Você está na página 1de 455
DRUNVA LO MELêHlZEDE K OO // \\ nn tt íí gg oo •• SSee gg
DRUNVA LO MELêHlZEDE K
OO
// \\
nn
tt
íí gg
oo
•• SSee
gg rr ee ddoo
ddaa
FF
ll oorr
dd
aa
VV
ii dd
aa
VOLUME 2
Tradução
Henrique A. R. Monteiro
Revisão Técnica
Eloisa Zarzur Cury
Maria Lúiza Abdalla Renzo
PPeeEnEnddssaaiittmmoorreeaannttoo
SÃOPAULO,
Cânone de Lenoardo daVinci comasgeometiras sagraasdda oFrl daVida.
Cânone de Lenoardo daVinci
comasgeometiras sagraasdda oFrl daVida.
NNOOTTAA AAOO LLEEIITTOORR OO CCuurrssoo FFlloorr ddaa VViiddaa ffooii aapprreesseennttaaddoo
NNOOTTAA AAOO LLEEIITTOORR
OO CCuurrssoo FFlloorr ddaa VViiddaa ffooii aapprreesseennttaaddoo iinntteerrnnaacciioonnaallmmeennttee ppoorr DDrruunnvvaalloo ddee 11**^^8855
aa 11999944 EEssttee lliivvrroo ssee bbaasseeiiaa nnaa ttrraannssccrriiççããoo ddaa tteerrcceeiirraa vveerrssããoo ooffiicciiaall ddoo CCuurrssoo FFlloorr dd »»
VViiddaa eemm ffiittaass ddee vvííddeeoo,, oo qquuaall ffooii aapprreesseennttaaddoo eemm FFaaiirrffiicckkll lloowwaa ((EEUUAA)),, eemm oouuttuubbrroo
ddee 11999933
CCaaddaa ccaappííttuulloo ddeessttee lliivvrroo ccoorrrreessppoonnddoo mmaaiiss oouu mmeennooss àà nnuummeerraaççããoo ddaa ffuuaa
ddee vvííddeeoo ddoo ccuurrssoo
EEnnttrreett aannttoo,, mmuuddaamm ooss eessssee ffoorr mmaattoo nn aa ttrraannss ccrriiççããoo qquuaanndd oo nnee cceessssáá
rriioo,, ppaarraa ttoorrnnaarr aa ccoommpprreeeennssããoo mmaaiiss ccllaarraa AAssssiimm,, aalltteerraammooss ooss ppaarráággrraaffooss ee aass ffrraasseess
ee ooccaassiioonnaallmmeennttee aattee mmeessmmoo ppaarrtteess iinntteeiirraass ppaarraa ooss lluuggaarreess qquuee ccoonnssiiddeerraammooss iiddeeaaiiss,,
ddee mmooddoo qquuee vvooccêêss,, lleeiittoorreess,, ppoossssaamm aaccoommppaannhhaarr ooss ppeennssaammeennttooss ccoomm oo mmaaxxuunnoo ddee
ffaacciilliiddaaddee
OObbsseerrvveemm qquuee
rreecceemm eemm nneeggrriittoo
acrescentamos
aattuuaalliizzaaççõõeess
ao longo de todo
oo lliivvrroo ,, aass qquuaaiiss aappaa
Essas atualizações normalmente
iimmeedd iiaattaamm eenntt ee eemm sseegguuiiddaa ddaass
iinnííooii mmaa<<,,ooeess aannttiiggaass
ccoommeeççaamm eemm uumm nnoovvoo ppaarráággrraaffoo,,
ii oo nnssiiddeerraa nnddoo qquuee ffoorr aamm aapp rreessee nn
ttaaddaass mmuuiittaass iinnffoorrmmaaççõõeess nnoo scminai io. di\ idimos os assuntos cm ddooiiss vvoolluumm eess,, ccaadd aa
uumm ddooss qquuaaiiss com oo sseeuu próprio .sumario I ste segundo volume começa nnoo ccaappiittuulloo
nnoovvee ((ooss ooiittoo pprriimmeeiirrooss encontram-se no pprriimmeeiirroo vvoolluummee))
9
SSUUMMÁÁRRIIOO introdução • •.••• s NOVE O Espírito e a Geometria Sagrada 19 . O
SSUUMMÁÁRRIIOO
introdução
•.•••
s
NOVE
O Espírito e a Geometria Sagrada
19
.
O Terceiro Sistema Informacional no Fruto da Vida .
19
. Os Círculose Quadradosda Consciência^Humana
19
^ Encontrando as Razões Phi Quáse
L
.
1
21
O
Primeiro e o Terceiro Níveis de C onsciência:
• 22
:: ‘lioòalizàndq o,Segundo NíveL
v
,
:••••••
23
Lentes Geométricas para Interpretar a Realidad
e
/
‘24)31
Sobrepondo o Fruto da Vida
^, *25
£)’Gêiiio de Lüçie
!
!
'
t.25^
A
Escada de Lucie
tj||i|
Nota Marginal: AGeometriaSagradaÉum Projeto “Faça VocêMesmo”
■-
30
As Três Um Tropeço Lentes na Escada
31 30
As Raízes Quadradas e os Triângulos 3-4-5„
!r^.^
.3^
O
Glho de Leonardo e da CBS
34
A 10 por 12 de Vitrúvio
;
36
10
Mil Anos para Descobrir
/
37
j
;
Vitrúvio e a Grande Pir âmide
39
A Busca de uma 14 por 18
,40
O
Leonardo Desconhecido
'
41
Uma As Grande Proporções Sincronicidade entre a Terra e a Ljua
v
,46;
As Proporções entre a Terra, a Lua e as Pirâmides
;48
Os Aposentos da Grande Pirâmide
48
ç :j^te^o
sen tos
;
O
Processo de Iniciação,
ih.:?
Refletores e Absorvedores de Luz acima da Câmara doj R e w
■Comparando
os Níve is de C onsciê ncia ;
K*
53
;h Captando a Luz Branca
ȒS4!
A Prova da: Câmara de Iniciação.,
|
i
l56
U
Captando a Luz Escura Os Salões de Amenti e a Face deJesus CO Resumo do
Captando a Luz Escura
Os Salões de Amenti e a Face deJesus
CO
Resumo do Processo de Iniciação
DO
DEZ
A Escola
de M istério s do Olho Esq ue rdo de H ó ru s
61
Iniciações Egípcias
64
A
Iniciação do Crocodilo em Kom Ombo
64
O
Poço debaixo da Grande Pirâmide
69
O
Túnel sob a Grande Pirâmide
71
Os Háthores
Dendera
Uma Concepção Imaculada
81
82
85
Os Partos Virginais no Mundo
Partenogênese
85
87
A
Concepção em uma Dimensão Diferente
8
8
A Gênese de Thoth e a Sua Árvore Genealógica
Uma Linhagem Terrestre Viaja pelo Espaço
8
8
89
A Flor da Vida na Perspectiva Feminina
Rodas no Teto
90
96
A
Geometria das Rodas Egípcias
97
ONZE
Influên
cias An tigas sobre
o M undo
Mod ern o
103
A Elevação Helíaca de Sírius
111
Virgem e Leão, Aquário e Peixes
112
A
Implicação dos Quatro Cantos
113
O
Experimento Filadélfia
113
DOZE
O Mer-K a-Ba, o Corp o de Luz H um ano
1
1 9
As Geometrias do Sistema de Chakras Humano
1
2 0
1 2 1
O Os Ovo Chakras da Vida Humanos Desdobrado e a Escala e a Escala Musical Musical
125
A Parede com uma Passagem Oculta
127
Maneiras de Encontrar a Passagem Secreta
128
Os Chakras na Nossa Estrela Tetraédrica
1 3
1
O Sistema Egípcio de Treze Chakras
.
.
131
Descobrindo a Verdadeira Posição dos Chakras
Um Mapa dos Chakras na Superfície do Corpo
1 3 3
1 3 4
12
12
<Um MovimBnto-Diferente*vQsbrea Estrela Tetraédnca : D-O'"'s Cinco Canáis deíEpzTèrn. Espir.a i.s
<Um MovimBnto-Diferente*vQsbrea Estrela Tetraédnca
:
D-O'"'s Cinco Canáis deíEpzTèrn. Espir.a i.s
Faça-se a £uz
A Energia Sexual Egípcia e o 'Ófgasmtív
*<&****■
:
1^4
Jr ,
As 64 Configuraçõesde Personalidades Sexuais
ppi^ruçõès para'o^drgasnío
146
14T"
Além|l'ó Quinto Chakra
jP§Pass~ândô p%lüSemittímiFinal
•W
•••••'1
& ||
150
Os Campos de Energia ao Redor do Corpo
1 5 1
<-T$ebin-oV‘‘tíf'Àuras
Òr.Restante do Corpo de LuzSMmano-.v.'.-1
*
153
"
.
'
>
. w
1
'156 Ò'
TREZE
As G eo m etr ias e a Med itaç ão do MèrLKa-Ba
:
157*'
A Estrela Tetraédrica, a Origem de Todos os Campos Geométricos
ao Redor do C orpo
A Respiração Esférica e a Lembrança do Mer-Ka-B
Visão Geral da Meditação
Parte 1: As Primeiras Seis
158a
a
161-;
162(
//
vv
íí
^^
::::
^^
^^
**116633
Parte 2: As SeteRespiraçõesSeguintes, Recriandoa Respiração Esférica,.;; 165
Parte 3: A 14aRéspiração
168^
Parte 4: As Três Últimas Respirações, Criando o Veículó da A sc é risã ô ‘169
Informações Adicionais e
os Problemas que as Pessoas
1 1 às Vezes Experimentam
Problemas e Mal-entendidos Secundários
173%
.o-.4^S76'
A Aceleração do Espírito na Matéria
,ü^
8 i
Uma Visão Geral do Campo de Energia Humano além do Mer-Ka-Ba
Í78
CATORZE
O Mer-Ka -Ba e os S id is
I 8jfc
Outros Usos do Mer-Ka-Ba
185J
Meditação.:
.«.■•••>
»186j
Os Sidis, ou os Poc|eres Psíquicos
í| Programando Cristais
.:.yj}./*&?.
8 7
188
Programas do Mer-Ka-Ba
18^1
Maneiras de Manifestar o Vinho
w
^
.-^f%l8 Q-
4
O Galão de Combustível
190
A Pilha de D inheiro
,v„
.v,:
19.í|
A Segunda Pilha
*
192,,:
&
Quatro Maneira s d e Prog ram ar o Mer-Ka-Ba^ç^ :*.vVkàh
;
,
Programação Masculina
:
I 9 4
PPrrooggrraammaaççããoo FFeemmiinniinnaa PPrrooggrraammaaççããoo AAmmbbooss AA PPrrooggrraammaaççããoo
PPrrooggrraammaaççããoo FFeemmiinniinnaa
PPrrooggrraammaaççããoo AAmmbbooss AA
PPrrooggrraammaaççããoo NNeennhhuumm
nn
66
--
uu
119966
||
OO MMeerr--KKaa--BBaa SSuubbssttiittuuttoo
CCoonncclluussããoo
119977
119977
QQUUIINN ZZEE AAmmoorr ee CC uurraa
AAmmoorr éé CCrriiaaççããoo
““CCuurraa--ttee
aa TTii MMeessmmoo””
220022
CCuurraannddoo
OOuuttrraass
PPeessssooaass
220044
MMeennssaaggeemm FFiinnaall ee uummaa HHiissttóórriiaa
221111
DDEEZZEESSSS EEIISS
OO ss TTrrêê ss NN íívveeiiss
ddoo SSee rr
221133
OO EEuu IInnffeerriioorr —— aa MMããee TTeerrrraa
221177
OO EEuu SSuuppeerriioorr —— TTuuddoo oo qquuee EExxiissttee
222200
DDooss MMeeuuss TTeexxttooss AAnnttiiggooss —— VViivveerr ccoommoo uummaa CCrriiaannççaa
222211
CCoommoo éé aa VViiddaa QQuuaannddoo TTeemmooss CCoonnttaattoo ccoomm oo EEuu SSuuppeerriioorr
222233
CCoommuunniiccaannddoo--ssee ccoomm TTuuddoo eemm TTooddaa PPaarrttee
222255
PPrreevveennddoo oo FFuuttuurroo
222266
AAss LLiiççõõeess ddooss SSeettee AAnnjjooss
222288
TTeessttaannddoo aa RReeaalliiddaaddee ddaa SSuuaa CCoonneexxããoo ccoomm oo SSeeuu EEuu SSuuppeerriioorr
223300
DDEEZZEE SSSSEETTEE
TTrraannsscceennddeennddoo
aa DD uu aalliidd aadd ee
223333
FFaazzeennddoo JJuullggaammeennttooss
223333
OO EExxppeerriimmeennttoo ddee LLúúcciiffeerr:: DDuuaalliiddaaddee
OO BBrriillhhaannttee ee RReessppllaannddeecceennttee
223333
223344
JJ
CCrriiaannddoo uummaa RReeaalliiddaaddee DDuuaalliissttaa
22
33 66
ee
HHuummaannooss TTeerrrreessttrreess ccoommoo oo FFooccoo ddoo EExxppeerriimmeennttoo
UUssaannddoo oo IInntteelleeccttoo sseemm AAmmoorr
OO TTeerrcceeiirroo CCaammiinnhhoo,, ddaa IInntteeggrraaççããoo
224400
224400
224422
OO EExxppeerriimmeennttoo SSiirriiaannoo
MMeeuuss TTrrêêss DDiiaass nnoo EEssppaaççoo
RReeccoonnssiiddeerraannddoo aa TTeeccnnoollooggiiaa
AA HHiissttóórriiaa ddoo EExxppeerriimmeennttoo SSiirriiaannoo
OO 77 ddee AAggoossttoo ddee 11997722 ee ooss SSeeuuss BBoonnss RReessuullttaaddooss
OO RReettoorrnnoo aaoo LLiivvrree--aarrbbííttrriioo ee aass IInneessppeerraaddaass CCoonnsseeqqüüêênncciiaass PPoossiittiivvaass
224422
224422
\\
224444
224455
||jj
224488
224499
14
14
DDEEZZOOIITTOO A MMuuddaannççaa DDiimmeennssiioonnaall AA GGrraannddee MMuuddaannççaa PPaannoorraammaa ddee uummaa
DDEEZZOOIITTOO
A MMuuddaannççaa DDiimmeennssiioonnaall
AA GGrraannddee MMuuddaannççaa
PPaannoorraammaa ddee uummaa MMuuddaannççaa DDiimmeennssiioonnaall
225511
225522
Os Primeiros Sina is
A Fase Anterior à Mudança
Cinco a Seis Horas antes da Mudança
Objetos Sintéticos e as Formas-pensamento da Realidade de Lúcifer
252
254
254
255
Mudanças Planetárias
25/
A
Experiência de uma Mudança Planetária Real
257
Seis Horas antes da Mudança
258
O
Vazio — Três Dias de Escuridão
259
O
Novo Nascimento
260
Seus Pensamentos e a Sobrevivência
261
Como Preparar-se: O Segredo da Vida Cotidiana
263
Esta Transição Ú nica
265
DEZENOVE
As Novas
C ri anças
267
O Atual Aumento do Conhecimento
267
Mutações Humanas, Históricas e Recentes
Mudanças no DNA em Tipos Sanguíneos
As Crianças índigo
Os Filhos da AIDS
269
270
271
273
O Código da Bíblia e a AIDS
274
As Crianças Supermédiuns
275
A Mudança Quadridim ensional e as Supercrianças
279
A Vida é Grandiosa, um Epílogo
280
Nota ao Leitor
281
Fontes de Consulta
283
Modelo para Montar uma Estrela Tetraédri ca (no final do livro)
287
15
IINNTTRROODDUUÇÇÃÃOO Enco ntram o-nos de novo, para explorar junto s a vastidão de quem somos,
IINNTTRROODDUUÇÇÃÃOO
Enco ntram o-nos de novo, para explorar junto s a vastidão de quem somos, é no
vame nte ref letir sobre o mesm o antigo segredo de que
a vid àé um mistérfcflindõ^qué 5
nos lev a para o nde imaginarmos.
O volume 2 contém as instruções para a meditação que me foram srcinalmente-
ensinadas pelos anjos, para entrar no estado de con sciência chamado M er-Ka-Ba1^
em termos modernos, chamado o corpo de luz humano. O nosso corpo de luz guarda?
a possibilidade para o potencial humano dè transcender em uma nova tradução do
universo que consideramos muito familiar. Dentro de um estado de consciência es-?
pecífico, todas as coisas podem começar de novo, e a vida muda de uma maneira que.
parece milagrosa.
Essas palavras falam mais de re
cordaç ão do que de aprendi zado òu ensina mento!
Vocêsjá sabem o qu e está nestas páginas, porq
ue isso est á inscrito em todas as célula
s
do se u co rpo, m as tam bém está oculto no fundo do seu cor ação e da sua mente, onde
tudo o que é realmen te necessár io é ap enas um simpl es empurrãozinho.
Com o amor que sinto por vocês e pela vida em todos os-lugares, ofereço estas,
imagens e esta visão a vocês, para que venha m a ser úteis; para que ps aproxime m ainda
mais da c om preensão pessoa l de que o Grande Espír ito está íntima e carinhosamen te„
ligado à sua essência; e com os votos de que estas palavras sejam o catahsadfcfj| que
abra o ca min ho p ara vocês na dir eção dos mundos superi ores.
Vocês e eu vivem os em u m m ome nto de grande importânc ia na história
da Terra,.
O mundo está se metamorfoseando radicalmente enquanto os computadoresjje^oJ|
humanos entram em uma relação simbiótica, oferecendo à Mãe.Terra-dois modos de
ver e in ter preta r os eventos mund iais. Ela está usando
essa nova vi são paragàltera^^e
abrir criança os c possa am inhos entender. pa ra A os nossa mu ndos Mãe superiores nos ama muito. de l uz de um modo que até mesmo u ma,
Nós, os seus filhos, caminhamos agora entre os dois mundos
a-jie.ssaividax.QMa
diana comum e um mundo que ul trap assa os sonho s até mes mo <dgstno)ssô&ancestrais,
mais velhos. Com o amor da nossa Mãe e a ajuda do nosso Pài, encontraremos um
caminho para curar o coração das pessoas e transformar este mundó para,qué|volte
ao estado de consciência de unidade outra vez.
Que vocês possam desfrutar o que estão prestes a ler e que Issõ^sèja verdadeira
me nte um a bênção na sua vi da.
Em amor e serviço,
NOVE OO EEssppíírriittoo ee aa GGeeoommeettrriiaa SSaaggrraaddaa O Terceir o Sistema Informacional no Fruto da
NOVE
OO EEssppíírriittoo ee aa
GGeeoommeettrriiaa SSaaggrraaddaa
O
Terceir o Sistema Informacional
no Fruto da Vida
qúè vocês estão prestes a ler é um assunto fora dãcom-
preensão da maior parte do pensamento humano: Péçõ
que leiam com um pouco de fé e que Cuidadosamente
comecem a ver de uma maneira diferente; Isso pode não fazer
sentido enquanto vocês não estiverem completamente mergulhados no assunto. Isso
gira O em tomo da ideia de que toda consciênciai,ncluindo a humana, é unicamente ba
seada na geometria sagrada.Por causa disso podemos começar a ver e compreender*
de onde viemos, onde estamos agora e para onde estamos indo.
Lembrem-se de que o Fruto da Vida é a base de todos ^s treze sistemas’informas
cionais, e que é pela superposição das linhas retas masGulinas^de um modíp espegiaè
aos círculos femininos do Fruto daVidaque esses sistemas são eriados.-^ps p rijn eip ^,
oito capítulos estudamos dois desses sistemas. O primeiro sistema crifm&cgCubo de
Metatron, que gerou os cinc o sólidos platônicos. Essas formas criaram ^s tr utu ra ao
longo de todo o universo.
O segundo sistemá, de que tratamos ligeiramente, foi criado pelas linhas retas ■
provenientès dó cehtro do Fruto da yi^a é pelos círculos còncêjitrigõ^xriando assim
o
gráfico polar. Isso por sua vez criou a estrela te traédrica in scrita enruma esfera, dUé
a base de como a vibração, o som, a harmonia, a música-e a matéria festão^iriter-j;^
lacionados em toda a criação.
é
Os Círculos e Quadrados da Consciência Humana
Trataremos desse terceiro sistema informacional indiretamente. A fonte, o Fruto
da Vida, irá revelar-se à medida que^prqsseguirmos. Chamaremos a^e^sj novo siste
ma de círculps equadrados dac o n s c iê n c ia ,h u m a n a . çhiqeses çhamaram de^
circularizar o quadrado e^dW^afura do
4círculo.^
M
De acordo com Thoth, todos os ní veis de consciência do u niver so são
De acordo com Thoth,
todos os ní veis de consciência do u
niver so são integrado s
por uma única imagem da geometria sagrada. Ela é a chave para o tempo, o espaço e a
dimensão, assim como para a própr ia consci ência. Th oth tamb ém disse que até mesmo
as emoções e os pensamentos baseiam-s e na geometria sagrada, m as esse assu nto terá
de esperar até mais adiante neste livro.
Para cada nível de consciência existe uma geometria associada que define com
pletamente como esse nível de consciência específico interpretará a Realidade única.
Cada nível é uma imagem ou lente geométrica através da qual o espírito olha para
mesmo ver a Realidade a hierarquia única, espiritual resultando do universo em uma é experiência geométrica completamente na sua estrutura, única. copiando Até
a natureza.
De acordo com Thoth, há nove bolas de cristal embaixo da Esfinge, uma dentro
da outra. Os arqueólogos e os méd iuns esti veram em busca dessas bolas de c ristal po r
muito tempo — essa é uma lenda antiga. Diz-se que essas bolas de cristal se acham
de alguma forma ligadas à consciência da Terra e aos três níveis de consciência pelos
quais os humanos estão passando atualmente.
Diversos buscado res procuraram as nove es feras, gastando m uito tempo e dinheiro
nisso, nove círculos mas, de concêntricos, acordo com T que hoth, serão não igualmente precisamos tão das reveladores bolas de cri quanto stal; as basta próprias d ese nha r
bolas. Se eles soubessem que buscavam a geometria e a consciência, e não necessaria
mente um objeto, chegariam ao conhecimento com muito mais facilidade.
De acordo com T hoth, se vocês se aproximassem de um p
laneta q ue n un ca v iram
antes e quisesse m conhecer os vários nív eis de consciência existentes nesse plane ta,
deveriam tomar alguns dos seres habitantes nesse planeta e medi-los, supondo que
pudessem prendê-los por tempo suficiente. A partir dessa medidas, poderiam deter
minar as proporç ões entre os quadrados e cí rculos sagrados li gadas ao co rpo deles, e
com essas informações determinar o seu exato nível de consciência.
Ilustração 9-1. Círculos e
quadrados concêntricos. Os
círculos e quadrados mais
escuros são os pares que se
aproximam da razão Phi. Eles
também indicam o primeiro e
o terceiro nível de consciên
cia humana. (Uma unidade
da do círculo rede eqüivale central a oumàeta- umraio
de do lado do quadrado que
o
envolve. Pode-se notar que
o
diâmetro do círculo central
e
uma aresta do quadrado
que o envolve são do mesmo
comprimento.)
20
'• .Outrasproporções, sempre derivadas do cubo*sao Usadas para determinar õs níveis de consciência em outras
'• .Outrasproporções, sempre derivadas do cubo*sao Usadas para determinar õs níveis
de consciência em outras formas de vida além dã humana,' tais comoanimais,-insetos
eeJctrâterrestres1,mas/úo*casd5dos-humanos, é ado círõülo;em reláçãõWquadradò.
©báervandòse õ';d][ifàdrado que se encaixa ao redor
máior ou mèfôõf què
0%írènlo qífe sè;éncá ixa ao r edo r do corpbf e ex atame nte p or qua nto, vocês*pod em
determina r comò èlès traduze m a Realid ade e exatamente ém qu
e nível de consciên
cia-sê ^êõ ntra m . Há m odo s mais ráp idos,f:iia verdade, mâs ^ ^ í l fundament al para
á ^ío pria exist ência.
^ Tho th dis se para desenhar nóve
círcul os concêntr icos é colocar üm quadrado áõ
fedo r idecada um , de mo do quê ele se encai xe perfeitamente’ (um lado do quad rado e o
diâmetro dò círculo intern o serão iguais), como na Ilustraçã o 9-í! Dessa maneira, voc ês
têm energias masculina e feminina igu ais. Éritã ó vèjãm C omo òs quad radó sintera gem
com os cír culos — còm o a energia m asculina inte rage com a energia feminina.
À chiavè,
de acordo com T hoth , é até que ponto o perímetro do qu
adrado è:a circunferênci a dó
círèulo aprox imam -se da razão Phi.
Essa é a chave da vida hum ana.
Encontrando as Razões Phi Quase Perfeitas
Observando-se o quadrado mais interno, nenhum círculo o cruza; o mesmo se
aplica ap segund o quadrado.
O terc eiro quadrado
começa a penetrar no
quarto círculo,
emb ora obviam ente essa não seja uma razão Phi, Entretanto, o quarto quad rado pen etra
no quin to círcul o no que parece ser uma razão Phi quase perfeita. Depois desapareceja
razão Phi nova mente no quinto.e sexto quadrados. Então, ines perada mente, ,© sétimo
quadrado p enetra no nono círculo novamente no que parece-ser um a razão Phi quase
perfeita — não um círculo além, como foi no quarto quadrado ,e np .quintOi círculo,
mas dois círculos além. E esse é ainda mais próximo da Proporção Áurea — a razão
Phi de 1,6180339
1*]Esse é o começo
sÉI do que o pri
meiro.
de um a progressão geométrica qu
e con tinua ria e terna mente, um a
progressão sideramos com em que tanta nós pretensã humanos o!) Usando somos a apenas vida intei o segundo ra de um passo hum possível. ano como (E^os-eonç o padrão
de medida, na história humana estamos agora no nível de consciência representado
pelo desenvolvimento do zigoto humano logo depois da formação da primeira Céluláí
A vida no universo está além de qualquer coisa qué possamos imaginar; aindafassim
somos um a seme ntfe que conté m tanto o início qu anto o fim. 7 '
Voltando à prática, vocès podem medir essas coisas sem um padrão de medida,
considerando o raio do círculo mais interno como uma unidade; assim, o primeiro
círculo e o primeiro quadrado têm 2 raios de largura. (Essa unidade constitui uma
malha implícita.) E quando vocês ampliam o quarto quadrado, ele terá 8 ,raios.dé*
lado. Para sab er q uanto s raio s existe m ap redo r de todos os^quajtro la4©»do quadr ado,
vpçês si mplesmen te m ultipli cam por 4 para ver que
32 rátos.compõenuó perímetro
do quarto
quadrad o. Precisamos conh
ecer o perímetro
porqufe£quando elé e qüival e à
circunferência do èírculo ou se aproxima desse val or, tem os a razão Phi. (Verifiquem
circunferência do èírculo ou se aproxima desse val or, tem os a razão Phi. (Verifiquem
o capítulo 7.)
Queremos ver se a circunferência do quinto círculo é igual (ou próxima) ao
perímetro do quarto quadrado (32 raios), portanto calculámos a sua circunferência
multiplicando o seu diâmetro por pi (3,14). Uma v ez que há 10 unidad es (raios) na
largura do quinto círculo, se vocês o multiplicarem por pi (3,14), a circunferência^
,equivale a 31,40 raios. O perím etro do quadrad o é exa tamente 32* portanto eles estão
muito próximos; o círculo é ligeiramente menor. De acordo com Thoth, isso representa,
a
primeira vez que a consciência hum ana se torn a autoc onsciente.
Agora, vamos calcular o mesmo para o sétimo quadrado e o nono círculo. Há 14
raios cruzando o sétimo quadrado ; mu ltiplicando pelos 4 lados obtemos 56 raios para
perímetro do sét imo quad rado. O nono círcul o tem um diâmetro de 18 raios, e esse
número vezes pi dá 56,52. Neste caso, o círculo é ligeiramente maior, ao passo que
o
antes foi ligeiramente menor. Se continua rem a fazer círculos além dos n ove srcina is,
verão o mesmo padrão: ligeiramente maior , ligeiramente menor, lige irame nte maior,
ligeiramente menor — aproximando-se cada vez mais da perfeição que observamos
na aproxi mação da seqü ência de Fibonacci da razã o Phi (vejam o cap ítulo
8 ).
O Primeiro e o Terceiro Níveis de Consciência
Na Ilustração 9-2 observamos o próprio início da consciência nesses primeiros dois
lugares da razão Phi. Isso indica que a consciência provavelmen te continuará a expandir-
se
para sempre e aproximar-se da p erfeição da razão Phi ou da Proporção Áurea. Assim,
o
quarto quadrado relativo ao quinto círculo e o sétimo quadrado relativo ao nono
círculo formam razões Phi quase perfeitas. Estas acabam sendo, de acordo com Thoth,
o
primeiro e o terceiro níveis de consciência. Elas estão muito, muito próximas de sef
consciências harmônic as, o que faz
da delas concha autoconscientes. do náutilo (página Lembram-se'
do volume 1)? No começo, ela nem
chegava perto de ser harmônica;"
em comparação com vários passos,
adiante no caminho geométrico.;
Acontece o mesm o aqui. Mas o que
aconteceu ao segu ndo nível d a cons-*
ciência humana?
,
2 1 0
jamais De descobriu acordo co m como T hoth, ir do ninguém* primei-
^ . Primeiro Nível
Diâmetro =10.
Çircunfèrência= 1%0= 31 4
Lado do quadrado = 8
Perímetro= 8x4 = 32
(diferença: 0,6)
Terceiro Nível
,
piârn etro = 18
Círcunferência=
,
18 at =
Ilustração 9-2. O primeiro e o terceiro ní
Lado do qua drado =
14 ‘
j
.P§çírrietro= .1^ x 4 = 56 .
(diferença: 0.56
342)
|ÉiS’de consciência humana, razões l?hi
quase perfeitas;
22
ro nível, que é onde se encontram os aborígines, diretamente para o terceiro nível, que
ro nível, que é onde se encontram os aborígines, diretamente para o terceiro nível,
que é a consciência crística ou da unidâde;: Precisaríamos ter um degrau"ou uma
ponte entre as duas — que sòmos nós, o segundo nível. A pergunta agora é: onde.se
encontra o nos so nível de con sciência nesse desenho? -s]
Localizando o Segundo Nível
Há dois lugares onde nós
(a humanidade comum) poderíamos estar nesse s istema-
de círcütes ê quadrad os: no quinto ou no sexto quadrado rela tivo a algum outro
cír^
culo. Há apenas dois quadrados entre o primeiro e o terceiro nívelna Ilustraçã o 9-LÍDc?
meu ponto de fàsta, não sa bia que diferença faria em que quadrado nos e ncontramos''
e Thoth não me contou. Ele simplesmente disse: ‘‘É ó quinto quadrado relativo áò
sexto círculo ”, sem explicar po r quê. Po rtanto; por dois ou tréá àiiós fiiquèi imagin ahy
do por que era o quinto quadrado relativo ao sexto círculo, e não o sèxto quadràdb*
relativo ao sétimo círculo. Ainda ãssím ele nãò •me'êò^tÕürElé':simplesmêiifê dissré:*
“Descubra”. Levei muito tem po para ente nder po r quê. Qu ando fináliriènt é descobri 2
por que, Thoth simplesmente inclinou a cabeça, dando a entender que eu estava:
certo. Eis aqui os três níveis de consciência com os outros quadrados inarmôhicóis*
removidos (vejam a Ilustração 9-3).
Se dermos u m giro de 45 graus no quadrado (vejam a Ilustração 9-4) , tomand ô-Õ‘
como um losango, o propósito secreto da nossa existência sie toma evidente. Nessà
perspectiva, o quinto quadrado girado aproxima-se muito da posição 'dó sétimój
quadrado. Não é perfeito porque
nós mesmos nãó somos harmô
5“ quadrado
7a quaddrao
6a çírcuio
9acírculo
(segundo nível)
(terceiro nível)
nicos, e não temos um amor crré-^
tico perfeito, mas mostramos o
caminho para a consciência •crís-:
tica pelo nosso amor humano. Ef
além disso, aind a estam os ligados;
ao primeiro nível porque a nossa
4“ quadrado
geometria toca perfeitamente o
(primeiro 5a círcuol nível)'
Segundo Nível
6a círculo-
7a quadroad
Diâmerto
Circunferência
= 12
=, 12n =37,70
9a-círculo^
5aquadardo
Lado do quadrado =10
Perímetro =10 x 4 =40
(Diferença2: >3)
Ilustração 9-3. Os três níveis geométricos da consciên
cia humana na Terra: quadrado 4 e círcülo S é primeiro
nível (dos aborígines); quadrado 5 e círculo 6 = segundo Ilustração 94.-Umgiro de 45 gráus;no qua
nível (atual); e quadrado 7 e círculo 9 = terceiro nível
(crísticò).
segúiido'e terceirúníveísda Gonsciênc-la^l
23

