Você está na página 1de 20

01.

Verifique se o caderno de questões contém a quantidade de 150 itens indicada em sua folha de res-
postas, correspondentes à prova objetiva. Caso o caderno esteja incompleto, com defeito, ou apre-
sente alguma divergência, solicite ao fiscal de sala mais próximo que tome as providências cabíveis,
pois não serão aceitas reclamações posteriores nesse sentido.

02. Desligue o CELULAR e qualquer outro aparelho eletrônico, caso contrário sua prova poderá ser anu-
lada.

03. Não se comunique com outros candidatos nem se levante sem autorização do fiscal de sala.

04. O início da prova ocorrerá às 13h15min pontualmente e o término da mesma ocorrerá exatamente
às 15h15min. Na duração da prova (2 horas), está incluído o tempo destinado à identificação – que
será feita no decorrer da prova – e ao preenchimento da folha de respostas.

05. Cada item deste simulado vale 01 (um) ponto, totalizando 150 (cento e cinquenta) pontos, sendo que
sua correção terá como base o seguinte critério: A cada duas respostas que estiverem em desacordo
com o gabarito oficial o candidato perderá um ponto. A ausência de marcação ou a marcação de
ambos os campos não serão apenadas, ou seja, não receberão pontuação negativa.

06. Ao terminar a prova, chame o fiscal de sala mais próximo, devolva-lhe a sua folha de respostas e dei-
xe o local de prova.

07. A desobediência a qualquer uma das orientações constantes, no presente caderno ou na folha de
respostas poderá implicar na anulação da sua prova.

08. O gabarito preliminar será divulgado às 18h de hoje, (06 de set) na sede do Curso Referencial e no
facebook no grupo: LEGISLAÇÃO PMCE – NOTÍCIAS, BIZUS, AULAS E MATERIAIS DE ESTUDO.

09. O gabarito definitivo, bem como o resultado final do simulado, será divulgado até às 18h do dia 14
de setembro.

10. Para fins de desempate na nota final deste simulado serão adotados, de forma sucessiva, os seguintes
critérios: Maior quantidade de acertos nas questões do EMECE, maior quantidade de acertos nas
questões do CD, maior quantidade de acertos nas questões da Lei nº 98/11 e por fim, a maior quan-
tidade de acertos nas questões da Lei de promoções.

06 DE SETEMBRO DE 2015 | FORTALEZA | CEARÁ


LEGISLAÇÃO PMCE
GILMAR PEREIRA
06/SET/15

De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha
de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item
CERTO; ou o campo designado com o código E, caso julgue o item ERRADO.

ESTATUTO DOS MILITARES


É missão institucional da Polícia Militar do Ceará exercer a polícia ostensiva, preser-
var a ordem pública, proteger a incolumidade da pessoa e do patrimônio e garantir os
Poderes constituídos no regular desempenho de suas competências. Já o Corpo de
Bombeiros militar do Ceará tem como missão institucional a proteção da pessoa e do
patrimônio, visando à incolumidade em situações de risco, infortúnio ou de calamida-
de, a execução de atividades de defesa civil, devendo cumprimento às requisições ema-
nadas dos Poderes estaduais. Tomando como base as informações contidas no texto e
ainda, os preceitos contidos na Lei nº 13.729/06, Julgue os itens a seguir.

01. O Estatuto dos militares estaduais do Ceará regula a situação, os direitos, as prerro-
gativas, os deveres e dispõe sobre o comportamento ético dos militares estaduais.

02. As Corporações militares estaduais do Ceará são forças auxiliares e reservas do


exército, tendo como base organizacional a hierarquia e a disciplina.

03. O Governador do Estado do Ceará é o Chefe Supremo das Corporações militares


estaduais, desta forma, a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros militar do Estado
estão diretamente subordinados a ele.

04. As instituições militares estaduais exercem suas missões fundamentais diretamente


vinculadas à Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social, ou seja, ficam sob
sua direção operacional.

05. Os militares estaduais poderão estar dentre outras situações, na ativa e na inativa.

06. Os militares estaduais de carreira, os alunos de órgãos de formação de militares


estaduais, os cadetes e os reformados, desde que convocados, são considerados mili-
tares do serviço ativo.

07. Os reformados, quando, estejam dispensados, provisoriamente, da prestação de


serviço na ativa, mas continuem a perceber remuneração pela respectiva Corporação
são considerados militares estaduais do serviço ativo.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 1 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
08. Quando se fizer ou não necessário o aproveitamento dos conhecimentos técnicos e
especializados os militares estaduais da reserva remunerada poderão ser convocados
para o serviço ativo por ato do Governador do Estado.

A respeito das normas contidas no Estatuto da Polícia Militar do Ceará (PMCE), jul-
gue os itens seguintes.

09. A praça da reserva remunerada da PMCE ao ser convocada para o serviço ativo não
poderá recusar a convocação em caso de situação de emergência.

10. Todo e qualquer ato administrativo do Comandante-Geral, será publicado em


Boletim Interno da respectiva Corporação Militar.

11. As normatizações do Estatuto dos militares estaduais do Ceará aplica-se, no que


couber, aos militares estaduais inativos.

12. Somente é possível ingressar nas Corporações militares estaduais, mediante prévia
aprovação em concurso público de provas ou de provas e títulos, promovido pela
Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social em conjunto com a Secretaria do
Planejamento e Gestão.

13. Constituem requisitos indispensáveis para ingresso na PMCE, dentre outros; ser
brasileiro, (nato ou naturalizado) ter, na data da matrícula no Curso de Formação
Profissional idade igual ou superior a 18 (dezoito) anos e máxima de 30 (trinta)
anos, para as carreiras de praça e oficial e possuir honorabilidade compatível com a
situação de futuro militar estadual, tendo, para tanto, boa reputação social e não es-
tando respondendo a processo criminal, nem indiciado em inquérito policial.

