Você está na página 1de 26

“Medidas para promover el empleo

de las personas com descapacidad


em Iberoamérica desde o sector
público”

Montevidéo/Uruguay
14 de junio de 2017
“Deficiência resulta da interação entre pessoas com deficiência e as
barreiras devidas às atitudes e ao ambiente que impedem a plena e
efetiva participação dessas pessoas na sociedade em igualdade de
oportunidades com as demais pessoas”

“Pessoas com deficiência são aquelas que tem impedimentos de longo


prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais em
interação com diversas barreiras podem obstruir a sua participação plena
e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais
pessoas”.

A limitação não como atributo da pessoa, mas como resultado


da sua interação com o meio físico e social em que vive.
Muda o
entendimento sobre
a Deficiência

Estrutura de forma
positiva o acesso e a
inclusão

Determina
mudanças quanto a
acessibilidade
Desencadeia um
Reconhece
processo de atenção
potencialidades
intersetorial
para a arte, esporte,
trabalho, etc.
O direito ao trabalho é reconhecido no âmbito internacional como um
direito universal de todos os seres humanos, e na Constituição Brasileira
de 1988 como um direito econômico-social fundamental.

A Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência, ratificada com


equivalência de emenda constitucional (Decreto Legislativo nº 186/2008 e
Decreto nº 6949/2009), estabelece como alguns de seus princípios a não
discriminação, a plena e efetiva participação e inclusão na sociedade, a
igualdade de oportunidades e a acessibilidade.

Em seu artigo 27, a Convenção dispõe sobre o Trabalho e Emprego:


- reconhece o direito das pessoas com deficiência ao trabalho, em
igualdade de oportunidades com as demais pessoas.
- direito à oportunidade de se manter com um trabalho de sua livre
escolha ou aceitação no mercado laboral.
- ambiente de trabalho que seja aberto, inclusivo e acessível a
pessoas com deficiência.
MARCO NORMATIVO

• Constituição • Serviço • Lei de


1988 1990 Público 1991
Federal Cotas

O Trabalho está inscrito como A Lei n° 8.112/1990, dispõe: A empresa com 100 ou mais
um direito social - Reserva de 20% das vagas funcionários fica obrigada a
e proíbe qualquer forma de oferecidas em concurso preencher de 2 a 5 por cento
discriminação no tocante a público para pessoas com dos cargos com beneficiários
salário e critérios de deficiência; reabilitados, ou pessoas com
admissão do trabalhador - Horário especial, quando deficiência, a saber:
com deficiência. comprovada a necessidade, até 200................... 2%
sem necessidade de de 201 a 500...........3%
reposição de horas de 501 a 1000.........4%
(extensivo quando há de 1001 em diante..5%
cônjuge, ou filho com Art. 93, Lei n°8.213,/1991
deficiência);
MARCO NORMATIVO

• Alteração
2005• Aprendiz 2012 da LOAS
2015 • LBI

- A Lei n°13.146 altera o art.


A Lei n°11.180, alterou a - Alteração do conceito de
CLT, dispondo que o Não há 20 da LOAS prevendo que os
pessoa com deficiência;
idade máxima para a rendimentos decorrentes de
- Suspensão em caráter
contratação das pessoas estágio supervisionado e
especial do BPC para
com deficiência. Além disso, aprendizagem não serão
participação no mercado de
a comprovação da computados para cálculo da
trabalho;
escolaridade – no caso de – renda para fins do BPC;
- Acumulo do BPC com renda
deficiência mental – o deve- - Prevê a participação da
do contrato de Aprendiz;
se considerar, as pessoa com deficiência em
- A remuneração advinda da
habilidades e competências programas de estímulo ao
aprendizagem não é
relacionadas com a empreendedorismo e ao
considerada para cálculo da
profissionalização. trabalho autônomo, incluídos
renda;
o cooperativismo e
Lei nº 12.470/2011 associativismo.
LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO
(Lei n°13.146 de 6 de julho de 2015)
1. Conceituação e Avaliação: mesmo conceito que o utilizado pela Convenção sobre os Direitos
das Pessoas com Deficiência.

2. Discriminação em razão da deficiência: Punição para quem cometer atos que resultem em
distinção, restrição ou exclusão.

3. Capacidade civil: Capacidade plena para atos como casar-se e constituir união estável; exercer
direitos sexuais, reprodutivos e planejamento familiar; exercer o direito à família e à
convivência familiar e comunitária.

