Você está na página 1de 76

DISTÚRBIOS DA

CIRCULAÇÃO

Disciplina: PATOLOGIA GERAL

Professora: KARINA CARLA


HOMEOSTASIA

SISTEMA CIRCULATÓRIO NORMAL

ü COMPOSIÇÃO DO SISTEMA CIRCULATÓRIO


CIRCULATÓRIO::

• Bomba muscular (coração)


• Vasos sangüíneos (artérias, arteríolas, capilares,
vênulas e veias)
•Sistema Linfático (vasos linfáticos)
Edema Hiperemia Hemorragia

DISTÚRBIOS
Choque DA Isquemia
CIRCULAÇAO

Embolia Trombose Infarto


EDEMA
Edema
Oídema: inchaço/ tumefação
EDEMA
EDEMA:
“Excesso de líquido no espaço intersticial ou cavidades
corporais”

CARACTERÍSTICAS MICROSCÓPICAS:
•Tumefação Celular sutil;
•Separação dos elementos da matriz extracelular

CARACTERÍSTICAS MACROSCÓPICAS:
•Aumento do volume tecidual ou órgão
•Depressão ao comprimir o tecido
Edema
CLASSIFICAÇÃO (COMPOSIÇÃO):

TRANSUDATO:
baixo [proteinas] ,
preservaçao da permeabilodade vascular,
líquido claro e seroso.
Transtornos hemodinâmico.
EXSUDATO:
alta[proteinas] ,
aumento da permeabilodade vascular,
líquido turvo (células inflamatórias e fibrinogênio).
Inflamação
Edema
CLASSIFICAÇÃO (LOCALIZAÇÃO):

LOCALIZADO:
cerebral;
pulmonar
membros inferiores

GENERALIZADO:
Vários órgãos (pés, pernas, tornozelos) e
cavidades (Pleura, peritônio, pericárdio)
Anasarca: edema grave e generalizado
ETIOLOGIA DO EDEMA

HOMEOSTASIA
Etiopatogênese do Edema

1. AUMENTO DA
PRESSÃO 2. REDUÇÃO DA
HIDROSTÁTICA PRESSÃO ONCÓTICA
Glomerulopatias
Insuficiência Cardíaca
Cirrose Hepática
Etiopatogênese do Edema

3. OBSTRUÇAO DO 4. INFLAMAÇÃO
SISTEMA LINFATICO
Neoplasias
Pós-cirurgias
Edema tibial-Compressão digital do tecido subcutâneo
edemaciado provoca depressão na superfície
Edema PULMONAR
HIPEREMIA
Hiperemia
É o excesso de fornecimento de sangue para um
determinado órgão.
Hiperemia

H. Ativa H. Passiva
ERITEMA CONGESTÃO
Hiperemia Ativa
•Dilatação arteriolar

•Congestionamento dos vasos


Tecido avermelhado

FISIOLÓGICO:
Alimentação (mucosa gástrica), exercício físico (músculo),
pele (perda de calor)

PATOLOGICO:
Inflamação
Hiperemia Passiva
Passiva--
CONGESTAO

•Retorno venoso deficiente

•Acúmulo de Hb desoxigenada
(Tecido azulado)

•Distensão das veias distais e


vênulas
Hiperemia Passiva
CONGESTAO CONGESTAO CONGESTAO
PULMONAR HEPATICO BAÇO

Capilares alveolares Causa: Insuficiência Causa: Insuficiência


dilatados; cardíaca; cardíaca;

Septos Figado (Azul-vinho)- Órgão cianótico e


alargados(edema), aguda. sem aumento do
fibrosado e espessos; Fígado (vermelho volume- Agudo
azulado)-Cronica
Passagem de hemácias Aumento do volume
para os alvéolos e Sinusóides alargados; do órgao, fibrose e
fagocitose destas pelos focos hemorragicos-
macrófagos Necrose, hemorragia e Cronica
fibrose nas veias
HEMOSTASIA
Hemostasia
Processo fisiológico regulado:

ØManter o sangue líquido nos vasos livres de coágulo;

