Você está na página 1de 8

Protocolo: Elaborado por: Última revisão: Revisores:

Paulo Calaça 08/08/2011 Claudio Câmara


Nº 48 Arlen Ramos Manoel E. Macedo
Ubiratam Lopes Ubiratam Lopes
Wilhma Castro Wilhma Castro
Antônio Cedrim

PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA EM ADULTO - PCR

DEFINIÇÃO:

É a interrupção da circulação sistêmica e da respiração com grave repercussão


sobre o sistema nervoso central.

RECONHECIMENTO:
- Paciente não responsivo (inconsciênte).
- Presença de apnéia ou respiração agônica- Gasping.
- Ausência de pulsos.

CONDUTA:
ORIENTAÇÃO AO SOLICITANTE: deitar o paciente em superfície rígida; afrouxar
roupas, observar rapidamente a responsividade da vítima, quando irresponsiva,
sem resposta e ou respiração de gasping e sinais de má circulação; iniciar
compressões no centro do tórax da vítima, até a chegada de uma equipe do
SAMU.

 EQUIPE DO SAMU
RESSUCITAÇÃO CARDIOPULMONAR - RCP
1. Avaliar a segurança da cena;
2. Avaliar nível de consciência (responsividade) tocando levemente o ombro da
vítima e perguntar: “Posso ajudar” e respiração;
3. Caso a vítima esteja irresponsiva (inconsciênte), acionar a USA;
4. C - Checar pulso;

Pág.
01
É vedada a reprodução total ou parcial do conteúdo deste protocolo sem prévia autorização sob pena de sofrer as penalidades previstas nas leis de direitos autorais.
5. Verificar a presença de pulso em grandes artérias de 5 a 10 segundos;
6. Não detectado pulso – Parada Cardiorrespiratória (PCR);
7. Iniciar 30 Compressões Torácicas;
8. A - Realizar abertura de vias aéreas, com inclinação da cabeça e elevação da
mandíbula (em casos de suspeita de traumas realizar a abertura de vias aéreas
utilizando técnicas de Jaw Thrust ou Chin Lift, além de estabilização da coluna
cervical e imobilização com colar cervical e estabilização da cabeça;
9. Proceder com a retirada de corpos estranhos na cavidade orotraqueal como:
vômitos, sangue, dentes, próteses, balas, chicletes ou outros objetos que o
possam ser aspirados pela vítima;
10. B - Não detectado movimentos respiratórios, instalar cânula orofaríngea
(cânula de Guedel) e permitir uma boa ventilação, realizando 02 (duas)
ventilações de resgate com pressão positiva, através de dispositivo bolsa-
válvula-máscara (Ambu) com oxigênio de 10 a 15 L/minutos.

ATENÇÃO:
 Constatado PCR - providenciar DEA;
 Sequência de Ações: 30 Compressões X 02 Ventilações durante 05
ciclos ou 2 minutos (ritmo de 100 compressões por minuto);
 Ao final do 5º Ciclo não ventilar e ligar o DEA (verificar protocolo de
Desfibrilador Automático Externo DEA);
 Se choque não recomendado – checar pulso: se o pulso estiver presente
– seguir Protocolo de Parada Respiratória.

 USB NO LOCAL:
- Avaliar CAB primário;
- Ao constatar PCR, acionar USA imediatamente e iniciar RCP, procedendo a
manobras do Suporte Básico de Vida - SBV. Algoritmo I.

 USA NO LOCAL:
- Avaliar CAB primário;

Pág.
02
É vedada a reprodução total ou parcial do conteúdo deste protocolo sem prévia autorização sob pena de sofrer as penalidades previstas nas leis de direitos autorais.
- Ao constatar PCR, iniciar RCP, procedendo a manobras do Suporte Avançado de
Vida - SAV. Algoritmo II.

 Saída com equipamentos na ambulância:


- Médico: mochila de via aérea mais cilindro de o2;
- Enfermeiro: desfibrilador + maleta de medicação;
- Condutor: Mochila de Procedimento + Aspirador Portátil.

