Você está na página 1de 97

NEUROPSICOLOGIA

Prof:Janne Eyre Araujo de Melo Sarmento.


E-Mail: janneeyresarmento@gmail.com
 Funções de Supervisão
 Funções Frontais
 Funções do Lobo Frontal
 Funções de Controle
 Sistema Supervisor entre outros.
 São relacionadas à integridade
anatômica dos lobos frontais,
especificamente do córtex pré-
frontal.
 A demonstração por neuroimagem
funcional de que testes
neuropsicológicos tradicionalmente
“executivos” produzem ativação de
regiões cerebrais fora dos lobos
frontais forneceu evidência adicional de
que regiões extensas dos hemisférios
cerebrais e do cerebelo participam
ativamente da elaboração dos
comportamentos executivos.
Lent,2013,pg 288
 O desempenho executivo é organizado
em redes neurais distribuídas por
alças córtico-subcorticais integradas
em setores especializados dos lobos
frontais.
 É um importante marco adaptativo na
espécie humana, estando relacionado a
componentes universais de sua
natureza, como:
 a) O altruísmo recíproco
 b)A formação de coalizões
 c)Capacidade de imitar e aprender com
a observação do comportamento
alheio...
 d)O uso de
ferramentas
 e)Habilidades
comunicativas
 f)Capacidade de
lidar com grupos,
resguardando-se de
suas influências e
manipulações.
 Atingem sua
maturidade, em
termos
ontogenéticos,
mais tarde em
comparação às
demais funções
cognitivas.
 Desenvolvem-se desde o primeiro ano
de vida até o inicio da vida adulta,
com maior intensidade entre 6 e 8
anos de idade.
 Após sua maturação no fim da
adolescência, passam por um
período de relativa estabilidade
durante a vida adulta, tendendo a
diminuir sua eficiência de forma
natural ao longo do processo de
envelhecimento.
 O desenvolvimento inicial das funções
executivas é de grande importância
para a adaptação social, ocupacional e
mesmo para a saúde mental em etapas
posteriores da vida.
É possível identificar
comprometimentos em tais
funções em bebês de 9 a 12
meses.
 As crianças de Mischel tem sido
acompanhadas por vários anos.
 As crianças que conseguiram postergar
a gratificação aos 4 anos tiveram
melhor desempenho em termos de
cognição social, enfrentamento de
adversidades e desempenho acadêmico
na adolescência.
 Além disso, a postergação da
gratificação aos 4 anos foi capaz de
predizer o desempenho em tarefas de
inibição de respostas aos 18 anos.
 Em um estudo mais recente os mesmos
sujeitos agora com 40 anos de idade,
os pesquisadores verificaram diferenças
entre aqueles que postergaram a
gratificação aos 4 anos e aqueles que
não o fizeram.
 Após a maturação ao final da
adolescência, as funções executivas
passam por um período de relativa
estabilidade durante a idade adulta,
tendendo a diminuir a eficiência de
forma natural ao longo do processo de
envelhecimento.
 Diversos mecanismos neurobiológicos
naturais parecem contribuir para o
processo de declínio das funções
executivas.
 Por volta dos 50 anos, já pode ser
observado um declínio sutil no
desempenho de funções como
categorização, organização,
planejamento, solução de problemas e
memória de trabalho.
 Outras funções executivas, como:
a tomada de decisão afetiva e a
teoria da mente, obedecem
padrão semelhante, porém seu
declínio ocorre um pouco mais
tarde.
 Desta forma, o
desenvolvimento das funções
executivas ao longo da vida
apresenta o formato de um U
invertido.
 Até recentemente o estudo das funções
executivas era dominado,
predominantemente , por médicos e
neuropsicólogos, que enfatizavam a
importância do córtex pré-frontal no
controle de processos e comportamentos
afetados por essa área do cérebro.
 Ao longo dos anos educadores
começam a reconhecer a
importância das funções
executivas no ambiente escolar.
 Nasceu de um paradoxo que só começou
a ser entendido no século XX;
 Esse paradoxo é representado pelo
contraste, observado na prática
clínica, de indivíduos com graves
alterações de comportamento e
personalidade, mas com desempenho
normal ou superior em testes cognitivos
padronizados.
 “Elliotnão deixava de perceber
sua falta de emoção. Ele dizia ter
consciência que as fotos eram
perturbadoras e que, antes da
cirurgia, teria uma resposta
emocional, mas agora não tinha
nenhuma.”
 Conjuntode operações mentais
que organizam e direcionam os
diversos domínios cognitivos
categoriais para que funcionem
de maneira biologicamente
adaptativa.
 Conjunto de habilidades que, de
forma integrada, permitem ao
individuo direcionar comportamentos
e metas, avaliar a eficiência e
adequação desses comportamentos,
abandonar estratégias ineficientes
e resolver, desse modo problemas
imediatos, de médio e de longo
prazo.
Fuentes,2008,pg.187.
Fuentes,2014,pg.115.
 As FEs são funções cognitivas
complexas, relacionadas ao
comportamento dirigido a metas e que
possibilitam ao individuo a solução de
problemas novos, o planejamento em
escala temporal, a análise de custo e
benefício no processo de tomada de
decisões e a autorregulação
comportamental.
 Sendo compostas pela volição,
planejamento, comportamento ativo e
desempenho efetivo.
 Essa sucessão garante ao individuo
maior possibilidade de atingir seus
objetivos de forma competente, à
medida que:
 1)O aspecto motivacional seleciona, no
ambiente interno e externo, estímulos,
objetos a serem alcançados. A partir
daí....
 2)Ele analisa a sucessão de passos para
alcançar tal objetivo e, em seguida, em
um momento oportuno,...
 3)Transforma o plano de ação.
 OBS: Cabendo ainda ao individuo
monitorar, ao longo do tempo, a
eficiência do plano adotado,
sustentando-o ou abandonando-o,
se for o caso.
 Interferência
 Resolução de
Problemas
 Organização
Estratégica
 Tomada de
Decisão
 Inibição Seletiva
do
Comportamento
(controle
inibitório)
 Seleção
 Verificação
 Controle da
Execução de uma
dada ação
 Flexibilidade
Cognitiva
 Memória
Operacional (ou de
trabalho) entre
outras.
1)Refere-se ao controle voluntário e
consciente sobre o ambiente
circundante e sobre a ação necessária
para administrar contingências em
função de um objetivo;

