Você está na página 1de 12

Planejamento de Campanha Eleitoral

Aula 3

Prof. Ricieri Garbelini

Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico (CCDD)


Conversa Inicial

Olá! Seja bem-vindo à disciplina de Planejamento Estratégico de


Campanha Eleitoral!

Hoje conheceremos um pouco sobre o planejamento dos recursos humanos


de uma campanha eleitoral. Nesta aula você aprenderá como preparar a equipe
que irá compor a plataforma do seu candidato, de forma leva-lo à vitória nas
eleições. Portanto, conheceremos quais são os objetivos e como deve ser feito este
planejamento e recrutamento de pessoas que adicionarão na militância da
campanha eleitoral.

Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico (CCDD) 1


Contextualizando

O sucesso de uma campanha eleitoral depende de uma equipe bem


estruturada, para que sejam estabelecidos as metas entre o candidato e os seus
apoiadores mais íntimos, e que tenha um enfoque empresarial. Para isso, é preciso
formar uma equipe de confiança, que vista a camisa, que trabalhe em harmonia e
tenha foco nos objetivos de campanha.
Assim, uma equipe deve ser dividida em duas categorias: os políticos e os
técnicos, para que o candidato possa organizar seu trabalho, com base no
organograma, programando funções e assegurando-se que cada um esteja
preparado e motivado o suficiente para poder apresentar suas propostas e
conquistar votos. A partir dessa escolha, é preciso investir no treinamento do
pessoal.

Confira, no material on-line, a apresentação que o professor Ricieri faz sobre


os temas que serão apresentados no decorrer desta aula!

Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico (CCDD) 2


Pesquise

Determinando a Função da Equipe

O candidato deve deixar que cada especialista “cuide” da sua área e ao


mesmo tempo respeite o trabalho realizado por seus companheiros de campanha,
pois todos tendem a ganhar com a eleição do candidato.
O assessor de marketing político tem como pré-requisitos a autoconfiança,
a ousadia e a mente aberta, longe de preconceito e restrições, devendo manter-se
na realidade. Algumas características principais (KUNTZ, 2006):

 Interessar-se pela compreensão do ser humano, as suas emoções e razões.


 Ampliar a capacidade do pensar e refletir sobre onde se quer chegar.
 Estar atento e perceber as diferenças e influências que o meio, a cultura e
os fatores socioeconômicos exercem sobre o comportamento coletivo e
individual.
 Sempre estar atualizado sobre novas tecnologias, técnicas, mídias
alternativas e experiências na área da psicologia social e comunicação de
massa.

O marketing político não se restringe em apenas realizar operações de


construção da imagem de um candidato e sim mantê-la, o que acaba exigindo
competência e originalidade por parte desse profissional.

Confira, no material on-line, as explicações que o professor apresenta sobre


as funções de cada membro da equipe!

Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico (CCDD) 3


Organograma da Equipe

O organograma ideal é desenvolvido sob medida ao candidato e, pode ser


obtido por meio de algumas premissas (KUNTZ, 2006):
 A abrangência territorial da campanha — quando se aumenta o território
a ser coberto pela campanha, maiores serão as exigências de novas
coordenadorias regionais e municipais que possam assegurar a eficácia na
elaboração e aplicação das estratégias.
 O desmembramento das atividades a serem desenvolvidas — ao
identificar as atividades a serem desenvolvidas durante toda a campanha,
deve-se agrupar sob a direção em função de sua natureza e de seu caráter.
 A natureza do cargo disputado — é um dos fatores determinantes para a
estrutura a ser desenvolvida. As necessidades para campanhas municipais,
estaduais e federais são extremamente diferentes.
 A estratégia determinada pelo candidato — levar em consideração a
mesma determinada para a campanha, pois vai exigir subdivisões de tarefas
em função dos alvos objetivados, acabando por estabelecer a abrangência
territorial a ser explorada na campanha.

Assista à videoaula, disponível no mateial on-line, e compreenda melhor o


organograma da Equipe de Campanha Eleitoral!

Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico (CCDD) 4


Assessoria de Marketing Politico

A Assessoria de Marketing Político deve conhecer todas as atividades que


cercam o desenvolvimento de uma campanha política, nas áreas promocionais,
operacionais e política.
Assim, o Assessor de Marketing tem como obrigação conhecer tudo e todos
da campanha eleitoral, sendo conteúdo material ou pessoal; ao mesmo tempo não
deve centralizar todas as decisões e funções, pois cada um possui o seu papel
específico e suas especialidades.
Esse profissional deve organizar toda a logística necessária para os
materiais e serviços utilizados no decorrer da campanha, para que se possa
assessorar o candidato quanto ao conteúdo de seus pronunciamentos e
participação na produção nas exposições do candidato em programas de televisão
e rádios.
O sucesso da aplicação de um programa de marketing político resulta da
ampla satisfação das necessidades e expectativas dos eleitores relativamente ao
que anseiam em uma organização política.
O Assessor de Marketing é importante na medida em que funciona como um
estrategista, que define as linhas de ação, orienta a escolha do discurso, ajusta as
linguagens, define padrões de qualidade técnica, sugerindo iniciativas e
ponderando sobre o programa do candidato, os compromissos e ações a serem
empreendidas. Ele precisa ser um estrategista, com uma visão sistêmica de todos
os eixos do marketing, entendendo da campanha e sendo capaz de visualizar todos
os nichos possíveis de interesse de uma sociedade exigente, crítica e sensível aos
mandos e desmandos dos governantes.

