Você está na página 1de 6

Quando é Permitido Desistir da

Aposentadoria na Previdência.
Neste artigo o Consultor Previdenciário vai tratar de quando é
permitido desistir de uma aposentadoria concedida pela Previdência
Social, ato diferente da desaposentação que é um ato que não possui
previsão legal.

A Previdência Social considera, em sua legislação, que os benefícios de


aposentadoria por tempo de contribuição, por idade e especial são
irreversíveis e irrenunciáveis. Por essa norma o INSS indefere todos os
pedidos de desaposentação, que é o ato de desistir da aposentadoria
que vinha usufruindo para requerer outra em condições mais
favoráveis.

Observação: Em 26.10.2016 o Supremo Tribunal Federal julgou que


a desaposentação não pode ser requerida por não haver previsão legal
para validar esse ato.

A pesar da legislação previdenciária negar o direito de desistência


dosbenefícios de aposentadoria existe uma possibilidade de pedir o
cancelamento. Quando o segurado toma conhecimento que seu pedido
de aposentadoria foi aceito, porém, não concorda com os valores, ou
outro motivo qualquer, pode desistir da concessão. Para realizar esse
ato precisa comprovar cumprir os seguintes requisitos:

– fazer o pedido por escrito na agência da Previdência Social onde


obenefício foi concedido;

– anexar comprovante de que não efetuou nenhum saque das


mensalidades que, por ventura, tenham sido emitidas em seu nome;

– anexar declaração da Caixa Econômica Federal que não efetuou


saque de possível saldo existente nas contas de FGTS e PIS, sendo que
no caso do PASEP a declaração tem que ser feita pelo Banco do Brasil
e

– devolver a carta de concessão do benefício.

Observação: caso os valores das mensalidades estejam creditadas


em conta-corrente terá que requerer um guia GPS para efetuar a
devolução dos valores.
Sobre este assunto temos os artigos abaixo que constam na Instrução
Normativa INSS/PRES nº 77 de 21.01.2015 que abaixo publicamos:
Art. 800. Ressalvado o disposto no art. 688, são irreversíveis e
irrenunciáveis as aposentadorias por idade, por tempo de contribuição
e especial, após o recebimento do primeiro pagamento do benefício ou
do saque do PIS e/ou FGTS, prevalecendo o que ocorrer primeiro.

§ 1º Para efetivação do cancelamento do benefício, deverão ser


adotadas as seguintes providências:

I – solicitação, por escrito, do cancelamento da aposentadoria, por


parte do segurado;

II – bloqueio do crédito no caso de pagamento por meio de cartão


magnético ou conta-corrente ou ressarcimento através de GPS dos
valores creditados em conta-corrente até a data da efetivação do
cancelamento da aposentadoria;

III – comunicação formal da CEF/Banco do Brasil, informando se houve


o saque do FGTS ou PIS/PASEP em nome do segurado; e

IV – para empresa acordante, o segurado além de apresentar a


documentação elencada nos incisos I e III, deverá apresentar
declaração da empresa informando o não recebimento do crédito,
cabendo ao Serviço/Seção de Manutenção da Gerência Executiva a
invalidação das competências provisionadas junto ao Sistema de
Invalidação de Crédito.

§ 2º Os procedimentos disciplinados no caput e no § 1º deste artigo,


deverão ser adotados para o contribuinte individual, o facultativo e o
doméstico que ainda tenham FGTS e PIS a resgatar.

§ 3º O INSS, após o cancelamento do benefício, emitirá carta de


comunicação para a empresa, acerca da referida situação.

§ 4º Uma vez solicitado o cancelamento do benefício e adotados os


procedimentos mencionados neste artigo, o benefício não poderá ser
restabelecido.

