Você está na página 1de 6

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Disciplina TURMA Turno/Horário


Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis 6º CCN Noturno
PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULAS Apostila nº.

UNIDADE IV: ESTRUTURA PATRIMONIAL

4.1 – PATRIMÔNIO BRUTO VERSUS PATRIMÔNIO LÍQUIDO

4.1.1 - Patrimônio bruto


–Bens e direitos = patrimônio bruto ou patrimônio
–Pode ser visto em dois ângulos:
• Bens e direitos (ativo)
• Fontes (passivo)

4.1.2 - Patrimônio Líquido= patrimônio que pertence aos proprietários


–PL = (bens + direitos – obrigações)
•Positivo: possui recursos próprios aplicados no ativo
•Nulo:Prejuízos absorvem todo o capital da empresa. Trabalha apenas com recursos de
terceiros
•Negativo: Passivo a descoberto= prejuízos absorvem todos os recursos próprios e parte
dos recursos de terceiros. Estado de insolvência. (bens e direitos insuficientes para saldar
as dívidas)

Capital próprio = Trazidos pelos sócios + resultado das operações (lucros ou reservas)
CP = PL + resultado de exercícios futuros
Capital de terceiros ou alheios: dívidas ou obrigações (deverão ser devolvidos aos
proprietários)
•Capital de Terceiros = Passivo circulante + Exigível a Longo Prazo.

4.2 – ÍNDICES DE ESTRUTURA DE CAPITAL(ENDIVIDAMENTO)

São índices estáticos, pois revelam a situação da empresa em determinada data. Estes
índices mostram em que proporção cada tipo de recurso está financiando o ativo da
empresa.
Participação do Capital Próprio
Permite que possamos conhecer diretamente a expressão relativa do capital próprio
dentro do conjunto de valores que compõem o ativo.

Capital Pr óprio PL  REF



Ativo Ativo
Interpretação : Quanto maior melhor

Participação do Capital de terceiros e Grau de endividamento


De modo análogo ao que foi desenvolvido anteriormente, permite que possamos conhecer a
expressão relativa do capital de terceiros dentro do conjunto de valores que compõem o
ativo.
Prof. Esp. Salomão Soares Apostila 06 Página 1
Capital de Terceiros PC  ELP

Ativo Ativo
∙Ex.: De cada $ 1,00 aplicado no Ativo, $ 0,55 são financiados por recursos próprios e $
0,45, por recursos de terceiros.
Garantia aos capitais de terceiros
O índice de participação de capital alheio costuma ser interpretado em termos de garantia
àqueles que emprestam capital à empresa. No caso, a empresa possui R$ 1,00 para garantir
cada R$ 0,45.

Interpretação : Quanto menor, melhor.

Grau de endividamento
Outra interpretação é visualizar a participação do capital alheio como Endividamento da
empresa. Assim, teríamos um grau de endividamento de 45%, ou seja, cada R$ 1,00
existente no ativo da empresa, R$0,45 estão comprometidos para pagamento de dívidas.
Este também pode ser calculado fazendo a razão entre o capital alheio e o capital próprio.

Capital de terceiros 90
Grau de endividamento  =  0,82
Capital próprio 110
De cada R$1,00 de capital próprio a empresa usa R$0,82 de terceiros
Interpretação : Quanto menor, melhor.

ATIVO PASSIVO
(APLICAÇÕES) (ORIGENS)
CAP.ALHEIO=$ 90

CIRCULANTE
GIRO=$120

( 45 % )

CIRCULANTE = $ 70
= $ 85
( 60 % )

EX.L.PR.=$ 20

REALIZÁVEL A
R.EXS.FS.=$ 15
LONGO PRAZO
CAP.PRÓPRIO = $ 110

= $ 35
( 55 % )
F IXO=$ 80

PATRIMÔNIO
LÍQUIDO
( 40 %)

PERMANENTE
= $ 80 = $ 95

Prof. Esp. Salomão Soares Apostila 06 Página 2


Composição do Endividamento
Através desta análise é possível mensurar o volume de dívidas da empresa com vencimento
no curto prazo em relação à dívida total.

Composição do Passivo Circulante


= 100
endividamento Capital de Terceiros (PC + ELP) x

Interpretação : Quanto menor, melhor.

Grau de Imobilização do Ativo


È encontrado comparando-se o Ativo Permanente com o Total Ativo. Permite conhecer a
proporção das aplicações de natureza permanente (ativo fixo). É assim calculado:

Ativo Permanente
Grau de Im obilização doAtivo 
Ativo Total
No nosso exemplo temos:
80
Grau de Im obilização do Ativo   0,40  40%
200
Significa que 40% dos valores do Ativo representam aplicações de natureza permanente.
Por complemento aritmético, a proporção aplicada no giro dos negócios é de 60%.

