Você está na página 1de 3

2016

Atividade I

João Gualberto da Costa Ribeiro Júnior UFPI

Filosofia da Religião

A partir da leitura do capítulo o espaço sarado e a sacralização do mundo, faça um resumo destacando as noções mais relevantes sobre o sagrado.

O homem religioso, fundamenta-se no espaço não homogêneo que constitui

sua visão sacralizada do mundo, tendo em si próprio o ponto fixo de referência. O

homem profano percebe o espaço como algo mais homogêneo, não podendo no

entanto, desfazer-se completamente dos pressupostos de cunho religioso. O espaço

sagrado é dotado de características qualitativas que transcendem os limites profanos.

Trata-se de uma projeção do cosmos, em que para o homem religioso o mundo todo

converte-se em mundo sagrado.

Um território é organizado pelo homem religioso de modo a reiterar a obra dos

deuses, consagrando aquele espaço. A instalação do homem em um determinado

local, implica na consagração desse espaço através de comunicação transcendental

com o que se julga divino. A autora expõe seu discurso salientando que não se vive

sem uma comunicação permanente com os céus e que a existência de uma abertura

transcendente faz-se essencial.

O homem religioso tem avidez por viver o mais próximo possível do que

considera ser o centro do mundo. Existe a necessidade de situar-se em um cosmos

estruturado e organizado, trazendo para o mundo onde vive, seja um país, estado,

cidade ou mesmo sua própria residência, a ideia de centro do mundo. Para o homem

religioso, o mundo foi criado a partir de um ponto central definido, de onde então se

expande em todas as direções.

Estabelece-se para o homem religioso uma cosmogonia representativa da

criação do mundo, projetada em suas atividades diárias, bem como construções e

feitos. O mundo que é concebido pelo religioso trata-se de uma imagem exemplar da

atitude divina, lutando o homem para evitar o estabelecimento do caos, isto é, da

extensão e manutenção da homogeneidade do espaço.

O homem religioso deveria lutar bravamente contra a imposição caótica,

impedindo que as roturas do espaço fossem dilaceradas e extintas. Em outras

palavras, a ordem construída a exemplo dos deuses, deveria permanecer assim

geração após geração, a fim de evitar o aparecimento do caos.

O homem religioso tem a necessidade de imitar a cosmogonia, de reproduzir

as atitudes divinas, consagrando assim um espaço. Tarefas como a escolha e

instalação em um território, assim como a construção de moradias deveriam refletir a

João Gualberto da Costa Ribeiro Júnior Bloco VIII

Filosofia da Religião

ilustração dos deuses por ordem da criação do mundo, permanecendo desta forma, o homem religioso em estado sacralizado. A morada, seja no âmbito de residência ou na macrorregião em que o homem religioso vive, converte-se na estrutura central do mundo. Em virtude disto, esta decisão é extremamente importante, desde a escolha de um território a se instalar, até sua expansão progressiva. Pode-se dizer que o mundo passa a ser percebido como cosmos, à medida em que se revela como espaço sagrado. A experiência do que é sagrado faz possível a existência do mundo. O homem religioso busca viver em um espaço representativo do cosmos puro e santo, o mais próximo possível da criação realizada pelos deuses.

João Gualberto da Costa Ribeiro Júnior Bloco VIII