Você está na página 1de 9

CADERNO INFORMATIVO

TRABALHO TEMPORÁRIO

O que é o trabalho temporário?


Relação de trabalho triangular em que uma entidade empregadora (empresa de trabalho
temporário) contrata, remunera e exerce o poder disciplinar sobre um trabalhador (trabalhador
temporário), colocando-o a prestar a sua atividade numa outra entidade (utilizador) que o
recebe e exerce, de forma delegada, os poderes de autoridade e direção.
CADERNO INFORMATIVO – TRABALHO TEMPORÁRIO

O que é uma empresa de trabalho temporário (ETT)? Artigo 2º, alínea d) do


Pessoa singular ou coletiva cuja atividade consiste na Decreto-Lei nº 260/2009, de
cedência temporária a utilizadores da atividade de 25 de setembro
trabalhadores que, para esse efeito, admite e retribui.

O que é um trabalhador temporário (TT)? Artigo 2º, alínea g) do


Decreto-Lei nº 260/2009, de
Pessoa que celebra com uma ETT um contrato de trabalho
25 de setembro
temporário ou um contrato de trabalho por tempo
indeterminado para cedência temporária.
O que é um utilizador? Artigo 2º, alínea h) do
Decreto-Lei nº 260/2009, de
Pessoa singular ou coletiva com ou sem fins lucrativos que
25 de setembro
ocupa, sob a sua autoridade e direção, trabalhadores
cedidos por uma ETT.
O que se entende por contrato de trabalho Artigo 172º, alínea a) do
temporário (CTT)? Código do Trabalho
Contrato de trabalho a termo celebrado entre uma ETT e
um trabalhador, pelo qual este se obriga, mediante
retribuição daquela, a prestar a sua atividade a
utilizadores, mantendo-se vinculado à ETT.
O que se entende por contrato de trabalho por tempo Artigo 172º, alínea b) do
indeterminado para cedência temporária (CTTI)? Código do Trabalho
Contrato de trabalho por tempo indeterminado celebrado
entre uma ETT e um trabalhador, pelo qual este se obriga,
mediante retribuição daquela, a prestar temporariamente a
sua atividade a utilizadores, mantendo-se vinculado à ETT.
O que se entende por contrato de utilização de Artigo 172º, alínea c) do
trabalho temporário (CUTT)? Código do Trabalho
Contrato de prestação de serviço a termo resolutivo entre
um utilizador e uma ETT, pelo qual esta se obriga,
mediante retribuição, a ceder àquele um ou mais
trabalhadores temporários.

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE CEDÊNCIA TEMPORÁRIA DE


TRABALHADORES

O que é necessário para uma ETT poder exercer Artigos 5º e 8º do


a atividade de cedência temporária de trabalhadores? Decreto-Lei nº
260/2009, de 25 de
É necessário uma licença que deve constar de alvará numerado, cuja
setembro
atribuição depende cumulativamente da idoneidade, estrutura
organizativa adequada, situação contributiva regularizada perante a
administração tributária e a segurança social, constituição de uma
caução e inclusão da designação “trabalho temporário” na
denominação da pessoa singular ou coletiva.

