Você está na página 1de 17

Cópia não autorizada

COM lSOLA@iO DE BORRACHA SILICONE ATC: ZOO ‘C E


lENSdESAT$ 760 V

ERRATA N?Jl

JULHO/l967

Esta Errata altera a NBR 9374 nas seguintes partes:

a) no Capltulo 2:

- onde se I:: “NM 6880 - Condutores de cobre para cabos isolados - Caracteris
-
ticas dimensionais - Padroniza&.”
- lela-se: “NBR 6880 - Condutores de cobre para cabos isolados - Padronlra

C&J.”

b) na recio 6.2.4.2:
- onde se 16: ‘I,.. deve ser ferlta corn ten&o elGtrlca contrnua...”

- lela-se: I’.. , dew ser felta corn tens& eletrica continua...”

c) a sesao 6.2.6.2 passa a ter a segulnte redagao:

“6.2.4.2 Quando submetlda ao ensaio. a chama na amostra deve auto-ext ingui r-

se a a parte carbonizada nk deve atingir a regik correspondente a 50 mm da

cxtremidade Inferior do grampo de flxagao superior.”

d) na secZo 6.4.1.1, alfnea e):

- onde se 1;: “e) ensaio de tens& eletrica de contelhamento. confbrme

6.2.3.”
- leia-se: “e) ensalo de tensao elitrica de centelhamento. conforme

6.2.3.”

e) na Nota da secso 6.4.1.2:

- onde se le^: I’... tenha sido continuamente durante a fabricacao...”

.. - lela-se: I’. . . tenha sldo efetuado continuamente durante a fabrica& ..‘I

Oripm: ABNT - 3: 02.20.6021/66


IX-3 - Comit4 Brarilsim de Eletricidade
CE.3: 20.6 - Comido da Ertudo de Fior e Cabor de Baixa Tens&~ (Ten& Nominal < 1000)
Ens Norma foi baleads ns CSA Standard C 22.2 no 116/1960

SISTEMA NACIONAL DE I ABNT - ASSOCIACAO BRASILEIRA


METROLOGIA, NORMALIZACAO DE NORMAS TECNICAS
E QUALIDADE INDUSTRIAL 8

condutorer irolador flexiwir lider


NBR 3 NORMA ERASILEIRA REGISTRADA
p~~w’-~v= para motore%
I
CDU: 621.316.221.6: 676.5 2 pigmaY
Tedor os diraitor resewados
Cópia não autorizada

2 NER 9374/1986

f) “a se& 7.2,z I
- onde se Ii, ‘I.. Sevem 5er aceitos 0s lotes...”
- leia-se: II._. Devem ser aceitos OS lotes...”

g) na reck 7.3:
- onde se Ii: ‘I... *
cleusulas contraturals...”
- leia-se: I’., cliusulas contratuais...”
Cópia não autorizada

CONOUTORES ISOLAOOS FLEXCVEIS PARA LIGACBES INTERNAS 03.015


COM ISOLACAO DE BORRACHASILICONE
ATE 200°C E TENSBES ATI? 750 V NBR 9374

JUN/1986
Especifica@o
-

SUMARIO

1 Objetivo
2 Normar complementares
3 Defini@es
4 CandigZies gerais
5 Condi@s especificas
6 Inspe~~o
7 Aceita+ e rejei@
ANEXO A - Requisitor fisicos do composto de borracha silicone
ANEXO 6 - Fatores para corregZo da resistOncia de is&memo em fun@o da temperatura

I OBJETIVO

1.1 Esta Norma fixa as condi&es exigivfis na aceita& e/w recebiillento de con
-
dutores isolados flexiveis con, condutor de cobre e isola& de conyxxto de borra
-
cha si I icone, cm ou tern cobertura, para tens&s de isolamento at& 750 V.

1.2 Estes condutores isolados S&I uti I irados come I ides intcrnos dc motores c
cm I iga&s internas de outros tipus dc equipamentos e s<50 prcvistos par-a terllpc-

~ratura de opera&, a:, regime pcrrwnente, Go superior a ZOO’C.

