Você está na página 1de 1

CASO Nº 36 -NEUROLOGIA

X, masculino, 60 anos, casado, comerciante, natural e procedente de


Uberaba.

"Desmaio há meia hora"

Há quatro meses, a esposa tem notado que o sr. X "já não é a mesma
pessoa". Pouco a pouco, ele, geralmente expansivo e dado a jocosidades,
tornou-se taciturno e desinteressado. Quando os visitam os amigos, o sr.
x permanece quieto em sua poltrona, com "o olhar vazio". Quando conversam
com ele, geralmente responde com frases curtas, às vezes precisando
delongar-se para buscar uma palavra. No trabalho, também o sr. X se
transformou. Comerciante, freqüentemente fazia gracejos, era rápido nas
vendas. Agora, todavia, ele fala pouco, raciocina com lentidão, esquece-
se dos locais onde estão guardadas as mercadorias.
Decidiu, portanto, a família do sr. X buscar auxílio médico. Dois
meses após o início dos sintomas, levaram-lhe a um clínico geral. Este
solicitou uma série de "exames de sangue", que se revelaram, conforme
informou à família, normais. O médico então diagnosticou "depressão" e
prescreveu fluoxetina, que o paciente vem usando até o presente, sem
melhora.
Três meses após o início do quadro, o sr. X passou a apresentar
dificuldade progressiva para deambular, "arrastando a perna direita",
com freqüentes tropeços e quedas. A família, por essa ocasião, consultou
outro médico, que diagnosticou "radiculopatia" e prescreveu diclofenaco
de sódio", sem melhora.
Quatro meses após terem começado os sintomas, a esposa despertou
à noite, atônita com o que via: o sr. X, a seu lado, apresentava abalos
repetitivos dos quatro membros, com sialorréia. Esses abalos duraram
alguns minutos, sendo seguidos por sono profundo. Os familiares
apressaram-se então a trazer o paciente ao Pronto-Socorro deste hospital.
No caminho, dentro do carro, o sr. X voltou à consciência, a princípio
sem ninguém reconhecer, mas logo conversou com os filhos, sem compreender
o que estava acontecendo.
INTERROGATÓRIO COMPLEMENTAR: Tosse matinal, diária, há vários anos, com
escarros amarelados. Hipertensão arterial moderada, controlada com
captopril. Dores epigástricas ocasionais há dez anos, de forte
intensidade, que melhoram com a alimentação. Herniorrafia há quinze
anos. Tonturas vertiginosas há vinte anos, que persistem por várias
horas, com náuseas, vômitos, palidez, levam o paciente a deitar, ocorrem
com intervalos de vários meses.
HÁBITOS E CONDIÇÕES DE VIDA: Fumante há quarenta anos, 1 maço de cigarros
ao dia.Etilista há vinte anos, de uma dose de aguardente por dia. Não
habitou zona rural.
EXAME FÍSICO GERAL: Hidratado, corado, anictérico, eupneico, afebril.
Cor: BRNF a 72 spm, sem sopros. PA: 160x100. Pulsos normopalpáveis e
simétricos. Pulmões MV preservado, sem ruídos adventícios. Abd: flácido,
não doloroso à palpação, sem visceromegalias. Membros: sem edema.
EXAME NEUROLÓGICO: Consciente. Orientado auto e alopsiquicamente.
Apático. Nn cranianos sem alterações. FO normal. Força: hemiparesia à
direita, de predomínio crural (forca 4-).
Coordenação: eumétrico e eudiadococinético.
Reflexos sup: sinal de Babinski à direita. Cutâneo-abdominal não
visualizado.
Reflexos prof.: bicipital, tricipital, estilo-radial, flexor profundo
dos dedos, patelar e aquileu exaltados à direita.
Tônus: discreta hipertonia elástica à direita. Reflexo naso-palpebral
inesgotável. Palmo-mentoniano presente à direita. Sensibilidade
superficial profunda e mista: normal. Teste de Romberg negativo. Marcha
hemiparética à direita. Ausência de sopros carotídeos ou cranianos.