Você está na página 1de 15

Introdução a Terapia Holistica Veterinária

A cada dia que passa a humanidade tem desenvolvido laços


afetivos muito sólidos com os animais. Existe uma troca energética
muito grande entre nós humanos e os animais, que por sua pureza
e amor conquistam cada vez mais lugar em nossa vida cotidiana.
Muitas vezes os animais estão sujeitos a captarem a energia dos
seus tutores e hoje estamos nos deparando com um grande
número de animais sofrendo de depressão, ansiedade, tristeza e
várias doenças que não conseguimos resultados tão satisfatórios,
ou nenhum resultado com medicação veterinária tradicional, que
trata o meio (corpo) físico em especial. Porem precisamos entender
que os seres vivos são constituidos de vários corpos, corpos
energéticos entre eles o emocional e o mental e o corpo físico.

A palavra Holistica vem do grego holos, e significa «todo» ou


«inteiro».

Hólus é um vocábulo grego que quer dizer total, portanto o termo


holístico refere-se à totalidade do ser, em níveis: físico, emocional,
mental e espiritual. Observando nosso corpo de forma holística,
compreendemos que ele troca energia com o Universo através de
centros energéticos chamados chakras, e que o corpo é envolvido
por um campo energético chamado aura. Tanto os chakras quanto
a aura podem ser percebidos quando estamos em estado alterado
de consciência, bastando tornarmo-nos sensíveis à percepção da
energia. Dependendo da escola ou tradição, que se refere à
chakras, há algumas diferenças em nomenclaturas ou localização.
Porém não devemos nos apegar a isso, devemos simplesmente
termos consciência de sua existência, para assim desenvolvermos
nossa sensibilidade e ampliarmos os efeitos de nossas práticas
com o Reiki.

Qualquer coisa que cause um bloqueio, ou a obstrução ou


interrupção no fluxo de energia sutil, em um ou mais chakras pode
levar a doenças. Esta é uma verdade holística que é amplamente
aceita por todos os curadores energéticos. O corpo etérico, assim
como os chakras, pode ficar bloqueado, afetando o fluxo de
energia no animal. A doença é geralmente percebida nos corpos
sutis antes de se manifestarem no corpo físico.

Um animal que sofreu trauma físico, abuso mental ou emocional,


muitas vezes pode nem sempre ser capaz de reparar a energia
desequilibrada, permitindo assim que a doença física se manifeste.

Os chakras dos animais podem ser harmonizados através de


vários métodos ou terapias, que são baseados no equilíbrio
energético e no propósito de cada chakra. Em geral, o equilíbrio de
todo o corpo do animal é feito em todos os chakras, começando
pelo chakra raiz, caudal ou o braquial. Os tratamentos
correspondentes podem ser feitos usando massagens energéticas,
Cristaloterapia (Cristais), Cromoterapia, Reiki, e/ou Florais.
Para um diagnostico mais preciso é necessário uma anamnese
completa do animal, explorando cuidadosamente sua rotina, seu
lar, os seus tutores, suas interrelações e os sintomas manifestados
neles.

Trabalhar com os chakras dos animais pode ser uma forma de


tratamento preventivo, pois é indicado principalmente para animais
idosos que sofrem de dor crônica e que são mais sensíveis aos
medicamentos; Entre estes, vale a pena mencionar também os
animais em tratamento de câncer, com problemas emocionais tais
como depressão, problemas comportamentais que também podem
ser provenientes de processos mentais e animais com problemas
na coluna vertebral.

Os Chakras dos Animais

Os animais também têm auras. Cães e gatos têm um corpo


energético e cada um tem seus próprios centros de chakra. O
sistema de chakras animais também emite diferentes vibrações de
cor dependendo da forma e intensidade da energia em cada
centro. Os esquemas de cores do sistema de chakras animais são
semelhantes ao sistema humano e as funções são quase as
mesmas. Nos animais de quatro patas, a principal diferença é que
o alinhamento e as posições dos chakras são frequentemente
horizontais em vez de verticais.

Nos animais, o campo de energia é geralmente muito mais amplo


do que em humanos. Por causa de um instinto de sobrevivência
natural de animais, a aura tende a absorver muito mais informação
sensorial que humanos. Eles recebem e distribuem energia através
de cada chakra individualmente, o que os torna sensíveis a
vibrações e mudanças mais sutis na atmosfera ou ambiente.

Todos os animais têm um Sistema de Chakras Etérico assim


como os humanos. A maioria dos animais tem 8 chakras principais
( os sete principais iguais em humanos:
Coronário, Frontal , Laríngeo , Cardíaco , Plexo Solar , Sacro e
Raiz
mais o Chakra Braquial, que muito embora também esteja
presente em nosso sistema energético, nos animais ele é maior). É
chamado de braquialou chakra da chave. até 21 chakras menores
e 6 pontos de energia menores, conhecidos como Bud-chakras . (4
almofadas de pata e o broto de pele na abertura das orelhas).

Semelhante ao sistema energético humano, quando um chakra


animal está bloqueado ou tem energia insuficiente, o sistema fica
desequilibrado. Isso pode eventualmente resultar em problemas
comportamentais e emocionais, ou doença física na área
conectada ao chakra. Métodos e técnicas similares para a cura de
desequilíbrios de chakras em humanos também podem ser usados
em animais para restaurar o equilíbrio e prevenir ou auxiliar na cura
de questões relacionadas.