A Polícia Militar do Ceará (PMCE) tem por função primordial o policiamento ostensi-
vo e a preservação da ordem pública no Estado do Ceará. Ela é Força Auxiliar e Re-
serva do Exército Brasileiro, e integra o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social
do Ceará. Seus integrantes são denominados Militares Estaduais, assim como os mem-
bros do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará. Tendo as considerações
acima como referência inicial e considerando o disposto no Estatuto dos militares do
Ceará, julgue os itens seguintes.

14. O serviço militar estadual ativo consiste no exercício de atividades inerentes à Polí-
cia Militar e ao Corpo de Bombeiros Militar, compreendendo todos os encargos
previstos na legislação especifica e relacionados com as missões fundamentais da
Corporação.

15. O serviço militar estadual inicia-se com o ingresso e obedece à sequência de graus
hierárquicos, tendo como característica principal, a atividade continuada e inteira-
mente devotada às finalidades e missões fundamentais das Corporações Militares
estaduais, denominada atividade militar estadual.

16. Função militar estadual é o exercício das obrigações inerentes a cargo militar esta-
dual.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 2 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
A hierarquia e a disciplina são a base institucional das Corporações Militares do Esta-
do, nas quais a autoridade e a responsabilidade crescem com o grau hierárquico do
militar estadual. Acerca da temática abordada no fragmento de texto acima, julgue os
próximos itens com base no Estatuto dos militares do Ceará.

17. A hierarquia militar estadual é a ordenação da autoridade em níveis diferentes dentro


da estrutura da Corporação, obrigando os níveis inferiores em relação aos superiores.

18. A subordinação é realizada por postos ou graduações dentro de um mesmo posto ou


de uma mesma graduação e se faz pela antiguidade ou precedência funcional.

19. O respeito à disciplina é consubstanciado no espírito de acatamento à sequência


crescente de autoridade.

20. A disciplina é a rigorosa observância e o acatamento integral às leis, regulamentos,


normas e disposições que fundamentam a Corporação Militar Estadual e coordenam
seu funcionamento regular e harmônico, traduzindo-se pelo perfeito cumprimento
do dever por parte das Praças, com o correto cumprimento, pelos superiores, das or-
dens emanadas dos subordinados.

Possuir o Curso de Habilitação de Oficiais é requisito mínimo para ingresso no Qua-


dro de Oficiais de Administração – QOA, da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros
Militar. O referido QOA é constituído de Segundos-Tenentes, Primeiros-Tenentes, Ca-
pitães e Majores.” Tendo como referência a informação acima e os aspectos gerais
relativos ao Curso de habilitação de oficiais e o ingresso no Quadro de oficiais de
Administração, julgue os próximos itens.

21. Para a seleção e ingresso no Curso de Habilitação de Oficiais, será necessário que o
candidato possua nível superior reconhecido pelo MEC.

22. Não comportando nenhuma exceção, os Oficiais do QOA possuem os mesmos direi-
tos, regalias, prerrogativas, vencimentos e vantagens atribuídas aos militares de
mesmo posto dos demais quadros existentes na respectiva Corporação militar esta-
dual.

23. Compete ao Curso de Habilitação de Oficiais, desempenhar funções administrativas


e operacionais, prestar apoio às atividades da Corporação e ainda, exercer as funções
de Comando e comando ajunto de Unidades e Subunidades.

24. Os militares estaduais que atenderem indispensavelmente os requisitos previstos no


EMECE, poderão participar do concurso público para ingresso no QOA.

À luz do Estatuto dos Militares Estaduais do Ceará, julgue os próximos itens, relativos
aos círculos hierárquicos, a antiguidade e precedência entre os militares estaduais.

25. A precedência entre militares estaduais ativos e inativos, de mesmo grau hierárqui-
co, é assegurada pela antiguidade no posto ou na graduação, inclusive nos casos de
precedência funcional.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 3 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
26. Data da última promoção, prevalência sucessiva dos graus hierárquicos anteriores,
classificação no curso de formação ou habilitação, data de nomeação ou admissão e
maior idade, são condições que devem ser observadas de forma sucessiva, a fim de
definirmos a antiguidade entre os militares do Estado, em igualdade de posto ou
graduação.

27. O Curso de Formação constitui a 3ª etapa do concurso público para ingresso nas
corporações militares do Ceará, desta forma, não existe antiguidade entre os alunos
de um mesmo órgão de formação policial militar ou bombeiro militar.

28. Em igualdade de posto ou graduação, os militares estaduais da ativa têm superiori-


dade hierárquica sobre os da inatividade e em igualdade de postos ou graduações,
entre os integrantes da Polícia Militar do Ceará e do Corpo de Bombeiros Militar do
Ceará, aqueles militares terão precedências hierárquicas sobre estes.

Acerca do cargo, da função e do comando, julgue as assertivas abaixo com base no


Estatuto do militares do Ceará.

29. O provimento do cargo de Oficial é realizado por ato administrativo do governador


e o da Praça, por ato administrativo do Comandante-Geral adjunto.

30. A cada cargo militar estadual corresponde um conjunto de atribuições, deveres e


responsabilidades que se constituem em obrigações do respectivo titular.

31. As atribuições e obrigações inerentes a cargo militar estadual devem ser preferenci-
almente, compatíveis com o correspondente grau hierárquico.

32. As obrigações que, pelas generalidades, peculiaridades, duração, vulto ou natureza,


não são catalogadas em Quadro de Organização ou dispositivo legal, são cumpridas
como encargo, incumbência, comissão, serviço, ou atividade militar estadual ou de
natureza militar estadual.

