Você está na página 1de 5

BLUEDORN, Harvey; BLUEDORN, Laurie.

Ensinando o Trivium: estilo


clássico de ministrar educação cristã em casa. (Vol. 2. O Trivium Prático). –
Tradução de William Bottazzini. – Brasília/DF: Editora Monergismo, 2017.
Recurso eletrônico (ePub).

Poucas crianças aprenderão a ler aos 4 anos, ao passo que poucas completarão 10
anos antes de poder ler com confiança um livro básico. A maior parte das
crianças, no entanto, aprenderá a ler em alguma época entre os 5 e 8 anos. A idade
em que a criança aprende a ler não é indicador de inteligência nem prognóstico
de sucesso acadêmico. (Posição 480)

pessoas que não leem, e que passam o tempo livre assistindo à televisão e a filmes,
jogando videogames ou jogos de computador, ou que passam o tempo em busca
de diversão, não serão capazes de pensar de maneira crítica. (Posição 553)

Memorizar também prepara o filho para ser um bom escritor. O que entrar na
cabeça da criança, emergirá mais tarde quando ela começar a escrever. (Posição
670)

Como você desenvolve o apetite por um bom bife magro se tudo o que você come
é carne de soja, ou seja, imitação? (Posição 778)

não seja complacente com livros de histórias bíblicas frívolos que degradam a
palavra de Deus ao nível de histórias em quadrinhos ou reduzem a narrativa
bíblica a continhos bonitinhos, deixando-a no mesmo nível dos mitos e das
fábulas. (Posição 884)

Não faça por seu filho o que ele pode fazer sozinho. Precisamos rejeitar toda essa
história de autoestima. (Posição 966)

A memorização preenche a mente com coisas que deverá remoer e sobre as quais
deverá ponderar. (Posição 1180)

O uso excessivo dos computadores, em especial em tenra idade, reestruturará a


forma com que o cérebro processa a informação, em geral para a pior. Também
provoca o subdesenvolvimento das dimensões emocionais e sociais da criança.
(Posição 1189)

O perfeccionismo pode quebrar o espírito de uma criança. (Posição 1615)

Há uma diferença entre aprender um idioma e aprender gramática. As crianças


começam a aprender o idioma nativo desde a mais tenra idade, e podem
desenvolver a capacidade de falar em diversas línguas enquanto são bem novas.
Na verdade, este é um momento ótimo para desenvolver certa proficiência em
idiomas. A gramática formal, no entanto, é o estudo estrutural do idioma, e deve
ser adiado até o cérebro estar desenvolvido para lidar com ele. (Posição 1628)

A parte do cérebro que lida com a gramática formal é desenvolvida aos 10 anos.
Se você forçar o aprendizado da gramática formal muito cedo, então disporá a
informação em lugares estranhos do cérebro, e será mais difícil para o cérebro
assimilar e fazer uso da informação. (Posição 1636)

Um menino de 9 anos de jeans, suspensórios, bandana, chapéu de caubói, botas


e mochila sobre uma bicicleta (fingindo ser um cavalo) me é mais agradável que
um texto bem redigido. Na minha cabeça, teremos tempo para esses estudos mais
tarde. (Posição 2481)

Desejamos exercitar a mente, alongá-la, fortalecê-la e afiá-la. Se o corpo não é


exercitado, torna-se flácido e fraco. Se a mente não é exercitada, torna-se
estúpida. (Posição 2889)

As aulas de redação podem se conectar com os estudos de história, literatura,


ciência ou lógica. (Posição 3304)

nosso relacionamento com o mundo, o emprego e o governo civil deve depender


do relacionamento com nossa família e igreja, e não o contrário. (Posição 3541)

A família deve ser o centro da vida terrena. (Posição 3542)

O texto The Lost Tools of Learning [As ferramentas perdidas do


aprendizado] de Dorothy Leigh Sayers foi lido pela primeira vez em um
curso de verão sobre educação em 1947, na Universidade de Oxford, e
publicado no periódico The Hibbert Journal em 1948. (Posição 4098)

O menino e a menina de hoje estudam, com certeza, mais


matérias, mas isso significa que sempre aprendam mais e saibam
mais de fato? (Posição 4155)

a educação moderna se concentra no ensino de matérias,


deixando o método de pensar, argumentar e expressar as
próprias conclusões para ser aprendido pelo acadêmico à medida
que progredir; (Posição 4258)

muitas pessoas hoje ateias ou agnósticas têm a conduta governada por um código
cristão de ética tão enraizado nos pressupostos inconscientes que nunca pensam
em questioná-lo. (Posição 4550)

Conhecimento t[/D: [daʿat] (1847; 848c) = conhecimento obtido pelos sentidos.