Semelhante ao sistema humano, cada órgão do corpo do animal


também corresponde a um dos chakras. Uma questão física
específica pode ser direcionada direcionando energia para o
chakra relacionado à questão. Os animais são muito mais
perceptivos da energia sutil que os humanos. Como os animais são
naturalmente mais ancorados e conectados à energia do chakra da
raiz, eles têm uma maneira mais instintiva de manter a energia de
seus centros de chakra inferior em equilíbrio. Os chakras
superiores de um animal são frequentemente fechados, mas
podem ser abertos e ativados com ajuda. Antes de iniciar qualquer
trabalho de cura energética em um animal, ele ajuda a massagear
suavemente cada centro de energia primeiro. Isso ajuda o animal a
ficar mais relaxado e receptivo.

Massagem

A massagem tem sido usadas há milhares de anos no Oriente e


apesar de ser uma forma de terapia muito simples é muito eficaz.
Há muitos registros como mais de 5.000 anos em túmulos,
cerâmicas, murais e templos de desenhos com técnicas de
massagens na China, Egito, Japão, Persia e Irã. Existem também
registros de Massagem medicinal na Grécia e em Roma.
Hipócrates, o 'Pai da Medicina', recomendava 'esfregar' o paciente
para ajudar o corpo a se estabilizar. Asclepídes, outro médico
grego, teve grande influência na massgem, pregando tecnicas de
fricção. Foi Galeno que classificou mais detalhadamente as
tecnicas como pressão, direção, frequência e tratamento em geral.

Massagem é sem uma das formas mais completas de demosntrar


carinho pelos nossos amiguinhos. O ato de acariciá-los é uma mini
massagem e os adoram. Mas, para uma troca de carinho, ele pode
se beneficiar muito mais do que você pode imaginar. Estimulação
fisiológica, o circulatório e linfático, os músculos, nervos, axigenas
como células, ajuda a liberar toxinas (como ácido lático), auxilia na
cicaterização pós-cirúrgica, ou as lesões traumáticas, como você
pode ser muitas vezes como vantagens da aplicação de massagem
no seu animal de estimação. Na Escola de Medicina da
Universidade de Miami, existe o Instituto de pesquisas do Toque,
fundado em 1992, que é dedicado a estudos voltados para o toque
e a sua aplicação na ciência e na medicina. Você pode usar a
massagem para aliviar os hormônios do estresses e pode curar a
massagem, como o massageador que trava o amor, como
importante para todos.

Cristais

Há milhares de anos, muitos povos e civilizações vêm utilizando os


cristais com enúmeras finalidades, desde a proteção até a cura e
para iniciações. Segundo alguns autores, as forças dos cristais
serviram para regularizar o campo eletromagnético da Terra para
que os espíritos humanos pudessem encarnar. Nas civilizações
perdidas da Lemúria e da Atlântida, os cristais constituíram a fonte
básica de energia. Eram utilizados em tratamentos terapêuticos,
nas comunicações interestelares e nos ensinamentos. Por terem
abusado dessas energias, usadoas indevidamente, é que essas
civilizações foram destruídas. Os sobreviventes de Atlântida,
passaram esses conhecimentos para os povos do Egito, da
América do Sul e do Tibete. Com os conhecimentos adquiridos dos
atlantes é que os egípcios teriam construído as pirâmides egípcias.
Atualmente, os cristais têm um largo emprego tecnológico, além de
serem também utilizados terapeuticamente para a expansão da
consciência, ganhando dessa maneira um grande e crescente
número de adeptos. Desde a mais remota antigüidade, os cristais e
pedras já eram utilizados nos processos de cura e equilíbrio do
corpo, da mente e da alma.
Existem relatos apontando o emprego desses minerais entre os
antigos povos egípcios, gregos e hindus que os aproveitavam para
energizar poções e remédios que, após dosados e ingeridos,
proporcionavam cura e bem-estar. Segundo diversos livros
pesquisados, os cristais vêm sendo utilizados há vários séculos
para diversas finalidades. No extinto continente de Atlântida já se
usava cristais. Esse conhecimento chegou até nós, através de
escritos egípcios e do canal intuitivo e telepático, por captação do
material registrado em cristais daquela civilização. Ao que parece,
os habitantes de Atlântida usavam cristais como canais da força
cósmica para se comunicarem telepaticamente com os seus
antepassados, e também para problemas de ordem física e prática.
O uso excessivo e indevido do poder dos cristais parece ter sido,
ao nível metafísico, o motivo mais forte da destruição daquele
povo. Os sobreviventes de Atlântida, não obstante, conseguiram
passar o conhecimento do manejo do poder dos cristais aos povos
do Egito, América do Sul e Tibete. Esses povos construíram
pirâmides, usando as teorias da estrutura cristalina a fim de
canalizar a energia de altas freqüências para este planeta. A
estrutura da pirâmide de Quéops parece ter sido uma expressão
da estrutura divina dos cristais. Segundo pesquisa realizada na
Bíblia (no Êxodo) descobriu-se que um tipo de prato “colete” feito
de doze pedras preciosas, num arranjo especial em quatro linhas,
era colocado sobre o coração de Aarão para conectá-lo com o
poder de Deus. Em documentos indianos descobertos, datados de
400 a.C. (escritos em sânscrito) astrólogos aconselhavam as
pessoas com determinados problemas a usarem pedras
específicas para contrabalançar o efeito negativo de certos
planetas. Já na Grécia e Roma antigas, usava-se pedras e talismãs
para fins de saúde, proteção e desenvolvimento de certas virtudes.
Os maias e os índios americanos, também se utilizaram de cristais
para diagnosticar e tratar de enfermidades, por muitos séculos. Os
cristais funcionaram como objetos de poder pessoal e de cura,
para os xamãs das Américas do Norte e do Sul, Austrália e Sibéria.
Além dessa aplicação, os cristais têm sido empregados em
cerimônias e rituais, como “cristais de visão”, onde os clarividentes
podem ver o futuro (bola de cristal).
Atualmente, os cristais vêm sendo utilizados pela tecnologia mais
avançada. Por exemplo: os cristais de rubi naturais e artificiais são
usados para cirurgias microscópicas com raio laser. Os cristais de
quartzo em relógios e computadores e em osciladores para
controle de rádio em equipamento eletrônico; como capacitores,
para modificar a capacidade de energia em circuitos; como
transmissores de energia de um sistema a outro e como
condensadores, guardando energia. Na área esotérica, eles vêm
sendo utilizados para diagnóstico e cura e, também, como
auxiliadores do processo de transformação da consciência pessoal
e meditação, em geral. Podemos colocá-los debaixo do travesseiro
durante o sono, para induzir sonhos e transformação de energias.
Podemos usá-los, também, durante o parto para harmonizar e dar
força à parturiente.

