Você está na página 1de 133

Código de Defesa

do Consumidor
e normas correlatas

3a edição
Atualizada até janeiro de 2019
SENADO FEDERAL
Mesa
Biênio 2019 – 2020

Senador Davi Alcolumbre


PRESIDENTE

Senador Antonio Anastasia


PRIMEIRO-VICE-PRESIDENTE

Senador Lasier Martins


SEGUNDO-VICE-PRESIDENTE

Senador Sérgio Petecão


PRIMEIRO-SECRETÁRIO

Senador Eduardo Gomes


SEGUNDO-SECRETÁRIO

Senador Flávio Bolsonaro


TERCEIRO-SECRETÁRIO

Senador Luis Carlos Heinze


QUARTO-SECRETÁRIO

SUPLENTES DE SECRETÁRIO
Senador Marcos do Val
Senador Weverton
Senador Jaques Wagner
Senadora Leila Barros
Secretaria de Editoração e Publicações
Coordenação de Edições Técnicas

Código de Defesa
do Consumidor
e normas correlatas

3a edição

Brasília – 2019
Edição do Senado Federal
Diretora-Geral: Ilana Trombka
Secretário-Geral da Mesa: Luiz Fernando Bandeira de Mello Filho

Impressa na Secretaria de Editoração e Publicações


Diretor: Fabrício Ferrão Araújo

Produzida na Coordenação de Edições Técnicas


Coordenador: Aloysio de Brito Vieira

Organização, atualização e revisão técnica: Serviço de Pesquisa


Projeto gráfico, ilustrações e editoração: Serviço de Publicações Técnico-Legislativas

Atualizada até janeiro de 2019.

As normas aqui apresentadas não substituem as publicações do Diário Oficial da União.

Código de Defesa do Consumidor e normas correlatas. – 3. ed. – Brasília : Senado


Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2019.
131 p.

Conteúdo: Dispositivos constitucionais pertinentes – Normas correlatas.

ISBN: 978-85-528-0001-9 (Impresso)


ISBN: 978-85-528-0002-6 (PDF)
ISBN: 978-85-528-0003-3 (ePub)

1. Direito do consumidor, legislação, Brasil. 2. Proteção e defesa do consumidor,


legislação, Brasil. 3. Relação de consumo, Brasil.

CDDir 342.5981

Coordenação de Edições Técnicas


Senado Federal, Bloco 08, Mezanino, Setor 011
CEP: 70165-900 – Brasília, DF
E-mail: livros@senado.leg.br

Alô Senado: 0800 61 2211


Sumário

9 Apresentação

Dispositivos constitucionais pertinentes

12 Constituição da República Federativa do Brasil

Normas principais

14 Índice sistemático da Lei no 8.078/1990

15 Lei no 8.078/1990
Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências.

33 Decreto no 7.962/2013
Regulamenta a Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, para
dispor sobre a contratação no comércio eletrônico.

35 Decreto no 6.523/2008
Regulamenta a Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, para fixar normas gerais sobre o Serviço de
Atendimento ao Consumidor – SAC.

38 Decreto no 5.903/2006
Regulamenta a Lei no 10.962, de 11 de outubro de 2004, e a Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990.

41 Decreto no 2.181/1997
Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor – SNDC, estabelece as
normas gerais de aplicação das sanções administrativas previstas na Lei no 8.078, de 11 de […]
Normas correlatas

54 Lei no 13.455/2017
Dispõe sobre a diferenciação de preços de bens e serviços oferecidos ao público em função do prazo ou
do instrumento de pagamento utilizado, e altera a Lei no 10.962, de 11 de outubro de 2004.

55 Lei no 12.965/2014
Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil.

62 Lei no 12.741/2012
Dispõe sobre as medidas de esclarecimento ao consumidor, de que trata o § 5o do artigo 150 da
Constituição Federal; altera o inciso III do art. 6o e o inciso IV do art. 106 da Lei no 8.078, de 11 […]

64 Lei no 12.529/2011
Estrutura o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência; dispõe sobre a prevenção e repressão às
infrações contra a ordem econômica; altera a Lei no 8.137, de 27 de dezembro de 1990, o […]

89 Lei no 12.414/2011
Disciplina a formação e consulta a bancos de dados com informações de adimplemento, de pessoas
naturais ou de pessoas jurídicas, para formação de histórico de crédito.

93 Lei no 12.291/2010
Torna obrigatória a manutenção de exemplar do Código de Defesa do Consumidor nos
estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços.

94 Lei no 10.962/2004
Dispõe sobre a oferta e as formas de afixação de preços de produtos e serviços para o consumidor.

96 Lei no 9.870/1999
Dispõe sobre o valor total das anuidades escolares e dá outras providências.

98 Lei no 9.656/1998
Dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde.

113 Lei no 8.987/1995


Dispõe sobre o regime de concessão e permissão da prestação de serviços públicos previsto no art. 175
da Constituição Federal, e dá outras providências.

114 Lei no 8.137/1990


Define crimes contra a ordem tributária, econômica e contra as
relações de consumo, e dá outras providências.

118 Decreto-lei no 2.848/1940


Código Penal.

119 Decreto no 8.771/2016


Regulamenta a Lei no 12.965, de 23 de abril de 2014, para tratar das hipóteses admitidas de
discriminação de pacotes de dados na internet e de degradação de tráfego, indicar procedimentos […]
123 Decreto no 7.963/2013
Institui o Plano Nacional de Consumo e Cidadania e cria a
Câmara Nacional das Relações de Consumo.

127 Decreto no 4.680/2003


Regulamenta o direito à informação, assegurado pela Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, quanto
aos alimentos e ingredientes alimentares destinados ao consumo humano ou animal que […]

129 Decreto no 1.306/1994


Regulamenta o Fundo de Defesa de Direitos Difusos, de que tratam os arts. 13 e 20 da Lei no 7.347, de
24 de julho de 1985, seu Conselho Gestor e dá outras providências.
O conteúdo aqui apresentado está atualizado até a data de fechamento da edição. Eventuais
notas de rodapé trazem informações complementares acerca dos dispositivos que compõem
as normas compiladas.
Apresentação

As obras de legislação do Senado Federal visam a permitir o acesso do cidadão


à legislação em vigor relativa a temas específicos de interesse público.

Tais coletâneas incluem dispositivos constitucionais, códigos ou leis principais


sobre o tema, além de normas correlatas e acordos internacionais relevantes, a
depender do assunto. Por meio de compilação atualizada e fidedigna, apresenta-
se ao leitor um painel consistente para estudo e consulta.

O índice temático, quando apresentado, oferece verbetes com tópicos de relevo,


tornando fácil e rápida a consulta a dispositivos de interesse mais pontual.

Na Livraria Virtual do Senado (livraria.senado.leg.br), além das obras impressas


disponíveis para compra direta, o leitor encontra e-books para download
imediato e gratuito.

Sugestões e críticas podem ser registradas na página da Livraria e certamente


contribuirão para o aprimoramento de nossos livros e periódicos.

Apresentação

9
Dispositivos constitucionais
pertinentes
Constituição
da República Federativa do Brasil

������������������������������������������������������������������������������� SEÇÃO II – Das Limitações do Poder de


Tributar
TÍTULO II – Dos Direitos e Garantias
Fundamentais Art. 150.  Sem prejuízo de outras garantias as-
CAPÍTULO I – Dos Direitos e Deveres seguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos
Individuais e Coletivos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:
�������������������������������������������������������������������������������
Art. 5o  Todos são iguais perante a lei, sem dis- § 5o  A lei determinará medidas para que
tinção de qualquer natureza, garantindo-se aos os consumidores sejam esclarecidos acerca
brasileiros e aos estrangeiros residentes no País dos impostos que incidam sobre mercadorias
a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, e serviços.
à igualdade, à segurança e à propriedade, nos �������������������������������������������������������������������������������
termos seguintes:
������������������������������������������������������������������������������� TÍTULO VII – Da Ordem Econômica e
XXXII – o Estado promoverá, na forma da Financeira
lei, a defesa do consumidor; CAPÍTULO I – Dos Princípios Gerais da
������������������������������������������������������������������������������� Atividade Econômica

TÍTULO III – Da Organização do Estado Art. 170.  A ordem econômica, fundada na


������������������������������������������������������������������������������� valorização do trabalho humano e na livre ini-
ciativa, tem por fim assegurar a todos existência
CAPÍTULO II – Da União digna, conforme os ditames da justiça social,
������������������������������������������������������������������������������� observados os seguintes princípios:
�������������������������������������������������������������������������������
Art. 24.  Compete à União, aos Estados e ao V – defesa do consumidor;
Distrito Federal legislar concorrentemente so- �������������������������������������������������������������������������������
bre:
������������������������������������������������������������������������������� ATO DAS DISPOSIÇÕES
VIII – responsabilidade por dano ao meio CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS
ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de �������������������������������������������������������������������������������
valor artístico, estético, histórico, turístico e
Código de Defesa do Consumidor

paisagístico; Art. 48.  O Congresso Nacional, dentro de cen-


������������������������������������������������������������������������������� to e vinte dias da promulgação da Constituição,
elaborará código de defesa do consumidor.
TÍTULO VI – Da Tributação e do �������������������������������������������������������������������������������
Orçamento
CAPÍTULO I – Do Sistema Tributário
Nacional
�������������������������������������������������������������������������������

12
Normas principais
Índice sistemático da
Lei no 8.078/1990

15 Título I – Dos Direitos do Consumidor


15 Capítulo I – Disposições Gerais
15 Capítulo II – Da Política Nacional de Relações de Consumo
16 Capítulo III – Dos Direitos Básicos do Consumidor
16 Capítulo IV – Da Qualidade de Produtos e Serviços, da Prevenção e da Reparação dos Danos
16 Seção I – Da Proteção à Saúde e Segurança
17 Seção II – Da Responsabilidade pelo Fato do Produto e do Serviço
18 Seção III – Da Responsabilidade por Vício do Produto e do Serviço
19 Seção IV – Da Decadência e da Prescrição
20 Seção V – Da Desconsideração da Personalidade Jurídica
20 Capítulo V – Das Práticas Comerciais
20 Seção I – Das Disposições Gerais
20 Seção II – Da Oferta
21 Seção III – Da Publicidade
21 Seção IV – Das Práticas Abusivas
22 Seção V – Da Cobrança de Dívidas
22 Seção VI – Dos Bancos de Dados e Cadastros de Consumidores
23 Capítulo VI – Da Proteção Contratual
23 Seção I – Disposições Gerais
23 Seção II – Das Cláusulas Abusivas
24 Seção III – Dos Contratos de Adesão
25 Capítulo VII – Das Sanções Administrativas
26 Título II – Das Infrações Penais
28 Título III – Da Defesa do Consumidor em Juízo
28 Capítulo I – Disposições Gerais
29 Capítulo II – Das Ações Coletivas para a Defesa de Interesses Individuais Homogêneos
30 Capítulo III – Das Ações de Responsabilidade do Fornecedor de Produtos e Serviços
30 Capítulo IV – Da Coisa Julgada
31 Título IV – Do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor
31 Título V – Da Convenção Coletiva de Consumo
32 Título VI – Disposições Finais
Lei no 8.078/1990
Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA CAPÍTULO II – Da Política Nacional de


Relações de Consumo
Faço saber que o Congresso Nacional decreta
e eu sanciono a seguinte Lei:1 Art. 4o  A Política Nacional das Relações de
Consumo tem por objetivo o atendimento das
necessidades dos consumidores, o respeito à
TÍTULO I – Dos Direitos do Consumidor sua dignidade, saúde e segurança, a proteção de
CAPÍTULO I – Disposições Gerais seus interesses econômicos, a melhoria da sua
qualidade de vida, bem como a transparência e
Art. 1o  O presente Código estabelece normas harmonia das relações de consumo, atendidos
de proteção e defesa do consumidor, de ordem os seguintes princípios:
pública e interesse social, nos termos dos arts. 5o, I – reconhecimento da vulnerabilidade do
inciso XXXII, 170, inciso V, da Constituição Fe- consumidor no mercado de consumo;
deral e art. 48 de suas Disposições Transitórias. II – ação governamental no sentido de pro-
teger efetivamente o consumidor:
Art. 2o  Consumidor é toda pessoa física ou a)  por iniciativa direta;
jurídica que adquire ou utiliza produto ou ser- b)  por incentivos à criação e desenvolvimen-
viço como destinatário final. to de associações representativas;
Parágrafo único.  Equipara-se a consumidor c)  pela presença do Estado no mercado de
a coletividade de pessoas, ainda que indeter- consumo;
mináveis, que haja intervindo nas relações de d)  pela garantia dos produtos e serviços com
consumo. padrões adequados de qualidade, segurança,
durabilidade e desempenho;
Art. 3o  Fornecedor é toda pessoa física ou ju- III – harmonização dos interesses dos par-
rídica, pública ou privada, nacional ou estran- ticipantes das relações de consumo e compa-
geira, bem como os entes despersonalizados, que tibilização da proteção do consumidor com a
desenvolvem atividade de produção, montagem, necessidade de desenvolvimento econômico e
criação, construção, transformação, importação, tecnológico, de modo a viabilizar os princípios
exportação, distribuição ou comercialização de nos quais se funda a ordem econômica (art. 170,
produtos ou prestação de serviços. da Constituição Federal), sempre com base na
§ 1o  Produto é qualquer bem, móvel ou imó- boa-fé e equilíbrio nas relações entre consumi-
vel, material ou imaterial. dores e fornecedores;
§ 2o  Serviço é qualquer atividade fornecida IV – educação e informação de fornecedo-
no mercado de consumo, mediante remunera- res e consumidores, quanto aos seus direitos e
ção, inclusive as de natureza bancária, financei- deveres, com vistas à melhoria do mercado de
ra, de crédito e securitária, salvo as decorrentes consumo;
das relações de caráter trabalhista. V – incentivo à criação pelos fornecedores
Normas principais

de meios eficientes de controle de qualidade e


segurança de produtos e serviços, assim como
1
  Nota do Editor (NE): nos dispositivos que alteram de mecanismos alternativos de solução de con-
normas, suprimiram-se as alterações determinadas flitos de consumo;
uma vez que já foram incorporadas às normas às VI – coibição e repressão eficientes de todos
quais se destinam. os abusos praticados no mercado de consumo, 15
inclusive a concorrência desleal e utilização abusivas ou impostas no fornecimento de pro-
indevida de inventos e criações industriais das dutos e serviços;
marcas e nomes comerciais e signos distintivos, V – a modificação das cláusulas contratuais
que possam causar prejuízos aos consumidores; que estabeleçam prestações desproporcionais
VII – racionalização e melhoria dos serviços ou sua revisão em razão de fatos supervenientes
públicos; que as tornem excessivamente onerosas;
VIII – estudo constante das modificações do VI – a efetiva prevenção e reparação de danos
mercado de consumo. patrimoniais e morais, individuais, coletivos e
difusos;
Art. 5o  Para a execução da Política Nacional das VII – o acesso aos órgãos judiciários e admi-
Relações de Consumo, contará o poder público nistrativos com vistas à prevenção ou reparação
com os seguintes instrumentos, entre outros: de danos patrimoniais e morais, individuais,
I – manutenção de assistência jurídica, in- coletivos ou difusos, assegurada a proteção ju-
tegral e gratuita para o consumidor carente; rídica, administrativa e técnica aos necessitados;
II – instituição de Promotorias de Justiça de VIII – a facilitação da defesa de seus direitos,
Defesa do Consumidor, no âmbito do Minis- inclusive com a inversão do ônus da prova, a
tério Público; seu favor, no processo civil, quando, a critério
III – criação de delegacias de polícia espe- do juiz, for verossímil a alegação ou quando for
cializadas no atendimento de consumidores ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias
vítimas de infrações penais de consumo; de experiências;
IV – criação de Juizados Especiais de Pe- IX – (Vetado);
quenas Causas e Varas Especializadas para a X – a adequada e eficaz prestação dos serviços
solução de litígios de consumo; públicos em geral.
V – concessão de estímulos à criação e de- Parágrafo único.  A informação de que trata o
senvolvimento das Associações de Defesa do inciso III do caput deste artigo deve ser acessível
Consumidor. à pessoa com deficiência, observado o disposto
§ 1o (Vetado) em regulamento.
§ 2o (Vetado)
Art. 7o  Os direitos previstos neste Código
não excluem outros decorrentes de tratados
CAPÍTULO III – Dos Direitos Básicos do ou convenções internacionais de que o Brasil
Consumidor seja signatário, da legislação interna ordinária,
de regulamentos expedidos pelas autoridades
Art. 6o  São direitos básicos do consumidor: administrativas competentes, bem como dos
I – a proteção da vida, saúde e segurança que derivem dos princípios gerais do direito,
contra os riscos provocados por práticas no analogia, costumes e equidade.
fornecimento de produtos e serviços conside- Parágrafo único.  Tendo mais de um autor a
rados perigosos ou nocivos; ofensa, todos responderão solidariamente pela
II – a educação e divulgação sobre o consumo reparação dos danos previstos nas normas de
Código de Defesa do Consumidor

adequado dos produtos e serviços, asseguradas consumo.


a liberdade de escolha e a igualdade nas con-
tratações;
III – a informação adequada e clara sobre os CAPÍTULO IV – Da Qualidade de Produtos
diferentes produtos e serviços, com especifica- e Serviços, da Prevenção e da Reparação dos
ção correta de quantidade, características, com- Danos
posição, qualidade, tributos incidentes e preço, SEÇÃO I – Da Proteção à Saúde e Segurança
bem como sobre os riscos que apresentem;
IV – a proteção contra a publicidade engano- Art. 8o  Os produtos e serviços colocados no
sa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou mercado de consumo não acarretarão riscos à
16 desleais, bem como contra práticas e cláusulas saúde ou segurança dos consumidores, exceto
os considerados normais e previsíveis em decor- SEÇÃO II – Da Responsabilidade pelo Fato
rência de sua natureza e fruição, obrigando-se do Produto e do Serviço
os fornecedores, em qualquer hipótese, a dar
as informações necessárias e adequadas a seu Art. 12.  O fabricante, o produtor, o constru-
respeito. tor, nacional ou estrangeiro, e o importador
§ 1o  Em se tratando de produto industri- respondem, independentemente da existência
al, ao fabricante cabe prestar as informações a de culpa, pela reparação dos danos causados
que se refere este artigo, através de impressos aos consumidores por defeitos decorrentes de
apropriados que devam acompanhar o produto. projeto, fabricação, construção, montagem, fór-
§ 2o  O fornecedor deverá higienizar os equi- mulas, manipulação, apresentação ou acondi-
pamentos e utensílios utilizados no forneci- cionamento de seus produtos, bem como por
mento de produtos ou serviços, ou colocados informações insuficientes ou inadequadas sobre
à disposição do consumidor, e informar, de sua utilização e riscos.
maneira ostensiva e adequada, quando for o § 1o  O produto é defeituoso quando não
caso, sobre o risco de contaminação. oferece a segurança que dele legitimamente se
espera, levando-se em consideração as circuns-
Art. 9o  O fornecedor de produtos e serviços tâncias relevantes, entre as quais:
potencialmente nocivos ou perigosos à saúde I – sua apresentação;
ou segurança deverá informar, de maneira os- II – o uso e os riscos que razoavelmente dele
tensiva e adequada, a respeito da sua nocividade se esperam;
ou periculosidade, sem prejuízo da adoção de III – a época em que foi colocado em cir-
outras medidas cabíveis em cada caso concreto. culação.
§ 2o  O produto não é considerado defeituoso
Art. 10.  O fornecedor não poderá colocar no pelo fato de outro de melhor qualidade ter sido
mercado de consumo produto ou serviço que colocado no mercado.
sabe ou deveria saber apresentar alto grau de § 3o  O fabricante, o construtor, o produtor
nocividade ou periculosidade à saúde ou se- ou importador só não será responsabilizado
gurança. quando provar:
§ 1o  O fornecedor de produtos e serviços I – que não colocou o produto no mercado;
que, posteriormente à sua introdução no merca- II – que, embora haja colocado o produto
do de consumo, tiver conhecimento da periculo- no mercado, o defeito inexiste;
sidade que apresentem, deverá comunicar o fato III – a culpa exclusiva do consumidor ou
imediatamente às autoridades competentes e aos de terceiro.
consumidores, mediante anúncios publicitários.
§ 2o  Os anúncios publicitários a que se refere Art. 13.  O comerciante é igualmente respon-
o parágrafo anterior serão veiculados na impren- sável, nos termos do artigo anterior, quando:
sa, rádio e televisão, às expensas do fornecedor I – o fabricante, o construtor, o produtor ou
do produto ou serviço. o importador não puderem ser identificados;
§ 3o  Sempre que tiverem conhecimento de II – o produto for fornecido sem identificação
periculosidade de produtos ou serviços à saú- clara do seu fabricante, produtor, construtor ou
de ou segurança dos consumidores, a União, importador;
os Estados, o Distrito Federal e os Municípios III – não conservar adequadamente os pro-
deverão informá-los a respeito. dutos perecíveis.
Parágrafo único.  Aquele que efetivar o paga-
Normas principais

Art. 11. (Vetado) mento ao prejudicado poderá exercer o direito


de regresso contra os demais responsáveis, se-
Art. 11-A. (Vetado) gundo sua participação na causação do evento
danoso.

17
Art. 14.  O fornecedor de serviços responde, § 1o  Não sendo o vício sanado no prazo
independentemente da existência de culpa, pela máximo de trinta dias, pode o consumidor
reparação dos danos causados aos consumidores exigir, alternativamente e à sua escolha:
por defeitos relativos à prestação dos serviços, I – a substituição do produto por outro da
bem como por informações insuficientes ou mesma espécie, em perfeitas condições de uso;
inadequadas sobre sua fruição e riscos. II – a restituição imediata da quantia paga,
§ 1o  O serviço é defeituoso quando não monetariamente atualizada, sem prejuízo de
fornece a segurança que o consumidor dele eventuais perdas e danos;
pode esperar, levando-se em consideração as III – o abatimento proporcional do preço.
circunstâncias relevantes, entre as quais: § 2o  Poderão as partes convencionar a redu-
I – o modo de seu fornecimento; ção ou ampliação do prazo previsto no parágrafo
II – o resultado e os riscos que razoavelmente anterior, não podendo ser inferior a sete nem
dele se esperam; superior a cento e oitenta dias. Nos contratos de
III – a época em que foi fornecido. adesão, a cláusula de prazo deverá ser convenci-
§ 2o  O serviço não é considerado defeituoso onada em separado, por meio de manifestação
pela adoção de novas técnicas. expressa do consumidor.
§ 3o  O fornecedor de serviços só não será § 3o  O consumidor poderá fazer uso imedi-
responsabilizado quando provar: ato das alternativas do § 1o deste artigo sempre
I – que, tendo prestado o serviço, o defeito que, em razão da extensão do vício, a substitui-
inexiste; ção das partes viciadas puder comprometer a
II – a culpa exclusiva do consumidor ou de qualidade ou características do produto, dimi-
terceiro. nuir-lhe o valor ou se tratar de produto essencial.
§ 4o  A responsabilidade pessoal dos profis- § 4o  Tendo o consumidor optado pela al-
sionais liberais será apurada mediante a veri- ternativa do inciso I do § 1o deste artigo, e não
ficação de culpa. sendo possível a substituição do bem, poderá
haver substituição por outro de espécie, marca
Art. 15. (Vetado) ou modelo diversos, mediante complementação
ou restituição de eventual diferença de preço,
Art. 16. (Vetado) sem prejuízo do disposto nos incisos II e III do
§ 1o deste artigo.
Art. 17.  Para os efeitos desta Seção, equiparam- § 5o  No caso de fornecimento de produtos in
se aos consumidores todas as vítimas do evento. natura, será responsável perante o consumidor
o fornecedor imediato, exceto quando identifi-
cado claramente seu produtor.
SEÇÃO III – Da Responsabilidade por Vício § 6o  São impróprios ao uso e consumo:
do Produto e do Serviço I – os produtos cujos prazos de validade es-
tejam vencidos;
Art. 18.  Os fornecedores de produtos de con- II – os produtos deteriorados, alterados, adul-
sumo duráveis ou não duráveis respondem terados, avariados, falsificados, corrompidos,
Código de Defesa do Consumidor

solidariamente pelos vícios de qualidade ou fraudados, nocivos à vida ou à saúde, perigosos


quantidade que os tornem impróprios ou ina- ou, ainda, aqueles em desacordo com as normas
dequados ao consumo a que se destinam ou regulamentares de fabricação, distribuição ou
lhes diminuam o valor, assim como por aqueles apresentação;
decorrentes da disparidade, com as indicações III – os produtos que, por qualquer motivo, se
constantes do recipiente, da embalagem, rotu- revelem inadequados ao fim a que se destinam.
lagem ou mensagem publicitária, respeitadas as
variações decorrentes de sua natureza, podendo Art. 19.  Os fornecedores respondem solidari-
o consumidor exigir a substituição das partes amente pelos vícios de quantidade do produto
viciadas. sempre que, respeitadas as variações decorrentes
18 de sua natureza, seu conteúdo líquido for in-
ferior às indicações constantes do recipiente, Art. 22.  Os órgãos públicos, por si ou suas
da embalagem, rotulagem ou de mensagem empresas, concessionárias, permissionárias ou
publicitária, podendo o consumidor exigir, al- sob qualquer outra forma de empreendimento,
ternativamente e à sua escolha: são obrigados a fornecer serviços adequados,
I – o abatimento proporcional do preço; eficientes, seguros e, quanto aos essenciais,
II – complementação do peso ou medida; contínuos.
III – a substituição do produto por outro Parágrafo único.  Nos casos de descumpri-
da mesma espécie, marca ou modelo, sem os mento, total ou parcial, das obrigações referidas
aludidos vícios; neste artigo, serão as pessoas jurídicas compeli-
IV – a restituição imediata da quantia paga, das a cumpri-las e a reparar os danos causados,
monetariamente atualizada, sem prejuízo de na forma prevista neste Código.
eventuais perdas e danos.
§ 1o  Aplica-se a este artigo o disposto no Art. 23.  A ignorância do fornecedor sobre os
§ 4o do artigo anterior. vícios de qualidade por inadequação dos produ-
§ 2o  O fornecedor imediato será responsável tos e serviços não o exime de responsabilidade.
quando fizer a pesagem ou a medição e o ins-
trumento utilizado não estiver aferido segundo Art. 24.  A garantia legal de adequação do pro-
os padrões oficiais. duto ou serviço independe de termo expresso,
vedada a exoneração contratual do fornecedor.
Art. 20.  O fornecedor de serviços responde
pelos vícios de qualidade que os tornem im- Art. 25.  É vedada a estipulação contratual de
próprios ao consumo ou lhes diminuam o valor, cláusula que impossibilite, exonere ou atenue
assim como por aqueles decorrentes da dispari- a obrigação de indenizar prevista nesta e nas
dade com as indicações constantes da oferta ou Seções anteriores.
mensagem publicitária, podendo o consumidor § 1o  Havendo mais de um responsável pela
exigir, alternativamente e à sua escolha: causação do dano, todos responderão solida-
I – a reexecução dos serviços, sem custo adi- riamente pela reparação prevista nesta e nas
cional e quando cabível; Seções anteriores.
II – a restituição imediata da quantia paga, § 2o  Sendo o dano causado por componente
monetariamente atualizada, sem prejuízo de ou peça incorporada ao produto ou serviço,
eventuais perdas e danos; são responsáveis solidários seu fabricante,
III – o abatimento proporcional do preço. construtor ou importador e o que realizou a
§ 1o  A reexecução dos serviços poderá ser incorporação.
confiada a terceiros devidamente capacitados,
por conta e risco do fornecedor.
§ 2o  São impróprios os serviços que se mos- SEÇÃO IV – Da Decadência e da Prescrição
trem inadequados para os fins que razoavel-
mente deles se esperam, bem como aqueles Art. 26.  O direito de reclamar pelos vícios
que não atendam as normas regulamentares aparentes ou de fácil constatação caduca em:
de prestabilidade. I – trinta dias, tratando-se de fornecimento
de serviço e de produto não duráveis;
Art. 21.  No fornecimento de serviços que te- II – noventa dias, tratando-se de fornecimen-
nham por objetivo a reparação de qualquer to de serviço e de produto duráveis.
produto considerar-se-á implícita a obrigação § 1o  Inicia-se a contagem do prazo decaden-
Normas principais

do fornecedor de empregar componentes de cial a partir da entrega efetiva do produto ou do


reposição originais adequados e novos, ou que término da execução dos serviços.
mantenham as especificações técnicas do fabri- § 2o  Obstam a decadência:
cante, salvo, quanto a estes últimos, autorização I – a reclamação comprovadamente formu-
em contrário do consumidor. lada pelo consumidor perante o fornecedor
de produtos e serviços até a resposta negativa 19
correspondente, que deve ser transmitida de CAPÍTULO V – Das Práticas Comerciais
forma inequívoca; SEÇÃO I – Das Disposições Gerais
II – (Vetado);
III – a instauração de inquérito civil, até seu Art. 29.  Para os fins deste Capítulo e do se-
encerramento. guinte, equiparam-se aos consumidores todas
§ 3o  Tratando-se de vício oculto, o prazo as pessoas determináveis ou não, expostas às
decadencial inicia-se no momento em que ficar práticas nele previstas.
evidenciado o defeito.

Art. 27.  Prescreve em cinco anos a preten- SEÇÃO II – Da Oferta


são à reparação pelos danos causados por fato
do produto ou do serviço prevista na Seção Art. 30.  Toda informação ou publicidade, su-
II deste Capítulo, iniciando-se a contagem do ficientemente precisa, veiculada por qualquer
prazo a partir do conhecimento do dano e de forma ou meio de comunicação com relação a
sua autoria. produtos e serviços oferecidos ou apresentados,
Parágrafo único. (Vetado) obriga o fornecedor que a fizer veicular ou dela
se utilizar e integra o contrato que vier a ser
celebrado.
SEÇÃO V – Da Desconsideração da
Personalidade Jurídica Art. 31.  A oferta e apresentação de produtos ou
serviços devem assegurar informações corretas,
Art. 28.  O juiz poderá desconsiderar a per- claras, precisas, ostensivas e em língua portu-
sonalidade jurídica da sociedade quando, em guesa sobre suas características, qualidades,
detrimento do consumidor, houver abuso de quantidade, composição, preço, garantia, prazos
direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou de validade e origem, entre outros dados, bem
ato ilícito ou violação dos estatutos ou contrato como sobre os riscos que apresentam à saúde
social. A desconsideração também será efetivada e segurança dos consumidores.
quando houver falência, estado de insolvência, Parágrafo único.  As informações de que trata
encerramento ou inatividade da pessoa jurídica este artigo, nos produtos refrigerados ofereci-
provocados por má administração. dos ao consumidor, serão gravadas de forma
§ 1o (Vetado) indelével.
§ 2o  As sociedades integrantes dos grupos
societários e as sociedades controladas, são sub- Art. 32.  Os fabricantes e importadores deverão
sidiariamente responsáveis pelas obrigações assegurar a oferta de componentes e peças de
decorrentes deste Código. reposição enquanto não cessar a fabricação ou
§ 3o  As sociedades consorciadas são solida- importação do produto.
riamente responsáveis pelas obrigações decor- Parágrafo único.  Cessadas a produção ou
rentes deste Código. importação, a oferta deverá ser mantida por
§ 4o  As sociedades coligadas só responderão período razoável de tempo, na forma da lei.
Código de Defesa do Consumidor

por culpa.
§ 5o  Também poderá ser desconsiderada a Art. 33.  Em caso de oferta ou venda por tele-
pessoa jurídica sempre que sua personalidade fone ou reembolso postal, deve constar o nome
for, de alguma forma, obstáculo ao ressarci- do fabricante e endereço na embalagem, publi-
mento de prejuízos causados aos consumidores. cidade e em todos os impressos utilizados na
transação comercial.
Parágrafo único.  É proibida a publicidade de
bens e serviços por telefone, quando a chamada
for onerosa ao consumidor que a origina.

20
Art. 34.  O fornecedor do produto ou serviço de informar sobre dado essencial do produto
é solidariamente responsável pelos atos de seus ou serviço.
prepostos ou representantes autônomos. § 4o (Vetado)

Art. 35.  Se o fornecedor de produtos ou servi- Art. 38.  O ônus da prova da veracidade e corre-


ços recusar cumprimento à oferta, apresentação ção da informação ou comunicação publicitária
ou publicidade, o consumidor poderá, alterna- cabe a quem as patrocina.
tivamente e à sua livre escolha:
I – exigir o cumprimento forçado da obri-
gação, nos termos da oferta, apresentação ou SEÇÃO IV – Das Práticas Abusivas
publicidade;
II – aceitar outro produto ou prestação de Art. 39.  É vedado ao fornecedor de produtos
serviço equivalente; ou serviços, dentre outras práticas abusivas:2
III – rescindir o contrato, com direito à res- I – condicionar o fornecimento de produto
tituição de quantia eventualmente antecipada, ou de serviço ao fornecimento de outro produto
monetariamente atualizada, e a perdas e danos. ou serviço, bem como, sem justa causa, a limites
quantitativos;
II – recusar atendimento às demandas dos
SEÇÃO III – Da Publicidade consumidores, na exata medida de suas disponi-
bilidades de estoque, e, ainda, de conformidade
Art. 36.  A publicidade deve ser veiculada de tal com os usos e costumes;
forma que o consumidor, fácil e imediatamente, III – enviar ou entregar ao consumidor, sem
a identifique como tal. solicitação prévia, qualquer produto, ou fornecer
Parágrafo único.  O fornecedor, na publici- qualquer serviço;
dade de seus produtos ou serviços, manterá, em IV – prevalecer-se da fraqueza ou ignorân-
seu poder, para informação dos legítimos inte- cia do consumidor, tendo em vista sua idade,
ressados, os dados fáticos, técnicos e científicos saúde, conhecimento ou condição social, para
que dão sustentação à mensagem. impingir-lhe seus produtos ou serviços;
V – exigir do consumidor vantagem mani-
Art. 37.  É proibida toda publicidade enganosa festamente excessiva;
ou abusiva. VI – executar serviços sem a prévia elabo-
§ 1o  É enganosa qualquer modalidade de ração de orçamento e autorização expressa do
informação ou comunicação de caráter publici- consumidor, ressalvadas as decorrentes de práti-
tário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qual- cas anteriores entre as partes;
quer outro modo, mesmo por omissão, capaz VII – repassar informação depreciativa, re-
de induzir em erro o consumidor a respeito da ferente a ato praticado pelo consumidor no
natureza, características, qualidade, quantidade, exercício de seus direitos;
propriedades, origem, preço e quaisquer outros VIII – colocar, no mercado de consumo,
dados sobre produtos e serviços. qualquer produto ou serviço em desacordo com
§ 2o  É abusiva, dentre outras, a publicidade as normas expedidas pelos órgãos oficiais com-
discriminatória de qualquer natureza, a que petentes ou, se normas específicas não existirem,
incite à violência, explore o medo ou a supers- pela Associação Brasileira de Normas Técnicas
tição, se aproveite da deficiência de julgamento ou outra entidade credenciada pelo Conselho
e experiência da criança, desrespeita valores Nacional de Metrologia, Normalização e Qua-
Normas principais

ambientais, ou que seja capaz de induzir o con- lidade Industrial (Conmetro);


sumidor a se comportar de forma prejudicial
ou perigosa à sua saúde ou segurança.
§ 3o  Para os efeitos deste Código, a publi- 2
  NE: o inciso XI foi incluído pela Medida Provisória
cidade é enganosa por omissão quando deixar no 1.890-67/1999 e transformado em inciso XIII,
quando da conversão na Lei no 9.870/1999. 21
IX – recusar a venda de bens ou a prestação SEÇÃO V – Da Cobrança de Dívidas
de serviços, diretamente a quem se disponha a
adquiri-los mediante pronto pagamento, res- Art. 42.  Na cobrança de débitos, o consumidor
salvados os casos de intermediação regulados inadimplente não será exposto a ridículo, nem
em leis especiais; será submetido a qualquer tipo de constrangi-
X – elevar sem justa causa o preço de pro- mento ou ameaça.
dutos ou serviços; Parágrafo único.  O consumidor cobrado
XII – deixar de estipular prazo para o cum- em quantia indevida tem direito à repetição
primento de sua obrigação ou deixar a fixação do indébito, por valor igual ao dobro do que
de seu termo inicial a seu exclusivo critério; pagou em excesso, acrescido de correção mo-
XIII – aplicar fórmula ou índice de reajuste netária e juros legais, salvo hipótese de engano
diverso do legal ou contratualmente estabe- justificável.
lecido;
XIV – permitir o ingresso em estabelecimen- Art. 42-A.  Em todos os documentos de co-
tos comerciais ou de serviços de um número brança de débitos apresentados ao consumidor,
maior de consumidores que o fixado pela au- deverão constar o nome, o endereço e o número
toridade administrativa como máximo. de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas –
Parágrafo único.  Os serviços prestados e os CPF ou no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica
produtos remetidos ou entregues ao consumi- – CNPJ do fornecedor do produto ou serviço
dor, na hipótese prevista no inciso III, equipa- correspondente.
ram-se às amostras grátis, inexistindo obrigação
de pagamento.
SEÇÃO VI – Dos Bancos de Dados e
Art. 40.  O fornecedor de serviço será obrigado Cadastros de Consumidores
a entregar ao consumidor orçamento prévio
discriminando o valor da mão de obra, dos Art. 43.  O consumidor, sem prejuízo do dis-
materiais e equipamentos a serem empregados, posto no art. 86, terá acesso às informações
as condições de pagamento, bem como as datas existentes em cadastros, fichas, registros e dados
de início e término dos serviços. pessoais e de consumo arquivados sobre ele, bem
§ 1o  Salvo estipulação em contrário, o valor como sobre as suas respectivas fontes.
orçado terá validade pelo prazo de dez dias, § 1o  Os cadastros e dados de consumidores
contado de seu recebimento pelo consumidor. devem ser objetivos, claros, verdadeiros e em
§ 2o  Uma vez aprovado pelo consumidor, linguagem de fácil compreensão, não podendo
o orçamento obriga os contraentes e somente conter informações negativas referentes a perí-
pode ser alterado mediante livre negociação odo superior a cinco anos.
das partes. § 2o  A abertura de cadastro, ficha, registro
§ 3o  O consumidor não responde por quais- e dados pessoais e de consumo deverá ser co-
quer ônus ou acréscimos decorrentes da con- municada por escrito ao consumidor, quando
tratação de serviços de terceiros não previstos não solicitada por ele.
Código de Defesa do Consumidor

no orçamento prévio. § 3o  O consumidor, sempre que encontrar


inexatidão nos seus dados e cadastros, poderá
Art. 41.  No caso de fornecimento de produtos exigir sua imediata correção, devendo o arqui-
ou de serviços sujeitos ao regime de controle vista, no prazo de cinco dias úteis, comunicar
ou de tabelamento de preços, os fornecedores a alteração aos eventuais destinatários das in-
deverão respeitar os limites oficiais sob pena de, formações incorretas.
não o fazendo, responderem pela restituição da § 4o  Os bancos de dados e cadastros relati-
quantia recebida em excesso, monetariamente vos a consumidores, os serviços de proteção ao
atualizada, podendo o consumidor exigir, à crédito e congêneres são considerados entidades
sua escolha, o desfazimento do negócio, sem de caráter público.
22 prejuízo de outras sanções cabíveis.
§ 5o  Consumada a prescrição relativa à co- ou do ato de recebimento do produto ou serviço,
brança de débitos do consumidor, não serão sempre que a contratação de fornecimento de
fornecidas, pelos respectivos Sistemas de Pro- produtos e serviços ocorrer fora do estabeleci-
teção ao Crédito, quaisquer informações que mento comercial, especialmente por telefone
possam impedir ou dificultar novo acesso ao ou a domicílio.
crédito junto aos fornecedores. Parágrafo único.  Se o consumidor exercitar o
§ 6o  Todas as informações de que trata o direito de arrependimento previsto neste artigo,
caput deste artigo devem ser disponibilizadas em os valores eventualmente pagos, a qualquer títu-
formatos acessíveis, inclusive para a pessoa com lo, durante o prazo de reflexão, serão devolvidos,
deficiência, mediante solicitação do consumidor. de imediato, monetariamente atualizados.

Art. 44.  Os órgãos públicos de defesa do con- Art. 50.  A garantia contratual é complementar


sumidor manterão cadastros atualizados de à legal e será conferida mediante termo escrito.
reclamações fundamentadas contra fornecedo- Parágrafo único.  O termo de garantia ou
res de produtos e serviços, devendo divulgá-lo equivalente deve ser padronizado e esclarecer,
pública e anualmente. A divulgação indicará se a de maneira adequada, em que consiste a mesma
reclamação foi atendida ou não pelo fornecedor. garantia, bem como a forma, o prazo e o lugar
§ 1o  É facultado o acesso às informações em que pode ser exercitada e os ônus a cargo
lá constantes para orientação e consulta por do consumidor, devendo ser-lhe entregue, de-
qualquer interessado. vidamente preenchido pelo fornecedor, no ato
§ 2o  Aplicam-se a este artigo, no que couber, do fornecimento, acompanhado de manual de
as mesmas regras enunciadas no artigo anterior instrução, de instalação e uso do produto em
e as do parágrafo único do art. 22 deste Código. linguagem didática, com ilustrações.

Art. 45. (Vetado)
SEÇÃO II – Das Cláusulas Abusivas

CAPÍTULO VI – Da Proteção Contratual Art. 51.  São nulas de pleno direito, entre ou-
SEÇÃO I – Disposições Gerais tras, as cláusulas contratuais relativas ao forne-
cimento de produtos e serviços que:
Art. 46.  Os contratos que regulam as relações I – impossibilitem, exonerem ou atenuem a
de consumo não obrigarão os consumidores, responsabilidade do fornecedor por vícios de
se não lhes for dada a oportunidade de tomar qualquer natureza dos produtos e serviços ou
conhecimento prévio de seu conteúdo, ou se os impliquem renúncia ou disposição de direitos.
respectivos instrumentos forem redigidos de Nas relações de consumo entre o fornecedor e
modo a dificultar a compreensão de seu sentido o consumidor pessoa jurídica, a indenização
e alcance. poderá ser limitada, em situações justificáveis;
II – subtraiam ao consumidor a opção de
Art. 47.  As cláusulas contratuais serão inter- reembolso da quantia já paga, nos casos pre-
pretadas de maneira mais favorável ao consu- vistos neste Código;
midor. III – transfiram responsabilidades a terceiros;
IV – estabeleçam obrigações consideradas
Art. 48.  As declarações de vontade constantes iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor
de escritos particulares, recibos e pré-contratos em desvantagem exagerada, ou sejam incom-
Normas principais

relativos às relações de consumo vinculam o patíveis com a boa-fé ou a equidade;


fornecedor, ensejando inclusive execução es- V – (Vetado);
pecífica, nos termos do art. 84 e parágrafos. VI – estabeleçam inversão do ônus da prova
em prejuízo do consumidor;
Art. 49.  O consumidor pode desistir do contra- VII – determinem a utilização compulsória
to, no prazo de 7 dias a contar de sua assinatura de arbitragem; 23
VIII – imponham representante para con- Art. 52.  No fornecimento de produtos ou servi-
cluir ou realizar outro negócio jurídico pelo ços que envolva outorga de crédito ou concessão
consumidor; de financiamento ao consumidor, o fornecedor
IX – deixem ao fornecedor a opção de con- deverá, entre outros requisitos, informá-lo pré-
cluir ou não o contrato, embora obrigando o via e adequadamente sobre:
consumidor; I – preço do produto ou serviço em moeda
X – permitam ao fornecedor, direta ou in- corrente nacional;
diretamente, variação do preço de maneira II – montante dos juros de mora e da taxa
unilateral; efetiva anual de juros;
XI – autorizem o fornecedor a cancelar o III – acréscimos legalmente previstos;
contrato unilateralmente, sem que igual direito IV – número e periodicidade das prestações;
seja conferido ao consumidor; V – soma total a pagar, com e sem finan-
XII – obriguem o consumidor a ressarcir ciamento.
os custos de cobrança de sua obrigação, sem § 1o  As multas de mora decorrentes do ina-
que igual direito lhe seja conferido contra o dimplemento de obrigações no seu termo não
fornecedor; poderão ser superiores a dois por cento do valor
XIII – autorizem o fornecedor a modificar da prestação.
unilateralmente o conteúdo ou a qualidade do § 2o  É assegurado ao consumidor a liquida-
contrato, após sua celebração; ção antecipada do débito, total ou parcialmen-
XIV – infrinjam ou possibilitem a violação te, mediante redução proporcional dos juros e
de normas ambientais; demais acréscimos.
XV – estejam em desacordo com o sistema § 3o (Vetado)
de proteção ao consumidor;
XVI – possibilitem a renúncia do direito de Art. 53.  Nos contratos de compra e venda de
indenização por benfeitorias necessárias. móveis ou imóveis mediante pagamento em
§ 1o  Presume-se exagerada, entre outros prestações, bem como nas alienações fiduciárias
casos, a vantagem que: em garantia, consideram-se nulas de pleno direi-
I – ofende os princípios fundamentais do to as cláusulas que estabeleçam a perda total das
sistema jurídico a que pertence; prestações pagas em benefício do credor que, em
II – restringe direitos ou obrigações funda- razão do inadimplemento, pleitear a resolução
mentais inerentes à natureza do contrato, de do contrato e a retomada do produto alienado.
tal modo a ameaçar seu objeto ou o equilíbrio § 1o (Vetado)
contratual; § 2o  Nos contratos do sistema de consórcio
III – se mostra excessivamente onerosa para de produtos duráveis, a compensação ou a res-
o consumidor, considerando-se a natureza e tituição das parcelas quitadas, na forma deste
conteúdo do contrato, o interesse das partes e artigo, terá descontada, além da vantagem eco-
outras circunstâncias peculiares ao caso. nômica auferida com a fruição, os prejuízos que
§ 2o  A nulidade de uma cláusula contra- o desistente ou inadimplente causar ao grupo.
tual abusiva não invalida o contrato, exceto § 3o  Os contratos de que trata o caput des-
Código de Defesa do Consumidor

quando de sua ausência, apesar dos esforços de te artigo serão expressos em moeda corrente
integração, decorrer ônus excessivo a qualquer nacional.
das partes.
§ 3o (Vetado)
§ 4o  É facultado a qualquer consumidor ou SEÇÃO III – Dos Contratos de Adesão
entidade que o represente requerer ao Ministé-
rio Público que ajuíze a competente ação para Art. 54.  Contrato de adesão é aquele cujas
ser declarada a nulidade de cláusula contratual cláusulas tenham sido aprovadas pela autoridade
que contrarie o disposto neste Código ou de competente ou estabelecidas unilateralmente
qualquer forma não assegure o justo equilíbrio pelo fornecedor de produtos ou serviços, sem
24 entre direitos e obrigações das partes.
que o consumidor possa discutir ou modificar Art. 56.  As infrações das normas de defesa do
substancialmente seu conteúdo. consumidor ficam sujeitas, conforme o caso, às
§ 1o  A inserção de cláusula no formulário seguintes sanções administrativas, sem prejuízo
não desfigura a natureza de adesão do contrato. das de natureza civil, penal e das definidas em
§ 2o  Nos contratos de adesão admite-se cláu- normas específicas:
sula resolutória, desde que alternativa, cabendo I – multa;
a escolha ao consumidor, ressalvando-se o dis- II – apreensão do produto;
posto no § 2o do artigo anterior. III – inutilização do produto;
§ 3o  Os contratos de adesão escritos serão IV – cassação do registro do produto junto
redigidos em termos claros e com caracteres ao órgão competente;
ostensivos e legíveis, cujo tamanho da fonte não V – proibição de fabricação do produto;
será inferior ao corpo doze, de modo a facilitar VI – suspensão de fornecimento de produtos
sua compreensão pelo consumidor. ou serviço;
§ 4o  As cláusulas que implicarem limitação VII – suspensão temporária de atividade;
de direito do consumidor deverão ser redigidas VIII – revogação de concessão ou permissão
com destaque, permitindo sua imediata e fácil de uso;
compreensão. IX – cassação de licença do estabelecimento
§ 5o (Vetado) ou de atividade;
X – interdição, total ou parcial, de estabele-
cimento, de obra ou de atividade;
CAPÍTULO VII – Das Sanções XI – intervenção administrativa;
Administrativas XII – imposição de contrapropaganda.
Parágrafo único.  As sanções previstas neste
Art. 55.  A União, os Estados e o Distrito Fe- artigo serão aplicadas pela autoridade adminis-
deral, em caráter concorrente e nas suas respec- trativa, no âmbito de sua atribuição, podendo
tivas áreas de atuação administrativa, baixarão ser aplicadas cumulativamente, inclusive por
normas relativas à produção, industrialização, medida cautelar antecedente ou incidente de
distribuição e consumo de produtos e serviços. procedimento administrativo.
§ 1o  A União, os Estados, o Distrito Federal
e os Municípios fiscalizarão e controlarão a Art. 57.  A pena de multa, graduada de acordo
produção, industrialização, distribuição, a pu- com a gravidade da infração, a vantagem au-
blicidade de produtos e serviços e o mercado ferida e a condição econômica do fornecedor,
de consumo, no interesse da preservação da será aplicada mediante procedimento adminis-
vida, da saúde, da segurança, da informação trativo, revertendo para o Fundo de que trata a
e do bem-estar do consumidor, baixando as Lei no 7.347, de 24 de julho de 1985, os valores
normas que se fizerem necessárias. cabíveis à União, ou para os Fundos estaduais
§ 2o (Vetado) ou municipais de proteção ao consumidor nos
§ 3o  Os órgãos federais, estaduais, do Dis- demais casos.
trito Federal e municipais com atribuições para Parágrafo único.  A multa será em montante
fiscalizar e controlar o mercado de consumo não inferior a duzentas e não superior a três
manterão comissões permanentes para elabora- milhões de vezes o valor da Unidade Fiscal de
ção, revisão e atualização das normas referidas Referência (Ufir), ou índice equivalente que
no § 1o, sendo obrigatória a participação dos venha a substituí-lo.
consumidores e fornecedores.
Normas principais

§ 4o  Os órgãos oficiais poderão expedir no- Art. 58.  As penas de apreensão, de inutilização
tificações aos fornecedores para que, sob pena de produtos, de proibição de fabricação de pro-
de desobediência, prestem informações sobre dutos, de suspensão do fornecimento de produto
questões de interesse do consumidor, resguar- ou serviço, de cassação do registro do produto
dado o segredo industrial. e revogação da concessão ou permissão de uso
serão aplicadas pela administração, mediante 25
procedimento administrativo, assegurada ampla Art. 63.  Omitir dizeres ou sinais ostensivos
defesa, quando forem constatados vícios de sobre a nocividade ou periculosidade de produ-
quantidade ou de qualidade por inadequação tos, nas embalagens, nos invólucros, recipientes
ou insegurança do produto ou serviço. ou publicidade:
Pena – Detenção de seis meses a dois anos
Art. 59.  As penas de cassação de alvará de e multa.
licença, de interdição e de suspensão tempo- § 1o  Incorrerá nas mesmas penas quem dei-
rária da atividade, bem como a de intervenção xar de alertar, mediante recomendações escritas
administrativa serão aplicadas mediante pro- ostensivas, sobre a periculosidade do serviço a
cedimento administrativo, assegurada ampla ser prestado.
defesa, quando o fornecedor reincidir na prática § 2o  Se o crime é culposo:
das infrações de maior gravidade previstas neste Pena – Detenção de um a seis meses ou
Código e na legislação de consumo. multa.
§ 1o  A pena de cassação da concessão será
aplicada à concessionária de serviço público, Art. 64.  Deixar de comunicar à autoridade
quando violar obrigação legal ou contratual. competente e aos consumidores a nocividade ou
§ 2o  A pena de intervenção administrativa periculosidade de produtos cujo conhecimento
será aplicada sempre que as circunstâncias de seja posterior à sua colocação no mercado:
fato desaconselharem a cassação de licença, a Pena – Detenção de seis meses a dois anos
interdição ou suspensão da atividade. e multa.
§ 3o  Pendendo ação judicial na qual se dis- Parágrafo único.  Incorrerá nas mesmas penas
cuta a imposição de penalidade administrativa, quem deixar de retirar do mercado, imediata-
não haverá reincidência até o trânsito em jul- mente quando determinado pela autoridade
gado da sentença. competente, os produtos nocivos ou perigosos,
na forma deste artigo.
Art. 60.  A imposição de contrapropaganda
será cominada quando o fornecedor incorrer Art. 65.  Executar serviço de alto grau de pe-
na prática de publicidade enganosa ou abusiva, riculosidade, contrariando determinação de
nos termos do art. 36 e seus parágrafos, sempre autoridade competente:
às expensas do infrator. Pena – Detenção de seis meses a dois anos
§ 1o  A contrapropaganda será divulgada e multa.
pelo responsável da mesma forma, frequência § 1o  As penas deste artigo são aplicáveis sem
e dimensão e, preferencialmente no mesmo prejuízo das correspondentes à lesão corporal
veículo, local, espaço e horário, de forma capaz e à morte.
de desfazer o malefício da publicidade enganosa § 2o  A prática do disposto no inciso XIV do
ou abusiva. art. 39 desta Lei também caracteriza o crime
§ 2o (Vetado) previsto no caput deste artigo.
§ 3o (Vetado)
Art. 66.  Fazer afirmação falsa ou enganosa, ou
Código de Defesa do Consumidor

omitir informação relevante sobre a natureza,


TÍTULO II – Das Infrações Penais característica, qualidade, quantidade, segurança,
desempenho, durabilidade, preço ou garantia
Art. 61.  Constituem crimes contra as relações de produtos ou serviços:
de consumo previstas neste Código, sem prejuí- Pena – Detenção de três meses a um ano
zo do disposto no Código Penal e leis especiais, e multa.
as condutas tipificadas nos artigos seguintes. § 1o  Incorrerá nas mesmas penas quem pa-
trocinar a oferta.
Art. 62. (Vetado) § 2o  Se o crime é culposo:
Pena – Detenção de um a seis meses ou
26 multa.
Art. 67.  Fazer ou promover publicidade que Pena – Detenção de um a seis meses ou
sabe ou deveria saber ser enganosa ou abusiva: multa.
Pena – Detenção de três meses a um ano
e multa. Art. 75.  Quem, de qualquer forma, concorrer
Parágrafo único. (Vetado) para os crimes referidos neste Código incide
nas penas a esses cominadas na medida de sua
Art. 68.  Fazer ou promover publicidade que culpabilidade, bem como o diretor, adminis-
sabe ou deveria saber ser capaz de induzir o trador ou gerente da pessoa jurídica que pro-
consumidor a se comportar de forma prejudicial mover, permitir ou por qualquer modo aprovar
ou perigosa a sua saúde ou segurança: o fornecimento, oferta, exposição à venda ou
Pena – Detenção de seis meses a dois anos manutenção em depósito de produtos ou a oferta
e multa. e prestação de serviços nas condições por ele
Parágrafo único. (Vetado) proibidas.

Art. 69.  Deixar de organizar dados fáticos, Art. 76.  São circunstâncias agravantes dos
técnicos e científicos que dão base à publicidade: crimes tipificados neste Código:
Pena – Detenção de um a seis meses ou I – serem cometidos em época de grave crise
multa. econômica ou por ocasião de calamidade;
II – ocasionarem grave dano individual ou
Art. 70.  Empregar, na reparação de produtos, coletivo;
peça ou componentes de reposição usados, sem III – dissimular-se a natureza ilícita do pro-
autorização do consumidor: cedimento;
Pena – Detenção de três meses a um ano IV – quando cometidos:
e multa. a)  por servidor público, ou por pessoa cuja
condição econômico-social seja manifestamente
Art. 71.  Utilizar, na cobrança de dívidas, de superior à da vítima;
ameaça, coação, constrangimento físico ou mo- b)  em detrimento de operário ou rurícola;
ral, afirmações falsas, incorretas ou enganosas de menor de dezoito ou maior de sessenta anos
ou de qualquer outro procedimento que expo- ou de pessoas portadoras de deficiência mental,
nha o consumidor, injustificadamente, a ridículo interditadas ou não;
ou interfira com seu trabalho, descanso ou lazer: V – serem praticados em operações que en-
Pena – Detenção de três meses a um ano volvam alimentos, medicamentos ou quaisquer
e multa. outros produtos ou serviços essenciais.

Art. 72.  Impedir ou dificultar o acesso do con- Art. 77.  A pena pecuniária prevista nesta Seção
sumidor às informações que sobre ele constem será fixada em dias-multa, correspondente ao
em cadastros, banco de dados, fichas e registros: mínimo e ao máximo de dias de duração da pena
Pena – Detenção de seis meses a um ano privativa da liberdade cominada ao crime. Na
ou multa. individualização desta multa, o juiz observará
o disposto no art. 60, § 1o do Código Penal.
Art. 73.  Deixar de corrigir imediatamente
informação sobre consumidor constante de Art. 78.  Além das penas privativas de liberdade
cadastro, banco de dados, fichas ou registros e de multa, podem ser impostas, cumulativa
que sabe ou deveria saber ser inexata: ou alternadamente, observado o disposto nos
Normas principais

Pena – Detenção de um a seis meses ou arts. 44 a 47, do Código Penal:


multa. I – a interdição temporária de direitos;
II – a publicação em órgãos de comunicação
Art. 74.  Deixar de entregar ao consumidor o de grande circulação ou audiência, às expen-
termo de garantia adequadamente preenchido sas do condenado, de notícia sobre os fatos e
e com especificação clara de seu conteúdo: a condenação; 27
III – a prestação de serviços à comunidade. Art. 82.  Para os fins do art. 81, parágrafo único,
são legitimados concorrentemente:
Art. 79.  O valor da fiança, nas infrações de I – o Ministério Público;
que trata este Código, será fixado pelo juiz, ou II – a União, os Estados, os Municípios e o
pela autoridade que presidir o inquérito, entre Distrito Federal;
cem e duzentas mil vezes o valor do Bônus do III – as entidades e órgãos da Administração
Tesouro Nacional (BTN), ou índice equivalente Pública, direta ou indireta, ainda que sem per-
que venha a substituí-lo. sonalidade jurídica, especificamente destinados
Parágrafo único.  Se assim recomendar a si- à defesa dos interesses e direitos protegidos por
tuação econômica do indiciado ou réu, a fiança este Código;
poderá ser: IV – as associações legalmente constituídas
a)  reduzida até a metade de seu valor míni- há pelo menos um ano e que incluam entre
mo; seus fins institucionais a defesa dos interesses e
b)  aumentada pelo juiz até vinte vezes. direitos protegidos por este Código, dispensada
a autorização assemblear.
Art. 80.  No processo penal atinente aos cri- § 1o  O requisito da pré-constituição pode
mes previstos neste Código, bem como a outros ser dispensado pelo juiz, nas ações previstas
crimes e contravenções que envolvam relações nos arts. 91 e seguintes, quando haja manifesto
de consumo, poderão intervir, como assistentes interesse social evidenciado pela dimensão ou
do Ministério Público, os legitimados indicados característica do dano, ou pela relevância do
no art. 82, inciso III e IV, aos quais também é bem jurídico a ser protegido.
facultado propor ação penal subsidiária, se a § 2o (Vetado)
denúncia não for oferecida no prazo legal. § 3o (Vetado)

Art. 83.  Para a defesa dos direitos e interesses


TÍTULO III – Da Defesa do Consumidor em protegidos por este Código são admissíveis todas
Juízo as espécies de ações capazes de propiciar sua
CAPÍTULO I – Disposições Gerais adequada e efetiva tutela.
Parágrafo único. (Vetado)
Art. 81.  A defesa dos interesses e direitos dos
consumidores e das vítimas poderá ser exercida Art. 84.  Na ação que tenha por objeto o cum-
em juízo individualmente, ou a título coletivo. primento da obrigação de fazer ou não fazer, o
Parágrafo único.  A defesa coletiva será exer- juiz concederá a tutela específica da obrigação
cida quando se tratar de: ou determinará providências que assegurem
I – interesses ou direitos difusos, assim en- o resultado prático equivalente ao do adim-
tendidos, para efeitos deste Código, os transin- plemento.
dividuais, de natureza indivisível, de que sejam § 1o  A conversão da obrigação em perdas e
titulares pessoas indeterminadas e ligadas por danos somente será admissível se por elas optar
circunstâncias de fato; o autor ou se impossível a tutela específica ou a
Código de Defesa do Consumidor

II – interesses ou direitos coletivos, assim obtenção do resultado prático correspondente.


entendidos, para efeitos deste Código, os tran- § 2o  A indenização por perdas e danos se
sindividuais de natureza indivisível de que seja fará sem prejuízo da multa (art. 287, do Código
titular grupo, categoria ou classe de pessoas de Processo Civil).
ligadas entre si ou com a parte contrária por § 3o  Sendo relevante o fundamento da de-
uma relação jurídica base; manda e havendo justificado receio de ineficácia
III – interesses ou direitos individuais ho- do provimento final, é lícito ao juiz conceder a
mogêneos, assim entendidos os decorrentes de tutela liminarmente ou após justificação prévia,
origem comum. citado o réu.
§ 4o  O juiz poderá, na hipótese do § 3o ou na
28 sentença, impor multa diária ao réu, indepen-
dentemente de pedido do autor, se for suficiente mente sofridos, de acordo com o disposto nos
ou compatível com a obrigação, fixando prazo artigos seguintes.
razoável para o cumprimento do preceito.
§ 5o  Para a tutela específica ou para a obten- Art. 92.  O Ministério Público, se não ajuizar a
ção do resultado prático equivalente, poderá ação, atuará sempre como fiscal da lei.
o juiz determinar as medidas necessárias, tais Parágrafo único. (Vetado)
como busca e apreensão, remoção de coisas e
pessoas, desfazimento de obra, impedimento Art. 93.  Ressalvada a competência da Justiça
de atividade nociva, além de requisição de força Federal, é competente para a causa a justiça local:
policial. I – no foro do lugar onde ocorreu ou deva
ocorrer o dano, quando de âmbito local;
Art. 85. (Vetado) II – no foro da Capital do Estado ou no do
Distrito Federal, para os danos de âmbito na-
Art. 86. (Vetado) cional ou regional, aplicando-se as regras do
Código de Processo Civil aos casos de compe-
Art. 87.  Nas ações coletivas de que trata este tência concorrente.
Código não haverá adiantamento de custas,
emolumentos, honorários periciais e quaisquer Art. 94.  Proposta a ação, será publicado edital
outras despesas, nem condenação da associação no órgão oficial, a fim de que os interessados
autora, salvo comprovada má-fé, em honorários possam intervir no processo como litisconsortes,
de advogados, custas e despesas processuais. sem prejuízo de ampla divulgação pelos meios
Parágrafo único.  Em caso de litigância de de comunicação social por parte dos órgãos de
má-fé, a associação autora e os diretores res- defesa do consumidor.
ponsáveis pela propositura da ação serão soli-
dariamente condenados em honorários advo- Art. 95.  Em caso de procedência do pedido, a
catícios e ao décuplo das custas, sem prejuízo condenação será genérica, fixando a responsa-
da responsabilidade por perdas e danos. bilidade do réu pelos danos causados.

Art. 88.  Na hipótese do art. 13, parágrafo Art. 96. (Vetado)


único deste Código, a ação de regresso poderá
ser ajuizada em processo autônomo, facultada Art. 97.  A liquidação e a execução de senten-
a possibilidade de prosseguir-se nos mesmos ça poderão ser promovidas pela vítima e seus
autos, vedada a denunciação da lide. sucessores, assim como pelos legitimados de
que trata o art. 82.
Art. 89. (Vetado) Parágrafo único. (Vetado)

Art. 90.  Aplicam-se às ações previstas neste Art. 98.  A execução poderá ser coletiva, sendo
Título as normas do Código de Processo Civil e promovida pelos legitimados de que trata o
da Lei no 7.347, de 24 de julho de 1985, inclusive art. 82, abrangendo as vítimas cujas indeni-
no que respeita ao inquérito civil, naquilo que zações já tiverem sido fixadas em sentença de
não contrariar suas disposições. liquidação, sem prejuízo do ajuizamento de
outras execuções.
§ 1o  A execução coletiva far-se-á com base
CAPÍTULO II – Das Ações Coletivas para a em certidão das sentenças de liquidação, da
Normas principais

Defesa de Interesses Individuais Homogêneos qual deverá constar a ocorrência ou não do


trânsito em julgado.
Art. 91.  Os legitimados de que trata o art. 82 § 2o  É competente para a execução o juízo:
poderão propor, em nome próprio e no interesse I – da liquidação da sentença ou da ação
das vítimas ou seus sucessores, ação civil coletiva condenatória, no caso de execução individual;
de responsabilidade pelos danos individual- 29
II – da ação condenatória, quando coletiva contra o segurador, vedada a denunciação da
a execução. lide ao Instituto de Resseguros do Brasil e dis-
pensado o litisconsórcio obrigatório com este.
Art. 99.  Em caso de concurso de créditos
decorrentes de condenação prevista na Lei Art. 102.  Os legitimados a agir na forma deste
no 7.347, de 24 de julho de 1985, e de indeni- Código poderão propor ação visando compelir
zações pelos prejuízos individuais resultantes do o Poder Público competente a proibir, em todo
mesmo evento danoso, estas terão preferência o território nacional, a produção, divulgação,
no pagamento. distribuição ou venda, ou a determinar alteração
Parágrafo único.  Para efeito do disposto neste na composição, estrutura, fórmula ou acondi-
artigo, a destinação da importância recolhida ao cionamento de produto, cujo uso ou consumo
fundo criado pela Lei no 7.347, de 24 de julho regular se revele nocivo ou perigoso à saúde
de 1985, ficará sustada enquanto pendentes de pública e à incolumidade pessoal.
decisão de segundo grau as ações de indenização § 1o (Vetado)
pelos danos individuais, salvo na hipótese de § 2o (Vetado)
o patrimônio do devedor ser manifestamente
suficiente para responder pela integralidade
das dívidas. CAPÍTULO IV – Da Coisa Julgada

Art. 100.  Decorrido o prazo de um ano sem Art. 103.  Nas ações coletivas de que trata este
habilitação de interessados em número com- Código, a sentença fará coisa julgada:
patível com a gravidade do dano, poderão os I – erga omnes, exceto se o pedido for julga-
legitimados do art. 82 promover a liquidação do improcedente por insuficiência de provas,
e execução da indenização devida. hipótese em que qualquer legitimado poderá
Parágrafo único.  O produto da indenização intentar outra ação, com idêntico fundamento,
devida reverterá para o fundo criado pela Lei valendo-se de nova prova, na hipótese do inciso
no 7.347, de 24 de julho de 1985. I do parágrafo único do art. 81;
II – ultra partes, mas limitadamente ao grupo,
categoria ou classe, salvo improcedência por
CAPÍTULO III – Das Ações de insuficiência de provas, nos termos do inciso
Responsabilidade do Fornecedor de Produtos anterior, quando se tratar da hipótese prevista
e Serviços no inciso II do parágrafo único do art. 81;
III – erga omnes, apenas no caso de procedên-
Art. 101.  Na ação de responsabilidade civil do cia do pedido, para beneficiar todas as vítimas
fornecedor de produtos e serviços, sem prejuízo e seus sucessores, na hipótese do inciso III do
do disposto nos Capítulos I e II deste Título, parágrafo único do art. 81.
serão observadas as seguintes normas: § 1o  Os efeitos da coisa julgada previstos nos
I – a ação pode ser proposta no domicílio incisos I e II não prejudicarão interesses e direi-
do autor; tos individuais dos integrantes da coletividade,
Código de Defesa do Consumidor

II – o réu que houver contratado seguro de do grupo, categoria ou classe.


responsabilidade poderá chamar ao processo o § 2o  Na hipótese prevista no inciso III, em
segurador, vedada a integração do contraditório caso de improcedência do pedido, os interes-
pelo Instituto de Resseguros do Brasil. Nesta sados que não tiverem intervindo no processo
hipótese, a sentença que julgar procedente o como litisconsortes poderão propor ação de
pedido condenará o réu nos termos do art. 80 indenização a título individual.
do Código de Processo Civil. Se o réu houver § 3o  Os efeitos da coisa julgada de que cui-
sido declarado falido, o síndico será intimado da o art. 16, combinado com o art. 13 da Lei
a informar a existência de seguro de responsa- no 7.347, de 24 de julho de 1985, não prejudica-
bilidade, facultando-se, em caso afirmativo, o rão as ações de indenização por danos pessoal-
30 ajuizamento de ação de indenização diretamente mente sofridos, propostas individualmente ou
na forma prevista neste Código, mas, se proce- VI – representar ao Ministério Público com-
dente o pedido, beneficiarão as vítimas e seus petente para fins de adoção de medidas proces-
sucessores, que poderão proceder à liquidação suais no âmbito de suas atribuições;
e à execução, nos termos dos arts. 96 a 99. VII – levar ao conhecimento dos órgãos com-
§ 4o  Aplica-se o disposto no parágrafo an- petentes as infrações de ordem administrativa
terior à sentença penal condenatória. que violarem os interesses difusos, coletivos,
ou individuais dos consumidores;
Art. 104.  As ações coletivas, previstas nos in- VIII – solicitar o concurso de órgãos e enti-
cisos I e II do parágrafo único do art. 81, não dades da União, Estados, do Distrito Federal e
induzem litispendência para as ações individu- Municípios, bem como auxiliar a fiscalização de
ais, mas os efeitos da coisa julgada erga omnes preços, abastecimento, quantidade e segurança
ou ultra partes a que aludem os incisos II e III de bens e serviços;
do artigo anterior não beneficiarão os autores IX – incentivar, inclusive com recursos fi-
das ações individuais, se não for requerida sua nanceiros e outros programas especiais, a for-
suspensão no prazo de trinta dias, a contar da mação de entidades de defesa do consumidor
ciência nos autos do ajuizamento da ação co- pela população e pelos órgãos públicos estaduais
letiva. e municipais;
X – (Vetado);
XI – (Vetado);
TÍTULO IV – Do Sistema Nacional de XII – (Vetado);
Defesa do Consumidor XIII – desenvolver outras atividades compa-
tíveis com suas finalidades.
Art. 105.  Integram o Sistema Nacional de De- Parágrafo único.  Para a consecução de seus
fesa do Consumidor (SNDC) os órgãos federais, objetivos, o Departamento Nacional de Defesa
estaduais, do Distrito Federal e municipais e as do Consumidor poderá solicitar o concurso de
entidades privadas de defesa do consumidor. órgãos e entidades de notória especialização
técnico-científica.
Art. 106.  O Departamento Nacional de Defe-
sa do Consumidor, da Secretaria Nacional de
Direito Econômico (MJ), ou órgão federal que TÍTULO V – Da Convenção Coletiva de
venha substituí-lo, é organismo de coordenação Consumo
da política do Sistema Nacional de Defesa do
Consumidor, cabendo-lhe: Art. 107.  As entidades civis de consumidores
I – planejar, elaborar, propor, coordenar e as associações de fornecedores ou sindicatos
e executar a política nacional de proteção ao de categoria econômica podem regular, por
consumidor; convenção escrita, relações de consumo que te-
II – receber, analisar, avaliar e encaminhar nham por objeto estabelecer condições relativas
consultas, denúncias ou sugestões apresentadas ao preço, à qualidade, à quantidade, à garantia
por entidades representativas ou pessoas jurídi- e características de produtos e serviços, bem
cas de direito público ou privado; como à reclamação e composição do conflito
III – prestar aos consumidores orientação de consumo.
permanente sobre seus direitos e garantias; § 1o  A convenção tornar-se-á obrigatória a
IV – informar, conscientizar e motivar o partir do registro do instrumento no cartório
consumidor através dos diferentes meios de de títulos e documentos.
Normas principais

comunicação; § 2o  A convenção somente obrigará os fili-


V – solicitar à polícia judiciária a instaura- ados às entidades signatárias.
ção de inquérito policial para a apreciação de § 3o  Não se exime de cumprir a convenção o
delito contra os consumidores, nos termos da fornecedor que se desligar da entidade em data
legislação vigente; posterior ao registro do instrumento.
31
Art. 108. (Vetado) Art. 115.  Suprima-se o caput do art. 17 da
Lei no 7.347, de 24 de julho de 1985, passando
o parágrafo único a constituir o caput, com a
TÍTULO VI – Disposições Finais seguinte redação:
�������������������������������������������������������������������������������
Art. 109. (Vetado)
Art. 116.  Dê-se a seguinte redação ao art. 18
Art. 110.  Acrescente-se o seguinte inciso IV ao da Lei no 7.347, de 24 de julho de 1985:
art. 1o da Lei no 7.347, de 24 de julho de 1985: �������������������������������������������������������������������������������
�������������������������������������������������������������������������������
Art. 117.  Acrescente-se à Lei no 7.347, de 24
Art. 111.  O inciso II do art. 5 da Lei n  7.347, o o
de julho de 1985, o seguinte dispositivo, renu-
de 24 de julho de 1985, passa a ter a seguinte merando-se os seguintes:
redação: �������������������������������������������������������������������������������
�������������������������������������������������������������������������������
Art. 118.  Este Código entrará em vigor dentro
Art. 112.  O § 3o do art. 5o da Lei no 7.347, de 24 de cento e oitenta dias a contar de sua publi-
de julho de 1985, passa a ter a seguinte redação: cação.
�������������������������������������������������������������������������������
Art. 119.  Revogam-se as disposições em con-
Art. 113.  Acrescente-se os seguintes §§ 4o, 5o trário.
e 6o ao art. 5o da Lei no 7.347, de 24 de julho
de 1985: Brasília, 11 de setembro de 1990; 169o da Inde-
������������������������������������������������������������������������������� pendência e 102o da República.

Art. 114.  O art. 15 da Lei no 7.347, de 24 de FERNANDO COLLOR


julho de 1985, passa a ter a seguinte redação:
������������������������������������������������������������������������������� Promulgada em 11/9/1990, publicada no DOU de
12/9/1990 – Edição extra – e retificada no DOU de
10/1/2007.
Código de Defesa do Consumidor

32
Decreto no 7.962/2013
Regulamenta a Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, para dispor sobre a contratação no comércio
eletrônico.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da forma e prazo da execução do serviço ou da


atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso entrega ou disponibilização do produto; e
IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto VI – informações claras e ostensivas a respei-
na Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, to de quaisquer restrições à fruição da oferta.

DECRETA:1 Art. 3o  Os sítios eletrônicos ou demais meios


eletrônicos utilizados para ofertas de compras
Art. 1o  Este Decreto regulamenta a Lei no 8.078, coletivas ou modalidades análogas de contra-
de 11 de setembro de 1990, para dispor sobre a tação deverão conter, além das informações
contratação no comércio eletrônico, abrangendo previstas no art. 2o, as seguintes:
os seguintes aspectos: I – quantidade mínima de consumidores
I – informações claras a respeito do produto, para a efetivação do contrato;
serviço e do fornecedor; II – prazo para utilização da oferta pelo con-
II – atendimento facilitado ao consumidor; e sumidor; e
III – respeito ao direito de arrependimento. III – identificação do fornecedor responsável
pelo sítio eletrônico e do fornecedor do produto
Art. 2o  Os sítios eletrônicos ou demais meios ou serviço ofertado, nos termos dos incisos I
eletrônicos utilizados para oferta ou conclusão e II do art. 2o.
de contrato de consumo devem disponibilizar,
em local de destaque e de fácil visualização, as Art. 4o  Para garantir o atendimento facilitado
seguintes informações: ao consumidor no comércio eletrônico, o for-
I – nome empresarial e número de inscrição necedor deverá:
do fornecedor, quando houver, no Cadastro I – apresentar sumário do contrato antes
Nacional de Pessoas Físicas ou no Cadastro da contratação, com as informações necessá-
Nacional de Pessoas Jurídicas do Ministério rias ao pleno exercício do direito de escolha
da Fazenda; do consumidor, enfatizadas as cláusulas que
II – endereço físico e eletrônico, e demais limitem direitos;
informações necessárias para sua localização II – fornecer ferramentas eficazes ao consu-
e contato; midor para identificação e correção imediata de
III – características essenciais do produto erros ocorridos nas etapas anteriores à finali-
ou do serviço, incluídos os riscos à saúde e à zação da contratação;
segurança dos consumidores; III – confirmar imediatamente o recebimento
IV – discriminação, no preço, de quaisquer da aceitação da oferta;
despesas adicionais ou acessórias, tais como as IV – disponibilizar o contrato ao consumi-
de entrega ou seguros; dor em meio que permita sua conservação e
V – condições integrais da oferta, incluídas reprodução, imediatamente após a contratação;
Normas principais

modalidades de pagamento, disponibilidade, V – manter serviço adequado e eficaz de


atendimento em meio eletrônico, que possibi-
1
  Nota do Editor (NE): nos dispositivos que alteram lite ao consumidor a resolução de demandas
normas, suprimiram-se as alterações determinadas referentes a informação, dúvida, reclamação,
uma vez que já foram incorporadas às normas às suspensão ou cancelamento do contrato;
quais se destinam. 33
VI – confirmar imediatamente o recebimen- § 4o  O fornecedor deve enviar ao consumi-
to das demandas do consumidor referidas no dor confirmação imediata do recebimento da
inciso, pelo mesmo meio empregado pelo con- manifestação de arrependimento.
sumidor; e
VII – utilizar mecanismos de segurança efi- Art. 6o  As contratações no comércio eletrônico
cazes para pagamento e para tratamento de deverão observar o cumprimento das condições
dados do consumidor. da oferta, com a entrega dos produtos e serviços
Parágrafo único.  A manifestação do forne- contratados, observados prazos, quantidade,
cedor às demandas previstas no inciso V do qualidade e adequação.
caput será encaminhada em até cinco dias ao
consumidor. Art. 7o  A inobservância das condutas descritas
neste Decreto ensejará aplicação das sanções
Art. 5o  O fornecedor deve informar, de forma previstas no art. 56 da Lei no 8.078, de 1990.
clara e ostensiva, os meios adequados e eficazes
para o exercício do direito de arrependimento Art. 8o  O Decreto no 5.903, de 20 de setem-
pelo consumidor. bro de 2006, passa a vigorar com as seguintes
§ 1o  O consumidor poderá exercer seu direi- alterações:
to de arrependimento pela mesma ferramenta �������������������������������������������������������������������������������
utilizada para a contratação, sem prejuízo de
outros meios disponibilizados. Art. 9o  Este Decreto entra em vigor sessenta
§ 2o  O exercício do direito de arrependimen- dias após a data de sua publicação.
to implica a rescisão dos contratos acessórios,
sem qualquer ônus para o consumidor. Brasília, 15 de março de 2013; 192o da Indepen-
§ 3o  O exercício do direito de arrependi- dência e 125o da República.
mento será comunicado imediatamente pelo
fornecedor à instituição financeira ou à adminis- DILMA ROUSSEFF
tradora do cartão de crédito ou similar, para que:
I – a transação não seja lançada na fatura do Decretado em 15/3/2013 e publicado no DOU de
consumidor; ou 15/3/2013 – Edição extra.
II – seja efetivado o estorno do valor, caso o
lançamento na fatura já tenha sido realizado.
Código de Defesa do Consumidor

34
Decreto no 6.523/2008
Regulamenta a Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, para fixar normas gerais sobre o Serviço
de Atendimento ao Consumidor – SAC.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da Art. 4o  O SAC garantirá ao consumidor, no


atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, primeiro menu eletrônico, as opções de contato
da Constituição, e tendo em vista o disposto na com o atendente, de reclamação e de cancela-
Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, mento de contratos e serviços.
§ 1o  A opção de contatar o atendimento
DECRETA: pessoal constará de todas as subdivisões do
menu eletrônico.
Art. 1o  Este Decreto regulamenta a Lei no 8.078, § 2o  O consumidor não terá a sua ligação
de 11 de setembro de 1990, e fixa normas gerais finalizada pelo fornecedor antes da conclusão
sobre o Serviço de Atendimento ao Consumidor do atendimento.
– SAC por telefone, no âmbito dos fornecedo- § 3o  O acesso inicial ao atendente não será
res de serviços regulados pelo Poder Público condicionado ao prévio fornecimento de dados
federal, com vistas à observância dos direitos pelo consumidor.
básicos do consumidor de obter informação § 4o  Regulamentação específica tratará do
adequada e clara sobre os serviços que contra- tempo máximo necessário para o contato di-
tar e de manter-se protegido contra práticas reto com o atendente, quando essa opção for
abusivas ou ilegais impostas no fornecimento selecionada.
desses serviços.
Art. 5o  O SAC estará disponível, ininterrup-
tamente, durante vinte e quatro horas por dia
CAPÍTULO I – Do Âmbito da Aplicação e sete dias por semana, ressalvado o disposto
em normas específicas.
Art. 2o  Para os fins deste Decreto, compreende-
se por SAC o serviço de atendimento telefônico Art. 6o  O acesso das pessoas com deficiência
das prestadoras de serviços regulados que te- auditiva ou de fala será garantido pelo SAC, em
nham como finalidade resolver as demandas caráter preferencial, facultado à empresa atribuir
dos consumidores sobre informação, dúvida, número telefônico específico para este fim.
reclamação, suspensão ou cancelamento de
contratos e de serviços. Art. 7o  O número do SAC constará de forma
Parágrafo único.  Excluem-se do âmbito de clara e objetiva em todos os documentos e ma-
aplicação deste Decreto a oferta e a contratação teriais impressos entregues ao consumidor no
de produtos e serviços realizadas por telefone. momento da contratação do serviço e durante
o seu fornecimento, bem como na página ele-
trônica da empresa na INTERNET.
CAPÍTULO II – Da Acessibilidade do Parágrafo único.  No caso de empresa ou gru-
Serviço po empresarial que oferte serviços conjuntamen-
Normas principais

te, será garantido ao consumidor o acesso, ainda


Art. 3o  As ligações para o SAC serão gratuitas que por meio de diversos números de telefone,
e o atendimento das solicitações e demandas a canal único que possibilite o atendimento de
previsto neste Decreto não deverá resultar em demanda relativa a qualquer um dos serviços
qualquer ônus para o consumidor. oferecidos.
35
CAPÍTULO III – Da Qualidade do CAPÍTULO IV – Do Acompanhamento de
Atendimento Demandas

Art. 8o  O SAC obedecerá aos princípios da Art. 15.  Será permitido o acompanhamento


dignidade, boa-fé, transparência, eficiência, pelo consumidor de todas as suas demandas
eficácia, celeridade e cordialidade. por meio de registro numérico, que lhe será
informado no início do atendimento.
Art. 9o  O atendente, para exercer suas funções § 1o  Para fins do disposto no caput, será uti-
no SAC, deve ser capacitado com as habilidades lizada sequência numérica única para identificar
técnicas e procedimentais necessárias para rea- todos os atendimentos.
lizar o adequado atendimento ao consumidor, § 2o  O registro numérico, com data, hora
em linguagem clara. e objeto da demanda, será informado ao con-
sumidor e, se por este solicitado, enviado por
Art. 10.  Ressalvados os casos de reclamação e correspondência ou por meio eletrônico, a cri-
de cancelamento de serviços, o SAC garantirá tério do consumidor.
a transferência imediata ao setor competente § 3o  É obrigatória a manutenção da grava-
para atendimento definitivo da demanda, caso ção das chamadas efetuadas para o SAC, pelo
o primeiro atendente não tenha essa atribuição. prazo mínimo de noventa dias, durante o qual
§ 1o  A transferência dessa ligação será efe- o consumidor poderá requerer acesso ao seu
tivada em até sessenta segundos. conteúdo.
§ 2o  Nos casos de reclamação e cancelamento § 4o  O registro eletrônico do atendimen-
de serviço, não será admitida a transferência da to será mantido à disposição do consumidor
ligação, devendo todos os atendentes possuir e do órgão ou entidade fiscalizadora por um
atribuições para executar essas funções. período mínimo de dois anos após a solução
§ 3o  O sistema informatizado garantirá ao da demanda.
atendente o acesso ao histórico de demandas
do consumidor. Art. 16.  O consumidor terá direito de acesso
ao conteúdo do histórico de suas demandas, que
Art. 11.  Os dados pessoais do consumidor se- lhe será enviado, quando solicitado, no prazo
rão preservados, mantidos em sigilo e utilizados máximo de setenta e duas horas, por correspon-
exclusivamente para os fins do atendimento. dência ou por meio eletrônico, a seu critério.

Art. 12.  É vedado solicitar a repetição da de-


manda do consumidor após seu registro pelo CAPÍTULO V – Do Procedimento para a
primeiro atendente. Resolução de Demandas

Art. 13.  O sistema informatizado deve ser Art. 17.  As informações solicitadas pelo con-
programado tecnicamente de modo a garantir sumidor serão prestadas imediatamente e suas
a agilidade, a segurança das informações e o reclamações, resolvidas no prazo máximo de
Código de Defesa do Consumidor

respeito ao consumidor. cinco dias úteis a contar do registro.


§ 1o  O consumidor será informado sobre a
Art. 14.  É vedada a veiculação de mensagens resolução de sua demanda e, sempre que solici-
publicitárias durante o tempo de espera para o tar, ser-lhe-á enviada a comprovação pertinente
atendimento, salvo se houver prévio consenti- por correspondência ou por meio eletrônico, a
mento do consumidor. seu critério.
§ 2o  A resposta do fornecedor será clara e
objetiva e deverá abordar todos os pontos da
demanda do consumidor.
§ 3o  Quando a demanda versar sobre serviço
36 não solicitado ou cobrança indevida, a cobrança
será suspensa imediatamente, salvo se o forne- previstas no art. 56 da Lei no 8.078, de 1990,
cedor indicar o instrumento por meio do qual o sem prejuízo das constantes dos regulamentos
serviço foi contratado e comprovar que o valor específicos dos órgãos e entidades reguladoras.
é efetivamente devido.
Art. 20.  Os órgãos competentes, quando ne-
cessário, expedirão normas complementares
CAPÍTULO VI – Do Pedido de e específicas para execução do disposto neste
Cancelamento do Serviço Decreto.

Art. 18.  O SAC receberá e processará imedia- Art. 21.  Os direitos previstos neste Decreto não
tamente o pedido de cancelamento de serviço excluem outros, decorrentes de regulamentações
feito pelo consumidor. expedidas pelos órgãos e entidades reguladores,
§ 1o  O pedido de cancelamento será permi- desde que mais benéficos para o consumidor.
tido e assegurado ao consumidor por todos os
meios disponíveis para a contratação do serviço. Art. 22.  Este Decreto entra em vigor em 1o de
§ 2o  Os efeitos do cancelamento serão ime- dezembro de 2008.
diatos à solicitação do consumidor, ainda que o
seu processamento técnico necessite de prazo, Brasília, 31 de julho de 2008; 187o da Indepen-
e independe de seu adimplemento contratual. dência e 120o da República.
§ 3o  O comprovante do pedido de cancela-
mento será expedido por correspondência ou LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
por meio eletrônico, a critério do consumidor.
Decretado em 31/7/2008 e publicado no DOU de
1o/8/2008.
CAPÍTULO VII – Das Disposições Finais

Art. 19.  A inobservância das condutas descri-


tas neste Decreto ensejará aplicação das sanções

Normas principais

37
Decreto no 5.903/2006
Regulamenta a Lei no 10.962, de 11 de outubro de 2004, e a Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da Parágrafo único.  No caso de outorga de


atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, crédito, como nas hipóteses de financiamento
da Constituição, e tendo em vista o disposto na ou parcelamento, deverão ser também discri-
Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, e na Lei minados:
no 10.962, de 11 de outubro de 2004, I – o valor total a ser pago com financia-
mento;
DECRETA: II – o número, periodicidade e valor das
prestações;
Art. 1 o  Este Decreto regulamenta a Lei III – os juros; e
no 10.962, de 11 de outubro de 2004, e dispõe IV – os eventuais acréscimos e encargos que
sobre as práticas infracionais que atentam con- incidirem sobre o valor do financiamento ou
tra o direito básico do consumidor de obter parcelamento.
informação adequada e clara sobre produtos
e serviços, previstas na Lei no 8.078, de 11 de Art. 4o  Os preços dos produtos e serviços
setembro de 1990. expostos à venda devem ficar sempre visíveis
aos consumidores enquanto o estabelecimento
Art. 2o  Os preços de produtos e serviços deve- estiver aberto ao público.
rão ser informados adequadamente, de modo Parágrafo único.  A montagem, rearranjo
a garantir ao consumidor a correção, clareza, ou limpeza, se em horário de funcionamento,
precisão, ostensividade e legibilidade das infor- deve ser feito sem prejuízo das informações
mações prestadas. relativas aos preços de produtos ou serviços
§ 1o  Para efeito do disposto no caput deste expostos à venda.
artigo, considera-se:
I – correção, a informação verdadeira que Art. 5o  Na hipótese de afixação de preços de
não seja capaz de induzir o consumidor em erro; bens e serviços para o consumidor, em vitrines
II – clareza, a informação que pode ser en- e no comércio em geral, de que trata o inciso I
tendida de imediato e com facilidade pelo con- do art. 2o da Lei no 10.962, de 2004, a etiqueta ou
sumidor, sem abreviaturas que dificultem a sua similar afixada diretamente no produto exposto
compreensão, e sem a necessidade de qualquer à venda deverá ter sua face principal voltada ao
interpretação ou cálculo; consumidor, a fim de garantir a pronta visualiza-
III – precisão, a informação que seja exata, ção do preço, independentemente de solicitação
definida e que esteja física ou visualmente li- do consumidor ou intervenção do comerciante.
Código de Defesa do Consumidor

gada ao produto a que se refere, sem nenhum Parágrafo único.  Entende-se como similar
embaraço físico ou visual interposto; qualquer meio físico que esteja unido ao pro-
IV – ostensividade, a informação que seja de duto e gere efeitos visuais equivalentes aos da
fácil percepção, dispensando qualquer esforço etiqueta.
na sua assimilação; e
V – legibilidade, a informação que seja visível Art. 6o  Os preços de bens e serviços para o
e indelével. consumidor nos estabelecimentos comerciais de
que trata o inciso II do art. 2o da Lei no 10.962,
Art. 3o  O preço de produto ou serviço deverá de 2004, admitem as seguintes modalidades
ser informado discriminando-se o total à vista. de afixação:
38 I – direta ou impressa na própria embalagem;
II – de código referencial; ou e a distância que os separa, demonstrando gra-
III – de código de barras. ficamente o cumprimento da distância máxima
§ 1o  Na afixação direta ou impressão na pró- fixada neste artigo.
pria embalagem do produto, será observado o
disposto no art. 5o deste Decreto. Art. 8o  A modalidade de relação de preços de
§ 2o  A utilização da modalidade de afixação produtos expostos e de serviços oferecidos aos
de código referencial deverá atender às seguintes consumidores somente poderá ser empregada
exigências: quando for impossível o uso das modalidades
I – a relação dos códigos e seus respecti- descritas nos arts. 5o e 6o deste Decreto.
vos preços devem estar visualmente unidos § 1o  A relação de preços de produtos ou
e próximos dos produtos a que se referem, e serviços expostos à venda deve ter sua face
imediatamente perceptível ao consumidor, sem principal voltada ao consumidor, de forma a
a necessidade de qualquer esforço ou desloca- garantir a pronta visualização do preço, inde-
mento de sua parte; e pendentemente de solicitação do consumidor
II – o código referencial deve estar fisicamen- ou intervenção do comerciante.
te ligado ao produto, em contraste de cores e § 2o  A relação de preços deverá ser também
em tamanho suficientes que permitam a pronta afixada, externamente, nas entradas de restau-
identificação pelo consumidor. rantes, bares, casas noturnas e similares.
§ 3o  Na modalidade de afixação de código
de barras, deverão ser observados os seguintes Art. 9o  Configuram infrações ao direito bási-
requisitos: co do consumidor à informação adequada e
I – as informações relativas ao preço à vista, clara sobre os diferentes produtos e serviços,
características e código do produto deverão estar sujeitando o infrator às penalidades previstas
a ele visualmente unidas, garantindo a pronta na Lei no 8.078, de 1990, as seguintes condutas:
identificação pelo consumidor; I – utilizar letras cujo tamanho não seja uni-
II – a informação sobre as características do forme ou dificulte a percepção da informação,
item deve compreender o nome, quantidade e considerada a distância normal de visualização
demais elementos que o particularizem; e do consumidor;
III – as informações deverão ser disponibi- II – expor preços com as cores das letras e
lizadas em etiquetas com caracteres ostensivos do fundo idêntico ou semelhante;
e em cores de destaque em relação ao fundo. III – utilizar caracteres apagados, rasurados
ou borrados;
Art. 7o  Na hipótese de utilização do código IV – informar preços apenas em parcelas,
de barras para apreçamento, os fornecedores obrigando o consumidor ao cálculo do total;
deverão disponibilizar, na área de vendas, para V – informar preços em moeda estrangeira,
consulta de preços pelo consumidor, equipa- desacompanhados de sua conversão em moeda
mentos de leitura ótica em perfeito estado de corrente nacional, em caracteres de igual ou
funcionamento. superior destaque;
§ 1o  Os leitores óticos deverão ser indicados VI – utilizar referência que deixa dúvida
por cartazes suspensos que informem a sua quanto à identificação do item ao qual se refere;
localização. VII – atribuir preços distintos para o mesmo
§ 2o  Os leitores óticos deverão ser dispostos item; e
na área de vendas, observada a distância máxima VIII – expor informação redigida na vertical
de quinze metros entre qualquer produto e a ou outro ângulo que dificulte a percepção.
Normas principais

leitora ótica mais próxima.


