Você está na página 1de 8

Educação Ambiental (EA) os processos por

 a garantia de democratização das


meio dos quais o indivíduo e a coletividade
informações ambientais;
constroem valores sociais, conhecimentos,
habilidades, atitudes e competências
voltadas para a conservação do meio  o estímulo e o fortalecimento de uma

ambiente, bem de uso comum do povo, consciência crítica sobre a problemática


essencial à sadia qualidade de vida e a sua ambiental e social;
sustentabilidade (LEI 9795, 1999). Para
Vasconcelos (1994, apud PEDRINI, 1997,  o incentivo à participação individual e
p.268), a Educação Ambiental á um processo
coletiva, permanente e responsável, na
individual e coletivo.
preservação do equilíbrio do meio ambiente,
Princípios entendendo-se a defesa da qualidade

 enfoque humanista, holístico, ambiental como um valor inseparável do


democrático e participativo; exercício da cidadania;

 concepção do meio ambiente em sua


 o estímulo à cooperação entre as diversas
totalidade, considerando a
interdependência entre o meio natural, regiões do País, em níveis micro e
o sócio-econômico e o cultural, sob o macrorregionais, com vistas à construção de
enfoque da sustentabilidade; uma sociedade ambientalmente equilibrada,

 pluralismo de idéias e concepções fundada nos princípios da liberdade,


pedagógicas, na perspectiva da inter, igualdade, solidariedade, democracia, justiça
multi e transdisciplinaridade; social, responsabilidade e sustentabilidade;

 vinculação entre a ética, a educação, o


trabalho e as práticas sociais;  o fomento e o fortalecimento da integração
com a ciência e a tecnologia;
 garantia de continuidade e
permanência do processo educativo;
 o fortalecimento da cidadania,
 permanente avaliação crítica do autodeterminação dos povos e solidariedade
processo educativo; como fundamentos para o futuro da

 abordagem articulada das questões humanidade.


ambientais locais, regionais, nacionais
e globais; Os objetivos da EA não podem ser definidos
sem que se leve em conta as realidades
 reconhecimento e o respeito à
pluralidade e à diversidade individual e econômica, social e ecológica de uma
cultural. sociedade, ou os objetivos determinados
para o seu desenvolvimento.
Objetivos
A Educação Ambiental apresenta um

 o desenvolvimento de uma compreensão posicionamento crítico frente às questões

integrada do meio ambiente em suas político-econômicas como a produção de

múltiplas e complexas relações, envolvendo excedentes que alimenta a sociedade

aspectos ecológicos, psicológicos, legais, industrial e, em consequência, com as

políticos, sociais, econômicos, científicos, sociedades de consumo e, de forma mais

culturais e éticos; veemente, com o “comprismo” que compra


sustentável, em que prevalecerão padrões de
o que sequer chega a consumir, pressionada produção e consumo adequados, sem miséria,
pelo bombardeamento da propaganda. guerras e discriminações, com homens e
mulheres juntos na construção dessa utopia
(VASCONCELOS, 1994, apud PEDRINI, possível, mais a universalização da produção e
1997, p.269). do acesso à informação, à aproximação
sinérgica dos saberes acadêmicos e tradicionais,
à recuperação da degradação provocada pelas
Na vertente ecológico-preservacionista, a atividades humanas e a saúde ampliada para
todos (inclusive, e principalmente, a mental).
Educação Ambiental é voltada somente para
Mais poderia ser dito sobre tanto que precisa
a preservação e conservação da natureza ser mudado e transformado em nós e nos
sem uma análise das causas econômicas e outros para que, de fato, a humanidade possa
alcançar um patamar mais maduro (o novo
sociais dos problemas ambientais. Ainda paradigma?) nesse longo processo de evolução,
no qual, apesar da criatividade ininterrupta e
afirma que o centro de desarmonia
das inovações maravilhosas obtidas, às vezes
homem/natureza consiste na forma do parece que mantemos um pé na barbárie, com
atuações que expõem nossa precariedade
homem relacionar-se, individualmente, com psíquica e a fragilidade dos sistemas que temos
a natureza. Nesse sentido, a Educação criado para viabilizar a vida em sociedade.