ØFormação do coágulo (tampão hemostático) rápido e


localizado no local da lesão vascular

COMPONENTES:

ØParede Vascular (Endotélio);


ØPlaquetas;
ØCascata da Coagulação
Hemostasia
Endotélio
Plaquetas

Funções:

ØRegula o tônus vascular


ØCicatrizaçao

Fases na Hemostasia:
ØADESAO
ØSECREÇAO
ØAGREGAÇAO
Sistema da
Coagulação

FIBRINOGÊNIO

FIBRINA ESTÁVEL
(POLIMERIZADA)
Sistema
Fibrinolítico--
Fibrinolítico
Regulador da Ativaçao da
Coagulaçao
HEMORRAGIA
Hemorragia
Extravasamento do sangue do espaço vascular para o
compartimento extravascular (cavidades, interstício,
fora do organismo)

CAUSAS CAUSAS
-Traumatismo, -Deficiência:
-Aterosclerose VitaminaC,
-Infecções, Fatores Coagulação,
-Neoplasias Invasivas,
- -Pressão Arterial, -Plaquetopenia
Hemorragia
Classificação:

REXE:
Ruptura do vaso/ sangue em jato
Ex.: Traumatismos/ -Pressão Arterial,

DIAPEDESE:
Hemácias saem dos vasos por diapedese/
ausência de lesão vascular
Ex.: Equimoses, Purpuras (alergias)
Hemorragia
Classificação Localizaçao:

ØINTERNAS (Cavidades):
Extensas ( Cavidades): Hemotórax,
hemopericárdio, hemoartrose
Pouco Extensas: Petéquias, Púrpuras,
Equimoses, Hematoma

ØEXTERNAS:
Cortes
Hemorragia-- CLASSIFICAÇÃO
Hemorragia
-HEMATOMA
-PETÉQUIAS
-PURPURAS
-EQUIMOSES
-HEMARTROSE
-OTORRAGIA
-EPISTAXE
-HEMATÚRIA
-MELENA
Hemorragia-- CLASSIFICAÇÃO
Hemorragia

-HEMATÊMESE
-HEMOPTIASE
-HEMOPERITÔNEO
-HEMOTÓRAX
-HEMOPERICÁRDIO
-MENORRAGIA
-METRORRAGIA
-MENSTRUAÇÃO
Hemorragia

CONSEQUENCIAS:

§Choque hipovolêmico;

§Anemia;

§Asfixia;

§Hemorragia intracraniana
Petéquia
Púrpura
Hematoma
Hemorragia
Consequências

ØChoque Hipovolêmico
ØAnemia
ØAsfixia
ØHemorragia intracraniana

QUANTIDADE DE SANGUE PERDIDO;


VELOCIDADE DE PERDA
LOCAL AFETADO
TROMBOSE
Trombose
Patologia caracterizada pela solidificaçao de
sangue (TROMBO) dentro dos vasos ou do
coração no indivíduo vivo

TROMBO: massa sólida estruturada derivada da


coagulação sanguínea (plaquetas, fibrinas, elementos
celulares)

COAGULO: massa não estruturada de sangue fora


dos vasos
Manifestação Clínica da Trombose

ü OBSTRUÇAO DAS ARTERIAS E VEIAS

ü ÊMBOLOS EM POTENCIAL
Trombose
ETIOPATOGENIA:

Ativaçao exacerbada da cascata da coagulação

ANORMALIDADE
DO FLUXO
SANGUIÍNEO

LESÃO TROMBOSE HIPER


ENDOTELIAL COAGULABILIDADE
Trombose
Aspecto Macroscópico do trombo:

•CABEÇA;
•CORPO,
•CAUDA
Trombose
1. LESÃO ENDOTELIAL

Endotélio disfuncional + Fatores Pro-Coagulantes

Causas:

-Hipertensão;
-Toxinas bacterians;
-Hipercoloesterolemia;
-Fumaça
Trombose
2. ANORMALIDADE NO FLUXO SANGUÍNEO

NORMAL: ANORMAL:
Fluxo Laminar Turbulência
Estase
Trombose
2. ANORMALIDADE NO FLUXO SANGUÍNEO