4. Atendimento prioritário preferencial para a pessoa com deficiência e acompanhante ou


atendente pessoal: Em todas as instituições e serviços de atendimento ao público.

5. Habilitação e Reabilitação: Para todos os tipos de deficiência e baseada em avaliação


multidisciplinar das necessidades, habilidades e potencialidades de cada pessoa com
deficiência.

6. Saúde: Participação das pessoas com deficiência na elaboração das políticas


LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO
(Lei n°13.146 de 6 de julho de 2015)
7. Educação: Sistema educacional inclusivo em todos os níveis e modalidades ao longo de toda a
vida.

8. Moradia: Proteção integral na modalidade de residência inclusiva no âmbito do SUAS;

9. Trabalho: Previsão da participação da pessoa com deficiência em programas de estímulo ao


empreendedorismo e ao trabalho autônomo, incluídos o cooperativismo e associativismo.

10. Cultura, Esporte, Turismo e Lazer: Construção de hotéis, pousadas e similares observando-se os
princípios do desenho universal, e, nos já existentes, disponibilização de, pelo menos, dez por
cento de dormitórios acessíveis, garantida no mínimo uma unidade acessível.

11. Transporte e Mobilidade: Reserva de 10% de veículos acessíveis das frotas de empresas de táxi
sendo proibida a cobrança diferenciada de tarifas ou valores adicionais pelo serviço de táxi
prestado às pessoas com deficiência.

12. Acessibilidade: O desenho universal tomado como regra de caráter geral e a adaptação
razoável como exceção.
LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO
(Lei n°13.146 de 6 de julho de 2015)
12. Acesso à Informação e à Comunicação: Obrigatoriedade da acessibilidade nos sítios de
internet, nos serviços de telecomunicações (conforme regulamento) e garantia de legenda em
tempo real, janela de Libras e audiodescrição, nos serviços de radiodifusão de sons e imagens.

14. Tecnologia Assistiva: Garantia de acesso a produtos, recursos e serviços de tecnologias assistiva
por meio de ações como o acesso ao crédito especializado, agilização e simplificação dos
procedimentos de importação e fomento à pesquisa e produção nacional de tecnologia
assistiva.

15. Participação na Vida Pública e Política: Acessibilidade nos procedimentos, instalações,


materiais e equipamentos para votação, sendo vedada a instalação de seções eleitorais
exclusivas para as pessoas com deficiência.

16. Ciência e Tecnologia: Fomento ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à inovação e à


capacitação tecnológicas, voltados à melhoria da qualidade de vida, ao trabalho da pessoa com
deficiência e a sua inclusão social.

17. Acesso à Justiça: Acesso à justiça, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas.

18. Reconhecimento Igual Perante a Lei: A curatela deverá ser adotada como medida
extraordinária, devendo constar da sentença as razões e motivações.
PESSOAS COM DEFICÊNCIA NO CENSO 2010

• MULHERES – 25.800.681 (26,5%)


• HOMENS – 19.805.367 (21,2%)

190.755.799 • URBANO – 38.473.702


• RURAL – 7.132.347
45.606.048

População População PREVALÊNCIA


Total do Brasil com alguma
deficiência • Visual – 16, 60%
declarada
• Auditiva – 5,10%
• Motora – 7%
• Mental ou Intelectual – 1,40%
CENSO 2010

Na faixa etária
entre 15 e 64 anos
BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA DA
ASSISTÊNCIA SOCIAL (BPC)
(Art. 20 e 21 da Lei nº 8.742, de 07 de dezembro de 1993, Lei Orgânica de Assistência Social
e Decreto nº 6.214 de 26 de setembro de 2007)

É um benefício da Política de Assistência Social, individual, não vitalício e que


garante o pagamento mensal de 01 (um) salário mínimo à pessoa idosa, com 65
(sessenta e cinco) anos ou mais, e à pessoa com deficiência, de qualquer idade,
com impedimentos de longo prazo, de natureza física, mental, intelectual ou
sensorial, que comprovem não possuir meios para prover a própria manutenção
nem de tê-la provida por sua família.

- Renda mensal bruta familiar per capita seja inferior a ¼ (um quarto) do
salário mínimo vigente.

Constitui segurança de renda para atender as pessoas em


situação de vulnerabilidade relacionada ao ciclo de vida e à
deficiência.
MARCO NORMATIVO DO BPC

 Constituição – Inciso V do Artigo 203.