drado do segundo iftívél fàz uma ponte entr

quarto ccíírrccuulloo ddoo pprriimmeeiirroo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa CCoonntteemmooss aa
quarto ccíírrccuulloo ddoo pprriimmeeiirroo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa CCoonntteemmooss aa ccoonnsscciiêênncciiaa
aborígine
ppeerrffeeiittaammeennttee,, ee ccoonntteemmooss iimmppeerrffeeiittaammeennttee oo aammoorr ccrrííssttiiccoo
IIssssoo éé oo qquuee ssoommooss ——
uummaa ppoonnttee ddee lliiggaaççããoo
EEssssaa éé aa cchhaavvee qquuee ppeerrmmiittee ccoommpprreeeennddeerr ppoorr qquuee aa ccoonnsscciiêênncciiaa hhuummaannaa ssee eennccoonn**
ttrraa nneessssaa rreellaaççããoo ggeeoommééttrriiccaa ppaarrttiiccuullaarr ee ppoorr qquuee eellaa éé nneecceessssáárriiaa SSeemm aa nnoossssaa aattuuaall
mmaanneeiirraa ddee vveerr aa RReeaalliiddaaddee úúnniiccaa,, oo pprriimmeeiirroo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa nnuunnccaa sseerriiaa ccaappaazz
ddee eevvoolluuiirr ppaarraa aa lluuzz ssuuppeerriioorr SSoommooss ccoommoo uummaa ppeeddrraa nnoo mmeeiioo ddee uumm rriiaacchhoo AAllgguuéémm
ssaallttaa ssoobbrree eellaa,, mmaass iimmeeddiiaattaammeennttee ccoonnttiinnuuaa ppaarraa oo oouuttrroo llaaddoo
CCoonnffoorrmmee vvooccêêss vveerrããoo mmaaiiss aaddiiaannttee nneessttee ccaappííttuulloo,, eessssaa ppeerrssppee ccttiivvaa ddee lloossaannggoo ééaa
cchhaavvee ppaarraa oo nnoossssoo sseegguunnddoo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa VVooccêêss vveerrããoo iissssoo nnaa GGrraannddee PPiirrââmmiiddee
ee ttaammbbéémm eemm oouuttrraass oobbrraass qquuee llhheess mmoossttrraarreeii OO qquuaaddrraaddoo ccoomm oo lloossaannggoo ddeennttrroo éé
mmuuiittoo iimmppoorrttaannttee ppaarraa aa hhuummaanniiddaaddee BBuucckkmmiinnsstteerr FFuulllleerr ttaammbbéémm oo ccoonnssiiddeerraavvaa iimm
ppoorrttaannttee EEssssaa ffoorrmmaa,, qquuaannddoo eemm tteerrcceeiirraa ddiimmeennssããoo,, éé cchhaammaaddaa ddeecuboctaedro. BBuucckkyy
ddeeuu--llhhee uumm nnoommee eessppeecciiaall:: oo vetor de equilíbrio. BBuucckkyy oobbsseerrvvoouu qquuee oo ccuubbooccttaaeeddrroo
tteemm aaccaappaacciiddaaddee iimmpprreessssiioonnaannttee,, ppoorr mmeeiioo ddaa rroottaaççããoo,, ddee ttrraannssffoorrmmaarr--ssee eemm ttooddooss qqss
cciinnccoo ssóólliiddooss ppllaattôônniiccooss,, ddaannddoo uummaa iinnddiiccaaççããoo ddaassuuaa ppoossiiççããoo ddaammaaiioorr iimmppoorrttâânncciiaannaa
ggeeoommeettrriiaa ssaaggrraaddaa PPoorr qquuee eellee éé iimmppoorrttaannttee ppaarraa aa hhuummaanniiddaaddee?? PPoorrqquuee oo qquuaaddrraaddoo
ccoomm oo lloossaannggoo ddeennttrroo eessttáá lliiggaaddoo aa uummaa ddaass rraazzõõeess bbáássiiccaass ddaa eexxiissttêênncciiaa hhuummaannaa --——aa
ffuunnççããoo ddee ppaassssaarr ddee ccoonnsscciiêênncciiaa aabboorrííggiinnee,, oo pprriimmeeiirroo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa,, ppaarraa aa
ccoonnsscciiêênncciiaa ccrrííssttiiccaa,, oo tteerrcceeiirroo nníívveell
AAoo mmeeddiirr aass ggeeoommeettrriiaass hhuummaannaass uussaannddoo eessssee ssiisstteemmaa,, nnóóss hhuu mmaannooss eessttaammooss ffoorraa
ppoorr cceerrccaa ddee 33,,55 rraaiiooss NNããoo eessttaammooss nneemm mmeessmmoo ppeerrttoo ddee sseerrmmooss hhaarrmmôônniiccooss ((PPooddeemm
ttoommaarr eessssaa mmeeddiiddaa,, ssee qquuiisseerreemm
))
SSoommooss uummaa ccoonnsscciiêênncciiaa ddeessaarrmmôônniiccaa,, eemmbboorraa sseejjaa
mmooss nneecceessssáárriiooss ppaarraa ccoommpplleettaarr aa vviiddaa PPoorrttaannttoo,, qquuaannddoo aa vviiddaa cchheeggaa oonnddee eessttaammooss,,
eellaa eennttrraa ee ssaaii oo mmaaiiss rrááppiiddoo ppoossssíívveell,, ccoommoo ssee ssaallttaassssee ssoobbrree aa ppeeddrraa nnoo mmeeiioo ddoo rriioo ii
nnoossssaa PPoorr qquuêê?? vvoollttaa PPoorrqquuee,, SSee ffiiccáásssseemmooss qquuaannddoo ppoorr ssoommooss mmuuiittoo ddeessaarrmmôônniiccooss,, tteemmppoo,, aa nnoossssaa ddeessttrruuíímmooss ffaallttaa ddee ttooddaa ssaabbeeddoorriiaa ee qquuaallqquueerr ddeessttrruuiirriiaa ccooiissaa aattéé aa
nnóóss mmeessmmooss SSee oobbsseerrvvaarreemm oo mmeeiioo aammbbiieennttee ddoo mmuunnddoo ee aass nnoossssaass gguueerrrraass ccoonnttíínnuuaass,,
ppooddeerrããoo eenntteennddeerr AAiinnddaa aassssiimm,, ssoommooss eesssseenncciiaaiiss ppaarraa aa vviiddaa
Lentes Geométricas para Interpretar a Realidade
AA pprróóxxiimmaa ccooiissaa qquuee TThhootthh qquuiiss qquuee eeuu ffiizzeessssee ffooii oobbsseerrvvaarr eesssseess ttrrêêss nníívveeiiss ddiiffee--||
rreenntteess ddee ccoonnsscciiêênncciiaa ggeeoommeettrriiccaammeennttee,, ddee mmoo ddoo qquuee ppuuddeessssee vveerr ccoo mm qquuee ssee ppaarreecciiaamm
eessssaass lleenntteess ggeeoommééttrriiccaass LLeemmbbrreemm--ssee,, ssóó eexxiissttee uumm DDeeuuss,, ssóó uummaa RReeaalliiddaaddee MMaass hháá
iinnúúmmeerraass mmaanneeiirraass ddee iinntteerrpprreettaarr aa RReeaalliiddaaddee
OO qquuaaddrraaddoo mmaaiiss iinntteerrnnoo ((oo qquuaarrttoo)) nnaa IIlluussttrraaççããoo 99--55 rreepprreesseennttaa oo pprriimmeeiirroo nníí
vveell;; oo qquuaaddrraaddoo ddoo mmeeiioo ((oo qquuiinnttoo)),, oo sseegguunnddoo nníívveell;; ee oo mmaaiiss eexxtteerrnnoo ((oo ssééttiimmoo)),,,,
oo tteerrcceeiirroo nníívveell VVoouu cchhaammaarr oo qquuaaddrraaddoo mmaaiiss iinntteerrnnoo ddee 88 ppoorr 1100,, ssiiggnniiffiiccaannddoo qquuee
eellee tteemm ooiittoo rraaiiooss ddee llaaddoo ee oo sseeuu ccíírrccuulloo rreellaattiivvoo ((oo qq uuiinnttoo)) tteemm uumm ddiiââmmeettrroo ddee ddeezz,,
OO qquuaaddrraaddoo ddoo mmeeiioo tteemm 1100 ddee llaaddoo ee oo sseexxttoo ccíírrccuulloo 1122,, aassssiimm vvoouu cchhaammáá--lloo ddee 1100
por 1122 EEssssee éé oo sseegguunnddoo nníívveell,, oouu iinntteerrmmeeddiiáárriioo,, nnoo qquuaall eexxiissttiimmooss aattuuaallmmeennttee
Para
24
24
11ustração 9-5. Os três ;níveisda consciênc.ia humana em termos de unidades.pu raios nos seus paresde
11ustração 9-5. Os três ;níveisda consciênc.ia
humana em termos de unidades.pu raios nos
seus paresde círculos equadrados.,
o nível de consciência çrística, há 14
raios através do qu adrad o (o sétimo) e
18 raios através do nono círculo, por
tanto vamos chamá-lo de 14 por 18.
Assim, temos um 8 por 10, um 10 por
12 e um
14 po r 18.
Agora , sem pre há
um a razão para tudo
na geom etri a sagr ada. Na da—T absolu
tamente nada — acontece sem uma razão, Vocês podem perguntar-se: por que, de
todo o espectro das possibilidades , a consc iência autoconsciente começou qua ndo o
quarto qua drado entrou em harmon ia com o quint o cír culo?
Sobrepondo o Fruto da Vida
Para ente nd er po r que, vamos tentar sobrepor o
Fruto da Vid a a esse desenh o do
primeiro nível de consciência (vejam a Ilustração 9-6). Observem isso! Ele se encaixa
círculo, perfeitamente ou 8 por no quarto 10! Esse quadrado círculo central e no quinto é o
mesm o círculo central do desenho anteri or, uma
vez que se encontram aqui todos os cinco cír
culos conc êntricos. Esse desenho mostra apenas
o quarto quadrado, o qual forma uma razão Phi
quase perfeita com o quinto círculo, conforme
vimos anteriormente.
Vocês veem a perfeição
da vida? O padrã o do
Fruto da Vida estava escondido por trás desse
padrão o tempo todo; eles estão superpostos com
Ilustração 9-6. O Fruto da Vida sobreposto ao
precisão, um sobre o outro. No modo de conside
primeiro nível de consciência.
rar do hem isfério direito do cérebro é a
ssim que
se explica por que a consciência se tornou autoconsciente pela primeira vez entre o
quatro e o quinto círcul o — po rque essa imagem sagrada esta va oculta po r trás dessa
parte do padrão. O Fruto da Vida foi term inado naquele momento exato, e a razão
Phi apareceu pela prim eira vez . Q uand o a razão Phi apareceu, f oi a prim eira vez que
a consciência realmente teve um meio para manifestar-se.
O Gênio de Luci
e
Existe m ais um a informação
antes de entrarm os naquelas , três.jimagens diferentes
da consciência. Qu
and o descobri que os
círcul os e quad rados conc êntricos desen
ha^
25
dos podiam ser7stip'erpostos"perfèif^entêrào padrão do Fruto da Vida, quis ver se álguma coisa fora escrita
dos podiam ser7stip'erpostos"perfèif^entêrào padrão do Fruto da Vida, quis ver se
álguma coisa fora escrita a respeito disso. N e( ocásíão’ estava sentado na sala da minha
casa ouvindo* Thoth ém; forma humana, mas a quem nM^èm^íháis pòdia ver além
de mim, e éle estava mé dizendo "qúeíòs egípcios perceberam-três níveis diferentes de
consciência humana. Eu quis saber se essa ideia existia na história egípcia’além’d@
relato dele.
Quando tentèi en contrar algo s obre isso nos textos, para minha surprésà; conség$ l|
Pelo menos, encontrei isso rios textos de Lucie Lamy, a enteada de Schwaller déLubicz!
Ninguém mais que pude encontrar sabia algumâ coisa sóbrè' essá ideia de três níveis
do’Egítò de,consciência com a humana. geom etria Schwaller sagrada. A e Luc maioria ie enten dos diam egiptólogós profun damente não córiipréendia' sobre a relaçaéi àbsor
liítamente nadà sobre issó até recentemente. Segundo as minhas éstimativãsfjdepòls
de estudar a obra de Lucie, ela é um a das pessoas mais im portan tes qüe já trataram dà
geometria sagrada. F iquei co mpletamente impressiona do com a sua obra. Sempre qúi§r
conhecê-la, mas nunca consegui. Ela morreu alguns anos atrás, acho que em 1989 rio^
máximo, em Abidos, no Egito. Quero lhes mostrar algo sobre Lucie Lamy pára que
possam avaliar a pessoa excelente que ela foi.
*í Este pequ eno templo (vejam a Ilustração 9 -7) está dentro tdó complexo templáriqg
de Karnak. Karnak está ligado ao Templo de Luxor por uma alameda larga de uns*3i
quilômetros de extensão. Ela tem esfinges com cabeça humana de ambos q s lados na
extremidade de Luxor, as quais gradualmente se tornam esfinges com cabeçadecàme%
ro à medida que se aproximam de Karnak. O complexo templárió de Kamakíé imenso*,,
e ^mscir ia onde os antigos sacerdotes se lavavam impressiona só pelo tamanheílH
Para dar-lhes uma noção da escala desse pequeno templo, uma pessóàjem pé.na
frente dele chegaria até cerca da altura do peitoril enviesado da janela. Antes de Lu^
cie encontra r as pedra s desse te mplo, elas literalmente n ão passavam de uma grande
pilha de rochas. Os arqueólogos sabiam que faziam parte do conjunto porque eram
diferenciadas; não se via nada parecido ao redor delas. Mas eles não sabiam qual era
I a aparência daquel a cfenstru*
ção, então deixaram as pedras
formando uma grande pilha,
na esperança de que algum dia
alguém descobrisse.:Entãoreles
encontraram outra grande pi
lha de pedras diferenciadas;. De
novo, rião faziam a men or ideia
do que po deriam formar. O que
fazer comlum monte de pedras
quebradas? É difícil dizer como
era o prédio srcinal, cerl ol ^
Mas >.LugLfefcolhou, aquelaà
Ilustração**^7.Visão' latèaYl do temlpo em Karnak que1
Lucie reconstituiu: l
pedras, tirou,.algumas medidas^.
depois voltou para casa e desenhou a planta que resultaria exatamente na constru ção vista
depois voltou para casa e desenhou a planta que resultaria exatamente na constru
ção vista nessa fotografia, Ela disse: ‘‘Esta vai ser a aparência final dele”. E quando
o reconstruíram, cada uma das pedras se encaixou e formou o que veem aqui! Ela
conhecia a geometria sagrada e fez a planta examinando as pedras e medindo-as. Ela
reconstruiu outro edifício de maneira semelhante. Acho isso realmente excepcional.
Quanto m ais eu estudo essa mulher, mais fi co impressionado com ela . -v -
A Escada de Luciè I
Antes de morrer, Lucie resumiu em um desenho toda a sua compreensão do co
nhecimento egípcio desses três níveis de consciência. Declarou que essa era a chave
para a compreensão dos níveis de consciência no Egíto. Portanto, tentei analisar o
que ela queria dizer com o seu desenho sobre o assunto.
Este é o desenho dela (Ilustração 9-8). Eu o redesenhei
ness a foto ao lado (Ilus traç ão 9-9) e depois acres centei Q,cír
culo exterior em linha interrompida de modo a poder mos
trar a vocês mais um detalhe. Não foi copiado claramente e
precisaria ser refeito.
A primeira coisa que observei quanto ao desenho dela
foi que havia um a E strela de Davi dentro de uma Estrela de
Davi e um círculo no meio. (Já vimos i sso antes no F ruto da
Vida [vejam a página 212] e o veremos de novo em breve.)
Além disso, vê-s e um a escada subindo no m eio, de zer o a 19
degraus dentro do quadrado, depois com mais dois outros
degraus acima, num total de 2 1 .
Ilustração 9-8. Desenho srci-1
nal de Lucie Lamy.
3“ nível do crânio
2anível do crânio

Ilustração 9-9. Desenho de Lucie çom.um nov círculo exterior no alto da cabeçà"dô terceiro n vel de consciência e uma pequena e unia grand Estrela de Davi. A circunferência dò no^círculo ajustas-e ao perímetrodo quadradó/’1^1?

De acordo com Lucie, o s nú m eros 18, 19 e 21 estão diretamen
De acordo
com Lucie, o s nú m eros 18, 19 e 21 estão diretamen
te ligad os ao pen
sam ento egípcio c onc ernen te aos três níveis de consciência. O 18 simbol iza os abo
rígines, e el a escr eveu que os antigos egípcios acreditavam que os hum ano s de en tão
não tinham a metade superior do crânio. Aparentemente, o crânio costumava ser
inclinado para trás. Quando passamos para o segundo nível, “acrescentamos” um
crânio superior, e quan do fisicamente pa ssam os pa ra o tercei ro níve l, como es tamos
prestes a fazer, desenvolvem os um crânio im enso que se estende ao ponto de razão
Ph i do círculo que se relaciona ao qu ad rad
o o 21. Se desen harem um círculo de
razão Phi ao redor do q uadra do, ind icad o n o p on to A, ele alcança exat amente o cen
tro da linha 21. Portanto, cada um dos níveis do crânio está na realidade contido na
geometria deste desenho, de acordo com Lucie.
A Ilustração 9-10 é um
diagrama
esque mático do cérebro hum ano extraído do livro
Brains, BehaviorandRobotics, de Jam es S. Albus. Se gund o é mo strado, pode- se executar
Awí M.,. '
'
4,, A^
Diagrama esquemático dos centros de cálculos e
as vias de comunicação do sistema extrapiramidal
do cérebro humano. A remoção da área cortical
superior, onde ocorre o pensamento consciente,
tem poucas conseqüências sobre o circuito de
íinfprrnações exigido para os cálculos igualmente
complexos necessários para caminhar e manter o
equilíbrio. Os caminhos mostram ss rotas das rea
ções químicase dos impulsos semelhantes aos elé
tricos. (De Brains, Behavior and Roboticsd, e James
S. Albus, Byte Books, 1981.)
^lustração 9-10. Diagrama esquemático do
çérebço humano, mostrando que uma lobo-
tomia não afetaria as funções motoras mais
complexas.
Ilustração 9-11-P^nta do Templo de
Luxor. l i
Luxor.
l
i
Ilustração 9-12 Õ Fruot daVida. uma lobotomia, removendo toda a metade superior do crânio com
Ilustração 9-12 Õ Fruot daVida.
uma lobotomia, removendo toda a metade superior
do crânio com tudo o que ele contém, e a pessoa hão
morrerá disso — o qu e, para mim, é a ssombroso por
si mesmo. Essa é uma evidência circ unstancial de que
superior o que os do egípcios nosso diziam crânio era foi verdade: acrescentada, que a que metade não é
um com pon ente absolutamente ess encial para a vi da
e é algo separad o do que éramos.
A Ilustração 9-11 é a planta baixa do Templo de
Luxor. Este templo foi dedicado à humanidade, e
também é chamado de Templo do Homem, o que
significa nós — não todo h omem, nem simplesmente ]
qualquer nível de consciência, mas o segundo nível
onde nos encontram os agora. Essa planta estende -se
por 19 divisões. Podem ver o esqueleto humano por
trás do desenho. Cada aposento, tudo nesse desenho,
foi projeta do para representar todas as diversas partes
do ser human o. Partindo dos pés havia um caminho LUCie' corn>aPl a n t a °
comprido que levava por vários quilômetros ao com- °*aVlc|a sobrePosto ^ el
plexo do templo de Karnak.
A princípio, notei que o Fruto da Vida (Ilustração 9-12) estava definitivâraé®fl
contido no desen ho de Lucie (Ilustração 9- 8). Esse fato sozinho m e impressiona porque
não tinh a visto o Fruto da Vida em nen hum outro lugar no Eg ito.: ’
No entanto, eu queriá entender mais sobre a escada que vai até o alto, parát>\19'e o
21. Eu sabia q ue uma escada como esta é outra mane ira de fazer círculos concêntricos,
portanto decidi estudar o que Lucie pretendia com essa escada. Comecei a redesenhar
cada um a das linh as traçadas p or ela, para ver o que ela tentar a transmitir (Ilustração,;*
9-13). Porta nto, peguei ess es dois desenhos (Ilustraçõe s 9-12 e 9-13); queo bviam ente
saíam ambos do desenho srcinal dela, e os combinei. Reconstruí o desenh© :dela,
sobrepondo as linhas com muita precisão (Ilustração 9-13a). -, c
29

llustração,;9-í3. A escada de Lucie, círcülòs còhcêíitricos desenhados até degrau 19è hovarrient^êflo (ètgíaá 21.

Nota Marginal: A Geometria Sagrada É um Projeto "Faça Você Mesmo" ^ Este pode ser
Nota Marginal: A Geometria Sagrada
É um Projeto "Faça Você Mesmo"
^ Este pode ser o momen to certo para desviar úm pouco do assunto e expressar al go
sobre a geometria sagrada que é muito importante compíefender quando se decide
tornar-se um estudante do assunto. Quando vocês se sentam na platéia e observam
as formas da geometria sagrada ou leem sobre ela neste ou em qualquer outro livro,
recebendo as informações passivamente, estão absorvendo uma quantidade de infor
mações muito pequena proveniente desses desenhos. E ntretanto, se vocês s e sentas
sem e desenhassempor si mesmos, realmente produzindo as formas, sentiriam uma
emoção diferente, algo muito além do que acontece qua ndo simp lesmente olham para
elas; Qualquer um que tenha feito isso lhes dirá o mesmo. Essa é uma das premissas
básicas dos maçons. Quando vocês realmente se sentam e fazem os alinhamentos,
desenhando concretamente as linhas, parece acontecer algo semelhante a uma reve
lação. Ao desenhar o círculo, vocês começam a compreender. Alguma coisa acontece
no seu íntimo. Vocês começam a c ompreender em níveis muito, mu ito pro fundos por
que esses as desenhos. coisas são como são. Acredito que nada substitui o ato de refazer pessoal mente
Posso dizer-lhes sobre a importâ ncia disso, mas o que d escobri é que po ucas pes
soas na verdade se dão a esse trabalho. Levei vinte anos para fazer esses|desenhos?
mas vocês não precisam gastar tanto tempo. Em muitos desses desenhos cheguei a
passar duas ou três semanas na frente de um, como numa meditação, simplesmente
olhando para a imagem. Posso passar meta de de um dia fazendo apenas uma linhà até
entender plenamente as implicações que essa linha tem para a natureza.
Um Tropeço na Escada
Antes de combinar os,dqis desenhos, Ilustrações 9-12 e 9-13, extraídos do desenho
srcinal de Lucie Lamy, comecei por d esenhar um círculo concêntrico para cada linha
da escada, exceto a 20, conforme é mostrado na Ilustração 9-13a.
Observem que, no d esenho original (Ilustração 9-8), o círculo central foi dividido
exatamente em cinco compone ntes horizontais, ou degraus da escada (não considerem
a linha horizontal que atravessa o m eio do círculo) . Podem observá-lo claramente ,nq
Vida desenho também srcinal. seriam Portanto, divididos considerei em exatamente que os outros cinco círculos componentes. do padrão Muito do direto. Fruto da Fiz
isso. Aqui^stá (Ilustração 9-14) , mas só os três círculos verticais superiores, deixando
de fora o. resto, para simplificar.
^.
.Gada círculo tem cinco componentes iguais. O único, problema é que não se en
caixava, n ãoiunc ionava . Eu não podia acredit ar! Pensei que seria uma cois a simples ,1
e que continuaria a pa rtir daí, mas não deu certo. Simplesmente não‘se encaixava em
termos.geométricos. Então, voltei atrás e verifique^ os dois desenhos, pensando; Não
30
posso ter me enganado quanto a isso. Aí estâf,ctaro cômo'õMiuSMá& quando reuni tudo outra vez,
posso ter me enganado quanto a isso. Aí estâf,ctaro cômo'õMiuSMá&
quando reuni tudo outra vez, ainda não dava para sobrepor.
Depois de muitas e muitas horas, voltei atrás é estudei
desenho,
srcinal de Lucie outra vez. Definitivamente, havia-eihcío divisõesFttô
círculo do meio e sete divisões em cada um dos'outros doiè áb'sèu'
lado. Então, peguei um instrumento especial para medir o tamanjio
dos degraus da escada. Descobri que as sete divisões abaixofe?aís~sète
divisões acima dò círculo central eram menoresdo que as de dentro
do círculo central! Ela mudara bs tama nhos pai^ ^M os.se encaixar!,
Lucie sabia que estamos em um nível de consciência desarmônico?
ela sabia que a escada não se encaixaria sem m udar algumas daã me
didas, mas ela queria colocar tudo dentro déum desenho. Portantb,
ela/ez com quersê encaixassem, sabendo que,-seras.pessbas/fossem
estudar o desenho, elas compreenderiam que o nível queféla estava desenhandb, com
19 divisões, era um nível de consciênc ia desarm qniça j
Isso foi sutil de modo similar com o cânone do homem de Leonardo,- em quèíele
escreveu em u ma imagem espelhada no alto do seu desenho dè modo qu e quem fòsse
Lucie ler precisass é o aspecto e fazê-lo masculino, através de e o um componente espelho. Do feminino mesmo dele modp, é uma o desenho imagem srcinal espelhada! .de
Muitos dos antigos constantemente mudavam as coisas para ocultar o conhecimen*
to. É como u m jogo de esconde-esconde e m que você não quer Se r encontrado pelo
mundo exterior. Quando percebi isso, realmente comecei a compreender que este e
um nível de consciência verd adeiramente desarm ônico, e eu soube então que^bs ègíp-
cios também compreenderam isso. Depois disso, comecei a pas,sar muito mais tempo
estudando os desenhos de Lucie.
As Três Lentes
A esta altura,
agora que sabemos que ; qis;três níveis de c o iis ^
ciência eram conhecidos pelos egí pcios, vamos voltar àqueles‘tre á ^
desenhos geométricos e estudá-los com a maior atenção. Eles’são ,,
as lentes que cada nível de consciênci a huma na usa para inte rpretar
a Reahdade: o 8 por 10, bíIíO por 1 2 e o 14 por 18. Vamos cómèggç»^
desenhando © 8 por 1 0 , o primeiro nível>de. consciência^
i Tho th mostrou-m e um modo engenhoso de fazer,ess^dès enha^'!
sem medidas nem cálculo^: Vocês precisam apenas de uma réguaáejj^
um compasso. Ele me mostrou como fazer pessoalmente, dizendo
que isso me economizaria uma porção de tempo (vejam as-instru-
ções no canto inferior direito da Ilustração 9-15,)^;
Depois de concluído o último,passo; q que vocês terã© será uma
rede de 64 pequ enos quadrados dentro de um quadrado grande, com-''llüstra.ç|c(^-,U5a. Passo f
31

llustràçfão‘9|l4. DivPj âinda os, círculosem cinco’ com.ponentes; igüâisl l l

"" JJ DDeesseennhheemm uummaa lliinnhhaa vveerrttiiccaall,, ddeeppooiiss uummccíírrccuulloo ssoobbrree aa
""
JJ DDeesseennhheemm uummaa lliinnhhaa vveerrttiiccaall,, ddeeppooiiss uummccíírrccuulloo
ssoobbrree aa lliinnhhaa ((IIlluussttrraaççããoo 99--11 SSaall
22 DDeesseennhheemm mmaaiiss ççllnnccoo ccíírrccuulloo»» kklléénnJJkkrrwwt,,vnux
ddooss nnoossppoorrttooss oonnddee aa lliinnhhaa ww ttkk iill ccuuii//aa aa ççnnttuunn--
ííeerrêênncciiaa ddoo ccíírrccuulloo aanntteerriioorr i IIlluussttrraaççããoo 99 --11SSbbtt
3. Desenhem uma linha horizontal atravé£s*dmos
tos da vesica piseis central. Com ooertliom*óe a»,
linhas horizontal c w iical «■cniam. desenhem
umgrande circuio ao redor dos quator círculosâo
meio (Ilustração 9-15c).
4. Desenhem o círculo do mesmo tamanho, como
na ilustração 9-15b, centrado sobre a Hnha hori
zontal que comcça na borda do círculo grande.
Criem mais cinco círculos do mesmo modo como
no passo 2, apenas horizontalmente 'Ilustração
9*15d).
5. Construam um quadrado dc razão Pt->i rr*m <*.
lados atravessando os eixos mais longos ral<-qua‘rr
vesíca pisces externas.
6. Denlro do quadrado, desenhem linhar r*at*i«~ia
através de cada ponto tangem ia! (on<»d<e<.>r<
tocam mas não rcuzam) e também ai.ini-> ■
xos mais longos <l<•cada uma <!,)'. rv«-i<» n>•<■
remanescentes rede 8 por 10. (Ilustrarão 9-Kit Kvo lhe*.>
V
/
K
Ilustração 9-15c. Rasso 3.
Ilustração 9-15e. ftisso 5.
exatamenteuummaa rreeddee aaddiicciioonnaall ccoomm aa llaarrgguurraa ddoo qquuaaddrraaddoo eennttrree
exatamenteuummaa rreeddee aaddiicciioonnaall ccoomm aa llaarrgguurraa ddoo
qquuaaddrraaddoo eennttrree ooppeerríímmeettrroo ddooqquuaaddrraaddoo ggrraannddee
ee aa cciirrccuunnffeerrêênncciiaa ddoo ccíírrccuulloo ggrraannddee ((IIlluussttrraaççããoo
99--1166)) OO qquuaaddrraaddooggrraannddee mmeeddee 88 qquuaaddrraaddooss ddaa
rreeddee ddee llaarrgguurraa,, ee oo ccíírrccuulloo ggrraannddee mmeeddee 1100 ddee
largura ——- uumm ppeerrffeeiittoo 88 ppoorr 1100
EE vvooccêêss nneemm
pprreecciissaamm ddee uummaa rréégguuaa ppaarraa mmeeddii--llooss!!
As Raízes Quadradas e os
Triângulos 3-4-5
HHáá uumm oouuttrroo aassppeeccttoo ddeessssee 88 ppoorr 1100 ssoobbrree oo
qquuaall ààss vveezzeess eeuu ccoommeennttoo,, mmaass aaggoorraa vvoouu ttooccaarr
nneessssee aassssuunnttoo rraappiiddaammeennttee
AAllgguunnss ddee vvooccêê ttaallvveezz ssaaiibbaamm qquueeeoogssípcios
rreedduuzziirraamm ttooddaa aa ssuuaa ffiilloossooàffiiraaaiz quadrada dc
2, nnaa rraaiizz qquuaaddrraaddaa dd3ee, nnaa raiz quadrada ddcc 5 e
nnoo ttrriiâânngguulloo 33--44--55 SSiimmpplleessmmeennttaeecontece qquuee
ttooddooss eesssseess ccoommppoonneenntteess eessttããoo nneessssee ddeesseennhhoo
ddoo pprriimmeeiirroo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa,, ee cc eexxttrreemmaa
M
f{r 5* io frun^vilo <«mR))>4
vidtti dr 1»otr>.tnaulnrm O.
t
*
r h rrprweftbam o
u omo no triâr
mmeennttee rraarroo qquuee ttaall ccooiissaa aaccoonntteecceessssee
na mmaanneeiirraa
ccoommoo eessttáá aaccoonntteecceennddoo NNaaIlustração
00-- 17a, ssee
oo ccoommpprriimmeennttoodos lados dos quadradinhos (or
ccoonnssiiddeerraaddoo igual a 1, então a linha diagonal
*
i
X
S
s
T
AA é aa rraaiizz qquuaaddrraaddaadc 2; a diagonal B é a raiz
qquuaaddrraaddaa ddee 55,, ee aalinha CC e a raiz quadrada de
33,, ddoo ttrriiâânngguulloo eeqquuiilláátteerroo ddaa vveessiiccaa ppiisseeiiss
PPoorreexxeemmpplloo,, ccoomm aa rraaiizz qquuaaddrraaddaa ddee5 qquueerroo
ddiizzeerr qquuee,, ssee ooss quatro qquuaaddrraaddooss ffoorreemm uummaa
uunniiddaaddee ((11)) ((IIlluussttrraaççããoo 99--1177bb)),, eennttããoo aa lliinnhhaa DD
eeqqüüiivvaallee aa 11,, ee aa lliinnhhaa EE eeqqüüiivvaallee aa 22
AA rreeggrraa ppiittaaggóórriiccaa aaffiirrmmaa qquuee aa ddiiaaggoonnaall ((hhii--
ppootteennuussaa)) ddee uumm ttrriiâânngguulloo rreettâânngguulléooccaallccuullaaddaa
ppeellaa ssoommaa ddooss qquuaaddrraaddooss ddooss ddooiiss LLaaddooss ddoo ttrriiâânn
gguulloo rreettâânngguulloo,, ee eennttããoo ttiirraa--ssee aa rraaiizz qquuaaddrraaddaa
\/fy
Y
D\
:
I / V
jc
J k :.
W
/ '
Ú
j í
>
Ilustração 9-17b. Q triângulo da rauquadrada
on co
(\ 5i mostradode outra manmra. uuntfo-wtjuMm Tif tit*»-
dos da rede em vez deum como igual a11,00. ;
ddoo rreessuullttaaddoo AAssssiimm,, ll22== 11ee 22== 44;; eennttããoo 11 ++ 44
== 55,, sseennddoo aa ddiiaaggoonnaall aa rraaiizzqquuaaddrraaddaa ddee 55 ((\\ 55)) IIssssoo ééoo qquuee eelleess qquueerreemm ddiizzeerrccoomm
aa rraaiizz qquuaaddrraaddaa ddee 55 VVeejjaamm aa IIlluussttrraaççããoo 99-- 1177bb,, nnaa qquuaall qquuaattrroo qquuaaddrraaddooss ddaa rreeddee
eeqqüüiivvaalleemm aa uummaa uunniiddaaddee
UUmm ttrriiâânngguulloo 33--44--55 eessttáá iinnssccrriittoo ppeerrffeeiittaammeennttee nnaa IIlluussttrraaççããoo 99-- 1177cc SSee ccoonnttaarreemm
eennttããoo õõ ccoommpprriimmeennttoo aa lliinnhhaa FF ddee ccoorrrreessppoonnddee ddooiiss qquuaaddrraaddooss eexxaattaammeennttee ccoommoo uummaa aa 33 uunniiddaaddee uunniiddaaddeess ppaarraa ((66 qquuaaddrraaddooss)),, oo sseeuu ppaaddrrààoo ee aa ddee lliinnhhaa mmeeddiiddaa,, EE
3333
'm
,-^êèêz:-
ãéá
*í,&áÉS
Ilustração 91-7c>Um dos ooit trâi ngulos 3-4-5 inscrito nocírculo nestaerde. Aqu, i uma unidade eqvüaile
Ilustração 91-7c>Um dos ooit trâi ngulos
3-4-5 inscrito nocírculo nestaerde. Aqu, i
uma unidade eqvüaile a 2 lados de uqmua
drado da rede.
Ilustração 9-18. Uma perspectiva difreente!
mostrando oolhoda CBS no cenrto,noponto
zero (C).
sseerr sseerráá 55,, 44 ffaazzeennddoo ((88 qquuaaddrraaddooss)) uumm ttrriiâânngguulloo UUmmaa vveezz 33--44--55 qquuee NNaa eesssseess vveerrddaaddee,, llaaddooss mmeeddeemm hháá ooiittoo 33 ddeelleess ee 44,, nneessssaa eennttããoo ffiigguurraa aa ddiiaaggoonnaall qquuee eessttããoo ddeevvee
iinnssccrriittooss ppeerrffeeiittaammeennttee,, ggiirraannddoo aaoo rreeddoorr ddoo cceennttrroo OO qquuee éé ttããoo rraarroo éé qquuee ooss ttrriiâânngguu
llooss 33--44--55 eesstteejjaamm iinnssccrriittoossexatamente nnooss ppoonnttooss eemm qquuee oo ccíírrccuulloo ccrruuzzaa oo qquuaaddrraaddoo
ppaarraa ffoorrmmaarr aa rraazzããoo PPhhii EEssssaass ssããoo ssiinnccrroonniicciiddaaddeess iinnccrríívveeiiss,, aa qquuee vvooccêê nnããoo cchheeggaarriiaa
ppoorr ppuurraa ccooiinncciiddêênncciiaa AAggoorraa,, vvaammooss ffaazzeerr eessssee ddeesseennhhoo ddee uummaa mmaanneeiirraa uumm ppoouuccoo
ddiiffeerreennttee
O Olho de Leonardo e da CBS
AAggoorraa ssoobbrreeppoommooss dduuaass eessppiirraaiiss ddee FFiibboonnaaccccii,,uummaa eessppiirraall ffeemmiinniinnaa (linha iinntteerr
rroommppiiddaa)) ee uummaa eessppiirraall mmaassccuulliinnaa ((lliinnhhaa ccoonnttíínnuuaa)) ((IIlluussttrraaççããoo 99--1188)) VViimmooss áánntteess
uummaa rreefflleexxããoo ppeerrffeeiittaa ((vveejjaa aa IIlluussttrraaççããoo 88--1111)) AA eessppiirraall mmaassccuulliinnaa ((AA)) ttooccaa oo aallttoo ddóó
““oollhhoo”” ee eessppiirraallaa ppaarraa cciimmaa ee aaoo rreeddoorr nnoo sseennttiiddoo hhoorráárriioo AA eessppiirraall ffeemmiinniinnaa ((BB)) aattrraa**
vveessssaa oo ppoonnttoo zzeerroo ((CC)),, oo cceennttrroo ddoo oollhhoo,, ddeeppooiiss ssoobbee ee ggiirraa nnoo sseennttiiddoo aannttii--hhoorráárriioo
((EEssttee oollhhoo nnoo mmeeiioo,, aa pprrooppóóssiittoo,, aaccoonntteeccee ddee sseerr oo oollhhoo ddaa CCBBSS,, oo qquuee mmee ffaazz iimmaaggiinnaarr
qquueemm ffoorraamm ooss ssuujjeeiittooss qquuee ccrriiaarraamm eessssaa iimmaaggeemm ccoorrppoorraattiivvaa
))
EEssssee oollhhoo éé uummaa lleennttee;;
eemmbboorraa TThhootthh oo vveejjaa ccoommoo uumm oollhhoo EEssssaa éé aa ggeeoommeettrriiaa aattrraavvééss ddaa qquuaall aa mmeennttee ee óó
pprriimmeeiirroo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa iinntteerrpprreettaa aa RReeaalliiddaaddee EEssssee ddeesseennhhoo rreepprreesseennttaa 00 nníí
vveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa aabboorrííggiinnee,, ccoomm 4422 ++ 22 ccrroommoossssoommooss ((oo aauuttoorr llaammeennttaa tteerr ppeerrddiiddoo
ó'ddooccuummeennttoo cciieennttííffiiccoo ddee rreeffeerrêênncciiaa ddaa AAuussttrráálliiaa ppaarraa pprroovvaarr eessssee ffaattoo))
Essê
é0
pprriimmeeiirroo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa hhuummaannaa nnaa TTeerrrraa ee éé aa pprriimmeeiirraa vveezz qquueecaaonsciência
hhuummaannaa ssee ttoorrnnaa aauuttooccoonnsscciieennttee
OObbsseerrvveemm qquuee eessssaa ffiigguurraa ee aass dduuaass sseegguuiinntteess ((ddoo ccâânnoonnee ddee LLeeoonnaarrddoo,, qquueeusamos
aanntteerriioorrmmeennttee)) ttêêmm aass mmeessmmaass ggeeoommeettrriiaass ((IIlluussttrraaççõõeess 99--1199 ee 99--2200)) OOss ddooiipssadrões

34

ttêêmm uummaa rreeddee ddee 6644 qquuaaddrraaddooss ee aa mmeessmmaa eessttrruuttuurraa iinntteerrnnaa,, eemmbboorraa oo
ttêêmm uummaa rreeddee ddee 6644 qquuaaddrraaddooss ee aa mmeessmmaa eessttrruuttuurraa iinntteerrnnaa,, eemmbboorraa oo ccíírrccuulloo ee oo
qquuaaddrraaddoo iinntteerr--rreellaacciioonnaaddaass,, sseejjaamm ppoossiicciioonnaaddooss ffaazzeennddoo--mmee ddee iimmaaggiinnaarr mmooddoo ddiiffeerreennttee qquueemm ffooii nnooss rreeaallmmeennttee ddeesseennhhooss ddee LLeeoonnaarrddoo LLeeoonnaarrddoo ee oo EEllaass qquuee ssããoo eellee
eessttaavvaa rreeaallmmeennttee eessttuuddaannddoo!!
NNaa IIlluussttrraaççããoo 99--2211,, vvooccêêss vveeeemm aa ddiivviissããoo eemm ooiittoo ccéélluullaass ((vveejjaamm oo OOvvoo ddaa VViiddaa nnaa
IIlluussttrraaççããoo 77--2266)) ee oo ccoorrppoo hhuummaannoo ppoorr bbaaiixxoo;; ppooddeemm ccoommeeççaarr aavveerr aasspprrooppoorrççõõeess rreeaaiiss
ddoo hhuummaannoo aadduullttoo ccoonnttiiddaass nneessssaa ddiivviissããoo eemm ooiittoo ccéélluullaass ((MMaaiiss aaddiiaannttee,, nneessttee ccaappííttuulloo,,
ddiissccuuttiirreemmooss eemm mmaaiiss ddeettaallhheess aa rreellaaççããoo eennttrree oo ccâânnoonnee ddee LLeeoonnaarrddoo ee oo OOvvoo ddaaVViiddaa ))**
IIssssoo ttaammbbéémm ssiiggnniiffiiccaa qquuee,, ssee LLeeoonnaarrddoo
rreeaallmmeennttee eenntteennddiiaa eessssaass iinnffoorrmmaaççõõeess,, ssee
nnããoo ffooii aappeennaass uummaa ccooiinncciiddêênncciiaa,, eellee nnããoo
eessttaavvaa ffaallaannddoo ddee nnóóss,, mmaass ddoo pprriimmeeiirroo
nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa —— aa aabboorrííggiinnee,, aass
pprriimmeeiirraass ppeessssooaass ddoo mmuunnddoo ÉÉ ccllaarroo qquuee
nnããoo sseeii ssee eellee ssaabbiiaa ddiissssoo oouu nnããoo,, ppoorrqquuee
eessssaa ssiimmpplleess iinnffoorrmmaaççããoo nnããoo éé ssuuffiicciieennttee
ppaarraa eemmbbaassaarr eessssee ttiippoo ddee jjuullggaammeennttoo
PPoorr LLeeoonnaarrddoo tteerr ccrriiaaddoo uummaa rreeddee 88
ppoorr 1100 aaoo rreeddoorr ddoo sseeuu ccâânnoonnee —— ee ddeessddee
qquuee hháá iinnúúmmeerraass ppoossssiibbiilliiddaaddeess ddee rreeddee
—— qquuee iissssoo ttaallvveezz nnããoo ffooii eellee ssuuffiicciieennttee realmente ppaarraa ccoommpprreeeennddeessssee eeuussuussppeeiittaarr
eesssseess nníívveeiiss ddee ccoonnsscciiêênncciiaa bbaasseeaaddooss nnaa
ggeeoommeettrriiaa PPoorrttaannttoo,, ccoommeecceeii aa ppeessqquuiissaarr
ttooddaass aass oobbrraass ddee LLeeoonnaarrddoo ppaarraa vveerr ssee
eellee ttiinnhhaa uumm ccâânnoonnee hhuummaannoo ccoomm uummaa
35

Ilustração 9-20. Uma espiral femiiiina sobrepost à rede humana de Leonardo.

Ilustração 9-21. O cânone de Leonardo sobre posto à divisão em oito células (as outras quatr célual s ocultasportrásdas quatrovisíveis). |

Ilustração 9-23. A 10 por 12. Ilusrtação 92-2. Os quatro ccírulos que criam a rede
Ilustração 9-23. A 10 por 12.
Ilusrtação 92-2. Os quatro ccírulos que criam
a rede 8 por 10.
10 por 12 ou uma 14 por 18. Pesquisei e pesquisei, olhei e olhei, mas não consegui
enco ntrar nada. Q uero dizer que eu realmenteolhei, mas depois de um
tempo desisti.
Posteriormente, em outra ocasião em que estava estudando Leonardo, notei que esse
desenho do cânone do homem baseado na rede 8 por 1 0 não era realmente obra de
Leonardo, p orqu e as proporçõ es foram desenhadas pelo mestre del e, Vitrúvio. Na rea
lidade, Vitrúvio vivera cerca de 1,4 mil anos antes dele, mas Leonardo o considerava
o seu mentor mais importante.
A 10 por 12 de Vitrúvio
Depois de desc obrir que essas eram na real idade proporçõ es de Vitrúvio, comecei
a procurar nas
obras dele para ver se consegui a enc ontrar uma
10 por
12 ou um a 14
por 18 — e encontrei! Encontrei uma 10 por 12. Isso me dava dois dos três níveis
de consciência, o que então me fez suspeitar fortemente que esses homens, Vitrúvio
e Leonardo, estavam seguindo exatamente a mesma linha de pensamento que Thoth
estava me e nsinan do. Para completar tudo isso , Vitrúvio era um e ngenheiro roman o
cujos textos, qu and o recuperados e impress os no sécul o de 1400, foram responsáveis
pela arquitetura de algumas das igrejas mais magníficas da Europa. Leonardo era um
mestre maçom.
Se desenharem
cinco círculos de mesmo diâmetro ao longo dos eixos (como na
Ilustração 9-23) em vez de quatro (como na Ilustração 9-22) e traçarem linhas através
dos com prim entos e conjunçõ es de todas as v esica pisces, irão o bter essa r ede de 1 0 0
quadrados — uma 1 0 por 1 2 .
Vocês sabem q ue ela é exatam ente um a 10 por 12 porq ue há 10 qua drados de lado
a lado no quadrado grande e 1 2 quadrados de lado a lado sobre o diâmetro do cír
culo grande. Conf orme vimos na Ilustração 9-16, as v esica pisces ao red or dos qu atro
3366
lados estão metade dentro e metade fora do quadrado, e porque metade do comprimento de
lados estão metade dentro e metade fora do
quadrado, e porque metade do comprimento
de uma vesica piseis determ ina o tam anho dos
quadrados (vocês traçaram linhas através do
comprimento de todas as 1 2 vesica pisces e
linhas paralelas em todas as 1 0 conjunções),
vocês sabem q ue têm as razões perf eitas.
10 Mil Anos para Descobrir
Entretanto
quand o comecei a minha es
piral de Fibonacci (de origem feminina) do
canto superior direito dos quatro quadrados
centra is ( ponto A na Ilustração 9-24 ), ela não
parecia estar tocando os lugares certos como
aconteceu na rede 8 por 1 0 ;não parecia haver
sso enqu an
to Thoth observava. Ele me observou por
muito tempo e então disse: “Acho que vou
lhe dizer como fazer”. Eu respondi: “Mas eu
vou conseguir”. Ele insistiu: “Não, acho que
vou lhe d izer”. Eu repl iquei: “Como é que é?”
Ele arrematou: “Você provavelmente não vai
conseguir tão cedo. Nós levamos 10 mil anos
sincronicidade.
Lembro-me de estar fazendo i
/
V
/ \ \
/
/
/
\
f
\ N
\
para descobrir, e não tenho esse tempo”.
Isto foi o que Thoth me disse: para o pri
meiro nível de consciência (Ilustração 9-16),
com relação àqueles quatro quadrados no
meio da rede, o número 1 a que chegamos
como o nosso padrão de medida não era 1 .
Era 1 ao quadrado — esse era o seu verdadeiro
valor — e 1 ao quadrado eqüivale a 1. Mas
como vocês sabem a di ferença quando olham
\ m
/
/
/
\ \
/
/
[ _
para ele? E quando chegam ao segundo nível
de consciência, o 1 0 por 1 2 , ele não é 2 , mas
2 ao quadrado, q ue é igual a 4. Por tanto, vocês
precisam considerar a diagonal de quatro qua
drados como a sua unidade de medida, o que
significa que são precisos dois comp rimentos
de diagonal agora em ve z de um para equiva-
3377

llustração 9-24. A rede do segundo nível d consciência; espiral dessincronizada. Aqui, u unidade é uma diagonal de um quadrado d rede; vocês podem acompanhar a seqüência Fibonacci.

Ilustração 9-24a. A rede do segundo nível consciência; espiral sincronizada. Aqui, um unidade é uma diagonal de dois quadrados rede, de modo que apensasporimeiors três nú meros da seqüência de Fibonacci estão den da rede.Vocês conseguem encontrarfaerdein ça nas sincronicidades entre a Ilustração 9-2 Ilustração 9-24a, em que existe um desequil entre os dois de duas maneiras? (O segredo na pirâmide secreta da Ilustração 9-39.)

ler ao 1 do nosso padrão de medida (vejam a Ilus tração 9-24a). Quan do
ler ao 1 do nosso padrão de medida (vejam a Ilus
tração 9-24a).
Quan do vocês usam esse nov o padrão de me di
da de duas diagonais, e ntão tud o volta a mover-se
em sincronia outra vez. Não vou contar-lhes do
que se trata ainda, a não ser que esse é o segundo
nível de consciência. Esse é o nosso. E esse dese
nho é a lente geométrica pela qual interpretamos
a Realidade única.
A Ilustração 9-25 é o cân one de Vitrúvio, que é
uma rede 10 por 12. Quando o vemos pela p rimeira
vez, ele não se parece com um 1 0 coisa nenhuma,
porque há 30 quadrados de um lado — 900 qua
drados no total. Entretanto, se observarem com
Ilustração9-25. O cânoneVditerúvio.
atençã o, verão um po nto contando
a cada três
quadrados. E quando contam de ponto a ponto,
con tando cada três quadrados como um, obtêm exatamente dez un idad es de u m lado.
Portanto, há 100 quadrados maiores ocultos dentro dessa rede.
Acredito que o cânone de Vitrúvio seja uma rede 10 por 12, embora seja difícil
de provar isso, uma vez que Vitrúvio não desenhou o círculo de razão Phi. Se tivesse
desenhado, o círculo certamente criaria uma 10 por 12 (vejam a Ilustração 9-26).
Entretanto, a outra coisa que vocês veem no desenho é esse losango (vértices em A,
Ilustração 9-26. Um novocírculo ao redordo
cânonedeVitrúvio.
Ilustração 9-27. A Pirâmide cortada ao nível da
Câmarado Rei.
38
BB,, MM ee NN)),, qquuee nnããoo ppaarreeccee eennccaaiixxaarr--ssee eemm nnaaddaa MMaass eessssaa ttaammbbéémm éé
BB,, MM ee NN)),, qquuee nnããoo ppaarreeccee eennccaaiixxaarr--ssee eemm nnaaddaa MMaass eessssaa ttaammbbéémm éé uummaa iinnddiiccaaççããoo
ddoo sseegguunnddoo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa,, mmeenncciioonnaaddoo aanntteerriioorrmmeennttee nneessttee ccaappííttuulloo ((vveejjaa aa
IIlluussttrraaççããoo 99--44ee oo tteexxttoo)) ccoommoo bbaassee ppaarraa ááeessccoollhhaa ddaarreeddee 1100 ppoorr 1122 eemm pprriimmeeiirroo lluuggaarr
PPaarraa mmiimm,, oo ffaattoo ddee qquuee VViittrrúúvviioo tteennhhaa ddeesseennhhaaddoo eessssee lloossaannggoo ssoobbrree oo ssêêuu ccâânnoonnee éé
pprroovvaa ddee qquuee eellee eenntteennddiiaa qquuee eessssee eerraa oo sseegguunnddoo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa hhuummaannaa
OOuuttrraa ccooiissaa ssoobbrree eessssee ccâânnoonnee éé qquuee ddeennttrroo ddee ccaaddaa qquuaaddrraaddoo ddeelliinneeaaddoo ppeellooss
ppoonnttooss eessttããoo nnoovvee qquuaaddrraaddiinnhhooss OOrraa,, aaccoonntteeccee qquuêê oo ppaaddrrããoo ddee nnoovvee qquuaaddrraaddooss éé
aa cchhaavvee ppaarraa aa rreeddee iinntteerriioorr ddoo nníívveell sseegguuiinnttee —— aa ccoonnsscciiêênncciiaa ccrrííssttiiccaa —— ppoorrqquuee oo
nníívveell sseegguuiinnttee nnããoo uussaa 11 aaoo qquuaaddrraaddoo nneemm 22 aaoo qquuaaddrraaddoo —— eellee uussaa 33 aaoo qquuaaddrraaddoo,, ee
ddoo 33 aaoo nníívveell qquuaaddrraaddoo sseegguuiinnttee,, éé iigguuaall qquuee éé aa oo 99 nnúúmmeerroo PPrreecciissaammooss ddee ppeeddrraass ccoonnssiiddeerraarr ddoo tteettoo 99 qquuaaddrraaddooss ddaa CCââmmaarraa ppaarraa ddoo RReeii ccrriiaarr aa hhaarrmmoonniiaa
Vitrúvi o e a Grande
Pirâmide
PPaarraa ddiizzêê--lloo nnoovvaammeennttee,, aa IIlluussttrraaççããoo 99--2266 mmoossttrraa aa ffoorrmmaa ddoo lloossaannggoo aaoo rreeddoorr ddoo
sseegguunnddoo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa —— aa ffoorrmmaa qquuee vviinnccuullaa oo pprriimmeeiirroo ee oo tteerrcceeiirroo nníívveeiiss
ddaa ccoonnsscciiêênncciiaa QQuuaannddoo ggiirraammooss oo qquuaaddrraaddoo ddoo sseegguunnddoo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa eemm 4455
ggrraauuss ((vveejjaamm aa IIlluussttrraaççããoo 99--44)),, eellee ssee aapprrooxxiimmaa ggeeoommeettrriiccaammeennttee ddee oonnddee aa ccoonnsscciiêênn
EEssssee cciiaa ccrrííssttiiccaa ppaaddrrããoo ssee ddee eennccoonnttrraa qquuaaddrraaddoo ee nnaa ee rreeaalliiddaaddee lloossaannggoo ttaammbbéémm ttooccaa oo ssééttiimmoo éé eennccoonnttrraaddoo,, qquuaaddrraaddoo ssuuttiillmmeennttee,, ddaa ccoonnsscciiêênncciiaa nnoo pprroojjeettoo ccrrííssttiiccaa ddaa
GGrraannddee PPiirrââmmiiddee,, oo qquuee ppooddee sseerr vviissttoo ccoommoo pprroovvaa aaddiicciioonnaall ddee qquuee aa ppiirrââmmiiddee eerraa
ppaarraa sseerr uussaaddaa ppeelloo sseegguunnddoo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa ppaarraa eennttrraarr nnoo tteerrcceeiirroo nníívveell
SSee ccoorrttaarreemm aa ppiirrââmmiiddee aaoo nníívveell ddoo ppiissoo ddaa CCââmmaarraa ddoo RReeii,, oo qquuaaddrraaddoo nnoo aallttoo
((vveejjaamm aa IIlluussttrraaççããoo 99--2277)) tteemm eexxaattaammeennttee aa mmeettaaddee ddaa áárreeaa ddaa bbaassee
OO GGoovveerrnnoo
eeggííppcciioo ddeessccoobbrriiuu iissssoo NNããoo éé pprreecciissoo tteerr uumm ppaaddrrããoo ddee mmeeddiiddaa ppaarraa vveerriiffiiccaarr iissssoo SSee
ttoommaarreemm oo qquuaaddrraaddoo ddee cciimmaa ee oo ggiirraarreemm eemm 4455
ggrraauuss ccoonnffoorrmmee éé mmoossttrraaddoo nnaa IIlluussttrraaççããoo 99--2288,,
ooss sseeuuss vvéérrttiicceess ttooccaamm oo ppeerríímmeettrroo ddaa bbaassee eexxaa
ttaammeennttee
DDeesseennhhaannddoo ddiiaaggoonnaaiiss ppaarraa lliiggaarr ooss
vvéérrttiicceess ooppoossttooss ddoo qquuaaddrraaddoo--lloossaannggoo iinntteerrnnoo,,
vvooccêêss pprroodduuzzeemm 88 ttrriiâânngguullooss iigguuaaiiss ((qquuaattrroo ddeenn
ttrroo ee qquuaattrroo ffoorraa ddoo qquuaaddrraaddoo--lloossaannggoo)) UUmmaa vveezz
qquuee ooss ttrriiâânngguullooss iinntteerrnnooss ssããoo ddoo mmeessmmoo ttaammaa
nnhhoo qquuee ooss eexxtteerrnnooss ((vveejjaamm ooss ddooiiss ttrriiâânngguullooss
ssoommbbrreeaaddooss)),, aa áárreeaa ddoo qquuaaddrraaddoo iinntteerrnnoo sseemm
ddúúvviiddaa nneennhhuummaa tteemm eexxaattaammeennttee aa mmeettaaddee ddaa
áárreeaa ddaa bbaassee PPooddeemm vveerr iissssoo sseemm pprreecciissaarr ffaazzeerr
Ilustração 9-28. Quadrados e losan
nneennhhuumm ccáállccuulloo
gos que ilustram o fato de quqeuao
AA CCââmmaarraa ddoo RReeii ——••ccuujjoo nníívveell ddoo ppiissoo ddee
drado "superipr" (vejam a ilustração
tteerrmmiinnaavvaa oo ttaammaannhhoo ddoo qquuaaddrraaddoo ssuuppeerriioorr nneess
anteroir) tem exatamente a metade da
ssaass dduuaass iilluussttrraaççõõeess —— ffooii ccoonnssttrruuííddaa ppaarraa nnóóss,,
área da base quadrada "inferior",
ppaarraa oo nnoossssoo nníívveell ddee ccoonnsscciiêênncciiaa»» ppaarraa ppaassssaarr
39
■ p Ilustração 9-29. Quadrado externo com sucessivos quadrados internos girados em 45 graus. consciência
■ p
Ilustração 9-29. Quadrado externo com sucessivos
quadrados internos girados em 45 graus.
consciência pela iniciação crística. para Isso o nível se torna seguinte óbvio da
quando as i nformações são co nhe cidas e
compreendidas.
Na Ilustração 9-29, podem ver a geo
metri a real de um q uadrad o exterior com
suc essivos qu adrados intern os de m etade
do tamanho girados em 45 graus. Pode
ríamos iniciar uma profunda discussão
gressão sobre o significado geom étri ca, esotérico po rqu e dessa a sagrada pro raiz
quadrada de 2 e 5 oscila ge om etricam ente
para sempre, mas acredito que com pre
enderão por si mesmos à medida que
continuarmos.
AA BBuussccaa ddee uummaa 1144 ppoorr 1188
A esta altura eu tinha desenhos de
dois dos três ní veis de con sciên cia d a li
nhagem de Leonardo e Vitrúvio, e es tava
verdadeiramente entusiasmado. Comecei
aprocura r em tudo o que pu de enco ntrar
de Vitrúvio, tentando encontrar uma 14
por 18. Olhei e olhei, então, não mais que
de repente, al go me ocorreu . A 14 por 18
Ilustração 9-30a. Acréscimo: a nova esfera da
ciência centrada no chakra do coraçãqou,e resulta
de um modo diferente de respirar.

Ilustração 9-30. Segundo nível de consciência co forme Vitrúvio. Acréscimos: o círculo da razão Ph o tubo central de prana e as estrelas tetraédrica que representam a base do Mer-Ka-Ba.

4400
4400
éé aa consciência críst ica. AA minha lógica dizia que, se ele tivesse esse desenho,
éé aa consciência críst ica. AA minha lógica dizia que, se ele tivesse esse desenho, eessssee
seria o seu desenh o mais sagr ado, que provavelmente estar ia em algum recipiente de
ouro esc ondido profun dam ente em baixo de al gum altar sagrado em algum lugar. NNããoo
seria deixado sobre alguma mesa e provavelmente não chegara de maneira alguma
ao conh ecime nto público. C ontinu ei ol hand o, mas nu nc a encon trei nada. Não sei se
algum dia encontrarei.
A Ilustração 9-30 é um desenho de nossa autoria, com linhas acrescentadas por
mim. El e pode tornar- se m uito im portante para voc ês. Na verdade, é tão imp ortan te
para mim que é o frontispíc io dos prim eiros oito capítulos. Ele é de im portância
imediata porque mostra as proporções exatas da estrela tetraédrica ao redor do seu
corpo; incluindo o tubo que corre pelo meio, que usaremos para a nossa respiração
e na meditação que leva ao conhecimento do Mer-Ka-Ba, o corpo de luz humano; e
mais o cí rculo na razão Phi. A Ilustr ação 9-30a m ostra um a esfe ra
sobre a qual aind
a
não falamos — a es fer a de consciência qu e se desenvolve a o redor do seu ch akra do
coraç ão qu and o vo cês res piram da m aneir a anti ga. Os meus vo tos s ão de que, até o
fim desta obra, esse conhecimento tenha um profundo significado para vocês e os
ajude no seu crescimento espiritual.
O Leona rdo Desconheci
do
Então eu tinha duas das três peças.
Desconf iava fortemen te de que Leonar 
do e Vitrúvio trabalhavam de maneira
sem elhante ao que Th oth estava me en
sinando, mas ainda não tinha certeza
absoluta di sso. No fun do, eu tinha um a
boa certeza disso, mas ainda eram evi
dências circunstanciais. Então, um dia,
fui à cidade de Nova York, para apre
sentar um cu rso. Achava-me sentado na
cas a da mu lhe r que patrocina ra o curso,
a qual tinh a u m a biblioteca excelente, e
reparei em um livr o sobre Leonardo que
nun ca tinha visto antes. El e er a intitula
do The Unknown Leonardo [O Leonardo
Desconhecidol e continha as obras de
Da Vinci que todo mundo considerava
sem imp ortância. E
stes esboços não fo
ram incluídos nos lindos manuais por
que eram considerado s apenas rabis cos
e es boços p reliminares.
Enquanto folheava esse livro que
knownLeonardo (Ladislas Reti, ed„ Abradale Press, Harry
nunca
tin ha vist o na vid a,
de
re pen te
Abrams- lnc -
NovaYork' edi?âo de ,99 0>-
41
.YWjM.#. vi isto (Ilustração 9-31). Leonardo de senhara a Flor da Vida! E não se
.YWjM.#.
vi isto (Ilustração 9-31). Leonardo de
senhara a Flor da Vida! E não se tratava
de u m sim ples rabisco — ele realmente
calculara os ângulos e estudara as geo-
[l|l»W*J
3 gii
* '"o.,-.^
jsrl
M Êm
‘j
^f.'*»
metria s associa das à Flor da V ida.
A Ilu stração 9-32 está em outra pági
na do livro e mostra como ele desenhou
Ilustarção 9-32. Mais esboços de Lneaordo sobre a Frlo
daVida. A: o centro da Flor Vdiada. (DeThe Unknown
diversos padrões geométricos encontra
dos na Flor da Vida. O projeto da flor j
no ponto A é uma das chaves que vocês
Leonardo, p. 64.)
encontrarão em todo o mundo — era
o núcleo central da Flor da Vida. Vocês
encontrarão essa imagem em igrejas, mosteiros e nos mais diversos lugares de todo
o planeta, relacionadas a essas informações essenciais sobre a criação de que nos
esquecemos.
Ele con tin uou con side rand o todas as possíveis relações e ca
lculan do os ângulos que
conseguia e ncon trar. Até onde eu sei, Leon ardo foi a pr im eira pes soa a im aginar essas
proporções e aplicá-las em invenções concretas. Ele inventou coisas impressionantes
com base nessas proporções (Ilustração 9-33a) — coisas como o helicóptero, que foi
o primeiro a conceber, e relações de engrenagens como as encontradas atualmente
nas transmissões dos automóveis. E todos esses inventos saíram desses desenhos
estudando a Flor da Vida! O editor do livro não percebeu o que era tudo aquilo. Ele
simplesmente disse: “Eis de onde veio a invenção das engrenagens”. Leonardo avan
çou cada ve z mais, calculando o m áximo de razões possível. Eis aqu i ou tra pág ina da
obra dele (Ilustração 9-33b).
Agora posso dizer com a maior confiança que Leonardo seguia, ou já seguira,
geometricamente no mesmo sentido que Thoth me ensinara e estou apresentando a
vocês. Acredito que os ensinamentos de Thoth e o estudo de Leonardo basearam-se
na mesm a com preensão da Flor da Vid a.
4422
4422
Existiu um outro homem famoso que seguia nesse mesmo sentido — Pi- tágoras. Quando se
Existiu um outro homem famoso
que seguia nesse mesmo sentido — Pi-
tágoras. Quando se opera com a geo
metria sagrada e se fazem os desenhos
— o que força a conhecer ângulos e pro
porções geométricas — é preciso provar
as ações. Toda vez que apresentei algo
para provar, em vez de dar-me a todo
trabalho de realmente criar a prova eu
mesmo, pude encontrá-lo em livros de
geometria existentes. E em quase todos
os casos, a prova saiu de Pitágoras.
Toda prova que Pitágoras criou —
quase todo o espectro dessa escola —
não foi simplesmente uma prova ao
acaso de alguma geometria. Cada uma
era uma prova viva no mesmo caminho
que estam os trilha ndo neste inst ante. El e
precisava provar cada passo dado para
poder continuar. Não podia sim ples
mente supor qualquer coisa; precisava
provar, e precisava fazê-lo geometrica-
II
fêÈ háÈbÉÊiáÊtèM
fa
+/>->*«
ib
yr^yUWnJifl
Ilustração 9-33a. Proporções de engrenagens de
nardo aplicadas aos seus inventos. T(hDeeUnknown
j
.
m
Leonardo, p. 78.)
§ g j f
zT^rsz.-
■;
mente antes de continuar. Depois de um
tempo, reuni todos os desenhos e provas
dele porqu e sabia que prec isaria deles . Ele
gastara a vida inteira para descobrir essas
coisas, e é claro que eu queria andar mais
rápido.
Portanto, agora sabemos que pelo me
nos dois grandes nomes do passado, Leo
nardo da Vinci, um dos maiores homens
que j á viveram, e Pitá goras, o pai do m un 
do m odern o, perceberam a i mpo rtânci a da
Flor da Vid a e aplicaram esse conhec ime n
to
f
f i S
à vida diária.
Vamos examinar o último desenho
geométrico da consciência, a 14 por 18,
Ilustração 9-33b. Mais razões e proporções. (De
a
consciência crística (Ilustração 9-34).
The Unknown Leonardo,
p. 79.)
Tudo o que vocês precisam é de nove cír-
43
43
culos c oncêntricos como antes, um qua drado ao red or do sétimo círculo e
culos c oncêntricos como antes, um qua
drado ao red or do sétimo círculo e t erão
o desenho básico da consciência crísti
ca — uma rede 14 por 18. Mas, quando
chegarem ao meio dos qua tro q uadrados,
não poderão tomar como base
1 ao qua
drado ou 2 ao quadrado; deverão usar 3
ao quadrado com o a sua un idad e básica.
Três ao quadrado é igual a 9, portanto
agora vocês usam n ove qua drad os como
a sua unidade básica para eqüivaler a
quatro quadrados centrais, e desenham
um quadrado ao redor de nove conforme
é mostrado (sombreado). A sua unida
de de medida agora são três diagonais.
Ilustração 9-34. A consciência crística; a relação de 14
Assim, a espiral de srcem masculina
por 18 quadrados e círculos do terceiro nível de cons
(vejam a Ilustração 9-34a) começa no
ciência.
e a espiral feminina (linha interrompida) começa ponto no ponto A e desce, B e sobe, para desce, cima depois e para fora,
atrave ssa pre cisam ente o centro ou ponto zero e sai da rede. Vocês têm a sincronic ida-
de a con tecen do outra vez n esse desen ho, mas s ó se souberem u sar três diagonais ou
nove qua drado s (sombreados), que
já esta vam no desenho do segundo nível de cons
ciên cia de Vitrúvi o. Essa foi a maneira de ele dizer a mesma coisa que T
hoth disse: o
segundo níve l de consciência con tém as
informações básicas do terceiro nível, a
consciência crística.
O que é a sincronicidade? Olhem
como a feminina atravessa exatamente
o ponto zero feminino, e o masculino
passa exatamente sobre a linha central e
o círculo exterior. A mesma coisa pode
ser vista na Ilustração 9-24a. Essa é a
chave. Em algumas pouca s página s vocês
verão o que esses pontos na realidade
representam, a base e o vértice da G rande
Pirâmide.
UUmmaa GGrraannddee SSiinnccrroonniicciiddaaddee
Ilustração 9-34a. A consicência crística, 14 por 18, mos
Agora vou mostrar-lhes uma série
trando a unidade básica (4 quadrados centrais sombre
ados) e a unidade diagonal de 3 quadrados da espiral
de desenhos para ilustrar uma grande
(quadrado maior sombreado).
sincronicidade.
4444
Na Ilustração 9-35, vocês podem ver as oito células originais (círculos sombreados) circundadas pela super
Na Ilustração 9-35, vocês podem ver as oito células
originais (círculos sombreados) circundadas pela super
fície interior da zon a pelúcida (comparem com a Ilustra
ção 7-26). (As outras quatro células estão diretamente
atrás dessas quatro.) O círculo exterior forma a razão
Phi com o quadrado circundando a figura humana, e o
ser hum ano adulto encaixa-se perfeitamente nas ge ome-
trias combinadas. Até mesmo a estrela tetraédrica está
presente (Ilustração 9-35a).
Se fosse para vo cês des enharem três círculos iguais a o
longo do eixo vertical (Ilustração 9-36) — e eles se encai
xassem perfeita mente por que a estrela tetraédrica é divi
dida em três terços — isso mostraria que as oito células
srcinais e o ser hu mano adulto estão inter-relac ionados.
O microcosmo está ligado ao mundo cotidiano.
Esse é um desenho bidimensional das oito células
srcina is. E m um a forma tridimensional, se fo ssem pôr
uma esfera no meio atravessando
o centr o — como uma
bola de gude que se encaixasse perfeitamente entre essas
esferas e entrasse no centro — essa esfera seria repre
sentada pelo círculo no ponto A. Se considerarem um
círculo desse mesm o tam anho e o pusessem no alto (B ),
ele simplesmente tocaria a superfície interna da zona
pelúcida, mostrando a vocês a sua localização.
Então tomem o círculo que se encaixa
por trás do
círculo central menor — o ligeiramente maior que se
encaixa na rede de 64 quadrados (vejam a Ilustração
9-36a). Quando vocês põem esse círculo no pon to B, ele
lhes mostra a exata superfície externa da zona pelúcida.
Portan to, o círculo m eno r que se encai xa totalmente e o
ligeiramente m aior que se encaixa perfei tamente dentro
são as chaves para a superfície intern a e extern a da zona
pelúcida, e indicam onde esses elementos vão na razão
Phi. O meu modo de calcular is so é o único que conheço,
embora haja muitos outros.
Agora, voltemos ao desenho de Leonardo sobreposto às oito células srcinais. Na
Ilustração 9-37, sobrepusemos ao cânone de Da Vinci uma geometria diferente, que
mo stra um a relaç ão a mais com o macrocosmo assim como ocorre com o microcosmo.
Observem a grande esfera sombreada que se encai xa perfeitamente ao redo r do corpo
hum ano, da cabeça a o pé e t ambém dentro do quadrado ao redor do cor po hum ano.
Agora observem o círculo menor sombreado diretamente sobre a cabeça do homem.
Esse círculo pequeno é criado ao colocar a ponta do compasso sobre a parte superior
do círculo de razão Phi ao redor do corpo humano e abrir a perna do compasso até
4455

Ilustrçaão 9-35.0cânone de Leonrdao sobreposto às oito células srcinais (cír culos sombreados; quatro estão atrás dos quatro que vocês veem).

Ilustração 9-35a. Encaixando a estrel tetraédrica tanto no cânone quanto n oito células srcinais.

Ilustração 9-36. As oito células srcinais sem o cânone de Leonardo, com o acréscimo de
Ilustração 9-36. As oito células srcinais sem
o cânone de Leonardo, com o acréscimo de
três círculos.
Ilustração 9-36a. Mostra como o círculo ligei
ramente maior que se encaixa no quadrado
da rede encaixa-se precisamentedentro das
células tridimensionais srcinais e como esse
círculo, do ladode fora, toca a superfície ex
terior da zona pelúcida.
aa ppaarrttee ssuuppeerriioorr ddaa ccaabbeeççaa ddoo hhoommeemm
EEssssee mmeessmmoo ccíírrccuulloo nnaa IIlluussttrraaççããoo 99--3355 tteerriiaa
uumm rraaiioo qquuee iirriiaa ddeessddee aa ssuuppeerrffíícciiee eexxtteerriioorr ddaa zzoonnaa ppeellúúcciiddaa aattéé aa ppaarrttee ssuuppeerriioorr ddaa
ccaabbeeççaa oouu ddoo qquuaaddrraaddoo
OO ccíírrccuull oo mm eennoorr ssii mmpplleessmmee nnttee ttooccaa oo ccíírrccuull oo mmaaiioorr ssoommbb rree
aaddoo ((CCoommoo nnoottaa mmaarrggiinnaall,, oo cceennttrroo ddoo ccíírrccuulloo mmeennoorr éé eexxaattaammeennttee oonnddee ssee llooccaalliizzaa
oo 1133aa cchhaakkrraa ))
EEnnttããoo,, oo qquuee ttuuddoo iissssoo ssiiggnniiffiiccaa??
AAss PPrrooppoorrççõõeess eennttrree aa TTeerrrraa ee aa LLuuaa
MMuuiittooss rreeiivviinnddiiccaarraamm aa aauuttoorriiaa ddaa IInnffoorrmmaaççããoo qquuee vveemm aa sseegguuiirr,, mmaass nneennhhuumm
ddeelleess ííooii oo ccrriiaaddoorr ssrrcciinnaall,, ppoorrqquuee ddeessccoobbrrii aallgguuéémm aaiinnddaa mmaaiiss aannttiiggoo rreellaacciioonnaaddoo aa
iissssoo,, qquuee ssuuppoossttaammeennttee ffooii qquueemm ddeeuu ssrrcceemm aa ttuuddoo AA oobbrraa eessccrriittaa mmaaiiss aannttiiggaa qquuee
ppuuddee eennccoonnttrraarr ffooii aa ddcc LLaawwrreennccee BBllaaiirr (Rhythms oj VViissiioonn)),, mmaass eellee nnããoo aaffiirrmmaa sseerr
oo aauuttoorr;; eellee ddiizz qquuee oobbtteevvee eessssaa iinnffoorrmmaaççããoo ddee oobbrraass mmaaiiss aannttiiggaass NNããoo sseeii qquueemm ffooii
oo pprriimmeeiirroo aa tteerr eessssaa iiddeeiiaa,, mmaass eessssaa éé lliimmaa iinnffoorrmmaaççããoo vveerrddaaddeeiirraammeennttee nnoottáávveell,, eemm
eessppeecciiaall ppaarraa qquueemm nnuunnccaa oouuvviiuu ffaallaarr aa rreessppeeiittoo
PPeennsseemm:: oo ttaammaannhhoo ddaass dduuaass eessffeerraass ssoommbbrreeaaddaass nneessttee ddeesseennhhoo ((IIlluussttrraaççããoo 99--3377))
““ppoorr aaccaa ssoo”” ttêêmm eexx aattaamm eennttee aa mmeessmm aa pprrooppoo rrççããoo qq uuee aaqq uueellaa eennttrree aa TT eerrrraa ee aa LLuuaa EEssssaa
pprrooppoorrççããoo eessttáá llooccaalliizzaaddaa nnoo ccoorrppoo hhuummaannoo ee nnaass ooiittoo ccéélluullaass ssrrcciinnaaiiss ddee ttooddaass aass
ffoorrmmaass ddee vvii ddaa AAll éémm dd iissssoo,, nnããoo ssóó aass
eessffeerraass nneessssee ddeesseenn
hhoo ttêêmm ooss mm eessmm ooss ttaammaannhh ooss
rreellaattiivvooss qquuee ooss ddaa TTeerrrraa ee ddaa LLuuaa,, mmaass aassssiimm ccoommoo nneessssee ddeesseennhhoo,, uumm qquuaaddrraaddoo qquuee
ssee eennccaaiixxaarriiaa aaoo rreeddoorr ddaa TTeerrrraa ee uumm ccíírrccuulloo qq uuee aattrraavv eessssaassssee oo ccee nnttrroo ddaa LLuuaa ((ss ee aa LLuuaa
eessttiivvee ssssee ttooccaanndd oo aa TTeerrrraa)) tteerriiaamm uummaa rraazzããoo PPhhii IIssssoo ppoodd
ee sseerr pprroovvaaddoo,, oo qq
uuee ttaammbbéémm
pprroovvaa qquuee oo ttaammaannhhoo ddaa TTeerrrraa ee oo ddaa LLuuaa ssããoo ccoommoo oo qquuee ssee aaffiirrmmaa
46
46
Para prová-lo, vocês precisam sa ber qual é o diâmetro da Terra, que é igual
Para prová-lo, vocês precisam sa ber qual
é o diâmetro da Terra, que é igual a um lado
do quadrado que se encaixaria ao redor dela,
exatamente como o mesmo quad rado qu e se
encaixa ao redor do corpo humano. Multi
pliquem isso por 4 para descobrir quantos
quilômetros há para d ar a volta no quadrado.
Depois de determinar isso, vocês precisam
saber quantos quilômetros há ao redor do
círculo que passa pe lo centro da Lua se a L ua
estivesse tocando a Terra.
Portanto, vamos dar uma olhada nisso.
O diâmetro médio da Terra é de 12.743,28
quilômetros. O diâmetro médio da Lua é de
3.475,44 quilômetros. O perímetro do qua
drado que se encaixaria ao redor da Terra
eqüivale ao diâmetro da Terra vezes 4, ou
50.973.12
quilômetros.
Para calcular quantos
quilômetros tem a circunferência do círculo
que atravessa o centro da Lua, vocês preci
sam saber o diâmetro da Terra e o raio da
Lua, tan to em cima q uanto embaixo na Ilustraçã o
9-37 — que são o diâmetro tanto da Ter ra quanto
da Lua — , somados, vezes pi. Se esses núm eros
forem iguais ou muito próximo s, então essa seria
12743,28 x 4 = 50973,12
D =12743,28+3475,44 = 162182,7
16218,72 nx= 50952,73
a prova. A circunferência do círculo eqüivale ao
diâmetro da Terra (12.743,28 quilômetros) mais
o diâmetro da Lua (3.475,44 quilômetros), o que
eqüivale a 16.218,72. Se multiplicarem 16.218,72
por pi (3,1416), o resultado são 50.952,73 quilômetros (vejam a Ilustração 9-38) —
apenas 20,39 quilômetros de diferença! Considerando que o oceano é 43 quilômetros
mais alto no Equador do que em qualquer outra parte (o oceano se projeta como
uma cordilheira de 43,44 quilômetros de altura), 20,39 quilômetros não são nada.
Entretant o, se multipl icarem 16.218,72 por 22/7 (um núm ero geralmente usado p ara
aproximar pi), o resultado será o mesmo número exato do perímetro do quadrado —
50.973.12 quilômetros!
Assim, o taman ho da Terra está em harm onia (segundo a razão Phi) com
o da Lua,
e
essas proporções são encontradas nas proporções dos nossos campos de energia e
até mesmo no próprio Ovo da Vida.
Passei semanas p ensand o sobre es se paradoxo. O campo
de energi a hum ano con 
tém o taman ho da Terra em que vivemos e o da Lu a que se move ao red or dela! Era
como o pensamento sobre os elétrons a 9/10 da velocidade da luz. O que significa
isso? Significa que só são possíveis determinados tamanhos de planetas? E que não
4477

Ilustração 9-37. O cânone de Leonardo com o quadrado e o círculo dentro. O círculo pequeno sombreado acima da cabeça está centrado sobre superfícieexterna da zona pelúcidaq, ue é o cícrulo de razão Phi em relação ao quadrado.