33. Comando é a soma de autoridade, deveres e responsabilidades de que o militar esta-


dual está investido legalmente, quando conduz subordinados ou dirige uma Organi-
zação Militar Estadual, sendo desvinculado do grau hierárquico e constituindo uma
prerrogativa impessoal, em cujo exercício o militar estadual se define e se caracteri-
za como chefe.

Ainda referente ao Estatuto dos militares estaduais do Ceará, julgue os próximos itens.

34. Cabe sempre ao militar estadual a responsabilidade pelas decisões que tomar, pelas
ordens que emitir e pelos atos que praticar.

35. Auxiliar e complementar as atividades dos oficiais, sempre se impondo pela lealda-
de, pelo exemplo e pela capacidade profissional e técnica, na capacitação de pesso-
al e no emprego dos meios, na instrução, na administração e no comando de frações
de tropa, são algumas das atribuições dos Subtenentes e Sargentos, mesmo agindo
isoladamente nas diversas atividades inerentes a cada Corporação.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 4 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
36. Somente após o militar estadual adquirir um grau de instrução compatível com o
perfeito entendimento de seus deveres como integrante da respectiva Corporação
Militar Estadual é que prestará compromisso de honra, no qual afirmará aceitação
consciente das obrigações e dos deveres militares e manifestará a sua firme disposi-
ção de bem cumpri-los.

37. O compromisso policial terá caráter solene e poderá ser prestado na presença de
tropa ou guarnição formada.

38. Ao Cadete e ao Aluno-Soldado aplicam-se, cumulativamente ao Código Discipli-


nar, as disposições normativas disciplinares previstas no estabelecimento de ensino
onde estiver matriculado.

39. Os militares estaduais, nos crimes militares definidos em lei, serão processados e
julgados perante a Justiça Militar do Estado em 2ª instância.

40. A competência para conhecer, processar e julgar os crimes militares ou comuns


praticados por militares estaduais contra civis é do Conselho de Justiça, presidido
por um de juiz de direito.

As Polícias e Bombeiros Militares são Instituições estaduais, com competência de


âmbito estadual, responsáveis pelo policiamento ostensivo e pela preservação da ordem
pública em seus Estados, que trabalham diuturnamente na defesa e tutela dos direitos e
garantias fundamentais das pessoas humanas, preservando e promovendo os direitos
humanos dos cidadãos. Acerca dos direitos garantidos aos integrantes das corporações
militares estaduais do Ceará, previstos no EMECE, julgue os itens subsecutivos.

41. O militar estadual garantirá estabilidade, desde a investidura, caso ingresse como
oficial ou quando completar mais de 03 (três) anos de efetivo serviço, caso ingresse
como praça.

42. Constitui direito dos militares estaduais a transferência para a reserva remunerada,
reforma ou exoneração, sendo concedidas a pedido.

43. O militar estadual independentemente de posto ou graduação e de estar na situação


de ativo ou inativo, tem o direito ao porte de arma, todavia em se tratando de Ofici-
al poderá ter esse direito restrito por medida administrativa acautelatória de interes-
se social, aplicada pelo Controlador Geral de Disciplina, ou mesmo se sua inativa-
ção for proveniente de alienação mental, condenação que desaconselhe o porte ou
por processo regular, observada a legislação aplicável. Já a Praça poderá ter seu
porte de arma restrito, nas mesmas condições dos oficias, devendo também, ser ob-
servada a regulamentação a ser baixada pelo Comandante-Geral e a legislação apli-
cável.

44. Livre acesso, quando em serviço ou em razão deste, aos locais sujeitos à fiscaliza-
ção policial militar ou bombeiro militar, tratamento especial, quanto à educação de
seus dependentes, para os militares estaduais do serviço ativo, através dos Colégios

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 5 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
da PMCE e do CBMCE e ainda fardamento ou valor correspondente, constituindo-
se no conjunto de uniformes fornecidos, pelo menos uma vez ao ano, ao Cabo e
Soldado na ativa, bem como aos Cadetes e Alunos-Soldados, e, em casos especiais,
aos demais militares estaduais constituem direitos dos militares do Ceará.

Os Militares estaduais do Ceará do serviço ativo não podem estar filiados a partidos
políticos, no entanto, poderão candidatar-se a cargos eletivos, desde que sejam obser-
vados os regramentos previstos no EMECE. Acerca do tema, julgue os itens seguintes.

45. O militar estadual alistável é elegível. No caso de ser suplente, ao assumir o cargo
eletivo, o militar passará automaticamente, no ato da diplomação, para a reserva
remunerada, com proventos proporcionais ao tempo de contribuição.

46. O militar estadual que contar menos de 10 (dez) anos de serviço, deverá afastar-se
definitivamente da atividade militar estadual a partir do registro de sua candidatura
na Justiça Eleitoral, apresentada pelo Partido e autorizada pelo candidato, com pre-
juízo automático, imediato e definitivo do provimento do cargo, de promoção e da
percepção da remuneração.

47. Caso o militar estadual conte com 10 (dez) ou mais anos de serviço, e venha candi-
datar-se a cargo eletivo será agregado por ato do Governador do Estado, sem perda
da percepção da remuneração e, se eleito, passará automaticamente, no ato da di-
plomação, para a reserva remunerada, com proventos proporcionais ao tempo de
contribuição.

Consoante às disposições gerais previstas no Estatuto dos militares do Ceará, julgue os


itens subsequentes.

48. As férias traduzem o afastamento total do serviço, concedidas anualmente, de acor-


do com portaria do Comandante-Geral, de gozo obrigatório após a concessão, re-
muneradas com um terço a mais da remuneração normal, sendo atribuídas ao mili-
tar estadual para descanso, a partir do último mês do ano a que se referem ou duran-
te o ano seguinte, devendo o gozo ocorrer nesse período.