Ambiental deve centrar-se nas mudanças de E nesse cenário hipercomplexo de um mundo


globalizado para o bem e o mal, agravado pela
comportamento individual do homem, emergência de problemas planetários, como as
mudanças climáticas e os terrorismos
transformando a relação homem/natureza e
fundamentalistas, a Educação Ambiental tem
solucionando, assim, os problemas que desenvolver teorias e práticas para ser
crítica, transformadora e emancipatória;
ambientais. construir conhecimentos, habilidades, valores e
atitudes, além de preparar pessoas para a
participação efetiva na formulação e condução
A abordagem socioambiental defende uma
de seus destinos.
educação de caráter permanente,
O tremendo desafio que está colocado a todos
preocupada com o presente e o futuro e em nós, em especial aos educadores ambientais,
potencializado pela urgência e gravidade dos
elaborar valores éticos contextualizando impactos decorrentes das profundas mudanças
historicamente os problemas. Da mesma socioambientais em curso, sinaliza
enfaticamente a importância de reunirmos os
forma que a vertente ecológico recursos de todas as categorias de que
dispomos no enfrentamento de eventos que
preservacionista, propõe uma educação para
ameaçam a existência da vida na Terra, num
a preservação e a conservação da natureza, prazo talvez curto demais para a implantação
das medidas mitigatórias, preventivas e de
acrescentando os aspectos socioeconômicos adaptação recomendadas pelo melhor
e históricos, fazendo uma análise das inter- conhecimento científico disponível.

relações entre sociedade e natureza a partir Consulte texto completo


em: http://www.mma.gov.br/estruturas/educa
do conceito do estilo de desenvolvimento. mb/_arquivos/dif_matizes.pdf
Dessa forma, a ênfase está nos problemas A Conferência de Estocolmo
ambientais, analisando histórica e Pedrini (1997, p. 25) considera esse evento
como o marco inicial de interesse para a
socialmente, levando em conta as
Educação Ambiental e um marco histórico
alternativas de solução. (SALVADOR, 2006). internacional na emergência de políticas
ambientais em muitos países, inclusive no
QUANTO SE ESPERA DA EDUCAÇÃO Brasil. De acordo com o autor, esta conferência
AMBIENTAL! foi realizada ao mesmo tempo em que o Clube
de Roma - coletivo de países ricos
economicamente – que publicou importante
Por Claudison Rodrigues de Vasconcelos documento reflexivo baseado nos estudos sobre
o crescimento demográfico e a exploração dos
Ela tem que dar conta da transformação
recursos naturais além de denunciar o provável
necessária à transição para uma sociedade mais
colapso da humanidade. Nesse documento fica
explicito que o modelo de crescimento, ou seja,
o crescente consumo mundial levaria a
humanidade possivelmente a um colapso e, por
conseguinte precisava ser avaliado.
Da Conferência de Estocolmo foram derivados
dois documentos: a “Declaração sobre o
Ambiente Humano” e seu “Plano de Ação
Mundial”. Nessa declaração, pela primeira vez,
a EA foi reconhecida como essencial para
solucionar crise ambiental internacional,
enfatizando a priorização em reordenar suas
necessidades básicas de sobrevivência na Terra.
O Plano de Ação recomendou a capacitação de
professores e o desenvolvimento de novos
métodos e recursos instrucionais para a EA.
(PEDRINI,1997, p. 26).
Um dos resultados mais importantes desse
encontro foi a criação do PNUMA –
Programa das Nações Unidas para o Meio
Ambiente.