RETARDO DO FLUXO (ESTASE):


TROMBOS VENOSOS
- Trombos Vermelhos
-Insuficiência Cardíaca,
-Dilatação vascular
-Aumento do hematócrito;
-Agregaçao plaquetária
•Veias profundas inferiores: pernas,
ovarianas, retina, renal, hepática

•Sistema safeno: Congestão , tumefação


e dor
Trombose
2. ANORMALIDADE NO FLUXO SANGUÍNEO

AUMENTO DO FLUXO (TURBULENCIA):


TROMBOS ARTERIAIS
-Branco –Acinzentado;
-Oclusivos;
-Sobre uma placa aterosclerótica;
-Agreagação de plaquetas, fibrina, leucócitos degenarados,
hemácias
Trombose

Artérias :

•Coronarianas,
• cerebrais,
•renais
Trombose
3. HIPERCOAGULABILIDADE

-Aumento do número de de plaquetas (trombocitose)


- Alteraçao dos fatores pró-coagulantes

CONGÊNITA
-Deficiência genética dos anticoagulantes naturais
(Proteina S, C, antitrombina)

-Mutaçao do fator V
( Troca de aa- Arginina por Glutamina)

HIPERCOAGULAÇÃO
Trombose
3. HIPERCOAGULABILIDADE
ADQUIRIDA
-Síndrome da trombocitopenia induzida pela
heparina (Ac + superficie endotelio: + plaquetaria)

-Uso anticoncepcionais, tabagismo, cirurgias


extensas,

HIPERCOAGULAÇAO
Destino dos Trombos
EMBOLIA
Embolia
gr. "émbolo" = tampão, rolha.

“Embolia é a ocorrência de qualquer elemento


estranho (ÊMBOLO) – SÓLIDO, LÍQUIDO ou
GASOSO transportado na corrente dist e capaz de
obstruir um vaso distante de seu ponto de origem.”

Tumoral

Gasosa EMBOLIA Tromboembolia

Líquida
Tromboembolia

1. TROMBOS VENOSOS : PULMÃO

Veias afetadas: Veia Femural, panturrilhas


Ex.:Embolia Pulmonar

Gravidade: Tamanho do êmbolo


Número de êmbolos

ü Êmbolos Grandes
ü Êmbolos Médios Fig. 6.18
ü Êmbolos Pequenos
Tromboembolia

2. TROMBOS ARTERIAIS: SISTÊMICOS

ü CORAÇÃO: Infarto do miocárdio, doença


de Chagas, aneurismas do ventrículo esquerdo, lesão de
valvas cardíacas
ü ENCÉFALO: AVC isquêmico;

ü ARTÉRIA MESENTÉRICA: Infarto intestinal

ü BAÇO/ RINS: Infarto de baixa consequencia

ü MEMBROS INFERIORES: Isquemia/ Dor/ Necrose


Embolia Gasosa

TROMBOS VENOSOS
Pressão negativa entre VEIA e ATRIO
ü Punções;
ü Pneumotórax
ü Parto,
ü Aborto
ü Infusão com bolhas de ar
Hipotensão
OCLUSÃO DOS
AR + SANGUE (ESPUMA) VASOS Dispinéia
PRODUTOS DA COAGULAÇÃO PULMONARES
Arritmias
Embolia Gasosa

TROMBOS ARTERIAIS

ü Cateteres arteriais

ü Cirurgias cardíacas

ü Mergulhadores
Doença da Descompressão
ü Avião EXPANSÃO DOS GASES DO
SANGUE

Hipotensão Arterial
Arritmias Cardíacas
Alterações Neurológicas
Embolia de Líquidos
ü Líquido aminiótico na circulação materna
ü Afeta veias do útero
ü PGF2 do Líquido Amniótico: Pró- Coagulante
ü Sinais e Sintomas: Dispnéia, cianose, hipotennsão Arterial,
convulsão, hemorragia

Embolia Tumorais
ü Células Malignas na Circulação
ü Êmbolos Assintomáticos
ü Metástase
ISQUEMIA
Isquemia
BAIXO suprimento sanguíneo para o tecido

Oferta de Sangue p/ TECIDO

MENOR necessidade básica


CAUSAS:

-Obstrução da luz vascular


-Baixa da pressão arterial
-Aumento da viscosidade sanguínea
INFARTO
Infarto
"in fartu": cheio, atulhado; "infarcire”: Inchar

“Infarto é uma área de necrose tecidual ocasionada por


ISQUEMIA PROLONGADA, devido a um distúrbio da
circulação arterial ou venosa.”