2
CADERNO INFORMATIVO – TRABALHO TEMPORÁRIO

Como obter a licença para o exercício da atividade de Artigo 6º do


cedência temporária de trabalhadores? Decreto-Lei nº
260/2009, de 25 de
O interessado apresenta requerimento, nomeadamente por via
setembro
eletrónica, em qualquer Centro de Emprego do Instituto do Emprego
e Formação Profissional - IEFP, que o aprecia.
A que comunicações estão obrigadas as ETT? Artigos 9º e 10º, nº
Comunicar: 3 do Decreto-Lei nº
– Ao IEFP, através do Centro de Emprego competente, no prazo de 260/2009, de 25 de
15 dias, todas as alterações respeitantes ao domicílio ou sede e setembro
localização dos estabelecimentos de exercício da atividade; à
identificação dos administradores, gerentes ou membros da direção e
ao objeto da respetiva atividade, bem como a sua suspensão ou
cessação por iniciativa própria;
Comunicar, por via eletrónica:
– Ao Centro de Emprego competente, até aos dias 15 de
Janeiro e 15 de Julho, a relação completa dos trabalhadores, quer
nacionais quer estrangeiros, cedidos no semestre anterior, com
indicação do nome, sexo, idade, número de B.I/CC. ou passaporte,
número de beneficiário da Segurança Social, início e duração do
contrato, local de trabalho, atividade contratada, retribuição base e
classificação da atividade económica (CAE) do utilizador e respetivo
código postal;
– À Direcção-Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades
Portuguesas, até aos dias 15 de Janeiro e 15 de Julho, a relação dos
trabalhadores cedidos para prestar serviço no estrangeiro, no
semestre anterior, com indicação do nome, sexo, idade, número de
beneficiário da Segurança Social, início e duração do contrato, local
de trabalho, atividade contratada, retribuição base, datas de saída e
entrada em território nacional, identificação e CAE, localidade e país
de execução do contrato;
– À Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), com 5 (cinco)
dias de antecedência, a identidade dos trabalhadores a ceder para o
estrangeiro, o utilizador, o local de trabalho, o início e o termo
previsíveis da deslocação, bem como a constituição da caução
específica e a garantia das prestações médicas, medicamentosas e
hospitalares.
A que obrigações está sujeita a ETT que celebre contratos Artigo 10º, nº 1 do
para utilização de trabalhadores no estrangeiro? Decreto-Lei nº
– Constituir, a favor do IEFP, uma caução específica no valor de 10% 260/2009, de 25 de
das retribuições correspondentes à duração previsível dos contratos, setembro
no mínimo de 2 (dois) meses de retribuição ou no valor das
retribuições se o contrato durar menos de dois meses, acrescido do
custo das viagens de repatriamento;
– Garantir aos trabalhadores prestações médicas, medicamentosas e
hospitalares sempre que aqueles não beneficiem das mesmas
prestações no país de acolhimento, através de seguro que garanta o
pagamento de despesas de valor pelo menos igual a seis meses de
retribuição;
– Assegurar o repatriamento dos trabalhadores, findo o trabalho
objeto do contrato, verificando-se a cessação do contrato de trabalho
ou, ainda, no caso de falta de pagamento pontual da retribuição.

3
CADERNO INFORMATIVO – TRABALHO TEMPORÁRIO

RELAÇÕES CONTRATUAIS

Em que circunstâncias podem ser celebrados CTT a Artigo 180º do Código do


termo (certo ou incerto)? Trabalho
Nas situações previstas para a celebração do contrato de
utilização.
Quais são os elementos obrigatórios que devem constar Artigo 181º, nº 1 do
de um CTT? Código do Trabalho
 Identificação, assinaturas, domicílio ou sede das partes,
número e data do alvará de licença da ETT;
 Motivos que justificam a celebração do contrato com
menção concreta dos factos que os integram;
 Atividade contratada;
 Local e período normal de trabalho;
 Retribuição;
 Data de início do trabalho;
 Termo do contrato;
 Data da celebração.
Quais as consequências de o CTT não conter os Artigo 181º, nºs 2 e 3 do
elementos indicados na resposta anterior? Código do Trabalho
Se o contrato não for reduzido a escrito e em caso de omissão
ou insuficiência da indicação do motivo justificativo da
celebração do contrato, considera-se que o trabalho é
prestado à ETT em regime de contrato de trabalho sem termo.
Na falta de menção do termo do contrato, este considera-se
celebrado pelo prazo de um mês, não sendo permitida a sua
renovação.
Qual é a duração máxima de um CTT a termo certo e a Artigo 182º, nºs 3 e 4 do
termo incerto? Código do Trabalho
A duração do CTT a termo certo, incluindo renovações, não
pode exceder:

 6 meses – em caso de vacatura de posto de trabalho


quando decorra processo de recrutamento para o seu
preenchimento;
 12 meses – em caso de acréscimo excecional de
atividade da empresa;
 24 meses nas demais situações.
O CTT a termo incerto dura pelo tempo necessário à satisfação
das necessidades temporárias do utilizador não podendo,
porém, ultrapassar os 6, 12 ou 24 meses acima referidos.
Um CTT pode ser celebrado por prazo inferior a 6 Artigo 182º, n.º 2 do
meses? Código do Trabalho
Sim.

