Você está na página 1de 8

1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ


INSTITUTO DE GEOCIÊNCAS
FACULDADE DE GEOLOGIA

MAPEAMENTO GEOLÓGICO II
- NOTA TÉCNICA
- PROJETO TUCUMÃ 2 0 1 9 -
Este documento apresenta diretrizes de trabalho a serem compartilhadas entre discentes e docentes na disciplina
Mapeamento Geológico II do Curso de Geologia do IG/UFPA, ano 2019.

Código da Disciplina IG-01017


Carga Horária: 240 horas
Horários das aulas: Quinta-feira (09:20 às 11:00h)
Sexta-feira feira (09:20 às 12:00h)
Local das aulas teóricas e reuniões: Laboratórios 1 e 2 do Prédio de Ensino da FAGEO
Equipe Docente:
Cândido Augusto Veloso Moura
Davis Carvalho de Oliveira (Coordenador)
Fábio Henrique Garcia Domingos
João Marinho Milhomem Neto
Marco Antonio Galarza Toro
Paulo Sérgio de Sousa Gorayeb
Apoio Técnico de Geologia: Osmar Guedes (GEOMAP-UFPA)
Apoio Técnico-Administrativo e Logístico: Afonso Quaresma de Lima, Afonso Ferreira e motoristas.
Obs: Poderão participar como colaboradores eventuais na disciplina estagiários, estudantes de pós-graduação ou
profissionais de empresas, a serem referendados pela equipe docente e FAGEO.

PROGRAMAÇÃO DA DISCIPLINA
OBJETIVOS
Aprendizado de técnicas de mapeamento geológico em áreas de média-alta complexidade, com elaboração de
mapa geológico em escala de semidetalhe, em ambiente SIG (Sistema de Informações Geográficas), com descrição,
discussão e interpretação geológica por meio de relatório técnico.
ÁREA DE ESTUDO
A área de estudo está localizada na porção sudeste do Estado do Pará, ocupando parte dos municípios de Água
Azul do Norte, Ourilândia do Norte, Tucumã, Parauapebas e São Félix do Xingu. A cidade sede do município de Tucumã
servirá como base logística durante o desenvolvimento do trabalho. Dentro do contexto geológico da Província
Carajás, tal área está inserida no limite entre os dois principais domínios tectônicos que formam a referida província:
Domínio Rio Maria e Domínio Carajás. As rochas pertencentes ao primeiro domínio são, em geral, caracterizadas como
granitoides mesoarqueanos de naturezas distintas, além de rochas metabásicas pertencentes às sequencias
greenstone belts. O Domínio Carajás, por sua vez,é marcado pela ampla ocorrência das rochas associadas ao
Complexo Xingu e granitoides neoarqueanos, além de corpos máfico-ultramáficos. Comum a estes dois domínios é a
presença de corpos graníticos anorogenicos do Paleoproterozoico. Historicamente, as rochas indiferenciadas do
Complexo Xingu vêm sendo individualizadas em granitoides análogos aqueles que ocorrem no Domínio Rio Maria,
além daquelas metamórficas inseridas em um contexto estrutural complexo envolvendo sucessões de rochas de
variados graus metamórficos, afetadas por extensas zonas de cisalhamento.
Para que se atinja os objetivos propostos para a disciplina, que inclui o reconhecimento das principais unidades
que constituem cada domínio da Província Carajás e levantamento de seus principais contrastes estruturais, a área de
mapeamento será dividida em 12 subáreas retangulares, em geral, de aproximadamente 200 km2 (~10 x 20 km).
Caberá a cada equipe de discentes realizar o mapeamento geológico de semidetalhe (escala de 1:25.000), ao longo
dos principais perfis (estradas) que cortam cada subárea. O produto final será um mapa geológico acompanhado de
2
relatório técnico, onde os produtos cartográficos serão gerados de modo integrado em base digital estruturados em
ambiente SIG.