49. O direito às férias regulamentares estende-se ao militar estadual que esteja aguar-
dando solução de processo de inatividade.

50. Os militares estaduais do Ceará têm direito a 08 dias úteis de afastamento por moti-
vo de luto por falecimento de pai ou mãe.

51. A autorização para o afastamento total do serviço, em caráter temporário, concedi-


da ao militar estadual, obedecidas as disposições legais e regulamentares, denomi-
na-se licença.

52. As licenças concedidas aos militares estaduais podem ser; à gestante, por 120 (cen-
to e vinte) dias, a paternidade, por 10 (dez) dias, para tratar de interesse particular,
por até 02 (dois) anos e para tratar da saúde de dependente, por até 02 (dois) anos,
na forma da Lei e para tratar da saúde própria.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 6 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
53. As licenças concedidas aos militares estaduais não poderão ser interrompidas a
pedido.

Com base no Estatuto dos Militares Estaduais do Ceará (EMECE), que regula a situa-
ção, os direitos, as prerrogativas, os deveres e as obrigações dos militares estaduais,
julgue os itens a seguir.

54. A situação de desaparecido ocorrerá no momento em que o militar estadual tiver


paradeiro ignorado, após, por exemplo, atuar em operações policiais militares ou
bombeiros militares.

55. O extravio do militar estadual da ativa acarreta interrupção do serviço militar esta-
dual com o consequente afastamento temporário do serviço ativo, a partir da data
em que o mesmo for oficialmente considerado extraviado.

56. Não será computado para efeito de contribuição o tempo que o militar estadual
passar de “LTIP” (licença para tratar de interesse particular) e de “LTSD” (licença
para tratar de saúde de dependente), sendo que naquela licença o militar somente
ficará agregado ao ultrapassar 06 (seis) meses contínuos de afastamento e nesta o
militar ficará agregado desde o primeiro dia de afastamento.

57. Suponha que certo militar estadual tenha sido revertido da reserva remunerada para
o serviço ativo, desta forma, terá todos os direitos e deveres dos da ativa, em igual
situação hierárquica.

58. As recompensas constituem reconhecimento dos serviços prestados pelos militares


estaduais e serão concedidas de acordo com as normas regulamentares do Coman-
dante Geral da PMCE.

59. São recompensas militares estaduais, além das previstas em outras leis; prêmios de
honra ao mérito, condecorações por serviços prestados, elogios e dispensas do ser-
viço, conforme dispuser a legislação.

60. Os militares estaduais do Ceará têm direito, ao afastamento total do serviço por 08
(oito) dias, por motivo de núpcias.

61. A licença para tratar de saúde própria é a autorização para afastamento total do
serviço concedida ao policial militar com 10 (dez) ou mais anos de efetivo serviço,
que a requerer com aquela finalidade, sendo concedida com prejuízo da remunera-
ção e da contagem do tempo de serviço efetivo.

62. É proibido ao militar estadual o uso dos uniformes, dentre outras situações; no
estrangeiro, quando em atividade não relacionada com a missão policial militar ou
bombeiro militar, salvo quando expressamente determinado e autorizado.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 7 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
63. Agregação é a situação em que o militar estadual inativo deixa de ocupar vaga na
escala hierárquica do seu quadro, nela permanecendo sem número.

64. É vedado ao militar estadual fazer parte de associações de natureza sindical ou


político-partidária ou mesmo de associações que causem prejuízos para o exercício
do respectivo cargo ou função militar que ocupe na ativa.

65. Como forma de esclarecer dúvidas na aplicação do EMECE aplica-se, no que cou-
ber, subsidiariamente, a legislação em vigor para as forças armadas brasileiras.

66. Maria foi licenciada da Marinha do Brasil, no comportamento ótimo, desta forma,
caso obtenha aprovação no concurso público para ingresso na PMCE e deste que
cumpra os demais requisitos poderá ingressar na respectiva Corporação militar.

67. Nos casos de transgressão disciplinar ou de crime propriamente militar, o militar só


poderá ser preso por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária compe-
tente.

68. Zezinho, 2º Tenente PM é militar da Reserva remunerada, desta forma, em nenhu-


ma hipótese poderá usar o uniforme da corporação.

CÓDIGO DISCIPLINAR
Com base nos regramentos previstos no Código Disciplinar dos militares estaduais do
Ceará, julgue os próximos itens.

69. A Lei nº 13.407/03 dispõe, dentre outros sobre os procedimentos para apuração da
responsabilidade administrativo-disciplinar, penal e civil dos militares estaduais.

70. Estão sujeitos aos regramentos da Lei nº 13.407/03, os militares do Estado em ser-
viço ativo e ainda os militares em situação de inatividade.

71. Não há proibições expressas neste Código, acerca do militar inativo exercer ativi-
dade de segurança particular.

72. Em igualdade de posto ou graduação o militar estadual na situação de serviço ativo


tem precedência hierárquica em relação a militar estadual que esteja em inativida-
de.

73. Constitui transgressão disciplinar a conduta de dormir em serviço, mesmo quando


autorizado.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 8 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
74. A sanção disciplinar exime o militar estadual punido da responsabilidade civil e
criminal emanadas do mesmo fato.

Aplicada aos componentes das Corporações Militares, independentemente de posto ou


graduação, a deontologia policial-militar reúne princípios e valores úteis e lógicos a
valores espirituais superiores, destinados a elevar a profissão do militar estadual à
condição de missão. Acerca do tema abordado no fragmento de texto e o disposto no
Código Disciplinar dos Militares Estaduais, julgue os itens seguintes.