4
CADERNO INFORMATIVO – TRABALHO TEMPORÁRIO

Em que condições caduca o CTT? Artigo 182º, n.º 6 do


Código do Trabalho,
O CTT a termo certo caduca no final do prazo estipulado ou da
conjugado com os artigos
sua renovação, desde que o empregador ou o trabalhador
344º e 345º do Código do
comuniquem a vontade de o fazer cessar, por escrito,
Trabalho
respetivamente, 15 ou 8 dias antes do prazo do contrato
expirar.
No caso de CTT a termo incerto, o contrato caduca quando,
prevendo-se a ocorrência do termo, o empregador comunique
ao trabalhador a cessação do mesmo, com a antecedência
mínima de 7 dias (contrato com duração até 6 meses), 30 dias
(contrato com duração de 6 meses a 2 anos) ou 60 dias
(contrato com duração superior a 2 anos).

CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO POR TEMPO


INDETERMINADO PARA CEDÊNCIA TEMPORÁRIA

Quais são os elementos obrigatórios que devem


Artigo 183º, nº 1 do Código
constar de um contrato de trabalho por tempo
do Trabalho
indeterminado para cedência temporária?
Identificação, assinaturas, domicílio ou sede das partes
e número e data do alvará da ETT;

 Menção expressa de que o trabalhador aceita que


a ETT o ceda temporariamente a utilizadores;
 Actividade contratada ou descrição genérica das
funções a exercer e da qualificação profissional
adequada, bem como a área geográfica na qual o
trabalhador está adstrito a exercer funções;
 Retribuição mínima durante as cedências que
ocorram (nunca inferior à retribuição mínima
mensal garantida ou, quando mais favorável, ao
previsto em Instrumento de Regulamentação
Coletiva de Trabalho – IRCT).
Quais são as consequências de um contrato de Artigo 183º, nº 3 do Código
trabalho por tempo indeterminado para cedência do Trabalho
temporária não conter os elementos indicados na
resposta anterior?
Se o contrato não for reduzido a escrito, ou no caso de
omissão ou insuficiência da aceitação expressa por parte
do trabalhador em que a ETT o ceda temporariamente a
utilizadores, e/ou da indicação da atividade contratada ou
descrição genérica das funções a exercer e da qualificação
profissional adequada, bem como da área geográfica na
qual o trabalhador está adstrito a exercer funções,
considera-se que o trabalho é prestado pelo trabalhador à
ETT em regime de contrato sem termo.

Quais os direitos do trabalhador no período em que Artigo 184º, nºs 1 e 2 do


não se encontra em situação de cedência Código do Trabalho
temporária?

5
CADERNO INFORMATIVO – TRABALHO TEMPORÁRIO

No período em que não se encontre em situação de


cedência, o trabalhador pode prestar a sua atividade à ETT
tendo, neste caso, direito à retribuição correspondente à
atividade desempenhada.
Caso não exerça atividade, tem direito a compensação
prevista em IRCT ou no valor de 2/3 da última retribuição
ou a 2/3 retribuição mínima mensal garantida, consoante o
que for mais favorável.

CONDIÇÕES DE TRABALHO

Qual o regime de prestação de trabalho a que o Artigo 185º, nº 2, 3 e 4 do


trabalhador está sujeito durante a cedência? Código do Trabalho
O trabalhador fica sujeito ao regime aplicável ao utilizador
no que respeita a:
 modo, lugar, duração do trabalho e suspensão do
contrato de trabalho;
 segurança, e saúde no trabalho;
 acesso a equipamentos sociais.
O utilizador deve elaborar o horário de trabalho do
trabalhador cedido e marcar o(s) período(s) de férias,
sempre que estas sejam gozadas ao seu serviço
No entanto, o exercício do poder disciplinar cabe à ETT.
Quais são as obrigações do utilizador para com a ETT Artigo 186º, nºs 1 e 2 do
em matéria de segurança, e saúde no trabalho Código do Trabalho
(SST)?
O trabalhador temporário beneficia do mesmo nível de
proteção em matéria de segurança e saúde no trabalho
que os restantes trabalhadores do utilizador.
Antes da cedência do trabalhador temporário, o utilizador
deve informar, por escrito, a ETT sobre:
 Os resultados da avaliação dos riscos para a
segurança e saúde do trabalhador temporário
inerentes ao posto de trabalho a que vai ser afeto e,
em caso de riscos elevados relativos a posto de
trabalho particularmente perigoso, a necessidade de
qualificação profissional adequada e de vigilância
médica especial;
 As instruções sobre as medidas a adotar em caso de
perigo grave e iminente;
 As medidas de primeiros socorros, de combate a
incêndios e de evacuação de trabalhadores em caso
de sinistro, assim como os trabalhadores ou
serviços encarregados de as pôr em prática;
 O modo de o médico do trabalho ou o técnico
higiene e segurança da ETT aceder ao posto de
trabalho a ocupar.

