Você está na página 1de 6

Profª.

Leide Ana Ferreira Louzeiro - Língua Portuguesa


Variações Linguísticas São os chamados dialetos, que são as marcas
As variações linguísticas demonstram o caráter determinantes referentes a diferentes regiões. Como
dinâmico da linguagem, inserindo no vernáculo um exemplo, citamos a palavra mandioca que, em certos
pouco de nossa história e cultura. A linguagem a lugares, recebe outras nomenclaturas, tais como:
característica que nos difere dos demais seres, macaxeira e aipim. Figurando também esta
permitindo-nos a oportunidade de expressar modalidade estão os sotaques, ligados às
sentimentos, revelar conhecimentos, expor nossa características orais da linguagem.
opinião frente aos assuntos relacionados ao nosso Estão diretamente ligadas aos grupos sociais de uma
cotidiano, e, sobretudo, promovendo nossa inserção maneira geral e também ao grau de instrução de uma
ao convívio social. E dentre os fatores que a ela se determinada pessoa. Como exemplo, citamos as
relacionam destacam-se os níveis da fala, que são gírias, os jargões e o linguajar caipira.
basicamente dois: O nível de formalidade e o de As gírias pertencem ao vocabulário específico de
informalidade. O padrão formal está diretamente certos grupos, como os surfistas, cantores de rap,
ligado à linguagem escrita, restringindo-se às normas tatuadores, entre outros.
gramaticais de um modo geral. Razão pela qual Os jargões estão relacionados ao profissionalismo,
nunca escrevemos da mesma maneira que falamos. caracterizando um linguajar técnico. Representando a
Este fator foi determinante para a que a mesma classe, podemos citar os médicos, advogados,
pudesse exercer total soberania sobre as demais. profissionais da área de informática, dentre outros.
Quanto ao nível informal, este por sua vez representa Vejamos um poema e o trecho de uma música para
a linguagem do dia a dia, das conversas informais que entendermos melhor sobre o assunto:
temos com amigos, familiares etc. Compondo o
quadro do padrão informal da linguagem, estão as Vício na fala
chamadas variedades linguísticas, as quais Para dizerem milho dizem mio
representam as variações de acordo com as condições Para melhor dizem mió
sociais, culturais, regionais e históricas em que é
Para pior pió
utilizada. Dentre elas destacamse:
Para telha dizem teia
Variações históricas:
Para telhado dizem teiado
Dado o dinamismo que a língua apresenta, a mesma
sofre transformações ao longo do tempo. Um exemplo E vão fazendo telhados. (Oswald de Andrade)
bastante representativo é a questão da ortografia, se
levarmos em consideração a palavra farmácia, uma CHOPIS CENTIS
vez que a mesma era grafada com “ph”, contrapondo- Eu “di” um beijo nela E
se à linguagem dos internautas, a qual fundamenta-se chamei pra passear.
pela supressão dos vocábulos. Analisemos, pois, o A gente fomos no shopping Pra
fragmento exposto: “mode” a gente lanchar.
Comi uns bicho estranho, com um tal de gergelim.
Antigamente Até que “tava” gostoso, mas eu prefiro aipim.
“Antigamente, as moças chamavam-se Quanta gente,
mademoiselles e eram todas mimosas e muito Quanta alegria,
prendadas. Não faziam anos: A minha felicidade é um crediário nas Casas
completavam primaveras, em geral dezoito. Os Bahia.
janotas, mesmo sendo rapagões, faziam-lhes pé-de- Esse tal Chopis Centis é muito legalzinho.
alferes, arrastando a asa, mas ficavam longos meses Pra levar a namorada e dar uns “rolezinho”
debaixo do balaio." Carlos Drummond de Andrade Quando eu estou no trabalho, Não vejo a
Comparando-o à modernidade, percebemos um hora de descer dos andaime. Pra pegar um
vocabulário antiquado. cinema, ver Schwarzneger E também o Van
Variações regionais: Damme.