75. A deontologia militar estadual é constituída pelos valores e deveres éticos, traduzi-
dos em normas de conduta, que se impõem para que o exercício da profissão do mi-
litar estadual atinja plenamente os ideais de realização do bem comum.

76. Os policiais militares cumprem seus deveres deontológicos, por exemplo, quando a
preservam a ordem pública e a garantem os poderes constituídos, já os bombeiros
militares, cumprem sua missão odontológica, por exemplo, quando protegem a pes-
soa, visando sua incolumidade em situações de risco, infortúnio ou de calamidade.

77. Haverá aplicação de sanção disciplinar, ainda que o militar estadual tenha cometido
à falta disciplinar em preservação da ordem pública ou de interesse coletivo.

De acordo com o Código Disciplinar dos integrantes da PMCE e do CBMCE, julgue os


itens subsecutivos.

78. Considerar-se-á 1 (um) dia de prestação de serviço extraordinário equivalente ao


cumprimento de 1 (um) dia de permanência, salvo nos casos em que o transgressor
não possua nenhuma falta grave ou média, quando 1 (um) dia de prestação de ser-
viço extraordinário equivalerá ao cumprimento de 2 (dois) dias de permanência.

79. O limite máximo de conservação da permanência disciplinar em serviço extraordi-


nário é de 5 (cinco) dias, salvo determinação de superior hierárquico em contrário.

80. O Governador do Estado, o Secretário de Segurança Pública e o Controlador Geral


de Disciplina são algumas das autoridades competentes para aplicar todas as san-
ções disciplinares aos militares estaduais, exceto a demissão de oficiais.

Em relação às Sanções Administrativas Disciplinares previstas no CDPM/BM, julgue


os itens a seguir.

81. A repreensão verbal consiste na forma mais branda de sanção. É aplicada ao militar
estadual, podendo ser feita particular ou ostensivamente.

82. A expulsão será aplicada, mediante processo regular, ao militar do Estado (oficial
ou praça), que atentar contra a segurança das instituições nacionais ou praticar atos
desonrosos ou ofensivos ao decoro profissional.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 9 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
83. A proibição do uso de uniformes militares e de porte de arma será aplicada, nos
termos deste Código, temporariamente, ao militar ativo que atentar contra o decoro
ou a dignidade militar, até o limite de 01 (um) ano.

84. A sanção disciplinar de recolhimento transitório consiste no desarmamento e reco-


lhimento do militar à prisão, com nota de punição publicada em boletim, podendo
ser excepcionalmente adotada quando houver fortes indícios de autoria de crime
propriamente militar ou transgressão militar.

85. A demissão somente será aplicada ao militar do Estado (oficial ou praça), que for
condenado na Justiça Comum ou Militar a pena privativa de liberdade por tempo
superior a 02 (dois) anos, por sentença passada em julgado.

86. A Prisão Disciplinar somente pode ser aplicada pelo Controlador Geral de Discipli-
na, pelo Secretário de Segurança Pública, pelo Comandante Geral e pelo Governa-
dor e pelos oficiais da respectiva corporação.

87. Demissão, expulsão, recolhimento transitório, custódia disciplinar e repreensão são


sanções disciplinares aplicáveis a todos os membros da PMCE.

Em relação ao Código Disciplinar dos militares do Ceará, julgue os itens a seguir.

88. O militar do Estado que sofrer reforma administrativa disciplinar receberá remune-
ração integral e somente poderá retornar ao serviço ativo mediante convocação do
Governador do Estado.

89. A comunicação disciplinar dirigida à autoridade competente destina-se a relatar


uma transgressão disciplinar cometida por qualquer militar estadual, quando houver
indícios ou provas de autoria.

90. A comunicação disciplinar deve ser a expressão da verdade, cabendo à autoridade


competente encaminhá-la ao indiciado para que, por escrito, manifeste-se prelimi-
narmente sobre os fatos, no prazo de 3 (três) dias úteis.

Tendo como referência a Lei nº 13.407/2003, que dispõe sobre o Código Disciplinar do
militares estaduais, julgue os itens subsequentes relativos aos comportamentos dos
militares estaduais.

91. Ao Controlador Geral de Disciplina e aos Comandantes-Gerais da Polícia Militar e


do Corpo de Bombeiros Militar compete conhecer das sanções disciplinares aplica-
das aos inativos da reserva remunerada, em grau de recurso, respectivamente, se
oficial ou praça.

92. Ao respectivo Subcomandante da Corporação Militar e ao Subchefe da Casa Mili-


tar, competem aplicar as sanções disciplinares de advertência, repreensão, perma-
nência disciplinar, custódia disciplinar e proibição do uso de uniformes, até os limi-
tes máximos previstos.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 10 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
93. As sanções aplicadas a oficiais, alunos-oficiais, subtenentes e sargentos, cabos e
soldados serão publicadas somente para conhecimento dos integrantes dos seus res-
pectivos círculos, podendo ser dadas ao conhecimento geral se as circunstâncias ou
a natureza da transgressão e o bem da disciplina assim o recomendarem.

Consoante a Lei nº 13.407/03, julgue os itens subsequentes relativos aos aspectos ge-
rais relativos à disciplina militar estadual.

94. Na aplicação das sanções disciplinares previstas neste Código, quando as circuns-
tâncias atenuantes preponderarem, a sanção não será aplicada em seu limite máxi-
mo.

95. A instauração de inquérito ou ação criminal impede a imposição, na esfera adminis-


trativa, de sanção pela prática de transgressão disciplinar sobre o mesmo fato.

96. Na ocorrência de mais de uma transgressão, sem conexão entre elas, serão impostas
as sanções correspondentes isoladamente.

97. Na ocorrência de transgressão disciplinar envolvendo militares do Estado de mais


de uma Unidade, caberá ao comandante do militar mais antigo ou de maior grau hi-
erárquico, apurar ou determinar a apuração.