Ilustração 9-38. Os cálculos relativos à Terr e à Lua.

existe acaso nenhum, de qualquer maneira? Se o seu corpo é o padrão de medida
existe acaso nenhum, de qualquer maneira? Se o seu corpo é o padrão de medida do 1
universo, significa que contemos dentro de nós, de algum modo ou em algum lugar 1
todos os tamanhos de todos os planetas possíveis? Isso significa que o tamanho de I
todos os sóis está localizado em algum lugar dentro de nós?
Essas informações apareceram em alguns poucos livros nos últimos anos, mas os I
autores passaram-nas adiante como se nada significassem. No entanto, elas significam; f
são um assunto sério. Ainda estou profundamente impressionado com a perfeição da I
criação. Esse conhecimento definitivamente corrobora a ideia de que “o homem é o I
padrão de medida do universo”.
As Proporções entre a Terra, a Lua e as Pirâmides
Se isso não for o bastante, vejam o que algumas dessas outras linhas significam.
Se vocês traçarem uma linha horizontal pelo centro da Terra até a sua circunferência, 1
depois linhas desses dois pontos subindo até o centro da Lua, e do centro da Lua
uma linha voltando para o centro da Terra (Ilustração 9-39, essas são as proporções
exatas da Grande Pirâmide do Egito! Este ângulo em A é de 51 graus, 51 minutos e
24 segundos, exatamente o mesmo da Grande Pirâmide (Ilustrações 9-40 e 41).
Thoth, quando era Hermes na Grécia, diz em
A Tábua deEsmeralda
que foi ele um
dos construtores da Grande Pirâmide, e que a fez a partir das proporções da Terra. A
prova acima dá crédito à afirmação dele.
Considerando que a Terra, a Lua (e todo o sistema solar), o corpo físico humano
e o Ovo da Vida estão todos relacionados geometricamente e que a Grande Pirâmi
de os vincula em conjunto; e considerando que temos esses três níveis diferentes
dc consciência que têm pirâmides dentro de
cada um, podemos sobrepor ess es desenhos
à Grande Pirâmide e saber o que significam
os aposentos e onde eles estão localizados
dentro da pirâmide. A Grande Pirâmide é
realmente o grande mapa do nível de cons
ciência em que todos nos encontramos. Não é
de admirar por que (po r que de um nível sub
consciente) 18 mil pessoas visitam a Grande
Pirâmide todos os dias!
OOss AAppoosseennttooss ddaa
GGrraannddee PPiirrââmmiiddee
Até por volta de 1990, quase todo mun
Ilustração 9-39. As proporções Terra-Lua. O ângulo
do
pensava que a Grande Pirâmide (vejam a
A é o ângulo encontrado na Grande Pirâmide.
Ilustração 9-41) continha apenas a Câmara
48
Ilustração 9-40. A Grande Pirâmide. do Rei ( K), a Câm ara da Rainha (Q
Ilustração 9-40. A Grande Pirâmide.
do Rei ( K), a Câm ara da Rainha (Q ), a Gra n
de Galeria (G), o Fosso ou Gruta (E) — que
é um local muito estranho — e o Poço (W)
(chamado assim porque havia um “poço”
nesse apo sento ). En tretanto, foram descober 
tos mais quatro apose ntos apenas nos úl timos
anos três apos (desde ento 1994). s e três Foram paredes encontrados além da Câmara mais
da Rainha. Um não tinha nada dentro, ou
tro estava cheio do chão ao teto com areia
radioativa e o terceiro não continha nada a
não ser um a estátua de ouro m aciç o, que su
posta m ente os japoneses removeram. (P or
falar nisso, a Câmara do Rei e a Câmara da
Rainha não têm correspondência com mas
culino/feminino. Os nom es desses aposentos
foram atr ibuídos pelos mu
os muçulm anos enterravam h
çulmanos
porque
Ilustração 9-41. Corte transversal da Grande
Pirâmide.
om ens sob t eto s
planos e m ulheres sob tetos inclinados. Isso
não tem relação co m rei s e rainhas.)
K: Câmara do Rei
Q: Câmara da Rainha
S: Sarcófago
W: o Poço
Ess e roubo
foi seguido de
um ala rme si
A: Corredor Ascendente
D: Corredor Descendente
E: escavação chamada de o
Fosso
G: Grande Galeria sustentada
por sete modilhões
lencioso ao redor do mundo. Isso causou a
49
AAttuuaalliizzaaççããoo:: CCeerrccaaddee ttrreezzeennttooss aannooss aattrrááss nnoo mmááxxiimmoo,, KKeepplleerr
AAttuuaalliizzaaççããoo:: CCeerrccaaddee ttrreezzeennttooss aannooss
aattrrááss nnoo mmááxxiimmoo,, KKeepplleerr aaccrreeddiittaavvaa qquuee
ttooddaass aass óórrbbiittaass ddooss ppllaanneettaass ddoo nnoossssoo
ssiisstteemmaa ssoollaarr bbaasseeaavvaamm--ssee nnooss ssóólliiddooss
ppllaattôônniiccooss EEllee tteennttoouu pprroovvaarr qquuee isso eerraa
vveerrddaaddee,, mas não conseguiu porque tinha
ddeemm iissssããoo ddoo mmiinniissttrroo eeggíípp cciioo ddee AAnnttiigg uuiiddaaddeess eeaa ii
eexxppuu llssããoo dd ee ttoodd ooss ooss aa rrqquuee óóllooggoo ss eessttrraannggeeiirrooss ddoo 11
ppaaííss dduurraannttee aa ccrriissee HH oouuvvee uumm aa ccaaççaaddaa mmuunnddiiaall àà II
eessttááttuuaa ddee oouurr oo,, mmaass eellaa nnuunn ccaa ffooii eennccoonnttrraaddaa,, aattéé ii
oonndd ee eeuu ss eeii,, aassss iimm ccoo mmoo jjaammaa iiss ffoorraamm ddee ssccoobbeerrttaass 11
informações incorretas sobre as órbitas
planetárias. Na época moderna, o inglês
John Martincau descotmu a verdade.
Usando computadores, ele introduziu a
maioria das relações da geometri a sagra
da e as informaçõ es exatas sobre órbitas
máximas, m ínimas e médias dos planeta s
conform e de term inad o pela NASA para o
computador comparar. O que ele desco
briu é assombroso.
Foi descoberto que a simples geo
metria sagrada determinava as relações
orbitais entre os planetas e que nada
acontecia por acaso. Kepler estava certo,
a não ser que havia mais coisas en volvidas
do que simplesmente os sólidos platôni
cos. John Martineau incluiu todas essas
informações novas e velhas em um livro
publicado em 1995, A Book of Coinciden-
aabbssoolluuttaamm aass ppeessssooaass rreessppoonnssáávveeiiss eennttee iinneessttiimm áávvee AA eessttááttuuaa ll SSóó oo oouurroo tteemm uumm mmaacciiççoo vvaalloorr vvaa-- 11 11
lleerriiaa mmuuiittoo,, mmaass não eexxiissttee mmoonnttaannttee ddee ddiinnhheeiirroo 11
qquuee ppoossss aa eeqquuiippaarraarr--ss ee aaoo vvaalloorr ddaa eessttááttuuaa ee mm ssii
11
OOss cciieennttiissttaass jjaapp oonneesseess eessttaavvaamm pprreesseenn tteess qquuaannddoo ||
eessttiivv ee lláá,, eemm jjaanneeiirroo ddee 11999900,, ee aa eessttááttuuaa ffooii llee vvaaddaa
llooggoo ddeeppooiiss ddiissssoo
VVeejjaamm,, ooss jjaappoonneesseess ddeesseennvvoollvveerraamm aallgguunnss
iinnssttrruumm eennttooss qquuee pp eerrmmiitteemm vveerr oo qquuee hháá eemmbbaa iixxoo
i
ddoo ssoolloo ,, ee ccoomm eesssseess iinnssttrruumm eennttooss eelleess ddeessccoobbrrii-- ii
rraamm uumm ssaallããoo iinntteeiirraammeennttee nnoovvoo ssoobb aa EEssffiinnggee
AAttrraavvééss ddee 1188 mmeettrrooss ddee rroocchhaa eelleess ccoonnsseegguuiirraamm
iinnssppeecciioonnaarr ttããoo bbeemm oo iinntteerriioorr ddee uumm aappoosseennttoo
qquuee ffoorraamm ccaappaazzeess ddee iiddee nnttiiffiiccaarr uumm rroolloo ddee ccoo rrddaa
ee uumm ppoottee ddee bbaarrrroo nnuumm ccaannttoo
TTaammbbéémm ddeessccoo
bbrriirraamm uumm ttúúnneell qquuee ppaarrttiiaa ddoo ssaallããoo eemmbbaaiixxoo ddaa
EEssffiinnggee ee sseegguuiiaa aattéé aa GGrraannddee PPiirrââmmiiddee EEssssee ttúúnneell
éé mmeenncciioonnaaddoo eemm mmuuiittooss tteexxttooss aannttiiggooss,, eemmbboorraa
ce: New Perspectives on an Olcl Chestnut
«atualmente esgotado, Wooden Books,
Pais de Gales).
O que c importante para nós é que
odas as relações da geometria sagrada
escobertas por Martineau são encontra-
las no cam po de en ergia hum ano, o Mer-
a-Ba. Isso significa que não só a relação
a Terra com a sua Lua e enco ntrada no
ampo de energia humano, mas as de lodo
sistema solar, listá se tornando cada vez
iais claro qu e o home m é verdadeiramen-
o padrão de medida do universo.
ooss tteexxttooss aannttiiggooss ddiiggaamm qquuee nnaa vveerrddaaddee eexxiisstteemm
ttrrêêss ttúúnneeiiss
AA eessttááttuuaa llooccaalliizzaavvaa-- ssee oonnddee ooss jjaappoonneesseess eessttaa
vvaamm ppeessqquuiissaannddoo DDee aaccoorrddoo ccoomm aass mmiinnhhaass ffoonn
tteess qquuee eessttaavvaamm lláá,, ooss jjaappoonneesseess vviirraamm aa iimmaaggeemm
ddaa eessttááttuuaa ddee oouurroo ddeennttrroo ddoo aappoosseennttoo vviizziinnhhoo àà
CCââmmaarraa ddaa RRaaiinnhhaa,, ddeeppooiiss pprrooccuurraarraamm oo mmiinniissttrroo jj
eeggííppcciioo ddee AAnnttiigguuiiddaaddee ss ee ppeeddiirraamm ppeerrmm iissssããoo ppaarraa 11
rreemmoovvêê--llaa,, mmaass eellee nneeggoouu--llhh eess aa ppeerrmm iissssããoo ee mm íí
ttooddooss ooss nníívveeii ss AAcchhoo qquuee ooss jjaappoo nneess eess ppeennssaarraamm
||
qquuee nnããoo hhaavveerriiaa nneennhhuumm pprroobblleemmaa
TTooddaa aa CCââ-- jj
mmaarraa ddaa RRaaiinnhhaa aacchh aavvaa--ssee ttoommaaddaa ppeellooss aannddaaiimmeess j
ddeelleess ee nniinngguuéémm ttiinnhhaa ppee rrmmiissssããoo ddee eennttrraarr AAssssiimm,, II
ooss jjaappoonneesseess ttiinnhhaamm pplleennoo aacceessssoo aa eessssaa ppaarreeddee ee JJ
aaoo aappoosseennttoo ppoorr ttrrááss ddeellaa CCeerrccaa ddee uumm mmêêss ddeeppooiiss,, 11
aa ssuuaa ppeerrmmiissssããoo ddee ppeerrmmaannêênncciiaa llhheess ffooii nneeggaaddaa,, ||
eelleess rreeccoollhhee rraamm oo ss ssee uuss aannddaaiimmee ss ee ddeeiixxaarraamm oo jj
ppaaííss SSóó depois qquuee eelleess ssaaíírraamm ddoo EEggiittoo ffooii qquuee ooJJ mmiinniissttrroo ddee
ppaaííss
SSóó
depois
qquuee eelleess ssaaíírraamm ddoo EEggiittoo ffooii
qquuee ooJJ
mmiinniissttrroo ddee AAnnttiigguuiiddaaddeess ppee rrcceebbeeuu oo rreebbooccoo nnoovvooJJ
50
entre os tijolos na parede voltada para o aposento oculto onde se localizava a estátua
entre os tijolos na parede voltada para o aposento oculto onde se localizava a estátua
de ouro e entendeu o que eles (supostamente) fizeram. Mas era tarde demais. Ele
acabou demitido por isso; foi um grande escândalo.
Mais Aposentos
Pouco tempo atrás foi
encon trado o utro apose nto além da Câmara da Rainha. Há
dóís dutbs de ventilação de cerca de 10 a 15 centímetros de diâmetro que sobem da
Câmara da Rainha. Um pesquisado r alemão (Rud olf Gantenbrin k) pas sou um a câmara-
robô por um desses dutos e descob riu uma passage m para um outro aposento.
A câmara em E é chamada de o Fosso; é realmente um aposento estranho. Nor
malment e, não é perm itida a entrada no Fosso
. Quem consegue entra r lá, provavel
mente é porque tem amigos nas altas esferas. Trata-se simplesmente de um grande
buraco no chão. Thoth nunca me falou sobre esse aposento, portanto não posso lhes
dizer nada.
Os três locais de que Thoth realmente me falou são a Câmara do Rei (no alto), a
Câmara da Rainha (quase a mei o cam inho na subida para a Câm ara do Rei ) e o Poço
(abaixo do nível do chão bem na base). Darei mais informações a vocês sobre esses
três locais quando puder, pois eles estão relacionados aos três níveis de consciência.
O Processo de Iniciação
O process o de iniciação de uma pessoa que passa do segund o nível de cons ciência
para o terceiro começa no Poço. Se lerem A Tábua de Esmeralda, o livr o lhes dirá q ue
a iniciação começa no
fim de um tún el que não le va a lugar nenhu m. É um tún el que
aparentemente não tem nenh
um propósi to, e o Poço é o úni co aposento
que c onh e
cemos na Pirâmide que se encaixa nes
sa condiç ão. Esse túne l corre horizo ntalm ente
embaixo da Terr a po r cerca de 24 a 30 metros e
simplesm ente termina.
O arqueó logo
egípcio comu m não tem a m eno r ideia da raz ão pela qual os anti gos egípcios cavaram
esse túnel. Eu o observei com toda a atenção e parece que, quando eles o estavam
cavando, chegaram até um determ inado lugar e decidir am: “Vamos fazer ou tra coisa” *
porque o fim é grosseiro, como se simplesmente tivessem decidido desistir.
Agora vamos deixar esse túnel por um tempo e observar o processo de iniciação
na Câmara do Rei. Em primeiro lugar, a Câmara do Rei foi feita para vocês e para eu
passarmos para a consciência crística; esse é o propósito primordial. Trata-se de uma
sala de iniciação. Vou lhes d ar um conc eito da técnica e special que os egípcios usav am
para a ressurreição. Era um procedimento sintético, porque requeria instrumentos
materiais e o conhecimento de como usá-los. Nós, vocês e eu, não vamos usar esse
método neste mom ento da história, mas é extremamente instrutivo observar com o os
egípcios faziam. Depois vou lhes con tar em detalhes o que a credito que a hu manid ade
usará para passar para o terceiro nível de consciência
51
Primeiro vamos tentar entender por que esses três aposentos foram localizados ond e estão dentro
Primeiro vamos tentar entender por que esses três aposentos foram localizados
ond e estão dentro da Grande Pirâmi de. Ess as informações vão esclare cer m uitas das
dúvidas que vocês possam ter. A Câmara do Rei não éé um retângulo na Proporção
Áurea, embora pode ser que tenham lido isso em vários livros. É algo muito mais
interessante: ele é um aposento na raiz quadrada de 5 — um aposento perfeito em 1
por 2 pela raiz quadrada de 5. Lembram-se daquele corpo humano com aquela linha
pelo meio e na diagonal, que era dividido ao meio no centro do círculo por uma linha
que criava uma razão Phi (vejam a Ilustração 7-31)? Bem, esse aposento éé tal e qual.
A planta do piso é um perfeito 1 x 2, e a altura é exatamente metade da diagonal do
piso.
Veem como a Câmara do Rei está fora do centro na Ilustração 9-41? Mas ela está
descentralizada de um modo muito especial. Ao entrar nela, depois de subir pela
Grande Galeria e abaixar-se para passar pela minúscula antessala, o sarcófago fica à
sua direita. Na sua posição srcinal, o centro exato da pirâmide passava diretamente
através do sarcóf ago, mas e le foi deslocado. O vértice da pirâm ide é mo stra do no alto.
Vocês precisam saber disso em primeiro lugar.
Na realidade, duas iniciações acontecem na Câmara do Rei. A primeira era no
sarcófago. A segunda, que normalmente acontecia muitos anos depois, às vezes mi
lhares de anos depois, acontecia precisamente no centro do aposento, marcado por
meia diagonal. Há um objeto quadridimensional que não pode ser vi sto materia lme nte
situa do no meio do a posento. O aposento é con stituído exa tame nte de 1 0 0 pedras nas
paredes e teto. Ele foi criado para o segundo nível de consciência e temos exatamente
1 0 0 q uadrad os ao redor do noss o corpo geometricament e.
RRee fflleett oorreess ee AAbb ssoorrvveeddoorreess
ddee LLuuzz aaccii mmaa ddaa CCââmmaarraa ddoo
RReeii
Eis outro aspecto dessa imagem que vocês precisam ver à medida que juntamos
as peças do quebra-cabeça.
A Ilustração 9-42 é um desenho de uma seção da Câmara do Rei e as cinco ca
madas acima do aposento. O teto imediato da Câmara do Rei é feito de nove pedras
enormes (lembrem-se de que nove é a chave da consciência crística), e acima dele
encontra-se uma série de camadas de pedras, conforme é mostrado no desenho, com
um espaço arejado entre cad a camada. A expli cação com um é que isso foi co nstruíd o
para aliviar a pressão sobre o teto plano da Câmara do Rei, para que ele não afundasse.
Bem, é verdade que ele
faz isso, mas não acredito que essa seja a única razão para as
camadas. A explic ação padrão é q ue a Câmara da Rainha não precisa de um elemento
com o esse para al iviar a press ão porque o seu teto já é inclinado . N o e nta nto , há pelo
menos um outro aposento dentro da pirâmide — o Poço — sem o teto inclinado, e
vocês poderiam perguntar: por que não puseram algo assim para aliviar a pressão
sobre ele, uma vez que está embaixo da Pirâmide e tem milhões de toneladas a mais
de pressão? (Há 2,5 milhões de blocos nessa pirâmide, e o seu peso é tremendo.)
52
Portanto, ob viamen te há alguma coisa a mais em r elação a esses cinco
Portanto, ob viamen te há alguma coisa a mais em r elação
a esses cinco espaços.
Quando se observa com bastante atenção aquelas
camadas, torna-se b em claro que são mu ito mais do que
mero espaço arejado para aliviar a pressão. O lado de
baixo dos blocos é polido como vidro. O lado de cima é
totalmente irregular e coberto com uma camada de cerca
espuma!
6
se alguém tivesse aplicado aquela camada com algum
de
milímetros de espuma. Sim,
Parece como
tipo de aerossol. Não sei o que é aquilo, mas é assim
que parece. Ao pensar a respeito, vê-se que há aquelas
superfícies esp elhadas v oltadas para baixo e aqu elas su
perfícies irregulares, cobertas de espuma, voltadas para
cima. Para mim, parece que foram projetadas para re
fletir a energia proveniente de baixo e absorver a ener
gia proveniente de cima. Trata-se de um separador, que
explicaremos logo mais.
egípcios Ele tem faziam uma tinha outra mais função de um ainda propósito): (quase tudo é também que os
um gerador de som. Quando observamos com toda a
atenção esse aposento relativo às imagens geométricas
sobrepostas da consciência humana, isso se toma claro.
Quero repetir que essas são informações de Thoth,
que ele me contou. A maior parte dessas informações
não se acha escrita em nenhuma outra parte.
Co mpara nd o os Ní veis de Consciênci
a
Definitivamente, a Grande Pirâmide não foi feita para os aborígines de primeiro
nível, com 42 + 2 cromossomos . Não tem relação com eles . A Grande Pirâm ide foi ba
seada principalme nte n os integrantes do terce iro nível, que se sincronizam com o nosso
nível e o nível de consciência da consciência crística, mas não no primeiro nível.
A Ilustração 9-43 é o desenho
do primeiro nível de con
sciênci a, m ostrand o a pi
râmide. Há 5 unidades de rede da sua base até o vértice; vejam que o primeiro nível
de consciência baseia-se em quintos, que são divisíveis apenas por 1 e 5.
Eis o desenho
do segund o nível com a pirâmide
(Ilustr ação 9-44)
unidad es para ess e nível de consciência huma
na. Con tando da base
e a rede de 100
para o topo h á
6
unidades, divisíveis por 3.
A pirâmide do
desenho do terceir o nível (Ilustr ação 9-45) tem
9 unid ade s de altura,
também divisível por 3, e esse é o nível da consciência crística. A razão pela qual os
terços foram escolhidos como a
base para a Grande Pirâmide é porq
ue 3 é o deno mi
nador comum entre os dois níveis de consciência ligados ao seu propósito final.
5533
Ilustração 9-43. Desenho esquemático do primeiro nível de co nsc iênc ia, 8 por 10.
Ilustração 9-43. Desenho esquemático do primeiro nível
de co nsc iênc ia,
8 por
10.
Captando a Luz Branca
Observem o desenho do segundo nível (10 por 12), Ilustração 9-44. Aqui vocês
têm a energia da luz branca (linha contínua) começando no ponto A e descendo a
princípio, depois espiralando até atingir exatamente o vértice da pirâmide no ponto
B (se a pedra do topo estivesse ali). E vocês têm a energia da luz escura (linha inter
rompida), também começando em A mas subindo primeiro, depois espiralando para
atravessar o ponto zero, o ponto central da base da pirâmide em C. De acordo com
Thoth, por cau sa da disposição da Gra nde Pi râmide
sobre a Terra ligada ao imenso campo geométrico
da Terra — especificamen te o camp o octaédrico da
Terra, que é equivalente ao nosso próprio campo
— e por causa da massa da pirâmide e das geome-
espirala trias usadas para nela, cima o e campo torna-se de energia extremamente d a luz forte, bra nca
alongando- se até o centro da galáxia. A energia da
luz escura vem de cima, espirala através do ponto
zero e se liga com o centro da Terra. Desse modo,
a Grande Pirâmide liga o centro da Terra ao centro
da nossa galáxia.
Suponha m que queiram e ntrar em contato ape 
nas com a energia da luz branca, captar apenas
segundonível Jlustração 9-44. de Desenho concsiência, esquemático 10 por do 12,
iniciação essa energia egípcia, e ir buscá-la isso é necessário n a su a pr óp para ria vivenciar fonte. (Na
com uma rede de 100 unidades. A espiral
a consci ência crísti ca.) A energia da lu z bran ca na
de luz escura (linha interrompida) atravessa
verdade começa no ponto D e desce em diagonal
o centro (ponto zero) para o centro da Terra.
cruzando a diagonal que tracei a partir do ponto
Aespiral de luz branca (linha contínua) vai
A. E a espiral de luz esc ura p arte do p on to E e sobe
parao centro da galáxia.
através de um quadrado para encontrar a sua co
54
nexão no p onto A. Mas se vocês começarem nos po ntos D e E,
nexão no p onto A. Mas se vocês começarem nos po ntos
D e E, as energi as se cruzarão próxim o ao seu pon to de
srcem; o problema com isso é que as energias tendem
a mudar de polaridade.
Thoth tentou me explicar. O feminino pode vir a
tornar-se masculino , ou o masculino po de vir a tornar-se
feminino apenas quando estão retornando à fonte, ou
início, e apenas n o p on to A. Os egí pcios queriam us ar a
energia da luz bran ca logo depo is que ela cruza o pon to
A mas antes de dar a guinada a 90 graus, que é exata
men te ond e se locali za a C âmara do Rei. No entanto , se
colocassem a sala de iniciação nessa área, teriam outro
problema para resolver, porque logo acima dessa área
fica a energia da luz preta, ou feminina.
E por isso que existem os separadores, os cinco es
paços acima da Câmara do Rei. Os espaços absorvem a energia da luz preta que vem
de cima e refletem a energia da luz branca que vem de baixo. Dessa maneira, eles
separam as duas uma da outra. Se vocês deitarem no sarcófago, a energia masculina
desce, ref lete-se no piso a um ângulo de 45 graus e atra vessa diretame nte a sua cabeça.
Esse feixe, de cerca de 5 cen tímetros de diâmetro, vem por trás da sua nu ca e atravessa
a sua glândula pineal, que é o segredo oculto de todo este trabalho. (No momento
certo explicaremos.)
Para chegar a esse ponto na vivência egípcia eram necessários doze anos de trei
namento na escola do Olho Esquerdo de Hórus e doze anos na do Olho Direito de
Hórus. Se considerassem que você estivesse pronto depois de 24 anos, no momento
certo eles o colocariam no sarcófago, fechariam a tampa e o deixariam ali por dois
dias e meio a quatro dias.
Você ficaria deitad o no sarcófago, far ia contato
com o feix e de energia da luz bran
ca
por meio da sua glândula pineal, depois (usando os seus 24 anos de instrução) sairia
pela espiral 1, 1, 2, 3, 5, 8 , 13, fazendo voltas muito específicas, seguindo a linha
reta masculina, a energia de 90 graus (não a energia curva feminina, que não pode
ser seguida), afastando-se dali para ter a sensação impressionante de tornar-se toda a
criação — vivenciando sinteticamente a consciência crística.
Depois de passar alguns dias no cosmos, você retornaria. Por causa do seu treina
mento, você saberia q ue de veria reg ressar, e voltari a usa nd o a ma temática de Fibonacci,
que era a chave para você ser
capaz de regressar.
De acordo com Thoth, ocasionalmente eles perdiam alguém. Ele disse que em
média perdia- se um em cada duz entos iniciados. Qu ando se está lá sendo o universo,
é tão belo que o pensamento de retornar à Terra não é exatamente a melhor ideia a
ter em mente. Você realmente não quer voltar. É preciso muita disciplina. Durante o
período de instrução, os antigos egípcios treinavam esse “re to rno” repetidas vezes,
porque só o que é preciso fazer é dizer não, e lá se perm anece no estado de cons
ciência. Se ficar por lá, então o seu corpo morre no sarcófago e você não vive mais
na Terra. No entanto, a maioria deles regressava, porque o motivo para fazer isso em
na Terra. No entanto, a maioria deles regressava, porque o motivo para fazer isso em
primeiro lugar era evoluir a consciência humana. Se você não retornasse, a Terra não
teria essa experiência.
No próxim o capítulo mostraremos como os egípcios posicionavam de maneira
surpreendente tanto a espiral de Fibonacci quanto a da Proporção Áurea ao redor da
Grande Pirâmide. Por quê? Porque queriam que se soubesse a importante diferença
entre essas duas relações matemáticas. Com relação ao que acabamos de comentar
sobre as energias clar
as e escuras, se
os egí pcios s aíssem em
um a esp iral na Proporçã o
Áurea, nunc a saberiam loc alizar o seu começo, um a vez que um a espiral na Proporção
Áurea não tem começo nem fim. Portanto, eles nunca saberiam onde o seu corpo se
situava em relação ao universo. Mas em se tratando de uma espiral de Fibonacci, eles
poderiam fazer as contas, voltar pelos números de Fibonacci tais como 5, 3, 2, 1 e 1,
localizar o seu corpo com exatidão, depois centrar-se nele. Eles saíam da experiência
sobre a Terra dentro do sar cófago na Câm ara do Rei , onde se e nco ntrav a o seu corpo.
No entanto, ele seria uma pessoa completamente diferente, jamais voltando a ser a
mesma, depois de ter a impressão direta do como é estar na consciência crística.
A Prova da Câmara de Iniciação
O fato de que ess a é uma câmara de iniciaç ão e não uma câmara fu nerária é bast ante
óbvio po r duas razões. A primeira tem
a ver com o process o de mum ificação usa do n o
Egito. Ao longo de todo o período inici al da história egípci a — com relação a tod os os
reis, rainhas, faraós, médicos, advogados ou outras pessoas especiais de que se tenha
notícia de terem sido mumificados —, o processo era executado da mesma maneira.
Fazia -se uma cerimônia, ret iravam-se os ór gãos , que eram colocados em qua tro jarros
de barro, depo
is embrulhavam
o corpo, já no processo de
mum ificação, e
o colocavam
no sarcófago, selando a tampa. Então carregavam o sarcófago e os quatro jarros para
o lugar onde fossem enterrá-los.
Não há, de que eu esteja ciente, exceções conhecidas a esse procedim ento; ainda
assim, na Câmara do Rei o sarcófago é maior do que a porta. Não poderiam tê-lo
transpo rtado p ara dentro da sal a porque nem sequer con seguiriam sair de lá . Trat a-se
de um pedaço de granito enorme. Deve ter sido colocado na Câmara do Rei durante
a construção da pirâmide. Essa é a única razão pela qual continua ali — de outro
modo, teria sido roubado muito tempo atrás e colocado no Museu Britânico ou em
algum o utro lug ar. A tampa não se encontra mais l á porq ue podia ser levada, m as não
se pode remo ver o sarc ófago.
A porta dessa câmara é pequena, e o túnel que se precisa atravessar para chegar
lá é ai nda m enor, men or do que o pró prio sarcó fago. Está claro que n ingu ém foi en
terrado nesse sarcófago. Além do mais, não foi encontrada nenhuma múmia nesse
sarcófago quando se abriu a Câmara do Rei pela primeira vez. Essa é uma evidência
circunst ancial, mas é mu ito convincente.
56
56
Captando a Luz Escura AA ccââmmaarraa aabbaaiixxoo ddoo nníívveell ddoo ssoolloo cchhaammaaddaa oo PPooççoo éé
Captando a Luz Escura
AA ccââmmaarraa aabbaaiixxoo ddoo nníívveell ddoo ssoolloo cchhaammaaddaa oo PPooççoo éé nnaa rreeaalliiddaaddee oonnddee aa iinniicciiaaççããoo
ccoommeeççaavvaa NNiinngguuéémm qquuee eeuu tteennhhaa eessttuuddaaddoo nnoo mmuunnddoo ccoonnvveenncciioonnaall ssaabbee ppoorr qquuee eessssee
aappoosseennttoo eexxiissttee MMaass qquuaannddoo ssee ssoobbrreeppõõee oo ccoorrttee ttrraannssvveerrssaall ddaappiirrââmmiiddee aaoo ddeesseennhhoo ddoo
sseegguunnddoo nníívveell ddaa ccoonnsscciiêênncciiaa ((vveejjaa aa IIlluussttrraaççããoo 99--4444)),, ppooddee--ssee vveerr ddoo qquuee ssee ttrraattaa
SSuuppoonnhhaamm qquuee vvooccêêss qquuiisseesssseemm oobbtteerr aappeennaass aa eessppiirraall ddee lluuzz preta, qquuee éé nnaa vveerr
ddaaddee oo iinníícciioo ddaa iinniicciiaaççããoo nnaa ppiirrââmmiiddee LLooggiiccaammeennttee,, vvooccêêss ppeennssaarriiaamm qquuee oo ffaarriiaamm
nnaa rreeggiiããoo
acima
ddaa CCââmmaarraa ddoo RReeii ((sseegguuiinnddoo aa llóóggiiccaa ddaa llooccaalliizzaaççããoo ddeellaa —— aa mmeennooss
qquuee vvooccêêss ssoouubbeesssseemm oo qquuee aaccoonntteecciiaa aallii)) SSee vvooccêêss oo fizessem nnaa áárreeaassuuppeerriioorr,, pprreeccii
ssaarriiaamm aattrraavveessssaarroo ppoonnttoo zzeerroo nnaa bbaassee,, ee aattrraavveessssaarr oo GGrraannddeeVVaazziioo nnããoo éé eexxaattaammeennttee
ddeesseejjáávveell
HHáá vvaarriiáávveeiiss ddeemmaaiiss nneessssee eessttaaddoo,, ddee aaccoorrddoo ccoomm TThhootthh
PPoorrttaannttoo,, eelleess
pprreeffeerriiaamm uumm lluuggaarr iimmeeddiiaattaammeennttee ppoosstteerriioorr aaoo ffeeiixxee ddee eenneerrggiiaa àà eessqquueerrddaa ddoo ppoonnttoo
zzeerroo,, qquuee ffiiccaa nnaa rreeggiiããoo ddoo ttúúnneell
AAggoorraa,, ppeennsseemm nniissssoo ppoorr uumm iinnssttaannttee EEsstteeddeesseennhhoo ((IIlluussttrraaççããoo 99--4466)) nnããoo éé ppeerrffeeiittoo,,
mmaass ssee ffoossssee,, vvooccêêss vveerriiaamm oo ffeeiixxee ddee lluuzz pprreettaa ddeesscceennddoo aa uumm âânngguulloo ddee 4455 ggrraauuss ee

AA oouuttrraa iinnddiiccaaççããoo ddee qquuee eessssaa éé uummaa ccââmmaarraa ddee iinniicciiaaççããoo éé qquuee hháá ppaassssaaggeennss ddee aarr ppaarraaddeennttrroo ddeellaa SSee ffoossssee pprroojjeettaaddaa ccoommoo uumm ttúúmmuulloo,, nnããoo sseerriiaamm nneecceessssáárriiooss dduuttooss ddee aarr AAss ccââmmaarraass ffuunneerráárriiaass eeggííppcciiaass ssããoo oo mmaaiiss hheerrmmeettiiccaammeennttee ffeecchhaaddaass qquuaannttoo ppoossssíí vveell,, ppaarraa pprrootteeggeerr aa mmúúmmiiaa,, ee nneennhhuummaa ddeellaass ttêêmm dduuttooss ddee aarr MMaass ttaannttoo aa CCââmmaarraa ddoo RReeii qquuaannttoo aa CCââmmaarraa ddaa RRaaiinnhhaa ooss ttêêmm PPoorr qquuêê?? PPaarraa aasssseegguurraarr qquuee hhaajjaa cciirrccuullaaççããoo'' ddee aarr ààqquueelleess qquuee uussaamm oo aappoosseennttoo ppaarraa aass ssuuaass cceerriimmôônniiaass EEiiss aaqquuii oouuttrraa eevviiddêênncciiaa cciirrccuunnssttaanncciiaall iinnddiiccaannddoo ppaarraa qquuee eerraa uussaaddaa aa CCââmmaarraa ddoo RReeii QQuuaannddoo aa eexxaammiinnaarraamm ppeellaa pprriimmeeiirraa vveezz,, oobbsseerrvvaarraamm uumm ppóó bbrraannccoo ddeennttrroo ddaa eexxttrreemmiiddaaddee ddoo ssaarrccóóffaaggoo qquuee ddáá ppaarraa oo cceennttrroo ddaa ppiirrââmmiiddee,, oo lluuggaarr eexxaattoo oonnddee aa ssuuaa ccaabbeeççaa ffiiccaarriiaa ssee vvooccêê eessttiivveessssee sseennddoo iinniicciiaaddoo ccoonnffoorrmmee eexxpplliiccaaddoo aacciimmaa OOss qquuee eessttiivveerraamm aallii nnããoo ssaabbiiaamm ddoo qquuee ssee ttrraattaavvaa,, mmaass ccoolleettaarraamm oo ppóó ee oo gguuaarrddaarraamm ddéénnttrroo ddee uumm ffrraassccoo ddee vviiddrroo,, qquuee aattuuaallmmeennttee ssee eennccoonnttrraa nnoo MMuusseeuu BBrriittâânniiccoo SSóó rreecceennttee mmeennttee ddeessccoobbrriirraamm oo qquuee eerraa aaqquuiilloo VVeejjaamm,, qquuaannddoo ssee eessttáá eemm mmeeddiittaaççããoo ee ssee eennttrraa nnoo eessttaaddoo tteettaa,, oo ccoorrppoo ccaalloossoo lliiggaa pplleennaammeennttee ooss hheemmiissfféérriiooss cceerreebbrraaiiss eessqquueerrddoo ee ddiirreeiittoo,, ee aa ggllâânndduullaa ppiittuuiittáárriiaa ccoommeeççaa aa eexxccrreettaarr uumm llííqquuiiddoo aattrraavvééss ddaa tteessttaa QQuuaannddoo eessssee llííqquuiiddoo sseeccaa,, ttrraannssffoorrmmaa--ssee eemm ppeeqquueennooss ccrriissttaaiiss bbrraannccooss,, qquuee ssee ddeessccaarrnnaamm EErraa iissssoo qquuee eessttaavvaa nnoo ffuunnddoo ddoo ssaarrccóóffaaggoo ddaa CCââmmaarraa ddoo RReeii HHaavviiaa mmuuiittoo mmaaiiss ppóó ddoo qquuee uummaa úúnniiccaa ppeessssooaa ppooddeerriiaa pprroodduuzziirr IIssssoo pprroovvaavveellmmeennttee ssiiggnniiffiiccaa qquuee mmuuiittaass ppeessssooaass ppaassssaarraamm ppoorr eessssaa iinniicciiaaççããoo DDeeppooiiss ddee rreeggrreessssaarraaoo ccoorrppoo nnaa CCââmmaarraa ddoo RReeii,, iimmeeddiiaattaammeennttee oo lleevvaavvaamm aattrraavvééss ddaa GGrraannddee GGaalleerriiaa ddeesscceennddoo aattéé aa CCââmmaarraa ddaa RRaaiinnhhaa TThhootthh nnããoo eexxpplliiccoouu eexxaattaammeennttee oo qquuee eerraa ffeeiittoo aallii,, mmaass ddiissssee qquuee oo oobbjjeettiivvoo eerraa eessttaabbiilliizzaarr aa ppeessssooaa ee aa ssuuaa mmeemmóórriiaa ddeeppooiiss ddoo rreeggrreessssoo ddaa eexxppeerriiêênncciiaa ssuuppeerrccóóssmmiiccaa ppaarraa qquuee nnããoo ssee eessqquueecceessssee ddeeppooiiss,, ppaarraa qquuee aa eexxppeerriiêênncciiaa nnããoo ssee ppeerrddeessssee EEssssaa ffooii ee aaiinnddaa éé aa ffiinnaalliiddaaddee ddaa CCââmmaarraa ddaa RRaaiinnhhaa