2)A expressão de sua valência se dá no


concatenar entre sensação, cognição e
ação;
3)Não é uma entidade única,
engloba processos de controle de
função distintos;
4)Envolve-se nos âmbitos:
cognitivo, emocional e social.
Com relação aos
correlatos
neuroanatômicos.
 Luria (1981) coligou o
lobo frontal à função
de: programação,
verificação, controle e
execução do
comportamento e ainda
supervisão, controle e
integração das demais
atividades cerebrais.
 Os Lobos Frontais constituem uma vasta
área cerebral;
 De acordo com a diversidade de
habilidades afetadas nos pacientes
estudados, parece improvável que os
lobos frontais exerçam apenas uma
função cognitiva única;
 A própria anatomia advoga em favor
das múltiplas funções dos lobos
frontais.
 O campo ocular é necessário para o
controle voluntário do movimento ocular;
 Área de Broca está associada a
articulação da fala;
 A área órbito-frontal está relacionada
com as mudanças de personalidade;
 Além da assimetria hemisférica- direita
(materiais não-verbais) e esquerda
(ativação para materiais verbais).
 Relacionam-se com processos
cognitivos racionais, inferenciais e
lógico-dedutivos, estando ligadas
ao circuito frontoestrial,
dorsolateral do córtex-pré-
frontal.
 Tem relação com o processamento
emocional, motivacional e com a
cognição social, estando
associadas principalmente à
atividade do circuito pré-frontal
orbitofrontal.
 São referidas com o termo
“Síndrome Disexecutiva” e
geralmente ocorrem em
consequência de
comprometimento envolvendo o
córtex pré-frontal e/ou os
circuitos que fazem conexão
com ele.
 Dificuldade no processo de
tomada de decisões;
 Traça metas irrealistas
sem prever consequências
de suas atitudes em longo
prazo;
 Passam a tentam
solucionar seus problemas
pelo método tentativa e
erro;
 Apresentam dificuldade
em controlar os impulsos;
 Tornam-se distraídos e
insensíveis às
consequências de seus
comportamentos;
 As alterações de humor
são frequentes e podem
se traduzir por quadros
de: apatia, sintomas
depressivos, euforia e
afeto descontextualizado.
A Síndrome Disexecutiva não
abriga, necessariamente,
todos esses sintomas.
 Sua apresentação clínica
depende de quais circuitos
pré-frontais foram
danificados.
 Os complexos circuitos relacionados às
funções executivas envolvem
diferentes sistemas de
neurotransmissão, de modo que
alterações nesses sistemas também
estão relacionada ao desempenho das
funções executivas. Por exemplo:...
 Estão relacionadas a memória
operacional, atenção, controle
inibitório, planejamento,
flexibilidade cognitiva e tomada
de decisão.
 Afetam todas essas funções
citadas.
 É possível constatar isso em
transtornos como esquizofrenia e
o transtorno de déficit de
atenção/hiperatividade.
 São importantes para
processos como: controle
inibitório e a tomada de
decisão afetiva.
 A compreensão da relação entre a
atividade neuroquímica cerebral e as
funções executivas tem sido
importante para o desenvolvimento de
estratégias farmacológicas capazes de
remediar déficits nesses processos
mentais.
Éimportante frisar que o córtex
pré-frontal apresenta um nível de
especialização funcional em que
cada sistema neural está envolvido
com aspectos cognitivos e
comportamentais específicos.
 Brandshaw (2001) descreve a
existência de cinco circuitos frontais
subcorticais pararelos e inter-
relacionados (motor, oculomotor,
dorsolateral, orbitofrontal e cíngulo
anterior);
 Desses cinco, três estão
particularmente relacionados ao
desempenho das funções executivas.
 Circuito Dorsolateral