6
CADERNO INFORMATIVO – TRABALHO TEMPORÁRIO

Que informação deve a ETT prestar ao trabalhador Artigo 186º, n.º 3 do


temporário em matéria de SST? Código do Trabalho
Antes da sua cedência, a ETT deve comunicar, por escrito,
ao trabalhador temporário, toda a informação constante da
resposta anterior.
Quem deve promover os exames de saúde? Artigo 186º, n.º 4 do
Código do Trabalho
Os exames de saúde de admissão, periódicos e ocasionais
são da responsabilidade da ETT.

Quais os trabalhadores que devem beneficiar de uma Artigo 186º, n.º 7 do


vigilância médica especial? Código do Trabalho
Os trabalhadores expostos a riscos elevados relativos a
posto de trabalho particularmente perigoso devem
beneficiar de uma vigilância médica especial a cargo do
utilizador.
O trabalhador temporário tem direito a formação Artigo 187º n.º 1, 2 e 4 do
profissional? Código do Trabalho
Sim.
 A ETT deve assegurar formação profissional ao
trabalhador temporário contratado a termo sempre
que a duração do contrato (incluindo renovações ou
a soma dos contratos de trabalho sucessivos num
ano civil) seja superior a 3 meses;
 Essa formação profissional deve ter a duração
mínima de 8 horas, ou uma duração proporcional à
duração do contrato, se este for superior a 3
meses;
 A ETT não pode exigir ao trabalhador temporário
qualquer quantia, seja a que título for, incluindo
serviços de orientação ou de formação profissional.
A que retribuição tem direito o trabalhador Artigo 185º, nºs 5 e 6 do
temporário? Código do Trabalho
Ao SMN ou à retribuição mínima de IRCT aplicável à ETT ou
ao utilizador que corresponda às suas funções, ou à
praticada por este para trabalho igual ou de valor igual,
consoante o que for mais favorável.
Tem ainda direito, em proporção da duração do respetivo
contrato, a férias, subsídio de férias e de Natal bem como
a outras prestações regulares e periódicas a que os
trabalhadores do utilizador tenham direito, por trabalho
igual ou de valor igual.
A ETT pode ceder trabalhadores para o estrangeiro? Artigo 10º nº 1 e 3 do
Sim. Decreto-Lei nº 260/2009,
de 25 de setembro
Para tal deve:
 Constituir a favor do IEFP caução específica no valor
de 10% das retribuições correspondentes à duração
previsível dos contratos e no mínimo de dois meses
de retribuição ou no valor das retribuições, se o
contrato durar menos de dois meses, acrescido do
7
CADERNO INFORMATIVO – TRABALHO TEMPORÁRIO

custo das viagens de repatriamento;