57
57
rreeaallmmeennttee ccrruuzzaannddoo aa eexxttrreemmiiddaaddee ddeessssee ttúúnneell OOss eeggíípp cciiooss
rreeaallmmeennttee ccrruuzzaannddoo aa eexxttrreemmiiddaaddee ddeessssee ttúúnneell OOss
eeggíípp cciiooss ccoonnttiinnuuaa rraamm aa ccaavvaarr aattéé qquuee cchheeggaarraamm aaoo
ffeeiixxee ddee lluuzz pprreettaa,, eennttããoo pprroosssseegguuiirraamm ppoorr mmaaiiss uunnss
3300 cceennttíímmeettrrooss ee ppaarraarraamm EEssssee ffeeiixx ee éé rreeaall,, ppoorrqquuee
eessttiivvee lláá ee oo sseennttii SSee ddeeiittaarreemm aallii,, sseerrããoo aattiinnggiiddooss
ppoorr uumm ffoorrttee ffeeiixxee ddee eenneerrggiiaa qquuee ssee ffiixxaa ssoobbrree
vvooccêêss —— ee tteerrããoo uummaa sseennssaaççããoo iinnccrríívveell
OOss SSaallõõeess ddee AAmmeennttii ee aa FFaaccee ddee JJeessuuss
Depoi s que é co ncluído
o processo de
iniciação
nesse túnel, os i niciados passaram po r um trei na
me nto que os preparava para ir ao centro da Terra
e para os Salões de Amenti, o útero da Terra. Esse
Ilustração 9-46. A Grande Pirâmide,mostran
espaço está localizado a cerca de 1 , 6
mil quilôm e
do o feixe de luz preta inclinado para baixo
para atravessar o fim do túnel abaixo da pi
tros dentro da Terra, não no centro. Os Salões de
râmide.
Amenti são um espaço tão imenso quanto todo o
espaço exterior. Estive lá; alguns de vocês me ou
viram contar essa história. E também estiveram todos os egípcios iniciados, antes de
entrarem na Câmara do Rei para passar pelo terceiro nível da consciência humana.
Há um outro fato sobre a Grande Pirâmide que foi descoberto recentemente e
é muito, muito interessante. No caminho para a Câmara da Rainha, do lado direito
de quem sobe, foi descoberta uma coisa de cerca de 7,5 a 10 centímetros de compri
mento. Provavelmente, todos vocês sabem sobre o Sudário de Turim, no qual está
impresso algo que algumas pessoas pensam tratar-se cia verdadeira face dc Jesus. As
análises cientificas não puderam determinar como a imagem da face foi posta sobre
o
tecido, mas elas
demonstraiam
de lato que cia foi criada de alguma forma por meio
da exposição a um calor intenso. Isso e tudo o que foi possível dizer a respeito, pelo
menos considerando tudo o que li. No caminho para a Camara da Rainha, há uma
imagem de uma pessoa sobre o que se parece com uma fotogralia em uma pedra, e não
se sabe como foi criada. As analises cientilicas indicam que foi feita pela exposição a
uumm ccaalloorr intenso, li a imagem parece sei a mesma lace que ha no Sudário de Turim.
EEllaa se ppaarreeccee com a lace de Jesus, se admitirem isso, e leva para a Câmara da Rainha,
uummaa ccââmmaarraa qquuee era usada para estabilizar a consciência crística.
RReessuummoo ddoo PPrroocceessssoo ddee IInniicciiaaççããoo
PPrriimmeeiirroo vvooccêê vvaaii aaoo PPooççoo,, ppaarraa aa iinniicciiaaççããoo nnaa eexxttrreemmiiddaaddee ffiinnaall ddoo ttúúnneell ee sseennttee
a eenneerrggiiaa ddee lluuzz eessccuurraa qquuee lleevvaa aaooss SSaallõõeess ddee AAmmeennttii,, oouu aaoo úútteerroo ddaa TTeerrrraa DDeeppooiiss
vvooccêê vai aa CCââmmaarraa ddoo RReeii,, oonnddee sseennttee aa eenneerrggiiaa ddaa lluuzz bbrraannccaa,, qquuee llhhee pprrooppoorrcciioonnaa
sseennssaaççããoo ddee sseerr ttooddaa aa ccrriiaaççããoo FFiinnaallmmeennttee,, vvooccêê vvaaii ppaarraa aa CCââmmaarraa ddaa RRaaiinnhhaa,, oonnddee
a
58
58
éé eessttaabbiill iizzaaddoo nnaa eexxppee rriiêênncciiaa ddaa ccrriiaa ççããoo ddee mm ooddoo qquuee ppoo ssssaa
éé eessttaabbiill iizzaaddoo nnaa eexxppee rriiêênncciiaa ddaa ccrriiaa ççããoo ddee mm ooddoo qquuee ppoo ssssaa vvoollttaarr àà vviiddaa nnoo rrmm aall ppaarr aa
aajjuuddaarr ooss oouuttrrooss aa eennccoonnttrraarreemm oo ccaammiinnhhoo EEnnttããoo vvooccêê eessppeerraa ppoorr uumm lloonnggoo tteemmppoo
NNuumm ddeetteerr mmiinnaaddoo mm oomm eennttoo,, qquuee ppooddeerriiaa aa ttéé mmeessmmoo sseerr nnuummaa vviiddaa ff uuttuurraa,, vvooccêê vvoollttaa
ppaarraa ddeennttrroo ddaa CCââmmaarraa ddoo RReeii ppaarraa aa iinniicciiaaççããoo ffiinnaall,, qquuee éé uummaa cceerriimmôônniiaa ddee qquuaattrroo
oouu ccii nnccoo mm iinnuuttooss qquuee aaccoonntteeccee nnoo cceennttrroo ddoo aappoosseennttoo NNeessssaa cceerriimmôônniiaa,, uummaa
ddeesseennhhaaddaa ssoobbrree oo tteerrcceeiirroo oollhhoo ddoo iinniicciiaaddoo ppaarraa vveerriiffiiccaarr ssee eellee aaiinnddaa ssee eennccoonnttrraa nnoo
ccaammiinnhhoo ee ssee eessttaabbiilliizzoouu ddeeppooiiss ddee uumm lloonnggoo ppeerrííooddoo ddee tteemmppoo EEsssseess ssããoo ooss ppaassssooss
ankh
éé
ddaa iinniicciiaaçç ããoo ccoonnffoorrmmee
TThhootthh mm ee eexxpplliiccoouu
OO qquuee aaccaabbaammooss ddee vveerr éé uummaa ddaass mmaaiiss iimmppoorrttaanntteess cchhaavveess ddoo ccoonnhheecciimmeennttoo ddoo
uunniivveerrssoo:: aa ggeeoommeettrriiaa ddooss nníívveeiiss ddee ccoonnsscciiêênncciiaa ddaass ssrrcceennss hhuummaannaass AAppeennaass ccoommee
ççaammooss aa ee xxpplloorraarr eessssaa cciiêênncciiaa EExxaamm
iinnaammooss
aappeennaass ooss pprriimmeeiirrooss ttrrêê
ss nníívveeiiss,,
mmaass eessssee
ccoonnhheecciimmeennttoo nnooss ddáá aa ccoommpprreeeennssããoo ddee oonnddee eessttiivveemmooss,, oonnddee eessttaammooss aaggoorraa ee ppaarraa
oonnddee eessttaammooss iinnddoo SSeemm eessssaa ccoommpprreeeennssããoo nnããoo ppooddeerriiaamm ccoonnhheecceerr aa ppllaannttaa bbáássiiccaa ee
oo mmaappaa ddaa ccoonnsscciiêênncciiaa hhuummaannaa
59
DEZ AA EEssccoollaa ddee MMiissttéérriiooss ddoo OOllhhoo EEssqquueerrddoo ddee HHóórruuss H á três escolas de
DEZ
AA EEssccoollaa ddee MMiissttéérriiooss ddoo OOllhhoo
EEssqquueerrddoo ddee HHóórruuss
H á três escolas de mistério
s no Egito. A escola masculina
é a do O lho D ireito de Hórus.
A escola fem inina é a do
Olho Esquerd o de Hórus. E a terceira escola é a criança,
ou a escola do O lho do Meio ou do Terce iro Olho de Hóru s, que
a é simplesm ente a vida — m as os egíp cios consideravam
a vida
escola mais importante de todas. Do ponto de vista egípcio,
tudo o que acontece nesta vida é uma lição, parte de uma pre
paração escolar para níveis superiores da existência, os quais o
mundo n orm al cham a de morte. Tod a a vida se trat a de ensino e aprendizagem , e o que
chamamos de vid a norm al cotidia na tem, para os eg ípcios, um signifi cado pro fun do ,
secreto. Esta pintura mural (Ilustração 10-1) mostra o olho direito, o olho esquerdo
e o olho do meio. E ste mu ral é o símbo lo não só de todas as
três escolas, ma s tam bém
Ilustração J 0-1. Centro superior: olho direito, olho do meio e-olho esquerdo.
61
61
o significado e o propósito da própria vida. O olho direito é o masculino, o
o significado e o propósito da própria
vida. O olho direito é o masculino, o olho
esquerdo é o feminino, e o olho do meio
é a criança, a fonte de srcem dos dois
outros olhos, pois todos começamos a
vida como uma criança.
O Olho Esquerdo de Hórus, a orien
tação feminina, estuda a natureza das
emoções e sentimentos humanos, tanto
positivos quanto negativos, a energia se
xual e o nascimento, a morte, determi
nadas energias psíquicas e tudo quanto
não seja lógico.
Desde o capítulo 5 examinamos a es
cola masculina do Olho Direito. Agora,
eu gostaria de estudar o outro lado do
cérebro, o lado feminino. Talvez eu não
assunto seja a melhor por ser pessoa homem, para mas ensinar prometo esse
esforçar-me ao máximo. As informações
que vamos transmitir-lhes são para aju
dá-los tanto na sua vida atual quanto na
asccnsão, se compreenderem a natureza
sutil do que será apresentado.
llustração 10-2. Outro mural das três escolas.
A Ilustração
10-2
mostra outra re
presentação das diferentes escolas. Vocês
podem ver os dois olhos com a esfera no meio.
A Ilustração 10-3 apresenta a pedra do topo de uma pirâmide que atualmente se
encontra no Museu do Cairo. Antes de mais nada, os admiradores de Sitchin (vejam
o capítulo 3) podem lembrar-se de que o símbolo tia oval com asas e duas cobras
saindo de si é o símbolo de Marduk, o
décimo planeta. Observem novamente
os dois olhos com o com pon ente central,
simbolizando as três escolas.
Outro símbolo da escola do Olho
Direito de Hórus é a íbis junto da oval,
esquerda mostradas do embaixo centro). do À esquerda olho direito desses (à
símbol os há um nome — um cartucho.
E continuando para a esquerda, podem
ver o símbolo tria ngular da estrela Sí rius
Ilustração1 0-3.Pedrado topode uma pirâmide.
63 ankh’ u m símbolo da vida et erna. No
meio dessa filei ra de sím bolo s encontra-
62
ssee oo oovvoo ddaa mmeettaammoorrffoossee,, rreepprreesseennttaannddoo aa mmuuddaannççaa ffííssiiccaa rreeaall
ssee oo oovvoo ddaa mmeettaammoorrffoossee,, rreepprreesseennttaannddoo
aa mmuuddaannççaa ffííssiiccaa rreeaall ppoorr qquuee ssee ppaassssaa
nnaa vviiddaa ppaarraa aallccaannççaarr aa iimmoorrttaalliiddaaddee
DDeeppooiiss,, sseegguuiinnddoo ppaarraa aa ddiirreeiittaa,, oouuttrroo
ssíímmbboolloo ddaa eessccoollaa ddoo OOllhhoo EEssqquueerrddoo ddee
HHóórruuss éé uumm ppeeddúúnn ccuulloo ddee fflloorr ccoomm uumm aa
aabbeellhhaa aaoo sseeuu llaaddoo
EEnnttããoo hháá oouuttrroo ccaarrttuu
cchhoo ee mmaaiiss àà ddiirreeiittaa ppooddeemm vveerr aa eessttrreellaa
SSíírriiuuss,, aa vviiddaa eetteerrnnaa ee aa sseerrppeennttee,, qquuee
rreepprreesseennttaa aa eenneerrggiiaa kkuunnddaalliinnii
AAqquuii vvooccêêss vveeeemm ííss iiss ee OOssíírriiss ((IIlluussttrraa
ççããoo 1100--44)) ee eellee eessttáá sseegguurraannddoo ooss iinnssttrruu
mmeennttooss ddaa rreessssuurrrreeiiççããoo:: ddaa eessqquueerrddaa ppaarraa
aa ddiirreeiittaa,, oo ggaanncchhoo,, uummaa vvaarraa tteennddoo eemm
uummaa eexxttrreemmiiddaaddee uummaa ccuurrvvaa ddee 4455 ggrraauuss
ee nnaa oouuttrraa uumm ddiiaappaassããoo,, ee uumm mmaanngguuaall
IIssiiss ccaarrrreeggaa aa ankh, qquuee ooffeerreeccee aa OOssíírriiss
Ilustração 10-4. Isis, Osíris e os instrumentos
da ressurreição.
ppoorr ttrrááss ddeellee
DDee aaccoorrddoo ccoomm TThhootthh,,
aa úúnniiccaa mmaanneeiirraa qquuee ssee ppooddee iinniicciiaarr aa
ankh é ppoorr ttrrááss
SSee tteennttaarr iinniicciiáá--llaa ppeellaa
ffrreennttee,, eellaa oo ddeessttrruuiirráá
A ankh é muito
iimmppoorrttaannttee,, ee vvaammooss ddaarr aass iinnssttrruuççõõeess
ddaa rreessppiirraaççããoo sseexxuuaall aassssoocciiaaddaass
à ankh
ppoosstteerriioorrmmeennttee ((ttuuddoo aa sseeuu tteemmppoo))
OO ggaanncchhoo ee oo mmaanngguuaall ssããoo iinnssttrruu
mmeennttooss vveerrddaaddeeiirrooss,, ee eesstteess ((IIlluussttrraaççããoo
1100--55)) ssããoo ooss ddoo rreeii TTuuttaannkkaammoonn
EEssttee mmuurraall ssee eennccoonnttrraa eemm uummaa ppaa
rreeddee eemm AAbbuu SSiimmbbeell ((IIlluussttrraaççããoo 1100--66)) ee
aaqquuii vvooccêêss ppooddeemm vveerr aa ffaammíílliiaa rreeuunnii
ddaa —— ííssiiss,, HHóórruuss ee OOssíírriiss EEssttee éé oo úúnnii
ccoo llooccaall qquuee vvii eemm ttooddoo oo EEggiittoo oonnddee éé
mmoossttrraaddoo ddee ffaattoo oo uussoo ccoonnccrreettoo ddeesssseess
iinnssttrruummeennttooss ddaa rreessssuurrrreeiiççããoo MMaall ppuuddee
aaccrreeddiittaarr qquuaannddoo vvii HHóórruuss sseegguurraa aa vvaarraa
ppoorr ttrrááss ddaa ccaabbeeççaa ddee OOssíírriiss,, eexxaattaammeenn
te ssoobbrree oo ppoonnttoo ddoo cchhaakkrraa oonnddee ffiiccaa aa
Ilustração 10-5. O ganchoee o mangual do
rreeii Tutankamon.
63
entrada principal do oitavo chakra. O gancho não é mostrado aqui, mas eles costumavam deslizá-lo
entrada principal do oitavo chakra. O
gancho não é mostrado aqui, mas eles
costumavam deslizá-lo para cima e para
baixo ao longo dessa vara para afiná-la.
Evidentemente, conseguiam afiná-la
sem ele. Aqui, Osíris mantém o braço
levantado, segurando com um dedo o
diapasão, o qual é uma peça em ângulo
com o que se afina o corpo para que a
vibração exata corra através da coluna
vertebral. Como podem ver, ele tem uma
ereção. A energia sexual era e ainda é
um componente da maior importância
■ no conceito deles quanto à ressurreição.
■ Aenergia sexual estava subindo pela co
luna vertebral dele. Era no momento do
orgasmo que eles eram capazes de fazer
essa teiro transição. só sobre esse Será assunto preciso porque um livro ele in é
muito complex o, portanto não vou tratar
o tema do tantra egípcio inteiramente
Ilustração 10-6. ísis, Hórus e Osíris em Abu Simbel.
Na Ilustração 10-7, vocês veem ísis
colocand o a ankh perante o nariz e a boca
dc Osíris, mostrando que a ankh, ou a
chavc da vida
eterna, estava ligada à res
piração. Tanto c que a ankh c ligada tanto a energia sexual quanto
Na Ilustração 10-8, vocês veem uma cena semelhante em outro
cslcra habitual acima da cabeça de Isis, podem
ver a oval vermelha
significando que ela dá instruções a Osíris acerca dc como passar pela
à respiração.
local. Em vez da
da metamorfose,
metamorfose e
sobre a respiração, que são as que voccs receberão aqui. I la segura delicadamente a
mão dele e exibe um sorriso tio tipo Mona I isa, um sorriso muito delicado, amoroso,
enquanto ensina a ele a respiração que o Iara passar da consciência comum para a
consciência crística.
IInniicciiaaççõõeess EEggííppcciiaass
A iniciação do Crocodilo em Kom Ombo
No mundo tias emoções e dos sentimentos femininos, se estes não estiverem em
equilíbrio dentro do iniciado, esse desequilíbrio nos impede de evoluir. Até que seja
alcançado o equilíbrio emocional, só podem os seguir pelo cam inho da ilum inação até
64
WÊIÊÊM Ilustração 10-7. ísis oferecendo a ankh a Osíris. Ilustração 10-8. Outra oferenda da ankh.
WÊIÊÊM
Ilustração 10-7. ísis oferecendo a ankh a Osíris. Ilustração 10-8. Outra oferenda da ankh.
uma certa distância, então tudo para. Pois sem amor e compaixão e um corpo emo
cional saudável, a m ente se engana, p ensan do que está tudo bem. Isso cri a a sensação
de que o iniciado está alcançando a iluminação quando na verdade não está.
Vamos apresentar a cerimônia a seguir porque ela é um exemplo perfeito da im
portância que os egípcios davam à superação do medo, uma das emoções negativas. O
medo era e aind a é a principal força que impede um a pessoa d e se aproxim ar da luz. À
medida que avançamos na direção dos mundos luminosos superiores, manifestamos
sem rodeios os nossos pensam entos e sentimentos. Ess e fato da natureza se t orna u m
problema tremendo, uma vez que quase sempre manifestamos primeiro os nossos
medos. E ao manifestar os nossos medos em um mu ndo novo, uma nova dimensão da
existência, destruímos a nós mesmos e somos forçados a deixar os mundos superio
res. Portanto, o que todas as raças antigas descobriram, e o que estamos descobrindo
agora nos tem pos m ode rnos , é que para sobr evive r nos mund os superiores , devemos
primeiro superar os nossos medos aqui na Terra. Para atingir essa meta, os egípcios
construíram templos especiais ao longo do Nilo.
A Ilustração 10-9 mostra o templo em Kom Ombo. Ele representa o segundo
chakra , o cha kra sexu al, do s doze chakras que sobem pelo Nilo — treze se des ejarem
contar a Gran de P irâmide. Kom Om bo é o único templo que é dedicado à polaridade,
ou dualidade, que é a base da sexualidade, e dois deuses estão associados a ela. Na
65
vveerrddaaddee,, éé oo úúnniiccoo tteemmpplloo ddeeddiiccaaddoo aa ddooiiss ddeeuusseess eemm ttooddoo oo
vveerrddaaddee,, éé oo úúnniiccoo tteemmpplloo ddeeddiiccaaddoo aa
ddooiiss ddeeuusseess eemm ttooddoo oo EEggiittoo:: SSoobbeekk,, óó
ddeeuuss ccrrooccooddiilloo,, ee HHóórruuss OOllhhaannddoo--ssèè ddee
ffrreennttee ppaarraa oo tteemmpplloo,, aa mmeettaaddee ddiirreeiittaa
ddeessssee tteemmpplloo éé ddeeddiiccaaddaa àà eessccuurriiddaaòò^^
oo llaaddoo eessqquueerrddoo,, àà lluuzz
RReecceenntteemmeennttee,, aaccoonntteecceeuu uumm ffaattooiinn
ddee tteerreessssaannttee ssiinnaall ddooss nneessssee tteemmppooss tteemmpplloo EEmm —— 11999922,, uummaa hhoouuvvee eessppéécciiéé uumm
ggrraannddee tteerrrreemmoottoo nnoo EEggiittoo,, ee GGrreegggg BBrraa--
Ilustração10-9. Templo em Kom Ombo.
ddeenn ccoonnttoouu--mmee qquuee eessttaavvaa sseennttaaddoo nneessssee
tteemmpplloo qquuaannddoo aaccoonntteecceeuu oo tteerrrreemmoottoo
PPrraattiiccaammeennttee ttuuddoo ddoo llaaddoo ddaa eessccuurriiddããoo
ccaaiiuu,, mmaass oo llaaddoo ddaa lluuzz nnããoo ppeerrddeeuu uumm
ssóó ttiijjoolloo
CCoonnffoorrmmee vvooccêêss vveerrããoo nneessttee
ttrraabbaallhhoo qquuee ffaazzeemmooss,, aa lluuzz aattuuaallmmeennttee
eessttáá mmaaiiss ffoorrttee ddoo qquuee aa eessccuurriiddããoo
OO eennttaallhhee ddaa IIlluussttrraaççããoo 1100--1100 eessttáá
nnaa ppaarreeddee ddee ttrrááss ddeessssee tteemmpplloo eemm KKoomm
OOmmbboo OOss ddooiiss oollhhooss eessqquueerrddooss ddee HHóórruuss
mmoossttrraamm qquuee eessssaa éé aa eessccoollaa ddoo ccoorrppoo
eemmoocciioonnaall,, aa eessccoollaa ffeemmiinniinnaa,, ee qquuee hháá
rreeaallmmeennttee dduuaass eessccoollaass ddeeddiiccaaddaass aa ddooiiss
ddeeuusseess ÀÀ eessqquueerrddaa vvooccêêss vveeeemm aa vvaarraa eemm
4455 ggrraauuss ddaa rreessssuurrrreeiiççããoo
NNaa pprriimmeeiirraa vveezz qquuee ffuuiilláá lleevveeii uummaa aammiiggaa,, ee nnaasseegguunnddaa vveezz eellaa mmee lleevvoouu EEssssaa ffooii
aa mmiinnhhaa mmiinnhhaa aammiiggaa sseegguunnddaa pprrooppoorrcciioonnoouu vviiaaggeemm eemm eemm 11999900,, KKoomm ee nnóóss OOmmbboo ppaarrttiicciippaammooss CCoommoo ppaarrttee ddee ddaa uummaa cceerriimmôônniiaa,, lliinnddaa cceerriimmôônniiaa ddeesscceemmooss qquuee ppoorr aa
uumm bbuurraaccoo,, ee aa IIlluussttrraaççããoo 1100--1111 mmoossttrraa oo ccoorrttee ttrraannssvveerrssaall ddeessssee bbuurraaccoo
UUmmaa ggrraannddee llaajjee ddee ggrraanniittoo ddeessccee ppeelloo mmeeiioo,, ddeeiixxaannddoo aappeennaass uumm ppeeqquueennoo eessppaaççoo
eennttrree oo ffuunnddoo ddeellee ee oo ssoolloo AAssssiimm nnooss eesspprreemmeemmooss ppoorr bbaaiixxoo ddaa ppaarrttee iinnffeerriioorr ee ssaaíí
mmooss ppeelloo oouuttrroo llaaddoo EEssssaa eerraa aa ppaarrttee ffííssiiccaa ddeessssaa cceerriimmôônniiaa EEiiss aaqquuii uummaa ffoottooggrraaffiiaa
ddee aallgguuéémm ddeesscceennddoo ppoorr eessssee bbuurraaccoo ((IIlluussttrraaççããoo 1100--1122))
NNoo eennttaannttoo,, ppuuddee ppeerrcceebbeerr qquuee aa ccee
rriimmôônniiaa ddeevviiaa ccoonntteerr mmaaiiss ddoo qquuee iissssoo
nnoo ppaassssaaddoo rreemmoottoo AA mmiinnhhaa aammiiggaa eessttáá
ttrraabbaallhhaannddoo ccoomm uumm ggrraannddee ggrruuppoo ddee
ppeessssooaass,, ppoorrttaannttoo nnaaqquueellee ddiiaa eeuu pprraattii
ccaammeennttee ssóó ffiiqquueeii oobbsseerrvvaannddoo
EEssttaavvaa
ccoonnsscciieennttee ddaa pprreesseennççaa ddee TThhootthh dduu
rraannttee oo tteemmppoo ttooddoo qquuee ppeerrmmaanneeccii nnoo
Ilustração 10-11. Corte transversal do buraco da ilustração
seguinte.
EEggiittoo,, eennttããoo llhhee ppeerrgguunntteeii:: ““ÉÉ ssóó iissssoo??’’’’
EEllee rreessppoonnddeeuu:: ““NNããoo,, hháá mmuuiittoo mmaaiiss ddoo
66
que isso”. Então tornei a perguntar: “Bem, epoderia me contar?” Ele replicou: “Tudo bem. Esse
que isso”. Então tornei a perguntar: “Bem, epoderia me
contar?” Ele replicou: “Tudo bem. Esse conhecimento
pode ser útil para você”.
Thoth me pediu para escalar at é o alto de uma p a
rede na parte d e trás do templo e olhar para trás. Então
eu subi por aquela parede, olhei para trás e tirei esta
foto (Ilustração 10-13). A entrada do buraco cerimo
nial ficava no ponto B, que ficou de fora na fotografia.
trutura. Podem ver O rio o Nilo corre ao pela fundo, frente à esquerda e a água do da Nilo grande entra es
direto no templo. Esse era um templo onde a água e os
crocodilos eram usados nos ensinamentos.
Na fotografia anterior (Ilustração 10-12), vocês
podem ver as pequenas cavilhas em forma de cunha
nos pontos A (Ilustração 10-12b). Eles usam peças
de metal com essa forma para prender duas pedras
unidas de modo que não se movam durante os terre
motos; isso deixa o local mais estável. Essas cunhas
realmente seguram as paredes nesses pontos. O lugar
onde o homem está descendo tinha paredes de ambos
os lados. Quando se sobe no alto do outro lado (de
onde eu tirei essa fotografia) podem-se ver os peque
nos buracos em forma de cunha seguindo por todo o
caminho até em cima, em C. Originalmente, as paredes
em D e E estendiam-se até a parede de onde tirei esta
fotografia, e vocês podem ver um espaço oco secreto
no meio. Nessa vista desde os fundos do templo, o lado
Ilustração 10-12. Entrada para o bura
Ilustração 10-1
2b. Forma decunha nos
pontos A.
Ilustração 10-13. O que restou
do local de iniciação em Kom
Ombo.
bura co m ostrado
como H
na Ilust ração 10.14a
67

co direita cerimonial. e a parte Vocês superior podem da ver cabeça a mã d homem descendo nele.

