Você está na página 1de 35

Universidade Federal de Rio Grande – FURG Curso de Engenharia Mecânica

Materiais de Construção
Mecânica

1
Prof. Dr. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos– Estruturas e propriedades

• O que são Polímeros?


Materiais orgânicos ou inorgânicos, naturais ou sintéticos, de alto
peso molecular, cuja estrutura molecular consiste na repetição
de pequenas unidades, chamadas meros, que compõem as
macromoléculas.
Daí o nome:

poli (muitos) + mero


mero.
2
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos– Estruturas e propriedades

• Como são produzidos os polímeros?

A matéria prima de origem ao polímero chama-se monômero.

A molécula inicial (monômero) vai, sucessivamente, se unindo a


outras, dando o dímero, trímero, tetrâmero, . . . até chegar ao
polímero.

A esta reação que produz o polímero dá- se o nome de Reação de


Polimerização.
3
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos
Estruturas e propriedades

4
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos– Estruturas e propriedades

5
Prof. Paulo Cardoso
Materiais Poliméricos– Estruturas e propriedades

Exemplo: o Etileno, ou eteno (C2H4), um gás, pode


pode polimerizar-se em cadeia linear por aplicação de
temperatura e pressão elevadas na presença de pequenas
quantidades de oxigênio gasoso, transformando-se em
uma substância sólida, o POLIETILENO

6
Prof. Paulo Cardoso
Materiais Poliméricos– Estruturas e propriedades

7
Prof. Paulo Cardoso
Materiais Poliméricos– Estruturas e propriedades

Configuração física
Linear

Ramificada

Reticulada (Ligação cruzada)

8
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Características gerais

• Como de dividem os Polímeros?


Por características mecânicas, por ser a divisão mais importante:

Termoplásticos.

 Termorrígidos (termofixos).

 Elastômeros (borrachas).

9
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Características gerais

Termoplásticos:

Podem ser fundidos diversas vezes, cadeia linear, com ligações fracas
entre as macromoléculas (forças de Wan der Walls ou Pontes de
hidrogênio). Ao ser aquecido, apresenta alta viscosidade, podendo ser
remoldado.
Durante este aquecimento, as ligações covalentes dos monômeros não
são quebradas, somente as ligações fracas entre as macromoléculas.
Materiais típicos:
Polietileno,
Polipropileno,
Policloreto de vinil (PVC).

10
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Características gerais

Termorrígidos (termofixos).
não podem ser amolecidos com o aquecimento, mantendo-se
permanentemente rígidos com o aumento da temperatura. Cadeias
com alta densidade de ligações cruzadas.
Ex: Resinas epóxi, resinas de poliésteres.

11
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Características gerais

Elastômeros (borrachas).
apresentam grande elasticidade, voltando a forma anterior após
estiramento. São elásticos porque possuem pequena quantidade de
ligações cruzadas.
Ex: borracha natural, polibutadieno, silicone.

12
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Características gerais

13
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Características gerais


Produtos Petroquímicos.

14
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Propriedades

15
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Propriedades

Cristalinidade em Polímeros

 O arranjo atômico em polímeros é


Região com alta cristalinidade mais complexo do que em metais e
cerâmicas;
Região amorfa
 Os polímeros são geralmente
parcialmente cristalinos, com regiões
cristalinas dispersas em uma matriz
amorfa.

16
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Propriedades

O grau de cristalinidade é definido por:

taxa de resfriamento durante a solidificação: tempo é necessário


para as cadeias se moverem e se alinharem em uma estrutura
cristalina;

complexidade do mero: quanto mais complexo o mero, menos


cristalino o polímero;

configuração da cadeia: polímero lineares cristalizam com


facilidade, ramificações inibem a cristalização, polímeros em rede
são quase totalmente amorfos e são possíveis vários graus de
cristalinidade para polímeros com ligações cruzadas.

Quanto mais cristalino, maior a densidade, a resistência mecânica,


17
a resistência à dissolução e ao amolecimento pelo calor.
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Propriedades

18
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Propriedades


Propriedades mecânicas, mesmos parâmetros
usados para os metais
• Curva A: polímeros
frágeis termofixos
(polimetilmetacrilato-
acrílico)
(fenolformaldeído-
baquelite)
• Curva B: polímeros
plásticos: polietileno ptfe
teflon pvc pp etc
(termoplásticos)
• Curva C: polímeros
altamente elásticos
(elastômeros -borrachas)

19
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Propriedades Mecânicas


• Alta flexibilidade.
Variável ao longo de faixa bastante ampla, conforme o tipo de polímero e
os aditivos usados na sua formulação;
• Alta resistência ao impacto.
Tal propriedade, associada à transparência, permite substituição do vidro
em várias aplicações.
. Baixas Temperaturas de Processamento
Alguns plásticos especiais requerem até 400oC para sua conformação.
Disso decorre baixo consumo de energia para conformação.

. Ajuste Fino de Propriedades através de Aditivação


Uso de fibras (vidro, carbono, boro) ou algumas cargas minerais (talco,
mica, caolim, wolastonita) aumentam a resistência mecânica; As cargas
fibrosas podem assumir forma de fibras curtas ou longas, redes, tecidos
20
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Propriedades Mecânicas


• Baixa Condutividade Elétrica
Polímeros são altamente indicados para aplicações onde se requeira
isolamento elétrico.