2 NORMAS COMPLEMENTARES

~a aplicac;lo desta Norua e nxessjrio consultar:


NBR 5111 - Fios de cobre “~5 de sq% circt;lar para fins eletricos - Especifi
-
ca&

NBR 5368 - Fios de cobre mole estanhados para fins el&tricos - EspecificaGao

NBR 5426 - Pianos de amostrsgem c procedimentos na inspc&o par atributos-Pro


-
ccdimento
NBR 5456 - Eletrotknica e eletr&ica - Eletricidadc geral - Terminologia

NBR 5471 - Eletrotecnica c cletronica - Condutores eletricos - Terminologia

Origem: ABNT - 3:02.20.5-021/86


CB-3 - ComitP Brasileiro de Eletricidade
CE-3:20.5 - Comisdo de Estudo de Fios e C&s de Baixa Tens% (Tens% Nominal < 1000 V)
Esta Norma foi baseada na CSA Standard C 22.2 no 116/1980
.-..
I
SISTEMA NACIONAL DE ABNT - ASSOClAQiO BEA’.::ii;;RA
METROLOGIA, NORMALIZACAO
DE NORMAS TCCNICAS
E QUALIDADE INDUSTRIAL 3
I

Palavrar-chave:condutorer irolados flexiveis


lides para motores N6R 3 NORMA 6RASlLElRA REGISTRADA

CDU: 621.315.221.8:678.4 Todor 01 direitos resurvados


15 peginas
Cópia não autorizada

2 NBR 9374/1986

NBR 6238 - Ensaio de envelhecimento acelerado para fios e cabos eletricos-MS -


todo de e ensaio

NBR 6241 - Tra+o 5 ruptura em materiais isolantes e coberturas protetoras ,==


-
trudadas para fios e cabos eletricos - Metodo de ensaio;

NBR 6242 - VerificaGao dimensional para fios e cabos eletricos - Mgtodo de en-

saio

NBR 6244 - Ensaio de resistencia 2 chama para fios e cabos eletricos - Metodo

de ensaio
NBR 6251 - Cabos de pot;ncia tom isolasao s;lida extrudada para tensEes de

(1 a 35) kV - Construsao - PadronizaGao

NBR 6279 - Caracteristicas dimensionais de carret<is de madeira para cabos de

cobre - PadronizaGao

NBR 6813 - Fios e cabos eletricos - Ensaio dc resistzncia dc isolal?lento - Me-

todo de ensaio
NBR 6814 - Fios e cabos elgtricos - Ensaio de resistencin elctrica - Metodo

de ensaio
NBR 6880 - Condutores de cobrc para cabos isolados - Caracter~sticas d i men-
sionais - Padronira&
NBR 6881 - Fios f cabos eletricos de potencia ou contrale - Ensaio de teniao
eletrica - Metodo de ensaio

NBR 7312 - Roles de fios e cabos eletricos - Caraclcristicas dizeniionais -

PadroniraCJo
3 DEFINICBES

Para os efcitos desta Norlua sao adotadas as dcfini&s constantes da NBR 5456,

NBR 5471 e NBR 6251.

4 CONDlC6ES GERAIS

'$0 ;i: : As definicocs das tensocs de isolatrwnto Vo e V SC encontrar na NBR 6251.

4.2 ~c'oncii:~~~i: .? ix ,~~!px ;"""="" n ~f:i;

Em regime permanente, a temperbtura no condutor nao deve ultrapassar 150°C para

condutor con, revestimento de estanho e 200°C para condutor nu.


Cópia não autorizada

NBR 9374/1966 3

deve apresentar falhas de encordoamento.

Nota: Vet- condi&zs especificas em 5.1.

4.4 Scparador

Quando previsto, o separador dew ser constituido por material quimica e termi-
camente compativel corn o material do condutor e da isolaC:o.

4.5 Isolac;io
4.5.1 A isolaGao dew ser constituida por uma camada de composto de Lborracha

silicone.

4.5.2 A camada de material isolante aplicada sobre o condutor dew ser con&-
trica, continua, un i forme e homogsnea , ao longo de todo o comprimento do condu -
tor.

4.5.3 No case de inexistgncia de separador, a isola&o dew scr perfeitamente


justaposta sobre o condutor, porgm facilmente removivel e nao aderente ao mesmo.

,,Nota: Ver condiG;es especificas em 5.2.

4.6 Cores da is0 lap70

4.6.1 As cores bjsicas da isolasao, s<o as seguintes: Ipreto, branco, vermelho,


azul claro, laranja, cinza e marrom.

4.6.2 Outras cores de isola& podem ser escolhidas, mediante acordo pr&io en-
tre fabricante e comprador.

#&a: As cores Verde-e-amarela ou Verde devem ser utilizadas exclusivamente p?


ra identificaqao do condutor de proteqao. A COT amarela n&z dew ser usa-
da separadamen te.