ORIENTAÇÃO DOCENTE
Cada equipe terá o acompanhamento de um Professor Tutor, responsável pela orientação do grupo de estudantes,
com carga de trabalho pertinente às necessidades de cada grupo, e obedecendo a carga horária disponível pelos
docentes na disciplina. Na etapa final do trabalho será escolhido um Professor Relator responsável pela avaliação do
mapa e do relatório final, e condução das discussões durante a apresentação final dos resultados.
Considerando-se a quantidade de equipes (12) e professores (6), cada professor deverá auxiliar duas equipes e
avaliar como relator outras duas equipes.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E APROVAÇÃO


Para aprovação na disciplina o aluno deve obter média final mínima 5.0 (Conceito REG). A nota (e conceito) final
do aluno será obtida pela soma das notas parciais referentes aos seguintes produtos e atividades:

FASES OBJETO DE AVALIAÇÃO NOTA


1- Relatório Preliminar e Mapas – Metodologia para produção dos mapas e informações
Pré Campo preliminares dos mesmos; 2- Geologia Regional (15 – 20 paginas). Nota atribuída pelo 10%
tutor.
1- Defesa de campo (avaliação individual); 2- Relatório e Mapa de campo (digital) (avaliação
Campo 20%
tutor).
Mapa e Relatório final (média da nota atribuída pelo relator e tutor) 35%
Pós campo Defesa - organização, apresentação, participação, conceituação e argumentação geológica
(média da nota atribuída por todos os professores) – avaliação individual. 35%
Observação Importante: A participação do aluno na etapa de elaboração do relatório preliminar e da etapa de
mapeamento de campo é obrigatória. A não participação do aluno em uma dessas etapas, implica em desligamento
do mesmo na disciplina. Além disso, será exigida a frequência mínima (75%) obrigatória nas atividades pré-campo.

1. ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NA ETAPA PRÉ-CAMPO

1.1 - Pesquisa bibliográfica – (1) Análise bibliográfica sobre o conhecimento da geologia regional relacionada à área
de estudo; e (2) Pesquisa bibliográfica para revisão de conceitos e temas relevantes às características geológicas da
região (a serem indicadas pelos orientadores).

1.2 - Aulas teóricas e práticas – Serão apresentadas pelos professores da disciplina palestras sobre técnicas de
mapeamento geológico, com destaque à aplicação de conhecimentos específicos das áreas de Geologia Estrutural,
Petrologias Ígnea e Metamórfica, Geocronologia e Geotectônica; todos necessários para o entendimento dos
principais aspectos evolutivos de terrenos geológicos complexos. As principais técnicas de Sensoriamento Remoto
aplicadas ao mapeamento geológico também serão abordadas. Eventualmente convidados externos participarão de
tal atividade, visando consolidar os aspectos relevantes dos fundamentos teóricos necessários para o andamento
satisfatório da disciplina. Na tabela abaixo consta o cronograma das palestras que serão apresentadas pelo corpo
docente e convidados externos.
Inicialmente haverá a exposição do escopo da disciplina, com apresentação da Nota Técnica, definição do
cronograma de trabalho, indicação de referências bibliográficas e de ferramentas de suporte de trabalho. Haverá a
definição das equipes pelos docentes e sorteio de suas respectivas subáreas de trabalho.

