FACULDADE ANHANGUERA DE JUNDIAÍ

Relatório de Ensaio de Laboratório Determinação da resistência a compressão paralela às fibras da madeira – NBR 7190:1997

RA Alunos 0890014 Lígia Panetta Callegari 0893643 Rafael Crepaldi Amadi 0808169603 Stella Harumi Iwayama

Curso:

6º Eng. Civil

Professor Responsável: Alex Ricardo Ribeiro

AVALIAÇÃO: Assinatura:

.................................... ....................................

..................................................................................................................... 3 – Equipamentos utilizados............................................................................Sumário Assunto 1 – Objetivo........................................................................................................................................................................................................................................................... 4– Resultados.......... 1 2 3 4 5 6 Materiais de Construção Prof. 2 – Descrição do ensaio................... 5 – Conclusão... Alex Ricardo Ribeiro 2 ......................... Gráficos e Normas).............................. 6 – Anexos (Tabelas... Pág..............................................

através de ensaios laboratoriais desenvolvidos segundo recomendações da ABNT NBR 7190:1997. distanciadas de 4.5 toneladas de solicitação à peça. Alex Ricardo Ribeiro 3 . Determinar o estado de tensão. medindo suas deformações perpendiculares (coeficiente de Poisson). iniciou-se a atribuição de cargas ao corpo-de-prova. Por fim. deformação e deslocamento de corpos de prova de dois diferentes tipos de madeira: Pinos e Peroba. os exemplares foram levados à ruptura. Materiais de Construção Prof. Objetivos Determinar. Desta forma. as quais serviriam posteriormente como referência à medição das deformações de cada elemento.8cm. posicionou-se. Este extensômetro trabalhou perpendicularmente às fibras da madeira. Uma vez fixado o extensômetro ao corpo-de-prova. juntos às cantoneiras supracitadas. um extensômetro interligado à prensa de ruptura à compressão axial dos elementos. a resistência a compressão axial na direção paralela às fibras da madeira. Antes do início dos ensaios. Para tanto. foram moldados para cada qualidade de madeira. 2. seis corpos-de-prova com as dimensões de 5 X 5 X 15 cm.1. sendo que os valores encontrados durante a realização dos ensaios encontram-se descritos nos itens subseqüentes. As medidas referentes aos deslocamentos e deformações da peça ensaiada foram mensuradas a cada incremento de 0. posicionou-se o exemplar junto à prensa de compressão axial. a fim de se determinar os deslocamentos durante a realização dos ensaios. Cada exemplar apresentou colado em uma de suas extremidades duas cantoneiras metálicas. realizando-se posteriormente a adequação de um relógio comparador (defletômetro) na face inferior da prensa. Descrição do ensaio Os ensaios de compressão axial paralela às fibras da madeira buscaram comparar o estado de tensão. deformação e deslocamentos das espécies: Pinos e Peroba.

59 8590 5 5 25 343.4 7400 5 5 25 296 X 3 8.6 33. Alex Ricardo Ribeiro 4 .Peroba Dimensões do CP Cargas Cargas Aplicadas Aplicadas L L Área do CP Tensão Tensão Ton kgf cm cm cm² kgf / cm² Mpa 11.76 5760 5 5 25 230. 4.33 8330 5 5 25 333.21 11210 5 5 25 448.3 os resultados referentes à realização dos ensaios.84 Materiais de Construção Prof.1. Equipamentos utilizados 1 – Prensa Hidráulica 2 – Relógio Comparador 3 – Extensômetro 4 – Seis exemplares com as dimensões de 5 x 5 x 15cm de madeira Pinos 5 .16 9160 5 5 25 366. Tabela de dados Compressão paralela às fibras da madeira .6 X 5 8. 4. Resultados Apresenta-se nos itens 4.4 X 2 7.2 e 4.1.64 X Compressão paralela às fibras da madeira .3.32 34.6 36.4 Tabela 1 – Resultados dos ensaios laboratoriais realizados com a madeira Pinos 23.2 X 4 8.9 8900 5 5 25 356 X 6 9.Pinos Dimensões do CP Cargas Cargas Área do Aplicadas Aplicadas L L CP Tensão Tensão Ton kgf cm cm cm² kgf / cm² Mpa X 1 5.4 44.36 35.Seis exemplares com as dimensões de 5 x 5 x 15cm de madeira Peroba 4.04 29.