4.7.1 A cobertura, quando prevista, dew ser constituida por uma tranGa de fi
bra de vidro corn impregnante quimica e termicamente compativel corn o material
da isolaG:o.

4.7.2 A tranfa que constitui a cobertura dew ser fechada e uniforme, ao longo
de todo o comprimento do cabo.

4.7.3 Salvo acordo em contrsrio entre comprador e fabricante, a COT da cobertu -


ra dew ser branca.

4.8 .&ondicionamento e forncc7:mento

4.8.1 OS cabos devem ser acondicionados de maneira a ficarem protegidos duran-


te 0 manuseio, transporte e armazenagem. 0 acondicionamento dew ser em role ou
carretel. 0 carretel dew ter resistencia adequada e ser isento de defeitos que
possam danificar o produto.
Cópia não autorizada

4 NBR 937411986

4.8.2 0 acondicionamento em ~10s deve ser limitado a 40 kg para movimenta&

manual. Em roles cuja movimenta& deva ser efetuada por meio mecanico, e permL

tida massa bruta superior a 40 kg. OS cabos devem ser fornecidos em lances "Or
mais de fabrica&. Sobre estes lances & permitida uma tolerancia de ? 1,5% no

comprimento para os cabos acondicionados em roles e de ?r 3% para os cabos acon-


dicionados em carreteis. Adicionalmente, pode-se admitir que at; 5% dos lCl"CC?S

de urn late de expedi& tenham urn comprimento diferente do lan.ce normal de fa


bricagao, corn urn minima de 50% do comprimento do referido lance.

4.8.3 OS carretgis devem possuir dimens& de acordo ccm a NBR 6279 e os roles

de acordo corn a NBR 7312.

4.8.4 As extremidades dos cabos acondicionados em carreteis devem scr conve-

nientemente seladas corn capuzes de vedacao ou corn fita autoaglomerante, resis -

tente 5s intempiries, a fim de evitar a penetragao de umidade durante o rnFl"ll

seio, transporte e armazenagem.

4.8.5 Externamente os carret;is devem ser marcados "as duas faces laterais ex-

ternas ( corn caracteres legiveis e indeleveis, corn as seguintes indica&s:

a) nome do fabricante e CGC;

b) indistria brasileira;
c) se& nominal do condutor, cm mmz;

d) tensao de isolanento;
e) material da isola&;

f) COT da isola@o;
g) niimero desta Norma;
h) comprimento, em metros;
i) massa bruta em quilogramas;
j) "Gmero de serie do corretel;
k) seta no sentido de rota&o para desenrolar.
4.8.6 A indica& da alinea k) da se&o 4.8.5 dew constar em ambas as faces

da bobina.

4.8.7 Cada bobina deve ter amarrada na extremidade do cabo, correspondente a

camada externa, tuna etiqueta corn as indicaGijes da se& 4.8.5, corn exce& da

referente a alinea k).

4.8.8 OS roles devem ter uma etiqueta corn as indica&s da se&o 4.8.5, corn ex-

ce& das referentes 2s alineas j) e k) e modifica& da alinea i) para; nlassa


liquida minima por 100 m, expressa em kg/100 m.

4.9 Sarcntias

0 fabricante deve garantir, entre outras exigencias, 0 seguinte:

a) a qualidade de todos os materiais usados, de acordo corn os requisites


desta rbrm;
b) a reposi&, livre de despesas, de qualquer cabo considerado defeituoso,
Cópia não autorizada

NBR 937411986 5

devido a eventuais defici$ncias em seu projeto, matdria-prime ou fabrica -


@o, durante a vijkia do periodo de garanti-a. Este period0 deve ser
estabelecido de comum acordo entre comprador e fabricante.

4.10 Descri& paru aquisi& dos cabos

0 comprador deve indicar necessar~iamente, em sue consulta e posterior ordem de

compra pare aquisigao dos cabos, OS seguintes dados fundamentais:

a) se&o nominal do condutor em mmz;

b) ten&o de isolamento;

c) material da isolagao;

d) car da isola&;

e) cobertura quando aplicavel;

f) nljmero desta Net-ma;


g) comprimento total a ser adquirido;

h) comprimento das unidades de expediGao; case nao seja fixado, adot;l-se o

comprimento padrio do fabricante;

i) tipo de acondicionamento.