 Garantir aos trabalhadores prestações médicas,
medicamentosas e hospitalares sempre que aqueles
não beneficiem das mesmas prestações no país de
acolhimento, através de seguro que garanta o
pagamento de despesas de valor pelo menos igual a
seis meses de retribuição;
 Assegurar o repatriamento dos trabalhadores, findo
o trabalho objeto do contrato, verificando-se a
cessação do contrato de trabalho ou, ainda, no caso
de falta de pagamento pontual da retribuição.
Tem, ainda, de comunicar à ACT com 5 dias de
antecedência a identidade dos trabalhadores a ceder para
o estrangeiro, o utilizador, o local de trabalho o início e
termo previsíveis da deslocação, bem como a constituição
da caução e a garantia das duas primeiras prestações
acima indicadas.
A que retribuição tem direito o trabalhador Artigo 185º, nºs 8 e 9 do
temporário, quando cedido a utilizador no Código do Trabalho
estrangeiro?
Se cedido por período inferior a 8 meses tem direito à
retribuição definida na resposta anterior, acrescida de um
abono mensal a título de ajudas de custo até ao limite de
25% do valor da retribuição base.
Não se aplica o disposto no parágrafo anterior a
trabalhador titular de contrato de trabalho por tempo
indeterminado para cedência temporária, ao qual são
aplicáveis as regras de abono de ajudas de custo por
deslocação em serviço previsto na lei geral.
A quem compete a transferência da responsabilidade Artigo 177º, nº 3 do Código
por acidentes de trabalho? do Trabalho
À Empresa de Trabalho Temporário.

OUTRAS INFORMAÇÕES

 É proibido à ETT cobrar ao candidato a emprego Artigo 4º nº 2 do


Decreto-Lei nº
temporário, direta ou indiretamente, quaisquer
importâncias em numerário ou espécie. 260/2009, de 25 de
setembro
 É nulo o contrato celebrado entre empresas de Artigo 173º, nºs 2, 4 e 6
trabalho temporário, pelo qual uma cede à outra do Código do Trabalho
um trabalhador para que este seja posteriormente
seja cedido a terceiro. Consequência: considera-se
que o trabalho é prestado à empresa que contrate
o trabalhador em regime de contrato de trabalho
sem termo.
Em substituição o trabalhador pode optar, nos 30 dias
seguintes ao início da prestação da atividade, por uma
8
CADERNO INFORMATIVO – TRABALHO TEMPORÁRIO

indemnização, nos termos do artigo 396º.


 Caso o trabalhador seja cedido a utilizador por ETT Artigo 173º, nºs 5 e 6 do
licenciada, sem que tenha celebrado contrato de Código do Trabalho
trabalho temporário ou contrato de trabalho por
tempo indeterminado para cedência temporária,
considera-se que o trabalho é prestado a esta
empresa em regime de contrato de trabalho sem
termo.
Em substituição o trabalhador pode optar, nos 30 dias
seguintes ao início da prestação da atividade, por uma
indemnização, nos termos do artigo 396º1.
Prestações garantidas por caução:
Artigo 190º do Código do
Trabalho
A caução constituída pela ETT garante o pagamento de:

 Crédito ao trabalhador temporário relativo a


retribuição, indemnização ou compensação pela
cessação do contrato de trabalho e outras prestações
pecuniárias, em mora por período superior a 15 dias;
 Contribuições para a Segurança Social, em mora por
período superior a 30 dias.

LEGISLAÇÃO

Decreto-Lei nº 260/2009, de 25 de setembro alterado pela Lei nº 5/2014 de 12 de fevereiro.


Código do Trabalho aprovado pela Lei nº 7/2009 de 12 de fevereiro (artigos 172º a 192º)

Autoridade para as Condições do Trabalho


Av. Casal Ribeiro, 18-A, 1000-092 LISBOA
Telef: 213 308 700 | Fax: 213 308 710 | www.act.gov.pt

1
Artigo 396º do Código do Trabalho – “ Indemnização devida ao trabalhador”

1. Em caso de resolução do contrato com fundamento em facto previsto no nº 2 do artigo 394º, o trabalhador
tem direito a indemnização, a determinar entre 15 e 45 dias de retribuição base e diuturnidades por cada ano
completo de antiguidade, atendendo ao valor da retribuição e ao grau da ilicitude do comportamento do
empregador, não podendo ser inferior a três meses de retribuição base e diuturnidades.
2. No caso de fração de ano de antiguidade, o valor da indemnização é calculado proporcionalmente.
3. O valor da indemnização pode ser superior ao que resultaria da aplicação do nº 1 sempre que o trabalhador
sofra danos patrimoniais e não patrimoniais de montante mais elevado.
4. No caso de contrato a termo, a indemnização não pode ser inferior ao valor das retribuições vincendas