 Disposição da Equipe no atendimento:

- C: CIRCULAÇÃO: Enfermeiro/ Condutor/ Médico;

- A: VIA AÉREA: Médico/ Condutor;

- B: BOA VENTILAÇÃO: Médico/ Condutor;

- D: DESFIBRILAÇÃO: Enfermeiro/ Médico.

 Atribuições dos membros da equipe:

- Médico: Realizar Primeira Abordagem;

Checar pulso;

Assumir vias aéreas;

Realizar abertura de vias aéreas;

Revezar na compressão torácica com o condutor.

- Enfermeiro: Desfibrilação quando indicado;

Punção Venosa;

Administração de drogas;

Auxiliar no procedimento de intubação;

Ligar o desfibrilador, e deixá-lo para monitoração no modo pás.

- Condutor: Assumir o primeiro ciclo da compressão torácica;

Preparar materiais para monitorização e desfibrilação cardíaca;

Expor material para punção venosa e TOT;

Assumir vias aéreas (Revezar com o médico).

Pág.
03
É vedada a reprodução total ou parcial do conteúdo deste protocolo sem prévia autorização sob pena de sofrer as penalidades previstas nas leis de direitos autorais.
Compressão torácica (Revezar com o médico);

Quando houver USB no local:

 O Médico assumirá vias aéreas;

 O Condutor da USA revezará as compressões torácicas com o condutor da


USB;

 As compressões devem ser realizadas por todos os membros das USBs e


USAs respeitando o intervalo de 2 minutos ou 5 ciclos;

 O Enfermeiro realizará a checagem do ritmo cardíaco com as pás do


desfibrilador, chocará quando indicado, realizará monitorização cardíaca e
auxiliará nos procedimentos de intubação e vias aéreas;

 O Técnico em Enfermagem da USB ficará a cargo de punção venosa e


administração de drogas e revezará nas compressões torácicas com os
condutores;

 Caso opte por manter o DEA no paciente, não deve desconsiderar a


avaliação manual do ritmo.

Pág.
04
É vedada a reprodução total ou parcial do conteúdo deste protocolo sem prévia autorização sob pena de sofrer as penalidades previstas nas leis de direitos autorais.
ALGORITIMO PCR I (SBV)

Pág.
05
É vedada a reprodução total ou parcial do conteúdo deste protocolo sem prévia autorização sob pena de sofrer as penalidades previstas nas leis de direitos autorais.
ALGORITIMO DE PCR II (SAV)

Pág.
06
É vedada a reprodução total ou parcial do conteúdo deste protocolo sem prévia autorização sob pena de sofrer as penalidades previstas nas leis de direitos autorais.
Pág.
07
É vedada a reprodução total ou parcial do conteúdo deste protocolo sem prévia autorização sob pena de sofrer as penalidades previstas nas leis de direitos autorais.
REFERÊNCIAS

American Heart Association. Novas Diretrizes da American Heart Association


sobre Ressuscitação Cardiopulmonar e Atendimento Cardiovascular de
Emergência. Currents in Emergency Cardiovascular Care. Out /10.

Guimarães HP, Senna APR, Leal PHR - Suporte Pós-Parada e Cuidados de


Neuroproteção. em: Guimarães HP, Lopes RD, Lopes AC – Parada
Cardiorrespiratória.São Paulo: Editora Atheneu, 2005.

SANTOS, R. R.; et al. Manual de Socorro de Emergência. 1 ed. São Paulo, Ed.
Atheneu, 2000.

SMELTZER, S. C.; BARE, B. G. Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 11. ed.


Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

Goetting MG. Dominando a ressuscitação cardiopulmonar pediátrica. Clin Ped Am


Norte 1994;6:1169-206.

Garcia PCR, Carvalho PRA, Piva JP, Bruno F. Ressuscitação Cardiopulmonar. In:
Piva JP, Carvalho P, Garcia PC. Terapia Intensiva em Pediatria. 4ª ed. Rio de
Janeiro: Medsi, 1997.

Pág.
08
É vedada a reprodução total ou parcial do conteúdo deste protocolo sem prévia autorização sob pena de sofrer as penalidades previstas nas leis de direitos autorais.