5 CONOIC~ES ESPECiFlCAS

5. 1 CO?& 5;;r

5.1.1 OS fios componentes do condutor encordoado, antes de ~erem submetidos 5s


fases posteriores de fabricasao, devem atender aos requisites da NBR 5111, para
condutores de cobre nu, de te^mpera mole, ou NBR 5368, para condutores de cobre

estanhado, de tempera mole.

5.1 .2 As caracteiisticas do condutor devem estar conformc NBR 6880, devendo a


tender 2 classe 4 encordoamento, coma flexibilidade minima.

5.2.1 Rc!quisitos Jisicos

5.2.1.1 As caracteristicas fysicas da isolaG:o devem estar de acordo corn OS re

quisitos do Anexo A, Tabela 3.

5.2.2 ~spessura dn isola&o

5.2.2.1 A espessura nominal d.a isola@o deve estar de acordo corn a Tabela 1.

TABELA 1 - Espes.wrar da irola@o

Segao nominal do c6ndutor Espessura nominal da isolagao


(mm’) hd

0,5 a 1 o,80
1,5 a 4 1,20
6 a 35 I ,60
SO a 95 2,00
120 a 240 2,40
Cópia não autorizada

6 NBR 937411996

5.2.2.2 A espessura m;dia da isola&, em qualquer se& transversal, n:o deve

ser inferior ao valor nominal especificado.

5.2.2.3 A espessura mynima da isola@o, em urn ponto qualquer de uma se@o trans -

versal, pode ser inferior ao valor nominal especificado, contanto que a diferen-

~a nao exceda 0,l mm + 10% do valor nominal especificado.

5.2.2.4 As espessuras da isola&o deem ser medidas conforme NBR 6242.

6 INSPECAO

6.1 msaioo

0s ensaios previstos por esta Norma sao classificados em ensaios de recebimento

e ensaios de tipo.

6.1 . 1 Ens&m dc rscehimento

Ester ensaios constituem-se de:

a) ensaios de rotina, feitos corn a finalidade de demonstrar a integridade

do late de cabos;
b) ensaios especiais, feitos em amostras do cabo complete ou em componen-

tes retirados do mesmo, conforme criteria de amostragem estabelecido


em 6.4.2, tom a finalidade de vcrificar se o cabo atende 5s especifica -
&es do projeto.

6.1.2 En saioa de L%p”

6.1.2.1 Estes ensaios devem ser realizados corn a finalidade de demonstrar o ~2

tisfatorio comportamento do projeto do cabo. para atender 5 aplicaqao prevista.

Sao, por isto mesmo, de natureza tal que nao precisam ser repetidos, a menos que

haja modificaC&s de materiais ou de construcao do cabo, que possam vir a modifi -


car o desempenho do mesmo.

6.1.2.2 Estes ensaios devem ser realizados, de modo geral, uma Gnica vez, sobre

a menor e a maior s&o de condutor, produzidas pelo fabricante, para cada pro-

jeto de cabo.

6.1.2.3 Ap& a realiza&o dos ensaios de tipo, dew ser emitido urn certificado

pelo fabricante ou por entidade reconhecida pelo fabricante e comprador, o qua1


dew ser valid0 para as se&s efetivamente ensaiadas e todas as intermediarias.

6.1.2.4 A validade do certificado, emitido conforme 6.1.2.3, condiciona-se 5 2

missao de urn document0 de aprovagao do mesmo por parte do comprador. Este docu
mento SO pode ser utilizado pelo fabricante, para outros compradores, corn autori

za&io do emitente.

6.2 Descri&o dot enuoios

6. 2. 1 fi;:~sak ile rcoi,st&ci? c%<i?rica

6.2.1.1 A resistencia el;trica m&ima dos condutores, referida a 20°C e a urn


Cópia não autorizada

NBR 937411986 7

comprimento de 1 km, deve estar conforme NBR 6880.

6.2.1.2 0 cabo deve ser ensaiado conform-z NBR 6814.

6.2.2 Ensaio de ten&o ehh+?a

6.2.2.1 Este ensaio 6 aplic&el somente aos cabos sem cobertura.

6.2.2.2 0 cabo quando submetido ao ensaio de tens% el6tric.a alternada de


2500 V, freqiizncia 48 Hz a 62 Hz, n% deve apresentar perfura@o.

6.2.2.3 0 tempo de aplica& da tens& eletrica dew ser de 5 minutes.

6.2.2.4 0 cabo dew ficar imerso em agua par urn tempo nao inferior a 6 hoi-as,
antes do ensaio, e a tens& eletrica deve ser aplicada entre o condutor e a agua.