98. O início do cumprimento da sanção disciplinar dependerá de aprovação do ato pelo


Comandante da Unidade ou pela autoridade funcional imediatamente superior,
quando a sanção for por ele aplicada, e prévia publicação em boletim, ressalvados
os casos de necessidade da medida preventiva de recolhimento transitório, prevista
neste Código.

99. A expulsão será aplicada, em regra, quando o militar estadual, independentemente


da graduação, posto, ou função que ocupe, for condenado judicialmente por crime
que também constitua infração disciplinar grave e que denote incapacidade moral
para a continuidade do exercício de suas funções, após a instauração do devido pro-
cesso legal, garantindo a ampla defesa e o contraditório.

As autoridades competentes para aplicar sanção disciplinar, exceto as ocupantes dos


postos de 1º. Tenente a major, quando tiverem conhecimento, por via recursal ou de
ofício, da possível existência de irregularidade ou ilegalidade na aplicação da sanção
imposta por elas ou pelas autoridades subordinadas, podem, de forma motivada e com
publicação, praticar os atos de retificação, atenuação, agravação e anulação.
Tendo as informações acima como referência inicial e os preceitos contidos no Código
Disciplinar dos militares estaduais do Ceará, julgue os próximos itens.

100. A atenuação consiste na correção de irregularidade formal sanável, contida na


sanção disciplinar aplicada pela própria autoridade ou por autoridade subordinada.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 11 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
101. A retificação é a redução da sanção proposta ou aplicada, para outra menos rigoro-
sa ou, ainda, a redução do número de dias da sanção, se assim o exigir o interesse
da disciplina e a ação educativa sobre o militar do Estado.

102. A agravação é a ampliação do número dos dias propostos para uma sanção discipli-
nar ou a aplicação de sanção mais rigorosa, se assim o exigir o interesse da disci-
plina e a ação educativa sobre o militar do Estado.

103. Caso o militar estadual acusado, interponha recursos disciplinares, sua sanção po-
derá ser agravada.

104. Anulação é a declaração de invalidade da sanção disciplinar aplicada pela própria


autoridade ou por autoridade subordinada, quando, na apreciação do recurso, verifi-
car a ocorrência de ilegalidade, devendo retroagir à data do ato.

Ainda acerca dos preceitos contidos no Código Disciplinar dos militares estaduais do
Ceará, julgue os próximos itens.

105. 06 (seis) dias por ano é o limite máximo que o Tenente coronel ou o Coronel pode
dispensar do serviço, subordinado funcional como forma de recompensa.

106. O cancelamento de sanções disciplinares consiste na retirada dos registros realiza-


dos nos assentamentos individuais do militar da ativa, relativos às penas disciplina-
res que lhe foram aplicadas, sendo aplicável às sanções de reforma administrativa
disciplinar, de demissão e de expulsão em caráter excepcional.

107. O Secretário de Segurança Pública e Defesa Social poderá cancelar uma ou mais
punições do militar que tenha praticado qualquer ação militar considerada especi-
almente meritória, que não chegue a constituir ato de bravura.

108. O cancelamento de sanções terá efeito retroativo e motivará o direito de revisão de


outros atos administrativos decorrentes das sanções canceladas.

109. Aplicam-se a esta Lei, subsidiariamente, pela ordem, as normas do Código do Pro-
cesso Penal Militar, do Código de Processo Penal e do Código de Processo Civil.

110. O militar do Estado submetido a processo regular deverá, quando houver possibili-
dade de prejuízo para a hierarquia, disciplina ou para a apuração do fato, ser desig-
nado para o exercício de outras funções, enquanto perdurar o processo, podendo
ainda a autoridade instauradora proibir-lhe o uso do uniforme e o porte de arma,
como medida cautelar.

111. O Conselho de Justificação aplica-se também ao oficial inativo presumivelmente


incapaz de permanecer na situação de inatividade.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 12 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
112. O oficial submetido a Conselho de Justificação e considerado culpado, por decisão
unânime, deverá ser agregado disciplinarmente mediante ato do Comandante-Geral,
até decisão final do Tribunal competente.

113. O Conselho de Disciplina destina-se a apurar as transgressões disciplinares cometi-


das pela praça da ativa com 10 (dez) ou mais anos de serviço ou da reserva remune-
rada e a incapacidade moral desta para permanecer no serviço ativo militar ou na si-
tuação de inatividade em que se encontra.

114. O Conselho de Disciplina dispõe de um prazo de 45 (quarenta e cinco) dias, a con-


tar da data de sua nomeação, para a conclusão de seus trabalhos relativos ao proces-
so, e de mais 15 (quinze) dias para deliberação, confecção e remessa do relatório
conclusivo.

Considere que determinado militar estadual, chegou atrasado ao serviço para o qual
estava escalado, considere ainda, que certo dia na sua folga, foi visto frequentando
lugares incompatíveis com o decoro social e militar sem motivo de serviço. Tendo como
referencia a Lei nº 13.407/03, que dispõe sobre o Código Disciplinar da Polícia Militar
e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará (CBMCE), julgue os próximos
itens.

115. O militar cometeu duas transgressões disciplinares, sendo a primeira leve e a se-
gunda média.

116. O militar cometeu apenas uma transgressão disciplinar de natureza média, pois
chegou atrasado ao serviço para o qual estava escalado.

117. As faltas médias são puníveis com permanência disciplinar de até 8 (oito) dias e, na
reincidência, com permanência disciplinar de até 15(quinze) dias.

118. Na aplicação de sanções deverão ser consideradas as circunstâncias agravantes e as


atenuantes, sendo que, quando as circunstâncias agravantes preponderarem, não
poderá ser aplicada a sanção até o seu limite máximo.