§ 3o  Para efeito de fiscalização, os fornecedo- Art. 10.  A aplicação do disposto neste Decre-
res deverão prestar as informações necessárias to dar-se-á sem prejuízo de outras normas de
aos agentes fiscais mediante disponibilização de controle incluídas na competência de demais
croqui da área de vendas, com a identificação órgãos e entidades federais.
clara e precisa da localização dos leitores óticos 39
Parágrafo único.  O disposto nos arts. 2o, 3o Brasília, 20 de setembro de 2006; 185o da Inde-
e 9 deste Decreto aplica-se às contratações no
o
pendência e 118o da República.
comércio eletrônico.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Art. 11.  Este Decreto entra em vigor noventa
dias após sua publicação. Decretado em 20/9/2006 e publicado no DOU de
21/9/2006.
Código de Defesa do Consumidor

40
Decreto no 2.181/1997
Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor – SNDC, estabelece as
normas gerais de aplicação das sanções administrativas previstas na Lei no 8.078, de 11 de setembro
de 1990, revoga o Decreto no 861, de 9 julho de 1993, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da IV – informar, conscientizar e motivar o con-


atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, sumidor, por intermédio dos diferentes meios
da Constituição, e tendo em vista o disposto na de comunicação;
Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, V – solicitar à polícia judiciária a instauração
de inquérito para apuração de delito contra o
DECRETA: consumidor, nos termos da legislação vigente;
VI – representar ao Ministério Público
Art. 1o  Fica organizado o Sistema Nacional de competente, para fins de adoção de medidas
Defesa do Consumidor – SNDC e estabelecidas processuais, penais e civis, no âmbito de suas
as normas gerais de aplicação das sanções ad- atribuições;
ministrativas, nos termos da Lei no 8.078, de 11 VII – levar ao conhecimento dos órgãos com-
de setembro de 1990. petentes as infrações de ordem administrativa
que violarem os interesses difusos, coletivos ou
individuais dos consumidores;
CAPÍTULO I – Do Sistema Nacional de VIII – solicitar o concurso de órgãos e enti-
Defesa do Consumidor dades da União, dos Estados, do Distrito Federal
e dos Municípios, bem como auxiliar na fisca-
Art. 2o  Integram o SNDC a Secretaria Nacional lização de preços, abastecimento, quantidade e
do Consumidor do Ministério da Justiça e os segurança de produtos e serviços;
demais órgãos federais, estaduais, do Distrito IX – incentivar, inclusive com recursos finan-
Federal, municipais e as entidades civis de defesa ceiros e outros programas especiais, a criação de
do consumidor. órgãos públicos estaduais e municipais de defesa
do consumidor e a formação, pelos cidadãos, de
entidades com esse mesmo objetivo;
CAPÍTULO II – Da Competência dos X – fiscalizar e aplicar as sanções administra-
Órgãos Integrantes do SNDC tivas previstas na Lei no 8.078, de 1990, e em ou-
tras normas pertinentes à defesa do consumidor;
Art. 3o  Compete à Secretaria Nacional do Con- XI – solicitar o concurso de órgãos e entidades
sumidor do Ministério da Justiça, a coordenação de notória especialização técnico-científica para
da política do Sistema Nacional de Defesa do a consecução de seus objetivos;
Consumidor, cabendo-lhe: XII – celebrar convênios e termos de ajusta-
I – planejar, elaborar, propor, coordenar e mento de conduta, na forma do § 6o do art. 5o
executar a política nacional de proteção e defesa da Lei no 7.347, de 24 de julho de 1985;
do consumidor; XIII – elaborar e divulgar o cadastro nacional
II – receber, analisar, avaliar e apurar con- de reclamações fundamentadas contra fornece-
Normas principais

sultas e denúncias apresentadas por entidades dores de produtos e serviços, a que se refere o
representativas ou pessoas jurídicas de direito art. 44 da Lei no 8.078, de 1990;
público ou privado ou por consumidores in- XIV – desenvolver outras atividades compa-
dividuais; tíveis com suas finalidades.
III – prestar aos consumidores orientação
permanente sobre seus direitos e garantias; 41
Art. 4o  No âmbito de sua jurisdição e com- e direitos protegidos pelo Código de Defesa do
petência, caberá ao órgão estadual, do Distrito Consumidor poderão celebrar compromissos
Federal e municipal de proteção e defesa do de ajustamento de conduta às exigências legais,
consumidor, criado, na forma da lei, especifi- nos termos do § 6o do art. 5o da Lei no 7.347, de
camente para este fim, exercitar as atividades 1985, na órbita de suas respectivas competências.
contidas nos incisos II a XII do art. 3o deste § 1o  A celebração de termo de ajustamento
Decreto e, ainda: de conduta não impede que outro, desde que
I – planejar, elaborar, propor, coordenar e mais vantajoso para o consumidor, seja lavrado
executar a política estadual, do Distrito Federal por quaisquer das pessoas jurídicas de direito
e municipal de proteção e defesa do consumidor, público integrantes do SNDC.
nas suas respectivas áreas de atuação; § 2o  A qualquer tempo, o órgão subscritor
II – dar atendimento aos consumidores, pro- poderá, diante de novas informações ou se as-
cessando, regularmente, as reclamações funda- sim as circunstâncias o exigirem, retificar ou
mentadas; complementar o acordo firmado, determinando
III – fiscalizar as relações de consumo; outras providências que se fizerem necessárias,
IV – funcionar, no processo administrativo, sob pena de invalidade imediata do ato, dando-
como instância de instrução e julgamento, no se seguimento ao procedimento administrativo
âmbito de sua competência, dentro das regras eventualmente arquivado.
fixadas pela Lei no 8.078, de 1990, pela legislação § 3o  O compromisso de ajustamento conterá,
complementar e por este Decreto; entre outras, cláusulas que estipulem condições
V – elaborar e divulgar anualmente, no âmbi- sobre:
to de sua competência, o cadastro de reclamações I – obrigação do fornecedor de adequar sua
fundamentadas contra fornecedores de produtos conduta às exigências legais, no prazo ajustado;
e serviços, de que trata o art. 44 da Lei no 8.078, II – pena pecuniária, diária, pelo descum-
de 1990 e remeter cópia à Secretaria Nacional do primento do ajustado, levando-se em conta os
Consumidor do Ministério da Justiça; seguintes critérios:
VI – desenvolver outras atividades compatí- a)  o valor global da operação investigada;
veis com suas finalidades. b)  o valor do produto ou serviço em questão;
c)  os antecedentes do infrator;
Art. 5o  Qualquer entidade ou órgão da Admi- d)  a situação econômica do infrator;
nistração Pública, federal, estadual e municipal, III – ressarcimento das despesas de investi-
destinado à defesa dos interesses e direitos do gação da infração e instrução do procedimento
consumidor, tem, no âmbito de suas respectivas administrativo.
competências, atribuição para apurar e punir § 4o  A celebração do compromisso de ajus-
infrações a este Decreto e à legislação das rela- tamento suspenderá o curso do processo ad-
ções de consumo. ministrativo, se instaurado, que somente será
Parágrafo único.  Se instaurado mais de um arquivado após atendidas todas as condições
processo administrativo por pessoas jurídicas estabelecidas no respectivo termo.
de direito público distintas, para apuração de
Código de Defesa do Consumidor

infração decorrente de um mesmo fato impu- Art. 7o  Compete aos demais órgãos públicos
tado ao mesmo fornecedor, eventual conflito federais, estaduais, do Distrito Federal e muni-
de competência será dirimido pela Secretaria cipais que passarem a integrar o SNDC fiscali-
Nacional do Consumidor, que poderá ouvir zar as relações de consumo, no âmbito de sua
a Comissão Nacional Permanente de Defesa competência, e autuar, na forma da legislação, os
do Consumidor – CNPDC, levando sempre responsáveis por práticas que violem os direitos
em consideração a competência federativa para do consumidor.
legislar sobre a respectiva atividade econômica.
Art. 8o  As entidades civis de proteção e de-
Art. 6o  As entidades e órgãos da Administra- fesa do consumidor, legalmente constituídas,
42 ção Pública destinados à defesa dos interesses poderão:
I – encaminhar denúncias aos órgãos públicos II – recusar atendimento às demandas dos
de proteção e defesa do consumidor, para as consumidores na exata medida de sua disponi-
providências legais cabíveis; bilidade de estoque e, ainda, de conformidade
II – representar o consumidor em juízo, ob- com os usos e costumes;
servado o disposto no inciso IV do art. 82 da III – recusar, sem motivo justificado, atendi-
Lei no 8.078, de 1990; mento à demanda dos consumidores de serviços;
III – exercer outras atividades correlatas. IV – enviar ou entregar ao consumidor qual-
quer produto ou fornecer qualquer serviço, sem
solicitação prévia;
CAPÍTULO III – Da Fiscalização, das V – prevalecer-se da fraqueza ou ignorância
Práticas Infrativas e das Penalidades do consumidor, tendo em vista sua idade, saúde,
Administrativas conhecimento ou condição social, para impingir-
SEÇÃO I – Da Fiscalização lhe seus produtos ou serviços;
VI – exigir do consumidor vantagem mani-
Art. 9o  A fiscalização das relações de consu- festamente excessiva;
mo de que tratam a Lei no 8.078, de 1990, este VII – executar serviços sem a prévia ela-
Decreto e as demais normas de defesa do con- boração de orçamento e autorização expressa
sumidor será exercida em todo o território na- do consumidor, ressalvadas as decorrentes de
cional pela Secretaria Nacional do Consumidor práticas anteriores entre as partes;
do Ministério da Justiça, pelos órgãos federais VIII – repassar informação depreciativa
integrantes do Sistema Nacional de Defesa do referente a ato praticado pelo consumidor no
Consumidor, pelos órgãos conveniados com a exercício de seus direitos;
Secretaria e pelos órgãos de proteção e defesa IX – colocar, no mercado de consumo, qual-
do consumidor criados pelos Estados, Distrito quer produto ou serviço:
Federal e Municípios, em suas respectivas áreas a)  em desacordo com as normas expedidas
de atuação e competência. pelos órgãos oficiais competentes, ou, se nor-
mas específicas não existirem, pela Associação
Art. 10.  A fiscalização de que trata este Decreto Brasileira de Normas Técnicas – ABNT ou outra
será efetuada por agentes fiscais, oficialmente entidade credenciada pelo Conselho Nacional
designados, vinculados aos respectivos órgãos de Metrologia, Normalização e Qualidade In-
de proteção e defesa do consumidor, no âmbito dustrial – CONMETRO;
federal, estadual, do Distrito Federal e municipal, b)  que acarrete riscos à saúde ou à segurança
devidamente credenciados mediante Cédula dos consumidores e sem informações ostensivas
de Identificação Fiscal, admitida a delegação e adequadas;
mediante convênio. c)  em desacordo com as indicações constan-
tes do recipiente, da embalagem, da rotulagem ou
Art. 11.  Sem exclusão da responsabilidade dos mensagem publicitária, respeitadas as variações
órgãos que compõem o SNDC, os agentes de decorrentes de sua natureza;
que trata o artigo anterior responderão pelos d)  impróprio ou inadequado ao consumo
atos que praticarem quando investidos da ação a que se destina ou que lhe diminua o valor;
fiscalizadora. X – deixar de reexecutar os serviços, quando
cabível, sem custo adicional;
XI – deixar de estipular prazo para o cum-
SEÇÃO II – Das Práticas Infrativas primento de sua obrigação ou deixar a fixação
Normas principais

ou variação de seu termo inicial a seu exclusivo


Art. 12.  São consideradas práticas infrativas: critério.
I – condicionar o fornecimento de produto
ou serviço ao fornecimento de outro produto Art. 13.  Serão consideradas, ainda, práticas
ou serviço, bem como, sem justa causa, a limites infrativas, na forma dos dispositivos da Lei
quantitativos; no 8.078, de 1990: 43
I – ofertar produtos ou serviços sem as in- IX – submeter o consumidor inadimplente a
formações corretas, claras, precisas e ostensivas, ridículo ou a qualquer tipo de constrangimento
em língua portuguesa, sobre suas características, ou ameaça;
qualidade, quantidade, composição, preço, con- X – impedir ou dificultar o acesso gratuito
dições de pagamento, juros, encargos, garantia, do consumidor às informações existentes em
prazos de validade e origem, entre outros dados cadastros, fichas, registros de dados pessoais e
relevantes; de consumo, arquivados sobre ele, bem como
II – deixar de comunicar à autoridade com- sobre as respectivas fontes;
petente a periculosidade do produto ou serviço, XI – elaborar cadastros de consumo com
quando do lançamento dos mesmos no mercado dados irreais ou imprecisos;
de consumo, ou quando da verificação posterior XII – manter cadastros e dados de consumi-
da existência do risco; dores com informações negativas, divergentes
III – deixar de comunicar aos consumidores, da proteção legal;
por meio de anúncios publicitários, a periculo- XIIII – deixar de comunicar, por escrito, ao
sidade do produto ou serviço, quando do lan- consumidor a abertura de cadastro, ficha, re-
çamento dos mesmos no mercado de consumo, gistro de dados pessoais e de consumo, quando
ou quando da verificação posterior da existência não solicitada por ele;
do risco; XIV – deixar de corrigir, imediata e gratuita-
IV – deixar de reparar os danos causados mente, a inexatidão de dados e cadastros, quando
aos consumidores por defeitos decorrentes de solicitado pelo consumidor;
projetos, fabricação, construção, montagem, ma- XV – deixar de comunicar ao consumidor, no
nipulação, apresentação ou acondicionamento prazo de cinco dias úteis, as correções cadastrais
de seus produtos ou serviços, ou por informa- por ele solicitadas;
ções insuficientes ou inadequadas sobre a sua XVI – impedir, dificultar ou negar, sem justa
utilização e risco; causa, o cumprimento das declarações cons-
V – deixar de empregar componentes de re- tantes de escritos particulares, recibos e pré-
posição originais, adequados e novos, ou que contratos concernentes às relações de consumo;
mantenham as especificações técnicas do fabri- XVII – omitir em impressos, catálogos ou
cante, salvo se existir autorização em contrário comunicações, impedir, dificultar ou negar a
do consumidor; desistência contratual, no prazo de até sete dias
VI – deixar de cumprir a oferta, publicitária a contar da assinatura do contrato ou do ato
ou não, suficientemente precisa, ressalvada a de recebimento do produto ou serviço, sempre
incorreção retificada em tempo hábil ou exclu- que a contratação ocorrer fora do estabeleci-
sivamente atribuível ao veículo de comunicação, mento comercial, especialmente por telefone
sem prejuízo, inclusive nessas duas hipóteses, ou a domicílio;
do cumprimento forçado do anunciado ou do XVIII – impedir, dificultar ou negar a devo-
ressarcimento de perdas e danos sofridos pelo lução dos valores pagos, monetariamente atu-
consumidor, assegurado o direito de regresso do alizados, durante o prazo de reflexão, em caso
anunciante contra seu segurador ou responsável de desistência do contrato pelo consumidor;
Código de Defesa do Consumidor

direto; XIX – deixar de entregar o termo de garantia,


VII – omitir, nas ofertas ou vendas eletrôni- devidamente preenchido com as informações
cas, por telefone ou reembolso postal, o nome previstas no parágrafo único do art. 50 da Lei
e endereço do fabricante ou do importador na no 8.078, de 1990;
embalagem, na publicidade e nos impressos XX – deixar, em contratos que envolvam
utilizados na transação comercial; vendas a prazo ou com cartão de crédito, de
VIII – deixar de cumprir, no caso de forneci- informar por escrito ao consumidor, prévia e
mento de produtos e serviços, o regime de preços adequadamente, inclusive nas comunicações
tabelados, congelados, administrados, fixados publicitárias, o preço do produto ou do serviço
ou controlados pelo Poder Público; em moeda corrente nacional, o montante dos
44 juros de mora e da taxa efetiva anual de juros,
os acréscimos legal e contratualmente previstos, da informação ou comunicação publicitária cabe
o número e a periodicidade das prestações e, a quem as patrocina.
com igual destaque, a soma total a pagar, com
ou sem financiamento; Art. 15.  Estando a mesma empresa sendo acio-
XXI – deixar de assegurar a oferta de compo- nada em mais de um Estado federado pelo mes-
nentes e peças de reposição, enquanto não cessar mo fato gerador de prática infrativa, a autoridade
a fabricação ou importação do produto, e, caso máxima do sistema estadual poderá remeter o
cessadas, de manter a oferta de componentes processo ao órgão coordenador do SNDC, que
e peças de reposição por período razoável de apurará o fato e aplicará as sanções respectivas.
tempo, nunca inferior à vida útil do produto
ou serviço; Art. 16.  Nos casos de processos administrativos
XXII – propor ou aplicar índices ou formas em trâmite em mais de um Estado, que envolvam
de reajuste alternativos, bem como fazê-lo em interesses difusos ou coletivos, a Secretaria Na-
desacordo com aquele que seja legal ou contra- cional do Consumidor poderá avocá-los, ouvida
tualmente permitido; a Comissão Nacional Permanente de Defesa
XXIII – recusar a venda de produto ou a do Consumidor, e as autoridades máximas dos
prestação de serviços, publicamente ofertados, sistemas estaduais.
diretamente a quem se dispõe a adquiri-los me-
diante pronto pagamento, ressalvados os casos Art. 17.  As práticas infrativas classificam-se em:
regulados em leis especiais; I – leves: aquelas em que forem verificadas
XXIV – deixar de trocar o produto impróprio, somente circunstâncias atenuantes;
inadequado, ou de valor diminuído, por outro da II – graves: aquelas em que forem verificadas
mesma espécie, em perfeitas condições de uso, circunstâncias agravantes.
ou de restituir imediatamente a quantia paga,
devidamente corrigida, ou fazer abatimento
proporcional do preço, a critério do consumidor. SEÇÃO III – Das Penalidades
Administrativas
Art. 14.  É enganosa qualquer modalidade de
informação ou comunicação de caráter publici- Art. 18.  A inobservância das normas contidas
tário inteira ou parcialmente falsa, ou, por qual- na Lei no 8.078, de 1990, e das demais normas
quer outro modo, mesmo por omissão, capaz de defesa do consumidor constituirá prática
de induzir a erro o consumidor a respeito da infrativa e sujeitará o fornecedor às seguintes
natureza, características, qualidade, quantidade, penalidades, que poderão ser aplicadas isolada
propriedade, origem, preço e de quaisquer outros ou cumulativamente, inclusive de forma cautelar,
dados sobre produtos ou serviços. antecedente ou incidente no processo adminis-
§ 1o  É enganosa, por omissão, a publicidade trativo, sem prejuízo das de natureza cível, penal
que deixar de informar sobre dado essencial do e das definidas em normas específicas:
produto ou serviço a ser colocado à disposição I – multa;
dos consumidores. II – apreensão do produto;
§ 2o  É abusiva, entre outras, a publicidade III – inutilização do produto;
discriminatória de qualquer natureza, que incite IV – cassação do registro do produto junto
à violência, explore o medo ou a superstição, ao órgão competente;
se aproveite da deficiência de julgamento e da V – proibição de fabricação do produto;
inexperiência da criança, desrespeite valores am- VI – suspensão de fornecimento de produtos
Normas principais

bientais, seja capaz de induzir o consumidor a se ou serviços;


comportar de forma prejudicial ou perigosa à sua VII – suspensão temporária de atividade;
saúde ou segurança, ou que viole normas legais VIII – revogação de concessão ou permissão
ou regulamentares de controle da publicidade. de uso;
§ 3o  O ônus da prova da veracidade (não IX – cassação de licença do estabelecimento
enganosidade) e da correção (não abusividade) ou de atividade; 45
X – interdição, total ou parcial, de estabele- prietário, responsável, preposto ou empregado
cimento, de obra ou de atividade; que responda pelo gerenciamento do negócio,
XI – intervenção administrativa; nomeado fiel depositário, mediante termo pró-
XII – imposição de contrapropaganda. prio, proibida a venda, utilização, substituição,
§ 1o  Responderá pela prática infrativa, su- subtração ou remoção, total ou parcial, dos re-
jeitando-se às sanções administrativas previstas feridos bens.
neste Decreto, quem por ação ou omissão lhe § 2o  A retirada de produto por parte da au-
der causa, concorrer para sua prática ou dela toridade fiscalizadora não poderá incidir sobre
se beneficiar. quantidade superior àquela necessária à reali-
§ 2o  As penalidades previstas neste artigo zação da análise pericial.
serão aplicadas pelos órgãos oficiais integrantes
do SNDC, sem prejuízo das atribuições do órgão Art. 22.  Será aplicada multa ao fornecedor de
normativo ou regulador da atividade, na forma produtos ou serviços que, direta ou indireta-
da legislação vigente. mente, inserir, fizer circular ou utilizar-se de
§ 3o  As penalidades previstas nos incisos III cláusula abusiva, qualquer que seja a modalidade
a XI deste artigo sujeitam-se a posterior con- do contrato de consumo, inclusive nas opera-
firmação pelo órgão normativo ou regulador ções securitárias, bancárias, de crédito direto
da atividade, nos limites de sua competência. ao consumidor, depósito, poupança, mútuo ou
financiamento, e especialmente quando:
Art. 19.  Toda pessoa física ou jurídica que fizer I – impossibilitar, exonerar ou atenuar a
ou promover publicidade enganosa ou abusiva responsabilidade do fornecedor por vícios de
ficará sujeita à pena de multa, cumulada com qualquer natureza dos produtos e serviços ou
aquelas previstas no artigo anterior, sem pre- implicar renúncia ou disposição de direito do
juízo da competência de outros órgãos admi- consumidor;
nistrativos. II – deixar de reembolsar ao consumidor
Parágrafo único.  Incide também nas penas a quantia já paga, nos casos previstos na Lei
deste artigo o fornecedor que: no 8.078, de 1990;
a)  deixar de organizar ou negar aos legíti- III – transferir responsabilidades a terceiros;
mos interessados os dados fáticos, técnicos e IV – estabelecer obrigações consideradas
científicos que dão sustentação à mensagem iníquas ou abusivas, que coloquem o consumi-
publicitária; dor em desvantagem exagerada, incompatíveis
b)  veicular publicidade de forma que o com a boa-fé ou a equidade;
consumidor não possa, fácil e imediatamente, V – estabelecer inversão do ônus da prova
identificá-la como tal. em prejuízo do consumidor;
VI – determinar a utilização compulsória
Art. 20.  Sujeitam-se à pena de multa os órgãos de arbitragem;
públicos que, por si ou suas empresas concessi- VII – impuser representante para concluir ou
onárias, permissionárias ou sob qualquer outra realizar outro negócio jurídico pelo consumidor;
forma de empreendimento, deixarem de fornecer VIII – deixar ao fornecedor a opção de con-
Código de Defesa do Consumidor

serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto cluir ou não o contrato, embora obrigando o
aos essenciais, contínuos. consumidor;
IX – permitir ao fornecedor, direta ou indi-
Art. 21.  A aplicação da sanção prevista no in- retamente, variação unilateral do preço, juros,
ciso II do art. 18 terá lugar quando os produtos encargos, forma de pagamento ou atualização
forem comercializados em desacordo com as monetária;
especificações técnicas estabelecidas em legis- X – autorizar o fornecedor a cancelar o con-
lação própria, na Lei no 8.078, de 1990, e neste trato unilateralmente, sem que igual direito seja
Decreto. conferido ao consumidor, ou permitir, nos con-
§ 1o  Os bens apreendidos, a critério da au- tratos de longa duração ou de trato sucessivo,
46 toridade, poderão ficar sob a guarda do pro-
o cancelamento sem justa causa e motivação, utilização de tipos de letra e cores diferenciados,
mesmo que dada ao consumidor a mesma opção; entre outros recursos gráficos e visuais;
XI – obrigar o consumidor a ressarcir os cus- XXIII – que impeça a troca de produto im-
tos de cobrança de sua obrigação, sem que igual próprio, inadequado, ou de valor diminuído, por
direito lhe seja conferido contra o fornecedor; outro da mesma espécie, em perfeitas condições
XII – autorizar o fornecedor a modificar de uso, ou a restituição imediata da quantia paga,
unilateralmente o conteúdo ou a qualidade do devidamente corrigida, ou fazer abatimento
contrato após sua celebração; proporcional do preço, a critério do consumidor.
XIII – infringir normas ambientais ou pos- Parágrafo único.  Dependendo da gravidade
sibilitar sua violação; da infração prevista nos incisos dos arts. 12,
XIV – possibilitar a renúncia ao direito de 13 e deste artigo, a pena de multa poderá ser
indenização por benfeitorias necessárias; cumulada com as demais previstas no art. 18,
XV – restringir direitos ou obrigações funda- sem prejuízo da competência de outros órgãos
mentais à natureza do contrato, de tal modo a administrativos.
ameaçar o seu objeto ou o equilíbrio contratual;
XVI – onerar excessivamente o consumidor, Art. 23.  Os serviços prestados e os produtos
considerando-se a natureza e o conteúdo do remetidos ou entregues ao consumidor, na hi-
contrato, o interesse das partes e outras circuns- pótese prevista no inciso IV do art. 12 deste
tâncias peculiares à espécie; Decreto, equiparam-se às amostras grátis, ine-
XVII – determinar, nos contratos de compra xistindo obrigação de pagamento.
e venda mediante pagamento em prestações, ou
nas alienações fiduciárias em garantia, a perda Art. 24.  Para a imposição da pena e sua gra-
total das prestações pagas, em benefício do cre- dação, serão considerados:
dor que, em razão do inadimplemento, pleitear I – as circunstâncias atenuantes e agravantes;
a resilição do contrato e a retomada do produto II – os antecedentes do infrator, nos termos
alienado, ressalvada a cobrança judicial de perdas do art. 28 deste Decreto.
e danos comprovadamente sofridos;
XVIII – anunciar, oferecer ou estipular pa- Art. 25.  Consideram-se circunstâncias ate-
gamento em moeda estrangeira, salvo nos casos nuantes:
previstos em lei; I – a ação do infrator não ter sido fundamental
XIX – cobrar multas de mora superiores a para a consecução do fato;
dois por cento, decorrentes do inadimplemento II – ser o infrator primário;
de obrigação no seu termo, conforme o dispos- III – ter o infrator adotado as providências
to no § 1o do art. 52 da Lei no 8.078, de 1990, pertinentes para minimizar ou de imediato re-
com a redação dada pela Lei no 9.298, de 1o de parar os efeitos do ato lesivo.
agosto de 1996;
XX – impedir, dificultar ou negar ao consu- Art. 26.  Consideram-se circunstâncias agra-
midor a liquidação antecipada do débito, total vantes:
ou parcialmente, mediante redução proporci- I – ser o infrator reincidente;
onal dos juros, encargos e demais acréscimos, II – ter o infrator, comprovadamente, co-
inclusive seguro; metido a prática infrativa para obter vantagens
XXI – fizer constar do contrato alguma das indevidas;
cláusulas abusivas a que se refere o art. 56 deste III – trazer a prática infrativa consequências
Decreto; danosas à saúde ou à segurança do consumidor;
Normas principais

XXII – elaborar contrato, inclusive o de IV – deixar o infrator, tendo conhecimento do


adesão, sem utilizar termos claros, caracteres ato lesivo, de tomar as providências para evitar
ostensivos e legíveis, que permitam sua imediata ou mitigar suas consequências;
e fácil compreensão, destacando-se as cláusulas V – ter o infrator agido com dolo;
que impliquem obrigação ou limitação dos direi- VI – ocasionar a prática infrativa dano cole-
tos contratuais do consumidor, inclusive com a tivo ou ter caráter repetitivo; 47
VII – ter a prática infrativa ocorrido em detri- Consumo, com a defesa dos direitos básicos do
mento de menor de dezoito ou maior de sessenta consumidor e com a modernização administrati-
anos ou de pessoas portadoras de deficiência va dos órgãos públicos de defesa do consumidor,
física, mental ou sensorial, interditadas ou não; após aprovação pelo respectivo Conselho Gestor,
VIII – dissimular-se a natureza ilícita do ato em cada unidade federativa.
ou atividade;
IX – ser a conduta infrativa praticada apro- Art. 31.  Na ausência de Fundos municipais, os
veitando-se o infrator de grave crise econômica recursos serão depositados no Fundo do respec-
ou da condição cultural, social ou econômica da tivo Estado e, faltando este, no Fundo federal.
vítima, ou, ainda, por ocasião de calamidade. Parágrafo único.  O Conselho Federal Gestor
do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos poderá
Art. 27.  Considera-se reincidência a repetição apreciar e autorizar recursos para projetos espe-
de prática infrativa, de qualquer natureza, às ciais de órgãos e entidades federais, estaduais e
normas de defesa do consumidor, punida por municipais de defesa do consumidor.
decisão administrativa irrecorrível.
Parágrafo único.  Para efeito de reincidência, Art. 32.  Na hipótese de multa aplicada pelo
não prevalece a sanção anterior, se entre a data órgão coordenador do SNDC nos casos previstos
da decisão administrativa definitiva e aquela da pelo art. 15 deste Decreto, o Conselho Federal
prática posterior houver decorrido período de Gestor do FDD restituirá aos fundos dos Estados
tempo superior a cinco anos. envolvidos o percentual de até oitenta por cento
do valor arrecadado.
Art. 28.  Observado o disposto no art. 24 deste
Decreto pela autoridade competente, a pena de
multa será fixada considerando-se a gravidade CAPÍTULO V – Do Processo Administrativo
da prática infrativa, a extensão do dano causado SEÇÃO I – Das Disposições Gerais
aos consumidores, a vantagem auferida com o
ato infrativo e a condição econômica do infrator, Art. 33.  As práticas infrativas às normas de
respeitados os parâmetros estabelecidos no pa- proteção e defesa do consumidor serão apura-
rágrafo único do art. 57 da Lei no 8.078, de 1990. das em processo administrativo, que terá início
mediante:
I – ato, por escrito, da autoridade competente;
CAPÍTULO IV – Da Destinação da Multa e I – lavratura de auto de infração;
da Administração dos Recursos III – reclamação.
§ 1o  Antecedendo à instauração do processo
Art. 29.  A multa de que trata o inciso I do administrativo, poderá a autoridade competente
art. 56 e caput do art. 57 da Lei no 8.078, de abrir investigação preliminar, cabendo, para
1990, reverterá para o Fundo pertinente à pessoa tanto, requisitar dos fornecedores informações
jurídica de direito público que impuser a sanção, sobre as questões investigados, resguardado o
gerido pelo respectivo Conselho Gestor. segredo industrial, na forma do disposto no § 4o
Código de Defesa do Consumidor

Parágrafo único.  As multas arrecadadas pela do art. 55 da Lei no 8.078, de 1990.


União e órgãos federais reverterão para o Fundo § 2o  A recusa à prestação das informações ou
de Direitos Difusos de que tratam a Lei no 7.347, o desrespeito às determinações e convocações
de 1985, e Lei no 9.008, de 21 de março de 1995, dos órgãos do SNDC caracterizam desobediên-
gerido pelo Conselho Federal Gestor do Fundo cia, na forma do art. 330 do Código Penal, fi-
de Defesa dos Direitos Difusos – CFDD. cando a autoridade administrativa com poderes
para determinar a imediata cessação da prática,
Art. 30.  As multas arrecadadas serão destinadas além da imposição das sanções administrativas
ao financiamento de projetos relacionados com e civis cabíveis.
os objetivos da Política Nacional de Relações de
48
SEÇÃO II – Da Reclamação Art. 36.  Os Autos de Infração, de Apreensão e
o Termo de Depósito serão lavrados pelo agente
Art. 34.  O consumidor poderá apresentar sua autuante que houver verificado a prática infra-
reclamação pessoalmente, ou por telegrama, tiva, preferencialmente no local onde foi com-
carta, telex, fac-símile ou qualquer outro meio provada a irregularidade.
de comunicação, a quaisquer dos órgãos oficiais
de proteção e defesa do consumidor. Art. 37.  Os Autos de Infração, de Apreensão e
o Termo de Depósito serão lavrados em impres-
so próprio, composto de três vias, numeradas
SEÇÃO III – Dos Autos de Infração, de tipograficamente.
Apreensão e do Termo de Depósito § 1o  Quando necessário, para comprovação
de infração, os Autos serão acompanhados de
Art. 35.  Os Autos de infração, de Apreensão e laudo pericial.
o Termo de Depósito deverão ser impressos, nu- § 2o  Quando a verificação do defeito ou ví-
merados em série e preenchidos de forma clara cio relativo à qualidade, oferta e apresentação
e precisa, sem entrelinhas, rasuras ou emendas, de produtos não depender de perícia, o agente
mencionando: competente consignará o fato no respectivo Auto.
I – o Auto de Infração:
a)  o local, a data e a hora da lavratura; Art. 38.  A assinatura nos Autos de Infração, de
b)  o nome, o endereço e a qualificação do Apreensão e no Termo de Depósito, por parte do
autuado; autuado, ao receber cópias dos mesmos, constitui
c)  a descrição do fato ou do ato constitutivo notificação, sem implicar confissão, para os fins
da infração; do art. 44 do presente Decreto.
d)  o dispositivo legal infringido; Parágrafo único.  Em caso de recusa do autua-
e)  a determinação da exigência e a intima- do em assinar os Autos de Infração, de Apreensão
ção para cumpri-la ou impugná-la no prazo de e o Termo de Depósito, o Agente competente
dez dias; consignará o fato nos Autos e no Termo, reme-
f)  a identificação do agente autuante, sua tendo-os ao autuado por via postal, com Aviso
assinatura, a indicação do seu cargo ou função de Recebimento (AR) ou outro procedimento
e o número de sua matrícula; equivalente, tendo os mesmos efeitos do caput
g)  a designação do órgão julgador e o res- deste artigo.
pectivo endereço;
h)  a assinatura do autuado;
II – o Auto de Apreensão e o Termo de De- SEÇÃO IV – Da Instauração do Processo
pósito: Administrativo por Ato de Autoridade
a)  o local, a data e a hora da lavratura; Competente
b)  o nome, o endereço e a qualificação do
depositário; Art. 39.  O processo administrativo de que trata
c)  a descrição e a quantidade dos produtos o art. 33 deste Decreto poderá ser instaurado
apreendidos; mediante reclamação do interessado ou por
d)  as razões e os fundamentos da apreensão; iniciativa da própria autoridade competente.
e)  o local onde o produto ficará armazenado; Parágrafo único.  Na hipótese de a investiga-
f)  a quantidade de amostra colhida para ção preliminar não resultar em processo admi-
análise; nistrativo com base em reclamação apresentada
Normas principais

g)  a identificação do agente autuante, sua por consumidor, deverá este ser informado so-
assinatura, a indicação do seu cargo ou função bre as razões do arquivamento pela autoridade
e o número de sua matrícula; competente.
h)  a assinatura do depositário;
i)  as proibições contidas no § 1o do art. 21 Art. 40.  O processo administrativo, na forma
deste Decreto. deste Decreto, deverá, obrigatoriamente, conter: 49
I – a identificação do infrator; III – as razões de fato e de direito que fun-
II – a descrição do fato ou ato constitutivo damentam a impugnação;
da infração; IV – as provas que lhe dão suporte.
III – os dispositivos legais infringidos;
IV – a assinatura da autoridade competente. Art. 45.  Decorrido o prazo da impugnação, o
órgão julgador determinará as diligências ca-
Art. 41.  A autoridade administrativa poderá bíveis, podendo dispensar as meramente pro-
determinar, na forma de ato próprio, constatação telatórias ou irrelevantes, sendo-lhe facultado
preliminar da ocorrência de prática presumida. requisitar do infrator, de quaisquer pessoas físi-
cas ou jurídicas, órgãos ou entidades públicas
as necessárias informações, esclarecimentos ou
SEÇÃO V – Da Notificação documentos, a serem apresentados no prazo
estabelecido.
Art. 42.  A autoridade competente expedirá
notificação ao infrator, fixando o prazo de dez Art. 46.  A decisão administrativa conterá re-
dias, a contar da data de seu recebimento, para latório dos fatos, o respectivo enquadramento
apresentar defesa, na forma do art. 44 deste legal e, se condenatória, a natureza e gradação
Decreto. da pena.
§ 1o  A notificação, acompanhada de cópia § 1o  A autoridade administrativa competente,
da inicial do processo administrativo a que se antes de julgar o feito, apreciará a defesa e as
refere o art. 40, far-se-á: provas produzidas pelas partes, não estando
I – pessoalmente ao infrator, seu mandatário vinculada ao relatório de sua consultoria jurídica
ou preposto; ou órgão similar, se houver.
II – por carta registrada ao infrator, seu man- § 2o  Julgado o processo e fixada a multa,
datário ou preposto, com Aviso de Recebimento será o infrator notificado para efetuar seu re-
(AR). colhimento no prazo de dez dias ou apresentar
§ 2o  Quando o infrator, seu mandatário ou recurso.
preposto não puder ser notificado, pessoalmente § 3o  Em caso de provimento do recurso, os
ou por via postal, será feita a notificação por valores recolhidos serão devolvidos ao recorrente
edital, a ser afixado nas dependências do órgão na forma estabelecida pelo Conselho Gestor
respectivo, em lugar público, pelo prazo de dez do Fundo.
dias, ou divulgado, pelo menos uma vez, na
imprensa oficial ou em jornal de circulação local. Art. 47.  Quando a cominação prevista for a
contrapropaganda, o processo poderá ser ins-
truído com indicações técnico-publicitárias,
SEÇÃO VI – Da Impugnação e do das quais se intimará o autuado, obedecidas,
Julgamento do Processo Administrativo na execução da respectiva decisão, as condições
constantes do § 1o do art. 60 da Lei no 8.078,
Art. 43.  O processo administrativo decorrente de 1990.
Código de Defesa do Consumidor

de Auto de Infração, de ato de ofício de autorida-


de competente, ou de reclamação será instruído
e julgado na esfera de atribuição do órgão que SEÇÃO VII – Das Nulidades
o tiver instaurado.
Art. 48.  A inobservância de forma não acarre-
Art. 44.  O infrator poderá impugnar o processo tará a nulidade do ato, se não houver prejuízo
administrativo, no prazo de dez dias, contados para a defesa.
processualmente de sua notificação, indicando Parágrafo único.  A nulidade prejudica so-
em sua defesa: mente os atos posteriores ao ato declarado nulo
I – a autoridade julgadora a quem é dirigida; e dele diretamente dependentes ou de que sejam
50 II – a qualificação do impugnante; consequência, cabendo à autoridade que a de-
clarar indicar tais atos e determinar o adequado CAPÍTULO VI – Do Elenco de Cláusulas
procedimento saneador, se for o caso. Abusivas e do Cadastro de Fornecedores
SEÇÃO I – Do Elenco de Cláusulas Abusivas

SEÇÃO VIII – Dos Recursos Administrativos Art. 56.  Na forma do art. 51 da Lei no 8.078,
de 1990, e com o objetivo de orientar o Sistema
Art. 49.  Das decisões da autoridade competente Nacional de Defesa do Consumidor, a Secretaria
do órgão público que aplicou a sanção caberá Nacional do Consumidor divulgará, anualmente,
recurso, sem efeito suspensivo, no prazo de dez elenco complementar de cláusulas contratuais
dias, contados da data da intimação da decisão, consideradas abusivas, notadamente para o fim
a seu superior hierárquico, que proferirá decisão de aplicação do disposto no inciso IV do caput
definitiva. do art. 22.
Parágrafo único.  No caso de aplicação de § 1o  Na elaboração do elenco referido no
multas, o recurso será recebido, com efeito sus- caput e posteriores inclusões, a consideração
pensivo, pela autoridade superior. sobre a abusividade de cláusulas contratuais se
dará de forma genérica e abstrata.
Art. 50.  Quando o processo tramitar no âm- § 2o  O elenco de cláusulas consideradas abu-
bito do Departamento de Proteção e Defesa sivas tem natureza meramente exemplificativa,
do Consumidor, o julgamento do feito será de não impedindo que outras, também, possam
responsabilidade do Diretor daquele órgão, ca- vir a ser assim consideradas pelos órgãos da
bendo recurso ao titular da Secretaria Nacional Administração Pública incumbidos da defesa
do Consumidor, no prazo de dez dias, contado dos interesses e direitos protegidos pelo Código
da data da intimação da decisão, como segunda de Defesa do Consumidor e legislação correlata.
e última instância recursal. § 3o  A apreciação sobre a abusividade de
cláusulas contratuais, para fins de sua inclusão
Art. 51.  Não será conhecido o recurso inter- no elenco a que se refere o caput deste artigo, se
posto fora dos prazos e condições estabelecidos dará de ofício ou por provocação dos legitimados
neste Decreto. referidos no art. 82 da Lei no 8.078, de 1990.

Art. 52.  Sendo julgada insubsistente a infração,


a autoridade julgadora recorrerá à autoridade SEÇÃO II – Do Cadastro de Fornecedores
imediatamente superior, nos termos fixados
nesta Seção, mediante declaração na própria Art. 57.  Os cadastros de reclamações fun-
decisão. damentadas contra fornecedores constituem
instrumento essencial de defesa e orientação
Art. 53.  A decisão é definitiva quando não dos consumidores, devendo os órgãos públicos
mais couber recurso, seja de ordem formal ou competentes assegurar sua publicidade, confia-
material. bilidade e continuidade, nos termos do art. 44
da Lei no 8.078, de 1990.
Art. 54.  Todos os prazos referidos nesta Seção
são preclusivos. Art. 58.  Para os fins deste Decreto, considera-
se:
I – cadastro: o resultado dos registros feitos
SEÇÃO IX – Da Inscrição na Dívida Ativa pelos órgãos públicos de defesa do consumidor
Normas principais

de todas as reclamações fundamentadas contra


Art. 55.  Não sendo recolhido o valor da multa fornecedores;
em trinta dias, será o débito inscrito em dívida II – reclamação fundamentada: a notícia de
ativa do órgão que houver aplicado a sanção, lesão ou ameaça a direito de consumidor ana-
para subsequente cobrança executiva. lisada por órgão público de defesa do consumi-
51
dor, a requerimento ou de ofício, considerada Parágrafo único.  No caso de acolhimento do
procedente, por decisão definitiva. pedido, a autoridade competente providenciará,
no prazo deste artigo, a retificação ou inclusão
Art. 59.  Os órgãos públicos de defesa do con- de informação e sua divulgação, nos termos do
sumidor devem providenciar a divulgação peri- § 1o do art. 59 deste Decreto.
ódica dos cadastros atualizados de reclamações
fundamentadas contra fornecedores. Art. 62.  Os cadastros específicos de cada órgão
§ 1o  O cadastro referido no caput deste artigo público de defesa do consumidor serão consoli-
será publicado, obrigatoriamente, no órgão de dados em cadastros gerais, nos âmbitos federal
imprensa oficial local, devendo a entidade res- e estadual, aos quais se aplica o disposto nos
ponsável dar-lhe a maior publicidade possível artigos desta Seção.
por meio dos órgãos de comunicação, inclusive
eletrônica.
§ 2o  O cadastro será divulgado anualmente, CAPÍTULO VII – Das Disposições Gerais
podendo o órgão responsável fazê-lo em período
menor, sempre que julgue necessário, e conterá Art. 63.  Com base na Lei no 8.078, de 1990, e
informações objetivas, claras e verdadeiras sobre legislação complementar, a Secretaria Nacional
o objeto da reclamação, a identificação do for- do Consumidor poderá expedir atos adminis-
necedor e o atendimento ou não da reclamação trativos, visando à fiel observância das normas
pelo fornecedor. de proteção e defesa do consumidor.
§ 3o  Os cadastros deverão ser atualizados
permanentemente, por meio das devidas anota- Art. 64.  Poderão ser lavrados Autos de Com-
ções, não podendo conter informações negativas provação ou Constatação, a fim de estabelecer
sobre fornecedores, referentes a período superior a situação real de mercado, em determinado
a cinco anos, contado da data da intimação da lugar e momento, obedecido o procedimento
decisão definitiva. adequado.

Art. 60.  Os cadastros de reclamações funda- Art. 65.  Em caso de impedimento à aplicação


mentadas contra fornecedores são considerados do presente Decreto, ficam as autoridades com-
arquivos públicos, sendo informações e fontes petentes autorizadas a requisitar o emprego de
a todos acessíveis, gratuitamente, vedada a uti- força policial.
lização abusiva ou, por qualquer outro modo,
estranha à defesa e orientação dos consumidores, Art. 66.  Este Decreto entra em vigor na data
ressalvada a hipótese de publicidade compa- de sua publicação.
rativa.
Art. 67.  Fica revogado o Decreto no 861, de 9
Art. 61.  O consumidor ou fornecedor poderá de julho de 1993.
requerer, em cinco dias a contar da divulgação
do cadastro e mediante petição fundamentada, a Brasília, 20 de março de 1997; 176o da Indepen-
Código de Defesa do Consumidor

retificação de informação inexata que nele cons- dência e 109o da República.


te, bem como a inclusão de informação omitida,
devendo a autoridade competente, no prazo de FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
dez dias úteis, pronunciar-se, motivadamente,
pela procedência ou improcedência do pedido. Decretado em 20/3/1997 e publicado no DOU de
21/3/1997.

52
Normas correlatas
Lei no 13.455/2017
Dispõe sobre a diferenciação de preços de bens e serviços oferecidos ao público em função do prazo
ou do instrumento de pagamento utilizado, e altera a Lei no 10.962, de 11 de outubro de 2004.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Art. 2o  A Lei no 10.962, de 11 de outubro de


2004, passa a vigorar acrescida do seguinte
Faço saber que o Congresso Nacional decreta art. 5o-A:
e eu sanciono a seguinte Lei:1 �������������������������������������������������������������������������������

Art. 1o  Fica autorizada a diferenciação de pre- Art. 3o  Esta Lei entra em vigor na data de sua
ços de bens e serviços oferecidos ao público em publicação.
função do prazo ou do instrumento de paga-
mento utilizado. Brasília, 26 de junho de 2017; 196o da Indepen-
Parágrafo único.  É nula a cláusula contratual, dência e 129o da República.
estabelecida no âmbito de arranjos de paga-
mento ou de outros acordos para prestação de MICHEL TEMER
serviço de pagamento, que proíba ou restrinja
a diferenciação de preços facultada no caput Promulgada em 26/6/2017 e publicada no DOU de
deste artigo. 27/6/2017.
Código de Defesa do Consumidor

1
  Nota do Editor (NE): nos dispositivos que alteram
normas, suprimiram-se as alterações determinadas
uma vez que já foram incorporadas às normas às
54 quais se destinam.
Lei no 12.965/2014
Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA VI – responsabilização dos agentes de acordo


com suas atividades, nos termos da lei;
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e VII – preservação da natureza participativa
eu sanciono a seguinte Lei: da rede;
VIII – liberdade dos modelos de negócios
promovidos na internet, desde que não conflitem
CAPÍTULO I – Disposições Preliminares com os demais princípios estabelecidos nesta Lei.
Parágrafo único.  Os princípios expressos nes-
Art. 1o  Esta Lei estabelece princípios, garanti- ta Lei não excluem outros previstos no ordena-
as, direitos e deveres para o uso da internet no mento jurídico pátrio relacionados à matéria ou
Brasil e determina as diretrizes para atuação da nos tratados internacionais em que a República
União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Federativa do Brasil seja parte.
Municípios em relação à matéria.
Art. 4o  A disciplina do uso da internet no Brasil
Art. 2   A disciplina do uso da internet no Brasil
o
tem por objetivo a promoção:
tem como fundamento o respeito à liberdade de I – do direito de acesso à internet a todos;
expressão, bem como: II – do acesso à informação, ao conhecimento
I – o reconhecimento da escala mundial da e à participação na vida cultural e na condução
rede; dos assuntos públicos;
II – os direitos humanos, o desenvolvimento III – da inovação e do fomento à ampla di-
da personalidade e o exercício da cidadania em fusão de novas tecnologias e modelos de uso e
meios digitais; acesso; e
III – a pluralidade e a diversidade; IV – da adesão a padrões tecnológicos abertos
IV – a abertura e a colaboração; que permitam a comunicação, a acessibilidade
V – a livre iniciativa, a livre concorrência e a e a interoperabilidade entre aplicações e bases
defesa do consumidor; e de dados.
VI – a finalidade social da rede.
Art. 5o  Para os efeitos desta Lei, considera-se:
Art. 3   A disciplina do uso da internet no Brasil
o
I – internet: o sistema constituído do conjunto
tem os seguintes princípios: de protocolos lógicos, estruturado em escala
I – garantia da liberdade de expressão, co- mundial para uso público e irrestrito, com a fi-
municação e manifestação de pensamento, nos nalidade de possibilitar a comunicação de dados
termos da Constituição Federal; entre terminais por meio de diferentes redes;
II – proteção da privacidade; II – terminal: o computador ou qualquer
III – proteção dos dados pessoais, na forma dispositivo que se conecte à internet;
da lei; III – endereço de protocolo de internet (en-
IV – preservação e garantia da neutralidade dereço IP): o código atribuído a um terminal
Normas correlatas

de rede; de uma rede para permitir sua identificação,


V – preservação da estabilidade, segurança definido segundo parâmetros internacionais;
e funcionalidade da rede, por meio de medidas IV – administrador de sistema autônomo: a
técnicas compatíveis com os padrões interna- pessoa física ou jurídica que administra blocos
cionais e pelo estímulo ao uso de boas práticas; de endereço IP específicos e o respectivo sistema
autônomo de roteamento, devidamente cadas- 55
trada no ente nacional responsável pelo registro VI – informações claras e completas constan-
e distribuição de endereços IP geograficamente tes dos contratos de prestação de serviços, com
referentes ao País; detalhamento sobre o regime de proteção aos
V – conexão à internet: a habilitação de um registros de conexão e aos registros de acesso a
terminal para envio e recebimento de pacotes aplicações de internet, bem como sobre práticas
de dados pela internet, mediante a atribuição de gerenciamento da rede que possam afetar
ou autenticação de um endereço IP; sua qualidade;
VI – registro de conexão: o conjunto de in- VII – não fornecimento a terceiros de seus
formações referentes à data e hora de início e dados pessoais, inclusive registros de conexão, e
término de uma conexão à internet, sua duração de acesso a aplicações de internet, salvo mediante
e o endereço IP utilizado pelo terminal para o consentimento livre, expresso e informado ou
envio e recebimento de pacotes de dados; nas hipóteses previstas em lei;
VII – aplicações de internet: o conjunto de VIII – informações claras e completas sobre
funcionalidades que podem ser acessadas por coleta, uso, armazenamento, tratamento e prote-
meio de um terminal conectado à internet; e ção de seus dados pessoais, que somente poderão
VIII – registros de acesso a aplicações de ser utilizados para finalidades que:
internet: o conjunto de informações referentes a)  justifiquem sua coleta;
à data e hora de uso de uma determinada apli- b)  não sejam vedadas pela legislação; e
cação de internet a partir de um determinado c)  estejam especificadas nos contratos de
endereço IP. prestação de serviços ou em termos de uso de
aplicações de internet;
Art. 6o  Na interpretação desta Lei serão levados IX – consentimento expresso sobre coleta,
em conta, além dos fundamentos, princípios e uso, armazenamento e tratamento de dados pes-
objetivos previstos, a natureza da internet, seus soais, que deverá ocorrer de forma destacada
usos e costumes particulares e sua importância das demais cláusulas contratuais;
para a promoção do desenvolvimento humano, X – exclusão definitiva dos dados pessoais
econômico, social e cultural. que tiver fornecido a determinada aplicação
de internet, a seu requerimento, ao término da
relação entre as partes, ressalvadas as hipóte-
CAPÍTULO II – Dos Direitos e Garantias ses de guarda obrigatória de registros previstas
dos Usuários nesta Lei;
XI – publicidade e clareza de eventuais políti-
Art. 7o  O acesso à internet é essencial ao exer- cas de uso dos provedores de conexão à internet
cício da cidadania, e ao usuário são assegurados e de aplicações de internet;
os seguintes direitos: XII – acessibilidade, consideradas as caracte-
I – inviolabilidade da intimidade e da vida rísticas físico-motoras, perceptivas, sensoriais,
privada, sua proteção e indenização pelo dano intelectuais e mentais do usuário, nos termos
material ou moral decorrente de sua violação; da lei; e
II – inviolabilidade e sigilo do fluxo de suas XIII – aplicação das normas de proteção e
Código de Defesa do Consumidor

comunicações pela internet, salvo por ordem defesa do consumidor nas relações de consumo
judicial, na forma da lei; realizadas na internet.
III – inviolabilidade e sigilo de suas comuni-
cações privadas armazenadas, salvo por ordem Art. 8o  A garantia do direito à privacidade e
judicial; à liberdade de expressão nas comunicações é
IV – não suspensão da conexão à internet, condição para o pleno exercício do direito de
salvo por débito diretamente decorrente de sua acesso à internet.
utilização; Parágrafo único.  São nulas de pleno direito
V – manutenção da qualidade contratada da as cláusulas contratuais que violem o disposto
conexão à internet; no caput, tais como aquelas que:
56
I – impliquem ofensa à inviolabilidade e ao si- SEÇÃO II – Da Proteção aos Registros, aos
gilo das comunicações privadas, pela internet; ou Dados Pessoais e às Comunicações Privadas
II – em contrato de adesão, não ofereçam
como alternativa ao contratante a adoção do Art. 10.  A guarda e a disponibilização dos
foro brasileiro para solução de controvérsias registros de conexão e de acesso a aplicações
decorrentes de serviços prestados no Brasil. de internet de que trata esta Lei, bem como de
dados pessoais e do conteúdo de comunicações
privadas, devem atender à preservação da inti-
CAPÍTULO III – Da Provisão de Conexão e midade, da vida privada, da honra e da imagem
de Aplicações de Internet das partes direta ou indiretamente envolvidas.
SEÇÃO I – Da Neutralidade de Rede § 1o  O provedor responsável pela guarda so-
mente será obrigado a disponibilizar os registros
Art. 9o  O responsável pela transmissão, comu- mencionados no caput, de forma autônoma ou
tação ou roteamento tem o dever de tratar de associados a dados pessoais ou a outras informa-
forma isonômica quaisquer pacotes de dados, ções que possam contribuir para a identificação
sem distinção por conteúdo, origem e destino, do usuário ou do terminal, mediante ordem
serviço, terminal ou aplicação. judicial, na forma do disposto na Seção IV deste
§ 1o  A discriminação ou degradação do trá- Capítulo, respeitado o disposto no art. 7o.
fego será regulamentada nos termos das atri- § 2o  O conteúdo das comunicações privadas
buições privativas do Presidente da República somente poderá ser disponibilizado mediante
previstas no inciso IV do art. 84 da Constituição ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a
Federal, para a fiel execução desta Lei, ouvidos lei estabelecer, respeitado o disposto nos incisos
o Comitê Gestor da Internet e a Agência Naci- II e III do art. 7o.
onal de Telecomunicações, e somente poderá § 3o  O disposto no caput não impede o acesso
decorrer de: aos dados cadastrais que informem qualificação
I – requisitos técnicos indispensáveis à pres- pessoal, filiação e endereço, na forma da lei,
tação adequada dos serviços e aplicações; e pelas autoridades administrativas que detenham
II – priorização de serviços de emergência. competência legal para a sua requisição.
§ 2o  Na hipótese de discriminação ou degra- § 4o  As medidas e os procedimentos de se-
dação do tráfego prevista no § 1o, o responsável gurança e de sigilo devem ser informados pelo
mencionado no caput deve: responsável pela provisão de serviços de forma
I – abster-se de causar dano aos usuários, clara e atender a padrões definidos em regula-
na forma do art. 927 da Lei no 10.406, de 10 de mento, respeitado seu direito de confidenciali-
janeiro de 2002 – Código Civil; dade quanto a segredos empresariais.
II – agir com proporcionalidade, transpa-
rência e isonomia; Art. 11.  Em qualquer operação de coleta, ar-
III – informar previamente de modo trans- mazenamento, guarda e tratamento de registros,
parente, claro e suficientemente descritivo aos de dados pessoais ou de comunicações por pro-
seus usuários sobre as práticas de gerenciamento vedores de conexão e de aplicações de internet
e mitigação de tráfego adotadas, inclusive as em que pelo menos um desses atos ocorra em
relacionadas à segurança da rede; e território nacional, deverão ser obrigatoriamente
IV – oferecer serviços em condições comer- respeitados a legislação brasileira e os direitos à
ciais não discriminatórias e abster-se de praticar privacidade, à proteção dos dados pessoais e ao
condutas anticoncorrenciais. sigilo das comunicações privadas e dos registros.
Normas correlatas

