Você está na página 1de 6

Unidade Escolar Cosma Ramos de Sousa – Marcolândia – PI – 2019

Biologia EJA VII Aluno ____________________________________


Genética – Conceitos básicos
A Genética é uma parte da Biologia que estuda, principalmente, como ocorre a transmissão de características
de um organismo aos seus descendentes. Sendo assim, podemos dizer, resumidamente, que ela é uma ciência
que se volta para o estudo da hereditariedade, preocupando-se também com a análise dos genes.
Ao estudar Genética, entender alguns termos é essencial. Assim sendo, separamos uma lista dos principais
termos que devem ser compreendidos para um maior entendimento da Genética.
A hereditariedade é um fenômeno que representa a condição de semelhança existente entre ascendentes
(geração parental) e descendentes (geração filial), através da contínua transferência de instruções em forma
de código (as bases nitrogenadas), inscritas no material genético (molécula de ácido desoxirribonucleico),
orientando a formação, desenvolvimento e manutenção de um ser vivo.
Uma característica hereditária pode permanecer inativa de uma geração para a outra, o que não significa a
sua exclusão, mas a dormência circunstancial de um ou vários genes para uma dada característica. Contudo,
não impedindo que um portador de genótipo oculto transmita aos seus descendentes um fenótipo que ficou
escondido.
Este acontecimento ocorre com frequência em animais e plantas. Nos seres humanos é mais nítido quando
observamos a aparência física superficial como: a pigmentação dos olhos ou da pele. Assim, pais com olhos
castanhos podem ter filhos com olhos claros, verdes ou azuis, herança de seus avós ou antecedentes.
Mapa Mental: Conceitos em Genética