Ainda com relação ao Código Disciplinar dos militares do Ceará, julgue os próximos
itens.

119. Qualquer militar estadual do Ceará que, no período de 1 (um) ano, lhe tenham sido
aplicadas até 2 (duas) permanências disciplinares ou 1 (uma) custódia disciplinar
será classificado no comportamento regular.

120. O recurso hierárquico, em termos respeitosos, precisará o objeto que o fundamenta


de modo a esclarecer o ato ou fato, podendo ser acompanhado de documentos com-
probatórios.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 13 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
Acerca dos direitos legalmente garantidos, dos regulamentos e das normatizações apli-
cadas aos militares estaduais, julgue os itens subsecutivos.

121. Leucio, militar estadual do Ceará, encontra-se de folga do serviço, desta forma tem
direito ao livre acesso, aos locais sujeitos à fiscalização policial militar ou bombeiro
militar.

122. Se um oficial complementar bombeiro militar requerer, antes de completar 03 (três)


anos de efetivo serviço, a sua exoneração do serviço ativo, esta será concedida sem
a indenização das despesas relativas à sua preparação e à sua formação.

123. Os uniformes da PMCE representam o símbolo da autoridade policial militar, com


as prerrogativas a ela inerentes. Em razão disso, são privativos e exclusivos da cor-
poração, desta forma, o militar estadual fardado tem as obrigações correspondentes
ao uniforme que usa e aos distintivos, insígnias, divisas e emblemas que ostenta.

124. Andar ostensivamente armado, em trajes civis, não se achando de serviço é trans-
gressão disciplinar de natureza grave.

Cada um dos itens seguintes apresenta uma situação hipotética, julgue-os a luz dos
dispositivos previstos no Código Disciplinar da Polícia Militar e do Corpo de Bombei-
ros Militar do Estado do Ceará.

125. Considere que certo soldado militar estadual tenha cometido uma falta disciplinar
de natureza média e tenha sido penalizado pelo seu superior com uma repreensão.
Nessa situação, a sanção disciplinar, deverá ser publicada em boletim interno.

126. Considere que um oficial da PMCE, com 15 (quinze) anos de serviço, foi eleito
deputado estadual e, após sua diplomação, deixou de ficar sujeito aos regramentos
militares / disciplinares.

127. Considere que João, soldado bombeiro militar, em deslocamento, ao cruzar com o
capitão Carlos, em uma via do quartel, não prestou a devida continência ao seu su-
perior hierárquico, desta forma cometeu transgressão disciplinar de natureza grave.

LEI DA CONTROLADORIA
A Controladoria Geral de Disciplina dos órgãos de Segurança Pública e Sistema Peni-
tenciário (CGD) é órgão do primeiro escalão do Governo, uma Secretaria de Estado
vinculada somente ao Governador, status que define sua relação com as demais secre-
tarias, administrados e agentes. À luz da Lei Complementar nº 098/2011, que dispõe
sobre a criação da Controladoria Geral dos órgãos de Segurança Pública e Sistema
Penitenciário, julgue os próximos itens.

128. Do ponto de vista estratégico, a CGD atua somente na inteligência e na prevenção


de pequenos e médios delitos por parte dos agentes de segurança pública do Estado.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 14 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
129. O dirigente maior da CGD denomina a lei de Controlador Geral de Disciplina,
cargo efetivo equiparado a secretário de Estado, de livre nomeação e exoneração do
Governador do Estado.

130. O GTAC é diretamente subordinado ao Secretário de Segurança Pública, com a


missão preventiva e ostensiva, realizada por meio de fiscalizações e inspeções, em
instalações, viaturas e unidades.

131. Para cumprimento de suas atribuições, a Controladoria Geral de Disciplina poderá


requisitar, no âmbito do Poder Executivo, documentos públicos necessários à eluci-
dação e/ou constatação de fatos objeto de apuração ou investigação.

132. A CGD tem dentre outras atribuições; participar e colaborar com a Academia Es-
tadual de Segurança Pública-AESP na elaboração de planos de capacitação, bem
como na promoção de cursos de formação.

133. Por ser um órgão militar a CGD não pode ser composta de servidores das Corpora-
ções militares estaduais do Ceará.

134. A estrutura da CGD do Estado do Ceará foi definida através da Lei Complementar
nº 098/2011.

135. A lei Complementar nº 098/2011 cria o cargo de Controlador Geral Adjunto de


Disciplina, de provimento em comissão, de livre nomeação e exoneração pelo Go-
vernador do Estado, escolhido dentre Bacharéis em Direito, de reputação ilibada,
sendo o substituto do Controlador Geral em suas ausências e impedimentos.

136. As Comissões Civis Permanentes de Processos Disciplinares, compostas por 3


(três) membros, que serão indicados mediante ato do Controlador Geral de Disci-
plina, ou a quem por delegação couber, dentre Delegados de Polícia ou Servidores
Públicos Estáveis, sendo um presidente, um secretário e um membro.

137. Nos processos administrativos disciplinares em que a pena seja a de demissão, após
decididos pelo Controlador-Geral de Disciplina e, após o envio ao Governador do
Estado, deverá ser encaminhado para a Procuradoria Geral do Estado, com o fito de
atestar a regularidade do procedimento.

138. Quando a apuração dos fatos praticados por policiais militares e bombeiros milita-
res estaduais revelar conexão, sobretudo envolvendo praças estáveis e não estáveis,
a competência para apuração será do Processo Administrativo Disciplinar.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 15 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
139. Os policiais civis e os militares e os bombeiros militares estaduais requisitados para
servir na Controladoria Geral de Disciplina serão considerados, para todos os efei-
tos, como no exercício regular de suas funções de natureza policial civil, policial
militar ou bombeiro militar.

