Você está na página 1de 3

ONDULATÓRIA

1. ONDA: é uma perturbação que se propaga à distância, se propaga linearmente (linha); como na corda, que é um
permitindo o transporte de energia sem que haja transporte meio unidimensional. A frente de onda é um ponto.
de matéria. A energia pode se propagar através de um ☞ Ondas bidimensionais ou superficiais: quando a onda
meio material (onda mecânica) ou do espaço vazio (onda
se propaga numa superfície plana. É o caso das ondas nas
eletromagnética).
superfícies dos líquidos. Nesta situação, pode-se dizer que
a frente de ondas é uma linha.
2. CLASSIFICAÇÃO DAS ONDAS:
a) Quanto à Natureza: Mecânicas e Eletromagnéticas. ☞ Ondas tridimensionais ou espaciais: quando a onda
☞ Ondas Mecânicas: quando necessitam de um meio propaga-se em todas as direções. Como exemplo, temos a
onda sonora, no ar, causada pela explosão de uma bomba.
material (elástico) para se propagarem. Exemplos: o som,
Tem-se como frente de onda, uma superfície esférica.
as ondas do mar, as ondas produzidas em molas e em
cordas.
3. ONDAS PERIÓDICAS
☞ Ondas Eletromagnéticas: são aquelas originadas por São ondas constituídas por uma sucessão de
cargas elétricas oscilantes aceleradas, constituídas por dois pulsos idênticos emitidos em intervalos de tempos
campos variáveis, um elétrico e outro magnético, que se iguais (quando a perturbação que a produz se repete
propagam no espaço. Não necessitam de meios materiais periodicamente). Devido a fonte, o formato da onda
para se propagarem; propagando-se vácuo e em certos periódica se repete em intervalos de tempos iguais e
meios materiais transparentes a elas, sua energia está conseqüentemente a freqüência da onda é a mesma da
armazenada no campo eletromagnético que se propaga. fonte. Um tipo muito importante de onda periódica é a
Exemplos: Ondas de rádio, de TV, de radar, de luz, de onda senoidal.
raios X, microondas e raios gama ( γ ).
Nas ondas periódicas, destacamos:
b) Quanto à direção de vibração de propagação:
Transversais, Longitudinais e Mistas
☞ Ondas transversais: quando a direção do movimento
vibratório é perpendicular à direção de propagação da
onda. Exemplos: Ondas numa corda tracionada e todas as
ondas eletromagnéticas
a) Cristas ou picos: pontos mais altos da onda (C1 e C2);
Propagação
b) Vales ou depressões: pontos mais baixos das ondas
(D1, D2 e D3);
c) Nível de equilíbrio: situado no ponto médio entre a
Vibração crista e o vale;
d) Elongação (y): valor algébrico da ordenada do ponto
☞ Ondas longitudinais: quando a direção do movimento oscilante da onda;
vibratório coincide com a direção de propagação da onda. e) Amplitude da onda (A): distância que vai da crista ao
Exemplos: Ondas numa mola num movimento de vai-e- nível de equilíbrio ou este ao vale (maior valor da
vem, ondas sonoras nos fluidos (líquidos e gases). elongação);
f) Período (T): é o tempo decorrido entre duas oscilações
consecutivas.
Unidade (T) = segundo (s);
g) Freqüência (f): número de oscilações executadas na
☞ Ondas mistas: quando têm caráter transversal e unidade de tempo ou o número de pulsos emitidos na
longitudinal, simultaneamente. É o caso das perturbações unidade de tempo.
que se propagam nas superfícies dos líquidos (forma Unidade(f) = ciclo/s = rps = Hertz (Hz) (SI).
circular por toda a superfície) e das ondas sonoras nos
1
sólidos (as vibrações das partículas que compõem o sólido f = f ONDA = f FONTE  f 
são compostas por vibrações longitudinais e transversais à T
direção de propagação da onda).
Importante:
c) Quanto à dimensão: refere-se ao número de meios de A freqüência é a grandeza que mais
propagação (graus de liberdade). Tem-se: caracteriza a onda; só depende da fonte emissora, não
depende do meio. Quando uma onda se propaga, sua
☞ Ondas unidimensionais ou lineares: quando a onda freqüência nunca varia, qualquer que seja o meio em que
possui apenas uma direção de propagação, isto é, a energia ela se propague isto é, independe do meio;
h) Comprimento de onda (λ, lâmbda): é a distância entre v
duas cristas consecutivas, ou dois vales consecutivos.
Corresponde, também, à distância entre dois pontos em
situações idênticas, em pulsos sucessivos;

l) Velocidade da onda (v): num meio homogêneo é dada


v
pelo produto de seu comprimento de onda pela sua
freqüência. Se v da onde é constante (MU) e fazendo ∆S = II- Reflexão com extremidade livre – a onda sofre uma
S reflexão sem inversão de fase
λ, ∆t =T, T= 1/f em v  vem:
t
v = λ.f Equação fundamental das ondas

A velocidade de propagação da onda depende do


meio no qual ela se propaga; isto não significa que num
2°) Ondas planas propagando-se na superfície da água
mesmo meio, todas as ondas se propagam com a mesma
em direção a um anteparo plano refletor.
velocidade, mas que o meio onde a onda se propaga influi
na velocidade de propagação.
Exemplos: VSOM/AR = 340 m/s, VSOM/ÁGUA =1450 m/s,
VLUZ/VIDRO = 2.10 8 m/s.
Importante:
No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas (luz e outras)
se propagam com a mesma velocidade: v = 3.10 8 m/s.