(Dinho e Júlio Rasec, encarte CD Mamonas Para telhado dizem teiado
Assassinas, 1995.) E vão fazendo telhados.
Oswald de Andrade
Exercício
1) Tendo em vista que “as gírias” compõem o quadro c –“ Aqui no Norte do Paraná, as pessoas
de variantes linguísticas ligadas chamam a correnteza do rio de corredeira. Quando
ao aspecto sociocultural, analise os excertos a a corredeira está forte é perigoso passar pela
seguir, indicando o significado de cada termo pinguela, que é uma ponte muito estreita feita,
destacado de acordo com o contexto: geralmente, com um tronco de árvore. Se temos
a – Possivelmente não iremos à festa. Lá, todos os muita chuva a pinguela pode ficar submersa e,
convidados são patricinhas. b - Nossa! Como meu portanto, impossibilita a passagem. Mas se ocorre
pai é careta! Não permitiu que eu assistisse àquele uma manga de chuva, uma chuvinha passageira,
filme. esse problema deixa de existir.”
c – Os namoros resultantes da modernidade baseiamse
somente no ficar. d – E aí mano? Tu tá a fim de d – E aí mano? Ta a fim de dá uns rolé hoje?
encontrar com uma mina hoje? A parada vai bombar! Qual é! Vai topá a parada? Vê se desencana! Morô
e – Aquela aula de matemática foi péssima, não velho.
saquei nada que foi falado.
4-Os enunciados linguísticos em evidência
2) Capitulação encontram-se grafados na linguagem coloquial.
Delivery Até Reescreva-os de acordo com o padrão culto da
para telepizza É linguagem.
um exagero. a – Os livros estão sobre a mesa. Por favor,
Há quem negue? Um devolve eles na biblioteca.
povo com vergonha Da b – Falar no celular é uma falha grave. A
própria língua. consequência deste ato pode ser cara. c – Me diga se
Já está entregue ( você gostou da surpresa, pois levei muito para
Luís Fernando Veríssimo) preparar ela. d – No aviso havia o seguinte
comentário: Não aproxime-se do alambrado. Perigo
a) O título dado pelo autor está adequado,
constante. e – Durante a reunião houveram
tendo em vista o conteúdo do poema? Justifique sua
reclamações contra o atraso do pagamento dos
resposta.
funcionários.
b) O exagero que o autor vê no emprego da
palavra “delivery” se aplicaria também à
5- A letra musical abaixo se compõe de alguns
“telepizza”? Justifique sua resposta.
registros de variação linguística. Identifique-os
tecendo um comentário acerca do referido assunto,
3- A seguir são apresentados alguns fragmentos
levando em consideração os preceitos trazidos pela
textuais. Sua tarefa consistirá em analisá-los,
linguística, em se tratando de tais variedades.
atribuindo a variação linguística condizente aos
mesmos:
Cuitelinho
a- “Antigamente, as moças chamavam-se
mademoiselles e eram todas mimosas e muito Cheguei na beira do porto
prendadas. Não faziam anos: completavam Onde as onda se espaia
primaveras, em geral dezoito. Os janotas, mesmo As garça dá meia volta
sendo rapagões, faziam-lhes pé-de-alferes, E senta na beira da praia E
arrastando a asa, mas ficavam longos meses o cuitelinho não gosta
debaixo do balaio." Que o botão de rosa caia, ai, ai
Carlos Drummond de Andrade Ai quando eu vim da minha
terra Despedi da parentáia
b - Vício na fala Eu entrei no Mato Grosso
Dei em terras paraguaia
Para dizerem milho dizem mio Lá tinha revolução
Para melhor dizem mió Enfrentei fortes batáia, ai, ai [...]