6.2.2.5 Em alternativa,- o ensaio pode ser efetuado corn ten&o eletrica continua
de valor igual a 2,4 vezes o indicado em 6.2.2.2 corn dura& de 5 minutos.

6.2.2.6 0 cabo dew ser ensaiado conforme NBR 6881.

6.2.3 Ensoio de tens& eldrica de centelhamcnlo

6.2.3.1 Este ensaio & aplicavel aos cabos corn cobertura.

6.2.3.2 Este ensaio deve ser efetuado continuamente, durante o processo de fa-
brica& do cabo, antes de aplicaG:o da cobertura, comprovado par relatorio de
ensaio emitido pelo fabricante.

6.2.3.3 0 valor da tens% eletrica de centelhamento dew ser conforme Tabela 2.

TABELA2 -Ten& eltiricade centelhamento

Espessura nominal da Ten& de centelhamento


isola& (k'd
(mm) CA (48 a 62) Hz cc

0,80 795 IO,5


1,20 10,o 16,5
1,60 15,0 24,0
2,00 17,5 30,o
2,40 20,o 34,5

6.2.4 Ensaio de resistkkia de isolamcnto a tempcratura ambiente


6.2.4.1 A resistencia de isolamento da amostra do cabo, referida a 20°C e a urn
comprimento de 1 km, n.& deve ser inferior ao valor calculado corn a seguinte for
mula:
Ri = ki loglo -0
d

Onde:
Ri = resistgncia de isolamento em MU.km;
Cópia não autorizada

8 NBR 9374/1986

ki = constante de isolamento a 20°C, igual a 400 tG.km;

0 = dismetro sobre a isola&o, em mm;

d = dismetro sob a isoIa&, e mm.

6.2.4.2 A mediG% da resist&cia de isolamento, dew ser ferita corn ten&o ele -

trica continua, de valor 300 V a 500 V, aplicada por urn tempo minima de 1 minute

e m&imo de 5 minutes.

6.2.4.3 0 comprimento da amostra nao dew ser inferior a 5 metros.

6.2.4.4 Quando a medigao da resist&cia de isolamento for realizada em meio am


biente corn temperatura diferente de 20°C, o valor obtido deve set- referido a es-

ta temperatura, utilizando-se os fatores de corre& dados no Anexo B, Tabela 4.


0 fabricante dew fornecer, previamente, o coeficiente por 'C a ser utilizado.

6.2.4.5 A amostra dew ser ensaiada conforme NBR 6813.

6.2.5 Ensaio d<? resistcncia de isoZnmento a de

6.2.5.1 A resistencia de isolamento da amostra do cabo a 95'C, referida a urn


comprimento de I km, nao deve set- inferior ao valor calculado, formula dada em

6.2.4.1, tomando-se o Ki = 0,5 MG.km.

6.2.5.2 A temperatura no condutor dew ser obtida pela imersao da amostra em

jgua. A amostra deve ser mantida na sgua por urn tempo nao inferior a 2 horas, a

temperatura de (95 i 2)'C, antes de efetuar-se a medic&.

6.2.5.3 0 comprimento da amostra nao dew ser inferior a 5 metros.

6.2.5.4 A amostra dew ser ensaiada conforme NBR 6813.

6.2.6.1 Este ensaio 6 aplic;ivel somente aos cabos corn cobertura.

6.2.6.2 A amostra de cabo, quando submetida ao ensaio de resistcncia 2 propaga-

&J de chama, nao deve apresentar o papel indicador queimado em uma extensao su-
perior a 5 mm no sentido do comprimento da amostra.

6.2.6.3 A amostra dew ser ensaiada conforme NBR 6244.

6.2.7 Ensaio para detenninn& do coeficicn%c par 'C para corm& da m&s&-
&a de isotamanto

6.2.7.1 Este ensaio pode ser realizado, desde que previamente requeridp, coma e

xigencia adicional.

6.2.7.2 A amostra dew ser obtida e ensaiada conforme NBR 6813 e o coeficiente

por OC para corre& da resist&cia de isolamento obtido dew ser aproximadamen-

te igual ao previamente fornecido pelo fabricante.

Estes ensaios es& indicados no Anexo A, Tabela 3, corn OS respectivos m;todos


Cópia não autorizada

NBR 937411986 9

de ensaio e requisites.