→ Conceitos Básicos em Genética


 Alelo: Forma alternativa de um mesmo gene que ocupa o mesmo lócus em cromossomos homólogos.
 Aneuploidia: Alteração cromossômica numérica que afeta um ou mais tipos de cromossomos. O tipo mais
comum de aneuploidia é a trissomia, em que há um cromossomo extra, ou seja, a pessoa apresenta 47
cromossomos, mas o padrão é 46.
 Autossômico: Dizemos que os cromossomos são autossômicos quando não são sexuais, ou seja, todos os
cromossomos, exceto o X e o Y. No total, temos 22 pares de cromossomos autossômicos.
 Cariótipo: É a constituição cromossômica de um indivíduo.
 Codominância: Quando dois alelos que estão em heterozigose expressam-se.
 Cromossomos homólogos: cromossomos que formam pares durante a meiose I, apresentando formato e
tamanho similares e mesmo loci.
 Epistasia: Condição em que um alelo de um gene bloqueia a expressão dos alelos de outro gene.
 Euploidia: Alteração cromossômica numérica em que todo o conjunto cromossômico é alterado.
 Fenótipo: Características bioquímicas, fisiológicas e morfológicas observáveis em um indivíduo. O fenótipo é
determinado pelo genótipo e pelo meio ambiente.
 Genes: Sequência de DNA que codifica e determina as características dos organismos. É a unidade
fundamental da hereditariedade.
 Genótipo: Constituição genética de uma pessoa.
 Locus gênico (plural loci): Posição que um gene ocupa em um cromossomo.
 Principais distúrbios e alterações de origem genética:
- Síndrome de Down (acidente durante a separação dos cromossomos), talassemia (desordem que resulta em
hemácias disfuncionais), albinismo (distúrbio que impede a produção de melanina), daltonismo (distúrbio que
provoca limitação na visão de cores), Síndrome de Turner (anomalia cromossômica), etc.
 O que é o genoma?
Genoma é o código genético, ou seja, o conjunto dos genes. No material genético podemos encontrar
todas as informações para o desenvolvimento e funcionamento do organismo. Este código genético está
presente em cada uma das nossas células. O genoma humano apresenta-se 23 pares de cromossomos que
contêm os genes. Todas as informações são codificadas pelo DNA, que é composto por ácido
desoxirribonucleico. O DNA tem o formato de dupla hélice e é formado por quatro bases que se juntam aos
pares: adenina com timina e citosina com guanina.
 A utilidade do genoma humano
Através do mapeamento genético do genoma humano será possível, muito em breve, descobrir a causa de
muitas doenças. Muitos remédios e vacinas poderão ser desenvolvidos a partir das informações obtidas pelas
pesquisas genéticas. Descobrindo a causa de várias doenças, o ser humano poderá adotar medidas de
prevenção.
Através de pesquisas genéticas e exames, já é possível detectar se um ser humano tem predisposição para
sofrer de certas doenças ou se um embrião herdou doenças graves. Em breve, quando forem descobertas as
ações de todos os genes humanos, outros benefícios virão.
Principais áreas da Genética
- Genética Molecular - estudo das estruturas e funções dos genes no nível molecular.
- Genética Clássica - utiliza procedimentos e técnicas tradicionais como mapeamento de cromossomos. É
anterior à chegada da Biologia Molecular.
- Genética de Populações - estuda as mudanças que ocorrem na frequência dos alelos diante da influência das
forças evolutivas sobre os indivíduos.
- Genética Ecológica - estudo genético levando em conta as interações entre os organismos e aquelas destes
com o meio ambiente.
- Genômica - estuda a sequência dos genes no genoma das espécies.
 O Projeto Genoma
Projeto Genoma teve a participação de várias instituições de pesquisa do mundo todo. Esse projeto
concluiu a determinação da sequência de cerca de 3,2 bilhões de pares de base do genoma humano.
- Geneticista é o nome dado ao pesquisador científico, que se dedida ao estudo da Genética.
Genótipo X Fenótipo
O genótipo corresponde ao conjunto total de genes de um indivíduo. Entretanto, o fenótipo são as
características determinadas pelo genótipo manifestadas pelo indivíduo, como por exemplo, o tipo sanguíneo.
O fenótipo pode ser alterado pelo meio, ou seja, os fatores ambientais, como, por exemplo, a mudança na
coloração dos pelos em coelhos himalaios em função da temperatura do ambiente. À baixa temperatura (5ºC),
os coelhos apresentam coloração preto e branco, enquanto que, ao elevar a temperatura para 20ºC, os coelhos
ficam com coloração apenas branca.
Homozigose X Heterozigose
Os genes alelos quando se apresentam iguais num certo locus são denominados homozigotos, sendo
considerados puros para um caráter e são representados por duas letras iguais, por exemplo, AA ou aa.
Entretanto, quando os genes alelos são diferentes, estes são denominados heterozigotos, sendo considerados
híbridos para um caráter e são representados por duas letras diferentes, por exemplo Aa.
Gene dominante X Gene recessivo
O gene dominante é aquele que determina o mesmo fenótipo, tanto em homozigose (AA) como em
heterozigose (Aa). O gene recessivo só se expressa com os alelos em homozigose (aa). Logo, os alelos podem
ser representados:
AA – homozigoto dominantes aa – homozigoto recessivo Aa - heterozigoto

Primeira lei de Mendel


Gregor Mendel (1822-1884) estabeleceu as leis básicas sobre hereditariedade estudando a ervilha Pisum
sativum. Ele escolheu esta espécie por ser de fácil cultivo, por apresentar características bem marcantes e
contrastantes, produzir grandes números de descendentes e, além disso, suas flores são monóicas (bissexuais)
e reproduzem predominantemente por autofecundação possuindo, desta forma, linhagens puras.
Ele achou que algum fator era responsável pela característica da semente. Sendo assim, ele resolveu cruzar as
plantas puras usando a parte masculina de uma planta com sementes amarelas e a feminina com as de
sementes verdes.

Na geração F1, todas as ervilhas apresentavam as sementes amarelas, sendo chamadas por Mendel de híbridos.
Após esse cruzamento, Mendel realizou a autofecundação de uma dessas sementes híbridas e o resultado
encontrado da segunda geração foi 75% de sementes amarelas e 25% de sementes verdes. Com isso, Mendel
concluiu que o fator para amarelo seria o dominante e o fator para verde recessivo.
A primeira lei de Mendel também ficou conhecida como lei de monoibridismo, pois se aplica em indivíduos
híbridos em relação apenas a uma característica.
2ª Lei de Mendel (diibridismo)Após realizar vários testes de monoibridismo, Mendel resolveu fazer
experiências, desta vez, com dois tipos de características. Mendel cruzou as sementes de ervilhas amarelas e
lisas (dominante) com sementes verdes e rugosas (recessivo).
QUESTÕES