Aplicações no giro
Compara as aplicações feitas no giro dos negócios (Circulante+realizável a longo prazo)
com o Total Ativo.

Circulante  Re alizavel a Longo Pr azo


Aplicações no Giro 
Ativo Total
No exemplo, temos:
120
Aplicações no Giro   0,60  60% , constata-se que 60%dos recursos da empresa
200
estão aplicados no Giro dos negócios, e por complementação, 40% no Ativo Fixo.

Grau de imobilização do Capital Próprio (Patrimônio Líquido)


Indica a percentagem de capital próprio que está financiando as aplicações de natureza
permanente, e de forma complementar, o percentual aplicado no giro dos negócios.

Imobilização do Ativo Permanente


Patrimônio = 100
X
Líquido Patrimônio Líquido

Interpretação: Quanto menor,melhor.

Inferior a 1,0 (100) = Representa a maioria dos casos. Indica a Parcela do capital próprio
que está aplicada no ativo fixo (permanente), seu complemento indica o que está aplicado
no Giro, que representa exatamente o Capital de Giro Próprio (Capital Circulante
Próprio).

Prof. Esp. Salomão Soares Apostila 06 Página 3


Igual a 1,00 (100) = O valor do Capital próprio está totalmente aplicado no financiamento do
ativo fixo, não sobra nada para o Giro, ou seja, não há Capital de Giro Próprio.
Superior a 1,00 (100)= O capital próprio é insuficiente para financiar sequer o ativo fixo,
para isso está lançando mão, indevidamente, do capital de terceiros.

Grau de Imobilização dos Recursos Não Correntes

Este indicador permite identificar quanto dos Recursos Não Correntes da empresa
(Patrimônio Líquido + Exigível a Longo Prazo) está aplicado no Ativo Permanente,
evidenciando o quanto a empresa possui de Capital Circulante Próprio (CCP = Patrimônio
Líquido – Ativo permanente)

Imobilização dos Recursos Ativo Permanente


= 100
Não Correntes Patrimônio Líquido + ELP x

Interpretação: Quanto menor, melhor.

Exercício:
Considere o Balanço da Empresas KROT S.A. Considere ainda os ajustes naturais
necessários para análise. Faça a Análise horizontal e vertical para os dois anos.
Posteriormente determine os índices estudados nesta apostila (para os dois anos)

31.12.X1 31.12.X0
ATIVO
$ $
CIRCULANTE 971,00 632,00
Caixa e Bancos 53,00 24,00
Estoques 291,00 167,00
Duplicatas a receber 734,00 568,00
-Duplicatas descontadas (120,00) (150,00)
Prov.p/ créditos de liq. Duvidosa (22,00) (17,00)
Adiantams.a fornecedores 20,00 12,00
Desp.financs. a vencer 15,00 28,00
REALIZÁVEL A L. P 44,00 41,00
Débitos Judiciais 27,00 24,00
Deps.p/ recursos fiscais 17,00 17,00
PERMANENTE 619,00 369,00
Investimentos 32,00 26,00
Incentivos fiscais 10,00 6,00
Ações de coligadas 22,00 20,00
Imobilizado 537,00 303,00
Imóveis 219,00 151,00
Depreciação acumulada (95,00) (82,00)
Máqs. e Equipamentos 906,00 519,00
Depreciação acumulada (529,00) (335,00)
Móveis e Utensílios 44,00 27,00
Depreciação acumulada (23,00) (14,00)
Veículos 29,00 84,00
Depreciação acumulada (14,00) (47,00)
Diferido 50,00 40,00
Despesas amortizáveis 80,00 55,00
Amortização acumulada (30,00) (15,00)
TOTAL DO A T I V O 1.634,00 1.042,00

Prof. Esp. Salomão Soares Apostila 06 Página 4


31.12.X1 31.12.X0
PASSIVO
$ $
CIRCULANTE 1.056,00 595,00
Fornecedores 447,00 307,00
Financiamentos 208,00 55,00
.Contas a pagar 80,00 15,00
.Imps. e contribs.a recolher 291,00 194,00
.Provisão p/ imp.de renda 30,00 24,00
EXIG.A LONGO PRAZO 138,00 67,00
.Imps. e contrs.a recolher 43,00 -
.Financiamentos 95,00 67,00
RES.DE EXS.FUTUROS - 42,00
PATRIMÔNIO LÍQUIDO 440,00 338,00
Capital realizado 108,00 71,00
.Reservas de Capital 294,00 219,00
.Reservas de lucros 15,00 10,00
.Lucros acumulados 23,00 38,00
TOTAL DO PASSIVO 1.634,00 1.042,00

Prof. Esp. Salomão Soares Apostila 06 Página 5


31.12.X1 AV 31.12.X0 AV AH
ATIVO
$ % $ % %

31.12.X1 31.12.X0
PASSIVO
$ $

Prof. Esp. Salomão Soares Apostila 06 Página 6