Alex Ricardo Ribeiro 5 .24 59. visto que já está tudo calculado).81 14810 5 5 25 592.78 12780 5 5 25 511.68 Onde: n = número de corpos de prova.6 X 6 15.1 X 2 12.92 15920 5 5 25 636.8 Tabela 2 – Resultado dos ensaios laboratoriais realizados com a madeira Peroba 4. X = tensão de ruptura dos corpos de prova (preferencialmente em MPa.2.35 14350 5 5 25 574 X 4 14.2 X 3 14.36 63. Para Pinos temos: MPa MPa MPa MPa MPa MPa Assim: Materiais de Construção Prof. Memória de cálculo 51.40 59.84 14840 5 5 25 593.12 57.4 X 5 14.

7 do valor entre a média dos resultados. de acordo com a Norma 7190:1997 o valor de não pode ser inferior a . Alex Ricardo Ribeiro 6 . nem a 0. assim temos: Comparando os resultados. Realizamos a verificação. a comparação deve ser feita ao valor referente a 70% da média. da seguinte forma: Este valor que encontramos é a média. temos Materiais de Construção Prof. como vimos a cima.Como.

tomamos o MAIOR entre eles.36 + 63.57.84 MPa X2=51.40) X 1.12 + 57.84 + 51.84 + 51. Para Peroba temos: X1= 44. Onde: n = número de corpos de prova.24 MPa X5=59.57.12 MPa X3=57.24 + 59. X = tensão de ruptura dos corpos de prova (preferencialmente em MPa.1 Materiais de Construção Prof.12 .40) X 1.12 2 Fc0= (44.12 2 Fc0= (2X 44.1 .36 MPa X6=63.68 MPa Assim: Fc0= (2X 44.Assim. como foi inferior aos dois valores comparados. Desta maneira temos que a tensão da madeira estudada é igual a tensão referente a X1.40 + 59.40 MPa X4=59.40) X 1.68 + 51.12 + 51.57. visto que já está tudo calculado).1 7 .84 + 51. Alex Ricardo Ribeiro .

84 + 51. Desta maneira temos que a tensão da madeira estudada é igual a tensão referente a X1 Materiais de Construção Prof. Realizamos a verificação.Fc0= (38.24 + 59.41 MPa Como.12 + 57.68 6 Fc0m= Fc0m= 335.94 Este valor que encontramos é a média. Alex Ricardo Ribeiro 8 .40 + 59. a comparação deve ser feita ao valor referente a 70% da média. nem a 0.56) X 1.1 Fc0= 42.94 X 0. de acordo com a Norma 7190:1997 o valor de não pode ser inferior a . como vimos a cima.64 6 55.7 39. temos Assim. da seguinte forma: Fc0m= 44.7 do valor entre a média dos resultados. como foi inferior aos dois valores comparados.15 Fc0m70%= Comparando os resultados. tomamos o MAIOR entre eles.36 + 63. assim temos: Fc0m70%= 55.

4. AJUSTAR A NUMERAÇÃO DAS PÁGINAS NO SUMÁRIO AO TÉRMINO DO RELATÓRIO. Terceiro normas. Também deve ser expressa a opinião pessoal. deixando o mesmo sem avaliação. o uso de vocabulário não adequado implicará na descaracterização do relatório. Gráfico 5. Conclusão Aqui deve ser feita uma conclusa detalhada do ensaio. Alex Ricardo Ribeiro 9 . que será considerada um parecer técnico sobre o ensaio. Segundo gráficos.3. Anexos Caso necessário Ao final do relatório deve ser colocados todos os anexo. comparando resultados de ensaio entre si. Devem ser utilizados termos técnicos adequados. 6. seguindo a seguinte ordem. Primeiro tabelas. Materiais de Construção Prof. Observações: NÃO MODIFICAR A FORMATAÇÃO DO DOCUMENTO.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful