Você está na página 1de 17

VARIÁVEIS SEPARÁVEIS

• Uma equação separável é aquela diferencial de primeira ordem


que pode ser expresso da seguinte forma:
𝑑𝑦
ℎ 𝑦 =𝑔 𝑥 (1)
𝑑𝑥
A terminologia decorre da possibilidade de reescrever essas
equações no formato:
ℎ 𝑦 𝑑𝑦 = 𝑔 𝑥 𝑑𝑥 (2)

• Em que as expressões envolvendo x aparecem de um lado e as


envolvendo y do outro lado da equação. O processo de
reescrever (1) no formato de (2) é denominado separar as
variáveis.

• Assim, basta integrar ambos os lados da equação para obter a


solução, uma integral em função de y e a outra em função de x:
ℎ 𝑦 𝑑𝑦 = 𝑔(𝑥)𝑑𝑥 (3)

ou equivalentemente:
𝑯 𝒚 =𝑮 𝒙 +𝑪 (4)

• onde C denota uma constante de integração.


Temos que a equação (4) é a solução da equação (1).
• Exemplo 1:

𝑑𝑦 𝑥² 𝑦
𝑎) = 𝑏) 𝑑𝑦 − 𝑠𝑒𝑛 𝑥 2 𝑑𝑥 = 0
𝑑𝑥 𝑦² 𝑥
𝑐) 𝑥𝑐𝑜𝑠 𝑦 𝑑𝑦 = 𝑥 + 1 𝑠𝑒𝑛 𝑦 𝑑𝑥

𝑦 ′ 𝑠𝑒𝑛 𝑥 − 𝑦𝑙𝑛 𝑦 ∙ cos 𝑥 = 0


𝑑) 𝜋
𝑦 =𝑒
6

1 + 𝑥² 𝑑𝑦 + 𝑦𝑑𝑥 = 0
𝑒)
𝑦 1 =1

𝑑𝑦
𝑒𝑦 = 𝑥 + 𝑥³
𝑓) 𝑑𝑥
𝑦 1 =1
APLICAÇÕES EDO DE 1ª ORDEM
• Problemas de mistura
• Em problemas típicos de mistura, um tanque está cheio até
um nível especificado com uma solução que contém uma
quantidade conhecida de uma substância solúvel. A solução
completamente misturada é permitida fluir do tanque a uma
taxa conhecida e ao mesmo tempo uma solução com uma
concentração conhecida de uma substância solúvel é
acrescentada ao tanque a uma taxa conhecida que pode ou
não diferir da taxa de vazão. À media que o tempo passa, a
quantidade de substância solúvel no tanque irá, em geral,
variar e o problema de mistura usual procura determinar a
quantidade de substância no tanque num instante
especificado. Este tipo de problema serve como modelo para
muitos outros: descarga e filtragem de poluentes em um rio,
injeção e absorção de medicamentos na corrente sanguínea e
migração de espécies para dentro e para fora de um sistema
ecológico, entre outros.
• Exemplo 2: No instante 𝑡 = 0, um tanque contém 4
libras de sal dissolvidos em 100 galões de água.
Suponha que água salgada contendo duas libras de
sal por galão acrescentada ao tanque a uma taxa de 5
galões por minuto e que a solução misturada seja
drenada do tanque à mesma taxa, conforme a figura
abaixo. Encontre a quantidade de sal no tanque após
10 minutos.
6

Crescimento Populacional
• Um dos modelos mais simples de crescimento populacional
está baseado na observação de que populações (pessoas,
plantas, bactérias, etc.) não estão restritas por limitações
ambientais, elas tendem a crescer a uma taxa proporcional ao
tamanho da população – quanto maior for a população,
mais rapidamente ela cresce.

• Modelo de Crescimento Exponencial, a taxa de variação


𝑑𝑃
da população em relação ao tempo, aqui denotada por , é
𝑑𝑡
proporcional à população presente.
• Em outras palavras, se 𝑃 = 𝑃(𝑡) mede a população, temos que
𝑑𝑃
= 𝑘𝑃
𝑑𝑡
• onde, a taxa k é uma constante. É simples verificar que se k >
0, nós teremos crescimento e se k < 0, nós teremos
decaimento.
Resfriamento
• A lei de resfriamento de Newton diz que a taxa de
variação de temperatura T(t) de um corpo em
resfriamento é proporcional à diferença entre a
temperatura do corpo e a temperatura constante 𝑇𝑚
do meio ambiente, isto é,

𝒅𝑻
= 𝒌(𝑻 − 𝑻𝒎 )
𝒅𝒕
• em que k é uma constante de proporcionalidade

• A solução da equação é dada por:

𝑇 𝑡 = 𝐶 ∙ 𝑒 −𝑘𝑡 + 𝑇𝑚
8

DISSEMINAÇÃO DE UMA DOENNÇA


• Suponha que uma doença começa a se espalhar e uma
população de L indivíduos. A lógica sugere que, em cada
instante, a taxa segundo a qual a doença se espalha irá
depender de quantos indivíduos estão infectados e de quantos
não estão – à medida que mais indivíduos estiverem afetados,
a oportunidade de disseminação da doença tende a crescer,
mas ao mesmo tempo há menos indivíduos que não foram
afetados, portanto, a disseminação da doença tende a decrescer
• Desta forma existem duas influências conflitantes sobre a taxa
segundo a qual a doença se espalha.
• Suponha que 𝑦 = 𝑦(𝑡) seja o número de indivíduos que têm a
doença no instante t, logo necessariamente o número de
indivíduos que não tem a doença no instante t é 𝐿 − 𝑦.
• Quando o de y cresce, o valor de 𝐿 − 𝑦 decresce, assim as
influências conflitantes dos dois valores sobre a taxa de
𝑑𝑦
disseminação são levados pela equação diferencial
𝑑𝑡
𝑑𝑦
= 𝑘𝑦(𝐿 − 𝑦)
𝑑𝑡
• em que k é uma constante de proporcionalidade positiva
que depende da natureza da doença e dos padrões e
comportamento dos indivíduos e pode ser determinado
experimentalmente.
• Assim, se o número de indivíduos afetados for conhecido
em um certo instante, digamos 𝑦 = 𝑦0 em t = 0, então a
fórmula geral para 𝑦(𝑡) pode ser obtida resolvendo o PVI

𝒅𝒚
= 𝒌𝒚 𝑳 − 𝒚 , 𝒚 𝟎 = 𝒚𝟎
𝒅𝒕
• A solução da equação é dada por:

𝒚𝟎 𝑳
𝒚(𝒕) =
𝒚𝟎 + (𝑳 − 𝒚𝟎 )𝒆−𝒌𝒕
10

• Exemplo 3:
1) Uma cidade possui uma população de 120.000
habitantes, 1 ano após esta população era 6/5 da
inicial.
a) Quanto tempo levará para que a população seja
195.000 habitantes
b) Qual a população após 5 anos?

2) Um copo de água a uma temperatura de 95ºC é


colocado numa sala com um temperatura constante de
21ºC. Quantos minutos levará para a água atingir uma
temperatura de 51ºC se essa esfria a 85ºC em 1
minuto?
3) Suponha que em um alojamento universitário existam
1000 estudantes. Após as férias, 20 estudantes do
alojamento retornam com gripe e, 5 dias mais tarde, 35
estudantes estão gripados
a) Determinado o PVI cuja solução seja o número de
estudantes que estarão grupados t dias após o retorno das
férias.
b)Resolva o PVI e use o que foi dado para encontrar a
constante de proporcionalidade
c) Faça uma tabela que ilustre como se espalha a gripe dia-a-
dia por um período de duas semanas
EQUAÇÕES EXATAS
• Dada a equação diferencial:

𝑀 𝑥, 𝑦 𝑑𝑥 + 𝑁 𝑥, 𝑦 𝑑𝑦 = 0

Sejam M (x, y) e N(x, y) funções contínuas com derivadas


parciais contínuas.

• Então, uma condição necessária e suficiente para que


𝑑𝑦
𝑀 𝑥, 𝑦 + 𝑁 𝑥, 𝑦 =0
𝑑𝑥
seja uma equação diferencial exata é:
𝜕𝑀 𝜕𝑁
=
𝜕𝑦 𝜕𝑥
A solução de uma equação exata é dado por:

∅ 𝑥, 𝑦 = 𝐶

Método de Resolução:
1) A solução será dada por:
∅(𝑥, 𝑦) = ℎ 𝑦 + 𝑀 𝑥, 𝑦 𝑑𝑥


𝜕𝑀
𝑜𝑛𝑑𝑒 ℎ 𝑦 = 𝑁 𝑥, 𝑦 − 𝑑𝑥
𝜕𝑦
2) A solução será dada por:
∅(𝑥, 𝑦) = 𝑘 𝑥 + 𝑁 𝑥, 𝑦 𝑑𝑦

𝜕𝑁
𝑜𝑛𝑑𝑒 𝑘′ 𝑥 = 𝑀 𝑥, 𝑦 − 𝑑𝑦
𝜕𝑥
• Exemplo 4: Resolva as equações exatas
𝑎) 3𝑦 + 𝑒 𝑥 + 3𝑥 + cos 𝑦 𝑦 ′ = 0
𝑏) 3𝑥²𝑦²𝑑𝑥 + 2𝑥³𝑦𝑑𝑦 = 0

𝑑𝑦 2𝑥𝑦² + 1
𝑐) =−
𝑑𝑥 2𝑥²𝑦
𝑑) 2𝑥𝑦 − 𝑠𝑒𝑐 2 𝑥 𝑑𝑥 + x 2 + 2y dy = 0
Equações Redutíveis A Exatas
• Dada a equação diferencial
𝑑𝑦
𝑀 𝑥, 𝑦 + 𝑁 𝑥, 𝑦 =0 (1)
𝑑𝑥
quando (1) não é exata, procuramos uma função “” tal
que a equação diferencial equivalente seja exata
𝑑𝑦
𝜇 ∙ 𝑀 𝑥, 𝑦 + 𝜇 ∙ 𝑁 𝑥, 𝑦 =0 (2)
𝑑𝑥
Esta função “” será tal que:

𝑅 𝑥 𝑑𝑥 𝑅 𝑦 𝑑𝑦
𝜇=𝑒 𝑜𝑢 𝜇=𝑒

R(x) e R(y) são chamados fatores integrantes e são dados


por:
𝜕𝑀 𝜕𝑁 𝜕𝑁 𝜕𝑀
− −
𝜕𝑦 𝜕𝑥 𝜕𝑥 𝜕𝑦
𝑅 𝑥 = 𝑜𝑢 𝑅 𝑦 =
𝑁 𝑀

• Portanto quando a EDO na sua forma diferencial é


multiplicada pela função 𝜇(x) tem-se que

𝜇 𝑥 𝑀 𝑥, 𝑦 𝑑𝑥 + 𝜇 𝑥 𝑁 𝑥, 𝑦 𝑑𝑦 = 0 (3)

• onde a equação (3) é uma EDO exata podendo ser


resolvida pelos métodos apresentados na seção
anterior.
• Exemplo 5: Resolva as equações redutíveis a
exatas
𝑑𝑦 3
a) + cos 𝑥 𝑦 = 0 𝑦 0 =
𝑑𝑥 2
𝑏) 2𝑥² + 𝑦 𝑑𝑥 + 𝑥 2 𝑦 − 𝑥 𝑑𝑦 = 0
c) 3𝑥𝑦 + 𝑦 2 + 𝑥 2 + 𝑥𝑦 𝑦 ′ = 0
d) 𝑦 ′ = 𝑒 2𝑥 + 𝑦 − 1