Você está na página 1de 13

PROJETO DE PONTE DE CONCRETO

Prefeitura Municipal de Sinop


Estado do Mato Grosso

OBRA: PONTE DE CONCRETO EM TRAVESSIA NA CIDADE DE SINOP-


MT

LOCAL: TRAVESSIA DO RIBEIRÃO NEUZA E PROLONGAMENTO DA


AV. DAS FIGUEIRAS

RESP. TÉCNICO: Eng. Civil E Seg. Trabalho Enemir Ronaldo Bedin -


CREA - 9.774/D

MARÇO - 2016

ÍNDICE
1.0 – Apresentação do projeto 03

2.0 – Mapas de localização e vista parcial 04 a 05

3.0 – Projeto da Ponte de concreto 06 a 07

4.0 – Execução 07 a 09

5.0 – Manejo Ambiental 09

6.0 – Controle 10

7.0 – Projeto de Drenagem 10

8.0 – Estudo de vazão de contribuição e vazão admissível 11 a 12

9.0 – Bibliografica 19

2
1.0 - Apresentação do projeto.

Este Relatório refere-se ao Projeto de Construção de uma ponte no


prolongamento da Avenida das Figueiras na travessia do Córrego Neuza.
Este projeto não contempla a execução de aterro e pavimentação asfáltica no
referido trecho da Avenida das Figueiras.

3
2.0 MAPAS DE LOCALIZAÇÃO E VISTA PARCIAL
2.1 Mapa de Situação

Localização do município de Sinop

2.2 Vista Parcial

Vista Parcial da cidade

4
2.3 Mapa de Situação em Relação a cidade

COORDENADAS:

- Avenida das Figueiras (Córrego Neuza) – 11º50’45,73”S 55º31’44,70” O

5
3.0 PROJETO DA PONTE DE CONCRETO

3.1 GENERALIDADES

Este documento apresenta as informações e os dados mais relevantes adotados


para elaboração do projeto da ponte sobre o Córrego Neuza no prolongamento da Av
das Figueiras .

A finalidade de não obstruir o canal e de manter a seção do canal adequada


para suportar à vazão prevista não se obstruindo com materiais que são transportados
pelo córrego foi utilizada a solução em vão único com viga de concreto protendida.

Os documentos emitidos do projeto executivo, na forma de desenhos, contêm a


descrição gráfica das soluções adotadas e o detalhamento de dimensões e disposições
das armaduras.

Considerando as ações impostas às fundações pelas cargas permanentes


previstas somadas com as ações provenientes do Trem Tipo adotado para o projeto (TT
Classe 45 da NBR-7188);

3.2 ESTUDOS TOPOGRÁFICOS

Os estudos topográficos objetivaram os levantamentos necessários ao


desenvolvimento do projeto do plani-altimétrico. Desta forma o levantamento realizou-se
em três fases:
a) Locação do eixo das vias a serem desenvolvidas as obras, com
piqueteamento da mesma.
b) Nivelamento e contra-nivelamento do eixo locado.
c) Nivelamento das seções transversais.

3.3 ESTUDOS GEOTÉCNICOS

Ensaios para obtenção da capacidade de carga:


 Standard Penetration test (SPT)

6
3.4 MATERIAIS

Todos os materiais utilizados devem atender integralmente às especificações


correspondentes adotadas pelo DNIT.

O concreto utilizado nos elementos deve ser dosado experimentalmente para


uma resistência à compressão simples aos 28 dias conforme a estabelecida no projeto,
devendo ser preparado de acordo com o prescrito nas Normas NBR 6118 e NBR 7187
da ABNT.

O aço utilizado nas armaduras deve seguir as especificações das normas citadas
a cima, sendo da classe CA-50 para o concreto armado moldado in loco.

A Executante deve colocar na obra todo o equipamento necessário à perfeita


execução dos serviços, em termos de qualidade e atendimento ao prazo contratual. A
relação do equipamento a ser alocado deve ser ajustada às condições particulares
vigentes e submetida, previamente, à apreciação da Fiscalização, que deve julgar a sua
suficiência.

4. EXECUÇÃO

As etapas executivas a serem atendidas na construção da ponte de concreto são


as seguintes:

4.1 Locação da obra: deve ser efetuada de acordo com os elementos especificados no
projeto, mediante a implantação de piquetes a cada 5m, nivelados de forma a permitir a
determinação dos volumes de escavação. Os elementos de projeto (estaca do eixo,
esconsidade, comprimentos e cotas) podem sofrer pequenos ajustamentos de campo. A
declividade longitudinal da obra deve ser contínua, sendo a declividade mínima
aceitável de 1,0 cm/m;

4.2 Escavação: os serviços de escavação necessários à execução da obra, podem ser


executados manual ou mecanicamente, deve ser considerado a escavação e
nivelamento do bloco de fundação. Onde houver necessidade de execução de aterro
para se atingir a cota necessária para a execução da ponte, este deve ser executado e
compactado em camadas de, no máximo, 15cm;

4.3 Estacas: concluída a escavação dos blocos, deve ser executado a cravação das
estacas, o tipo da estaca e a quantidade a ser utilizada deve estar especificado nos
projetos complementares da obra.