§ 3o  Na provisão de conexão à internet, one- § 1o  O disposto no caput aplica-se aos dados
rosa ou gratuita, bem como na transmissão, coletados em território nacional e ao conteúdo
comutação ou roteamento, é vedado bloquear, das comunicações, desde que pelo menos um
monitorar, filtrar ou analisar o conteúdo dos dos terminais esteja localizado no Brasil.
pacotes de dados, respeitado o disposto neste § 2o  O disposto no caput aplica-se mesmo
artigo. que as atividades sejam realizadas por pessoa 57
jurídica sediada no exterior, desde que oferte § 1o  A responsabilidade pela manutenção dos
serviço ao público brasileiro ou pelo menos uma registros de conexão não poderá ser transferida
integrante do mesmo grupo econômico possua a terceiros.
estabelecimento no Brasil. § 2o  A autoridade policial ou administrativa
§ 3o  Os provedores de conexão e de aplica- ou o Ministério Público poderá requerer cau-
ções de internet deverão prestar, na forma da telarmente que os registros de conexão sejam
regulamentação, informações que permitam a guardados por prazo superior ao previsto no
verificação quanto ao cumprimento da legis- caput.
lação brasileira referente à coleta, à guarda, ao § 3o  Na hipótese do § 2o, a autoridade reque-
armazenamento ou ao tratamento de dados, rente terá o prazo de 60 (sessenta) dias, contados
bem como quanto ao respeito à privacidade e a partir do requerimento, para ingressar com
ao sigilo de comunicações. o pedido de autorização judicial de acesso aos
§ 4o  Decreto regulamentará o procedimento registros previstos no caput.
para apuração de infrações ao disposto neste § 4o  O provedor responsável pela guarda
artigo. dos registros deverá manter sigilo em relação ao
requerimento previsto no § 2o, que perderá sua
Art. 12.  Sem prejuízo das demais sanções cíveis, eficácia caso o pedido de autorização judicial
criminais ou administrativas, as infrações às seja indeferido ou não tenha sido protocolado
normas previstas nos arts. 10 e 11 ficam sujeitas, no prazo previsto no § 3o.
conforme o caso, às seguintes sanções, aplicadas § 5o  Em qualquer hipótese, a disponibilização
de forma isolada ou cumulativa: ao requerente dos registros de que trata este arti-
I – advertência, com indicação de prazo para go deverá ser precedida de autorização judicial,
adoção de medidas corretivas; conforme disposto na Seção IV deste Capítulo.
II – multa de até 10% (dez por cento) do fa- § 6o  Na aplicação de sanções pelo descum-
turamento do grupo econômico no Brasil no primento ao disposto neste artigo, serão consi-
seu último exercício, excluídos os tributos, con- derados a natureza e a gravidade da infração,
siderados a condição econômica do infrator e o os danos dela resultantes, eventual vantagem
princípio da proporcionalidade entre a gravidade auferida pelo infrator, as circunstâncias agravan-
da falta e a intensidade da sanção; tes, os antecedentes do infrator e a reincidência.
III – suspensão temporária das atividades
que envolvam os atos previstos no art. 11; ou
IV – proibição de exercício das atividades que SUBSEÇÃO II – Da Guarda de Registros de
envolvam os atos previstos no art. 11. Acesso a Aplicações de Internet na Provisão
Parágrafo único.  Tratando-se de empresa de Conexão
estrangeira, responde solidariamente pelo pa-
gamento da multa de que trata o caput sua filial, Art. 14.  Na provisão de conexão, onerosa ou
sucursal, escritório ou estabelecimento situado gratuita, é vedado guardar os registros de acesso
no País. a aplicações de internet.
Código de Defesa do Consumidor

SUBSEÇÃO I – Da Guarda de Registros de SUBSEÇÃO III – Da Guarda de Registros de


Conexão Acesso a Aplicações de Internet na Provisão
de Aplicações
Art. 13.  Na provisão de conexão à internet,
cabe ao administrador de sistema autônomo Art. 15.  O provedor de aplicações de inter-
respectivo o dever de manter os registros de net constituído na forma de pessoa jurídica e
conexão, sob sigilo, em ambiente controlado que exerça essa atividade de forma organizada,
e de segurança, pelo prazo de 1 (um) ano, nos profissionalmente e com fins econômicos de-
termos do regulamento. verá manter os respectivos registros de acesso
58 a aplicações de internet, sob sigilo, em ambiente
controlado e de segurança, pelo prazo de 6 (seis) Art. 19.  Com o intuito de assegurar a liberdade
meses, nos termos do regulamento. de expressão e impedir a censura, o provedor
§ 1o  Ordem judicial poderá obrigar, por tem- de aplicações de internet somente poderá ser
po certo, os provedores de aplicações de internet responsabilizado civilmente por danos decor-
que não estão sujeitos ao disposto no caput a rentes de conteúdo gerado por terceiros se, após
guardarem registros de acesso a aplicações de ordem judicial específica, não tomar as provi-
internet, desde que se trate de registros relativos dências para, no âmbito e nos limites técnicos
a fatos específicos em período determinado. do seu serviço e dentro do prazo assinalado,
§ 2o  A autoridade policial ou administrativa tornar indisponível o conteúdo apontado como
ou o Ministério Público poderão requerer caute- infringente, ressalvadas as disposições legais
larmente a qualquer provedor de aplicações de em contrário.
internet que os registros de acesso a aplicações § 1o  A ordem judicial de que trata o caput
de internet sejam guardados, inclusive por pra- deverá conter, sob pena de nulidade, identifi-
zo superior ao previsto no caput, observado o cação clara e específica do conteúdo apontado
disposto nos §§ 3o e 4o do art. 13. como infringente, que permita a localização
§ 3o  Em qualquer hipótese, a disponibilização inequívoca do material.
ao requerente dos registros de que trata este arti- § 2o  A aplicação do disposto neste artigo
go deverá ser precedida de autorização judicial, para infrações a direitos de autor ou a direitos
conforme disposto na Seção IV deste Capítulo. conexos depende de previsão legal específica,
§ 4o  Na aplicação de sanções pelo descum- que deverá respeitar a liberdade de expressão e
primento ao disposto neste artigo, serão consi- demais garantias previstas no art. 5o da Cons-
derados a natureza e a gravidade da infração, tituição Federal.
os danos dela resultantes, eventual vantagem § 3o  As causas que versem sobre ressarcimen-
auferida pelo infrator, as circunstâncias agravan- to por danos decorrentes de conteúdos dispo-
tes, os antecedentes do infrator e a reincidência. nibilizados na internet relacionados à honra, à
reputação ou a direitos de personalidade, bem
Art. 16.  Na provisão de aplicações de internet, como sobre a indisponibilização desses conte-
onerosa ou gratuita, é vedada a guarda: údos por provedores de aplicações de internet,
I – dos registros de acesso a outras aplicações poderão ser apresentadas perante os juizados
de internet sem que o titular dos dados tenha especiais.
consentido previamente, respeitado o disposto § 4o  O juiz, inclusive no procedimento pre-
no art. 7o; ou visto no § 3o, poderá antecipar, total ou par-
II – de dados pessoais que sejam excessivos cialmente, os efeitos da tutela pretendida no
em relação à finalidade para a qual foi dado pedido inicial, existindo prova inequívoca do
consentimento pelo seu titular. fato e considerado o interesse da coletividade na
disponibilização do conteúdo na internet, desde
Art. 17.  Ressalvadas as hipóteses previstas que presentes os requisitos de verossimilhança da
nesta Lei, a opção por não guardar os registros alegação do autor e de fundado receio de dano
de acesso a aplicações de internet não implica irreparável ou de difícil reparação.
responsabilidade sobre danos decorrentes do
uso desses serviços por terceiros. Art. 20.  Sempre que tiver informações de con-
tato do usuário diretamente responsável pelo
conteúdo a que se refere o art. 19, caberá ao
SEÇÃO III – Da Responsabilidade por provedor de aplicações de internet comunicar-
Normas correlatas

Danos Decorrentes de Conteúdo Gerado por lhe os motivos e informações relativos à indis-
Terceiros ponibilização de conteúdo, com informações
que permitam o contraditório e a ampla defesa
Art. 18.  O provedor de conexão à internet não em juízo, salvo expressa previsão legal ou ex-
será responsabilizado civilmente por danos de- pressa determinação judicial fundamentada em
correntes de conteúdo gerado por terceiros. contrário. 59
Parágrafo único.  Quando solicitado pelo recebidas e à preservação da intimidade, da vida
usuário que disponibilizou o conteúdo tornado privada, da honra e da imagem do usuário, po-
indisponível, o provedor de aplicações de inter- dendo determinar segredo de justiça, inclusive
net que exerce essa atividade de forma organi- quanto aos pedidos de guarda de registro.
zada, profissionalmente e com fins econômicos
substituirá o conteúdo tornado indisponível
pela motivação ou pela ordem judicial que deu CAPÍTULO IV – Da Atuação do Poder
fundamento à indisponibilização. Público

Art. 21.  O provedor de aplicações de internet Art. 24.  Constituem diretrizes para a atuação


que disponibilize conteúdo gerado por terceiros da União, dos Estados, do Distrito Federal e
será responsabilizado subsidiariamente pela dos Municípios no desenvolvimento da internet
violação da intimidade decorrente da divul- no Brasil:
gação, sem autorização de seus participantes, I – estabelecimento de mecanismos de go-
de imagens, de vídeos ou de outros materiais vernança multiparticipativa, transparente, co-
contendo cenas de nudez ou de atos sexuais de laborativa e democrática, com a participação
caráter privado quando, após o recebimento de do governo, do setor empresarial, da sociedade
notificação pelo participante ou seu representan- civil e da comunidade acadêmica;
te legal, deixar de promover, de forma diligente, II – promoção da racionalização da gestão,
no âmbito e nos limites técnicos do seu serviço, expansão e uso da internet, com participação do
a indisponibilização desse conteúdo. Comitê Gestor da internet no Brasil;
Parágrafo único.  A notificação prevista no ca- III – promoção da racionalização e da intero-
put deverá conter, sob pena de nulidade, elemen- perabilidade tecnológica dos serviços de governo
tos que permitam a identificação específica do eletrônico, entre os diferentes Poderes e âmbitos
material apontado como violador da intimidade da Federação, para permitir o intercâmbio de
do participante e a verificação da legitimidade informações e a celeridade de procedimentos;
para apresentação do pedido. IV – promoção da interoperabilidade entre
sistemas e terminais diversos, inclusive entre os
diferentes âmbitos federativos e diversos setores
SEÇÃO IV – Da Requisição Judicial de da sociedade;
Registros V – adoção preferencial de tecnologias, pa-
drões e formatos abertos e livres;
Art. 22.  A parte interessada poderá, com o VI – publicidade e disseminação de dados
propósito de formar conjunto probatório em e informações públicos, de forma aberta e es-
processo judicial cível ou penal, em caráter inci- truturada;
dental ou autônomo, requerer ao juiz que ordene VII – otimização da infraestrutura das redes
ao responsável pela guarda o fornecimento de e estímulo à implantação de centros de arma-
registros de conexão ou de registros de acesso zenamento, gerenciamento e disseminação de
a aplicações de internet. dados no País, promovendo a qualidade técnica,
Código de Defesa do Consumidor

Parágrafo único.  Sem prejuízo dos demais a inovação e a difusão das aplicações de inter-
requisitos legais, o requerimento deverá conter, net, sem prejuízo à abertura, à neutralidade e à
sob pena de inadmissibilidade: natureza participativa;
I – fundados indícios da ocorrência do ilícito; VIII – desenvolvimento de ações e programas
II – justificativa motivada da utilidade dos de capacitação para uso da internet;
registros solicitados para fins de investigação IX – promoção da cultura e da cidadania; e
ou instrução probatória; e X – prestação de serviços públicos de atendi-
III – período ao qual se referem os registros. mento ao cidadão de forma integrada, eficiente,
simplificada e por múltiplos canais de acesso,
Art. 23.  Cabe ao juiz tomar as providências inclusive remotos.
60 necessárias à garantia do sigilo das informações
Art. 25.  As aplicações de internet de entes do CAPÍTULO V – Disposições Finais
poder público devem buscar:
I – compatibilidade dos serviços de governo Art. 29.  O usuário terá a opção de livre escolha
eletrônico com diversos terminais, sistemas ope- na utilização de programa de computador em
racionais e aplicativos para seu acesso; seu terminal para exercício do controle parental
II – acessibilidade a todos os interessados, de conteúdo entendido por ele como impróprio
independentemente de suas capacidades físico- a seus filhos menores, desde que respeitados
motoras, perceptivas, sensoriais, intelectuais, os princípios desta Lei e da Lei no 8.069, de 13
mentais, culturais e sociais, resguardados os de julho de 1990 – Estatuto da Criança e do
aspectos de sigilo e restrições administrativas Adolescente.
e legais; Parágrafo único.  Cabe ao poder público, em
III – compatibilidade tanto com a leitura hu- conjunto com os provedores de conexão e de
mana quanto com o tratamento automatizado aplicações de internet e a sociedade civil, pro-
das informações; mover a educação e fornecer informações sobre
IV – facilidade de uso dos serviços de governo o uso dos programas de computador previstos
eletrônico; e no caput, bem como para a definição de boas
V – fortalecimento da participação social nas práticas para a inclusão digital de crianças e
políticas públicas. adolescentes.

Art. 26.  O cumprimento do dever constituci- Art. 30.  A defesa dos interesses e dos direitos
onal do Estado na prestação da educação, em estabelecidos nesta Lei poderá ser exercida em
todos os níveis de ensino, inclui a capacitação, juízo, individual ou coletivamente, na forma
integrada a outras práticas educacionais, para o da lei.
uso seguro, consciente e responsável da internet
como ferramenta para o exercício da cidadania, Art. 31.  Até a entrada em vigor da lei específica
a promoção da cultura e o desenvolvimento prevista no § 2o do art. 19, a responsabilidade
tecnológico. do provedor de aplicações de internet por danos
decorrentes de conteúdo gerado por terceiros,
Art. 27.  As iniciativas públicas de fomento à quando se tratar de infração a direitos de autor
cultura digital e de promoção da internet como ou a direitos conexos, continuará a ser discipli-
ferramenta social devem: nada pela legislação autoral vigente aplicável na
I – promover a inclusão digital; data da entrada em vigor desta Lei.
II – buscar reduzir as desigualdades, sobretu-
do entre as diferentes regiões do País, no acesso Art. 32.  Esta Lei entra em vigor após decorri-
às tecnologias da informação e comunicação e dos 60 (sessenta) dias de sua publicação oficial.
no seu uso; e
III – fomentar a produção e circulação de Brasília, 23 de abril de 2014; 193o da Indepen-
conteúdo nacional. dência e 126o da República.

Art. 28.  O Estado deve, periodicamente, formu- DILMA ROUSSEFF


lar e fomentar estudos, bem como fixar metas,
estratégias, planos e cronogramas, referentes Promulgada em 23/4/2014 e publicada no DOU de
ao uso e desenvolvimento da internet no País. 24/4/2014.
Normas correlatas

61
Lei no 12.741/2012
Dispõe sobre as medidas de esclarecimento ao consumidor, de que trata o § 5o do artigo 150 da
Constituição Federal; altera o inciso III do art. 6o e o inciso IV do art. 106 da Lei no 8.078, de 11 de
setembro de 1990 – Código de Defesa do Consumidor.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA § 5o  Os tributos que deverão ser computados


são os seguintes:
Faço saber que o Congresso Nacional decreta I – Imposto sobre Operações relativas a Cir-
e eu sanciono a seguinte Lei:1 culação de Mercadorias e sobre Prestações de
Serviços de Transporte Interestadual e Inter-
Art. 1o  Emitidos por ocasião da venda ao con- municipal e de Comunicação (ICMS);
sumidor de mercadorias e serviços, em todo ter- II – Imposto sobre Serviços de Qualquer
ritório nacional, deverá constar, dos documentos Natureza (ISS);
fiscais ou equivalentes, a informação do valor III – Imposto sobre Produtos Industriali-
aproximado correspondente à totalidade dos zados (IPI);
tributos federais, estaduais e municipais, cuja IV – Imposto sobre Operações de Crédito,
incidência influi na formação dos respectivos Câmbio e Seguro, ou Relativas a Títulos ou Va-
preços de venda. lores Mobiliários (IOF);
§ 1o  A apuração do valor dos tributos inci- V – (Vetado);
dentes deverá ser feita em relação a cada mer- VI – (Vetado);
cadoria ou serviço, separadamente, inclusive VII – Contribuição Social para o Programa
nas hipóteses de regimes jurídicos tributários de Integração Social (PIS) e para o Programa de
diferenciados dos respectivos fabricantes, vare- Formação do Patrimônio do Servidor Público
jistas e prestadores de serviços, quando couber. (Pasep) – (PIS/Pasep);
§ 2o  A informação de que trata este artigo VIII – Contribuição para o Financiamento
poderá constar de painel afixado em local visível da Seguridade Social (Cofins);
do estabelecimento, ou por qualquer outro meio IX – Contribuição de Intervenção no Domí-
eletrônico ou impresso, de forma a demonstrar nio Econômico, incidente sobre a importação e
o valor ou percentual, ambos aproximados, dos a comercialização de petróleo e seus derivados,
tributos incidentes sobre todas as mercadorias gás natural e seus derivados, e álcool etílico
ou serviços postos à venda. combustível (Cide).
§ 3o  Na hipótese do § 2o, as informações a § 6o  Serão informados ainda os valores re-
serem prestadas serão elaboradas em termos de ferentes ao imposto de importação, PIS/Pasep/
percentuais sobre o preço a ser pago, quando se Importação e Cofins/Importação, na hipótese de
tratar de tributo com alíquota ad valorem, ou produtos cujos insumos ou componentes sejam
Código de Defesa do Consumidor

em valores monetários (no caso de alíquota es- oriundos de operações de comércio exterior e
pecífica); no caso de se utilizar meio eletrônico, representem percentual superior a 20% (vinte
este deverá estar disponível ao consumidor no por cento) do preço de venda.
âmbito do estabelecimento comercial. § 7o  Na hipótese de incidência do imposto
§ 4o (Vetado) sobre a importação, nos termos do § 6o, bem
como da incidência do Imposto sobre Produtos
Industrializados – IPI, todos os fornecedores
1
  Nota do Editor (NE): nos dispositivos que alteram constantes das diversas cadeias produtivas de-
normas, suprimiram-se as alterações determinadas verão fornecer aos adquirentes, em meio mag-
uma vez que já foram incorporadas às normas às nético, os valores dos 2 (dois) tributos indivi-
62 quais se destinam. dualizados por item comercializado.
§ 8o  Em relação aos serviços de natureza cidamente idônea, voltada primordialmente à
financeira, quando não seja legalmente prevista apuração e análise de dados econômicos.
a emissão de documento fiscal, as informações
de que trata este artigo deverão ser feitas em ta- Art. 3o  O inciso III do art. 6o da Lei no 8.078,
belas afixadas nos respectivos estabelecimentos. de 11 de setembro de 1990, passa a vigorar com
§ 9o (Vetado) a seguinte redação:
§ 10.  A indicação relativa ao IOF (prevista ...............................................................................
no inciso IV do § 5o) restringe-se aos produtos
financeiros sobre os quais incida diretamente Art. 4o (Vetado)
aquele tributo.
§ 11.  A indicação relativa ao PIS e à Cofins Art. 5o  Decorrido o prazo de 12 (doze) me-
(incisos VII e VIII do § 5o), limitar-se-á à tri- ses, contado do início de vigência desta Lei, o
butação incidente sobre a operação de venda descumprimento de suas disposições sujeitará
ao consumidor. o infrator às sanções previstas no Capítulo VII
§ 12.  Sempre que o pagamento de pessoal do Título I da Lei no 8.078, de 11 de setembro
constituir item de custo direto do serviço ou de 1990.
produto fornecido ao consumidor, deve ser di-
vulgada, ainda, a contribuição previdenciária Art. 6o  Esta Lei entra em vigor 6 (seis) meses
dos empregados e dos empregadores incidente, após a data de sua publicação.
alocada ao serviço ou produto.
Brasília, 8 de dezembro de 2012; 191o da Inde-
Art. 2   Os valores aproximados de que trata
o
pendência e 124o da República.
o art. 1o serão apurados sobre cada operação, e
poderão, a critério das empresas vendedoras, DILMA ROUSSEFF
ser calculados e fornecidos, semestralmente,
por instituição de âmbito nacional reconhe- Promulgada em 8/12/2012 e publicada no DOU de
10/12/2012.

Normas correlatas

63
Lei no 12.529/2011
Estrutura o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência; dispõe sobre a prevenção e repressão às
infrações contra a ordem econômica; altera a Lei no 8.137, de 27 de dezembro de 1990, o Decreto-lei
no 3.689, de 3 de outubro de 1941 – Código de Processo Penal, e a Lei no 7.347, de 24 de julho de
1985; revoga dispositivos da Lei no 8.884, de 11 de junho de 1994, e a Lei no 9.781, de 19 de janeiro
de 1999; e dá outras providências.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA nesta Lei, independentemente de procuração


ou de disposição contratual ou estatutária, na
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e pessoa do agente ou representante ou pessoa
eu sanciono a seguinte Lei:1 responsável por sua filial, agência, sucursal, es-
tabelecimento ou escritório instalado no Brasil.

TÍTULO I – Disposições Gerais


CAPÍTULO I – Da Finalidade TÍTULO II – Do Sistema Brasileiro de Defesa
da Concorrência
Art. 1o  Esta Lei estrutura o Sistema Brasileiro de CAPÍTULO I – Da Composição
Defesa da Concorrência – SBDC e dispõe sobre
a prevenção e a repressão às infrações contra Art. 3o  O SBDC é formado pelo Conselho Ad-
a ordem econômica, orientada pelos ditames ministrativo de Defesa Econômica – CADE e
constitucionais de liberdade de iniciativa, livre pela Secretaria de Acompanhamento Econômico
concorrência, função social da propriedade, do Ministério da Fazenda, com as atribuições
defesa dos consumidores e repressão ao abuso previstas nesta Lei.
do poder econômico.
Parágrafo único.  A coletividade é a titular dos
bens jurídicos protegidos por esta Lei. CAPÍTULO II – Do Conselho
Administrativo de Defesa Econômica –
CADE
CAPÍTULO II – Da Territorialidade
Art. 4o  O Cade é entidade judicante com ju-
Art. 2   Aplica-se esta Lei, sem prejuízo de con-
o
risdição em todo o território nacional, que se
venções e tratados de que seja signatário o Brasil, constitui em autarquia federal, vinculada ao
às práticas cometidas no todo ou em parte no Ministério da Justiça, com sede e foro no Dis-
território nacional ou que nele produzam ou trito Federal, e competências previstas nesta Lei.
possam produzir efeitos.
Código de Defesa do Consumidor

§ 1o  Reputa-se domiciliada no território


nacional a empresa estrangeira que opere ou SEÇÃO I – Da Estrutura Organizacional do
tenha no Brasil filial, agência, sucursal, escritório, Cade
estabelecimento, agente ou representante.
§ 2o  A empresa estrangeira será notificada e Art. 5o  O Cade é constituído pelos seguintes
intimada de todos os atos processuais previstos órgãos:
I – Tribunal Administrativo de Defesa Eco-
1
  Nota do Editor (NE): nos dispositivos que alteram nômica;
normas, suprimiram-se as alterações determinadas II – Superintendência-Geral; e
uma vez que já foram incorporadas às normas às III – Departamento de Estudos Econômicos.
64 quais se destinam.
SEÇÃO II – Do Tribunal Administrativo de ou 20 (vinte) intercaladas, ressalvados os afasta-
Defesa Econômica mentos temporários autorizados pelo Plenário.

Art. 6o  O Tribunal Administrativo, órgão judi- Art. 8o  Ao Presidente e aos Conselheiros é


cante, tem como membros um Presidente e seis vedado:
Conselheiros escolhidos dentre cidadãos com I – receber, a qualquer título, e sob qualquer
mais de 30 (trinta) anos de idade, de notório pretexto, honorários, percentagens ou custas;
saber jurídico ou econômico e reputação ilibada, II – exercer profissão liberal;
nomeados pelo Presidente da República, depois III – participar, na forma de controlador,
de aprovados pelo Senado Federal. diretor, administrador, gerente, preposto ou
§ 1o  O mandato do Presidente e dos Conse- mandatário, de sociedade civil, comercial ou
lheiros é de 4 (quatro) anos, não coincidentes, empresas de qualquer espécie;
vedada a recondução. IV – emitir parecer sobre matéria de sua es-
§ 2o  Os cargos de Presidente e de Conselheiro pecialização, ainda que em tese, ou funcionar
são de dedicação exclusiva, não se admitindo como consultor de qualquer tipo de empresa;
qualquer acumulação, salvo as constitucional- V – manifestar, por qualquer meio de co-
mente permitidas. municação, opinião sobre processo pendente
§ 3o  No caso de renúncia, morte, impedimen- de julgamento, ou juízo depreciativo sobre des-
to, falta ou perda de mandato do Presidente do pachos, votos ou sentenças de órgãos judiciais,
Tribunal, assumirá o Conselheiro mais antigo ressalvada a crítica nos autos, em obras técnicas
no cargo ou o mais idoso, nessa ordem, até nova ou no exercício do magistério; e
nomeação, sem prejuízo de suas atribuições. VI – exercer atividade político-partidária.
§ 4o  No caso de renúncia, morte ou perda § 1o  É vedado ao Presidente e aos Conse-
de mandato de Conselheiro, proceder-se-á a lheiros, por um período de 120 (cento e vinte)
nova nomeação, para completar o mandato do dias, contado da data em que deixar o cargo,
substituído. representar qualquer pessoa, física ou jurídica,
§ 5o  Se, nas hipóteses previstas no § 4o deste ou interesse perante o SBDC, ressalvada a defesa
artigo, ou no caso de encerramento de mandato de direito próprio.
dos Conselheiros, a composição do Tribunal § 2o  Durante o período mencionado no § 1o
ficar reduzida a número inferior ao estabelecido deste artigo, o Presidente e os Conselheiros re-
no § 1o do art. 9o desta Lei, considerar-se-ão ceberão a mesma remuneração do cargo que
automaticamente suspensos os prazos previstos ocupavam.
nesta Lei, e suspensa a tramitação de processos, § 3o  Incorre na prática de advocacia adminis-
continuando-se a contagem imediatamente após trativa, sujeitando-se à pena prevista no art. 321
a recomposição do quorum. do Decreto-lei no 2.848, de 7 de dezembro de
1940 – Código Penal, o ex-presidente ou ex-
Art. 7o  A perda de mandato do Presidente ou conselheiro que violar o impedimento previsto
dos Conselheiros do Cade só poderá ocorrer no § 1o deste artigo.
em virtude de decisão do Senado Federal, por § 4o  É vedado, a qualquer tempo, ao Presi-
provocação do Presidente da República, ou em dente e aos Conselheiros utilizar informações
razão de condenação penal irrecorrível por crime privilegiadas obtidas em decorrência do cargo
doloso, ou de processo disciplinar de confor- exercido.
midade com o que prevê a Lei no 8.112, de 11
de dezembro de 1990 e a Lei no 8.429, de 2 de
Normas correlatas

junho de 1992, e por infringência de quaisquer SUBSEÇÃO I – Da Competência do Plenário


das vedações previstas no art. 8o desta Lei. do Tribunal
Parágrafo único.  Também perderá o manda-
to, automaticamente, o membro do Tribunal que Art. 9o  Compete ao Plenário do Tribunal, den-
faltar a 3 (três) reuniões ordinárias consecutivas, tre outras atribuições previstas nesta Lei:
65
I – zelar pela observância desta Lei e seu re- XVI – propor a estrutura do quadro de pes-
gulamento e do regimento interno; soal do Cade, observado o disposto no inciso
II – decidir sobre a existência de infração II do caput do art. 37 da Constituição Federal;
à ordem econômica e aplicar as penalidades XVII – elaborar proposta orçamentária nos
previstas em lei; termos desta Lei;
III – decidir os processos administrativos XVIII – requisitar informações de quaisquer
para imposição de sanções administrativas por pessoas, órgãos, autoridades e entidades públicas
infrações à ordem econômica instaurados pela ou privadas, respeitando e mantendo o sigilo
Superintendência-Geral; legal quando for o caso, bem como determi-
IV – ordenar providências que conduzam à nar as diligências que se fizerem necessárias ao
cessação de infração à ordem econômica, dentro exercício das suas funções; e
do prazo que determinar; XIX – decidir pelo cumprimento das decisões,
V – aprovar os termos do compromisso de compromissos e acordos.
cessação de prática e do acordo em controle de § 1o  As decisões do Tribunal serão tomadas
concentrações, bem como determinar à Superin- por maioria, com a presença mínima de 4 (qua-
tendência-Geral que fiscalize seu cumprimento; tro) membros, sendo o quorum de deliberação
VI – apreciar, em grau de recurso, as medidas mínimo de 3 (três) membros.
preventivas adotadas pelo Conselheiro-Relator § 2o  As decisões do Tribunal não compor-
ou pela Superintendência-Geral; tam revisão no âmbito do Poder Executivo,
VII – intimar os interessados de suas decisões; promovendo-se, de imediato, sua execução e
VIII – requisitar dos órgãos e entidades da comunicando-se, em seguida, ao Ministério
administração pública federal e requerer às au- Público, para as demais medidas legais cabíveis
toridades dos Estados, Municípios, do Distrito no âmbito de suas atribuições.
Federal e dos Territórios as medidas necessárias § 3o  As autoridades federais, os diretores
ao cumprimento desta Lei; de autarquia, fundação, empresa pública e so-
IX – contratar a realização de exames, vis- ciedade de economia mista federais e agências
torias e estudos, aprovando, em cada caso, os reguladoras são obrigados a prestar, sob pena de
respectivos honorários profissionais e demais responsabilidade, toda a assistência e colabora-
despesas de processo, que deverão ser pagas ção que lhes for solicitada pelo Cade, inclusive
pela empresa, se vier a ser punida nos termos elaborando pareceres técnicos sobre as matérias
desta Lei; de sua competência.
X – apreciar processos administrativos de atos § 4o  O Tribunal poderá responder consultas
de concentração econômica, na forma desta Lei, sobre condutas em andamento, mediante paga-
fixando, quando entender conveniente e oportu- mento de taxa e acompanhadas dos respectivos
no, acordos em controle de atos de concentração; documentos.
XI – determinar à Superintendência-Geral § 5o  O Cade definirá, em resolução, normas
que adote as medidas administrativas necessárias complementares sobre o procedimento de con-
à execução e fiel cumprimento de suas decisões; sultas previsto no § 4o deste artigo.
XII – requisitar serviços e pessoal de quais-
Código de Defesa do Consumidor

quer órgãos e entidades do Poder Público Fe-


deral; SUBSEÇÃO II – Da Competência do
XIII – requerer à Procuradoria Federal junto Presidente do Tribunal
ao Cade a adoção de providências administra-
tivas e judiciais; Art. 10.  Compete ao Presidente do Tribunal:
XIV – instruir o público sobre as formas de I – representar legalmente o Cade no Brasil
infração da ordem econômica; ou no exterior, em juízo ou fora dele;
XV – elaborar e aprovar regimento interno do II – presidir, com direito a voto, inclusive o
Cade, dispondo sobre seu funcionamento, forma de qualidade, as reuniões do Plenário;
das deliberações, normas de procedimento e III – distribuir, por sorteio, os processos aos
66 organização de seus serviços internos; Conselheiros;
IV – convocar as sessões e determinar a or- VI – requerer à Procuradoria Federal junto ao
ganização da respectiva pauta; Cade emissão de parecer jurídico nos processos
V – solicitar, a seu critério, que a Superinten- em que forem relatores, quando entenderem
dência-Geral auxilie o Tribunal na tomada de necessário e em despacho fundamentado, na
providências extrajudiciais para o cumprimento forma prevista no inciso VII do art. 15 desta Lei;
das decisões do Tribunal; VII – determinar ao Economista-Chefe,
VI – fiscalizar a Superintendência-Geral na quando necessário, a elaboração de pareceres
tomada de providências para execução das de- nos processos em que forem relatores, sem pre-
cisões e julgados do Tribunal; juízo da tramitação normal do processo e sem
VII – assinar os compromissos e acordos que tal determinação implique a suspensão do
aprovados pelo Plenário; prazo de análise ou prejuízo à tramitação normal
VIII – submeter à aprovação do Plenário a do processo;
proposta orçamentária e a lotação ideal do pes- VIII – desincumbir-se das demais tarefas que
soal que prestará serviço ao Cade; lhes forem cometidas pelo regimento;
IX – orientar, coordenar e supervisionar as IX – propor termo de compromisso de ces-
atividades administrativas do Cade; sação e acordos para aprovação do Tribunal;
X – ordenar as despesas atinentes ao Cade, X – prestar ao Poder Judiciário, sempre que
ressalvadas as despesas da unidade gestora da solicitado, todas as informações sobre andamen-
Superintendência-Geral; to dos processos, podendo, inclusive, fornecer
XI – firmar contratos e convênios com órgãos cópias dos autos para instruir ações judiciais.
ou entidades nacionais e submeter, previamente,
ao Ministro de Estado da Justiça os que devam
ser celebrados com organismos estrangeiros ou SEÇÃO III – Da Superintendência-Geral
internacionais; e
XII – determinar à Procuradoria Federal Art. 12.  O Cade terá em sua estrutura uma
junto ao Cade as providências judiciais deter- Superintendência-Geral, com 1 (um) Superin-
minadas pelo Tribunal. tendente-Geral e 2 (dois) Superintendentes-
Adjuntos, cujas atribuições específicas serão
definidas em Resolução.
SUBSEÇÃO III – Da Competência dos § 1o  O Superintendente-Geral será escolhido
Conselheiros do Tribunal dentre cidadãos com mais de 30 (trinta) anos
de idade, notório saber jurídico ou econômico
Art. 11.  Compete aos Conselheiros do Tri- e reputação ilibada, nomeado pelo Presidente
bunal: da República, depois de aprovado pelo Senado
I – emitir voto nos processos e questões sub- Federal.
metidas ao Tribunal; § 2o  O Superintendente-Geral terá mandato
II – proferir despachos e lavrar as decisões de 2 (dois) anos, permitida a recondução para
nos processos em que forem relatores; um único período subsequente.
III – requisitar informações e documentos de § 3o  Aplicam-se ao Superintendente-Geral
quaisquer pessoas, órgãos, autoridades e entida- as mesmas normas de impedimentos, perda de
des públicas ou privadas, a serem mantidos sob mandato, substituição e as vedações do art. 8o
sigilo legal, quando for o caso, bem como deter- desta Lei, incluindo o disposto no § 2o do art. 8o
minar as diligências que se fizerem necessárias; desta Lei, aplicáveis ao Presidente e aos Conse-
IV – adotar medidas preventivas, fixando o lheiros do Tribunal.
Normas correlatas

valor da multa diária pelo seu descumprimento; § 4o  Os cargos de Superintendente-Geral e


V – solicitar, a seu critério, que a Superinten- de Superintendentes-Adjuntos são de dedicação
dência-Geral realize as diligências e a produção exclusiva, não se admitindo qualquer acumula-
das provas que entenderem pertinentes nos autos ção, salvo as constitucionalmente permitidas.
do processo administrativo, na forma desta Lei; § 5o  Durante o período de vacância que
anteceder à nomeação de novo Superinten- 67
dente-Geral, assumirá interinamente o cargo autoridades e entidades, públicas ou privadas,
um dos superintendentes adjuntos, indicado mantendo o sigilo legal, quando for o caso, bem
pelo Presidente do Tribunal, o qual permanecerá como determinar as diligências que se fizerem
no cargo até a posse do novo Superintendente- necessárias ao exercício de suas funções;
Geral, escolhido na forma do § 1o deste artigo. b)  requisitar esclarecimentos orais de quais-
§ 6o  Se, no caso da vacância prevista no § 5o quer pessoas, físicas ou jurídicas, órgãos, auto-
deste artigo, não houver nenhum Superinten- ridades e entidades, públicas ou privadas, na
dente Adjunto nomeado na Superintendência forma desta Lei;
do Cade, o Presidente do Tribunal indicará ser- c)  realizar inspeção na sede social, estabele-
vidor em exercício no Cade, com conhecimen- cimento, escritório, filial ou sucursal de empre-
to jurídico ou econômico na área de defesa da sa investigada, de estoques, objetos, papéis de
concorrência e reputação ilibada, para assumir qualquer natureza, assim como livros comerciais,
interinamente o cargo, permanecendo neste até a computadores e arquivos eletrônicos, podendo-
posse do novo Superintendente-Geral, escolhido se extrair ou requisitar cópias de quaisquer do-
na forma do § 1o deste artigo. cumentos ou dados eletrônicos;
§ 7o  Os Superintendentes-Adjuntos serão d)  requerer ao Poder Judiciário, por meio da
indicados pelo Superintendente-Geral. Procuradoria Federal junto ao Cade, mandado
de busca e apreensão de objetos, papéis de qual-
Art. 13.  Compete à Superintendência-Geral: quer natureza, assim como de livros comerciais,
I – zelar pelo cumprimento desta Lei, monito- computadores e arquivos magnéticos de empre-
rando e acompanhando as práticas de mercado; sa ou pessoa física, no interesse de inquérito
II – acompanhar, permanentemente, as ati- administrativo ou de processo administrativo
vidades e práticas comerciais de pessoas físicas para imposição de sanções administrativas por
ou jurídicas que detiverem posição dominan- infrações à ordem econômica, aplicando-se, no
te em mercado relevante de bens ou serviços, que couber, o disposto no art. 839 e seguintes da
para prevenir infrações da ordem econômica, Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 – Código
podendo, para tanto, requisitar as informações de Processo Civil, sendo inexigível a propositura
e documentos necessários, mantendo o sigilo de ação principal;
legal, quando for o caso; e)  requisitar vista e cópia de documentos
III – promover, em face de indícios de infra- e objetos constantes de inquéritos e processos
ção da ordem econômica, procedimento prepa- administrativos instaurados por órgãos ou en-
ratório de inquérito administrativo e inquérito tidades da administração pública federal;
administrativo para apuração de infrações à f)  requerer vista e cópia de inquéritos polici-
ordem econômica; ais, ações judiciais de quaisquer natureza2, bem
IV – decidir pela insubsistência dos indícios, como de inquéritos e processos administrativos
arquivando os autos do inquérito administrativo instaurados por outros entes da federação, de-
ou de seu procedimento preparatório; vendo o Conselho observar as mesmas restri-
V – instaurar e instruir processo administra- ções de sigilo eventualmente estabelecidas nos
tivo para imposição de sanções administrativas procedimentos de origem;
Código de Defesa do Consumidor

por infrações à ordem econômica, procedimento VII – recorrer de ofício ao Tribunal quando
para apuração de ato de concentração, processo decidir pelo arquivamento de processo adminis-
administrativo para análise de ato de concentra- trativo para imposição de sanções administrati-
ção econômica e processo administrativo para vas por infrações à ordem econômica;
imposição de sanções processuais incidentais VIII – remeter ao Tribunal, para julgamen-
instaurados para prevenção, apuração ou repres- to, os processos administrativos que instaurar,
são de infrações à ordem econômica; quando entender configurada infração da ordem
VI – no interesse da instrução dos tipos pro- econômica;
cessuais referidos nesta Lei:
a)  requisitar informações e documentos de
68 quaisquer pessoas, físicas ou jurídicas, órgãos,   NE: conforme registrado no DOU.
2
IX – propor termo de compromisso de ces- V – ordenar despesas referentes à unidade
sação de prática por infração à ordem econô- gestora da Superintendência-Geral; e
mica, submetendo-o à aprovação do Tribunal, VI – exercer outras atribuições previstas em
e fiscalizar o seu cumprimento; lei.
X – sugerir ao Tribunal condições para a cele-
bração de acordo em controle de concentrações
e fiscalizar o seu cumprimento; SEÇÃO IV – Da Procuradoria Federal junto
XI – adotar medidas preventivas que condu- ao Cade
zam à cessação de prática que constitua infração
da ordem econômica, fixando prazo para seu Art. 15.  Funcionará junto ao Cade Procura-
cumprimento e o valor da multa diária a ser doria Federal Especializada, competindo-lhe:
aplicada, no caso de descumprimento; I – prestar consultoria e assessoramento ju-
XII – receber, instruir e aprovar ou impugnar rídico ao Cade;
perante o Tribunal os processos administrativos II – representar o Cade judicial e extrajudi-
para análise de ato de concentração econômica; cialmente;
XIII – orientar os órgãos e entidades da ad- III – promover a execução judicial das deci-
ministração pública quanto à adoção de medidas sões e julgados do Cade;
necessárias ao cumprimento desta Lei; IV – proceder à apuração da liquidez dos
XIV – desenvolver estudos e pesquisas ob- créditos do Cade, inscrevendo-os em dívida ativa
jetivando orientar a política de prevenção de para fins de cobrança administrativa ou judicial;
infrações da ordem econômica; V – tomar as medidas judiciais solicitadas
XV – instruir o público sobre as diversas pelo Tribunal ou pela Superintendência-Geral,
formas de infração da ordem econômica e os necessárias à cessação de infrações da ordem
modos de sua prevenção e repressão; econômica ou à obtenção de documentos para
XVI – exercer outras atribuições previstas a instrução de processos administrativos de
em lei; qualquer natureza;
XVII – prestar ao Poder Judiciário, sempre VI – promover acordos judiciais nos proces-
que solicitado, todas as informações sobre an- sos relativos a infrações contra a ordem econô-
damento das investigações, podendo, inclusive, mica, mediante autorização do Tribunal;
fornecer cópias dos autos para instruir ações VII – emitir, sempre que solicitado expressa-
judiciais; e mente por Conselheiro ou pelo Superintendente-
XVIII – adotar as medidas administrativas Geral, parecer nos processos de competência
necessárias à execução e ao cumprimento das do Cade, sem que tal determinação implique
decisões do Plenário. a suspensão do prazo de análise ou prejuízo à
tramitação normal do processo;
Art. 14.  São atribuições do Superintendente- VIII – zelar pelo cumprimento desta Lei; e
Geral: IX – desincumbir-se das demais tarefas que
I – participar, quando entender necessário, lhe sejam atribuídas pelo regimento interno.
sem direito a voto, das reuniões do Tribunal e Parágrafo único.  Compete à Procuradoria
proferir sustentação oral, na forma do regimento Federal junto ao Cade, ao dar execução judici-
interno; al às decisões da Superintendência-Geral e do
II – cumprir e fazer cumprir as decisões do Tribunal, manter o Presidente do Tribunal, os
Tribunal na forma determinada pelo seu Pre- Conselheiros e o Superintendente-Geral infor-
sidente; mados sobre o andamento das ações e medidas
Normas correlatas

III – requerer à Procuradoria Federal junto judiciais.


ao Cade as providências judiciais relativas ao
exercício das competências da Superintendên- Art. 16.  O Procurador-Chefe será nomeado
cia-Geral; pelo Presidente da República, depois de apro-
IV – determinar ao Economista-Chefe a ela- vado pelo Senado Federal, dentre cidadãos bra-
boração de estudos e pareceres; sileiros com mais de 30 (trinta) anos de idade, 69
de notório conhecimento jurídico e reputação CAPÍTULO III – Da Secretaria de
ilibada. Acompanhamento Econômico
§ 1o  O Procurador-Chefe terá mandato de
2 (dois) anos, permitida sua recondução para Art. 19.  Compete à Secretaria de Acompanha-
um único período. mento Econômico promover a concorrência
§ 2o  O Procurador-Chefe poderá participar, em órgãos de governo e perante a sociedade
sem direito a voto, das reuniões do Tribunal, cabendo-lhe, especialmente, o seguinte:
prestando assistência e esclarecimentos, quando I – opinar, nos aspectos referentes à promoção
requisitado pelos Conselheiros, na forma do da concorrência, sobre propostas de alterações
Regimento Interno do Tribunal. de atos normativos de interesse geral dos agentes
§ 3o  Aplicam-se ao Procurador-Chefe as econômicos, de consumidores ou usuários dos
mesmas normas de impedimento aplicáveis serviços prestados submetidos a consulta pública
aos Conselheiros do Tribunal, exceto quanto pelas agências reguladoras e, quando entender
ao comparecimento às sessões. pertinente, sobre os pedidos de revisão de tarifas
§ 4o  Nos casos de faltas, afastamento tem- e as minutas;
porário ou impedimento do Procurador-Chefe, II – opinar, quando considerar pertinente,
o Plenário indicará e o Presidente do Tribunal sobre minutas de atos normativos elaborados por
designará o substituto eventual dentre os inte- qualquer entidade pública ou privada submeti-
grantes da Procuradoria Federal Especializada. dos à consulta pública, nos aspectos referentes
à promoção da concorrência;
III – opinar, quando considerar pertinente,
SEÇÃO V – Do Departamento de Estudos sobre proposições legislativas em tramitação no
Econômicos Congresso Nacional, nos aspectos referentes à
promoção da concorrência;
Art. 17.  O Cade terá um Departamento de IV – elaborar estudos avaliando a situação
Estudos Econômicos, dirigido por um Econo- concorrencial de setores específicos da ativi-
mista-Chefe, a quem incumbirá elaborar estudos dade econômica nacional, de ofício ou quando
e pareceres econômicos, de ofício ou por solicita- solicitada pelo Cade, pela Câmara de Comércio
ção do Plenário, do Presidente, do Conselheiro- Exterior ou pelo Departamento de Proteção e
Relator ou do Superintendente-Geral, zelando Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça
pelo rigor e atualização técnica e científica das ou órgão que vier a sucedê-lo;
decisões do órgão. V – elaborar estudos setoriais que sirvam de
insumo para a participação do Ministério da
Art. 18.  O Economista-Chefe será nomeado, Fazenda na formulação de políticas públicas
conjuntamente, pelo Superintendente-Geral e setoriais nos fóruns em que este Ministério tem
pelo Presidente do Tribunal, dentre brasileiros assento;
de ilibada reputação e notório conhecimento VI – propor a revisão de leis, regulamentos e
econômico. outros atos normativos da administração pública
§ 1o  O Economista-Chefe poderá participar federal, estadual, municipal e do Distrito Federal
Código de Defesa do Consumidor

das reuniões do Tribunal, sem direito a voto. que afetem ou possam afetar a concorrência nos
§ 2o  Aplicam-se ao Economista-Chefe as diversos setores econômicos do País;
mesmas normas de impedimento aplicáveis VII – manifestar-se, de ofício ou quando
aos Conselheiros do Tribunal, exceto quanto solicitada, a respeito do impacto concorrencial
ao comparecimento às sessões. de medidas em discussão no âmbito de fóruns
negociadores relativos às atividades de alteração
tarifária, ao acesso a mercados e à defesa comer-
cial, ressalvadas as competências dos órgãos
envolvidos;
VIII – encaminhar ao órgão competente re-
70 presentação para que este, a seu critério, ado-
te as medidas legais cabíveis, sempre que for Art. 22.  Anualmente, o Presidente do Tribunal,
identificado ato normativo que tenha caráter ouvido o Superintendente-Geral, encaminhará
anticompetitivo. ao Poder Executivo a proposta de orçamento do
§ 1o  Para o cumprimento de suas atribuições, Cade e a lotação ideal do pessoal que prestará
a Secretaria de Acompanhamento Econômico serviço àquela autarquia.
poderá:
I – requisitar informações e documentos de Art. 23.  Instituem-se taxas processuais sobre
quaisquer pessoas, órgãos, autoridades e enti- os processos de competência do Cade, no valor
dades, públicas ou privadas, mantendo o sigilo de R$ 85.000,00 (oitenta e cinco mil reais), para
legal quando for o caso; os processos que têm como fato gerador a apre-
II – celebrar acordos e convênios com órgãos sentação dos atos previstos no art. 88 desta Lei,
ou entidades públicas ou privadas, federais, es- e no valor de R$ 15.000,00 (quinze mil reais),
taduais, municipais, do Distrito Federal e dos para os processos que têm como fato gerador a
Territórios para avaliar e/ou sugerir medidas apresentação das consultas referidas no § 4o do
relacionadas à promoção da concorrência. art. 9o desta Lei.
§ 2o  A Secretaria de Acompanhamento Eco- Parágrafo único.  A taxa processual de que
nômico divulgará anualmente relatório de suas trata o caput deste artigo poderá ser atualizada
ações voltadas para a promoção da concorrência. por ato do Poder Executivo, após autorização
do Congresso Nacional.