eessqquueerrddoo ddeessssee cceennttrroo ooccoo eerraa oo llaaddoo ddoo ““eessccuurroo””,, ee oo llaaddoo
eessqquueerrddoo ddeessssee cceennttrroo ooccoo eerraa oo llaaddoo ddoo
““eessccuurroo””,, ee oo llaaddoo ddiirreeiittoo eerraa oo llaaddoo ddaa
““lluuzz”” SSee vvooccêêss eessttiivveesssseemm eemm qquuaallqquueerr
uumm ddooss llaaddooss ddeessssaa ppaarreeddee,, nnããoossaabbeerriiaamm
qquuee hhaavviiaa uumm eessppaaççoo vvaazziioo nnoo mmeeiioo SSee
rriiaa bbeemm ddiiffíícciill ddee iimmaaggiinnaarr ppoorrqquuee vvooccêêss
ppeennssaarriiaamm qquuee oooouuttrroo llaaddoo ddaa ppaarreeddee eerraa
oo oouuttrroo llaaddoo ddoo tteemmpplloo
EEmm ccaaddaa uumm ddooss tteemmppllooss ddoo EEggiittoo,,
eerraamm ccrriiaaddaass ssiittuuaaççõõeess ppaarraa ffoorrççáá--lloo aa
ppaassssaarr ppoorr eexxppeerriiêênncciiaass eemm qquuee vvooccêê
nnoorrmmaallmmeennttee nnããoo ssee aavveennttuurraarriiaa,, ddee
mmooddoo qquuee,, qquuaannddoo ppaassssaassssee oouuttrraa vveezz
ppoorrssiittuuaaççõõeess sseemmeellhhaanntteess,, vvooccêê eessttiivveessssee
Ilustração 10-14a. Tanque de crocodilos usado para a
mmaaiiss ffoorrttee ee ccoomm mmeennooss mmeeddoo VVooccêê eerraa
experiência iniciática.
ccoollooccaaddoo eemm ssiittuuaaççõõeess ddee mmeeddoo eexxttrreemmoo
ppaarraa ssuuppeerraarr ooss sseeuuss mmeeddooss EErraa ppaarraa iissssoo qquuee sseerrvviiaa eessssee eessppaaççoo ooccoo —— eerraa uumm eexxeerr
ccíícciioo ppaarraa ssuuppeerraarr oo mmeeddoo,, uumm ttiippoo ddee mmeeddoo eessppeeccííffiiccoo EErraa eessssaa mmaaiiss oouu mmeennooss aa ffuunnççããoo
ddoo ccoommpplleexxoo ccoonnffoorrmmee TThhootthh mmee
eexxpplliiccoouu AA IIlluussttrraaççããoo 1100--1144aa éé uumm
ccoorrttee,, vviissttoo ddee llaaddoo,, ddoo eessppaaççoo vvaazziioo
eennttrree aass ppaarreeddeess AAss ppaarreeddeess AA ee BB ffii
ccaavvaamm aa ppoouuccaa ddiissttâânncciiaa ddaass ppaarreeddeess
CC ee DD,, ee iissssoo ffoorrmmaavvaa uummaa eessppéécciiee
ddee ccaannaall llaabbiirríínnttiiccoo qquuee iiaa ddee uummaa
Ilustração 10-14b.Vista supeiorr do tanque dcerocodilos, aabbeerrttuurraa vviissíívveell à oouuttrraa DDeennttrroo ddeess
ssee ccaannaall hhaavviiaa áágguuaa —— ee ccrrooccooddiillooss
—— oonnddee ttaallvveezz uumm ccrrooccooddiilloo eessttiivveessssee ssoobbrree oo rreessssaallttoo nnoo cceennttrroo,, eessppeerraannddoo ccoomm ttooddaa
aa ppaacciiêênncciiaa qquuee aallgguumm hhuummaannoo eennttrraassssee nnaa áágguuaa AA lluuzz eennttrraavvaa ppeellaa aabbeerrttuurraa eemm EE
IImmaaggiinnee--ssee ccoommoo uumm nneeóóffiittoo pprreesstteess aa ppaassssaarr ppoorr eessssaa pprroovvaa DDeeppooiiss ddee mmuuiittaa
pprreeppaarraaççããoo ee mmeeddiittaaççããoo,, vvooccêê ffiiccaarriiaa ssoobbrree ooss ddeeggrraauuss eemm FF,, oollhhaarriiaa ppaarraa bbaaiixxoo ee vveerriiaa
uumm ppeeqquueennoo qquuaaddrraaddoo ddee áágguuaa aaooss sseeuuss ppééss nnããoo mmaaiioorr ddoo qquuee uumm mmeettrroo qquuaaddrraaddoo
VVooccêê nnããoo ffaazziiaa aa mmeennoorr iiddeeiiaa ddoo qquuee hhaavviiaa nnaa áágguuaa nneemm ppaarraa oonnddee eellaa oo lleevvaarriiaa EEnn
ttããoo mmaannddaavvaamm--nnoo eennttrraarr nnaa áágguuaa ee nnããoo vvoollttaarr ppeelloo mmeessmmoo ccaammiinnhhoo eemm qquuee eennttrraarraa
VVooccêê,, oo nneeóóffiittoo,, ssóó ppooddeerriiaa ccoonnttaarr ccoomm uumm úúnniiccoo ffôôlleeggoo —— ee pprreecciissaarriiaa sseerr ccuuiiddaaddoossoo,,
ppoorrqquuee oo sseeuu ttrreeiinnaammeennttoo ssee ssaallttaassssee aapprreessssaaddoo tteerriiaa eennssiinnaaddoo ee sseemm aa ccaauutteellaa,, vvooccêê aa sseerr bbaatteerriiaa ccuuiiddaaddoossoo nnaa llaajjee eemm ddee ttooddaass ggrraanniittoo aass ssiittuuaaççõõeess nnoo ppoonnttoo ddeessççoo--?? GG MMaass
nnhheecciiddaass AAssssiimm,, iinniicciiaallmmeennttee vvooccêê pprreecciissaavvaa ccoonnttoorrnnaarr eessssaa llaajjee ddee ggrraanniittoo QQuuaannddoo
cchheeggaassssee aaoo ffuunnddoo,, qquuee ttiinnhhaa uummaa pprrooffuunnddiiddaaddee ddee uunnss 66 mmeettrrooss ee ssoobb aa ppaarreeddee AA,,
vvooccêê ssaaiirriiaa ddaa eessccuurriiddããoo ddoo ccaannaall ee vveerriiaa aa lluuzz aacciimmaa EEnnttããoo vveerriiaa ooss ccrrooccooddiillooss VVooccêê
ppooddee iimmaaggiinnaarr oo mmeeddoo qquuee sseennttiirriiaa nnuummaa ssiittuuaaççããoo ddeessssaass NNããoo hhaavviiaa mmuuiittaa ccooiissaa qquuee
oo iinniicciiaaddoo ppuuddeessssee ffaazzeerr aa eessssaa aallttuurraa aa nnããoo sseerr nnaaddaarr ppaarraa cciimmaa,,eessgguu
--ss << || eennttrree
eeii
rraarr
68
aaqquueellaass tteemmíívveeiiss ccrriiaattuurraass ee ssaaiirr IIssssoo eerraa oo qquuee aaccoonntteecciiaa ccoomm
aaqquueellaass tteemmíívveeiiss ccrriiaattuurraass ee ssaaiirr IIssssoo eerraa oo qquuee aaccoonntteecciiaa ccoomm qquuaasseettooddooss ddaapprriimmeeiirraa
vveezz,, ddee aaccoorrddoo ccoomm TThhootthh
OO qquuee vvooccêê nnããoo ssaabbiiaa eerraa qquuee aaqquueelleess ccrrooccooddiillooss eessttaavvaamm pplleennaammeennttee ssaacciiaaddooss,,
ppoorrttaannttoo nnããoo aattaaccaarriiaamm vvooccêê MMaass iissssoo ddiiffiicciillmmeennttee ffaarriiaa aallgguummaa ddiiffeerreennççaa ppaarraa aaqquueelleess
iinniicciiaaddooss qquuee mmeerrgguullhhaavvaamm nnoo ccaannaall ccoomm oo ffôôlleeggoo pprreessoo ee oollhhaannddoo ppaarraa eelleess EElleess nnããoo
ppeerrddiiaamm nniinngguuéémm ppaarraa ooss ccrrooccooddiillooss,, nnoo eennttaannttoo
QQuuaannddoo vvooccêê,, oo iinniicciiaaddoo,, ssaaííssssee ddaa áágguuaa eemm EE ((oobbsseerrvveemm aa vviissttaa ddee cciimmaa,, nnaa IIlluuss
ttrraaççããoo 1100--1144bb)),, eerraaiinnffoorrmmaaddoo ddee qquuee aaccaabbaarraa ddee ffrraaccaassssaarr EEnnttããoo pprreecciissaarriiaappaassssaarr ppoorr
mmaaiiss ee mmaaiiss ee mmaaiiss iinnssttrruuççããoo
QQuuaannddoo ooss sseeuuss pprrooffeessssoorreess ccoonnssiiddeerraasssseemm qquuee vvooccêê
eessttaavvaa pprroonnttoo,, eelleess oo ffaarriiaamm ppaassssaarr nnoovvaammeennttee ppoorr eessssaa cceerriimmôônniiaa DDeessssaa vveezz vvooccêê ssaa
bbiiaa ssoobbrree ooss ccrrooccooddiillooss,, qquuee pprreecciissaarriiaa ccoonnttaarr ccoomm uumm úúnniiccoo ffôôlleeggoo ee qquuee aa ssaaííddaa não
eerraa ppaassssaarr ppeellooss ccrrooccooddiillooss eemm ddiirreeççããoo àà lluuzz PPoorrttaannttoo,, vvooccêê mmeerrgguullhhaarriiaa aattéé oo ffuunnddoo
oouuttrraa vveezz,, ee nnoo mmoommeennttoo ddoo sseeuu mmaaiioorr mmeeddoo,, qquuaannddoo rreeaallmmeennttee eessttiivveessssee vveennddoo ooss
ccrrooccooddiillooss,, pprreecciissaarriiaa pprrooccuurraarr oouuttrraa ssaaííddaa AA aabbeerrttuurraa HH éé ppoorr oonnddee ddeesscceemmooss ee ssaaíímmooss
ddoo oouuttrroo llaaddoo nnaa cceerriimmôônniiaa ddaa mmiinnhhaa aammiiggaa PPoorrttaannttoo,, ssee vvooccêê eennccoonnttrraassssee aa aabbeerrttuurraa
HH,, pprreecciissaarriiaa iirr aaiinnddaa mmaaiiss ffuunnddoo ee ppaassssaarr ssoobb aa ppaarreeddee BB aanntteess ddee ppooddeerr nnaaddaarr ppaarraa
cciimmaa ee ssaaiirr ppoorr oouuttrroo ccaannaall ttoottaallmmeennttee ààss eessccuurraass,, sseemm ssaabbeerr ccoomm cceerrtteezzaa ssee sseeqquueerr
hhaavveerriiaa EEssssee uummaa eerraa oo ssaaííddaa ttiippoo ddee ppoorr iinniicciiaaççããoo aallii qquuee ooss eeggííppcciiooss rreeaalliizzaavvaamm nnaaqquueellaass eessccoollaass —— eexxppee
rriiêênncciiaass mmuuiittoo bbeemm ccaallccuullaaddaass EE eessssaass eexxppeerriiêênncciiaass eerraa mmuuiittaass ee vvaarriiaaddaass EEssssee pprrééddiioo
ttiinnhhaa ttooddooss ooss ttiippooss ddee aappoosseennttooss eessppeecciiaaiiss pprroojjeettaaddooss ppaarraa ssuuppeerraarr oo mmeeddoo EEssssee tteemm
pplloo ttaammbbéémm ttiinnhhaa uumm llaaddoo ppoossiittiivvoo,, oonnddee eerraa eessttuuddaaddoo oo ttaannttrraa —— nnããoo ssóó ooss pprraazzeerreess
sseexxuuaaiiss,, mmaass aa ccoommpprreeeennssããoo ddaass ccoorrrreenntteess sseexxuuaaiiss ee oouuttrraass eenneerrggiiaass sseexxuuaaiiss ee aa ssuuaa
rreellaaççããoo ccoomm aa rreessssuurrrreeiiççããoo
TTaammbbéémm eerraamm eessttuuddaaddaass aa rreessssuurrrreeiiççããoo ee aa ssuuaa rreellaaççããoo
ccoomm ttooddaass aass ccooiissaass qquuee ssããoo hhuummaannaass AA ssiimmpplleess ccaappaacciiddaaddee mmuunnddaannaa ddee ppeerrmmaanneecceerr
ssoobb aa áágguuaa ppoorr ttaannttoo tteemmppoo eerraa aabbssoolluuttaammeennttee uummaa ffaaççaannhhaa
ddiirreettaa AAggoorraa ee ssoobbrree qquuee ccoommpprreeeennddeemmooss oo sseeggrreeddoo ddoo PPooççoo aa iimmppoorrttâânncciiaa ddoo mmeeddoo,, ccoommeennttaarreeii ssoobbrree aa oobbsseerrvvaaççããoo
O Poço debaixo da Grande Pirâmide
OO aappoosseennttoo ddaa GGrraannddee PPiirrââmmiiddee cchhaammaaddoo oo PPooççoo ffooii ffeecchhaaddoo ppoorr vvoollttaa ddee 11998844
ppoorr rraazzõõeess ddee sseegguurraannççaa FFooii iinnssttaallaaddaa uummaa ppoorrttaa ddee ffeerrrroo nnaa aabbeerrttuurraa ppaarraa aappaassssaaggeemm
ddeesscceennddeennttee qquuee vvaaii aattéé oo nníívveell pprriinncciippaall ee ccoollooccaaddaa uummaa gguuaarrddaa aallii ppoorr mmuuiittoo tteemmppoo
IIssssoo aaccoonntteecceeuu ppoorrqquuee mmoorrrriiaamm mmuuiittaass ppeessssooaass nnoo PPooççoo,, ttaannttaass qquuee ffiinnaallmmeennttee oo aappoo
sseennttoo ffooii vveeddaaddoo aaooss ttuurriissttaass EElleess mmoorrrriiaamm ppoorr rraazzõõeess iinnaaccrreeddiittáávveeiissEEss ppoorr eexxeemmpplloo,,
sseerrppeenntteess ee aarraannhhaass vveenneennoossaass qquuee nneemm sseeqquueerr existem nnoo EEggiittoo!! OO úúllttiimmoo iinncciiddeennttee
aaccoonntteecceeuu ppoouuccoo aanntteess ddaa iinntteerrddiiççããoo ddoo PPooççoo UUmm cceerrttoo ttiippoo ddee ggááss vveenneennoossoo aappaarreecceeuu
nnoo aarr ee mmaattoouu uumm ggrruuppoo ddee ppeessssooaass qquuee ffaazziiaa uummaa cerimônia
nnoo aappoosseennttoo NNiinngguuéémm
ssaabbee qquuee ggááss eerraa
EEssssee eessppaaççoo tteemm uummaa nnaattuurreezzaa mmuuiittoo iinnccoommuumm,, eessppeecciiaallmmeennttee nnaa eexxttrreemmiiddaaddee
ddoo ttúúnneell:: eellee tteerrmmiinnaa eemm uummaa ppaarreeddee NNeessssee ttúúnneell,, hháá uummaa lliiggaaççããoo eennttrree aa tteerrcceeiirraa ee aa
quar ta dimensão. O quer que se pense e sinta acontece, de verdade. Se você
quar ta dimensão. O quer que se pense e sinta acontece, de verdade. Se você tiv er algum
medo, ele s e torna real . Esse medo se manifesta e não lhe perm ite so breviver no mundo
novo. Se você não tiver medo, então estará livre para manifestar-se positivamente, o
que abre a porta para os mundo s superiores. C onforme vocês verão, ess a é a natureza
da quarta dimensão: o que quer qu e se pense e sinta acontece.
E por isso que as escolas de mistérios egípcias faziam os seus alunos passarem
por doze anos de instrução, durante os quais eles se deparavam com todos os medos
conhecidos pel o homem. Kom Ombo trata va apenas dos medos associados ao segundo
chakra. Cada chakra tem os seus res pectivos medos. Os iniciados passavam p or to dos
os tipos de medo s que vocês possam imaginar, de mo do q ue ao fim dos doz e ano s eles
se encontravam absolutamente destemidos por ter supera do todos os medos. Todas as
escolas de mistérios e as escolas de instrução ao redor do mundo faziam exatamente
a mesma coisa de várias maneiras.
Os incas eram incríveis. As coisas que eles faziam para colocar a pessoa sob o
domínio do medo e depois superá-lo são inexprimíveis. Ao contrário dos egípcios,
eles não se importavam em perder uma alta porcentagem do seu pessoal. Eles eram
violentos. Os maias faziam o mesmo. Lembrem-se dos jogos de bola maias em que
duas equipes praticavam o ano inteiro para participar de uma partida que era como
o basquete, mas dá para acreditar que os
vencedores tinham a
cabeça cortada? Eles
acreditavam que era uma honra morrer dessa maneira, mas tudo isso realmente fazia
parte de um programa de treinamento supradimensional.
Outra coisa i nteressant e que aconteceu muitas ve zes no tú nel debaix o da Pirâm ide
é que as pessoas se deitav am, fechavam os olhos e t inham uma ex peri ênc ia im pre ssio 
nante, então acordavam no sarcófago da Câmara do Rei! Elas se perguntavam: “Como
pôde acontecer isso?”Há muitos relatos escritos sobre isso, e os egípcios atuais têm
uma sugestão de como isso poderia acontecer. O que acontecia era que as pessoas
que vivenciavam esse fenômeno não tinham a instrução correta, então eram tragadas
pelo vórtice de energia da luz preta, viajavam pelo Grande Vazio e iam para o início
do vórtice da l uz preta. Então as polari dades se invertiam e elas vo ltava m pela espiral
de luz branca para dentro do sarcófago. O ser por inteiro, corpo e tudo mais, passava
por essa outra realidade e regressava.
Houve muitos e muitos problemas com as pessoas deitadas no sarcófago na Câ
mara do Rei e passavam por experiências que eram irracionais segundo os padrões
modernos. Por essa razão, o sarcófago foi mudado de lugar há muito tempo. Ele foi
colocado envi esado e empurrado para trás, de m odo que não se alinh asse mais com o
campo. Atualmente, se alguém se deitar nele, não co locará a c abeça no feixe. Hoje e m
dia isso não é mais possível. Os egípcios sabem. Eles compreendem; não são bobos.
E eles vivem lá por muito e muito tempo. É claro que eles têm uma história para o
motivo de terem mudado o sarcófago de lugar, mas silenciam sobre a razão pela qual
não o retornaram
para a posi ção srcinal.
Eles entendem sobre o
sarcófago, embora não saibam
sobre o túne l ao la do do
Poço.
Assim, em 1984, depoi s que aquel e grupo de pessoas
morr eu no tú ne l d o Poço, a á rea
7700
toda foi fechada e ninguém tem permissão de entrar lá. Quando fomos lá em 1985
toda foi fechada e ninguém tem permissão de entrar lá. Quando fomos lá em 1985 e
explicamos-lhes que era apenas na
extremidade do túnel que residia o problema, eles
abriram o resto da área ao público. Agora ela está aberta
com exceçãodo túnel. A área
toda permaneceu fechada por um período de cerca de apenas um ano.
O Túnel sob a Grande Pirâmide
esse No é um curso dos original m elhores Flor m étodos da Vida, que eu conhe costumava ço pa ra contar dar e receber histórias i nformações. todos os dias, A porque histó
ria que vou lhes contar agora é sobre a minha experiência pessoal no túnel, de modo
que vocês possam entender a natureza da iniciação pela qual os egípcios passavam
e a natureza da quarta dimensão, o que irá se tornando cada vez mais importante à
medida que este livro avança. Isso aconteceu exatamente como eu percebi, e espero
que essa histór ia m otive a sua percepção. Vocês não p recisam acreditar. Se preferirem,
podem considerá-la apenas como uma história.
A narrativa a seguir foi editada, porque é comprida demais no seu conjunto, mas
os pontos mais importantes foram mantidos.
Em 1984 , Th oth apareceu para mim e d isse que era para eu me prepa
rar para u ma
iniciação no Egito. Ele disse que era necessário que eu passasse por essa iniciação
para poder entrar em contato com as energias da Terra e acompanhar as mudanças
futuras que aconteceriam aqui. Thoth me disse que para essa iniciação eu precisaria
chegar ao Egito sem nenhuma interferência da minha parte. Não poderia comprar
uma passagem nem tomar nenhum tipo de providência pessoalmente. Também não
poderia nem sequer comentar com alguém que gostaria de ir ao Egito. De algum
nenhum modo, os esforço acontecim da minha entos parte. da minh Se fosse a vida assim, te riam a de iniciação lev ar-me se até iniciaria. lá natu Se ralm não, ente então , sem
a iniciação não aconteceria. As regras iniciais eram simples.
Cerca de duas semanas depois fui visitar a minha irmã, Nita Page, na Califórnia.
Fazia um bom tempo que não a via. Ela acabara de chegar da China, portanto parecia
ser uma oportunidade perfeita para nos encontrarmos. Nita está sempre viajando.
Ela já esteve em praticamente todas as cidades e países importantes do mundo várias
vezes. Ela gosta tanto de viajar que acabou comprando uma agência de viagens para
juntar o trabalho com o que adora fazer.
Sentado ao lado dela em sua casa, tomei cuidado de não comentar sobre o que
Thoth havia solicitado de mim. No entanto, sem que eu dissesse coisa alguma, sim
plesmente aconteceu. Já era quase lh30 da madrugada e estávamos conversando
sobre a China. Havia um livro sobre a mesinha de centro da sala dela intitulado The
Secret Teachings ofAli Ages, de Manley P Ha ll. Enquanto falava, ela abriu casu almente
o livro em uma página em que se via a Grande Pirâmide, e a conversa mudou para o
Egito. Depois de algum tempo, ela me olhou nos olhos e disse: “Você nunca esteve
no Egito, não é?” Eu confirmei e ela continuou: “Se algum dia quiser ir, pagarei todas
as despesas . Basta me dizer q uando”. 7711
as despesas . Basta me dizer q uando”.
7711
Precisei morde r a língua para não com enta r sobre a exigência d e
Precisei morde r a língua para não com
enta r sobre a exigência d e Thoth, mas con
segui. Não disse uma única palavra a respeito. Simplesmente agradeci a ela e disse
que, q uando quisesse ir , ligaria para ela.
Minha irmã es tivera no Egit o 22 vezes e prova velm ente visitara todos os tem plos de
lá. Estava agradeci do po r ela querer cu stear a minh a viagem, mas r ealm ente não sabia
o que iss o significaria em termos da ini ciação. E ntreta nto, assim q ue c heg uei em casa,
naquela mesma noite Thoth apareceu e
me disse que a minha irmã
era o meio pa ra eu
ir ao Egito. Então fiquei ali sentado, ouvindo-o falar. Ele me instruiu a telefonar para
ela de manhã e dizer-lhe que desejava ir entre 10 e 19 de janeiro de 1985. Segundo
ele, esse período seria o único momento em que poderia ser feita aquela iniciação.
Depois ele partiu. Isso aconteceu em um dia no início de dezembro de 1984, o que
significava que teríamos cerca de um mês para nos preparar.
Na manhã seguinte, sentei ao telefone para ligar para ela, mas me sentia um
pouco estranho. Quando a minha irmã me oferecera a viagem e dissera que arcaria
com todas as despesas, eu sabia que ela na verdade estava se referindo a algum dia,
não imediatamente. Então fiquei ali sentado imaginando como pediria a ela. Devo
ter ficado ao lado do tel efone por pelos meno s uns vinte m inu tos a ntes d e finalm ente
criar co ragem pa ra telefonar.
Quando ela atendeu, contei-lhe sobre Thoth e sobre o que ele me pedira. Depois
disse a ela que precisaríamos partir dentro de um mês mais ou menos. No mesmo
instante ela me pediu para esperar um pouco. Em seguida, e la resp ondeu que não seria
possível antes de pelo menos nove meses, o que era mais ou menos o que eu esperava
que ela diss esse. Nita, conforme comentei, dirigia uma agência de viag
ens, e es tava c om
a agenda totalmen te tomada até meados de setembro. El a me amava e tento u ate nu ar o
golpe dizendo que tinha um trabalho a fazer no m ome nto mas q ue verificaria me lho r
a agenda e ret ornaria a minha li gação dentro de algumas horas.
Quando ela desligou
imaginei que o c aso estivesse encer rado, embora não com
preendesse
bem , po is T ho th
nunca errara em relação a nada, e e le afirmara: “É assim que v ocê irá ao E gito ”.
Pouco tempo depois, minha irmã me ligou; sua voz parecia estranha. Ela disse:
“Estou com a agenda cheia até mais do que pensei de manhã. No entanto, quando
verif iquei o perí odo que você me deu, não tinh a nada marcado para ele. Estava com 
pletamente em branco! Estarei ocupada até o dia 9 e a partir de 21, mas não tenho
nada marcado entre essas duas datas. Drunvalo, acredito que Thoth estava certo.
Devemo s ir”.
Não bastasse isso, Nita telefonou no dia seguinte para me dar notícias ainda mais
interessantes. D isse ela: “Quand o telefonei à compan hia aérea pa ra c om prar as nossas
passagens, falei com o meu amigo que faz mais pela minha agência do que apenas
emitir as passagens, e quando ele soube que as passagens eram para mim e para o
meu irmão, ele as conseguiu de graça”. Para mim, isso simplesmente confirmava a
perfeição dessa iniciação. Realmente, não exigia esforços.
Depois disso, Thoth começou a aparecer todos os dias para ens inar-m e as diferentes
informações pertine ntes ao trabalho que eu pr ecisaria fazer no E gito. P rim eiro, ele me
7722
7722
ppaassssoouu uumm iittiinneerráárriioo aa sseegguuiirr AA oorrddeemm sseegguunnddoo aa qquuaall eennttrraarrííaammooss
ppaassssoouu uumm iittiinneerráárriioo aa sseegguuiirr AA oorrddeemm sseegguunnddoo aa qquuaall eennttrraarrííaammooss eemm qquuaaiiss tteemmppllooss
nnããoo ppooddeerriiaa sseerr aalltteerraaddaa ppoorr nneennhhuummaa rraazzããoo PPrreecciissáávvaammooss vviissiittáá--llooss eexxaattaammeennttee nnaa
qquueellaa oorrddeemm,, oouu eennttããoo aa iinniicciiaaççããoo nnããoo sseerriiaa ccoonncclluuííddaa
EEnnttããoo eellee ccoommeeççoouu aa mmee eennssiinnaarr aa ffaallaarr nnoo iiddiioommaa aattllaannttee DDeetteerrmmiinnaaddaass ffrraasseess ee
ddeeccllaarraaççõõeess pprreecciissaavvaamm sseerr ddiittaass eemm vvoozz aallttaa eemm uumm aattllaannttee ppeerrffeeiittoo ppaarraa qquuee ddeessssee
cceerrttoo TTooddooss ooss ddiiaass TThhootthh aappaarreecciiaa ee mmee iinnssttrruuííaa ssoobbrree ccoommoo pprroonnuunncciiáá--llaass EEllee mmee
ffaazziiaa rreeppeettii--llaass iinnúúmmeerraass vveezzeess aattéé ssooaarreemm ccoorrrreettaass aaooss sseeuuss oouuvviiddooss DDeeppooiiss eellee mmee
ffeezz ttrraannsslliitteerráá--llaass eemm iinnggllêêss ppaarraa qquuee nnããoo mmee eessqquueecceessssee qquuaannddoo cchheeggaassssee aaoo EEggiittoo
EEmm ccaaddaa tteemmpplloo,, eeuu pprreecciissaavvaa pprroonnuunncciiaarr aallgguummaass ppaallaavvrraass nnoo iiddiioommaa aattllaannttee aanntteess
ddee ccoommeeççaarr aa iinniicciiaaççããoo
FFiinnaallmmeennttee,, TThhootthh eennssiinn oouu--mmee ccoommoo lliiddaarr ccoomm oo mmeeddoo EEllee mmee eennssiinnoouu ddeetteerrmmii
nnaaddaass ttééccnniiccaass ppaarraa iiddeennttiiffiiccaarr ssee oo mmeeddoo eerraa rreeaall oouu iimmaaggiinnáárriioo EEllee mmee ffeezz iimmaaggiinnaarr
aannééiiss eellééttrriiccooss aazzuullaaddooss qquuee ssee mmoovviiaamm ppaarraa cciimmaa ee ppaarraa bbaaiixxoo eemm vvoollttaa ddoo mmeeuu ccoorrppoo
ccoommoo bbaammbboollêêss SSee oo mmeeddoo ffoossssee iimmaaggiinnáárriioo,, ooss aannééiiss ssee mmoovveerriiaamm ddee uumm mmooddoo;; ssee
oo mmeeddoo ffoossssee rreeaall,, ooss aannééiiss ssee mmoovveerriiaamm ddee oouuttrraa mmaanneeiirraa LLeevveeii mmuuiittoo aa sséérriioo eessssee
aacceerrccaa ttrreeiinnaammeennttoo ddeessssaa mmeeddiittaaççããoo EEllee mmee ddiissssee FFiizz qquuee oo qquuee aa mmiinnhhaa eellee ddiissssee pprróópprriiaa ee eessttuuddeeii vviiddaa ddeeppeennddeerriiaa ttuuddoo oo qquuee ddoo eellee mmeeuu mmee eennssiinnoouu ccoonnhheecciimmeennttoo ccoommoo
ssee aa mmiinnhhaa pprróópprriiaa eexxiissttêênncciiaa ddeeppeennddeessssee ddiissssoo
QQuuaannddoo ffooii ssee aapprrooxxiimmaannddoo oo mm oommeennttoo ddaa ppaarrttiiddaa,, oouuttrraass ppeessssooaass ssee iinntteerreessssaarraamm
ppeellaa vviiaaggeemm
TThhootthh ssaabbiiaa ddiissssoo aanntteess mmeessmm oo ddee eellaass ddeemmoonnssttrraarreemm oo sseeuu iinntteerreessssee eemm
ppaarrttiicciippaarr
EEllee ddiissssee qquuee iissssoo eessttaavvaa eessccrriittoo hhaavviiaa mmuuiittoo tteemmppoo
FFiinnaallmmeennttee,, éérraammooss
cciinnccoo aaoo ttooddoo —— eeuu ee mmiinnhhaa iirrmmãã,, oouuttrraa mmuullhheerr mmaaiiss oo mmaarriiddoo ee oo iirrmmããoo ddeellee LLeemmbbrroo--
mmee ddaa nnoossssaa cchheeggaaddaa aaoo EEggiittoo,, qquuaannddoo oo aavviiããoo ssoobbrreevvoooouu oo ccoommpplleexxoo ddee GGiizzéé ee ddeeuu
uummaa vvoollttaa aaoo rreeddoorr ddeellee NNóóss cciinnccoo ppaarreeccííaammooss ccrriiaannççaass aannssiioossaass ppaarraa ssaaiirr ee bbrriinnccaarr,,
eessttáávvaammooss mmuuiittoo eennttuussiiaassmmaaddooss
FFoommooss rreecceebbiiddooss nnoo aaeerrooppoorrttoo ppoorr AAhhmmeedd FFaayyhheedd,, oo mmaaiiss rreennoommaaddoo aarrqquueeóóllooggoo
eeggííppcciioo ddoo mmuunnddoo,, ddeeppooiiss ddoo sseeuu ppaaii,, MMoohhaammmmeedd MMoohhaammmmeedd eerraa ffaammoossoo eemm ttooddoo
oo EEggiittoo,, ee ooss ddooiiss eerraamm mmuuiittoo aammiiggooss ddaa mmiinnhhaa iirrmmãã NNiittaa AAhhmmeedd nnooss ttiirroouu ddaa ffiillaa
ppaarraa aapprreesseennttaarr ooss ppaassssaappoorrtteess,, ttoommoouu oo ccaarriimmbboo ddaass mmããooss ddee uumm ddooss ffuunncciioonnáárriiooss,,
ccaarriimmbboouu ooss nnoossssooss ppaassssaappoorrtteess ee iimmeeddiiaattaammeennttee nnooss ccoonndduuzziiuu aattéé aa rruuaa,, oonnddee ttoo
mmaammooss uumm ttááxxii,, sseemm qquuee nniinngguuéémm sseeqquueerr nnooss iinnddaaggaassssee aallggoo ssoobbrree aa nnoossssaa bbaaggaaggeemm
EEllee nnooss lleevvoouu àà ssuuaa ccaassaa,, qquuee eerraa mmaaiiss ppaarreecciiddaa ccoomm uumm pprrééddiioo ddee aappaarrttaammeennttooss ccoomm
vváárriiooss nnoo pprrééddiioo aannddaarreess DDaa ccaassaa ddee aallttuurraa ddeellee,, oollhháávvaammooss AA ssuuaa ffaammíílliiaa ddiirreettaammeennttee nnuummeerroossaa ppaarraa ooccuuppaavvaa ooss oollhhooss ddiiffeerreenntteess ddaa EEssffiinnggee ““aappaarrttaammeennttooss””
OO ppaaii ddee AAhhmmeedd,, MMoohhaammmmeedd,, eerraa uumm hhoommeemm iinntteerreessssaannttee QQuuaannddoo ccrriiaannççaa,, eellee
tteevvee uumm ssoonnhhoo eemm qquuee hhaavviiaa uumm eennoorrmmee bbaarrccoo ddee mmaaddeeiirraa aaoo llaaddoo ddaa GGrraannddee PPiirrââmmii
ddee NNoo ddiiaa sseegguuiinnttee ee llee ddeesseennhhoouu oo bbaarrccoo,, qquuee iinncclluuííaa hhiieerróógglliiff ooss EEllee ttaammbbéémm ttoommoouu
nnoottaa ddaa llooccaalliizzaaççããoo eexxaattaa ddoo bbaarrccoo nnoo ssoonnhhoo DDee aallgguumm mmooddoo,, oo ddeesseennhhoo cchheeggoouu aaoo
ccoonnhheecciimmeennttoo ddaass aauuttoorriiddaaddeess eeggííppcciiaass,, qquu ee oobbsseerrvvaarraamm qquuee ooss hhiieerróógglliiffooss eerraamm rreeaaiiss,,
eennttããoo ddeecciiddiirraamm ccaavvaarr uumm bbuurraaccoo nnoo llooccaall oonnddee aa ccrriiaannççaa ddiizziiaa qquuee ssee eennccoonnttrraavvaa oo
bbaarrccoo EE eellee rreeaallmmeennttee eessttaavvaa lláá!!
73
73
O governo e gípcio tirou o b arco do sol o, mas o process o
O governo e gípcio tirou o b arco do sol o, mas o process o aca bou desma ntelando -o,
então tentaram reconstruí- lo. Depois de dois anos de ten tativas, aca bara m desistindo.