Para pior pió
Para telha dizem teia
(Folclore recolhido por Paulo espada; roda-viva; saca-
Vanzolini e Antônio Xandó) Composição rolhas; segunda-feira;
Composição é o processo linguístico através do qual água-de-colônia: chapéu de
ocorre a formação de novas palavras a partir de duas chuva; cor-de-rosa; fim de
ou mais palavras simples ou radicais. As novas semana; pé-de-meia; pé de
palavras formadas são compostas e possuem moleque; girassol;
significado próprio. Existem dois tipos de madrepérola; malmequer;
composição: Composição por aglutinação; mandachuva; paraquedas;
Composição por justaposição. passatempo; pontapé;
vaivém; varapau
O Novo Acordo Ortográfico e as palavras
Aglutinação compostas por justaposição
Na composição por aglutinação ocorre a fusão de Segundo o Novo Acordo Ortográfico, que entrou em
duas ou mais palavras ou radicais, havendo alteração vigor em janeiro de 2009, o hífen se mantém nas
de um desses elementos formadores. Assim, além da palavras compostas por justaposição sem elementos
alteração no significado, os elementos formadores de ligação, cujos elementos formam uma unidade
perdem sua identidade ortográfica e fonológica, com significado próprio.
havendo troca ou supressão de fonemas e apenas um
acento tônico na nova palavra composta. Exemplos com hífen:
segunda-feira; arco-
Exemplo de palavras compostas por íris; decreto-lei;
aglutinação ano-luz; guarda-
chuva;
aguardente (água + ardente); destarte (desta +
arte); dessarte (dessa + arte); embora (em + Não deverá ser utilizado hífen nas locuções
boa + hora); fidalgo (filho + de + algo); substantivas, adjetivas, pronominais, adverbiais,
pernalta (perna + alta);planalto (plano + prepositivas ou conjuncionais.
alto); vinagre (vinho + acre).
Exemplos sem hífen:
Justaposição fim de semana; dia a
Contrariamente à composição por aglutinação, na dia; sala de jantar;
composição por justaposição não ocorre alteração cão de guarda; cor de
dos elementos formadores. Estes mantêm a mesma vinho; café com leite;
ortografia e acentuação que apresentavam antes da à toa;
composição. A derivação prefixal é um dos processos de
Na composição por justaposição ocorre a junção formação de palavras existentes. Na derivação
de duas ou mais palavras ou radicais, sem que haja prefixal ocorre a junção de um prefixo a um radical
alteração desses elementos formadores, ou seja, ou palavra simples já existente, que atua como
mantêm a mesma ortografia e acentuação que palavra primitiva. O prefixo é colocado antes da
tinham antes da composição, havendo apenas palavra primitiva, alterando o seu sentido e
alteração do significado. formando uma palavra derivada, com um
Muitas palavras compostas por justaposição são significado próprio.
ligadas através do hífen. Contudo, o hífen é apenas No português existem prefixos de origem grega e
uma convenção ortográfica, uma vez que os prefixos de origem latina. Diferentes prefixos
compostos por justaposição podem ser escritos transmitem diferentes significados: negação,
unidos ou sem o hífen. superioridade, inferioridade, repetição,
Exemplos de palavras compostas simultaneidade.
por justaposição amor-perfeito; arco- Exemplos de palavras formadas por derivação
íris; prefixal
beija-flor;
bem-me-quer; cachorro- • afiliar (a- + filiar);
quente; cavalo-marinho; • anaeróbico (an- + aeróbico);
couve-flor; guarda-roupa; • antemão (ante- + mão);
guarda-chuva; peixe- • anti-inflamatório (anti- + inflamatório);
• através (a- + través); • envelhecer (en - + velho + -ecer);
• autoavaliação (auto- + avaliação); • envergonhar (en- + vergonha + -ar);
• bicarbonato (bi- + carbonato); • envernizar (en- + verniz + -izar);
• contracorrente (contra- + corrente); • esbugalhar (es- + bugalho - -ar);
• coparticipação (co- + participação); • espairecer (es- + pairar + -ecer); esquentar
• descriminar (des- + criminar); (es- + quente + -ar); ...