A ressalva no caput do artigo acima, que fala do Art. 688 da mesma


Instrução Normativa, se refere aos casos em que o INSS não observou
o preceito de sempre conceder o benefício mais vantajoso para o
segurado, mesmo que este não tenha feito o pedido. Abaixo consta os
artigos que regulamentam este assunto:

Art. 687. O INSS deve conceder o melhor benefício a que o segurado


fizer jus, cabendo ao servidor orientar nesse sentido.

Art. 688. Quando, por ocasião da decisão, for identificado que estão
satisfeitos os requisitos para mais de um tipo de benefício, cabe ao
INSS oferecer ao segurado o direito de opção, mediante a
apresentação dos demonstrativos financeiros de cada um deles.

§ 1º A opção deverá ser expressa e constar nos autos.

§ 2º Nos casos previstos no caput, deverá ser observada a seguinte


disposição:

I – se os benefícios forem do mesmo grupo, conforme disposto no art.


669, a DER será mantida; e

II – se os benefícios forem de grupos distintos, e o segurado optar por


aquele que não requereu inicialmente, a DER será fixada na data da
habilitação do benefício, conforme art. 669.

Caso tenha alguma dúvida acesse o Fórum do Consultor


Previdenciário, clique na imagem abaixo, e faça sua pergunta que
será respondida o mais breve possível.

Auxílio-doença
O auxílio-doença é um benefício por incapacidade devido ao segurado do INSS acometido
por uma doença ou acidente que o torne temporariamente incapaz para o trabalho. O
empregado deve imprimir o requerimento gerado pelo sistema e levá-lo ao INSS no dia da
perícia, com carimbo e assinatura da empresa.

AGENDAR NOVO AGENDAR PRORROGAÇÃO RESULTADO DO


REQUERIMENTO DE AUXÍLIO-DOENÇA
Caso não possa comparecer à perícia médica no dia e hora marcados, você pode solicitar
a remarcação, uma única vez, até três dias antes da data agendada, comparecendo
diretamente na agência antes da data da perícia.

O pedido de prorrogação deve ser solicitado nos últimos 15 dias do benefício.


Caso não concorde com o indeferimento ou a cessação do benefício e não seja mais
possível requerer pedido de prorrogação, o segurado pode entrar com recurso à Junta de
Recursos, em até 30 dias contados a partir da data em que tomar ciência da decisão
(Portaria MDSA nº 152, de 25/08/2016).

Acesso exclusivo para empresas


 Requerer auxílio-doença (convenentes)
 Consulta benefícios por incapacidade por empresa (obrigatório cadastramento
de senha na Receita Federal)

Principais requisitos
 Possuir a carência de 12 contribuições (isenta em caso de acidente de trabalho ou
doenças previstas em lei);
 Possuir qualidade de segurado (caso tenha perdido, deverá cumprir toda a carência
novamente);
 Comprovar doença que torne o cidadão temporariamente incapaz de trabalhar;
 Caso perca a qualidade de segurado, deverá cumprir metade da carência novamente;
 Para o empregado em empresa: estar afastado do trabalho há pelo menos 15 dias
(corridos ou intercalados dentro do prazo de 60 dias).

Documentos originais e formulários necessários


 Documento de identificação válido e oficial com foto;
 Número do CPF;
 Carteira de trabalho, carnês de contribuição e outros documentos que comprovem
pagamento ao INSS;
 Documentos médicos que comprovem a causa do problema de saúde, o tratamento
médico indicado e o período sugerido de afastamento do trabalho;
 Para o empregado: declaração carimbada e assinada do empregador,
informando último dia trabalhado (se precisar, imprima o requerimento);
 Comunicação de acidente de trabalho (CAT), se for o caso;
 Para o segurado especial (trabalhador rural, lavrador, pescador): documentos
que comprovem esta situação, como declaração de sindicato, contratos de
arrendamento, documentos onde conste a sua ocupação etc.