Realizada em 1975 na cidade de Belgrado, ex


Iugoslávia, hoje Servia, reuniu especialistas de Protocolo de Quioto
65 países e gerou a Carta de Belgrado.
Segundo Pedrini (1997), a Carta de Belgrado O Protocolo de Quioto constitui um tratado
recomendava uma nova ética planetária complementar à Convenção-Quadro das Nações
para promover a erradicação da pobreza, Unidas sobre Mudança do Clima, definindo
analfabetismo, fome, poluição, exploração metas de redução de emissões para os países
e dominação humanas; além de censurar o desenvolvidos e os que, à época, apresentavam
desenvolvimento de uma nação à custa de economia em transição para o capitalismo,
outra, buscando-se um consenso considerados os responsáveis históricos pela
internacional. Nessa Conferência sugeriu mudança atual do clima.
também a criação de um Programa Mundial
em Educação Ambiental. Com base nessa Criado em 1997, o Protocolo entrou em vigor no
premissa a UNESCO criou o Programa dia 16 de fevereiro de 2005, logo após o
Internacional de Educação Ambiental atendimento às condições que exigiam a
(PIEA) que tem freqüentemente atuado na ratificação por, no mínimo, 55% do total de
EA em nível internacional e regional. países-membros da Convenção e que fossem
responsáveis por, pelo menos, 55% do total das
O PIEA/UNESCO edita publicações que são emissões de 1990.
verdadeiros manuais de grande utilidade, pois
retratam experiências ocorridas em todo o
mundo, descrevendo como realizá-las em Na Constituição de 1988, pela primeira vez na
outros contextos. Dessa forma, além de história, um país dedicou um capitulo inteiro ao
apresentar uma síntese conceitual e Meio ambiente, dividindo entre o governo e a
metodológica da EA e estudos de casos tanto sociedade a responsabilidade pela sua defesa
em países desenvolvidos como (GUIMARÃES, 2008, p. 10). A Educação
subdesenvolvidos, mantém uma base de dados Ambiental passa a ser um instrumento da
sobre instituições de EA. (PEDRINI,1997, p. Política Nacional do Meio Ambiente, onde fica
27). explicito no artigo 225 que:
“Todos têm direito ao meio ambiente
ecologicamente equilibrado, bem de uso comum
do povo e essencial à sadia qualidade de vida,
impondo-se ao poder público e à coletividade o
dever de defendê-lo e preservá-lo para as
presentes e futuras gerações” (BRASIL, 1988).
Em 1994 foi criado o Programa Nacional de
Educação Ambiental (PRONEA) e teve como
marco conceitual e metodológico a Conferência
de EA de Tibilisi. Essa Conferência teve a
incumbência de capacitar docentes, técnicos
dos sistemas educacionais, educadores que
atuam em órgão do meio ambiente e entidades Medina (1996) assegura que o ambiente
da sociedade civil, entre outros, com objetivo deve ser entendido como o resultado das
de buscar levar a Educação Ambiental para toda
a sociedade civil e órgãos públicos. (PEDRINI, relações de intercâmbio entre sociedade e
1997, p. 39). natureza em um espaço e tempo concreto.
Ademais, o Pronea (BRASIL, 2014) pretende Acrescenta ainda que o ambiente é gerado e
promover a articulação das ações educativas
voltadas às atividades de proteção, recuperação construído ao longo do processo histórico de
e melhoria socioambiental, e de potencializar a
função da educação para as mudanças culturais ocupação e transformação do espaço por
e sociais, que se insere a Educação Ambiental, parte de uma sociedade, surgindo assim,
tendo como linha de ação:
como a síntese histórica das relações de

 Gestão e planejamento da Educação intercâmbio entre sociedade e natureza.

Ambiental;
 Vertente ecológica preservacionista –
 Formação de educadores ambientais;
preocupação centrada na natureza, o
 Comunicação para educadores ambientais;
homem aparece como um observador
 Formação ambiental continuada e inicial de
externo e afastado;
professores;
 A que enfatiza os problemas da
 Monitoramento e avaliação de políticas,
degradação ambiental – não apresenta
programas e projetos de educação
contextualização histórico-espacial e social
ambiental.
entre as diversas situações, as diferentes

Segundo Pedrini ( 1997, p. 56), percebe-se relações com a natureza e os diversos

que há instrumentos legais e meios grupos sociais. O homem é considerado em

financeiros plausíveis para se estimular e abstrato como “vilão”.

realizar a EA no Brasil e acrescenta que: Já  A denominada socioambiental - o ser

existem tanto na instancia ambiental como humano é visto como um ser social

na educacional órgãos públicos federais concreto, que interage com a natureza,

responsáveis pela realização da EA no país. intermediado pelas suas relações histórico-

Há previsões financeiras e fundos perdidos culturais. Analisa as causas e efeitos de sua

para alocar dinheiro, apesar da pulverização ação no mundo identificando os problemas

das verbas. Assim, faltam apenas estímulo à ambientais e entendendo criticamente as

capacitação dos educadores ambientais com diferentes formas de acesso aos recursos

base teórico-metodológica e reivindicação e dos diferentes grupos sociais.

fiscalização da população para que nossos


Ambiente Natural – Formado pelo solo,
governantes sejam eficazes! (PEDRINI 1997,
água, ar atmosférico, flora, fauna e por
p. 56)
todos os demais elementos naturais
responsáveis pelo equilíbrio dinâmico entre
os seres vivos e o meio que vivem.
Por “meio ambiente” se entende um habitat
socialmente criado, configurado enquanto Ambiente Artificial – Constituído pelo