• desculpar (des- + culpar);
• desfavorável (des- + favorável); É essencial entender que na derivação parassintética
• imprescindível (im- + prescindível); a junção do prefixo e do sufixo ocorre sempre ao
• inadiável (in- + adiável); mesmo tempo, sendo inseparável, ou seja, caso se
• interlocutor (inter- + locutor); retire o prefixo ou o sufixo, não fica formada
• predominar (pre- + dominar); nenhuma palavra reconhecida na língua portuguesa.
• reaver (re- + haver);
• ressalvar (re- + salvar); Empobrecer (em- + pobre + -ecer)
• sobre-humano (sobre- + humano); Sem o prefixo: *pobrecer Sem
• subgerente (sub- + gerente); o sufixo: *empobre
• supracitado (supra- + citado);
Amanhecer (a- + manhã + -ecer)
A derivação parassintética é um dos processos de Sem o prefixo: *manhecer Sem
formação de palavras existentes. Sendo uma forma o sufixo: *amanhã
de derivação, ocorre a junção de afixos a uma
palavra simples ou radical, formando uma nova
Derivação prefixal e sufixal
palavra com significação própria.

A derivação parassintética é frequentemente


Na derivação parassintética ocorre a junção
confundida com a derivação prefixal e sufixal, uma
simultânea de um prefixo e de um sufixo a um
vez que em ambos os processos ocorre a junção de
adjetivo ou substantivo para a formação de um
um prefixo e de um sufixo a uma palavra ou radical
verbo.
para a formação de uma nova palavra.

Exemplos de palavras formadas por Contudo, na derivação prefixal e sufixal,


parassíntese contrariamente ao que ocorre na derivação
parassintética, é possível a formação de palavras
• abençoar (a- + bênção + -ar); reconhecidas na língua portuguesa, mesmo
• ajoelhar (a- + joelho + -ar); ocorrendo a retirada do prefixo ou do sufixo.
• amaldiçoar (a- + maldição + -ar);
• amanhecer (a- + manhã + -ecer);
Desigualdade (des- + igual + -dade)
• amotinar (a- + motim + -ar);
Sem prefixo: igualdade
• anoitecer (a- + noite + -ecer);
Sem sufixo: desigual
• apodrecer (a- + podre + -ecer);
• desgelar (des- + gelo + -ar);
Infelizmente (in- + feliz + -mente)
• emagrecer (em- + magro + -ecer);
Sem o prefixo: felizmente Sem
• empobrecer (em- + pobre + -ecer);
o sufixo: infeliz
• endurecer (en- + duro + -ecer);
• enfraquecer (en- + fraco + -ecer);
• engaiolar (en- + gaiola + -ar); Exemplos de derivação prefixal e sufixal:
• engavetar (en- + gaveta + -ar); deslealdade (des- + leal + -dade);
• engordar (en- + gordo + -ar);
independentemente (in- + dependente + -mente);
• enlouquecer (en- + louco + -ecer);
infielmente (in- + fiel + -mente); A derivação
• enraivecer (en- + raiva + -ecer);
regressiva é um dos processos de formação de
• enrijecer (en- + rijo + -ecer); palavras existentes. Contrariamente às outras formas
• entardecer (en- + tarde + -ecer); de derivação, que ocorrem por acréscimo, sendo a
• entediar (en- + tédio + -ar); palavra derivada uma ampliação da palavra
• entristecer (en- + triste + -ecer);
primitiva, na derivação regressiva, ocorre a redução Substantivos que se convertem em adjetivos
da palavra primitiva para a formação da palavra Meu filho sempre foi um menino prodígio.
derivada. Esta cidade fantasma é assustadora!