Benefícios concedidos ou reativados por decisão judicial


O auxílio-doença concedido por decisão judicial será cessado na data fixada pelo
Judiciário ou, na ausência de fixação, em cento em vinte dias contados da data da
concessão/reativação.
Nos quinze último dias do auxílio-doença, o segurado poderá requerer a prorrogação do
benefício comparecendo em uma agência do INSS, caso ainda esteja incapaz de retornar
ao trabalho.
No dia da perícia médica para revisão de decisão judicial, será necessário apresentar os
seguintes documentos:

 documento de identificação com foto (RG ou CTPS);


 sentença/acórdão ou decisão judicial que determinou a implantação/reativação do
benefício;
 laudo médico judicial;
 toda documentação médica que disponha em relação à doença/lesão (laudos,
exames, atestados, receitas, etc.).
O benefício será cessado caso o(a) segurado(a) ou seu representante não
compareçam, nos 15 últimos dias do benefício, à uma agência do INSS para requerer
a prorrogação do benefício de auxílio-doença concedido/reativado judicialmente.

Outras informações
 Comum ou acidentário: veja a diferença entre os dois tipos de auxílio-doença;
 Ações civis públicas (ACPs) em vigor: confira as regiões com regras diferenciadas
para a concessão de auxílio-doença, por determinação judicial;
 Fim do benefício: ocorre quando o segurado recupera a capacidade ou retorna ao
trabalho;
 Data do início do pagamento: caso o pedido seja feito depois de 30 dias de
afastamento, o INSS não se responsabiliza pelo pagamento de valores retroativos;
 Cancelamento do pedido: o pedido de auxílio-doença só poderá ser cancelado na
agência do INSS em que a perícia médica foi agendada;
 Comprovação da incapacidade: deve ser realizada em perícia médica da
Previdência Social. O não comparecimento implica no indeferimento e arquivamento
do pedido.
 Solicitação de acompanhante em perícia médica: o cidadão poderá solicitar a
presença de um acompanhante (inclusive seu próprio médico) durante a realização
da perícia. Para tanto, é necessário preencher o formulário de solicitação de
acompanhante e levá-lo no dia da realização da perícia. O pedido será analisado pelo
perito médico e poderá ser negado, com a devida fundamentação, caso a presença
de terceiro possa interferir no ato pericial.

Ficou alguma dúvida?


Em caso de dúvidas, ligue para a Central de Atendimento do INSS pelo telefone 135.
O serviço está disponível de segunda a sábado, das 7h às 22h (horário de Brasília).
O atendimento da Previdência Social é simples, gratuito e dispensa intermediários.

Assuntos relacionados
 Atestado médico eletrônico
 Consultar data de perícia agendada
 Pedido de Prorrogação
 Perícia de Revisão de 2 anos
 Perícia Médica Hospitalar, Domiciliar e Trânsito
 Recurso
 Revisão
 Valor dos benefícios por incapacidade

 Rondônia – ACP n° 9715-03.2012.4.01.4100: determina a concessão provisória


dos benefícios previdenciários ou de prestação continuada, cuja espera para a
realização do exame pericial ultrapasse 30 (trinta) dias, exclusivamente para os
segurados residentes no Estado de Rondônia. (leia mais sobre a sentença).
ILUSTRÍSSIMO(a) SENHOR(a) CHEFE DA AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL –
INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

Benefício nº (informar)

Eu, (nome), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), inscrito(a) no CPF sob o nº


(informar) e no RG nº (informar), residente e domiciliado(a) à (endereço), venho por
meio deste informar que não tenho interesse em receber o benefício acima
mencionado, desistindo, portanto, do requerimento anteriormente protocolado.

Destaco que continuarei a fazer recolhimentos ao INSS para requerer, futuramente,


nova aposentadoria, posto que a ora concedida está muito abaixo dos valores
esperados.

Declaro, ainda, sob as penas da Lei, que não procedi ao saque de meu FGTS e/ ou
PIS/PASEP com base na aposentadoria ora cancelada.

Requeiro, portanto, o cancelamento do benefício mencionado.

(localidade), (dia) de (mês) de (ano).

(assinatura)
(nome)
(telefone)
(e-mail)