BRANCO

INFARTO
VERMELHO
Infarto
CLASSIFICAÇÃO:

1. INFARTO BRANCO: 2. INFARTO VERMELHO:

ü Necrose de coagulação ü Necrose hemorragica


(isquêmica) ü Órgão esponjoso
ü Órgão sólido ü Rica circulação colateral
ü Pobre em circulação colateral
ü Hipóxia letal local,

CAUSA: CAUSA:
Sempre arterial (oclusão trombo- Obstrução arterial ou Venosa
embólica, compressiva).
ÓRGÃOS MAIS LESADOS:
ÓRGÃOS MAIS LESADOS: Intestino, pulmão
Rins, baço, coração e cérebro.
Infarto
INFARTO BRANCO (CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS):

0 a 6 horas – Sem alterações visíveis,

6 a 12 horas – Área pálida pouco definida, com ou sem estrias


hemorrágicas;

12 a 24 horas – Área pálida delimitada por halo hiperêmico -


hemorrágico, cuneiforme;

24 a 48 horas – Área cuneiforme ou em mapa geográfico;

2o ao 5o dias – Halo branco acinzentado leucocitário internamente


ao hiperêmico, com deposição de fibrina na serosa capsular;

5o dia em diante – Proliferação fibro e angioblástica


Infarto do Miocárdio

NORMAL

24 h após o
INFARTO

5 dias após o
INFARTO
Infarto

INFARTO VERMELHO- INFARTO BRANCO-


Infarto Pulmonar Infarto do Baço
CHOQUE
Choque

“Choque é a incapacidade do sistêma circulatório


(Falência) em perfundir os tecidos de oxigênio e
nutrientes levando a uma hipotensão significativa

Cardiogênico Hipovolêmico

CHOQUE
Anafilático Neurogênico

Séptico
MICROCIRCULAÇÃO
MACROCIRCULAÇÃO
Choque
CARDIOGENICO HIPOVOLÊMICO SEPTICO ANAFILÁTICO NEUROGÊNICO

Infarto Hemorragia Infecção Reações de Lesão Cerebral


Miocárdio Grave Hiper Medula
Diarréia sensibilidade Espinhal
Miocardite Tipo I
Desidratação
Embolia
pulmonar Queimaduras

INSUFICIÊNCIA DA BOMBA MIOCÁRDICA


VOLEMIA
VASODILATAÇÃO
PERMEABILIDADEVASCULAR
Choque
CHOQUE SÉPTICO/
ENDOTOXEMIA
Choque
CHOQUE SÉPTICO/
ENDOTOXEMIA
Choque
CHOQUE ANAFILATICO
Choque
FASE COMPENSADA (REVERSÍVEL)

Baixa Volemia/ Baixa Retorno Venoso SINAIS E


SINTOMAS
Baixa da P.A.
üPalidez;
Baixa do Débito Cardícao üFrio;
üPressão
Estimulação do Sistema Renina-Angiotensina üTaquicardia
Aldosterona üBaixa Pressão

Estimulação do S.N. Simpático (ADRENALIA)

Vasoconstrição

CONSERVAÇAO DOS FLUIDOS


VASCULARES
Choque
FASE DESCOMPENSADA (IRREVERSÍVEL)

üEvolução para o ANAEROBICO

üAumento da ACIDOSE METABÓLICA

üAumento do HEMATOCRITO

üHIPOVOLEMIA GENERALIZADA

üDEFICIÊNCIA DA FUNÇAO RENAL

FALENCIA DOS MULTIPLOS ÓRGÃOS


PERDA DE CONSCIENCIA
MORTE