6.3.1 Todos OS ensaios e verifica&s devem ser executados nas instala&s do


fabricante, devendo ser fornecidos ao inspetor todos OS meios que Ihe perm.i tam
verificar se o material ests de acordo corn esta Norma.

6.3.2 OS ensaios de tipo podem ser executados em IaboratGrios independentes, re


conhecidos pelo comprador.

6.3.3 No case de o comprador dispensar a inspesso, o fabricante deve fornecer,


se solicitado, c;pia dos resultados dos ensaios de retina e especiais, efetuados
no material e certificado de ensaio de tipo, de acordo corn OS requisites desta
Norma.

6.3.4 Todos OS ensaios previstos por esta Norma devem ser realizadcs pelo fabri -
cante e ;I5 suas expensas.

6.3.5 Quando os ensaios de tipo, ja certificados pelo fabricante, forem solici-


tados pelo comprador para uma determinada ordem de compra, o importe dos lllC?Sn,OS
dew ser objeto de acordo comercial.

6.4 ~c?,ag& &s emaios e ~wri~~ic&c?s - CiCk?~~Los <ii! cmost POClCrn


J

6.4.1 ~nsnios de retina

6.4.1.1 As verificaGoes e OS ensaios de retina solicitados por esta Norma, Go:


a) verifica& da constru$ do condutor, conforme 5.1.2;
b) verifica&o dimensional da isola@o, conforme 5.2.2;
c) ensaio de resistgncia eletrica, conforme 6.2.1;
d) ensaio de ten&o eletrica, conforme 6.2.2;
e) ensaio de tensao eletrica de contelhamento, conforme 6.2.3.

6.4.1.2 0 critgrio de amostragem para todos os ensaios de retina deve ser basea-
do na NBR 5426, corn nivel de inspeG& (NI) e nivel de qualidade aceitsvel (NQA),
a serem acordados entre fabricante e comprador. Em case de inexistcncia de acor-
do pr.Gvio, adotam-se nivel de inspeG% II e nivel de qualidade aceit&el 2,5X.

Nota: Para o ensaio de tens% eletrica (ver 6.2.~) somente 6 permitida a utili-
za@o do criteria de amostragem acima mencionado, case o ensaio de tens%
elstrica de centelhamento tenha sido continuamente durante a fabrica&
dos condutores isolados, comprovado por relat;rio de ensaio. Caso contra
rio, o ensaio de tens% el;trica deve ser efetuado sobre todas as unida-
des (roles ou bobinas) de expedi&.

6.4.2 Ensuioa cspeciais

6.4.2.1 OS ensaios especiais solicitados por esta Norma s&:


a) ensaio de resistcncia de isolamento a temperatura ambicnte, conforme
6.2.4;
Cópia não autorizada

10 NBR 937411986

b) ensaios fisicos do composto de isola&o, conforme Aneco A, Tabela 3.

6.4.2.2 OS ensaios especiais devem ser feitos para ordens de compra que excedam

4 km de cabo de mesma se&o. Para ordens de compra corn comprimento de cabos infe -
riores a 4 km, o fabricante dew fornecer, se solicitado, urn certificado onde
conste que o cabo cumpre OS requisites dos ensaios especiais desta Norma.

6.4.2.3 0 ntimero de amostras deve corresponder ao inteiro imediatamente sup5


rior ou igual a 1% das unidades de expediCa”o. Dew ser retirada somente uma amos-
tra de cada bobina ou role.

6.4.2.4 Cada amostra 6 constituida por urn pedaGo de cabo retirado ao acaso da

extremidade da(s) unidadecs) de expediG:o, apes ter sido eliminada, se necessa


rio, qualquer pot-&o de cabo que tenha sofrido danos.

6.4.3 Enoaios de tipo, c2~lricos

6.4.3.1 OS ensaios eletricos de tipo solicitados por esta Norma, sao:

a) ensaio de resist&cia elGtrica, conforme 6.2.1;


b) ensaio de tensso elstrica, conforw 6.2.2;
c) ensaio de ten&o eletrica de centelhamento, conforme 6.2.3;
d) ensaio de resist;ncia de isolamento a temperatura ambiente, conforme

6.2.4;
e) ensaio de resistcncia de isolamento a 95’C, conforme 6.2.5.

6.4.3.2 OS ensaios previstos nas alineas a) a e), devem ser realizados sucessi -
vamente sobre a mesma amostra.

6.4.3.3 Cada amostra dew ser constituida por urn pedaGo de cabo corn comprimen-

to minimo de 5 m, correspondente 5 menor e a maior secao de condutor produzidas

pelo fabricante.