1.3 - Elaboração de bases cartográficas iniciais – (1) Levantamento de dados cartográficos disponíveis, em diferentes
escalas, referentes à área em foco, e (2) preparação de mapas de interpretação de produtos de sensores remotos
(fotografias aéreas, imagens de radar e satélite, dados aerogeofísicos, etc.), integrados em mapa-base na escala
1:25.000, em ambiente SIG.
CRONOGRAMA DE PALESTRAS E ATIVIDADES PRÉ-CAMPO
DATA PALESTRANTE TEMA HORÁRIO DURAÇÃO LOCAL
12/04/2019 Docentes Apresentação Nota Técnica, Equipe de Campo, Áreas e Tutores 09:20 hs 01h:30min Sala 1 FAGEO
18/04/2019 Docentes Reuniões e Relatório Preliminar " " "
19/04/2019 Sexta-Feira Santa " " "
25/04/2019 Docentes Reuniões e Relatório Preliminar " " "
Geologia Regional e Evolução do Conhecimento Sobre a Província Carajás -
26/04/2019 Prof, Davis Oliveira " " "
Mapeamento Geológico;
02/05/2019 " " "
03/05/2019 Prof, Candido Províncias Geocronológicas do Cráton Amazônico " " "
09/05/2019 Docentes Reuniões e Relatório Preliminar " " "
1- Classificação, Aspectos Texturais e Mineralógicos de Granitoides
Prof, Davis Oliveira e Estágio " " "
10/05/2019
Docente
Arqueanos (Meso- e Neoarqueanos) e Proterozoicos;
2- Aspectos Microestruturais de Granitoides; " " "
16/05/2019 Docentes Reuniões e Relatório Preliminar " " "

17/05/2019
Idades Geocronógicas como Marcadors dos Eventos de Formação e " " "
Marco Toro
Retrabalhamento de Crosta
23/05/2019 Docentes Reuniões e Relatório Preliminar " " "
24/05/2019 Prof, João Milhomem Eventos Metamórficos da Província Carajás " " "
30/05/2019 Docentes Reuniões e Relatório Preliminar " " "

Relações de Campo em Terrenos de Médio a Alto Grau e Seus Significados


31/05/2019 Prof, Davis Oliveira " " "
(Geração de Crosta x Reciclagem x Retrabalhamento Crustal);
06/06/2019 Docentes Reuniões e Relatório Preliminar " " "
1 - Modelos Tectônicos e Estruturais para a Região de Carajás - Síntese e
Prof, Fabio Domingos " " "
07/06/2019
Prof, Davis Oliveira
Evolução Histórica 2- Domínio Tectônicos da Província Carajás
(Particularidades) " " "
13/06/2019 Docentes Reuniões e Relatório Preliminar " " "

14/06/2019 Prof, Fabio Domingos Terrenos Granito Greenstone: Modelos de formação exemplos deformados " " "

20/06/2019 Docentes Reuniões e Relatório Preliminar " " "

Aspectos Evolutivos da Província Carajás - Origem e Significado Tectonico


21/06/2019 Prof, Davis Oliveira " " "
das Principais Unidades Litoestratigráficas da Província Carajás;
27/06/2019 Docentes Reuniões e Relatório Preliminar " " "
28/06/2019 Prof, Gorayeb Leitura e Interpretação de Mapas Geológicos " " "
04/07/2019 Docentes Reuniões e Relatório Preliminar " " "

05/07/2019
1 - Como Mapear Zonas de Cisalhamento " " "
Prof, Fabio Domingos
2- Como Definir Domínios Eestruturais " " "
11/07/2019 Docentes Reuniões e Relatório Preliminar " " "
12/07/2019 Prof, Davis Oliveira Colocação e Estruturação de Corpos Magmáticos " " "
18/07/2019 Docentes Reuniões " " "
19/07/2019 Docente (Regis!?) Recursos Minerais (Metalogenese) da Província Carajás (data indefinida) " " "

Geol, Luciano C. da Silva - CPRM Cartografia Geológica e Aerogeofísica (data indefinida) " " "

25/07/2019 Geol, Patrick Araújo (CPRM) Guia de Procedimentos Técnicos em Cartografia Geológica " " "
4

1.4 – Elaboração de RELATÓRIO PRELIMINAR


Reúne e apresenta as informações obtidas na parte inicial da disciplina, conforme o guia apresentado a
seguir.

O Relatório Preliminar será considerado como parte da primeira avaliação da disciplina, a qual representa
10% da nota final (vide tabela no início deste documento).

GUIA DO CONTEÚDO
1 - Introdução
Abordar, suscintamente, o papel do mapeamento geológico na aplicação prática de conceitos e técnicas em
Geologia. Incluir ainda: (1) localização da área de trabalho, com mapas (2) objetivos, e (3) métodos e técnicas
utilizadas.