CROMOTERAPIA

O termo cromoterapia vem do grego kromus, que significa cor, e


therapheia que significa tratamento.

O tratamento pelas cores era utilizado desde os primórdios da


humanidade. No Egito, por volta de 300 ac, nos salões coloridos de
Tebas e Kernak ja usava-se as cores para curar doenças e
desenvolvimento espiritual. Alguns templos utilizavam-se dos raios
de sol para empregar as cores do arco íris em seus saloes de cura.
Ainda no Egito temos a cidade de Heliopolis (cidade da Luz) onde
primava-se o uso de cores para tratamentos de saúde.
As cores eram empregadas de varias formas, por meio de pedras
preciosas, aguas solarizadas, tecidos e paredes pintadas, filtros
coloridos na luz do sol, utilizavam também imposição de mãos,
mantras e aromas como auxiliar nas terapias cromoterapicas.
Na China por volta de 2700ac ja se utilizava cores na alimentação
e para diagnosticar desequilíbrios internos. Na Índia também ha
fortes indícios de utilização de cores nas terapias, na medicina
ayuvedica por exemplo, mandalas, cristais, plantas....

Albert Szent-Györgyi, ganhador do prêmio Nobel, desenvolveu


experiências cromáticas com importantes resultados expondo
certas enzimas e hormônios a diferentes cores, verificou que
algumas causavam mudanças moleculares nas enzimas e
hormônios.
O Dr Max Luscher, comprovou que a preferência de cor pode
indicar o estado mental de uma pessoa, bem como possíveis
desequilíbrios glandulares. Ao estudar as preferencias de cores das
pessoas, concluindo que na reação dos indivíduos às cores há
significados que transcendem as diferenças culturais e são
profundamente enraizados.

Reiki

O Reiki vem a somar junto com a medicina tradicional


possibilitando assim o tratamento do animal como um Todo. As
doenças se originam primeiro pelo desequilíbrio energético dos
nossos animais para posteriormente atingirem o nível físico, sendo
assim não adianta tratar somente o físico , uma vez que a origem
do problema continuará doente, manifestando assim novamente a
mesma ou outra doença.

O Reiki é uma terapia energética oriental, que visa equilibrar e


alinhar a energia vital. A palavra Reiki quer dizer Rei energia
universal + Ki energia vital.
O Reiki não é uma religião, e seus resultados são cientificamente
comprovado.
A física quântica tem nos mostrado que tudo pode ser reduzido a
energia, e que a energia precede a matéria assim como os
pensamentos precedem as ações. Segundo os orientais a energia
é o príncipio que qndo condensado se torna matéria. Vejamos isso
atravez na formula de Einstein (E=M x C2) a onde mostra
claramente a ligação entre a energia (E) com a matéria (M).
Portanto podemos dizer que a energia é a base de tudo.
As teorias energéticas vibracionais vêm conquistando espaço na
classe médica, em todo o mundo, a um número cada vez maior de
profissionais médicos que procuram inteirar-se sobre o método
Reiki, afim de canalizar a energia curativa para complementar o
tratamento convencional.
A terapia energética ou vibracional não substitui a Medicina
convencional, assim como a Medicina convencional não substitui a
terapia energética; cada qual atua em campos diferentes de um
mesmo ser humano. Ambas coexistem e complementam- se no
intuito de melhorar as condições de vida do ser humano no
Universo.
A Medicina Veterinária é a ciência indicada para fazer
diagnósticos; logo, a junção da medicina veterinária com as
terapias holisticas complementam uma a outra tanto no diagnóstico
como no tratamento efetivo, agilizando e integrando-se à cura
completa.
ABORDAGEM ÉTICA