TÍTULO III – Do Ministério Público Federal Art. 24.  São contribuintes da taxa processual
perante o CADE que tem como fato gerador a apresentação dos
atos previstos no art. 88 desta Lei qualquer das
Art. 20.  O Procurador-Geral da República, ou- requerentes.
vido o Conselho Superior, designará membro do
Ministério Público Federal para, nesta qualidade, Art. 25.  O recolhimento da taxa processual que
emitir parecer, nos processos administrativos tem como fato gerador a apresentação dos atos
para imposição de sanções administrativas por previstos no art. 88 desta Lei deverá ser com-
infrações à ordem econômica, de ofício ou a provado no momento da protocolização do ato.
requerimento do Conselheiro-Relator. § 1o  A taxa processual não recolhida no mo-
mento fixado no caput deste artigo será cobrada
com os seguintes acréscimos:
TÍTULO IV – Do Patrimônio, das Receitas I – juros de mora, contados do mês seguinte
e da Gestão Administrativa, Orçamentária e ao do vencimento, à razão de 1% (um por cento),
Financeira calculados na forma da legislação aplicável aos
tributos federais;
Art. 21.  Compete ao Presidente do Tribunal II – multa de mora de 20% (vinte por cento).
orientar, coordenar e supervisionar as atividades § 2o  Os juros de mora não incidem sobre o
administrativas do Cade, respeitadas as atribui- valor da multa de mora.
ções dos dirigentes dos demais órgãos previstos
no art. 5o desta Lei. Art. 26. (Vetado)
§ 1o  A Superintendência-Geral constituirá
unidade gestora, para fins administrativos e Art. 27.  As taxas de que tratam os arts. 23 e 26
financeiros, competindo ao seu Superinten- desta Lei serão recolhidas ao Tesouro Nacional
Normas correlatas

dente-Geral ordenar as despesas pertinentes às na forma regulamentada pelo Poder Executivo.


respectivas ações orçamentárias.
§ 2o  Para fins administrativos e financeiros, Art. 28.  Constituem receitas próprias do Cade:
o Departamento de Estudos Econômicos estará I – o produto resultante da arrecadação das
ligado ao Tribunal. taxas previstas nos arts. 23 e 26 desta Lei;
71
II – a retribuição por serviços de qualquer nistério da Justiça atualmente afetados às ativi-
natureza prestados a terceiros; dades do Departamento de Proteção e Defesa
III – as dotações consignadas no Orçamento Econômica da Secretaria de Direito Econômico.
Geral da União, créditos especiais, créditos adi-
cionais, transferências e repasses que lhe forem
conferidos; TÍTULO V – Das Infrações da Ordem
IV – os recursos provenientes de convênios, Econômica
acordos ou contratos celebrados com entidades CAPÍTULO I – Disposições Gerais
ou organismos nacionais e internacionais;
V – as doações, legados, subvenções e outros Art. 31.  Esta Lei aplica-se às pessoas físicas
recursos que lhe forem destinados; ou jurídicas de direito público ou privado, bem
VI – os valores apurados na venda ou aluguel como a quaisquer associações de entidades ou
de bens móveis e imóveis de sua propriedade; pessoas, constituídas de fato ou de direito, ainda
VII – o produto da venda de publicações, que temporariamente, com ou sem personalida-
material técnico, dados e informações; de jurídica, mesmo que exerçam atividade sob
VIII – os valores apurados em aplicações no regime de monopólio legal.
mercado financeiro das receitas previstas neste
artigo, na forma definida pelo Poder Executivo; e Art. 32.  As diversas formas de infração da or-
IX – quaisquer outras receitas, afetas às suas dem econômica implicam a responsabilidade da
atividades, não especificadas nos incisos I a VIII empresa e a responsabilidade individual de seus
do caput deste artigo. dirigentes ou administradores, solidariamente.
§ 1o (Vetado)
§ 2o (Vetado) Art. 33.  Serão solidariamente responsáveis as
§ 3o  O produto da arrecadação das multas empresas ou entidades integrantes de grupo eco-
aplicadas pelo Cade, inscritas ou não em dívida nômico, de fato ou de direito, quando pelo menos
ativa, será destinado ao Fundo de Defesa de uma delas praticar infração à ordem econômica.
Direitos Difusos de que trata o art. 13 da Lei
no 7.347, de 24 de julho de 1985, e a Lei no 9.008, Art. 34.  A personalidade jurídica do responsá-
de 21 de março de 1995. vel por infração da ordem econômica poderá ser
§ 4o  As multas arrecadadas na forma desta desconsiderada quando houver da parte deste
Lei serão recolhidas ao Tesouro Nacional na abuso de direito, excesso de poder, infração da
forma regulamentada pelo Poder Executivo. lei, fato ou ato ilícito ou violação dos estatutos
ou contrato social.
Art. 29.  O Cade submeterá anualmente ao Mi- Parágrafo único.  A desconsideração também
nistério da Justiça a sua proposta de orçamento, será efetivada quando houver falência, estado de
que será encaminhada ao Ministério do Plane- insolvência, encerramento ou inatividade da pes-
jamento, Orçamento e Gestão para inclusão na soa jurídica provocados por má administração.
lei orçamentária anual, a que se refere o § 5o do
art. 165 da Constituição Federal. Art. 35.  A repressão das infrações da ordem
Código de Defesa do Consumidor

§ 1o  O Cade fará acompanhar as propos- econômica não exclui a punição de outros ilícitos
tas orçamentárias de quadro demonstrativo do previstos em lei.
planejamento plurianual das receitas e despe-
sas, visando ao seu equilíbrio orçamentário e
financeiro nos 5 (cinco) exercícios subsequentes. CAPÍTULO II – Das Infrações
§ 2o  A lei orçamentária anual consignará as
dotações para as despesas de custeio e capital do Art. 36.  Constituem infração da ordem econô-
Cade, relativas ao exercício a que ela se referir. mica, independentemente de culpa, os atos sob
qualquer forma manifestados, que tenham por
Art. 30.  Somam-se ao atual patrimônio do objeto ou possam produzir os seguintes efeitos,
72 Cade os bens e direitos pertencentes ao Mi- ainda que não sejam alcançados:
I – limitar, falsear ou de qualquer forma pre- VI – exigir ou conceder exclusividade para
judicar a livre concorrência ou a livre iniciativa; divulgação de publicidade nos meios de comu-
II – dominar mercado relevante de bens ou nicação de massa;
serviços; VII – utilizar meios enganosos para provocar
III – aumentar arbitrariamente os lucros; e a oscilação de preços de terceiros;
IV – exercer de forma abusiva posição do- VIII – regular mercados de bens ou serviços,
minante. estabelecendo acordos para limitar ou controlar
§ 1o  A conquista de mercado resultante de a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico, a
processo natural fundado na maior eficiência produção de bens ou prestação de serviços, ou
de agente econômico em relação a seus com- para dificultar investimentos destinados à pro-
petidores não caracteriza o ilícito previsto no dução de bens ou serviços ou à sua distribuição;
inciso II do caput deste artigo. IX – impor, no comércio de bens ou servi-
§ 2o  Presume-se posição dominante sempre ços, a distribuidores, varejistas e representan-
que uma empresa ou grupo de empresas for ca- tes preços de revenda, descontos, condições de
paz de alterar unilateral ou coordenadamente as pagamento, quantidades mínimas ou máximas,
condições de mercado ou quando controlar 20% margem de lucro ou quaisquer outras condições
(vinte por cento) ou mais do mercado relevante, de comercialização relativos a negócios destes
podendo este percentual ser alterado pelo Cade com terceiros;
para setores específicos da economia. X – discriminar adquirentes ou fornecedores
§ 3o  As seguintes condutas, além de outras, de bens ou serviços por meio da fixação diferen-
na medida em que configurem hipótese prevista ciada de preços, ou de condições operacionais
no caput deste artigo e seus incisos, caracterizam de venda ou prestação de serviços;
infração da ordem econômica: XI – recusar a venda de bens ou a prestação
I – acordar, combinar, manipular ou ajustar de serviços, dentro das condições de pagamento
com concorrente, sob qualquer forma: normais aos usos e costumes comerciais;
a)  os preços de bens ou serviços ofertados XII – dificultar ou romper a continuidade ou
individualmente; desenvolvimento de relações comerciais de prazo
b)  a produção ou a comercialização de uma indeterminado em razão de recusa da outra
quantidade restrita ou limitada de bens ou a parte em submeter-se a cláusulas e condições
prestação de um número, volume ou frequência comerciais injustificáveis ou anticoncorrenciais;
restrita ou limitada de serviços; XIII – destruir, inutilizar ou açambarcar
c)  a divisão de partes ou segmentos de um matérias-primas, produtos intermediários ou
mercado atual ou potencial de bens ou serviços, acabados, assim como destruir, inutilizar ou di-
mediante, dentre outros, a distribuição de clien- ficultar a operação de equipamentos destinados
tes, fornecedores, regiões ou períodos; a produzi-los, distribuí-los ou transportá-los;
d)  preços, condições, vantagens ou abstenção XIV – açambarcar ou impedir a exploração de
em licitação pública; direitos de propriedade industrial ou intelectual
II – promover, obter ou influenciar a adoção ou de tecnologia;
de conduta comercial uniforme ou concertada XV – vender mercadoria ou prestar serviços
entre concorrentes; injustificadamente abaixo do preço de custo;
III – limitar ou impedir o acesso de novas XVI – reter bens de produção ou de consumo,
empresas ao mercado; exceto para garantir a cobertura dos custos de
IV – criar dificuldades à constituição, ao fun- produção;
cionamento ou ao desenvolvimento de empresa XVII – cessar parcial ou totalmente as ativi-
Normas correlatas

concorrente ou de fornecedor, adquirente ou dades da empresa sem justa causa comprovada;


financiador de bens ou serviços; XVIII – subordinar a venda de um bem à
V – impedir o acesso de concorrente às fontes aquisição de outro ou à utilização de um servi-
de insumo, matérias-primas, equipamentos ou ço, ou subordinar a prestação de um serviço à
tecnologia, bem como aos canais de distribuição; utilização de outro ou à aquisição de um bem; e
73
XIX – exercer ou explorar abusivamente di- dos fatos ou o interesse público geral, poderão
reitos de propriedade industrial, intelectual, ser impostas as seguintes penas, isolada ou cu-
tecnologia ou marca. mulativamente:
I – a publicação, em meia página e a expensas
do infrator, em jornal indicado na decisão, de
CAPÍTULO III – Das Penas extrato da decisão condenatória, por 2 (dois)
dias seguidos, de 1 (uma) a 3 (três) semanas
Art. 37.  A prática de infração da ordem econô- consecutivas;
mica sujeita os responsáveis às seguintes penas: II – a proibição de contratar com instituições
I – no caso de empresa, multa de 0,1% (um financeiras oficiais e participar de licitação tendo
décimo por cento) a 20% (vinte por cento) do por objeto aquisições, alienações, realização de
valor do faturamento bruto da empresa, grupo obras e serviços, concessão de serviços públi-
ou conglomerado obtido, no último exercício cos, na administração pública federal, estadual,
anterior à instauração do processo administra- municipal e do Distrito Federal, bem como em
tivo, no ramo de atividade empresarial em que entidades da administração indireta, por prazo
ocorreu a infração, a qual nunca será inferior não inferior a 5 (cinco) anos;
à vantagem auferida, quando for possível sua III – a inscrição do infrator no Cadastro Na-
estimação; cional de Defesa do Consumidor;
II – no caso das demais pessoas físicas ou IV – a recomendação aos órgãos públicos
jurídicas de direito público ou privado, bem competentes para que:
como quaisquer associações de entidades ou a)  seja concedida licença compulsória de
pessoas constituídas de fato ou de direito, ain- direito de propriedade intelectual de titularidade
da que temporariamente, com ou sem perso- do infrator, quando a infração estiver relacionada
nalidade jurídica, que não exerçam atividade ao uso desse direito;
empresarial, não sendo possível utilizar-se o b)  não seja concedido ao infrator parcela-
critério do valor do faturamento bruto, a multa mento de tributos federais por ele devidos ou
será entre R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) para que sejam cancelados, no todo ou em parte,
e R$ 2.000.000.000,00 (dois bilhões de reais); incentivos fiscais ou subsídios públicos;
III – no caso de administrador, direta ou in- V – a cisão de sociedade, transferência de
diretamente responsável pela infração cometida, controle societário, venda de ativos ou cessação
quando comprovada a sua culpa ou dolo, multa parcial de atividade;
de 1% (um por cento) a 20% (vinte por cento) VI – a proibição de exercer o comércio em
daquela aplicada à empresa, no caso previsto nome próprio ou como representante de pessoa
no inciso I do caput deste artigo, ou às pessoas jurídica, pelo prazo de até 5 (cinco) anos; e
jurídicas ou entidades, nos casos previstos no VII – qualquer outro ato ou providência ne-
inciso II do caput deste artigo. cessários para a eliminação dos efeitos nocivos
§ 1o  Em caso de reincidência, as multas co- à ordem econômica.
minadas serão aplicadas em dobro.
§ 2o  No cálculo do valor da multa de que Art. 39.  Pela continuidade de atos ou situações
Código de Defesa do Consumidor

trata o inciso I do caput deste artigo, o Cade po- que configurem infração da ordem econômica,
derá considerar o faturamento total da empresa após decisão do Tribunal determinando sua
ou grupo de empresas, quando não dispuser cessação, bem como pelo não cumprimento de
do valor do faturamento no ramo de atividade obrigações de fazer ou não fazer impostas, ou
empresarial em que ocorreu a infração, definido pelo descumprimento de medida preventiva ou
pelo Cade, ou quando este for apresentado de termo de compromisso de cessação previstos
forma incompleta e/ou não demonstrado de nesta Lei, o responsável fica sujeito a multa diária
forma inequívoca e idônea. fixada em valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais),
podendo ser aumentada em até 50 (cinquenta)
Art. 38.  Sem prejuízo das penas cominadas no vezes, se assim recomendar a situação econômica
74 art. 37 desta Lei, quando assim exigir a gravidade do infrator e a gravidade da infração.
Art. 40.  A recusa, omissão ou retardamento (cinco milhões de reais), de acordo com a gra-
injustificado de informação ou documentos vidade dos fatos e a situação econômica do
solicitados pelo Cade ou pela Secretaria de infrator, sem prejuízo das demais cominações
Acompanhamento Econômico constitui infra- legais cabíveis.
ção punível com multa diária de R$ 5.000,00
(cinco mil reais), podendo ser aumentada em Art. 44.  Aquele que prestar serviços ao Cade ou
até 20 (vinte) vezes, se necessário para garantir a Seae, a qualquer título, e que der causa, mesmo
sua eficácia, em razão da situação econômica que por mera culpa, à disseminação indevida
do infrator. de informação acerca de empresa, coberta por
§ 1o  O montante fixado para a multa diária sigilo, será punível com multa pecuniária de
de que trata o caput deste artigo constará do R$ 1.000,00 (mil reais) a R$ 20.000,00 (vinte
documento que contiver a requisição da auto- mil reais), sem prejuízo de abertura de outros
ridade competente. procedimentos cabíveis.
§ 2o  Compete à autoridade requisitante a § 1o  Se o autor da disseminação indevida
aplicação da multa prevista no caput deste artigo. estiver servindo o Cade em virtude de man-
§ 3o  Tratando-se de empresa estrangeira, dato, ou na qualidade de Procurador Federal
responde solidariamente pelo pagamento da ou Economista-Chefe, a multa será em dobro.
multa de que trata o caput sua filial, sucursal, § 2o  O Regulamento definirá o procedimento
escritório ou estabelecimento situado no País. para que uma informação seja tida como sigilosa,
no âmbito do Cade e da Seae.
Art. 41.  A falta injustificada do representado
ou de terceiros, quando intimados para prestar Art. 45.  Na aplicação das penas estabelecidas
esclarecimentos, no curso de inquérito ou pro- nesta Lei, levar-se-á em consideração:
cesso administrativo, sujeitará o faltante à multa I – a gravidade da infração;
de R$ 500,00 (quinhentos reais) a R$ 15.000,00 II – a boa-fé do infrator;
(quinze mil reais) para cada falta, aplicada con- III – a vantagem auferida ou pretendida pelo
forme sua situação econômica. infrator;
Parágrafo único.  A multa a que se refere o IV – a consumação ou não da infração;
caput deste artigo será aplicada mediante auto V – o grau de lesão, ou perigo de lesão, à
de infração pela autoridade competente. livre concorrência, à economia nacional, aos
consumidores, ou a terceiros;
Art. 42.  Impedir, obstruir ou de qualquer outra VI – os efeitos econômicos negativos produ-
forma dificultar a realização de inspeção auto- zidos no mercado;
rizada pelo Plenário do Tribunal, pelo Conse- VII – a situação econômica do infrator; e
lheiro-Relator ou pela Superintendência-Geral VIII – a reincidência.
no curso de procedimento preparatório, inquéri-
to administrativo, processo administrativo ou
qualquer outro procedimento sujeitará o inspe- CAPÍTULO IV – Da Prescrição
cionado ao pagamento de multa de R$ 20.000,00
(vinte mil reais) a R$ 400.000,00 (quatrocentos Art. 46.  Prescrevem em 5 (cinco) anos as ações
mil reais), conforme a situação econômica do punitivas da administração pública federal, di-
infrator, mediante a lavratura de auto de infração reta e indireta, objetivando apurar infrações da
pelo órgão competente. ordem econômica, contados da data da prática
do ilícito ou, no caso de infração permanente
Normas correlatas

Art. 43.  A enganosidade ou a falsidade de in- ou continuada, do dia em que tiver cessada a


formações, de documentos ou de declarações prática do ilícito.
prestadas por qualquer pessoa ao Cade ou à § 1o  Interrompe a prescrição qualquer ato
Secretaria de Acompanhamento Econômico administrativo ou judicial que tenha por objeto a
será punível com multa pecuniária no valor de apuração da infração contra a ordem econômica
R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$ 5.000.000,00 75
mencionada no caput deste artigo, bem como a IV – processo administrativo para análise de
notificação ou a intimação da investigada. ato de concentração econômica;
§ 2o  Suspende-se a prescrição durante a V – procedimento administrativo para apu-
vigência do compromisso de cessação ou do ração de ato de concentração econômica; e
acordo em controle de concentrações. VI – processo administrativo para imposição
§ 3o  Incide a prescrição no procedimento de sanções processuais incidentais.
administrativo paralisado por mais de 3 (três)
anos, pendente de julgamento ou despacho, cujos Art. 49.  O Tribunal e a Superintendência-Geral
autos serão arquivados de ofício ou mediante assegurarão nos procedimentos previstos nos
requerimento da parte interessada, sem preju- incisos II, III, IV e VI do caput do art. 48 des-
ízo da apuração da responsabilidade funcional ta Lei o tratamento sigiloso de documentos,
decorrente da paralisação, se for o caso. informações e atos processuais necessários à
§ 4o  Quando o fato objeto da ação punitiva elucidação dos fatos ou exigidos pelo interesse
da administração também constituir crime, a da sociedade.
prescrição reger-se-á pelo prazo previsto na lei Parágrafo único.  As partes poderão requerer
penal. tratamento sigiloso de documentos ou informa-
ções, no tempo e modo definidos no regimento
interno.
CAPÍTULO V – Do Direito de Ação
Art. 50.  A Superintendência-Geral ou o Con-
Art. 47.  Os prejudicados, por si ou pelos le- selheiro-Relator poderá admitir a intervenção
gitimados referidos no art. 82 da Lei no 8.078, no processo administrativo de:
de 11 de setembro de 1990, poderão ingressar I – terceiros titulares de direitos ou interes-
em juízo para, em defesa de seus interesses in- ses que possam ser afetados pela decisão a ser
dividuais ou individuais homogêneos, obter a adotada; ou
cessação de práticas que constituam infração da II – legitimados à propositura de ação civil
ordem econômica, bem como o recebimento pública pelos incisos III e IV do art. 82 da Lei
de indenização por perdas e danos sofridos, no 8.078, de 11 de setembro de 1990.
independentemente do inquérito ou processo
administrativo, que não será suspenso em vir- Art. 51.  Na tramitação dos processos no Cade,
tude do ajuizamento de ação. serão observadas as seguintes disposições, além
daquelas previstas no regimento interno:
I – os atos de concentração terão prioridade
TÍTULO VI – Das Diversas Espécies de sobre o julgamento de outras matérias;
Processo Administrativo II – a sessão de julgamento do Tribunal é
CAPÍTULO I – Disposições Gerais pública, salvo nos casos em que for determinado
tratamento sigiloso ao processo, ocasião em que
Art. 48.  Esta Lei regula os seguintes proce- as sessões serão reservadas;
dimentos administrativos instaurados para III – nas sessões de julgamento do Tribunal,
Código de Defesa do Consumidor

prevenção, apuração e repressão de infrações poderão o Superintendente-Geral, o Econo-


à ordem econômica: mista-Chefe, o Procurador-Chefe e as partes
I – procedimento preparatório de inquérito do processo requerer a palavra, que lhes será
administrativo para apuração de infrações à concedida, nessa ordem, nas condições e no
ordem econômica; prazo definido pelo regimento interno, a fim
II – inquérito administrativo para apuração de sustentarem oralmente suas razões perante
de infrações à ordem econômica; o Tribunal;
III – processo administrativo para imposi- IV – a pauta das sessões de julgamento será
ção de sanções administrativas por infrações à definida pelo Presidente, que determinará sua
ordem econômica; publicação, com pelo menos 120 (cento e vinte)
76 horas de antecedência; e
V – os atos e termos a serem praticados nos tendência-Geral fará publicar edital, indicando
autos dos procedimentos enumerados no art. 48 o nome dos requerentes, a natureza da operação
desta Lei poderão ser encaminhados de forma e os setores econômicos envolvidos.
eletrônica ou apresentados em meio magnético
ou equivalente, nos termos das normas do Cade. Art. 54.  Após cumpridas as providências in-
dicadas no art. 53, a Superintendência-Geral:
Art. 52.  O cumprimento das decisões do Tribu- I – conhecerá diretamente do pedido, pro-
nal e de compromissos e acordos firmados nos ferindo decisão terminativa, quando o proces-
termos desta Lei poderá, a critério do Tribunal, so dispensar novas diligências ou nos casos de
ser fiscalizado pela Superintendência-Geral, com menor potencial ofensivo à concorrência, assim
o respectivo encaminhamento dos autos, após definidos em resolução do Cade; ou
a decisão final do Tribunal. II – determinará a realização da instrução
§ 1o  Na fase de fiscalização da execução das complementar, especificando as diligências a
decisões do Tribunal, bem como do cumpri- serem produzidas.
mento de compromissos e acordos firmados nos
termos desta Lei, poderá a Superintendência- Art. 55.  Concluída a instrução complementar
Geral valer-se de todos os poderes instrutórios determinada na forma do inciso II do caput
que lhe são assegurados nesta Lei. do art. 54 desta Lei, a Superintendência-Geral
§ 2o  Cumprida integralmente a decisão do deverá manifestar-se sobre seu satisfatório cum-
Tribunal ou os acordos em controle de con- primento, recebendo-a como adequada ao exame
centrações e compromissos de cessação, a Su- de mérito ou determinando que seja refeita, por
perintendência-Geral, de ofício ou por provo- estar incompleta.
cação do interessado, manifestar-se-á sobre seu
cumprimento. Art. 56.  A Superintendência-Geral poderá, por
meio de decisão fundamentada, declarar a ope-
ração como complexa e determinar a realização
CAPÍTULO II – Do Processo Administrativo de nova instrução complementar, especificando
no Controle de Atos de Concentração as diligências a serem produzidas.
Econômica Parágrafo único.  Declarada a operação como
SEÇÃO I – Do Processo Administrativo na complexa, poderá a Superintendência-Geral
Superintendência-Geral requerer ao Tribunal a prorrogação do prazo
de que trata o § 2o do art. 88 desta Lei.
Art. 53.  O pedido de aprovação dos atos de
concentração econômica a que se refere o art. 88 Art. 57.  Concluídas as instruções complemen-
desta Lei deverá ser endereçado ao Cade e ins- tares de que tratam o inciso II do art. 54 e o
truído com as informações e documentos indis- art. 56 desta Lei, a Superintendência-Geral:
pensáveis à instauração do processo administra- I – proferirá decisão aprovando o ato sem
tivo, definidos em resolução do Cade, além do restrições;
comprovante de recolhimento da taxa respectiva. II – oferecerá impugnação perante o Tribu-
§ 1o  Ao verificar que a petição não preenche nal, caso entenda que o ato deva ser rejeitado,
os requisitos exigidos no caput deste artigo ou aprovado com restrições ou que não existam
apresenta defeitos e irregularidades capazes de elementos conclusivos quanto aos seus efeitos
dificultar o julgamento de mérito, a Superin- no mercado.
tendência-Geral determinará, uma única vez, Parágrafo único.  Na impugnação do ato pe-
Normas correlatas

que os requerentes a emendem, sob pena de rante o Tribunal, deverão ser demonstrados, de
arquivamento. forma circunstanciada, o potencial lesivo do ato
§ 2o  Após o protocolo da apresentação do ato à concorrência e as razões pelas quais não deve
de concentração, ou de sua emenda, a Superin- ser aprovado integralmente ou rejeitado.

77
SEÇÃO II – Do Processo Administrativo no § 1o  O Tribunal determinará as restrições
Tribunal cabíveis no sentido de mitigar os eventuais efei-
tos nocivos do ato de concentração sobre os
Art. 58.  O requerente poderá oferecer, no prazo mercados relevantes afetados.
de 30 (trinta) dias da data de impugnação da § 2o  As restrições mencionadas no § 1o deste
Superintendência-Geral, em petição escrita, di- artigo incluem:
rigida ao Presidente do Tribunal, manifestação I – a venda de ativos ou de um conjunto de
expondo as razões de fato e de direito com que ativos que constitua uma atividade empresarial;
se opõe à impugnação do ato de concentração II – a cisão de sociedade;
da Superintendência-Geral e juntando todas III – a alienação de controle societário;
as provas, estudos e pareceres que corroboram IV – a separação contábil ou jurídica de ati-
seu pedido. vidades;
Parágrafo único.  Em até 48 (quarenta e oito) V – o licenciamento compulsório de direitos
horas da decisão de que trata a impugnação pela de propriedade intelectual; e
Superintendência-Geral, disposta no inciso II do VI – qualquer outro ato ou providência ne-
caput do art. 57 desta Lei e na hipótese do inciso cessários para a eliminação dos efeitos nocivos
I do art. 65 desta Lei, o processo será distribuído, à ordem econômica.
por sorteio, a um Conselheiro-Relator. § 3o  Julgado o processo no mérito, o ato não
poderá ser novamente apresentado nem revisto
Art. 59.  Após a manifestação do requerente, o no âmbito do Poder Executivo.
Conselheiro-Relator:
I – proferirá decisão determinando a inclusão Art. 62.  Em caso de recusa, omissão, engano-
do processo em pauta para julgamento, caso en- sidade, falsidade ou retardamento injustificado,
tenda que se encontre suficientemente instruído; por parte dos requerentes, de informações ou
II – determinará a realização de instrução documentos cuja apresentação for determinada
complementar, se necessário, podendo, a seu pelo Cade, sem prejuízo das demais sanções
critério, solicitar que a Superintendência-Geral cabíveis, poderá o pedido de aprovação do ato
a realize, declarando os pontos controversos e de concentração ser rejeitado por falta de pro-
especificando as diligências a serem produzidas. vas, caso em que o requerente somente poderá
§ 1o  O Conselheiro-Relator poderá autorizar, realizar o ato mediante apresentação de novo
conforme o caso, precária e liminarmente, a pedido, nos termos do art. 53 desta Lei.
realização do ato de concentração econômica,
impondo as condições que visem à preservação Art. 63.  Os prazos previstos neste Capítulo não
da reversibilidade da operação, quando assim se suspendem ou interrompem por qualquer
recomendarem as condições do caso concreto. motivo, ressalvado o disposto no § 5o do art. 6o
§ 2o  O Conselheiro-Relator poderá acom- desta Lei, quando for o caso.
panhar a realização das diligências referidas no
inciso II do caput deste artigo. Art. 64. (Vetado)
Código de Defesa do Consumidor

Art. 60.  Após a conclusão da instrução, o Con-


selheiro-Relator determinará a inclusão do pro- SEÇÃO III – Do Recurso contra Decisão de
cesso em pauta para julgamento. Aprovação do Ato pela Superintendência-
Geral
Art. 61.  No julgamento do pedido de aprovação
do ato de concentração econômica, o Tribunal Art. 65.  No prazo de 15 (quinze) dias contado
poderá aprová-lo integralmente, rejeitá-lo ou a partir da publicação da decisão da Superinten-
aprová-lo parcialmente, caso em que determi- dência-Geral que aprovar o ato de concentração,
nará as restrições que deverão ser observadas na forma do inciso I do caput do art. 54 e do
como condição para a validade e eficácia do ato. inciso I do caput do art. 57 desta Lei:
78
I – caberá recurso da decisão ao Tribunal, que CAPÍTULO III – Do Inquérito
poderá ser interposto por terceiros interessados Administrativo para Apuração de Infrações
ou, em se tratando de mercado regulado, pela à Ordem Econômica e do Procedimento
respectiva agência reguladora; Preparatório
II – o Tribunal poderá, mediante provocação
de um de seus Conselheiros e em decisão fun- Art. 66.  O inquérito administrativo, procedi-
damentada, avocar o processo para julgamento mento investigatório de natureza inquisitorial,
ficando prevento o Conselheiro que encaminhou será instaurado pela Superintendência-Geral
a provocação. para apuração de infrações à ordem econômica.
§ 1o  Em até 5 (cinco) dias úteis a partir do § 1o  O inquérito administrativo será ins-
recebimento do recurso, o Conselheiro-Relator: taurado de ofício ou em face de representação
I – conhecerá do recurso e determinará a sua fundamentada de qualquer interessado, ou em
inclusão em pauta para julgamento; decorrência de peças de informação, quando
II – conhecerá do recurso e determinará a os indícios de infração à ordem econômica não
realização de instrução complementar, podendo, forem suficientes para a instauração de processo
a seu critério, solicitar que a Superintendência- administrativo.
Geral a realize, declarando os pontos contro- § 2o  A Superintendência-Geral poderá ins-
versos e especificando as diligências a serem taurar procedimento preparatório de inquéri-
produzidas; ou to administrativo para apuração de infrações
III – não conhecerá do recurso, determinando à ordem econômica para apurar se a conduta
o seu arquivamento. sob análise trata de matéria de competência do
§ 2o  As requerentes poderão manifestar-se Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência,
acerca do recurso interposto, em até 5 (cinco) nos termos desta Lei.
dias úteis do conhecimento do recurso no Tri- § 3o  As diligências tomadas no âmbito do
bunal ou da data do recebimento do relatório procedimento preparatório de inquérito admi-
com a conclusão da instrução complementar nistrativo para apuração de infrações à ordem
elaborada pela Superintendência-Geral, o que econômica deverão ser realizadas no prazo máxi-
ocorrer por último. mo de 30 (trinta) dias.
§ 3o  O litigante de má-fé arcará com mul- § 4o  Do despacho que ordenar o arquiva-
ta, em favor do Fundo de Defesa de Direitos mento de procedimento preparatório, indeferir o
Difusos, a ser arbitrada pelo Tribunal entre requerimento de abertura de inquérito adminis-
R$ 5.000,00 (cinco mil reais) e R$ 5.000.000,00 trativo, ou seu arquivamento, caberá recurso de
(cinco milhões de reais), levando-se em consi- qualquer interessado ao Superintendente-Geral,
deração sua condição econômica, sua atuação no na forma determinada em regulamento, que
processo e o retardamento injustificado causado decidirá em última instância.
à aprovação do ato. § 5o (Vetado)
§ 4o  A interposição do recurso a que se re- § 6o  A representação de Comissão do Con-
fere o caput deste artigo ou a decisão de avocar gresso Nacional, ou de qualquer de suas Casas,
suspende a execução do ato de concentração bem como da Secretaria de Acompanhamento
econômica até decisão final do Tribunal. Econômico, das agências reguladoras e da Pro-
§ 5o  O Conselheiro-Relator poderá acom- curadoria Federal junto ao Cade, independe
panhar a realização das diligências referidas no de procedimento preparatório, instaurando-se
inciso II do § 1o deste artigo. desde logo o inquérito administrativo ou pro-
cesso administrativo.
Normas correlatas

§ 7o  O representante e o indiciado poderão


requerer qualquer diligência, que será realizada
ou não, a juízo da Superintendência-Geral.
§ 8o  A Superintendência-Geral poderá so-
licitar o concurso da autoridade policial ou do
Ministério Público nas investigações. 79
§ 9o  O inquérito administrativo deverá ser CAPÍTULO IV – Do Processo
encerrado no prazo de 180 (cento e oitenta) dias, Administrativo para Imposição de Sanções
contado da data de sua instauração, prorrogáveis Administrativas por Infrações à Ordem
por até 60 (sessenta) dias, por meio de despacho Econômica
fundamentado e quando o fato for de difícil
elucidação e o justificarem as circunstâncias Art. 69.  O processo administrativo, procedi-
do caso concreto. mento em contraditório, visa a garantir ao acu-
§ 10.  Ao procedimento preparatório, assim sado a ampla defesa a respeito das conclusões
como ao inquérito administrativo, poderá ser do inquérito administrativo, cuja nota técnica
dado tratamento sigiloso, no interesse das inves- final, aprovada nos termos das normas do Cade,
tigações, a critério da Superintendência-Geral. constituirá peça inaugural.

Art. 67.  Até 10 (dez) dias úteis a partir da data Art. 70.  Na decisão que instaurar o processo
de encerramento do inquérito administrativo, administrativo, será determinada a notificação
a Superintendência-Geral decidirá pela instau- do representado para, no prazo de 30 (trinta)
ração do processo administrativo ou pelo seu dias, apresentar defesa e especificar as provas que
arquivamento. pretende sejam produzidas, declinando a qua-
§ 1o  O Tribunal poderá, mediante provo- lificação completa de até 3 (três) testemunhas.
cação de um Conselheiro e em decisão fun- § 1o  A notificação inicial conterá o inteiro
damentada, avocar o inquérito administrativo teor da decisão de instauração do processo ad-
ou procedimento preparatório de inquérito ministrativo e da representação, se for o caso.
administrativo arquivado pela Superintendên- § 2o  A notificação inicial do representado
cia-Geral, ficando prevento o Conselheiro que será feita pelo correio, com aviso de recebimento
encaminhou a provocação. em nome próprio, ou outro meio que assegure a
§ 2o  Avocado o inquérito administrativo, o certeza da ciência do interessado ou, não tendo
Conselheiro-Relator terá o prazo de 30 (trinta) êxito a notificação postal, por edital publicado
dias úteis para: no Diário Oficial da União e em jornal de grande
I – confirmar a decisão de arquivamento da circulação no Estado em que resida ou tenha
Superintendência-Geral, podendo, se entender sede, contando-se os prazos da juntada do aviso
necessário, fundamentar sua decisão; de recebimento, ou da publicação, conforme
II – transformar o inquérito administrativo o caso.
em processo administrativo, determinando a § 3o  A intimação dos demais atos processuais
realização de instrução complementar, poden- será feita mediante publicação no Diário Oficial
do, a seu critério, solicitar que a Superinten- da União, da qual deverá constar o nome do
dência-Geral a realize, declarando os pontos representado e de seu procurador, se houver.
controversos e especificando as diligências a § 4o  O representado poderá acompanhar o
serem produzidas. processo administrativo por seu titular e seus
§ 3o  Ao inquérito administrativo poderá ser diretores ou gerentes, ou por seu procurador,
dado tratamento sigiloso, no interesse das in- assegurando-se-lhes amplo acesso aos autos
Código de Defesa do Consumidor

vestigações, a critério do Plenário do Tribunal. no Tribunal.


§ 5o  O prazo de 30 (trinta) dias mencionado
Art. 68.  O descumprimento dos prazos fixados no caput deste artigo poderá ser dilatado por até
neste Capítulo pela Superintendência-Geral, 10 (dez) dias, improrrogáveis, mediante requi-
assim como por seus servidores, sem justificativa sição do representado.
devidamente comprovada nos autos, poderá
resultar na apuração da respectiva responsabi- Art. 71.  Considerar-se-á revel o representado
lidade administrativa, civil e criminal. que, notificado, não apresentar defesa no prazo
legal, incorrendo em confissão quanto à matéria
de fato, contra ele correndo os demais prazos,
80 independentemente de notificação.
Parágrafo único.  Qualquer que seja a fase poderá apresentar esclarecimentos ao Tribunal,
do processo, nele poderá intervir o revel, sem a propósito de assuntos que estejam em pauta.
direito à repetição de qualquer ato já praticado.
Art. 79.  A decisão do Tribunal, que em qual-
Art. 72.  Em até 30 (trinta) dias úteis após o quer hipótese será fundamentada, quando for
decurso do prazo previsto no art. 70 desta Lei, pela existência de infração da ordem econômica,
a Superintendência-Geral, em despacho funda- conterá:
mentado, determinará a produção de provas que I – especificação dos fatos que constituam a
julgar pertinentes, sendo-lhe facultado exercer infração apurada e a indicação das providên-
os poderes de instrução previstos nesta Lei, cias a serem tomadas pelos responsáveis para
mantendo-se o sigilo legal, quando for o caso. fazê-la cessar;
II – prazo dentro do qual devam ser iniciadas
Art. 73.  Em até 5 (cinco) dias úteis da data de e concluídas as providências referidas no inciso
conclusão da instrução processual determinada I do caput deste artigo;
na forma do art. 72 desta Lei, a Superintendên- III – multa estipulada;
cia-Geral notificará o representado para apre- IV – multa diária em caso de continuidade
sentar novas alegações, no prazo de 5 (cinco) da infração; e
dias úteis. V – multa em caso de descumprimento das
providências estipuladas.
Art. 74.  Em até 15 (quinze) dias úteis contados Parágrafo único.  A decisão do Tribunal será
do decurso do prazo previsto no art. 73 desta Lei, publicada dentro de 5 (cinco) dias úteis no Diário
a Superintendência-Geral remeterá os autos do Oficial da União.
processo ao Presidente do Tribunal, opinando,
em relatório circunstanciado, pelo seu arquiva- Art. 80.  Aplicam-se às decisões do Tribunal o
mento ou pela configuração da infração. disposto na Lei no 8.437, de 30 de junho de 1992.

Art. 75.  Recebido o processo, o Presidente do Art. 81.  Descumprida a decisão, no todo ou


Tribunal o distribuirá, por sorteio, ao Conse- em parte, será o fato comunicado ao Presidente
lheiro-Relator, que poderá, caso entenda neces- do Tribunal, que determinará à Procuradoria
sário, solicitar à Procuradoria Federal junto ao Federal junto ao Cade que providencie sua exe-
Cade que se manifeste no prazo de 20 (vinte) cução judicial.
dias.
Art. 82.  O descumprimento dos prazos fixados
Art. 76.  O Conselheiro-Relator poderá deter- neste Capítulo pelos membros do Cade, assim
minar diligências, em despacho fundamentado, como por seus servidores, sem justificativa de-
podendo, a seu critério, solicitar que a Superin- vidamente comprovada nos autos, poderá resul-
tendência-Geral as realize, no prazo assinado. tar na apuração da respectiva responsabilidade
Parágrafo único.  Após a conclusão das dili- administrativa, civil e criminal.
gências determinadas na forma deste artigo, o
Conselheiro-Relator notificará o representado Art. 83.  O Cade disporá de forma complemen-
para, no prazo de 15 (quinze) dias úteis, apre- tar sobre o inquérito e o processo administrativo.
sentar alegações finais.

Art. 77.  No prazo de 15 (quinze) dias úteis CAPÍTULO V – Da Medida Preventiva


Normas correlatas

contado da data de recebimento das alegações


finais, o Conselheiro-Relator solicitará a inclusão Art. 84.  Em qualquer fase do inquérito ad-
do processo em pauta para julgamento. ministrativo para apuração de infrações ou do
processo administrativo para imposição de san-
Art. 78.  A convite do Presidente, por indica- ções por infrações à ordem econômica, poderá
ção do Conselheiro-Relator, qualquer pessoa o Conselheiro-Relator ou o Superintendente- 81
Geral, por iniciativa própria ou mediante pro- que não poderá ser inferior ao mínimo previsto
vocação do Procurador-Chefe do Cade, adotar no art. 37 desta Lei.
medida preventiva, quando houver indício ou § 3o (Vetado)
fundado receio de que o representado, direta ou § 4o  A proposta de termo de compromisso
indiretamente, cause ou possa causar ao mercado de cessação de prática somente poderá ser apre-
lesão irreparável ou de difícil reparação, ou torne sentada uma única vez.
ineficaz o resultado final do processo. § 5o  A proposta de termo de compromisso
§ 1o  Na medida preventiva, determinar-se-á de cessação de prática poderá ter caráter con-
a imediata cessação da prática e será ordenada, fidencial.
quando materialmente possível, a reversão à si- § 6o  A apresentação de proposta de termo
tuação anterior, fixando multa diária nos termos de compromisso de cessação de prática não sus-
do art. 39 desta Lei. pende o andamento do processo administrativo.
§ 2o  Da decisão que adotar medida preventi- § 7o  O termo de compromisso de cessação de
va caberá recurso voluntário ao Plenário do Tri- prática terá caráter público, devendo o acordo
bunal, em 5 (cinco) dias, sem efeito suspensivo. ser publicado no sítio do Cade em 5 (cinco) dias
após a sua celebração.
§ 8o  O termo de compromisso de cessação de
CAPÍTULO VI – Do Compromisso de prática constitui título executivo extrajudicial.
Cessação § 9o  O processo administrativo ficará sus-
penso enquanto estiver sendo cumprido o
Art. 85.  Nos procedimentos administrativos compromisso e será arquivado ao término do
mencionados nos incisos I, II e III do art. 48 prazo fixado, se atendidas todas as condições
desta Lei, o Cade poderá tomar do represen- estabelecidas no termo.
tado compromisso de cessação da prática sob § 10.  A suspensão do processo administra-
investigação ou dos seus efeitos lesivos, sempre tivo a que se refere o § 9o deste artigo dar-se-á
que, em juízo de conveniência e oportunidade, somente em relação ao representado que firmou
devidamente fundamentado, entender que aten- o compromisso, seguindo o processo seu curso
de aos interesses protegidos por lei. regular para os demais representados.
§ 1o  Do termo de compromisso deverão § 11.  Declarado o descumprimento do
constar os seguintes elementos: compromisso, o Cade aplicará as sanções nele
I – a especificação das obrigações do repre- previstas e determinará o prosseguimento do
sentado no sentido de não praticar a conduta processo administrativo e as demais medidas
investigada ou seus efeitos lesivos, bem como administrativas e judiciais cabíveis para sua
obrigações que julgar cabíveis; execução.
II – a fixação do valor da multa para o caso de § 12.  As condições do termo de compromisso
descumprimento, total ou parcial, das obrigações poderão ser alteradas pelo Cade se se comprovar
compromissadas; sua excessiva onerosidade para o representado,
III – a fixação do valor da contribuição pecu- desde que a alteração não acarrete prejuízo para
niária ao Fundo de Defesa de Direitos Difusos terceiros ou para a coletividade.
Código de Defesa do Consumidor

quando cabível. § 13.  A proposta de celebração do compro-


§ 2o  Tratando-se da investigação da prática misso de cessação de prática será indeferida
de infração relacionada ou decorrente das con- quando a autoridade não chegar a um acordo
dutas previstas nos incisos I e II do § 3o do art. 36 com os representados quanto aos seus termos.
desta Lei, entre as obrigações a que se refere o § 14.  O Cade definirá, em resolução, normas
inciso I do § 1o deste artigo figurará, necessa- complementares sobre o termo de compromisso
riamente, a obrigação de recolher ao Fundo de de cessação.
Defesa de Direitos Difusos um valor pecuniário § 15.  Aplica-se o disposto no art. 50 desta
Lei ao Compromisso de Cessação da Prática.

82
CAPÍTULO VII – Do Programa de I – decretar a extinção da ação punitiva da
Leniência administração pública em favor do infrator, nas
hipóteses em que a proposta de acordo tiver sido
Art. 86.  O Cade, por intermédio da Superin- apresentada à Superintendência-Geral sem que
tendência-Geral, poderá celebrar acordo de essa tivesse conhecimento prévio da infração
leniência, com a extinção da ação punitiva da noticiada; ou
administração pública ou a redução de 1 (um) II – nas demais hipóteses, reduzir de 1 (um) a
a 2/3 (dois terços) da penalidade aplicável, nos 2/3 (dois terços) as penas aplicáveis, observado
termos deste artigo, com pessoas físicas e ju- o disposto no art. 45 desta Lei, devendo ainda
rídicas que forem autoras de infração à ordem considerar na gradação da pena a efetividade da
econômica, desde que colaborem efetivamente colaboração prestada e a boa-fé do infrator no
com as investigações e o processo administrativo cumprimento do acordo de leniência.
e que dessa colaboração resulte: § 5o  Na hipótese do inciso II do § 4o deste
I – a identificação dos demais envolvidos na artigo, a pena sobre a qual incidirá o fator redutor
infração; e não será superior à menor das penas aplicadas
II – a obtenção de informações e documentos aos demais coautores da infração, relativamente
que comprovem a infração noticiada ou sob aos percentuais fixados para a aplicação das
investigação. multas de que trata o inciso I do art. 37 desta Lei.
§ 1o  O acordo de que trata o caput deste arti- § 6o  Serão estendidos às empresas do mesmo
go somente poderá ser celebrado se preenchidos, grupo, de fato ou de direito, e aos seus dirigen-
cumulativamente, os seguintes requisitos: tes, administradores e empregados envolvidos
I – a empresa seja a primeira a se qualificar na infração os efeitos do acordo de leniência,
com respeito à infração noticiada ou sob in- desde que o firmem em conjunto, respeitadas
vestigação; as condições impostas.
II – a empresa cesse completamente seu en- § 7o  A empresa ou pessoa física que não
volvimento na infração noticiada ou sob investi- obtiver, no curso de inquérito ou processo ad-
gação a partir da data de propositura do acordo; ministrativo, habilitação para a celebração do
III – a Superintendência-Geral não disponha acordo de que trata este artigo, poderá celebrar
de provas suficientes para assegurar a condena- com a Superintendência-Geral, até a remessa do
ção da empresa ou pessoa física por ocasião da processo para julgamento, acordo de leniência
propositura do acordo; e relacionado a uma outra infração, da qual o
IV – a empresa confesse sua participação no Cade não tenha qualquer conhecimento prévio.
ilícito e coopere plena e permanentemente com § 8o  Na hipótese do § 7o deste artigo, o infra-
as investigações e o processo administrativo, tor se beneficiará da redução de 1/3 (um terço)
comparecendo, sob suas expensas, sempre que da pena que lhe for aplicável naquele processo,
solicitada, a todos os atos processuais, até seu sem prejuízo da obtenção dos benefícios de que
encerramento. trata o inciso I do § 4o deste artigo em relação
§ 2o  Com relação às pessoas físicas, elas à nova infração denunciada.
poderão celebrar acordos de leniência desde § 9o  Considera-se sigilosa a proposta de acor-
que cumpridos os requisitos II, III e IV do § 1o do de que trata este artigo, salvo no interesse
deste artigo. das investigações e do processo administrativo.
§ 3o  O acordo de leniência firmado com o § 10.  Não importará em confissão quanto à
Cade, por intermédio da Superintendência- matéria de fato, nem reconhecimento de ilicitude
Geral, estipulará as condições necessárias para da conduta analisada, a proposta de acordo de
Normas correlatas

assegurar a efetividade da colaboração e o re- leniência rejeitada, da qual não se fará qualquer
sultado útil do processo. divulgação.
§ 4o  Compete ao Tribunal, por ocasião do § 11.  A aplicação do disposto neste artigo
julgamento do processo administrativo, verifi- observará as normas a serem editadas pelo Tri-
cado o cumprimento do acordo: bunal.
83
§ 12.  Em caso de descumprimento do acordo e realizado em, no máximo, 240 (duzentos e
de leniência, o beneficiário ficará impedido de quarenta) dias, a contar do protocolo de petição
celebrar novo acordo de leniência pelo prazo de ou de sua emenda.
3 (três) anos, contado da data de seu julgamento. § 3o  Os atos que se subsumirem ao disposto
no caput deste artigo não podem ser consumados
Art. 87.  Nos crimes contra a ordem econômica, antes de apreciados, nos termos deste artigo e do
tipificados na Lei no 8.137, de 27 de dezembro de procedimento previsto no Capítulo II do Título
1990, e nos demais crimes diretamente relacio- VI desta Lei, sob pena de nulidade, sendo ainda
nados à prática de cartel, tais como os tipificados imposta multa pecuniária, de valor não inferior
na Lei no 8.666, de 21 de junho de 1993, e os a R$ 60.000,00 (sessenta mil reais) nem superior
tipificados no art. 288 do Decreto-lei no 2.848, a R$ 60.000.000,00 (sessenta milhões de reais), a
de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, a ser aplicada nos termos da regulamentação, sem
celebração de acordo de leniência, nos termos prejuízo da abertura de processo administrativo,
desta Lei, determina a suspensão do curso do nos termos do art. 69 desta Lei.
prazo prescricional e impede o oferecimento § 4o  Até a decisão final sobre a operação,
da denúncia com relação ao agente beneficiário deverão ser preservadas as condições de concor-
da leniência. rência entre as empresas envolvidas, sob pena
Parágrafo único.  Cumprido o acordo de de aplicação das sanções previstas no § 3o deste
leniência pelo agente, extingue-se automatica- artigo.
mente a punibilidade dos crimes a que se refere § 5o  Serão proibidos os atos de concentração
o caput deste artigo. que impliquem eliminação da concorrência em
parte substancial de mercado relevante, que pos-
sam criar ou reforçar uma posição dominante
TÍTULO VII – Do Controle de ou que possam resultar na dominação de mer-
Concentrações cado relevante de bens ou serviços, ressalvado
CAPÍTULO I – Dos Atos de Concentração o disposto no § 6o deste artigo.
§ 6o  Os atos a que se refere o § 5o deste ar-
Art. 88.  Serão submetidos ao Cade pelas partes tigo poderão ser autorizados, desde que sejam
envolvidas na operação os atos de concentração observados os limites estritamente necessários
econômica em que, cumulativamente: para atingir os seguintes objetivos:
I – pelo menos um dos grupos envolvidos na I – cumulada ou alternativamente:
operação tenha registrado, no último balanço, a)  aumentar a produtividade ou a compe-
faturamento bruto anual ou volume de negó- titividade;
cios total no País, no ano anterior à operação, b)  melhorar a qualidade de bens ou servi-
equivalente ou superior a R$ 400.000.000,00 ços; ou
(quatrocentos milhões de reais); e c)  propiciar a eficiência e o desenvolvimento
II – pelo menos um outro grupo envolvido na tecnológico ou econômico; e
operação tenha registrado, no último balanço, II – sejam repassados aos consumidores parte
faturamento bruto anual ou volume de negócios relevante dos benefícios decorrentes.
Código de Defesa do Consumidor

total no País, no ano anterior à operação, equi- § 7o  É facultado ao Cade, no prazo de 1 (um)
valente ou superior a R$ 30.000.000,00 (trinta ano a contar da respectiva data de consumação,
milhões de reais). requerer a submissão dos atos de concentração
§ 1o  Os valores mencionados nos incisos I que não se enquadrem no disposto neste artigo.
e II do caput deste artigo poderão ser adequa- § 8o  As mudanças de controle acionário de
dos, simultânea ou independentemente, por companhias abertas e os registros de fusão, sem
indicação do Plenário do Cade, por portaria prejuízo da obrigação das partes envolvidas,
interministerial dos Ministros de Estado da Fa- devem ser comunicados ao Cade pela Comissão
zenda e da Justiça. de Valores Mobiliários – CVM e pelo Departa-
§ 2o  O controle dos atos de concentração mento Nacional do Registro do Comércio do
84 de que trata o caput deste artigo será prévio Ministério do Desenvolvimento, Indústria e
Comércio Exterior, respectivamente, no prazo ou mediante provocação da Superintendência-
de 5 (cinco) dias úteis para, se for o caso, ser Geral, se a decisão for baseada em informações
examinados. falsas ou enganosas prestadas pelo interessado,
§ 9o  O prazo mencionado no § 2o deste artigo se ocorrer o descumprimento de quaisquer das
somente poderá ser dilatado: obrigações assumidas ou não forem alcançados
I – por até 60 (sessenta) dias, improrrogáveis, os benefícios visados.
mediante requisição das partes envolvidas na Parágrafo único.  Na hipótese referida no
operação; ou caput deste artigo, a falsidade ou enganosida-
II – por até 90 (noventa) dias, mediante de- de será punida com multa pecuniária, de valor
cisão fundamentada do Tribunal, em que sejam não inferior a R$ 60.000,00 (sessenta mil reais)
especificados as razões para a extensão, o prazo nem superior a R$ 6.000.000,00 (seis milhões
da prorrogação, que será não renovável, e as de reais), a ser aplicada na forma das normas
providências cuja realização seja necessária para do Cade, sem prejuízo da abertura de processo
o julgamento do processo. administrativo, nos termos do art. 67 desta Lei,
e da adoção das demais medidas cabíveis.
Art. 89.  Para fins de análise do ato de con-
centração apresentado, serão obedecidos os
procedimentos estabelecidos no Capítulo II do CAPÍTULO II – Do Acordo em Controle de
Título VI desta Lei. Concentrações
Parágrafo único.  O Cade regulamentará, por
meio de Resolução, a análise prévia de atos de Art. 92. (Vetado)
concentração realizados com o propósito es-
pecífico de participação em leilões, licitações
e operações de aquisição de ações por meio de TÍTULO VIII – Da Execução Judicial das
oferta pública. Decisões do CADE
CAPÍTULO I – Do Processo
Art. 90.  Para os efeitos do art. 88 desta Lei,
realiza-se um ato de concentração quando: Art. 93.  A decisão do Plenário do Tribunal,
I – 2 (duas) ou mais empresas anteriormente cominando multa ou impondo obrigação de
independentes se fundem; fazer ou não fazer, constitui título executivo
II – 1 (uma) ou mais empresas adquirem, extrajudicial.
direta ou indiretamente, por compra ou permuta
de ações, quotas, títulos ou valores mobiliários Art. 94.  A execução que tenha por objeto exclu-
conversíveis em ações, ou ativos, tangíveis ou sivamente a cobrança de multa pecuniária será
intangíveis, por via contratual ou por qualquer feita de acordo com o disposto na Lei no 6.830,
outro meio ou forma, o controle ou partes de de 22 de setembro de 1980.
uma ou outras empresas;
III – 1 (uma) ou mais empresas incorporam Art. 95.  Na execução que tenha por objeto,
outra ou outras empresas; ou além da cobrança de multa, o cumprimento de
IV – 2 (duas) ou mais empresas celebram obrigação de fazer ou não fazer, o Juiz concederá
contrato associativo, consórcio ou joint venture. a tutela específica da obrigação, ou determinará
Parágrafo único.  Não serão considerados atos providências que assegurem o resultado prático
de concentração, para os efeitos do disposto no equivalente ao do adimplemento.
art. 88 desta Lei, os descritos no inciso IV do § 1o  A conversão da obrigação de fazer ou
Normas correlatas

caput, quando destinados às licitações promovi- não fazer em perdas e danos somente será ad-
das pela administração pública direta e indireta missível se impossível a tutela específica ou a
e aos contratos delas decorrentes. obtenção do resultado prático correspondente.
§ 2o  A indenização por perdas e danos far-
Art. 91.  A aprovação de que trata o art. 88 desta se-á sem prejuízo das multas.
Lei poderá ser revista pelo Tribunal, de ofício 85
Art. 96.  A execução será feita por todos os mei- demais espécies de ação, exceto habeas corpus
os, inclusive mediante intervenção na empresa, e mandado de segurança.
quando necessária.