• Baixa Condutividade Térmica


A condutividade térmica dos polímeros é cerca de mil vezes menor que
a dos metais. Logo, são altamente recomendados em aplicações que
requeiram isolamento térmico,
térmico particularmente na forma de espumas.

 Estes dois últimos deve- se a ausência de elétrons livres.

. Maior Resistência a Corrosão


As ligações químicas presentes nos plásticos (covalentes/Van der
Walls) lhes conferem maior resistência à corrosão por oxigênio ou
produtos químicos do que no caso dos metais (ligação metálica).
21
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Propriedades Mecânicas


• Porosidade

O espaço entre as macromoléculas do polímero é relativamente


grande. Isso confere baixa densidade ao polímero, o que é uma
vantagem em certos aspectos.

A principal conseqüência deste fato é a limitação dos plásticos como


material de embalagem, que fica patente no prazo de validade mais
curto de bebidas acondicionadas em garrafas de PET.

22
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Moldagem e Conformação


Injeção
O processo de moldagem por injeção consiste essencialmente no
amolecimento do material num cilindro aquecido e sua
conseqüente injeção em alta pressão para o interior de um molde
relativamente frio, onde endurece e toma a forma final. A
moldagem por injeção apresenta-se como um processo cíclico.
Um ciclo completo consiste das operações seguintes:

1- Dosagem do material plástico granulado no cilindro de injeção.


2- Fusão do material até a consistência de injeção.
3- Injeção do material plástico fundido no molde fechado.
4- Resfriamento do material plástico até a solidificação.
5- Extração do produto com o molde aberto.
23
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Moldagem e Conformação


Injeção

24
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Moldagem e Conformação


Extrusão

Processo Idêntico ao dos metais, mas efetuado com temperaturas


mais baixas.
Os produtos obtidos pelo processo de extrusão incluem tubos,
varões, filmes e folhas, entre outras formas.
A máquina de extrusão serve também para produzir misturas de
materiais plásticos, para produção de formas primárias, tais
como pellets, e na recuperação de desperdícios de materiais
termoplásticos.

25
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Moldagem e Conformação


Extrusão

26
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Moldagem e Conformação


Insuflação
É um processo no qual se utiliza pressão de ar para expandir um plástico macio
na cavidade do molde.
Um cilindro ou um tubo de plástico aquecido, designado por pré-forma, é
colocado entre as mandíbulas de um molde.
O molde é fechado prendendo as extremidades do cilindro e injeta-se ar
comprimido que força o plástico contra as paredes do molde.
Muito utilizado no fabrico de garrafas, tanques de gasolina.
É limitado a termoplásticos: polietileno de elevada densidade, polipropileno,
PVC, PET.
Pode ser realizado:
numa só etapa – extrusão + moldagem por sopro, injeção + moldagem por
sopro, ou alongamento + moldagem por sopro
em duas etapas - fabrico da pré-forma e moldagem por sopro

27
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Moldagem e Conformação


Insuflação

1) Obtenção da pré-forma (extrusão).


2) Fecha-se o molde, e a parte superior da pré-forma (tubo) é fechada pelo molde.
3) Introduz-se ar comprimido no tubo, que o expande enchendo o molde.
4) A peça é arrefecida mantendo-se sob pressão do ar, o molde é aberto e a peça é
removida.
28
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Moldagem e Conformação


Insuflação

29
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Moldagem e Conformação


Prensagem

Muitas resinas termofixas, como as resinas fenol-formaldeído,


ureia-formaldeído, melamina-formaldeído, epoxies e fenólicas
são enformadas por este processo.
A resina termo fixa, que pode ser pré-aquecida, é introduzida num
molde quente contendo uma ou mais cavidades.
A parte superior do molde desce e comprime a resina plástica; a
pressão aplicada e o calor amolecem a resina e o plástico
liquefeito é forçado a encher a cavidade ou cavidades do molde.

30
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Moldagem e Conformação


Prensagem

31
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Construção Civil

32
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Construção Civil

Caixa d’água de PE de
Alta Densidade.

33
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Construção Civil


• Poli(cloreto de vinila) (PVC)
- Principais propriedades:
· Baixo custo;
· Elevada resistência a chama, pela presença do cloro;
· Processamento demanda um pouco de cuidado.

- Restrições:
· O monômero é um potente cancerígeno; deve haver controle do teor
residual que permanece no polímero, particularmente em aplicações
em que o polímero vai entrar em contato com alimentos.
· Plastificantes (aditivo usado para tornar o polímero mais flexível) a
base de ftalatos também são considerados cancerígenos.

 O Greenpeace vem promovendo ampla campanha para banir o uso


do PVC que contenha esse aditivo, particularmente em brinquedos
e produtos que venham a entrar em contato com alimentos.
34
Prof. Paulo Cardoso
Mat. de Construção Mecânica - Eng. Mecânica - FURG

Materiais Poliméricos – Construção Civil


Há quatro tipos básicos:

- PVC rígido, isento de plastificantes.


Usado na fabricação de tubos, carcaças de utensílios domésticos e
baterias.

- PVC flexível ou plastificado.


Usado no revestimento de fios e cabos elétricos, composições de tintas
(látex vinílico), cortinas de banheiros.

- PVC transparente, isento de cargas.

- PVC celular ou expandido.

35
Prof. Paulo Cardoso