1. INTRODUÇÃO Na cultura anglo-saxônica, o termo


aconselhamento ("counseling") é utilizado para designar um
conjunto de práticas que são tão diversas quanto as que
configuram as práticas de: orientar, ajudar, informar, amparar,
tratar. H.B e A.C. English definem o aconselhamento como:
"uma relação na qual uma pessoa tenta ajudar uma outra a
compreender e a resolver problemas aos quais ela tem que
enfrentar ". Um tema que concerne à filosofia do
aconselhamento, predomina em toda a literatura anglo-
saxônica: a crença na dignidade e no valor do indivíduo pelo
reconhecimento de sua liberdade em determinar seus próprios
valores e objetivos e no seu direito de seguir seu estilo de
vida. O indivíduo tem um valor em si, independentemente do
que pode realizar. Muitas vezes, a pessoa não é consciente
ou ignora seu potencial de desenvolvimento. O
aconselhamento visa ajudá-la a desenvolver sua singularidade
e a acentuar sua individualidade. Mais que uma filosofia que
poderia ser interpretada, à primeira vista, como uma forma de
individualismo selvagem, todos os grandes textos do
aconselhamento fazem referência à responsabilidade da
pessoa diante dela mesma, do outro e do mundo em torno
dela. O individuo não é nem bom, nem ruim por natureza ou
por hereditariedade. Ele possui um potencial de evolução e de
mudança. O(A) aconselhador(a) deve considerar o sentido e
os valores que o cliente atribui à vida, às suas próprias
atitudes e comportamentos porque quando uma mudança se
impõe no contexto de vida, isto pode se chocar com as
opções filosóficas da pessoa em questão e ser em si uma
causa de dificuldade (ex. : mudança de atitude diante do
trabalho, da família, da sexualidade, da morte,…). (1)
Segundo Catherine Tourette-Turgis, "o princípio de coerência
do aconselhamento reside fundamentalmente no fato de que
muitas situações da vida são, elas mesmas, causas de
sofrimentos psicológicos e sociais, necessitando uma
conceitualização e que dispositivos de apoio sejam colocados
à disposição das pessoas que as vivem ". Para ela, "o aconselhamento é
uma forma de " psicologia situacionista " : isto é, a situação é causa do sintoma e não o
inverso. Neste sentido, o aconselhamento, forma de acompanhamento psicológico e social,
designa uma situação na qual duas pessoas estabelecem uma relação, uma fazendo
explicitamente apelo à outra através de um pedido (verbalizado ) com objetivo de tratar,
resolver, assumir um ou mais problemas que lhe dizem respeito…a expressão "
acompanhamento psicológico " seria insuficiente na medida em que os campos de aplicação
do aconselhamento…designam muitas vezes realidades sociais produtoras em si mesmas de
um conjunto de distúrbios ou de dificuldades para os indivíduos. Neste sentido, o
aconselhamento responde às necessidades de pessoas que procuram ajuda de uma outra para
resolver, em um tempo relativamente breve, problemas que não são oriundos
necessariamente de problemáticas profundas (do ponto de vista psicológico). Estes
problemas podem estar ligados, na verdade, aos empecilhos ou a um contexto específico
com o qual elas precisam se adaptar ou aos quais elas devem sobreviver e pelos quais, na
maior parte do tempo, a sociedade não as preparou (ex. : traumatismos de guerra, prevenção
da aids, desemprego, …) ou não assegura as funções de apoio adequadas em tempo real, ou
seja, de imediato. Existem pontos comuns no desenvolvimento do aconselhamento que
podem ser resumidos pela importância dada: • aos métodos ativos na relação de ajuda; • à
crença no potencial de um indivíduo ou de um grupo; • à crença na transformação em um
curto espaço de tempo; • ao estabelecimento de uma relação aonde a autoridade é substituída
pela empatia, aonde a realidade prevalece sobre o passado longínquo; • a um ambiente
facilitador de mudança e de evolução pessoal (grupo, trabalho nas comunidades). O
aconselhamento se desenvolveu, em primeiro lugar, nos Estados Unidos no princípio do
século XX. Foi promovido pelos líderes do movimento de reforma social que tinham como
objetivo reduzir as desigualdades e as injustiças ligadas à industrialização massiva.
2. A consideração da pessoa e à análise crítica do funcionamento da sociedade americana dão
lugar à criação de organizações caritativas e associações filantrópicas. Em 1908, Frank
Parsons inaugura em Boston um dos primeiros centros de aconselhamento em instituições
municipais(Centro de orientação Juvenil). No mesmo momento, o Movimento de Saúde
Mental lançado por Cliddord Beers estabelece em 1909, programas de aconselhamento junto
a serviços psiquiátricos. Nos anos 30, nos Estados Unidos, Carl Rogers revoluciona a
psicologia clínica, que até então estava centralizada exclusivamente sobre os testes de
inteligência, recolocando a pessoa no centro do dispositivo terapêutico, inicializando uma
das grandes correntes do aconselhamento: a abordagem centrada na pessoa, desenvolvida
em sua obra " Counseling and Psycotherapy ", publicada em 1942. Na França, o
aconselhamento foi introduzido em 1928 sob a forma do Conselho de Orientação
Profissional. Nos anos 50, um novo método, o "case work", surge no trabalho social. Esta