 Lei 8.742/1993, Lei Orgânica da Assistência Social, com mudanças introduzidas pela Lei
13.146/2015, Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência.
 Decreto nº 6.214/2007, Regulamenta o BPC
 Portaria MDS 044/2009, orienta a intervenção quanto aos processos referentes ao BPC e a
atenção aos requerentes, beneficiários e suas famílias

 Política Nacional de Assistência Social – PNAS (2004)


 NOB/SUAS 2005 e 2012 - Diretrizes e procedimentos para a proteção social dos
beneficiários do BPC:

 Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda


no âmbito do SUAS, (Resolução CIT Nº 07, de 10 de setembro de 2009), estabelece
procedimentos para o atendimento de indivíduos e de famílias beneficiárias do PBF, PETI, BPC
e benefícios eventuais, nos serviços socioassistenciais ofertados pelo SUAS.
FAMÍLIA E RENDA FAMILIAR PARA ACESSO AO BPC

• “Família do BPC”: é composta pelo requerente, o cônjuge ou companheiro,


os pais e, na ausência de um deles, a madrasta ou o padrasto, os irmãos
solteiros, os filhos e enteados solteiros e os menores tutelados, desde que
vivam sob o mesmo teto.

• Renda Mensal Bruta Familiar: a soma dos rendimentos brutos auferidos


mensalmente pelos membros da família composta por salários, proventos,
pensões, pensões alimentícias, benefícios de previdência pública ou privada,
seguro-desemprego, comissões, pro-labore, outros rendimentos do trabalho
não assalariado, rendimentos do mercado informal ou autônomo,
rendimentos auferidos do patrimônio, Renda Mensal Vitalícia e Benefício de
Prestação Continuada..
RENDAS EXCLUÍDAS PARA O CALCULO DA RENDA MENSAL
PARA FINS DE BPC

• Benefícios e auxílios assistenciais de natureza eventual e temporária;


• Valores oriundos de programas sociais de transferência de renda;
• Bolsas de estágio supervisionado;
• Pensão especial de natureza indenizatória e benefícios de assistência médica, conforme
disposto no art. 5o;
• Rendas de natureza eventual ou sazonal, a serem regulamentadas em ato conjunto do
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e do INSS;
• Rendimentos decorrentes de contrato de aprendizagem;
• O valor do Benefício de Prestação Continuada concedido a idoso não será computado no
cálculo da Renda Mensal Bruta Familiar para fins de concessão do Benefício de Prestação
Continuada a outro idoso da mesma família
RENDAS QUE NÃO PODEM SER ACUMULADAS PELO
BENEFICIÁRIOS DO BPC

• O beneficiário não pode acumular o Benefício de Prestação Continuada


com outro benefício no âmbito da Seguridade Social ou de outro regime,
inclusive o seguro-desemprego, ressalvados o de assistência médica e a
pensão especial de natureza indenizatória.

• A acumulação do benefício com a remuneração advinda do contrato de


aprendizagem pela pessoa com deficiência é limitada ao prazo máximo de
dois anos.
BENEFÍCIOS ATIVOS
Total de Beneficios no Brasil
4.438.140
Benefícios ativos, segundo as grandes regiões

1.989.044
2.464.648
45% 1.600.000
55%
1.400.000
628.134
1.200.000 794.032

1.000.000

800.000

Pessoas com Deficiência Pessoa Idosa 600.000


963.759
400.000 189.958 757.048 193.106
176.604
200.000 254.796 277.239 188.155
-

Pessoas com Deficiência Pessoa Idosa

Fonte: SUIBE/DATAPREV, competência abril de 2017, dados trabalhados por DBAP/SNAS/MDS.


Benefícios ativos por espécie e faixa etária
Faixa Espécie do BPC
Pessoa com Deficiência Pessoa Idosa Total
Etária
0a6 101.230 - 101.230
7 a 14 263.013 - 263.013
15 a 18 159.049 - 159.049
19 a 24 235.403 - 235.403
25 a 30 215.189 - 215.189
31 a 40 378.582 - 378.582
41 a 50 384.530 - 384.530
51 a 64 510.690 - 510.690
65 a 69 123.711 536.039 659.750
70 a 74 56.720 600.319 657.039
75 a 79 23.739 456.750 480.489
80+ 12.792 395.936 408.728

Total 2.464.648 1.989.044 4.453.692


Fonte: SUIBE/DATAPREV, competência abril de 2017, dados trabalhados por DBAP/SNAS/MDS.
PROGRAMAS INTERSETORIAIS

• Programa Interministerial (MDS, MEC, MTE e SDH/PR), voltado aos


BPC Trabalho beneficiários com deficiência, do BPC, priorizando a faixa etária de 16 a
Portaria 45 anos, e tem como objetivo promover o protagonismo e a
Interministerial participação social dos beneficiários com deficiência do BPC, por meio
n° 2, de 2 de
da superação de barreiras, fortalecimento da autonomia, acesso à rede
agosto de 2012
socioassistencial e de outras políticas, à qualificação profissional e ao
mundo do trabalho.

