Você está na página 1de 4

ANALISE NA HEXAPLA:

Livro Genesis = cap. 1:1

Notas:
ANALISE LXX:
LIVRO DE GENESIS CAP 1:1

Em Amarelo:
Transliteração:
Eni Arquê Epoiesen Hó Theos Toni ouranos kai ton gen.

Tradução:
1 No princípio O Deus fez o céu e a terra.

Comentário da Lxx:
O verso de abertura de LXX-G resume o ato inicial de Deus de fazer o céu e a
terra, e representa, como William Brown sustenta, um “passo inicial do
processo criativo” (1993, 31) que será descrito em detalhe em vv. 3 - 31. Como
sua contraparte de MT, LXX-G não articula o primeiro substantivo

No entanto, muitos intérpretes antigos e modernos


presumem a nitidez temporal da palavra e traduzem-se adequadamente, isto
é, o começo. Outros reconhecem o aspecto não temporal associado aos
substantivos hebraico e grego, mas geralmente consideram o significado
instrumental (o ato de princípio de Deus) como uma nuance semântica que
complementa o aspecto temporal do primeiro ato de Deus. Veja as discussões
em Marguerite Harl (1994, 86) e Brown (1993, 47), entre outras. Portanto,
alguma noção de temporalidade aparece tanto em MT quanto em LXX-G.

Ao contrário de sua contrapartida MT, no entanto, LXX-G mostra claramente o

primeiro conhecido por ser um objeto da preposição Se

é um objeto de é um aspecto dos debates acadêmicos não resolvidos


sobre questões gramaticais, sintáticas e teológicas no v. 1 do MT. A questão
gramatical, em resumo, é se este versículo deve ser lido como uma cláusula
independente (como argumentam Claus Westermann, Gerhard von Rad, e
outros), ou se o verso é uma protasis cuja apodosis aparece em ambos os v.
Hugo Grotius) ou v. 3 (como sustentam William Albright, EA Speiser, Nahum
Sarna e outros).
Para uma discussão detalhada dos vários argumentos, ver Westermann (1984,
94-97), que conclui que v. 1 é uma cláusula independente que a fonte
Sacerdotal (daqui em diante P) prefixou a sua conta da criação.
O relato bíblico da criação representa creatio ex nihilo? Em outras palavras,
Deus tem matéria-prima com a qual começar ou nada fez antes das ações de
Deus? Ler o primeiro verso como um protasis implica que Deus tinha
matérias-primas; lê-lo como uma cláusula independente deixa aberta a
possibilidade de que Deus criou a partir do nada.
Esta última posição é mantida por Martin Rösel, que oferece uma extensa
discussão sobre a influência do pensamento platônico, especialmente o Timeu
de Platão, no tradutor da LXX-G (1994, 28-31). Johann Cook (1998, 177-183;
2001, 322-328) e Robert Hanhart (1992, 351), no entanto, rejeitam os
argumentos de Rösel e outros que argumentam que a tradução de Gênesis 1 e
2 da LXX-G mostra clara evidência do grego. Filosofia.

A ausência de questões gramaticais complexas da LXX-G no v. 1 não fornece


uma resolução inequívoca para o debate creatio ex nihilo. Embora alguns
antigos exegetas cristãos realmente tenham interpretado o verso em termos de
creatio ex nihilo, a questão maior é se pais da igreja como Basilides e
Theophilus conheciam as tradições gregas anteriores que poderiam ter
fornecido antecedentes para a doutrina. Brown, citando Gerhard May,
descreve a possível história da ideia. Ele conclui que, embora v. 1 em LXX-G
possa não ter refletido uma posição anterior apoiando creatio ex nihilo,
provavelmente "ajudou a facilitar o desenvolvimento da doutrina da creatio ex
nihilo quando surgiu" (1993, 34). Assim, é improvável que o tradutor tenha
feito uma interpretação teológica intencional; é mais provável que ele tenha
feito uma tradução literal da leitura mais simples do MT.