Acompanhe a videoaula, disponível no material on-line, e conheça como a


assessoria de marketing político é estruturado!

Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico (CCDD) 5


Alternativas Estratégicas

É superimportante que o candidato tenha a habilidade de associar grupos de


trabalho voluntários, pois essas pessoas têm capacidade de trabalhar diretamente
com o eleitor, com os seus vizinhos, parentes, enfim diretamente com aqueles que
mais têm afinidade. Os voluntários levam a voz do candidato por caminhos que
muitas vezes as campanhas publicitárias não têm como atingir.
Para ser lembrado, é preciso se diferenciar dos demais. Isso vale tanto para
o marketing de produtos como para o marketing de políticos, de governos ou
instituições.

Confira, no material on-line, o professor apresentar mais informações sobre


as alternativas de estratégias na campanha eleitoral.

Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico (CCDD) 6


O Conselho Político

O respeito e a autoridade que um candidato faz jus por parte de sua equipe
não poderão jamais ser delegados em sua plenitude a nenhum dos integrantes das
diretorias de campanha; isso define a diferença entre o candidato e seu chefe de
campanha, já que o candidato determina o que, como e quando deve ser feito e o
chefe supervisiona, controla e apoia.
O ideal é que as reuniões do conselho sejam realizadas em duas etapas
distintas (KUNTZ, 2006):

1. Participação de todas as coordenações e convidados especiais, quando são


trazidos problemas, sugestões e informações sobre o andamento da
campanha eleitoral. Nessa etapa o candidato se abstém de tomar qualquer
tipo de posição definitiva, comprometendo-se a estudar todas as questões
tratadas, para posteriormente se manifestar com uma postura definida.
Aproveitar, nessa reunião, para motivar os auxiliares e determinar ações
baseadas nas decisões tomadas sobre os temas pendentes.
2. Na segunda etapa, o candidato toma as decisões em conjuntura com seu
chefe de campanha e concentra um núcleo pequeno para que se evite
longas e estéreis discussões, palpites e outros problemas que podem vir a
surgir. Aqui, o candidato tem a oportunidade de parecer mais democrático,
ouvindo o que cada um tem a dizer sobre o assunto; entretanto, mesmo com
essa postura, ele deve parecer seguro e firme nas decisões a tomar.

Assim, todas as ordens e decisões tomadas na campanha devem ser


transmitidas aos coordenadores pelo próprio candidato, para que se evite a
ocorrência de ciúmes entre os coordenadores, evidenciando-se a todos que o
candidato é o chefe e que tem tudo a seu controle.

Confira, na videoaula, disponível no material on-line, como o conselho


político deve agir!

Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico (CCDD) 7


Trocando Ideias

Aprendemos muita coisa nesta aula, não é mesmo?

Aproveite este momento para interagir com seus colegas de curso, por meio
do fórum, disponível no Ambiente Virtual de Aprendizagem, trocando ideias e
discutindo sobre:
Qual a importância do planejamento estratégico de um recrutamento
humano para a campanha eleitoral?

Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico (CCDD) 8


Na Prática

Nesta aula aprendemos que com uma boa estratégia somada a uma equipe
de comunicação bem estruturada e treinada é possível vencer uma eleição!
Reflita sobre essa afirmação e aproveite para treinar pesquisando sobre as
campanhas eleitorais de diversos anos e governos. Faça uma comparação de
como era a 10 anos atrás e como as campanhas eleitorais estão atualmente; não
se esqueça de traçar as semelhanças entre as peças publicitárias dos candidatos
vencedores, ao longo dos anos!

Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico (CCDD) 9


Síntese

Nesta aula conhecemos quais são os objetivos e como são feitos os


planejamentos e o recrutamento das pessoas que trabalharão na campanha
eleitoral.
Comentamos, também, sobre a real importância da seleção do coordenador
de campanha e dos demais segmentos da equipe, além de qual deve ser a função
do coordenador em relação aos seus “subordinados”.

Acompanhe, no material on-line, a síntese que o professor Ricieri faz desta


aula!

Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico (CCDD) 10


Referências

BARREIRA JUNIOR, E.; COSTA, T. (org.). Um Guia Prático de como planejar


uma Campanha Eleitoral 2.0 e fazer monitoramento político. Disponível em:
<www.scup.com.br>. Acesso em: 20 jul.2015.

KOTLER, P. KELLER, K. L. Administração de Marketing. 12ª ed. São Paulo:


Prentice Hall Brasil, 2006.

KUNTZ, RONALD A. Marketing Político. Manual de Campanha Eleitoral. São


Paulo: Global, 2006.

Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico (CCDD) 11

Você também pode gostar