2 - Geologia Regional
Descrever e discutir o estado atual de conhecimento geológico regional (síntese do conhecimento existente
sobre a região a ser estudada), com destaque para o contexto geotectônico; unidades lito- e tectonoestratigráficas
(complexos, grupos, formações, etc.) e distribuição geográfica; rochas; aspectos estruturais; magmáticos;
metamórficos; e geocronológicos. Apresentar coluna lito-estratigráfica e mapa regional com base no conhecimento
disponível na literatura.

3 - Fotointerpretação – Sensores Óticos, RADAR e Geofísicos


Elaboração de mapa de lineamentos regionais, na escala 1:200 000, a partir da leitura, análise e interpretação
visual de sensores de RADAR (relevo sombreado) e geofísicos (MAG + GAMA), conjugados, separando em diferentes
produtos os traços sinuosos (de afinidade dúctil) e traços retilíneos (de afinidade rúptil) nas diferentes orientações.
Estes produtos serão usados como base para a inserção e avaliação complementar de dados de campo.
Elaborar mapas de drenagem, relevo e fotogeológico a partir de fotoanálise e fotointerpretação, incluindo os
elementos fotoestruturais, das respectivas subáreas. Os elementos geométricos de relevo e de drenagem obtidos
serão tratados em diagramas de rosetas e estereogramas. Complementar os mapas, em base planialtimétrica, com
informações geográficas atualizadas, como: drenagens e massas de água, estradas, vilas, cidades, identificações de
morros, serras, etc.
Deverão, obrigatoriamente, ser apresentados ao final desta etapa: (1) mapa integrado de lineamentos regionais,
(2) mapa fotogeológico e (3) mapa plani-altimétrico integrados e por subáreas.
Os mapas produzidos poderão ser complementados com dados geofísicos; informações disponíveis do
GEOBANK da base de dados da CPRM, ou outra base de dados relativas à área de trabalho; modelo digital de terreno,
etc.

DATA DE ENTREGA: 12/07/2019 (Sexta-Feira)

2. ATIVIDADES DE CAMPO

Correspondem ao levantamento e representação cartográfica de informações geológicas de campo


envolvendo, dados geológicos em geral, caracterização e descrição das rochas, dados estruturais descritivos e suas
relações espaciais e temporais, em mapa-base geograficamente referenciado, complementados por coleta de
amostras.

2.1 – Cronograma:
O trabalho de campo será desenvolvido em 17 dias (26 de julho a 11 de agosto/2019), incluindo:
Traslado (ida e volta) 02 dias
Introdução à Geologia Regional 01 dia
Mapeamento 12 dias (incluindo 01 Domingo de descanso)
Apresentação de Campo 02 dias

O primeiro dia de trabalho de campo consistirá na apresentação do reconhecimento das principais unidades
geológicas regionais seus constituintes rochosos e estruturais, e posicionamento das equipes na área do projeto e em
suas respectivas das subáreas. Esta atividade envolverá, também, o treinamento prático de técnicas de
reconhecimento, aquisição e organização de dados geológicos, treinamento de uso da bússola e instrumentos de
campo e discussões sobre conceitos fundamentais de interesse para o mapeamento. Serão também apresentadas e
conhecidas as principais alternativas de acesso e de apoio logístico para as subáreas.
5
O mapeamento geológico será desenvolvido através de estudo cumulativo de afloramentos por pontos ao
longo de seções geológicas na subárea, seguindo preferencialmente direções transversais à estruturação regional e a
disposição das unidades definidas no mapa fotogeológico aproveitando as principais vias de acessos. Afloramentos em
cortes e perfis deverão ser descritos e desenhados em seções, em escala de detalhe; e os afloramentos em exposições
horizontais (lajedo) serão estudados em painéis orientados, com descrição e delimitação dos litotipos e medições de
elementos estruturais. Em cada ponto as rochas serão descritas com base em suas características mineralógicas e de
trama/textura, e serão coletadas amostras representativas de diferentes tipos de rochas e/ou tramas presentes, , para
estudos laboratoriais.