1. (Enem – 2009) Mendel cruzou plantas puras de ervilha com flores vermelhas e plantas puras com flores
brancas, e observou que todos os descendentes tinham flores vermelhas. Nesse caso, Mendel chamou a cor
vermelha de dominante e a cor branca de recessiva. A explicação oferecida por ele para esses resultados era a
de que plantas de flores vermelhas da geração inicial (P) possuíam dois fatores dominantes iguais para essa
característica (VV), e as plantas de flores brancas possuíam dois fatores recessivos iguais (vv). Todos os
descendentes desse cruzamento, a primeira geração de filhos (F1), tinham um fator de cada progenitor e eram
Vv, combinação que assegura a cor vermelha nas flores. Tomando-se um grupo de plantas cujas flores são
vermelhas, como distinguir aquelas que são VV das que são Vv?
a) Cruzando-as entre si, é possível identificar as plantas que têm o fator v na sua composição pela análise de
características exteriores dos gametas masculinas, os grãos de pólen.
b) Cruzando-as com plantas recessivas, de flores brancas. As plantas VV produzirão apenas descendentes de
flores vermelhas, enquanto as plantas Vv podem produzir descendentes de flores brancas.
c) Cruzando-as com plantas de flores vermelhas da geração P. Os cruzamentos com plantas Vv produzirão
descendentes de flores brancas.
d) Cruzando-as entre si, é possível que surjam plantas de flores brancas. As plantas Vv cruzadas com outras
Vv produzirão apenas descendentes vermelhas, portanto as demais serão VV.
e) Cruzando-as com plantas recessivas e analisando as características do ambiente onde se dão os
cruzamentos, é possível identificar aquelas que possuem apenas fatores V.

2. (Enem – 2009) Anemia Falciforme é uma das doenças hereditárias mais prevalentes no Brasil, sobretudo
nas regiões que receberam maciços contingentes de escravos africanos. É uma alteração genética,
caracterizada por um tipo de hemoglobina mutante designada por hemoglobina S. indivíduos com essa doença
apresentam eritrócitos com formato de foice, daí o seu nome. Se uma pessoa recebe um gene do pai e outro da
mãe para produzir a hemoglobina S ela nasce com um par de genes SS e assim terá a Anemia Falciforme. Se
receber de um dos pais o gene para hemoglobina S e do outro o gene para hemoglobina A ela não terá doença,
apenas o Traço Falciforme (AS), e não precisará de tratamento especializado. Entretanto, deverá saber que se
vier a ter filhos com uma pessoa que também herdou o traço, eles poderão desenvolver a doença. Dois casais,
ambos membros heterozigotos do tipo AS para o gene da hemoglobina, querem ter um filho cada. Dado que
um casal é composto por pessoas negras e o outro por pessoas brancas, a probabilidade de ambos os casais
terem filhos (um para cada casal) com Anemia Falciforme é igual a:
a) 5,05%. b) 6,25%. c) 10,25%. d) 18,05%. e) 25,00%

3. (Enem – 2009) Em um experimento, preparou-se um conjunto de plantas por técnica de clonagem a partir
de uma planta original que apresentava folhas verdes. Esse conjunto foi dividido em dois grupos, que foram
tratados de maneira idêntica, com exceção das condições de iluminação, sendo um grupo exposto a ciclos de
iluminação solar natural e outro mantido no escuro. Após alguns dias, observou-se que o grupo exposto à luz
apresentava folhas verdes como a planta original e o grupo cultivado no escuro apresentava folhas amareladas.
Ao final do experimento, os dois grupos de plantas apresentaram:
a) os genótipos e os fenótipos idênticos. b) os genótipos idênticos e os fenótipos diferentes.
c) diferenças nos genótipos e fenótipos. d) o mesmo fenótipo e apenas dois genótipos diferentes.
e) o mesmo fenótipo e grande variedade de genótipos.
QUESTÕES