• programa interministerial (MDS, MEC, MS e SDH/PR) voltado aos


BPC na Escola beneficiários com deficiência, até 18 anos, do BPC, e tem como objetivo
Portaria
promover o acesso e a permanência na escola do público do Programa,
Interministrerial
n° 18, de 24 de por meio de ações articuladas entre as políticas de assistência social,
abril de 2007 educação, saúde e direitos humanos; e gestão compartilhada entre a
União, Estados , Distrito Federal e Municípios.

Intersetorial e Interfederativa para a superação das barreiras para o


Estratégia acesso às políticas públicas e ampliação da autonomia das pessoas com
deficiência.
RESULTADOS DOS PROGRAMAS INTERSETORIAIS
BPC Trabalho BPC na Escola

No período de 2012 a 2015, foram Até 31/06/17 – todos os estados, o Distrito Federal e 4.893
realizadas 69.576 visitas municípios (87,85%) com adesão ao Programa, correspondendo
domiciliares aos beneficiários do uma cobertura de 475.338 beneficiários do BPC na Escola.
BPC Trabalho – referente aos 1.383
2007 – 375.470 beneficiários 2016 – 501.606 beneficiários
municípios com adesão ao
78.848 (21%) na escola; 297.883 (59,39%) na escola;
Programa Acessuas Trabalho. 296.622 (79%) fora da escola. 203.273 (40,61%) fora da escola.

No período de 2012 a 2014, 1.400 Foram realizadas 297.476 visitas domiciliares, no período de
beneficiários do BPC Trabalho 2012 a 2016, junto aos beneficiários do Programa, para
matriculados nos cursos do aplicação do Questionário de Identificação de Barreiras.
Pronatec – referente aos 739
Até 2016, foram repassados recursos financeiros no montante
municípios com adesão ao
de R$ 9.680.400,00 referente a atividade de aplicação e inserção
Programa Acessuas Trabalho. no aplicativo do Programa de 297.476 questionários.

Metodologia do Emprego Apoiado Entre 2008 a 2016 foram capacitados, aproximadamente,


11.932 mil gestores e técnicos estaduais e municipais.
Pareamento 2016 - Programa BPC na Escola: Quantidade e Percentual de Beneficiários do BPC, Pessoa com
Deficiência, até 18 anos, Inseridos e Não Inseridos na Escola, por Unidade da Federação (U.F)
Pareamento 2016

Total de Total de
U.F Total de Municípios Beneficiários Beneficiários Total de
% %
Inseridos na Não Inseridos Beneficiários
Escola na Escola
AC 22 2.544 58,97% 1.770 41,03% 4.314
AL 102 9.336 63,95% 5.263 36,05% 14.599
AM 62 6.993 56,66% 5.348 43,34% 12.341
AP 16 1.796 61,17% 1.140 38,83% 2.936
BA 417 27.919 63,01% 16.388 36,99% 44.307
CE 184 19.198 61,40% 12.069 38,60% 31.267
DF 1 3.984 69,65% 1.736 30,35% 5.720
ES 78 5.963 76,54% 1.828 23,46% 7.791
GO 246 9.100 68,26% 4.231 31,74% 13.331
MA 217 18.496 63,77% 10.508 36,23% 29.004
MG 853 34.533 72,93% 12.816 27,07% 47.349
MS 79 5.085 78,42% 1.399 21,58% 6.484
MT 141 5.304 76,85% 1.598 23,15% 6.902
PA 144 16.724 63,70% 9.529 36,30% 26.253
PB 223 9.065 64,53% 4.982 35,47% 14.047
PE 185 18.592 60,60% 12.089 39,40% 30.681
PI 224 6.788 61,32% 4.282 38,68% 11.070
PR 399 15.633 74,20% 5.437 25,80% 21.070
RJ 92 18.679 60,48% 12.204 39,52% 30.883
RN 167 8.338 72,23% 3.206 27,77% 11.544
RO 52 4.005 76,27% 1.246 23,73% 5.251
RR 15 1.412 73,85% 500 26,15% 1.912
RS 497 17.968 71,79% 7.059 28,21% 25.027
SC 295 8.343 74,70% 2.825 25,30% 11.168
SE 75 5.243 64,47% 2.890 35,53% 8.133
SP 645 14.074 18,90% 60.396 81,10% 74.470
TO 139 2.768 73,77% 984 26,23% 3.752
TOTAL BRASIL 5.570 297.883 59,39% 203.723 40,61% 501.606
Fonte: Sistema BPC na Escola, Pareamento 2016 - (BPC X EducaCenso), disponib ilizado em 16/11/2016.
Relatório Quantitativo de Beneficiários por Faixa Etária