Art. 97.  A execução das decisões do Cade será CAPÍTULO II – Da Intervenção Judicial


promovida na Justiça Federal do Distrito Federal
ou da sede ou domicílio do executado, à escolha Art. 102.  O Juiz decretará a intervenção na
do Cade. empresa quando necessária para permitir a
execução específica, nomeando o interventor.
Art. 98.  O oferecimento de embargos ou o Parágrafo único.  A decisão que determinar a
ajuizamento de qualquer outra ação que vise à intervenção deverá ser fundamentada e indicará,
desconstituição do título executivo não suspen- clara e precisamente, as providências a serem
derá a execução, se não for garantido o juízo no tomadas pelo interventor nomeado.
valor das multas aplicadas, para que se garanta
o cumprimento da decisão final proferida nos Art. 103.  Se, dentro de 48 (quarenta e oito)
autos, inclusive no que tange a multas diárias. horas, o executado impugnar o interventor por
§ 1o  Para garantir o cumprimento das obriga- motivo de inaptidão ou inidoneidade, feita a
ções de fazer, deverá o juiz fixar caução idônea. prova da alegação em 3 (três) dias, o juiz decidirá
§ 2o  Revogada a liminar, o depósito do valor em igual prazo.
da multa converter-se-á em renda do Fundo de
Defesa de Direitos Difusos. Art. 104.  Sendo a impugnação julgada proce-
§ 3o  O depósito em dinheiro não suspende- dente, o juiz nomeará novo interventor no prazo
rá a incidência de juros de mora e atualização de 5 (cinco) dias.
monetária, podendo o Cade, na hipótese do § 2o
deste artigo, promover a execução para cobrança Art. 105.  A intervenção poderá ser revogada
da diferença entre o valor revertido ao Fundo de antes do prazo estabelecido, desde que compro-
Defesa de Direitos Difusos e o valor da multa vado o cumprimento integral da obrigação que
atualizado, com os acréscimos legais, como se a determinou.
sua exigibilidade do crédito jamais tivesse sido
suspensa. Art. 106.  A intervenção judicial deverá restrin-
§ 4o (Revogado) gir-se aos atos necessários ao cumprimento da
decisão judicial que a determinar e terá duração
Art. 99.  Em razão da gravidade da infração da máxima de 180 (cento e oitenta) dias, ficando o
ordem econômica, e havendo fundado receio de interventor responsável por suas ações e omis-
dano irreparável ou de difícil reparação, ainda sões, especialmente em caso de abuso de poder
que tenha havido o depósito das multas e presta- e desvio de finalidade.
ção de caução, poderá o Juiz determinar a adoção § 1o  Aplica-se ao interventor, no que couber,
imediata, no todo ou em parte, das providências o disposto nos arts. 153 a 159 da Lei no 6.404,
contidas no título executivo. de 15 de dezembro de 1976.
Código de Defesa do Consumidor

§ 2o  A remuneração do interventor será


Art. 100.  No cálculo do valor da multa diária arbitrada pelo Juiz, que poderá substituí-lo a
pela continuidade da infração, tomar-se-á como qualquer tempo, sendo obrigatória a substituição
termo inicial a data final fixada pelo Cade para quando incorrer em insolvência civil, quando
a adoção voluntária das providências contidas for sujeito passivo ou ativo de qualquer forma de
em sua decisão, e como termo final o dia do seu corrupção ou prevaricação, ou infringir quais-
efetivo cumprimento. quer de seus deveres.

Art. 101.  O processo de execução em juízo Art. 107.  O juiz poderá afastar de suas funções
das decisões do Cade terá preferência sobre as os responsáveis pela administração da empresa
86 que, comprovadamente, obstarem o cumpri-
mento de atos de competência do interventor, Art. 113.  Visando a implementar a transição
devendo eventual substituição dar-se na forma para o sistema de mandatos não coincidentes,
estabelecida no contrato social da empresa. as nomeações dos Conselheiros observarão os
§ 1o  Se, apesar das providências previstas seguintes critérios de duração dos mandatos,
no caput deste artigo, um ou mais responsáveis nessa ordem:
pela administração da empresa persistirem em I – 2 (dois) anos para os primeiros 2 (dois)
obstar a ação do interventor, o juiz procederá na mandatos vagos; e
forma do disposto no § 2o deste artigo. II – 3 (três) anos para o terceiro e o quarto
§ 2o  Se a maioria dos responsáveis pela ad- mandatos vagos.
ministração da empresa recusar colaboração ao § 1o  Os mandatos dos membros do Cade e
interventor, o juiz determinará que este assuma do Procurador-Chefe em vigor na data de pro-
a administração total da empresa. mulgação desta Lei serão mantidos e exercidos
até o seu término original, devendo as nomea-
Art. 108.  Compete ao interventor: ções subsequentes à extinção desses mandatos
I – praticar ou ordenar que sejam praticados observar o disposto neste artigo.
os atos necessários à execução; § 2o  Na hipótese do § 1o deste artigo, o Con-
II – denunciar ao Juiz quaisquer irregularida- selheiro que estiver exercendo o seu primeiro
des praticadas pelos responsáveis pela empresa mandato no Cade, após o término de seu manda-
e das quais venha a ter conhecimento; e to original, poderá ser novamente nomeado no
III – apresentar ao Juiz relatório mensal de mesmo cargo, observado o disposto nos incisos
suas atividades. I e II do caput deste artigo.
§ 3o  O Conselheiro que estiver exercendo o
Art. 109.  As despesas resultantes da interven- seu segundo mandato no Cade, após o término
ção correrão por conta do executado contra de seu mandato original, não poderá ser nova-
quem ela tiver sido decretada. mente nomeado para o período subsequente.
§ 4o  Não haverá recondução para o Procu-
Art. 110.  Decorrido o prazo da intervenção, rador-Chefe que estiver exercendo mandato no
o interventor apresentará ao juiz relatório cir- Cade, após o término de seu mandato original,
cunstanciado de sua gestão, propondo a extinção podendo ele ser indicado para permanecer no
e o arquivamento do processo ou pedindo a cargo na forma do art. 16 desta Lei.
prorrogação do prazo na hipótese de não ter
sido possível cumprir integralmente a decisão Art. 114. (Vetado)
exequenda.
Art. 115.  Aplicam-se subsidiariamente aos
Art. 111.  Todo aquele que se opuser ou obs- processos administrativo e judicial previstos
taculizar a intervenção ou, cessada esta, prati- nesta Lei as disposições das Leis nos 5.869, de
car quaisquer atos que direta ou indiretamente 11 de janeiro de 1973 – Código de Processo
anulem seus efeitos, no todo ou em parte, ou Civil, 7.347, de 24 de julho de 1985, 8.078, de 11
desobedecer a ordens legais do interventor será, de setembro de 1990, e 9.784, de 29 de janeiro
conforme o caso, responsabilizado criminalmen- de 1999.
te por resistência, desobediência ou coação no
curso do processo, na forma dos arts. 329, 330 Art. 116.  O art. 4o da Lei no 8.137, de 27 de
e 344 do Decreto-lei no 2.848, de 7 de dezembro dezembro de 1990, passa a vigorar com a se-
de 1940 – Código Penal. guinte redação:
Normas correlatas

��������������������������������������������������������������������������������

TÍTULO IX – Disposições Finais e Art. 117. O caput e o inciso V do art. 1o da


Transitórias Lei no 7.347, de 24 de julho de 1985, passam a
vigorar com a seguinte redação:
Art. 112. (Vetado) �������������������������������������������������������������������������������� 87
Art. 118.  Nos processos judiciais em que se Art. 123.  Ato do Ministro de Estado do Pla-
discuta a aplicação desta Lei, o Cade deverá ser nejamento, Orçamento e Gestão fixará o quan-
intimado para, querendo, intervir no feito na titativo ideal de cargos efetivos, ocupados, a
qualidade de assistente. serem mantidos, mediante lotação, requisição
ou exercício, no âmbito do Cade e da Secretaria
Art. 119.  O disposto nesta Lei não se aplica aos de Acompanhamento Econômico, bem como
casos de dumping e subsídios de que tratam os fixará cronograma para que sejam atingidos
Acordos Relativos à Implementação do Artigo os seus quantitativos, observadas as dotações
VI do Acordo Geral sobre Tarifas Aduanei- consignadas nos Orçamentos da União.
ras e Comércio, promulgados pelos Decretos
nos 93.941 e 93.962, de 16 e 22 de janeiro de Art. 124.  Ficam criados, no âmbito do Poder
1987, respectivamente. Executivo Federal, para alocação ao Cade, os
seguintes cargos em comissão do Grupo-Direção
Art. 120. (Vetado) e Assessoramento Superiores – DAS: 2 (dois)
cargos de natureza especial NES de Presidente do
Art. 121.  Ficam criados, para exercício na Cade e Superintendente-Geral do Cade, 7 (sete)
Secretaria de Acompanhamento Econômico DAS-6, 16 (dezesseis) DAS-4, 8 (oito) DAS-3, 11
e, prioritariamente, no Cade, observadas as (onze) DAS-2 e 21 (vinte e um) DAS-1.
diretrizes e quantitativos estabelecidos pelo
Órgão Supervisor da Carreira, 200 (duzentos) Art. 125.  O Poder Executivo disporá sobre a
cargos de Especialistas em Políticas Públicas e estrutura regimental do Cade, sobre as compe-
Gestão Governamental, integrantes da Carreira tências e atribuições, denominação das unidades
de Especialista em Políticas Públicas e Gestão e especificações dos cargos, promovendo a alo-
Governamental, para o exercício das atribuições cação, nas unidades internas da autarquia, dos
referidas no art. 1o da Lei no 7.834, de 6 de ou- cargos em comissão e das funções gratificadas.
tubro de 1989, a serem providos gradualmente,
observados os limites e a autorização específica Art. 126.  Ficam extintos, no âmbito do Poder
da lei de diretrizes orçamentárias, nos termos Executivo Federal, os seguintes cargos em co-
do inciso II do § 1o do art. 169 da Constituição missão do Grupo-Direção e Assessoramento
Federal. Superiores – DAS e Funções Gratificadas – FG:
Parágrafo único.  Ficam transferidos para o 3 (três) DAS-5, 2 (duas) FG-1 e 16 (dezesseis)
Cade os cargos pertencentes ao Ministério da FG-3.
Justiça atualmente alocados no Departamento
de Proteção e Defesa Econômica da Secretaria Art. 127.  Ficam revogados a Lei no 9.781, de 19
de Direito Econômico, bem como o DAS-6 do de janeiro de 1999, os arts. 5o e 6o da Lei no 8.137,
Secretário de Direito Econômico. de 27 de dezembro de 1990, e os arts. 1o a 85 e
88 a 93 da Lei no 8.884, de 11 de junho de 1994.
Art. 122.  Os órgãos do SBDC poderão requisi-
tar servidores da administração pública federal Art. 128.  Esta Lei entra em vigor após decorri-
Código de Defesa do Consumidor

direta, autárquica ou fundacional para neles dos 180 (cento e oitenta) dias de sua publicação
ter exercício, independentemente do exercício oficial.
de cargo em comissão ou função de confiança.
Parágrafo único.  Ao servidor requisitado na Brasília, 30 de novembro de 2011; 190o da In-
forma deste artigo são assegurados todos os dependência e 123o da República.
direitos e vantagens a que façam jus no órgão
ou entidade de origem, considerando-se o perí- DILMA ROUSSEFF
odo de requisição para todos os efeitos da vida
funcional, como efetivo exercício no cargo que Promulgada em 30/11/2011, publicada no DOU de
ocupe no órgão ou entidade de origem. 1o/12/2011 e retificada no DOU de 2/12/2011.
88
Lei no 12.414/2011
Disciplina a formação e consulta a bancos de dados com informações de adimplemento, de pessoas
naturais ou de pessoas jurídicas, para formação de histórico de crédito.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA VII – histórico de crédito: conjunto de dados


financeiros e de pagamentos relativos às ope-
Faço saber que o Congresso Nacional decreta rações de crédito e obrigações de pagamento
e eu sanciono a seguinte Lei: adimplidas ou em andamento por pessoa natural
ou jurídica.
Art. 1o  Esta Lei disciplina a formação e consulta
a bancos de dados com informações de adim- Art. 3o  Os bancos de dados poderão conter
plemento, de pessoas naturais ou de pessoas informações de adimplemento do cadastrado,
jurídicas, para formação de histórico de crédito, para a formação do histórico de crédito, nas
sem prejuízo do disposto na Lei no 8.078, de 11 condições estabelecidas nesta Lei.
de setembro de 1990 – Código de Proteção e § 1o  Para a formação do banco de dados,
Defesa do Consumidor. somente poderão ser armazenadas informações
Parágrafo único.  Os bancos de dados ins- objetivas, claras, verdadeiras e de fácil com-
tituídos ou mantidos por pessoas jurídicas de preensão, que sejam necessárias para avaliar a
direito público interno serão regidos por legis- situação econômica do cadastrado.
lação específica. § 2o  Para os fins do disposto no § 1o, consi-
deram-se informações:
Art. 2o  Para os efeitos desta Lei, considera-se: I – objetivas: aquelas descritivas dos fatos e
I – banco de dados: conjunto de dados rela- que não envolvam juízo de valor;
tivo a pessoa natural ou jurídica armazenados II – claras: aquelas que possibilitem o imedi-
com a finalidade de subsidiar a concessão de ato entendimento do cadastrado independen-
crédito, a realização de venda a prazo ou de temente de remissão a anexos, fórmulas, siglas,
outras transações comerciais e empresariais símbolos, termos técnicos ou nomenclatura
que impliquem risco financeiro; específica;
II – gestor: pessoa jurídica responsável pela III – verdadeiras: aquelas exatas, completas e
administração de banco de dados, bem como sujeitas à comprovação nos termos desta Lei; e
pela coleta, armazenamento, análise e acesso de IV – de fácil compreensão: aquelas em sen-
terceiros aos dados armazenados; tido comum que assegurem ao cadastrado o
III – cadastrado: pessoa natural ou jurídica pleno conhecimento do conteúdo, do sentido e
que tenha autorizado inclusão de suas informa- do alcance dos dados sobre ele anotados.
ções no banco de dados; § 3o  Ficam proibidas as anotações de:
IV – fonte: pessoa natural ou jurídica que I – informações excessivas, assim conside-
conceda crédito ou realize venda a prazo ou radas aquelas que não estiverem vinculadas à
outras transações comerciais e empresariais análise de risco de crédito ao consumidor; e
que lhe impliquem risco financeiro; II – informações sensíveis, assim considera-
V – consulente: pessoa natural ou jurídica das aquelas pertinentes à origem social e étnica,
Normas correlatas

que acesse informações em bancos de dados à saúde, à informação genética, à orientação


para qualquer finalidade permitida por esta Lei; sexual e às convicções políticas, religiosas e
VI – anotação: ação ou efeito de anotar, as- filosóficas.
sinalar, averbar, incluir, inscrever ou registrar
informação relativa ao histórico de crédito em Art. 4o  A abertura de cadastro requer autori-
banco de dados; e zação prévia do potencial cadastrado mediante 89
consentimento informado por meio de assina- II – indicação das fontes relativas às informa-
tura em instrumento específico ou em cláusula ções de que trata o inciso I, incluindo endereço
apartada. e telefone para contato;
§ 1o  Após a abertura do cadastro, a anotação III – indicação dos gestores de bancos de
de informação em banco de dados independe dados com os quais as informações foram com-
de autorização e de comunicação ao cadastrado. partilhadas;
§ 2o  Atendido o disposto no caput, as fontes IV – indicação de todos os consulentes que
ficam autorizadas, nas condições estabelecidas tiveram acesso a qualquer informação sobre
nesta Lei, a fornecer aos bancos de dados as in- ele nos 6 (seis) meses anteriores à solicitação; e
formações necessárias à formação do histórico V – cópia de texto contendo sumário dos
das pessoas cadastradas. seus direitos, definidos em lei ou em normas
§ 3o (Vetado) infralegais pertinentes à sua relação com bancos
de dados, bem como a lista dos órgãos gover-
Art. 5o  São direitos do cadastrado: namentais aos quais poderá ele recorrer, caso
I – obter o cancelamento do cadastro quando considere que esses direitos foram infringidos.
solicitado; § 1o  É vedado aos gestores de bancos de
II – acessar gratuitamente as informações so- dados estabelecerem políticas ou realizarem
bre ele existentes no banco de dados, inclusive o operações que impeçam, limitem ou dificultem
seu histórico, cabendo ao gestor manter sistemas o acesso do cadastrado previsto no inciso II
seguros, por telefone ou por meio eletrônico, do art. 5o.
de consulta para informar as informações de § 2o  O prazo para atendimento das infor-
adimplemento; mações estabelecidas nos incisos II, III, IV e V
III – solicitar impugnação de qualquer in- deste artigo será de 7 (sete) dias.
formação sobre ele erroneamente anotada em
banco de dados e ter, em até 7 (sete) dias, sua Art. 7o  As informações disponibilizadas nos
correção ou cancelamento e comunicação aos bancos de dados somente poderão ser utili-
bancos de dados com os quais ele compartilhou zadas para:
a informação; I – realização de análise de risco de crédito
IV – conhecer os principais elementos e do cadastrado; ou
critérios considerados para a análise de risco, II – subsidiar a concessão ou extensão de
resguardado o segredo empresarial; crédito e a realização de venda a prazo ou ou-
V – ser informado previamente sobre o ar- tras transações comerciais e empresariais que
mazenamento, a identidade do gestor do banco impliquem risco financeiro ao consulente.
de dados, o objetivo do tratamento dos dados Parágrafo único.  Cabe ao gestor manter siste-
pessoais e os destinatários dos dados em caso mas seguros, por telefone ou por meio eletrôni-
de compartilhamento; co, de consulta para informar aos consulentes as
VI – solicitar ao consulente a revisão de informações de adimplemento do cadastrado.
decisão realizada exclusivamente por meios
automatizados; e Art. 8o  São obrigações das fontes:
Código de Defesa do Consumidor

VII – ter os seus dados pessoais utilizados I – manter os registros adequados para de-
somente de acordo com a finalidade para a qual monstrar que a pessoa natural ou jurídica au-
eles foram coletados. torizou o envio e a anotação de informações
§ 1o (Vetado) em bancos de dados;
§ 2o (Vetado) II – comunicar os gestores de bancos de da-
dos acerca de eventual exclusão ou revogação
Art. 6o  Ficam os gestores de bancos de dados de autorização do cadastrado;
obrigados, quando solicitados, a fornecer ao III – verificar e confirmar, ou corrigir, em
cadastrado: prazo não superior a 2 (dois) dias úteis, infor-
I – todas as informações sobre ele constantes mação impugnada, sempre que solicitado por
90 de seus arquivos, no momento da solicitação;
gestor de banco de dados ou diretamente pelo que a efetuou e do equipamento ou terminal
cadastrado; a partir do qual foi processada tal ocorrência.
IV – atualizar e corrigir informações enviadas
aos gestores de bancos de dados, em prazo não Art. 10.  É proibido ao gestor exigir exclusivi-
superior a 7 (sete) dias; dade das fontes de informações.
V – manter os registros adequados para ve-
rificar informações enviadas aos gestores de Art. 11.  Desde que autorizados pelo cadastra-
bancos de dados; e do, os prestadores de serviços continuados de
VI – fornecer informações sobre o cadastra- água, esgoto, eletricidade, gás e telecomunica-
do, em bases não discriminatórias, a todos os ções, dentre outros, poderão fornecer aos bancos
gestores de bancos de dados que as solicitarem, de dados indicados, na forma do regulamento,
no mesmo formato e contendo as mesmas in- informação sobre o adimplemento das obriga-
formações fornecidas a outros bancos de dados. ções financeiras do cadastrado.
Parágrafo único.  É vedado às fontes estabe- Parágrafo único.  É vedada a anotação de
lecerem políticas ou realizarem operações que informação sobre serviço de telefonia móvel
impeçam, limitem ou dificultem a transmissão a na modalidade pós-paga.
banco de dados de informações de cadastrados
que tenham autorizado a anotação de seus dados Art. 12.  Quando solicitado pelo cliente, as
em bancos de dados. instituições autorizadas a funcionar pelo Ban-
co Central do Brasil fornecerão aos bancos de
Art. 9o  O compartilhamento de informação dados indicados as informações relativas às suas
de adimplemento só é permitido se autorizado operações de crédito.
expressamente pelo cadastrado, por meio de § 1o  As informações referidas no caput
assinatura em instrumento específico ou em devem compreender somente o histórico das
cláusula apartada. operações de empréstimo e de financiamento
§ 1o  O gestor que receber informações por realizadas pelo cliente.
meio de compartilhamento equipara-se, para § 2o  É proibido às instituições autorizadas a
todos os efeitos desta Lei, ao gestor que anotou funcionar pelo Banco Central do Brasil estabe-
originariamente a informação, inclusive quanto lecer políticas ou realizar operações que impe-
à responsabilidade solidária por eventuais preju- çam, limitem ou dificultem a transmissão das
ízos causados e ao dever de receber e processar informações bancárias de seu cliente a bancos
impugnação e realizar retificações. de dados, quando por este autorizadas.
§ 2o  O gestor originário é responsável por § 3o  O Conselho Monetário Nacional adota-
manter atualizadas as informações cadastrais rá as medidas e normas complementares neces-
nos demais bancos de dados com os quais com- sárias para a aplicação do disposto neste artigo.
partilhou informações, bem como por informar
a solicitação de cancelamento do cadastro, sem Art. 13.  O Poder Executivo regulamentará
quaisquer ônus para o cadastrado. o disposto nesta Lei, em especial quanto ao
§ 3o  O cancelamento do cadastro pelo gestor uso, guarda, escopo e compartilhamento das
originário implica o cancelamento do cadastro informações recebidas por bancos de dados e
em todos os bancos de dados que comparti- quanto ao disposto no art. 5o.
lharam informações, que ficam obrigados a
proceder, individualmente, ao respectivo can- Art. 14.  As informações de adimplemento não
celamento nos termos desta Lei. poderão constar de bancos de dados por período
Normas correlatas

§ 4o  O gestor deverá assegurar, sob pena de superior a 15 (quinze) anos.


responsabilidade, a identificação da pessoa que
promover qualquer inscrição ou atualização de Art. 15.  As informações sobre o cadastrado
dados relacionados com o cadastrado, regis- constantes dos bancos de dados somente po-
trando a data desta ocorrência, bem como a derão ser acessadas por consulentes que com
identificação exata da fonte, do nome do agente 91
ele mantiverem ou pretenderem manter relação § 2o  Sem prejuízo do disposto no caput e
comercial ou creditícia. no § 1o, os órgãos de proteção e defesa do con-
sumidor poderão aplicar medidas corretivas,
Art. 16.  O banco de dados, a fonte e o consu- estabelecendo aos bancos de dados que des-
lente são responsáveis objetiva e solidariamente cumprirem o previsto nesta Lei obrigações de
pelos danos materiais e morais que causarem fazer com que sejam excluídas do cadastro, no
ao cadastrado. prazo de 7 (sete) dias, informações incorretas,
bem como cancelados cadastros de pessoas que
Art. 17.  Nas situações em que o cadastrado não autorizaram a abertura.
for consumidor, caracterizado conforme a Lei
no 8.078, de 11 de setembro de 1990 – Código de Art. 18.  Esta Lei entra em vigor na data de
Proteção e Defesa do Consumidor, aplicam-se sua publicação.
as sanções e penas nela previstas e o disposto
no § 2o. Brasília, 9 de junho de 2011; 190o da Indepen-
§ 1o  Nos casos previstos no caput, a fiscali- dência e 123o da República.
zação e a aplicação das sanções serão exercidas
concorrentemente pelos órgãos de proteção e DILMA ROUSSEFF
defesa do consumidor da União, dos Estados,
do Distrito Federal e dos Municípios, nas res- Promulgada em 9/6/2011 e publicada no DOU de
pectivas áreas de atuação administrativa. 10/6/2011.
Código de Defesa do Consumidor

92
Lei no 12.291/2010
Torna obrigatória a manutenção de exemplar do Código de Defesa do Consumidor nos estabelecimentos
comerciais e de prestação de serviços.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA I – multa no montante de até R$ 1.064,10


(mil e sessenta e quatro reais e dez centavos);
Faço saber que o Congresso Nacional decreta II – (Vetado); e
e eu sanciono a seguinte Lei: III – (Vetado).

Art. 1o  São os estabelecimentos comerciais e Art. 3o  Esta Lei entra em vigor na data de sua
de prestação de serviços obrigados a manter, em publicação.
local visível e de fácil acesso ao público, 1 (um)
exemplar do Código de Defesa do Consumidor. Brasília, 20 de julho de 2010; 189o da Indepen-
dência e 122o da República.
Art. 2o  O não cumprimento do disposto nesta
Lei implicará as seguintes penalidades, a serem LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
aplicadas aos infratores pela autoridade admi-
nistrativa no âmbito de sua atribuição: Promulgada em 20/7/2010 e publicada no DOU de
21/7/2010.

Normas correlatas

93
Lei no 10.962/2004
Dispõe sobre a oferta e as formas de afixação de preços de produtos e serviços para o consumidor.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA mento ou área, de acordo com a forma habitual


de comercialização de cada tipo de produto.
Faço saber que o Congresso Nacional decreta Parágrafo único.  O disposto neste artigo não
e eu sanciono a seguinte Lei: se aplica à comercialização de medicamentos.

Art. 1o  Esta Lei regula as condições de oferta Art. 3o  Na impossibilidade de afixação de pre-
e afixação de preços de bens e serviços para o ços conforme disposto no art. 2o, é permitido o
consumidor. uso de relações de preços dos produtos expostos,
bem como dos serviços oferecidos, de forma
Art. 2o  São admitidas as seguintes formas de escrita, clara e acessível ao consumidor.
afixação de preços em vendas a varejo para o
consumidor: Art. 4o  Nos estabelecimentos que utilizem
I – no comércio em geral, por meio de etique- código de barras para apreçamento, deverão
tas ou similares afixados diretamente nos bens ser oferecidos equipamentos de leitura ótica para
expostos à venda, e em vitrines, mediante di- consulta de preço pelo consumidor, localizados
vulgação do preço à vista em caracteres legíveis; na área de vendas e em outras de fácil acesso.
II – em autosserviços, supermercados, hi- § 1o  O regulamento desta Lei definirá, obser-
permercados, mercearias ou estabelecimentos vados, dentre outros critérios ou fatores, o tipo
comerciais onde o consumidor tenha acesso e o tamanho do estabelecimento e a quantidade
direto ao produto, sem intervenção do comer- e a diversidade dos itens de bens e serviços, a
ciante, mediante a impressão ou afixação do área máxima que deverá ser atendida por cada
preço do produto na embalagem, ou a afixação leitora ótica.
de código referencial, ou ainda, com a afixação § 2o  Para os fins desta Lei, considera-se área
de código de barras; de vendas aquela na qual os consumidores têm
III – no comércio eletrônico, mediante di- acesso às mercadorias e serviços oferecidos para
vulgação ostensiva do preço à vista, junto à consumo no varejo, dentro do estabelecimento.
imagem do produto ou descrição do serviço,
em caracteres facilmente legíveis com tamanho Art. 5o  No caso de divergência de preços para o
de fonte não inferior a doze. mesmo produto entre os sistemas de informação
Parágrafo único.  Nos casos de utilização de de preços utilizados pelo estabelecimento, o
código referencial ou de barras, o comerciante consumidor pagará o menor dentre eles.
deverá expor, de forma clara e legível, junto aos
Código de Defesa do Consumidor

itens expostos, informação relativa ao preço à Art. 5o-A.  O fornecedor deve informar, em


vista do produto, suas características e código. local e formato visíveis ao consumidor, eventuais
descontos oferecidos em função do prazo ou do
Art. 2o-A.  Na venda a varejo de produtos fra- instrumento de pagamento utilizado.
cionados em pequenas quantidades, o comer- Parágrafo único.  Aplicam-se às infrações a
ciante deverá informar, na etiqueta contendo o este artigo as sanções previstas na Lei no 8.078,
preço ou junto aos itens expostos, além do preço de 11 de setembro de 1990.
do produto à vista, o preço correspondente a
uma das seguintes unidades fundamentais de Art. 6o (Vetado)
medida: capacidade, massa, volume, compri-
94
Art. 7o  Esta Lei entra em vigor na data de sua LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
publicação.
Promulgada em 11/10/2004 e publicada no DOU
Brasília, 11 de outubro de 2004; 183o da Inde- de 13/10/2004.
pendência e 116o da República.

Normas correlatas

95
Lei no 9.870/1999
Dispõe sobre o valor total das anuidades escolares e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA um ano a contar da data de sua fixação, salvo


quando expressamente prevista em lei.
Faço saber que o Congresso Nacional decreta § 7o  Será nula cláusula contratual que obri-
e eu sanciono a seguinte Lei:1 gue o contratante ao pagamento adicional ou ao
fornecimento de qualquer material escolar de
Art. 1o  O valor das anuidades ou das semestra- uso coletivo dos estudantes ou da instituição,
lidades escolares do ensino pré-escolar, funda- necessário à prestação dos serviços educacionais
mental, médio e superior, será contratado, nos contratados, devendo os custos correspondentes
termos desta Lei, no ato da matrícula ou da sua ser sempre considerados nos cálculos do valor
renovação, entre o estabelecimento de ensino e das anuidades ou das semestralidades escolares.
o aluno, o pai do aluno ou o responsável.
§ 1o  O valor anual ou semestral referido no Art. 2o  O estabelecimento de ensino deverá
caput deste artigo deverá ter como base a última divulgar, em local de fácil acesso ao público, o
parcela da anuidade ou da semestralidade legal- texto da proposta de contrato, o valor apurado
mente fixada no ano anterior, multiplicada pelo na forma do art. 1o e o número de vagas por
número de parcelas do período letivo. sala-classe, no período mínimo de quarenta e
§ 2o (Vetado) cinco dias antes da data final para matrícula,
§ 3o  Poderá ser acrescido ao valor total anual conforme calendário e cronograma da insti-
de que trata o § 1o montante proporcional à va- tuição de ensino.
riação de custos a título de pessoal e de custeio, Parágrafo único. (Vetado)
comprovado mediante apresentação de planilha
de custo, mesmo quando esta variação resulte Art. 3o (Vetado)
da introdução de aprimoramentos no processo
didático-pedagógico. Art. 4o  A Secretaria de Direito Econômico
§ 4o  A planilha de que trata o § 3o será edi- do Ministério da Justiça, quando necessário,
tada em ato do Poder Executivo. poderá requerer, nos termos da Lei no 8.078, de
§ 5o  O valor total, anual ou semestral, apu- 11 de setembro de 1990, e no âmbito de suas
rado na forma dos parágrafos precedentes terá atribuições, comprovação documental refe-
vigência por um ano e será dividido em doze ou rente a qualquer cláusula contratual, exceto
seis parcelas mensais iguais, facultada a apre- dos estabelecimentos de ensino que tenham
sentação de planos de pagamento alternativos, firmado acordo com alunos, pais de alunos ou
desde que não excedam ao valor total anual associações de pais e alunos, devidamente le-
Código de Defesa do Consumidor

ou semestral apurado na forma dos parágrafos galizadas, bem como quando o valor arbitrado
anteriores. for decorrente da decisão do mediador.
§ 6o  Será nula, não produzindo qualquer Parágrafo único.  Quando a documentação
efeito, cláusula contratual de revisão ou rea- apresentada pelo estabelecimento de ensino
justamento do valor das parcelas da anuidade não corresponder às condições desta Lei, o ór-
ou semestralidade escolar em prazo inferior a gão de que trata este artigo poderá tomar, dos
interessados, termo de compromisso, na forma
1
  Nota do Editor (NE): nos dispositivos que alteram da legislação vigente.
normas, suprimiram-se as alterações determinadas
uma vez que já foram incorporadas às normas às Art. 5o  Os alunos já matriculados, salvo quan-
96 quais se destinam. do inadimplentes, terão direito à renovação das
matrículas, observado o calendário escolar da no inciso V do art. 53 do Estatuto da Criança
instituição, o regimento da escola ou cláusula e do Adolescente.
contratual.
Art. 7o  São legitimados à propositura das ações
Art. 6   São proibidas a suspensão de provas
o
previstas na Lei no 8.078, de 1990, para a defe-
escolares, a retenção de documentos escolares sa dos direitos assegurados por esta Lei e pela
ou a aplicação de quaisquer outras penalidades legislação vigente, as associações de alunos,
pedagógicas por motivo de inadimplemento, de pais de alunos e responsáveis, sendo indis-
sujeitando-se o contratante, no que couber, às pensável, em qualquer caso, o apoio de, pelo
sanções legais e administrativas, compatíveis menos, vinte por cento dos pais de alunos do
com o Código de Defesa do Consumidor, e estabelecimento de ensino ou dos alunos, no
com os arts. 177 e 1.092 do Código Civil Bra- caso de ensino superior.
sileiro, caso a inadimplência perdure por mais
de noventa dias. Art. 8o  O art. 39 da Lei no 8.078, de 1990, passa
§ 1o  O desligamento do aluno por inadim- a vigorar acrescido do seguinte inciso:
plência somente poderá ocorrer ao final do �������������������������������������������������������������������������������
ano letivo ou, no ensino superior, ao final do
semestre letivo quando a instituição adotar o Art. 9o  A Lei no 9.131, de 24 de novembro de
regime didático semestral. 1995, passa a vigorar acrescida dos seguintes
§ 2o  Os estabelecimentos de ensino funda- artigos:
mental, médio e superior deverão expedir, a �������������������������������������������������������������������������������
qualquer tempo, os documentos de transferên-
cia de seus alunos, independentemente de sua Art. 10.  Continuam a produzir efeitos os atos
adimplência ou da adoção de procedimentos praticados com base na Medida Provisória
legais de cobranças judiciais. no 1.890-66, de 24 de setembro de 1999, e nas
§ 3o  São asseguradas em estabelecimentos suas antecessoras.
públicos de ensino fundamental e médio as ma-
trículas dos alunos, cujos contratos, celebrados Art. 11.  Esta Lei entra em vigor na data de
por seus pais ou responsáveis para a prestação sua publicação.
de serviços educacionais, tenham sido suspensos
em virtude de inadimplemento, nos termos do Art. 12.  Revogam-se a Lei no 8.170, de 17 de
caput deste artigo. janeiro de 1991; o art. 14 da Lei no 8.178, de
§ 4o  Na hipótese de os alunos a que se refere 1o de março de 1991; e a Lei no 8.747, de 9 de
o § 2o, ou seus pais ou responsáveis, não terem dezembro de 1993.
providenciado a sua imediata matrícula em
outro estabelecimento de sua livre escolha, as Brasília, 23 de novembro de 1999; 178o da In-
Secretarias de Educação estaduais e municipais dependência e 111o da República.
deverão providenciá-la em estabelecimento de
ensino da rede pública, em curso e série corres- FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
pondentes aos cursados na escola de origem, de
forma a garantir a continuidade de seus estudos Promulgada em 23/11/1999 e publicada no DOU de
no mesmo período letivo e a respeitar o disposto 24/11/1999 – Edição extra.
Normas correlatas

97
Lei no 9.656/1998
Dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA médica, hospitalar e odontológica, outras ca-


racterísticas que o diferencie de atividade ex-
Faço saber que o Congresso Nacional decreta clusivamente financeira, tais como:
e eu sanciono a seguinte Lei: a)  custeio de despesas;
b)  oferecimento de rede credenciada ou
Art. 1o  Submetem-se às disposições desta Lei referenciada;
as pessoas jurídicas de direito privado que ope- c)  reembolso de despesas;
ram planos de assistência à saúde, sem prejuízo d)  mecanismos de regulação;
do cumprimento da legislação específica que e)  qualquer restrição contratual, técnica ou
rege a sua atividade, adotando-se, para fins de operacional para a cobertura de procedimen-
aplicação das normas aqui estabelecidas, as se- tos solicitados por prestador escolhido pelo
guintes definições: consumidor; e
I – Plano Privado de Assistência à Saúde: f)  vinculação de cobertura financeira à
prestação continuada de serviços ou cobertu- aplicação de conceitos ou critérios médico-
ra de custos assistenciais a preço pré ou pós- assistenciais.
estabelecido, por prazo indeterminado, com a § 2o  Incluem-se na abrangência desta Lei as
finalidade de garantir, sem limite financeiro, a cooperativas que operem os produtos de que
assistência à saúde, pela faculdade de acesso e tratam o inciso I e o § 1o deste artigo, bem assim
atendimento por profissionais ou serviços de as entidades ou empresas que mantêm sistemas
saúde, livremente escolhidos, integrantes ou não de assistência à saúde, pela modalidade de au-
de rede credenciada, contratada ou referenciada, togestão ou de administração.
visando a assistência médica, hospitalar e odon- § 3o  As pessoas físicas ou jurídicas residentes
tológica, a ser paga integral ou parcialmente às ou domiciliadas no exterior podem constituir
expensas da operadora contratada, mediante ou participar do capital, ou do aumento do ca-
reembolso ou pagamento direto ao prestador, pital, de pessoas jurídicas de direito privado
por conta e ordem do consumidor; constituídas sob as leis brasileiras para operar
II – Operadora de Plano de Assistência à Saú- planos privados de assistência à saúde.
de: pessoa jurídica constituída sob a modalidade § 4o  É vedada às pessoas físicas a operação
de sociedade civil ou comercial, cooperativa, dos produtos de que tratam o inciso I e o § 1o
ou entidade de autogestão, que opere produto, deste artigo.
serviço ou contrato de que trata o inciso I deste
artigo; Arts. 2o a 7o (Revogados)
Código de Defesa do Consumidor

III – Carteira: o conjunto de contratos de


cobertura de custos assistenciais ou de serviços Art. 8o  Para obter a autorização de funciona-
de assistência à saúde em qualquer das moda- mento, as operadoras de planos privados de
lidades de que tratam o inciso I e o § 1o deste assistência à saúde devem satisfazer os seguintes
artigo, com todos os direitos e obrigações nele requisitos, independentemente de outros que
contidos. venham a ser determinados pela ANS:
§ 1o  Está subordinada às normas e à fiscaliza- I – registro nos Conselhos Regionais de Me-
ção da Agência Nacional de Saúde Suplementar dicina e Odontologia, conforme o caso, em cum-
– ANS qualquer modalidade de produto, serviço primento ao disposto no art. 1o da Lei no 6.839,
e contrato que apresente, além da garantia de de 30 de outubro de 1980;
98 cobertura financeira de riscos de assistência
II – descrição pormenorizada dos serviços Art. 9o  Após decorridos cento e vinte dias de
de saúde próprios oferecidos e daqueles a serem vigência desta Lei, para as operadoras, e duzen-
prestados por terceiros; tos e quarenta dias, para as administradoras de
III – descrição de suas instalações e equi- planos de assistência à saúde, e até que sejam
pamentos destinados a prestação de serviços; definidas pela ANS, as normas gerais de registro,
IV – especificação dos recursos humanos as pessoas jurídicas que operam os produtos de
qualificados e habilitados, com responsabili- que tratam o inciso I e o § 1o do art. 1o desta Lei,
dade técnica de acordo com as leis que regem e observado o que dispõe o art. 19, só poderão
a matéria; comercializar estes produtos se:
V – demonstração da capacidade de atendi- I – as operadoras e administradoras estiverem
mento em razão dos serviços a serem prestados; provisoriamente cadastradas na ANS; e
VI – demonstração da viabilidade econô- II – os produtos a serem comercializados
mico-financeira dos planos privados de assistên- estiverem registrados na ANS.
cia à saúde oferecidos, respeitadas as peculiari- § 1o  O descumprimento das formalida-
dades operacionais de cada uma das respectivas des previstas neste artigo, além de configurar
operadoras; infração, constitui agravante na aplicação de
VII – especificação da área geográfica coberta penalidades por infração das demais normas
pelo plano privado de assistência à saúde. previstas nesta Lei.
§ 1o  São dispensadas do cumprimento das § 2o  A ANS poderá solicitar informações,
condições estabelecidas nos incisos VI e VII determinar alterações e promover a suspensão
deste artigo as entidades ou empresas que man- do todo ou de parte das condições dos planos
têm sistemas de assistência privada à saúde na apresentados.
modalidade de autogestão, citadas no § 2o do § 3o  A autorização de comercialização será
art. 1o. cancelada caso a operadora não comercialize os
§ 2o  A autorização de funcionamento será planos ou os produtos de que tratam o inciso I
cancelada caso a operadora não comercialize e o § 1o do art. 1o desta Lei, no prazo máximo
os produtos de que tratam o inciso I e o § 1o de cento e oitenta dias a contar do seu registro
do art. 1o desta Lei, no prazo máximo de cento na ANS.
e oitenta dias a contar do seu registro na ANS. § 4o  A ANS poderá determinar a suspen-
§ 3o  As operadoras privadas de assistência à são temporária da comercialização de plano
saúde poderão voluntariamente requerer auto- ou produto caso identifique qualquer irregu-
rização para encerramento de suas atividades, laridade contratual, econômico-financeira ou
observando os seguintes requisitos, indepen- assistencial.
dentemente de outros que venham a ser deter-
minados pela ANS: Art. 10.  É instituído o plano-referência de
a)  comprovação da transferência da carteira assistência à saúde, com cobertura assistencial
sem prejuízo para o consumidor, ou a inexistên- médico-ambulatorial e hospitalar, compreen-
cia de beneficiários sob sua responsabilidade; dendo partos e tratamentos, realizados exclusi-
b)  garantia da continuidade da prestação vamente no Brasil, com padrão de enfermaria,
de serviços dos beneficiários internados ou em centro de terapia intensiva, ou similar, quando
tratamento; necessária a internação hospitalar, das doenças
c)  comprovação da quitação de suas obriga- listadas na Classificação Estatística Internacio-
ções com os prestadores de serviço no âmbito nal de Doenças e Problemas Relacionados com
da operação de planos privados de assistência a Saúde, da Organização Mundial de Saúde,
Normas correlatas

à saúde; respeitadas as exigências mínimas estabelecidas


d)  informação prévia à ANS, aos beneficiá- no art. 12 desta Lei, exceto:
rios e aos prestadores de serviço contratados, I – tratamento clínico ou cirúrgico experi-
credenciados ou referenciados, na forma e nos mental;
prazos a serem definidos pela ANS.
99
II – procedimentos clínicos ou cirúrgicos Art. 10-B.  Cabe às operadoras dos produtos de
para fins estéticos, bem como órteses e próteses que tratam o inciso I e o § 1o do art. 1o, por meio
para o mesmo fim; de rede própria, credenciada, contratada ou
III – inseminação artificial; referenciada, ou mediante reembolso, fornecer
IV – tratamento de rejuvenescimento ou de bolsas de colostomia, ileostomia e urostomia,
emagrecimento com finalidade estética; sonda vesical de demora e coletor de urina com
V – fornecimento de medicamentos impor- conector, para uso hospitalar, ambulatorial ou
tados não nacionalizados; domiciliar, vedada a limitação de prazo, valor
VI – fornecimento de medicamentos para máximo e quantidade.
tratamento domiciliar, ressalvado o disposto nas
alíneas “c” do inciso I e “g” do inciso II do art. 12; Art. 11.  É vedada a exclusão de cobertura às
VII – fornecimento de próteses, órteses e doenças e lesões preexistentes à data de contra-
seus acessórios não ligados ao ato cirúrgico; tação dos produtos de que tratam o inciso I e o
VIII – (Revogado); § 1o do art. 1o desta Lei após vinte e quatro meses
IX – tratamentos ilícitos ou antiéticos, as- de vigência do aludido instrumento contratual,
sim definidos sob o aspecto médico, ou não cabendo à respectiva operadora o ônus da prova
reconhecidos pelas autoridades competentes; e da demonstração do conhecimento prévio do
X – casos de cataclismos, guerras e comoções consumidor ou beneficiário.
internas, quando declarados pela autoridade Parágrafo único.  É vedada a suspensão da
competente. assistência à saúde do consumidor ou benefi-
§ 1o  As exceções constantes dos incisos deste ciário, titular ou dependente, até a prova de que
artigo serão objeto de regulamentação pela ANS. trata o caput, na forma da regulamentação a ser
§ 2o  As pessoas jurídicas que comercializam editada pela ANS.
produtos de que tratam o inciso I e o § 1o do
art. 1o desta Lei oferecerão, obrigatoriamente, Art. 12.  São facultadas a oferta, a contratação
a partir de 3 de dezembro de 1999, o plano- e a vigência dos produtos de que tratam o inciso
referência de que trata este artigo a todos os I e o § 1o do art. 1o desta Lei, nas segmentações
seus atuais e futuros consumidores.1 previstas nos incisos I a IV deste artigo, respeita-
§ 3o  Excluem-se da obrigatoriedade a que das as respectivas amplitudes de cobertura defi-
se refere o § 2o deste artigo as pessoas jurídicas nidas no plano-referência de que trata o art. 10,
que mantêm sistemas de assistência à saúde segundo as seguintes exigências mínimas:
pela modalidade de autogestão e as pessoas I – quando incluir atendimento ambulatorial:
jurídicas que operem exclusivamente planos a)  cobertura de consultas médicas, em nú-
odontológicos. mero ilimitado, em clínicas básicas e especia-
§ 4o  A amplitude das coberturas, inclusive lizadas, reconhecidas pelo Conselho Federal
de transplantes e de procedimentos de alta com- de Medicina;
plexidade, será definida por normas editadas b)  cobertura de serviços de apoio diagnósti-
pela ANS. co, tratamentos e demais procedimentos am-
bulatoriais, solicitados pelo médico assistente;
Código de Defesa do Consumidor