Então Mohammed teve outro sonho. Nesse sonho, ele via plantas mostrando como
recon struir o bar co. A essa altura, o governo egípcio era recep tivo à s info rmações dele.
A partir das pl antas que ele desenho u, o barco foi reco nst ruíd o com perfeição. Ent ão
foi construído u m galpão esp ecial nas proximidade s à Gra nde Pirâm ide p ara abrigar o
barco. Mohammed Ele está lá encontrou até hoje, quase e vocês toda podem a cidade vê-lo soterrada com os de próprios Mênfis simplesmente olhos, se quiserem,
dand o as instru ções exatas sobre ond e deveria ser escavado. Ele forn ecia a os egípcios
os desenhos dos prédios ou templos antes de escavarem e acertava até os mínimos
detalhes.
A pirâmide do meio em Gizé também foi aberta por intermédio dos poderes me-
diúnicos de Mohammed. O governo perguntou-lhe se estaria tudo bem se abrisse a
pirâmide. Mohammed meditou e finalmente respondeu que tudo bem. O governo
informou que pretendiam mover apenas um bloco (entre mais de 2 milhões deles),
então Mohammed meditou por cinco horas na frente da pirâmide. Finalmente, ele
declarou: “Movam este bloco”. Conforme se descobriu, era o bloco exato que esco ndia
a entrada, e foi assim que os egípcios entraram na seg unda pirâ mide pela p rim eira vez.
Esse é o pai de Ahmed Fayhed, o nosso guia e amigo da minha irmã.
Quando chegamos à casa de Ahmed, ele nos indicou os nossos q uar tos e p erm itiu
que descansássemos por algumas horas . Depois, e le se enco ntrou comig o e com a mi
nha irmã e nos indagou sobr e o local aonde qu eríamos ir . Fo rneci-lhe o itinerário que
Thoth me indicara. Ele o examinou e observou: “Isso não é bom. Vocês têm apenas
Assim dez dias vão aqui perde e o r trem quase francês dois d que ias. vai Acho a Luxor que deveríam só sai às os ir 6 a horas Saqqar da a tarde prim de eiro amanhã. , depo is
imediatamente à Grande Pirâmide”. Isso, é claro, era exatamente o que Thoth me
dissera para não fazer; e ele insistira em que deveríamos seguir ex atam ente o itin erário
srcinal indicado.
Mas Ahmed foi ainda mais enfático quanto a
não seguirmos aquele itinerário.
Ahmed não aceitaria um não como resposta e providenciou tudo para irmos visitar
a Grande Pirâmi de na manhã seguinte bem cedo. Ac ima de tudo , ele não que ria que
entrássemos no túnel ao lado do aposento chamado o Poço. Custou muito conven
cê-lo de que nós absolutamente precisávamos entrar no túnel. Esse fora o principal
motivo de termos viajado ao Egito. Ele nos disse o quanto era perigoso, que muitas
pessoas tinham morrido naquela parte da pirâmide e que se insistíssemos nessa parte
do itinerário, ele não nos aco mpan haria até lá.
j Eu não sabia o que fazer. Thoth dissera que tínhamos de nos deslocar de acordo
com o itinerário, e agora parecia que não seria isso o que faríamos. Eu sabia que, se
não o fizéssemos, a iniciação não aconteceria. Decidi ir à Gra nde Pirâm ide pela manhã
conforme a vontade de Ahmed, sabendo plenamente que, se o fizesse,.estaria tudo^
acabado. 74
acabado.
74
NNaa mmaannhhãã sseegguuiinnttee,, eeuu eessttaavvaa sseennttaaddoo nnaa ssaallaa ddee eessttaarr ddaa ccaassaa ddee
NNaa mmaannhhãã sseegguuiinnttee,, eeuu eessttaavvaa sseennttaaddoo nnaa ssaallaa ddee eessttaarr ddaa ccaassaa ddee AAhhmmeedd jjuunnttaa
mmeennttee ccoomm ooss oouuttrrooss iinntteeggrraanntteess ddoo
ggrruuppoo TTooddooss eesstt
áávvaammooss ccoomm
aass nnoossssaass mmoocc
hhiillaass
pprroonnttaass,, ccoomm ttuuddoo oo qquuee ppeenn ssáávvaa mmooss qquuee pp uudd ééssssee mmooss pprreecciissaarr,, ccoomm oo llaanntteerrnnaass,, vveellaass,,
áágguuaa ee aassssii mm pp oorr ddiiaannttee FF
iinnaallmm eennttee,, cchh eeggoo uu aa hhoorraa ddee ssaaiirrmmooss,, ee AAhhmm
eedd aabbrriiuu aa ppoorrttaa
ddaa ffrreennttee ee ddiissssee:: ““VVaammooss”” AA mmiinnhhaa iirrmmãã ssaaiiuu,, sseegguuiiddaa ppeellooss oouuttrrooss ttrrêêss ccoommppaannhheeii
rrooss EEuu ffiiqquueeii ppaarraaddoo ppoorr uumm iinnssttaannttee,, eennttããoo ppeegguueeii aa mmiinnhhaa mmoocchhiillaa ee ccoommeecceeii aa
eennccaammiinnhhaarr--mmee ppaarraa aa ppoorrttaa
Nesse momento, aconteceu uma coisa verdadeiramente inesperada. Eu me sentia
perfeitamente bem de saúde e feliz naquela manhã, apesar de um pouco preocupado
com a questão do itinerár io. Q uand o dei um passo na direção da porta onde Ahmed
me espera va, de repen te sen ti um a on da de energia se aba ter sobre mim. Aquilo me fez
parar imediatamente. Depois, uma segunda e m uito forte e poderosa onda de energia
atravessou todo o meu corpo. Eu não conseguia fazer a menor ideia do que estava
acontecendo comigo. Então, aquelas ondas de energia começa ram a s e suceder a um
ritmo cada vez mais intenso. A próxima coisa de que me lembro foi de ter caído no
chão e começado a vomitar. Todos os órgãos do meu corpo pareciam ter entrado em
colapso sem mais nem menos. Em menos de quinze segundos eu estava tão mal que
não reagia a nada.
E estranho. Quando uma pessoa passa mal assim tão rápido, o espírito dentro do
corpo não tem tempo de sentir-se mal. Lembro-me de estar caído no chão tentando
entender o que eslava acontecendo comigo. Era quase como se estivesse vendo um
filme da minha indisposição repentina.
Levar am-me para um quarto, onde a m inha condi ção rapidamen te degenerou para
uma paralisi a total. Não conseguia mover ne nh um a parte do corpo. Foi um a sensação
espantosa. I ique assim p or cerca de três horas, e parecia que o que q ue r que estives se
me ac om eten do , eslava se torn an do pior. Ningué m pod ia fazer nada. A próx im a coisa
de que me lembro foi de acordar na manhã seguinte.
Durante a maior parte do dia, não conseguia fazer nada a não ser permanecer ali
deitado. Finalmente, por volta das 3 horas da tarde, comecei a sentir-me um pouco
mais forte. Tentei fazer a medilação do Mer-Ka-Ba para curar-me, mas naquela ocasião
não sabia como fazê-la deitado de lado. Tentei algumas vezes mas foi inútil. Por fim,
chamei o meu amigo e o irmão dele para virem até o quarto e me ajudarem a sentar.
Com a ajuda deles, consegui assumir a posição familiar para fazer a meditação.
Tão logo senti
o prana
flui ndo através do m eu corpo o utra vez , comecei a
senti r-
to me — mais um fo pouco rte. Depois atordoado, de apenas mas andando. u ns trinta Ahmed minu veio tos, até já o est quarto ava caminha e me viu ndo de pé. pelo quar
Perg untou se me sentia m elhor, respon di-lhe que sim, mas que ainda est ava ma l. El e
então enfiou a mão no bolso, de onde tirou o itinerário srcinal e o observou pensa
tivo. Depois disse que se eu pudesse viajar dentro de uma hora e meia, poderíamos
pegar o trem francês para Luxor. Então concluiu: “Isso vai deixá-lo contente. Agora
podemos seguir o seu itinerário original conform e você planejava
.
75
Até hoje não sei se fui eu que me induzi a ficar naquele estado para
Até hoje não sei se fui eu que me induzi a ficar naquele estado para retomar ao
itinerário srcinal ou se foi coisa de Thoth . Seja como for, a “doença” não foi normal.
Pelo menos nunca senti nada parecido em toda a minha vida. Portanto, finalmente,
a verdadeira iniciação poderia começar. Enquanto viajava no trem para Luxor, os
pensamentos e sensações da doença não paravam de tentar retornar, mas continuei
fazendo a minha respiração prânica, enchendo o meu corpo com a energia da força
vital, e no momento que chegávamos a Luxor, na manhã seguinte, eu já voltara ao
meu estado de sempre, entusiasmado com o que viria pela frente.
templo, Registramo-nos o Templo de em Luxor, um o hotel templo em dedicado Luxor antes ao homem. de começar Ahmed a iniciação estendeu-me no primeiro a chave
do meu apartamento. Era o apartamento 444, o número da iniciação no espírito. Eu
soube então que tudo voltara ao normal e funcionava perfeitamente. Na verdade, todos
os acontecimentos no Egito transcorreram perfeitamente daí por diante. Seguíamos
para cada templo na ordem exata que Thoth queria. Eu levava comigo a minha folha
de papel para poder lembrar-me das palavras no idioma atlante e cada cerimônia era
realizada do modo que ele queria. A vida fluía como o rio Nilo.
Finalmente, em 17 de janeiro, regressamos à casa de Ahmed, prontos para con
cluir a iniciação final no túnel. Isso não fora planejado, uma vez que eu tinha pouco
controle sobr e os acontecimentos no Egit o, mas entram os na G rande P irâmid e em 18
dejaneiro, o dia do meu aniversár io. Na verdade, n a seg unda vez q ue
fui ao Egito, em 1990, foi seguindo os planos da minha amiga, e de
novo acabei na Grande Pirâmide no dia do meu aniversário. Tenho
certeza de que há uma razão cósmica para tudo o que acontece.
Chegamos no dia 17, mas não pudemos entrar na Grande Pi
râmide enquanto Ahmed não recebesse a permissão por escrito do
governo, que só chegou no fim daquela noite. Assim, no dia 18 bem
Ilustração 10-15.
O quadrado vermelho.
cedo nos encaminhamos para o túnel.
Quando chegamos ao portão de aço
que levava ao Poço, Ahmed
e o seu pessoal detiveram o fluxo de turistas cm dois pontos, para que os turistas não
nos vissem entrar naquela área restrita. Entendam que 18 mil pessoas por dia visi
tavam essa pirâmide, portanto foi como conter uma manada correndo em busca de
alimento. O guarda que nos permitiu entrar nos advertiu naquele momento: “Vocês
têm exatamente uma hora e meia. Acionem o cronômetro do relógio. Se não volta
rem até esse prazo, iremos entrar para buscá-los, e não estaremos amigáveis. Não se
atrasem”. Então ele nos deixou passar e, tão logo estávamos fora de vista, permitiu
que os turistas continuassem.
Portanto, ali estávamos nós no alto de um túnel comprido e inclinado para baixo
num ângulo de 23 graus, a mesma inclinação do eixo da Terra, que levava a um apo
sento cerca de 120 metros abaixo.
Nenhum de nós sabia o que fazer. Como descer por um túnel com menos de um
metro d e altura e outro tanto de largura, com uma inclinação assim tão íngreme? Nã o
dá para caminhar, não dá para rastejar. Rimos e pensamos que talvez pudéssemos ro
lar para baixo. Precisamos tirar as mochilas, pois elas batiam no teto do túnel, então
76
ffiinnaallmmeenntt ee ccoonn cclluuíímm ooss qq uuee pprreecciissaarríí aammooss aannddaarr ccoomm oo ppaattooss,,
ffiinnaallmmeenntt ee ccoonn cclluuíímm ooss qq uuee pprreecciissaarríí
aammooss aannddaarr ccoomm
oo ppaattooss,, ccoomm
aa mmoocchhiillaa
no ccoolloo
PPaarreecceeuu ffuunnccii oonnaarr TTooddooss oo
ss dd eemm aaiiss ffoorraamm nnaa
ffrreenntt ee ee eeuu ffuuii ppoorr úúllttiimm oo
Enquanto des cia pel o túnel, a m inha mente e stava em branco. Eu parecia
não estar
pensando, mas apenas observando. Então aconteceu uma coisa que me despertou.
Há uma vibração na Grande Pirâmide que é muito profunda e intensamente mascu
lina. Parece que nunca termina. Eu estava muito consciente dessa vibração desde o
momento em que entrei na pirâmide e estava concentrado nela enquanto descia. De
repente, notei es tes dois qua drad os verm elhos (vejam a Ilustração 10-15 ) incrustado s
nas paredes do túnel, um de cada lado. Eram de mais ou menos uns 5 centímetros
quadrados. Qu and o passei po r eles, a vibração p areceu cair cerc a de um a oitava i nteira,
e no mesmo mom ento um a sensaç ão de medo
se apoderou
de mim.
Eu estava tão envolvi do com essa vi bração e com
essa nova sensação d
e medo (que
é muito incomu m em mim)
que me esqueci
de tudo
o que Th oth havia me ensinado.
Ele havia dito que a coisa mais importante ao entrar naquele espaço seria superar o
medo, mas ainda assim me esqueci de tudo. Estava simplesmente reagindo aos meus
sentimentos.
Enquanto me aprofundava no
túnel, es tava simplesmen te sentind o aqu ele medo,
mas então cheguei a outro conjunto de quadrados vermelhos. Ao passar por eles, a
vibração caiu outra oitava e a sensação de medo tornou-se ainda mais intensa. Co
mecei a falar comigo mesmo. Pergunt ei: “Do que estou com m edo?” Então o uvi um a
voz dentro de m im dizer:
“Bem, você est á com med o de cobra s vene nosas ”. Respond i:
“Sim, é verdade , mas não existem cobras nes te tú nel”. Avoz inte rior re torn ou: “Como
pode ter certeza? Pode haver cobras neste túnel”.
Quando cheguei ao fundo, continuava travando esse diálogo interior e sentindo
aquele med o in tens o agora de cobras . Que ro dizer, sim, eu tenh o me do de cobra s, mas
não é algo que aconteça com muita frequência na minha vida. Thoth parecia estar a
milhões de quilôm etros de distância. Esqueci que ele exi stia. Esqueci-m e dos an éis elé
tricos azulados q ue poderiam afastar o medo. To do aquele treina mento para n ada.
Passamos pel o prim eiro aposento, q
ue rarame nte consta de qualq
uer livro sobre o
Egito, entramo s no aposen to principal onde desembocava o túnel que tínham os vindo
ao Egito para visitar. Bem lá no meio do aposento estava o “poço” que dava nome
ao lugar. Olhamos para dentro dele, mas ele estava cheio de entulho a uns 9 metros
abaixo. Esse aposento não tem um formato particular. Ele é totalmente feminino, sem
nenhuma linha reta. Ele mais se parece com uma caverna do que com um aposento.
Por fim nos encontramos de pé diante do minúsculo túnel que era a razão de termos
feito tudo aquilo.
Uma nota marginal interessante: quando conversei com Thoth sobre essa área,
ele disse que esse aposento não foi construído pelos egípcios. Era tão velho que até
mesmo ele não sabia quem o construíra. Ele disse que a proteção desse aposento foi
a razão principal pela qual ele colocara a Grande Pirâmide naquela localização exata.
Ele disse que era a entrada para os Salões de Amenti, o útero da Terra e um espaço
quadridimensional, um dos lugares mais importantes do mundo.
7777
7777
Sempre que ppoossssoo,, verifico o que Thoth diz, o que ele encoraja. EEssppeecciiaallmmeennttee coisas que
Sempre que ppoossssoo,, verifico o que Thoth diz, o que ele encoraja. EEssppeecciiaallmmeennttee
coisas que podem ser facilmente verificadas. Portanto, enquanto estava com
AAhhmmeedd
no trem francês indo em direção a Luxor, perguntei-lhe sobre esse aposento e sobre
quem o construíra. Ele confirmou o que Thoth disse, que não fora construído pelos
egípcios e que também não sabia quem o construíra. Ainda assim, n enhum livro sobre
o Egito de que tenho conhecimento menciona isso.
Voltemosà história. Esse túnel é muito pequeno. Não tenho certeza das suas dimen
sões exatas, mas ele émenor do que aquele pelo qua l descêramos. A única maneira de
entrar nesse túnel é rastejando de bruços. Acredito que penetre na Terra por cerca de
24 a 30 metros, mas as pessoas que têm voltado de lá recentemente afirmam que ele
se aprofunda por cerca de 7,5 metros apenas. Isso não pode ser, portanto os egípcios
agora provavelmente selaram o túnel. O piso era constituído de areia de silício e era
macio. As paredes e o teto estavam cobertos com minúsculos cristais de quartzo e
brilhavam como diamantes. Era lindo. Quando apontamos as nossas lanternas para
dentro, a luz parecia espiralar, avançando apenas alguns metros pelo túnel, depois
havia a escuridão. Nunca vi nada parecido com isso.
Um depois do outro, cada um de nós apontou a lanterna
para dentro do túnel para
avaliar a situação. Depois de cada pessoa ter feito isso, eles todos se voltaram na minha
direção e disseram: “Você nos trouxe aqui; você vai primeiro”. Não tive escolha.
Apertei a mochila contra o peito e comecei a rastejar, com a minha pequena lanterna
apontando o caminho. É claro que eu ainda estava com medo de cobras e procurava
por elas, esperando não encontrá-las. Depois do que pareceram horas, cheguei ao
fim do túnel, sem avistar nenhuma cobra. Respirei mais calmo e relaxado. Mas então
percebi alguma coisa — um pequeno buraco arredondado próximo ao lado direito do
fim do túnel. Parecia um buraco de cobra.
O meu medo ressurgiu com toda a intensidade. Peguei a lanterna e apontei para
dentro do buraco, para ver se alguma coisa estaria me observando. Não havia nada.
Não Desviei gostei daquilo, a minha mas atenção o que para poderia o problema fazer? imediato. Foi então que percebi que
os hieróglifos egípcios que mostravam a maneira como Osíris conduzia os iniciados
por esse túnel não poderiam ser feitos em tempos modernos porque o nosso corpo é
maior (veja a Ilustração 10-16).
De acordo com os hieróglifos, Osíris e os seus iniciados sentavam-se. Isso era im
possível para mim, então finalmente me lembrei de Thoth novamente e pedi-lhe para
vir. Ele me disse para eu me deitar de costas com a cabeça voltada para a extremidade
Ilustarção 1-016. Osríis e os iniciados no túnel.
78
do túnel e para que o resto do grupo fizesse o mesmo. Fiz essa sugestão
do túnel e para que o resto do grupo fizesse o mesmo. Fiz essa sugestão ao grupo e
todos concordaram .
Qua ndo me deitei de cost as, imediatamente várias c
oisas aconteceram. Em p
rimeiro
lugar, notei de ma neira a rrasadora que a quele era o l ugar mais escuro que tinha visto
na vida. Levei a mão para a frente dos olhos, mas estava tão escuro que não cheguei
nem sequer a começar a vê-la. Não acredito que possa haver nem mesmo um fóton
de luz naquele espaço.
A impressão seg
uinte q ue me oc orreu foi a sens ação inacreditável de massa e gra
vidade. Eu podia sentir a massa colossal que estava em cima de mim. Era como ser
enterrado vivo. Eu tinha rocha maciça em todas as direções a não ser no túnel, e esse
estava entupid o de co rpos hum anos. Era um a coisa mu ito boa eu não ser claustrofóbi
co. Se fosse, o medo de espaços pequenos e apertados teria encerrado a iniciação com
certeza. Na realidade, para m im tudo aquilo f oi ótimo, não tive problem a algum.
Então Thoth ressurgiu com muita nitidez e me disse para eu começar a fazer a
meditação Mer-Ka-Ba. Foi o que fiz, mas então o medo de cobras começou a voltar.
Lembrei -me de qu e havia um pequeno buraco “de cobra” que es tava a gora bem ao lado
esquerdo a minha cabeça, atrás de mim, mas não podia vê-lo. A minha imaginação
disparou. Eu via cobras saindo daquele buraco e começando a cobrir o meu corpo.
Parecia tão real. Eu sabia que se continuasse com aquele m edo, ele se torna ria
real, e eu s eria cob erto po r cobras r astejantes. Es se pensa mento p iorou ainda m ais as
coisas. Eu sabia que fora assim que tantas pessoas haviam morrido naquele túnel. E
ainda assim me esqueci do treinamento contra o medo que Thoth me ensinara.
mesmo
O que eu tive foi provavelmente uma reação americana. Agarrei a minha camisa
como John Wayne e comecei a me “chamar a atenção”. Disse que tinha percorrido
todo aquele cam inho até o Eg ito desde os Est ados Un idos e “ então se eu morresse? A
vida co ntinua ria ”. Disse para mim mesm o: “Aguen te aí. Esqueça as cob ras e lem bre-se
de Deus” e “Mesmo que o meu corpo esteja coberto de cobras, vou continuar”.
Sorte minha, funcionou, e fui capaz de desviar a minha atenção para terminar a
med itação do Mer- Ka-Ba. O lindo disco-voa dor estendeu-se po r cerca de 16,5 metro s
ao redo r do meu corpo e eu fui dom inado po r uma sensação d e bem-estar. Esqueci-m e
com pletam ente das cobras. Emb ora não ti vesse acontecido comigo na época, pelo m e
nos at é regressar a os Estados Unidos, é interessante que eu não tenh a con seguido fazer
a meditação deitado quando estava doente alguns dias antes, ainda assim aconteceu
natura lme nte n o tún el. Tenho refleti do a respeit o; tal vez fosse porq ue qu ase não hav ia
uma sensação de em cima e embaixo. Era como flu tuar no espaço. Se ja qua l tenha sido
a razão, graças a Deus fui capaz de meditar deitado de costas naquele túnel.
Thoth estava agora sempre no meu campo de visão. Ele primeiro me pediu as
palavras em idioma atlante que pediriam a permissão dos sete senhores dos Salões de
Amenti. Ele pediu que eu pronunciasse as palavras com energia, portanto fiz como
ele disse. Houve um intervalo depois disso. Realmente não sei explicar, mas parecia
como s e pass assem anos. Th
oth então me pe rgun tou se eu s abia que, enqu
anto fazia
a Mer-Ka-Ba, estava enviando luz em todas as direções, como o Sol. Eu lhe respondi:
79
““SSiimm,, eeuu sseeii”” EEllee iinnssiissttiiuu:: ““VVooccêê ssaabbee mesmo?” EEuu rreeaaff iirrmmeeii
““SSiimm,, eeuu sseeii”” EEllee iinnssiissttiiuu:: ““VVooccêê ssaabbee
mesmo?” EEuu rreeaaff iirrmmeeii qquuee ss iimm,, qquuee ssaabbiiaa
Então
eellee ffaalloouu ppeellaa tteerr cceeiirraa vveezz:: ““SSee vvooccêê ssaabbee mmee ssmmoo,, eennttããoo aabbrraa ooss oollhhooss ee vveejjaa””
AAbbrrii ooss
oollhh ooss ee vvii ddeennttrroo ddoo ttúúnneell TTuu ddoo eessttaavvaa aacceessoo cc oomm uumm bbrr iillhhoo ssuuaa vvee,, bbee mm ppaarree cciiddoo ccoomm
oo lluuaarr NNããoo ppaarreecciiaa vviirr ddee uummaa ffoonnttee
EErraa qquuaassee ccoomm oo ssee oo aarr eessttiivveessssee bbrriillhhaannddoo
;;ii;;
EEnnttããoo aa mmiinnhhaa mmeennttee ssee aaggiittoouu,, ee eeuu ppeennsseeii qquuee eerraa aallgguuéémm ddoo ggrruuppoo ccoomm
uma
lluuzz aacceessaa LLeevvaanntteeii--mmee aappooiiaaddoo nnooss ccoottoovveellooss ee oobbsseerrvveeii ooss oouuttrrooss qquuaattrroo iinniicciiaaddooss^^
nnoo ttúúnneell,, mmaa ss eelleess eesstt aavvaamm ddeeiitt aaddooss qquuiieettooss,, sseemm
nneennhhuu mmaa llaanntteerrnnaa aacceessaa EEuu oo ss vviiaa
ccoomm ccllaarreezzaa TToommeeii aa ddeeiittaarr ee oollhheeii aaoo rreeddoorr;; ffooii iimmpprreessssiioonnaannttee NNããoo ppuuddee vveerr ppeerr--::
ffeeiittaammeennttee ttooddooss ooss ddeettaallhheess aaoo mmeeuu rreeddoorr PPeennsseeii ccoommiiggoo mmeessmmoo qquuee eessttaavvaa ccllaarroo oo
bbaassttaannttee ppaarraa lleerr,, eennttããoo ffeecchheeii ooss oollhhooss oouuttrraa vveezz DDee vveezz eemm qquuaannddoo aabbrriiaa ooss oollhhooss**
ee aa lluuzz cc oonnttiinnuuaavvaa lláá
AA cceerrttaa aallttuurraa,, ccoomm ooss oollhhooss ffeecchhaaddooss,, ppeerrgguunntteeii aa TThhootthh oo qquuee aaccoonntteecceerriiaa eemm
sseegguuiiddaa EEllee mmee ffiittoouu ee ddiissssee:: ““IIlluummiinnaarr oo ttúúnneell nnããoo éé oo bbaassttaannttee??”” OO qquuee eeuu ppooddeerriiaa
ddiizzeerr?? PPoorrttaannttoo,, ppoorr cceerrccaa ddee uummaa hhoorraa iilluummiinneeii oo ttúúnneell ee aaddmmiirreeii eessssee ffeennôômmeennoo
iinnccrríívveell
LLeemmbbrroo--mmee ddee qquuee,, qquuaannddoo oo aallaarrmmee ddoo mmeeuu rreellóóggiioo ssoooouu,, aavviissaannddoo--nnooss
ppaarraa rreeggrreessssaarr aaoo aallttoo,, eessttaavvaa ddee oollhhooss ffeecchhaaddooss AAbbrrii ooss oollhhooss,, eessppeerraannddoo qquuee oo ttúúnneell
eessttiivveessssee iilluummiinnaaddoo,, mm
aass eellee ssee eennccoonntt rraavvaa ttoottaallmmeennttee eessccuurroo
AAqquuiilloo mm ee ssuurrpprreeeennddeeuu
AA iinniicciiaa ççããoo tteerrmmiinnaarraa
FFoommooss ppaarraa oo aallttoo ee ooss gguuaarrddaass eessttaavvaamm lláá ccoomm oo ppoorrttããoo aabbeerrttoo AA mmiinnhhaa iirrmmãã
ffooii ppaarraa ffoorraa ddaa ppiirrââmmiiddee,, uummaa vveezz qquuee eessttiivveerraa lláá ttaannttaass vveezzeess,, mmaass oo rreessttaannttee ddee nnóóss
ttoommaammoo--nnooss ttuurriissttaass ee ffoommooss vviissiittaarr aa CCââmmaarraa ddoo RReeii ee oouuttrrooss aappoosseennttooss TTrrooccaammooss
aass nnoossssaass iimmpprreessssõõeess mmaaiiss ttaarrddee ee ffiiccoouu ccllaarroo qquuee ccaaddaa ppeessssooaa tteevvee uummaa eexxppeerriiêênncciiaa
ddiiffeerreennttee EEÊÊ|| ddeeppeennddeennddoo ddoo qquuee ccaaddaa uumm pprreecciissaavvaa,, pprreessuummii AA hhiissttóórriiaa ddaa mmiinnhhaa
iirrmmãã ffooii eexxttrreemmaammeennttee iinntteerreessssaannttee ppaarraa mmiimm EEllaa ffaalloouu ssoobbrree ccoommoo ssee lleevvaannttoouu nnaa
qquueellee ppeeqquueennoo ttúúnneell ee ffooii ccuummpprriimmeennttaaddaa ppoorr sseerreess mmuuiittoo aallttooss qquuee aa lleevvaarraamm aa uumm
aappoosseennttoo eessppeecciiaall ppaarraa aa ssuuaa iinniicciiaaççããoo
A vviiddaa é mmaaiiss ddoo qquuee ssaabbeemmooss
QQuuaannddoo ssaaíí ddaa ppiirrââmmiiddee,, mmaall ppuuddee aaccrreeddiittaarr nnooss mmeeuuss oollhhooss DDoo aallttoo ddaa ppoorrttaa ddee
eennttrraaddaa eelleevvaaddaa nnaa ppiirrââmmiiddee,, vvii uummaa eennoorrmmee mmuullttiiddããoo qquuee eessttiimmeeii ccoommoo sseennddoo ddee
cceerrccaa ddee 6600 mmiill aa 7700 mmiill ppeessssooaass QQuuaannddoo eexxaammiinneeii mmaaiiss aatteennttaammeennttee,, ppeerrcceebbii qquuee
eerraamm qquuaassee ttooddaass ccrriiaannççaass
OObbsseerrvvaannddoo aaiinnddaa mmaaiiss ddeettiiddaammeennttee,, aass ccrriiaannççaass eerraamm
ddee cceerrccaa ddee 55 aa 1122 aannooss ddee iiddaaddee VViiaamm--ssee ppoouuccooss aadduullttooss EEuu nnããoo ssaabbiiaa ppoorr qquuee eellaass
eessttaavvaamm lláá,, mmaass eellaass eessttaavvaamm
QQuuaannddoo oollhheeii ppaarraa bbaaiixxoo,, ppaarraa oo ddeeggrraauu nnaa bbaassee ddaa ppiirrââmmiiddee,, nnootteeii qquuee aass ccrriiaannrrii
ççaass eessttaavvaamm ddee mmããooss ddaaddaass ffoorrmmaannddoo uummaa lliinnhhaa aattéé oonnddee aa mmiinnhhaa vviissttaa aallccaannççaavvaa aaccyy
lloonnggoo ddee uummaa ddaass bboorrddaass CCaammiinnhheeii ppoorr uumm ddeeggrraauu iimmeeddiiaattaammeennttee aacciimmaa ddeellaass,, aaffpp
rreeddoorr ddee uumm ddooss llaaddooss aaddjjaacceenntteess,, ee ccoonnttiinnuueeii aa vveerr ccrriiaannççaass ddee mmããooss ddaaddaass aallii ttaamm^^
bbéémm AA mmiinnhhaa ccuurriioossiiddaaddee eerr aa ttããoo ggrraannddee qquuee tteerrmm iinneeii ddaa nnddoo aa vvoollttaa ee mm ttoommoo ddee ttooddáájj
aa GGrraannddee PPiirrââmmiiddee ppaarraa vveerr ssee aaqquuiilloo eerraa ddee vveerrddaaddee,, ee eerraa!! AAss ccrriiaannççaass eessttaavvaamm||||||
mmããooss ddaaddaass,, ffoorrmmaannddoo uumm ccíírrccuulloo ccoommpplleettoo aaoo rreeddoorr ddaa GGrraannddee PP iirrââmmiiddee
CChheeggUUÉÉÉÉHH
iirr aattéé aa sseegguunnddaa ee aa tteerrcceeiirraa ppiirrââmmiiddee ppaarraa vveerr ssee oo mmeessmmoo aaccoonntteecciiaa,, ee ddee ffaattoo eessttaaVVff
aaccoonntteecceenndd oo AAss ccrriiaannççaass ttiinnhhaamm cciirrccuullaaddoo
ttooddaass aass ttrrêêss ppiirrââmm iiddeess eennqquuaannttoo eessttáávvaaiiffll®®;;
lláá ddeennttrroo IInnddaagguueeii aa mmiimm mmeessmmoo:: oo qquuee sseerráá qquuee iissssoo ssiiggnniiffiiccaa??