Não Inseridos na
Quantidade de Inseridos na Escola
Faixa Etária Escola
Beneficiários
Qtde. % Qtde. %
0-3 anos 29.075 5.408 18,6 23.667 81,4
4-6 anos 61.308 34.091 55,61 27.217 44,39
7-11 anos 150.170 101.818 67,8 48.352 32,2
12-14 anos 105.621 70.320 66,58 35.301 33,42
15-17 anos 116.869 68.382 58,51 48.487 41,49
18 anos 38.563 17.864 46,33 20.699 53,67
TOTAL BRASIL: 501.606 297.883 59,39% 203.723 40,61%
Fonte: resultados do Pareamento 2016 (BPC X EducaCenso) do Programa BPC na Escola.
OUTRAS INICIATIVAS

SINE Fácil – aplicativo móvel que permite ao trabalhador encontrar, de forma


prática e rápida, vagas adequadas ao seu perfil. A solução tecnológica leva ao
cidadão os serviços do Sistema Nacional de Emprego (Sine) a partir de dispositivos
conectados à internet, como celulares e tablets. Para isso é necessário obter uma
chave de acesso (QRCode) através do portal de serviços do Ministério do trabalho
https://servicos.mte.gov.br/ ou em uma agência do SINE.

Dia D – Dia de inclusão social e profissional das pessoas com deficiência e dos
reabilitados do INSS. Os objetivos são:
• Promover a inclusão das Pessoa com Deficiência (PcD) e dos beneficiários
reabilitados pela Previdência Social no mercado formal de trabalho em um dia
de atendimento exclusivo para esse público;
• Fortalecer as políticas de empregabilidade para as Pessoas com Deficiência;
• Possibilitar a aproximação entre trabalhadores com deficiência e as empresas;
• Ampliar o número de trabalhadores com deficiência inseridos no mercado
formal de trabalho.
OUTRAS INICIATIVAS

No âmbito da Lei Brasileira de Inclusão

• § 2°, art. 2° - O Poder Executivo criará instrumentos para avaliação da


deficiência;
• Art. 92. – Criação do Cadastro Nacional de Inclusão da Pessoa com Deficiência
(Cadastro-Inclusão), registro público eletrônico com a finalidade de coletar,
processar, sistematizar e disseminar informações georreferenciadas que
permitam a identificação e a caracterização socioeconômica da pessoa com
deficiência, bem como das barreiras que impedem a realização de seus direitos;
• Art. 94. – Cria o auxílio-inclusão para pessoas com deficiência moderada ou
grave que;
- receba o Benefício de Prestação Continuada e que passe a exercer
atividade remunerada que a enquadre como segurado obrigatório do RGPS;
- tenha recebido, nos últimos 5 (cinco) anos, o Benefício de Prestação
Continuada e que exerça atividade remunerada que a enquadre como segurado
obrigatório do RGPS.
OUTRAS INICIATIVAS

• Criação de Rede Intersetorial de Reabilitação Integral (Decreto n° 8.725, de


27/04/2016) – integração e à articulação permanente entre serviços e ações das
políticas de saúde, previdência social, trabalho, assistência social, educação,
entre outras políticas públicas.

Reabilitação Integral – conjunto de serviços e ações integradas de políticas públicas


que combinem atenção e assistência integrais à saúde, à reabilitação profissional e
à reinserção social, para o desenvolvimento de potencialidades, talentos,
habilidades e aptidões físicas, cognitivas, sensoriais, psicossociais, atitudinais,
profissionais e artísticas que contribuam para a conquista da autonomia da pessoa
com deficiência e de sua participação social em igualdade de condições e
oportunidades com as demais pessoas, de modo a propiciar a participação do
indivíduo nos ambientes profissional, social, cultural e familiar.

• Participação e Controle Social

- CONADE
- Conferências
Gracias!