LEI DE PROMOÇÕES
Foi realizada na manhã desta quarta-feira (22 de Julho), no Palácio da Abolição, a
cerimônia de promoção para 1º Tenentes da Polícia Militar do Ceará e Corpo de Bom-
beiros Militares do Ceará. Esta é a primeira turma de oficiais da PMCE e do CBMCE
beneficiados pela Lei de Promoções sancionada pelo Governador do Estado do Ceará,
Dr. Camilo Santana, em maio de 2015. Foram promovidos 48 policiais e 17 bombeiros.
A Lei beneficiará cerca de nove mil policiais e bombeiros militares do Estado até o fim
deste ano, favorecendo o restante das tropas ao longo do tempo. O documento, apre-
sentado pelo governador à Assembleia Legislativa no dia 23 de abril e aprovado por
unanimidade pelos deputados, foi sancionado no dia 25 de maio, durante a solenidade
de comemoração dos 180 anos da Polícia Militar do Ceará.
Fonte: www.pm.ce.gov.br

Tendo como referência a nova Lei de promoções dos militares do Ceará, Lei Estadual
n.º 15.797/2015 julgue os itens a seguir.

140. A promoção, dever do militar estadual, consiste na elevação na carreira, tendo por
objetivo o estímulo ao constante aprimoramento funcional com resultado no alcan-
ce dos graus hierárquicos superiores nas corporações militares.

141. As promoções dos militares do Ceará tem objetivo básico, assegurar um fluxo regu-
lar e equilibrado nas carreiras de oficial e de praça.

142. A promoção post mortem ocorrerá somente quando o militar estadual falecer em
razão do desempenho da atividade militar estadual, ou em acidente em serviço ou
em consequência de doença, moléstia ou enfermidade que nele tenha sua causa
imediata, conforme aferição de comissão de meritoriedade designada pelo Coman-
dante-Geral.

143. Para que um oficial seja promovido por antiguidade ou merecimento, deve o militar
figurar no Quadro de Acesso Geral, cujo ingresso requer o preenchimento dos se-
guintes requisitos, cumulativamente; interstício no posto ou na graduação de refe-
rência, curso obrigatório estabelecido em lei, serviço arregimentado e mérito.

144. Para ingresso no cargo de Soldado é obrigatório a realização de Curso de Formação


de Soldados, ou Curso de Formação Profissional, ou ainda de curso regular equiva-
lente realizado em Corporação Militar Estadual, supervisionado pela Academia Es-
tadual de Segurança Pública, quando realizado no Estado.

145. A promoção a Coronel Comandante-Geral das Corporações militares se dará exclu-


sivamente por escolha do Governador do Estado ou do Secretário de Segurança Pú-
blica e Defesa Social, a incidir entre os coronéis com mais de 25 (vinte e cinco)
anos de tempo de contribuição militar, com relevantes serviços prestados à ativida-
de.

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 16 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
146. Para o ingresso no Curso de Habilitação de Sargentos - CHS, e no Curso de Habili-
tação a Subtenentes - CHST, ou equivalente, será observado o critério de antigui-
dade, sendo exigidos do militar; exames médicos e laboratoriais, incluindo o toxi-
cológico, custeados pelo militar.

147. O militar que, por ocasião da elaboração do Quadro de Acesso Geral, encontrar-se
no exercício de cargo público civil temporário, não eletivo, inclusive da Adminis-
tração Indireta, ou que estiver à disposição de órgão ou entidade federal, estadual
ou municipal, para exercer cargo ou função de natureza estritamente civil, não po-
derá concorrer à promoção.

148. As promoções serão anuais, para as quais se levarão em consideração as alterações


ocorridas na vida funcional do oficial ou praça, e acontecerão nas datas e segundo
processamento estabelecidos em decreto.

149. A promoção ao posto de Coronel ocorrerá pelos critérios de antiguidade e de me-


recimento.

150. A promoção requerida do militar será efetivada a pedido ou de ofício, desde que o
interessado atenda às condições da Lei nº 15.797/15, (Lei de promoções dos militares do
Ceará).

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 17 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!
GABARITO - SIMULADO
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10
E C C C E E E E C E
11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
C C E C E C C E C E
21 22 23 24 25 26 27 28 29 30
C E E E E C E E E C
31 32 33 34 35 36 37 38 39 40
C C E C C C E C E E
41 42 43 44 45 46 47 48 49 50
C E C C C C E C E E
51 52 53 54 55 56 57 58 59 60
C C E E C E E E C C
61 62 63 64 65 66 67 68 69 70
E C E C E C E E E E
71 72 73 74 75 76 77 78 79 80
C E E E C E E C E E
81 82 83 84 85 86 87 88 89 90
E E E E E E E E E E
91 92 93 94 95 96 97 98 99 100
C C E C E C E C E E
101 102 103 104 105 106 107 108 109 110
E C E C C E E E C C
111 112 113 114 115 116 117 118 119 120
C C C C C E C E E C
121 122 123 124 125 126 127 128 129 130
E E C C C C E E E E
131 132 133 134 135 136 137 138 139 140
C C E C C C E E C E
141 142 143 144 145 146 147 148 149 150
C E C C E E E C E E

Estudar requer dedicação, paciência e zelo. Isso significa frequentar cursinhos,


perder festas, finais de semana e feriados, ficar trancado em um quarto por ho-
ras a fio, enquanto o Sol brilha lá fora e seus amigos o chamam para sair.

Todavia, há uma recompensa, que será comemorada com UMA FESTA


MAIOR que todas que você perdeu.

VAI DAR CERTO!


Professor Gilmar Pereira

SIMULADÃO de Legislação da PMCE 18 06 de Setembro de 2015 - Gilmar Pereira / Vai dar certo!