ajuda psicológica individualizada se apóia nos principais conceitos de Carl Rogers, como o
direito do cliente de ser considerado e tratado como uma pessoa, sua necessidade de ser
respeitado, de não ser julgado e de estabelecer ele mesmo suas escolhas. Em 1961, a
Associação Francesa dos Centros de Consulta Conjugal (AFCCC) desenvolve, em torno do
psiquiatra e psicanalista Jean Lemaire o aconselhamento junto a casais (conselho conjugal).
Esta corrente do aconselhamento integra conceitos saídos da psicanálise, da psicossociologia
de grupos e de téoriques como Moreno, Rogers e Lewin. A história mundial do
aconselhamento é atravessada por múltiplas abordagens: Cognitivo-comportamental,
existencial, psicanalítica, emocional, sistêmica, a tal ponto que o aconselhamento acaba
dando lugar ao aparecimento de várias correntes teóricas, clínicas e práticas. A Organização
Mundial de Saúde escolheu e recomenda desde 1987 o aconselhamento como o método de
ajuda, de apoio e de prevenção mais apropriado em âmbito mundial, para enfrentar as
inomináveis ameaças individuais, comunitárias e coletivas engendradas pela epidemia da
infecção pelo HIV. A prática do aconselhamento no campo da infecção pelo HIV,
evidentemente, representa hoje, duas décadas mais tarde, uma corrente própria no
aconselhamento. www.escolaflordavida.com Página 4 Existem vários programas de
aconselhamento e todos privilegiam uma abordagem por situação e não uma abordagem pela
a problemática individual profunda (do ponto de vista psicológico ou psicopatológico).
Trata-se de serviços, de acompanhamento ou de apoio as pessoas confrontadas a uma
situação difícil, como : • Uma doença grave (ex. : câncer, infecção pelo HIV, etc.) • Um
acidente • A perda de um próximo • Um estupro • A tortura • O álcool • A toxicomania • O
suicídio • O incesto • O terrorismo • A violência doméstica • A educação para a saúde 2. O
TERAPEUTA E PSICOTERAPEUTA HOLÍSTICO A terapia holística e a psicoterapia
holística é indicado para toda pessoa que deseja dar continuidade ao seu desenvolvimento
pessoal, melhorar a sua compreensão e encarar certas situações necessitando eventualmente
de uma mudança em algum padrão energético, emocional ou mesmo mental que esteja
interferindo em sua vida física, alterando padrões sociais, seu bem estar e sua qualidade de
vida. A escuta www.escolaflordavida.com Página 5 A escuta, no aconselhamento, se
diferencia daquela que nós experimentamos cotidianamente. Significa uma forma de
engajamento em relação ao outro, implicando estar sensível e atento a este. Escutar não se
resume ao fato de captar os conteúdos e os sentimentos que o cliente expõe. Da mesma
maneira, a escuta não é um processo terapêutico em si e não é suficiente para completar o
desenvolvimento e realizar mudanças. A escuta é a competência de base indispensável ao
exercício de outras capacidades, como a de reformular os conteúdos de uma entrevista,
sentimentos e emoções exprimidas. O que é a escuta ? A escuta em aconselhamento, é uma
prática que induz imediatamente a um certo tipo de relação entre o(a) aconselhador(a) e o
cliente. Tal experiência de escuta é freqüentemente a primeira vivida pelo o cliente. Na
verdade, ele se sente escutado sem os filtros habituais constituídos pelo julgamento, pela
opinião ativa da vida social ordinária, pela avaliação e o diagnóstico em certos métodos
psicológicos tradicionais. Os níveis de escuta : 1 - O primeiro nível concerne o que é dito na
relação. No entanto, se ficarmos neste nível, a relação não se desenvolve muito e o terapeuta
fica em posição « de escutar uma história ». 2 - O segundo nível, definido por certos autores
como uma « atenção flutuante », concerne não somente o que é dito mas também o que
existe « além das palavras ». O terapeuta fica atento às palavras, mas também aos aspectos
não-verbais (expressão do rosto, gestos, movimentos dos olhos…) e para-lingüísticos
(volume, tom, rapidez, expressão corporal…) utilizados pelo paciente. 3 - Além destes dois
níveis de escuta, o(a) aconselhador(a) deve também estar atento ao que ele pensa, as suas
próprias emoções, as suas próprias sensações corporais. Pois estes indícios podem lhe servir
de www.escolaflordavida.com Página 6 indicadores do que se passa na relação e o terapeuta
pode utilizá-los como uma espécie de « caixa de ressonância » do desenvolvimento da
relação. Perguntas que o profissional pode se fazer : • Eu sou capaz de escutar o que a
pessoa quer me dizer sem me sentir em perigo ? • Porquê sinto certas dificuldades ao escutar
pessoas que provocam em mim sentimentos excessivos e perturbam minha escuta ? • Até
onde eu posso escutar alguém mantendo-me neutro ? Reflexões : • Freqüentemente é difícil
escutar o outro porque evito escutar o que se passa em mim mesmo. • As mensagens
contraditórias da minha comunicação podem parasitar minha escuta. Aceitação A aceitação é
uma atitude fundamental no aconselhamento. Comunicar sua aceitação implica que todas as
atitudes e os comportamentos verbais e não verbais do profissional indicam à pessoa que
alguém está tentando compreendê-la, aceitá-la completamente. A aceitação é, algumas
vezes, mais importante que a compreensão. A pessoa tem antes de tudo a necessidade de ser
aceita como ela é, como se sente, como diz que se sente antes de poder explorar a mudança.
Freqüentemente, no momento de um evento como a doença, a pessoa descobre que a
aceitação que acreditava ter conquistada, de tal ou tal pessoa à sua volta, na verdade, não era
real. Por exemplo, as pessoas soropositivas viram-se, quase sempre, confrontadas com o luto
do amor incondicional dos seus. A confrontação de uma deficiência, em função das
angústias que ela suscita, reduz a capacidade de aceitação de pessoas que estão em volta e
que têm dificuldades de se confrontar ao sofrimento da pessoa, mantendo-se distantes.
Como manifestar seu grau de aceitação ? www.escolaflordavida.com Página 7 Ajudando a
pessoa a restaurar a auto imagem e a auto estima, Ajudando a pessoa a desenvolver uma
maior aceitação de si mesma (freqüentemente as pessoas são muito severas com elas
mesmas : por exemplo, elas não se autorizam ao repouso, elas se sentem culpadas de
estarem doentes…). Lembre-se sempre que nós terapeutas naturalistas, naturoterapeutas,
naturopatas, terapeutas holísticos, psicoterapeutas holísticos e afins, NÃO TRATAMOS
DOENÇAS, quem trata de doença é o médico. Nós TRATAMOS O DESEQUILÍBRIO
ENERGÉTICO E VIBRACIONAL que pode ser a causa de muitas doenças. Perguntas que o
profissional pode se fazer : • Sou capaz de aceitar totalmente a personalidade do outro, em
uma relação de Conselho? • Porquê, algumas vezes, aceito certos comportamentos de uma
pessoa e desaprovo totalmente outros ? • Como posso comunicar minha aceitação em
relação aos sentimentos do outro ? • Se eu desaprovo uma pessoa, o que faço ? Reflexões : •
Posso me sentir ameaçado (a) por certos comportamentos de uma pessoa : É importante que
eu aceite meus próprios sentimentos em relação à esta para em seguida desenvolver minha
aceitação em relação a ela. Ausência de julgamento O julgamento é um obstáculo na
progressão da relação de ajuda. Ele bloqueia a capacidade do outro de se responsabilizar, já
que o mantêm na dependência deste. A relação de Conselho deve se estabelecer sem
julgamento de valor. Perguntas que o profissional pode se fazer : • Eu posso reduzir o receio
que a pessoa tem de ser julgada ? www.escolaflordavida.com Página 8 • Até onde posso
trabalhar minha falta de julgamento ? • Porque o julgamento positivo pode ser tão
ameaçador quanto o julgamento negativo ? Reflexões: • É difícil liberar uma pessoa do seu
próprio receio de ser julgada pelos outros. • Um julgamento positivo significa que nós
avaliamos as capacidades e o valor da pessoa ; ela pode deduzir que poderíamos, da mesma
maneira, atribuir-lhe um valor negativo. Empatia A empatia é uma forma de compreensão
definida como: capacidade de perceber e de compreender os sentimentos de uma outra
pessoa. Diferentemente da simpatia ou da antipatia, a empatia é um processo no qual o
profissional tenta fazer a abstração de seu próprio universo de referência, mas sem perder o
contato com ele, para se centralizar na maneira como a pessoa percebe sua própria realidade.
A empatia se resume em uma questão a ser colocada regularmente: «O que se passa, neste
instante, com a pessoa que está diante de mim ?» Numerosos trabalhos afirmam que a
empatia é fundamental na entrevista e que a qualidade desta está diretamente ligada à
experiência do(a) aconselhado(a) e a qualidade do laço terapêutico, independentemente da
teoria ao qual o terapeuta se identifica. Outros estudos (Mitchell, Bozarth, Krauff et Sloan
por exemplo) demonstram bem sua importância, mas não a consideram como determinante.
A adoção desta atitude é difícil em certas situações graves que nos forçam naturalmente a
nos sentirmos, ao mesmo tempo, afetados, impotentes e que mobilizam em nós, sentimentos
como o da injustiça ou o da inquietude. No entanto, uma pessoa confrontada com uma
situação difícil precisa em primeiro lugar de alguém presente ao seu lado que a ajude à
enfrentar o que ela está vivendo e não uma pessoa que reaja por ela. Pela
www.escolaflordavida.com Página 9 compreensão empática, o conselheiro ajuda a pessoa à
entrar em contato com seus próprios sentimentos e a descobrir o que estes significam. Como
manifestar sua empatia? • Verbalizando o que é percebido na pessoa como emoção
dominante, • Pedindo-lhe para nos dizer o que precisaria mais neste momento, • Tentando
compreender o ponto de vista da pessoa e o reformulando sem tentar transformá-lo ( é por
ela mesma que a pessoa, em um segundo momento, modificará seu ponto de vista da
situação). Os efeitos da empatia na relação de cuidados: • Aumento do nível de auto-estima :
« é possível então compreender o que eu sinto sem me dizer que eu estou errada de pensar
assim »., • Melhora da qualidade da comunicação : « ele não me responde dizendo que ele
também pode morrer a qualquer momento, basta por o pé na rua ». • Abertura à
possibilidade da expressão de emoções profundas : « é verdade que atrás desta raiva se
encontram todos os meus medos ». Perguntas que o profissional pode se fazer : • Posso
entrar no mundo íntimo de uma outra pessoa e conseguir compreender o que ela sente e o