80

Quando volte i ao m eu quarto na casa de Ahmed, entrei em meditação e
Quando volte i ao m eu quarto na casa de Ahmed, entrei em meditação e invoquei os
anjos. Fiz-lhes a segu inte perg unta : “Qual é o s ignificado de todas aquelas c
riança s?”
Eles me perguntaram se eu me lembrava do que eles haviam dito doze anos antes. Eu
não sabia a que estavam se referindo, então pedi que explicassem. Eles disseram que
doze anos antes tinham pedido para eu ser o pai de uma criança que, segundo eles,
provinha do Sol Central. Eles disseram que esse filho seria o vértice de um a pirâmide
de milhões de crianças que viriam à Terra para ajudar-nos durante a nossa transição
para a próxima dimensão. Os anjos disseram que essas crianças seriam quase como
gradativamente crianças comuns surgiriam até se passarem sobre a doze face da anos, Terra então como começaria uma força uma que aceleração, não poderia e elas ser
detida. Eles disse ram que essas crianças estavam todas interligadas esp iritualm ente, e
no momento certo
da história
elas mostrariam o cam
inho para o n ovo mun do.
Depois da meditação, calculei os anos entre o nascimento do meu filho Zachary
e aquele dia. Zachary nasceu em 10 de janeiro de 1972, e a data dessa iniciação era
18 de janeiro de 1985. Ele estava com 13 anos e uma semana. Eu me esquecera, mas
as crianças não.
No capítulo final, vocês aprenderão o que a ciência sabe sobre essas crianças. Verão
a grande esperança que está surgindo sobre a Terra graças a esses seres lindos vindo
do espaço, os nossos filhos.
Lembrem-se, a s crian ças são o Olho do
Meio de Hórus; elas são a própria vida.
Os Háthor es
Os háthores eram os mentores princ i
pais ou primordiais dentro da Escola do
Olho Esquerdo de Hórus. Embora não
fossem da Terra, nos tempos antigos eles
estavam sempre aqui para ajudar-nos a
desenvolver a nossa c ons ciên cia. Eles nos
amavam ardentemente, e ainda amam. À
medida que a nossa con sciência se torno u
cada vez mais tridimensional, acabamos
não podendo vê-los mais nem reagir aos
seus ensiname ntos. Som ente agora, qua n
do do nos a vê-los desenvol e a comunicar-nos vemos, estamo com s com eles eçan
outra vez.
AIlustração 10-17 tem a aparência de
umintegrante da raça háthor, uma raça de
seres quadridimension ais procedentes de
Vênus. Vocês não os veem no mundo tri
Ilustração 10-17. Um háthor.
81
dim ensio nal de Vênus, ma s se sintonizar em Vênus na qu arta dim
dim ensio nal de Vênus, ma s se sintonizar em Vênus na qu arta dim ensão , especialmente
nos harm ônicos superiores, en contrarão um a vasta cu ltura lá. Ele s têm a consc iência
mais inteligente deste si stema solar e funcionam como a sede ou escritório central d e
toda a vida sob o nosso Sol. Se entrarem no nosso sistema solar vindo de fora, devem
obter a permissã o de Vênus antes de continuar.
Os háthore s são seres extremam ente amorosos. O seu am
or está no nível da cons 
ciência críst ica. Eles usam son s vocais com o meio de co munica ção e de realizar a ções
no seu amb iente. El es têm orelhas impressionantes. El es praticam ente não conh ecem
as trevas entre si; eles são simplesmente luz — são seres puros, amorosos.
Os háthor es são muito parecidos com os golfinhos . Os golfinhos us am o sona r para
fazer quase tudo, e os háthores usam a voz para fazer praticam ente tudo. Nós criamos
máquinas para iluminar ou aquecer as nossas casas, mas os háthores simplesmente
usam o som da voz.
Não restaram muitas dessas estátuas representando a face de háthores porque os
rom anos pen saram que
fossem algu m tipo de espíri tos mali gnos e perpetraram
uma
gran de destruição
dessas image ns. Ess a escultura se encontra
em Mênfis e é o top o de
um pilar de 1 2 m etros de alt ura, embora o nível
do chão atual estej a um p ouco acima
do topo do pilar (o que vocês veem aqui foi escavado). Esse templo tinha acabado de
ser descoberto em 1985 quando estive lá.
Os háth ore s têm cerca de 3 a 4,80 metros de alt ura, a mesma altura d
os Nep hilins,
mencio nad os no capítul o 3. Durante muitos e muitos anos, el es ajudaram os povos da
Terra, quase sem pre pelo seu amor e os seus incrí veis conhe cime ntos sob re o som. Há
uma iniciação no Egito em que se cria o som da ankh — essa é um a das iniciações na
Gran de Pirâmide. É um som contínuo feito por um háthor, sem interrupção , po r um
período entre meia hora e uma hora. Ele é usado basicamente para curar o corpo ou
restaurar o equilíbrio na natureza. É como quando produzimos o som Om e temos de
respirar ao mesmo te
mpo. Os háthores aprenderam a
prod uzir um som sem in terru p
ção, respirando pelo nari
z, inspir ando para dentro dos pulm
ões e exp irando po r meio
da boca co ntinua me nte. A realização dessa cerimônia de iniciação ao som da ankh era
um a das m uitas coisa s que el es faziam por nós para pro duzir o equ ilíbrio. O s háthores
estiveram aqui na Ter ra par a ajudar a hum anidade d uran te m ilhares de anos.
Inspirar e expirar a o mesmo tempo e produzir um
som c on tínuo sem interrupção
não é algo desconhecido atualmente. Um aborígine tocando o didgeridoo usa a respi
ração c ircular. Ele pode pro duz ir um tom sem interrup ção p or um a hor a, controlando
o fluxo de ar que entra e sai do seu corpo. Na realidade, isso não é muito difícil de
aprender.
Dendera
A Ilustração 10-18 mostra Dendera, e este templo foi dedicado aos háthores, os
grandes mentores da raça humana. Havia faces de háthores em todas essas colunas,
mas alguém no passado ten tou destruí -las. Há enorm es pilare s dentro desse templo q tie
82
se eesstteennddeemm aattéé aa ppaarrttee ddee ttrrááss templo éé eennoorrmmee;; nnããoo dá ppaarraa acre ditar
se eesstteennddeemm aattéé aa ppaarrttee ddee ttrrááss
templo éé eennoorrmmee;; nnããoo dá ppaarraa acre
ditar nnoo ttaammaannhhoo desse lugar! Ele
OO
seestende para trás p or u ns qu atro 
centos metros. (A prop ósito , ali está
Katrina RRaapphhaaeellll àà frente.)
Há dois lugares principais em
Dendera que eu
ggoossttaarriiaa ddee mmeenncciioo
nar. Dentro
ddoo tteemmpplloo ssee eennccoonnttrraa
a carta aassttrroollóóggiiccaa aa qquuee mmee rreeffeerrii
algumas vveezzeess AAqquuii ttaammbbéémm ssee eenn
contra uumm aappoosseennttoo ssoobbrree oo qquuaall
eu rraarraammeennttee ccoommeenntteeii ppoorrqquuee nnããoo
Ilustração 10-18. Dendera e Katrina.
o vvii ppeessssooaallmmeennttee
SSee eennttrraarreemm nnoo
tteemmpplloo ee vviirraarreemm àà ddiirreeiittaa,, eemmbbaaiixxoo ddoo ppaaiinneell ffrroonnttaall nnoo ppiissoo eennccoonnttrraarrããoo uumm aappoosseennttoo
ppeeqquueennoo,, aa mmeeuu vveerr NNeessssee aappoosseennttoo hháá uurrnnaa ccooiissaa qquuee éé iimmppoossssíívveell sseegguunnddoo ttooddooss ooss
ppaaddrrõõeess uumm ffiioo ddee aattuuaaiiss eexxtteennssããoo HHáá uumm ssaaiinnddoo eennttaallhhee ddaa TTeerrrraa ddaa TTeerrrraa ee uumm vviissttaa mmooddeerrnnoo ddoo eessppaaççoo,, pplluugguuee nnaass eellééttrriiccoo pprrooppoorrççõõeess nnaa eexxttrreemmiiddaaddee ppeerrffeeiittaass,, ccoomm
PPrróóxxiimmoo aa eessttee pplluugguuee,, hháá uummaa ttoommaaddaa ddee eennttrraaddaa nnaa ppaarreeddee eexxaattaammeennttee ccoommoo tteemmooss
hhoojjee OO pplluugguuee nnããoo eessttáá ll iiggaaddoo àà eennttrraaddaa nnaa ppaarreeddee CCoommoo éé ppoossssíívveell?? CCoommoo ooss eeggííppcciiooss
ppooddiiaamm ssaabbeerr qquuee nnoo ffuuttuurroo aa TTeerrrraa sseerriiaa eelleettrriiffiiccaaddaa??
DDeeiixxeemm--mmee ccoonnttaarr--llhheess uummaa hhiissttóórriiaa ee mmoossttrraarr aa ffoottooggrraaffiiaa qquuee pprroommeettii eemm uumm
ccaappiittuulloo aanntteerriioorr Quando
eessttiivvee eemm AAbbiiddooss,, nnoo TTeemmpplloo ddee SSeettii II ((IIlluussttrraaççããoo 1100--1199aa;;
vveeiiaamm oo ccaappiittuulloo 2). uumm ddooss gguuaarrddaass qquuee ttrraabbaallhhaavvaa ccoommiiggoo ppeeddiiuu--mmee ppaarraa eessppeerraarr
aattéé qquuee ttooddaass aass ppeessssooaass ttiivveesssseemm ssaaííddoo
ddeessssaa aarrccaa ddoo tteemmpplloo,, kknnttààoo eellee mmee ddiiss
ssee ppaarraa aappoonnttaarr aa mmiinnhhaa ccââmmaarraa ee ttiirraarr
uummaa ffoottooggrraaffiiaa ddcc-- uumm ddeetteerrmmiinnaaddoo lluuggaarr
ddee uummaa ddaass vviiggaass ddoo tteettoo PP
ssttaavvaa
eessccuurroo
ee nnããoo ppuuddee rreeaallmmeennttee vveerr oo qquuee eessllaavvaa
ííoottooggrraallaannddoo SSoo ddeeppooiiss qquuee vvoolltteeii ppaarraa
ccaassaa ee rreevveelleeii oo ffiillmmee ffooii qquuee vvii ddoo qquuee
ssee ttrraattaavvaa
EEssssaa ffoottooggrraaffiiaa ttaammbbeemm eerraa iimmppooss
ssíívveell ppoorr ttooddaass aass iiddeeiiaass ccoonnhheecciiddaass ddoo
Ilustração 10-19a.Templo de SetIi em Abidos.
qquuee ssiiggnniiffiiccaamm oo ppaassssaaddoo,, o pprreesseennttee ee
oo ffuuttuurroo ((vveejjaamm aa IIlluussttrraaççããoo 1100-- 1199bb)) QQuuaannddoo ccoommeennttaammooss ssoobbrree aass ““ffaaiixxaass ddee tteemmppoo
eessccuullppiiddaass"" nnaa ppáággiinnaa 55HH ddoo vvoolluummee 11,, ttuuddoo aa cceerrccaa ddee 44,,55 mmeettrrooss ddoo nníívveell ddoo cchhããoo
ccrraa ssoobbrree oo ffuuttuurroo EEssssaa ffoottooggrraaffiiaa mmoossttrraa uummaa ppaarrttee aa cceerrccaa ddee 1122 mmeettrrooss ddoo nníívveell ddoo
chào ddee eennccoonnttrroo aaoo tteettoo
OO qquuee ee iissssoo?? II aa iimmaaggeemm ddee uumm hheelliiccóópptteerroo ddee aattaaqquuee ccoomm oo qquuee ssee ppaarreeccee cc oomm
bbaarrrriiss ddee ppeettrróólleeoo eemmppiillhhaaddooss eemmbbaaiixxoo ee aa mmeettaaddee ddee uummaa eessffeerraa ccoomm uummaa áágguuiiaa pp oouu
ssaaddaaeemm cciimmaa,, eennccaarraannddoo uumm ttaannqquuee bblliinnddaaddoo
PPaarreeccee hhaavveerr ddooiiss oouuttrrooss ttiippooss ddee aavviiõõeess
83
83
WÊÊBÊ Ilustração10-19b. Os entalhedsoTemplo de SetIi emAbidos. voltados para a mesma direção. Encarando esse
WÊÊBÊ
Ilustração10-19b. Os entalhedsoTemplo de SetIi emAbidos.
voltados para a mesma direção. Encarando esse “inimigo” está um tanque blindado.
Quando mostrei essa fotografia pela primeira vez em 1986, ela não fazia sen tido. Mas
em 1991 havia um oficial militar reformado no meu curso que identificou o helicóp
tero como um modelo militar americano muito específico e disse que toda a série de
hieróglifos se encaixava nos parâmetros da guerra chamada de Tempestade no Deserto.
Essa foi a única guerra e m que esse ]
helicóptero e tanques estiveram J
presentes ao mesmo tempo.
E ditícil dizer que os egípcios
não pudessem ver o futuro quando
fizeram esses hieróglifos milhares ]
de anos antes de o helicóptero ter J
sido sequer inven tado. Muitas p es-1
soas e websites de todo o mundo j
viram essa fotografia desde que a
tirei e ainda não há explicação.
Esta fotografia (Ilustração 10-1
20) mostra a parte superior dej
Ilusrtação10-20. O lintelda passagem para um aposento dentro
doTemplo de DenderaN.o cenrto superior, vê-osesímbolodo
uma passagem para um aposentoi
pequeno elevado na parte de trásdoj
planeta Marduk. Embaixo, vê-se o Olho Esquerdo de Hórus
Templo de Dendera. No centroààúú''MM
dentro de um círculo, e à sua esquerda está o hieróglifo de
Thoth. O aposento emsi contém a história ídseis e Oísris em
hieróglifos.
lintel superior de pedra encontra
se o símbolo de Marduk, o planeta
ddooss NNeepphhiilliinnss ggiiggaanntteess EEmmbbaaiixxoo ddeellee vveemmooss uu mm ccíírrccuulloo ccoomm oo OOllhhoo
ddooss NNeepphhiilliinnss ggiiggaanntteess EEmmbbaaiixxoo ddeellee vveemmooss
uu mm ccíírrccuulloo ccoomm oo OOllhhoo EEssqquueerrddoo ddee HHóórruuss
ddeennttrroo,, qquuee eessttáádifícil ddee vveerr aaqquuii
EE à ssuuaa
esquerda vê-se ô hieróglifo de Thoth, qquuee está
apontando para o círculo
Ilustração 10-20a).
(vejam o detalhe
na
sento Além vê-se desse uma portal linda e representação nas paredes do da apo his
tória de ísis e Osíris, que contei no capítulo
5 , volume 1. Lamento que os funcionários
não tenham me deix ado tirar fotografias para
mostrar avocês. A histó ria retrata da na parede
Ilustração 1-020a. Detalhe do cícrulo na partein
ferior da Ilustração 10-20.
é a base da religião egípcia. Em uma forma
extremamente simplificada, ela é contada da
seguinte maneira.
Uma Concepção Imaculada
Osíris e Set, e ísis e Neftis, eram irmãos e irmãs. Osíris casou-se com ísis, e Set
casou-se com Neftis. A certa altura, Set matou Osíris, pôs o seu corpo em um caixão
de madeira e deix ou-o flutu ando Nilo abaixo (na realid ade, um rio da Atlântida). ísis
e Neftis saíram pelo mundo em busca do corpo de Osíris. Quando o encontraram,
trouxeram-no de volta, mas Set descobriu e cortou o corpo de Osíris em catorze pe
daços. Em seguida, espalhou os pedaços pelo mundo afora, para ter certeza de que
Osírisnunca mais retorna ria. Então, ísis e Ne ftis procuraram os pedaços e enco ntraram
treze deles. O 142 era o falo de Osíris.
A história gravada na parede mostra que os treze pedaços foram encontrados e
reunidos sem o falo ausente . Então T hoth faz uma magia, o falo ganha vida, e a energia
criadora flui através do corpo de Osíris. É mostrado que ísis então se transforma em
um falcão, voa pelo ar e desce e envolve o pênis do marido com as suas asas. Então
elavoa para long e, grávida . Ela tem u m bebê com cabeça de falcão, Hórus , só que na
realidade ele não tinha cabeça de falcão — esse é apenas o hieróglifo do seu nome.
Hórus então vinga a morte do pai e a dor pela qual Set fez Osíris passar.
Thoth diz que o que foi representado ali é uma concepção imaculada, ou parto
virginal. Uma vez que a mulher não precisa ser virgem, ele o chamou de concepção
imaculada. Thoth classificou esse nascimento como interdimensional. ísis voou para
Osíris interdimensionalmente; não foi um acasalamento
físicoque aconteceu.
.
Os Partos Virginais no Mundo
O que vou ap resen tar agora é um a informaç ão que me pe diram para apresentar-
Eu não soube o que pensar a respeito desse assunto por muito tempo, e vocês.
85
85
tteerrããoo ddee ttiirraarr aass ssuuaass pprróópprriiaass ccoonnccllyy I cf T ssõõeess EEssttoouu llhheess
tteerrããoo ddee ttiirraarr aass ssuuaass pprróópprriiaass ccoonnccllyy
I
cf T
ssõõeess
EEssttoouu llhheess ccoonnttaannddoo oo qquuee eeuu sseeii
1
/TV
.
9
-
w
.
*51W :'
\
o
3
i
\ -
aaggoorr aa qquuee éé vveerrddaaddeeiirroo,, mm aass qquuaannddoo mmee
ccoonnttaarraamm ssoobbrree iissssoo ppeellaa pprriimmeeiirraa vveezz
ppeennsseeii qquuee ssee ttrraattaassssee ddee mmiittoo ppuurroo
mmaaiioorriiaa ddaass ppeessssooaass ppeennssaa qquuee éé mmiittoo
ppuurroo,, qquu ee aa hhiissttóórriiaa ssoobb rree MM aarriiaa ee JJoosséé ee
n
l_
so
9
9
ff
9
9
d”
9
9
cf
9
c?
«
/\
/
\
lm\
oo ppaarrttoo vviirrggiinnaall ppooddeerriiaa aaccoonntteecceerr aappee
nnaass ccoomm JJeessuuss,, ee nnããoo sseerriiaa ppoossssíívveell qquuee
aaccoonntt eeccee ssssee ccoomm uummaa ppeessssooaa ccoomm uumm
NNoo
iaç cfç í
?9
Q
C
f p
C
f $
Ç
Ilustração 10-21. Árvore genealógica de uma abelha-
macho.
eennttaannttoo,, eeuu aapprreennddii qquuee hháá eevviiddêênncciiaass
ccoonnccrreettaass ddee qquuee aa ccoonncceeppççããoo iimmaaccuullaa
ddaa éé aabbssoolluuttaammeennttee vveerrddaaddeeiirraa ee qquuee ffaazz
ppaarrttee ddaa vviiddaa ccoottiiddiiaannaa
CCoonnssiiddee rraa--ss ee qquuee mmuuiittooss ddooss llííddeerr
eess rreell iiggiioossooss ee ffuunnddaaddoorreess ddaass rree
lliiggiiõõeess mm
uunn ddiiaa iiss,,
ccoommoo KK rriisshhnnaa,, ppoo rr eexxeemmpplloo,, oouu
JJeessuuss,, nnaass cceerraa mm ddee uumm aa vvii rrggeemm ——
ddee uumm aa mm ããee ee
uumm
ppaaii qquuee nn ããoo ssee aaccaassaallaarraamm ffiiss iiccaammeennttee
ooss qq uuee iissssoo
éé aallggoo
qquu ee
nnããoo ttee rriiaa ppoossssii bbiilliiddaaddee ddee aaccoonntteecceerr
ddee vveerrddaa CCoomm oo ddee eeuu nnaa dd vvii iissssee,, ddaa ppeennssaamm ccoottiiddiiaannaa
EEmm oouu ttrrooss nn íívvee iiss ddee
vviiddaa nnaa TTeerrrraa qquuee nnããoo oo hhuummaannoo,, ooss ppaarrttooss vviirrggiinnaaiiss aaccoonntteecceemm aa ttooddoo mmiinnuuttoo ddoo ddiiaa
eemm ttooddaass aass ppaarrtteess aaoo nnoossssoo rreeddoorr,, eemm ttooddoo oo mmuunnddoo,,
AA1122 The Mommg News TnbuneFF.nnddaayy
JJaann15. 1993
oo tteemmppoo ttooddoo IInnsseettooss,, ppllaannttaass,,
áárrvvoorreess,, qquuaassee
ttooddaa ss aass
ffoorrmmaa ss ddee vviiddaa,, uu ssaamm aa ccoonncceepp ççããoo iimmaaccuullaaddaa ccoo mm oo uumm
mmeeiioo ddee rreepprroodduuççããoo VVoouu ddaarr--llhheess uumm eexxeemmpplloo
AA IIlluussttrraaççããoo 1100--2211 mmoossttrraa aa áárrvvoorree ggeenneeaallóóggiiccaa ddee
uummaa aabbee llhhaa-- mmaacchhoo UUmm
uummaa aabbeellhhaa--mmaacchhoo sseemm
aa aabbeellhhaa--ffêêmmeeaa pp
pprree qquu ee qquuiisseerr EEllaa
oodd ee pprroodduuzziirr
nnãã oo pprreeccii ssaa
ppeedd iirr ppeerrmmiiss ssããoo ddoo mmaacchh
oo ee nnããoo pp rreecciissaa ddee uumm
mmaacchhoo
Gecko lizards were part of a compatlttvoness study.
ppaarraa ccrriiaarr uumm nn oovvoo mmaacchhoo EEllaa
ppoo ddee ss iimm ppllee ssmm eenn ttee ffaazzêê--
Lizards with big appetites force
smaller cousins to move outside
lloo SSee qquuiisseerr pprroodduuzziirr uummaa aabbeellhhaa--ffêêmmeeaa,, nnoo eennttaannttoo,,
aanndd
tthhee
rraattee
aatt
wwhhiicchh
aann
iinn
TheAssociated Press
vvaaddeerr
ccaann
ddiissppllaaccee
aa
rreessiiddvvnntt
LLOOSS AANNGGEELLEESS -- SScclleennuu ssuu
ccoommppeettiittoorr
””
CCaaww
ssaaiidd
TTbbuu
rr»»
eellaa pprreecciissaa aaccaassaallaarr--ssee ccoomm uumm mmaacchhoo
NNeessssaa áárrvvoorree
((LLaaggeedd vv ttnn bbeettwweeeenn lliizzaarrddss iinn-- ddaayy dduurriinngg aa pphhoonnee iinntteerrvvlleeww
••iiddee oolldd bbaannggaann iinn HHaawwaaiiii ttoo
lleeaarr»» wwhhyy sseexxuuaallllyy rreepprroodduucciinngg
ggeecckkooaa bbaavvee ppuussbbeedd ÜÜwwiirr aasseexxuu--
aa)) rriivvaaiiss oouutt ooff uurrttttaann hhoommccss
ffrroomm SSaann DDiieeggoo
FF°°rr
tthhoouussaannddss
ooff
yyeeaarrss
ppeeoo
ppttee
iinn
tthhee
PPaacc iiffiicc
iissllaannddss
hh iivvcc
ggeenneeaall óóggiicc aa,, oo mm aacchhoo pprreecciiss aa aapp eennaass dd ee uumm aa mm ããee,, mmaass
sshhaarreedd
ttbbeeiirr
hhoommeess
wwiillhh
mmoouurrnn
tthhrroouuggbboouutt tthhee
SSoouutthh PPaacc iiffiicc
«« II
ggeecckkooaa
wwhhiicchh
eenntteerr
hhoouusseess
TThhee
aann sswweerr
SSeexxuuaall
lliiiiaarr dd»»
tthhrroouu**bb
”” nn441111 <<>>PP««>>iinngg»» aanndd
aarree
aa ffêêmmeeaa pprreecciissaa ddee uumm ppaaii ee uummaa mmããee TTooddaa aabbeellhhaa--ppaaii
aarree
UUuu eerr
««nndd
bboojj
llhhee
ddllnnooeett
IImmppoossssii bbllee
lloo
kkccccpp
o b L MMoouurrnniinngg ggeecckkooss aarree aabboouutt iitt
a<ira«».ce Th<.yrí.ap^r„ Menall»I
33
IInnccbbee ss lloonngg
AAllii
aarree
ffeemmaall
pprreecc iissaa aappeennaass ddee uumm aa mm ããee,, ee aass ggee rraaçç õõeess sseegg uuee mm eessssee ]]
uuoooo UU** UU nn ee,, wwssllll--cclliiffnnbb ttnngg uu
mmsseecctt--eeaaUUnngg
lliizzaarrddss
„„UU““
rrddii „„
««
iinnaallee hheellpp
SSllooooee WWuurrWW WWiirr IIII
] ,,
aaccaarree
JJ
55
lloo
11
mmooddeelloo eessppeecciiaall
AA ccoolluunnaa ddee nnúúmmeerrooss àà eessqquueerrddaa ddaa
ffrroomm hhoouusseess wwbbeerree ttããssttyy iinnsseeccttaa
ccoonnggrreeggaaLLee aarroouunndd lliiggbbtt bbuullbbss,,
iinncchh-- lloonngg bboouuss ee ggeecckkooss —— aa ddiiff
eeccoollooggiissttaa ssaaiidd iinn ttooddaayyss iissttuu**
ooff tthhee JJoouurrnnaall SScciieennccee
ffeerreemm iippeecckknn nnaattiivvee ttoo tthh»»
--
PPhhiilliippppiinneess
aanndd
IInnddoonnééssiiaa
iilluussttrraaçç ããoo mm oossttrraa oo nnúúmm eerroo ddee mm eemm bbrr ooss aa ccaaddaa nníívveelljj
hhaavvee
ddiissppllaacceedd
mmoouurrnniinngg
ggeecc--
““EEccooll oogguuttss
UU kkee
mmee
««rr
oouu
_lldd_ ||
HH
ww „„
uurrbbaann
hhoommeess
aass
tthheeyy
UUkkee ttoo bbee aabbllee ttoo pprreeddiicctt wwhhiicchh bbiittcchhbbiikkeedd oonn ppllaanneess aanndd bbooaattss
••ccoossyysstteemmss aarree mmoorree ssuusseeeepp
UUbbllee ttoo iinnvvaaddeerrss ffrroomm oouuttssiiddee
^^
FFllJJ,,
SSaammooaa
TTaahhiittii
aanndd
HHaa
ddeessssaa áárrvvoorree ggeenneeaallóóggiiccaa
QQuuaannddoo oobbsseerrvvaarreemm eesssseessii
wwhhiicchh
aarree
mmoorree
rreessiissttaannll
aanndd
lllloouuss rr
ggeecckk««ww
••••uummee
iinn
mmaall cc
rty."
IU
Ted
Cajt ,
co
Ttl„
Mlkor
01 U» ■ludy.nd Di
ology
prMu„
„ luallí
nnúúmmeerrooss,, vveerrããoo ddeesseennvvoollvveerr--ssee aa sseeqqüüêênncciiaa 11,, 11,,22,, 33,,::
cchhaaiirrmm aann
aatt
tthhee
UUnniivveerr aaiitt))
ooff
iiaattlloo nn
TTffMM
yy
hhaavvii
„„uu>>hheedd
tthh
--
CCaalliiffoonnuuaa
SSaann DDiieeggoo
mmoouurrnniinngg
ggee««--kkuu»»
mmttuu
rruurraall
TThhee nneeww ssttuuddyy ““uu oonnee ooff tthhee
ccoommmmuunnmmee**
aanndd
lluu
mm bb
llaarr
55,, 88 ee 1133 —— aa sseeqqüüêênncciiaa ddee FFiibboonnaaccccii
bbeess»» ««xxaammpplleess ssoo
ffaarr ooff llhhee wwaayy
ffrroomm bbnngghhtt cciittyy lliigghhuu
IIssss oo iinnddiiccaa qquuee aa
ccoonn cceepp ççããoo
iimmaaccuu llaaddaa ——
oouu ppeell°°**
Ilustração 10-22. Geco no noticiário;
uma espécie exclusivamente feminina.
Talvez alguns leitores possam pesquisar
mais sobre o assunto.
mm eennooss eessssaa —— éé ffuunnddaamm eennttaaddaa nn aa sseeqqüü êênncciiaa dd ee HH''
bboonnaaccccii
NNoo eennttaannttoo,, ssee aass ppeessssooaass ssee aaccaassaallaarreemm ddaa||
mmaanneeiirraa nnoorrmmaall,, qquuaall sseerráá aa sseeqqüüêênncciiaa ffoorrmmaaddaa??
pprrii mmeeiirr oo lluuggaa rr hháá oo bbeebbêê,, ddee ppoo iiss ooss ddoo iiss ppaaii ss,, oo ss
86
avós, ooss ooiittoo bbiissaavvóóss 11,, 22,, 44,, 1166,, 3322,, aa sseeqqüüêênncciiaa bbiinnáárriiaa EEsssseess
avós, ooss ooiittoo bbiissaavvóóss
11,, 22,, 44,, 1166,, 3322,, aa sseeqqüüêênncciiaa bbiinnáárriiaa
EEsssseess ddooiiss pprroocceessssooss ddee
nascimento iimmiittaamm aass dduuaass sseeqqüüêênncciiaass pprriimmáárriiaass ddaa vviiddaa;; aa sseeqqüüêênncciiaa ddee FFiibboonnaaccccii
éé ffeemmiinniinnaa,, ee aa sseeqqüüêênncciiaa bbiinnáárriiaa éé mmaassccuulliinnaa AAssssiimm,, ddee aaccoorrddoo ccoomm eessssaa tteeoorriiaa,, aa
ccoonncceeppççããoo iimmaaccuullaaddaa éé ffeemmiinniinnaa,, ee aa ccóóppuullaa ffííssiiccaa éé mmaassccuulliinnaa
Partenogênese
AA IIlluussttrraaççããoo 1100--2222 mmoossttrraa aa ffoottooggrraaffiiaa ddee uumm ggeeccoo,, uummaa ppeeqquueennaa llaaggaarrttiixxaa ((aa nnoo
ttíícciiaa,, ddoo jjoorrnnaall
Moming News Tribune,
ddee TTaaccoommaa,, eessttaaddoo ddee WWaasshhiinnggttoonn,, ddee 1155 ddee
jjaanneeiirroo ddee 11999933,, ccoommeennttaa uumm aarrttiiggoo ppuubblliiccaaddoo nnaa rreevviissttaa Science ddaa ooccaassiiããoo)) EEsssseess
ggeeccooss vviivveemm nnaass iillhhaass ddoo PPaaccííffiiccoo,, ee eessssee eemm ppaarrttiiccuullaarr éé cchhaammaaddoo ddee ““ggeeccoo--cchhoorrããoo””
TTeemm cceerrccaa ddee 77,,55 cceennttíímmeettrrooss ddee ccoommpprriimmeennttoo,, ee ttooddooss ooss iinnddiivvíídduuooss ssããoo apenas ddoo
sseexxoo ffeemmiinniinnoo NNããoo eexxiisstteemm ggeeccooss--mmaattiinnaaiiss--mmaacchhooss —— sseemmpprree —— nnoo ppllaanneettaa ttooddoo,,
aappeennaass ddoo sseexxoo ffeemmiinniinnoo TTooddaa aa ccuullttuurraa ddee ggeeccooss--cchhoorrõõeess éé eexxcclluussiivvaammeennttee ffeemmiinniinnaa,,
aaiinnddaa aassssiimm ccoonnttiinnuuaamm tteennddoo ffiillhhootteess sseemm aa pprreesseennççaa ddee mmaacchhooss
OO aarrttiiggoo iinnffoorrmmaa qquuee
ssããoo ttooddooss ddoo sseexxoo ffeemmiinniinnoo,, ee qquuee ssee rreepprroo dduuzzeemm aasssseexxuuaaddaammeennttee ,, ppoonnddoo ee cchhoocc aannddoo
ooss sseeuuss PPeetteerr oovvooss CC HHooppppee sseemm aa aajjuuddaa ee KKaarrll mmaassccuulliinnaa IIllllmmeennsseerr aannuunncciiaarraamm,, CCoommoo ffaazzeemm eemm iissssoo?? 11997777,, oo nnaasscciimmeennttoo bbeemm--ssuuccee
ddiiddoo,, nnoo LLaabboorraattóórriioo JJaacckkssoonn,, eemm BBaarr HHaarrbboorr,, nnoo MMaaiinnee,, ddee sseettee ““ccaammuunnddoonnggooss ssóó
ddee mmããee””
OO pprroocceessssoo ffooii cchhaammaaddoo ddee ppaarrtteennooggêênneessee,, oouu ppaarrttoo vviirrggiinnaall
EEnnttrreettaannttoo,,
““ccoonncceeppççããoo iimmaaccuullaaddaa”” sseerriiaa oo tteerrmm oo mmaaiiss eexxaattoo,, uummaa vveezz qquuee aa ffêêmmeeaa nnããoo pp rreecciissaa sseerr
vviirrggeemm EEmm oouuttrraass ppaallaavvrraass,, eelleess ffoorraamm ccaappaazzeess ddee ppeeggaarr ccaammuunnddoonnggooss ee,, sseemm mmaacchhooss,,
iinndduuzziirr aa ccoonncceeppççããoo CCoommoo ffiizzeerraamm iissssoo??
TTiivvee aabbooaa ssoorrttee ddee ccoonnttaarr ccoomm aa pprreesseennççaa ddee uumm mméédd iiccoo eemm uu mm ddooss mmeeuuss ccuurrssoo ss,,
qquuee ttiinnhhaa ppeessqquuiissaaddoo ssoobbrree aa ppaarrtteennooggêênneessee ee qquuee aa rreeaalliizzaarraa eemm seres humanos. TTiivvee aa
mmééddiiccoo,, ooppoorrttuunniiddaaddee ttuuddoo oo ddee qquuee ccoonnvveerrssaarr uumm cciieennttiissttaa ccaallmmaamm pprreecciissaa eennttee ffaazzeerr ccoomm éé eellee ssiimmpplleessmmeennttee ssoobbrree oo aassssuunnttoo rroommppeerr DDee aaccoorrddoo aa zzoonnaa cc ppeellúúcciiddaa oomm eessssee
ccoomm uumm ppeeqquueennoo aallffiinneettee AAssssiimm qquuee iissssoo aaccoonntteeccee,, aa mmiittoossee tteemm iinníícciioo ee llooggoo nnaassccee
oo bbeebbêê PPaarreeccee qquuee rroommppeerr aa ssuuppeerrffíícciiee éé ttuuddoo oo qquuee éé nneecceessssáárriioo!!
CCoonnffoorrmmee aaffiirrmmeeii nnaa ppáággiinnaa 224466 ddoo vvoolluummee 11,, oo sseexxoo mmaassccuulliinnoo nnããoo ccoonnttrriibbuuii
nneecceessssaarriiaammeennttee ccoomm 5500 ppoorr cceennttoo ddooss ccrroommoossssoommooss nnaa ccoonncceeppççããoo,, oo qquuee sseemmpprree ssee
ccoonnssiiddeerroouu ccoommoo vveerrddaaddeeiirroo OO sseexxoo ffeemmiinniinnoo ppooddee ccoonnttrriibbuuiirr ccoomm qquuaallqquueerr qquuaann
ttiiddaaddee ddee 5500 aa 110000 ppoorr cceenn ttoo
IIssssoo ffooii eessttaabbeelleecciiddoo ddeeffiinniittiivvaammeennttee ppeellaa
cciiêênncciiaa ccoomm oo
ffaattoo TTaammbbéémm ssee ddeessccoobbrriiuu aallggoo nnoovvoo ssoobbrree ooss ggeenneess OOss cciieennttiissttaass sseemmpprree ppeennssaarraamm
qquueeaaffuunnççããoo ddee ccaaddaa ggeenn ee ffoossssee ffiixxaa,, qquuee uumm ddeetteerrmmiinnaaddoo ggeenn ee ffaazziiaa uummaa ddeetteerrmmiinnaaddaa
ccooiissaa
MMaass aaggoorraa ssee ddeessccoobbrriiuu qquuee
isso
nnããoo éé vveerrddaaddee ttaammbbéémm UUmm ggeennee eessppeeccííffiiccoo
ffaarrááaallggoo iinntteeiirraammeennttee ddiiffeerreennttee,, ddeeppeennddeennddoo ddee ssee vveemm ddaa mmããee oouu ddoo ppaaii IIssssoo ccaa uussoouu
mmaaiiss uummaa ssuurrpprreessaa nnaa ccoommpprreeeennssããoo ddaa bbiioollooggiiaa
DDeessddee 11997777,, ooss ppeessqquuiissaa ddoorreess ttêêmm tteennttaaddoo rroommppeerr aa ssuuppeerrffíícciiee ddoo oovvoo dd ee ttooddoo ss ooss
ttiippooss ddee ffoorrmmaass ddee vviiddaa
QQuuaanndd oo ffiizzeerraamm iissssoo cc oomm sseerreess hhuummaa nnooss ddoo ss eexxoo ffeemmiinniinnoo,,
sseemm oo eessppeerrmmaa mmaassccuulliinnoo,, aass mmuullhheerreess ddeerraamm àà lluuzz bbeebbêêss ddoo sseexxoo ffeemmiinniinnoo —— ppeelloo
8877
nniieennooss,, tteemm ssiiddoo sseemmpprree ddoo sseexxoo ffeemmiinniinnoo aattéé aaggoorraa PPoorrttaannttoo,, hhoojjee
nniieennooss,, tteemm ssiiddoo sseemmpprree ddoo sseexxoo ffeemmiinniinnoo aattéé aaggoorraa PPoorrttaannttoo,, hhoojjee eessttáá absolutamente
eessttaabbeelleecciiddoo qquuee iissssoo ppooddee aaccoonntteecceerr
DDuuaass oouuttrraass ccooiissaass:: 11)) eessssaass ccrriiaannççaass ddoo sseexxoo ffeemmiinniinnoo nnaasscciiddaass ppeellaa ppaarrtteennooggêênneessssll
ssããoo aabbssoolluuttaammeennttee iiddêênnttiiccaass àà mmããee qquuee aass ggeerroouu ee 22)) eemm ttooddooss ooss ccaassooss,, aass ccrriiaannççaa^^
ddoo sseexxoo ffeemmiinniinnoo eerraamm eessttéérreeiiss PPaarreeccee--mmee qquuee hháá mmuuiittoo mmaaiiss ccooiissaass eennvvoollvviiddaass nneessssee??
aassssuunnttoo ddoo qquuee nnóóss pprroovvaavveellmmeennttee sseemmpprree ppeennssaammooss IIssssoo ssee aapplliiccaa aa mmuuiittooss aassssuunnttooss
ssoobbrree ooss qquuaaiiss pensamos qquuee ssaabbeemmooss mmuuiittoo
A Concepção em uma Dimensão Diferente
DDeeppooiiss ddee rreefflleettiirr ssoobbrree eessssaa iiddeeiiaa ddee ppaarrttoo vviirrggiinnaall ppoorr mmuuiittoo tteemmppoo,, ffiiqquueeii ccoomm
aa sseegguuiinnttee ddúúvviiddaa:: qquuaannddoo ooss cciieennttiissttaass iinndduuzziirraamm aa ppaarrtteennooggêênneessee,, éé ppoossssíívveell qquuee
tteennhhaamm ccrriiaaddoo uumm bbeebbêê qquuee sseejjaa ffuunnddaammeennttaaddoo eemm uumm pprriinnccííppiioo ddiiffeerreennttee?? EE ppooss
ssíívveell qquuee aa ccrriiaannççaa ffeemmiinniinnaa nnããoo sseejjaa rreeaallmmeennttee eessttéérriill,, mmaass qquuee nnããoo ppeerrtteennççaa mmaaiiss aa
sseeqqüüêênncciiaa bbiinnáárriiaa,, mmaass àà sseeqqüüêênncciiaa ddee FFiibboonnaaccccii?? EE éé ppoossssíívveell qquuee eellaa ppoossssaa ccoonncceebbeeii**
apenas iinntteerrddiimmeennssiioonnaallmmeennttee?? EElleess nnããoo ppeennssaarraamm nniissssoo ppoorrqquuee aa oobbsseerrvvaarraamm ppaarraa
vveerr ssee eerraa ccaappaazz ddee ccoonncceebbeerrfisicamente. IInntteerrddiimmeennssiioonnaallmmeennttee ssiiggnniiffiiccaa qquuee nnããoo ssee
pprreecciissaa nneemm eessttaarr nnoo mmeessmmoo llaaddoo ddoo ppllaanneettaa —— oouu aattéé mmeessmmoo nnoo mmeessmmoo ppllaanneettaa,, aa
pprrooppóóssiittoo AA lliiggaaççããoo éé nnuumm oouuttrroo nníívveell ddaa eexxiissttêênncciiaa EEssssee mmooddoo ddee ccoonncceeppççããoo aaiinnddaa
tteemm aa eenneerrggiiaa sseexxuuaall ee oo oorrggaassmmoo,, mmaass nnããoo rreeqquueerr eessttaarr ffiissiiccaammeennttee jjuunnttooss
EEiiss aaqquuii uummaa oouuttrraa ccooiissaa:: qquuaannddoo aa ccoonncceeppççããoo éé ccrriiaaddaa ssiinntteettiiccaammeennttee ppoorr mmeeiioo
ddaa ppaarrtteennooggêênneessee,, qquuaannddoo uumm oobbjjeettoo ppoonnttiiaagguuddoo éé uussaaddoo ppaarraa rroommppeerr aa ssuuppeerrffíícciiee,,
sseemmpprree aaccaabbaa rreessuullttaannddoo uummaa mmeenniinnaa
AAccrreeddiittoo aaggoorraa qquuee,, qquuaannddoo oo aaccaassaallaammeennttoo
éé ffeeiittoo iinntteerrddiimmeennssiioonnaallmmeennttee,, rreessuullttaarráá uumm mmeenniinnoo ttooddaass aass vveezzeess ÉÉ ccllaarroo qquuee,, ssóó
ppoorrqquuee MMaarriiaa ee JJoosséé ttiivveerraamm JJeessuuss,, uumm mmeenniinnoo,, ee KKrriisshhnnaa eerraa uumm ggaarroottoo,, ee aassssiimm ppoorr
ddiiaannttee,, nnããoo éé pprroovvaa ssuuffiicciieennttee ppaarraa aaffiirrmmaarr qquuee sseemmpprree rreessuullttaarráá uumm mmeenniinnoo,, mmaass
ppaarreeccee qquuee éé aassssiimm NNuunnccaa hhoouuvvee uummaa eexxcceeççããoo ddee qquuee eeuu tteennhhaa nnoottíícciiaa
A Gênese
de Thot h e a Sua Árvore
Gen ea lóg ica
OO mmeeuu iinntteerreessssee ppeellaa ccoonncceeppççããoo iimmaaccuullaaddaa ccoommeeççoouu mmuuiittoo tteemmppoo aattrrááss EEuu eessttaavvaa,,
pprraattiiccaannddoo aa ggeeoommeettrriiaa uumm ddiiaa,, ee TThhootthh mmee oobbsseerrvvaavvaa EEuu tteennttaavvaa ddeessccoobbrriirr aallggoo qquudd
eellee eessttaavvaa tteennttaannddoo eexxpplliiccaarr ppaarraa mmiimm
ÉÉ
ccllaarroo qquuee aa úúllttiimmaa ccooiissaa nnoo mmuunnddoo eemm qquuêê||
ppeennssaavvaa eerraa ssoobbrree aa ccoonncceeppççããoo iimmaaccuullaaddaa,, eessppeecciiaallmmeennttee aa ppaarrtteennooggêênneessee
EEllee mmee^^
ppeerrgguunnttoouu ssee eeuu ggoossttaarriiaa ddee oouuvviirr aa hhiissttóórriiaa ddaa ssuuaa mmããee
EEuu rreessppoonnddii:: ““CCllaarroo”” —— ssaa--jj
bbeemm,, eennqquuaannttoo eeuu ccaallccuullaavvaa aa ggeeoommeettrriiaa,, rreeaallmmeennttee nnããoo eessttaavvaa ttããoo iinntteerreessssaaddoo
nnaa hhiissttóórriiaa ddeellee EEnnttããoo eellee mmee ccoonnttoouu uummaa hhiissttóórriiaa mmuuiittoo iinnccoommuumm EEuu nnããoo ssaabbiiaajjÉÉ
qquuee ppeennssaarr ssoobbrree eellaa EEllee ssiimmpplleessmmeennttee mmee ccoonnttoouu aa hhiissttóórriiaa ee ppaarrttiiuu DDeeppooiiss qquu®®ii$$HH
ssee ffooii,, ppeennsseeii:: ddee qquuee aquilo ssee ttrraattaavvaa??
EEllee ddiissssee qquuee oo nnoommee ddaa ssuuaa mmããee éé SSeekkuutteett TTiivvee aa ooppoorrttuunniiddaaddee ddee encontrar - ® 6
ccoomm eellaa uummaa vveezz,, aappeennaass uummaa úúnniiccaa vveezz EEllaa éé uummaa mmuullhheerr eexxcceeppcciioonnaallmmeennttee
bela ®
88
88
ddeevvee tteerr uunnss 220000 mmiill aannooss ddee iiddaaddee,, nnoo mmeessmmoo ccoorrppoo TThhootthh ddiissssee--mmee
ddeevvee tteerr uunnss 220000 mmiill aannooss ddee iiddaaddee,, nnoo mmeessmmoo ccoorrppoo TThhootthh ddiissssee--mmee qquuee ddeeppooiiss ddaa
época ddee AAddââoo ee EEvvaa,, eennqquuaannttoo ooss hhuummaannooss aapprreennddiiaamm aa aaccaassaallaarr--ssee ffiissiiccaammeennttee ee
passar ppeellaa sseeqqüüêênncciiaa bbiinnáárriiaa,, ssuuaa mmããee oo ffeezz ddee mmaanneeiirraa ddiiffeerreennttee EEllaa eennccoonnttrroouu uumm
hhoommeemm ee aappaaiixxoonnoouu--ssee ppoorr eellee,, mmaass eelleess aapprreennddeerraamm aa ssee aaccaassaallaarr iinntteerrddiimmeennssiioonnaall
mmeennttee TTiivveerraamm uumm bbeebbêê ddoo sseexxoo mmaassccuulliinnoo —— nnããoo uummaa mmeenniinnaa,, mmaass uumm mmeenniinnoo EE
nnoo pprroocceessssoo ddee tteerr eessssee bbeebbêê,, ddee mmaanneeiirraa mmuuiittoo sseemmeellhhaannttee àà ddee AAyy ee TTiiyyaa ((vveejjaamm ooss
capítulos 33,, 44 ee 55)),, eelleess ccoonnhheecceerraamm aa iimmoorrttaalliiddaaddee ee ttoorrnnaarraamm--ssee iimmoorrttaaiiss
Issoaaccoonntteecceeuu mmuuiittoo,, mmuuiittoo tteemmppoo aattrrááss,, pprróóxxiimmoo ddoo iinníícciioo ddaa nnoossssaa rraaççaa AA mmããee
ddee Thoth ee oo mmaarriiddoo ffaazziiaamm ppaarrttee ddaa rraaççaa rreeccéémm--ccrriiaaddaa qquuee ffooii ddeesseennvvoollvviiddaa ppaarraa
mmiinneerraarr oouurroo NNããoo sseeii ssee eelleess ddeesscceennddeemm ddaa lliinnhhaaggeemm ddee AAddããoo ee EEvvaa oouu ppoorr ppaarrttee ddaa
lliinnhhaaggeemm hhuummaannaa qquuee eerraa ssuuppoossttaammeennttee eessttéérriill SSeejjaa ccoommoo ffoorr,, eelleess ddeessccoobbrriirraamm ccoommoo
aaccaassaallaarr--ssee iinntteerrddiimmeennssiioonnaallmmeennttee,, qquuaassee oo vveerrddaaddeeiirroo iinníícciioo ddaa nnoossssaa eevvoolluuççããoo NNaa
rreeaalliiddaaddee,, eelleess ppooddeemm tteerr ssiiddoo pprreecciissaammeennttee ooss pprriimmeeiirrooss aa uussaarr eessssaa mmooddaalliiddaaddee ddee
ccoonncceeppççããoo
Uma Linhagem Terrestre Viaja pelo Espaço
QQuuaannddoo oo sseeuu bbeebbêê ccrreesscceeuu ee ssee ttoorrnnoouu uumm hhoommeemm,, sseeuu ppaaii,, oo pprriimmeeiirroo mmaarriiddoo
ddee SSeekkuutteett,, ddeeiixxoouu aa TTeerrrraa ee ffooii ppaarraa oo nníívveell qquuaaddrriiddiimmeennssiioonnaall ddee VVêênnuuss,, ffuunnddiinnddoo--
ssee ccoomm aa eevvoolluuççããoo ddee lláá,, ee ttoorrnnoouu--ssee uumm hháátthhoorr IIssssoo éé mmeenncciioonnaaddoo nnaass hhiissttóórriiaass ee
mmiittooss eeggííppcciiooss IInnúúmmeerraass vveezzeess sseegguuiiddaass,, aass hhiissttóórriiaass ddeelleess ffaallaamm ssoobbrree ccoommoo mmoorrrriiaamm
ee aasscceennddiiaamm aaoo nníívveell ddaa ccoonnsscciiêênncciiaa vveennuussiiaannaa
DDeeppooiiss qquueeo ppaaii ppaarrttiiuu ppaarraa VVêênnuuss,, SSeekkuutteett aaccaassaalloouu--ssee ccoomm oo ffiillhhoo iinntteerrddiimmeennssiioo
nnaallmmeenntteee engravidou
ddee nnoovvoo TTeevvee uumm sseegguunnddoo bbeebbêê ddoo sseexxoo mmaassccuulliinnoo ee,, qquuaannddoo
eellee ccrreesscceeuu,, oo pprriimmeeiirroo ffiillhhoo ddeellaa ((oo ppaaii ddoo sseegguunnddoo ffiillhhoo)) ffooii eennccoonnttrraarr--ssee ccoomm oo ppaaii
deleeemm VVêênnuuss DDeeppooiiss qquueeo pprriimmeeiirroo ffiillhhoo cchheeggoouu aa VVêênnuuss,, sseeuu ppaaii ffooii ppaarraa SSíírriiuuss
PPoosstteerriioorrmmeennttee,, qquuaannddoo oo sseegguunnddoo bbeebbêê ccrreesscceeuu,, SSeekkuutteett aaccaassaalloouu--ssee ccooemmle iinntteerrddii--
mmeennssiioonnaallmmeenntteee tteevvee aaiinnddaaum tteerrcceeiirroo ffiillhhoo QQuuaannddoo oo tteerrcceeiirroo ffiillhhoo ddeellaa ttoorrnnoouu--ssee
mmaadduurroo,, oo sseegguunnddoofilho (o pai ddoo tteerrcceeiirroo lliillhhoo)) rreeuunniiuu--ssee ccoomm oo sseeuu iirrmmããoo//ppaaii ((oo
pprriimmeeiirroo ffiillhhoo)) eemm VVêênnuuss DDeeppooiiss qquuee oo sseegguunnddoo ffiillhhoo ttiinnhhaassee eessttaabbeelleecciiddoo eemm VVêênnuuss,,
oo pprriimmeeiirroo ffiillhhoo ppaarrttiiuu ppaarraa SSíírriiuuss
SSíírriiuuss,, eennttããoo oo ppaaii ddeellee ((oo ppaasriicinal)
llii ddeeppooiiss qquuee oo pprriimmeeiirroo ffiillhhoo ssee eessttaabbeelleecceeuu eemm
ffooii ppaarraa aass PPllêêiiaaddeess NNoo eennttaannttoo,, aass PPllêêiiaaddeess
eessttaavvaamm aappeennaass ccoommeeççaannddoo
IIssssoo ssee ttoorrnnoouu uummaa lliinnhhaaggeemm vviivvaa qquuee ffooii ssee aapprrooffuunnddaannddoo ccaaddaa vveezz mmaaiiss nnoo eessppaaççoo,,
ccaaddaa ffiillhhoo sseegguuiinnddoo oo sseeuu ppaaii sseemmpprree mmaaiiss aaddiiaannttee ÉÉ uummaa hhiissttóórriiaa iinntteerreessssaannttee TThhootthh
ddiissssee qquuee iissssoo ccoonnttiinnuuoouu sseegguuiiddaammeennttee ddeessddee ppoouuccoo ddeeppooiiss ddoo ppeerrííooddoo hhiissttóórriiccoo ddee
AAddââoo ee EEvvaa aattéé aa ééppooccaa ddaa AAttllâânnttiiddaa
OO ppaaii ddee TThhootthh,, TThhoommee,, ffooii uumm ddooss ttrrêêss qquuee aattuuaarraamm ccoommoo oo ccoorrppoo ccaalloossoo qquuee
^^ggaavvaa ooss ddooiiss llaaddooss ddaa iillhhaa ddee UUddaall nnaa AAttllâânnttiiddaa ((vveejjaamm ppáággiinnaa 113322)) AA cceerrttaa aallttuurraa,,
TThhoommee ddeeiixxoouu aa AAttllâânnttiiddaa —— eellee ssiimmpplleessmmeennttee ddeessaappaarreecceeuu ddaa TTeerrrraa ee ffooii ppaarraa VVêênnuuss,,
uueeiixxaannddoo SSeekkuutteett ee TThhootthh aaqquuii nnaa TTeerrrraa 89
uueeiixxaannddoo SSeekkuutteett ee TThhootthh aaqquuii nnaa TTeerrrraa
89
Masentão Thoth interrompeu a linhagem. Ele desposou uma mulher, Shesat, e de H acordo com
Masentão Thoth interrompeu a linhagem. Ele desposou uma mulher, Shesat, e de H
acordo com a lenda egípcia, eles tiveram um bebê, cujo nome era Tat (veja as página^l
163 ss. do volume 1). No entanto, Thoth disse: “Isso não é verdade. É mais comple$@|
do que isso”. Ele contou que antes de conhecer Shesat, havia se acasalado com a mmããee JJ
interdimensionalmente e que foi ela quem concebeu Tat pf§ a mãe dele. Ele e Shesafl
realmente tiveram um bebê, quenão consta dos registros; ele foi concebido no Perus
e era uma menina. Ela foi concebida fisicamente. Assim, ele diz possuir a sequênoi||
de Fibonacci, nos seus filhos com a mãe, e também a seqüência binária, simultaneaaj
mente. Depois De de acordo contar-me com Thoth, sobre sua isso mãe, nunca ele havia disse: acontecido “É isso”, e antes, partiu . Fiquei pensandél
sobre a razão de tudo aquilo. Por que ele me contara a história? Tempos depois, ele I
regressou e disse: “Você realmente precisava saber mais sobre o parto virginal”; e me|
disse para estudar o assunto. Assim, comecei a ler tudo o que conseguia encontrar
sobre esse tema. Quanto mais eu lia, mais impressionante isso se tornava.
Se quiserem aprofundar-se nesse assunto, vão em frente. Poderão descobrir que
ter um bebê pode ser a passagem para a imortalidade. Se realmente amam a alguém,
e essa pessoa realmente amar vocês — se o amor entre vocês for u m amor verdadeiro
&g-, então podem ter uma outra opção para escolher, em termos de ascensão por meio
do matrimônio sagrado e da concepção interdimensional. Por meio da sua união,
poderão recriar a santíssima trindade viva na Terra.
Aexperiência que Aye Tiya tiveram com o matrimônio e o nascimento sagrado na
Lemúria toma-se clara agora. Talvez haja mais em relação à vida do que sabemos.
Em páginas anteriores estudamos partes da orientaç ão feminina, a Escola de Mis
térios do Olho Esquerdo de Hórus. Entendam que as suas emoções e sentimentos
precisam estar equilibrados e que vocês simplesmente devem superar os seus medos
antes de poderem de fato trabalhar com o campo de energia do corpo luminoso',* tí
Mer-Ka-Ba.
A Flor da Vida na Perspectiva Feminina
Agora vamos examin ar mais um
aspecto da filólj
sofia egípcia do ponto de vista puramente femiDiÉI
no, da maneira como era considerada pela Escollj
de Mistérios do Olho Esquerdo de Hórus. O quej
segue também pode ser vi sto com o um a provai de i
que os egípcios sabiam sobre a Flor da Vida^e a;;i
vviivveenncciiaavvaamm
Ilustração 10-23. A Florda Vida.
Vamos desdobrar a Flor da Vida de um modiÉ
completam ente diferen te d o qu e fizemos, antes,
mos considerá-la de acordo com o lado direito fenv^|
nino, em vez de fazê-l o de ac ord o com o lado esquerdo,
90
masculino como fizemos antes. Nâo terá a lógica mas culina como antes, mas uma lógica
masculino como fizemos antes. Nâo terá a lógica mas
culina como antes, mas uma lógica feminina.
Começaremos, como fizemos antes, com a Flor
ja Vida (Ilustração 10-23). Existe uma determinada
imagem dentro da Flor da Vida que irethos ressaltar.
Setiraremo padrão daGênese e colocaremúm círculo *
emvolta dele, vocêsobtêm esta imagemlu(Istração :
10-24).
nese detnro deumcírc.uol (griado 30
Agora, uma vez que temos essa nova imagem, va graus).
mos usá-la várias vezes seguidas. Tiraremos a ima
gem dos dois círculos e faremos círculos da metade
do tamanho dentro dos círculos de tamanho médio
(Ilustração 10-26). Continuamos a fazer círculos da
até metade obtermosa do tamanho Ilustração em 10-27. cada um dos círculos menores,
Lembram-seda zona pelúcida e do ovo? Lembram-
se de como o ovo primeiro foi para dentro de si mesmo
para entender como a vida funciona, depois quando
passou para o estágio de mórula, ou a forma de maçã
(vejam a página 250 do volume 1), ele saiu de dentro
de si mesmo? Eu gostaria de mostrar-lhes essa mes
ma ideia geometricamente. Assim, geometricamente,
ele vocês pode podemassumir iralém do padrão. um padrão Vocês para podem descobrir assumir como um
padrão para ver corno funciona a onda senoidal para
iralémdo padrão original (Ilustração 10-28). A linha
escura aqui mostra a onda senoidal do padrão da Ilus
tração 10-25 continuando além do padrão srcinal.
Depois de compreender isso, a vida pode ir além de si
mesma. A vida simplesmente precisa saber como algo
funciona geometricamente para usá-lo em padrões
maiores. Assim como é em cima, também é embaixo.
Assim, entendendo isso, vamos observar a Flor da Vida
novamente, mas de maneira diferente.
O princípio básico da Flor da Vida é um círculo,
oouu uummaaesfera (Ilustração 10-29). E em cada círculo,
nnââoo iimmppoorrttdaae que t amanho, podem encaixar-se sete
critos por um círculo grande.
Ilustração 1Q=-26. Duplicando pscír
culos.
91

debaixo Então do depois círculo de maior, tirar os obtêm quatro esta círculos imagem de cima (Ilustra e ção 10-25). Como podem ver, essa imagem é derivada Ilustração 10-24. O padrão da Gê da Flor da Vida.

ccíírrccuullooss mmeennoorreess eexxaa ttaammeenn ttee ddeennttrroo dd eessssee ppaaddrr ããoo ttrraaççããoo
ccíírrccuullooss mmeennoorreess eexxaa ttaammeenn ttee ddeennttrroo dd eessssee ppaaddrr ããoo
ttrraaççããoo 1100--3300)) EEssssaa éé uummaa vveerrddaaddee eetteerrnnaa
Vocês veem isso na Flor da Vida, onde há sete
círcul os principais o
Essa relação de 7 po
cultos
de ntro
do círculo m aior.
r 1 tam bé m é a base d o padrão
do Fruto da Vida. Na Flor da Vida, o Fruto está
oculto de t al m aneira que, qu
and o se c ompletam
todos os cí
rcul os incom
pletos ao
redo r da bord a
exter ior, mais um a rotação em vórtice
além dessa
leva ao Fru to da Vida
a Ilustração
do ladode fo ra do padrão
6 - 1 2 ).
(vejam
Mas
há um
mod o de ob ter o Fruto
da Vi da
den-
llustração 10-27. Uma série de círculos.tro do si stema. Tudo o que se precisa usa
r
é o
raio
do
círculo do meio (ou de qualquer um dos sete) como o
diâmetro dos seus novos círculos, começando o primeiro novo círculo no
centro do padrão srcinal de sete círculos. Então os alinhamos e, depois de traçar
os doze círculos além e ao redor do círculo central, temos o Fruto da Vida dentro do
padrão (vejam a Ilustração 10-31).
Vocês podem ver que chegam diretamente ao Fruto da Vida indo
para dentro
em vez de para fora como fizemos nos capítulos anteriores. Podem ver a incrível
harm onia que
envolve e
ssa geom etri a.
Não aconte ce o m esm o na m úsica? A
oita va tem sete notas, e dentro da oit ava
existem as cinco ou tras no tas da escala
cromática.
Em seguida, fui instruído a dar
continuidade a esse processo, assim,
na Ilustraçã o
10-32,
use i o
raio d
os cí r-
92