um meio físico modificado pela ação humana conjunto de edificações equipamentos,

(JACOBI, 2000, p.14). Nesse contexto, rodovias e demais elementos que formam o
espaço urbano ou construído pela ação Paulatinamente as sociedades se tornaram
humana. dominantes. Surgiram os impérios. A idéia
de dominação e apropriação da natureza e
Ambiente Cultural – Composto pelo
de outros povos foi se ampliando e
patrimônio histórico, artístico, arqueológico,
difundindo pela região que hoje corresponde
paisagístico, turístico, científico e pelas
ao Oriente Médio e Europa (de onde
síntese culturais que integram o universo
importamos nosso modo de ser atual
das práticas sociais das relações de
(Mendonça 2005, p.59).
intercâmbio entre homem e natureza.
A Segunda Revolução Industrial trouxe novas
tecnologias, como motores a gasolina, diesel e
Ambiente de Trabalho – integrado pelo eletricidade, que dinamizaram ainda mais o
conjunto de bens, instrumentos e meios, de processo produtivo, aumentando a
produtividade das fábricas, o que gerou uma
natureza material e imaterial, em face dos grande necessidade de se encontrar matérias
primas. Para atender às necessidades de
quais o ser humano exerce suas atividades
matérias primas, os países imperialistas passam
laborais a exercer sua influência sobre as nações que
ofereciam riquezas naturais satisfatórias como:
metais, minerais, madeira, solo, florestas etc. O
“A diferença é que a velocidade de extração resultado dessa intervenção foi drástica para o
meio ambiente: poluição de rios,
dos recursos naturais é extremamente
desmatamento, extinção de espécies, etc.
acelerada e os subprodutos gerados por
A Terceira Revolução Industrial, ou Revolução
essa transformação não são reintegráveis Técnico-Científica, iniciou-se em meados do
século XX e se encontra em andamento;
aos ciclos naturais, ficando depositados nos corresponde ao processo de inovações no
solos, nas águas e no ar, em diversas campo da informática, microeletrônica, robótica
e telecomunicações e suas aplicações nos
formas de poluição. As armas de armas de campos da produção e do consumo. A
Revolução Técnico-Científica também foi
guerra são mais devastadoras. Mas os
responsável pela total integração entre a
impactos nocivos de sua ação são mais ciência, a tecnologia e a produção. Para Magnoli
(2004, p. 24) na indústria da informação, em
antigos do que costumamos imaginar” regra, o sucesso empresarial depende da
(MENDONÇA, 2005, p. 68). transformação de uma nova tecnologia em um
padrão para o mercado. As indústrias
implantam seus produtos no mercado e
De acordo com Reigota (2004), a solução obrigam os concorrentes a se adaptarem a esse
padrão, gerando lucros exorbitantes.
não é simplesmente preservar determinadas
A inovação tecnológica é uma característica da
espécies de animais e vegetais e os economia industrial, os produtos são
elementos naturais, mas principalmente substituídos em um espaço de tempo muito
curto estimulando o consumo e o aumento de
refletir sobre e transformar as relações lucro das empresas. Os produtos considerados
obsoletos raramente são reutilizados,
políticas, sócio-econômicas e culturais entre
contribuindo para o acumulo de lixo, que além
homem e entre a humanidade e a natureza. de causar diversos tipos de poluição representa
desperdício de matéria e energia
Na visão de Tozoni (2004) o homem não (ALBUQUERQUE 2007, p. 57).
tem papel de destaque, pois é apenas mais
um elemento da natureza, e este deve Conferência de Estocolmo (1972)
colocar-se como qualquer outra espécie que
faz parte do ambiente Conscientizar a sociedade para melhorar a
relação com o ambiente;
Atender as necessidades sociais sem Tratados de educação ambiental para as
comprometer gerações futuras sociedades sustentáveis e responsabilidade
global.
Carta de Belgrado (1975)
Aprovou 5 acordos oficiais internacionais:
Desenvolvimento de novos conceitos,
habilidades, valores e atitudes visando a Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e
melhoria da qualidade ambiental; Desenvolvimento

Recomendava uma nova ética planetária Agenda 21


para promover a erradicação da pobreza,
Declaração sobre Florestas
analfabetismo, fome, poluição, exploração e
dominação humanas;
Convenção-Quadro sobre Mudanças
Climáticas
Censurava o desenvolvimento de uma nação
à custa de outra, buscando-se um consenso
Convenção sobre Diversidade Biológica
internacional.

