Você está na página 1de 1
A IMPORTÂNCIA DA LUTA NO CAMPO O ta Brasil possui a segunda maior concentração de

A IMPORTÂNCIA DA LUTA NO CAMPO

A IMPORTÂNCIA DA LUTA NO CAMPO O ta Brasil possui a segunda maior concentração de terras
A IMPORTÂNCIA DA LUTA NO CAMPO O ta Brasil possui a segunda maior concentração de terras
A IMPORTÂNCIA DA LUTA NO CAMPO O ta Brasil possui a segunda maior concentração de terras
A IMPORTÂNCIA DA LUTA NO CAMPO O ta Brasil possui a segunda maior concentração de terras
A IMPORTÂNCIA DA LUTA NO CAMPO O ta Brasil possui a segunda maior concentração de terras
A IMPORTÂNCIA DA LUTA NO CAMPO O ta Brasil possui a segunda maior concentração de terras
A IMPORTÂNCIA DA LUTA NO CAMPO O ta Brasil possui a segunda maior concentração de terras
A IMPORTÂNCIA DA LUTA NO CAMPO O ta Brasil possui a segunda maior concentração de terras
A IMPORTÂNCIA DA LUTA NO CAMPO O ta Brasil possui a segunda maior concentração de terras
A IMPORTÂNCIA DA LUTA NO CAMPO O ta Brasil possui a segunda maior concentração de terras

O

ta

Brasil possui a segunda maior concentração de terras do plane-

É e
É
e

nas mãos do latifúndio. Essa concentração de terras é a base da

É no momento em que os interesses econômicos norte- americanos se intensificam em nosso governo, que devemos, ainda mais, nos agarrar a luta pela defesa de nossas terras.

exploração do nosso país por grandes potências mundiais como os Estados Unidos (potências imperialistas) que colocam nossa nação numa relação de semi-colônia: exportamos grande quantidade de produtos agrícolas (soja, milho, café etc.) a preços baixíssimos en- quanto importamos produtos industrializados a preços exorbitantes (automóveis, medicamentos etc.) Tal subordinação do nosso país é a base da crise econômica que afeta os trabalhadores brasileiros e impede o nosso desenvolvimento.

O entreguismo de nosso governo corrupto, defensor dos interesses privados (dos grandes patrões), e grandes latifundiários (donos de grandes terras) detentores da riqueza produzida por nós, o povo, que tentam, cada vez mais, nos deixar numa situação de subsistência (extrema pobreza, onde trabalhamos muito e recebemos o mínimo para ficarmos vivos), para que possamos produzir a riqueza do patrão (pois somos nós, os trabalhadores, que produzimos) a qual os patrões adquirem a partir de nosso trabalho e nos pagam cada vez menos para economizar mais e nos forçam a trabalhar além de nosso tempo para lucrar ainda mais em tempos de crise e não perder suas mordomias às custas do dinheiro vindo do nosso trabalho.

Ao contrário do que dá a entender o monopólio midiático, mais de 70% dos alimentos da nossa mesa é produzido pelas milhões de famílias de camponeses pobres.

Famílias estas que não possuem um mísero pedaço de terra para poder plantar e vender dignamente os frutos de seu trabalho, sendo diariamente ameaçadas, violadas e assassinadas pelos pistoleiros a mando do latifúndio, além de serem obrigadas a se subordinar a relações de produção triviais - como, por exemplo, entregar metade de sua produção e do suor de seu trabalho aos latifundiários para ter acesso a um pedaço de terra para poder plantar.

por causa disso que precisamos nos organizar

ajudar uns aos outros com consciência para

combater a classe dos exploradores (os grandes patrões) junto à classe dos políticos (que trabalham para garantir os interesses dos patrões).

ORGANIZAR, AGITAR, EDUCAR RESISTIR!
ORGANIZAR,
AGITAR,
EDUCAR
RESISTIR!

Essa realidade escondida pela mídia expõe a necessidade urgente de uma revolução agrária no país, pois a terra deve pertencer a quem nela trabalha e não a uma minoria de exploradores que lucra vendendo nossas riquezas a preço de banana às grandes potências mundiais.

não a uma minoria de exploradores que lucra vendendo nossas riquezas a preço de banana às