6.4.4 Ensaios de tip, n& cl&rims


6.4.4.1 As verifica@as e OS eosaios nao eletricos de tipo solicitados por ez

ta Norma Go:
a) verificaG:o da construgao do condutor, conforme 5.1.2;

b) verificaG$o dimensional da isolacao, conforme 5.2;

c) ensaios fisicos na isola&o, conforme Anexo A;

d) ensaio de resist&cia 5 chama, conforme 6.2.6.


6.4.4.2 Cada amostra deve ser constituida por urn pedaGo de cabo, corn comprimen -
to suficiente, correspondente 2 maior e s manor se&o do condutor produzidas pe-

lo fabricante.

~nta: Quando OS ensaios de tipo forem solicitamdos pelo comprador, para uma

determinada ordem de compra, as amostras previstas devem ser retiradas

de uma unidade de qualquer de expedi&o.


Cópia não autorizada

NBR 937411986 11

0 ensaio de tipo complementar previsto, por esta Norma g o ensaio para determi-

na.$o do coeficiente pot- ‘C para corre&o da resistkia de isolamento, Confor-

me 6.2.7.

7 ACElTACaO E REJEICr%O

7.1 Inspecc?o lrh.lal

7.1.1 Antes de qualquer ensaio, dew ser realizada uma inspeGs visual sobre

todas as unidades de expedigao, para verificasao das condi&s estabelecidas em

4.6 a 4.8, aceitando-se somente as unidades que satisfizerem OS requisites des-

ta Norma.

7.1.2 Podem ser rejeifadas, de forma individual, as unidades de expedi&o que

n:o cumpram as referidas condicoes.

7.2 h=xnZos de rccebimcntn

7.2.1 Ennsnios de r~otinn

7.2.1.1 Sobre as unidades de expedi&o, que tenham cumprido o estabelecido em

7.1, devem ser aplicados os ensaios de retina dados em 6.4.1.

7.2.1~2 No case de 05 ensaios de rotina xrem aplicados por amostragem, a acei-

ta&o ou rejei& do late, corn rela&o ao nLimero de amostras que Go satisfize -


rem os requisites especificados, deve obedecer ao critgrio estabelecido “a
NBR 5426, para OS niveis de inspe&o e qualidade aceitavel utilirados.

7.2.1.3 No case de os ensaios de retina serem aplicados sobre todas as unidades

de expedisao, podem ser rejeitadas, de forma individual, as unidades de exped -i


~50 que nao cumpram OS requisites especificados.

7.2.2 z7mi0s cspeciais

7.2.2.1 Sobre as amostras obtidas, conforme criteria estabelecido em 6.4.2, de-

vem ser aplicados 05 ensaios especiais estabelecidos na mesma se~ao. Sevem ser
aceitos os lotes que satisfizerem os requisites especificados.

7.2.2.2 Se em qualquer dos ensaios especiais, resultarem valores que na”o satis-
fac,am 0s requisites especificabos, o late do qua1 foi retirada a amostra pode
ser rejei tado.

0 fabricante pode recompor urn nova late, por uma iinica vez, submetendo-a uma no-

va inspeG0, ap& terem sido eliminadas as unidades de expedi&o defeituosas. Em

case de uma nova rejei&o, sao aplicadas a cl&sulas contraturais pertinentes.

/ANEXO A
Cópia não autorizada

12 NBR 9374/1986
Cópia não autorizada

NBR 937411986 13

ANEXO A - REOUISITOS FlkWZOS DO COMPOST0 DE BORRACHA SILICONE

TABELA 3 - Requiritosfisicor do composta de borracha silicone

Classifica - Mkodo

I tern G.&J dos e” de Ensaios Unidac iequisitos


sa ios ensaio

1 Ensaios de tra&io

1.1 Especial NBR 6241 Sem envelhecimento

e tip0 - resist&cia a tra&, MPa 4,8


minima

- alongamento a ruptura % 100


minim0

1.2 Tipo NBR 6238 Ap& envelhecimento em

estufa a ar

- temperatura (tolera^n- OC 210


cia + 3OC)