[d?y: [yadaʿ] (3045; 848) = conhecer, tornar conhecido, perceber, reconhecer.
[d?y“ [yᵉdaʿ, aramaico] (3046; 2765) = conhecer, tornar conhecido. (Posição
4590)

[D:m/ [madaʿ] (4093; 848g) = conhecimento, pensamento, estoque do


conhecimento (= mente).
[D?n“m/ [mandaʿ, aramaico] (4486; 2765a) = conhecimento, capacidade de
conhecer (equivalente ao grego gnwçsi^). (Posição 4597)

Entendimento ˆyBi [bin] (995;239) = discernir entre, distinguir, compreender,


considerar. hn:yBi [binah] (998; 239b) = entendimento, perspicácia,
discernimento: o poder de julgar além da mera reunião de informações.
hn:yBi [binah, aramaico] (999; 2627) = entendimento, discernimento. lk/c;
[sakhal] (7919; 2263; 2264) = ser prudente, ponderar, ser ou agir de forma
circunspecta, ter um insight, compreender (quase um sinônimo de bin;
entretanto, bin significa diferenciar uma coisa da outra e sakhal organiza arranjos
mais complexos). lk/c] [sᵉkhal, aramaico] (7920; 3009) = considerar,
contemplar. lkece [sekhel] (7922; 2263a) = prudência, perspicácia,
entendimento. (Posição 4602)

Wnt;l]k]c; [sokhletanu, aramaico] (7924; 3009a) = perspicácia, entendimento.


hn:Wbt]] [tᵉvunah, aramaico] (8394; 239c) = ato ou faculdade de entender,
perspicácia, discrição. (Posição 4615)

Sabedoria %yKij/ [ḥakim, aramaico] (2445; 2729a) = sábio, o sábio. %k/j;


[ḥakham] (2449; 647) = ser sábio, tornar sábio, ensinar sabedoria, demonstrar
sabedoria (com seus derivados, é o termo usado com mais frequência para
descrever a inteligência; usado muitas vezes como termo amplo, inclui o
conhecimento e entendimento e se estende à ideia de habilidade proficiente,
habilidade qualificada, destreza amadurecida, conselho experiente e orientação
prática notável). %k;j; [ḥakham] (2450; 647b) = sábio , inteligente, habilidoso,
perspicaz, astuto, instruído. hm;k]j; [ḥokhmah] (2451; 647a) = sabedoria ética ou
religiosa, habilidade técnica. hm;k]j; [ḥokhmah, aramaico] (2452; 2729b) =
sabedoria. t„mk]j; [ḥokhmot] (2454; 647a) = sabedoria. (Posição 4619)

Conhecimento ajnagnwrivzomai [anagnorizomai] (319) = tornar conhecido,


reconhecer. ginwvskw [ginosko] (1097) = tomar conhecimento, vir a saber,
familiarizar-se com, perceber. gnorivzw [gnorizo] (1107) = tornar (algo)
conhecido, (na voz passiva:) tornar conhecido, ser reconhecido. (No grego
primitivo: obter conhecimento cabal.) gnwçsi^ [gnosis] (1108) = o ato de
conhecer, conhecimento geral, conhecimento especial (aumentado, avançado e
maduro). gnwvsti^ [gnostis] (1109) = o conhecedor, alguém conhecível.
gnwstov^ [gnostos] (1110) = (bem) conhecido, notável. diagnwvskw [diagnosko]
(1231) = conhecer de modo cabal, aprender de maneira acurada, verificar com
exatidão, (em sentido legal:) examinar com o propósito de decidir. diagnwrivzw
[diagnorizo] (1232) = tornar conhecido de modo cabal, percorrer (um território)
contando, anunciar.
ejpiginwvskw [epiginosko] (1921) = reconhecer (uma marca particular),
reconhecer a identidade, tornar-se plenamente familiarizado com, admitir
(depois de reconhecer). ejpivgnwsi^ [epignosis] (1922) = conhecimento pleno e
correto (de algo em particular), reconhecimento, discernimento, admissão
(posterior ao reconhecimento).
ejpivstamai [epistamai] (1987) = colocar (a mente) sobre algo, fixar a atenção em,
compreender, tomar conhecimento de (a ponto de reconhecer), saber.
ejpisthvmwn [epistemon] (1990) = possuir o conhecimento de um especialista,
experimentado em nível pessoal, inteligente. i[shmi [isemi] (2467) = saber.
(Posição 4637)