A forma mais habitual de derivação regressiva é a Numerais que se convertem em adjetivos Estou
formação de substantivos a partir de verbos, pela num estado de tolerância zero em relação a meus
supressão do -r final dos verbos. Esses substantivos filhos.
são chamados de substantivos deverbais. Você é uma amiga dez!
Exemplos de substantivos formados por
derivação regressiva abalo (do verbo abalar);
agito (do verbo agitar); ajuda (do verbo ajudar); Figuras de Linguagem
alcance (do verbo alcançar); amasso (do verbo Metáfora ocorre quando é utilizada uma substituição
amassar); amostra (do verbo amostrar); amparo (do de termos que possuem significados diferentes,
verbo amparar); ataque (do verbo atacar); atraso atribuindo a eles o mesmo sentido. Veja o exemplo
(do verbo atrasar); caça (do verbo caçar); castigo abaixo:
(do verbo castigar); choro (do verbo chorar); “Meu pensamento é um rio subterrâneo.”
combate (do verbo combater); compra (do verbo Na frase acima o autor dá o sentido de “pensamento”
comprar); consumo (do verbo consumir); corte (do ao termo “rio subterrâneo”, que nada têm em comum,
verbo cortar); debate (do verbo debater); denúncia mas passam a ter na oração.
(do verbo denunciar); dispensa (do verbo Metonímia é o uso da parte pelo todo. Ocorre quando
dispensar); embarque (do verbo embarcar); erro (do o autor substitui uma palavra por outra próxima. É
verbo errar); mergulho (do verbo mergulhar); utilizada para evitar a repetição de palavras em um
pesca (do verbo pescar); recuo (do verbo recuar); texto. Por exemplo:
remoinho (do verbo remoinhar); renuncia (do verbo – “Os meus braços precisam dos teus”
renunciar); saque (do verbo sacar); sobra (do verbo Na frase acima, Vinicius de Morais se refere à
sobrar); sustento (do verbo sustentar); toque (do necessidade que ele tem de ter a presença de outra
verbo tocar); trabalho (do verbo trabalhar); venda pessoa e não somente dos braços.
(do verbo vender);
– “Eu adoro ler Maurício de Souza”
Embora essa seja a forma maioritária de derivação
Na frase acima, a pessoa está querendo dizer que gosta
regressiva, também é possível a formação de
de ler as obras de Maurício de Souza, e não ler o autor,
substantivos a partir de outros substantivos:
o que seria impossível.
boteco (de botequim); comuna (de comunista);
Sinestesia
mengo (de flamengo); portuga (de português);
A sinestesia é o jogo da mistura das sensações.
Derivação imprópria
Quando na mesma oração se realiza o cruzamento de
Existem diversas possibilidades de mudança de
diferentes sentidos humanos.
classe gramatical. As mudanças principais são:
Verbos que se convertem em substantivos
Sinestesia é uma figura de linguagem muito utilizada
O saber não ocupa lugar.
em livros e poesias em geral. É muito comum também
Você já reparou no falar daquele senhor?
notar sua presença em letras de música.
Meu vizinho tem um andar engraçado. Quando o
Perceba no exemplo abaixo:
meu olhar encontra o teu, fico com borboletas no
estômago. Venham todos! O jantar já está pronto! Ela sentiu o sabor amargo da derrota;
Adjetivos que se convertem em substantivos Seus lábios me lembram mel;
Os bons serão bem-vindos. A Catacrese é um tipo de recurso muito interessante.
O nervosinho ali não se controla. Tal figura de linguagem ocorre quando atribuímos um
“nome” a algo que não possui um nome específico,
Os jovens andam perdidos.
fazendo referência a outras coisas e objetos.
Estou contemplando o azul do céu. Adjetivos
Um ótimo exemplo seria o “céu da boca” ou a “asa da
que se convertem em advérbios xícara”. Perceba que nossa boca não possui um céu de
Por que você grita alto? fato, assim como a xícara não possui asas de fato,
A menina falou baixo, cheia de vergonha. parte atribuída somente às aves.