Art. 10-A.  Cabe às operadoras definidas nos c)  cobertura de tratamentos antineoplásicos


incisos I e II do § 1o do art. 1o desta Lei, por domiciliares de uso oral, incluindo medicamen-
meio de sua rede de unidades conveniadas, tos para o controle de efeitos adversos relacio-
prestar serviço de cirurgia plástica reconstru- nados ao tratamento e adjuvantes;
tiva de mama, utilizando-se de todos os meios II – quando incluir internação hospitalar:
e técnicas necessárias, para o tratamento de a)  cobertura de internações hospitalares,
mutilação decorrente de utilização de técnica vedada a limitação de prazo, valor máximo e
de tratamento de câncer. quantidade, em clínicas básicas e especializadas,
reconhecidas pelo Conselho Federal de Medici-
na, admitindo-se a exclusão dos procedimentos
100   Nota do Editor (NE): ver ADI no 1.931.
1
obstétricos;
b)  cobertura de internações hospitalares em c)  cobertura de cirurgias orais menores,
centro de terapia intensiva, ou similar, vedada a assim consideradas as realizadas em ambiente
limitação de prazo, valor máximo e quantidade, ambulatorial e sem anestesia geral;
a critério do médico assistente; V – quando fixar períodos de carência:
c)  cobertura de despesas referentes a hono- a)  prazo máximo de trezentos dias para
rários médicos, serviços gerais de enfermagem partos a termo;
e alimentação; b)  prazo máximo de cento e oitenta dias
d)  cobertura de exames complementares para os demais casos;
indispensáveis para o controle da evolução da c)  prazo máximo de vinte e quatro horas para
doença e elucidação diagnóstica, fornecimento a cobertura dos casos de urgência e emergência;
de medicamentos, anestésicos, gases medici- VI – reembolso, em todos os tipos de pro-
nais, transfusões e sessões de quimioterapia e dutos de que tratam o inciso I e o § 1o do art. 1o
radioterapia, conforme prescrição do médico desta Lei, nos limites das obrigações contratuais,
assistente, realizados ou ministrados durante das despesas efetuadas pelo beneficiário com
o período de internação hospitalar; assistência à saúde, em casos de urgência ou
e)  cobertura de toda e qualquer taxa, incluin- emergência, quando não for possível a utilização
do materiais utilizados, assim como da remoção dos serviços próprios, contratados, credenciados
do paciente, comprovadamente necessária, para ou referenciados pelas operadoras, de acordo
outro estabelecimento hospitalar, dentro dos com a relação de preços de serviços médicos e
limites de abrangência geográfica previstos no hospitalares praticados pelo respectivo produto,
contrato, em território brasileiro; pagáveis no prazo máximo de trinta dias após a
f)  cobertura de despesas de acompanhante, entrega da documentação adequada;
no caso de pacientes menores de dezoito anos; VII – inscrição de filho adotivo, menor de
g)  cobertura para tratamentos antineoplási- doze anos de idade, aproveitando os períodos
cos ambulatoriais e domiciliares de uso oral, de carência já cumpridos pelo consumidor
procedimentos radioterápicos para tratamento adotante.
de câncer e hemoterapia, na qualidade de proce- § 1o  Após cento e vinte dias da vigência desta
dimentos cuja necessidade esteja relacionada à Lei, fica proibido o oferecimento de produtos
continuidade da assistência prestada em âmbito de que tratam o inciso I e o § 1o do art. 1o desta
de internação hospitalar; Lei fora das segmentações de que trata este ar-
III – quando incluir atendimento obstétrico: tigo, observadas suas respectivas condições de
a)  cobertura assistencial ao recém-nascido, abrangência e contratação.
filho natural ou adotivo do consumidor, ou de § 2o  A partir de 3 de dezembro de 1999, da
seu dependente, durante os primeiros trinta documentação relativa à contratação de produ-
dias após o parto; tos de que tratam o inciso I e o § 1o do art. 1o
b)  inscrição assegurada ao recém-nascido, desta Lei, nas segmentações de que trata este
filho natural ou adotivo do consumidor, como artigo, deverá constar declaração em separado
dependente, isento do cumprimento dos perí- do consumidor, de que tem conhecimento da
odos de carência, desde que a inscrição ocorra existência e disponibilidade do plano referência,
no prazo máximo de trinta dias do nascimento e de que este lhe foi oferecido.
ou da adoção; § 3o (Revogado)
IV – quando incluir atendimento odonto- § 4o  As coberturas a que se referem as alíneas
lógico: “c” do inciso I e “g” do inciso II deste artigo
a)  cobertura de consultas e exames auxiliares serão objeto de protocolos clínicos e diretrizes
Normas correlatas

ou complementares, solicitados pelo odontólogo terapêuticas, revisados periodicamente, ouvidas


assistente; as sociedades médicas de especialistas da área,
b)  cobertura de procedimentos preventivos, publicados pela ANS.
de dentística e endodontia; § 5o  O fornecimento previsto nas alíneas
“c” do inciso I e “g” do inciso II deste artigo
dar-se-á, por meio de rede própria, credencia- 101
da, contratada ou referenciada, diretamente ao I e o § 1o do art. 1o desta Lei devem constar
paciente ou ao seu representante legal, podendo dispositivos que indiquem com clareza:
ser realizado de maneira fracionada por ciclo, I – as condições de admissão;
observadas as normas estabelecidas pelos órgãos II – o início da vigência;
reguladores e de acordo com prescrição médica. III – os períodos de carência para consultas,
internações, procedimentos e exames;
Art. 13.  Os contratos de produtos de que tra- IV – as faixas etárias e os percentuais a que
tam o inciso I e o § 1o do art. 1o desta Lei têm alude o caput do art. 15;
renovação automática a partir do vencimento V – as condições de perda da qualidade de
do prazo inicial de vigência, não cabendo a beneficiário;
cobrança de taxas ou qualquer outro valor no VI – os eventos cobertos e excluídos;
ato da renovação. VII – o regime, ou tipo de contratação:
Parágrafo único.  Os produtos de que trata a)  individual ou familiar;
o caput, contratados individualmente, terão b)  coletivo empresarial; ou
vigência mínima de um ano, sendo vedadas: c)  coletivo por adesão;
I – a recontagem de carências; VIII – a franquia, os limites financeiros ou
II – a suspensão ou a rescisão unilateral do o percentual de coparticipação do consumidor
contrato, salvo por fraude ou não pagamento ou beneficiário, contratualmente previstos nas
da mensalidade por período superior a ses- despesas com assistência médica, hospitalar e
senta dias, consecutivos ou não, nos últimos odontológica;
doze meses de vigência do contrato, desde que IX – os bônus, os descontos ou os agrava-
o consumidor seja comprovadamente notificado mentos da contraprestação pecuniária;
até o quinquagésimo dia de inadimplência; e X – a área geográfica de abrangência;
III – a suspensão ou a rescisão unilateral XI – os critérios de reajuste e revisão das
do contrato, em qualquer hipótese, durante a contraprestações pecuniárias;
ocorrência de internação do titular. XII – número de registro na ANS.
Parágrafo único.  A todo consumidor titular
Art. 14.  Em razão da idade do consumidor, ou de plano individual ou familiar será obrigatoria-
da condição de pessoa portadora de deficiência, mente entregue, quando de sua inscrição, cópia
ninguém pode ser impedido de participar de do contrato, do regulamento ou das condições
planos privados de assistência à saúde. gerais dos produtos de que tratam o inciso I e o
§ 1o do art. 1o, além de material explicativo que
Art. 15.  A variação das contraprestações pecu- descreva, em linguagem simples e precisa, todas
niárias estabelecidas nos contratos de produtos as suas características, direitos e obrigações.
de que tratam o inciso I e o § 1o do art. 1o desta
Lei, em razão da idade do consumidor, somente Art. 17.  A inclusão de qualquer prestador de
poderá ocorrer caso estejam previstas no con- serviço de saúde como contratado, referenciado
trato inicial as faixas etárias e os percentuais de ou credenciado dos produtos de que tratam o
reajustes incidentes em cada uma delas, confor- inciso I e o § 1o do art. 1o desta Lei implica com-
Código de Defesa do Consumidor

me normas expedidas pela ANS, ressalvado o promisso com os consumidores quanto à sua
disposto no art. 35-E. manutenção ao longo da vigência dos contratos,
Parágrafo único.  É vedada a variação a que permitindo-se sua substituição, desde que seja
alude o caput para consumidores com mais de por outro prestador equivalente e mediante
sessenta anos de idade, que participarem dos comunicação aos consumidores com 30 (trinta)
produtos de que tratam o inciso I e o § 1o do dias de antecedência.
art. 1o, ou sucessores, há mais de dez anos. § 1o  É facultada a substituição de entidade
hospitalar, a que se refere o caput deste artigo,
Art. 16.  Dos contratos, regulamentos ou condi- desde que por outro equivalente e mediante
ções gerais dos produtos de que tratam o inciso comunicação aos consumidores e à ANS com
102 trinta dias de antecedência, ressalvados desse
prazo mínimo os casos decorrentes de rescisão § 2o  O contrato de que trata o caput deve
por fraude ou infração das normas sanitárias e estabelecer com clareza as condições para a
fiscais em vigor. sua execução, expressas em cláusulas que de-
§ 2o  Na hipótese de a substituição do estabe- finam direitos, obrigações e responsabilidades
lecimento hospitalar a que se refere o § 1o ocor- das partes, incluídas, obrigatoriamente, as que
rer por vontade da operadora durante período determinem:
de internação do consumidor, o estabelecimento I – o objeto e a natureza do contrato, com
obriga-se a manter a internação e a operadora, a descrição de todos os serviços contratados;
pagar as despesas até a alta hospitalar, a critério II – a definição dos valores dos serviços
médico, na forma do contrato. contratados, dos critérios, da forma e da peri-
§ 3o  Excetuam-se do previsto no § 2o os casos odicidade do seu reajuste e dos prazos e pro-
de substituição do estabelecimento hospitalar cedimentos para faturamento e pagamento dos
por infração às normas sanitárias em vigor, serviços prestados;
durante período de internação, quando a opera- III – a identificação dos atos, eventos e pro-
dora arcará com a responsabilidade pela trans- cedimentos médico-assistenciais que necessitem
ferência imediata para outro estabelecimento de autorização administrativa da operadora;
equivalente, garantindo a continuação da assis- IV – a vigência do contrato e os critérios e
tência, sem ônus adicional para o consumidor. procedimentos para prorrogação, renovação
§ 4o  Em caso de redimensionamento da rede e rescisão;
hospitalar por redução, as empresas deverão V – as penalidades pelo não cumprimento
solicitar à ANS autorização expressa para tanto, das obrigações estabelecidas.
informando: § 3o  A periodicidade do reajuste de que trata
I – nome da entidade a ser excluída; o inciso II do § 2o deste artigo será anual e rea-
II – capacidade operacional a ser reduzida lizada no prazo improrrogável de 90 (noventa)
com a exclusão; dias, contado do início de cada ano-calendário.
III – impacto sobre a massa assistida, a partir § 4o  Na hipótese de vencido o prazo previsto
de parâmetros definidos pela ANS, correlaci- no § 3o deste artigo, a Agência Nacional de Saúde
onando a necessidade de leitos e a capacidade Suplementar – ANS, quando for o caso, definirá
operacional restante; e o índice de reajuste.
IV – justificativa para a decisão, observando § 5o  A ANS poderá constituir, na forma da
a obrigatoriedade de manter cobertura com legislação vigente, câmara técnica com represen-
padrões de qualidade equivalente e sem ônus tação proporcional das partes envolvidas para
adicional para o consumidor. o adequado cumprimento desta Lei.
§ 6o  A ANS publicará normas regulamen-
Art. 17-A.  As condições de prestação de ser- tares sobre o disposto neste artigo.
viços de atenção à saúde no âmbito dos planos
privados de assistência à saúde por pessoas físi- Art. 18.  A aceitação, por parte de qualquer
cas ou jurídicas, independentemente de sua prestador de serviço ou profissional de saúde,
qualificação como contratadas, referenciadas da condição de contratado, referenciado, cre-
ou credenciadas, serão reguladas por contrato denciado ou cooperado de uma operadora de
escrito, estipulado entre a operadora do plano produtos de que tratam o inciso I e o § 1o do
e o prestador de serviço. art. 1o desta Lei implica as seguintes obrigações
§ 1o  São alcançados pelas disposições do e direitos:
caput os profissionais de saúde em prática li- I – o consumidor de determinada operadora,
Normas correlatas

beral privada, na qualidade de pessoa física, em nenhuma hipótese e sob nenhum pretexto ou
e os estabelecimentos de saúde, na qualidade alegação, pode ser discriminado ou atendido de
de pessoa jurídica, que prestem ou venham a forma distinta daquela dispensada aos clientes
prestar os serviços de assistência à saúde a que vinculados a outra operadora ou plano;
aludem os arts. 1o e 35-F desta Lei, no âmbito II – a marcação de consultas, exames e quais-
de planos privados de assistência à saúde. quer outros procedimentos deve ser feita de 103
forma a atender às necessidades dos consumi- § 3o  Para registro provisório dos produtos
dores, privilegiando os casos de emergência a serem comercializados, deverão ser apresen-
ou urgência, assim como as pessoas com mais tados à ANS os seguintes dados:
de sessenta e cinco anos de idade, as gestantes, I – razão social da operadora ou da admi-
lactantes, lactentes e crianças até cinco anos; nistradora;
III – a manutenção de relacionamento de II – CNPJ da operadora ou da administra-
contratação, credenciamento ou referencia- dora;
mento com número ilimitado de operadoras, III – nome do produto;
sendo expressamente vedado às operadoras, IV – segmentação da assistência (ambulato-
independente de sua natureza jurídica consti- rial, hospitalar com obstetrícia, hospitalar sem
tutiva, impor contratos de exclusividade ou de obstetrícia, odontológica e referência);
restrição à atividade profissional. V – tipo de contratação (individual/familiar,
Parágrafo único.  A partir de 3 de dezembro coletivo empresarial e coletivo por adesão);
de 1999, os prestadores de serviço ou profissi- VI – âmbito geográfico de cobertura;
onais de saúde não poderão manter contrato, VII – faixas etárias e respectivos preços;
credenciamento ou referenciamento com ope- VIII – rede hospitalar própria por Município
radoras que não tiverem registros para funcio- (para segmentações hospitalar e referência);
namento e comercialização conforme previsto IX – rede hospitalar contratada ou referencia-
nesta Lei, sob pena de responsabilidade por da por Município (para segmentações hospitalar
atividade irregular. e referência);
X – outros documentos e informações que
Art. 19.  Para requerer a autorização definitiva venham a ser solicitados pela ANS.
de funcionamento, as pessoas jurídicas que já § 4o  Os procedimentos administrativos para
atuavam como operadoras ou administradoras registro provisório dos produtos serão tratados
dos produtos de que tratam o inciso I e o § 1o do em norma específica da ANS.
art. 1o desta Lei, terão prazo de cento e oitenta § 5o  Independentemente do cumprimento,
dias, a partir da publicação da regulamentação por parte da operadora, das formalidades do
específica pela ANS. registro provisório, ou da conformidade dos
§ 1o  Até que sejam expedidas as normas de textos das condições gerais ou dos instrumen-
registro, serão mantidos registros provisórios tos contratuais, ficam garantidos, a todos os
das pessoas jurídicas e dos produtos na ANS, usuários de produtos a que alude o caput, con-
com a finalidade de autorizar a comercialização tratados a partir de 2 de janeiro de 1999, todos
ou operação dos produtos a que alude o caput, os benefícios de acesso e cobertura previstos
a partir de 2 de janeiro de 1999. nesta Lei e em seus regulamentos, para cada
§ 2o  Para o registro provisório, as operadoras segmentação definida no art. 12.
ou administradoras dos produtos a que alude § 6o  O não cumprimento do disposto neste
o caput deverão apresentar à ANS as informa- artigo implica o pagamento de multa diária no
ções requeridas e os seguintes documentos, valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais) aplicada
independentemente de outros que venham a às operadoras dos produtos de que tratam o
Código de Defesa do Consumidor

ser exigidos: inciso I e o § 1o do art. 1o.


I – registro do instrumento de constituição § 7o  As pessoas jurídicas que forem iniciar
da pessoa jurídica; operação de comercialização de planos privados
II – nome fantasia; de assistência à saúde, a partir de 8 de dezembro
III – CNPJ; de 1998, estão sujeitas aos registros de que trata
IV – endereço; o § 1o deste artigo.
V – telefone, fax e e-mail; e
VI – principais dirigentes da pessoa jurídica Art. 20.  As operadoras de produtos de que
e nome dos cargos que ocupam. tratam o inciso I e o § 1o do art. 1o desta Lei são
obrigadas a fornecer, periodicamente, à ANS to-
104 das as informações e estatísticas relativas às suas
atividades, incluídas as de natureza cadastral, e das demonstrações financeiras, devendo, a
especialmente aquelas que permitam a identifi- ANS, dar-lhes publicidade.
cação dos consumidores e de seus dependentes,
incluindo seus nomes, inscrições no Cadastro Art. 23.  As operadoras de planos privados de
de Pessoas Físicas dos titulares e Municípios assistência à saúde não podem requerer concor-
onde residem, para fins do disposto no art. 32. data e não estão sujeitas a falência ou insolvência
§ 1o  Os agentes, especialmente designados civil, mas tão somente ao regime de liquidação
pela ANS, para o exercício das atividades de extrajudicial.
fiscalização e nos limites por ela estabelecidos, § 1o  As operadoras sujeitar-se-ão ao regime
têm livre acesso às operadoras, podendo requi- de falência ou insolvência civil quando, no curso
sitar e apreender processos, contratos, manuais da liquidação extrajudicial, forem verificadas
de rotina operacional e demais documentos, uma das seguintes hipóteses:
relativos aos produtos de que tratam o inciso I I – o ativo da massa liquidanda não for sufici-
e o § 1o do art. 1o desta Lei. ente para o pagamento de pelo menos a metade
§ 2o  Caracteriza-se como embaraço à fis- dos créditos quirografários;
calização, sujeito às penas previstas na lei, a II – o ativo realizável da massa liquidanda
imposição de qualquer dificuldade à consecução não for suficiente, sequer, para o pagamento
dos objetivos da fiscalização, de que trata o § 1o das despesas administrativas e operacionais
deste artigo. inerentes ao regular processamento da liqui-
dação extrajudicial; ou
Art. 21.  É vedado às operadoras de planos pri- III – nas hipóteses de fundados indícios de
vados de assistência à saúde realizar quaisquer condutas previstas nos arts. 186 a 189 do De-
operações financeiras: creto-Lei no 7.661, de 21 de junho de 1945.
I – com seus diretores e membros dos con- § 2o  Para efeito desta Lei, define-se ativo
selhos administrativos, consultivos, fiscais ou realizável como sendo todo ativo que possa ser
assemelhados, bem como com os respectivos convertido em moeda corrente em prazo com-
cônjuges e parentes até o segundo grau, inclu- patível para o pagamento das despesas admi-
sive; nistrativas e operacionais da massa liquidanda.
II – com empresa de que participem as pes- § 3o  À vista do relatório do liquidante ex-
soas a que se refere o inciso I, desde que estas trajudicial, e em se verificando qualquer uma
sejam, em conjunto ou isoladamente, conside- das hipóteses previstas nos incisos I, II ou III
radas como controladoras da empresa. do § 1o deste artigo, a ANS poderá autorizá-lo
a requerer a falência ou insolvência civil da
Art. 22.  As operadoras de planos privados de operadora.
assistência à saúde submeterão suas contas a § 4o  A distribuição do requerimento produ-
auditores independentes, registrados no res- zirá imediatamente os seguintes efeitos:
pectivo Conselho Regional de Contabilidade I – a manutenção da suspensão dos prazos
e na Comissão de Valores Mobiliários – CVM, judiciais em relação à massa liquidanda;
publicando, anualmente, o parecer respectivo, II – a suspensão dos procedimentos admi-
juntamente com as demonstrações financeiras nistrativos de liquidação extrajudicial, salvo
determinadas pela Lei no 6.404, de 15 de de- os relativos à guarda e à proteção dos bens e
zembro de 1976. imóveis da massa;
§ 1o  A auditoria independente também po- III – a manutenção da indisponibilidade dos
derá ser exigida quanto aos cálculos atuariais, bens dos administradores, gerentes, conselheiros
Normas correlatas

elaborados segundo diretrizes gerais definidas e assemelhados, até posterior determinação


pelo CONSU. judicial; e
§ 2o  As operadoras com número de benefi- IV – prevenção do juízo que emitir o primei-
ciários inferior a vinte mil usuários ficam dis- ro despacho em relação ao pedido de conversão
pensadas da publicação do parecer do auditor do regime.
105
§ 5o  A ANS, no caso previsto no inciso II § 5o  A ANS promoverá, no prazo máximo de
do § 1o deste artigo, poderá, no período com- noventa dias, a alienação da carteira das opera-
preendido entre a distribuição do requerimento doras de planos privados de assistência à saúde,
e a decretação da falência ou insolvência civil, no caso de não surtirem efeito as medidas por
apoiar a proteção dos bens móveis e imóveis da ela determinadas para sanar as irregularidades
massa liquidanda. ou nas situações que impliquem risco para os
§ 6o  O liquidante enviará ao juízo prevento o consumidores participantes da carteira.
rol das ações judiciais em curso cujo andamento
ficará suspenso até que o juiz competente no- Art. 24-A.  Os administradores das operadoras
meie o síndico da massa falida ou o liquidante de planos privados de assistência à saúde em
da massa insolvente. regime de direção fiscal ou liquidação extraju-
dicial, independentemente da natureza jurídica
Art. 24.  Sempre que detectadas nas operadoras da operadora, ficarão com todos os seus bens
sujeitas à disciplina desta Lei insuficiência das indisponíveis, não podendo, por qualquer for-
garantias do equilíbrio financeiro, anormalida- ma, direta ou indireta, aliená-los ou onerá-los,
des econômico-financeiras ou administrativas até apuração e liquidação final de suas respon-
graves que coloquem em risco a continuidade sabilidades.
ou a qualidade do atendimento à saúde, a ANS § 1o  A indisponibilidade prevista neste artigo
poderá determinar a alienação da carteira, o decorre do ato que decretar a direção fiscal ou a
regime de direção fiscal ou técnica, por pra- liquidação extrajudicial e atinge a todos aqueles
zo não superior a trezentos e sessenta e cinco que tenham estado no exercício das funções nos
dias, ou a liquidação extrajudicial, conforme a doze meses anteriores ao mesmo ato.
gravidade do caso. § 2o  Na hipótese de regime de direção fiscal,
§ 1o  O descumprimento das determinações a indisponibilidade de bens a que se refere o
do diretor-fiscal ou técnico, e do liquidante, por caput deste artigo poderá não alcançar os bens
dirigentes, administradores, conselheiros ou dos administradores, por deliberação expressa
empregados da operadora de planos privados da Diretoria Colegiada da ANS.
de assistência à saúde acarretará o imediato afas- § 3o  A ANS, ex officio ou por recomendação
tamento do infrator, por decisão da ANS, sem do diretor fiscal ou do liquidante, poderá esten-
prejuízo das sanções penais cabíveis, assegurado der a indisponibilidade prevista neste artigo:
o direito ao contraditório, sem que isto implique I – aos bens de gerentes, conselheiros e aos
efeito suspensivo da decisão administrativa que de todos aqueles que tenham concorrido, no
determinou o afastamento. período previsto no § 1o, para a decretação da
§ 2o  A ANS, ex officio ou por recomendação direção fiscal ou da liquidação extrajudicial;
do diretor técnico ou fiscal ou do liquidante, II – aos bens adquiridos, a qualquer título,
poderá, em ato administrativo devidamente por terceiros, no período previsto no § 1o, das
motivado, determinar o afastamento dos di- pessoas referidas no inciso I, desde que confi-
retores, administradores, gerentes e membros gurada fraude na transferência.
do conselho fiscal da operadora sob regime de § 4o  Não se incluem nas disposições deste
Código de Defesa do Consumidor

direção ou em liquidação. artigo os bens considerados inalienáveis ou im-


§ 3o  No prazo que lhe for designado, o di- penhoráveis pela legislação em vigor.
retor-fiscal ou técnico procederá à análise da § 5o  A indisponibilidade também não al-
organização administrativa e da situação eco- cança os bens objeto de contrato de alienação,
nômico-financeira da operadora, bem assim da de promessa de compra e venda, de cessão ou
qualidade do atendimento aos consumidores, e promessa de cessão de direitos, desde que os
proporá à ANS as medidas cabíveis. respectivos instrumentos tenham sido levados
§ 4o  O diretor-fiscal ou técnico poderá pro- ao competente registro público, anteriormente
por a transformação do regime de direção em à data da decretação da direção fiscal ou da
liquidação extrajudicial. liquidação extrajudicial.
106
§ 6o  Os administradores das operadoras de VI – cancelamento da autorização de funci-
planos privados de assistência à saúde respon- onamento e alienação da carteira da operadora.
dem solidariamente pelas obrigações por eles
assumidas durante sua gestão até o montante Art. 26.  Os administradores e membros dos
dos prejuízos causados, independentemente do conselhos administrativos, deliberativos, con-
nexo de causalidade. sultivos, fiscais e assemelhados das operadoras
de que trata esta Lei respondem solidariamente
Art. 24-B.  A Diretoria Colegiada definirá as pelos prejuízos causados a terceiros, inclusive
atribuições e competências do diretor técnico, aos acionistas, cotistas, cooperados e consu-
diretor fiscal e do responsável pela alienação midores de planos privados de assistência à
de carteira, podendo ampliá-las, se necessário. saúde, conforme o caso, em consequência do
descumprimento de leis, normas e instruções
Art. 24-C.  Os créditos decorrentes da prestação referentes às operações previstas na legislação
de serviços de assistência privada à saúde pre- e, em especial, pela falta de constituição e co-
ferem a todos os demais, exceto os de natureza bertura das garantias obrigatórias.
trabalhista e tributários.
Art. 27.  A multa de que trata o art. 25 será
Art. 24-D.  Aplica-se à liquidação extrajudicial fixada e aplicada pela ANS no âmbito de suas
das operadoras de planos privados de assistência atribuições, com valor não inferior a R$ 5.000,00
à saúde e ao disposto nos arts. 24-A e 35-I, no (cinco mil reais) e não superior a R$ 1.000.000,00
que couber com os preceitos desta Lei, o dispos- (um milhão de reais) de acordo com o porte eco-
to na Lei no 6.024, de 13 de março de 1974, no nômico da operadora ou prestadora de serviço
Decreto-Lei no 7.661, de 21 de junho de 1945, no e a gravidade da infração, ressalvado o disposto
Decreto-Lei no 41, de 18 de novembro de 1966, no § 6o do art. 19.
e no Decreto-Lei no 73, de 21 de novembro de Parágrafo único. (Revogado)
1966, conforme o que dispuser a ANS.
Art. 28. (Revogado)
Art. 25.  As infrações dos dispositivos desta Lei
e de seus regulamentos, bem como aos disposi- Art. 29.  As infrações serão apuradas mediante
tivos dos contratos firmados, a qualquer tempo, processo administrativo que tenha por base o
entre operadoras e usuários de planos privados auto de infração, a representação ou a denúncia
de assistência à saúde, sujeitam a operadora dos positiva dos fatos irregulares, cabendo à ANS
produtos de que tratam o inciso I e o § 1o do dispor sobre normas para instauração, recursos
art. 1o desta Lei, seus administradores, membros e seus efeitos, instâncias e prazos.
de conselhos administrativos, deliberativos, § 1o  O processo administrativo, antes de
consultivos, fiscais e assemelhados às seguintes aplicada a penalidade, poderá, a título excepci-
penalidades, sem prejuízo de outras estabeleci- onal, ser suspenso, pela ANS, se a operadora ou
das na legislação vigente: prestadora de serviço assinar termo de compro-
I – advertência; misso de ajuste de conduta, perante a diretoria
II – multa pecuniária; colegiada, que terá eficácia de título executivo
III – suspensão do exercício do cargo; extrajudicial, obrigando-se a:
IV – inabilitação temporária para exercício I – cessar a prática de atividades ou atos ob-
de cargos em operadoras de planos de assis- jetos da apuração; e
tência à saúde; II – corrigir as irregularidades, inclusive in-
Normas correlatas

V – inabilitação permanente para exercício denizando os prejuízos delas decorrentes.


de cargos de direção ou em conselhos das ope- § 2o  O termo de compromisso de ajuste de
radoras a que se refere esta Lei, bem como em conduta conterá, necessariamente, as seguintes
entidades de previdência privada, sociedades cláusulas:
seguradoras, corretoras de seguros e instituições
financeiras; 107
I – obrigações do compromissário de fazer § 3o  O descumprimento injustificado do
cessar a prática objeto da apuração, no prazo termo de compromisso poderá importar na
estabelecido; aplicação da penalidade de multa a que se refere
II – valor da multa a ser imposta no caso de o inciso II, § 2o, do art. 29 desta Lei.
descumprimento, não inferior a R$ 5.000,00
(cinco mil reais) e não superior a R$ 1.000.000,00 Art. 30.  Ao consumidor que contribuir para
(um milhão de reais) de acordo com o porte produtos de que tratam o inciso I e o § 1o do
econômico da operadora ou da prestadora de art. 1o desta Lei, em decorrência de vínculo
serviço. empregatício, no caso de rescisão ou exonera-
§ 3o  A assinatura do termo de compromisso ção do contrato de trabalho sem justa causa, é
de ajuste de conduta não importa confissão assegurado o direito de manter sua condição
do compromissário quanto à matéria de fato, de beneficiário, nas mesmas condições de co-
nem reconhecimento de ilicitude da conduta bertura assistencial de que gozava quando da
em apuração. vigência do contrato de trabalho, desde que
§ 4o  O descumprimento do termo de com- assuma o seu pagamento integral.
promisso de ajuste de conduta, sem prejuízo § 1o  O período de manutenção da condição
da aplicação da multa a que se refere o inciso de beneficiário a que se refere o caput será de um
II do § 2o, acarreta a revogação da suspensão terço do tempo de permanência nos produtos
do processo. de que tratam o inciso I e o § 1o do art. 1o, ou
§ 5o  Cumpridas as obrigações assumidas no sucessores, com um mínimo assegurado de seis
termo de compromisso de ajuste de conduta, meses e um máximo de vinte e quatro meses.
será extinto o processo. § 2o  A manutenção de que trata este artigo
§ 6o  Suspende-se a prescrição durante a é extensiva, obrigatoriamente, a todo o grupo
vigência do termo de compromisso de ajuste familiar inscrito quando da vigência do contrato
de conduta. de trabalho.
§ 7o  Não poderá ser firmado termo de com- § 3o  Em caso de morte do titular, o direito
promisso de ajuste de conduta quando tiver de permanência é assegurado aos dependentes
havido descumprimento de outro termo de cobertos pelo plano ou seguro privado coletivo
compromisso de ajuste de conduta nos termos de assistência à saúde, nos termos do disposto
desta Lei, dentro do prazo de dois anos. neste artigo.
§ 8o  O termo de compromisso de ajuste de § 4o  O direito assegurado neste artigo não
conduta deverá ser publicado no Diário Oficial exclui vantagens obtidas pelos empregados de-
da União. correntes de negociações coletivas de trabalho.
§ 9o  A ANS regulamentará a aplicação do § 5o  A condição prevista no caput deste ar-
disposto nos §§ 1o a 7o deste artigo. tigo deixará de existir quando da admissão do
consumidor titular em novo emprego.
Art. 29-A.  A ANS poderá celebrar com as § 6o  Nos planos coletivos custeados integral-
operadoras termo de compromisso, quando mente pela empresa, não é considerada contri-
houver interesse na implementação de práticas buição a coparticipação do consumidor, única
Código de Defesa do Consumidor

que consistam em vantagens para os consumi- e exclusivamente, em procedimentos, como


dores, com vistas a assegurar a manutenção da fator de moderação, na utilização dos serviços
qualidade dos serviços de assistência à saúde. de assistência médica ou hospitalar.
§ 1o  O termo de compromisso referido no
caput não poderá implicar restrição de direitos Art. 31.  Ao aposentado que contribuir para
do usuário. produtos de que tratam o inciso I e o § 1o do
§ 2o  Na definição do termo de que trata este art. 1o desta Lei, em decorrência de vínculo
artigo serão considerados os critérios de aferição empregatício, pelo prazo mínimo de dez anos,
e controle da qualidade dos serviços a serem é assegurado o direito de manutenção como be-
oferecidos pelas operadoras. neficiário, nas mesmas condições de cobertura
108 assistencial de que gozava quando da vigência
do contrato de trabalho, desde que assuma o dos, conforme previsto no § 2o deste artigo, ca-
seu pagamento integral. bendo-lhe, inclusive, estabelecer procedimentos
§ 1o  Ao aposentado que contribuir para pla- para cobrança dos valores a serem ressarcidos.
nos coletivos de assistência à saúde por período § 8o  Os valores a serem ressarcidos não se-
inferior ao estabelecido no caput é assegurado rão inferiores aos praticados pelo SUS e nem
o direito de manutenção como beneficiário, à superiores aos praticados pelas operadoras de
razão de um ano para cada ano de contribui- produtos de que tratam o inciso I e o § 1o do
ção, desde que assuma o pagamento integral art. 1o desta Lei.
do mesmo. § 9o  Os valores a que se referem os §§ 3o
§ 2o  Para gozo do direito assegurado neste e 6o deste artigo não serão computados para
artigo, observar-se-ão as mesmas condições fins de aplicação dos recursos mínimos nas
estabelecidas nos §§ 2o, 3o, 4o, 5o e 6o do art. 30. ações e serviços públicos de saúde nos termos
da Constituição Federal.
Art. 32.  Serão ressarcidos pelas operadoras dos
produtos de que tratam o inciso I e o § 1o do Art. 33.  Havendo indisponibilidade de leito
art. 1o desta Lei, de acordo com normas a serem hospitalar nos estabelecimentos próprios ou
definidas pela ANS, os serviços de atendimento credenciados pelo plano, é garantido ao consu-
à saúde previstos nos respectivos contratos, midor o acesso à acomodação, em nível superior,
prestados a seus consumidores e respectivos sem ônus adicional.
dependentes, em instituições públicas ou pri-
vadas, conveniadas ou contratadas, integrantes Art. 34.  As pessoas jurídicas que executam
do Sistema Único de Saúde – SUS. outras atividades além das abrangidas por esta
§ 1o  O ressarcimento será efetuado pelas Lei deverão, na forma e no prazo definidos pela
operadoras ao SUS com base em regra de valo- ANS, constituir pessoas jurídicas independentes,
ração aprovada e divulgada pela ANS, mediante com ou sem fins lucrativos, especificamente para
crédito ao Fundo Nacional de Saúde – FNS. operar planos privados de assistência à saúde,
§ 2o  Para a efetivação do ressarcimento, a na forma da legislação em vigor e em especial
ANS disponibilizará às operadoras a discrimi- desta Lei e de seus regulamentos.
nação dos procedimentos realizados para cada § 1o  O disposto no caput não se aplica às
consumidor. entidades de autogestão constituídas sob a forma
§ 3o  A operadora efetuará o ressarcimento de fundação, de sindicato ou de associação que,
até o 15o (décimo quinto) dia da data de rece- na data da publicação desta Lei, já exerciam
bimento da notificação de cobrança feita pela outras atividades em conjunto com as relaci-
ANS. onadas à assistência à saúde, nos termos dos
§ 4o  O ressarcimento não efetuado no prazo pertinentes estatutos sociais.
previsto no § 3o será cobrado com os seguintes § 2o  As entidades de que trata o § 1o poderão,
acréscimos: desde que a hipótese de segregação da finalidade
I – juros de mora contados do mês seguinte estatutária esteja prevista ou seja assegurada
ao do vencimento, à razão de um por cento ao pelo órgão interno competente, constituir filial
mês ou fração; ou departamento com número do Cadastro
II – multa de mora de dez por cento. Nacional da Pessoa Jurídica sequencial ao da
§ 5o  Os valores não recolhidos no prazo pre- pessoa jurídica principal.
visto no § 3o serão inscritos em dívida ativa da § 3o  As entidades de que trata o § 1o que
ANS, a qual compete a cobrança judicial dos optarem por proceder de acordo com o previsto
Normas correlatas

respectivos créditos. no § 2o assegurarão condições para sua ade-


§ 6o  O produto da arrecadação dos juros e quada segregação patrimonial, administrativa,
da multa de mora serão revertidos ao Fundo financeira e contábil.
Nacional de Saúde.
§ 7o  A ANS disciplinará o processo de glosa Art. 35.  Aplicam-se as disposições desta Lei
ou impugnação dos procedimentos encaminha- a todos os contratos celebrados a partir de sua 109
vigência, assegurada aos consumidores com Art. 35-A.  Fica criado o Conselho de Saúde
contratos anteriores, bem como àqueles com Suplementar – CONSU, órgão colegiado inte-
contratos celebrados entre 2 de setembro de grante da estrutura regimental do Ministério
1998 e 1o de janeiro de 1999, a possibilidade da Saúde, com competência para:
de optar pela adaptação ao sistema previsto I – estabelecer e supervisionar a execução
nesta Lei. de políticas e diretrizes gerais do setor de saúde
§ 1o  Sem prejuízo do disposto no art. 35-E, suplementar;
a adaptação dos contratos de que trata este ar- II – aprovar o contrato de gestão da ANS;
tigo deverá ser formalizada em termo próprio, III – supervisionar e acompanhar as ações e
assinado pelos contratantes, de acordo com as o funcionamento da ANS;
normas a serem definidas pela ANS. IV – fixar diretrizes gerais para implementa-
§ 2o  Quando a adaptação dos contratos in- ção no setor de saúde suplementar sobre:
cluir aumento de contraprestação pecuniária, a)  aspectos econômico-financeiros;
a composição da base de cálculo deverá ficar b)  normas de contabilidade, atuariais e es-
restrita aos itens correspondentes ao aumento tatísticas;
de cobertura, e ficará disponível para verificação c)  parâmetros quanto ao capital e ao patri-
pela ANS, que poderá determinar sua alteração mônio líquido mínimos, bem assim quanto às
quando o novo valor não estiver devidamente formas de sua subscrição e realização quando
justificado. se tratar de sociedade anônima;
§ 3o  A adaptação dos contratos não implica d)  critérios de constituição de garantias de
nova contagem dos períodos de carência e dos manutenção do equilíbrio econômico-finan-
prazos de aquisição dos benefícios previstos ceiro, consistentes em bens, móveis ou imóveis,
nos arts. 30 e 31 desta Lei, observados, quanto ou fundos especiais ou seguros garantidores;
aos últimos, os limites de cobertura previstos e)  criação de fundo, contratação de seguro
no contrato original. garantidor ou outros instrumentos que julgar
§ 4o  Nenhum contrato poderá ser adaptado adequados, com o objetivo de proteger o consu-
por decisão unilateral da empresa operadora. midor de planos privados de assistência à saúde
§ 5o  A manutenção dos contratos originais em caso de insolvência de empresas operadoras;
pelos consumidores não optantes tem caráter V – deliberar sobre a criação de câmaras
personalíssimo, devendo ser garantida somente técnicas, de caráter consultivo, de forma a sub-
ao titular e a seus dependentes já inscritos, per- sidiar suas decisões.
mitida inclusão apenas de novo cônjuge e filhos, Parágrafo único.  A ANS fixará as normas
e vedada a transferência da sua titularidade, sob sobre as matérias previstas no inciso IV des-
qualquer pretexto, a terceiros. te artigo, devendo adequá-las, se necessário,
§ 6o  Os produtos de que tratam o inciso I quando houver diretrizes gerais estabelecidas
e o § 1o do art. 1o desta Lei, contratados até 1o pelo CONSU.
de janeiro de 1999, deverão permanecer em
operação, por tempo indeterminado, apenas Art. 35-B.  O CONSU será integrado pelos
para os consumidores que não optarem pela seguintes Ministros de Estado:
Código de Defesa do Consumidor

adaptação às novas regras, sendo considerados I – Chefe da Casa Civil da Presidência da


extintos para fim de comercialização. República, na qualidade de Presidente;
§ 7o  Às pessoas jurídicas contratantes de II – da Saúde;
planos coletivos, não optantes pela adaptação III – da Fazenda;
prevista neste artigo, fica assegurada a manu- IV – da Justiça; e
tenção dos contratos originais, nas coberturas V – do Planejamento, Orçamento e Gestão.
assistenciais neles pactuadas. § 1o  O Conselho deliberará mediante reso-
§ 8o  A ANS definirá em norma própria os luções, por maioria de votos, cabendo ao Pre-
procedimentos formais que deverão ser adota- sidente a prerrogativa de deliberar nos casos de
dos pelas empresas para a adaptação dos con- urgência e relevante interesse, ad referendum
110 tratos de que trata este artigo. dos demais membros.
§ 2o  Quando deliberar ad referendum do sessenta anos de idade estará sujeita à autori-
Conselho, o Presidente submeterá a decisão ao zação prévia da ANS;
Colegiado na primeira reunião que se seguir II – a alegação de doença ou lesão preexis-
àquela deliberação. tente estará sujeita à prévia regulamentação da
§ 3o  O Presidente do Conselho poderá con- matéria pela ANS;
vidar Ministros de Estado, bem assim outros III – é vedada a suspensão ou a rescisão uni-
representantes de órgãos públicos, para parti- lateral do contrato individual ou familiar de
cipar das reuniões, não lhes sendo permitido produtos de que tratam o inciso I e o § 1o do
o direito de voto. art. 1o desta Lei por parte da operadora, salvo
§ 4o  O Conselho reunir-se-á sempre que for o disposto no inciso II do parágrafo único do
convocado por seu Presidente. art. 13 desta Lei;
§ 5o  O regimento interno do CONSU será IV – é vedada a interrupção de internação
aprovado por decreto do Presidente da Repú- hospitalar em leito clínico, cirúrgico ou em
blica. centro de terapia intensiva ou similar, salvo a
§ 6o  As atividades de apoio administrativo critério do médico assistente.
ao CONSU serão prestadas pela ANS. § 1o  Os contratos anteriores à vigência desta
§ 7 o  O Presidente da ANS participará, Lei, que estabeleçam reajuste por mudança de
na qualidade de Secretário, das reuniões do faixa etária com idade inicial em sessenta anos
CONSU. ou mais, deverão ser adaptados, até 31 de ou-
tubro de 1999, para repactuação da cláusula de
Art. 35-C.  É obrigatória a cobertura do aten- reajuste, observadas as seguintes disposições:
dimento nos casos: I – a repactuação será garantida aos consumi-
I – de emergência, como tal definidos os que dores de que trata o parágrafo único do art. 15,
implicarem risco imediato de vida ou de lesões para as mudanças de faixa etária ocorridas após
irreparáveis para o paciente, caracterizado em a vigência desta Lei, e limitar-se-á à diluição da
declaração do médico assistente; aplicação do reajuste anteriormente previsto,
II – de urgência, assim entendidos os resul- em reajustes parciais anuais, com adoção de
tantes de acidentes pessoais ou de complicações percentual fixo que, aplicado a cada ano, permita
no processo gestacional; atingir o reajuste integral no início do último
III – de planejamento familiar. ano da faixa etária considerada;
Parágrafo único.  A ANS fará publicar nor- II – para aplicação da fórmula de diluição,
mas regulamentares para o disposto neste artigo, consideram-se de dez anos as faixas etárias que
observados os termos de adaptação previstos tenham sido estipuladas sem limite superior;
no art. 35. III – a nova cláusula, contendo a fórmula de
aplicação do reajuste, deverá ser encaminhada
Art. 35-D.  As multas a serem aplicadas pela aos consumidores, juntamente com o boleto
ANS em decorrência da competência fisca- ou título de cobrança, com a demonstração
lizadora e normativa estabelecida nesta Lei e do valor originalmente contratado, do valor
em seus regulamentos serão recolhidas à conta repactuado e do percentual de reajuste anual
daquela Agência, até o limite de R$ 1.000.000,00 fixo, esclarecendo, ainda, que o seu pagamento
(um milhão de reais) por infração, ressalvado o formalizará esta repactuação;
disposto no § 6o do art. 19 desta Lei. IV – a cláusula original de reajuste deverá ter
sido previamente submetida à ANS;
Art. 35-E.  A partir de 5 de junho de 1998, V – na falta de aprovação prévia, a opera-
Normas correlatas

fica estabelecido para os contratos celebrados dora, para que possa aplicar reajuste por faixa
anteriormente à data de vigência desta Lei que:2 etária a consumidores com sessenta anos ou
I – qualquer variação na contraprestação mais de idade e dez anos ou mais de contrato,
pecuniária para consumidores com mais de deverá submeter à ANS as condições contratuais
acompanhadas de nota técnica, para, uma vez
  NE: ver ADI no 1.931.
2
111
aprovada a cláusula e o percentual de reajuste, Art. 35-J.  O diretor técnico ou fiscal ou o li-
adotar a diluição prevista neste parágrafo. quidante são obrigados a manter sigilo relativo
§ 2o  Nos contratos individuais de produ- às informações da operadora às quais tiverem
tos de que tratam o inciso I e o § 1o do art. 1o acesso em razão do exercício do encargo, sob
desta Lei, independentemente da data de sua pena de incorrer em improbidade administra-
celebração, a aplicação de cláusula de reajuste tiva, sem prejuízo das responsabilidades civis
das contraprestações pecuniárias dependerá de e penais.
prévia aprovação da ANS.
§ 3o  O disposto no art. 35 desta Lei aplica-se Art. 35-L.  Os bens garantidores das provisões
sem prejuízo do estabelecido neste artigo. técnicas, fundos e provisões deverão ser regis-
trados na ANS e não poderão ser alienados,
Art. 35-F.  A assistência a que alude o art. 1o prometidos a alienar ou, de qualquer forma,
desta Lei compreende todas as ações necessárias gravados sem prévia e expressa autorização,
à prevenção da doença e à recuperação, manu- sendo nulas, de pleno direito, as alienações
tenção e reabilitação da saúde, observados os realizadas ou os gravames constituídos com
termos desta Lei e do contrato firmado entre violação deste artigo.
as partes. Parágrafo único.  Quando a garantia recair
em bem imóvel, será obrigatoriamente inscrita
Art. 35-G.  Aplicam-se subsidiariamente aos no competente Cartório do Registro Geral de
contratos entre usuários e operadoras de pro- Imóveis, mediante requerimento firmado pela
dutos de que tratam o inciso I e o § 1o do art. 1o operadora de plano de assistência à saúde e
desta Lei as disposições da Lei no 8.078, de 1990. pela ANS.

Art. 35-H.  Os expedientes que até esta data fo- Art. 35-M.  As operadoras de produtos de que
ram protocolizados na SUSEP pelas operadoras tratam o inciso I e o § 1o do art. 1o desta Lei
de produtos de que tratam o inciso I e o § 1o do poderão celebrar contratos de resseguro junto
art. 1o desta Lei e que forem encaminhados à às empresas devidamente autorizadas a operar
ANS em consequência desta Lei, deverão estar em tal atividade, conforme estabelecido na Lei
acompanhados de parecer conclusivo daquela no 9.932, de 20 de dezembro de 1999, e regula-
Autarquia. mentações posteriores.

Art. 35-I.  Responderão subsidiariamente pelos Art. 36.  Esta Lei entra em vigor noventa dias
direitos contratuais e legais dos consumidores, após a data de sua publicação.
prestadores de serviço e fornecedores, além dos
débitos fiscais e trabalhistas, os bens pessoais dos Brasília, 3 de junho de 1998; 177o da Indepen-
diretores, administradores, gerentes e membros dência e 110o da República.
de conselhos da operadora de plano privado de
assistência à saúde, independentemente da sua FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
natureza jurídica.
Código de Defesa do Consumidor

Promulgada em 3/6/1998 e publicada no DOU de


4/6/1998.

112
Lei no 8.987/1995
Dispõe sobre o regime de concessão e permissão da prestação de serviços públicos previsto no art. 175
da Constituição Federal, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA vencimento, o mínimo de seis datas opcionais


para escolherem os dias de vencimento de seus
Faço saber que o Congresso Nacional decreta débitos.
e eu sanciono a seguinte Lei: Parágrafo único. (Vetado)
������������������������������������������������������������������������������� �������������������������������������������������������������������������������

CAPÍTULO III – Dos Direitos e Obrigações Brasília, 13 de fevereiro de 1995; 174o da Inde-
dos Usuários pendência e 107o da República.
�������������������������������������������������������������������������������
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
Art. 7o-A.  As concessionárias de serviços pú-
blicos, de direito público e privado, nos Estados Promulgada em 13/2/1995, publicada no DOU de
e no Distrito Federal, são obrigadas a oferecer 14/2/1995 e republicada no DOU de 28/9/1998.
ao consumidor e ao usuário, dentro do mês de

Normas correlatas

113
Lei no 8.137/1990
Define crimes contra a ordem tributária, econômica e contra as relações de consumo, e dá outras
providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA razão da maior ou menor complexidade da ma-


téria ou da dificuldade quanto ao atendimento
Faço saber que o Congresso Nacional decreta da exigência, caracteriza a infração prevista no
e eu sanciono a seguinte Lei:1 inciso V.