Código de identificação de amostras coletadas:


PT19 (abrev. de Projeto Tucumã, ano 2019), seguido da identificação da equipe em algarismos romanos; número do ponto/afloramento
em algarismos arábicos; e com letras minúsculas, as variações de tipos. Ex.: PT19- IV-23A

As informações coletadas serão armazenadas em (1) caderneta, (2) mapa físico e (3) mapa digital. Estas serão
copiadas diariamente, no escritório/hotel, para (1) segunda cópia do mapa, permanentemente mantido na base (back
up), e (2) mapa integrado – mapa da área total mapeada pelas equipes – exposto na base.
Com o avanço progressivo do trabalho serão elaboradas seções geológicas esquemáticas, e integração
gradativa das informações nos mapas.

2.2 - Atividades Adicionais


a) As equipes deverão apresentar ao final de cada dia o planejamento de trabalho para o dia seguinte,
enfatizando: (1) área a ser acessada, com justificativa quando necessário; (2) informações e previsões de
horários e possíveis roteiros e condições de acesso. Deve ser elaborado sempre uma segunda possibilidade
de trabalho, considerando as articulações necessárias de distribuição dos demais grupos.
b) No quinto dia de trabalho de campo será realizada a primeira integração conjunta dos dados, com
apresentação dos resultados por equipe.
c) No décimo dia de mapeamento as equipes apresentarão o mapa geológico integrado.
d) No final do mapeamento, cada equipe selecionará, conjuntamente com os orientadores, cerca de 10 (dez)
amostras para a confecção de lâminas petrográficas;
e) Os dois dias finais serão destinados à apresentação dos produtos alcançados e fechamento do mapeamento,
com eventuais visitas a afloramentos e áreas importantes de integração do mapa final. Nesta oportunidade
cada equipe deverá apresentar: (1) o mapa geológico de campo e (2) o mapa de pontos de afloramento e
amostragem.

O mapa de campo e relatório a ser apresentado nesta etapa será considerado como produto parcial para a
segunda avaliação da disciplina. Para a definição dessa nota será considerado: (1) qualidade do mapa de campo,
(2) critérios usados na elaboração do mesmo e (3) organização dos dados. O desempenho em campo de cada aluno
será avaliado nessa oportunidade e será equivalente a 20% da nota final.

3. ATIVIDADES E PRODUTOS A SEREM DESENVOLVIDAS APÓS O CAMPO


3.1 - Trabalhos de laboratório e escritório
Análise petrográfica, das rochas amostradas, em microscopia ótica, com caracterização e quantificação do
conteúdo mineralógico, classificação das mesmas e análise microtectônica.
Eventualmente, poderão ser feitas análises por difração de RX e uso de outros métodos analíticos que se
façam necessárias, sob orientação dos professores.
Tratamento e processamento dos dados de campo em estereogramas e diagramas estatísticos, confecção de
figuras, tabelas e mapas auxiliares.

3.2- Mapa e Relatório Geológico de Campo


No prazo de até 30 (trinta) dias após o retorno do campo (12 de Setembro de 2019), cada equipe deverá
entregar para o coordenador da disciplina: (1) Mapa Geológico de Campo (em formato SIG) e (2) Relatório de Campo.
O relatório deve conter descrições organizadas dos dados de campo a partir do mapa geológico de campo,
destacando:
a) distribuição geográfica das unidades litoestratigráficas ou litológicas presentes no mapa geológico da subárea;
percentagens em área; localização de seus principais afloramentos, etc.
b) coluna litoestratigráfica / tectonoestratigráfica da subárea;
c) descrição dos litotipos e suas variações (texturais/estruturais, mineralógicos, etc.), presentes em cada unidade
litoestratigráfica / tectonoestratigráfica; tipos de contatos e relações temporais entre as mesmas;
d) organização estrutural das rochas, com a identificação de domínios estruturais e suas respectivas estruturas
tectônicas, espacialmente referenciadas (análise geométrica, cinemática e de fluxo de deformação);
e) descrição petrográfica das amostras de mão coletadas;
6
f) registro e descrição de ocorrências minerais e bens geoeconômicos e suas relações com as unidades
mapeadas;
g) apresentação dos eventos geológicos reconhecidos – sedimentares, magmáticos, metamórficos e tectônicos;
suas características e relações. Modelo geológico integrado preliminar;
h) Elaboração de um modelo geológico evolutivo integrando os dados da subárea.

