Você está na página 1de 3

COMENTÁRIOS AO ACÓRDÃO PROFERIDO PELO EGRÉGIO SUPERIOR

TRIBUNAL DE JUSTIÇA EM MATÉRIA AMBIENTAL

RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 58.247 – RR (2015/0078375-6)


RELATOR : MINISTRO JORGE MUSSI
RECORRENTE : IRAMAR COELHO DA SILVA
ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO
RECORRIDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

Nesse sentido, a respeito do princípio da insignificância, Rogério Sanches


Cunha explica:

O legislador, ao tratar da incriminação de determinados fatos, ainda que


norteado por preceitos que limitam a atuação do Direito Penal, não pode
prever todas as situações em que a ofensa ao bem jurídico tutelado dispensa a
aplicação de reprimenda em razão de sua insignificância. Assim, sob o
aspecto hermenêutica, o princípio da insignificância pode ser entendido como
um instrumento de interpretação restritiva do tipo penal. Sendo formalmente
típica a conduta e relevante a lesão, aplica-se a norma penal, ao passo que,
havendo somente a subsunção legal, desacompanhada da tipicidade material,
deve ela ser afastada, pois que estará o fato atingido pela atipicidade.

Assim, as condutas que ofendem de forma insignificante um bem


tutelado pela jurisdição são consideradas atípicas, porque somente se observará a
tipicidade penal naquelas em que se verificar a ação ou omissão lesiva de forma
efetiva.
No mesmo sentido, acerca da alegada atipicidade da conduta atribuída ao
paciente, como bem se observou nos votos do relator, é necessário esclarecer que a
admissão da ocorrência de um crime de bagatela reflete o entendimento de que o
Direito Penal deve intervir somente nos casos em que a conduta ocasionar lesão
jurídica de certa gravidade, devendo ser reconhecida a atipicidade material de
perturbações jurídicas mínimas ou leves, estas consideradas não só no seu sentido
econômico, mas também em função do grau de afetação da ordem social que
ocasionem.desde que verificada a mínima ofensividade da conduta do agente, a
ausência de periculosidade social da ação, o reduzido grau de reprovabilidade do
comportamento e a inexpressividade da lesão jurídica provocada.

Em remate, a denúncia ofertada pelo representante do Parquet Federal foi


um tanto quanto temerária, que sequer observou, in contento, o primeiro substrato do
crime. Não se pode inferir, todavia, que se trata de caso isolado, pois não raras as
vezes fatos dessa similitude ocorrem. Logo, necessário se faz agir com cautela, uma
vez que a liberdade de outrem está em ‘’jogo’’.

COMENTÁRIOS
REFERÊNCIAS

CUNHA, Rogério Sanches. Manual de Direito Penal. 4. ed. Salvador: Juspodivm,


2016.