(Enem 2009) Em um experimento, preparou-se um conjunto de plantas por técnica de clonagem a partir de
uma planta original que apresentava folhas verdes. Esse conjunto foi dividido em dois grupos, que foram
tratados de maneira idêntica, com exceção das condições de iluminação, sendo um grupo exposto a ciclos de
iluminação solar natural e outro mantido no escuro. Após alguns dias, observou-se que o grupo exposto à luz
apresentava folhas verdes como a planta original e o grupo cultivado no escuro apresentava folhas amareladas.
Ao final do experimento, os dois grupos de plantas apresentaram
a) os genótipos e os fenótipos idênticos.
b) os genótipos idênticos e os fenótipos diferentes.
c) diferenças nos genótipos e fenótipos.
d) o mesmo fenótipo e apenas dois genótipos diferentes.
e) o mesmo fenótipo e grande variedade de genótipos.
Gabarito: As duas plantas foram clonadas a partir da planta mãe, logo possuem o mesmo o mesmo genótipo.
Como foram expostos a diferentes condições de iluminação, expressaram fenótipos diferentes. Letra b.
(Enem 2008) Durante muito tempo, os cientistas acreditaram que variações anatômicas entre os animais
fossem consequência de diferenças significativas entre seus genomas. Porém, os projetos de sequenciamento
de genoma revelaram o contrário. Hoje, sabe-se que 99% do genoma de um camundongo é igual ao do
homem, apesar das notáveis diferenças entre eles. Sabe-se também que os genes ocupam apenas cerca de
1,5% do DNA e que menos de 10% dos genes codificam proteínas que atuam na construção e na definição das
formas do corpo. O restante, possivelmente, constitui DNA não-codificante. Como explicar, então, as
diferenças fenotípicas entre as diversas espécies animais? A resposta pode estar na região não-codificante do
DNA.
S. B. Carroll et al. O jogo da evolução. In: "Scientific American Brasil", jun./2008 (com adaptações)
A região não-codificante do DNA pode ser responsável pelas diferenças marcantes no fenótipo porque
contém
a) as sequências de DNA que codificam proteínas responsáveis pela definição das formas do corpo.
b) uma enzima que sintetiza proteínas a partir da sequência de aminoácidos que formam o gene.
c) centenas de aminoácidos que compõem a maioria de nossas proteínas.
d) informações que, apesar de não serem traduzidas em sequências de aminoácidos, interferem no fenótipo.
e) os genes associados à formação de estruturas similares às de outras espécies.
Gabarito: Algumas moléculas de DNA não codificantes regulam atividade de regiões codificantes. Assim,
podem interferir no fenótipo dos seres vivos. Letra d.