Documentos complementares a serem anexados:


a) Tabela com a listagem de afloramentos estudados, posicionamento em coordenadas geográficas, as siglas
das amostras e classificação das rochas, atitudes das estruturas planares e lineares obtidas.

3.3- Mapa e Relatório Geológico Final


Como forma de acompanhamento e auxílio na elaboração do mapa e relatório final, será entregue ao
coordenador a MINUTA DO RELATÓRIO FINAL que será encaminhada ao professor tutor. Trata-se de uma versão
preliminar do relatório final, para orientação, análise e sugestões do professor tutor. É uma versão evoluída do
Relatório de Campo, incluído informações completas e interpretações avançadas.
A Minuta do Relatório Final deverá ser entregue no dia 17/10/2019, ao coordenador que fará o
encaminhamento ao Tutor, responsável pela correção e avaliação da mesma. É responsabilidade do tutor entregar o
mesmo com as correções discutidas e concluídas até o dia 31/10/2019.

Este relatório deve conter:


1 - Parte Introdutória
Apresentação do relatório com considerações sobre o conteúdo do trabalho; contextualização geográfica da
área, incluindo localização (com mapa), acessibilidade, etc.
Objetivos; atividades (tarefas executadas); métodos e técnicas empregadas no desenvolvimento do trabalho
(como as atividades foram executadas); cronograma sumário do trabalho de campo; dados físicos de execução,
incluindo número de afloramentos estudados, amostras coletadas, lâminas estudadas, etc.

2 - Contexto Geológico Regional


Reorganizar o item do contexto geológico regional apresentado no relatório preliminar, da primeira etapa,
dirigindo o texto para a síntese do quadro geotectônico e apresentação das unidades litoestratigráficas -
tectonoestratigráficas, com especial atenção para aquelas relacionadas à área mapeada.

3- Geologia - Descrição, em ordem cronológica, das unidades litoestratigráficas para as rochas da área mapeada;
mencionando a disposição das mesmas no mapa e suas inter-relações; indicar afloramentos mais representativos;
analisar criticamente as informações obtidas em relação às unidades litoestratigráficas constantes na literatura.
Descrever os aspectos estruturais observados nas diferentes escalas, enfatizando a presença e disposição dos
elementos da trama (planares e lineares) e seus arranjos espaciais e temporais. Definir as associações minerais e os
aspectos microestruturais/texturais. Organizar espacial e temporalmente os processos geológicos identificados, no
sentido de direcionar à preparação de uma história geológica para as rochas da área de trabalho.
Obs: Integração geologia-geomorfologia: as informações sobre a geomorfologia da área serão associadas às
descrições das formas de ocorrência das unidades mapeadas, neste tópico. As principais feições
geomorfológicas poderão ser apresentadas em escala ajustada, inserida no corpo do relatório (folha A4) e
como encarte no mapa geológico.

4- Geologia Estrutural – classificar e descrever as estruturas tectônicas ou de outra natureza, dependendo do


tipo de rocha (estruturas primárias magmáticas ou sedimentares), a partir de seus parâmetros geométricos
(deformação finita) e cinemáticos; estabelecer relações temporais (truncamentos) entre as estruturas geradas nos
diferentes níveis crustais; identificar domínios de partição de deformação (domínios estruturais); apresentar e
interpretar o arranjo das estruturas em estereogramas e diagramas de rosetas; elaborar modelos geométricos,
cinemáticos e de fluxo para as rochas; relacionar a deformação com eventos tectônicos regionais.