Sugeriu que a EA deveria basear-se na


Conferência de Tibilisi (1977)
ciência e tecnologia para a consciência e
adequada apreensão dos problemas
É considerada a mais marcante de todas,
ambientais, fomentando uma mudança de
pois revolucionou a Educação Ambiental;
conduta quanto à utilização dos recursos
Discutiu e sugeriu: definição de natureza, ambientais.
objetivos da educação ambiental e
Conferência de Thessaloniki (1997)
estratégias para o seu desenvolvimento;

Educação e conscientização pública para a


Sugeriu que a EA deveria basear-se na
sustentabilidade.
ciência e tecnologia para a consciência e
adequada apreensão dos problemas
ambientais, fomentando uma mudança de
conduta quanto à utilização dos recursos Rio + 20 (2012)
ambientais.
Discutir sobre a renovação dos
Conferência Internacional de Moscou compromissos políticos com o
(1987) desenvolvimento sustentável.

Promover a educação ambiental por 1500


intermédio de desenvolvimento de currículo
e de materiais didáticos. Saque dos recursos naturais

Conferência das Nações Unidas sobre Devastação da mata atlântica

Meio Ambiente e Desenvolvimento


Fracasso das capitanias hereditárias
(Rio/1992)
Primeiros decretos para proteção dos 1988
recursos naturais e seus objetivos
Aprovado os Parâmetros Curriculares
1822 Nacionais (PCN)

Continua o monopólio e destinação exclusiva 1999

1960 Criada a Política Nacional de Educação


Ambiental (PNEA) - Lei nº 9.795.
Marcada pelo agravamento dos problemas
ambientais anner (1978) alerta para a necessidade de
se fixar, como objetivo central da Educação
1973
Ambiental, a manutenção, para as gerações
futuras, das condições de sobrevivência “em
Criação da Secretaria Especial do Meio
nossa Espaçonave Terra”.
Ambiente

Durante a pré-história, a experiência de inúmeros


1977 povos foi de harmonia, de equilíbrio, de respeito,
de parceria com a natureza.
Ao longo da história com a cultura patriarcal, que
Definição da política de implementação da valorizava o domínio e a subjugação, os impérios
educação ambiental nas escolas - Ciências passam a ser construídos e para tanto a natureza
e rebanhos passa a ser objeto de exploração e
Biológicas de posse, consolidando assim, a ideia de
separação entre sujeito (homem) e objeto
1981 (natureza).
No século XII as trocas comerciais começaram a
crescer e os povos europeus sentiram a
A educação ambiental foi formalmente necessidade de buscar em outros continentes
riquezas como: metais preciosos, mercados,
instituída no Brasil pela Lei 6938 que criou a
especiarias, matérias-primas e terras, iniciando
Política Nacional do Meio Ambiente (PNMA) assim, um novo ciclo de exploração da natureza
e acumulação de capital que vem dar suporte ao
surgimento da Revolução Industrial no século
1988 XVIII.
A partir da segunda metade do século XVIII, com
A Constituição dedica um capitulo inteiro ao a Revolução Industrial, inicia-se um processo
ininterrupto de produção em massa, geração de
meio ambiente lucro e acúmulo de capital onde a relação de
exploração da natureza pelo homem se
aprofunda ainda mais.
1989
A Sociedade de Consumo atual caracteriza-se
pelo desejo expandido de aquisição do supérfluo
É criado o IBAMA do excedente, do luxo. Marcada por profundas
crises sócio-ambientais e sócio-econômicas,
resultantes do ideal do progresso e do
1992 desenvolvimento tecnológico.

É criado o Ministério do Meio Ambiente o longo do tempo, as tecnologias foram sendo


sofisticadas. Ferramentas de metais e cobre
foram criados, permitindo uma intervenção cada
1994 vez maior no planeta. Na concepção de
Albuquerque (2007, p. 32), esses instrumentos
Criado o Programa Nacional de Educação eram sempre para melhorar a intervenção do
homem na natureza, ou seja, para melhorar a
Ambiental (PRONEA)
produtividade de suas atividades sem, contudo,
denotar desequilíbrio e destruição ambiental.

Na concepção de Mendonça (2005), a grande


mudança das sociedades da pré-história para a
história aconteceu quando a tecnologia disponível
deixou de ser aplicada unicamente para a
produção agrícola e de artefatos e passou a ser
utilizada para a fabricação de armas.

A inovação tecnológica é uma característica da


economia industrial, os produtos são substituídos
em um espaço de tempo muito curto estimulando
o consumo e o aumento de lucro das empresas.
Os produtos considerados obsoletos raramente
são reutilizados, contribuindo para o acumulo de
lixo, que além de causar diversos tipos de
poluição representa desperdício de matéria e
energia (ALBUQUERQUE 2007, p. 57).