Você está na página 1de 7

MEMORIAL DESCRITIVO E DE

CÁLCULO DO SISTEMA DE
VENTILAÇÃO MECÂNICA

Obra: xxxxxxx – Lxxx – Plaza Avenida Shopping

Página: 1/7
xxxxxxxx – SP

Sumário
Obra: COMIDA DA VÓ – L311 – Plaza Avenida Shopping.............................................................1
1 - INTRODUÇÃO.................................................................................................................................3
2 – DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA...............................................................................................3
3 – DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE VENTILAÇÃO/ EXAUSTÃO..................................................3
3.1 – SOBRE A OPERAÇÃO E INTERTRAVAMENTO DO SISTEMA DE EXAUSTÃO............4
4 – REQUISISTOS DE FABRICAÇÃO E MONTAGEM....................................................................5
4.1 – DUTOS....................................................................................................................................5
5 – MEMÓRIA DE CÁLCULO.............................................................................................................6
5.1 – CÁLCULO DE VAZÃO NAS COIFAS................................................................................6
6 – TESTES/MANUTENÇÃO..............................................................................................................7

Página: 2/7
1 - INTRODUÇÃO

O presente Memorial apresenta as informações técnicas de ordem necessárias


ao entendimento e execução dos serviços referentes ao sistema de ventilação
mecânica, assim como as Normas Técnicas utilizadas como base para a
elaboração do projeto da loja Lxxx – xxxxxxxxxxxx no Shopping xxxxxxx – São
xxxxxxx - SP.

O empreendimento localiza-se no Shopping xxxxxx, identificada como Lxxx, em


uma área de total de xxxm² e destina-se à preparação e comércio de produtos
alimentícios.

2 – DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

- NBR 14518 – Sistemas de Ventilação para Cozinhas Profissionais;

- Caderno Técnico – Shopping Iguatemi São José do Rio Preto.

- Layout e detalhes - Projeto Arquitetônico.

- Layout e detalhes - Projeto Luminotécnico

- Layout e detalhes - Projeto Elétrico.

3 – DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE VENTILAÇÃO/


EXAUSTÃO

O sistema de ventilação mecânica proposto para a cozinha será do tipo


Ventilação Local Exaustora, cujo objetivo é a captação no local da geração do
calor e contaminantes provenientes dos equipamentos de cocção, utilizando
coifas e evitando que estes se dissipem pelo ambiente. Esta captação deverá
ser feita de forma contínua, enquanto perdurar a geração de calor e
contaminantes nos equipamentos.

A ação térmica no processo de cocção dos alimentos provoca a emissão de


substâncias voláteis, que no caso caracterizam-se por partículas sólidas, névoa

Página: 3/7
de óleo, gorduras vaporizadas, vapor d’água, gases da combustão e odores,
portanto trata-se de emissões multimodais, com os agravantes de aderência e
combustibilidade. Tal caracterização determina a necessidade de tratamento
para extração destes agentes.

Para captação de ar serão utilizadas coifa do tipo lavadora para atender ao


fogão, forno, fritadeiras e grill. A coifa fará a captura das partículas de óleos e
gorduras através do efeito neblina provocado pelos bicos aspersores do sistema
de lavagem.

O sistema de lavagem das coifas lavadoras é composto por bicos instalados na


coifa que pulverizam água no fluxo gasoso produzido no processo de cocção. A
água impregnada com os elementos dos gases é coletada e direcionada para
descarte através de tubulação. Uma bomba acoplada na coifa mantém o
processo em circuito fechado e deverá permanecer em funcionamento todo o
tempo em conjunto com o exaustor.

A reposição do ar exaurido será feita através do insuflamento ar externo pelo


sistema de ventilação (descrito no projeto de ar condicionado).

As coifas contarão com sistema automático de combate a incêndio, agindo


instantaneamente à presença de fogo através de sensores e atuando nos
equipamentos de extinção e no desligamento do gás, ventiladores da
ventilação/exaustão e do fan coil.

3.1 – SOBRE A OPERAÇÃO E INTERTRAVAMENTO DO SISTEMA DE


EXAUSTÃO
Ao ser acionada a exaustão das coifas lavadoras, simultaneamente entram em
funcionamento as bombas do sistema de lavagem e o sistema de ventilação. As
bombas deverão permanecer em funcionamento em quanto permanecer a
exaustão. Ao final do expediente a caixa deverá ser drenada e reabastecida.

Na presença de fogo, o detector de fogo presente nas coifas comandarão


simultaneamente o fechamento dos dampers corta-fogo, o corte da alimentação
de gás através da válvula solenóide e parada imediata do sistema de ventilação,
exaustão e ar condicionado, assim como o acionamento do sistema de combate
à incêndios.