Nas situações em que a resistência do terreno de fundação for inferior à tensão


admissível prevista no projeto, deve ser indicada solução especial que assegure
adequada condição de apoio para a estrutura, como substituição de parte do material do
terreno de fundação por material de maior resistência;

7
4.4 Bloco de fundação e Viga de cabeceira da ponte:

Devem ser executados em concreto armado moldado in loco, o bloco de fundação deve
ser executado de acordo com o projeto técnico, seguindo os níveis de projeto e
respeitando a cota de arrasamento da estaca, junto com o bloco devem ser feitas as
esperas para a viga da cabeceira da ponte.

A viga de cabeceira da ponte deve concretada após a execução completa dos blocos de
fundação, devem ser utilizados concreto e aço de acordo com o estipulado em projeto.

Mesoestrutura

- Considerando-se os apoios necessários às vigas principais, as necessárias


contenções de terra nos encontros do terreno com a estrutura da ponte e a transição
entre o greide do terreno e a superestrutura; Adotou-se como elementos da
mesoestrutura, bloco de apoio para as vigas principais, cortina para anteparo do aterro
de acesso, alas laterais para proteção dos aparelhos de apoio detendo o avanço dos
aterros sobre os mesmos.

4.5 Alas:

a) Execução das formas internas do corpo e das alas, com o respectivo escoramento;

b) Montagem da armadura das alas, até a altura das mísulas superiores;

c) Preparo da junta de dilatação, quando prevista;

d) Umedecimento das formas, concretagem e vibração mecânica do concreto;

4.6 Superestrutura

- Considerando as análises técnicas e econômicas, prazos de execução e qualidade


requerida para a obra foi adotado a solução de tabuleiro em grelha composta de vigas
pré-moldadas protendidas em um único vão.

Método Executivo

A- Execução das Fundações (estacas pre-moldadas gravadas)

B- Execução dos encontros (blocos, e alas)

C- Lançamento das Vigas Pré-moldadas Protendidas

D- Lançamento das placas pré-moldadas da laje

E- Concretagem da laje do tabuleiro

8
F- Execução dos acabamentos (passeios, pavimentação, juntas e guarda-corpos).

O método executivo acima descrito tem as vantagens de não utilizarem cimbramentos


não promovendo interferências do curso natural do córrego e agillidade na execução
pois as peças pré-moldadas poderão ser executadas simultaneamente entre si e com as
estruturas moldadas “in loco”

4.7 -MATERIAIS

Adotou-se o concreto classe C35 da NBR-8953/92 com fck >=35 Mpa e fator
água/cimento A/C<= 0,5 para toda a Superestrutura como forma de obter-se resistência
adequada para os elementos estruturais que compõem o tabuleiro e baixa
permeabilidade para garantir maior durabilidade (menor permeabilidade do concreto).

Para a Mesoestrutura adotou-se concreto classe C25. Para a Infraestrutura (estacas


pre-moldadas) adotou-se concreto classe C25 por serem elementos que trabalham
essencialmente à compressão.

Aço CP190RB para os elementos protendidos

Aço: CA50; CA60 para os elementos de concreto armado

4.8 -ACÕES CONSIDERADAS

Foram consideradas as ações sobre a estrutura previstas na NBR- 7187 (Projeto de


Pontes de Concreto Armado e de Concreto Protendido – Procedimento) e na NBR-7188
(Carga Móvel em Ponte Rodoviária e Passarela de Pedestre);

5. MANEJO AMBIENTAL

Na construção da ponte de concreto devem ser preservadas as condições


ambientais exigindo-se, entre outros, os seguintes procedimentos:

5.1 Todo o material excedente de escavação ou sobras deve ser removido das
proximidades dos dispositivos, de modo a não provocar entupimento, cuidando-se ainda
que este material não seja conduzido para os cursos d’água, de modo a não causar seu
assoreamento;

5.2 Nos pontos de descarga dos dispositivos devem ser executadas obras de proteção,
de modo a não promover a erosão das vertentes ou assoreamento de cursos d’água;

5.3 Em todos os locais onde ocorrerem escavações, ou aterros necessários à


implantação das obras, devem ser tomadas medidas que proporcionem a manutenção
das condições locais através de replantio da vegetação nativa ou de grama;

9
5.4 Nas áreas de bota-fora e de empréstimos, necessárias à realização das valas de
saída que se instalam nas vertentes, devem ser evitados os lançamentos de materiais
de escavação que possam afetar o sistema de drenagem superficial;

5.5 O trânsito dos equipamentos e veículos de serviço fora das áreas de trabalho deve
ser evitado tanto quanto possível, principalmente onde há alguma área com relevante
interesse paisagístico ou ecológico.

6. CONTROLE

6.1 O controle geométrico deve consistir na conferência, por métodos topográficos


correntes, do alinhamento, esconsidades, declividades, dimensões, comprimentos e
cotas dos bueiros executados e das respectivas bocas.

