Você está na página 1de 2

A) DIREITO PENAL: CONJUNTO DE NORMAS REGULADORAS; PODER DE PUNIR DO

ESTADO, POR MEIO DA TIPIFICAÇÃO DE CRIMES E COMINAÇÃO DE PENAS (ART. 1°


CP)

FUNÇÃO:CONTROLE/HARMONIZAÇÃO/APAGUIZAÇÃO DO CONVÍVIO SOCIAL/


TUTELA BENS JURÍDICOS RELEVANTES PARA A SOCIEDADE.

B) FONTES DO DIREITO PENAL:

1) MATERIAL: ELABORAR NORMAS (PODER LEGISLATIVO)

2) FORMAL: FORMA QUE AS NORMAS SURGEM/EXTERIORIZAM

2.1) IMEDIATA: LEI

2.2) MEDIATA: COSTUMES, PRINCÍPIOS, ATOS ADMINISTRATIVOS (NORMA PENAL


EM BRANCO); SÃO OS FATOS SOCIAIS QUE PRECEDEM A CRIAÇÃO DA NORMA
POSITIVADA.

C)LEI PENAL NO TEMPO: OBS: NÃO SE APLICA LEI PROCESSUAL.

REGRA: TEMPUS REGIT ACTUM – O TEMPO REGE O ATO

EXCEÇÃO: (ART 5º, XL, CF/88): A LEI PENAL NÃO RETROAGIRÁ, SALVO
PARA BENEFICIAR O RÉU (RETROATIVIDADE DA LEI MAIS BENÉFICA)

OU

ULTRATIVIDADE DA LEI PENAL: EXCEPICIONAL E TEMPORÁRIA

EXCEPICIONAL: POSSUÍ VIGÊNCIA DETERMINADA, SITUAÇÃO


EMERGENCIAL (PERSISTE ENQUANTO A SITUAÇÃO EXISTIR).

TEMPORÁRIA: POSSUÍ VIGÊNCIA PRÉVIA FIXADA PELO


LEGISLADOR.

OBS: A ULTRATIVIDADE CONSISTE NA APLICAÇÃO DOS


EFEITOS DE UMA LEI, MESMO APÓS SUA REVOGAÇÃO.

D) INOVAÇÃO PENAL:

ABOLITIO CRIMINIS (ABOLIÇÃO DO CRIME): LEI NOVA QUE REVOGA


TIPO PENAL; RETROAGE PARA BENEFICIAR O RÉU PERMANECENDO OS EFEITOS CIVIS
DA CONDENAÇÃO

NOVATIO LEGIS IN MELLIUS (LEI NOVA QUE FAVORECE O RÉU): LEI


POSTERIOR QUE FAVORECE O RÉU DE QUALQUER MODO, APLICANDO-SE A FATOS
ANTERIORES, AINDA QUE EXISTA SENTENÇA CONDENATÓRIA COM TRANSITO EM
JULGADO.

NOVATIO LEGIS IN PEJUS (LEI PENAL QUE AGRAVA A SITUAÇÃO DO


RÉU): LEI PREJUDICIAL AO AGENTE, NÃO RETROAGE, EFEITOS A PARTIR DE SUA
VIGÊNCIA.

NOVATIO LEGIS INCRIMINADORA: LEI PENAL QUE CRIA UM NOVO


TIPO PENAL. NÃO RETROAGE.

E) NORMA PENAL EM BRANCO: É AQUELA QUE PRECISA DE UM COMPLEMENTO


NORMATIVO.
O COMPLEMENTO PODE SER POR OUTRA LEI (REVOGAÇÃO DO COMPLEMENTO
RETROAGE PARA BENEFICIAR O RÉU) OU POR ATO NORMATIVO INFRALEGAL
(NORMALIDADE, RETROAGE PARA BENEFICIAR O RÉU ---- ANORMALIDADE: NÃO
RETROAGE PARA BENEFICIAR O RÉU).

F) CONFLITO APARENTE DE LEIS: SOLUÇÃO SE DARÁ PELA:

ESPECIALIDADE: LEI ESPECIAL PREVALECE SOBRE A GERAL

SUBSIDIARIEDADE: LEI PRIMÁRIA (GRAU MAIOR) SOBREPÕE A


LEI SUBSIDIÁRIA.

CONSUNÇÃO: CRIME + GRAVE, ABSORVE, O CRIME MAIS –


GRAVE, QUANDO ESTE INTEGRAR O TIPO PENAL. EX: LESÃO
CORPORAL NO CASO DE HOMICÍDIO.

E) TEMPO DO CRIME

TEORIA ADOTADA: ATIVIDADE (ART 4°, DO CP) – CONSIDERA-SE


PRATICADO O CRIME NO MOMENTO DA CONDUTA (AÇÃO OU OMISSÃO).

OBS: NO CASO DE CONTABILIZAR PRESCRIÇÃO, A TEORIA ADOTADO É DO


RESULTADO.

F) LUGAR DO CRIME:

TEORIA ADOTADA: UBIQUIDADE (ART. 6°, DO CP) – CONSIDERA-SE O


LOCAL DO CRIME, O LUGAR EM QUE OCORREU A AÇÃO OU OMISSÃO, NO TODO OU
EM PARTE, BEM COMO ONDE SE PRODUZIU OU DEVERIA PRODUZIR-SE O
RESULTADO.

G) TEORIA DO CRIME: CONDUTA HUMANA, EM REGRA, SE ADEQUA A UM MODELO


DEFINIDO EM LEI, DE NATUREZA ANTIJURÍDICA E REPROVÁVEL.

CONDUTA = AÇÃO OU OMISSÃO.

EXCEÇÃO: PESSOA JURÍDICA PODE DELINQUIR

CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA; ORDEM FINANCEIRA;


ECONOMIA POPULAR; MEIO AMBIENTE (TEORIA DA DUPLA IMPUTAÇÃO).

H) CRIME NO BRASIL:

INFRAÇÃO PENAL: CRIME – RECLUSÃO OU DETENÇÃO

CONTRAVENÇÃO PENAL: PRISÃO SIMPLES OU MULTA

CONCEITO FORMAL: VIOLAÇÃO A LEI PENAL

CONCEITO MATERIAL: FATO HUMANO QUE LESA OU EXPÕE A PERIGO BENS


JURÍDICOS PENALMENTE RELEVANTES.

CONCEITO ANALÍTICO: ANÁLISE DOS ELEMENTOS DO CRIME

TRIPARTITE: 1) TIPICIDADE, 2) ANTIJURICIDADE/ILICITUDE, 3)


CULPABILIDADE.

BIPARTIDE (TJ SP): 1) TÍPICO, 2) ANTIJURÍDICO --- CULPABILIDADE É


PRESSUPOSTO PARA APLICAÇÃO DA PENA.

BRASIL ADOTA A TEORIA TRIPARTITE.