que ela percebe ? • Posso me sentir suficientemente próximo de uma outra pessoa me
sentindo ao mesmo tempo diferente e perder toda vontade de julgá-la e de avaliá-la ?
Reflexões : • Pode ser difícil para mim, dizer a alguém como eu a compreendo
• O mínimo de compreensão reformulada, mesmo incompleta, ajuda consideravelmente o outro a
avançar na compreensão dele mesmo. Congruência A congruência pode ser definida como: « o
estado de espírito » do profissional de aconselhamento quando suas intervenções durante a
entrevista são coerentes com as emoções e as reflexões suscitadas nele pelo paciente. Supõe, da
parte do(a) aconselhador(a), disponibilidade com relação às emoções e aceitação destas. Na
verdade, Rogers desenvolve a hipótese que « a mudança da pessoa é facilitada quando o terapeuta é
o que é » ; quando seus contatos com o cliente são autênticos, sem máscara nem fachada, onde se
expressa abertamente os sentimentos e atitudes que invadem seu interior neste momento preciso. A
congruência do terapeuta vai, de uma certa maneira, autorizar a do cliente. O profissional oferece
um espelho de possíveis efeitos que podem provocar a atitude e o comportamento do cliente numa
relação interpessoal onde a integridade e o profissionalismo do(a) aconselhador(a) dão uma garantia
que este (a) não está colocando na relação suas próprias neuroses. Muitas vezes, isto favorece ao
cliente, entrar em contato com seus próprios sentimentos. Perguntas que o profissional pode se fazer
: • Será que me expresso de maneira a comunicar ao outro a minha imagem ? • Como posso
distinguir minhas próprias reações das dos outros ? • Como posso permitir a uma outra pessoa que
ela possa perceber o que eu sou e me aceitar como tal ? Reflexões : www.escolaflordavida.com
Página 11 • Se posso me mostrar tal como sou, se posso reconhecer e aceitar meus próprios
sentimentos, posso então favorecer, ao outro, o crescimento e o seu desenvolvimento. • Se posso
permitir que o outro descubra certos aspectos de minha personalidade, que ele de toda maneira se
apercebeu, ele poderá se aceitar melhor. Técnicas Questão aberta Esta é uma técnica muitas vezes
usada para recolher informações ou esclarecimentos sobre um ponto preciso. Em princípio, as
questões utilizadas pelo(a)s aconselhadore(a)s são "Questões abertas "necessitando de uma resposta
mais longa que um simples "sim"ou "não". As questões abertas encorajam os clientes a compartilhar
seus pontos de vista com o(a) aconselhador(a). Responsabilizam o cliente, durante a entrevista e lhe
permitem explorar por ele mesmo as atitudes, os sentimentos, os valores e os comportamentos sem
ser influenciado pelo universo de referência do(a) aconselhador(a). O(A) aconselhador(a), através
de suas perguntas deve, essencialmente, ser guiado(a) pelo desejo de compreender e ajudar e não
pelo único desejo de ser informado(a). A maneira de questionar é determinante, a forma e o tom
devem ser o mais distante possível de toda forma parecendo ou lembrando uma inquisição ou um
interrogatório. Como fazer ? A melhor maneira de praticar uma técnica de Questão aberta é a de
focalizar as expressões que são « lugar comum » e que aparecem durante a entrevista considerando
que tudo deve ser sujeito de descrição. Por exemplo, uma frase simples como : "estou triste ", é uma
expressão "lugar comum " que necessita de ser descrita de maneira mais detalhada porque cada
pessoa tem sua própria definição da tristeza. É possível então, por uma simples questão aberta,
tentar focalizar mais precisamente o que a pessoa sente realmente (Seria possível me dizer o que
sente exatamente quando está triste ? No que pensa nestes momentos ? etc.).
www.escolaflordavida.com Página 12 Reformulação dos conteúdos A reformulação do conteúdo
nos permite verificar se compreendemos bem o que a pessoa queria nos dizer, o que permite
refocalizar a entrevista quando esta parece tomar várias direções ao mesmo tempo. A capacidade de
reformar o que o outro acabou de expressar constitui o primeiro nível na aprendizagem da escuta. A
reformulação tem os seguintes objetivos : • Permitir ao profissional verificar seu nível de percepção,
para estar certo que ele compreende bem o que a pessoa está lhe descrevendo. • Fazer a pessoa
entender que ela está realmente sendo escutada ; • Concretizar as observações e os comentários da
pessoa retomando o que ela disse de uma maneira mais concisa. Bases do aconselhamento
Reformulação das emoções e dos sentimentos A reformulação das emoções e dos sentimentos
consiste em tentar reformular as emoções e os sentimentos que uma pessoa vive ou tenta nos
exprimir para ajudá-la a se compreender melhor. Isto supõe que o profissional se concentra não
unicamente no que a pessoa diz, mas também na sua maneira de dizê-lo. As seis emoções de base
são : • o medo (inquieta, desconfiada,…) • a raiva (frustrada, agressiva,…) • a tristeza (abatida,
sofrida,…) • o desgosto (decepcionada, indignada, …) www.escolaflordavida.com Página 13 • a
surpresa (perplexa, espantada,…) • a alegria (satisfeita, contente, …) Existem mais de 200 termos
para expressar os sentimentos. Por exemplo, diante de uma retinite ao CMV, os sentimentos