6.2 As condições de acabamento devem ser apreciadas, pela Fiscalização, em bases


visuais.

6.3 O controle tecnológico do concreto empregado na obra deve ser realizado pelo
rompimento de corpos de prova à compressão simples, aos 7 dias de idade, de acordo
com o prescrito na NBR 6118 da ABNT, para controle assistemático. Para tal deve ser
estabelecida, previamente, a relação experimental entre as resistências à compressão
simples aos 28 e aos 7 dias.

6.4 As posições e bitolas das armaduras devem ser conferidas antes da concretagem.

7 PROJETO DE DRENAGEM

7.1. - ELEMENTOS DE CONSULTA PARA ELABORAÇÃO DO


PROJETO.

7.1.1 - Estudos topográficos.


Inicialmente foi realizado o projeto topográfico da área a ser drenada, ou seja,
levantamento planialtimétrico, assim como a partir da locação e nivelamento do eixo das
vias a serem pavimentadas, obedecendo ao estaqueamento a cada 20m, amarrados a
RN’s distribuídos ao longo de toda a área.
Traçaram-se perfis longitudinais de todas as ruas e avenidas envolvidas na área
de interesse ao projeto.
A partir destes dados obteve-se o greide definitivo das vias, possibilitando assim
a determinação das inclinações; elemento importante na elaboração do projeto.

10
8. ESTUDO DE VAZÃO DE CONTRIBUIÇÃO E VAZÃO ADMISSÍVEL MEMORIA DE
CALCULO

8.1– Tempo de concentração

O tempo de concentração foi definido através do estudo da bacia de contribuição


da região no entorno do Córrego Neuza, segundo a formulação de Kirpich e de acordo
com os dados descritos abaixo:

 Comprimento do talvegue principal: 2,50 km


 Cota de montante: 377 metros
 Cota de jusante: 362 metros
 Declividade do talvegue: 0,60%

0 , 77
 0,294  L 
Tc   
 i 
Equação 1 - Tempo de concentração de Kirpich

 Tempo de concentração = 0,96 horas = 57,60 minutos

8.2– Intensidade da chuva de projeto

A intensidade da chuva de projeto é definida com base no tempo de


concentração (Tc) e no período de retorno (TR = 50 anos) recomendado pelo
Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). A equação da
intensidade de chuva para Sinop-MT foi formulada por Botan e Crispim (2014).

672,36  Tr 0 ,35
i
(tc  10,69) 0, 74
Equação 2 - Equação da chuva

 Intensidade da chuva = 116,07 mm/h

8.3– Vazão de contribuição

A vazão de pico foi determinada através do Método Racional Modificado com


coeficiente de retardo, pois a bacia de contribuição encontra-se no intervalo entre 4 e 10
km². Os parâmetros adotados para a bacia neste projeto são os descritos a seguir.

 Área de contribuição: 894,31 hectares (8,94 km²)


 Coeficiente de deflúvio de Burkli–Ziegler para áreas residenciais: 0,75

11
1
 1
n
(100  A)
Equação 3 - Coeficiente de retardo

Onde n=5 para declividades entre 0,5% e 1,00% e área dada em km².

 Coeficiente de retardo = 0,26

Q  0,0028  i  C  A  
Equação 4 - Vazão de contribuição

 Vazão de contribuição = 56,02 m³/s

8.4– Velocidade de escoamento e vazão admissível na seção da ponte

A velocidade de escoamento da água abaixo da ponte foi estimada com base na


fórmula abaixo:

2
1
V   Rh 3  i
n
Equação 5 - Velocidade do fluido

 Coeficiente de rugosidade de Manning (n): 0,048 (Curso d’água natural com


alguma vegetação e plantas livres nas margens) - (Tabela 32 – Manual de
Drenagem do DNIT).
 Dimensões da seção1: base = 13,00 metros e altura = 2,95 metros
 Área molhada (Am): 38,35 m²
 Perímetro molhado (Pm): 18,90 metros
 Raio hidráulico (Am/Pm): 2,03 metros
 Inclinação do talvegue: 0,0060 m/m

 Velocidade de escoamento = 2,59 m/s


 Vazão admissível = 99,19 m³/s

Atendendo a vazão de contribuição ficando em em torno de 60% de vazão


admissível

A vazão de contribuição deverá ficar em torno de 60% da vazão admissível na seção transversal da ponte.

12
9.0 BIBLIOGRAFIA

BOTAN, JONAS; CRISPIM, FLÁVIO ALESSANDRO. Determinação da curva de


intensidade-duração-frequência das precipitações máximas para o município de Sinop-
MT. Artigo científico. Universidade do Estado de Mato Grosso - Campus Sinop-MT,
2014.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE. Manual de


Drenagem de Rodovias, Publicação IPR – 724. Rio de Janeiro, 2006.

JABÔR, MARCOS AUGUSTO. Drenagem de Rodovias: Estudos hidrológicos e Projetos


de Drenagem, apostila.

13