- dura& / dia’ 60
- resistencia 5 trac;Zo, MPa 3,4
minima

- alongamento 5 ruptura z 50
minim0
-

~ANEXO B
Cópia não autorizada

14 NBR 9374/1986
Cópia não autorizada

NBR 937411986 15

ANEXO B - FATORESPARA CORRECAO DA RESISTt?.NCIA DE ISOLAMENTO EM


FUN@0 DA TEMPERATURA

7
I ,06

0,45
o,48
0,50
1,08

-
3,35
3,37
3,40
1,lO

0,27
0,29
0,32
1,ll

0,21
0,23
0,25
1,13

0,16
0,18
0,20
--r-l
1,15

0,12
0,14
0,16
I
1,17

0,lO
0,ll
0,13
I
1,18

0,07
0,oy
o,ll
O,II
1,20

0,06
0,07
0,OY
1,23

0,05
0,06
0,07
0,53 3,43 0,35 0,28 0,23 0,lY 0,15 0,13 0,lO 0 ,OY
o,% 3,46 0,38 0,31 0,26 0,22 0,18 0,15 0,13 0,ll
0,59 0,50 0,42 0,35 0,30 0,25 0,23 0,18 0,15 0,13
0,62 0,53 o,46 0,39 0,33 0.28
0,28 0.25
0,25 0.21
0,21 0,18 0,16
0,66 0,57 0,50 0,43 0,38 0;33
0,33 0;29
0,29 0,25
0;25 0,22 O,lY
13 0,69 0,61 0,54 o,48 0,43 0,38 0,34 0,30 0,27 0,24
14 0,73 0,66 0,59 0,53 0,48 0.43 0,39 0,35 0,32 0,29
15 0,77 0,71 0,65 0,59 0,54 0,50 0,46 0,42 0,39 0,36
16 0,81 0,76 0,71 0,66 0,62 0,57 0,54 0,50 0,47 0,44
17 0,86 0,81 0,77 0,73 0,70 0366
0,66 0963
0,63 0,59 0,57 0,54
18 O,YO 0 ,a7 0,85 0,81 0,79 0.76
0,76 0.74
0,74 0.70
0,70 0,68 0,66
19 0,95 0,94 0,92 O,YO 0,89 Oj87
0,87 a;86
0,86 0;84
0,84 0,82 0,81
20 I ,oo l,oo l,oo l,oo 1,oo I,00 I 1,oo I l,oo l,oo l,oo
21 1,06 I ,a8 1,lO 1,ll 1,13 1,15
I,15 1,17 1,18 1,20 1,23
22 1,12 1,16 1,20 I,24 1,28 1,32 1,37 1,40 1,45 1,51
23 1,18 1,24 1,31 1,37 1,45 1,52 1,60 1,67 1,75 1,85
24 1,24 1,33 I,43 1,53 1,63 1,74 1,88 1,98 2,ll 2,27
25 1,31 1,43 I,56 1,70 1,85 2,00
2,oo 2,19 2,35 2,55 2,78
26 1,38 I,53 1,71 1,88 2,09 2,30 2,56 2,79 3,08 3,42
27 1,45 1,64 1,86 2,OY 2,36 2,64 3,00 3,32 3,72 4,19
28 1,53 1,76 2,04 2,32 2,66 3,04 3,50 3,95 4,49 5,15
29 1,62 I,89 2,22 2,58 3,00 3,50 4,09 4,6y 5,42 6,32
30 1,71 2,03 2,43 2,87 3,40 4,02
4,~ 4,78 5,57 6,54 7,75
1,80 2,18 2,65 3,lY 3,84 4,62 5,59 6,62 7,90 9,51
:: 1 ,YO 2,34 2,89 3,54 4,34 5,31 6,54 7,87 9,53 11,67
33 2,00 2,51 3,16 3,93 4,90 6,lo
6,10 7,64 9,35 I,51 l4,33
34 2,ll 2,70 3,45 4,37 5,53 7,01 8,93 II,II
II,11 3,89 17,58
35 2,25 2,YO 3,77 4,85 6,25 8,06 IO,44 13,20 6,77 !I ,58
36 2,35 3,lO 4,ll 5,39 7,06 y,26 12,20 15,69 0,25 !6,48
2,47 3,33 4,49 6,00 7,98 o,64
0,64 14,26 18,64 ,4,44 12,50
2,61 3,57 4,90 6,66 9,Ol 2,23 16,67 22,15 9,51 j9,89
2,75 3,83 5,35 0,18 4,06 ly,49 26,32 5,62 +8,95
2 ,YO $,ll 5,84 1,50 6,16 22,78 31,28 ,3,00 ;0,07
-

IMPRESSA NA ABNT - SAO PAUL0