5- Petrografia - As informações provenientes da análise petrográfica deverão complementar a descrição das


variedades de rochas de cada unidade. No relatório elas poderão constituir-se em parágrafos acompanhando a
descrição das rochas e unidades litoestratigráficas.

6- Magmatismo – Identificar os eventos magmáticos em ordem cronológica, de acordo com a natureza dos
mesmos; e discutir os processos magmáticos registrados na área e relaciona-los aos eventos tectônicos.

7- Metamorfismo – Enfatizar os eventos tectonometamórficos no espaço e no tempo, a partir da caracterização


das paragêneses metamórficas; discutir e interpretar as condições metamórficas envolvidas e relacionar aos eventos
tectônicos identificados na região.
7
8- Recursos Minerais – Informar e descrever possíveis ocorrências minerais identificadas na área de trabalho.
Avaliar de modo geral os atributos quantitativos e qualitativos das ocorrências, e relacioná-las às unidades mapeadas.

9- Síntese Geológica e Modelo Evolutivo – Integrar os dados cartográficos com as interpretações geológicas-
geotectônicas pertinentes para a visualização de um quadro evolutivo na escala da subárea, contextualizado ao
quadro regional.

10. Referências
Para indicação das citações e referências bibliográficas, cartográficas e de outra natureza (sites, banco de dados,
imagens de sensores remotos, etc.) utilizar as normas do Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica
(http://www.ppgg.ufpa.br/) e do Brazilian Journal of Geology (http://sbg.sitepessoal.com/bjg/).

Anexos
Os documentos de tamanho maior que o das páginas do relatório, deverão vir nas páginas finais, após as
referências ou como encartes na contracapa do relatório. Os anexos devem ser identificados com letras maiúsculas
(Ex. Anexo A; Anexo B, C, etc.), e os principais são os seguintes:

Mapa Geológico
Apresentado na escala definida no projeto (1:25.000) com layout a ser fornecido pela equipe técnica. As cores de
unidades litoestratigráficas - tectonoestratigráficas, bem como símbolos geológicos devem seguir os propostos pelo
USGS (United States Geological Survey).
Algumas observações específicas relevantes:
a) Rochas ou conjuntos de rochas observadas em campo de dimensões pequenas, não-mapeáveis na escala de
trabalho (abaixo de 25 m) bem como, ocorrências minerais, pedreiras, jazidas, minas, garimpos, etc., serão sinalizados
pontualmente por símbolos específicos, no mapa;
b) Para a apresentação de seção (ou seções) geológica(s) esquemática(s) representativa(s), usar a mesma escala
horizontal do mapa e escala vertical com exagero máximo de 4x.
Outros mapas temáticos (drenagem, geomorfológico, estrutural, metamórfico, etc.) opcionais podem ser
inseridos como figuras no corpo do relatório.

Mapa de Amostragem
Elaborado sobre a carta planialtimétrica, deve conter:
a) Informações geográficas importantes atualizadas (toponímia, serras, estradas principais e vicinais, sedes de
fazendas, cidades, vilas, povoados, drenagem principal, etc.).
b) pontos com a localização dos afloramentos descritos (independente se há amostragem ou não), identificados com a
sigla do estágio, e hierarquizados por simbologia apropriada [afloramentos descritos (sem amostragem); afloramentos
descritos (com amostra coletada) e, pontos com análise petrográfica].

Outros Anexos
1- Planilhas de afloramentos e rochas coletadas - Listagem dos afloramentos visitados, incluindo a classificação
das rochas definidas petrograficamente, e suas respectivas coordenadas geográficas.
2- Ficha Petrográfica – Descrição das rochas e suas respectivas lâminas delgadas, de acordo com o modelo
indicado pela equipe docente.
3- Tabela de Dados Estruturais – relação dos dados estruturais, por afloramento, , de acordo com o modelo
indicado pela equipe docente.