habitualmente mais exprimido são : confusão, medo, injustiça, inquietação, pavor, impotência,
desvalorização, exasperação, perda, solidão, vulnerabilidade, vergonha, desespero, pânico,
incapacidade, desencorajamento, término, mas também realização, livre escolha, verdade,
autenticidade, infinito, nostalgia, saudade. Como trabalhar os sentimentos negativos ? O
profissional deve funcionar, diante de um sentimento negativo, como um espelho refletindo para a
pessoa seu próprio Ego, ajudando-a a ser capaz de se reorganizar, a partir desta nova percepção.
Quando a pessoa está sem coragem, quando pensou em suicídio, quando se sente abatida pela
doença, a tendência natural é de tentar desdramatizar a situação. Na verdade, é preferível ajudar a
pessoa a se deparar com seus sentimentos e conhecê-los pelo o que eles são, para que ela possa lhes
considerar e fazer alguma coisa à partir disto. Podemos descobrir assim, nesta ocasião, que se
esconde, atrás de um sentimento negativo, um desejo positivo desconhecido da pessoa (ex : no
desencorajamento se esconde uma raiva embaixo da qual se esconde um medo que, ele mesmo,
permite a expressão de um desejo que não ousava realizar). Bases do aconselhamento
Esclarecimento O « esclarecimento » consiste em tornar mais claro certos aspectos evocados
durante a entrevista. O esclarecimento tem como objetivo aumentar a capacidade de análise e de
verbalização do cliente no que concerne as situações, eventos ou sentimentos. Exemplo : "Você
disse que estava decepcionado. Como assim, decepcionada ?" Bases do aconselhamento
Focalização www.escolaflordavida.com Página 14 A « focalização » tem como objetivo estimular o
processo exploratório e de facilitar a resolução de problemas. As funções da focalização : •
Desencadear a expressão de uma emoção mais profunda. • Encontrar a origem de um sentimento. •
Permitir a pessoa de se reapropriar de seu problema. • Facilitar a resolução de problemas. As
perguntas facilitando a focalização : • Poderia tentar me dizer ou imaginar de quem tem raiva ? • O
que tem vontade de dizer para esta pessoa ? Se ela estivesse aqui conosco, o que lhe diria ? • Como
poderia lhe dizer o que sente ? • Como pensa que as pessoas a sua volta vão reagir ? • O que deduz
disto tudo ? • O que vai fazer de tudo que acabou de aprender de si mesmo ? • Como vê a solução
do seu problema ? • O que esta solução supõe ? • Como se sente diante deste novo problema ?
Bases do aconselhamento Confrontação A confrontação consiste em fazer com que a pessoa
descubra seu grau de implicação ou de contradição em uma situação e tem como objetivo ajudar e
esclarecer. A confrontação exige do profissional uma grande confiança na sua capacidade de ajudar
e também da pessoa ou do grupo de progredir. A www.escolaflordavida.com Página 15
confrontação é uma potente « alavanca » propulsora do crescimento das pessoas e do grupo.
Exemplo : « A senhora me diz se sentir livre para tomar esta decisão mas agora à pouco estava
dizendo que com ela nunca se sentiu realmente à vontade. Será que poderíamos voltar a este
sentimento e examinar os meios que tem para tomar esta decisão ? » Os silêncios O aparecimento
de momentos silenciosos é em geral favorável ao processo do aconselhamento, com a exceção dos
silêncios que acontecem no momento das primeiras entrevistas e que podem revelar o medo e o
desconforto do cliente ou do(a) aconselhador(a), ligados ao encontro. A maior parte do(a)s
aconselhadore(a)s ficam em silêncio quando este vem do cliente e intervem em função do lugar
deste na entrevista e do que eles percebem como sendo uma necessidade do cliente. O silêncio
favorece o começo da relação da pessoa com ela mesma. Será um momento de elaboração
importante se puder ser vivido na presença de uma outra pessoa. Ele favoriza a auto-
conscientização e faz descobrir uma outra forma de presença no mundo. Tipos de silêncio : • a
pausa depois da expressão de um sentimento • a passagem de um tema a um outro • a pausa
contemplativa • a pausa dolorosa • de timidez • a necessidade de apoio • depois da descoberta.
Premissas para um terapeuta. www.escolaflordavida.com Página 16  Tem que mostrar amor, ser
gentil e humilde, antes de ser terapeuta de terceiros deve ser de si próprio;  Tem o papel de difundir
a luz;  Deve estar sintonizado com o Universo, ter luz e estar na luz;  O ego e arrogância são
inimigos número 1 do terapeuta;  Deve entrar constantemente em expansão de consciência, ter o
costume de rezar a sua maneira, meditar, etc;  Manter sentimento de unidade com o Universo; 
Saber cuidar de todos os seus corpos (físico, emocional, mental e espiritual);  Estar consciente que
é um ser humano em evolução;  Ter uma missão. Missão do terapeuta.  Passar amor e bons
ensinamentos;  Transmitir luz, conhecimento, paz;  Canal regenerador de cura do planeta e do
universo;  Ensinar amor;  Buscar com suas atitudes o equilíbrio de todos os corpos seus e de todos
os seres vivos do planeta e do universo;  Ensinar as pessoas a aprenderem a aprender, ou melhor,
ajudar as pessoas a se ajudarem. Qualidades pessoais de um terapeuta holístico.