genital masculino em homens jovens e adultos de

meia idade. Ao invadir a próstata por via uretral através dos vasos sangüíneos ou linfáticos,

as bactérias patogênicas provocam infecção.

Congestão crônica do períneo e vida sexual desregrada facilitam o aparecimento da

prostatite.

São seguintes as manifestações clínicas: disúria, polaciúria, urgência miccional, dor no

períneo e na região lombar baixa, diferentes graus de obstrução urinária, nictúria, artralgias

e mialgias freqüentes e na maior parte das vezes, insônia, astenia, vertigem e memória

reduzida.

Pontos principais:

Shenshu – B23 Pangguangshu – B28 Zhongji – VC3 Guanyuan - VC4 Guilai - E29 Taixi - R3

Pontos secundários:

Qihai - VC6 Sanyinjiao - BP6 Fuliu - R7 Gongsun - BP4 Dazhui - VG14 Hegu - IG4 Chize - P5 Neiguan - CS6

Adota-se o método de dispersão mediante a rotação de agulhas, ou o método de tonificação

e dispersão simultânea. Quando se aplicam nos pontos abdominais, dá-se atenção a que a

sensação acupuntural chegue à uretra. Em cada sessão as agulhas são retidas por cerca de

38

15-30 minutos. Faz-se uma sessão por dia ou em dias intercalados, e 15 sessões formam

uma série. Entre uma série e a seguinte, dá-se um intervalo de 5-7 dias.

As agulhas no caso são inseridas perpendicularmente em Zhongji, Guilai e Guanyuan, até

uma profundidade de 3-4 cun, manipulação neutra, a sensação acupuntural deve alcançar a

uretra.

Como as agulhas são finas, elásticas e longas, chegam até o local em que se aloja a

enfermidade, eliminam o calor, circulam o sangue e dissolvem a estase, removendo a

obstrução nos canais e colaterais.

A magnetopuntura pode ser empregada com sucesso, sendo o campo magnético empregado

de 1.300-1.500 Gauss com 9 mm de diâmetro de espessura de 2 mm. Os pontos principais

são Guanyuan, Zhongji e Sanyinjiao. Os pontos auxiliares podem ser Qugu (VC2), Huiyin

(VC1), Zusanli e Ciliao (B32). O tratamento com magnetos deve durar cerca de 2 a 3

meses.

Nas prostatites crônicas, pode ser empregada a laserterapia em Huiyin (VC1) com um

emissor hélio-néon de 8 mW, sessões diárias de 10 minutos, em séries de 15 sessões com

7-10 dias de intervalo. Possivelmente a irradiação neste ponto permita que se incremente a

circulação sangüínea e a nutrição celular, reduzindo a inflamação.

Fitoterápicos:

Ren Zheng Ran/Wan

Retenção urinária

Na MTC, é conhecida como bloqueio da urina. Tem lugar quando a bexiga sofre obstrução

aguda ou crônica, retém a urina, a pressão intravesical aumenta e acaba esvaziando

parcialmente a bexiga quando supera a resistência da obstrução. A retenção pode ser

causada:

1) por espasmo do esfíncter vesical ou contratura do colo vesical, motivados por

inflamação, lesão traumática ou dor pós-operatória;

2) por distúrbios nervosos causados por alterações patológicas na medula espinal ou por

degeneração dos nervos sacrais e pélvicos.

39

3) por obstrução mecânica das vias urinárias inferiores e dos tecidos infravesicais devido a inflamação ou compressão, por exemplo, estenose de uretra e adenoma de próstata. A MTC atribui ao estancamento da umidade e calor ou do bloqueio da energia dos canais, os quais têm como resultado a falha na regulação da bexiga; ou então a imputa à insuficiência de yang dos rins e à deficiência da bexiga.

1º. Método: acupuntura Pontos principais: Sanyinjiao (BP6), Guanyuan (VC4), Zhongji (VC3), Qihai (VC6) e Guilai (E29). Pontos secundários: Yanglingquan (VB34), Zusanli (E36), Hegu (IG4), Zhongfeng (F4), Qugu (VC2), Shenshu (B23), Pangguangshu (B28), Xiaochangshu (B27) e Ciliao (B32). Em primeiro lugar, faz-se a punção nos pontos dos membros e depois nos ventrais ou lombares. A MTC toma predominantemente os pontos Mu, os Ho dos meridianos P, BP, ID, TA; os pontos shu das costas, assim como os pontos Huixie dos meridianos VC e VG. Quanto ao manejo das agulhas, adota-se principalmente o método de dispersão forte. Para os pacientes com síndromes do tipo deficiência, por exemplo, casos de retenção urinária pós-parto por causa da excessiva perda de sangue, ou pacientes muito doentes e fisicamente debilitados e os muito velhos, aplica-se principalmente o método de tonificação ou o de tonificação e dispersão conjuntas, de intensidade média ou fraca. Embora possa ser diversa a seleção de pontos, a agulha deve produzir sensações De Qi quando penetra a determinada profundidade, e em seguida, é manipulada para permitir que o paciente tenha vontade de urinar ou então, sentir contração do baixo ventre. Com isso, assim que obtenha este efeito, resultante da sensação acupuntural, com freqüência, ao se tirar a agulha, o paciente urina automaticamente.

2º. Método: Moxabustão Pontos: Mingmen (VG4) e Guanyuan (VC4) Aplicar bastão de moxa no modo “picadas de pássaro”, 5-10 minutos em cada ponto, 2 sessões por dia.

40

Tanto a acupuntura quanto a moxabustão podem ter sua aplicação na retenção urinária do tipo não obstrutivo. Tais técnicas surtem um efeito ideal nas afecções do tipo funcional. A maioria dos pacientes urina tão logo a agulha seja retirada e em geral, a micção é obtida após 1 ou 2 sessões. Nos casos de retenção urinária pós-parto ou pós-operatória, sem dúvida, devem ser aplicadas em mais sessões, para fazer efeito em alguns casos recalcitrantes.