Art. 2o  Constitui crime da mesma natureza:


CAPÍTULO I – Dos Crimes contra a Ordem I – fazer declaração falsa ou omitir declaração
Tributária sobre rendas, bens ou fatos, ou empregar outra
SEÇÃO I – Dos Crimes Praticados por fraude, para eximir-se, total ou parcialmente,
Particulares de pagamento de tributo;
II – deixar de recolher, no prazo legal, valor
Art. 1o  Constitui crime contra a ordem tri- de tributo ou de contribuição social, descontado
butária suprimir ou reduzir tributo, ou contri- ou cobrado, na qualidade de sujeito passivo
buição social e qualquer acessório, mediante as de obrigação e que deveria recolher aos cofres
seguintes condutas: públicos;
I – omitir informação, ou prestar declaração III – exigir, pagar ou receber, para si ou para o
falsa às autoridades fazendárias; contribuinte beneficiário, qualquer percentagem
II – fraudar a fiscalização tributária, inserin- sobre a parcela dedutível ou deduzida de im-
do elementos inexatos, ou omitindo operação posto ou de contribuição como incentivo fiscal;
de qualquer natureza, em documento ou livro IV – deixar de aplicar, ou aplicar em desacor-
exigido pela lei fiscal; do com o estatuído, incentivo fiscal ou parcelas
III – falsificar ou alterar nota fiscal, fatura, de imposto liberadas por órgão ou entidade de
duplicata, nota de venda, ou qualquer outro desenvolvimento;
documento relativo à operação tributável; V – utilizar ou divulgar programa de pro-
IV – elaborar, distribuir, fornecer, emitir ou cessamento de dados que permita ao sujeito
utilizar documento que saiba ou deva saber passivo da obrigação tributária possuir infor-
falso ou inexato; mação contábil diversa daquela que é, por lei,
V – negar ou deixar de fornecer, quando obri- fornecida à Fazenda Pública.
gatório, nota fiscal ou documento equivalente, Pena – detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois)
relativa a venda de mercadoria ou prestação de anos, e multa.
serviço, efetivamente realizada, ou fornecê-la
Código de Defesa do Consumidor

em desacordo com a legislação;


Pena – reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, SEÇÃO II – Dos Crimes Praticados por
e multa. Funcionários Públicos
Parágrafo único.  A falta de atendimento da
exigência da autoridade, no prazo de 10 (dez) Art. 3o  Constitui crime funcional contra a or-
dias, que poderá ser convertido em horas em dem tributária, além dos previstos no Decreto-
lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código
1
  Nota do Editor (NE): nos dispositivos que alteram Penal (Título XI, Capítulo I):
normas, suprimiram-se as alterações determinadas I – extraviar livro oficial, processo fiscal ou
uma vez que já foram incorporadas às normas às qualquer documento, de que tenha a guarda
114 quais se destinam. em razão da função; sonegá-lo, ou inutilizá-lo,
total ou parcialmente, acarretando pagamento Art. 5o (Revogado)
indevido ou inexato de tributo ou contribuição
social; Art. 6o (Revogado)
II – exigir, solicitar ou receber, para si ou para
outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora Art. 7o  Constitui crime contra as relações de
da função ou antes de iniciar seu exercício, mas consumo:
em razão dela, vantagem indevida; ou aceitar I – favorecer ou preferir, sem justa causa,
promessa de tal vantagem, para deixar de lançar comprador ou freguês, ressalvados os sistemas
ou cobrar tributo ou contribuição social, ou de entrega ao consumo por intermédio de dis-
cobrá-los parcialmente; tribuidores ou revendedores;
Pena – reclusão, de 3 (três) a 8 (oito) anos, II – vender ou expor à venda mercadoria
e multa. cuja embalagem, tipo, especificação, peso ou
III – patrocinar, direta ou indiretamente, composição esteja em desacordo com as prescri-
interesse privado perante a administração fazen- ções legais, ou que não corresponda à respectiva
dária, valendo-se da qualidade de funcionário classificação oficial;
público. III – misturar gêneros e mercadorias de es-
Pena – reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, pécies diferentes, para vendê-los ou expô-los à
e multa. venda como puros; misturar gêneros e merca-
dorias de qualidades desiguais para vendê-los
ou expô-los à venda por preço estabelecido para
CAPÍTULO II – Dos Crimes contra a os de mais alto custo;
Ordem Econômica e as Relações de Consumo IV – fraudar preços por meio de:
a)  alteração, sem modificação essencial ou
Art. 4o  Constitui crime contra a ordem eco- de qualidade, de elementos tais como denomi-
nômica: nação, sinal externo, marca, embalagem, especi-
I – abusar do poder econômico, dominando o ficação técnica, descrição, volume, peso, pintura
mercado ou eliminando, total ou parcialmente, ou acabamento de bem ou serviço;
a concorrência mediante qualquer forma de b)  divisão em partes de bem ou serviço,
ajuste ou acordo de empresas; habitualmente oferecido à venda em conjunto;
a) (Revogada); c)  junção de bens ou serviços, comumente
b) (Revogada); oferecidos à venda em separado;
c) (Revogada); d)  aviso de inclusão de insumo não empre-
d) (Revogada); gado na produção do bem ou na prestação dos
e) (Revogada); serviços;
f) (Revogada); V – elevar o valor cobrado nas vendas a prazo
II – formar acordo, convênio, ajuste ou ali- de bens ou serviços, mediante a exigência de
ança entre ofertantes, visando: comissão ou de taxa de juros ilegais;
a)  à fixação artificial de preços ou quanti- VI – sonegar insumos ou bens, recusando-se
dades vendidas ou produzidas; a vendê-los a quem pretenda comprá-los nas
b)  ao controle regionalizado do mercado condições publicamente ofertadas, ou retê-los
por empresa ou grupo de empresas; para o fim de especulação;
c)  ao controle, em detrimento da concorrên- VII – induzir o consumidor ou usuário a
cia, de rede de distribuição ou de fornecedores. erro, por via de indicação ou afirmação falsa
Pena – reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos ou enganosa sobre a natureza, qualidade de
Normas correlatas

e multa. bem ou serviço, utilizando-se de qualquer meio,


III – (Revogado); inclusive a veiculação ou divulgação publicitária;
IV – (Revogado); VIII – destruir, inutilizar ou danificar ma-
V – (Revogado); téria-prima ou mercadoria, com o fim de pro-
VI – (Revogado); vocar alta de preço, em proveito próprio ou de
VII – (Revogado). terceiros; 115
IX – vender, ter em depósito para vender ou Parágrafo único.  Quando a venda ao consu-
expor à venda ou, de qualquer forma, entregar midor for efetuada por sistema de entrega ao
matéria-prima ou mercadoria, em condições consumo ou por intermédio de distribuidor ou
impróprias ao consumo; revendedor, seja em regime de concessão comer-
Pena – detenção, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, cial ou outro em que o preço ao consumidor
ou multa. é estabelecido ou sugerido pelo fabricante ou
Parágrafo único.  Nas hipóteses dos incisos concedente, o ato por este praticado não alcança
II, III e IX pune-se a modalidade culposa, redu- o distribuidor ou revendedor.
zindo-se a pena e a detenção de 1/3 (um terço)
ou a de multa à quinta parte. Art. 12.  São circunstâncias que podem agravar
de 1/3 (um terço) até a metade as penas previstas
nos arts. 1o, 2o e 4o a 7o:
CAPÍTULO III – Das Multas I – ocasionar grave dano à coletividade;
II – ser o crime cometido por servidor pú-
Art. 8o  Nos crimes definidos nos arts. 1o a 3o blico no exercício de suas funções;
desta Lei, a pena de multa será fixada entre 10 III – ser o crime praticado em relação à
(dez) e 360 (trezentos e sessenta) dias-multa, prestação de serviços ou ao comércio de bens
conforme seja necessário e suficiente para re- essenciais à vida ou à saúde.
provação e prevenção do crime.
Parágrafo único.  O dia-multa será fixado Art. 13. (Vetado)
pelo juiz em valor não inferior a 14 (quatorze)
nem superior a 200 (duzentos) Bônus do Te- Art. 14. (Revogado)
souro Nacional – BTN.
Art. 15.  Os crimes previstos nesta Lei são de
Art. 9o  A pena de detenção ou reclusão poderá ação penal pública, aplicando-se-lhes o dispos-
ser convertida em multa de valor equivalente a: to no art. 100 do Decreto-lei no 2.848, de 7 de
I – 200.000 (duzentos mil) até 5.000.000 dezembro de 1940 – Código Penal.
(cinco milhões) de BTN, nos crimes definidos
no art. 4o; Art. 16.  Qualquer pessoa poderá provocar
II – 5.000 (cinco mil) até 200.000 (duzentos a iniciativa do Ministério Público nos crimes
mil) BTN, nos crimes definidos nos arts. 5o e 6o; descritos nesta Lei, fornecendo-lhe por escrito
III – 50.000 (cinquenta mil) até 1.000.000 informações sobre o fato e a autoria, bem como
(um milhão de BTN), nos crimes definidos indicando o tempo, o lugar e os elementos de
no art. 7o. convicção.
Parágrafo único.  Nos crimes previstos nesta
Art. 10.  Caso o juiz, considerado o ganho Lei, cometidos em quadrilha ou coautoria, o
ilícito e a situação econômica do réu, verifique coautor ou partícipe que através de confissão
a insuficiência ou excessiva onerosidade das espontânea revelar à autoridade policial ou ju-
penas pecuniárias previstas nesta Lei, poderá dicial toda a trama delituosa terá a sua pena
Código de Defesa do Consumidor

diminuí-las até a décima parte ou elevá-las ao reduzida de um a dois terços.


décuplo.
Art. 16-A. (Vetado)

CAPÍTULO IV – Das Disposições Gerais Art. 17.  Compete ao Departamento Nacio-


nal de Abastecimento e Preços, quando e se
Art. 11.  Quem, de qualquer modo, inclusive necessário, providenciar a desapropriação de
por meio de pessoa jurídica, concorre para os estoques, a fim de evitar crise no mercado ou
crimes definidos nesta Lei, incide nas penas a es- colapso no abastecimento.
tes cominadas, na medida de sua culpabilidade.
116 Art. 18. (Revogado)
Art. 19. O caput do art. 172 do Decreto-lei Art. 22.  Esta Lei entra em vigor na data de
no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código sua publicação.
Penal, passa a ter a seguinte redação:
������������������������������������������������������������������������������� Art. 23.  Revogam-se as disposições em con-
trário e, em especial, o art. 279 do Decreto-lei
Art. 20.  O § 1o do art. 316 do Decreto-lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código
no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal.
Penal, passa a ter a seguinte redação:
������������������������������������������������������������������������������� Brasília, 27 de dezembro de 1990; 169o da In-
dependência e 102o da República.
Art. 21.  O art. 318 do Decreto-lei no 2.848, de
7 de dezembro de 1940 – Código Penal, quanto FERNANDO COLLOR
à fixação da pena, passa a ter a seguinte redação:
............................................................................... Promulgada em 27/12/1990 e publicada no DOU
de 28/12/1990.

Normas correlatas

117
Decreto-lei no 2.848/1940
Código Penal.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da Fraude no comércio


atribuição que lhe confere o art. 180 da Cons-
tituição, Art. 175.  Enganar, no exercício de atividade
comercial, o adquirente ou consumidor:
DECRETA a seguinte Lei: I – vendendo, como verdadeira ou perfeita,
������������������������������������������������������������������������������� mercadoria falsificada ou deteriorada;
II – entregando uma mercadoria por outra:
PARTE ESPECIAL Pena – detenção, de seis meses a dois anos,
������������������������������������������������������������������������������� ou multa.
§ 1o  Alterar em obra que lhe é encomendada
TÍTULO II – Dos Crimes contra o a qualidade ou o peso de metal ou substituir,
Patrimônio no mesmo caso, pedra verdadeira por falsa ou
������������������������������������������������������������������������������� por outra de menor valor; vender pedra falsa
por verdadeira; vender, como precioso, metal
CAPÍTULO VI – Do Estelionato e Outras de outra qualidade:
Fraudes Pena – reclusão, de um a cinco anos, e multa.
������������������������������������������������������������������������������� § 2o  É aplicável o disposto no art. 155, § 2o.
�������������������������������������������������������������������������������
Duplicata simulada
Rio de Janeiro, 7 de dezembro de 1940; 119o da
Art. 172.  Emitir fatura, duplicata ou nota Independência e 52o da República.
de venda que não corresponda à mercadoria
vendida, em quantidade ou qualidade, ou ao GETÚLIO VARGAS
serviço prestado:
Pena – detenção, de 2 (dois) a 4 (quatro) Decretado em 7/12/1940, publicado no DOU de
anos, e multa. 31/12/1940 e retificado no DOU de 3/1/1941.
Parágrafo único.  Nas mesmas penas incor-
rerá aquele que falsificar ou adulterar a escri-
turação do Livro de Registro de Duplicatas.
�������������������������������������������������������������������������������
Código de Defesa do Consumidor

118
Decreto no 8.771/2016
Regulamenta a Lei no 12.965, de 23 de abril de 2014, para tratar das hipóteses admitidas de
discriminação de pacotes de dados na internet e de degradação de tráfego, indicar procedimentos
para guarda e proteção de dados por provedores de conexão e de aplicações, apontar medidas de
transparência na requisição de dados cadastrais pela administração pública e estabelecer parâmetros
para fiscalização e apuração de infrações.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da b)  sejam destinados a grupos específicos


atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso de usuários com controle estrito de admissão.
IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto
na Lei no 12.965, de 23 de abril de 2014,
CAPÍTULO II – Da Neutralidade de Rede
DECRETA:
Art. 3o  A exigência de tratamento isonômico
de que trata o art. 9o da Lei no 12.965, de 2014,
CAPÍTULO I – Disposições Gerais deve garantir a preservação do caráter público e
irrestrito do acesso à internet e os fundamentos,
Art. 1o  Este Decreto trata das hipóteses ad- princípios e objetivos do uso da internet no País,
mitidas de discriminação de pacotes de dados conforme previsto na Lei no 12.965, de 2014.
na internet e de degradação de tráfego, indica
procedimentos para guarda e proteção de da- Art. 4o  A discriminação ou a degradação de
dos por provedores de conexão e de aplicações, tráfego são medidas excepcionais, na medida
aponta medidas de transparência na requisição em que somente poderão decorrer de requisitos
de dados cadastrais pela administração pública técnicos indispensáveis à prestação adequada
e estabelece parâmetros para fiscalização e apu- de serviços e aplicações ou da priorização de
ração de infrações contidas na Lei no 12.965, de serviços de emergência, sendo necessário o
23 de abril de 2014. cumprimento de todos os requisitos dispostos
no art. 9o, § 2o, da Lei no 12.965, de 2014.
Art. 2o  O disposto neste Decreto se destina
aos responsáveis pela transmissão, pela comu- Art. 5o  Os requisitos técnicos indispensáveis
tação ou pelo roteamento e aos provedores de à prestação adequada de serviços e aplicações
conexão e de aplicações de internet, definida devem ser observados pelo responsável de ati-
nos termos do inciso I do caput do art. 5o da vidades de transmissão, de comutação ou de
Lei no 12.965, de 2014. roteamento, no âmbito de sua respectiva rede,
Parágrafo único.  O disposto neste Decreto e têm como objetivo manter sua estabilidade,
não se aplica: segurança, integridade e funcionalidade.
I – aos serviços de telecomunicações que § 1o  Os requisitos técnicos indispensáveis
não se destinem ao provimento de conexão de apontados no caput são aqueles decorrentes de:
internet; e I – tratamento de questões de segurança de
II – aos serviços especializados, entendidos redes, tais como restrição ao envio de mensa-
Normas correlatas

como serviços otimizados por sua qualidade gens em massa (spam) e controle de ataques de
assegurada de serviço, de velocidade ou de se- negação de serviço; e
gurança, ainda que utilizem protocolos lógicos II – tratamento de situações excepcionais
TCP/IP ou equivalentes, desde que: de congestionamento de redes, tais como rotas
a)  não configurem substituto à internet em alternativas em casos de interrupções da rota
seu caráter público e irrestrito; e principal e em situações de emergência. 119
§ 2o  A Agência Nacional de Telecomuni- Parágrafo único.  A transmissão de dados
cações – Anatel atuará na fiscalização e na nos casos elencados neste artigo será gratuita.
apuração de infrações quanto aos requisitos
técnicos elencados neste artigo, consideradas Art. 9o  Ficam vedadas condutas unilaterais ou
as diretrizes estabelecidas pelo Comitê Gestor acordos entre o responsável pela transmissão,
da Internet – CGIbr. pela comutação ou pelo roteamento e os pro-
vedores de aplicação que:
Art. 6o  Para a adequada prestação de serviços I – comprometam o caráter público e irres-
e aplicações na internet, é permitido o geren- trito do acesso à internet e os fundamentos,
ciamento de redes com o objetivo de preservar os princípios e os objetivos do uso da internet
sua estabilidade, segurança e funcionalidade, no País;
utilizando-se apenas de medidas técnicas com- II – priorizem pacotes de dados em razão de
patíveis com os padrões internacionais, desen- arranjos comerciais; ou
volvidos para o bom funcionamento da internet, III – privilegiem aplicações ofertadas pelo
e observados os parâmetros regulatórios expe- próprio responsável pela transmissão, pela co-
didos pela Anatel e consideradas as diretrizes mutação ou pelo roteamento ou por empresas
estabelecidas pelo CGIbr. integrantes de seu grupo econômico.

Art. 7o  O responsável pela transmissão, pela Art. 10.  As ofertas comerciais e os modelos de


comutação ou pelo roteamento deverá adotar cobrança de acesso à internet devem preservar
medidas de transparência para explicitar ao uma internet única, de natureza aberta, plural
usuário os motivos do gerenciamento que im- e diversa, compreendida como um meio para
plique a discriminação ou a degradação de que a promoção do desenvolvimento humano, eco-
trata o art. 4o, tais como: nômico, social e cultural, contribuindo para a
I – a indicação nos contratos de prestação de construção de uma sociedade inclusiva e não
serviço firmado com usuários finais ou prove- discriminatória.
dores de aplicação; e
II – a divulgação de informações referentes
às práticas de gerenciamento adotadas em seus CAPÍTULO III – Da Proteção aos Registros,
sítios eletrônicos, por meio de linguagem de aos Dados Pessoais e às Comunicações
fácil compreensão. Privadas
Parágrafo único.  As informações de que trata SEÇÃO I – Da Requisição de Dados
esse artigo deverão conter, no mínimo: Cadastrais
I – a descrição dessas práticas;
II – os efeitos de sua adoção para a qualidade Art. 11.  As autoridades administrativas a que
de experiência dos usuários; e se refere o art. 10, § 3o, da Lei no 12.965, de 2014,
III – os motivos e a necessidade da adoção indicarão o fundamento legal de competência
dessas práticas. expressa para o acesso e a motivação para o
pedido de acesso aos dados cadastrais.
Código de Defesa do Consumidor

Art. 8o  A degradação ou a discriminação de- § 1o  O provedor que não coletar dados ca-
corrente da priorização de serviços de emer- dastrais deverá informar tal fato à autoridade
gência somente poderá decorrer de: solicitante, ficando desobrigado de fornecer
I – comunicações destinadas aos prestadores tais dados.
dos serviços de emergência, ou comunicação § 2o  São considerados dados cadastrais:
entre eles, conforme previsto na regulamenta- I – a filiação;
ção da Agência Nacional de Telecomunicações II – o endereço; e
– Anatel; ou III – a qualificação pessoal, entendida como
II – comunicações necessárias para informar nome, prenome, estado civil e profissão do
a população em situações de risco de desastre, de usuário.
120 emergência ou de estado de calamidade pública.
§ 3o  Os pedidos de que trata o caput devem lidade dos dados, como encriptação ou medidas
especificar os indivíduos cujos dados estão sen- de proteção equivalentes.
do requeridos e as informações desejadas, sendo § 1o  Cabe ao CGIbr promover estudos e re-
vedados pedidos coletivos que sejam genéricos comendar procedimentos, normas e padrões
ou inespecíficos. técnicos e operacionais para o disposto nesse
artigo, de acordo com as especificidades e o
Art. 12.  A autoridade máxima de cada órgão porte dos provedores de conexão e de aplicação.
da administração pública federal publicará § 2o  Tendo em vista o disposto nos incisos
anualmente em seu sítio na internet relatórios VII a X do caput do art. 7o da Lei no 12.965, de
estatísticos de requisição de dados cadastrais, 2014, os provedores de conexão e aplicações
contendo: devem reter a menor quantidade possível de
I – o número de pedidos realizados; dados pessoais, comunicações privadas e regis-
II – a listagem dos provedores de conexão tros de conexão e acesso a aplicações, os quais
ou de acesso a aplicações aos quais os dados deverão ser excluídos:
foram requeridos; I – tão logo atingida a finalidade de seu uso;
III – o número de pedidos deferidos e inde- ou
feridos pelos provedores de conexão e de acesso II – se encerrado o prazo determinado por
a aplicações; e obrigação legal.
IV – o número de usuários afetados por tais
solicitações. Art. 14.  Para os fins do disposto neste Decreto,
considera-se:
I – dado pessoal – dado relacionado à pessoa
SEÇÃO II – Padrões de Segurança e natural identificada ou identificável, inclusive
Sigilo dos Registros, Dados Pessoais e números identificativos, dados locacionais ou
Comunicações Privadas identificadores eletrônicos, quando estes esti-
verem relacionados a uma pessoa; e
Art. 13.  Os provedores de conexão e de apli- II – tratamento de dados pessoais – toda
cações devem, na guarda, armazenamento e operação realizada com dados pessoais, como
tratamento de dados pessoais e comunicações as que se referem a coleta, produção, recepção,
privadas, observar as seguintes diretrizes sobre classificação, utilização, acesso, reprodução,
padrões de segurança: transmissão, distribuição, processamento, ar-
I – o estabelecimento de controle estrito so- quivamento, armazenamento, eliminação, ava-
bre o acesso aos dados mediante a definição de liação ou controle da informação, modificação,
responsabilidades das pessoas que terão pos- comunicação, transferência, difusão ou extração.
sibilidade de acesso e de privilégios de acesso
exclusivo para determinados usuários; Art. 15.  Os dados de que trata o art. 11 da
II – a previsão de mecanismos de autentica- Lei no 12.965, de 2014, deverão ser mantidos
ção de acesso aos registros, usando, por exemplo, em formato interoperável e estruturado, para
sistemas de autenticação dupla para assegurar a facilitar o acesso decorrente de decisão judicial
individualização do responsável pelo tratamento ou determinação legal, respeitadas as diretrizes
dos registros; elencadas no art. 13 deste Decreto.
III – a criação de inventário detalhado dos
acessos aos registros de conexão e de acesso a Art. 16.  As informações sobre os padrões de se-
aplicações, contendo o momento, a duração, a gurança adotados pelos provedores de aplicação
Normas correlatas

identidade do funcionário ou do responsável e provedores de conexão devem ser divulgadas


pelo acesso designado pela empresa e o arquivo de forma clara e acessível a qualquer interessado,
acessado, inclusive para cumprimento do dis- preferencialmente por meio de seus sítios na in-
posto no art. 11, § 3o, da Lei no 12.965, de 2014; e ternet, respeitado o direito de confidencialidade
IV – o uso de soluções de gestão dos registros quanto aos segredos empresariais.
por meio de técnicas que garantam a inviolabi- 121
CAPÍTULO IV – Da Fiscalização e da inclusive quanto à aplicação das sanções cabí-
Transparência veis, mesmo que as atividades sejam realizadas
por pessoa jurídica sediada no exterior, nos
Art. 17.  A Anatel atuará na regulação, na fisca- termos do art. 11 da Lei no 12.965, de 2014.
lização e na apuração de infrações, nos termos
da Lei no 9.472, de 16 de julho de 1997. Art. 21.  A apuração de infrações à Lei
no 12.965, de 2014, e a este Decreto atenderá
Art. 18.  A Secretaria Nacional do Consumidor aos procedimentos internos de cada um dos
atuará na fiscalização e na apuração de infrações, órgãos fiscalizatórios e poderá ser iniciada de
nos termos da Lei no 8.078, de 11 de setembro ofício ou mediante requerimento de qualquer
de 1990. interessado.

Art. 19.  A apuração de infrações à ordem eco- Art. 22.  Este Decreto entra em vigor trinta
nômica ficará a cargo do Sistema Brasileiro dias após a data de sua publicação.
de Defesa da Concorrência, nos termos da Lei
no 12.529, de 30 de novembro de 2011. Brasília, 11 de maio de 2016; 195o da Indepen-
dência e 128o da República.
Art. 20.  Os órgãos e as entidades da admi-
nistração pública federal com competências DILMA ROUSSEFF
específicas quanto aos assuntos relacionados
a este Decreto atuarão de forma colaborativa, Decretado em 11/5/2016 e publicado no DOU de
consideradas as diretrizes do CGIbr, e deverão 11/5/2016 – Edição extra.
zelar pelo cumprimento da legislação brasileira,
Código de Defesa do Consumidor

122
Decreto no 7.963/2013
Institui o Plano Nacional de Consumo e Cidadania e cria a Câmara Nacional das Relações de Consumo.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da serviços e instalações abertos ao público, de uso


atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso público ou privados de uso coletivo, tanto na
VI, alínea “a”, da Constituição, zona urbana como na rural, por pessoa com
deficiência ou com mobilidade reduzida.
DECRETA:
Art. 3o  São objetivos do Plano Nacional de
Art. 1   Fica instituído o Plano Nacional de
o
Consumo e Cidadania:
Consumo e Cidadania, com a finalidade de I – garantir o atendimento das necessidades
promover a proteção e defesa do consumidor dos consumidores;
em todo o território nacional, por meio da in- II – assegurar o respeito à dignidade, saúde
tegração e articulação de políticas, programas e segurança do consumidor;
e ações. III – estimular a melhoria da qualidade e o
Parágrafo único.  O Plano Nacional de Con- desenho universal de produtos e serviços dis-
sumo e Cidadania será executado pela União ponibilizados no mercado de consumo;
em colaboração com Estados, Distrito Federal, IV – assegurar a prevenção e a repressão de
Municípios e com a sociedade. condutas que violem direitos do consumidor;
V – promover o acesso a padrões de produção
Art. 2o  São diretrizes do Plano Nacional de e consumo sustentáveis; e
Consumo e Cidadania: VI – promover a transparência e harmonia
I – educação para o consumo; das relações de consumo.
II – adequada e eficaz prestação dos serviços Parágrafo único.  Para fins do disposto neste
públicos; Decreto, considera-se:
III – garantia do acesso do consumidor à I – desenho universal – concepção de pro-
justiça; dutos, ambientes, programas e serviços a serem
IV – garantia de produtos e serviços com usados por todas as pessoas, sem necessidade
padrões adequados de qualidade, segurança, de adaptação ou de projeto específico, incluídos
durabilidade, desempenho e acessibilidade; os recursos de tecnologia assistiva; e
V – fortalecimento da participação social na II – tecnologia assistiva – produtos, equipa-
defesa dos consumidores; mentos, dispositivos, recursos, metodologias,
VI – prevenção e repressão de condutas que estratégias, práticas e serviços que objetivem
violem direitos do consumidor; e promover a funcionalidade, relacionada à ativi-
VII – autodeterminação, privacidade, con- dade e à participação da pessoa com deficiência
fidencialidade e segurança das informações e ou com mobilidade reduzida, visando à sua
dados pessoais prestados ou coletados, inclusive autonomia, independência, qualidade de vida
por meio eletrônico. e inclusão social.
Parágrafo único.  Para fins do disposto neste
Decreto, considera-se acessibilidade a possibi- Art. 4o  São eixos de atuação do Plano Nacional
Normas correlatas

lidade e a condição de alcance para utilização, de Consumo e Cidadania:


com segurança e autonomia, de espaços, mo- I – prevenção e redução de conflitos;
biliários, equipamentos urbanos, edificações, II – regulação e fiscalização; e
transportes, informação e comunicação, inclu- III – fortalecimento do Sistema Nacional de
sive seus sistemas e suas tecnologias, e de outros Defesa do Consumidor.
123
Art. 5o  O eixo de prevenção e redução de onal, subsidiarão a definição das Políticas e ações
conflitos será composto, dentre outras, pelas do Plano Nacional de Consumo e Cidadania.
seguintes políticas e ações: Parágrafo único.  Compete ao Ministério da
I – aprimoramento dos procedimentos de Justiça coordenar, gerenciar e ampliar o SIN-
atendimento ao consumidor no pós-venda de DEC, garantindo o acesso às suas informações.
produtos e serviços;
II – criação de indicadores e índices de qua- Art. 9o  Fica criada a Câmara Nacional das Re-
lidade das relações de consumo; e lações de Consumo, no Conselho de Governo
III – promoção da educação para o consumo, de que trata o art. 7o da Lei no 10.683, de 28
incluída a qualificação e capacitação profissional de maio de 2003, com as seguintes instâncias
em defesa do consumidor. para a gestão do Plano Nacional de Consumo
e Cidadania:
Art. 6o  O eixo regulação e fiscalização será I – Conselho de Ministros; e
composto, dentre outras, pelas seguintes po- II – Observatório Nacional das Relações de
líticas e ações: Consumo.
I – instituição de avaliação de impacto re- Parágrafo único.  O apoio administrativo
gulatório sob a perspectiva dos direitos do necessário ao funcionamento das instâncias
consumidor; instituídas no caput será prestado pelo Minis-
II – promoção da inclusão, nos contratos de tério da Justiça.
concessão de serviços públicos, de mecanismos
de garantia dos direitos do consumidor; Art. 10.  Compete ao Conselho de Ministros
III – ampliação e aperfeiçoamento dos pro- da Câmara Nacional das Relações de Consumo
cessos fiscalizatórios quanto à efetivação de do Plano Nacional de Consumo e Cidadania
direitos do consumidor; orientar a formulação, a implementação, o mo-
IV – garantia de autodeterminação, privaci- nitoramento e a avaliação do Plano.
dade, confidencialidade e segurança das infor- § 1o  O Conselho de Ministros do Plano Na-
mações e dados pessoais prestados ou coletados, cional de Consumo e Cidadania será integrado
inclusive por meio eletrônico; por:
V – garantia da efetividade da execução das I – Ministro de Estado da Justiça, que o pre-
multas; e sidirá;
VI – implementação de outras medidas san- II – Ministro Chefe da Casa Civil da Presi-
cionatórias relativas à regulação de serviços. dência da República;
III – Ministro de Estado da Fazenda;
Art. 7o  O eixo de fortalecimento do Sistema IV – Ministro de Estado do Desenvolvimen-
Nacional de Defesa do Consumidor será com- to, Indústria e Comércio Exterior; e
posto, dentre outras, pelas seguintes políticas V – Ministro de Estado do Planejamento,
e ações: Orçamento e Gestão.
I – estimulo à interiorização e ampliação § 2o  Os membros do Conselho de Ministros
do atendimento ao consumidor, por meio de do Plano Nacional de Consumo e Cidadania
Código de Defesa do Consumidor

parcerias com Estados e Municípios; indicarão seus respectivos suplentes.


II – promoção da participação social junto ao § 3o  Poderão ser convidados para as reuniões
Sistema Nacional de Defesa do Consumidor; e do Conselho de Ministros representantes de
III – fortalecimento da atuação dos Procons órgãos da administração pública federal, dos
na proteção dos direitos dos consumidores. Estados, Distrito Federal e Municípios, e de
entidades privadas.
Art. 8o  Dados e informações de atendimento § 4o  O Conselho de Ministros da Câmara
ao consumidor registrados no Sistema Nacional Nacional das Relações de Consumo do Pla-
de Informações de Defesa do Consumidor – no Nacional de Consumo e Cidadania poderá
SINDEC, que integra os órgãos de proteção e criar comitês técnicos destinados ao estudo e
124 defesa do consumidor em todo o território naci-
elaboração de propostas sobre temas específicos i)  Agência Nacional de Vigilância Sanitária; e
relacionados ao Plano. j)  Agência Nacional de Transportes Ter-
restres; e
Art. 11.  Compete ao Observatório Nacional IV – no Comitê Técnico de Consumo e Pós-
das Relações de Consumo: Venda:
I – promover estudos e formular propostas a)  Ministério da Justiça, que o presidirá;
para consecução dos objetivos do Plano Naci- b)  Ministério da Fazenda;
onal de Consumo e Cidadania; e c)  Ministério da Educação;
II – acompanhar a execução das políticas, d)  Ministério do Meio Ambiente;
programas e ações do Plano Nacional de Con- e)  Ministério do Desenvolvimento, Indústria
sumo e Cidadania. e Comércio Exterior; e
§ 1o  O Observatório Nacional das Relações f)  Instituto Nacional de Metrologia, Nor-
de Consumo terá a seguinte estrutura: malização e Tecnologia.
I – Secretaria Executiva; § 3o  A designação do Secretário-Executivo e
II – Comitê Técnico de Consumo e Regu- dos membros dos Comitês Técnicos do Obser-
lação; vatório Nacional de Relações de Consumo será
III – Comitê Técnico de Consumo e Turis- feita pelo Ministro de Estado da Justiça, com
mo; e respectivos suplentes, a partir da indicação dos
IV – Comitê Técnico de Consumo e Pós- órgãos representados.
Venda. § 4o  Poderão ser convidados para participar
§ 2o  O Observatório Nacional das Relações das reuniões dos Comitês Técnicos representan-
de Consumo será composto por representantes tes de órgãos da administração pública federal,
dos seguintes órgãos: dos Estados, Distrito Federal e Municípios, e de
I – na Secretaria-Executiva: Secretaria Naci- entidades privadas.
onal do Consumidor do Ministério da Justiça; § 5o  Os Comitês Técnicos apresentarão à
II – no Comitê Técnico de Consumo e Re- Secretaria-Executiva relatórios periódicos com
gulação: propostas, resultados de estudos e registros do
a)  Ministério da Justiça, que o presidirá; acompanhamento do Plano Nacional de Con-
b)  Ministério da Fazenda; sumo e Cidadania de sua esfera temática.
c)  Ministério das Comunicações;
d)  Ministério de Minas e Energia; Art. 12.  A participação nas instâncias colegi-
e)  Ministério da Saúde; adas instituídas neste Decreto será considera-
f)  Secretaria de Aviação Civil; da prestação de serviço público relevante, não
g)  Agência Nacional de Telecomunicações; remunerada.
h)  Agência Nacional de Energia Elétrica;
i)  Agência Nacional de Saúde Suplementar; Art. 13.  Para a execução do Plano Nacional
j)  Agência Nacional de Aviação Civil; e de Consumo e Cidadania poderão ser firmados
k)  Banco Central do Brasil; convênios, acordos de cooperação, ajustes ou
III – no Comitê Técnico de Consumo e Tu- instrumentos congêneres, com órgãos e entida-
rismo: des da administração pública federal, dos Esta-
a)  Ministério da Justiça, que o presidirá; dos, do Distrito Federal e dos Municípios, com
b)  Ministério do Turismo; consórcios públicos, bem como com entidades
c)  Secretaria de Aviação Civil; privadas, na forma da legislação pertinente.
d)  Ministério da Saúde;
Normas correlatas

e)  Ministério dos Transportes; Art. 14.  O Plano Nacional de Consumo e Ci-


f)  Instituto Brasileiro de Turismo – EM- dadania será custeado por:
BRATUR; I – dotações orçamentárias da União consig-
g)  Empresa Brasileira de Infraestrutura Ae- nadas anualmente nos orçamentos dos órgãos
ronáutica – INFRAERO; e entidades envolvidos no Plano, observados
h)  Agência Nacional de Aviação Civil; 125
os limites de movimentação, de empenho e de § 2o  O prazo do exercício temporário não
pagamento fixados anualmente; poderá ser superior a um ano, admitindo-se
II – recursos oriundos dos órgãos participan- prorrogações sucessivas, de acordo com as ne-
tes do Plano Nacional de Consumo e Cidadania cessidades do projeto.
e que não estejam consignados nos Orçamentos § 3o  Os servidores de que trata o caput
Fiscal e da Seguridade Social da União; e deverão, preferencialmente, ser ocupantes de
III – outras fontes de recursos destinadas por cargos efetivos de Especialista em Regulação de
Estados, Distrito Federal e Municípios, bem Serviços Públicos de Telecomunicações, de Es-
como por outras entidades públicas. pecialista em Regulação de Serviços Públicos de
Energia, de Especialista em Regulação de Saúde
Art. 15.  O Ministro de Estado do Planejamen- Suplementar, e de Especialista em Regulação de
to, Orçamento e Gestão poderá, nos termos do Aviação Civil, integrantes das carreiras de que
§ 7o do art. 93 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro trata a Lei no 10.871, de 20 de maio de 2004, e
de 1990, determinar o exercício temporário de Analista em Tecnologia da Informação e de
de servidores ou empregados dos órgãos inte- economista, do Plano Geral de Cargos do Poder
grantes do Observatório Nacional das Relações Executivo – PGPE.
de Consumo da administração pública federal
direta e indireta para desempenho de atividades Art. 16.  O Conselho de Ministros da Câmara
no âmbito do Ministério da Justiça, com obje- Nacional das Relações de Consumo elaborará,
tivo de auxiliar a gestão do Plano Nacional de em prazo definido por seus membros e forma-
Consumo e Cidadania. lizado em ato do Ministro de Estado da Justiça,
§ 1o  A determinação de exercício tempo- proposta de regulamentação do § 3o do art. 18
rário referido no caput observará os seguintes da Lei no 8.078, de 1990, para especificar pro-
procedimentos: dutos de consumo considerados essenciais e
I – requisição do Ministro de Estado da dispor sobre procedimentos para uso imediato
Justiça ao Ministro de Estado ou autoridade das alternativas previstas no § 1o do art. 18 da
competente de órgão integrante da Presidência referida Lei.
da República a que pertencer o servidor;
II – o órgão ou entidade cedente instruirá Art. 17.  Este Decreto entra em vigor na data
o processo de requisição no prazo máximo de de sua publicação.
dez dias, encaminhando-o ao Ministério do
Planejamento, Orçamento e Gestão; e Brasília, 15 de março de 2013; 192o da Indepen-
III – examinada a adequação da requisição dência e 125o da República.
ao disposto neste Decreto, o Ministro de Estado
do Planejamento, Orçamento e Gestão editará, DILMA ROUSSEFF
no prazo de até dez dias, ato determinando o
exercício temporário do servidor requisitado. Decretado em 15/3/2013 e publicado no DOU de
15/3/2013 – Edição extra.
Código de Defesa do Consumidor

126
Decreto no 4.680/2003
Regulamenta o direito à informação, assegurado pela Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990,
quanto aos alimentos e ingredientes alimentares destinados ao consumo humano ou animal que
contenham ou sejam produzidos a partir de organismos geneticamente modificados, sem prejuízo
do cumprimento das demais normas aplicáveis.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da o produto ou ingrediente em todas as etapas da


atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, cadeia produtiva.
da Constituição, § 4o  O percentual referido no caput poderá
ser reduzido por decisão da Comissão Técnica
DECRETA: Nacional de Biossegurança – CTNBio.

Art. 1o  Este Decreto regulamenta o direito à Art. 3o  Os alimentos e ingredientes produzidos


informação, assegurado pela Lei no 8.078, de a partir de animais alimentados com ração con-
11 de setembro de 1990, quanto aos alimen- tendo ingredientes transgênicos deverão trazer
tos e ingredientes alimentares destinados ao no painel principal, em tamanho e destaque
consumo humano ou animal que contenham previstos no art. 2o, a seguinte expressão: “(nome
ou sejam produzidos a partir de organismos do animal) alimentado com ração contendo
geneticamente modificados, sem prejuízo do ingrediente transgênico” ou “(nome do ingredi-
cumprimento das demais normas aplicáveis. ente) produzido a partir de animal alimentado
com ração contendo ingrediente transgênico”.
Art. 2o  Na comercialização de alimentos e in-
gredientes alimentares destinados ao consumo Art. 4o  Aos alimentos e ingredientes alimenta-
humano ou animal que contenham ou sejam res que não contenham nem sejam produzidos
produzidos a partir de organismos geneticamen- a partir de organismos geneticamente modifi-
te modificados, com presença acima do limite cados será facultada a rotulagem “(nome do
de um por cento do produto, o consumidor produto ou ingrediente) livre de transgênicos”,
deverá ser informado da natureza transgênica desde que tenham similares transgênicos no
desse produto. mercado brasileiro.
§ 1o  Tanto nos produtos embalados como
nos vendidos a granel ou in natura, o rótulo Art. 5o  As disposições dos §§ 1o, 2o e 3o do
da embalagem ou do recipiente em que estão art. 2o e do art. 3o deste Decreto não se aplicam
contidos deverá constar, em destaque, no painel à comercialização de alimentos destinados ao
principal e em conjunto com o símbolo a ser consumo humano ou animal que contenham
definido mediante ato do Ministério da Justiça, ou tenham sido produzidos a partir de soja da
uma das seguintes expressões, dependendo do safra colhida em 2003.
caso: “(nome do produto) transgênico”, “contém § 1o  As expressões “pode conter soja trans-
(nome do ingrediente ou ingredientes) trans- gênica” e “pode conter ingrediente produzido
gênico(s)” ou “produto produzido a partir de a partir de soja transgênica” deverão, conforme
(nome do produto) transgênico”. o caso, constar do rótulo, bem como da docu-
Normas correlatas

§ 2o  O consumidor deverá ser informado mentação fiscal, dos produtos a que se refere
sobre a espécie doadora do gene no local re- o caput, independentemente do percentual da
servado para a identificação dos ingredientes. presença de soja transgênica, exceto se:
§ 3o  A informação determinada no § 1o deste I – a soja ou o ingrediente a partir dela pro-
artigo também deverá constar do documento duzido seja oriundo de região excluída pelo
fiscal, de modo que essa informação acompanhe Ministério da Agricultura, Pecuária e Abas- 127
tecimento do regime de que trata a Medida Art. 6o  À infração ao disposto neste Decreto
Provisória no 113, de 26 de março de 2003, de aplica-se as penalidades previstas no Código
conformidade com o disposto no § 5o do seu de Defesa do Consumidor e demais normas
art. 1o; ou aplicáveis.
II – a soja ou o ingrediente a partir dela
produzido seja oriundo de produtores que ob- Art. 7o  Este Decreto entra em vigor na data
tenham o certificado de que trata o art. 4o da de sua publicação.
Medida Provisória no 113, de 2003, devendo,
nesse caso, ser aplicadas as disposições do art. 4o Art. 8o  Revoga-se o Decreto no 3.871, de 18
deste Decreto. de julho de 2001.
§ 2o  A informação referida no § 1o pode
ser inserida por meio de adesivos ou qualquer Brasília, 24 de abril de 2003; 182o da Indepen-
forma de impressão. dência e 115o da República.
§ 3o  Os alimentos a que se refere o caput
poderão ser comercializados após 31 de janeiro LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
de 2004, desde que a soja a partir da qual foram
produzidos tenha sido alienada pelo produtor Decretado em 24/4/2003, publicado no DOU de
até essa data. 25/4/2003 e republicado no DOU de 28/4/2003.
Código de Defesa do Consumidor

128
Decreto no 1.306/1994
Regulamenta o Fundo de Defesa de Direitos Difusos, de que tratam os arts. 13 e 20 da Lei no 7.347,
de 24 de julho de 1985, seu Conselho Gestor e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das Art. 3o  O FDD será gerido pelo Conselho
atribuições que lhe confere o art. 84, incisos Federal Gestor do Fundo de Defesa de Direitos
IV e VI, da Constituição, e tendo em vista o Difusos (CFDD), órgão colegiado integrante
disposto nos arts. 13 e 20, da Lei no 7.347, de da estrutura organizacional do Ministério da
24 de julho de 1985, Justiça, com sede em Brasília, e composto pelos
seguintes membros:
DECRETA: I – um representante da Secretaria Nacional
do Consumidor do Ministério da Justiça, que
Art. 1o  O Fundo de Defesa de Direitos Difusos o presidirá;
(FDD), criado pela Lei no 7.347, de 24 de julho II – um representante do Ministério do Meio
de 1985, tem por finalidade a reparação dos Ambiente e da Amazônia Legal;
danos causados ao meio ambiente, ao consumi- III – um representante do Ministério da
dor, a bens e direitos de valor artístico, estético, Cultura;
histórico, turístico, paisagístico, por infração à IV – um representante do Ministério da
ordem econômica e a outros interesses difusos Saúde vinculado à área de vigilância sanitária;
e coletivos. V – um representante do Ministério da
Fazenda;
Art. 2o  Constituem recursos do FDD o pro- VI – um representante do Conselho Ad-
duto da arrecadação: ministrativo de Defesa Econômica – CADE;
I – das condenações judiciais de que tratam VII – um representante do Ministério Pú-
os arts. 11 e 13, da Lei no 7.347, de 24 de julho blico Federal;
de 1985; VIII – três representantes de entidades civis
II – das multas e indenizações decorrentes que atendam aos pressupostos dos incisos I e
da aplicação da Lei no 7.853, de 24 de outubro II, do art. 5o, da Lei no 7.347, de 24 de julho
de 1989, desde que não destinadas à reparação de 1985.
de danos a interesses individuais; § 1o  Cada representante de que trata este
III – dos valores destinados à União em vir- artigo terá um suplente, que o substituirá nos
tude da aplicação da multa prevista no art. 57 seus afastamentos e impedimentos legais.
e seu parágrafo único e do produto de inde- § 2o  É vedada a remuneração, a qualquer
nização prevista no art. 100, parágrafo único, título, pela participação no CFDD, sendo a ati-
da Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990; vidade considerada serviço público relevante.
IV – das condenações judiciais de que trata
o parágrafo 2o, do art. 2o, da Lei no 7.913, de 7 Art. 4o  Os representantes e seus respectivos
de dezembro de 1989; suplentes serão designados pelo Ministro da
V – das multas referidas no art. 84, da Lei Justiça; os dos incisos I a V dentre os servidores
no 8.884, de 11 de junho de 1994; dos respectivos Ministérios, indicados pelo
Normas correlatas

VI – dos rendimentos auferidos com a apli- seu titular; o do inciso VI dentre os servidores
cação dos recursos do Fundo; ou Conselheiros, indicado pelo Presidente da
VII – de outras receitas que vierem a ser Autarquia; o do inciso VII indicado pelo Procu-
destinadas ao Fundo; rador-Geral da República, dentre os integrantes
VIII – de doações de pessoas físicas ou ju- da carreira, e os do inciso VIII indicados pelas
rídicas, nacionais ou estrangeiras. 129
respectivas entidades devidamente inscritas Parágrafo único.  Os recursos serão priorita-
perante o CFDD. riamente aplicados na reparação específica do
Parágrafo único.  Os representantes serão dano causado, sempre que tal fato for possível.
designados pelo prazo de dois anos, admitida
uma recondução, exceto quanto ao represen- Art. 8o  Em caso de concurso de créditos
tante referido no inciso I, do art. 3o, que poderá decorrentes de condenação prevista na Lei
ser reconduzido por mais de uma vez. no 7.347, de 24 de julho de 1985, e depositados
no FDD, e de indenizações pelos prejuízos
Art. 5o  Funcionará como Secretaria-Executiva individuais resultantes do mesmo evento da-
do CFDD a Secretaria Nacional do Consumi- noso, estas terão preferência no pagamento, de
dor do Ministério da Justiça. acordo com o art. 99 da Lei no 8.078, de 1990.
Parágrafo único.  Neste caso, a importância
Art. 6o  Compete ao CFDD: recolhida ao FDD terá sua destinação sustada
I – zelar pela aplicação dos recursos na enquanto pendentes de recurso as ações de
consecução dos objetivos previstos nas Leis indenização pelos danos individuais, salvo na
nos 7.347, de 1985, 7.853, de 1989, 7.913, de hipótese de o patrimônio do devedor ser ma-
1989, 8.078, de 1990 e 8.884, de 1994, no âmbito nifestamente suficiente para responder pela
do disposto no art. 1o deste decreto; integralidade das dívidas.
II – aprovar convênios e contratos, a serem
firmados pela Secretaria Executiva do Conse- Art. 9o  O CFDD estabelecerá sua forma de
lho, objetivando atender ao disposto no inciso funcionamento por meio de Regimento In-
I deste artigo; terno, que será elaborado dentro de sessenta
III – examinar e aprovar projetos de recons- dias, a partir da sua instalação, aprovado por
tituição de bens lesados, inclusive os de caráter Portaria do Ministro da Justiça.
científico e de pesquisa;
IV – promover, por meio de órgãos da ad- Art. 10.  Os recursos destinados ao Fundo
ministração pública e de entidades civis in- serão centralizados em conta especial manti-
teressadas, eventos educativos ou científicos; da no Banco do Brasil S.A., em Brasília, DF,
V – fazer editar, inclusive em colaboração denominada “Ministério da Justiça – CFDD
com órgãos oficiais, material informativo so- – Fundo”.
bre as matérias mencionadas no art. 1o deste Parágrafo único.  Nos termos do Regimento
Decreto; Interno do CFDD, os recursos destinados ao
VI – promover atividades e eventos que Fundo provenientes de condenações judici-
contribuam para a difusão da cultura, da pro- ais e de aplicação de multas administrativas
teção ao meio ambiente, do consumidor, da deverão ser identificados segundo a natureza
livre concorrência, do patrimônio histórico, da infração ou do dano causado, de modo a
artístico, estético, turístico, paisagístico e de permitir o cumprimento do disposto no art. 7o
outros interesses difusos e coletivos; deste Decreto.
VII – examinar e aprovar os projetos de
Código de Defesa do Consumidor

modernização administrativa dos órgãos pú- Art. 11.  O CFDD, mediante entendimento a


blicos responsáveis pela execução das políticas ser mantido com o Poder Judiciário e os Mi-
relativas às áreas a que se refere o art. 1o deste nistérios Públicos Federal e Estaduais, será
Decreto; informado sobre a propositura de toda ação
VIII – elaborar o seu Regimento Interno. civil pública, a existência de depósito judicial,
de sua natureza, e do trânsito em julgado da
Art. 7o  Os recursos arrecadados serão distri- decisão.
buídos para a efetivação das medidas dispostas
no artigo anterior e suas aplicações deverão Art. 12.  Este Decreto entra em vigor na data
estar relacionadas com a natureza da infração de sua publicação.
130 ou do dano causado.
Art. 13.  Fica revogado o Decreto no 407, de ITAMAR FRANCO
27 de dezembro de 1991.
Decretado em 9/11/1994, publicado no DOU de
Brasília, 9 de novembro de 1994; 173o da In- 10/11/1994 e retificado no DOU de 11/11/1994.
dependência e 106o da República.

Normas correlatas

131
Conheça outras obras publicadas
pelo Senado Federal

livraria.senado.leg.br
Esta obra reproduz o texto integral da Lei no 8.078/1990, conhecida como Código de Defesa
do Consumidor (CDC). A Constituição Federal de 1988 já apontara, em seus arts. 5o,
XXXII, 150 e 170, a necessidade de promoção de uma política de defesa do consumidor.
Promulgado em 11 de setembro de 1990 e reconhecido internacionalmente como um
avançado marco na área, o CDC passou a regular as relações de consumo no Brasil nas
esferas civil, administrativa e penal.

Além da norma principal e dos dispositivos da Constituição relativos ao tema, o volume


apresenta relevantes normas correlatas, como a Lei no 12.529/2011, que estrutura o Sistema
Brasileiro de Defesa da Concorrência, e os decretos regulamentadores do CDC, que, entre
outros assuntos, tratam da contratação no comércio eletrônico e do serviço de atendimento
ao consumidor.

Baixe este livro gratuitamente em formato


digital acessando: livraria.senado.leg.br