Velocidade (V) de propagação de uma onda em Leis da Reflexão:


um meio unidimensional (corda).
Seja uma onda transversal numa corda de massa (1ª) O raio incidente AI, o raio refletido IB e a normal
m e comprimento  , conforme indica a figura IN pertencem ao mesmo plano (coplanares).

v  (2ª) O ângulo de reflexão é igual ao ângulo de


 T incidência.
T
 r=i
B) REFRAÇÃO – Mudança de velocidade e comprimento
Verifica-se, experimentalmente, que v numa corda de onda ao passar de um meio de propagação para outro;
esticada é dada por: mantendo constante sua freqüência.
Exemplos:
v
T T 1°) Refração de onda em cordas com densidades
 ou v lineares diferentes; ocorre também reflexão(meio
d.S unidimensional).
Fórmula de Taylor I) Do meio menos denso (corda leve) para o meio mais
denso (corda pesada) – ocorre reflexão com inversão de
massa m
Sendo: μ   fase.
comprimento 
µ = densidade linear da corda –
massa/comprimento.
T = força de tração na corda
d = densidade volumétrica
S = área da seção reta ou transversal da corda. As velocidades do pulso incidente e do pulso
refletido são iguais (v1); porém, as velocidades do pulso
4. FENÔMENOS ONDULATÓRIOS
refratado e do pulso incidente são diferentes (1 < 2 
Os principais fenômenos ondulatórios são:
v1 > v2 e λ1 > λ2). A junção entre as cordas comporta-se
A) REFLEXÃO – consiste na onda incidir numa
como extremidade fixa.
superfície e retornar ao meio por onde se propagava
inicialmente. A onda refletida mantém todas as
II) Do meio mais denso (corda pesada) para o meio
características da onda incidente, apenas invertendo a
menos denso (corda leve) - ocorre reflexão sem inversão
forma de vibrar quando encontra uma região mais rígida.
de fase.
Exemplos:
1°) Reflexão de pulsos em cordas (onda
unidimensional)
I - Reflexão com extremidade fixa – a onda sofre uma
reflexão com inversão de fase
Neste caso, 1 > 2  v1 < v2, sendo que a junção entre as
cordas comporta-se como uma extremidade livre.
2°) Ondas na superfície da água propagando-se em λ
regiões em que a profundidade é diferente.
d
Onda
Onda difratada
incidente

Como λ1 > λ2  v1 > v2, sendo f1 = f2,


λ1: água profunda e λ2: água rasa dλ
Mudança de direção  difração
“A onda se propaga com maior velocidade na região A difração aumenta quando:
mais profunda”.  A largura do orifício “d” DIMINUI.
 O comprimento de onda “λ” AUMENTA.
LEIS DA REFRAÇÃO
 A relação λ/d AUMENTA.
Considere uma onda reta ou plana atravessando
obliquamente a superfície de separação de dois meios D) POLARIZAÇÃO
diferente (1 e 2)(meio bidimensional) Consiste em uma onda transversal, que vibra em todas as
direções do espaço, passar a vibrar apenas em uma
determinada direção. Não se polarizam ondas
longitudinais.

1ª lei: Os raios de onda incidente, refratado e a reta


normal (N) pertencem ao mesmo plano (coplanares).
E) INTERFERÊNCIA
2ª lei: Também conhecida por lei de Snell – Descartes. Consiste na superposição de duas ondas mesma freqüência
seni n 2 λ 1 v 1 que encontram. Exemplos:
   Sejam dois pulsos se propagando em sentidos opostos:
senr n1 λ 2 v 2
Tem-se: I) Pulsos não invertidos: INTERFERÊNCIA
i: ângulo de incidência; r: ângulo de refração;
CONSTRUTIVA  na superposição A = a + b.
λ1 e λ2: comprimentos de onda nos meios 1 e 2;
n1 e n2: índices de refração absoluto dos meios 1 e 2.
c
n
v
Princípio de Huygens
“Cada ponto de uma frente de onda, num determinado
instante, é fonte de outras ondas, com as mesmas
características da onda inicial”. (Explica o fenômeno da
difração) II) Pulsos invertidos: INTERFERÊNCIA
DESTRUTIVA  amplitude resultante na
Frente de onda - conjunto dos pontos do meio que, em superposição: A = a - b
determinado instante, são atingidos pela onda que se
propaga ou é a fronteira entre a região já atingida pela
onda e a região ainda não atingida.

Raio de onda – linha orientada que indica a direção e o


sentido de propagação das ondas no meio. Exemplos:

Princípio da superposição das ondas: “Quando duas


ondas se cruzam (superpõem) a perturbação resultante,
em cada instante, é dada pela soma algébrica das
perturbações de cada uma das ondas”.

Princípio da independência das ondas: “Após a


C) DIFRAÇÃO superposição, as ondas tem a mesma forma que antes e
Consiste na onda contornar obstáculo com dimensões continuam a se propagar como antes”.
comparáveis com o comprimento de onda da onda.