Fala sério!
Advérbios que se convertem em substantivos A Antítese é quando, em uma mesma oração, usamos
Estou esperando o sim da direção. termos que possuem sentidos contrários, configura-se
A esse menino falta ouvir um não. a antítese. Por exemplo: “O Rodrigo estava dormindo
acordado” Perceba que “dormindo” e “acordado” Pleonasmo é muito utilizado no dia-a-dia. Trata-se da
entram em contraste de significado na frase. repetição de palavras que tem o mesmo significado,
em uma mesma oração.
Paradoxo Exemplos: “Sair para fora”, “subir para cima”, “dupla
Esta figura de linguagem se refere a algo “contrário de dois”
ao que se pensa”, fugindo do senso comum e até
mesmo refletindo a falta de nexo. Ele não passa de A cacofonia surge quando ocorre uma junção do final
um pobre homem rico. de um vocábulo e começo de outro, formando
tonalidades estranhas, dando significados
Eufemismo: Troca de um termo por outro mais controversos, quando lemos ou pronunciamos a frase
“leve”, que acaba passando uma conotação mais rapidamente. Assim, outras pessoas podem entender
agradável a um sentido. Um bom exemplo é quando ou atribuir sentidos contrários ao que falamos. É
trocamos o termo “morreu” por “foi para o céu“. considerado um vício de linguagem. Exemplo:

Disfemismo: É o contrário de eufemismo, não há Eu vi ela na praça. (vi+ ela= viela)


suavidade na frase. Ele virou presunto!
Alma minha gentil que te partiste (Alma + minha =
Hipérbole: é uma figura de linguagem que dá um maminha)
exagero intencional ao contexto. Por exemplo, em vez Dei um beijo na boca de (ca+ dela = cadela) Não me
de dizermos “eu estou com muita sede“, as vezes preocupei, já que tinha terminado a prova.
dizemos “estou morrendo de sede“. Na verdade, não (ja + que+ tinha = jaquetinha)
estamos morrendo literalmente, mas ocorre um Ela tinha uma bolsa de couro. (la+ tinha= latinha)
exagero para ilustrar a grandeza da sede. pensei em muitas coisas, mas nunca ni
(ca+ nisso – soa caniço) Não ponha a
Ironia é a utilização proposital de termos que culpa ne pa+ nela – ouve-se panela
manifestam o sentido oposto do seu significado. Por Uma mão lava a outra. ma+ mão –
exemplo, uma pessoa que foi demitida após péssimo ouvimos mamão Querida, só quero
dia de trabalho, dizer: “- Era o que faltava para amá-la! ma+ la – ressoa mala Meu
encerrar o meu dia maravilhosamente bem” coração por ti ge ti+ gela – o som
pronunciado é tigela.
Apóstrofe é muito interessante. Esta figura de Nem nosso Hino Nacional escapou. Veja abaixo:
linguagem ocorre quando alguma pessoa faz uso da De um povo heroico o brado retumbante.
“invocação” de algo ou alguém para manifestar algum co+ brado – soa cobrado.
sentido ao contexto. Por exemplo: “Meu Deus! Que Qual carro é o seu?
susto!”. – O Celta cinza. (A frase pronunciada
é: “O céu tá cinza) É um por cada (por+
A personificação ou prosopopeia ocorre quando cada + porcada).
atribuímos sentidos racionais a elementos Onomatopeia: sons que imitam animais,
irracionais. Por exemplo, quando dizemos “A instrumentos musicais, veículos e etc.
natureza está chorando…” estamos atribuindo o
“choro” (algo racional) à natureza (um elemento Tic- tac; plim-plim, ploc, vrum; Boom
irracional). Outro exemplo seria dizer “Meu coração
está em pratos…“.

Espero ter contribuído para o seu aprendizado!