 Circuito Orbitofrontal

 Circuito do Cíngulo Anterior


 Processos Cognitivos de
estabelecimento de metas,
 Planejamento,
 Solução de Problemas,
 Fluência,
 Categorização,
 Memória Operacional...
 Monitoração da Aprendizagem e da
atenção,
 Flexibilidade Cognitiva,
 Capacidade de Abstração,
 Autorregulação,
 Julgamento,
 Tomada de Decisão,
 Foco e Sustentação da Atenção.
 É a dificuldade em recuperar
livremente um determinado material
aprendido.
 Os pacientes que sofrem desse
problema, falham em testes de
memória em relação a recuperação da
memória espontânea do material
consolidado.
 Aspectos motivacionais
decorrentes da síndrome
disexecutiva, também podem
influenciar a recuperação
espontânea do material
aprendido.
 Fortemente interconectado com áreas
de processamento cognitivo e
emocional;
 Com alguns aspectos do
comportamento social (empatia);
 Cumprimento de regras sociais;
 Controle Inibitório e
 Automonitoração.
 Está associado a comportamentos de
risco e alteração da personalidade
caracterizadas por redução da
sensibilidade às normas sociais,
infantilização e dependência de reforço
evidente e baixa tolerância à
frustração.
 Há também prejuízo no julgamento
social e aprendizado, baseado em
emoções.
 Sintomas de ecopraxia e ecolalia
também são frequentes.
 Passando o paciente a apresentar
dificuldades nos processos de
tomada de decisão por não
antecipação as futuras
consequências de suas atitudes
(“míopia do futuro”).
 A parte mais posterior e medial é
considerada uma das principais
regiões corticais para mediação
autonômica e forma uma rede com
outras áreas límbicas como: a ínsula,
a amigdala cerebral, o córtex polar
temporal, o hipotálamo e o tronco
cerebral.
É importante para a Motivação,
 A monitoração de comportamentos,
 O controle executivo da atenção,
 A seleção e o controle de respostas.
 Pode levar a dificuldades na realização
de atividades que requerem a
manutenção de respostas e controle da
atenção.
 Passando o paciente apresentar:
apatia, dificuldades em controlar a
atenção, identificar e corrigir erros
produzidos a partir de tendências
automatizadas, desinibição de
respostas instintivas e mutismo
acinético.
O componente de atenção
seletiva, um aspecto das redes
atencionais executivas proposto
por Posner (2012) e passível de
avaliação por meio do paradigma
de Stroop (conflito intencional e
interferência), é altamente
dependente desse circuito.
 Neuropsicologia Hoje.Vivian Maria Andrade; Flavia Heloísa dos
Santos e Orlando F. A.Bueno . 2004.Editora: Artes Médicas.São
Paulo. Págs: 125 a 126- Cap 07: Funções Executivas.
 Neuropsicologia: Teoria e Prática. Daniel Fuentes, Leandro F.
Malloy-Diniz, Candida H. Pires Camargo, Ramon Moreira Consenza
e Colaboradores. 2008.Editora: Artmed.Porto Alegre. Págs: 187 a
194- Cap 11: Neuropsicologia das Funções Executivas.
 Neurociência da Mente e do Comportamento. Roberto Lent.
2013.Editora:Guanabara Koogan. Rio de Janeiro. Págs: 288 a
289- Cap 14: Cognição e Funções Executivas.
 Neuropsicologia do Envelhecimento. MALLOY-DINIZ, Leandro
F,FUENTES, Daniel e COSENZA, Ramon M.- -Porto Alegre:
Editora: Artmed ,2013.Capitulo 13:Funções Executivas e
Envelhecimento. Págs: 227 a 228.