Você está na página 1de 6

Projeto Individual de Leitura

Escola: Escola Secundária Francisco de Holanda


Ano Letivo: 2018/2019
Turma: 10LH3
Disciplina: Literatura Portuguesa
Professora: Carla Cunha
Aluna: Marisa Silva
Conteúdo

Sobre a Obra........................................................................................................................................ 3

Biografia do Autor . ......................................................................................................................... 3

Crítica Literária ................................................................................................................................ 3

Resumo da Obra . ............................................................................................................................ 4

Análise da Obra ............................................................................................................................... 5

Documentários, notícias e outros textos associados à obra ........................................................... 6

Trabalho de grupo sobre a SOS Racismo ............................................................................................ 6


1. Sobre a Obra
1.1. Nome/Título da obra: 3096 dias de Cativeiro
1.2. Autora: Natascha Kampusch
1.3. Género: Autobiografia
1.4. Edição portuguesa:
1.4.1. Tradução: Fátima Freire de Andrade
1.4.2. Editora: Edições Asa
1.4.3. Lançamento: Fevereiro de 2011
1.4.4. Editora: List

2. Biografia do Autor
Nascida em 17 de Fevereiro de 1988, na cidade de Viena da Áustria, Natasha era
apenas uma menina normal até ter sido raptada aos 10 anos de idade --- rapto esse
que fez o seu desaparecimento durar mais de 8 anos, todos eles passados presa
numa cela da casa do seu raptor, Wolfgang Přiklopil. Devido à sua fuga, por volta de
agosto de 2006, o sequestrador optou pelo suicídio e chocou pessoas de todos os
lados do mundo, causando revolta nacional em relação às falhas descobertas e ao
acobertamento de erros na investigação policial que poderiam ter levado à sua
libertação mais cedo e à captura do raptor. A sua história comovente tornou-a numa
espécie de celebridade que resultou na sua biografia e um filme baseado nessa obra.

3. Crítica Literária
Eu acredito que seja uma ótima obra cujo relato é arrepiante e fantástico que vale a
pena ler várias vezes. A minha experiência, ao ler o livro, foi algo lento, mas
extraordinário, por eu só realmente ter percebido, depois de umas (muitas) páginas,
que estava a ler uma história real, de uma menina real que tinha sobrevivido e
escapado daquele show de horrores sozinha e que mesmo que parecesse algo
impossível de acontecer ou --- como diria a minha mãe --- de outro mundo,
acontece com um monte de outras crianças e jovens que, infelizmente, nem sempre
tem o mesmo final. Porém, não foi esse o caso de Natasha, que foi capaz de voltar a
ver a sua mãe, 8 anos depois e que, na sua obra, pretende, na minha opinião, passar
uma mensagem de força e coragem para pessoas que se encontram em situações
difíceis. Foi, para mim, uma leitura fácil e simples, o que torna acessível a qualquer
pessoa entender o que aconteceu e como.

4. Resumo da Obra
Natascha era uma menina austríaca de apenas 10 anos quando "conquistou" o seu
direito de caminhar para a escola sozinha. Ela tinha acabado de ter uma discussão
com a mãe, não se despedindo dela da maneira que sempre fazia, sem saber que só
voltaria a vê-la 8 anos depois. No caminho para a escola, notou uma carrinha branca
parada à sua frente e um homem moreno de olhos azuis do lado, que olhava ao
redor, aparentemente sem interesse. Hesitou em continuar o seu caminho, mas
acabou por fazê-lo, sendo agarrada e atirada para dentro da carrinha que estava
com a porta aberta. Ela tinha sido a vítima escolhida por Wolfgang Priklopil. Algumas
horas e quilómetros depois, estava deitada no chão frio de uma cave, dentro da cela
em que não saíria em momento algum, nos 6 meses seguintes. No primeiro ano, era
obrigada a chamar o seu captor de "Mestre” e apanhava sempre que se recusava a
fazê-lo. Num ano e meio de cativeiro, ele decidiu que Natascha teria que mudar o
seu nome, passou assim a chamar-se "Bibiane" durante os sete anos seguintes. Em
dezembro de 1999, com 21 meses de cativeiro, ela pode sair da cave pela primeira
vez, quando Wolfgang a deixou passar alguns minutos no jardim da casa, com ele, à
noite, revelando-lhe o seu verdadeiro nome e dando a certeza a Natasha que nunca
a deixaria sair com vida. Submetida a anos de abuso físico e mental, após entrar na
puberdade, tentou várias vezes o suícidio e, de alguma forma, escapar, ao pedir
ajuda a desconhecidos e sorrir como fazia nas fotos que circulavam pelos média,
mas nunca fora notada. Conseguiu escapar em 2006, enquanto o sequestrador
atendia uma chamada. Deixou o aspirador ligado e correu o mais rápido que podia,
pedindo ajuda a desconhecidos que, mais uma vez, a ignoraram. Talvez pensassem
que fosse louca. Apenas quando avistou uma senhora da janela e gritou por ajuda é
que teve a oportunidade de ligar à polícia. O sequestrador, sabendo que estava a ser
perseguido pela polícia, atirou-se para a frente de um comboio em movimento,
comprovando o que havia dito à jovem sobre "nunca ser apanhado vivo".

5. Análise da Obra
A história é narrada por Natascha, entre os anos 1996 e 2006, maioritariamente na
casa do raptor e, a partir do seu ponto de vista, podemos conhecer personagens
secundários da sua família como a sua mãe, com quem não possuia uma boa relação
quando criança, pois a mesma era bastante rígida, talvez devido à sua gravidez
precoce e ao facto de ter sido "obrigada" a amadurecer rapidamente. O seu pai, que
era brincalhão e carinhoso com ela, mas que era um pouco desleixado no trabalho e
ficava muitas vezes fora durante a noite para beber com os amigos. As duas irmãs,
filhas de outro casamento, que a tratavam como a bebé da casa e a sua avó
materna, a pessoa da família com quem se sentia mais confortável. Conhecemos
também os "protagonistas" --- o seu sequestrador, Wolfgang, um homem maníaco
por limpeza e, pelos relatos de Natascha, claramente de extrema direita e doentio,
que a torturou e humilhou durantes os 8 anos que a manteve em cativeiro de
diferentes formas, tais como: tratá-la como um animal de estimação, apenas lhe
dando um pouco de comida, livros ou roupa se fizesse tudo de acordo com o que ele
dizia -- inclusive o chamar de "mestre" no primeiro ano, batendo-lhe quando se
recusava a fazê-lo, obrigá-la a raspar a cabeça constantemente para não deixar fios
pela casa e fazer praticamente todas as tarefas de casa seminua --- e, obviamente,
Natascha, que conhecemos ao longo do livro, já que podemos caracterizá-la pela
forma e os sentimentos que descreve ao relatar a sua história.
6. Documentários, notícias e outros textos associados à obra
Reportagem e entrevista a Natascha Kampusch, TVI:
https://www.youtube.com/watch?v=5NRUBvibgyc
Vídeo feito pelo Canal Freak TV, parte da sua série sobre casos criminais:
https://www.youtube.com/watch?v=aC63Lbvajps
Trailer legendado do filme baseado na obra:
https://www.youtube.com/watch?v=uO4Pgu_LCvw

7. Trabalho de grupo sobre a SOS Racismo