QUESTÕES

1. (Enem – 2009) Mendel cruzou plantas puras de ervilha com flores vermelhas e plantas puras com flores
brancas, e observou que todos os descendentes tinham flores vermelhas. Nesse caso, Mendel chamou a cor
vermelha de dominante e a cor branca de recessiva. A explicação oferecida por ele para esses resultados era a
de que plantas de flores vermelhas da geração inicial (P) possuíam dois fatores dominantes iguais para essa
característica (VV), e as plantas de flores brancas possuíam dois fatores recessivos iguais (vv). Todos os
descendentes desse cruzamento, a primeira geração de filhos (F1), tinham um fator de cada progenitor e eram
Vv, combinação que assegura a cor vermelha nas flores. Tomando-se um grupo de plantas cujas flores são
vermelhas, como distinguir aquelas que são VV das que são Vv?
a) Cruzando-as entre si, é possível identificar as plantas que têm o fator v na sua composição pela análise de
características exteriores dos gametas masculinas, os grãos de pólen.
b) Cruzando-as com plantas recessivas, de flores brancas. As plantas VV produzirão apenas descendentes de
flores vermelhas, enquanto as plantas Vv podem produzir descendentes de flores brancas.
c) Cruzando-as com plantas de flores vermelhas da geração P. Os cruzamentos com plantas Vv produzirão
descendentes de flores brancas.
d) Cruzando-as entre si, é possível que surjam plantas de flores brancas. As plantas Vv cruzadas com outras
Vv produzirão apenas descendentes vermelhas, portanto as demais serão VV.
e) Cruzando-as com plantas recessivas e analisando as características do ambiente onde se dão os
cruzamentos, é possível identificar aquelas que possuem apenas fatores V.
Resolução:
O gene que codifica a cor de flores em ervilhas possui dois alelos, o que codifica a flor vermelha (V) e o que
codifica a flor branca (v). O alelo ‘V’ é dominante sobre ‘v’ e isto significa que, caso o gene possua os alelos
para flor vermelha e para flor branca(Vv), o alelo V se sobressairá, tornando assim a flor vermelha. Para a flor
ser branca, é necessário que os dois alelos codifiquem flor branca (vv). Letra b.
Obviamente, se os dois alelos codificarem flor vermelha (VV), a flor expressará tal cor. Para descobrir se uma
flor vermelha é heterozigótica (Vv) ou homozigótica (VV), basta cruzar essas flores com uma que seja
duplamente recessiva(vv). que é branca. Então, se em um cruzamento de uma flor vermelha com uma flor
branca surgirem só descendentes vermelhas, a flor vermelha parental é VV e se em um cruzamento de uma
flor vermelha com uma branca surgir algum descendente com flor branca, isto significa que a flor vermelha
parental é Vv.
2. (Enem – 2009) Anemia Falciforme é uma das doenças hereditárias mais prevalentes no Brasil, sobretudo
nas regiões que receberam maciços contingentes de escravos africanos. É uma alteração genética,
caracterizada por um tipo de hemoglobina mutante designada por hemoglobina S. indivíduos com essa doença
apresentam eritrócitos com formato de foice, daí o seu nome. Se uma pessoa recebe um gene do pai e outro da
mãe para produzir a hemoglobina S ela nasce com um par de genes SS e assim terá a Anemia Falciforme. Se
receber de um dos pais o gene para hemoglobina S e do outro o gene para hemoglobina A ela não terá doença,
apenas o Traço Falciforme (AS), e não precisará de tratamento especializado. Entretanto, deverá saber que se
vier a ter filhos com uma pessoa que também herdou o traço, eles poderão desenvolver a doença. Dois casais,
ambos membros heterozigotos do tipo AS para o gene da hemoglobina, querem ter um filho cada. Dado que
um casal é composto por pessoas negras e o outro por pessoas brancas, a probabilidade de ambos os casais
terem filhos (um para cada casal) com Anemia Falciforme é igual a:
a) 5,05%. b) 6,25%. c) 10,25%. d) 18,05%. e) 25,00%
Resolução:
Se um casal heterozigoto possui o traço falciforme (pai e mãe: AS) e desejam ter apenas um filho, a chance
desse filho nascer com a doença é de 1 a cada 4 crianças nascidas. Um será homozigoto AA sem traço
falciforme, dois serão heterozigotos AS com traços falciformes e um será homozigoto SS e possuirá a doença.
AA = 25%; AS = 50%; SS = 25%. Se forem dois casais, a probabilidade é de ¼ x ¼ =1/16. 1/16 = 0.0625 x
100 = 6.25%. Letra b.
3. (Enem – 2009) Em um experimento, preparou-se um conjunto de plantas por técnica de clonagem a partir
de uma planta original que apresentava folhas verdes. Esse conjunto foi dividido em dois grupos, que foram
tratados de maneira idêntica, com exceção das condições de iluminação, sendo um grupo exposto a ciclos de
iluminação solar natural e outro mantido no escuro. Após alguns dias, observou-se que o grupo exposto à luz
apresentava folhas verdes como a planta original e o grupo cultivado no escuro apresentava folhas amareladas.
Ao final do experimento, os dois grupos de plantas apresentaram:
a) os genótipos e os fenótipos idênticos.
b) os genótipos idênticos e os fenótipos diferentes.
c) diferenças nos genótipos e fenótipos.
d) o mesmo fenótipo e apenas dois genótipos diferentes.
e) o mesmo fenótipo e grande variedade de genótipos.
Resolução:
O genótipo se refere à carga genética que, por serem clones, é igual. Já o fenótipo é diferente, pois as plantas
foram colocadas em situações ambientais opostas e, assim, tiveram características diferentes. Letra B.