Entendimento ajsuvneto^ [asinetos] (801) = sem entendimento, não ignorante


mas estúpido, incapaz de raciocinar, sem discernimento. djiavnoia [dianoia]
(1271) = pensamento profundo, a mente, o uso da mente para compreender, o
processo de raciocínio, entendimento. dusnovhto^ [disnoetos] (1425) = difícil de
entender.
noievw [noieo] (3539) = usar a mente, compreender, considerar, ponderar.
nouç^ [nous] (3563) = a mente, a faculdade de raciocínio, entendimento,
significado. suvnesi^ [sinesis] (4907) = colocar junto, intelecto, entendimento.
sunetov^ [sinetos] (4908) = ajustado (em sentido mental), prudente, inteligente.
sunivhmi [siniemi] (4920) = ajustar (em sentido mental), compreender,
entender. frhvn [fren] (5424) = o diafragma, o coração, os sentimentos (a
natureza sensível), a mente, o entendimento. fronevw [froneo] (5424) = usar a
mente, ter uma opinião ponderada, estar mentalmente disposto a algo,
interessar-se, importar-se. frovnhsi^ [fronesis] (5428) = atividade mental,
perspicácia, prudência, sabedoria. frovnino^ [fronimos] (5429) = prudente,
cuidadoso para com os interesses alheios, discreto. fronivmw^ [fronimos] (5430)
= de modo prudente, de maneira sábia. (Posição 4665)

Sabedoria sofiva [sofia] (4678) = perspicácia ampla, sabedoria prática. sofivzw


[sofizo] (4679) = tornar sábio, formar sofismas possíveis. sofov^ [sofos] (4680)
= sábio, hábil. (Posição 4690)

O trabalhador capacitado de forma plena deve contar com sabedoria,


entendimento e conhecimento. (Posição 4719)

Grande parte desta seção foi tomada de empréstimo do livro Educational


Ideals in the Ancient World [Ideias educacionais do mundo antigo], de
William Barclay (Grand Rapids: Baker, 1974). (Posição 5032)

A educação judaica era totalmente religiosa. No período anterior


ao exílio (antes de Esdras e Neemias), as Escrituras eram o único
livro-texto, o lar era a única escola e os pais eram os únicos
professores. Israel contava com o maior número de pessoas
alfabetizadas de toda a História Antiga. (Posição 5036)

O texto a seguir consiste em textos selecionados do livro Education of the


Clergy [Educação do clero] (819 d.C.), de Rhanabus Maurus, scholasticus
(professor de retórica) do monastério de Fulda. (Posição 5113)

Como alguém pode aprender e conhecer a articulação do


discurso, as vantagens da linguagem figurada, as leis da formação
das palavras e a forma correta dos vocábulos sem ter
conhecimento mais profundo da arte da gramática? (Posição
5119)

Há três leis fundamentais da lógica e todas as três podem ser


encontradas expressas na linguagem da Bíblia. 1. A lei da
identidade diz que se alguma declaração é verdadeira, então ela
é verdadeira — a verdade não muda. (Posição 6206)

2. A lei da não contradição diz que nenhuma declaração pode ser


tanto verdadeira quanto falsa ao mesmo tempo e no mesmo
sentido. (Posição 6215)
3. A lei do terceiro excluído diz que qualquer declaração é
verdadeira ou falsa, não existe outra possibilidade. (Posição
6222)

Um valor é o que você considera de digno, importante ou significativo de forma


positiva. A educação não pode ser neutra. O que educador considera digno de
ensino, ele passa adiante como algo detentor de valor. O que ele desconsidera,
ensina como desprovido de valor. Negar a agenda de valores na educação equivale
a negar o fato de que se educa. (Posição 6722)

O que eles designam “habilidades do pensamento crítico” consiste na verdade em


“perfis de mentalidade definida”. (Posição 6733)

Todas as versões do programa da educação baseada no resultado, sem exceção,


promovem uma agenda política, não acadêmica. A agenda política da educação
baseada no resultado é sempre a mentalidade amoral, coletivista e promotora do
mundo unificado. (Posição 6768)

A ênfase recai sobre as atitudes. A criança deve ter atitudes positivas “corretas”
em relação a temas variados — como multiculturalismo, não sexismo,
extremismo ambiental, cidadania global, coletivismo e, é claro, controle
governamental de todas as áreas da vida. (Posição 6779)