ESTRUTURA SUGERIDA PARA O RELATÓRIO FINAL

1 INTRODUÇÃO
1.1 Apresentação
1.2 Objetivos
1.3 Localização e acesso
2 MATERIAIS E MÉTODOS
2.1 Pesquisa bibliográfica
2.2 Sensoriamento remoto e fotointerpretação
2.3 Trabalhos de campo
2.4 Análise petrográfica
2.5 Análise estrutural
3 CONTEXTO GEOLOGICO REGIONAL
3.1 Introdução
3.2 Unidades geotectônicas
3.3 Unidades litoestratigráficas principais
8
4 GEOLOGIA DA SUBÁREA
4.1 Apresentação e Aspectos Gerais
4.2 Litoestratigrafia
4.2.1 Petrografia
4.2.2 Classificação e aspectos texturais (deformacionais)
4.3 Geologia estrutural
4.3.1 Estruturas dúcteis
4.3.2 Estruturas rúpteis
4.4 Recursos Minerais
5 MAGMATISMO E METAMORFISMO
6 DOMÍNIOS ESTRUTURAIS
7 SÍNTESE GEOLÓGICA E MODELO EVOLUTIVO
8 CONCLUSÕES
REFERÊNCIAS
ANEXOS
Mapa Geológico da Subárea impresso na escala de trabalho (1:25.000)
Mapa de Pontos e Amostragem (1:25.000)
Tabela de Afloramentos
Tabela Dados Estruturais
Fichas Petrográficas (modelo anexo)

4. INTEGRAÇÃO DO MAPA GEOLÓGICO FINAL


As equipes de estudantes, de todas as subáreas, têm o compromisso de elaborar o MAPA GEOLÓGICO
INTEGRADO, em ambiente SIG, em paralelo com a finalização dos mapas de suas respectivas subáreas. O MAPA
GEOLÓGICO INTEGRADO será usado na APRESENTAÇÃO FINAL do projeto. Para a preparação desse mapa os
estudantes contarão com o acompanhamento específico de professores, e com o apoio do técnico Osmar Guedes.

5. MAPA E RELATÓRIO FINAL

O Mapa e o Relatório Final, além do Mapa Integrado deverão ser entregues à Coordenação da disciplina até o dia
22/11/2019.

O Mapa e Relatório Final serão considerados como parte da segunda avaliação da disciplina, a qual
equivale a 35% da nota final (vide tabela no início deste documento).

6. APRESENTAÇÃO DO MAPA FINAL (DEFESA DO RELATÓRIO)

A apresentação e defesa do mapa final e relatório terão duração de 1h e 30 min, incluindo 30 minutos de
exposição pela equipe e 1h de debate e discussões (30 min relator e 30 min demais docentes). Acontecerá entre os
dias 9 e 13 de dezembro de 2019 e é atividade OBRIGATÓRIA.

O desempenho na apresentação e defesa do mapa e relatório final será parte da terceira avaliação da disciplina,
equivalente a 35% da nota final. Contará como avaliação individual (vide tabela no início deste documento).

7. CALENDÁRIO DAS DATAS IMPORTANTES

DIA ATIVIDADE
12/07/2019 Entrega do Relatório Preliminar
26/07 a 11/08/2019 Trabalhos de campo
03/08/2019 1ª Integração do mapa
04/08/2019 DOMINGO LIVRE
09/08/2019 2ª Integração do mapa
10/08/2019 Apresentação do Mapa de Campo
12/09/2019 Entrega do Relatório Geológico de Campo
17/10/2019 Entrega da Minuta do Relatório Final
31/10/2019 Data limite devolução da Minuta pelo Tutor
22/11/2019 Entrega do Mapa e Relatório Final e Mapa Integrado FINAL
09 a 13/12/2019 Apresentação (defesa) Final do Mapa e Relatório
20 /12/2019 Data limite para divulgação dos resultados finais da disciplina

Belém, 09 de abril de 2019