Serão instaladas botoeiras de emergência tipo soco, próximo às coifas, cujo


acionamento terá o mesmo efeito dos detectores de fogo, desligando todo o
sistema de ventilação, ar condicionado e gás.

Página: 4/7
4 – REQUISISTOS DE FABRICAÇÃO E MONTAGEM

4.1 – DUTOS
O sistema deverá ser fabricado/instalado por empresa idônea e com experiência
comprovada na fabricação e instalação de sistemas de exaustão, conhecimento
dos requisitos estabelecidos pela NBR-14518.

Os dutos de exaustão terão construção totalmente soldada, fabricados em


chapa de aço #16, com isolamento térmico em manta de lã de rocha de 50mm
de espessura. Será instala uma porta de inspeção no duto para permitir a
manutenção do mesmo.

A união dos dutos com a coifa deverá ser por intermédio de flanges,
perfeitamente vedados. O interior dos dutos deverá estar totalmente limpo após
a sua instalação e antes do início da operação, visto que normalmente é
executada concomitantemente à obra civil.

A conexão da rede de duto com a descarga do ventilador será através de


conexão flexível.

Os dutos de exaustão devem possuir inclinação em direção à coifa, para evitar


acúmulo de gordura dentro dos mesmos, este inclinação será de no mínimo 1%.

Página: 5/7
5 – MEMÓRIA DE CÁLCULO

5.1 – CÁLCULO DE VAZÃO NAS COIFAS

O cálculo das vazões nas coifas foi feito com base na NBR 14518, considerando
para as coifas de parede a velocidade mínima do ar na face da coifa igual a 0,4
m/s e a velocidade mínima na seção vertical, entre a coifa e o fogão igual a 0,25
m/s², para a coifa tipo ilha a velocidade mínima do ar na face da coifa igual a 0,4
m/s e a velocidade mínima na seção vertical, entre a coifa e o fogão igual a 0,25
m/s² e para as coifas dos fornos a velocidade mínima na face igual a 0,5m/s.

Os exaustores deverão ser do tipo centrífugo Limit Load, simples aspiração, de


construção metálica, com polias e motor fora do fluxo gasoso. As conexões do
exaustor aos dutos de aspiração e descarga devem ser flangeadas e
parafusadas com o uso de elementos flexíveis e incombustíveis. A carcaça do
ventilador deve ser de construção soldada em chapa de aço carbono com no
mínimo 1,37mm de espessura (#16). Ela deverá possuir porta de inspeção e
dreno. Os motores elétricos devem ser do tipo totalmente fechados com
ventilação externa (TFVE) e com grau de proteção mínimo IP 54 e classe B ou
F de isolamento elétrico, de acordo com a NBR 5410.

A tabela abaixo mostra os cálculos de vazão das coifas, sendo a coifa CL 01


uma coifa de parede e a coifa CL 02 é uma coifa com abertura apenas frontal,
possuindo a parte posterior e laterais fechadas.

Coifa CL 01 CL 02
Largura (L) 3,6 1,4
Profundidade (B) 1 1
Altura em relação ao fogão (H) 0,9 0,83
Área horizontal 3,6 1,4
Velocidade do ar (m/s) 0,4 0,4
Vazão mínima na seção horizontal (m³/s) 1,44 0,56
Área vertical 5,04 1,16
Velocidade do ar (m/s) 0,25 0,25
Vazão mínima na seção vertical (m³/s) 1,26 0,29
Vazão mínima do sistema (m³/s) 1,44 0,56
Vazão mínima do sistema (m³/h) 5184 2016

Página: 6/7
6 – TESTES/MANUTENÇÃO
As redes de ar, após a montagem definitiva na obra, deverão ser submetidas a
testes e inspeções requeridas nas normas específicas. Os equipamentos
deverão ser submetidos a ensaios de funcionamento, em vazio, com carga
nominal e com sobrecarga.

Deverão ser verificados se todos os componentes (mecânicos ou elétricos) dos


equipamentos trabalham nas condições normais de operação, definidas no
projeto, catálogos e normas técnicas aplicáveis.

O piso da casa de máquinas deverá ser perfeitamente impermeabilizado para as


manutenções e deverá ser garantido que sobre cada equipamento haja
iluminação incidente de, pelo menos, com 500 lux, incandescente. É
recomendável ter um ponto de água para facilitar o processo de limpeza dos
equipamentos.

Página: 7/7

Você também pode gostar